REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA"

Transcrição

1 REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

2 Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos gerais Art.º 3 - Objectivos Específicos Secção II Das pessoas Art.º 4 - Âmbito pessoal Art.º 5 - Categorias de utentes Art.º 6 - Deveres dos utentes Art.º 7 - Princípios de funcionamento Art.º 8 - Formas de inscrição Art.º 9 - Obrigações pecuniárias dos utentes Capítulo II Organização dos serviços Art.º 10 - Serviços Art.º 11 - Competências Art.º 12 - Recursos Humanos Art.º 13 Director da Área Médica Art.º 14 Coordenador do Serviço de Enfermagem Art.º 15 Outros profissionais Capítulo III Consultas médicas e meios auxiliares de diagnóstico Secção I Consultas no Centro Clínico Art.º 16 Condições específicas de acesso Art.º 17 Formas de marcação de consultas no Centro Clínico Art.º 18 Marcação presencial de consultas Art.º 19 Marcação de consultas por telefone ou via informática Art.º 20 Presenças e horário Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 2

3 Art.º 21 Desmarcação de consultas Art.º 22 Pagamento Secção II Meios auxiliares de diagnóstico no Centro Clínico Art.º 23 Definição Art.º 24 Condições específicas de acesso Secção III Consultas externas de especialidades em médicos convencionados Art.º 25 Médicos convencionados Art.º 26 Outros profissionais de saúde convencionados Art.º 27 Condições específicas de acesso Art.º 28 Custos e pagamento de serviços em regime de convenção Secção IV Meios auxiliares de diagnóstico convencionados Art.º 29 Condições específicas de acesso Secção V Consultas externas em médicos não convencionados Art.º 30 Comparticipações Secção VI Consultas médicas no domicílio Art.º 31 Condições específicas de acesso Art.º 32 Custos e pagamento Capítulo IV Serviços de enfermagem Secção I Serviço de enfermagem no Centro Clínico Art.º 33 Serviços considerados Art.º 34 Marcação e solicitação Art.º 35 Pagamentos Secção II Serviços de enfermagem no domicílio Art.º 36 Condições específicas de acesso Capítulo V Comparticipações Art.º 37 Medicamentos Art.º 38 Próteses, ortoteses, material ortopédico e diversos Art.º 39 Consultas e tratamentos termais Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 3

4 Art.º 40 Medicina da Reprodução Art.º 41 Transporte de doentes Art.º 42 Situações não comparticipadas Art.º 43 Isenção de pagamento de taxas Capítulo VI Disposições finais e transitórias Art.º 44 Funções complementares Art.º 45 Vigência Art.º 46 Revisão e Alterações Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 4

5 Regulamento CAPÍTULO I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1.º Noção e âmbito material O presente Regulamento rege as relações entre os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa (SSCML) e os respectivos utentes, determinando a natureza, forma e meios pelos quais se processam, promovendo a satisfação das necessidades dos seus associados, beneficiários e utilizadores no domínio da assistência médica e psicológica. Art.º 2.º Objectivos gerais São objectivos deste Regulamento, designadamente: a) Facilitar o relacionamento entre os SSCML e os seus utentes; b) Organizar adequadamente a estrutura dos serviços, considerando as necessidades dos utentes; c) Proporcionar a compreensão plena por parte dos utentes dos seus direitos e deveres perante a instituição; d) Promover a qualidade dos serviços prestados. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 5

6 Art.º 3.º Objectivos específicos São objectivos da Área Médica dos SSCML, nomeadamente, o desenvolvimento de actividades nas seguintes áreas: a) Consultas de clínica médica e de especialidade, médico-cirúrgicas e de psicologia; b) Apoio de assistência médica, psicológica, de enfermagem, medicamentosa ou outra, no domicílio, de acordo com o parecer dos Directores da Área Médica e da Área Social; c) Cuidados de enfermagem; d) Exames complementares de diagnóstico; e) Terapêutica médica; f) Terapêutica cirúrgica; g) Outros tipos de terapêutica aconselháveis; h) Criação e posterior acompanhamento da actividade da Farmácia Social. Secção II Das pessoas Art.º 4.º Âmbito pessoal Este Regulamento aplica-se: a) Aos utentes dos SSCML, independentemente da sua qualidade, aferida em conformidade com o disposto nos Estatutos dos SSCML; b) Aos trabalhadores dos SSCML, independentemente do seu vínculo com a instituição; c) Aos membros dos Órgãos Sociais dos SSCML. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 6

7 Art.º 5.º Categorias de utentes 1. São utentes dos SSCML todos aqueles que se relacionem com a associação nos termos previstos no presente Regulamento, beneficiando das actividades e formas de apoio oferecidas. 2. A obtenção da qualidade de utente obriga à observação dos requisitos previstos para o efeito nos termos do art.º 12.º dos Estatutos dos SSCML. 3. A qualidade de utente e os requisitos para a aquisição dessa qualidade são verificados pelos serviços dos SSCML. 4. Em caso de recusa ou limitação do acesso à condição de utente, dispõe o interessado do direito de apresentar reclamação para o Conselho de Administração dos SSCML, que se deverá pronunciar no prazo de 15 dias. 5. Os utentes encontram-se divididos nas categorias adiante indicadas, em conformidade com o disposto nos Estatutos dos SSCML: a) Associados; b) Beneficiários; c) Utilizadores. 6. Para efeitos do presente Regulamento, os sócios honorários e os associados fundadores são utentes equiparados a associados. Art.º 6.º Deveres dos utentes 1. Para efeitos do presente Regulamento, entende-se como deveres dos utentes o conjunto das suas obrigações e comportamentos no relacionamento com os SSCML, respectivos serviços e trabalhadores. 2. São deveres gerais dos utentes, sem prejuízo de outros constantes no Regulamento e nos Estatutos dos SSCML: a) Dever de informação, compreendendo a disponibilização dos dados e elementos necessários aos SSCML para efeitos da prestação de serviços e benefícios, sem prejuízo do direito à privacidade do utente; Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 7

8 b) Dever de colaboração, envolvendo a disponibilidade das partes para a actuação conjunta tendo em vista a qualidade dos serviços; c) Dever de comunicação, dando-se a conhecer mutuamente, entre as partes, as intenções e decisões relevantes; d) Dever de boa-fé, correspondente ao não aproveitamento indevido de prestações e benefícios atribuídos pelos SSCML; e) Dever de zelo, correspondendo à necessidade de actuação cuidada por parte do utente na utilização dos meios e equipamentos dos SSCML, tendo em consideração a sua manutenção, preservação e normal utilização. Art.º 7.º Princípios de funcionamento O funcionamento dos SSCML deve reger-se pelos seguintes princípios gerais: a) Igualdade e equidade, obrigando à distribuição justa e adequada dos benefícios entre os utentes dos SSCML, em função das suas situações específicas; b) Satisfação, traduzida na adequação entre as necessidades manifestadas e as actividades e benefícios prestados; c) Qualidade, prosseguindo critérios e procedimentos conducentes à excelência e irrepreensibilidade dos serviços prestados; d) Economia processual, correspondendo a exigência de um número mínimo de procedimentos administrativos prévios à efectivação dos benefícios a prestar. Art.º 8.º Formas de inscrição 1. A formalização da inscrição nos SSCML é imprescindível para efeitos de fruição dos benefícios prestados nos termos do presente Regulamento. 2. A inscrição efectiva-se mediante preenchimento de ficha em modelo próprio. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 8

9 3. A demonstração da qualidade de utente efectua-se pela apresentação de cartão individual disponibilizado pelos SSCML. Art.º 9.º Obrigações pecuniárias dos utentes 1. As obrigações de natureza pecuniária a cumprir pelos utentes nos termos dos Estatutos dos SSCML e do presente Regulamento, devem ser satisfeitas nos prazos indicados para o efeito pelos serviços, sem o que os utentes perdem os direitos que lhes assistem. 2. A existência de dívidas dos utentes em relação aos SSCML é sempre fundamento bastante para a não prestação de serviços aos mesmos. CAPÍTULO II Organização dos serviços Art.º 10.º Serviços A Área Médica dos SSCML é constituída pelos seguintes serviços: a) Medicina e Cirurgia; b) Enfermagem. Art.º 11.º Competências 1. São competências do Serviço de Medicina e Cirurgia: a) Consultas de clínica médica; b) Consultas de clínica cirúrgica; Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 9

10 c) Consultas de nutrição; d) Consultas de psicologia; e) Intervenções cirúrgicas; f) Exames complementares de diagnóstico; g) Apoio domiciliário, nos termos da alínea b), do artigo 3.º. 2. São competências do Serviço de Enfermagem: a) Actos de enfermagem; b) Apoio a actos médicos e cirúrgicos; c) Vacinação; d) Rastreios; e) Apoio domiciliário, nos termos da alínea b, do artigo 3.º. Art.º 12.º Recursos Humanos 1. Constituem os Recursos Humanos da Área Médica dos SSCML: a) Serviço de Medicina e Cirurgia: i. Médicos; ii. Nutricionistas; iii. Psicólogos; iv. Técnicos auxiliares de diagnóstico. b) Serviço de Enfermagem: i. Enfermeiros; ii. Auxiliares de acção médica. c) Administrativos. 2. Podem ser celebradas Convenções e Protocolos com pessoas e/ou entidades de reconhecida competência técnica no âmbito de actuação da Área Médica dos SSCML. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 10

11 Art.º 13.º Director da Área Médica 1. As funções de Director da Área Médica dos SSCML só podem ser exercidas por médico devidamente habilitado. 2. Compete, em geral, ao Director da Área Médica dos SSCML assegurar a Direcção Clínica. 3. São, ainda, competências específicas do Director da Área Médica dos SSCML, nomeadamente, as seguintes: a) Dirigir e coordenar a Área Médica; b) Coordenar a elaboração dos planos de actividade e a sua respectiva avaliação; c) Propor ao Conselho de Administração a nomeação do Coordenador do Serviço de Enfermagem; d) Representar a Área Médica e convocar reuniões; e) Zelar pelo cumprimento das leis, dos regulamentos e das instruções emanadas do Conselho de Administração dos SSCML; f) Propor ao Conselho de Administração dos SSCML o quadro de médicos, de nutricionistas, de psicólogos, de enfermeiros, de técnicos auxiliares de diagnóstico, de auxiliares de acção médica e de administrativos; g) Propor ao Conselho de Administração dos SSCML a celebração de Convenções previstas no artigo 5.º, n.º 2; h) Promover a elaboração do Relatório Anual e de Actividades da Área Médica e apresentá-lo ao Conselho de Administração dos SSCML, até ao final do mês de Fevereiro de cada ano; i) Propor ao Conselho de Administração dos SSCML, nos termos do artigo 12.º, alterações ao presente Regulamento. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 11

12 4. O Director da Área Médica é nomeado pelo Conselho de Administração, nos termos do artigo 34.º, alínea l) dos Estatutos dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa. Art.º 14.º Coordenador do Serviço de Enfermagem 1. As funções de Coordenador do Serviço de Enfermagem só podem ser exercidas por enfermeiro devidamente habilitado. 2. Compete, em geral, ao Coordenador do Serviço de Enfermagem, a coordenação, o acompanhamento e o controlo das respectivas actividades. 3. São ainda competências específicas do Coordenador do Serviço de Enfermagem, nomeadamente, as seguintes: a) Coordenar a elaboração dos planos de actividade, bem como a sua respectiva avaliação; b) Coordenar todas as actividades do Serviço; c) Zelar pelo cumprimento das normas e regulamentos aplicáveis no respectivo Serviço; d) Propor, ao Director Clínico dos SSCML, o quadro de enfermeiros e de auxiliares de acção médica; e) Propor, ao Director Clínico dos SSCML, a celebração de Convenções e Protocolos previstos no artigo 5.º, n.º 2 do presente Regulamento. Art.º 15.º Outros profissionais Os médicos, nutricionistas, psicólogos, enfermeiros, técnicos auxiliares de diagnóstico e auxiliares de acção médica, exercem as funções, inerentes às suas qualificações profissionais, de acordo com as orientações do Director Clínico e do Coordenador do Serviço de Enfermagem, respectivamente. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 12

13 CAPÍTULO III Consultas médicas e meios auxiliares de diagnóstico Secção I Consultas no Centro Clínico Art.º 16.º Condições específicas de acesso 1. Podem aceder ao serviço de consultas médicas todos os utentes, mediante a apresentação do cartão dos SSCML. 2. A secretaria pode obstar à marcação da consulta solicitada pelos utentes, por motivos devidamente fundamentados, com possibilidade de reclamação para o Director do Departamento da Área de Saúde e/ou para o Conselho de Administração dos SSCML. 3. Os utentes têm liberdade de escolher, para efeitos de marcação de consulta, os médicos do Centro Clínico. Art.º 17.º Formas de marcação de consultas no Centro Clínico A marcação de consultas no Centro Clínico pode efectivar-se das seguintes formas: a) Presencialmente; b) Por telefone; c) Pela via informática. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 13

14 Art.º 18.º Marcação presencial de consultas 1. A marcação presencial de consultas no Centro Clínico é efectuada na secretaria, mediante a apresentação do cartão de utente dos SSCML. 2. A marcação de consultas pode ser levada a cabo por terceiros, mediante o cumprimento dos requisitos indicados no número anterior. Art.º 19.º Marcação de consultas por telefone ou via informática 1. A marcação de consultas por telefone ou via informática deve ser concluída presencialmente, em momento anterior à consulta, procedendo-se então à apresentação do cartão de utente. 2. No acto de marcação por telefone ou pela via informática, o utente deve obrigatoriamente disponibilizar número de telefone ou morada de correio electrónico, para efeitos de confirmação a efectuar pelos serviços. 3. Em caso da não satisfação das exigências previstas nos números anteriores, o utente perde o direito à marcação da consulta. Art.º 20.º Presenças e horário 1. O utente deve comparecer à consulta na hora prevista para a chamada, que lhe é comunicada no momento da marcação. 2. O utente que não se encontre presente no momento da chamada perde a posição na qual se encontra ordenado na lista de consultas, podendo em casos devidamente justificados ser recolocado no final da mesma. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 14

15 Art.º 21.º Desmarcação de consultas Para efeitos de desmarcação de consulta, deverá o utente contactar a secretaria dos SSCML, presencialmente, por telefone ou pela via informática, até 24 horas antes da realização da consulta. Art.º 22.º Pagamento 1. O pagamento da taxa devida pela consulta deve ocorrer, obrigatoriamente, em momento anterior à hora prevista para a chamada. 2. A taxa devida pela consulta consta da Tabela de Taxas e Comparticipações. 3. O não pagamento da taxa, referida nos números anteriores, tem como consequência a não prestação do serviço. 4. Caso o utente não se apresente à consulta marcada, é devido aos SSCML o valor da taxa correspondente. Secção II Meios auxiliares de diagnóstico no Centro Clínico Art.º 23.º Definição 1. Para os efeitos de aplicação do presente Regulamento, são meios auxiliares de diagnóstico, designadamente, todos aqueles que apoiem e suportem a decisão médica, baseada em boa prática. 2. São, ainda, incluídos neste âmbito outros meios auxiliares de diagnóstico, que pela sua especialização ou por situação clínica específica, careçam de autorização do Director Clínico. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 15

16 3. Todos os meios auxiliares de diagnóstico necessitam obrigatoriamente da correspondente requisição médica. Art.º 24.º Condições específicas de acesso Para efeitos do presente Regulamento, a marcação, desmarcação, presenças, horário e funcionamento dos exames através de meios auxiliares de diagnóstico no Centro Clínico, efectua-se de modo idêntico ao utilizado para as consultas realizadas no Centro Clínico. Secção III Consultas externas de especialidades em médicos convencionados Art.º 25.º Médicos convencionados 1. Por convencionados entendem-se os médicos que, desenvolvendo a sua actividade em local diverso do Centro Clínico dos SSCML, têm com estes contrato de convenção. 2. A lista de convencionados e respectivos consultórios deve ser publicada autonomamente e colocada ao dispor dos utentes. Art.º 26.º Outros profissionais de saúde convencionados 1. São considerados, para efeitos do presente Regulamento, outros profissionais de saúde convencionados, psicólogos, nutricionistas ou outros que, desenvolvendo a sua actividade em local diverso do Centro Clínico dos SSCML, têm com estes contrato de convenção. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 16

17 2. A lista de profissionais de saúde convencionados descritos nos termos do número anterior e respectivos locais de atendimento, consta em anexo ao presente Regulamento, devendo ser publicada autonomamente e colocada ao dispor dos utentes. Art.º 27.º Condições específicas de acesso A marcação da consulta deverá ser levada a cabo pelo utente junto do médico por si escolhido que informará o utente da data e hora da mesma. Art.º 28.º Custos e pagamento de serviços em regime de convenção 1. Os custos da taxa para consultas de especialidade devem ser liquidados na secretaria dos SSCML, previamente à marcação da consulta. 2. Após o cumprimento do disposto no número anterior, a secretaria dos SSCML emitirá a credencial a entregar no momento da consulta. 3. O prazo de validade da credencial é de trinta dias. 4. O valor da taxa é fixado anualmente, constando da Tabela de Taxas e Comparticipações. Secção IV Meios auxiliares de diagnóstico convencionados Art.º 29.º Condições específicas de acesso Para efeitos do presente Regulamento, a marcação, desmarcação, presenças, horário e funcionamento dos exames médicos com recurso a meios auxiliares de diagnóstico em médicos, clínicas e hospitais convencionados, efectua-se de Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 17

18 modo idêntico ao utilizado para as consultas efectuadas em médicos convencionados. Secção V Consultas externas em médicos não convencionados Art.º 30.º Comparticipações 1. Os SSCML comparticipam o recurso a consultas externas em médicos não convencionados da livre escolha do utente. 2. O valor da comparticipação encontra-se fixado na Tabela de Taxas e Comparticipações. 3. O pedido de comparticipação deverá ser efectuado junto da secretaria dos SSCML, mediante o preenchimento de impresso disponibilizado para o efeito. 4. Ao pedido referido no número anterior dever-se-á juntar recibo comprovativo do valor da consulta. 5. O pedido de comparticipação pode ser recusado pela secretaria, por motivos devidamente fundamentados, com possibilidade de recurso para o Director do Departamento da Área de Saúde e / ou para o Conselho de Administração dos SSCML. Secção VI Consultas médicas no domicílio Art.º 31.º Condições específicas de acesso Podem aceder ao serviço de consultas médicas no domicílio todos os utentes dos SSCML, mediante autorização dos Administradores com competência na área médica e na área social. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 18

19 Art.º 32.º Custos e pagamento As consultas médicas no domicílio são pagas de acordo com Tabela de Taxas e Comparticipações. CAPÍTULO IV Serviços de enfermagem Secção I Serviço de enfermagem no Centro Clínico Art.º 33.º Serviços considerados Para efeitos do presente Regulamento, são serviços de enfermagem prestados no Centro Clínico, designadamente: a) Actos de enfermagem; b) Apoio a actos médicos e cirúrgicos; c) Vacinação; d) Rastreios; Art.º 34.º Marcação e solicitação 1. Os utentes que pretendam beneficiar dos serviços de enfermagem referidos nas alíneas a), c) e d) do art.º 33.º, devem dirigir-se directamente ao Serviço de Enfermagem. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 19

20 2. Os utentes serão atendidos por ordem de chegada, sem necessidade de marcação prévia. 3. O serviço de enfermagem é prestado apenas aos utentes que apresentem o cartão dos SSCML. Art.º 35.º Pagamento O serviço de enfermagem no Centro Clínico é gratuito. Secção II Serviços de enfermagem no domicílio Art.º 36.º Condições específicas de acesso Podem aceder ao serviço de enfermagem no domicílio todos os utentes dos SSCML, mediante autorização dos Administradores com competência na área médica e na área social ou em quem eles delegarem. CAPÍTULO V Comparticipações Art.º 37.º Medicamentos 1. Os SSCML atribuem comparticipação, em regime de complementaridade, na aquisição de medicamentos, mediante o cumprimento ordenado dos seguintes requisitos: Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 20

21 a) Apresentação de receita médica; b) Apresentação nas farmácias do cartão da ADSE ou SNS; c) Apresentação nas farmácias do cartão de utente, após o cumprimento do disposto nas alíneas anteriores. 2. O valor da comparticipação encontra-se previsto na Tabela de Taxas e Comparticipações. Art.º 38.º Próteses, ortoteses, material ortopédico e diversos Os SSCML comparticipam, mediante apresentação de prescrição médica, próteses, ortoteses, material ortopédico e material diverso de natureza clínica de acordo com a Tabela de Taxas e Comparticipações. Art.º 39.º Consultas e tratamentos termais Os SSCML comparticipam o acesso a consultas e tratamentos termais, mediante prescrição médica e de acordo com a Tabela de Taxas e Comparticipações. Art.º 40.º Medicina da Reprodução 1. O acesso à consulta de Medicina da Reprodução efectua-se por solicitação do médico, dirigida ao Director Clínico dos SSCML. 2. Os custos decorrentes da consulta e procedimentos médicos subsequentes constam da Tabela de Taxas e Comparticipações. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 21

22 Art.º 41.º Transporte de doentes 1. Os SSCML podem comparticipar despesas de transporte em ambulância sempre que o utente necessite de se deslocar por motivos de cuidados de saúde, com carácter de urgência. 2. O transporte em ambulância no âmbito de planos de tratamento deve ser previamente solicitado, através de requerimento dirigido ao Director Clínico dos SSCML. 2. O pedido de comparticipação é solicitado por requerimento dirigido ao Director Clínico dos SSCML para apreciação. 3. O valor da comparticipação consta da Tabela de Taxas e Comparticipações. Art.º 42.º Situações não comparticipadas Os SSCML não comparticipam consultas ou tratamentos de medicinas naturais ou alternativas, produtos naturais, homeopáticos ou de venda livre, actos médicos ou cirúrgicos do foro estético, de rejuvenescimento e de regularização de peso, actividades de natação, hidroginástica ou similares, e outras actividades físicas. Art.º 43.º Isenção de pagamento de taxas Estão isentos do pagamento de taxas para as consultas de Clínica Geral os utentes pertencentes ao Grupo de Dadores de Sangue dos SSCML. CAPÍTULO VI Disposições finais e transitórias Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 22

23 Art.º 44.º Funções complementares O Director da Área Médica, para além da função referida no artigo 13.º do presente Regulamento, pode exercer actividade médica de acordo com o interesse do Serviço e em condições a definir com o Conselho de Administração. Art.º 45.º Vigência O presente Regulamento entra em vigor no dia 1 de Julho de Art.º 46.º Revisão e alterações A revisão e alterações ao presente Regulamento podem ser propostas, em qualquer momento, pelo Conselho de Administração ou pelo Director da Área Médica dos SSCML, carecendo, as provenientes deste último, da homologação daquele Conselho. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 23

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL O Município de Chaves tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza económica que contribuem

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

Porto de Leixões. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º. (Funções do Provedor)

Porto de Leixões. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º. (Funções do Provedor) Estatuto do Provedor do Cliente do Transporte Marítimo do Porto de Leixões Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Funções do Provedor) 1. O Provedor do Porto de Leixões, adiante designado como Provedor,

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Regulamento de Associados/as. Art. 1º. (Admissão e Recusa de Associados)

Regulamento de Associados/as. Art. 1º. (Admissão e Recusa de Associados) Regulamento de Associados/as Art. 1º (Admissão e Recusa de Associados) 1 Sobre proposta de um associado, qualquer pessoa pode solicitar à Direção a sua admissão como associado da Associação Fermentelense

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro 1 Portaria nº 1102/97 DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro As cooperativas e associações de ensino especial sem fins lucrativos corporizam uma importante experiência educativa e podem constituir um recurso

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 01/03/2010 Edital (apreciação pública) 19/03/2010 Publicado (projecto) no DR II Série, n.º

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA Regulamento de Estágio para Ingresso nas Carreiras do Grupo de Pessoal Técnico Superior, Técnico e de Informática do Quadro de Pessoal da Câmara Municipal de Moura PREÂMBULO Publicado

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES Cláusula 1ª Princípio geral O presente Caderno de Encargos compreende

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Preâmbulo Na perspectiva de garantir a todos os cidadãos a participação solidária em acções de voluntariado, a Lei n.º 71/98,

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE)

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Sob proposta da Directora do CIEP-UE, com parecer favorável da Assembleia de Representantes da Escola de

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O GOVERNO Decreto-Lei nº 6/2010 Que Altera o Decreto Lei n.º 37/2009 Que Institui o Guichet Único. Decreto

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado;

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado; 1. DEFINIÇÃO DE VOLUNTARIADO é o conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção ao

Leia mais

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO INTERNO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE EDITAL (Nº.31/09 Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: Torna público que, em reunião do executivo realizada no dia 11 de Novembro do ano corrente, foi aprovado

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos Estatutos da FDUNL Artigo 1.º Natureza 1. A Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, adiante designada por Faculdade, é uma unidade orgânica da Universidade Nova de Lisboa. 2. A Faculdade é

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DO CAMPEONATO AFRICANO SÉNIOR MASCULINO AFROBASKET/2007 REGULAMENTO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO O Comité Organizador do Campeonato Africano

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial

Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Regulamento de Estágio/Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente. Regulamento

Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente. Regulamento Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Regulamento Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o processo de avaliação do desempenho do pessoal docente a

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros

Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros Secção Regional do Sul Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Objeto e Âmbito 1- O

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO Preâmbulo A qualificação dos farmacêuticos é um requisito fundamental para a sua adequada intervenção no Sistema de Saúde. A maximização da qualidade desta intervenção

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Informação de Custos dos Cuidados de Saúde. Serviço Nacional de Saúde

Informação de Custos dos Cuidados de Saúde. Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa que se pretende que venha a ter abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 Pela Portaria n.º16/2007 de 29 de Março, foi aprovado o regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

Regulamento da Caixa de Compensações S. E.

Regulamento da Caixa de Compensações S. E. Regulamento da Caixa de Compensações S. E. (processos anteriores à entrada em vigor do Decreto Lei n.º 226/2008 de 20 de Novembro) Preâmbulo: A gestão da caixa de compensações é essencial para assegurar

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proponentes: André Caldas, Francisco Rodrigues dos Santos, Gonçalo Carrilho TÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO ARTIGO 1º Âmbito do Regulamento As estruturas, cargos e funções previstos no presente regulamento são válidos apenas

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Nota introdutória No âmbito das novas políticas sociais activas a Junta de Freguesia de Fridão elaborou o Diagnóstico Social da Freguesia. Face à realidade local encontrada

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei da Observação Eleitoral LEI N.º 4/05 De 4 de Julho Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais quer por estrangeiros; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que:

PROTOCOLO ENTRE. Considerando que: PROTOCOLO ENTRE PRIMEIRO: MUNICÍPIO DE ANGRA DO HEROÍSMO, pessoa colectiva de direito público, com o NIPC nº 512 044 040, com sede na Praça Velha, freguesia de Sé, Concelho de Angra do Heroísmo, representado

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015

PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015 PORTARIA Nº 79, 26 DE maio DE 2015 Institui, no âmbito da Autoridade Pública Olímpica APO, o Serviço de Informação ao Cidadão SIC, e revoga a Portaria nº 41, de 2013, que instituíra e disciplinava o Serviço

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Maputo, Maio de 2014 Regulamento do Conselho Pedagógico 2 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Capítulo I Disposições

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I - CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1.º (Constituição e denominação) É constituída uma associação cultural sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais