Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL"

Transcrição

1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho B r a s í l i a, 1 d e F e v e r e i r o d e

2 Reforma da APS (2005) Princípios fundamentais ruptura com a forma tradicional de conceber, transformar, organizar, gerir e prestar cuidados de saúde nos serviços públicos do país. (Relatório Acontecimento Extraordinário, 2009) A nova organização começou por se constituir em torno duma rede constituída por pequenas equipas multiprofissionais, descentralizadas, voluntárias e dotadas de considerável grau de autonomia contratualizada com caracter estrutural permanente orientadas para a prestação de cuidados de saúde familiar.

3 Unidades de Saúde Familiar (USF) Definição As USF são as unidades elementares de prestação de cuidados de saúde, individuais e familiares, que assentam em equipas multiprofissionais, constituídas por médicos (especialistas em MGF), por enfermeiros e por pessoal administrativo Missão As USF têm por missão a prestação de cuidados de saúde personalizados à população inscrita de uma determinada área geográfica, garantindo a acessibilidade, a globalidade, a qualidade e a continuidade dos mesmos.

4 Unidades de Saúde Familiar (USF) Características Inovadoras - I Candidatura voluntária Equipas que se escolhem Pequenas equipas multiprofissionais auto-organizadas (5 a 9 médicos; 5 a 9 enfermeiros; 4 a 7 secretários clinicos) total: 15 a 25 elementos Intersubsituição Autonomía organizativa, funcional e técnica Trabalho em equipa = chave mestra Adaptado de Ramos V /Botelho H

5 Unidades de Saúde Familiar (USF) Características Inovadoras - II Contratualização de uma carteira básica de serviços Plano de Acção com objectivos e metas contratualizados anualmente. Critérios explícitos de Avaliação / prestação de contas. Sistema retributivo sensível à carga de trabalho e ao desempenho (acessibilidade, qualidade, eficiência, satisfação e outcomes) p4p Auto-regulação Trabalho em equipa = chave mestra Adaptado de Ramos V /Botelho H

6 Unidades de Saúde Familiar (USF) Instrumentos e Compromissos Regulamento Interno Plano de Acção Anual Carta de Qualidade (Manuais de Boas Práticas e de Procedimentos) Indicadores de Monitorização e Avaliação de Desempenho Carta de Compromisso

7 Unidades de Saúde Familiar (USF) Carteira Básica de Serviços Saúde infantil (RN, Criança, Adolescente) Saúde da mulher (PF, vigilância Gravidez) Saúde geral de Adultos e na melhor idade Doenças Crónicas (Diabetes, HTA, DPOC, ) Doença Aguda (no próprio dia) Cuidados de Enfermagem Atendimento no Domicílio (médico, enfermagem) Vacinação Compromisso para Docência Adaptado de Ramos V /Botelho H

8 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Ferramentas essenciais para a sua governação (contratualização remunerações) SISTEMA DE INFORMAÇÂO Gestão Clínica Monitorização de Resultados Avaliação de Desempenho Comunicação Redes (interna e externas - PDS) CONTRATUALIZAÇÂO Inteligente Negociação de metas ambiciosas mas simultáneamente realistas e informadas por evidências.

9 Unidades de Saúde Familiar (USF) Modelos USF MODELO Modelo B 180 (46%) patamares de autonomia, graus de partilha de risco e compensação retributiva Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho para todos os profissionais, (remuneração base, suplementos e compensações pelo desempenho). nível de contratualização de desempenho mais exigente. Possibilidade de contratualizar uma ou mais carteira adicional. Participação no processo de acreditação das USF, num período máximo de três anos. Contratualizar o cumprimento de metas, que se traduz em incentivos institucionais a reverter para a USF. Modelo A 205 (54%) Remunerações aplicáveis às respectivas carreiras profissionais do sector público. Possibilidade de contratualizar uma ou mais carteira adicional. Contratualizar o cumprimento de metas, que se traduz em incentivos institucionais a reverter para a USF.

10 Indicadores Base Construção e Exemplos - I Acesso Princípio Por princípio o utilizador deve ser consultado pelo seu médico de família A USF deve vigiar a saúde de todos os seus inscritos Os cuidados domiciliários nas situações protocoladas são um direito dos utilizadores Indicador Percentagem de consultas ao usuário pelo seu próprio médico de família Taxa de utilização global de consultas Taxas de visitas domiciliárias médicas por 1000 inscritos Taxas de visitas domiciliárias de enfermagem por 100 inscritos

11 Indicadores Base - Construção e Exemplos - II Desempenho Assistencial Princípio Todos os cidadãos devem cumprir o Plano Nacional de Vacinação (PNV) Todas as crianças devem ter a sua saúde correctamente vigiada Todas as mulheres devem ter um correcto seguimento da sua maternidade Indicador % de crianças com o PNV actualizado aos 2 anos % de primeiras consultas de vida efectuadas até aos 28 dias de vida % de primeiras consultas de gravidez no primeiro trimestre

12 Pesquisa Google: acss bi indicadores 2013

13 (alguns) Campos do BI dos indicadores 179

14

15 12 Indicadores de âmbito Nacional, relacionados com a contratualização de incentivos institucionais 12 ACSS + 4 ARS + 2 ACeS + 4 USF

16 Incentivos institucionais 1 Os valores máximos dos incentivos institucionais a atribuir às USF são os constantes da seguinte tabela: Número de unidades ponderadas (UP) por USF < >= Valor máximo dos incentivos (euros)

17 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho MÉDICOS I Componente Fixa Salário Base correspondente à remuneração da respectiva categoria e escalão (em 35h DE) [ ] Componente Variável a) O suplemento associado ao aumento da lista de usuários (mensal e individual) b) A compensação associada ao desenvolvimento das actividades específicas (grupo) c) O suplemento da realização de cuidados domiciliários (mensal e individual) d) A compensação associada à eventual carteira adicional de serviços.

18 Unidades de Saúde Familiar (USF) Como medir as listas de usuários? Ponderação Estudo preliminar (S. Epidemiologia FMUP) mostra a importância para os ponderadores: Composição etária Género Tx desemprego Índice per Capita (IpC) Concentração Urbana Distância a outros serviços de saúde alternativos e/ou complementares.

19 Unidades de Saúde Familiar (USF) Como medir as listas de usuários? Ponderação Ponderação pela estrutura etária: Grupo etário Min: Unidades Ponderadas (UP) = usuários (lista padrão) Max: UP = usuários Coef. Ponderação [0 4 anos] x 1,5 [65 74 anos] x 2,0 >= 75 anos x 2,5

20 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Actividades específicas A atribuição de incentivos financeiros aos depende da concretização das metas contratualizadas referentes a atividades decorrentes de vigilância de mulheres em planeamento familiar e grávidas, de vigilância de crianças do nascimento até ao segundo ano de vida, de vigilância de utentes diabéticos e de utentes hipertensos, rastreios oncológicos, vacinação e acessibilidade.

21 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho MÉDICOS - II Compensação associada às actividades específicas dos médicos Vigilância a utentes vulneráveis e de risco, segundo as orientações técnicas da Direcção -Geral da Saúde: a) A vigilância, em planeamento familiar, de uma mulher em idade fértil, por ano - 1 UP ; b) A vigilância de uma gravidez 8 UP; c) A vigilância de uma criança, no primeiro ano de vida, por ano 7 UP; d) A vigilância de uma criança, no segundo ano de vida, por ano 3 UP; e) A vigilância de uma pessoa diabética, por ano 4 UP; f) A vigilância de uma pessoa hipertensa, por ano 2 UP.

22 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho MÉDICOS - III Cálculo: 55 UP por aumento da lista = 1 UC (Unidade Contratualizada) 1 UC = 130 euros Limites: Global - 20 UC / Médico; ( 2.600) 9 UC para lista (2.412 UP = utentes-padrão) ( 1.170) 20 domicílios / mês ( x 30 euros) ( 600) * Podem ainda acrescer: Orientador de formação: 220 UP (= 4 UC) ( 520) Coordenador USF = 7 UC ( 910)

23 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho ENFERMEIROS - I Componente Fixa -Salário Base correspondente à remuneração da respectiva categoria e escalão (40h) Componente Variável a) Suplemento associado ao aumento das UP da lista (mensal e grupo) b) Atribuição de incentivos financeiros (anual e grupo) c) A compensação associada à eventual carteira adicional de serviços.

24 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho ENFERMEIROS - II Cálculo: 55 UP por aumento da lista = 1 UC (Unidade Contratualizada) 1 UC = 100 euros Limites = 9 UC para lista (2.412 UP = utentes-padrão) ( 900)

25 Unidades de Saúde Familiar (USF) - Regime retributivo especial misto sensível ao desempenho SECRETÁRIOS CLÍNICOS Cálculo: Lista mínima UP = utentes-padrão 71 UP por aumento da lista = 1 UC (Unidade Contratualizada) 1 UC = 60 euros Limites = 9 UC para lista ( 540)

26 Indicadores de âmbito Nacional, relacionados com a contratualização de incentivos financeiros nas USF Modelo B (17 indicadores de Desempenho Assistencial)

27 alguns RESULTADOS

28 JLB /

29 E se em 2012, todas as UCSP tivessem o desempenho das USF modelo B? JLB /

30 E se em 2012, todas as UCSP tivessem o desempenho das USF modelo B? JLB /

31 E se em 2012, todas as UCSP tivessem o desempenho das USF modelo B? JLB /

32 USF Organizações positivas e democráticas (Rego e Pina e Cunha, 2009) Liberdade com Responsabilidade Compromisso de resultados Estruturas mínimas Para as pessoas e por pessoas Regras simples Partilha de valores Discriminação positiva e contratualização Time Plano de Acão Quality - Melhoria continua Money Sistema retributivo sensível ao desempenho

33 Reforma da APS (2005) Dos Princípios aos Resultados e Conclusões É possível reformar / modernizar / qualificar no contexto da Administração Pública, mantendo a identidade e os princípios dum serviço público como o SNS: - Solidariedade (redestribuição) - Previdência (pré-pagamento) - Universalismo (inclusão)

34

35 Prémio Saúde Sustentável 2013

36 Responsabilidade partilhada governantes, profissionais, cidadãos, Obrigado pela vossa atenção

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B

- Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) BAIXO VOUGA III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. MANUEL SEBE e a Unidade

Leia mais

Apresentação aos novos Médicos MGF

Apresentação aos novos Médicos MGF Apresentação aos novos Médicos MGF Diretor Executivo Gonçalves André TORRES VEDRAS 31-05-2016 PLANO DE EXPOSIÇÃO Caracterização Geral do ACES Oeste Sul Resultados Impacto da Contratualização no desempenho

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES

CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES Margarida Aguiar USF Valongo (coordenadora) Reunião Nacional de Directores Executivos dos ACES 6 de Março 2009- Peniche margarida.abreu.aguiar@gmail.com Contratualização Peça

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

Como formar uma USF?

Como formar uma USF? Como formar uma USF? Apresentação Numa palavra USF? e formar uma USF https://www.youtube.com/watch?v=5ztm-iyupm4 Quem e como se pensou sns? Baseados em cuidados primários efectivos Médicos generalistas

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. Manuel Sebe e a Unidade

Leia mais

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho CARTA DE COMPROMISSO Unidade de Saúde Familiar Condestável Modelo A o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho Clínico, Dra. Maria Isabel Poças

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Dos registos clínicos: médicos e de enfermagem Qualidade e segurança do doente Lucília Martinho médica, presidente da CQSD Maria Teresa Antunes enfermeira

Leia mais

Bolsa de. Objetivos Individuais

Bolsa de. Objetivos Individuais Carreira Especial de Enfermagem Avaliação de Desempenho Biénio 2015 2016 Bolsa de s Individuais Sumário s Individuais de Realização pg. 03 s Individuais de Qualidade pg. 11 s Individuais de Aperfeiçoamento

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES Junho de 2016 CARACTERIZAÇÃO DO ACES OESTE SUL O ACES Oeste Sul, é um serviço desconcentrado da ARSLVT, IP com autonomia administrativa e gestionária, nos termos previstos

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

Portal BI USF. José Luis Biscaia

Portal BI USF. José Luis Biscaia CLOUD S MMIT 2014 25 Junho 2014 - CCB Portal BI USF O Cloud Computing assume importância estratégica nas organizações. Numa era de acelerado desenvolvimento tecnológico, em que a globalização e as profundas

Leia mais

GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV)

GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV) GUIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURRICULUM VITAE (CV) 1 O documento designado como curriculum vitae é um misto de CV e de PERFIL DE PRÁTICA. A OM tem mais do que um modelo (publicações de 14/09/2012 e

Leia mais

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha REUNIÃO CNSMCA 27-11-2015 Elsa Rocha Elsa Rocha João Moura Reis Ana Cristina Guerreiro Pediatra Hospital Faro (Presidente) Presidente do Conselho Diretivo da ARS Algarve, IP Diretora do Departamento de

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO COM AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES

CONTRATUALIZAÇÃO COM AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIAS DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CONTRATUALIZAÇÃO COM AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES 2006 MODELO 1 E RRE JUNHO de 2006 In the context

Leia mais

CARTEIRA DE SERVIÇOS USF Lavradio

CARTEIRA DE SERVIÇOS USF Lavradio CARTEIRA DE SERVIÇOS USF Lavradio Elaborado por: Dr.ª Alda Monteiro; Dr.º Fernando Refacho Data: Julho de 2015 A Rever: Julho 2016 Aprovado: Conselho Geral 1. Introdução A Carteira de Serviços é um documento

Leia mais

Ganhos em Saúde na Região do Algarve

Ganhos em Saúde na Região do Algarve Ganhos em Saúde na Região do Algarve Factos Governo de 15 Janeiro 1971 Ministro Dr. Baltazar Rebello de Souza Secretário de Estado Professor Gonçalves Ferreira Traziam no seu programa o projecto da reorganização

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE CONTRATUALIZADA EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE CONTRATUALIZADA EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 2006- DEPARTAMENTO DE CONTRATUALIZAÇÃO AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE CONTRATUALIZADA EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS ANÁLISE 2006- VERSÃO FINAL DO RELATÓRIO DE ATIVIDADES APÓS ANÁLISE E REVISÃO PELO DC DAS RECLAMAÇÕES

Leia mais

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs UCF da ULS de Castelo Branco 25º aniversário das UCFs Coimbra, 19 de junho de 2015 Área geográfica da ULS COMPOSIÇÃO Coordenador - Dr. Carlos Rodrigues Vertente Materna e Neonatal Vertente Criança e Adolescente

Leia mais

José Biscaia USF São Julião

José Biscaia USF São Julião Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa José Biscaia USF São Julião Patrocínio: Patrocinadores Globais O Centro de

Leia mais

A Farmácia em Portugal

A Farmácia em Portugal A Farmácia em Portugal Degradação do Preço do Medicamento: Ameaça à Saúde Pública? Humberto Martins VI Reunião Anual da Revista Portuguesa de Farmacoterapia Controvérsias com Medicamentos 31 de Maio de

Leia mais

USF GLOBAL GUIA DO UTENTE. Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de Guia do Utente Pág.

USF GLOBAL GUIA DO UTENTE. Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de Guia do Utente Pág. USF GLOBAL GUIA DO UTENTE Em vigor: 2016 Última revisão: março de 2016 Próxima revisão: agosto de 2016 Guia do Utente Pág.1 USF GLOBAL LOCALIZAÇÃO E CONTACTOS USF GLOBAL (Sede): Centro de Saúde da Nazaré,

Leia mais

UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDEIXA

UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDEIXA ACES Baixo Mondego ARS Centro, IP UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDEIXA Relatório de Atividades 2012 Fevereiro de 2013 Relatório de Atividades 2012 1 Índice Introdução... 4 1. Caracterização da USF. 5 1.1.

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

Movimento. Assistencial das. Unidades de Saúde. Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento. Paula Cunha NEP-Estatística

Movimento. Assistencial das. Unidades de Saúde. Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento. Paula Cunha NEP-Estatística 2013 Movimento Assistencial das Unidades de Saúde Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento Paula Cunha NEP-Estatística Ficha Técnica Título Movimento Assistencial das Unidades de

Leia mais

Resumo Curricular Ana Vanessa R. A. Antunes

Resumo Curricular Ana Vanessa R. A. Antunes Resumo Curricular Ana Vanessa R. A. Antunes Data de Nascimento: 16/12/1980, Lisboa, Portugal Email: vantunes@uatlantica.pt Fevereiro.2016 FORMAÇÃO Doutoramento em Saúde Pública, especialidade em Política

Leia mais

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier 5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal Bilhota Xavier 1 Constituição Pediatras: 8 (3 área neonatal; 1 genética) Obstetras: 4 Cardiologista

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA CONTRATUALIZAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA CONTRATUALIZAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA CONTRATUALIZAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIAR (USF) E UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS (UCSP) ANO 2012 Departamento de Planeamento e Contratualização,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE 7004-(22) Diário da República, 1.ª série N.º 252 30 de dezembro de 2013 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n.º 377-A/2013 de 30 de dezembro A reforma dos Cuidados de Saúde Primários, iniciada

Leia mais

Caracterização da Região Alentejo

Caracterização da Região Alentejo Reunião Plenária da Comissão Nacional com as Comissões Regionais da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente, e com as Autoridades de Saúde das Regiões Autónomas. Um contributo para a definição de

Leia mais

USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa

USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa Reforma sns s Transversal a toda a Europa Objectivo: garantir prestação de cuidados

Leia mais

ffio,r r*1- usfrfrü -h unld.frjr ú' n.ruüì: J'.rrnilu. REGULAMENTO INTERNO 5T' USF.VIRIATO 'Y'**r:ïl:j:l"1":* -rl r- \ $nji"ïíio 'too

ffio,r r*1- usfrfrü -h unld.frjr ú' n.ruüì: J'.rrnilu. REGULAMENTO INTERNO 5T' USF.VIRIATO 'Y'**r:ïl:j:l1:* -rl r- \ $njiïíio 'too ffio,r 'Y'**r:ïl:j:l"1":* $nji"ïíio 'too REGULAMENTO INTERNO USF.VIRIATO -rl r- \,,I I 5T' \ r*1- usfrfrü -h unld.frjr ú' n.ruüì: J'.rrnilu. Viseu, 20'de fevereiro 2015 Índice LISTA DE ABREVIATURAS...

Leia mais

12 DE DEZEMBRO Eleições Mandato

12 DE DEZEMBRO Eleições Mandato 12 DE DEZEMBRO 2011 Eleições Mandato 2012-2015 E L E I Ç Õ E S Editorial Cara(o) Colega, E L E I Ç Õ E S Sumário 12 DE DEZEMBRO 2011 Eleições Mandato 2012-2015 Sumário 3 Informações relativas ao acto

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

1ª JORNADAS DA QUALIDADE INEM A EXPERIÊNCIA DA ACREDITAÇÃO SEGUNDO MODELO NACIONAL ACREDITAÇÃO EM SAÚDE- DGS/ACSA DA USF VALONGO

1ª JORNADAS DA QUALIDADE INEM A EXPERIÊNCIA DA ACREDITAÇÃO SEGUNDO MODELO NACIONAL ACREDITAÇÃO EM SAÚDE- DGS/ACSA DA USF VALONGO 1ª JORNADAS DA QUALIDADE INEM A EXPERIÊNCIA DA ACREDITAÇÃO SEGUNDO MODELO NACIONAL ACREDITAÇÃO EM SAÚDE- DGS/ACSA DA USF VALONGO Margarida Abreu Aguiar Médica Coordenadora da USF Valongo PERGUNTAS A RESPONDER

Leia mais

Carta da Qualidade. USF Ponte. maio 2012

Carta da Qualidade. USF Ponte. maio 2012 Carta da Qualidade 2012 2015 USF Ponte maio 2012 1 1.IDENTIFICAÇÃO Da USF Unidade de Saúde Familiar Ponte Rua Reitor Joaquim Augusto Maciel Ribeiro Torres Ponte 4805-273 Ponte - GMR Telefone: 253479170

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO. Administração Regional de Saúde do Norte IP. ACES Baixo Tâmega MODELO B

PLANO DE ACÇÃO. Administração Regional de Saúde do Norte IP. ACES Baixo Tâmega MODELO B Administração Regional de Saúde do Norte IP ACES Baixo Tâmega MODELO B PLANO DE ACÇÃO 2011/2013 A vida é breve, a arte longa, a ocasião fugaz, a experiência perigosa, o juízo difícil Aforismos - Corpus

Leia mais

Manual delta.online. Barómetro de Ideias

Manual delta.online. Barómetro de Ideias Página 1 Índice O nome delta.online...1 Login...2 Perfis de utilização...3 Menus...4 Impressão ou exportação...4 Filtros...5 Quadros globais...7 Ordenação de resultados...8 Filtros unidades observação...9

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção Plano de Acção 2014-2016 Aprovado em Conselho Geral Lisboa, 15 de Abril de 2014 ACES Lisboa Ocidental e Oeiras ARSLVT-IP Ministério da Saúde 1 Unidade de Saúde Familiar Descobertas Rua Fernão Mendes Pinto

Leia mais

25 ATIVIDADE LOCAL ÓRGÃO

25 ATIVIDADE LOCAL ÓRGÃO 25 ATIVIDADE LOCAL ÓRGÃO SEG 16H ÀS 20H ABETURA OFICIAL DA IV SEMANA DO BEBÊ DE BELÉM Ginásio da UEPA Almirante Barroso Coordenação Geral 10H ÀS 11:30 A importância do conhecimento acerca da sexualidade

Leia mais

Economia Não Registada: conceitos, causas, dimensão, implicações e o caso português. ÓSCAR AFONSO

Economia Não Registada: conceitos, causas, dimensão, implicações e o caso português. ÓSCAR AFONSO Economia Não Registada: conceitos, causas, dimensão, implicações e o caso português ÓSCAR AFONSO (oafonso@fep.up.pt) Nota Prévia O Observatório de Economia e Gestão de Fraude (OBEGEF) constituiu-se no

Leia mais

(A Reforma d )Os Cuidados de Saúde Primários em Portugal

(A Reforma d )Os Cuidados de Saúde Primários em Portugal III Jornadas sobre Contratualização em CSP do Algarve - Participação, - Compromisso - e Alinhamento (A Reforma d )Os Cuidados de Saúde Primários em Portugal Henrique Botelho Coordenador Nacional para a

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. \ RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS 1 2 Índice 1. Introdução 6 2. Actividade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

A crise e a saúde em Portugal

A crise e a saúde em Portugal A crise e a saúde em Portugal Jorge Simões Lisboa, 29 de Novembro de 2013 1 Agenda 1. Contexto político, demográfico e económico 2. Política de saúde recente 3. Desempenho do sistema 2 Agenda 1. Contexto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS HOSPITALARES PARA RECONHECIMENTO DE IDONEIDADE E FIXAÇÃO DA CAPACIDADE FORMATIVA PARA A ÁREA PROFISSIONAL DE

CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS HOSPITALARES PARA RECONHECIMENTO DE IDONEIDADE E FIXAÇÃO DA CAPACIDADE FORMATIVA PARA A ÁREA PROFISSIONAL DE Este documento deve ser enviado pelo Director do Internato Médico à Comissão Regional do Internato Médico até 1 de Março. Conselho Nacional do Internato Médico CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS HOSPITALARES

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax:

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax: CARTAA DE QUALIDADE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PORTA DO SOL Praceta Recarei de Cima, 56 4465-339 Leça do Balio, Matosinhos Telefone: 220969178; Fax: 220969179 e-mail: usf.portadosol@ulsm.min-saude.pt Horário

Leia mais

C O N T R A T U A L I Z A Ç Ã O C O M A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S P A R A

C O N T R A T U A L I Z A Ç Ã O C O M A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S P A R A MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIAS DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE C O N T R A T U A L I Z A Ç Ã O C O M A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S P A R A

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS Assunto: Processo de desmaterialização da referenciação para Urgência reforço de procedimento Para: Administrações Regionais de Saúde (ARS), Hospitais

Leia mais

USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária

USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária [Ano] USF Serra da Lousã Manual de Visitação Domiciliária Elaborado por: João Fernandes; João Rodrigues; Luísa Ramos Revisto por: Carlos Neves; Joana Fernandes Revisão: 2019 Índice Índice de figuras...

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios 18.02.2015 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente macroeconómico?

Leia mais

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas Sumário Executivo Estudo Sobre a Concorrência no Sector das Análises Clínicas Sendo uma das atribuições da Entidades Reguladora da Saúde (ERS), nos termos do art. 6.º n.º 2 al. b) do Decreto-Lei n.º 309/2003,

Leia mais

CAPÍTULO VI SAÚDE 54

CAPÍTULO VI SAÚDE 54 CAPÍTULO VI SAÚDE 54 Toxicodependência Número de Toxicodependentes por Sexo e Escalão Etário em Acompanhamento no CAT Escalão Etário Masculino Feminino % Total 0-14 anos 0 0 0 0 15-29 anos 2 3 1,2 5 20-24

Leia mais

Aborto factos, números e questões

Aborto factos, números e questões Aborto factos, números e questões Lisboa, 14 de maio de 2012 Gabinete de Estudos da FPV Coordenação Francisco Vilhena da Cunha Contexto demográfico Dos referendos à Lei 16/2007 A realidade do aborto em

Leia mais

Guia do Utente PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE

Guia do Utente PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE Avª Afonso III, Lote 1 100-0 Lisboa T. 21 810 10 10 Fax. 21 812 21 Transportes públicos: Carris 42 e 18 A paragem é em frente á USF. PELA SUA SAÚDE! QUEREMOS QUE TENHA ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE

Leia mais

PERSPETIVAS REGIONAIS NA SAÚDE MATERNA, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PERSPETIVAS REGIONAIS NA SAÚDE MATERNA, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CRSMCA ARS Norte PERSPETIVAS REGIONAIS NA SAÚDE MATERNA, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE AMEAÇAS CONSTRANGIMENTOS PROGRESSOS OPORTUNIDADES Composição 2 Dr. Luís Castanheira Nunes Presidente do Conselho Diretivo

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente macroeconómico? a)

Leia mais

O Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) enquanto Organismo Intermédio do PO APMC na Tipologia de Operação 1.2

O Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) enquanto Organismo Intermédio do PO APMC na Tipologia de Operação 1.2 Agenda 1 2 3 4 5 6 Breve apresentação do Fundo Europeu de Auxílio Europeu às Pessoas Mais Carenciadas (FEAC) e do Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (PO APMC) O Instituto da Segurança

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

ARS CENTRO ACES Dão Lafões UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR MONTEMURO REGULAMENTO INTERNO

ARS CENTRO ACES Dão Lafões UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR MONTEMURO REGULAMENTO INTERNO ARS CENTRO ACES Dão Lafões UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR MONTEMURO REGULAMENTO INTERNO Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, 3600-180 Castro Daire Telefone: 232 319182 Fax: 232 319187 Endereço eletrónico: usfmontemuro@srsviseu.min-saude.pt

Leia mais

Estás grávida? Podemos ajudar-te.

Estás grávida? Podemos ajudar-te. Estás grávida? Podemos ajudar-te. QUEM SOMOS? O Apoio à Vida é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) nascida em 1998 com a finalidade de ajudar, acolher e formar adolescentes e mulheres

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

ACES ALMADA - SEIXAL. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES ALMADA - SEIXAL. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ALMADA - SEIXAL Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 20-07-205 Índice. Introdução... 2 2. ACES 9 Almada - Seixal... 2 2.. População Residente... 2 2.2. Indicadores

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 INDICE 1. Caracterização da unidade 1.1 Localização, características, enquadramento 1.2 Recursos disponíveis 1.2.1 Recursos físicos 1.2.2 Recursos materiais 1.2.3 Recursos

Leia mais

Octavas Jornadas sobre Mercado de Trabajo y Equidad en Argentina. A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos

Octavas Jornadas sobre Mercado de Trabajo y Equidad en Argentina. A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos Fernando Gaiger Silveira IPEA/Brasil Buenos Aires, 13 de agosto de 2010 A desigualdade da renda no Brasil diminui de modo

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

Maria Henriqueta Figueiredo Formação, Práticas, Experiências e Desafios à Enfermagem de Saúde Familiar

Maria Henriqueta Figueiredo Formação, Práticas, Experiências e Desafios à Enfermagem de Saúde Familiar Maria Henriqueta Figueiredo Henriqueta@esenf.pt Formação, Práticas, Experiências e Desafios à Enfermagem de Saúde Familiar SÉC XXI Enfermagem de Saúde Familiar Programa Formativo da Especialidade de Enfermagem

Leia mais

Natalidade e Mortalidade Perinatal

Natalidade e Mortalidade Perinatal Natalidade e Mortalidade Perinatal Seminário do Observatório rio sobre Envelhecimento e Natalidade Teresa Tome, Maio 2012 Definições Taxa de natalidade nº de nascimentos por 1000 Expectativa de vida ao

Leia mais

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Administração Regional de Saúde do Centro, I.P. www.arscentro.min-saude.pt I. ENQUADRAMENTO MISSÃO: Garantir à população o acesso à prestação

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2011

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2011 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2011 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS Índice 1. Introdução 4 2. Actividade Geral

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas Taxas Contributivas TAXAS CONTRIBUTIVAS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL Trabalhadores em geral 23,75% 34,75% Membros dos órgãos estatutários das pessoas colectivas

Leia mais

Desemprego da Construção em máximo histórico

Desemprego da Construção em máximo histórico Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 62 Agosto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

PLANO DE AÇÃO março de 2012

PLANO DE AÇÃO março de 2012 PLANO DE AÇÃO 2012 1 março de 2012 Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Centro, IP: José Manuel Azenha Tereso (Presidente) Fernando José Ramos Lopes de Almeida (Vogal) Luís Manuel Militão

Leia mais

ACES SINTRA. Planeamento do ACES de Sintra. ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES SINTRA. Planeamento do ACES de Sintra. ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento ACES SINTRA Planeamento do ACES de Sintra ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento 06-203 Índice. Introdução... 3 2. ACES 06 Sintra... 3 2.. População Residente... 3 2.2. Unidades Funcionais... 4 2.3. Recursos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª ALTERA O DECRETO-LEI N.º 91/2009, DE 9 DE ABRIL, REFORÇANDO O REGIME DE PROTECÇÃO NA PARENTALIDADE DO SISTEMA PREVIDENCIAL E DO SUBSISTEMA DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS PARECER SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE PROTECÇÃO NAS EVENTUALIDADES DE INVALIDEZ E VELHICE DOS BENEFICIÁRIOS DO REGIME GERAL DE SEGURANÇA SOCIAL Angra do Heroísmo, 26 de Fevereiro

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N

SIARS ACES LINHA DIRECTA N Sumário: 1- Dúvidas mais frequentes - Médico desconhecido nos indicadores de faturação - Utentes não frequentadores 2- Novos desenvolvimentos - Pasta Saúde Pública - Número de episódios Doenças agudas

Leia mais

UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS

UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS 1 Índice 1. Introdução 6 2. Caracterização da Área Geográfica e População Inscrita 8 3. Carteira Básica de Serviços 10 3.1. Vigilância, Promoção da Saúde e Prevenção

Leia mais

Financiamento: inovação e sustentabilidade

Financiamento: inovação e sustentabilidade Financiamento: inovação e sustentabilidade Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa http://ppbarros.fe.unl.pt Objectivo central: Saúde da população Como? Garantindo que quem

Leia mais

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Ana Sofia Branco, Margarida Silva 14 de Setembro de 2015 Centro de Desenvolvimento Infan@l Diferenças Introdução O avanço da medicina e a melhoria

Leia mais

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P.

Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, I.P. QUAR 2013 I. Enquadramento estratégico O planeamento, pelo IGFCSS, IP, das atividades para 2013 está sujeito aos constrangimentos

Leia mais

ACES LOURES - ODIVELAS

ACES LOURES - ODIVELAS ACES LOURES - ODIVELAS Núcleo de Estudos e Planeamento 01-09-2015 Índice 1. ACES 7 Loures-Odivelas... 2 2. População residente... 2 3. Inscritos... 3 4. Concelho de Odivelas... 4 5. Concelho de Loures...

Leia mais

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI Análise SWOT da RNCCI PONTOS FORTES Convergência de esforços entre a Saúde e Segurança Social, no sentido da implementação de um modelo de intervenção multisectorial (integração da RNCCI no SNS e SS);

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO

PLANO DE ACÇÃO Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Ocidental e Oeiras UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR CONDE DE OEIRAS PLANO DE ACÇÃO 2015-2017 Oeiras, 29 de maio

Leia mais

Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental

Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental Unidade de Saúde Familiar Delta Agrupamento de Centros de Saúde de Oeiras e Lisboa Ocidental Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Ministério da Saúde MISSÃO E VALORES A USF DELTA presta

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais