MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO IAC EXPEDIÇÃO NOSER D-HC-GV-SE-SR-IN-X TITULO: VÔO AGRÍCOLA NOTURNO INTRODUÇÃO I A presente norma de serviços (NOSER) é aplicável a todas as empresas detentoras de um Certificado de Operador de Aviação Agrícola, assim como a todos os operadores privados de aviação agrícola, conforme estabelecido no Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica (RBHA) 137. II Esta NOSER é expedida com fundamento no que estabelece o item a do Art. 1º do Decreto-Lei n.º 917, de 07 de outubro de 1969 e o item 5 do Art. 5º da Portaria n.º 453/GM5, de 02 de agosto de III Esta NOSER é composta de 4 páginas. Brig. do -Ar SERGIO DRUMMOND DA FONSECA Chefe do Subdepartamento Técnico Ten. Brig do- Ar JOÃO FELIPPE SAMPAIO DE LACERDA JÚNIOR Diretor Geral 1

2 COTROLE DE EMENDAS Nº DATA DA DATA DA ANOTAÇÃO ANOTADA POR Nº DATA DA DATA DA ANOTAÇAO ANOTADA POR 2

3 VÔO AGRÍCOLA NOTURNO 01 OBJETIVO Esta Instrução de Aviação Civil (IAC) tem como objetivo orientar um detentor de certificado de operador de aviação agrícola que se proponha a executar operações de aviação agrícola no período compreendido entre o pôr e o nascer do sol, através de isenção do requisito estabelecido pelo parágrafo (a) do RBHA 137 nos termos do RBHA RBHA CORRELACIONADOS RBHA 10, 11, 21, 23, 43, 91 e CONCESSÃO DE ISENÇÃO O Departamento de Aviação Civil (DAC) pode conceder isenção do requisito estabelecido pelo parágrafo (a) a um operador que haja requerido tal isenção nos termos do RBHA 11, desde que esse operador atenda ao previsto nesta IAC. A isenção é concedida através de ofício cujo original deve ser conservado na sede administrativa do detentor do certificado; cópias do mesmo ofício devem ser transportadas a bordo de aeronaves operando em locais afastados da sede (em adição aos documentos requeridos pela seção do RBHA 137). No ofício devem ser identificadas as aeronaves, através de suas respectivas matrículas, autorizadas para tais operações. 04. PLANO PARA VÔO AGRÍCOLA NOTURNO Cada detentor de certificado de operador de aviação agrícola interessado em realizar operações agrícolas noturnas (operações realizadas no período compreendido entre 30 minutos após o por do sol e 30 minutos antes do nascer do sol) deve elaborar um Plano para Vôo Agrícola Noturno que deverá ser aceito pelo DAC. O operador deverá realizar uma demonstração de operação agrícola noturna ao DAC, indo desde a fase de preparação da missão no período diurno até a aplicação, durante a noite, de um agente inerte (água, areia ou outro) compatível com as características dos agentes ativos normalmente utilizados. O Plano de Vôo Agrícola Noturno deverá abranger todos os aspectos, procedimentos e responsabilidades necessários, relacionados às operações agrícolas noturnas e deverá considerar pelo menos o seguinte: (a) nos vôos noturnos devem ser obedecidos os requisitos estabelecidos no parágrafo (c) do RBHA 91, relativos aos instrumentos e aos equipamentos requeridos para vôo VFR noturno, e na seção , relativos às luzes da aeronave; (b) as operações agrícolas noturnas devem ser conduzidas somente quando o horizonte natural estiver visível ou existir iluminação de superfície suficiente para permitir adequada orientação espacial; (c) a área na qual será conduzida a operação noturna deve ser inspecionada no solo durante o dia pelo piloto e pelo coordenador da operação, devendo ser desenvolvido um plano de trabalho para cada área específica. A critério do piloto pode ser elaborado, ou não, um desenho da área indicando as faixas de operação e a localização das obstruções que possam interferir com a operação. Se for usado uma pessoa para sinalização (balizador), ela deve participar da inspeção e da elaboração do desenho; (d) antes de iniciar uma operação agrícola noturna, o piloto deve procurar obter todas as informações meteorológicas disponíveis, principalmente quanto à possibilidade de ocorrência de inversão do gradiente de temperatura na área da operação (inversão térmica); 3

4 NOTA: Inversões térmicas podem deixar em suspensão na atmosfera sólidos em pó ou líquidos em gotículas, podendo ocorrer deslocamento dessas nuvens par outros locais. As inversões térmicas podem ocorrer em noites claras com vento calmo. A superfície fria do solo esfria o ar adjacente, podendo provocar um gradiente estável de temperatura onde a temperatura do ar aumenta com a altitude. Com céu encoberto por nuvens estratificadas a variação de temperatura do solo é limitada, resultando em condições neutras quanto à formação de inversões térmicas ou de gradientes térmicos instáveis. (e) o operador deve estabelecer condições mínimas de experiência de vôo para os pilotos que conduzirão operações agrícolas noturnas como, por exemplo, número mínimo de horas de vôo noturno, horas totais de vôo como IP e horas de vôo agrícola. Adicionalmente, deve ser estabelecido um treinamento mínimo na área de operação, em vôo diurno, antes de serem iniciadas as operações agrícolas noturnas nessa área. O treinamento deve ser conduzido na mesma aeronave a ser empregada nas operações agrícolas noturnas; e (f) as dimensões da área onde se pretende operar à noite, considerando o número, localização e tipo de obstruções, também devem ser consideradas. Por exemplo: (1) um campo relativamente pequeno (500m x 500m) pode ser seguro se for limitado por obstruções apenas em 2 lados; (2) um campo médio (500m x 800m) pode ser seguro se for limitado por obstruções apenas em 3 lados; e (3) campos com obstruções nos 4 lados só devem ser considerados se tiverem dimensões iguais ou superiores a 800m x 800m. NOTA: As dimensões acima são apenas indicativas. O operador deve estabelecer seus próprios padrões levando em consideração as condições específicas de cada campo (topografia, clima, altitude, etc.). 05 MODIFICAÇÕES NAS AERONAVES - Caso sejam necessárias modificações nas aeronaves a serem empregadas nas operações agrícolas noturnas, tais modificações devem atender às provisões dos RBHA aplicáveis. No caso de modificação enquadrada na definição de grande modificação constante do RBHA 10 e detalhada no apêndice A do RBHA 43, o projeto deve ser aprovado pelo DAC (ou pelo Centro Técnico Aeroespacial (CTA), se for considerada a necessidade de emissão de um Certificado de Homologação Suplementar de Tipo CHST). 4

5 5

IAC 3134-0799. FUNDAMENTO Decreto nº 65.144, de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério de Aeronáutica.

IAC 3134-0799. FUNDAMENTO Decreto nº 65.144, de 12/09/69, que institui o Sistema de Aviação Civil do Ministério de Aeronáutica. República Federativa do Brasil Comando da Aeronáutica Departamento de Aviação civil SUBDEPARTAMENTO TÉCNI- CO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL NORMATIVA IAC Nº 3134-0799 DATA DE APROVAÇÃO : 09 / 07 /99 ÂMBITO

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 61-001 Aprovação: Assunto: Portaria n o 2.363/SSO, de 1 de dezembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 231, S/1, pág. 2, de 2 de dezembro de 2011. Procedimentos

Leia mais

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 61, APROVADO PELA RESOLUÇÃO N 5, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006, PUBLICADA NO DOU Nº 239,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL - NORMATIVA IAC 3515-133 133 AUTORIZAÇÃO PARA OPERAÇÕES DE HELICÓPTEROS

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" """ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 034/DGAC, DE 19 DE JANEIRO DE 2000 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre alterações em vôos regulares e realização

Leia mais

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO Este arquivo contém o texto do RBHA 61 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal.

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS GGCP PROCESSOS DE HOMOLOGAÇÃO SUPLEMENTAR DE TIPO (HST) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Nota: As informações apresentadas

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010,

Leia mais

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010.

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO SUMÁRIO

Leia mais

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 141, APROVADO PELA PORTARIA Nº 827/DGAC DE 04 DE AGOSTO DE 2004, PUBLICADA NO DOU Nº 158, DE 17 DE AGOSTO DE 2004, INCLUINDO A EMENDA

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL

RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL RBHA 141 ESCOLAS DE AVIAÇÃO CIVIL ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 141, APROVADO PELA PORTARIA Nº 827/DGAC DE 04 DE AGOSTO DE 2004, PUBLICADA NO DOU Nº 158, DE 17 DE AGOSTO DE 2004, INCLUINDO A EMENDA

Leia mais

BRASIL CERTIFICAÇÃO DE AERÓDROMOS

BRASIL CERTIFICAÇÃO DE AERÓDROMOS BRASIL CERTIFICAÇÃO DE AERÓDROMOS ROTEIRO SITUAÇÃO DA REDE AEROPORTUÁRIA. PROVISÕES DO CÓDIGO BRASILEIRO DE AERONÁUTICA E NORMAS. SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL. DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVL. PASSOS DA HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

18 JUL 2003 IAC 121-1001 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

18 JUL 2003 IAC 121-1001 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" #$ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N O 904/STE, DE 13 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos padrões mínimos de Estação de Linha

Leia mais

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte:

DADO TÉCNICO - Informação que suporta e/ou descreve a modificação ou reparo, incluindo o seguinte: TERMOS E DEFINIÇÕES DE MANUTENÇÃO AERONAVEGÁVEL - Condição em que a aeronave, célula, motor (es), hélice(s), acessórios e componentes em geral, se encontram de acordo com o projeto de tipo e em condições

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 180-1003 IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO

Leia mais

EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA

EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA AS CONDIÇÕES DE EQUILÍBRIO DO AR ATMOSFÉRICO. ESTÃO SEMPRE RELACIONADAS COM AS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA DO AR AMBIENTE EM CONFRONTO COM A TEMPERATURA DE UMA PARCELA DE AR. VARIAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B Aprovado por: Portaria nº 69, de 10 de janeiro de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 11 de janeiro de 2013, Seção 1, página 2. Assunto:

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS Objetivo Descrever o processo de certificação operacional dos aeroportos no Brasil, regido pelo RBAC 139. Roteiro 1. Apresentar as recomendações da OACI e as normas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL AVIAÇÃO CIVIL IMA-58-44 NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE VÔOS INTERNACIONAIS CHARTER DE PASSAGEIROS 20 DEZ 93 MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 135 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES COMPLEMENTARES E POR DEMANDA Aprovação: Resolução nº 169, de 24 de agosto de 2010, publicada

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇAO CIVIL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇAO CIVIL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇAO CIVIL SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO IAC 2508-0796 EXPEDIÇÃO EFETIVAÇÃO 01.11.95 01.07.96 NOSER A-D-ET-EX-GV- IA-IN-OD-PM- SA-SR-TA-X TÍTULO: ACESSO

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC (Brazilian Civil Aviation Authority)

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC (Brazilian Civil Aviation Authority) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC (Brazilian Civil Aviation Authority) ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIONS SPECIFICATIONS) PEC TÁXI AÉREO LTDA CHETA nº REVISÃO 2005-02-1CJO-01-02

Leia mais

RBHA 63 MECÂNICO DE VÔO E COMISSÁRIO DE VÔO

RBHA 63 MECÂNICO DE VÔO E COMISSÁRIO DE VÔO RBHA 63 MECÂNICO DE VÔO E COMISSÁRIO DE VÔO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 63, APROVADO PELA PORTARIA 130/DGAC, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2006, PUBLICADA NO DOU 33 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2006, QUE INCLUI

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04 Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04 LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Aprovação: Resolução ANAC nº 237, de 5 de junho de 2012. Origem: SPO SUMÁRIO

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 202-1001 NORMAS PARA A SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO E OPERAÇÃO

Leia mais

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I Periódico de Prevenção A atitude (posição de voo) de uma aeronave é geralmente determinada pela referência do horizonte natural. Quando este está obscurecido,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 161.55-001 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1408/SIA, de 29 de maio de 2013, publicada no Diário Oficial da União nº 103, Seção 1, p. 4, de 31 de maio de 2013. Projeto de

Leia mais

Regulamentação da Profissão de Aeronauta

Regulamentação da Profissão de Aeronauta Regulamentação da Profissão de Aeronauta Elisangela Gomes Soares de Castilho 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo Regulamentação da Profissão de Aeronauta diz respeito ao estudo dos principais meios de regulamentação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO.

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. Esta publicação deve ser distribuída aos alunos no ato da inscrição / matrícula e ficará em local de

Leia mais

Tempo & Clima. podendo variar durante o mesmo dia. é o estudo médio do tempo, onde se refere. às características do

Tempo & Clima. podendo variar durante o mesmo dia. é o estudo médio do tempo, onde se refere. às características do Definição A é uma ciência de pesquisa meteorológica e geográfica dedicada ao estudo do clima em seus vários aspectos. Ela investiga as causas e as relações físicas entre os diferentes fenômenos climáticos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA. Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA. Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza ANÁLISE DE NEVOEIROS NOS AEROPORTOS DAS CAPITAIS DO SUL DO BRASIL Florianópolis

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, N 52, S/1, DE 18 DE MARÇO DE 2002.

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, N 52, S/1, DE 18 DE MARÇO DE 2002. !!" # $ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 0194/STE, DE 14 DE MARÇO DE 2002. Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre a elaboração do Manual Geral de Operações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !"# SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 915/STE, DE 13 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil do DAC que trata do processo de Homologação de Centros de

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.9-003 Aprovação: Portaria nº 1.629/SAR, de 16 de agosto de 2012, publicada no Diário Oficial da União, N 160, Seção 1, página 3, de 17 de agosto de 2012. Assunto: Cadernetas

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 67-003 Aprovação: Portaria nº 1775/SPO, de 8 de julho de 2015. Assunto: Procedimentos para preenchimento online dos dados do Certificado Médico Aeronáutico no Sistema de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA RETIFICAÇÃO DE PORTARIA

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA RETIFICAÇÃO DE PORTARIA (E1-0299) MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA RETIFICAÇÃO DE PORTARIA Na Portaria DAC Nº 058/STE de 09 de Fevereiro de 1999, publicada no Diário Oficial nº 33, de 19 de Fevereiro de 1999 - Seção 1 - Página 17, que

Leia mais

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO CIVIL N 11 RBAC 11 PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL APROVAÇÃO: RESOLUÇÃO XX ANAC,

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 976/DGAC, DE 20 DE SETEMBRO DE. Aprova a IAC que estabelece normas para elaboração e análise de programa de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 602/GC-5, DE 22 DE SETEMBRO DE 2000. Estabelece os procedimentos para a aplicação e para a cobrança das Tarifas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR n o 119-001/SSO Assunto: Procedimentos para Análise e Aprovação dos Programas de Treinamento de Empresas de Transporte Aéreo 27/04/2009 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR n o 119-001/SSO

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO JUSTIFICATIVA O Rio de Janeiro ao longo dos anos vem ampliando seu destaque no cenário nacional e internacional, sendo sede de diversos

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 137 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 137 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 137 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES AEROAGRÍCOLAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2011. Origem:

Leia mais

Informativo. Piloto Privado

Informativo. Piloto Privado Informativo Piloto Privado PP Este curso é o primeiro passo para quem deseja se tornar um piloto de helicóptero ou avião. O detentor de uma licença de piloto privado atuará como piloto em comando, ou como

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

08 AGO 2003 IAC 119-1003 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

08 AGO 2003 IAC 119-1003 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! do SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N O 900/STE, DE 12 DE JUNHO DE 2003. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos Certificado de Homologação de Operador

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

Instruções para Operação de Helicópteros para Construção e Utilização de Helipontos ou Heliportos

Instruções para Operação de Helicópteros para Construção e Utilização de Helipontos ou Heliportos MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA COMANDO GERAL DE APOIO DIRETORIA DE ELETRÔNICA E PROTEÇÃO AO VÔO Instruções para Operação de Helicópteros para Construção e Utilização de Helipontos ou Heliportos Portaria nº

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE ZONAS DE PROTEÇÃO - AEROPORTO INTERNACIONAL DE FORTALEZA PINTO MARTINS - SBFZ

SEMINÁRIO SOBRE ZONAS DE PROTEÇÃO - AEROPORTO INTERNACIONAL DE FORTALEZA PINTO MARTINS - SBFZ SEMINÁRIO SOBRE ZONAS DE PROTEÇÃO - AEROPORTO INTERNACIONAL DE FORTALEZA PINTO MARTINS - SBFZ CONVIDADOS Autoridade Aeronáutica (COMAER) CINDACTA III Administrações Municipais Prefeitura Municipal de AQUIRAZ

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00 Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00 CENTROS DE INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL, DESTINADOS À FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE TRIPULANTES DE VOO, TRIPULANTES DE CABINE E DESPACHANTES

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

RBAC Nº 65 (versão para audiência pública)

RBAC Nº 65 (versão para audiência pública) NPR: RBAC Nº 65 - LICENÇAS, HABILITAÇÕES E REGRAS GERAIS PARA DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E MECÂNICO DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA RBHA 65 (Nota: Os requisitos desta coluna estão fora da ordem para que

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.9-001 Aprovação: Portaria ANAC nº 1523/SAR, de 11 de agosto de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 155, S/1, págs. 1-2, de 12 de agosto de 2011. Assunto: Instruções

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 218423502 / Fax:

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL 43 Título: Aprovação: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 21 EMENDA nº 01 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO AERONÁUTICO Resolução nº 210, de 29 de novembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO Abstract Everson Dal Piva* everson@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 91, APROVADO PELA PORTARIA Nº 482/DGAC DE 20 DE MARÇO DE 2003, PUBLICADA NO DOU Nº 76, DE 22 DE ABRIL DE 2003, INCLUINDO

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI N o 7.183, DE 5 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da Profissão de Aeronauta, e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS Aprovação: Resolução nº 87, de 11 de maio de 2009, publicado no Diário Oficial da União N 88, S/1, p. 145, de 12/05/2009. Assunto: Publicações técnicas: obtenção, controle e

Leia mais

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS Este arquivo contém o texto do RBHA 91, aprovado pela Portaria nº 482/DGAC de 20 de março de 2003, publicada no Diário Oficial da União nº 76, de 22 de abril

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-900 Volume 02 Revisão 00 Assunto: MANUAL DO INSPETOR VOLUME 2 CERTIFICAÇÃO E PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE EMPRESA (MANUTENÇÃO) A Superintendência de Aeronavegabilidade SAR

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Nuvens 2008 Índice Processo Adiabático 3 Calculo de Base de Nuvens 3 Nuvens Cumuliformes 3 Equilíbrio atmosférico 3 Características da instabilidade 4 Características

Leia mais

RBHA 47 FUNCIONAMENTO E ATIVIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO AERONÁUTICO BRASILEIRO

RBHA 47 FUNCIONAMENTO E ATIVIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO AERONÁUTICO BRASILEIRO RBHA 47 FUNCIONAMENTO E ATIVIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO AERONÁUTICO BRASILEIRO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 47, APROVADO PELA PORTARIA Nº 350/DGAC DE 07 DE OUTUBRO DE 1992, PUBLICADA NO DOU Nº

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

2005 IAC 118-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

2005 IAC 118-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 956 /STE, DE 16 DE SETEMBRO DE. Aprova a Instrução de Aviação Civil - IAC que trata dos procedimentos e trâmite

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS)

ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (NATIONAL CIVIL AVIATION AGENCY) ESPECIFICAÇÕES OPERATIVAS (OPERATIVE SPECIFICATIONS) CERTIFICADO ETA Nº 2013-09-03CB-01- Parte - A PARTE A GERAL PARTE A GERAL A-1 PARTE

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta.

Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta. Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta. Ten Cel Av Curcio Piloto de Provas Objetivo Conhecer aspectos importantes sobre

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Helipontos em São Paulo: Segurança, Irregularidades e Caminhos para Regularização Anderson Ribeiro Correia Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA QUALIDADE DCA 800-2 GARANTIA DA QUALIDADE E DA SEGURANÇA DE SISTEMAS E PRODUTOS NO COMAER 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 141-001 Aprovação: Portaria nº 1554, de 22 de junho de 2015. Assunto: Procedimentos para comunicação da relação de alunos de cursos homologados em escolas de aviação civil.

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO-OPERACIONAL OPERACIONAL DIVISÃO DE AERONAVEGABILIDADE E ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO INSTRUÇÃO DE

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 153/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-GEB B300 01SET2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

RBHA 103A VEÍCULOS ULTRALEVES

RBHA 103A VEÍCULOS ULTRALEVES RBHA 103A VEÍCULOS ULTRALEVES ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 103A, APROVADO PELA PORTARIA Nº 927/DGAC DE 4 DE JUNHO DE 2001, PUBLICADA NO DOU Nº 140, DE 20 DE JUNHO DE 2001, INCLUINDO AS ALTERAÇÕES

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 20-003 Aprovação: Portaria Nº XXX, de XX de XXXX de 201X, publicada no Diário Oficial da União de XX de XXXXX de 201X, Seção XX, página XX Assunto: Extintores de incêndio

Leia mais

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade CARLOS MONTINO DE OLIVEIRA Especialista em Regulação da Aviação Civil Gerência de Controle de Riscos Aeronáuticos

Leia mais

AQUECIMENTO SOLAR DE PISCINAS: A S S P. Elaborado por SoSol - Sociedade do Sol. MANUAL DO USUÁRIO Versão Beta Dezembro 2008

AQUECIMENTO SOLAR DE PISCINAS: A S S P. Elaborado por SoSol - Sociedade do Sol. MANUAL DO USUÁRIO Versão Beta Dezembro 2008 AQUECIMENTO SOLAR DE PISCINAS: MANUAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E INSTALAÇÃO EXPERIMENTAL DO AQUECEDOR SOLAR SIMPLIFICADO DE PISCINAS A S S P Elaborado por SoSol - Sociedade do Sol MANUAL DO USUÁRIO Versão

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - BRASIL Gerência-Geral de Certificação de Produtos Aeronáuticos MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE HOMOLOGAÇÃO APROVAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS, EXCETO AERONAVES, MOTORES DE

Leia mais