Categoria: Case: PAMTAX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Categoria: Case: PAMTAX"

Transcrição

1 PRÊMIO ANSP 2005

2 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2

3 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág. 10 RESULTADO Pág. 19 Para as seguradoras Pág. 19 Para as transportadoras Pág. 20 Responsável Pág. 22 3

4 S I N O P S E A partir da década de 80 toda a cadeia de transportes no Brasil foi afetada devido ao aumento do roubo de cargas. Tanto seguradoras como transportadores tiveram que procurar soluções para minimizar prejuízos. As seguradoras passaram a praticar restrições nas apólices ou a excluir a cobertura de algumas mercadorias, resultando em aumento nos custos totais para as transportadoras. As restrições impediam o transportador de utilizar seus recursos de forma otimizada, ou então, eram forçados a canalizar recursos com processos caros de gerenciamento de riscos. Após a análise da situação no mercado e das dificuldades encontradas, a Pamcary criou o Pamtax - um sistema que permite a cobertura total do seguro do transporte de cargas sem os limites e restrições normalmente praticados. O sistema, além de não impor medidas de gerenciamento de riscos, não tem limites de mercadorias por viagem e, por isso, as cargas não precisam ser fracionadas. Ou seja, o PAMTAX é um sistema que possibilita a contratação de garantia suplementar de seguro, possibilitando a plena cobertura dos riscos, sem os limites ou restrições impostos pelas apólices. 4

5 P R O B L E M A A partir de meados da década de 80 o índice de roubo de cargas no Brasil aumentou muito e gerou graves problemas para toda a cadeia de transportes. Em paralelo aos problemas de aumento de roubo de cargas, até pouco tempo era tecnicamente inviável a transmissão rápida de informações detalhadas, de segurados e seguradora. Com isso, as seguradoras não tinham dados para conhecer e entender as principais variáveis correlacionadas com o risco de roubo de carga. O prêmio de seguro era calculado na média (pelo sinistro médio da carteira da seguradora ou do histórico do segurado), independente das características específicas de cada embarque (ex: mercadoria mais, ou menos, visada pelos ladrões). Não havia como fazer o cálculo exato do prêmio em função do risco particular de cada viagem. Na maioria dos casos isso prejudicava o transportador, pois, por exemplo, no caso de uma viagem com diversos tipos de mercadorias, o custo do seguro acabava sendo igualado para todas as mercadorias embarcadas, ainda que o risco individual de alguma delas fosse menor. 5

6 A situação das seguradoras As seguradoras do setor de transporte também sofreram com o aumento de roubo de cargas, arcando com elevada despesa com sinistro. O valor a ser pago com indenizações por roubo deve ultrapassar a marca dos R$ 350 milhões em Evolução de sinistro retido (R$ milhões) Sinistro Retido RCF-DC Sinistro Retido SUSEP - TRNAC Dada a competição acirrada no mercado, as seguradoras não podiam ajustar o prêmio cobrado pelo seguro e tinham que limitar a cobertura da apólice ou exigir medidas de controle de risco. 6

7 Estas restrições das seguradoras geravam mais custos para os transportadores e acabavam por engessar ainda mais a operação de expedição de cargas. Contrariamente ao que se pratica no seguro de transporte internacional, em que mercadoria, rota, navio e embalagem são fatores determinantes do grau de risco para a definição da taxa aplicável ao seguro, no segmento de transporte nacional as taxas são fixadas pela média e não guardam qualquer padrão de relatividade entre si. No seguro de transporte nacional terrestre o que determina que uma taxa seja superior a outra é apenas o fato de haver ou não a transposição da fronteira entre Estados, ainda que a viagem seja de curta distância. Assim, uma viagem de cerca de 420 quilômetros entre São Paulo e Rio de Janeiro custa o dobro do preço de uma entre São Paulo e Presidente Prudente, com cerca de 565 quilômetros. No seguro de RCTR-C e RCF-DC também ocorre o mesmo problema, que se acentua neste último, cuja tarifa prevê apenas duas taxas, em função apenas do tipo de mercadoria, se visada ou não. Este é um sistema perverso, que nivela por baixo todos os segurados, penalizando aqueles que se preocupam com a segurança de suas cargas e adotam mecanismos de controle e minimização de perdas. Evidentemente, um cenário dessa natureza favorece a sonegação e desestimula a manutenção de apólices para mercadorias de baixo risco. 7

8 A situação das transportadoras Os transportadores, os mais prejudicados nesse processo, tinham um aumento considerável de custos e complexidade de operação. Este aumento de custos podia chegar de 10% a 15% do faturamento das empresas que transportam cargas de alto risco. Execução de planos de gerenciamento de risco, equipamentos de rastreamento e monitoramento são exemplos de despesas incorridas na tentativa de coibir roubos. Transportadores tiveram que investir em sofisticados sistemas de gerenciamento e acompanhamento de expedição de cargas a fim de se certificarem que estavam cumprindo todas as exigências das apólices de seguros. Utilização de fórmulas para cálculo do limite de embarque, variável com a composição da carga, era um exemplo dessas medidas que acabavam, muitas vezes, por obrigar a divisão da mercadoria em mais de um veículo. Falta de padronização nas exigências, entre seguradoras e embarcadores com seguro próprio, complicavam ainda mais a operação. Para se expor menos, o transportador foi sendo obrigado a criar mecanismos de controle da composição da carga, de forma a não "estourar" o sub-limite. Por essa razão muitos embarques eram enviados com capacidade ociosa no veículo, sempre que não houvesse a possibilidade de composição. Isto tinha um custo elevado para o transportador, que não recebia frete sobre espaço ocioso no veículo. 8

9 Dependendo do porte da transportadora, o trabalho de controlar o mix da carga era bastante complexo e requeria muito cuidado. A alternativa de escolta ou rastreamento também implicava em maior demora na liberação do veículo - ou por que era preciso aguardar a chegada do veículo de escolta ou por que a calibragem e check-list das providências do rastreamento demandava tempo. Restrições mais comuns nas apólices de seguro: a) Valores máximos de cobertura para determinadas mercadorias quando não havia instrumentos de gerenciamento de risco (monitoramento da viagem via satélite ou escolta armada) - os chamados sub-limites de mercadorias específicas. b) Valores máximos de cobertura por embarque em função do motorista escolhido. c) Valores máximos de garantia por embarque (LMG). d) Exclusão da cobertura para algumas mercadorias (ex: cigarros). Além de onerar o frete, estas limitações acabavam aumentando o número de caminhões nas rodovias, gerando maior congestionamento e aumentando o risco de acidentes nas estradas. Segundo a ANTT, a quantidade de veículos envolvidos em transportes é superior a um milhão. Até o início de 2005 o mercado não dispunha de sistemas que permitissem fazer o cálculo exato do prêmio em função do risco particular de cada viagem. Essa deficiência na metodologia de cálculo de prêmio prejudicava toda a operação de transporte. 9

10 S O L U Ç Ã O Após análise da situação do mercado, das dificuldades encontradas por todos os envolvidos no seguro de transporte de cargas, a Pamcary criou o Pamtax. O Pamtax é um sistema que permite a contratação de cobertura suplementar para a eliminação das restrições e exigências impostas pela apólice de seguro. Ou seja, o Pamtax é um software que calcula, em tempo real, o valor de prêmio suplementar exigível para a garantia integral do seguro da viagem, sem as restrições da apólice. Para o desenvolvimento do Pamtax, foram investidos aproximadamente R$ 2,5 milhões e levou 2 anos para sua conclusão. As principais fases do projeto foram: a) Montagem de bancos de dados com informações, por embarque, de cargas transportadas e sinistros A Pamcary, devido a sua grande experiência no setor, teve condições de integrar informações de embarques, segurados, motoristas, gerenciamento de risco, sinistros e regulação de sinistro. Foi estruturado um banco de dados com aproximadamente 10 milhões de embarques. 10

11 A seguir, uma ilustração do banco de dados criado para o projeto Pamtax: b) Condução de análises estatísticas Com o banco de dados montado e consistido, foram feitas inúmeras análises estatísticas, como por exemplo, regressão 11

12 múltipla. Para essas análises foi utilizado um potente software estatístico (SAS). O objetivo desta fase foi identificar e mensurar as principais variáveis com o risco de roubo. Abaixo, um exemplo de análise estatística conduzida, mostrando lugar de ocorrência do sinistro (na origem, no destino ou no percurso da viagem). Os dados abaixo são ilustrativos, baseados em uma amostra do universo de sinistros analisados. Percentual percorrido da viagem até o sinistro % percorrido até o Sinistro Percentis de Viagem 12

13 c) Elaboração de um modelo de precificação técnico A partir das análises realizadas foi criado um modelo de cálculo de prêmio, levando em conta a freqüência e severidade estimadas de sinistro. Ou seja, um modelo matemático e uma análise quantitativa do risco, tendo como variável resposta o valor esperado de prejuízo para cada viagem. Com o valor esperado de prejuízo (freqüência x severidade) calculado, fica fácil estipular um valor de prêmio para uma dada taxa de sinistralidade. O modelo final utilizado tem que ser testado em toda a base histórica (para ver se realmente reflete o passado de viagens) como também ser ajustado por pessoas com muita experiência na área para refletir o futuro esperado de viagens. É fundamental, uma vez elaborado um modelo que reflita a realidade do roubo de cargas, acompanhar a aplicabilidade deste modelo no tempo. Variáveis que eram importantes podem deixar de ser, e variáveis que não faziam parte do modelo podem ser importantes. Portanto, não basta fazer um modelo matemático apenas uma vez e congelá-lo. O modelo tem que ser sempre testado, ajustado e atualizado. Com um modelo dinâmico de precificação, podemos dizer que temos uma bolsa de risco de roubo de cargas e o preço do seguro varia de acordo com variáveis correlacionadas com o risco (peso de variáveis, e mesmo variáveis consideradas variam no tempo). 13

14 A seguir um esquema ilustrativo da dinâmica do modelo de precificação: Montagem do banco de dados Condução de análises estatísticas Elaboração de modelo matemático Aplicação do modelo Elaboração de modelo matemático Condução de análises estatísticas Coleta de dados de viagens precificadas e sinistros d) Desenvolvimento de software Foi necessário criar um sistema de informações com 2 funções principais: a. Transmissão de informações detalhadas, por embarque e on-line entre o segurado e a seguradora. Importante também foi incluir a opção de simulação de um embarque para auxiliar o segurado na montagem do embarque com o menor custo. 14

15 b. Cálculo, instantâneo, do prêmio suplementar para o embarque informado. Abaixo, uma tela do software do Pamtax com as opções de aceite e recusa das condições da viagem. Opções para validação das condições de cobertura suplementar 15

16 e) Testes do software e modelo de precificação Foram realizados inúmeros testes tanto da operacionalidade do software quanto da consistência do modelo matemático. Nesta fase foram feitos os ajustes identificados. f) Piloto A fase final do projeto foi a condução de um teste piloto com várias transportadoras, de diversos perfis e tamanhos. Esta fase durou aproximadamente 6 meses. O Pamtax funciona da seguinte forma: Condições da apólice são respeitadas Embarque averbado Segurado envia dados do embarque via software de averbação com Pamtax habilitado Condições da apólice não são respeitadas, condições para cobertura adicional são enviadas para segurado Segurado aceita condições (local ou web). Embarque averbado (padrão e complementar) Segurado rejeita condições (local ou web). Risco não aceito 16

17 Foram observados todos os cuidados com a segurança na transmissão de dados. As medidas de segurança são: Equipamento instalado no computador do segurado para garantir identificação do usuário (hard-lock). Utilização de internet segura HTTPS. Instalação de fire-wall em servidores na Pamcary. Certificação Digital (Meios e Regras técnicas definidas pelo Governo para habilitar instituições públicas e entidades privadas que pretendam atuar na validação jurídica de documentos produzidos, transmitidos ou obtidos sob a forma eletrônica). O valor para a cobertura adicional leva em conta diversos fatores, que variam por embarque, correlacionados com o risco de roubo de carga. Ou seja, é analisado o que é transportado, como é transportado e por quem é transportado. As principais variáveis de risco analisadas pelo Pamtax são: Trajeto (origem e destino) Valor total embarcado Tipo de mercadoria Motorista (banco de dados da Pamcary) Tipo de gerenciamento de risco 17

18 Ilustrativamente temos: O que é transportado Como é transportado Por quem é transportado Exemplos de variáveis analisadas Tipo de Mercadoria Veículo, Rota, Gerenciamento de Risco Motorista, Proprietário Antes do Pamtax o transportador não tinha alternativa, quando transportava mercadorias visadas. Estava sujeito à escolta ou rastreamento em todo o percurso, sob pena de ver reduzida a sua indenização aos valores indicados na apólice (sub-limites). O Pamtax permite que o transportador substitua seus mecanismos de gerenciamento de risco por um seguro complementar, que garanta a plena indenização do sinistro, a um custo mais baixo, possibilitando a análise e decisão on-line, somando agilidade e economia em tempo real. 18

19 R E S U L T A D O O Pamtax foi lançado em 01 de março de 2005, ficando disponível para todos os clientes da Pamcary com seguro de roubo de cargas. No final de julho, aproximadamente 200 segurados já aderiram ao Pamtax. Desde o lançamento, foram executados ajustes para facilitar a utilização e evitar qualquer interferência na operação do segurado. Todos os dados de viagens desses segurados são armazenados e atualizados no banco de dados e do modelo de precificação. O Pamtax oferece vantagens tanto aos segurados como às seguradoras. Para as seguradoras Para as seguradoras, as principais vantagens são: Maior conhecimento sobre o risco assumido. Com este conhecimento detalhado do risco, é possível controlar com maior precisão a sinistralidade da carteira. 19

20 Possibilidade de aumentar volume de prêmio, ao conseguir reverter a tendência de migração de recursos de seguro para gerenciamento de risco. Esta foi a tendência clara na ultima década: os transportadores trocaram seguro por segurança. Possibilidade de atender mais segurados, como os transportadores que não tinham condições operacionais de seguir as restrições das apólices. Maior conhecimento do perfil dos segurados, o que possibilita o desenvolvimento futuro de novos produtos que satisfaçam as necessidades reais dos clientes. Para as transportadoras Para o segurado, o Pamtax é o único sistema que adequa-se integralmente às suas necessidades, respeitando particularidades e aumentando seu diferencial competitivo. Podemos citar como principais vantagens os seguintes tópicos: Eliminação das restrições de cobertura impostas pelas seguradoras nas apólices que cobrem roubo de cargas. Possibilidade de maior controle de custos total, com a opção de decidir entre custos de gerenciamento de risco ou custo de seguro. Aumento da praticidade e rapidez de contratação de seguro - O Pamtax calcula na hora, on-line via web, o custo da garantia suplementar requerida para a viagem. 20

21 Flexibilização da operação de transportadores e composição de cargas. Benefícios aos motoristas, possibilitando o transporte de qualquer carga e qualquer valor dentro dos limites da apólice. Permite simulações de embarques. Com esta ferramenta as transportadoras poderão planejar a expedição de cargas com maior agilidade e conhecimento dos custos envolvidos. A previsão é que o Pamtax atenda a uma média de 50 mil viagens mensais em um futuro próximo, podendo atingir até /mês nos próximos 12 meses. O Pamtax é a composição ideal entre o seguro e segurança. 21

22 Responsável Alexandre Mauro Pedro Diretor de Seguros 22

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE ALTA TAXAS CADA

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

1º Seminário de Gerenciamento de Riscos. Logistica - Soluções e Aplicações

1º Seminário de Gerenciamento de Riscos. Logistica - Soluções e Aplicações Logistica - Soluções e Aplicações 01 A saída para o transporte rodoviário é a Logistica integrada? Deveria ser, mas infelizmente o Brasil apostou no passado na implementação do transporte de cargas no

Leia mais

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL Sobre o Seguro de Transportes É destinado a dois tipos de clientes: 1. Proprietários de mercadorias (embarcador) 2. Empresas de transportes rodoviários

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 01. Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS:

ESCLARECIMENTO Nº 01. Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS: ESCLARECIMENTO Nº 01 Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Quais são os limites de responsabilidae (LR) por viagem

Leia mais

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Transparlog é uma empresa nova no mercado, com profissionais que vieram do setor de Transporte Rodoviário de Carga, tanto como contratante quanto contratado do serviço. Onde foi possível

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas 1. A quem se destina a apólice? R.: Destina-se às empresas associadas ao SICEPOT-MG, sendo extensivo às empresas do mesmo grupo

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C Grupo: A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C E Irregularidades do Seguro na DDR Comercialização do Frete até 1.990 EMPRESA

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros CUSTOS Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros O modelo de cálculo da NTC&Logística parte do pressuposto de que a transportadora usa apenas veículos próprios. L F = ( A + Bp + DI)(1 + ) 100

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso

Visões sobre a padronização mínima de PGR s - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Gostaria de iniciar com algumas definições sobre os riscos da atividade

Leia mais

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria.

ALGUNS DIFERENCIAIS. Operadores a Diretoria. A EMPRESA Desde nossa fundação em 1987, nos especializamos em Sistemas de Segurança. Ao longo destes anos de atuação no mercado, acumulamos experiência também em várias áreas como: Monitoramento, Logística,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ENVIO DE MENSAGENS SMS SHORT MESSAGE SERVICE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Responsável: Superintendência Central de Governança Eletrônica Objeto LOTE ITEM

Leia mais

ÂMBITO DA APLICAÇÃO DOS LOCALIZADOR

ÂMBITO DA APLICAÇÃO DOS LOCALIZADOR ÂMBITO DA APLICAÇÃO DOS LOCALIZADORES GPS BÁSICO E PORTÁTIL DA MERTEL , empresa Angolana de engenharia e prestação de serviços cujo objeto social abrange o rastreamento de veículos e gestão de frotas através

Leia mais

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli Informatize sua igreja com a Gileade Sistemas! A empresa A Gileade Sistemas busca o que há de melhor em tecnologia para oferecer às igrejas soluções que auxiliem na organização administrativa e que possam,

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

ZONA AZUL ELETRÔNICA JANEIRO

ZONA AZUL ELETRÔNICA JANEIRO ZONA AZUL ELETRÔNICA JANEIRO 2014 Legislação LEI Nº 8.666 de 21 de Junho de 1993 e alterações Institui normas para licitações e contratos LEI Nº 8.987 de 13 de fevereiro de 1995 e alterações Dispõe sobre

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS

GERENCIAMENTO DE RISCOS GERENCIAMENTO DE RISCOS Desde nossa fundação em 1987, nos especializamos em Sistemas de Segurança. Ao longo destes anos de atuação no mercado, acumulamos experiência também em várias áreas como: Monitoramento,

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

RASTREADOR E BLOQUEDOR GT PRO+

RASTREADOR E BLOQUEDOR GT PRO+ RASTREADOR E BLOQUEDOR GT PRO+ A Global Trace visando atender as necessidades do mercado atual lança em sua linha de produtos o KIT PRO com características específicas para o segmento de veículos. VANTAGENS

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte 1. Referência legal do assunto Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte TRANSPORTE O CC define o contrato de transporte no art. 730: Pelo contrato de transporte alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO CENTRAL DE PEQUISA DE PREÇO CPP/SEINF SHIS Quadra 01 Conjunto B - Bloco A -Edifício Santos Dumont - Lago Sul, Brasília - DF CEP: 71605-001 Telefone: 61 3211 9222 / Fax - 61 3211-9219 E-mail : melquizedeque.coutinho@cnpq.br

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Apresentação Free Track

Apresentação Free Track Apresentação Free Track A Free Track é um resultado da união de um grupo de empresários que atua no segmento de rastreamento automotivo, sede própria com laboratório de desenvolvimento localizado na maior

Leia mais

Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa

Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa Perfil A Embasa é uma sociedade de economia mista de capital autorizado, pessoa jurídica

Leia mais

Uma Empresa especialista em rastreamento

Uma Empresa especialista em rastreamento Uma Empresa especialista em rastreamento Soluções Profissionais desenhadas para monitorar transporte de carga Paulo Lauand Abril de 2011 paulo@autosat.com.br Quem Somos Ano de fundação: 1994 (+15 anos)

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12 2 SIGA SEGURO MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O SIGA SEGURO é um seguro de acidente pessoal coletivo por prazo certo, garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015)

LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015) LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015) Seguem comentários sobre as principais matérias tratadas na Lei dos Caminhoneiros, com dispositivos aplicáveis aos Transportadores Autônomos, às Transportadoras

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Daniel Pfannemüller Superintendente do Instituto Educacional BM&FBOVESPA Mar/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

TRANSDATA SMART BILHETAGEM ELETRÔNICA

TRANSDATA SMART BILHETAGEM ELETRÔNICA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

NOVA FORMA DE COTAÇÃO E CONDIÇÕES DO SEGURO AUTO CARGA NEGÓCIOS COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 16/12/12

NOVA FORMA DE COTAÇÃO E CONDIÇÕES DO SEGURO AUTO CARGA NEGÓCIOS COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 16/12/12 TOKIO MARINE SEGURADORA / PrestSeg NOVA FORMA DE COTAÇÃO E CONDIÇÕES DO SEGURO AUTO CARGA NEGÓCIOS COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 16/12/12 Prezado Corretor, Os negócios no ramo auto carga, com início de vigência

Leia mais

Seguro de Transporte Internacional

Seguro de Transporte Internacional Seguro de Transporte Internacional INTRODUÇÃO 1.Resumo da apólice 2.Operacional 3.Argumentos para venda 1.Resumo da Apólice Modalidades - Marítimo, Aéreo e Terrestre Internacional - Importação Exportação

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

São mais de 20 anos no mercado

São mais de 20 anos no mercado São mais de 20 anos no mercado No mercado há mais de 20 anos, o CEM é um software de cálculo de esquadrias equipado com recursos de alta tecnologia que otimiza processos e alcança os melhores resultados.

Leia mais

A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI

A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI A contratação de serviços técnicos do exterior e a necessidade de registro pelo INPI 24 de outubro de 2013 Marina Inês Fuzita Karakanian marina@dannemann.com.br SERVIÇOS TÉCNICOS Legislação/Histórico Lei

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Guia para RFP de Outsourcing

Guia para RFP de Outsourcing O processo de condução de uma cotação de serviços de TI, normalmente denominada RFP (do Inglês Request For Proposal), é um processo complexo e que necessita ser feito com critério e cuidados. Muitas vezes

Leia mais

Padronize sua atividade de arrecadação com

Padronize sua atividade de arrecadação com Padronize sua atividade de arrecadação com ATM Eu Penso ATM é um software que funciona totalmente na internet, disponível pra você com pagamento de mensalidade muito acessível ou outras modalidades de

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais