PROCEDIMENTO DE GESTÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO DE GESTÃO"

Transcrição

1 Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER Cuidados em Situação de Emergência Cuidados de Saúde Administração da Terapêutica Negligência e maus-tratos Descrição de ocorrências 15 LISTA DE REVISÕES EFECTUADAS REVISÃO N.º TIPO DE REVISÃO PÁGINA(S) DATA 0 Elaboração inicial Todas Elaborado por: Aprovado por: Data de aprovação: PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 1

2 Página: 2 de 7 1. OBJECTIVO Este Procedimento de Gestão tem como objectivo definir as metodologias adoptadas e as responsabilidades inerentes à Gestão dos Cuidados Pessoais e Saúde nas respostas sociais de LI e CD da instituição. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Este Procedimento de Gestão aplica-se aos colaboradores e serviços responsáveis pela prestação de cuidados de saúde nestas respostas sociais, nomeadamente nas seguintes acções: Cuidados em Situação de Emergência Administração da Terapêutica e Cuidados de Saúde Negligência e maus-tratos Descrição de ocorrências 3. DEFINIÇÕES Cuidados de Saúde e Administração Terapêutica Regras de actuação relativas à prestação de cuidados de saúde e de enfermagem, acesso a cuidados especiais de saúde, apoio no cumprimento dos planos individuais de medicação e de acompanhamento médico (quando aplicável), bem como regras de actuação em situação de emergência. 4. REFERÊNCIAS NP E ISO 9001:2008 Legislação Aplicável 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 5.1. Cuidados em Situação de Emergência a) As situações globais de emergência, passíveis de ocorrência e a forma de actuação prevista constam no Manual de Primeiros Socorros, Mod. o qual estará disponível além do gabinete de enfermagem, na PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 2

3 Página: 3 de 7 sala das Ajudantes de lar e Centro de dia, bem como na despensa junto à cozinha que estão disponíveis para consulta. b) Para cada cliente a Equipa de Enfermagem identifica, aquando da avaliação diagnóstica, as condições gerais as eventuais situações de emergência passíveis de ocorrerem com os clientes, os procedimentos a adoptar e os contactos a efetuar, estando estas informações disponíveis em Plano de Cuidados de Saúde, Mod.. c) Os colaboradores da instituição têm conhecimento de como proceder no âmbito dos primeiros socorros e nos casos de situação de emergência relativas às instalações, sendo estas trabalhadas no âmbito das formações e simulações desenvolvidas. d) Os conteúdos das caixas de primeiros-socorros encontra-se definido no manual de primeiros-socorros, sendo que a monitorização deste conteúdo, nomeadamente quantidades e datas de validade é assegurada pela Equipa de Enfermagem no impresso Registo de Conteúdo da Caixa de primeirossocorros, Mod., o qual é verificado, no mínimo semestralmente Cuidados de Saúde É realizada a Avaliação Inicial de Enfermagem, Mod. aquando da admissão do utente, em função da disponibilidade da própria e da Equipa, sendo realizada no máximo no prazo máximo de dois dias úteis após a sua entrada. a) Os cuidados de saúde são definidos de acordo com a situação concreta e o diagnóstico de cada utente, sendo prestados de acordo com o estabelecido no Plano Individual. b) Na ERI e CD, estes compreendem: Prestação de cuidados clínicos e de enfermagem; Acesso a cuidados especiais e de saúde; Identificação da necessidade de cuidados de reabilitação. Caso seja identificada esta necessidade a Equipa de Enfermagem avalia com o cliente/responsável se o mesmo tem interesse/disponibilidade de contratualizar este serviço a nível particular, com base no acordo que existe com a entidade prestadora deste serviço. Caso se verifique esta intervenção no âmbito da reabilitação, a Equipa de Enfermagem articulará com aqueles profissionais no sentido de assegurarem. A Equipa de Enfermagem regista as alterações necessidades. PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 3

4 Página: 4 de 7 Apoio na execução dos planos individuais e de saúde, como sejam, as consultas médicas regulares (internas e de especialidade externas). c) Em função da situação clínica de cada utente, a Diretora Técnica promove a articulação entre os cuidados de saúde específicos a prestar pela instituição e pelos Serviços externos. Esta articulação é operacionalizada pela Enfermeira que, em colaboração com a DT elaboram o Plano Semanal de Consultas/Exames, Mod.. Sempre que se verificar uma saída para uma consulta ou exame, é preenchido o Registo de Acompanhamento a Unidades de Saúde, Mod. execto quando não acompanhado ou quando acompanhado por familiar/responsável. Os modelos estão afixados no Gabinete de Enfermagem e na sala das AlD,. Caso o utente esteja não esteja isento das taxas moderadoras, tal deve ser assinalado no calendário em campo observações. d) Sempre que se verifique uma alteração ao mapa de consultas esta é comunicada pela EE aos Serviços Administrativos. Ao longo do acompanhamento do utente neste âmbito, a enfermeira regista no Consultas Médicas Internas, Mod. as observações prévias às consultas (internas) que faz dos utentes. Neste modelo são também registados os resultados das consultas. c) Todos os cuidados pessoais e de saúde estão identificados nos Planos Individuais. c) No âmbito dos cuidados referidos, é realizado pela Enfermeira o controlo dos sinais vitais o qual é registado no Registo de tensão arterial, Mod. E posteriormente no Registo de Saúde, Mod., que é arquivado no processo individual do utente, no final do mês. Sempre que for identificada esta necessidade pelo enfermeiro, é realizado o tratamento de feridas, o qual é registado na Folha de Tratamento de Feridas, Mod., a qual é arquivada mensalmente no processo individual do utente. É realizada pela Enfermeira em simultâneo a Relação de Tratamento de Feridas e Consultas Médicas, Mod., o qual é entregue no final do mês nos serviços administrativos para que a Direção possa avaliar o n.º de atividades realizadas no âmbito da saúde. PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 4

5 Página: 5 de 7 O Enfermeiro regista nas Notas de Enfermagem, Mod. todas as informações relevantes relativas aos utentes no âmbito da prestação de cuidados de saúde, sendo este o instrumento privilegiado de comunicação entre os profissionais de Enfermagem. Estes registos devem ser consultados e rubricada a tomada de conhecimento por todos os enfermeiros nos respetivos turnos de intervenção Administração da terapêutica No caso de clientes autónomos, isto e, que assumem a gestão da sua terapêutica, os mesmos, assinam à entrada na instituição um Termo de Responsabilidade pela Gestão Terapêutica, mod.. Esta condição mantém-se até que seja sinalizada pelo próprio/responsável ou pela equipa técnica a necessidade desta gestão passar para a instituição. A responsabilidade pela gestão da terapêutica, enquanto serviço contratualizado na instituição, cabe à equipa de enfermagem. Na ausência desta e da Encarregada Geral, será definido um responsável de turno que assegura todas as condições para uma boa prestação do serviço. Esta atribuição é feita aquando da definição dos horários de serviço. Medicação pontual. Plano e Registo de Medicação Pontual, Mod.. No caso de necessidade de administração de medicação SOS, esta medicação encontra-se identificada na avaliação inicial de enfermagem, Mod. sendo que se sempre que se verificar a necessidade de atualização desta medicação, tal é assegurado pela Equipa de enfermagem na Folha Terapêutica, mod.. A administração é registada no Registo de Terapêutica em SOS, Mod.. Posteriormente a Equipa de Enfermagem transpõe a informação respetiva para o processo de cada cliente. A administração terapêutica pode ser prestada Equipa de Enfermagem ou Ajudante de Lar e Centro de Dia Responsável, de acordo com a caixa doseadora preparada semanalmente pela EE e de acordo com o PI e respetiva Folha terapêutica, Mod.. Esta prescrição é realizada pelo médico da instituição, pelo médico de família e especialistas, sendo arquivada a prescrição no processo de saúde individual do cliente. Sempre que necessário a Equipa de Enfermagem nforma e sensibiliza e forma o cliente e seus responsáveis para as dúvidas que possam haver neste âmbito os procedimentos necessários. O registo desta terapêutica é realizado pela Equipa de Enfermagem e Ajudantes de Lar e CD no Registo de Administração da terapêutica, Mod. Sempre que a toma terminar ou que seja alterada esta terapêutica, a Folha terapêutica, Mod. é revista pela EE. PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 5

6 Página: 6 de 7 Caso se verifique uma ocorrência relacionada com a administração terapêutica, as ajudantes de lar e centro de dia deverão registar no Livro de ocorrências e a Equipa de Enfermagem nas notas de enfermagem. Na ausência da EE, caso se verifique alguma ocorrência de saúde com um cliente, nomeadamente decorrente de eventuais efeitos secundários da administração da terapêutica, a equipa de serviço poderá contactar um dos elementos da Equipa de Enfermagem no sentido desta dar a orientação necessária. A ocorrência bem como o procedimento indicado pela EE são registo no livro de ocorrências. Além deste procedimento, a EE assegura a disponibilidade e acesso dos colaboradores à informação necessária sobre a terapêutica a administrar (p. e., bulas da terapêutica e registo no livro de ocorrências de observações que a EE considere pertinentes relacionadas a com a terapêutica a administrar). k) No caso de terapêutica injetável (intramuscular, subcutânea ou endovenosa), a EE regista no Registo de Administração Injetável, Mod.. Os medicamentos são guardados em local adequado à sua conservação no gabinete de enfermagem, e identificada para cada cliente, em caixas individuais, em armário próprio, apenas acessível a quem realiza a sua administração. O Controlo da quantidade e validade da medicação em stock Stock de terapêutica, Mod., o qual é controlado trimestralmente pela Equipa de Enfermagem. Os medicamentos que necessitam de ser conservados no frio estão assinalados na caixa e estão no frigorífico. Em casos específicos, p.e., no caso dos antibióticos, anti-inflamatórios, gotas oftálmicas, é assinalado pela equipa de Enfermagem a data de abertura e término e nome da pessoa. m) As necessidades de material de saúde, terapêutica para a instituição, bem como terapêutica específica dos clientes são registadas pela EE de Requisição de Terapêutica, Mod.. A EE entrega esta requisição a médico da instituição para a prescrição terapêutica, sendo que posteriormente a EE remeta estas prescrições para a farmácia com a qual a instituição trabalha ou para as farmácias indicadas pelo próprio cliente ou entre aos próprios clientes/seus responsáveis para os próprios adquirirem. Após o envio da medicação para a instituição, a EE, através da cópia do pedido efetuado verifica a conformidade do requisitado face ao produto entregue. Após o envio das faturas pelas farmácias, a EE anexa a fatura ao respetivo destacável da receita e procede à entrega destes documentos na secretaria. Sempre que se verificarem ocorrências de saúde em que o cliente tenha que ser transportado a unidades de saúde externas, na ausência da EE, as ajudantes de lar e CD acompanham os clientes e contactam os familiares. Nas restantes situações é a equipa de enfermagem que assegura estas diligências. PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 6

7 Página: 7 de 7 Sempre que seja necessário encaminhar o cliente para serviços de saúde externos, o acompanhante ou o cliente (em situações em que o mesmo reúna condições mínimas para tal) faz-se acompanhar do documentosíntese de saúde, Mod., o qual contém, identificação do cliente e características do mesmo, bem como outras informações relevantes de saúde. A este documento é anexada a Ficha de Identificação do Utente, bem como a Folha terapêutica, Mod.. Esta informação encontra-se disponível na sala das ajudantes de lar e CD. O processo clínico de cada cliente é constituído pelos Registos Médicos, Mod., registos da equipa de enfermagem e das ALCD (Notas de enfermagem, monitorização de sinais vitais, registos de medicação, ), exames médicos e restante informação de saúde Apoio Psicossocial Uma vez identificada a necessidade de apoio psicossocial por um elemento da Equipa Técnica, este deve articular com a Assistente Social, a qual, depois de avaliar a situação com os restantes elementos da Equipa Técnica, procede às diligências necessárias. Este apoio poderá consistir em prestação de informação ou formação neste âmbito e acompanhamento social. Todas as ações e diligências destas atividades são registadas pela AS no Registo de ocorrências individual Mod. 049 No âmbito do concreto da avaliação e intervenção psicológica, uma vez identificada esta necessidade, a Equipa de Enfermagem assegura a articulação com o médico de família do cliente e/ou diretamente com profissional existente para este âmbito no Centro de Saúde. Dentro do possível, a EE envolvendo a restante Equipa Técnica, procurará definir objetivos de intervenção conjunta e acompanhar os desenvolvimentos no âmbito desta intervenção. Os resultados deste acompanhamento serão registados no Registo de Acompanhamento psicossocial, Mod. de cada cliente, que será arquivado no processo clínico. Negligência, Abusos e Maus Tratos No caso de se verificar qualquer situação que faça suspeitar de um caso de negligência abusou ou maltrato, o intervenientes deverão proceder de acordo com O Manual de Maus Tratos. Mod., sendo registadas todas as diligências No registo de Avaliação de ocorrências. Mod. PGCuiSaude_vs0 Reprodução Proibida sem Autorização 7

PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA

PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA USF FAMALICAO I Procedimento nº 3 Data: Janeiro 2011 PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA Em situações especiais de afluência, horário de atendimento pode ultrapassar o limite superior de

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO

REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO REGULAMENTO NOSSA SENHORA DO MANTO ACORDO DE PARCERIA ENTRE A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA E A UNIÃO DAS MISERICÓRDIAS

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST

Manual de Procedimentos. Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Manual de Procedimentos Volume 9.8 Serviços de Saúde do IST Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Atualização do Documento... 6 Capítulo 1 - Serviços

Leia mais

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e - Front-Office V1.0 Página 1 Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Instruções Gerais... 4 2.1 Acesso... 5 2.1.1 Regras para Aceder

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES P: Que serviços são prestados pela DAG/RP? R: Um dos principais serviços que presta é a divulgação de eventos internos e externos, através de suportes e canais vários, prestando,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO maiol2014 Índice Página Preâmbulo... 2 Artigo 1.º - Objetivo e Âmbito... 2 Artigo 2.º - Composição...

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

Enquadramento técnico normativo

Enquadramento técnico normativo Este Guião pretende, por um lado dar visibilidade ao serviço de SAD promovido pelas IPSS, e por outro servir de inspiração para todas as instituições. Não é um documento fechado, antes uma base de trabalho

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia Dentro da Multicare O seu seguro Viva Melhor dá-lhe acesso a uma vasta lista de prestigiados médicos, clínicas, laboratórios, de todo o país a custos reduzidos. Pode consultar a lista em www.multicare.pt

Leia mais

A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM)

A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM) A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM) 1. O que é a prescrição electrónica de medicamentos e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de receitas

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade

Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Relatório de Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade Referente ao período de janeiro a dezembro de 2014 Município de Terras de Bouro Elaborado em 29 de janeiro de 2015 janeiro de 2013 MUNICÍPIO DE

Leia mais

I- FIM DO REGULAMENTO II- O ACESSO AOS SERVIÇOS

I- FIM DO REGULAMENTO II- O ACESSO AOS SERVIÇOS I- FIM DO REGULAMENTO Artigo 1º Fim 1- O presente regulamento tem por fim regular os serviços prestados aos utentes na sala de leitura, bem como os serviços de reprodução de documentos do Arquivo Distrital

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

NOTAS ÚTEIS SOBRE O SEGURO ESCOLAR. Ano Lectivo 2012/2013

NOTAS ÚTEIS SOBRE O SEGURO ESCOLAR. Ano Lectivo 2012/2013 NOTAS ÚTEIS SOBRE O SEGURO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 A relação das notas em presença, foi elencada a partir da análise dos inquéritos de acidente escolar e da documentação que se liquida através do

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015 REGULAMENTO Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define as condições de candidatura ao destacamento de docentes para entidades que operam no Sistema Desportivo Regional e regula os procedimentos

Leia mais

Serviços de Apoio Domiciliário

Serviços de Apoio Domiciliário Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina de Jesus Bonfim Sofia Mercês Veiga Serviços de Apoio Domiciliário (Condições de implantação, localização, instalação

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DOS PRATICANTES AMADORES E DOS AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais - Desporto Cultura

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

STAF. Serviço de Apoio a Famílias

STAF. Serviço de Apoio a Famílias STAF Serviço de Apoio a Famílias O Serviço Temporário de Apoio a Famílias O Serviço Temporário de Apoio às Famílias é um serviço privado e destina-se a apoiar famílias de pessoas com deficiência ou incapacidade

Leia mais

HOSPITAL DA SENHORA DA OLIVEIRA GUIMARÃES, EPE. http://www.hguimaraes.min-saude.pt/ REGULAMENTO DE VISITAS

HOSPITAL DA SENHORA DA OLIVEIRA GUIMARÃES, EPE. http://www.hguimaraes.min-saude.pt/ REGULAMENTO DE VISITAS http://www.hguimaraes.min-saude.pt/ REGULAMENTO DE VISITAS PREÂMBULO O presente Regulamento estabelece os princípios gerais em matéria de visitas e aplica-se a todos os serviços de internamento. Divide-se

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte

Regulamento do Arquivo Clínico do Centro Hospitalar do Oeste Norte Centro Hospitalar do Oeste ÂMBITO: Todos os serviços clínicos do Centro Hospitalar do Oeste OBJECTIVOS: Definir as normas de funcionamento do Arquivo Clínico do CHON. RESPONSABILIDADES: Conselho de Administração

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN" 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN" 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de pessoal

Leia mais

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico - 2015-2017 (Anexo X C) Regulamento da Prática Simulada Cursos Vocacionais do Ensino Básico Artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

7. MANUAIS ESCOLARES

7. MANUAIS ESCOLARES Regimento da Ação Social Escolar 7. MANUAIS ESCOLARES O Agrupamento de Escolas DFMM decidiu criar o Passa a Outro, projeto de doação e empréstimo de manuais escolares e livros de apoio, constituindo-se,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS Associação de Futebol da Guarda

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS Associação de Futebol da Guarda MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS Associação de Futebol da Guarda SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS, AGENTES DESPORTIVOS E ÁRBITROS 1- Definições (de acordo com as Condições

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS SEGURO DESPORTIVO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS SEGURO DESPORTIVO MANUAL DE PROCEDIMENTOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS SEGURO DESPORTIVO MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais - Desporto Cultura e Recreio e das Condições Particulares

Leia mais

Banco de MANUAIS ESCOLARES

Banco de MANUAIS ESCOLARES A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S 172 303 MÃES D ÁGUA SEDE - Escola Básica e Secundária Mães d Água REGULAMENTO DO Banco de MANUAIS ESCOLARES 2014/2015 "Cuidar de um livro é não tirar o direito que

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES

GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES Agrupamento de Centros de Saúde Lisboa Central Crescer, evoluir e inovar na busca pela excelência na prestação dos cuidados de saúde. GUIA DE ACOLHIMENTO AOS UTENTES O presente guia tem como objetivo facultar

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO. 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO. 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO CART AXO 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objetivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de

Leia mais

Regimento Interno de Educação Física

Regimento Interno de Educação Física Aspectos Gerais Regimento Interno de Educação Física 2013/14 Ponto 1 - As instalações desportivas destinam-se à realização das aulas de Educação Física e Atividades de Complemento Curricular. Qualquer

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações em Espécie (N27 v4.09) PROPRIEDADE

Leia mais

Regulamento do Seguro Escolar

Regulamento do Seguro Escolar Regulamento do Seguro Escolar O presente documento constitui o Regulamento do Seguro Escolar a estabelecer no Colégio de S. Pedro e tem por base a legislação em vigor, nomeadamente, a Portaria n.º413/99,

Leia mais

Obrigações Patronais

Obrigações Patronais Obrigações Patronais Registo de tempo de trabalho a) Manter, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata, um registo que permita apurar o número de horas de trabalho prestadas pelo

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015 Perfil e Competências Pessoal Não docente Ano Letivo 2014/2015 Introdução A forma de ver e viver na escola dos nossos dias colocou novos desafios à comunidade escolar e levou à necessidade de repensar

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO A Associação Betesda, Esperança e Vida é uma Instituição Particular de

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais