Comunicado101 Técnico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicado101 Técnico"

Transcrição

1 Comunicado0 Técnico ISSN Planaltina, DF Dezembro, 2003 Foto: Helvio dos Santos Abadia Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado Geraldo Bueno Martha Júnior Luis Gustavo Barioni 2 Lourival Vilela 3 Alexandre de Oliveira Barcellos 4 Nos últimos anos, tem crescido o interesse de técnicos e de pecuaristas pela intensificação dos sistemas de produção animal a pasto. O manejo intensivo da pastagem visa a aumentar a produção por animal e, principalmente, por unidade de área, pelo aumento da taxa de lotação, da taxa de utilização de forragem e, em última análise, dos níveis de uso dos fatores de produção terra, trabalho e capital (FGTC, 992). Obviamente, diferentes combinações na intensidade de uso desses fatores determinam níveis distintos de intensificação do sistema de produção e de desempenhos bioeconômicos. O pastejo rotacionado tem sido uma das principais técnicas adotadas no processo de intensificação dos sistemas pastoris. O pastejo rotacionado consiste na utilização de pelo menos dois piquetes submetidos a sucessivos períodos de descanso e de ocupação. Durante o período de descanso, ocorre a rebrota da planta forrageira na ausência do animal. No período de ocupação, verifica-se a utilização do pasto pelos animais (consumo), concomitantemente, ao processo de crescimento de forragem. O intervalo de tempo resultante do somatório desses dois períodos representa o ciclo de pastejo (Fórmula ). () Embora a recomendação de uso e a adoção do pastejo rotacionado tenham crescido de maneira expressiva nos últimos anos, verifica-se que muitos técnicos e pecuaristas ainda têm dúvidas quanto ao dimensionamento da área de pasto nesse método de pastejo. Portanto, torna-se pertinente tecer algumas considerações sobre esse assunto para permitir que a tomada de decisão, em fazendas comerciais, seja feita de maneira mais criteriosa. Pastejo com Lotação Contínua x Pastejo Rotacionado Quando os animais têm acesso a áreas relativamente grandes de pasto, e as taxas de lotação são baixas, estimase que a mesma população de perfilhos é desfolhada com freqüência de três a quatro semanas. Contudo, quando as taxas de lotação são mais elevadas, uma dada população de perfilhos pode ser pastejada a cada três ou cinco dias. Essa freqüência de pastejo não pode ser sustentada por longos períodos de tempo sem que haja prejuízos na produtividade do pasto e do animal: é o superpastejo. Em condições favoráveis de clima e de solo e com uso de adubações mais elevadas, em especial a nitrogenada, é possível que a lâmina foliar apresente expansão de Eng. Agrôn., Dr., Embrapa Cerrados, 2 Eng. Agrôn., Dr., Embrapa Cerrados, 3 Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Cerrados, 4 Eng. Agrôn., M.Sc., Embrapa Cerrados, Doutorando FCAV/Unesp, Campus de Jaboticabal,

2 2 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado 5 a 7 cm por dia. Verifica-se, ainda, que uma nova folha aparece a cada 2 a 5 dias durante o verão. Em razão do ritmo acelerado de expansão foliar e de aparecimento de folhas, quanto maior o período de permanência do animal no piquete e quanto maior a taxa de lotação, maiores serão as chances de os animais consumirem a rebrota do capim, determinando, conseqüentemente, o superpastejo e a redução da produtividade do pasto e do animal. Com taxas de lotação mais baixas, inferiores a cerca de,5 UA/ha/ano, o pastejo com lotação contínua e o pastejo rotacionado, quando bem conduzidos, apresentam desempenho biológico semelhantes. Com o aumento da produção de forragem e, conseqüentemente, da taxa de lotação, a opção pelo pastejo rotacionado passa a ser mais interessante, pois esse método de pastejo favorece a uniformidade de desfolha, melhora a eficiência de utilização da forragem e possibilita o melhor controle da intensidade de desfolha e do período de rebrota da planta. Esses fatores, por sua vez, condicionam a capacidade de rebrota da planta forrageira durante a estação de pastejo, a produção e a qualidade da forragem e a composição botânica da pastagem. Em razão do melhor controle sobre o crescimento da planta, o pastejo rotacionado é mais indicado para pastagens consorciadas de gramíneas com leguminosas e para as situações em que se utilizam espécies forrageiras cespitosas e eretas (capim-elefante, cultivares de Panicum maximum, etc.) que, quando submetidas a curtos períodos de rebrota, têm a sua perenidade comprometida e, em períodos longos de crescimento, apresentam deterioração da estrutura do pasto (elevada proporção de hastes e de material morto). Demanda de Forragem O primeiro ponto a ser considerado no dimensionamento de sistemas pastoris é a quantidade de forragem demandada pelo rebanho. Essa demanda varia, entre outros, com o sexo, a categoria (bezerro desmamado, animal em recria ou em engorda, etc.), o desempenho animal e com a qualidade da forragem. Uma estimativa de consumo de massa seca de forragem para machos Nelore castrados em crescimento, considerando variações nesses indicadores, consta da Tabela. Tabela. Estimativa de ingestão de massa seca de forragem por machos Nelore castrados em crescimento. Ganho de peso Peso vivo do animal (kg) (kg/cab/dia) Média kg MS/cab/dia 55% NDT 0, 3,5 4, 4,7 5,3 5,9 6,4 5,0 0,2 4,0 4,7 5,4 6, 6,7 7,3 5,7 0,3 4,5 5,3 6, 6,8 7,5 8,2 6,4 0,4 5,0 5,9 6,8 7,6 8,4 9,2 7,2 0,5 5,6 6,6 7,5 8,5 9,3 0,2 7,9 0,6 6, 7,2 8,3 9,3 0,3,2 8,7 0,7 6,7 7,9 9,0 0,,2 2,2 9,5 60% NDT 0, 3,0 3,6 4, 4,6 5, 5,5 4,3 0,2 3,4 4,0 4,6 5,2 5,7 6,2 4,9 0,3 3,8 4,5 5, 5,8 6,4 7,0 5,4 0,4 4,2 5,0 5,7 6,4 7, 7,7 6,0 0,5 4,6 5,5 6,3 7, 7,8 8,5 6,6 0,6 5, 6,0 6,9 7,7 8,5 9,3 7,3 0,7 5,5 6,5 7,5 8,4 9,3 0, 7,9 65% NDT 0, 2,7 3, 3,6 4,0 4,5 4,9 3,8 0,2 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 4,3 0,3 3,3 3,9 4,5 5,0 5,6 6, 4,7 0,4 3,7 4,3 5,0 5,6 6,2 6,7 5,2 0,5 4,0 4,7 5,4 6, 6,8 7,4 5,7 0,6 4,4 5,2 5,9 6,7 7,4 8,0 6,3 0,7 4,7 5,6 6,4 7,2 8,0 8,7 6,8 Animais sem implantes e sem ionóforos. Tabela elaborada com base em Lanna et al. (999).

3 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado 3 Demanda de Área de Pasto Períodos de ocupação e de descanso A área de pasto necessária para o desenvolvimento da atividade de pecuária depende da demanda de forragem pelo rebanho e da produção de forragem. A quantidade de forragem produzida encontra-se vinculada a fatores de clima, de solo e de manejo da pastagem. A espécie forrageira também tem influência decisiva na produção de forragem. O principal efeito do animal em pastejo sobre a planta forrageira é por meio da desfolha, que é definida em termos da intensidade, da freqüência e da época do ano em que é praticada. A intensidade de desfolha reflete a proporção de forragem removida pelo corte ou pastejo, sendo usualmente medida pelos valores residuais de massa de forragem, altura ou índice de área foliar. A freqüência de desfolha diz respeito ao intervalo entre cortes ou pastejos sucessivos, enquanto a época em que a desfolha é praticada reflete as condições climáticas em que ocorre o crescimento da forrageira e o estádio de desenvolvimento da planta (i.e. vegetativo ou reprodutivo). A intensidade de desfolha é influenciada pela taxa de lotação e pelo período de ocupação. Em sistemas com baixo uso de fertilizantes, em que as taxas de acúmulo de forragem e as taxas de lotação são baixas, o período de ocupação pode ser maior. Conforme se aumenta o uso de fertilizantes (maior taxa de acúmulo de forragem) e a taxa de lotação, recomenda-se reduzir o período de ocupação para restringir a oportunidade de o animal consumir a rebrota do pasto. A freqüência de desfolha, que reflete o período de descanso do pasto, depende das condições de clima e de solo e da intensidade de pastejo, uma vez que esses fatores influenciam o acúmulo de forragem durante a estação de pastejo e a velocidade de rebrota da planta em um dado ciclo de pastejo. Em condições edafoclimáticas favoráveis ao acúmulo de forragem ou com pastejo leniente (i.e. pastejo leve), pode-se adotar períodos de descanso de menor duração (maior freqüência de desfolha). Quando as condições de clima e de solo forem desfavoráveis ou o pastejo for mais intenso, é prudente trabalhar com maiores períodos de descanso (menor freqüência de desfolha). Nas Tabelas 2 e 3, apresentam-se recomendações gerais de período de descanso e de intensidade de pastejo para diferentes espécies de gramíneas forrageiras tropicais. Essas informações são indicativos para nortear o manejo da pastagem na propriedade. Entretanto, é necessário que cada fazenda ajuste esses índices de acordo com a época do ano e com as condições específicas da propriedade. Tabela 2. Período de descanso sugerido para diferentes gramíneas forrageiras tropicais no período das águas. Espécie Forrageira Período de descanso (dias) Variedades de capim-elefante (Pennisetum purpureum) 30 a 45 Cultivares de Panicum maximum (Tanzânia, Mombaça, etc.) 28 a 42 Capim Andropógon (Andropogon gayanus) 25 a 30 Brachiaria brizantha cv. Marandu 28 a 42 B. decumbens 28 a 42 B. humidicola 20 a 30 Cultivares de Cynodon spp. (Tifton-85, Coast-cross, etc.) 25 a 35 Capim Pojuca (Paspalum atratum) 20 a 30 Adaptado de diferentes autores e de resultados não publicados. Tabela 3. Intensidade de pastejo sugerida para diferentes gramíneas tropicais no período das águas. Espécie Forrageira Intensidade de pastejo Altura residual (cm) Variedades de capim-elefante (PD 40 a 45 dias) 2 40 a 50 Variedades de capim-elefante (PD 30 a 35 dias) 2 90 a 00 P. maximum cv. Colonião e Tanzânia 25 a 40 P. maximum cv. Tobiatã e Mombaça 40 a 50 P. maximum cv. Vencedor 25 a 35 P. maximum cv. Massai 20 a 25 Capim Andropogon 20 a 30 B. brizantha cv. Marandu (braquiarão) 20 a 30 B. decumbens 5 a 25 B. humidicola 5 a 20 Cultivares de Cynodon spp. (Tifton-85, Coast-cross, etc.) 5 a 20 Capim Pojuca 5 a 20 Massa de forragem residual (kg/ha MS) P. maximum cv. Tanzânia a B. brizantha cv. Marandu.500 a B. decumbens.000 a.500 Adaptado de diferentes autores e de resultados não publicados. 2 PD: período de descanso.

4 4 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado Número de piquetes Uma vez definidos os períodos de ocupação e de descanso, é possível calcular, pela fórmula 2, o número de piquetes no pastejo rotacionado para um grupo de animais. Em sistemas extensivos e semi-intensivos, o uso do pastejo rotacionado com um pequeno número de piquetes (dois a quatro piquetes) é bastante satisfatório. Para essas situações, recomenda-se que o período de ocupação não seja superior a 28 dias. Apenas para exemplificar, para períodos de ocupação e de descanso de 28 dias (pastejo alterno) seriam necessários dois piquetes: Entretanto, para períodos de ocupação e de descanso de 4 e de 42 dias, respectivamente, seriam necessários quatro piquetes: Com maiores níveis de adubação, em especial de fertilizantes nitrogenados (> 200 kg/ha/ano), deve-se reduzir o período de ocupação para períodos inferiores a dez dias. Com elevado uso de nitrogênio (> 300 kg/ha/ ano), é interessante adotar períodos de ocupação inferiores a três dias. Conseqüentemente, o número de subdivisões na fazenda aumenta de maneira expressiva: O aumento no número de piquetes implica maiores custos com cercas e bebedouros. Desse modo, a decisão sobre o número de piquetes deve ser baseada em uma análise crítica de prós (melhor eficiência de pastejo, aumento na taxa de lotação, etc.) e contras (elevação nos custos de produção, necessidade de maior freqüência e acuidade de monitoramento e ajustes no manejo, etc.) do aumento do número de piquetes. (2) O aumento na eficiência de pastejo está associado à maior taxa de lotação. Entretanto, o consumo de forragem e o desempenho por animal diminuem, progressivamente, com a elevação na taxa de lotação. Dentro de certos limites, a adubação nitrogenada, por permitir o aumento na produção de forragem, viabiliza o incremento da taxa de lotação sem que haja redução na oferta de forragem e, portanto, no desempenho por animal. Para animais em aleitamento, a relação entre taxa de lotação e desempenho animal não é tão clara, uma vez que o leite produzido pela vaca suporta elevados níveis de desempenho do animal jovem, mesmo com o aumento da taxa de lotação. Contudo, esse tamponamento do leite sobre o desempenho do bezerro ocorre às custas da mobilização de reservas corporais da vaca para suportar uma dada produção de leite. Quanto mais drástica a deficiência nutricional experimentada pela vaca, maior será a perda de condição corporal, implicando efeitos negativos sobre a futura produção de leite e eficiência reprodutiva da matriz. Estimativa da necessidade de área de pasto A estimativa da taxa de acúmulo de forragem, durante o ciclo de pastejo, permite que a necessidade diária de área de pasto, com base nas exigências em consumo de massa seca de forragem pelo rebanho (Tabela ), seja estimada. Na Tabela 4 são apresentadas as exigências diárias de consumo de massa seca de forragem, por cabeça e por categoria, para um rebanho hipotético. Na Tabela 5, constam indicadores de manejo da pastagem, considerando diferentes níveis de intensificação no uso do fator terra, e a taxa de lotação para as categorias do rebanho relacionadas na Tabela 4. Para uma dada taxa de acúmulo de forragem, observa-se que, com animais mais pesados, a taxa de lotação, em cabeças/ ha, diminui. Entretanto, a taxa de lotação, quando expressa em UA/ha, é maior para as situações de animais de maior peso, refletindo o menor consumo de massa seca de forragem como porcentagem do peso vivo do animal para um dado nível de ganho de peso. Com base nas informações apresentadas nas Tabelas 4 e 5, estimou-se a necessidade de área diária de pasto (Tabela 6) para as categorias do rebanho relacionadas na Tabela 4. Tabela 4. Características de um rebanho hipotético. Categoria Quantidade de Quantidade de Ingestão diária de massa seca de forragem (kg de peso vivo) Cabeças UA Por cabeça 2 por categoria , , ,5 05 Total Unidade animal, 450 kg de peso vivo. 2 Valores obtidos na Tabela considerando 60% de NDT e ganho de peso diário de 0,6 kg/cab.

5 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado 5 Tabela 5. Características do manejo da pastagem, em diferentes níveis de intensificação no uso do fator terra, e taxa de lotação para uma fazenda hipotética. Intensidade no uso do fator terra Extensivo Semi-intensivo Intensivo Muito intensivo Características da pastagem e de seu manejo Ciclo de pastejo (dias) Taxa de acúmulo (kg MS/ha/dia) Eficiência de pastejo (%) Forragem consumida (kg MS/ha/ciclo de pastejo) Categoria animal Taxa de lotação (cabeça/ha) 200 kg de peso vivo 2,65 4,90 7,55 2, kg de peso vivo,96 3,62 5,58 9, kg de peso vivo,59 2,94 4,53 7,76 Taxa de lotação (UA/ha) 200 kg de peso vivo,8 2,8 3,36 5, kg de peso vivo,30 2,42 3,72 6, kg de peso vivo,4 2,6 4,03 6,90 Tabela 6. Necessidade diária de área de pasto considerando diferentes níveis de intesificação no uso do fator terra e diferentes categorias do rebanho. Intensidade de uso do Categoria animal (kg de peso vivo) fator terra no sistema Necessidade diária de área de pasto... m 2 /UA m 2 /cab m 2 /UA m 2 /cab m 2 /UA m 2 /cab extensivo semi-intensivo intensivo muito intensivo O cálculo da necessidade diária de área de pasto foi feito com a Fórmula 3 5 : (3) Apenas para exemplificar, considere o sistema de exploração extensiva e a categoria de animais com peso vivo de 200 kg: Consumo de massa seca (categoria):.020 kg/dia de massa seca de forragem; Número de UA (categoria): 89 UA; Forragem disponível: 756 kg/ha de massa seca. 5 A estimativa do tamanho diário de área de pasto, em m 2 /cab/dia, é feita substituindo-se o número de UA no denominador da fórmula 3 pelo número de cabeças.

6 6 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado Para determinar a área total de pasto a ser destinada para esse lote, deve-se utilizar a fórmula 4: (4) Considerando o exemplo acima, seriam necessários 76 ha: Com raciocínio semelhante, pode-se calcular a necessidade de área total de pasto para essa fazenda hipotética. Considere, por exemplo, que a categoria com peso médio de 300 kg de peso vivo é manejada de maneira semi-intensiva e a categoria de 400 kg de peso vivo é manejada de modo extensivo. O tamanho de área de pasto destinado a esses lotes seria de 47 e de 82 ha, respectivamente. Para essa fazenda, seriam necessários cerca de 200 ha de pastagens (76 ha+47 ha+82 ha), determinando uma taxa de lotação de,6 UA/ha (ou 2,5 cab/ha) durante a estação de pastejo. Vale ressaltar que podem existir diversas combinações de níveis de intensificação no uso da terra na fazenda. Além disso, a manutenção de taxas de lotação superiores a,2 a,5 UA/ha durante a seca, conforme as características e a localização da fazenda, deve estar associada com o pastejo diferido e com o fornecimento de alimentos concentrados ou, até mesmo, com o uso de forragens conservadas quando a taxa de lotação na seca for superior a cerca de 2,5 UA/ha. Taxa de lotação As informações apresentadas acima permitem que o dimensionamento da área de pasto, com base em determinado tamanho de rebanho, seja estimado em médio prazo (estação de pastejo). Contudo, a produção de forragem varia ao longo da estação de crescimento. Desse modo, para as situações em que é possível proceder o ajuste da taxa de lotação (i.e. trabalhar com taxa de lotação variável), é útil estimar a taxa de lotação para cada ciclo de pastejo. Diversos métodos podem ser usados para estimar a taxa de lotação. Recentemente, o método baseado na oferta de forragem tem sido bastante utilizado. Para sistemas extensivos e semi-intensivos, a oferta de forragem deve variar de 7% a 2% (i.e. de 7 a 2 kg de massa seca de forragem/00 kg de peso vivo), com base na massa seca de forragem total. Para sistemas intensivos e muito intensivos, ofertas de forragem de 6% a 9%, também com base na massa de forragem total, têm apresentado melhores resultados. O cálculo da taxa de lotação, pelo método da oferta de forragem, necessita de estimativas confiáveis da massa seca de forragem pré-pastejo, da taxa de acúmulo de forragem ao longo do período de ocupação e do peso vivo do lote sendo considerado, que possibilita projetar o consumo de forragem. O peso vivo médio do lote é determinado por meio de pesagens dos animais. O modo mais comum para estimar a produção do pasto é pelo corte da forragem compreendida por uma moldura de área conhecida, ao nível do solo, em diversos pontos de amostragem no piquete. Para condições de massa de forragem uniforme, quatro ou cinco pontos de amostragem por piquete são normalmente suficientes para fornecer uma boa estimativa da produção de forragem no âmbito de fazenda. Entretanto, quanto maior a desuniformidade na massa de forragem na área, maior deve ser o número de pontos de amostragem para garantir uma estimativa segura da produção do pasto. A estimativa da massa de forragem, quando feita em períodos sucessivos, permite estimar a taxa de acúmulo de forragem, conforme indicado pela Fórmula 5: em que: MFt : corresponde à massa seca de forragem pós-pastejo medida no tempo ; MFt 2 : corresponde à massa seca de forragem pré-pastejo medida no tempo 2; t 2 t : corresponde ao intervalo de tempo entre duas amostragens sucessivas (no tempo t e no tempo t 2 ). Exemplificando, considere uma fazenda com as seguintes características: Massa de forragem pré-pastejo =.800 kg/ha de massa seca; Taxa de acúmulo de forragem durante o período de ocupação = 40 kg MS/ha/dia; (5)

7 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado 7 Período de ocupação = 4 dias; Peso médio do lote = 370 kg de peso vivo; Oferta de forragem = 2 kg MS/00 kg PV (2%). O primeiro passo, no cálculo da taxa de lotação, é estimar a quantidade de peso vivo que pode ser sustentada para a quantidade de forragem em oferta com base no valor estipulado de oferta de forragem. No exemplo em questão, a massa de forragem disponível é estimada em kg/ ha de massa seca [.800 kg/ha de MS + (40 kg MS/ha/ dia x 4 dias)]. Valendo-se de uma regra de três, estima-se a quantidade de peso vivo animal que pode ser suportada por essa produção de forragem: 2 kg MS 00 kg PV kg MS x dias, com oferta de forragem de 2% ou de forragem de 2%., para um período de 4 por dia, também com oferta Alternativamente, a taxa de lotação pode ser determinada pela Fórmula 6, apresentada por Paladines & Lascano (982). Utilizando-se a fórmula 6, tem-se: (6) Na próxima etapa, estima-se quantos animais podem ser colocados no lote dividindo-se a quantidade de peso vivo ( x ) sustentada diariamente pela produção de forragem, em uma dada oferta de forragem, pelo peso vivo médio do lote de animais sendo considerado: O cálculo da taxa de lotação também pode ser feito com base na forragem disponível no estrato de pastejo e na taxa de acúmulo de forragem. Com base no exemplo acima, considere que a massa de forragem residual deverá ser de.400 kg/ha de massa seca, deixando disponível para consumo 960 kg/ha de massa seca [(.800 kg/ha de MS + 40 kg MS/ha/dia x 4 dias).400 kg/ha MS]. Sobre essa forragem disponível, deve-se computar a eficiência de pastejo que, no âmbito de fazenda, varia, normalmente, de 40% a 50%. Se a eficiência de pastejo fosse de 45%, a taxa de lotação seria de 3,80 cabeças/ha para um consumo de 2,2% do peso vivo do animal, como segue: Nota-se que em função dos valores considerados de oferta de forragem, eficiência de pastejo e consumo de forragem as duas maneiras de calcular a taxa de lotação propiciaram resultados semelhantes. Obviamente, variações nos valores dos parâmetros determinam resultados diferentes. Por fim, é muito importante ter em mente que em razão da complexidade e do dinamismo inerentes ao sistema soloplanta-animal, bem como das interações observadas entre esses componentes, a tomada de decisão precisa ser feita com critério e com base em planejamento, do diário ao multianual. Nesse sentido, o constante monitoramento do pasto e o do animal constituem premissas básicas para o sucesso do empreendimento de pecuária a pasto, uma vez que permitem ajustes periódicos, possibilitando o atendimento das metas e dos prazos idealizados para o sistema de produção. Referências Bibliográficas FGTC. The Forage and Grazing Terminology Committee. Terminology for grazing lands and grazing animals. Journal of Production Agriculture, Madison, p.9-20, 992. LANNA, D. P. D.; BARIONI, L. G.; TEDESCHI, L. O.; BOIN, C. RLM ração de lucro máximo: versão 2.0. Piracicaba: Laboratório de Nutrição e Crescimento Animal, p. (Manual do usuário).

8 8 Área do Piquete e Taxa de Lotação no Pastejo Rotacionado Paddock area and stocking rate in rotational grazing During the last two decades, rotational grazing has been increasingly adopted in cattle farms in the Cerrado Region. However, many farmers and extensionists are still having problems in designing efficient pastoral systems based on rotational grazing. This paper briefly describes the basic concepts of this grazing method and provides key steps to be followed in planning pasture area and stocking rate in rotational grazing. Index terms: beef cattle, dairy cattle, grazing management, grazing method, pastoral system. Comunicado Técnico, 0 Exemplares desta edição podem ser adquiridos na: Embrapa Cerrados Endereço: BR 020 Km 8 Rod. Brasília/Fortaleza Caixa postal: CEP Fone: (6) Fax: (6) Impresso no Serviço Gráfico da Embrapa Cerrados a edição a impressão (2003): 00 exemplares Comitê de Publicações Expediente Presidente: Dimas Vital Siqueira Resck. Editor Técnico: Carlos Roberto Spehar. Secretária Executiva: Nilda Maria da Cunha Sette. Supervisão editorial: Jaime Arbués Carneiro. Revisão de texto: Maria Helena Gonçalves Teixeira. Normalização bibliográfica: Shirley da Luz Soares. Editoração eletrônica: Leila Sandra Gomes Alencar. Impressão e acabamento: Divino Batista de Souza Jaime Arbués Carneiro.

por meio do uso sustentável de pastagens tropicais

por meio do uso sustentável de pastagens tropicais Intensificação da produção animal por meio do uso sustentável de pastagens tropicais Sila Carneiro da Silva Departamento de Zootecnia E.S.A. Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo (USP) Introdução *

Leia mais

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems)

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Adubaçã ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Alberto C. de Campos Bernardi Pecuária brasileira: 220 milhões de hectares

Leia mais

QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME

QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME Trabalho de conclusão de curso Produção e reprodução bovina Antônio Garcia de Almeida Orientador: Athos de Assumpção Pastore Sumário Lista de figura... Lista

Leia mais

Ajuste de Lotação no Manejo de Pastagens

Ajuste de Lotação no Manejo de Pastagens ISSN 1679-043X Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste Centro de Pesquisa de Gado de Corte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Fatores Indicativos para o Manejo das Pastagens Tropicais

Fatores Indicativos para o Manejo das Pastagens Tropicais Fatores Indicativos para o Manejo das Pastagens Tropicais Prof. Dr. Moacyr Corsi ESALQ - USP Maio- 2006 A planta forrageira: Parametros para produçã ção o animal Prof. Dr. Moacyr Corsi ESALQ - USP Maio-

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

PRODUÇÃO INTENSIVA DE CARNE BOVINA EM PASTO

PRODUÇÃO INTENSIVA DE CARNE BOVINA EM PASTO PRODUÇÃO INTENSIVA DE CARNE BOVINA EM PASTO Valéria Pacheco Batista Euclides Enga.-Agra., Ph.D., CREA N o 12797/D, Embrapa Gado de Corte, Rodovia BR 262 km 4, Caixa Postal 154, CEP 79002-970 Campo Grande,

Leia mais

FATORES A CONSIDERAR SOBRE A PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO FACTORS TO CONSIDER ABOUT MILK PRODUCTION ON PASTURE

FATORES A CONSIDERAR SOBRE A PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO FACTORS TO CONSIDER ABOUT MILK PRODUCTION ON PASTURE 73 FATORES A CONSIDERAR SOBRE A PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO Haroldo Wilson da Silva 1 RESUMO Nessa revisão, abordamos discussões que permeiam questões relacionadas há alguns fatores a considerar sobre a

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PRODUÇÃO DE LEITE

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PRODUÇÃO DE LEITE UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PRODUÇÃO DE LEITE MANEJO DE PASTAGEM: SISTEMAS DE PASTEJO PARA PROPRIEDADES LEITERA GUARAPUAVA

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Manejo e utilização de plantas forrageiras dos gêneros Panicum, Brachiaria e Cynodon Foto: César Antônio Cordeiro, 1999.

Manejo e utilização de plantas forrageiras dos gêneros Panicum, Brachiaria e Cynodon Foto: César Antônio Cordeiro, 1999. ISSN 1518-4757 Outubro, 2003 34 Manejo e utilização de plantas forrageiras dos gêneros Panicum, Brachiaria e Cynodon Foto: César Antônio Cordeiro, 1999. ISSN 1518-4757 Outubro, 2003 Empresa Brasileira

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANTIO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANTIO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANTIO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS Claudio Ramalho Townsend 1 Newton de Lucena Costa 2 Ricardo Gomes de Araujo Pereira 1 Na tomada de decisão sobre a formação e/ou reforma de

Leia mais

Estratégias de suplementação com concentrados para vacas Holandês X Zebu manejadas em pastagem de capim-elefante INTRODUÇÃO

Estratégias de suplementação com concentrados para vacas Holandês X Zebu manejadas em pastagem de capim-elefante INTRODUÇÃO Estratégias de suplementação com concentrados para vacas Holandês X Zebu manejadas em pastagem de capim-elefante Fermino Deresz 1,2, Antônio Carlos Cóser 1,2, Ademir de Moraes Ferreira 1,2, Carlos Eugênio

Leia mais

GUIA DE PRÁTICAS PARA PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

GUIA DE PRÁTICAS PARA PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GUIA DE PRÁTICAS PARA PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável 1 GUIA GTPS Capítulo 4 - Uso Da Pastagem 1. Introdução... 06 2. Critérios De Classificação Dos Processos Tecnológicos...

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS ARTIGO TÉCNICO PREMIX 12ª edição EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS Gustavo da Silva Freitas 1,4, Paola Moretti Rueda 2,4, Désirée Ribeiro Soares 2,4, Tiago da

Leia mais

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens PARANÁ 71 municípios 27 extensionistas 306 propriedades assistidas SANTA CATARINA 16 municípios 04

Leia mais

SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE PASTAGENS

SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE PASTAGENS SISTEMA INTENSIVO DE PRODUÇÃO DE PASTAGENS Sila Carneiro da Silva Departamento de Zootecnia, USP/ESALQ, Pesquisador do CNPq, scdsilva@esalq.usp.br Domicio do Nascimento Júnior Departamento de Zootecnia,

Leia mais

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13 artigos INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA: ALTERNATIVA PARA INTENSIFICAÇÃO DO USO DA TERRA Lourival Vilela 1, Geraldo B. Martha Jr 2, Robélio Leandro Marchão 3 1. Pesquisador da Embrapa Cerrados. E-mail:

Leia mais

Análise de Decisão considerando potencial de crescimento como critério de seleção em um rebanho da raça Nelore no Cerrado

Análise de Decisão considerando potencial de crescimento como critério de seleção em um rebanho da raça Nelore no Cerrado Análise de Decisão considerando potencial de crescimento como critério de seleção em um rebanho da raça Nelore no Cerrado PAULA, Edson Júnior Heitor de 1 ; MAGNABOSCO, Cláudio de Ulhôa 2 1 Zootecnista,

Leia mais

PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO*

PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO* PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO* OLIVEIRA, A.I.¹; JAYME, D.G.²; BARRETO, A.C. 3 ; FERNANDES, L.O. 4 ; SENE,

Leia mais

O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens)

O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens) O USO DE ESTILOSANTES CAMPO GRANDE EM CONSÓRCIO COM BRAQUIARINHA (Brachiaria decumbens) GARCIA, Fernando Manfrin¹ BARBOSA, Rogério Zanarde¹ GIATTI JR., Nilson Oliveira¹ 1 Acadêmicos do curso de Engenharia

Leia mais

PASTAGENS PARA PRODUÇÃO DE LEITE

PASTAGENS PARA PRODUÇÃO DE LEITE 1 PASTAGENS PARA PRODUÇÃO DE LEITE Dr. Ulysses Cecato* Dr. Clóves Cabreira Jobim* M.Sc. Marcos W. do Canto* Fabíola C. Almeida Rego** *Professores do Departamento de Zootecnia da Universidade Estadual

Leia mais

ISSN 0104-9046 Setembro, 2005. Padrões de Desempenho e Produtividade Animal para a Recria-Engorda de Bovinos de Corte no Acre

ISSN 0104-9046 Setembro, 2005. Padrões de Desempenho e Produtividade Animal para a Recria-Engorda de Bovinos de Corte no Acre CGPE 5315 ISSN 0104-9046 Setembro, 2005 98 Padrões de Desempenho e Produtividade Animal para a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da Agricultura,

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MANEJO DE BOVINO EM SISTEMA DE PASTEJO 1 CONSIDERATIONS ABOUT HANDLING OF BOVINE IN GRAZING SYSTEM. Itamar Pereira de Oliveira 2

CONSIDERAÇÕES SOBRE MANEJO DE BOVINO EM SISTEMA DE PASTEJO 1 CONSIDERATIONS ABOUT HANDLING OF BOVINE IN GRAZING SYSTEM. Itamar Pereira de Oliveira 2 117 CONSIDERAÇÕES SOBRE MANEJO DE BOVINO EM SISTEMA DE PASTEJO 1 CONSIDERATIONS ABOUT HANDLING OF BOVINE IN GRAZING SYSTEM Itamar Pereira de Oliveira 2 Alexandre Gabriel de Faria 3 1 Trabalho realizado

Leia mais

VOLUMOSOS PARA BOVINOS DE CORTE: OPÇÕES, AVANÇOS TECNOLÓGICOS E VIABILIDADE ECONÔMICA

VOLUMOSOS PARA BOVINOS DE CORTE: OPÇÕES, AVANÇOS TECNOLÓGICOS E VIABILIDADE ECONÔMICA VOLUMOSOS PARA BOVINOS DE CORTE: OPÇÕES, AVANÇOS TECNOLÓGICOS E VIABILIDADE ECONÔMICA Adilson de Paula Almeida Aguiar Professor de Pastagens e Plantas Forrageiras I (cursos de Agronomia e Zootecnia) e

Leia mais

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG A fase de Cria Aspectos Econômicos Eficiência econômica encontra-se altamente

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte

Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Manejo e estratégias de suplementação para bovinos de corte Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT ASPECTOS

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Recuperação de pastagens degradadas para sistemas intensivos de produção de bovinos

Recuperação de pastagens degradadas para sistemas intensivos de produção de bovinos ISSN 1516-4111X Recuperação de pastagens degradadas para sistemas intensivos de produção de bovinos 38 São Carlos, SP Março, 2005 Autor Patrícia Perondi Anchão Oliveira, Dra., Pesquisadora da Embrapa Pecuária

Leia mais

Programa de extensão universitária mais leite

Programa de extensão universitária mais leite Programa de extensão universitária mais leite Renato SOARES OLIVEIRA¹; Samuel PIASSI TELES²; Rafael BASTOS TEIXEIRA³; Cassia MARIA SILVA NORONHA 4 ; Alan Dhan COSTA LIMA 5 ; Arnaldo Júnior VALERIANO RESENDE

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DE PASTAGENS MANEJO ADEQUADO COMO MEDIDA REDUTORA DA EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA

SUSTENTABILIDADE DE PASTAGENS MANEJO ADEQUADO COMO MEDIDA REDUTORA DA EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA SUSTENTABILIDADE DE PASTAGENS MANEJO ADEQUADO COMO MEDIDA REDUTORA DA EMISSÃO DE GASES DE EFEITO Valdinei Tadeu Paulino 1 ; Erika Maria de Lima Celegato Teixeira 2 1 Professor e Pesquisador do Instituto

Leia mais

MANEJO INTENSIVO DE PASTAGENS

MANEJO INTENSIVO DE PASTAGENS 1 MANEJO INTENSIVO DE PASTAGENS Artur Chinelato de Camargo André Luiz Monteiro Novo EMBRAPA Pecuária Sudeste - São Carlos, SP Junho 2009 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. A ATIVIDADE LEITEIRA 7 3. CONCEITOS

Leia mais

Embrapa Gado de Corte

Embrapa Gado de Corte Embrapa Gado de Corte Recomendações de calagem e adubação para pastagens em solos arenosos Manuel Claudio Motta Macedo Pesquisador Embrapa Gado de Corte INTRODUÇÃO 1. Critérios de adubação para pastagens

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

(67) 3471-1173 / (67) 9643-1999 e-mail: agro.neri@hotmail.com

(67) 3471-1173 / (67) 9643-1999 e-mail: agro.neri@hotmail.com Inscrição CNPJ.: 18.603.382/0001-03 - Inscrição Estadual: 28.389.383-4 VIABILIDADE DE IRRIGAÇÃO X BOVINOCULTURA DE CORTE A distribuição de água de maneira artificial em pastagens por meio de irrigação

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Curso de Produção Animal Sustentável IZ/APTA-SAA - Disciplina Ecologia de Pastagens 2009

Curso de Produção Animal Sustentável IZ/APTA-SAA - Disciplina Ecologia de Pastagens 2009 FORRAGEIRAS PARA GADO LEITEIRO Autores: Carlos Eduardo Oltramari 1 ; Dr. Valdinei Tadeu Paulino 2 1 Mestrando do Curso de Produção Animal Sustentável do Instituto de Zootecnia, APTA/SAA, Nova Odessa/SP,

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2003. Sistema de Gestão de Horas Extras manual do usuário

ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2003. Sistema de Gestão de Horas Extras manual do usuário ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2003 293 Sistema de Gestão de Horas Extras manual do usuário ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Junho, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Forrageiras para corte e pastejo

Forrageiras para corte e pastejo Forrageiras para corte e pastejo Antonio Vander Pereira e Antonio Carlos Cóser * Introdução As pastagens e forragens cortadas representam formas mais econômicas de arraçoamento do gado leiteiro, podendo

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: SUSTENTABILIDADE DA AGROPECUÁRIA

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: SUSTENTABILIDADE DA AGROPECUÁRIA PROGRAMA DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA A INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA Armindo Neivo Kichel Cesar Heraclides Behling Miranda INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: SUSTENTABILIDADE DA AGROPECUÁRIA Ministério

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Produção de leite e carne em pastagens de Brachiaria e Panicum e suas associações com leguminosas

Produção de leite e carne em pastagens de Brachiaria e Panicum e suas associações com leguminosas Produção de leite e carne em pastagens de Brachiaria e Panicum e suas associações com leguminosas Valéria Pacheco B. * Introdução A pecuária mundial vem se transformando rapidamente. As grandes regiões

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

MANEJO DAS PASTAGENS E PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

MANEJO DAS PASTAGENS E PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO MANEJO DAS PASTAGENS E PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO Página 1 de 16 MANEJO DAS PASTAGENS E PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO Aluno: Marco Aurélio Alves de Freitas Barbosa Prof.: Domicio do Nascimento Jr. INTRODUÇÃO

Leia mais

Pastagens para produção leiteira

Pastagens para produção leiteira Pastagens para produção leiteira Matheus Souza Muniz 1, Bruno de Sousa Pereira 1, Moisés Sena Pessoa 2, Flávia Oliveira Abrão Pessoa 3 * 1 - Discentes do curso de Agronomia, IF Goiano Campus Ceres 2 Doutorando

Leia mais

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite.

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. Origem O CONVERT* HD364 foi obtido pelo Projeto de Forragens Tropicais do CIAT (Centro Internacional de Agricultura Tropical),

Leia mais

Palavras-chave: interceptação de luz, lotação rotacionada, manejo do pastejo, Pennisetum purpureum, período de descanso, valor nutritivo

Palavras-chave: interceptação de luz, lotação rotacionada, manejo do pastejo, Pennisetum purpureum, período de descanso, valor nutritivo Revista Brasileira de Zootecnia 2010 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Características produtivas e qualitativas do capim-elefante pastejado em intervalo fixo ou variável

Leia mais

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Adriana Lopes Ribeiro Lelis Flávia de Carvalho Lage Ricardo de Magalhães Luz Brasília DF 2015 1. Introdução Com

Leia mais

Documentos. ISSN 1983-974X Junho, 2011. Diagnóstico para o planejamento da propriedade

Documentos. ISSN 1983-974X Junho, 2011. Diagnóstico para o planejamento da propriedade Documentos ISSN 1983-974X Junho, 2011 182 Diagnóstico para o planejamento da propriedade ISSN 1983-974X Junho, 2011 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Gado de Corte Ministério da Agricultura,

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO ENGORDA DE NOVILHAS COM PASTO IRRIGADO NO INTERIOR DE SÃO PAULO

ARTIGO TÉCNICO ENGORDA DE NOVILHAS COM PASTO IRRIGADO NO INTERIOR DE SÃO PAULO ARTIGO TÉCNICO ENGORDA DE NOVILHAS COM PASTO IRRIGADO NO INTERIOR DE SÃO PAULO João MANETTI FILHO 1, Fernando Braz Tangerino HERNANDEZ 2, Paulo Henrique CARAMORI 3. RESUMO Foi avaliado o custo de produção

Leia mais

Produção de Ovinos e Caprinos de Corte em Pastos Cultivados sob Manejo Rotacionado

Produção de Ovinos e Caprinos de Corte em Pastos Cultivados sob Manejo Rotacionado ISSN 1676-7667 Produção de Ovinos e Caprinos de Corte em Pastos Cultivados sob Manejo Rotacionado 31 Introdução On line Os produtos da ovinocultura e da caprinocultura de corte têm sido demandados tanto

Leia mais

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA Mariana Viegas dos Santos 1 ; Euclides Reuter de Oliveira 2 ; Rafael Henrique Tonissi e Buschinelli de Goes 2 ; Andréa

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

PANORAMA DA BUBALINOCULTURA NA AMAZÔNIA JOSÉ DE BRITO LOURENÇO JÚNIOR 1 ALEXANDRE ROSSETTO GARCIA 2

PANORAMA DA BUBALINOCULTURA NA AMAZÔNIA JOSÉ DE BRITO LOURENÇO JÚNIOR 1 ALEXANDRE ROSSETTO GARCIA 2 PANORAMA DA BUBALINOCULTURA NA AMAZÔNIA JOSÉ DE BRITO LOURENÇO JÚNIOR 1 ALEXANDRE ROSSETTO GARCIA 2 1 Doutor em Ciências Biológicas/Biologia Ambiental, Professor Permanente dos doutorados em Ciências Agrárias/Agroecossistemas

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura

Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura Belo Horizonte Emater MG Maio 2015 FICHA TÉCNICA Elaboração Médico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE INTERCEPTADA PELA PASTAGEM COMO FORMA DE DEFINIR OS PERÍDOS DE DESCANSO DOS PIQUETES EM PASTEJO INTERMITENTE

AVALIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE INTERCEPTADA PELA PASTAGEM COMO FORMA DE DEFINIR OS PERÍDOS DE DESCANSO DOS PIQUETES EM PASTEJO INTERMITENTE AVALIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE INTERCEPTADA PELA PASTAGEM COMO FORMA DE DEFINIR OS PERÍDOS DE DESCANSO DOS PIQUETES EM PASTEJO INTERMITENTE Eliana Lima da Fonseca 1 ; Carlos Augusto de Miranda Gomide

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

Integração Lavoura- pecuária- Floresta = ilpf

Integração Lavoura- pecuária- Floresta = ilpf Integração Lavoura- pecuária- Floresta = ilpf O Futuro da Agropecuaria Brasileira Armindo Neivo Kichel. Eng.Agrônomo, M.Sc. Pesquisador da Embrapa Gado de Corte Bebedouro- SP, dia 21 de Setembro de 2012

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinos de corte Profª. Valdirene Zabot Zootecnista Brasil: mercado e comercialização LONGO

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

USO DO PASTEJO ROTACIONADO PARA PRODUÇÃO DE OVINOS INTRODUÇÃO. A zona semi-árida perfaz de 60 a 65% da área total do Nordeste (LIRA et al.

USO DO PASTEJO ROTACIONADO PARA PRODUÇÃO DE OVINOS INTRODUÇÃO. A zona semi-árida perfaz de 60 a 65% da área total do Nordeste (LIRA et al. USO DO PASTEJO ROTACIONADO PARA PRODUÇÃO DE OVINOS José Neuman Miranda Neiva INTRODUÇÃO A zona semi-árida perfaz de 60 a 65% da área total do Nordeste (LIRA et al., 1990) e é caracterizada por áreas de

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Formação, Manejo e Recuperação de Pastagens em Rondônia

Formação, Manejo e Recuperação de Pastagens em Rondônia Formação, Manejo e Recuperação de Pastagens em Rondônia Newton de Lucena Costa Editor República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

Utilização de pastagens em sistemas integrados agricultura/pecuária

Utilização de pastagens em sistemas integrados agricultura/pecuária Utilização de pastagens em sistemas integrados agricultura/pecuária Avaliação de sistemas de produção de leite a pasto que poderão prevalecer nas principais regiões produtoras de leite do País. Anibal

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Sementes. de Alta Pureza. Catálogo de Sementes Linha BRSEEDS

Sementes. de Alta Pureza. Catálogo de Sementes Linha BRSEEDS Sementes de Alta Pureza Catálogo de Sementes Linha BRSEEDS 1 Índice A BRSEEDS 05 Gramas 08 Leguminosas 12 Óleo Vegetal 20 2 Pastagens 24 A BRSEEDS chegou para facilitar o seu jeito de fazer compras pela

Leia mais

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA

ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA ASPECTOS DA ALIMENTAÇÃO DA VACA LEITEIRA Júlio César Damasceno 1, Geraldo Tadeu dos Santos 1, Cristiano Côrtes 2, Fabíola Cristine de Almeida Rego 2. 1 Professor Doutor do Departamento de Zootecnia da

Leia mais

O USO DE IRRIGAÇÃO EM PASTAGENS EM DIFERENTES REGIÕES DO PAÍS

O USO DE IRRIGAÇÃO EM PASTAGENS EM DIFERENTES REGIÕES DO PAÍS O USO DE IRRIGAÇÃO EM PASTAGENS EM DIFERENTES REGIÕES DO PAÍS BARBOSA, Rogério Zanarde¹ DOS SANTOS, Fernando Alexandre 1 Acadêmicos do curso de Agronomia da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais