INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE"

Transcrição

1 PROTOCOLO Entre INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE, instituto público, com sede em Lisboa, na Av. da República, nº 61, representado por José António de Matos Taborda Farinha, na qualidade de Presidente do Conselho de Administração, com os necessários poderes para o acto, adiante abreviadamente designado por IGIF ; e MNI MÉDICOS NA INTERNET, SAÚDE NA INTERNET, S.A., sociedade comercial com sede na Rua de António Bessa Leite, 1430, 2º Dto, Edifício O Porto Bessa Leite Complex, no Porto, Portugal, Pessoa Colectiva n.º , matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o n.º , com o capital social de ,00 euros, representada por Manuel Jorge Vaz da Cunha Guimarães e Paulo César Vaz da Cunha Guimarães, na qualidade de Presidente e Vogal, respectivamente, do Conselho de Administração, com os necessários poderes para o acto, adiante abreviadamente designada por MNI ; Considerando que: a) O IGIF é um instituto público dotado de personalidade jurídica, autonomia administrativa e financeira e património próprio, sujeito à tutela e superintendência do Ministro da Saúde, tendo por missão a coordenação do planeamento e da utilização das tecnologias da informação e da comunicação no âmbito do Serviço Nacional de Saúde (adiante abreviadamente designado por SNS ); b) No âmbito da sua missão, o IGIF tem a responsabilidade de promover a utilização pelas entidades integradas no SNS de produtos e serviços com certificação de qualidade no domínio do uso das tecnologias da informação e da comunicação, bem como de adoptar e Página 1 de 6

2 definir as normas e interfaces a respeitar pelos serviços de informação das instituições e serviços integrados no SNS; c) É prioritário para o Ministério da Saúde proceder à modernização de alguns serviços críticos (nomeadamente serviços de urgência) dos hospitais integrados no SNS, com vista à melhoria da qualidade do serviço prestado aos utentes, assim como à obtenção de ganhos de eficiência quer em termos de gestão de pessoal, quer em termos financeiros; d) A modernização destes serviços passa necessariamente pela implementação de soluções informáticas inovadoras, especialmente desenvolvidas para a área da saúde; e) A MNI é uma sociedade que se dedica, entre outras actividades compreendidas no seu objecto social, à concepção e desenvolvimento de software clínico hospitalar, destinado ao registo da actividade clínica de todos os profissionais da saúde em tempo real; f) De entre o software clínico concebido e desenvolvido pela MNI, destaca-se a linha de produtos ALERT, doravante designados por SOLUÇÕES ALERT ; g) As SOLUÇÕES ALERT integram um conjunto de aplicações informáticas que compreende: A suite de software ALERT -PFH ou ALERT Paper Free Hospital dedicada à informatização global dos ambientes clínicos dos hospitais, a qual, por sua vez, inclui cada uma das seguintes suites de software (nos termos que se descrevem subsequentemente): o ALERT -ER, para Serviços de Urgência; o ALERT -OUTP, para Serviços de Consulta Externa; o ALERT -SR, para Bloco Operatório; o ALERT -INP, para Serviços de Internamento; o ALERT -EHR ou ALERT - Electronic Health Record, o Processo Clínico Electrónico ALERT. A suite de software ALERT -ER, dedicada a Serviços de Urgência, que, por sua vez, inclui os produtos: o ALERT -ERT ou ALERT - Emergency Room Tracking; o ADW ou ALERT Data Warehouse; o ALERT -OBS ou ALERT Observation Room; o AOBSDW ALERT Observações Data Warehouse; o ALERT -S ou ALERT Social; o MANCHESTER. A suite de software ALERT -OUTP, dedicada a Serviços de Consulta Externa, que, por sua vez, inclui os produtos: Página 2 de 6

3 o ALERT -OUTP ou ALERT Outpatient, dedicado à informatização de Serviços de Consulta Externa; o ALERT -OUTPDW, que consiste num data warehouse dedicado à Consulta Externa, A suite de software ALERT -SR, dedicada a Blocos Operatórios, que, por sua vez, inclui os produtos: o ALERT -SR ou ALERT Surgery Room, dedicado à informatização de Blocos Operatórios; o ALERT -SRDW, que consiste num data warehouse dedicado a Blocos Operatórios, A suite de software ALERT -INP ou ALERT Inpatient, dedicada à informatização de Serviços de Internamento, que, por sua vez, inclui os produtos: o ALERT -INP, dedicado à informatização de serviços de internamento; o ALERT -INPDW, que consiste num data warehouse dedicado ao internamento; A suite de software ALERT -EHR ou ALERT - Electronic Health Record, para suporte ao denominado Processo Clínico Electrónico ; h) A MNI já implementou a suite de software ALERT -ER (dedicada a Serviços de Urgência) em onze hospitais do SNS e, bem assim, o produto (programa) MANCHESTER num grupo mais alargado dessas unidades hospitalares; i) A MNI está, desde Agosto de 2004, a implementar a suite de software ALERT -PFH no primeiro hospital a adoptar as SOLUÇÕES ALERT em Portugal; j) Os Conselhos de Administração de diversos hospitais do SNS já manifestaram o seu interesse em adquirir a suite de software ALERT -ER; k) Estes hospitais procuram meios alternativos de financiamento, para concretizar essa vontade de adquirir a suite de software ALERT -ER; l) Com o presente Protocolo, o IGIF pretende obter condições financeiras mais favoráveis para o fornecimento da suite de software ALERT -ER do que aquelas que seriam obtidas caso este fornecimento fosse efectuado de forma isolada, hospital por hospital; m) Com o presente Protocolo, e no pressuposto de as condições nele previstas se verificarem, o IGIF pretende igualmente assegurar a disponibilização gratuita da aplicação ALERT Data Warehouse da suite de software ALERT -ER ao nível das Administrações Regionais de Saúde (ARSs), do Ministério da Saúde e do próprio IGIF, Página 3 de 6

4 É, livremente e de boa fé, celebrado o presente Protocolo, de que os Considerandos supra fazem parte integrante, e que se rege pelas cláusulas seguintes: Cláusula Primeira (Objecto) 1.1. O presente Protocolo visa definir os princípios e condições gerais em que assentará o fornecimento da suite de software ALERT -ER Consideram-se abrangidos pelo presente Protocolo, dele podendo beneficiar, os actuais e futuros hospitais do SNS (adiante conjuntamente designados por Hospitais ) O presente Protocolo visa ainda estabelecer os termos em que aplicação ALERT Data Warehouse (correspondente ao data warehouse da suite de software ALERT -ER) será disponibilizada ao nível das Administrações Regionais de Saúde (ARSs), do IGIF e do Ministério da Saúde sem custos adicionais. CLÁUSULA SEGUNDA (Princípios do Protocolo) 2.1. A aplicação das condições financeiras preferenciais acordadas neste Protocolo pressupõe a formalização, por um número mínimo de 55 (cinquenta e cinco) Hospitais, até 31 de Dezembro de 2006, de contratos de fornecimento de suites de software ALERT -ER (adiante designados Contratos de Fornecimento ) Para efeitos do disposto no número anterior, serão considerados os Contratos de Fornecimento celebrados a partir de 20 de Julho de Os Hospitais que tenham apresentado, a partir de 01 de Julho de 2005, candidaturas no âmbito do programa Saúde XXI com vista à aquisição da suite de sofware ALERT -ER, beneficiarão igualmente das condições financeiras preferenciais previstas no presente Protocolo (ainda que estas sejam diferentes das constantes das referidas candidaturas), desde que verificado o pressuposto previsto no número 2.1. supra. Página 4 de 6

5 2.4. Estas contratualizações referidas no número 2.1. supra deverão ser concretizadas da seguinte forma: 1ª Fase De 20 de Julho de 2005 até 15 de Dezembro de 2005 deverá ser contratualizada a implementação da suite de software ALERT -ER num número mínimo de 15 (quinze) Hospitais. A confirmar-se este objectivo intermédio de contratualizações, serão facturados os valores que estão de acordo com as condições constantes neste Protocolo; 2ª Fase Até 30 de Junho de 2006 deverá ser contratualizada a implementação de pelo menos mais 20 (vinte) suites de software ALERT -ER. A confirmar-se este objectivo intermédio de contratualizações, desde que a esta data tenham já sido contratualizadas 35 (trinta e cinco) suites de software ALERT -ER desde 20 de Julho de 2005, serão facturados os valores que estão de acordo com as condições constantes neste Protocolo; 3ª Fase Até 15 de Dezembro de 2006 deverá ser contratualizada a implementação de pelo menos mais 20 (vinte) suites de software ALERT -ER. A confirmar-se este objectivo de contratualizações, desde que a esta data tenham já sido contratualizadas 55 (cinquenta e cinco) suites de software ALERT -ER desde 20 de Julho de 2005, serão facturados os valores que estão de acordo com as condições constantes neste Protocolo; 2.5. Caso em 31 de Dezembro de 2006 não tenham sido atingidos os objectivos previstos no número 2.4. supra o Protocolo poderá ser renegociado A MNI fornecerá, mediante a concessão da competente licença de uso e da prestação dos correspondentes serviços de análise e instalação de software, a aplicação ALERT Data Warehouse da suite de software ALERT -ER às Administrações Regionais de Saúde, ao IGIF e ao Ministério da Saúde, sem custos adicionais para qualquer destas entidades, desde que sejam contratualizadas implementações de suites de software ALERT -ER em, pelo menos, 35 (trinta e cinco) Hospitais entre 20 de Julho de 2005 e 30 de Junho de Página 5 de 6

6 CLÁUSULA TERCEIRA (Condições Gerais de Fornecimento) As condições gerais a que ficará sujeito o fornecimento de suites de software ALERT -ER ao abrigo do presente Protocolo, constituiem o anexo ao presente documento dele fazendo parte integrante. Feito em Lisboa, no dia de Agosto de 2005, em dois exemplares de igual valor. Pelo IGIF José António de Matos Taborda Farinha Pela MNI Manuel Jorge Vaz da Cunha Guimarães Paulo César Vaz da Cunha Guimarães Página 6 de 6

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

Contrato de Aquisição de Conhecimentos. Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular

Contrato de Aquisição de Conhecimentos. Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular Contrato de Aquisição de Conhecimentos Programa de Investigação Tecnologias Inteligentes de Comunicação Veícular Aveiro, 29 de Abril de 2010 Entre: Brisa Inovação e Tecnologia, S.A., com sede na Quinta

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; PROTOCOLO Entre Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades, pessoa colectiva número 503 902233, com sede em Lisboa, na Avenida de Paris, nº

Leia mais

Protocolo de colaboração entre a ANESPO Associação Nacional do Ensino Profissional e a DBG Gabinete de Aplicações Informáticas, Lda

Protocolo de colaboração entre a ANESPO Associação Nacional do Ensino Profissional e a DBG Gabinete de Aplicações Informáticas, Lda Protocolo de colaboração entre a ANESPO Associação Nacional do Ensino Profissional e a DBG Gabinete de Aplicações Informáticas, Lda Entre: ANESPO Associação Nacional do Ensino Profissional, com sede na

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E DESPORTIVA DA FAP VIA INTRANET- PORTAL DO ANDEBOL Considerando que No âmbito

Leia mais

ADENDA CONTRATO DE ALUGUER DE VIATURA EM SISTEMA CARSHARING N.º

ADENDA CONTRATO DE ALUGUER DE VIATURA EM SISTEMA CARSHARING N.º Original ADENDA CONTRATO DE ALUGUER DE VIATURA EM SISTEMA CARSHARING N.º Que celebram: CARRISTUR Inovação em Transportes Urbanos e Regionais, Sociedade Unipessoal, Limitada, com sede social na Rua 1º de

Leia mais

PROTOCOLO. 1ª - REPSOL PORTUGAL COMERCIO DE PETROLEOS E DERIVADOS, LDA, sociedade

PROTOCOLO. 1ª - REPSOL PORTUGAL COMERCIO DE PETROLEOS E DERIVADOS, LDA, sociedade PROTOCOLO Entre: 1ª - REPSOL PORTUGAL COMERCIO DE PETROLEOS E DERIVADOS, LDA, sociedade por quotas, com o capital social de 43.450.000,01, com sede na Rua Mario Dionisio, nº 2, 2º e 3º andares, 2799-558

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Imperio Bonanca e uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Imperio Bonanca e uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; ~ ~~ PROTOCOLO Entre, Exercito Portugues, pessoa colectiva numero 600 021 610, devidamente representado neste acto pelo Exmo. Senhor Tenente-General Eduardo Manuel de Lima Pinto, na qualidade de Comandante

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS ENFERMEIROS E TOP ATLÂNTICO VIAGENS E TURISMO, S.A.

PROTOCOLO ENTRE A ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS ENFERMEIROS E TOP ATLÂNTICO VIAGENS E TURISMO, S.A. PROTOCOLO ENTRE A ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS ENFERMEIROS E TOP ATLÂNTICO VIAGENS E TURISMO, S.A. A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos associados da ASSOCIAÇÃO CIENTÍFICA DOS

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre Primeira Contraente: Fundação de Serralves, pessoa colectiva de direito privado nº 502266643, instituída pelo Decreto-Lei nº 240-A/89, de 27 de Julho, com sede na

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que:

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que: PROTOCOLO ENTRE PRIMEIRO: MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO, pessoa colectiva de direito público, com o NIPC nº 512 044 040, com sede na Praça Velha, freguesia de Sé, Concelho de Angra do Heroísmo, representado

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO FIEAE FIEAE - Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas ( FIEAE ) 4 de Junho de 2009 Capítulo I ÂMBITO Artigo 1º 1 - O presente regulamento define a tramitação dos procedimentos

Leia mais

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado entre o Ministério da Cultura (MC) e a Radiotelevisão

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Código dos Contratos Públicos

Código dos Contratos Públicos Código dos Contratos Públicos DL 18/2008 (18.01.2008) A que contratos se aplicam as regras da contratação pública As regras da contratação pública previstas no CCP aplicam-se a todo e qualquer contrato

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre UNIVERSIDADE DO MINHO ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO BANCO ESPÍRITO SANTO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. entre UNIVERSIDADE DO MINHO ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO BANCO ESPÍRITO SANTO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO entre UNIVERSIDADE DO MINHO e ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO e BANCO ESPÍRITO SANTO O presente Protocolo insere-se no desenvolvimento das relações do Banco Espírito

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Na prossecução das suas atribuições cabe ao Instituto Português

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ANEXO 1 MINUTA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DA UNIDADE DE ATENDIMENTO DAS PESSOAS SEM ABRIGO DO CAIS DO SODRÉ No quadro da Estratégia PSA da Rede Social de Lisboa A CÂMARA

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:,

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:, Convenção de Mediação Entre: I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º:, contribuinte fiscal n.º:, residente em: ; II. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre: PRIMEIRA: MOVIJOVEM MOBILIDADE JUVENIL, COOPERATIVA DE INTERESSE PÚBLICO DE RESPONSABILIDADE LIMITADA, titular do Cartão de Identificação de Pessoa Colectiva número 502530863,

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO

ACORDO DE COLABORAÇÃO ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE: A AMA, I.P. AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, I.P., adiante designada por AMA, pessoa colectiva n.º 508184509, com sede na Rua Abranches Ferrão, nº 10, 3º G, 1600-001,

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre: EDP Inovação, S.A., com sede na Praça Marquês de Pombal, nº 12, em Lisboa, pessoa colectiva e matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa número 507

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

2012 Plano Actividades

2012 Plano Actividades 2012 Plano Actividades Índice 1. Enquadramento... 2 2. Órgãos Sociais... 4 3. Organograma... 4 4. Recursos Existentes... 6 5. Objectivos Estratégicos, Operacionais e Actividades... 7 1 Plano de Actividades

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES Considerando que: nos termos legais e regulamentares aplicáveis, o FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL, entre outras atribuições,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Acordo Parcelar Específico n.º 02 Entre O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, EPE, E O Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo, EPE Junho de 2015 1 Acordo Parcelar Específico

Leia mais

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág.

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. ÍNDICE PREÂMBULO Pág. 02 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03 CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04 CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. 10 CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Pág. 12 ANEXOS FICHAS DE CANDIDATURA

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA Considerando: A importância do sector do Cinema como vector de dinamização das expressões artísticas e de contribuição para o desenvolvimento

Leia mais

FUNDAÇÃO CIDADE DA AMMAIA

FUNDAÇÃO CIDADE DA AMMAIA FUNDAÇÃO CIDADE DA AMMAIA ESTATUTOS Capítulo Primeiro Natureza, Duração, Sede e Fins Artigo Primeiro Natureza É instituída por Carlos Montez Melancia, Município de Marvão, Universidade de Évora, Francisco

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

AUDIT TRAIL CCHIT SPECIFICATION AND IMPLEMENTATION na ALERT Life Sciences Computing, S.A.

AUDIT TRAIL CCHIT SPECIFICATION AND IMPLEMENTATION na ALERT Life Sciences Computing, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação AUDIT TRAIL CCHIT SPECIFICATION AND IMPLEMENTATION na ALERT Life Sciences Computing, S.A. Relatório

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

A CONTRATUALIZAÇÃO INTERNA FIGUEIRA DA FOZ HOTEL EUROSTARS OASIS PLAZA 19 DE SETEMBRO

A CONTRATUALIZAÇÃO INTERNA FIGUEIRA DA FOZ HOTEL EUROSTARS OASIS PLAZA 19 DE SETEMBRO A CONTRATUALIZAÇÃO INTERNA FIGUEIRA DA FOZ HOTEL EUROSTARS OASIS PLAZA 19 DE SETEMBRO MODERAÇÃO PEDRO BEJA AFONSO Para além de Presidente do Conselho de Administração do Hospital Distrital da Figueira

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Contrato de Assistência Técnica ao Programa pleon

Contrato de Assistência Técnica ao Programa pleon Contrato de Assistência Técnica ao Programa pleon dbgep/99999 Entre: -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC

CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC CONTRATO DE LICENÇA PARA USO DE MARCA PEFC Aos.., dias do mês de... do ano de 200.. Entre: PRIMEIRO: CONSELHO DA FILEIRA FLORESTAL PORTUGUESA, designado por CFFP, pessoa colectiva número, com sede na Rua

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º./XII/2.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º./XII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º./XII/2.ª RECOMENDA AO GOVERNO A REALIZAÇÃO DE UMA AUDITORIA URGENTE, PELO TRIBUNAL DE CONTAS, AO ACORDO DE COOPERAÇÃO CELEBRADO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Ninho de Empresas de Mortágua

Ninho de Empresas de Mortágua mortágua ninho de empresas Ninho de Empresas de Mortágua REGULAMENTO Preâmbulo Inserindo-se numa estratégia de Desenvolvimento do Concelho de Mortágua que dá prioridade ao Crescimento Económico e ao Empreendedorismo,

Leia mais

A Saúde dos Portugueses que caminhos?

A Saúde dos Portugueses que caminhos? A Saúde dos Portugueses que caminhos? APRESENTAÇÃO Universidade A da [CLIENTE] Beira Interior Covilhã, 19.Maio.2007 PAGE 1 AGENDA Serviço Nacional de Saúde Financiamento privado: o caso MultiCare MultiCare

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. E CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. E CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. E CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS Entre: Companhia de Seguros Tranquilidade S.A., com o capital social de 95.000.000 (noventa

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE: A FEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS ASSOCIAÇÕES DE SURDOS (adiante designada abreviadamente por FPAS), Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva no 504 192

Leia mais

Protocolo de Colaboração Entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Setúbal

Protocolo de Colaboração Entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Setúbal Protocolo de Colaboração Entre a Câmara Municipal de Setúbal e a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Setúbal Considerando que: - A Câmara Municipal, no âmbito das suas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO

SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇOS FARMACÊUTICOS SERVIÇO IMUNOHEMOTERAPIA SISTEMA INTEGRADO DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE APOIO CLÍNICO DO CENTRO HOSPITALAR DO BARLAVENTO ALGARVIO SERVIÇO RADIOLOGIA SERVIÇO CENTRAL ESTERILIZAÇÃO

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Anexo 3. Considerando que:

Anexo 3. Considerando que: CONTRATO - MINUTA ACOMPANHAMENTO SOCIAL NA ÁREA DA HABITAÇÃO (CARÊNCIAS HABITACIONAIS), GESTÃO DOS PROCESSOS DO SUBSÍDIO MUNICIPAL AO ARRENDAMENTO, MERCADO SOCIAL DE ARRENDAMENTO E TRATAMENTO, MANUTENÇÃO

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei 54-A/99, de 22 de Fevereiro Lei 162/99, de 14 de Setembro Decreto-Lei 315/2000, de 2 de Dezembro Decreto-Lei 84-A/2002, de 5 de Abril Subgrupo de Apoio

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

CÂMARAMUNICIPALDEAVEIRO PROPOSTA N',...3..12013

CÂMARAMUNICIPALDEAVEIRO PROPOSTA N',...3..12013 CÂMARAMUNICIPALDEAVEIRO PROPOSTA N',...3..12013 TíTULO: Contrato programa entre o Município de Aveiro e a EMA - Estádio Municipal de Aveiro, E.E.M. Considerando: CONSIDERANDO QUE: 1- No passado dia 7/2/2013

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos;

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos; Entre CONTRATO Ordem dos Arquitectos, pessoa colectiva nº 500802025, com sede em Lisboa, na Travessa do Carvalho, nº 23, representada neste acto pelo Presidente do Conselho Directivo Nacional, Arquitecto

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA. Feito em São Tomé, em 30 de Maio de 1992. Pelo Governo da República Portuguesa:

DECLARAÇÃO CONJUNTA. Feito em São Tomé, em 30 de Maio de 1992. Pelo Governo da República Portuguesa: Decreto n.º 2/93 Protocolo de Cooperação no Âmbito da Administração Local entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE Artigo 1.º Objecto A Direcção-Geral da Saúde e a Modelo Continente Hipermercados S.A (adiante Continente ), conferem anualmente,

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto.

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto. ALLIANZ AKTIENGESELLSCHAFT Sede: Koeniginstrasse 28 D 80802 Munique, Alemanha Capital Social: 1.039.462.400,00 euros Matriculada no Registo Comercial B do Tribunal da Comarca de Munique, Alemanha, sob

Leia mais