CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO"

Transcrição

1 UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Versão revista a 19 de Fevereiro de 2010

2 Conteúdo Enquadramento... 1 Processo de cálculo dos indicadores... 2 Regras e conceitos base... 3 Dimensão temporal do indicador (período em análise)... 3 Utentes inscritos... 4 Faixas etárias/ idades... 5 Utentes com X anos efectuados durante o período em análise... 5 Utentes entre os X e os Y anos no período em análise... 5 Utentes com compromisso de vigilância na USF... 6 Conceitos de consulta... 7 Classificação quanto à natureza das Consultas... 8 Registos Clínicos... 9 Titularidade dos registos... 9 Validade de registos de consultas Registos válidos de MCDT Informação Complementar Indicadores para a atribuição de incentivos institucionais Percentagem de consultas ao utente pelo seu próprio médico de família Taxa de utilização global de consultas Taxa de visitas domiciliárias de médicas (por 1000 inscritos) Taxa de visitas domiciliárias de enfermagem (por 1000 inscritos) Percentagem de mulheres entre os 25 e os 64 anos com colpocitologia actualizada (uma em três anos) M - Percentagem de diabéticos com pelo menos três HbA1C registadas dos últimos 12 meses, desde que abranjam 2 semestres Percentagem de hipertensos com registo de pressão arterial nos últimos 6 meses M - Percentagem de crianças com PNV actualizado aos 2 anos Percentagem de primeiras consultas na vida efectuadas até aos 28 dias Percentagem de primeiras consultas de gravidez no 1.º trimestre M - Percentagem de primeiras consultas de gravidez no 1.º trimestre M - Percentagem de mulheres entre os 50 e os 69 anos com mamografia realizada nos últimos 2 anos M - Percentagem de hipertensos com registo de pressão arterial em cada semestre M - Percentagem de crianças com PNV actualizado aos 6 anos Custo médio dos medicamentos prescritos por utilizador Custo médio de meios complementares de diagnóstico e terapêuticos prescritos por utilizador Indicadores para a atribuição de incentivos financeiros M- Taxa de utilização de consultas de enfermagem em planeamento familiar M - Percentagem de mulheres entre os 25 e 49 anos vigiadas na USF com colpocitologia actualizada Número médio de consultas de enfermagem em saúde materna M Percentagem de grávidas com 6 ou mais consultas de enfermagem em saúde materna Percentagem de visitas domiciliárias realizadas a puérperas vigiadas na USF durante a gravidez Percentagem de grávidas com revisão de puerpério efectuada Percentagem de diagnósticos precoces (THSPKU) realizados até ao 7º dia de vida do recém-nascido M- Percentagem de visitas domiciliárias realizadas a recém-nascidos até aos 15 dias de vida Nº médio de consultas de vigilância de saúde infantil dos 0 aos 11 meses M - Percentagem de crianças com pelo menos 6 consultas de vigilância de saúde infantil dos 0 aos 11 meses N.º médio de consultas de saúde infantil no 2º ano de vida M - Percentagem de crianças com pelo menos 3 consultas de saúde infantil no 2º ano de vida M.2 - Percentagem de inscritos com registo de peso e altura nos últimos 12 meses (2 anos) Percentagem de crianças com 2 anos com o PNV actualizado Percentagem de diabéticos abrangidos pela consulta de enfermagem Percentagem de diabéticos com exame dos pés registado no ano M - Percentagem de hipertensos com registo de pressão arterial em cada semestre M.1 Percentagem de hipertensos com pelo menos um registo de Índice de Massa Corporal (IMC) nos últimos 12 meses M - Percentagem de hipertensos com vacina antitetânica actualizada Actividades Específicas Planeamento Familiar Saúde Materna Saúde Infantil 1.º ano de vida Saúde Infantil 2.º ano de vida Diabetes Hipertensão ANEXO - Códigos CIPE para classificação de actos realizados em consultas de enfermagem... 54

3 PRINCÍPIOS CONCEPTUAIS E METODOLÓGICOS ENQUADRAMENTO Este documento reflecte o resultado de uma análise feita com o objectivo de definir, validar e uniformizar critérios e regras na construção e implementação das fórmulas de cálculo dos indicadores de desempenho dos prestadores de cuidados de saúde primários. Para o efeito utiliza-se um modelo de dados num sistema Business Intellingence (BI) de nível nacional, com o claro objectivo de minimizar a possibilidade de má interpretação/ambiguidade de cada conceito ou indicador. Este sistema central é independente dos softwares utilizados em cada Unidade Funcional. A análise realizada teve por base a descrição funcional dos indicadores conforme documento de 20/01/2009 que define a Metodologia de Contratualização elaborado pela Administração Central do Sistema de Saúde, Administrações Regionais de Saúde e Missão para os Cuidados de Saúde Primários. Pretende-se com esta análise descrever a interpretação dos critérios associados a cada indicador, uma vez que alguns conceitos funcionais podem ser diversamente interpretados e/ou mapeados. É, ainda, dada especial ênfase à definição de critérios de inclusão e exclusão de forma a definir nitidamente os universos de cada denominador e numerador. Os diferentes conceitos dos indicadores agora definidos de forma inequívoca não devem ser alterados na sua formulação. A utilização de indicadores em diferentes contextos (e.g. processo de contratualização, avaliação de desempenho, remuneração de profissionais, melhoria contínua da qualidade) deve induzir e suportar as boas práticas na prestação de cuidados de saúde de forma clara, transparente e rigorosa, permitindo o envolvimento dos profissionais de saúde e a compreensão dos cidadãos. A formulação técnica dos indicadores obedece a um propósito em si, não devendo ser desvirtuada com o objectivo de se reajustar às práticas entretanto detectadas. Assim, a qualidade dos registos, a identificação e correcção de comportamentos inadequados deverá ser feita por auditorias aos procedimentos clínicos, registos e organizações, e em última análise pela construção de novos indicadores. As diferentes finalidades e/ou contextos de utilização dos indicadores podem resultar em alguns constrangimentos. Apesar deste facto, não é adequado modificar a definição individual dos indicadores, pelo que se recomenda, de acordo com o contexto ou finalidade, as seguintes alternativas: 1

4 Adequar as metas e/ou objectivos (e.g. contratualização) Disponibilizar informação complementar: Acrescentar informação pertinente (e.g. estudo de casos específicos) Complementar informação com indicador adicional Desdobrar ou estratificar indicador, explicitando procedimentos seguidos Reavaliar a pertinência do indicador utilizado para a leitura pretendida. PROCESSO DE CÁLCULO DOS INDICADORES O processo de cálculo dos indicadores é composto por duas fases: 1ª Fase - Carregamento de dados Corresponde ao processo de recolha automática e periódica dos dados de cada base dados local. Este processo mapeia os conceitos existentes nas aplicações dos prestadores para os conceitos base comuns aos indicadores. A próxima secção deste documento descreve alguns pressupostos destes conceitos. 2ª Fase - Processamento Corresponde ao cálculo dos indicadores aplicando-lhes filtros caso a caso de modo a corresponderem à definição de cada numerador e denominador. 3ª Fase Publicitação de resultados Corresponde à fase posterior ao cálculo dos indicadores sendo disponibilizados os resultados aos diferentes interessados. Ponto único Para efeito de encerramento no cálculo dos diversos indicadores só são considerados os registos efectuados até 31 de Janeiro do ano subsequente 2

5 REGRAS E CONCEITOS BASE DIMENSÃO TEMPORAL DO INDICADOR (PERÍODO EM ANÁLISE) O indicador é definido temporalmente para o ano civil. Ou seja, os conceitos e propósitos de cada indicador referem-se ao ano civil. Complementarmente (e.g. acompanhamento da actividade), os indicadores podem ser lidos em períodos flutuantes, ou períodos fixos. Para tal, a unidade temporal base a utilizar é o mês. Sempre que os indicadores sejam utilizados para períodos específicos (e.g. ano, semestre, período definido de base mensal) deve ser feita referência explícita ao facto, e deve ser dada especial atenção à sua análise. O período flutuante corresponde à leitura de um indicador para um período de N meses contados retrospectivamente a partir do mês definido (e.g. um ano). Para este efeito, não é necessariamente respeitada a estrutura do ano civil. e.g. 1 Indicador X com período em análise de 12 meses Abril de 2008 e Março de 2009 e.g. 2 Indicador X com período em análise de 24 meses Setembro de 2007 e Agosto de 2009 O período fixo corresponde à leitura de um indicador para um período de N meses contados respeitando o ano civil. Esta forma de leitura é apresentada sob forma cumulativa. e.g. 1 Indicador X com período em análise de 1º trimestre Janeiro de 2008 a Março de 2008 e.g. 2 Indicador X com período em análise de 1º semestre Janeiro de 2008 a Junho de 2008 (valor cumulativo igual ao do 2º trimestre) 3

6 UTENTES INSCRITOS Este conceito aplica-se a todos os utentes inscritos traduzindo-se como todas as pessoas que estiveram inscritas pelo menos um dia no período em análise. Assim, incluem-se nesta definição: Todos os utentes que saíram da USF durante o período em análise; Todos os utentes com óbito durante o período em análise; Todos os novos utentes inscritos durante o período em análise. Nesta definição não estão englobados todos os não inscritos na USF/UCSP. A título de exemplo, a lista de inscritos em 2008 engloba todos os utentes transitados de 2007 e utentes inscritos em 2008, tal como os utentes transferidos e os utentes que morreram em Ou seja, a lista de inscritos em 2008 considera todos os utentes que tenham estado pelo menos um dia inscritos neste ano. Adicionalmente, e de forma a complementar a interpretação do resultado da aplicação deste conceito, é recomendada a explicitação da informação referente ao (1) número de óbitos no período em análise, (2) número de utentes transferidos no período em análise, (3) número de inscritos no período em análise, (4) número de utentes inscritos no último dia do período em análise e (5) média mensal do número de utentes inscritos no período em análise 1. Para efeitos de cálculo de indicadores que exigem uma actividade ou procedimento em intervalos de tempo específicos durante o período em análise (e.g. semestre ou trimestre) apenas devem ser considerados aqueles em que a condição de inscrito e condições específicas se mantenham em pelo menos um dia dos referidos intervalos de tempo. Para efeitos do cálculo do suplemento remuneratório dos médicos integrados em USF Modelo B, o cálculo da lista de utentes e respectivas unidades ponderadas é feito contabilizando o número de utentes inscritos no último dia do período em análise. 1 A média mensal do número de utentes inscritos no período em análise é obtida através da razão entre a soma do número de utentes inscritos no último dia de cada mês em análise, e o número de meses em análise. 4

7 FAIXAS ETÁRIAS/ IDADES O cálculo da idade limite do intervalo é efectuado pela diferença entre o ano da data do período em análise e o ano da data de nascimento, considerando como data de referência o último dia do período em análise. Para este efeito é aplicado o conceito estatístico Idade, utilizado pelo Instituto Nacional de Estatística: Intervalo de tempo que decorre entre a data do nascimento (dia, mês e ano) e as 0 horas da data de referência. A idade é expressa em anos completos, salvo se tratar de crianças com menos de 1 ano, devendo nestes casos ser expressa em meses, semanas ou dias completos. Na definição de indicadores importa explicitar dois preceitos: Utentes com X anos efectuados durante o período em análise e Utentes entre os X e os Y anos no período em análise. UTENTES COM X ANOS EFECTUADOS DURANTE O PERÍODO EM ANÁLISE Consideram-se todos os utentes que atingem aquela idade durante o período em análise. Ou seja, possuem aquela idade no final do período. e.g. Crianças com 2 anos efectuados durante o período em análise Considerando como período o ano de 2008, o universo abrangido considera todas as crianças que completam 2 anos de idade entre o dia 1 de Janeiro e o dia de 31 de Dezembro. Ou seja, consideram-se todas as crianças nascidas em UTENTES ENTRE OS X E OS Y ANOS NO PERÍODO EM ANÁLISE Consideram-se todos os utentes que, no período em análise, completam uma idade que está compreendida no intervalo indicado. e.g. Mulheres com idades entre os 25 e os 49 anos no período em análise [25-49] Considerando como período o ano de 2008, o universo abrangido considera as mulheres cuja diferença entre o ano 2008 e o seu ano de nascimento esteja no intervalo indicado. Na aplicação desta definição estão englobados os utentes que completam 25 anos até ao último dia do período em análise, tendo tido 24 anos durante quase todo o período em análise. No entanto, não estão englobados os utentes que completam 50 anos no período em análise, mesmo que o façam no último dia, tendo tido 49 anos durante quase todo o período em análise. 5

8 UTENTES COM COMPROMISSO DE VIGILÂNCIA NA USF Este conceito pretende incluir de forma exclusiva os utentes que possuem um efectivo compromisso de vigilância num determinado programa de saúde. Este conceito pressupõe duas definições chave: Programa de Saúde conjunto de actividades dirigidas a determinados grupos vulneráveis ou de risco, seguindo orientações técnicas oficiais, inserindo-se num processo assistencial prédefinido, seja ele de prevenção, terapêutica ou de reabilitação. Compromisso de vigilância na USF/UCSP para este efeito, define-se como o subconjunto de utentes, pertencente a determinado grupo de utentes abrangido por um programa de saúde, que de forma informada delega responsabilidade de acompanhamento no prestador de cuidados de saúde (i.e. USF ou UCSP). O compromisso de vigilância é efectivado através de sinalização clara nas diferentes aplicações informáticas. Nas diferentes aplicações informáticas a mesma noção corresponde a diferentes traduções pelo que são explicitadas de forma clara e unívoca o conceito e as respectivas correspondências para os diferentes programas. Tabela 1. Programas de Saúde de acordo com as diferentes aplicações do mercado Programa de Saúde SAM Medicine One VitaCare Planeamento Familiar Planeamento Familiar Planeamento Familiar Saúde da Mulher Gravidez Saúde Materna Gravidez Saúde Materna Saúde Infantil Saúde Infantil Saúde Infantil Saúde Infantil Rastreio Oncológico Cancro Colo Útero Rastreio oncológico Rastreio Oncológico Cancro Colo Útero Rastreio Oncológico Cancro Colo Útero Rastreio Oncológico Cancro Mama Rastreio oncológico Rastreio Oncológico Cancro Mama Rastreio Oncológico Cancro Mama Rastreio Oncológico Cancro Cólon Rastreio oncológico Rastreio Oncológico Cancro Cólon Rastreio Oncológico Cancro Cólon Hipertensão Hipertensão Hipertensão Hipertensão Diabetes Diabetes Diabetes Diabetes * Cada nova aplicação deverá actualizar esta tabela. ** A definição de novos programas implica a correspondente actualização nesta tabela. 6

9 Apesar destas variações, todas as aplicações devem permitir verificar de forma explícita a data da alteração do estado de compromisso de vigilância. Tabela 2. Compromisso de Vigilância de acordo com as diferentes aplicações do mercado Compromisso de Vigilância SAM Medicine One VitaCare Vigiado (sim/não) Associado ao Programa Acompanhado O conceito de compromisso de vigilância não significa per si boa ou má vigilância. Para este efeito, é necessária a aplicação de outros requisitos consoante o programa de saúde e indicador em questão. Considera-se que um utente tem um determinado compromisso de vigilância se esta sinalização estiver activa em pelo menos um dia do período em análise. Deste modo não é aplicado o princípio em que, para se considerar um compromisso de vigilância activo, o utente tenha que ter pelo menos uma consulta nesse programa, no período em análise. e.g. Percentagem de diabéticos com compromisso de vigilância no programa de diabetes com pelo menos três HbA1C registadas nos últimos doze meses, desde que abranjam dois semestres - Período em análise 2008 Inscritos que cumulativamente tenham diagnóstico T89 ou T90 e indicação de compromisso de vigilância activo e registo de três Hba1c das quais uma em cada semestre. Inscritos que cumulativamente tenham diagnóstico T89 ou T90 e indicação de compromisso de vigilância activo. CONCEITOS DE CONSULTA CONSULTA MÉDICA Acto de assistência prestado por um médico a um indivíduo, podendo consistir em observação clínica, diagnóstico, prescrição terapêutica, aconselhamento ou verificação da evolução do seu estado de saúde. CONSULTA SEM A PRESENÇA DO DOENTE Acto de assistência médica ou de enfermagem sem a presença do utente, podendo resultar num aconselhamento, prescrição ou encaminhamento para outro serviço. Esta consulta pode estar associada a várias formas de comunicação utilizada, designadamente: através de terceira pessoa, por correio tradicional, por telefone, por correio electrónico, ou outro. É imprescindível a existência de registo escrito 7

10 da consulta e cópia dos documentos enviados ao doente, se for esse o caso. O identificação deste tipo de consultas deve ser claro e inequívoco. Tabela 3. Consulta sem a presença do doente de acordo com as diferentes aplicações do mercado Consulta sem a presença do doente SAM Medicine One VitaCare Contacto indirecto Contacto indirecto Consulta não presencial (CNP) CONSULTA NO DOMICÍLIO A consulta no domicílio (domicílios) é uma consulta prestada, por um profissional de saúde, ao utente no domicílio, em lares ou instituições afins. Os domicílios (médico ou de enfermagem) correspondem a episódios programados ou não programados dirigidos a um utente. Assim, se de forma programada ou não programada ocorrer uma consulta domiciliária destinada a mais que um indivíduo, mesmo que do mesmo agregado familiar ou convivente, no mesmo dia e local, o número de domicílios é igual ao número de utentes consultados. No entanto, e na situação de uma consulta no domicílio em que ocorrem contactos diversos com outros indivíduos (e.g. elementos da família, conviventes) apenas é considerado como um (1) domicílio. CLASSIFICAÇÃO QUANTO À NATUREZA DAS CONSULTAS Para este efeito, apenas se consideram as codificações da ICPC-2 registadas ou associadas ao A (Avaliação). Consulta de Vigilância Consulta médica ou de enfermagem decorrente da aplicação de programas de saúde. Estas consultas devem ter registo parametrizado da rubrica da ICPC-2 que permite codificar consultas de vigilância (A98). Consulta de Planeamento Familiar Consulta realizada no âmbito da Medicina Geral e Familiar ou de outra especialidade, em que haja resposta por parte do médico ou do enfermeiro a uma solicitação sobre contracepção, pré-concepção, infertilidade ou fertilidade. Estas consultas devem ter registo parametrizado de uma das rubricas ICPC-2 que permitem codificar planeamento familiar, nomeadamente W10, W11, W12, W13, W14 ou W15, quando registadas pelo médico. Quando a consulta seja realizada pelo enfermeiro, podem ser utilizados estes códigos de ICPC ou os códigos CIPE associados ao planeamento familiar, que podem ser encontrados em anexo. 8

11 Consulta de Saúde Materna Consulta médica e de enfermagem prestada a uma mulher grávida ou no período pós-parto, em consequência de uma gravidez. Estas consultas devem ter registo parametrizado de uma das rubricas da ICPC-2 que permitem codificar gravidez, nomeadamente W78, W79 ou W84, quando registadas pelo médico. Quando a consulta for realizada pelo enfermeiro, podem ser utilizados estes códigos ICPC ou os códigos CIPE associados à saúde materna, que podem ser encontrados em anexo. Consulta de Saúde Infantil e Juvenil Consulta prestada a menores de 19 anos de idade (exceptuam-se as consultas de Saúde Materna e Planeamento Familiar). Estas consultas devem ter registo parametrizado da rubrica da ICPC-2 que permite codificar consultas de vigilância, nomeadamente A98, quando a consulta for registada pelo médico. Quando a consulta for realizada pelo enfermeiro, pode ser utilizado o código do ICPC ou os códigos CIPE associados às consultas de vigilância em saúde infantil e juvenil, que podem ser encontrados em anexo. Consulta de revisão do puerpério Consulta de Saúde Materna médica e de enfermagem efectuada até às 6 semanas após o parto. Os códigos CIPE para classificação deste tipo de consulta encontram-se em anexo. REGISTOS CLÍNICOS TITULARIDADE DOS REGISTOS O registo de dados de utentes inscritos (e.g. Peso, Altura, Índice de Massa Corporal, valor de TA, exame do Pé Diabético) contempla o registo médico e de enfermagem registo clínico. Ou seja, aplica-se o princípio pelo qual qualquer informação referente a um indivíduo concreto pertence a esse mesmo indivíduo e não a quem procede ao seu registo. Assim, e não existindo indicação expressa em termos de definição do indicador, os registos são válidos per si independentemente de quem os regista. Para todos os efeitos os registos efectuados por internos de MGF são sempre atribuídos ao seu orientador. Do mesmo modo os registos efectuados por alunos, estagiários ou enfermeiros em formação pós graduada são sempre atribuídos ao seu orientador/tutor 9

12 VALIDADE DE REGISTOS DE CONSULTAS Apenas são considerados válidos os registos (i.e. alterações, introdução de registos) de consultas efectuados até 5 dias após data da sua realização. Para ser considerada válida, qualquer consulta médica/enfermagem deve ter o registo de pelo menos um dos componentes do SOAP (Subjectivo,, Avaliação, Plano) ou do FDI (Foco, Diagnóstico e Intervenção). Exceptuam-se desta regra as consultas sem presença do doente. REGISTOS VÁLIDOS DE MCDT Em termos de Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica (MCDT; e.g. mamografias, colpocitologias, Hba1c), e salvo indicação expressa no conceito do indicador, são apenas considerados válidos os registos do resultado e respectiva validação técnica, desde que a data de tais registos ocorram dentro do período em análise. Mais uma vez, são considerados válidos todos os MCDT independentemente de quem procede ao seu registo. e.g. Percentagem de mulheres entre os 25 e 64 anos com colpocitologia actualizada (uma em 3 anos) - Período em análise 2008 Inscritos do sexo feminino entre os 25 e 64 anos inclusive [25-64] e registo de resultado de colpocitologia com data entre 1/JAN/2006 e 31/DEZ/2008 Inscritos do sexo feminino entre os 25 e 64 anos inclusive [25-64] INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A ser detectado qualquer viés causado pela mobilidade de inscritos, data de diagnóstico ou data de compromisso de vigilância, recomenda-se análise de informação complementar. e.g. informação complementar Número de inscritos com diagnóstico de hipertensão (K86 ou K87) no ano Número de óbitos no segundo semestre de inscritos com diagnóstico de hipertensão (K86 ou K87), com compromisso de vigilância, e registo de medição de pressão arterial no primeiro semestre Número de novos inscritos com diagnóstico de hipertensão (K86 ou K87) no 2º semestre Enquanto informação complementar e de acordo com a utilização ou finalidade do indicador, poderá ainda proceder-se ao desdobramento do indicador através da redefinição do numerador e denominador, estratificando o universo do indicador (numerador e denominador), ou adequação ao período em análise. 10

13 e.g. informação complementar Número de inscritos no primeiro semestre com diagnóstico de hipertensão (K86 ou K87), e com compromisso de vigilância Número de inscritos no segundo semestre com diagnóstico de hipertensão (K86 ou K87), e com compromisso de vigilância Número de inscritos no ano com diagnóstico de hipertensão (K86 ou K87), e com compromisso de vigilância Através destes procedimentos pretende-se que a leitura dos indicadores seja mais adequada evitando-se a instrumentalização do indicador. 11

14 INDICADORES PARA A ATRIBUIÇÃO DE INCENTIVOS INSTITUCIONAIS Área Nº AC N.º SI Indicador Acesso Percentagem de consultas ao utente pelo seu próprio médico de família Taxa de utilização global de consultas Taxa de visitas domiciliárias médicas Taxa de visitas domiciliárias de enfermagem Desempenho Assistencial Percentagem de mulheres entre os 25 e 64 anos com colpocitologia actualizada (uma em 3 anos) M Percentagem de diabéticos com pelo menos três HbA1C registada nos últimos doze meses, desde que abranjam dois semestres (considerar apenas diabéticos identificados até 30 de Junho, inclusive) Percentagem de hipertensos com registo de pressão arterial nos últimos seis meses M Percentagem de crianças com PNV actualizado aos 2 anos Percentagem de primeiras consultas na vida efectuadas até aos 28 dias Percentagem de primeiras consultas de gravidez no primeiro trimestre M Percentagem de crianças com PNV actualizado aos 6 anos M Percentagem de mulheres entre os 50 e 69 anos com mamografia realizada nos últimos dois anos 5.10 M Percentagem de hipertensos com registo de pressão arterial em cada semestre Satisfação dos Utentes Percentagem de utilizadores satisfeitos/muito satisfeitos (aplicação de inquérito - score final) Eficiência Custo estimado para medicamentos prescritos Custo estimado com MCDT s prescritos 12

15 PERCENTAGEM DE CONSULTAS AO UTENTE PELO SEU PRÓPRIO MÉDICO DE FAMÍLIA N.º do Indicador 3.12 Percentagem de consultas ao utente pelo seu próprio médico de família Tipo de Indicador ACESSO Entidade Gestora USF / UCSP Frequência de Avaliar o acesso dos utentes ao seu próprio médico de família. Indicador que exprime a percentagem de consultas que cada médico realiza aos seus utentes e a utentes fora da sua lista. Unidade de medida Percentagem Fórmula A / B x 100 Prazo Entrega Reporting Valor de Referência Histórico Percentagem de consultas - Denominador; - Total de consultas, presenciais, com o seu médico de família. - Ter inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise. - Ter registo de consultas médicas no período em análise, programadas ou não, em horário normal ou acrescido. A consulta realizada por um interno é contabilizada em nome do médico de MGF indicado como seu tutor. sem médico de família atribuído N.º total de consultas médicas presenciais com o seu médico de família. N.º de consultas B - Denominador N.º total de consultas médicas no período em análise. N.º de consultas 13

16 TAXA DE UTILIZAÇÃO GLOBAL DE CONSULTAS N.º do Indicador 3.15 Taxa de utilização global de consultas Tipo de Indicador ACESSO Entidade Gestora USF / UCSP Frequência de Avaliar o acesso a consultas médicas pela população inscrita. Indicador que exprime a percentagem de utentes inscritos que tiveram consulta, de qualquer tipo, no período em análise. Unidade de medida Taxa Fórmula A / B x 100 Percentagem de utentes Prazo Entrega Reporting Valor de Referência Histórico - Denominador; - Ter pelo menos uma consulta médica, presencial ou não presencial, no período em análise. - Ter inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise. Análise - 1 utente pode ter diversas 1.as consultas (MGF, PF, SM ) N.º de inscritos com pelo menos uma consulta médica B - Denominador N.º de inscritos 14

17 TAXA DE VISITAS DOMICILIÁRIAS DE MÉDICAS (POR 1000 INSCRITOS) N.º do Indicador 4.18 Taxa de visitas domiciliárias de médicas (por 1000 inscritos) Tipo de Indicador ACESSO Entidade Gestora USF / UCSP Avaliar a realização de consulta domiciliária médica relativamente à população inscrita na Unidade Funcional (USF/UCSP) Frequência de Indicador que exprime o número de consultas médicas no domicílio por cada mil inscritos na Unidade Funcional (USF/UCSP). Unidade de medida Permilagem Fórmula A / B x 1000 Prazo Entrega Reporting Valor de Referência Histórico Taxa de consultas domiciliárias (Méd.) - Denominador - Ter registo de consulta domiciliária médica no período em análise (total de visitas). - Ter inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise. Considera-se apenas uma consulta domiciliária médica por dia por utente. N.º total de consultas domiciliárias médicas (USF/UCSP) N.º de consultas B - Denominador N.º de inscritos 15

18 TAXA DE VISITAS DOMICILIÁRIAS DE ENFERMAGEM (POR 1000 INSCRITOS) N.º do Indicador 4.30 Taxa de visitas domiciliárias de enfermagem (por mil inscritos) Tipo de Indicador ACESSO Entidade Gestora USF / UCSP Avaliar a realização de consulta domiciliária de enfermagem relativamente à população inscrita na Unidade Funcional (USF/UCSP) Indicador que exprime o número de consultas de enfermagem no domicílio por cada mil inscritos. Frequência de Unidade de medida Permilagem Fórmula A / B x 1000 Prazo Entrega Reporting Valor de Referência Histórico Taxa de consultas domiciliárias (Enf.) - Denominador; - Ter registo de consulta domiciliária de enfermagem no período em análise (total de visitas). - Ter inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise. Considera-se apenas uma visita domiciliária de enfermagem por dia por utente. N.º total de consultas domiciliárias de enfermagem N.º de consultas B - Denominador N.º de inscritos 16

19 5.2 - PERCENTAGEM DE MULHERES ENTRE OS 25 E OS 64 ANOS COM COLPOCITOLOGIA ACTUALIZADA (UMA EM TRÊS ANOS) N.º do Indicador 5.2 Percentagem de mulheres entre os 25 e os 64 anos com colpocitologia actualizada (uma em três anos) Tipo de Indicador DESEMPENHO ASSISTENCIAL Entidade Gestora USF / UCSP Tipo de falha Avaliar a cobertura do programa de vigilância oncológica. Período aplicável Indicador que exprime a percentagem de mulheres com idades entre [25,64] anos, de entre todas as inscritas na Unidade Funcional (USF/UCSP), que fizeram uma colpocitologia nos últimos 3 anos. Frequência de Prazo Entrega Reporting Unidade de medida Percentagem Fórmula A / B x 100 Percentagem de utentes Valor de Referência - Denominador; - Ter um registo de colpocitologia realizada até 3 anos antes do fim do período em análise. - Ter uma inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise; - Ser mulher; - Ter idade entre [25,64] anos. Código da tabela de MCDT do SNS em vigor. N.º de mulheres com registo de colpocitologia realizada nos últimos 3 anos. B - Denominador N.º total de mulheres inscritas com idades entre os [25; 64] anos. 17

20 5.4 M - PERCENTAGEM DE DIABÉTICOS COM PELO MENOS TRÊS HBA1C REGISTADAS DOS ÚLTIMOS 12 MESES, DESDE QUE ABRANJAM 2 SEMESTRES N.º do Indicador 5.4 M Percentagem de diabéticos com pelo menos três HbA1C registadas nos últimos 12 meses, desde que abranjam 2 semestres Tipo de Indicador DESEMPENHO ASSISTENCIAL Entidade Gestora USF / UCSP Monitorizar o acompanhamento dos utentes diabéticos em vigilância no programa de diabetes - parâmetro hemoglobina glicosilada. Indicador que exprime a percentagem de diabéticos, com compromisso de vigilância, que tem pelo menos três registos de HbA1C no período em análise. Frequência de Prazo Entrega Reporting Unidade de medida Percentagem Fórmula A / B x 100 Percentagem de utentes Valor de Referência - Denominador; - Ter três registos de HbA1C no período em análise; - Ter pelo menos 1 registo de HbA1C em cada semestre do período em análise. - Ter uma inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise; - Ter este diagnóstico sinalizado como activo na sua lista de problemas (classificação ICPC = T89 ou T90) até 30 de Junho, inclusive, no período em análise; - Ter entre [18, 75] anos; - Ter compromisso de vigilância na Unidade Funcional (USF/UCSP) no programa de Diabetes. com pelo menos 3 registos de HbA1C no período. SI USF/ UCSP B - Denominador com compromisso de vigilância no programa de diabetes. SI USF/ UCSP 18

METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO

METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO UNIDADES DE SAÚDE FAMILIAR E UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO Versão revista a 24 de Fevereiro de 2010 08 de Janeiro de 2010 1 Conteúdo Siglas utilizadas...

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar Vimaranes

- Unidade de Saúde Familiar Vimaranes CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Vimaranes Modelo A A Administração Regional de Saúde (ARS), IP do Norte, representada pelo seu Presidente, Dr. Alcindo Maciel Barbosa e a Unidade de Saúde

Leia mais

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I Administração Regional de Saúde do Norte UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I PLANO DE ACÇÃO Despacho Normativo N.º 9/2006 ACES AVE III- FAMALICÃO MODELO B JANEIRO 2011 PLANO DE ACÇÃO Coordenador da Equipa

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2014

BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2014 DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2014 25 de fevereiro de 2014 Produzido por Ministério da Saúde ACSS. Fevereiro 2014. Todos os direitos

Leia mais

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R 12 de Abril de 2006 Introdução Cabe à Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP), entre outras

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS ÍNDICE ACRÓNIMOS...

Leia mais

Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde

Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde Márcia Silveira Ney 1 Celia Regina Pierantoni, MD, DSc 2 Luiz Velez Lapão 3 1. Médica

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Plano de ação 2014 2016

Plano de ação 2014 2016 ACES Cascais Plano de ação 2014 2016 USF Marginal 2014 Elaborado por: USFM Revisto por: -- Aprovado por: Conselho geral Revisão em: 06/05/2017 Data: 06/05/2014 Data: -- Data: 06/05/2014 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

DPS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO PARA OS CUIDADOS. Março 2013 DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2013

DPS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO PARA OS CUIDADOS. Março 2013 DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2013 DPS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2013 Março 2013 Administração Central do Sistema de Saúde, IP Sede: Av. João Crisóstomo, nº 11. 1000-177 Lisboa Tel: 217

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS Índice 1. Introdução 4 2. Caracterização da Área

Leia mais

BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PROPOSTOS PARA ANO DE 2015.

BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PROPOSTOS PARA ANO DE 2015. DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PROPOSTOS PARA ANO DE 2015 Janeiro de 2015 Documento público Produzido por Ministério da Saúde ACSS. Janeiro

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

Plano de Acção. Unidade de Saúde Familiar Amato Lusitano. 30 de Dezembro de 2008

Plano de Acção. Unidade de Saúde Familiar Amato Lusitano. 30 de Dezembro de 2008 Plano de Acção Unidade de Saúde Familiar Amato Lusitano 2009 30 de Dezembro de 2008 Índice 2..Preâmbulo 6. Capítulo I Caracterização da área de influência e dos utentes inscritos 11.......Capítulo II Programas

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S Carlos Nunes Missão para os Cuidados de Saúde Primários VILAMOURA 23 Março 2007 C A N D I D A T U R A S A U S F

Leia mais

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE IP, representada pelo seu Presidente Prof. Doutor Fernando Araújo, com poderes para outorgar o acto,

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho Da Março de 2010 Trabalho Realizado: Enfª Isabel Espírito Santo (MCSP) Enfª Pedro Pardal (MCSP) Enfª Anabela Miguelote (Grupo Parametrizador) Enfº Jorge Barros (Grupo Parametrizador)

Leia mais

DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1ª edição Versão detalhada 11 de janeiro de 2013 Departamento de Contratualização Administração Regional de Saúde

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Conteúdo Enquadramento... 1 Processo de cálculo

Leia mais

cada profissional e premiando o desempenho individual e colectivo, tendo em vista o reforço da eficácia, da eficiência e da acessibilidade dos

cada profissional e premiando o desempenho individual e colectivo, tendo em vista o reforço da eficácia, da eficiência e da acessibilidade dos DECRETO-LEI Os Cuidados de Saúde Primários (CSP) são o núcleo do sistema de saúde e devem situar-se junto das comunidades, nos termos da Base XIII da Lei de Bases da Saúde. O Programa do XVII Governo Constitucional

Leia mais

ASSUNTO: Normas para cálculo das remunerações dos profissionais das USF - Mod.B

ASSUNTO: Normas para cálculo das remunerações dos profissionais das USF - Mod.B MINITÉRIO A AÚ MIÃO PARA O CUIAO AÚ PRIMÁRIO PARCR PACHO Homologado pelo r. ecretário de stado da aúde, r. Manuel Pizarro no dia 23 de Abril de 2008. Á consideração do r. ecretário de stado da aúde. PROPOTA

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013-2015

PLANO DE AÇÃO 2013-2015 PLANO DE AÇÃO 2013-2015 Unidade de Saúde Familiar Querer Mais - Vale da Amoreira ÍNDICE ÍNDICE... 2 Abreviaturas e Siglas... 4 INTRODUÇÃO... 5 1. Caracterização da área geográfica e da população inscrita...

Leia mais

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES

SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - INDICADORES SISTEMA DE INTEGRADO DE GESTÃO DE INSCRITOS EM CIRURGIA - SIGIC - I Introdução INDICADORES O SIGIC é um sistema regulador da actividade cirúrgica programada que visa melhorar o acesso à prestação de cuidados

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Plano de Desempenho. ACES Feira/Arouca

Plano de Desempenho. ACES Feira/Arouca Plano de Desempenho ACES Feira/Arouca Maio de 2011 Director Executivo José Cândido Dias Costa (Médico Especialidade Medicina Geral e Familiar) Presidente do Conselho Clinico António Zulmiro Serrano (Médico

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DA USF DO PARQUE. 1.1. Identificação da USF

1. CARACTERIZAÇÃO DA USF DO PARQUE. 1.1. Identificação da USF 1. CARACTERIZAÇÃO DA USF DO PARQUE 1.1. Identificação da USF A USF do Parque é parte integrante do ACES Lisboa Norte, juntamente com os Centros de Saúde de Alvalade, Benfica, Lumiar, Sete Rios e USF s

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética

NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 006/2011 DATA: 27/01/2011 Diagnóstico Sistemático e Tratamento da Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 23.10.1982 Sexo Feminino Experiência profissional Datas Função ou cargo ocupado

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes. Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico

FAQ Perguntas Frequentes. Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico Versão Data 1.0 2013-04-19 FAQ Perguntas Frequentes Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico Apoiadas nos seguintes instrumentos jurídicos, administrativos e convencionais:

Leia mais

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS O R D E M D O S E N F E R M E I R O S Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS A questão colocada: A quem competem as funções de gestão, coordenação

Leia mais

Projectos de Diplomas Ponto da Situação?

Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Lisboa 15 de Maio de 2006 João Rodrigues Missão para os Cuidados de Saúde Primários À MCSP foi entregue o mandato de: coordenar e apoiar tecnicamente o processo

Leia mais

Plano de Acção 2012-2014

Plano de Acção 2012-2014 USF AMORA SAUDÁVEL Plano de Acção 2012-2014 Kaizen e Triple Aim Organizações excelentes não acreditam na excelência somente na melhoria contínua 1 Amora, Março 2012 INDICE INTRODUÇÃO... ERRO! MARCADOR

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI 1 15 de Maio de 2013 Auditório

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE DESEMPENHO

PROPOSTA DE PLANO DE DESEMPENHO AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE PROPOSTA DE PLANO DE DESEMPENHO PREPARADOR POR: GRUPO DE TRABALHO PARA O DESENVOLVIMENTO DA Despacho n.º 7816/2009 de 9 de Março de 2009 da Ministra da Saúde O grupo de

Leia mais

Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte ACES Cávado I Braga USF S. Lourenço. Plano de Ação 2014/2016

Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte ACES Cávado I Braga USF S. Lourenço. Plano de Ação 2014/2016 Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Norte ACES Cávado I Braga USF S. Lourenço Plano de Ação 2014/2016 Janeiro 2014 ÍNDICE INTRODUÇÃO 7 APRESENTAÇÃO DA USF S. LOURENÇO 9 CUIDADOS GERAIS

Leia mais

ARS CENTRO ACES Dão Lafões RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

ARS CENTRO ACES Dão Lafões RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 ARS CENTRO ACES Dão Lafões RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA USF MONTEMURO CASTRO DAIRE MARÇO DE 2015 2 Conteúdo ARS CENTRO... 1 ACES Dão Lafões... 1 SIGLAS e ABREVIATURAS... 5 ÍNDICE

Leia mais

ÍNDICE. Relatório de Atividades 2014 - USF Arsmedica 1

ÍNDICE. Relatório de Atividades 2014 - USF Arsmedica 1 Relatório de Atividades Ano de 2014 Unidade de Saúde Familiar Ars Medica Modelo B ACES Loures-Odivelas Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo IP Ministério da Saúde Março 2015 ÍNDICE

Leia mais

USF Ars Medica. Coordenador Maria José Casacão Silva Marques Telefone:217274201 Telemóvel:919032317 E-mail: marques.mjsilva@gmail.

USF Ars Medica. Coordenador Maria José Casacão Silva Marques Telefone:217274201 Telemóvel:919032317 E-mail: marques.mjsilva@gmail. Plano de Acção Triénio 2015-2017 Unidade de Saúde Familiar Ars Medica Modelo B ACES Loures-Odivelas Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo IP Ministério da Saúde Maio 2015 Centro de Saúde

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

Visita Técnica Equipa de Florianópolis

Visita Técnica Equipa de Florianópolis Visita Técnica Equipa de Florianópolis AGENDA I Reforma Cuidados Saude Primarios II Sistema de Informação III BI das USFs Dispositivo de gestão do conhecimento José Luis Biscaia Médico de Familia USF S

Leia mais

Cinco Anos do Centro de Saúde S. João. "Tubo de Ensaio"

Cinco Anos do Centro de Saúde S. João. Tubo de Ensaio Hespanhol A et al ESTUDO DE CASO ISSN 08713413 ArquiMed, 2005 "Tubo de Ensaio" Alberto Hespanhol, Alexandre Sousa Pinto Departamento de Clínica Geral da Faculdade de Medicina do Porto e Centro de Saúde

Leia mais

NORMAS DA USF FAMALICÃO I

NORMAS DA USF FAMALICÃO I I.- MARCAÇÃO DE CONSULTAS Como marcar uma consulta? Opte pelas consultas com hora certa; quando necessitar de consulta dê preferência às consultas pré marcadas. Terá a sua consulta previamente assegurada

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde da Lezíria. Regulamento Interno

Agrupamento de Centros de Saúde da Lezíria. Regulamento Interno Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde da Lezíria Regulamento Interno Unidade de Saúde Familiar da Chamusca Largo Sacadura Cabral 2140 076 Chamusca Telefone

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ARS Gestão de Unidades Funcionais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ARS Gestão de Unidades Funcionais SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ARS Gestão de Unidades Funcionais Manual de Utilização Administração Regional de Saúde do Norte Departamento de Estudos e Planeamento Março de 2011 Índice 1 Introdução... 3 1.1

Leia mais

SAM 12.3 MANUAL NOVAS FUNCIONALIDADES

SAM 12.3 MANUAL NOVAS FUNCIONALIDADES SAM 12.3 MANUAL NOVAS FUNCIONALIDADES Autor: Eloy Boo USF LETHES C.S.Ponte de Lima Agradecimentos: Ao Dr. Vítor Fernandes, dos Serviços Informáticos de Viana do Castelo, pela sua colaboração. A Dra. Cristina

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Sistema de Gestão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde 1. Porquê um sistema de gestão de utentes do SNS? Documento de trabalho (Versão de

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

MANUAL DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Centros ARCO RIBEIRINHO Unidade de Saúde Familiar QUERER MAIS- Vale da Amoreira

MANUAL DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Centros ARCO RIBEIRINHO Unidade de Saúde Familiar QUERER MAIS- Vale da Amoreira 2013- MANUAL DE ARTICULAÇÃO Agrupamento de Centros ARCO RIBEIRINHO Unidade de Saúde Familiar QUERER MAIS- Vale da Amoreira Índice 2 Introdução 3 Recursos Humanos 3 Instalações e equipamentos 3 População

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

USF TERRAS DE FERREIRA

USF TERRAS DE FERREIRA USF TERRAS DE FERREIRA PLANO DE AÇÃO U F Terras de Ferreira 2014-2016 USF TERRAS DE FERREIRA É com enorme satisfação que escrevemos esta página de apresentação da USF (Unidade de Saúde Familiar) Terras

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu

PNV Divulgação de Boas Práticas. Rede de Frio. Ana Paula Abreu PNV Divulgação de Boas Práticas Rede de Frio Dezembro 2011 Ana Paula Abreu S. Farmacêuticos A efectividade e a segurança das vacinas dependem também das suas condições de transporte, de conservação e de

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR O contrato de seguro estabelecido entre a GROUPAMA SEGUROS, S.A., adiante designada por

Leia mais

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS MAIO DE 2011 SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APROVISIONAMENTO E TRANSPORTES Regulamento para Requisição, Controlo e Fornecimento

Leia mais

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV;

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV; Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Boletins Individuais de Saúde, Fichas Individuais de Vacinação, Mapas para recolha de dados

Leia mais

DOURO NORTE ACES AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DOURO I - MARÃO E DOURO NORTE ::2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOURO NORTE ACES

DOURO NORTE ACES AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE DOURO I - MARÃO E DOURO NORTE ::2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOURO NORTE ACES ::2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOURO NORTE Documento Relatório de Atividades 2013 Douro Norte ARS Norte, I.P. Diretor Executivo Armando Vieira Presidente do Conselho Clínico e de Saúde Maria José Lacerda

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica

Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica ETAPA DE MINIMIZAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Sistema de Informação/Vigilância epidemiológica O Plano de Contingência dos Açores para a Pandemia da Gripe (PCA) prevê mecanismos para garantir

Leia mais

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte Centro Hospitalar do Oeste ÂMBITO: Todos os serviços clínicos do Centro Hospitalar do Oeste OBJECTIVOS: Definir as normas de funcionamento do Arquivo Clínico do CHON. RESPONSABILIDADES: Conselho de Administração

Leia mais

Índice Introdução... 4

Índice Introdução... 4 Índice Introdução... 4 Compromissos... 6 Área de abrangência e inscrição... 8 Localização... 9 Quem somos?... 10 Funcionamento... 11 Horário... 11 Como marcar uma consulta... 11 Circuito do utente. Fluxograma...

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO

Leia mais

CONTRATO-PROGRAMA PARA AS UNIDADES LOCAIS DE SAÚDE

CONTRATO-PROGRAMA PARA AS UNIDADES LOCAIS DE SAÚDE CONTRATO-PROGRAMA PARA AS UNIDADES LOCAIS DE SAÚDE Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE [...], representada pelo seu Presidente [...], com poderes para outorgar o acto, doravante designada de ARS ;

Leia mais

Relatório de Atividades 2012 USF Terras de Ferreira U F. erras de Ferreira

Relatório de Atividades 2012 USF Terras de Ferreira U F. erras de Ferreira Relatório de Atividades 2012 U F erras de Índice 0.Introdução... 4 1.Enquadramento... 5 2. Caraterização da USF... 8 2.1 Oferta e Disponibilidade de Serviço... 8 2.2 Recursos Humanos... 8 3. Instalações

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP. Pressupostos para a sua implementação

Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP. Pressupostos para a sua implementação Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP Pressupostos para a sua implementação Documento de trabalho - versão de 2012.09.30 Membros do Grupo Carlos Nunes; Cristina Correia; Cristina Ribeiro; Cristina

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL

ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL ANÁLISE DE SUSTENTABILIDADE DA EMPRESA NOS DOMÍNIOS, ECONÓMICO, SOCIAL E AMBIENTAL 1. Sustentabilidade económica A linha estratégica seguida em 2011 e que continuará em 2012 passa por tomada de ações que

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA

REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA 1 REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA COORDENAÇÃO NACIONAL PARA AS DOENÇAS ONCOLÓGICAS DEZEMBRO DE 2009 2 INTRODUÇÃO O Plano Nacional de Prevenção e Controle das Doenças Oncológicas 2007-2010

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

SACAVÉM, JANEIRO 2011

SACAVÉM, JANEIRO 2011 A G R U P A M E N T O D E C E N T R O S D E S A Ú D E D A G R A N D E L I S B O A V I L O U R E S PLANO DE DESEMPENHO 2011 SACAVÉM, JANEIRO 2011 ACES VI LOURES PLANO DE DESEMPENHO ACES VI LOURES ÍNDICE

Leia mais

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema.

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema. Caso 1 Rent-a-car 1 Enunciado Pretende-se desenvolver um software de suporte a diversas actividades duma empresa de aluguer de automóveis. Este software deve permitir registar contratos de aluguer, entregas

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

Administração Regional de Saúde do Centro. ACES Baixo Vouga II - Centro de Saúde de Aveiro REGULAMENTO INTERNO

Administração Regional de Saúde do Centro. ACES Baixo Vouga II - Centro de Saúde de Aveiro REGULAMENTO INTERNO Administração Regional de Saúde do Centro ACES Baixo Vouga II - Centro de Saúde de Aveiro REGULAMENTO INTERNO Aprovado em Conselho Geral da USF em 23 de Abril de 2010 Avenida Afonso V Sta Joana 3810-203

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ Este documento retrata o estado dos serviços públicos de saúde, sobretudo no que concerne aos cuidados de enfermagem e pretende descrever as dificuldades com

Leia mais

Segurança dos Dados Clínicos do Utente

Segurança dos Dados Clínicos do Utente Segurança dos Dados Clínicos do Utente Francisco Parente Sessão de Abertura - Jornadas Saúde Coimbra, 14 de Junho - 2005 Introdução ao tema Evolução para o Processo Clínico Electrónico (PCE); Segurança

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

www.forumenfermagem.org

www.forumenfermagem.org Todos os conteúdos apresentados são propriedade dos referidos autores Retirado de: Comunidade On-line de Enfermagem www.forumenfermagem.org CENTROS DE SAÚDE (Versão Beta 2) BEJA Maio 2007 Pag. Entrar na

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais