Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012"

Transcrição

1 1

2 2

3 3

4 4

5 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em ,9 4,8 de A. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil* África** Asia** Ásia** Europa** América Latina e Caribe** América do do Norte** 0 Oceania** 5

6 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em ,9 4,8 *Número de decolagens fornecido pela ANAC e número de acidentes pelo CENIPA. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil* África** Asia** Ásia** Europa** América Latina e Caribe** América do do Norte** 0 Oceania** 6

7 Crescimento da Frota Nacional e Quantidade de Acidentes por Ano CRESCIMENTO DA FROTA TOTAL DE ACIDENTES *Número de crescimento da frota Nacional fornecido pela ANAC e número de acidentes pelo CENIPA. 7

8 Percentual de Acidentes da Aviação Civil com Presença de Violação em ,25% 65,75% Acidentes com violação Acidentes sem violação 8

9 Os vilões 9

10 17/08/

11 RESULTADOS SOBRE COMO A POPULAÇÃO PERCEBE A ACEITAÇÃO DAS LEIS NO BRASIL (Percentual de entrevistados que responderam que concorda muito ou concorda com as afirmações listadas) 82% 79% 54% É FÁCIL DESOBEDECER ÀS LEIS NO BRASIL SEMPRE QUE POSSÍVEL O BRASILEIRO OPTA PELO JEITINHO EM VEZ DE OBEDECER A LEI EXISTEM POUCAS RAZÕES PARA UMA PESSOA COMO EU OBEDECER À LEI FONTE: Relatório IPCL Brasil 4º TRI/2012 1º TRI/2013 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO 11

12 Percentual de Violações Identificadas nos Acidentes da Aviação Civil-2012 Descumprimento de normas/procedimentos estabelecidos Cadernetas não apresentadas ou desatualizado Certificados/Licenças vencidos, suspensos ou cancelados Aeronave reparada sem a liberação da investigação Operação em pista/local clandestino Descumprimento dos limites dos Manuais de Operação Anv c/ inspeções/revisões feitas em oficina não homologada Aeronave com DA não cumprida/aplicada Aeronave e ou itens instalados sem a identificação prevista Transportando droga ou contrabando Condutor sem habilitação Piloto utilizando Licença ou Habilitação de outro Descumprimento das Normas de Tráfego Aéreo Indisciplina de vôo Piloto com CHT incompatível com a operação ou aeronave Aeronave com Inspeções vencidas Piloto com CHT vencido Aeronave com o CA vencido, suspenso ou cancelado Piloto com CCF/CMA vencido Piloto / Operador não comunicou a ocorrência Destroços movimentados sem autorização do investigador Operação em pista não registrada, homologada ou fechada 1,6% 1,6% 1,6% 1,6% 3,2% 3,2% 3,2% 3,2% 3,2% 4,8% 4,8% 6,5% 11,3% 11,3% 11,3% 14,5% 16,1% 16,1% 17,7% 19,4% 21,0% 24,2% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 12

13 Percentual de Tipos de Violações Identificadas nos Acidentes Fatais da Aviação Civil do Ano de 2012 Com indícios de ilícito 5,9% Relativas à documentação da aeronave 11,8% Relativas à manutenção da aeronave 17,6% Relativas à operação da aeronave 35,3% Relativas à documentação de tripulante 64,7% 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% 70,0% 13

14 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES RELATIVAS À DOCUMENTAÇÃO DE TRIPULANTE Piloto com CCF/CMA vencido Piloto com CHT vencido Piloto com CHT incompatível com a operação ou aeronave Condutor sem habilitação Piloto utilizando licença ou habilitação de outro 14

15 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES RELATIVAS À DOCUMENTAÇÃO DA AERONAVE Certificado de aeronavegabilidade vencido, suspenso ou cancelado Certificado de matrícula vencida ou cancelada Seguro Obrigatório vencido Cadernetas da aeronave não apresentadas ou com escriturações desatualizadas Diário de Bordo não apresentado ou apresentado com escriturações desatualizadas Aeronave e ou itens instalados sem a identificação prevista 15

16 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES RELATIVAS À MANUTENÇÃO DA AERONAVE Inspeção vencida Diretriz de Aeronavegabilidade não cumprida/aplicada Descumprimento de normas e procedimentos estabelecidos pelo fabricante Inspeções ou revisões realizadas em oficina não homologada ou profissional não habilitado 16

17 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES RELATIVAS À OPERAÇÃO DA AERONAVE Operação em pista/heliponto não registrado, não homologado ou fechado Falha Operacional Indisciplina de voo Descumprimento de normas de Tráfego Aéreo Descumprimento de procedimentos e limites estabelecidos em Manuais de Operação 17

18 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES RELATIVAS À OPERAÇÃO DA EMPRESA Operando com Certificados ou Licenças vencidos, suspensos ou cancelados 18

19 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES COM INDÍCIOS DE ILÍCITO Transportando droga ou contrabando Operação em pista/local clandestino (não registrado ou homologado) Aeronave roubada/sinistrada (com identificação) Aeronave sinistrada (sem identificação) 19

20 CATÁLOGO DE IRREGULARIDADES RELATIVAS AO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO Piloto/operador não comunicou a ocorrência Destroços movimentados sem autorização do investigador encarregado Aeronave reparada sem a liberação da investigação Aeronave ou destroços não resgatados par análise (inacessibilidade) Procrastinação das investigações por parte dos investigados 20

21 Fatores Contribuintes dos Acidentes com Aeronaves Civis de Matrícula Nacional 2003 a 2012 Carga de Trabalho 0 Controle de Tráfego Aéreo Indeterminado Fabricação Manuseio do Material Outros Pessoal de Apoio Esquecimento Aspecto Médico Inf. Meio Ambiente Projeto Infraestrutura Aeroportuária Coordenação de Cabine Outros Asp. Operacionais Condições Meteorológicas Adversas Instrução Pouca Experiência do Piloto Manutenção Aplicação de Comandos Aspecto Psicológico Planejamento Supervisão Julgamento 0,0% 0,2% 0,9% 1,1% 1,3% 1,5% 2,2% 3,8% 4,5% 4,7% 6,2% 6,5% 8,3% 12,7% 13,8% 14,3% 17,1% 17,6% 19,1% 27,9% 37,7% 46,3% 50,6% 62,6% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Percentual de Incidência dos Fatores Contribuintes 21

22 ERROS X VIOLAÇÕES ERROS Desvio não intencional Pode ser gerenciado e mitigado -Tem consciência de um estímulo sem interpretá-lo corretamente -Falha em compreender uma mensagem transmitida, podendo ser induzida, pela expectativa, preconceito, hábitos, etc. CLASSIFICAÇÃO DE ERROS: ATOS INSEGUROS Constituem, por vezes: -Caminho único para solução de problemas -Rápidas tomadas de decisão para o bem de terceiros -são perigosas VIOLAÇÕES Desvio intencional Não pode ser mitigada Aumento dos Riscos: -Conduzem os operadores pra fora dos limites das práticas seguras -Torna o ambiente menos propenso à tolerância de erros -Podem torna-se erros quando não conhece ou entende uma regra e desconsiderar o risco -Quebra da última linha de defesa CLASSIFICAÇÃO DE VIOLAÇÕES: PERCEPÇÃO DESEMPENHO DECISÃO ROTINEIRAS SITUACIONAIS EXCEPCIONAIS 22

23 VIOLAÇÕES ROTINEIRAS Quando implicam no caminho do menor esforço, um atalho que operadores tomam a fim de facilitar o trabalho ou tarefa executada. 23

24 VIOLAÇÕES SITUACIONAIS O operador transgride normas ao empregar métodos alternativos para resolução de problemas, a partir de uma análise de custo benefício. 24

25 VIOLAÇÕES EXCEPCIONAIS Quando os operadores deliberadamente tomam decisões conscientes e agem instintivamente, diante de casos inusitados, com a finalidade de beneficiar terceiros ou até mesmo salvar vidas. 25

26 COMO COMBATER OS VILÕES REPORTE VOLUNTÁRIO A OACI preconiza que o mais importante pré-requisito para um sistema efetivo de reportes num ambiente operacional é o pessoal treinado e capacitado para reportar perigos. (DOC 9859, ICAO, 2009) Os reportes prestam-se, na sua essência, para comunicação de perigos, erros e violações. A comunicação de perigos atende a uma abordagem preditiva de segurança, devendo ser objetiva e neutra, ao passo que a comunicação de erros e violações é reativa e normalmente subjetiva. (DOC 9859, ICAO, 2009) 26

27 COMO COMBATER OS VILÕES FERRAMENTAS HUMAN FACTORS ANALISYS & CLASSIFICATION SYSTEM-HFACS SISTEMA DE ANÁLISE E CLASSIFICAÇÃO DO FATOR HUMANO Atos Inseguros Erros Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais Corrigir a Organização Corrigir o Indivíduo 27

28 COMO COMBATER OS VILÕES FERRAMENTAS HUMAN FACTORS ANALISYS & CLASSIFICATION SYSTEM-HFACS SISTEMA DE ANÁLISE E CLASSIFICAÇÃO DO FATOR HUMANO Erros -Julgamento deficiente: Atos altitude/ velocidade Inseguros -Desorientação espacial -Ilusão visual distância/ Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais 28

29 COMO COMBATER OS VILÕES FERRAMENTAS HUMAN FACTORS ANALISYS & CLASSIFICATION SYSTEM-HFACS SISTEMA DE ANÁLISE E CLASSIFICAÇÃO DO FATOR HUMANO -Deixar de priorizar a atenção -Acionamento acidental de controle Atos de voo Inseguros -Omissão de uma etapa do procedimento -Omissão do item de check-list Erros Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais 29

30 COMO COMBATER OS VILÕES FERRAMENTAS HUMAN FACTORS ANALISYS & CLASSIFICATION SYSTEM-HFACS SISTEMA DE ANÁLISE E -Procedimento CLASSIFICAÇÃO impróprio DO FATOR HUMANO -Emergência mal diagnosticada -Resposta Atos à emergência incorreta Inseguros -Exceder a habilidade -Manobra imprópria -Decisão inadequada Erros Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais 30

31 COMO COMBATER OS VILÕES FERRAMENTAS HUMAN FACTORS ANALISYS & CLASSIFICATION SYSTEM-HFACS SISTEMA DE ANÁLISE E CLASSIFICAÇÃO DO FATOR HUMANO -Desvios habituais das normas e regulamentos Atos Inseguros -Não ocorreriam se não houvesse grau de tolerância do administrador Erros Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais 31

32 COMO COMBATER OS VILÕES FERRAMENTAS HUMAN FACTORS ANALISYS & CLASSIFICATION SYSTEM-HFACS SISTEMA DE ANÁLISE E CLASSIFICAÇÃO DO FATOR HUMANO -Desvios isolados das normas -Não são habituais Erros Atos Inseguros -Conhecimento prévio de que não seriam toleradas pela administração. Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais 32

33 COMO COMBATER OS VILÕES TIPOS DE CULTURA DE SEGURANÇA DE VOO NA ORGANIZAÇÃO PATOLÓGICO (Doente) Informação escondida BUROCRÁTICO (Acomodado) Informação Ignorada PRÓ-ATIVO (Participativo) Informação procurada Responsabilidade negada (eu não...) Falha encoberta Responsabilidade compartilhada Falha tratada superficialmente Portadores informações valorizados das Falhas tratadas a fundo Novas reprimidas ideias Novas ideias = problemas Novas ideias bem vindas 33

34 CONCLUSÃO A falibilidade é parte da condição humana. Erros e violações afetam a Segurança Operacional da Aviação. Por isso devem haver defesas específicas contra ambos. Não vamos mudar a condição humana, mas podemos mudar as condições sob as quais as pessoas trabalham. A verdadeira motivação para tratar violações de forma diferenciada tem que ser a de elevar a segurança, e não a de poder punir sem comprometer a segurança. A ênfase no processo independentemente dos resultados é vital para formar e manter uma cultura organizacional justa, mas é um colossal desafio para as lideranças. 34

35 Sob a simpática expressão jeitinho brasileiro, ela é socialmente aceita, conta com o apoio da população, que encara como tolerável. Numa interpretação complacente, o jeitinho é sempre o instrumento que possibilita a quebra das regras. Sejam boas ou ruins, por definição, elas são universais e se aplicam a todos os cidadãos. Se forem injustas ou ilegítimas, devem ser mudadas. Porém, uma vez estabelecidas, devem e precisam ser seguidas. Alberto Carlos Almeida, A Cabeça do Brasileiro,

36 36

37 37

38 38

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA A 9 1 Sumário Panorama Atual dos Dados Relativos às

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado)

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) O Gerenciamento de Riscos é uma das áreas contidas no Gerenciamento de Projetos, e uma

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os compromissos da ANAC relacionados

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EDP EMB 721C DATA 12 MAR 2009 RF A- 017/CENIPA/2009

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

Segurança Operacional no Brasil

Segurança Operacional no Brasil Rio de Janeiro, 28 de abril de 2014 Segurança Operacional no Brasil O futuro já chegou Carlos Eduardo Pellegrino Diretor de Operações de Aeronaves Estrutura Governamental Presidência CONAC Conselho Nacional

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo 5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012)

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-HHV 206B DATA: 01 DEZ 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. PSOE-ANAC

PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. PSOE-ANAC PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. PSOE-ANAC PROGRAMA DE SEGURANÇA OPERACIONAL ESPECÍFICO DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - PSOE-ANAC. PREFÁCIO De acordo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE AERONÁUTICO PT

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 069/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-YEG 206B 24NOV2009 ADVERTÊNCIA

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 153/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-GEB B300 01SET2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 091/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 091/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 091/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-YCZ R22 DATA: 11 NOV 2005 ADVERTÊNCIA

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 032/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-OID 310R 26FEV2010 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 A CLAC é um organismo internacional subordinado à OACI. 9 As recomendações e resoluções estabelecidas pela CLAC são

PROVA OBJETIVA. 8 A CLAC é um organismo internacional subordinado à OACI. 9 As recomendações e resoluções estabelecidas pela CLAC são De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NN 1.16 Portaria CNEN 17/00 Abril / 2000 GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação: DOU 21.09.1999 Portaria CNEN 17/00

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional

Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional GUILHERME ROCHA São José dos Campos - SP INSTITUTO DE PESQUISAS E ENSAIOS EM VOO Agosto 2011 SSV 2011

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os novos conceitos sobre segurança

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-IKM 210L DATA: 10 OUT 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Declaração de Conformidade

Declaração de Conformidade APÊNDICE A DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE PARA OPERADOR AÉREO REGIDO PELO RBAC 121 QUE TRANSPORTA APENAS PASSAGEIRO Declaração de Conformidade Esta organização requerente apresenta o Manual de Artigos Perigosos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE AERONÁUTICO PT MBV

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 GERÊNCIA-GERAL GERAL DE ANÁLISE E PESQUISA DA SEGURANÇA OPERACIONAL

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA. Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail.

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA. Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail. CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail.com OBJETIVO APRESENTAR O CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PP-KBK A-122B DATA 24 JUL 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante

Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante Não seja pego de surpresa! Antes da fase de preparação para o voo, verifique a regularidade dos certificados e licenças da aeronave, da tripulação

Leia mais

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Helipontos em São Paulo: Segurança, Irregularidades e Caminhos para Regularização Anderson Ribeiro Correia Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-YHA MODELO: 206L-3 DATA: 22OUT2006 ADVERTÊNCIA

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO:

PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO: PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO: 1. O que é preterição de embarque? A preterição de embarque (embarque não realizado por motivo de segurança operacional, substituição

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-EPT E 720C DATA: 21 JUL 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Gerenciando erros humanos em operações químicas Ministrante: Fábio Rubens Soares Engenheiro Químico - Professor FAAP Contatos: frsoares@faap.br Apoio Campinas,

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 097/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-LPZ C500 18MAI2013 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

O Sistema DCERTA como ferramenta de apoio à fiscalização

O Sistema DCERTA como ferramenta de apoio à fiscalização N 05 31 de maio de 2011 O Boletim Eletrônico de Capacitação é um informativo publicado quinzenalmente no portal da ANAC na internet e na intranet. O objetivo é divulgar as ações de capacitação que irão

Leia mais

ANEXO À PORTARIA Nº 2975, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. AGENDA REGULATÓRIA DA ANAC PARA O BIÊNIO 2015-2016

ANEXO À PORTARIA Nº 2975, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. AGENDA REGULATÓRIA DA ANAC PARA O BIÊNIO 2015-2016 ANEXO À PORTARIA Nº 2975, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. AGENDA REGULATÓRIA DA ANAC PARA O BIÊNIO 2015-2016 de Tema Certificação basea em performance para organizações de projeto de aeronaves. Atualização

Leia mais

RELATÓRIO FINAL I-Nº 037/CENIPA/2010

RELATÓRIO FINAL I-Nº 037/CENIPA/2010 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL I-Nº 037/CENIPA/2010 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: INCIDENTE GRAVE PR-JTR AMT-600 DATA: 14 NOV 2008 ADVERTÊNCIA

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Prof. Guido Carim Júnior

Prof. Guido Carim Júnior Sistema de Gestão da Segurança Operacional (SGSO) : fundamentos e requisitos Prof. Guido Carim Júnior 28 de maio de 2010 Objetivo Apresentar os fundamentos de um sistema de gestão (de segurança) como meio

Leia mais

O que é Homologação?

O que é Homologação? O que é Homologação? Em relação a produto aeronáutico, significa a confirmação, pela autoridade competente, de que o produto está em conformidade com os requisitos estabelecidos pela autoridade aeronáutica;

Leia mais

A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico

A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico JUSTIÇA FEDERAL A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico OBJETIVO Conhecer as principais conseqüências jurídicas de um acidente aéreo, a especialmente quanto à responsabilidade criminal. ROTEIRO

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE...2 2. AMPLITUDE...2 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO...2 3.1. Risco... 2 3.1.1. Risco Residual... 2 3.2. Natureza do Risco... 3 3.3. Categoria

Leia mais

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

O Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO) Brasília 30 de junho de 2011

O Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO) Brasília 30 de junho de 2011 O Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO) Brasília 30 de junho de 2011 Objetivos Identificar os compromissos do Brasil para com o gerenciamento da segurança operacional da aviação civil

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

Aeroclube de Videira - SC. Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional MGSO

Aeroclube de Videira - SC. Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional MGSO Aeroclube de Videira - SC Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional MGSO Índice TERMO DE APROVAÇÃO... 4 CONTROLE DE REVISÕES... 5 DISTRIBUIÇÃO... 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PEQUENO PROVEDOR DE SERVIÇOS

Leia mais

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education Sistemas Críticos Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade Objetivos Explicar o que significa um sistema crítico, e onde a falha de sistema pode ter conseqüência severa humana ou econômica. Explicar quatro

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS DE PARNAÍBA COORDENAÇÃO ADMINISTRATIVA FINANCEIRA. Manual Setor de Transportes

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS DE PARNAÍBA COORDENAÇÃO ADMINISTRATIVA FINANCEIRA. Manual Setor de Transportes Manual Setor de Transportes 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento para utilização dos veículos em viagem visando atendimento das necessidades da comunidade da UFPI - campus de Parnaíba. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. JERÔNIMO GOERGEN) Altera a Lei nº 7.183, de 5 de abril de 1984 para modificar disposições do exercício da profissão do aeronauta. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 073/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-OAL F28MK0100 09ABR2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Guia para elaboração de. Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional (MGSO) Aeródromos Classe I e II

Guia para elaboração de. Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional (MGSO) Aeródromos Classe I e II Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Gerência de Operações Aeronáuticas e Aeroportuárias Guia para elaboração de Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional (MGSO) Aeródromos Classe I

Leia mais

Ordem Unida. Público alvo: Líderes - Encarregados de Obras;

Ordem Unida. Público alvo: Líderes - Encarregados de Obras; Público alvo: Líderes - Encarregados de Obras; Objetivo: Aumentar a percepção do risco nas frentes de serviços; Capacitar os Encarregados de Obras como Agentes de Segurança. Reduzir o número de pessoas

Leia mais

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Plataformas Tesoura Elétrica Características operacionais - Ideal para serviços que demandam maior espaço no deck de trabalho ou baixos níveis de ruído,

Leia mais

GERÊNCIA-GERAL DE ANÁLISE E PESQUISA DA SEGURANÇA OPERACIONAL GGAP

GERÊNCIA-GERAL DE ANÁLISE E PESQUISA DA SEGURANÇA OPERACIONAL GGAP 202 GERÊNCIA-GERAL DE ANÁLISE E PESQUISA DA SEGURANÇA OPERACIONAL GGAP ESTUDO SOBRE AS OPERAÇÕES AÉREAS DE HELICÓPTEROS NO PAÍS EM 20 OBJETIVO Traçar um perfil sobre as operações aéreas de helicópteros

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL SUMÁRIO RESUMO...4 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 ESCOPO DO DOCUMENTO...5 1.2 APLICABILIDADE DO DOCUMENTO...5 1.3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...6 1.4 TERMINOLOGIA -

Leia mais

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança ENIO VITERBO JUNIOR Diretor Corporativo SSMA 18/04/2012 Título da Apresentação 1 Objetivos Apresentar uma maneira

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Carlos Gabos CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT

Carlos Gabos CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT Segurança Carlos Gabos CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT SEGURANÇA e Mitigação dos Riscos em operações de Movimentação de Cargas Carlos Gabos 12 maio 2011 Riscos Toda operação de movimentação de carga possue

Leia mais

Figura 1 Clientes das informações meteorológicas Fonte: http://www.meted.ucar.edu/dlac2/mod1_es/print.htm#z1.0

Figura 1 Clientes das informações meteorológicas Fonte: http://www.meted.ucar.edu/dlac2/mod1_es/print.htm#z1.0 A necessidade, os benefícios e o caminho para a implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade na prestação do serviço meteorológico à navegação aérea. A necessária proximidade com o usuário Artur Gonçalves

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO 1 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO Giovanni Moraes de Araújo Mestre em Sistema de Gestão pela UFF giomor@terra.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo destacar

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone.: 21 842 35 02 / Fax: 21 841 06 12 E-mail: ais@inac.pt Telex:

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 20 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Adequação dos Registros e Padrões Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais