ATA DE APRECIAÇÃO DA IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO AA - 45/ BNDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATA DE APRECIAÇÃO DA IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO AA - 45/2008 - BNDES"

Transcrição

1 ATA DE APRECIAÇÃO DA IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO AA - 45/ BNDES DALCOM DO BRASIL TECNOLOGIA E INFRA-ESTRUTURA LTDA., apresentou Impugnação ao Edital do Pregão Eletrônico AA nº 45/2008, que tem por objeto a contratação de cessão de direito de uso de uma Suíte de Apoio ao Ciclo de Desenvolvimento de software e de serviços de garantia e manutenção, suporte técnico, treinamento e mentoring na referida Suíte, consoante especificações do Edital e Anexos. A DAS RAZÕES DE IMPUGNAÇÃO I. DAS SUPOSTAS ILEGAIS EXIGÊNCIAS TÉCNICAS QUE DIRECIONARIAM O EDITAL PARA UM ÚNICO FABRICANTE I.a. DA LEITURA DO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA (PROJETO BÁSICO) Preliminarmente, a Impugnante alegou que as definições e terminologias utilizadas no Item 2 (Glossário) do Edital - Suíte de Desenvolvimento, Unified Process (UP), Eclipse IDE e Artefato - evidenciariam um direcionamento do certame para a empresa fabricante IBM. A fim de embasar tal afirmação, a empresa Impugnante argumentou que após uma simples pesquisa no site de busca GOOGLE, utilizando as terminologias supramencionadas, foram obtidos resultados de links para sites das plataformas da IBM/Rational. Ainda segundo a Dalcom Tecnologia, as definições e terminologias adotadas no Item 2 do Edital foram criadas e disseminadas mundialmente no mercado pela IBM/Rational. Adicionalmente, a Impugnante asseverou que no Item 3 (Especificações Técnicas) do Edital, as especificações contidas nos subitens 3.14 ( Integração ) e ( Permitir a integração com a IDE Eclipse para desenvolvimento de aplicações em JAVA ) indicariam forte direcionamento para a tecnologia pertencente à IBM/Rational, uma vez que esta seria a única capaz de atender aos referidos requisitos. Acrescenta também, a Impugnante, que a criação da plataforma Eclipse e a posterior distribuição da tecnologia no mercado faria parte da estratégia da IBM, pois sua Suíte de Desenvolvimento teria sido desenvolvida com base na mencionada plataforma Java. Quanto ao Item 3.3. Suporte à Gerência de requisitos, a empresa Dalcom Tecnologia alegou que as exigências e as funcionalidades da solução para gestão de requisitos seriam idênticas as da IBM/Rational, previstas no sítio desta empresa. Por fim, concluiu que o conjunto de especificações técnicas contidas no Anexo I do Edital restringiriam gravemente a competitividade do certame, uma vez que os demais fabricantes estariam impossibilitados de competir em igualdade de condições com a IBM, a qual seria a única a atender perfeitamente às especificações técnicas do Anexo I do Edital.

2 - 2 - Com fulcro nos citados argumentos, portanto, a Impugnante Dalcom Tecnologia requereu o acolhimento de sua peça impugnatória, com a alteração das especificações técnicas do Anexo I do Edital, de modo a refletir as necessidades do BNDES, sem privilegiar um modelo específico de uma empresa e possibilitando a participação competitiva de outros fabricantes e/ou seus representantes autorizados que atuam no mercado em questão. Requereu ainda, a referida empresa, a suspensão do certame, considerando as supostas ilegalidades e vícios dispostos no Edital. B DA APRECIAÇÃO DAS RAZÕES DE IMPUGNAÇÃO Diante das razões de Impugnação apresentadas, a Equipe Técnica do BNDES pronunciou-se acerca de cada um dos argumentos levantados pela empresa Dalcom Tecnologia, conforme abaixo transcrito, em síntese: 1) Da leitura do Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA (PROJETO BÁSICO) do Edital: ITEM 2 GLOSSÁRIO (DEFINIÇÕES TÉCNICAS) e seus subitens: a) As palavras suíte, e artefato são de uso corrente em tecnologia da informação, amplamente adotadas na literatura e mercado nas acepções desse edital. O termo Suíte e seu equivalente em língua inglesa suite" são amplamente usados para designar softwares formados por um composição de ferramentas. Disto colhemos alguns exemplos de suítes de software em diversas áreas de software, com referências consultadas em 21/01/2009: Microsoft : Visual Studio Team System 2008 Team Suite Referência: Oracle: Oracle E-Business Suíte Referência: Borland: Oracle E-Business Suíte Referência: Nokia: Nokia PC Suite Referência: A palavra artefato e seus equivalentes em língua inglesa artifact e artefact são amplamente usados para designar produtos finais ou intermediários de um processo de desenvolvimento de software em contextos completamente independentes da IBM, e, inclusive, em textos adotados pelo mercado como padrão (como o MPS.BR e o CMMI-DEV) ou em textos que são realmente padrão internacional (como a ISO 15504). Alguns trechos estão citados abaixo: Os dados do projeto são as várias formas de documentação exigidas para sua execução, por exemplo: relatórios; dados informais; estudos e análises; atas de reuniões; documentação; lições aprendidas; artefatos gerados; itens de ação; e

3 - 3 - indicadores. (Guia de Implementação MPS BR Melhoria de Processos do Software Brasileiro, seção GPR9). organizational process assets: Artifacts that relate to describing, implementing, and improving processes (e.g., policies, measurements, process descriptions, and process implementation support tools). The term process assets is used to indicate that these artifacts are developed or acquired to meet the business objectives of the organization, and they represent investments by the organization that are expected to provide current and future business value. (See also "process asset library.") página 545, Anexo D Glossário do CMMI (Capability Maturity Model Integration) for Development, versão 1.2 work product - an artefact associated with the execution of a process Seção 3 (Terms and definitions), ISO/IEC FDIS :2004 A work product is an artefact associated with the execution of a process; Seção 6.2 (Level 1: Performed process), ISO/IEC FDIS :2004 Quando há mudanças nos requisitos, uma vez identificados os impactos da mudança com a utilização do instrumento de rastreabilidade dos requisitos, é importante examinar se os demais artefatos estão consistentes com as alterações realizadas como, por exemplo: verificar se a planilha de estimativas está contemplando todos os requisitos e mudanças; verificar se as mudanças dos requisitos foram incorporadas ao escopo do projeto; e outros. (Guia de Implementação MPS BR Melhoria de Processos do Software Brasileiro, seção GRE4), b) A Equipe Técnica da Licitação não concorda que o Processo Unificado (Unified Process) seja exclusivamente o Rational Unified Process vendido pela empresa Rational. O Processo Unificado foi publicado originalmente em um livro da editora Addison Wesley (The Unified Software Development Process, autores: Ivar Jacobson, Grady Booch e James Rumbaugh), podendo ser utilizado por qualquer empresa ou pessoa que adquirisse o livro. Posteriormente outros autores publicaram livros baseados no Processo Unificado estabelecido pelo livro citado acima. Alguns destes livros estão citados abaixo: The Unified Process for Practitioners: Object-Oriented Design, UML and Java. Autor: John Hunt. Editora: Springer; Object-Oriented Analysis and Design with the Unified Process. Autores: John W. Satzinger, Robert B. Jackson, Stephen D. Burd. Editora: Course Technology; The Unified Process Construction Phase: Best Practices in Implementing the UP. Autor: Scott W. Ambler. Editora: CMP Books The Unified Process Transition and Production Phases : Best Practices in Implementing the UP. Autor: Scott W. Ambler. Editora: CMP Books Software Requirements Using the Unified Process: A Practical Approach. Autores: Daniel R. Windle, L. Rene Abreo. Editora: Prentice Hall PTR Guide to the Unified Process Featuring UML, Java and Design Patterns. Autor John Hunt. Editora: Springer Applying UML and Patterns: An Introduction to Object-Oriented Analysis and Design and the Unified Process (2nd Edition). Autor: Craig Larman. Editora: Prentice Hall

4 - 4 - UML and the Unified Process: practical object-oriented analysis and design Autores: Jim Arlow, Ila Neustadt. Editora: Addison-Wesley Como se observa, em um primeiro momento, seria necessário ter acesso a alguns dos livros listados acima para que se pudesse utilizar o Processo Unificado. Mais recentemente um processo totalmente gratuito, uma evolução do Processo Unificado, com uma abordagem mais ligada a metodologias ágeis, passou a ser utilizado sem nenhum ônus. Trata-se do OpenUP que está disponível em: (link obtido em 21/01/2009). O Processo Unificado, ou parte dele, é utilizado hoje em cursos lecionados em diversas universidades brasileiras, demonstrando que seu ensino e, portanto, sua utilização podem ocorrer independentemente da empresa Rational, ou até mesmo de ferramentas vendidas por esta empresa. Trechos de alguns destes cursos estão citados abaixo (todos os links obtidos no dia 21/01/2009): %20Fases%20do%20Processo%20de%20desenvolvimento%20de%20software.pdf Finalmente, a pesquisa de preços indicou, em documento público (parte integrante do presente procedimento licitatório), acessível a qualquer interessado, que a Suíte de pelo menos um fabricante, além da IBM, atende a esse requisito sem customizações, preservando a livre concorrência, conforme cópias de documentos anexas a esta Ata de Apreciação da Impugnação. c) Sobre a compatibilidade com a ferramenta de desenvolvimento Eclipse: A Equipe Técnica da Licitação entende que o Eclipse, enquanto software aberto, não está sujeito ao controle de uma única empresa, entendimento com o qual coopera a leitura da lista de participantes do conselho diretor da Eclipse Foundation consultada em 21/01/2009 no endereço Trata-se de ferramenta amplamente adotada e referência para desenvolvimento Java, servindo, inclusive, como base para ambientes de desenvolvimento comerciais de outras empresas que não a IBM, como o JCompany da PowerLogic, e o JBuilder 2008 da Embarcadero Technologies. Adicionalmente a adoção de software livre está alinhada aos princípios de economicidade exigidos da administração pública. Vale ressaltar que a licitação de Suíte de Apoio ao Ciclo de Desenvolvimento está alinhada com a estratégia mais ampla do Projeto AGIR que inclui, mas não se atém, à revisão completa da estratégia de TI do BNDES. Nesse contexto é imprescindível a compatibilidade com as ferramentas já licitadas e que integrarão o futuro parque computacional da instituição, dentre elas, o Eclipse.

5 - 5 - Referências consultadas pela Equipe Técnica do BNDES em 21/01/2009: Powerlogic - Embarcadero - 2) Da leitura do Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA (PROJETO BÁSICO) do Edital: ITEM 3.3 Suporte à gerência de Requisitos e seus subitens: O conjunto de funcionalidades para as ferramentas de apoio ao ciclo foi definido com base nas necessidades do BNDES, sem utilizar nenhum fabricante específico como referência. Conforme pode ser observado abaixo, existe uma justificativa técnica para cada tópico (funcionalidade) citado pela Impugnante. 2.1) Suporte à Gerência de REQUISITOS: Possibilitar a organização e priorização dos REQUISITOS cadastrados na SUÍTE DE APOIO AO CICLO DE DESENVOLVIMENTO. Esta é uma característica básica que qualquer ferramenta de Gerência de Requisitos a priori conteria. O nome Gerência de Requisitos já pressupõe a organização dos mesmos. Quanto à priorização, a necessidade de priorização de requisitos é um tópico importante e amplamente abordado na literatura, devido à natureza volátil dos mesmos Permitir realizar buscas específicas nos REQUISITOS dos projetos, possibilitando buscar REQUISITOS por seus atributos. É importante que a procura por requisitos dentro de um projeto seja mais genérica, ao invés de restrita a apenas alguns tipos de atributos. Isto concede maior flexibilidade ao uso da ferramenta e possibilita a localização mais rápida dos requisitos Rastrear relacionamentos entre REQUISITOS de alto nível e detalhados. Dada a característica volátil dos requisitos, o rastreamento entre os requisitos de alto nível e os detalhados se torna fundamental, de maneira a permitir a identificação rápida e precisa dos impactos de qualquer modificação. Ver também justificativa para o item Possibilitar a inclusão de imagens e gráficos nos REQUISITOS. Os documentos de requisitos são atualmente construídos utilizando editores de texto que permitem, a inclusão de imagens e gráficos é muito utilizada para demonstrar protótipos de telas aos clientes. Ver também justificativa para requisito Detecção automática da alteração de um REQUISITO e visualização dos outros REQUISITOS vinculados ao REQUISITO alterado (também conhecida como identificação de vínculos de rastreabilidade suspeitos ).

6 - 6 - Esta funcionalidade é importante para a análise de impacto da alteração de um requisito de alto nível, de forma que fiquem delimitados os outros requisitos que precisam ser examinados para verificar se também precisam ser alterados Integração com a ferramenta de gerência de configuração permitindo a criação de baseline unificada contendo os REQUISITOS. Esta funcionalidade possibilita a realização da gerência de configuração dos requisitos através de ferramentas automatizadas, sem a necessidade de controles manuais Permitir a criação de novos atributos para REQUISITOS. Esta funcionalidade permitiria a adaptação da ferramenta às necessidades de classificação de requisitos do BNDES, permitindo também que requisitos sejam encontrados de forma mais rápida Permitir edição de vários REQUISITOS atômicos em uma mesma unidade ( documento ) da forma What You See is What You Get (WYSIWIG). Esta capacidade de edição WYSIWYG permite que sejam criados documentos de requisitos que podem ter organizações internas diversas, incorporar imagens, ter numeração (e renumeração) automática de seus itens (como os passos de um Caso de Uso), e permitir referências internas aos itens numerados (por exemplo: referência às imagens). O benefício desta capacidade é poder criar documentos que podem ser produzidos facilmente, possuindo elementos que facilitam expressão de conhecimento que será validado pelos clientes. Esta capacidade de edição de requisitos na forma WYSIWYG já faz parte do dia a dia dos profissionais do BNDES Possibilidade de exportação da documentação dos REQUISITOS em Microsoft Word. Dado que os documentos de requisitos no BNDES são atualmente construídos em Microsoft Word (que é o único editor de textos com funcionalidades avançadas utilizado no BNDES), esta funcionalidade é importante para possibilitar a visualização e edição dos requisitos por pessoas que não utilizem a ferramenta de requisitos, como por exemplo os usuários finais dos sistemas. Ver também justificativa para o item Possibilidade de importação de documentação de REQUISITOS em Microsoft Word. Veja item Fornecer acesso via web à ferramenta de REQUISITOS para as equipes distribuídas.

7 - 7 - A Tecnologia da Informação do BNDES atualmente conta com mais de 100 profissionais trabalhando em desenvolvimento de sistemas. Adicionalmente, existe um processo de revisão por pares realizado internamente na TI do BNDES, que pode ser executado por uma equipe externa à equipe de levantamento de requisitos. Dessa forma, a possibilidade de acesso remoto para equipes com tais características é muito importante Possibilitar geração de relatórios de REQUISITOS detalhados, relatórios de estimativa, de comparação e métricas a partir dos atributos dos REQUISITOS. A geração de relatórios de estimativa, comparação e métricas é importante para qualquer ferramenta de gerenciamento, seja de requisitos, de casos de teste, de mudanças ou outros. Estes relatórios fornecem uma visão sumarizada e abrangente, e podem ser utilizados para analisar e melhorar continuamente os requisitos dos sistemas e o processo de Requisitos do BNDES Possibilitar a criação de relatórios de REQUISITOS específicos através de ferramenta de construção de relatórios ad hoc. A construção de relatórios ad hoc possibilita a configuração dos relatórios de acordo com as necessidades atuais e até futuras do BNDES Criação e comparação de baselines, possibilitando o armazenamento de uma baseline para futura comparação com o alterado ao longo do projeto. Uma das funcionalidades mais importantes da gerência de configuração é a criação de baselines (conjunto de versões consistentes dos artefatos do projeto). Ver também justificativa para o item Diante dos argumentos apresentados pela Equipe Técnica do BNDES, constata-se que a terminologia adotada nas especificações técnicas constantes do Edital do Pregão Eletrônico AA n.º 45/2008 não é de uso exclusivo da IBM/RATIONAL, mas sim de utilização corrente em tecnologia da informação, sendo amplamente adotada pelo mercado e na literatura específica. Com relação à ferramenta de desenvolvimento Eclipse, também se pode extrair do parecer técnico do BNDES, que se trata de um software aberto, o qual não está subordinado ao controle de uma única empresa, como afirma a Impugnante. Ademais, como é de conhecimento no mercado de que tal ferramenta é amplamente utilizada em ambientes de desenvolvimento comerciais de várias empresas que não a IBM, tais como a PowerLogic e a Embarcadero Technologies, não é razoável a alegação de que a empresa IBM/Rational seria a única a atender o referido requisito.

8 - 8 - Por fim, quanto ao item 3.3 do Edital Suporte à gerência de Requisitos e seus subitens, verifica-se que o conjunto de funcionalidades para as ferramentas de apoio ao ciclo não foi especificada para atender a nenhum interesse de determinado fabricantes, mas, tãosomente, para atender às necessidades do BNDES. Comprova-se, ainda, que não há direcionamento do certame para a empresa IBM/Rational, tendo em vista manifestação expressa de outro fabricante no sentido de atender perfeitamente aos requisitos exigidos pelo BNDES na presente licitação, conforme documentos constantes nos autos do respectivo procedimento licitatório (Anexo I da presente Ata). Portanto, com base nos elementos trazidos nas razões da Impugnante, o BNDES entende não restar comprovada qualquer restrição à competitividade do certame nem, tampouco, possível direcionamento da licitação para um único fabricante. III DA CONCLUSÃO: Ante os motivos acima expostos, afiguram-se desarrazoadas as alegações da Impugnante, motivo pelo qual nega-se provimento às postulações da empresa DALCOM TECNOLOGIA e INFRA-ESTRUTURA LTDA., restando mantidas as redações dos itens impugnados. Simone Moreira de Castro Pregoeiro AA/DELIC/GLIC2

Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan

Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan Uma Implementação do Processo de Medição usando a Spider-MPlan Simone Nayara Costa Carneiro 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Principais Vantagens do Microsoft Visual Studio Team System

Principais Vantagens do Microsoft Visual Studio Team System Principais Vantagens do Microsoft Visual Studio Team System White Paper Novembro de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.msdnbrasil.com.br/vstudio As informações contidas neste documento

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Engenharia de Software I. Curso de Sistemas de Informação. Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI. Ferramentas

Engenharia de Software I. Curso de Sistemas de Informação. Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI. Ferramentas Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Ferramentas 1 Computer-Aided Software Engineering CASE Engenharia de Software Auxiliada por

Leia mais

Projeto 6.18 Automação de Testes Sistêmicos Funcionais

Projeto 6.18 Automação de Testes Sistêmicos Funcionais Projeto 6.18 Automação de Testes Sistêmicos Funcionais Paula Luciana F. Cunha, Rosanne M. R. Carneiro, Carlo Giovano S. Pires, Liane R. P. Bandeira, Paula M. Donegan, Camila Maia, Ana Cristina Matos 1.

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166

Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia, 166 - Bairro Bangu - Santo André - SP - Brasil CEP 09.210-170 - Telefone/Fax: +55 11 4996-3166 1. CÓDIGO E NOME DA DISCIPLINA BC1508 - ENGENHARIA DE SOFTWARE

Leia mais

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008.

A empresa Linknet Tecnologia & Telecomunicação Ltda. apresentou impugnação datada de 15 de junho de 2009, ao edital do Pregão Eletrônico nº 71/2008. Decisão de Pregoeiro n 0021/2009-SLC/ANEEL Em 22 de junho de 2009. Processo nº: 48500.003566/2008-44 Licitação: Pregão Eletrônico nº 71/2008 Assunto: Análise da IMPUGNAÇÃO AO EDITAL apresentada pela empresa

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012/2013 Unidade Curricular Engenharia de Software II ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3º Semestre 1º sem Horas de trabalho globais Docente Maria Clara Silveira Total

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO 1 FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO Edital numero 005/2014 _ ETEC para o Processo de Seleção de alunos para a Fábrica de Software. FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR SCIENTIA PLENA VOL 6, NUM 3 2010 www.scientiaplena.org.br Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR F. G. Silva; S. C. P. Hoentsch, L. Silva Departamento

Leia mais

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO

ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 008/2008 1 1- PLANILHA DE PONTUAÇÃO TÉCNICA FATOR QUALIDADE ANEXO V CRITÉRIOS DE PONTUAÇÃO Item Descrição Peso 2 1.1 A licitante será pontuada pela comprovação de parceria com

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01)

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 001/2010 ANEXO II 1 PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) I - Atestados, certidões e comprovantes I.1 Todos os documentos, atestados e certificados deverão

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Decisão do Pregoeiro n.º 25 /2007-SLC/ANEEL. Em 12 de dezembro de 2007.

Decisão do Pregoeiro n.º 25 /2007-SLC/ANEEL. Em 12 de dezembro de 2007. Decisão do Pregoeiro n.º 25 /2007-SLC/ANEEL Em 12 de dezembro de 2007. Processo: Processo nº 48500.006284/2007-18 Licitação: Pregão Eletrônico nº 77/2007 Ementa: Análise da IMPUGNAÇÃO AO EDITAL apresentada

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA Referência: CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 - BNDES Data: / / Licitante: CNPJ:

Leia mais

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2)

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2) Diagrama de Classes Diagrama de Classes Modelo de classes de especificação Perspectiva de Projeto Ilustra as especificações de software para as classes e interfaces do sistema. É obtido através da adição

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007

Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 Ata de julgamento de Impugnação ao Pregão Eletrônico AA 37/2007 COMBRAS ENGENHARIA LTDA. apresentou Impugnação ao Edital do Pregão Eletrônico AA nº 37/2007, que tem por objeto a contratação de empresa

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SUPERVISÃO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SUPERVISÃO DA COMISSÃO DE LICITAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO A Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo, por intermédio da Pregoeira Substituta designada pelo Ato da Mesa Diretora nº 923, publicado no Diário do Poder Legislativo de

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Orientação a Objetos - Programação em C++

Orientação a Objetos - Programação em C++ OO Engenharia Eletrônica Orientação a Objetos - Programação em C++ Slides 9: Programação ou Implementação: uma fase da engenharia de software. Projeto (UML) e Programação (C++,...) Prof. Dr. Jean Marcelo

Leia mais

Gestão de Projectos de Software - 1

Gestão de Projectos de Software - 1 Gestão de Projectos de Software Licenciaturas de EI / IG 2012/2013-4º semestre msantos@ispgaya.pt http://paginas.ispgaya.pt/~msantos Gestão de Projectos de Software - 1 Objectivos da Disciplina de Gestão

Leia mais

são capturados de forma sistemática e intuitiva por meio de casos de uso.

são capturados de forma sistemática e intuitiva por meio de casos de uso. Prevenção de defeitos em Requisitos de Software: Uma caracterização do processo de melhoria Daniela C. C. Peixoto (Synergia, DCC/UFMG), Clarindo Isaías P. S. Pádua (Synergia, DCC/UFMG), Eveline A. Veloso

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

Gerenciando Projetos de Software com RUP e PMBOK. Managing Software Projects with RUP and PMBOK

Gerenciando Projetos de Software com RUP e PMBOK. Managing Software Projects with RUP and PMBOK Gerenciando Projetos de Software com RUP e PMBOK Managing Software Projects with RUP and PMBOK Gerenciando Projetos de Software com RUP e PMBOK Managing Software Project with RUP and PMBOK Eduardo de Miranda

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Processo nº 72000.002655/2009-70 Assunto: Pregão Eletrônico nº 08/2009 - Recurso Administrativo interposto pela empresa: MINDWARE SISTEMAS LTDA.

Processo nº 72000.002655/2009-70 Assunto: Pregão Eletrônico nº 08/2009 - Recurso Administrativo interposto pela empresa: MINDWARE SISTEMAS LTDA. Ministério do Turismo Secretaria Executiva Diretoria de Gestão Interna Coordenação Geral de Recursos Logísticos EMI Bloco U - 2º Andar Sala 232 CEP: 70065-900 Telefone: (61) 321-8202 Processo nº 72000.002655/2009-70

Leia mais

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema.

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema. Definindo o Escopo: Modelo de Caso de Uso Agradei-me, particularmente, da possibilidade de que Joshua estivesse tão preso ao seu modo clássico de pensar que me permitisse realizar o incrível feito de chegar

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação EDITAL Nº 20/2012 II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Pelo presente,

Leia mais

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS 1 de 15 msgq CONTROLE DE DOCUMENTOS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento Unidade de Sobradinho FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4)

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4) CURSO de GRADUAÇÃO e de PÓS-GRADUAÇÃO do ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Eng. Osvandre Alves Martins e Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Tendências,

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO - DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA COINF SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC Of. n.º 319/2009 Brasília, 11 de maio de 2009. Ref.:

Leia mais

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Gap Analysis ITIL ISO 20.000 Gerenciamento de Serviços de TI Integrado com Negócio Avalie seus processos de TI ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Gap Analysis ITIL ISO 20.000: Benefícios;

Leia mais

PrimeUp Educação. Caso real: implantação de solução de ALM. sergio.fernandes@primeup.com.br

PrimeUp Educação. Caso real: implantação de solução de ALM. sergio.fernandes@primeup.com.br PrimeUp Educação Caso real: implantação de solução de ALM sergio.fernandes@primeup.com.br Roteiro Slide 2 Objetivo Escopo Esforço PrimeUp Estratégia proposta para o projeto Detalhamento Aumento de Produtividade

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

3.1 Baseado em operações

3.1 Baseado em operações 23 3. Estado da Arte Algumas das ferramentas de controle de versão comerciais mais conhecidas atualmente são: Concurrent Version System (CVS) [CEDERQVIST, 1993], Microsoft Visual SourceSafe (MVSS) [MICROSOFT,

Leia mais

Prof. Júlio Valente Agosto/2015. CV Resumido

Prof. Júlio Valente Agosto/2015. CV Resumido Gerenciamento de Configuração e Aquisição de Software Prof. Júlio Valente Agosto/2015 CV Resumido Autor do livro Prática de Análise e Projeto de Sistemas. Gerente do projeto de Totalização e Divulgação

Leia mais

Gerência de Configuração de Software

Gerência de Configuração de Software Gerência de Configuração de Software Desenvolvendo software de forma eficiente e disciplinada O Cristine Dantas É bacharel em Informática pela UFRJ e mestre em Engenharia de Sistemas e Computação pela

Leia mais

Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG. Definindo e Alcançando Objetivos

Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG. Definindo e Alcançando Objetivos Derivação de Métricas para Projetos de BI Mauricio Aguiar ti MÉTRICAS Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG www.metricas.com.br

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

QUESTIONAMENTO 06 ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 16/2013 BNDES

QUESTIONAMENTO 06 ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 16/2013 BNDES QUESTIONAMENTO 06 ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 16/2013 BNDES Pergunta 01: No EDITAL do PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 16/2013 BNDES, no item 4.17. II há a afirmação sobre a não aceitação de proposta

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

2.0. Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software. Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis

2.0. Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software. Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis 2.0 Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Carla Alessandra Lima Reis Rodrigo Quites Reis U n iv e r s id a d e F e d e r a l d o P a r á Q R C o n s u lto r ia

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

Implementando MPS BR nível F como preparação para certificação CMMi nível 3

Implementando MPS BR nível F como preparação para certificação CMMi nível 3 Implementando MPS BR nível F como preparação para certificação CMMi nível 3 Analia Irigoyen Ferreiro Ferreira 1, Roberta Cerqueira 1, Gleison Santos 2 1 BL Informática Ltda. Av. Visconde do Rio Branco

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE Marcello Thiry thiry@univali.br Ana Frida da Cunha Silva anafrida@univali.br Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Campus São José

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Avaliação do processo de desenvolvimento de software em um Órgão da Justiça

Avaliação do processo de desenvolvimento de software em um Órgão da Justiça Avaliação do processo de desenvolvimento de software em um Órgão da Justiça RESUMO Este artigo tem como objetivo relatar a avaliação do processo de desenvolvimento de software em um Órgão da Justiça utilizando

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

ATA DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 34/2013

ATA DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 34/2013 ATA DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 34/2013 Aos 13 dias do mês de setembro de 2013, reuniram-se a Pregoeira e a integrante da Equipe de Apoio para análise e julgamento

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL Cristiane Machado de Vargas 1 Ana Marcia Debiasi Duarte 2

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais