Escola Básica e Secundária da Graciosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Básica e Secundária da Graciosa"

Transcrição

1 PLANO DE EVACUAÇÃO Escl Básc e Secundár d Grcs

2 Prcedmen Gerl 1 Acvçã d srene de lrme D nálse fe pels Técncs d Delegçã lcl d Precçã Cvl cncluuse que nem sempre hverá necessdde de ccnr lrme. ) Em cs de vendvs u cclnes, brg nurl é edfíc esclr pel que nã será emd nenhum snl. b) Um nundçã u um fug de gás sem ncênd, pels áres resrs nde pderm crrer, sã cnsderds snsrs fclmene cnrláves, lg, sem necessdde de que edfíc sej evcud. c) N crrênc de ssms de frc nensdde, é de d cnvenênc mner s luns ns sls. Cnsequenemene, lrme pens será ccnd qund deflgrr um ncênd u pós um ssm de grnde nensdde. Em qulquer ds suções rás descrs u evenulmene nurs mens prváves ms que reúnm crcunsâncs mpsvs de um evcuçã, l decsã cmpee exclusvmene Cnselh Execuv. 2 Nrms de cuçã 2.1 N crrênc de ssm Os cupnes ds nslções deverã medmene clcr-se debx ds mess e ns vãs ds prs, cm s mãs à vl d cbeç, cm medd de precçã. Nunc deverã bndnr sl nde se encnrm enqun durr ssm. Se sr lrme, deverã bndnr edfíc cumprnd s renções d Pln. Pln de Evcuçã e Segurnç 2

3 2.2 N crrênc de ncênd Os cupnes ds nslções deverã sr de med, respend negrlmene percurs de emergênc. Se huver bsruçã ds síds, pel presenç de fg u cumulçã de fums, srã pels jnels d rés-d-chã, e ns pss superres drgr-se-ã pr lcl ms fsd d fc de ncênd, gurdnd scrr. Nes suçã deverã bxr-se pr fugr à cncenrçã de fums, fechnd sempre s prs fm de rerdr prpgçã d fg. 2.3 N crrênc de emprs Os cupnes d edfíc permnecerã ns sls, fsnd-se ds jnels, é que esejm grnds s rnspres e s rjecs pr cs em segurnç. 3 Lclzçã de recurss 3.1 Em cd sl encnr-se um pln d áre cm nerár de evcuçã devdmene ssnld bem cm s prncps Nrms de Evcuçã que devem ser rgrsmene cumprds. 3.2 Ns crredres e escds exse snlzçã que ren rjec segur pels luns, pessl dcene e nã dcene, é s lcs de cncenrçã n exerr d edfíc. 3.3 Síds de Emergênc - Prs de ds s pvlhões ssnlds cm send s de emergênc; - Pvlhã plvlene: ds s prs devdmene ssnlds; - Prs d pvlhã gmndesprv: prs de emergênc ssnlds; - Prs d sl de Gnásc: pr prncpl de síd pr exerr. Pln de Evcuçã e Segurnç 3

4 3.4 Lcl de Cncenrçã: Zns 1 Cmp de jgs; 4 Defnçã de cmnhs de evcuçã 4.1-desn ZONA 1 1ªSíd - Pvlhã A 2ªSíd Pvlhã B 3ªSíd Pvlhã C 4ªSíd Plvlene 5ªSíd Gnás 1ªSíd - Pvlhã A Pr d hll sem s cupnes d sl 4 e 10, WCs e hll; Tds s prs ds sls sem s respecvs cupnes de cd um ds sls (1, 2, 3, 5, 6, 7, 8 e 9). Os cupnes dese espç sã s segunes: n suçã envlvd n líne ) deve sr pr exerr descend s escds e snd pels dus prs de emergênc ld desss escds em drecçã cmp de jgs. n suçã envlvd n líne b) deve sr pr exerr, snd pels dus prs de emergênc ld ds escds em drecçã cmp de jgs. N cs d sl de udvsus, s luns sem pr crredr drgnd se às prs de emergênc. n suçã envlvd n líne c) deve sr pr exerr, snd pel pr prncpl dess sl em drecçã cmp de jgs Relvmene às suções d 2ª síd: Pln de Evcuçã e Segurnç 4

5 n suçã envlvd n líne ) deve sr pr exerr, snd pel pr de emergênc d hll d Audór/Bblec segund pel esrd em drecçã cmp de jgs. Defnçã de cmnhs de evcuçã 4.2- desn ZONA 2 1ª Síd prs de síd ds pvlhões A e B; 2ª Síd pr de síd d refeór; 3ª Síd pr de síd d pv.c em frene à pr d refeór; 4ª Síd pr prncpl d hll de enrd d pv. C. Lcl de Cncenrçã Cmp de jgs (Zn 2) 1ª Síd Os cupnes ds segunes espçs: Aluns, prfessres e funcnárs ds segunes nslções: ) Pvlhã A ps 0: ds s sls vrds pr nscene. b) Pvlhã B ps 0: sls vrds pr nscene; sls vrds pr pene. c) Pv. Gmndesprv - bncd d sssênc, blneárs e WCs. 2ª Síd Os cupnes ds segunes espçs: ) refeór; b) sl d Asscçã de Esudnes; c) sl de fls ds Drecres de Turm Pln de Evcuçã e Segurnç 5

6 3ª Síd Os cupnes ds segunes espçs: ) sl de Deprmens; b) Gbnees ds Drecres de Turm; c) Gbnee ds Curs Prfssnlznes. 4ª Síd Os cupnes ds segunes espçs: ) Sl de Músc; b) Gbnee Infrmác de Ap Servç Dcene; c) Sls de Prfessres; d) Ours sls de uls d mesm crredr; e) WCs de prfessres e funcnárs. 1ª Síd n suçã envlvd n líne ) devem sr d sl pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. n suçã envlvd n líne b) devem sr d sl pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. n suçã envlvd n líne c) devem sr d áre nde se encnrm pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. 2ª Síd ns suções envlvds ds línes ),b) e c) devem sr d áre nde se encnrm pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. 3ª Síd Pln de Evcuçã e Segurnç 6

7 ns suções envlvds ns línes ),b) e c) devem sr d sl pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. 4ª Síd ns suções envlvds ns línes ),b),c),d) e e) devem sr d sl pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. Defnçã de cmnhs de evcuçã 4.3- desn ZONA 3 Síd prs de síd d pvlhã A Lcl de Cncenrçã Cmp de jgs (Zn 3) Os cupnes ds segunes espçs: Aluns, prfessres e funcnárs ds segunes nslções: ) Pvlhã A ps 0: ds s sls vrds pr pene e s sls clcds em psçã rnsversl cmp de jgs. Pln de Evcuçã e Segurnç 7

8 n suçã envlvd n líne ) devem sr d sl pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. Defnçã de cmnhs de evcuçã desn ZONA 4 Síd pr de síd de emergênc lerl/ pv. gmndesprv Lcl de Cncenrçã Cmp de jgs (Zn 4) Os cupnes ds segunes espçs: Aluns, prfessres e funcnárs ds segunes nslções: ) Pv. Gmndesprv ps 0 cmp de jg : n suçã envlvd n líne ) deve sr pr exerr empurrnd pr de emergênc lerl. Pln de Evcuçã e Segurnç 8

9 Defnçã de cmnhs de evcuçã desn ZONA 5 Síd pr de síd d plvlene (jun à cnn). Lcs de Cncenrçã: Cmp de jgs (Zn 5) Os cupnes ds segunes espçs: Prfessres e funcnárs ds segunes nslções: ) Pv. Plvlene: Reprgrf; Áre dmnsrv; Cnselh Execuv; Sl ds Funcnárs; Cenrl elefónc; Sl de Rád; Sl de cnvív; Refeór; Áres de WCs; Cznh. n suçã envlvd n líne ) devem sr de cd nslçã pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. Pln de Evcuçã e Segurnç 9

10 n suçã envlvd n líne ) devem sr d nslçã pr exerr drgnd se pr lcl ndcd. ATENÇÃO ALUNOS QUE SE ENCONTREM ISOLADOS DENTRO DE EDIFÍCIO Se pr lgum mv lguém se encnrr sld, deverá segur s ses de síd ndcds n pln d sl u áre nde se encnr e sr pel pr ms próxm. Cs nã cnsg, deverá fzer nr su presenç pr que venhm scrrer (deve grr, deve prcurr jnel ms próxm e fzer-se nr). ALUNOS QUE SE ENCONTREM NOS RECREIOS Os luns que se encnrem ns recres, uvrem snl de lrme, devem de med drgrem-se pr lcl de reunã, sud n cmp de jgs. 5 Funções específcs 5.1 Prfessres ) O Drecr de Turm deverá nsrur s luns sbre s prcedmens crrecs dpr n cumprmen rgrs d Pln de Evcuçã (rennd n sl de ul); b) O Drecr de Turm nme um lun pr Chefe de Fl que erá cm prncpl ref renr fl de evcuçã; c) N cs de exsr n Turm lgum lun prdr de defcênc, Drecr de Turm desgnrá um lun d urm pr judr n cmpnhmen e scrr desse lun; d) O prfessr só mndrá sr s luns snl d funcnár respnsável pel Ps u qund cnsderr prun, de md evr glmerções; Pln de Evcuçã e Segurnç 10

11 e) O prfessr é úlm sr pr frm cerfcr-se que nnguém permnece n sl; f) O prfessr é respnsável pel Turm que cmpnh desde síd d Sl é úlm lun er bndnd escl; g) Cmpee prfessr mner cnrl d Turm n zn de cncenrçã e prceder à cnferênc ds luns. 5.2 Aluns ) O lun nmed Chefe de Fl (Delegd de Turm u ur lun respnsável) deverá cupr crer ms próxm d pr d Sl ps é ele respnsável pr sr em prmer lugr, cnduznd s clegs em fl; b) O Chefe de Fl, judd pel prfessr, crdenrá percurs de emergênc segund escrupulsmene rjec ssnld n Pln de Emergênc; c) Os luns dexrã d merl n sl e em cs lgum será permd vlr rás; d) A mrch d rjec deverá decrrer em pss rápd ms sem rpels; e) O lun encrregd de uxlr prfessr n evcuçã d cleg prdr de defcênc, deverá junr-se medmene ele n mmen de síd. 5.3 Pessl Nã Dcene Pessl Admnsrv e Pessl Técnc ) Drgr-se-ã pr respecv síd de emergênc em cnfrmdde cm Pln fxd n sl nde se encnrm, junnd-se s dems ns lcs prevss pr cncenrçã n exerr; b) Deverã clbrr cm s Prfessres e A. A. Educv n rençã ds fls de síd; Pln de Evcuçã e Segurnç 11

12 c) O respnsável de cd secçã cerfcr-se-á que nã fc nnguém n sl e é úlm sr; Auxlres de Acçã Educv Sã d respnsbldde ds A. A. Educv s segunes refs: ) Aberur ds síds de emergênc; b) Cre de energ; c) Cre de gás; d) Cre de águ (excep em cs de ncênd); e) Orençã d evcuçã. f) Os A. A. Educv deverã permnecer n áre de vglânc d su respnsbldde, jun ds escds u ns pns crícs de encnr de fls, pr melhr renr s síds, e nã esquecend que deverã er n su psse s elefnes móves nerns; g) Os A. A. Educv só bndnrã s nslções pós cnferênc de que nnguém se encnr n su áre (sls, gbnees, WC s, ec.); h) Em cs de ncênd devem ulzr exnr d su áre nes que fg nj grndes prprções; ) O A. A. Educv encrregd d vglânc d prã, é respnsável pel mpedmen d síd de luns e pel enrd de esrnhs, bem cm pel encmnhmen ds vurs de scrr; j) O Encrregd ds A. A. Educv, sb rençã d Cnselh Execuv, ccnrá lrme e prcederá s cres d qudr gerl de elecrcdde, cre gerl de gás e cre gerl de águ (excep em cs de ncênd), pós que permnecerá em lcl de nde pss crdenr s cvddes ds elemens pr quem é respnsável; k)o/a elefns deverá mner-se n seu lcl de rblh fm de esbelecer cncs cm s dferenes secres d Escl e cm exerr, ulznd um elemóvel desnd es funçã e suçã. Pln de Evcuçã e Segurnç 12

13 5.4 Cnselh Execuv Sã cmpeêncs d Cnselh Execuv ) Decdr sbre evcuçã l u prcl d edfíc; b) Supervsnr evcuçã; c) Nmer pessl respnsável pr refs específcs; d) Receber s rgnzções de scrr e frnecer-lhes nfrmções sbre css pnus de mr rsc; e) Aender s mes de cmuncçã scl. Cpíul II NORMAS 1 - Snl de Alrme e seu Accnmen: O snl de lrme é dd pel cmpnh (snl de que se r de um ssm de grnde nensdde u de um ncênd), send: DE ALERTA - Três ques lernds. PARA EVACUAÇÃO IMEDIATA - Um que nermene e prlngd Incumbem-se d seu ccnmen s segunes funcnárs, pr rdem de prrddes: 1. Telefns (Srª. D. Gudlupe u quem esver servç); Pln de Evcuçã e Segurnç 13

14 2. Chefe de Servçs de Admnsrçã Esclr (Sr.ªD.Mr d Cnceçã Crder) u Funcnár ds servçs Admnsrvs. 2 - Exnres - Su ulzçã Incumbem-se d seu mnusemen s funcnárs de cd secr (Pss/pvlhões, Br, Cznh, Secrer, Bblec, Pvlhã Gmndesprv ec.). Os funcnárs devem bservr s esquems que se encnrm ns enrds ds blcs, pr verem nde se encnrm suds s exnres. 3 - Mnguers - Lclzçã e ulzçã Crredr de cess à secrer - Mnpul- funcnár d Blc A, Telefns u ur funcnár melhr clcd (pr rdem de prrdde) Cnn - Mnpul- Sr. Luís u ur funcnár d cnn que n mmen esej próxm e dspnível Blcs e Pvlhã - Mnpulm-ns s funcnárs d rés-d-chã Os funcnárs devem bservr s esquems que se encnrm ns enrds ds blcs, pr verem nde se encnrm suds s mnguers. Pln de Evcuçã e Segurnç 14

15 4 - Cre de energ elécrc Incumbem-se de prceder cre de energ s segunes funcnárs: Qudr Gerl - Encrregd d pessl uxlr (Sr.ª D. Teres Beencur); Qudr elécrc ds pvlhões - Funcnárs de cd pvlhã/secr u ur dspnível n mmen; Pvlhã Gmndesprv Funcnárs fecs servç ( Sr.ª D. Dlres e Sr.Luís Dnel ) Os funcnárs devem bservr s esquems que se encnrm ns enrds ds blcs, pr verem nde se encnrm suds s qudrs elécrcs. 5 - Cre de Gás Prcedem cre de Gás s segunes funcnárs; Trner Gerl Cznher Chefe/Prncpl ( Sr.ª D. Mr Mel u quem esver servç); 5.2- Cznh Cznher Chefe/Prncpl ( Sr.ª D. Mr Mel u quem esver servç); 5.3- Pvlhã Gmndesprv - Funcnárs fecs servç ( Sr.ª D. Dlres e Sr.Luís Dnel ); 5.4- Os funcnárs devem bservr s esquems que se encnrm ns enrds ds blcs, pr verem nde se encnrm suds s depóss de gás. Pln de Evcuçã e Segurnç 15

16 6 - Prs ds Pvlhões Incumbem-se d su berur s funcnárs de cd secr que se encnrem servç. 7 - Cmuncçã às Enddes Ofcs Incumbe-se um elemen d C. Drecv servç, chmnd de med s Bmbers, P.S.P e lgçã Hspl. 8 - Sempre que sej necessár prceder à evcuçã, "Lcl de Reunã" de ds s elemens d Escl é lcl ssnld pr cd zn, send s rjecs s ndcds n pln que se encnr fxd à enrd de cd pvlhã, respend s nrms esbelecds. 9 - Em cd Turm, será funçã d Drecr de Turm: 9.1 Alerr e renr Delegd de urm pr s funções desempenhr nes suçã: Abrr de med pr d sl sr snl de lrme; Cnduzr s resnes luns, rás de s, rvés ds crredres e escds de síd, é às prs exerres e deps Lcl de Reunã; Ese lun deve senr-se sempre n crer ms próxm d pr. Lembrr s luns que devem dexr d merl em cm ds mess, ps esses bjecs pdem rplhr mvmençã. Pln de Evcuçã e Segurnç 16

17 9.3 - Explcr que nã pdem nunc cr ns nerrupres de elecrcdde, ns rners de gás e que nã devem ulzr elevdr; Os luns, sr d sl, frmm medmene um fl ndn u, negrm-se ns fls que já esverem pssr. Permnecerã sempre ness fl, sem ulrpssgens u encnrões. Fzer-lhes nr que deverã er respe pels seus próprs clegs. Chegds lcl de reunã s luns grupm-se pr urms jun d prfessr cm quem nhm uls Fzer nr s luns que ndmen deve ser rápd, ms rdend Tds s luns devem ser sensblzds pr cnhecerem s mps sbre evcuçã/nrms, fxds em cd um ds pvlhões O prfessr que esver cm s luns n sl, deverá ser úlm sr, segund urm n fm d clun, prn presr uxíl qulquer lun que se desrene, fque rsd u fque mgd n deslcçã. Deve nd renr mvmençã ds luns n send de evr precpçã, cnfusã u pânc. Deps, n lcl de reunã, mnerá urm reund, verá se fl lgum lun e enrá mner clm enre eles, é receber nvs rdens. ATENÇÃO ÁS SAÍDAS Ns síds ds sls e ds pvlhões, ds devem resper s defnções de cd cmnh de evcuçã, (cnsne zn nde esver), que esã fxds n enrd de cd pvlhã, e que cnsm n Mp d Pln de Evcuçã. Pln de Evcuçã e Segurnç 17

18 ANEXOS ANEXO I - REGRAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS Só enrr n lbrór pós urzçã d prfessr. Durne s cvddes lbrrs usr b brnc e de mngs cmprds. Nã fumr, nã beber nem cmer n lbrór. Nã brncr cm s clegs n lbrór; ssumr um psur respnsável. Ler enmene e é fnl prcl expermenl, nnd s precuções mr. Mner s mess lmps e rrumds. Lmpr medmene águ u regenes derrmds. Lnçr ns ps de esg s ress de regenes líquds nã nflmáves u sólds slúves. Lnçr n blde d lx s ress de regenes sólds nslúves. Lnçr n p de esg s regenes cáuscs junmene cm um grnde qundde de águ. Verfcr sempre s róuls ds regenes ulzr, cnhecend smblg usd n rulgem. A mnpulr líquds óxcs u crrsvs, nã pper cm bc, nem resprr s vpres óxcs; ulzr um ppedr. NUNCA der águ em ácds u bses cncenrds. NUNCA prvr u cherr drecmene prdus químcs. Pln de Evcuçã e Segurnç 18

19 Pr quecer um ub de ens usr chm frc lerlmene e nã n fund d ub. A quecer cneúd de um ub de ens, NUNCA vlr berur d ub pr s nem pr ur pess. As culurs de mcrrgnsms nã pdem sr d lbrór. Td merl que ese em cnc cm prdus blógcs, deve ser, n fm d su ulzçã, clcd em recpene cm lxív. Lvr s mãs sempre que necessár, e nes de sr d lbrór. Tds s ferds expss devem ser devdmene pregds. Tds s cdenes devem ser medmene cmuncds e bjec de relór. Mner n mes de rblh smene merl necessár que v fzer. Prender s cbels cmprds, vesuár sl u drns blçnes. Relzr pens s experêncs ndcds. Ulzr equpmen lbrrl só deps de er prendd seu funcnmen. NUNCA dexr fnes de clr sem vglânc. Nã pegr drecmene cm s mãs em merl de vdr quecd. Mner s regenes fsds de fnes de clr u d luz slr. Nã pnhr vdrs prds cm mã. Ulzr um vssur e pá. A usr um frsc cm um líqud, segurá-l cm róul vrd pr cm, de md nã dnfcr róul qund verer líqud. Enqun esver n lbrór: Pln de Evcuçã e Segurnç 19

20 Nã cr n bc nem ns lábs cm exremddes de deds, pns de láps u qulquer ur bjec. Nã esfregr s lhs cm s deds. Nã nsprr vpres. Verfcr, n prncíp e n fm d ul, se s rners de gás se encnrm fechds. S E O C O R R E R U M I N C Ê Pln de Evcuçã e Segurnç 20

21 N D I O N O L A B O R A T Ó R I O Acue sbre fc de ncênd cm me de exnçã dequd. F g Ag en e Ex n _ Á Mg u é, r m Pln de Evcuçã e Segurnç 21

22 Pln de Evcuçã e Segurnç 22 r s s ó l d s L í q u d s u s ó l d s l q u e f e n u e x n r n s l d E x n r n s l d

23 Pln de Evcuçã e Segurnç 23 s G s e s M e s M e r l e l é c r c. N u n c u l z r á g u C r e d f n e. E x n r

24 Pln de Evcuçã e Segurnç 24 n s l d A r e s e c. C r e d c r r e n e. E x

25 _ n r n s l d Cs nã cnsg dmnr suçã: Feche s prs e jnels. Cmunque medmene cdene Cnselh Execuv Abndne sl. OS RESPONSÁVEIS PELOS LABORATÓRIOS DEVEM: Mner nvenár culzd, que deverá cner: ndcçã d sck de cd prdu, cpcdde de cd recpene, d de qusçã e d d prmer ulzçã. Ter s recpenes cnvenenemene rulds. Seprr s subsâncs químcs ncmpíves enre s. Nã dqurr ms regenes d que necessár. Zelr pr que s luns preservem lbrór lmp e rgnzd, dnd especl ençã ás bncds de rblh. Pln de Evcuçã e Segurnç 25

26 Zelr pr que s luns ulzem crrecmene d merl de lbrór, end em cn ds s nsruções de ulzçã. Evr que s luns bsrum pssgem cm s bncs e s mchls, de md fclr um pssível síd de emergênc. ANEXO II - REGRAS DE SEGURANÇA EM COZINHAS MEDIDAS PREVENTIVAS MEDIDAS PREVENTIVAS Verfcr vldde ds ubs de cnlzçã de gás; Requerer pel mens um vsr nul ssem de bsecmen d gás; Verfcr esd ds flrs d exusr. S E O C O R R E R U M I Pln de Evcuçã e Segurnç 26

27 N C Ê N D I O _ Avse pess ms próxm; Feche gás n válvul de cre gerl; Ulze exnr nsld, de crd cm s nsruções de cuçã; Cre crrene n qudr elécrc, n qudr prcl e relv es áre; Cs nã cnsg dmnr suçã, feche s prs e jnels e cmunque medmene cdene Cnselh Execuv; S E O C O R R E R U M A F U Pln de Evcuçã e Segurnç 27

28 G A D E G Á S _Deslgue válvul. Nã fç lume. Nã ccne nenhum nerrupr; Abr s prs e jnels; Abndne lcl; Cmunque cdene Cnselh Execuv d Escl; ANEXO III - REGRAS DE SEGURANÇA EM EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS M E D I D A S P R E V E N T I V A Pln de Evcuçã e Segurnç 28

29 S Q U A D R O E L É C T R I C O _Verfcr regulrmene funcnmen, prcedend de med às reprções necessárs pr pessl hbld; Mner desbsruíd cess s qudrs, nã permnd cumulçã de bjecs cmbusíves n su prxmdde; E M C A S O Pln de Evcuçã e Segurnç 29

30 D E I N C Ê N D I O _Deslgr qudr gerl; Acr ncênd cm exnres exsenes n lcl, sem crrer rscs; Nunc ulzr águ u urs genes à bse de águ (espums); Cs nã cnsg exngur ncênd, bndnr lcl, fechnd s prs; Cmunque cdene Cnselh Execuv d Escl; ANEXO IV- REGRAS DE SEGURANÇA A OBSERVAR NO TRANSPORTE ESCOLAR O embrque e desembrque ds luns, bem cm s nrms segur durne rnspre esclr sã fundmens pr reduzr pssbldde de cdene. Assm: Pln de Evcuçã e Segurnç 30

31 sírem d escl, s luns devem drgr-se pr esçã ds ucrrs, mesm em frene prã prncpl d escl, rvessnd pr l escl EB/S d Grcs; devem rvessr ru servnd-se d pssder ; devem gurdr rdendmene e em fl, pel prxmçã e mblzçã d ucrr; devem enrr n ucrr rdendmene e sem rpels; devem cupr seu lugr de um frm rder; devem permnecer sends durne d vgem. N Fnl N cs de lrme, pel-se um enrme sldredde enre ds s elemens cnsunes d cmundde esclr, um p efcz pr pre ds duls em relçã ds s Pln de Evcuçã e Segurnç 31

32 elemens e em especl s jvens luns que êm mr suscepbldde enrr em pânc. O cnhecmen prfund ds nrms esbelecds, ssunçã de um clm cnrld, é bse fundmenl à precçã de vds e evr de cdenes desnecessárs. O C. Execuv pel à clbrçã de d cmundde esclr em specs de relevne neresse pr Segurnç d Cmundde Esclr que TODOS DEVEMOS PRESERVAR. Pln de Evcuçã e Segurnç 32

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

INCERTEZA. Notas complementares. Preferências de loterias espaço de escolhas é composto por loterias

INCERTEZA. Notas complementares. Preferências de loterias espaço de escolhas é composto por loterias PPGE/FRGS - Prof. Sno Porto Junor 9/0/005 INCERTEZA Nots complementres Preferêncs de loters espço de escolhs é composto por loters Pessos otém utldde de oters e não de Apples As preferêncs sore ens são

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Conversores CC-CC (Buck-Boost e Flyback)

Conversores CC-CC (Buck-Boost e Flyback) Insu Federal de Educaçã, Cênca e ecnlga de ana Caarna eparamen Acadêmc de Elerônca PósGraduaçã em esen. de Prdus Elerôncs Cnversres Esács e Fnes Chaveadas Cnversres CCCC (BuckBs e Flyback) Prf. Clóvs Anôn

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular Cpíulo IV Torção de Peçs Lineres 1 CPÍTULO IV TORÇÃO DE PEÇS LINERES.1. Inrodução. sorção ou rnsmissão de esforços de orção: o Veios ou árvores de rnsmissão o Brrs de orção; ols; Esruurs uulres (veículos

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo Agrupmento Escols do Porto Alto Pré Escolr lunos Estb. De Educção Apoio Domicílios 0-1 1-2 2-3 Alunos em list lunos com NEE Alunos esper () 3 4 5 6 * 3 4 5 3 4 5 6 * Educdores sls Q. QDV único pessol não

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Oficina de Capacitação em Comunicação

Oficina de Capacitação em Comunicação Oficina de Capacitaçã em Cmunicaçã APRESENTAÇÕES: DICAS E INSTRUMENTOS Marcele Basts de Sá Cnsultra de Cmunicaçã mbasts.sa@gmail.cm Prjet Semeand Águas n Paraguaçu INTERESSE DO PÚBLICO Ouvir uma ba história

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

Implementação do programa de coleta seletiva para reciclagem de resíduos produzidos no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Implementação do programa de coleta seletiva para reciclagem de resíduos produzidos no Instituto de Infectologia Emílio Ribas INSTITUTO DE INFECTOLOGIA EMÍLIO RIBAS Implemençã d prgrm de cle selev pr recclgem de resíds prdzds n Ins de Infeclg Emíl Rbs Aírn Vr Telefne: (11) 3082-6161 E-ml: rn.vr@emlrbs.sp.gv.br 2014 SUMÁRIO 1.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

MRG - Roberto, Graça & Associados Sociedade de Revisores Oficiais de Contas

MRG - Roberto, Graça & Associados Sociedade de Revisores Oficiais de Contas MRG - Rber, Grç & Assids Siedde de Revisres Ofiiis de Cns Assiçã Adémi d Fldde De Lisb A. Sr. Gnçl Crrilh Almed d Universidde 1649-014 Lisb Lisb, 29 de Nvembr de 2010 Ê N/ReFí00567/Adm/GR Assn: nvi de

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Comunicação Serial Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Comunicação Serial Vitor Amadeu Souza Prgramaçã em ASIC para PIC Cmuncaçã Seral Vr Amadeu Suza Inrduçã Nesa quara sére relaand us d mkrasic para prgramar PIC, verems cm realzar a cmuncaçã seral enre PC e mcrcnrladr. A déa será lgar u deslgar

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL REGULAMENTO BIBLIOTECA FACULDADE IPEL Regulament Bibliteca FACULDADE IPEL Pus Alegre/MG 2014 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESTE REGULAMENTO TEM POR OBJETIVO ESTABELECER NORMAS REFERENTES AO FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO FLAMBAGEM POR FLEXÃO FLAMBAGEM POR TORÇÃO FLAMBAGEM POR FLEXO-TORÇÃO FLAMBAGEM LATERAL FLAMBAGEM

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

9h-12h: apresentação do curso com o início da escolha das duplas de estudantes análise do vídeo de Sorocaba Victor Flusser

9h-12h: apresentação do curso com o início da escolha das duplas de estudantes análise do vídeo de Sorocaba Victor Flusser TESTES 8 E 9 JUNHO u 15 u 16 JUNHO CONFERENCIA OBRIGATÓRIA DIA 4 DE JUNHO INSCRIÇÕES- ATÉ DIA 3 DE JUNHO Fim de semana 1: 10 E 11 AGOSTO Dia 10/08: 9h-12h: apresentaçã d curs cm iníci da esclha das duplas

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

4.1 Representação em PU

4.1 Representação em PU UIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétrics de Ptência 1 4.1 Representaçã em PU P r f. F l á v i V a n d e r s n G m e s E - m a i l : f l a v i. g m e s @ u f j f. e d u. b r E E

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (FETS) Símbolo. Função Controlar a corrente elétrica que passa por ele. Construção. n + n + I D função de V GS

Transistores de Efeito de Campo (FETS) Símbolo. Função Controlar a corrente elétrica que passa por ele. Construção. n + n + I D função de V GS Tansses de Efe de Camp (FET) Cm n cas d TBJ, a ensã ene ds emnas d FET (feld-effec anss) cnla a cene que ccula pel ece emnal. Cespndenemene FET pde se usad an cm amplfcad quan cm uma chae. O nme d dsps

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

ircuit ennte de ª Ordem O md nturi, u pól, ã independente d frm de excitçã dede que incluã de excitçã nã ltere etrutur nturl d circuit. N ( X ( H ( Pól D( 0 > etrutur D( X i ( nturl crrepnde X i ( 0 Plinómi

Leia mais

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE Uma promessa de amor MOBILIÁRIO E EQUIPMENTOS PRINCIPIS: "VIL BOLONH" º CS/Nº CS,0 m MONT CRG CESSO DE PSSGEM BOLONH,0 m 0 CESSO 0 B DE CESSO,0 m POSTE REDE ELÉTRIC VENID GOVERNDOR JOSÉ MLCHER (NTIG SÃO

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24.

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24. R 3 R R D S VL L Ó S L U D K LÃ W -S / 3 SH FW -S Ã P UL F S SP / / : 8:3 3// 8/ 3/ : 6: SPCL - PRU C VCÊ UC VU.in 7 R Ú 8 9 - R$,,9 R$ CP.in S D PP R S G GS S - R$, 9 R D : : U Q R VG D R SÃ PU L FS H

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO Agrupament de Esclas Vila Flr ESCOLA E.B. 2,3/S DE Vila Flr CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO An Letiv 2015/ 2016 Critéris de Avaliaçã 2 A classificaçã atribuída reflete as cmpetências adquiridas

Leia mais

! "#$%#&" ' % (!! )* #&+$ $," &#$" "-,+ %*./0 1'2'! "# $% $% &! '!

! #$%#& ' % (!! )* #&+$ $, &#$ -,+ %*./0 1'2'! # $% $% &! '! ! "# % % &! '! ( ) - 1 - !"# * + &, -,.!,.,,.,. /,.,.!,., 0,.,,.,., %&' 1 ( 1 2, 1 (% 1 ( 3, 1 * ( 4 1 # ()%) %%* 5 6 ( 1+ 3 %, 2 #,. 1-2 - +()% ) * + 5#78 9 5# ) %. 5 1 : ( ; 7 ( 1 < ' % = %+ (, + >,

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S R V X CH

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S R V X CH IV PALESTRA MOTIVACIONAL Prf. Felipe Lima Data: 23.05.2010 lfg@sugenius.cm.br MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MEMORIZAÇÃO NUMÉRICA Tabela de cnversã 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S L D T F Z R V X CH G J M N B P K

Leia mais

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos Caítul 4 s undaments da ísca Exercícs rsts Undade E Caítul 4 Lentes esércas delgadas Lentes esércas delgadas esluções ds exercícs rsts P.33 trajet esquematzad basea-se n at de ar ser mens rerngente que

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO E CIDADANIA. a k id s

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO E CIDADANIA. a k id s v k d s k d s Brekng Prdgms A Brekng Prdgms é um empres especzd n gestão de projetos cuturs, bem como n dmnstrção e cptção de nvestmentos socs corportvos. Rezmos produção dret ou em coprtcpção de projetos

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

Revista do Aluno Ensino Fundame ntal nos Iniciais

Revista do Aluno Ensino Fundame ntal nos Iniciais Revist d Al u n Ensin Fun Ans Indmentl iciis A Revist d Alun Ensin Fundmentl Ans Iniciis fz prte d Mteril Didátic crid pel prjet AES Sul n Cmunidde Educr pr Trnsfrmr, pertencente Prgrm de Eficiênci Energétic

Leia mais

email: troiasportcombat@gmail.com Tel.: (11) 3435-8626 Seg a Sex.: 08:00 às 12:00 e 13:00 às 17:30hs www.troiasport.com.br

email: troiasportcombat@gmail.com Tel.: (11) 3435-8626 Seg a Sex.: 08:00 às 12:00 e 13:00 às 17:30hs www.troiasport.com.br emil: trisprtcmbt@gmil.cm Tel.: (11) 3435-8626 Seg Sex.: 08:00 às 12:00 e 13:00 às 17:30hs www.trisprt.cm.br Luv bte sc TROIAtic prfissinl sinte NCADA A P E D SACO tri Pr Mteril de lt resistênci - Pliuretn

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada SO TS 16949:2002 A uu d pcfcçã écnc E g pná cnc d m d gã d quldd, uu d pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 bdgm d m d quldd umv. A pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 é bd n pncíp d gã d quldd pnd n nm NBR SO 9001:2000:

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012 COMPETIÇÕES PARA O ESCALÃO DE BENJAMINS B (10-11 ANOS) A respnsabilidade de rganizaçã das actividades para este escalã etári pderá caber as clubes, esclas u à AARAM. As prvas aqui designadas devem ser

Leia mais

SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE TOMADA DE DECISÃO. o o < UJ. o I- o... o (/) > z. o:::... o::: o::: ... o::: ... ::> :I: (/) (/) UJ

SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE TOMADA DE DECISÃO. o o < UJ. o I- o... o (/) > z. o:::... o::: o::: ... o::: ... ::> :I: (/) (/) UJ :::... UJ ::: (.!) UJ...J < I- ::: CL SEMINARIO PARA ODESENVOLVIMENTO DE EXECUTIVOS: TOMADA DE DECISÃO z :I: UJ... < :::... ::> ::: U - UJ I- :::... > UJ I- UJ Z > UJ UJ ~ Z... >...J I- > z Z

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Capítulo VII. Elementos Armazenadores de Energia

Capítulo VII. Elementos Armazenadores de Energia Capíul VII Elemens Armazenadres de Energia 7. Inrduçã Nese capíul serã esudads dis elemens armazenadres de energia cnhecids cm indur e capacir. O primeir cnsise em um elemen que armazena energia em camp

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone C en t r o C o l a b o r a d o r em A l i m en t aç ão e N u t r i ç ão E sc o l ar U n i v e r si d ad e F ed er al d e S ão P au l o P r o je t o d e L e i 6

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais