A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM)"

Transcrição

1 A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM) 1. O que é a prescrição electrónica de medicamentos e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de receitas médicas através de aplicações informáticas certificadas pela Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS), ou da sua responsabilidade, e encontra-se regulada na Portaria nº198/2011 de 18 de Maio publicada na I série Diário da República. 2. Quando entra em vigor a prescrição electrónica de medicamentos? A Prescrição electrónica de medicamentos entrou em vigor a 1 de Agosto, tendo em conta o período de transição concedido pela ACSS nos termos definidos na circular ACSS nº 27/2011/CD/STIC, e disponível no sítio da ACSS (Seleccionar Prescrição Electrónica ) e que identifica as datas mais relevantes a ter em conta. Os medicamentos das receitas manuais prescritas até 31 de Julho de 2011 continuam a ser comparticipados após o dia 1 de Agosto de 2011, desde que a receita se encontre dentro do prazo de validade (10 dias para a receita convencional, 6 meses para a receita renovável). 3. Como se processa a emissão da receita electrónica? Através da utilização de uma aplicação informática que conste da lista publicada no site da ACSS (Seleccionar Prescrição Electrónica ) DESTAQUE APLICAÇÕES - Lista de Aplicações Informáticas para a Prescrição Electrónica de Medicamentos. 4. A ACSS disponibiliza algum programa para a prescrição no sector privado? Não. A lista de software que pode ser utilizada está publicada no site da ACSS (ver acima).

2 5. O que devo fazer para prescrever electronicamente? 1. Deve seleccionar uma das aplicações informáticas de prescrição electrónica de medicamentos da lista das aplicações que podem ser utilizadas, e que se encontra no sítio da ACSS (Seleccionar Prescrição Electrónica ) DESTAQUE APLICAÇÕES - Lista de Aplicações Informáticas para a Prescrição Electrónica de Medicamentos. 2. Deve contactar o fabricante para adquirir a aplicação desejada. 3. Deve solicitar a atribuição de um código de local de prescrição (ver questão B.4). B. Acordos de Entidades Utilizadoras 1. O que é uma Entidade Utilizadora? É uma instituição que utiliza uma aplicação informática de prescrição electrónica de medicamentos, portanto um prestador de cuidados de saúde. 2. O que é um Local de Prescrição? É um estabelecimento de saúde ou ou centro de responsabilidade onde são prestados cuidados de saúde a utentes. 3. Porque é que é necessário pedir à ACSS a atribuição do Local de Prescrição? Todas as receitas têm um identificador universal designado Local de Prescrição que identifica todas as entidades descritas no ponto anterior. 4. Como posso pedir um local de prescrição? O local de prescrição é solicitado através do impresso IMP-013 Requerimento - Entidade Utilizadora de produto de software certificado, que deve ser enviado para o endereço No preenchimento deste impresso é necessário identificar qual a solução de prescrição electrónica que pretende utilizar. Para tal deve consultar a lista das aplicações que podem ser utilizadas, no site da ACSS (Seleccionar Prescrição Electrónica ) DESTAQUE APLICAÇÕES - Lista de Aplicações Informáticas para a Prescrição Electrónica de Medicamentos

3 5. Aguardo código de local de prescrição a atribuir pela ACSS. O que devo fazer entretanto? A ACSS enviará os códigos o mais rápido possível: a) se solicitados antes do dia 1 de Agosto o código será enviado durante essa semana; b) os códigos solicitados a partir de 1 de Agosto são atribuídos e enviados num prazo de 72 horas. No intervalo de tempo entre a solicitação de local de prescrição e a respectiva atribuição, o prescritor deve fazer menção à excepção, prevista no nº 2 do artº9 da portaria nº198/2011, utilizado o modelo da receita manual e colocando a palavra EXCEPÇÃO seguida da alínea b), isto é, EXCEPÇÃO b) por debaixo do símbolo do Ministério da Saúde. C. Excepções à regra da prescrição electrónica 1. Caso me encontre abrangido por alguma situação de excepção ao regime da prescrição electrónica devo comunicar tal facto a alguma autoridade? A situação de excepção deve ser identificada pelo Prescritor na receita, sob o logotipo do Ministério da Saúde, através da oposição da palavra EXCEPÇÃO seguida da menção à alínea a que corresponde a situação excepcional a) b) c) ou d) do nº 2 do artº9 da portaria nº198/2011: a) Prescrição no domicílio; b) Em caso de falência do sistema electrónico c) A profissionais com volume de prescrição igual ou inferior a 50 receitas por mês; d) Noutras situações excepcionais, de inadaptação comprovada, precedidas de registo e confirmação na ordem profissional respectiva. Na situação da excepção da alínea d) relativa à inadaptação comprovada do prescritor para a utilização de meios electrónicos, exige a comprovação desta situação, precedida de registo e comprovação da respectiva ordem profissional.

4 2. O limite de 50 receitas por prescritor é para cumprir mensalmente, ou é calculado numa base anual? É para cumprir mensalmente. 3. Na prescrição manual das receitas dentro das excepções previstas na Portaria, que modelo deve ser utilizado? A receita manual deve ser prescrita utilizando o modelo constante do Anexo II da Portaria nº 198/2011, de 18 de Maio, o qual é exclusivo da Imprensa Nacional Casa da Moeda, S.A. 4. Para efeitos da Portaria nº 198/2011, o que considera prescrição no domicílio? É considerada prescrição no domicílio, aquela que é efectuada na residência do utente. 5. Para efeitos da Portaria nº198/2011, o que se considera como falência do sistema electrónico no local de trabalho? Considera-se haver falência do sistema electrónico quando por motivos de força maior e, de natureza alheia ao prescritor, o sistema informático do local de trabalho não permite a emissão de receita electrónica. 6. Para efeitos da Portaria nº198/2011, o que se considera situação excepcional de inadaptação informática? Exige a comprovação desta situação pela respectiva ordem profissional, nos seguintes termos: 1. O prescritor solicita à respectiva Ordem Profissional, nos termos por esta definidos, o atestado de incapacidade para a utilização do software de prescrição electrónica de medicamentos e, 2. Esta situação é confirmada pela respectiva Ordem profissional, sujeita a revalidação anual. 7. Verificando-se uma das situações de excepção prevista no nº2 do art.9º da Portaria a receita manual prescrita confere ao utente o direito à comparticipação do Estado? Sim, desde que a situação de excepção esteja devidamente mencionada na receita manual (ver questão nº C.1.)

5 8. Na prescrição manual continua a ser obrigatória a utilização de vinhetas? Sim. Todos os procedimentos relativos à emissão da receita manual mantêm-se inalterados. 9. As vinhetas médicas continuam a adquirir-se no mesmo local? Sim. Todos os procedimentos relativos à emissão da receita manual mantêm-se inalterados, inclusive o local da respectiva aquisição. 10. Se não estiver abrangido pelas situações de excepção e não quiser ter o programa informático de prescrição electrónica, posso prescrever medicamentos em receita manual? Apenas são comparticipados os medicamentos prescritos em receitas electrónicas, e em receitas manuais nas situações de excepção definidas na portaria 198/2011. D. Regras de Prescrição 1. A que tipo de produtos se aplica a prescrição electrónica? A prescrição electrónica aplica-se a produtos de uso humano sujeitos a receita médica que se destinem a ser comparticipados pelo Estado no seu preço, nomeadamente todos os medicamentos, incluindo medicamentos manipulados e medicamentos contendo estupefacientes ou substâncias psicotrópicas, dispensados em farmácia de oficina e ainda a produtos para o auto-controlo da Diabetes Mellitus e produtos dietéticos. Porém, é possível a prescrição electrónica para todos os produtos, mesmo quando não comparticipados. 2. O médico poderá autorizar na receita electrónica a dispensa de um medicamento genérico? Sim. A decisão do médico prescritor de autorização ou não da dispensa de um medicamento genérico em vez do medicamento prescrito deve ser assinalada no campo da receita previsto para o efeito. O não preenchimento ou o preenchimento simultâneo dos campos relativos à autorização equivalem à concordância com a dispensa do medicamento genérico.

6 3. Qual a validade da receita electrónica? A receita electrónica (não renovável) é válida pelo prazo de 30 dias a contar da data da sua emissão; A receita electrónica renovável é válida por 6 meses contados desde a data de prescrição. 4. As receitas electrónicas podem ser emitidas em triplicado? Podem ser emitidas receitas electrónicas renováveis, que podem conter até três vias, passando o prazo de validade de cada via da receita a ser de seis meses contados desde a data de prescrição. Para tanto, deve ser aposta na receita a indicação «1ªvia», «2ªvia» e ou «3ºvia», conforme os modelos anexos à Portaria nº 198/ Após emissão e impressão de receita electrónica é necessário colocar alguma vinheta referente ao local de prescrição? Não. Na receita electrónica impressa não pode ser apensa uma vinheta do local. Esta vinheta é substituída por um código de barras que garante a identificação do local de prescrição, o que é assegurado pela aplicação certificada em uso pelo prescritor. 6. É necessário proceder à impressão da receita electrónica? Sim. Até que seja concluída a desmaterialização integral do processo de prescrição electrónica, a receita deve ser emitida por meios electrónicos e em seguida impressa em papel. 7. Pode-se escrever na receita electrónica? Não. A receita electrónica, uma vez impressa, tem de ser assinada pelo médico, e essa é a única escrita manual que a receita pode ter, caso contrário será recusada pela farmácia, não sendo por isso comparticipada. E. Impressão 1. A impressão da receita obedece a algum modelo tipo? Sim. O modelo de impressão da receita electrónica consta do anexo I da Portaria nº 198/2011, de 18 de Maio e deve ser feita em papel de cor branca. Actualmente há dois modelos de receita electrónica impressa:

7 a) os que contêm no canto inferior esquerdo a menção ao produto de software, sua versão e nome do fabricante, de acordo com a fig. abaixo: b) e os que contêm a marca da ACSS, com a menção ao produto de software, sua versão e nome do fabricante, e o número do certificado seguido do respectivo ano de certificação, de acordo com a figura seguinte:

8 Anexos Extractos de legislação em vigor: Portaria nº 198/2011 Artigo 9.º Condição de comparticipação 1 Apenas são comparticipados os medicamentos prescritos em receitas electrónicas, sem prejuízo do disposto nos números seguintes. 2 O disposto no número anterior não se aplica: a) À prescrição no domicílio; b) Em caso de falência do sistema electrónico c) A profissionais com volume de prescrição igual ou inferior a 50 receitas por mês; d) Noutras situações excepcionais, de inadaptação comprovada, precedidas de registo e confirmação na ordem profissional respectiva. Despacho nº 3/ Para efeitos da alínea d) do nº2 do artº9 da portaria nº198/2011 a situação de inadaptação verifica-se quando: a) O prescritor solicita à respectiva Ordem Profissional, nos termos por esta definidos, atestanedo incapacidade para a utilização do Software de prescrição electrónica de medicamentos e, b) Esta situação é confirmada pela respectiva Ordem profissional, sujeita a revalidação anual 2- na prescrição manual da receitas no âmbito da excepções previstas no nº 2 do artº9 da portaria nº198/2011 é utilizado o modelo da receita manual 3- A situação de excepção deve ser identificada pelo Prescritor na receita, sob o logotipo do Ministério da Saúde, através da oposição da palavra EXCEPÇÃO seguida da menção à alínea a que corresponde a situação excepcional a) b) c) ou d) do nº 2 do artº9 da portaria nº198/2011

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT 1. O que é a requisição electrónica de MCDT e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de requisições de meios auxiliares

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 70/2011 de 4 de Agosto de 2011

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 70/2011 de 4 de Agosto de 2011 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 70/2011 de 4 de Agosto de 2011 A implementação da prescrição electrónica de medicamentos, seguida da posterior desmaterialização da receita médica, é uma medida constante do

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

Normas técnicas relativas à prescrição de medicamentos e produtos de saúde

Normas técnicas relativas à prescrição de medicamentos e produtos de saúde Normas técnicas relativas à prescrição de medicamentos e produtos de saúde Introdução... 2 Prescrição efetuada por meios eletrónicos (receita eletrónica)... 4 1. Âmbito... 4 2. Prescrição Eletrónica...

Leia mais

FAQs PEM - Receita sem papel

FAQs PEM - Receita sem papel FAQs PEM - Receita sem papel A Receita sem Papel, ou Desmaterialização Eletrónica da Receita, é um novo modelo eletrónico que inclui todo o ciclo da receita, desde da prescrição no médico, da dispensa

Leia mais

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Introdução...3 Prescrição...4 Análise da prescrição...5 1. Receita eletrónica...5 1.1. Número da receita...5 1.2. Identificação do prescritor...6

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde

Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde Normas relativas à dispensa de medicamentos e produtos de saúde v. 3.0, 13/02/2014 Entrada em vigor a 01/03/2014 de acordo com data da dispensa da receita médica. Introdução...3 Prescrição...4 Análise

Leia mais

Despacho n.º 15700/2012, de 30 de novembro 1 (DR, 2.ª série, n.º 238, de 10 de dezembro de 2012)

Despacho n.º 15700/2012, de 30 de novembro 1 (DR, 2.ª série, n.º 238, de 10 de dezembro de 2012) 1 (DR, 2.ª série, n.º 238, de 10 de dezembro de 2012) Aprova os modelos de receita médica, no âmbito da regulamentação da Portaria n.º 137-A/2012, de 11 de maio A Lei n.º 11/2012, de 8 de março, regulamentada

Leia mais

República n.º 132 SÉRIE II de 12 de julho de 2011. INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso 113 D1

República n.º 132 SÉRIE II de 12 de julho de 2011. INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso 113 D1 1 Regula o procedimento de pagamento da comparticipação do Estado no preço de venda ao público dos medicamentos dispensados a beneficiários do Serviço Nacional de Saúde que não estejam abrangidos por nenhum

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Regime de bens em circulação e SAF-T

Regime de bens em circulação e SAF-T Regime de bens em circulação e SAF-T Novas regras Julho 2013 Legislação Quem está abrangido Emissão de documentos transporte Comunicação de documentos à AT SAF-T Oportunidades comerciais Sage Portugal

Leia mais

Normas relativas à Prescrição de Medicamentos e Produtos de Saúde

Normas relativas à Prescrição de Medicamentos e Produtos de Saúde Adaptação à Região Autónoma da Madeira do documento conjunto da ACSS, I.P. e do INFARMED das Normas relativas à Prescrição de Medicamentos e Produtos de Saúde Normas relativas à Prescrição de Medicamentos

Leia mais

«Artigo 9.º [...] 1 -... 2 -... 3 -... 4 -... 5 -...

«Artigo 9.º [...] 1 -... 2 -... 3 -... 4 -... 5 -... Primeira alteração à Portaria n.º 198/2011, de 18 de maio, que estabelece o regime jurídico a que obedecem as regras de prescrição eletrónica de medicamentos (Revogada pela Portaria n.º 137-A/2012, de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 14 de abril de 2014. Série. Número 53

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 14 de abril de 2014. Série. Número 53 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 14 de abril de 2014 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 42/2014 Autoriza o Instituto de

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS

REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS REGULAMENTO PARA REQUISIÇÃO E FORNECIMENTO DE ETIQUETAS MÉDICAS, RECEITUÁRIO E IMPRESSOS MAIO DE 2011 SERVIÇO ESPECIALIZADO DE APROVISIONAMENTO E TRANSPORTES Regulamento para Requisição, Controlo e Fornecimento

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS 4:2011/REV2 Produto de Software para requisição electrónica de meios complementares de diagnóstico e actos terapêuticos Características e fornecimento do produto Revisão

Leia mais

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa Nota Justificativa Considerando a necessidade de estabelecer novos apoios e ir de encontro às necessidades dos idosos e assim contribuir para a dignificação e melhoria das condições de vida deste sector

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações de Desemprego Montante Único

Leia mais

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal Cartão Almodôvar Solidário Regulamento Municipal junho de 2015 Regulamento do Cartão Almodôvar Solidário Proposta de Regulamento aprovada por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 11

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS GLOSSÁRIO... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivo... 3 DEFINIÇÕES... 3 Certificado de um medicamento

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 2 Departamento de Segurança Privada Março de 2014 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 2. (Março de 2014)

Leia mais

Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde.

Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde. Normas técnicas relativas aos softwares de prescrição de medicamentos e produtos de saúde. Introdução... 3 Objetivo... 3 Generalidades... 4 Requisitos gerais dos softwares... 4 1. Comunicação com a Plataforma

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Certificação AT Portaria 22-A/2012 Página 2 de 9

Certificação AT Portaria 22-A/2012 Página 2 de 9 Certificação AT Portaria 22-A/2012 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APLICABILIDADE... 4 1.2 IMPACTO DA INTRODUÇÃO DA LICENÇA CERTIFICADA EM SISTEMAS NÃO CERTIFICADOS... 4 1.3 ASSINATURA DE DOCUMENTOS EMITIDOS PELO

Leia mais

CHEFIA DO GOVERNO. Secretaria-Geral I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 29 DE JUNHO DE 2009 489

CHEFIA DO GOVERNO. Secretaria-Geral I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 29 DE JUNHO DE 2009 489 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 29 DE JUNHO DE 2009 489 bém prateadas, na posição vertical, conforme fi g ura nº 1 em anexo; b) Subchefe: um traço horizontal prateado, na parte inferior,

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO 1 de 6 Considerando que o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP), procurando agilizar e simplificar os procedimentos legais exigíveis, quer para a denominação de origem (DO) Porto, quer

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N39 - v4.07) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo Índice 1. Acesso à Plataforma... 2 2. Consulta dos Programas de Beneficios Públicos em Curso... 3 3. Entrar na Plataforma... 4 4. Consultar/Entregar Documentos... 5 5. Consultar... 7 6. Entregar Comprovativos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 19 de Novembro de 2010 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO INTERNO DE ATRIBUIÇÃO DE EQUIVALÊNCIA DE HABILITAÇÕES ESTRANGEIRAS AO GRAU DE LICENCIADO

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N 39 - v4.12) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar Manual de Procedimentos do Seguro Escolar O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência, em caso de acidente escolar, complementarmente aos

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM-H

Processo de declaração de conformidade de software PEM-H Processo de declaração de conformidade de software PEM-H Março, 2014 Versão 3,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode ser

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 19/2011/A de 16 de Junho de 2011 Regula o exercício da actividade dos profissionais de informação turística na Região

Leia mais

Gestão da Empresa Online

Gestão da Empresa Online Gestão da Empresa Online 1. O que é uma Certidão Permanente? É o acesso, através da Internet, em tempo real e em qualquer momento, a todos os registos de uma entidade registada em conservatória do registo

Leia mais

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? São várias as substâncias e métodos proibidos cuja deteção só é possível com a realização de controlos

Leia mais

Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo

Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo Considerando que o ano de 2010 foi declarado pela União Europeia como o

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Índice 1 Apresentação... 3 2 Registo no ClinicBase... 3 3 Login... 3 4 Área Privada... 3 4.1 Os meus pacientes... 3 4.1.1 Criar novo Paciente... 3 4.1.2 Procura Paciente... 4 4.1.3

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES MANUAL DE APOIO Este manual de apoio destina-se aos docentes do ensino oficial que pretendam requerer autorização para acumular funções. Exceptuam-se aqueles que se encontram na situação

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares) POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE SEGURANÇA PRIVADA (SIGESP) Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual.

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1. Qual o diploma que estabelece o regime de constituição, gestão e funcionamento do mercado organizado de resíduos (MOR), nos termos do n.º 2 do artigo 62.º do Decreto-Lei n.º 178/2006,

Leia mais

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho A estratégia de desenvolvimento sustentável e harmonioso do país, tendo por paradigma a melhoria contínua das condições de vida dos cabo-verdianos, só pode ser bem

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações compensatórias dos subsídios

Leia mais

SInOA - Sistema de Informação da Ordem dos Advogados INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE ACESSO AO DIREITO. Manual de Utilizador

SInOA - Sistema de Informação da Ordem dos Advogados INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE ACESSO AO DIREITO. Manual de Utilizador SInOA - Sistema de Informação da Ordem dos Advogados INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE ACESSO AO DIREITO Manual de Utilizador INTRODUÇÃO O presente Manual tem por objectivo a descrição dos procedimentos a ter em

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

Deliberação n.º 105/CA/2007, de 1 de Março Regulamento sobre Autorizações de Utilização Especial e Excepcional de Medicamentos

Deliberação n.º 105/CA/2007, de 1 de Março Regulamento sobre Autorizações de Utilização Especial e Excepcional de Medicamentos Regulamento sobre Autorizações de Utilização Especial e Excepcional de Medicamentos O Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto, estabelece no seu artigo 92.º, que o Instituto Nacional da Farmácia e do

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO O Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), é um Estabelecimento de Ensino Superior Público cujo período de funcionamento, de aulas

Leia mais

REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS

REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS ORIENTAÇÃO TÉCNICA CONDICIONALIDADE REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS Os medicamentos são meios de defesa da saúde e bem-estar dos animais, assumindo um papel importante como fatores

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 5659 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 40/2007 de 24 de Agosto Aprova um regime especial de constituição imediata de associações e actualiza o

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA CAPÍTULO I Disposições Gerais Art.º 1.º 1 - Podem ser associados efectivos, indivíduos de ambos os sexos, sem distinção

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONVENÇÃO ADSE Versão 1-09-2014 1 Conteúdo CONVENÇÃO SAMSPICS - ADSE... 3 O que é a Convenção ADSE?... 3 UNIDADES COM CONVENÇÃO COM A ADSE... 4 Acesso aos beneficiários ADSE...

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

Prescrição Eletrónica de Medicamentos e Produtos de Saúde

Prescrição Eletrónica de Medicamentos e Produtos de Saúde Prescrição Eletrónica de Medicamentos e Produtos de Saúde Especificação dos Serviços para integração com a Sistema Central de Prescrições Março, 2013 Versão Os direitos de autor deste trabalho pertencem

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 295, DE 9 DE MAIO DE 2012 (VERSÃO COM VIGÊNCIA ATÉ 31/12/2014) Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários do Sistema de Informações

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA REGULAMENTO de TRANSPORTES ESCOLARES do MUNICÍPIO DE VIZELA MUNICÍPIO DE VIZELA ÍNDICE Preâmbulo 2 Artigo 1.º Lei habilitante 3 Artigo 2.º Princípios gerais 3 Artigo 3.º Âmbito 3 Artigo 4.º Organização

Leia mais

Certidão Permanente. Manual de Procedimentos

Certidão Permanente. Manual de Procedimentos Certidão Permanente Manual de Procedimentos Procedimentos da Certidão Permanente On-line Sim 2. Elaborar Pedido de Subscrição 1. Autenticar apresentante / Login 1.1. Subscrição da Certidão? 4. Efectuar

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE)

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Preâmbulo A universalidade do acesso ao ensino superior, para além de um direito constitucional, constitui igualmente

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES Este guia, sob a forma de perguntas e respostas, tem como objectivo esclarecer as questões que frequentemente nos são colocadas, relacionadas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA:

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA: REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA: Considerando que, decorrente da imposição da lei fundamental, incumbe ao Estado assegurar

Leia mais

MANUAL SOBRE OS INSTRUMENTOS JURÍDICO-INTERNACIONAIS NOS QUAIS A DGAJ É AUTORIDADE/ENTIDADE CENTRAL

MANUAL SOBRE OS INSTRUMENTOS JURÍDICO-INTERNACIONAIS NOS QUAIS A DGAJ É AUTORIDADE/ENTIDADE CENTRAL MANUAL SOBRE OS INSTRUMENTOS JURÍDICO-INTERNACIONAIS NOS QUAIS A DGAJ É AUTORIDADE/ENTIDADE CENTRAL 1/21 1. CITAÇÕES E NOTIFICAÇÕES 2/21 1.1. Convenção da Haia, de 15.11.1965, respeitante à citação e à

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 4.ª EDIÇÃO DO PEPAL INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 1 Índice 1. DESTINATÁRIOS DO PEPAL...3 2. CANDIDATURAS DOS ESTAGIÁRIOS...4 2.1.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais