Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL"

Transcrição

1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho B r a s í l i a, 1 d e F e v e r e i r o d e

2 Reforma da APS (2005) Princípios fundamentais ruptura com a forma tradicional de conceber, transformar, organizar, gerir e prestar cuidados de saúde nos serviços públicos do país. (Relatório Acontecimento Extraordinário, 2009) A nova organização começou por se constituir em torno duma rede constituída por pequenas equipas multiprofissionais, descentralizadas, voluntárias e dotadas de considerável grau de autonomia contratualizada com caracter estrutural permanente orientadas para a prestação de cuidados de saúde familiar.

3 Unidades de Saúde Familiar (USF) Definição As USF são as unidades elementares de prestação de cuidados de saúde, individuais e familiares, que assentam em equipas multiprofissionais, constituídas por médicos (especialistas em MGF), por enfermeiros e por pessoal administrativo Missão As USF têm por missão a prestação de cuidados de saúde personalizados à população inscrita de uma determinada área geográfica, garantindo a acessibilidade, a globalidade, a qualidade e a continuidade dos mesmos.

4 Unidades de Saúde Familiar (USF) Características Inovadoras - I Candidatura voluntária Equipas que se escolhem Pequenas equipas multiprofissionais auto-organizadas (5 a 9 médicos; 5 a 9 enfermeiros; 4 a 7 secretários clinicos) total: 15 a 25 elementos Intersubsituição Autonomía organizativa, funcional e técnica Trabalho em equipa = chave mestra Adaptado de Ramos V /Botelho H

5 Unidades de Saúde Familiar (USF) Características Inovadoras - II Contratualização de uma carteira básica de serviços Plano de Acção com objectivos e metas contratualizados anualmente. Critérios explícitos de Avaliação / prestação de contas. Sistema retributivo sensível à carga de trabalho e ao desempenho (acessibilidade, qualidade, eficiência, satisfação e outcomes) p4p Auto-regulação Trabalho em equipa = chave mestra Adaptado de Ramos V /Botelho H

6 Unidades de Saúde Familiar (USF) Instrumentos e Compromissos Regulamento Interno Plano de Acção Anual Carta de Qualidade (Manuais de Boas Práticas e de Procedimentos) Indicadores de Monitorização e Avaliação de Desempenho Carta de Compromisso

7 Unidades de Saúde Familiar (USF) Carteira Básica de Serviços Saúde infantil (RN, Criança, Adolescente) Saúde da mulher (PF, vigilância Gravidez) Saúde geral de Adultos e na melhor idade Doenças Crónicas (Diabetes, HTA, DPOC, ) Doença Aguda (no próprio dia) Cuidados de Enfermagem Atendimento no Domicílio (médico, enfermagem) Vacinação Compromisso para Docência Adaptado de Ramos V /Botelho H

8 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Ferramentas essenciais para a sua governação (contratualização remunerações) SISTEMA DE INFORMAÇÂO Gestão Clínica Monitorização de Resultados Avaliação de Desempenho Comunicação Redes (interna e externas - PDS) CONTRATUALIZAÇÂO Inteligente Negociação de metas ambiciosas mas simultáneamente realistas e informadas por evidências.

9 Unidades de Saúde Familiar (USF) Modelos USF MODELO Modelo B 180 (46%) patamares de autonomia, graus de partilha de risco e compensação retributiva Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho para todos os profissionais, (remuneração base, suplementos e compensações pelo desempenho). nível de contratualização de desempenho mais exigente. Possibilidade de contratualizar uma ou mais carteira adicional. Participação no processo de acreditação das USF, num período máximo de três anos. Contratualizar o cumprimento de metas, que se traduz em incentivos institucionais a reverter para a USF. Modelo A 205 (54%) Remunerações aplicáveis às respectivas carreiras profissionais do sector público. Possibilidade de contratualizar uma ou mais carteira adicional. Contratualizar o cumprimento de metas, que se traduz em incentivos institucionais a reverter para a USF.

10 Indicadores Base Construção e Exemplos - I Acesso Princípio Por princípio o utilizador deve ser consultado pelo seu médico de família A USF deve vigiar a saúde de todos os seus inscritos Os cuidados domiciliários nas situações protocoladas são um direito dos utilizadores Indicador Percentagem de consultas ao usuário pelo seu próprio médico de família Taxa de utilização global de consultas Taxas de visitas domiciliárias médicas por 1000 inscritos Taxas de visitas domiciliárias de enfermagem por 100 inscritos

11 Indicadores Base - Construção e Exemplos - II Desempenho Assistencial Princípio Todos os cidadãos devem cumprir o Plano Nacional de Vacinação (PNV) Todas as crianças devem ter a sua saúde correctamente vigiada Todas as mulheres devem ter um correcto seguimento da sua maternidade Indicador % de crianças com o PNV actualizado aos 2 anos % de primeiras consultas de vida efectuadas até aos 28 dias de vida % de primeiras consultas de gravidez no primeiro trimestre

12 Pesquisa Google: acss bi indicadores 2013

13 (alguns) Campos do BI dos indicadores 179

14

15 12 Indicadores de âmbito Nacional, relacionados com a contratualização de incentivos institucionais 12 ACSS + 4 ARS + 2 ACeS + 4 USF

16 Incentivos institucionais 1 Os valores máximos dos incentivos institucionais a atribuir às USF são os constantes da seguinte tabela: Número de unidades ponderadas (UP) por USF < >= Valor máximo dos incentivos (euros)

17 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho MÉDICOS I Componente Fixa Salário Base correspondente à remuneração da respectiva categoria e escalão (em 35h DE) [ ] Componente Variável a) O suplemento associado ao aumento da lista de usuários (mensal e individual) b) A compensação associada ao desenvolvimento das actividades específicas (grupo) c) O suplemento da realização de cuidados domiciliários (mensal e individual) d) A compensação associada à eventual carteira adicional de serviços.

18 Unidades de Saúde Familiar (USF) Como medir as listas de usuários? Ponderação Estudo preliminar (S. Epidemiologia FMUP) mostra a importância para os ponderadores: Composição etária Género Tx desemprego Índice per Capita (IpC) Concentração Urbana Distância a outros serviços de saúde alternativos e/ou complementares.

19 Unidades de Saúde Familiar (USF) Como medir as listas de usuários? Ponderação Ponderação pela estrutura etária: Grupo etário Min: Unidades Ponderadas (UP) = usuários (lista padrão) Max: UP = usuários Coef. Ponderação [0 4 anos] x 1,5 [65 74 anos] x 2,0 >= 75 anos x 2,5

20 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Actividades específicas A atribuição de incentivos financeiros aos depende da concretização das metas contratualizadas referentes a atividades decorrentes de vigilância de mulheres em planeamento familiar e grávidas, de vigilância de crianças do nascimento até ao segundo ano de vida, de vigilância de utentes diabéticos e de utentes hipertensos, rastreios oncológicos, vacinação e acessibilidade.

21 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho MÉDICOS - II Compensação associada às actividades específicas dos médicos Vigilância a utentes vulneráveis e de risco, segundo as orientações técnicas da Direcção -Geral da Saúde: a) A vigilância, em planeamento familiar, de uma mulher em idade fértil, por ano - 1 UP ; b) A vigilância de uma gravidez 8 UP; c) A vigilância de uma criança, no primeiro ano de vida, por ano 7 UP; d) A vigilância de uma criança, no segundo ano de vida, por ano 3 UP; e) A vigilância de uma pessoa diabética, por ano 4 UP; f) A vigilância de uma pessoa hipertensa, por ano 2 UP.

22 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho MÉDICOS - III Cálculo: 55 UP por aumento da lista = 1 UC (Unidade Contratualizada) 1 UC = 130 euros Limites: Global - 20 UC / Médico; ( 2.600) 9 UC para lista (2.412 UP = utentes-padrão) ( 1.170) 20 domicílios / mês ( x 30 euros) ( 600) * Podem ainda acrescer: Orientador de formação: 220 UP (= 4 UC) ( 520) Coordenador USF = 7 UC ( 910)

23 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho ENFERMEIROS - I Componente Fixa -Salário Base correspondente à remuneração da respectiva categoria e escalão (40h) Componente Variável a) Suplemento associado ao aumento das UP da lista (mensal e grupo) b) Atribuição de incentivos financeiros (anual e grupo) c) A compensação associada à eventual carteira adicional de serviços.

24 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho ENFERMEIROS - II Cálculo: 55 UP por aumento da lista = 1 UC (Unidade Contratualizada) 1 UC = 100 euros Limites = 9 UC para lista (2.412 UP = utentes-padrão) ( 900)

25 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho SECRETÁRIOS CLÍNICOS Cálculo: Lista mínima UP = utentes-padrão 71 UP por aumento da lista = 1 UC (Unidade Contratualizada) 1 UC = 60 euros Limites = 9 UC para lista ( 540)

26 Indicadores de âmbito Nacional, relacionados com a contratualização de incentivos financeiros nas USF Modelo B (17 indicadores de Desempenho Assistencial)

27 alguns RESULTADOS

28 JLB /

29 E se em 2012, todas as UCSP tivessem o desempenho das USF modelo B? JLB /

30 E se em 2012, todas as UCSP tivessem o desempenho das USF modelo B? JLB /

31 E se em 2012, todas as UCSP tivessem o desempenho das USF modelo B? JLB /

32 USF Organizações positivas e democráticas (Rego e Pina e Cunha, 2009) Liberdade com Responsabilidade Compromisso de resultados Estruturas mínimas Para as pessoas e por pessoas Regras simples Partilha de valores Discriminação positiva e contratualização Time Plano de Acão Quality - Melhoria continua Money Sistema retributivo sensível ao desempenho

33 Reforma da APS (2005) Dos Princípios aos Resultados e Conclusões É possível reformar / modernizar / qualificar no contexto da Administração Pública, mantendo a identidade e os princípios dum serviço público como o SNS: - Solidariedade (redestribuição) - Previdência (pré-pagamento) - Universalismo (inclusão)

34

35 Prémio Saúde Sustentável 2013

36 Responsabilidade partilhada governantes, profissionais, cidadãos, Obrigado pela vossa atenção

METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO

METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO UNIDADES DE SAÚDE FAMILIAR E UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO Versão revista a 24 de Fevereiro de 2010 08 de Janeiro de 2010 1 Conteúdo Siglas utilizadas...

Leia mais

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CAD 8 27/9/7 14:28 Page 6 A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS LUÍS PISCO COORDENADOR DA MISSÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. O Programa do XVII Governo Constitucional (1), na área da saúde,

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar Vimaranes

- Unidade de Saúde Familiar Vimaranes CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Vimaranes Modelo A A Administração Regional de Saúde (ARS), IP do Norte, representada pelo seu Presidente, Dr. Alcindo Maciel Barbosa e a Unidade de Saúde

Leia mais

ASSUNTO: Normas para cálculo das remunerações dos profissionais das USF - Mod.B

ASSUNTO: Normas para cálculo das remunerações dos profissionais das USF - Mod.B MINITÉRIO A AÚ MIÃO PARA O CUIAO AÚ PRIMÁRIO PARCR PACHO Homologado pelo r. ecretário de stado da aúde, r. Manuel Pizarro no dia 23 de Abril de 2008. Á consideração do r. ecretário de stado da aúde. PROPOTA

Leia mais

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S Carlos Nunes Missão para os Cuidados de Saúde Primários VILAMOURA 23 Março 2007 C A N D I D A T U R A S A U S F

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS

PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras PLANO DE ACÇÃO 2014-2016 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS ÍNDICE ACRÓNIMOS...

Leia mais

Projectos de Diplomas Ponto da Situação?

Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Lisboa 15 de Maio de 2006 João Rodrigues Missão para os Cuidados de Saúde Primários À MCSP foi entregue o mandato de: coordenar e apoiar tecnicamente o processo

Leia mais

Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde

Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde Que sistemas de avaliação profissional utilizar no modelo de contratualização da gestão na Atenção Primária à Saúde Márcia Silveira Ney 1 Celia Regina Pierantoni, MD, DSc 2 Luiz Velez Lapão 3 1. Médica

Leia mais

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Versão revista a 19 de Fevereiro de 2010 Conteúdo

Leia mais

Visita Técnica Equipa de Florianópolis

Visita Técnica Equipa de Florianópolis Visita Técnica Equipa de Florianópolis AGENDA I Reforma Cuidados Saude Primarios II Sistema de Informação III BI das USFs Dispositivo de gestão do conhecimento José Luis Biscaia Médico de Familia USF S

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho Da Março de 2010 Trabalho Realizado: Enfª Isabel Espírito Santo (MCSP) Enfª Pedro Pardal (MCSP) Enfª Anabela Miguelote (Grupo Parametrizador) Enfº Jorge Barros (Grupo Parametrizador)

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Sistema de Gestão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde 1. Porquê um sistema de gestão de utentes do SNS? Documento de trabalho (Versão de

Leia mais

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I

UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I Administração Regional de Saúde do Norte UNIDADE SAÚDE FAMILIAR FAMALICÃO I PLANO DE ACÇÃO Despacho Normativo N.º 9/2006 ACES AVE III- FAMALICÃO MODELO B JANEIRO 2011 PLANO DE ACÇÃO Coordenador da Equipa

Leia mais

ÍNDICE. Relatório de Atividades 2014 - USF Arsmedica 1

ÍNDICE. Relatório de Atividades 2014 - USF Arsmedica 1 Relatório de Atividades Ano de 2014 Unidade de Saúde Familiar Ars Medica Modelo B ACES Loures-Odivelas Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo IP Ministério da Saúde Março 2015 ÍNDICE

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO E ECONOMIA DA SAÚDE POLÍTICAS E SISTEMAS DE SAÚDE

MESTRADO EM GESTÃO E ECONOMIA DA SAÚDE POLÍTICAS E SISTEMAS DE SAÚDE MESTRADO EM GESTÃO E ECONOMIA DA SAÚDE POLÍTICAS E SISTEMAS DE SAÚDE A contratualização nos Cuidados de Saúde Primários Realidade Institucional ACES Pinhal Litoral II Fonte: Blog ANIMAR Alunos Nuno Rama

Leia mais

Cinco Anos do Centro de Saúde S. João. "Tubo de Ensaio"

Cinco Anos do Centro de Saúde S. João. Tubo de Ensaio Hespanhol A et al ESTUDO DE CASO ISSN 08713413 ArquiMed, 2005 "Tubo de Ensaio" Alberto Hespanhol, Alexandre Sousa Pinto Departamento de Clínica Geral da Faculdade de Medicina do Porto e Centro de Saúde

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Plano de Acção 2012-2014

Plano de Acção 2012-2014 USF AMORA SAUDÁVEL Plano de Acção 2012-2014 Kaizen e Triple Aim Organizações excelentes não acreditam na excelência somente na melhoria contínua 1 Amora, Março 2012 INDICE INTRODUÇÃO... ERRO! MARCADOR

Leia mais

DPS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO PARA OS CUIDADOS. Março 2013 DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2013

DPS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO PARA OS CUIDADOS. Março 2013 DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2013 DPS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ANO DE 2013 Março 2013 Administração Central do Sistema de Saúde, IP Sede: Av. João Crisóstomo, nº 11. 1000-177 Lisboa Tel: 217

Leia mais

cada profissional e premiando o desempenho individual e colectivo, tendo em vista o reforço da eficácia, da eficiência e da acessibilidade dos

cada profissional e premiando o desempenho individual e colectivo, tendo em vista o reforço da eficácia, da eficiência e da acessibilidade dos DECRETO-LEI Os Cuidados de Saúde Primários (CSP) são o núcleo do sistema de saúde e devem situar-se junto das comunidades, nos termos da Base XIII da Lei de Bases da Saúde. O Programa do XVII Governo Constitucional

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS O R D E M D O S E N F E R M E I R O S Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS A questão colocada: A quem competem as funções de gestão, coordenação

Leia mais

Contratualização nas Unidades de Saúde Familiar: O desafio de um sistema de incentivos financeiros e não financeiros

Contratualização nas Unidades de Saúde Familiar: O desafio de um sistema de incentivos financeiros e não financeiros Imagem Ana Rita Carrilho Marques Contratualização nas Unidades de Saúde Familiar: O desafio de um sistema de incentivos financeiros e não financeiros Relatório de estágio apresentado à Faculdade de Direito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

Patrícia Daniela Borges Santos

Patrícia Daniela Borges Santos Patrícia Daniela Borges Santos Os Centros de Saúde da Terceira Geração: As Unidades de Saúde Familiares na Promoção dos Cuidados UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Porto, 2008. Patrícia Daniela Borges Santos

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

Plano de Acção. Unidade de Saúde Familiar Amato Lusitano. 30 de Dezembro de 2008

Plano de Acção. Unidade de Saúde Familiar Amato Lusitano. 30 de Dezembro de 2008 Plano de Acção Unidade de Saúde Familiar Amato Lusitano 2009 30 de Dezembro de 2008 Índice 2..Preâmbulo 6. Capítulo I Caracterização da área de influência e dos utentes inscritos 11.......Capítulo II Programas

Leia mais

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE IP, representada pelo seu Presidente Prof. Doutor Fernando Araújo, com poderes para outorgar o acto,

Leia mais

REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde. Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde.

REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde. Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde. REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde Luis Pisco Missão para os Cuidados de Saúde Primários Viseu - Hotel Montebelo 12

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ Este documento retrata o estado dos serviços públicos de saúde, sobretudo no que concerne aos cuidados de enfermagem e pretende descrever as dificuldades com

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2010, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2010, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2010, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS O Protocolo de Cooperação, anualmente celebrado entre o Ministério

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

PLANO DE DESEMPENHO 2010

PLANO DE DESEMPENHO 2010 2010 ACES AVE III - Famalicão Este documento foi elaborado pela seguinte equipa: Dr. Paulo Oliveira Director Executivo Enf.ª Chefe Fátima Moreira Vogal do Conselho Clínico Dr. Manuel Dias Vogal do Conselho

Leia mais

Análise dos Custos dos Centros de Saúde e do Regime Remuneratório Experimental

Análise dos Custos dos Centros de Saúde e do Regime Remuneratório Experimental Análise dos Custos dos Centros de Saúde e do Regime Remuneratório Experimental Grupo de Trabalho da Associação Portuguesa de Economia da Saúde 1 1 Composto por Miguel Gouveia, Sofia Nogueira da Silva,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

CONVERSAS DE FIM DE TARDE

CONVERSAS DE FIM DE TARDE CONVERSAS DE FIM DE TARDE Rogério Correia A estrutura organizacional do Serviço Missão do SRS Promoção da Saúde Prestação de, Hospitalares e Continuados Prestação de actividades no âmbito da Saúde Pública

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DA USF DO PARQUE. 1.1. Identificação da USF

1. CARACTERIZAÇÃO DA USF DO PARQUE. 1.1. Identificação da USF 1. CARACTERIZAÇÃO DA USF DO PARQUE 1.1. Identificação da USF A USF do Parque é parte integrante do ACES Lisboa Norte, juntamente com os Centros de Saúde de Alvalade, Benfica, Lumiar, Sete Rios e USF s

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014

PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. PLANO DE ACÇÃO 2012-2014 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS Índice 1. Introdução 4 2. Caracterização da Área

Leia mais

"A redução da burocracia nos sistemas de incentivos"

A redução da burocracia nos sistemas de incentivos "A redução da burocracia nos sistemas de incentivos" Reporto-me expressamente à notícia de ontem, 2006.12.19, sobre a decisão de extensão pelo Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Dr. Rui

Leia mais

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados ANEXO AO ROTEIRO DE INTERVENÇÃO EM ARTICULAÇÃO E CONTINUIDADE DE CUIDADOS ANEXO II Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro

Leia mais

Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes Rumo a um sistema de transportes competitivo e económico em recursos

Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes Rumo a um sistema de transportes competitivo e económico em recursos Seminário de Transporte Rodoviário Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes Rumo a um sistema de transportes competitivo e económico em recursos Isabel Seabra 26-05-2011 O Livro Branco

Leia mais

Reagrupamento dos centros de saúde

Reagrupamento dos centros de saúde Ministério da Saúde Grupo Técnico para o Desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários Reagrupamento dos centros de saúde Aspetos e princípios a ter em conta Documento de trabalho - versão de 2012.02.08

Leia mais

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário Relatório sobre a estrutura e Práticas de governo societário 108 RELATÓRIO SOBRE A ESTRUTURA E PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO (SANTANDER TOTTA SEGUROS) O presente relatório é elaborado nos termos do art.

Leia mais

Processo de Acreditação na USF Dafundo

Processo de Acreditação na USF Dafundo Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Processo de Acreditação na USF Dafundo USF Dafundo Criada em Setembro 2006 ACES Oeiras / ARSLVT Modelo

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012 Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro Principais normas aplicáveis aos Municípios Este é um documento de trabalho que pretende agregar as principais normas aplicáveis

Leia mais

Plano de ação 2014 2016

Plano de ação 2014 2016 ACES Cascais Plano de ação 2014 2016 USF Marginal 2014 Elaborado por: USFM Revisto por: -- Aprovado por: Conselho geral Revisão em: 06/05/2017 Data: 06/05/2014 Data: -- Data: 06/05/2014 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projecto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde Equipa Coordenadora: Dr.ª Leonor

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As ano, aleatória entidades um e relatório anualmente, prestadoras circunstanciado pela de Inspeção-geral cuidados sobre de o saúde acesso das Atividades devem aos cuidados publicar Saúde, e que divulgar,

Leia mais

Estudos de Caracterização

Estudos de Caracterização Estudos de Caracterização Saúde Junho de 2013 II.4.10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. SAÚDE...3 2.1. REDE DE CUIDADOS DE SAÚDE... 3 2.2. CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS... 3 2.3. PRODUÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE

Leia mais

DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1ª edição Versão detalhada 11 de janeiro de 2013 Departamento de Contratualização Administração Regional de Saúde

Leia mais

INOVAÇÃO E FINANCIAMENTO SUSTENTÁVEIS VISÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Ricardo Gonçalves

INOVAÇÃO E FINANCIAMENTO SUSTENTÁVEIS VISÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Ricardo Gonçalves INOVAÇÃO E FINANCIAMENTO SUSTENTÁVEIS VISÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Ricardo Gonçalves Conferência APIFARMA Financiar a Saúde Investir em Portugal 24 de Junho de 2015 1. Contexto O sector da Saúde em Portugal

Leia mais

0,6% para atualização de todos os acordos de cooperação relativos às respostas sociais constantes do Anexo I e II ao Protocolo de Cooperação.

0,6% para atualização de todos os acordos de cooperação relativos às respostas sociais constantes do Anexo I e II ao Protocolo de Cooperação. ADENDA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2013-2014 ENTRE O MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL E A UNIÃO DAS MISERICORDIAS PORTUGUESAS, A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

Codificação Clínica nos hospitais: Estudos/Indicadores que alimenta

Codificação Clínica nos hospitais: Estudos/Indicadores que alimenta 7º CONGRESSO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS MÉDICOS AUDITORES E CODIFICADORES CLÍNICOS (AMACC) INOVAÇÃO E CIÊNCIA NA CODIFICAÇÃO CLÍNICA Codificação Clínica nos hospitais: Maria do Céu Valente Centro Hospitalar

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R

I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R I N D I C A D O R E S D E D E S E M P E N H O PA R A A S U N I D A D E S D E S A Ú D E FA M I L I A R 12 de Abril de 2006 Introdução Cabe à Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP), entre outras

Leia mais

Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP. Pressupostos para a sua implementação

Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP. Pressupostos para a sua implementação Papel do Enfermeiro de Saúde Familiar nos CSP Pressupostos para a sua implementação Documento de trabalho - versão de 2012.09.30 Membros do Grupo Carlos Nunes; Cristina Correia; Cristina Ribeiro; Cristina

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Decreto - Lei 67/2011 de 2 de Junho cria com a natureza de entidade pública empresarial, a Unidade Local de Saúde

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Unidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE

Unidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE Unidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE Relatório & Contas 2011 0 Índice Mensagem do Conselho de Administração... 6 Perfil Local de Saúde da ULS Alto Minho... 8 Estrutura Organizacional da ULS Alto Minho...

Leia mais

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 INCLUSÃO SOCIAL FERNANDA RODRIGUES Estrutura da Apresentação Inclusão Social vs Exclusão

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE, criado através do Decreto Lei n.º 326/2007 de 28 de Setembro, com início de actividade a 1 de Outubro de 2007, resultou da fusão de

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Linhas de Acção Prioritária para o Desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários

Linhas de Acção Prioritária para o Desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários Missão para os Cuidados de Saúde Primários Resolução do Conselho de Ministros n.º 157/2005, de 12 de Outubro (Diário da República n.º 196, I Série B) Linhas de Acção Prioritária para o Desenvolvimento

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Disciplina de Medicina Geral e Familiar (5º Ano) Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Medicina Curativa e Medicina Preventiva Saúde versus

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS INDÍCE Preâmbulo 1 Artigo 1º Âmbito Artigo º Objecto Artigo º Tipos de apoios Artigo 4º Valor e modalidade de apoios económico

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE

INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE PROTOCOLO Entre INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE, instituto público, com sede em Lisboa, na Av. da República, nº 61, representado por José António de Matos Taborda Farinha, na qualidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO PROGRAMA NACIONAL de PROMOÇÃO da SAÚDE ORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 Grupo Regional da Saúde Oral Lisboa Julho 2008 Grupo Regional da Saúde

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA Prof. G. DURANT A Bélgica (11 milhões de habitantes) é um país federal. PIB/capita: 39.860 dolares Gastos totais com saúde- 10,6% du PNB (Produit National Brut)

Leia mais

NORMAS DA USF FAMALICÃO I

NORMAS DA USF FAMALICÃO I I.- MARCAÇÃO DE CONSULTAS Como marcar uma consulta? Opte pelas consultas com hora certa; quando necessitar de consulta dê preferência às consultas pré marcadas. Terá a sua consulta previamente assegurada

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

ARS Algarve,IP lança nova página institucional

ARS Algarve,IP lança nova página institucional ARS Algarve,IP lança nova página institucional A Administração Regional de Saúde do Algarve disponibiliza desde o início de maio uma nova página institucional, criada com recursos da instituição, com o

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

I Serviço Público de Educação

I Serviço Público de Educação PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO E AUTONOMIA DAS ESCOLAS GRUPO DE TRABALHO Documentos Serviço Público de Educação Níveis de Autonomia na Gestão das Escolas Introdução Nesta fase do desenvolvimento o Grupo de

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010)

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) O que pode ser destacado sobre o Seminário Internacional sobre os sistemas de saúde do Brasil e da Espanha: compartilhando experiências?

Leia mais