3. Estruturas Cristalinas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. Estruturas Cristalinas"

Transcrição

1 . Estruturas ristalinas s observações da regularidade e perfeição geométrica de cristais macroscópicos forneceram, já no século XVIII, os primeiros indícios de que os cristais são formados por uma coleção de partículas organizadas de forma periódica. confirmação experimental direta deste fato veio no início do século XX, através dos experimentos de difração de raios-x e do desenvolvimento de uma teoria elementar de difração de ondas por um sistema periódico, descobertas que valeram o prêmio Nobel a W. H. ragg e W. L. ragg em 95 e a M. T. F. von Laue no ano anterior. No capítulo anterior, estudamos porque os átomos se reúnem para formar sólidos; neste capítulo, investigaremos onde eles se posicionam. Estudaremos as propriedades puramente geométricas dos sólidos periódicos, ou seja, a estrutura cristalina. Esta fornece a base elementar para o entendimento de todas as demais propriedades dos sólidos. Figura. orientação relativa das faces dos cristais macroscópicos pode ser explicada a partir da constituição dos mesmos a partir de unidades básicas idênticas (acima). Estas faces (ou superfícies) de alta simetria são aquelas onde o cristal é mais facilmente cortado ( clivado ) (abaixo). Fonte: Kittel, p.. R. J. Haüy, Essai d une théorie sur la structure des cristaux, Paris, 784; Traité de cristalographie, Paris, 80. 5

2 . Redes de ravais Em meados do século XIX,. ravais estudou as diferentes maneiras de se arranjar pontos geométricos de forma periódica no espaço tri-dimensional. Seu trabalho deu origem ao que se conhece hoje como redes de ravais. Há duas definições equivalentes de uma rede de ravais: (a) Um conjunto infinito de pontos com arranjo e orientação que parecem exatamente os mesmos quando vistos de qualquer ponto da rede. (b) Todos os pontos cujas posições R têm a forma R n, a na na (.) onde a, a e a são três vetores não coplanares e n, n e n são inteiros. omo consequência das definições acima, diz-se que cada vetor da rede, R, está associado a uma operação de simetria de translação, T R, que leva a rede nela mesma. Os vetores a i são chamados vetores primitivos da rede. Para uma dada rede de ravais, a escolha dos vetores primitivos não é única, como está mostrado na Fig... Nesta figura está desenhada uma rede de ravais bidimensional, a rede oblíqua. Note que qualquer ponto da rede pode alcançado a partir da origem para qualquer das duas definições de vetores primitivos mostradas na figura: (a,a ) ou (a, a ). Em geral adota-se a convenção na qual estes vetores são os de menor tamanho possível ou apresentam certas simetrias. P 0 a a a Figura. Duas possíveis escolhas de vetores primitivos para a rede oblíqua. Qualquer ponto da rede pode ser obtido aplicando-se a Eq. (.) com ambas as escolhas. Por exemplo, o ponto P pode ser obtido a partir da origem 0 por a a ou por a a. Fonte: shcroft, p. 67. Nem todo arranjo aparentemente regular de pontos é uma rede de ravais. Um contra-exemplo de arranjo bidimensional que não é uma rede de ravais é a chamada rede favo de mel, mostrada na Fig... Note que a definição (a) não é válida, e nem tampouco (b), já que é impossível encontrar um conjunto de vetores primitivos que gere o conjunto de pontos desta rede. 6

3 P Q R Figura. rede favo de mel não é uma rede de ravais. s visões da rede que um observador teria em P e Q são iguais, porém um observador em R teria uma visão invertida. Fonte: shcroft, p. 66. lém das simetrias de translação, as redes de ravais podem ter outras operações de simetria, conhecidas como simetrias pontuais. Estas simetrias são rotações em torno de eixos, reflexões com respeito a planos e inversões com relação a pontos que deixam ao menos um ponto da rede invariante. Pode-se mostrar que toda e qualquer operação de simetria que leva a rede nela mesma é necessariamente de um dos três seguintes tipos: (a) Translação de todos os pontos por um vetor da rede R. (b) Operação de simetria pontual (rotação, reflexão ou inversão) que deixa pelo menos um ponto da rede fixo. (c) Operações construídas a partir de aplicações sucessivas de (a) e/ou (b). omo exemplo, vamos analisar as simetrias da rede cúbica simples, mostrada na Fig..4. Os vetores primitivos são a xˆ a, a yˆ a e a yˆ a, onde a é o tamanho da aresta de cada cubo. Estes vetores primitivos definem as operações de simetria de translação da rede. Figura.4 Rede cúbica simples e seus vetores primitivos. Fonte: shcroft, p. 65. Vamos analisar agora as simetrias pontuais. Há um total de 48 simetrias pontuais que podemos classificar usando a notação ( x, y, z), que representa o resultado de uma determinada operação de simetria em um ponto qualquer da rede ( x, y,, ou seja, ( x, y, ( x, y, z). Por exemplo, ( x, y, representa uma rotação de um ângulo em torno do eixo z (adotamos a notação x para representar x, etc.). s 48 operações estão indicadas na Tabela.. São elas: a identidade E ( x, y,, rotações de em torno dos shcroft, p.. 7

4 eixos cartesianos ( ), 6 rotações de em torno dos eixos cartesianos ( 4 ), 6 rotações de em torno dos 6 eixos que passam pelas diagonais das faces dos cubos ( ), 8 rotações de em torno dos 4 eixos que passam pelas diagonais principais dos cubos ( ), a inversão i ( x, y,, reflexões pelos planos perpendiculares aos eixos cartesianos ( ), as 6 rotações 4 seguidas da inversão i ( S ), 6 reflexões pelos planos perpendiculares aos eixos que passam pelas diagonais das faces ( ), e 8 rotações seguidas da inversão ( S ). Tabela. Operações de simetria do cubo. Notação Operação Notação Operação Notação Operação Notação Operação E ( x, y, 4 ( y, x, i ( x, y, S ( y, x, ( x, y, 4 ( y, x, ( x, y, S ( y, x, ( x, y, 4 ( z, y, ( x, y, S ( z, y, ( x, y, 4 ( z, y, ( x, y, S ( z, y, ( z, x, 4 ( x, z, S ( z, x, S ( x, z, ( y, z, 4 ( x, z, S ( y, z, S ( x, z, ( z, x, ( y, x, S ( z, x, ( y, x, ( y, z, ( y, x, S ( y, z, ( y, x, ( z, x, ( z, y, S ( z, x, ( z, y, ( y, z, ( z, y, S ( y, z, ( z, y, ( z, x, ( x, z, S ( z, x, ( x, z, ( y, z, ( x, z, S ( y, z, ( x, z, lém da rede cúbica simples, há outras duas redes de ravais cúbicas que apresentam as mesmas 48 simetrias pontuais. São elas a rede cúbica de face centrada (face-centered cubic, fcc) e a rede cúbica de corpo centrado (body-centered cubic, bcc). Estas duas redes estão mostradas na Fig..5. Na rede fcc, além dos vértices dos cubos, há pontos da rede no centro de cada face. Porém, todos os pontos da rede são indistinguíveis: os da face são também vértices de (outros) cubos, e vice-versa. O mesmo ocorre na rede bcc, neste caso há um ponto da rede no centro de cada cubo. escolha mais simétrica de vetores primitivos para a rede bcc é a ( ˆ ˆ a x y zˆ), a ˆ ˆ ˆ a ( x y, a ˆ ˆ ˆ a ( x y, onde a é o comprimento da aresta. Para a rede fcc, a melhor escolha é a a (ˆ y ˆ), a ˆ a (ˆ z, a ˆ a (ˆ x. z (.) (.) 8

5 Figura.5 Redes fcc e bcc com seus respectivos vetores primitivos. Fonte: shcroft, p. 68 e 69. s três redes de ravais cúbicas formam o sistema cristalino cúbico. Há um total de 7 sistemas cristalinos distintos: cúbico, tetragonal, ortorrômbico, monoclínico, triclínico, trigonal (ou romboédrico) e hexagonal, cada um caracterizado por um conjunto de operações de simetria pontual. Podemos ilustrar estes 7 sistemas através de objetos que apresentam estas simetrias e que são formados por arestas de lado a, b e c, que formam ângulos entre si de, e. Os diferentes sistemas cristalinos são então descritos por relações entre estas arestas e ângulos (veja a Tabela.). ada sistema cristalino pode conter uma ou mais rede de ravais. Há um total de 4 redes de ravais distintas em dimensões. descoberta de que há apenas estas 4 maneiras de se preencher o espaço com pontos de forma que cada ponto é indistinguível dos outros foi feita por. ravais em 845. Tabela. Os 7 sistemas cristalinos e as 4 redes de ravais. Fonte: Ibach, p. 7. restas Ângulos Sistema ristalino Redes de ravais a b c 90 Triclínico Triclínica a b c a b c a b c a b c a b c a b c 90, 90 Monoclínico Monoclínica simples Monoclínica de base centrada 90 Ortorrômbico Ortorrômbica simples Ortorrômbica de face centrada Ortorrômbica de corpo centrado Ortorrômbica de base centrada 90 Tetragonal Tetragonal simples 90, 0 Hexagonal Hexagonal Tetragonal de corpo centrado 90 Trigonal ou romboédrico Trigonal ou romboédrica 90 úbico úbica simples úbica de face centrada úbica de corpo centrado uriosamente, anos antes M. L. Frankheim havia contado 5 possibilidades em vez de 4. Por este pequeno engano, estudamos hoje as redes de ravais e não as redes de Frankheim... 9

6 Figura.6 Os 7 sistemas cristalinos e as 4 redes de ravais.. élulas Unitárias Uma célula unitária de uma rede de ravais é um volume do espaço que, quando transladado por vetores da rede R (não necessariamente todos), preenche todo o espaço sem se superpor. Fig..7 mostra em um exemplo bi-dimensional, a rede quadrada, diversas células unitárias (,,, D e E) e um contra-exemplo (F). Note que a região F, apesar de ter exatamente a mesma área das regiões, e, não preenche o espaço por translações de vetores R. Uma célula unitária primitiva, ou simplesmente célula primitiva, é uma célula unitária de volume mínimo. escolha de uma célula primitiva para uma determinada rede de ravais também não é única: no exemplo da rede quadrada acima,, e são células primitivas. Para preencher o espaço todo, uma célula primitiva tem que ser transladada por todos os vetores R da rede. Por conseguinte, uma célula primitiva contém 0

7 a a exatamente ponto da rede e o volume de uma célula primitiva, v, se relaciona à densidade de pontos da rede, n, por v n. Todas as células primitivas de uma determinada rede de ravais têm exatamente o mesmo volume. F E D Figura.7 Exemplos e um contra-exemplo de células unitárias da rede quadrada. s regiões, e são também células primitivas, ou seja, células de volume (área) mínimo(a). Note que a região F, apesar de ter a mesma área de, e, não preenche todo o espaço por translações de vetores da rede R. Uma escolha de célula que torna fácil o cálculo de seu volume é aquela formada pelo paralelepípedo gerado pelos vetores primitivos da rede ( e na Fig..7). Fig..8 mostra um exemplo tridimensional. O volume do paralelepípedo é dado por v. a a a Figura.8 élula primitiva formada pelo paralelepípedo gerado por três vetores primitivos da rede. O volume desta célula primitiva (assim como de todas as outras) é a a a Tomemos a rede fcc como exemplo. Os vetores primitivos desta rede são os da Eq. (.). Desta forma, temos (verifique!) v a a a a 4, onde a é o lado do cubo (conhecido como constante de rede ou parâmetro de rede). Uma outra maneira de se calcular o volume por ponto da rede consiste em tomar a célula unitária definida pelo próprio cubo da rede fcc. Esta não é uma célula primitiva, mas é importante pois apresenta as mesmas 48 operações de simetria pontual do sistema cúbico, sendo portanto de fácil visualização. É conhecida como célula unitária convencional. O volume do cubo é a, de forma que, para encontrarmos o volume por ponto da rede, precisamos contabilizar o número total de pontos da rede que um cubo da célula convencional a v.

8 engloba. Temos, porém, como mostra a (veja a Fig..5), pontos da rede nos vértices e nas faces do cubo, como contá-los? em, cada face é compartilhada por dois cubos, e cada vértice é compartilhado por oito cubos, de forma que pontos nas faces devem contribuir com um fator / e pontos nos vértices devem contribuir com um fator /8. ssim, temos um total de pontos da rede por volume a, de modo que o volume por ponto da rede é a /4. É possível escolher uma célula primitiva que tenha também todas as simetrias da rede de ravais: a célula de Wigner-Seitz. célula de Wigner-Seitz é definida como a região do espaço mais próxima de um determinado ponto da rede do que de qualquer outro. Por definição, trata-se de uma célula primitiva, já que cada célula está biunivocamente associada a um ponto da rede. onstrói-se a célula de Wigner-Seitz associada a um ponto traçando-se planos equidistantes (em duas dimensões, retas mediatrizes) deste ponto e de pontos ao redor. Um exemplo bidimensional para a rede oblíqua está mostrado na Fig..9. Figura.9 onstrução da célula de Wigner-Seitz para a rede oblíqua. Veja shcroft, p. 74. Em redes de ravais tridimensionais, as células de Wigner-Seitz podem ser objetos geométricos bastante complicados. Veja na Fig..0 as células de Wigner-Seitz para as redes bcc e fcc, respectivamente um octaedro truncado e um dodecaedro rômbico. Para a rede cúbica simples, a célula de Wigner-Seitz é um cubo. Figura.0 élulas de Wigner-Seitz para as redes bcc e fcc. shcroft, p. 74.

9 . Estrutura ristalina ristais são sólidos ordenados, nos quais as unidades de repetição estão arranjadas de forma periódica em uma rede de ravais subjacente. Portanto, uma estrutura cristalina é definida pela rede de ravais e um conjunto de posições de um ou mais tipos de átomos. este conjunto chama-se base. É importante a distinção entre redes de ravais e estruturas cristalinas: a rede de ravais é uma abstração matemática, um conjunto de pontos. estrutura cristalina contém informação das posições ocupadas por cada átomo e portanto descreve desta maneira a realidade física. onsideremos um exemplo de uma estrutura bidimensional que apresentamos como um contra-exemplo de rede de ravais, a rede favo-de-mel. Esta estrutura não é uma rede de ravais, mas representa uma estrutura cristalina bidimensional formada a partir de uma rede de ravais hexagonal (ou triangular) e uma base de átomos, um na origem 0 e outro em ( a a), como mostra a Fig... Se os dois átomos forem de carbono, esta é a estrutura do grafeno (uma única folha de grafite). Uma folha de nitreto de boro (N) hexagonal também apresenta esta estrutura: neste caso, os átomos de ocupariam os sítios enquanto que os átomos de N ocupariam os sítios. a a Figura. estrutura do grafeno como uma rede de ravais hexagonal (de vetores primitivos a e a ) e uma base de dois átomos localizados nas posições 0 (átomo ) e ( a a ) (átomo ). lgumas estruturas cristalinas são formadas por apenas átomo por célula primitiva. Neste caso, as posições atômicas podem ser escolhidas para coincidir com as posições R dos vetores da rede. Dos casos que analisamos anteriormente, os exemplos mais importantes são os cristais com estrutura fcc e bcc 4. ristalizam-se na estrutura fcc os sólidos de gases nobres e vários metais. Tabela. mostra o parâmetro de rede para estes sólidos. 4 rede cúbica simples não é muito comum entre os sólidos elementares: apenas a fase do polônio cristaliza-se nesta estrutura.

10 Tabela. Parâmetro de rede dos sólidos elementares com estrutura fcc. Fonte: shcroft, p. 70. Elemento a(å) Elemento a(å) Elemento a(å) Elemento a(å) r 5,6 -o,55 Ni,5 Rh,80 g 4,09 u,6 Pb 4,95 Sc 4,54 l 4,05 Ir,84 Pd,89 Sr 6,08 u 4,08 Kr 5,7 Pr 5,6 Th 5,08 a 5,58 La 5,0 Pt,9 Xe 6,0 e 5,6 Ne 4,4 -Pu 4,64 Yb 5,49 Diversos elementos metálicos, em particular todos os metais alcalinos, se cristalizam na estrutura bcc. Veja os valores dos parâmetros de rede na Tabela.. Tabela. Parâmetro de rede dos sólidos elementares com estrutura bcc. Fonte: shcroft, p. 70. Elemento a(å) Elemento a(å) Elemento a(å) a 5,0 Li,49 Ta, r,88 Mo,5 Tl,88 s 6,05 Na 4, V,0 Fe,87 Nb,0 W,6 K 5, Rb 5,59 Dissemos anteriormente que há 7 sistemas cristalinos, cada um com seu conjunto próprio de operações de simetria pontual. Este conjunto de operações forma um grupo pontual. definição matemática de grupo está além dos objetivos deste curso. Na verdade, os grupos e suas propriedades são objeto de estudo de toda uma área da matemática, a Teoria de Grupos, com aplicações importantíssimas em Física da Matéria ondensada. Quando levamos em conta as operações de translação e pontuais combinadas, temos um grupo espacial. s 4 redes de ravais correspondem a 4 possíveis grupos espaciais. omo dissemos, uma estrutura cristalina é formada por uma rede de ravais e uma base. Desta forma, a estrutura cristalina pode não ter todas as simetrias da rede de ravais a ela associada: depende do objeto (ou conjunto de átomos) que forma a base. Veja o exemplo na Fig..: uma estrutura cristalina formada por uma rede de ravais quadrada e uma base de simetria menor não apresenta todas as simetrias da rede de ravais. 4

11 Rotação de Figura. Uma estrutura cristalina formada a partir de uma rede de ravais quadrada e um objeto complicado como base apresenta redução de simetria. Por exemplo, uma rotação de é uma operação de simetria da rede de ravais, mas não da estrutura cristalina. s operações de simetria pontual de todas as estruturas cristalinas possíveis podem ser agrupadas em grupos, chamados grupos pontuais cristalográficos (compare este número com os 7 grupos pontuais associados aos 7 sistemas cristalinos). Quando as operações de translação são levadas em conta, há 0 possíveis grupos espaciais. Todo e qualquer sólido periódico se encaixa, de acordo com suas simetrias, em um destes 0 grupos espaciais cristalográficos. Uma extensa e histórica compilação dos grupos espaciais para diversos compostos está na série de volumes rystal Structures, de Wyckoff 5. descrição dos 0 grupos espaciais encontra-se na também histórica coleção International Tables for rystallography 6. Iremos descrever agora outros exemplos importantes de estrutura cristalina: (a) Estrutura do diamante. Nesta estrutura cristalizam-se os elementos da coluna IV da tabela periódica. omo mostra a Fig.., esta estrutura é constituída por uma rede de ravais fcc e uma base com dois átomos idênticos, um na origem 0 e outro a /4 da diagonal do cubo de a lado a da célula unitária convencional (ˆ ˆ ˆ 4 x y. Pode-se também visualizar esta estrutura como duas redes fcc interpenetrantes, deslocadas pelo vetor que une os dois átomos da base. omo vimos no apítulo, esta estrutura satisfaz a necessidade dos elementos da coluna IV de formar 4 ligações covalentes com seus vizinhos. Note que cada átomo fica no centro de um tetraedro formado pelos 4 vizinhos mais próximos. Na Tabela., o parâmetro de rede para diversos sólidos com a estrutura do diamante. 5 R. W. G. Wyckoff, rystal Structures, John Wiley & Sons, New York, International Tables for rystallography, Kluwer cademic Publishers,

12 Tabela. Parâmetros de rede para sólidos com estrutura do diamante. ristal a(å) (diamante),57 Si 5,4 Ge 5,66 -Sn 6,49 Figura. Estrutura do diamante (se todas as esferas representam átomos iguais) ou zincblende (se esferas brancas representam um tipo de átomo, e esferas cinzas representam outro tipo). (b) Estrutura zincblende ( blenda de zinco ). Esta estrutura é bastante similar à estrutura do diamante, tendo como única distinção o fato de que os átomos da base são distintos. ristalizam-se nesta estrutura diversos compostos com ligações parcialmente iônicas e covalentes, como os formados por elementos das colunas III-V e II-VI da tabela periódica. Veja na Tabela.4 os parâmetros de rede de alguns destes compostos. Tabela.4 Parâmetros de rede de alguns compostos com estrutura zincblende. ristal a(å) ristal a(å) ristal a(å) ristal a(å) uf 4,6 ete 5,54 dte 6,48 GaP 5,45 ul 5,4 MnS 5,60 HgS 5,85 Gas 5,65 ur 5,69 MnSe 5,8 HgSe 6,08 GaSb 6, ui 6,04 ZnS 5,4 HgTe 6,4 InP 5,87 gi 6,47 ZnSe 5,67 lp 5,45 Ins 6,04 es 4,85 ZnTe 6,09 ls 5,6 InSb 6,48 ese 5,07 ds 5,8 lsb 6, Si 4,5 (c) Estrutura hcp (hexagonal close-packed). estrutura hcp é uma das mais frequentes formas de cristalização dos metais. É formada por uma rede de ravais hexagonal, com vetores primitivos a xˆ, a a a xˆ ˆ) e a zˆ, e átomos idênticos na base, um na origem e outro no ( y c centro do prisma triangular, em a a a, como mostra a Fig..4. 6

13 Figura.4 Estrutura hcp. Fonte: shcroft, p. 78. O nome hexagonal close-packed vem do fato de que esta estrutura representa uma das possíveis maneiras de se empacotar esferas duras de modo que elas ocupem o menor volume possível 7. Isto é mais facilmente entendido se analisamos o empacotamento camada a camada. Em duas dimensões, a configuração de volume mínimo para um conjunto de esferas duras é a rede triangular. Este arranjo, quando visto perpendicularmente ao plano, está representado pelos círculos na Fig..5, cada qual marcado pela letra. Para colocarmos uma segunda camada de esferas sobre a camada inicial de forma a preencher o menor volume possível, a melhor escolha são as posições das depressões entre as esferas. Há duas opções equivalentes: o conjunto de posições ou. mbos conjuntos formam também redes triangulares. estrutura hcp corresponde à escolha de empacotamento ou, equivalentemente,. No caso de esferas duras, este empacotamento forma uma estrutura hcp onde a razão c/a é igual a 8 (lista de exercícios). Este é o valor ideal de c/a. Quando empacota-se átomos ao invés de esferas duras, o valor de c/a pode diferir do valor ideal, mas os dados da Tabela.5 mostram que, na maioria dos casos, esta diferença é pequena. Figura.5 onstrução da estrutura hcp ideal camada a camada através do empacotamento de esferas duras. Na primeira camada, as esferas estão localizadas nas posições, na segunda,, e assim alternando-se. O empilhamento corresponde à rede fcc. Há inúmeras outras maneiras de obter-se uma estrutura com empacotamento máximo, basta criar uma sequência de letras, e sem repetição. Por exemplo, a sequência corresponde à rede fcc (verifique!). Há sistemas que podem se 7 Kepler foi o primeiro a conjecturar esse resultado, em 6. Na realidade, não existe ainda, até os dias de hoje, uma prova matemática da conjectura de Kepler. Veja: 7

14 cristalizar em diversas estruturas diferentes (politipos), e outros que apresentam sequências aleatórias. Tabela.5 Parâmetros de rede e razões c/a para diversos cristais hcp. Fonte: shcroft, p. 77. ristal a(å) c/a ristal a(å) c/a ristal a(å) c/a ristal a(å) c/a e,9,56 He*,57,6 Os,74,58 Tl,46,60 d,98,89 Hf,0,58 Pr,67,6 Tm,54,57 e,65,6 Ho,58,57 Re,76,6 Y,65,57 -o,5,6 La,75,6 Ru,70,59 Zn,66,86 Dy,59,57 Lu,50,59 Sc,,59 Zr,,59 Er,56,57 Mg,,6 Tb,60,58 Gd,64,59 Nd,66,6 Ti,95,59 ideal,6 * T = K e pressão de 6 atm. (d) Estrutura do Nal. Na estrutura do Nal, mostrada na Fig..6, cristalizam-se a maioria dos halogenetos alcalinos e de alguns outros cristais iônicos. Nesta estrutura, os íons ocupam as posições de uma rede cúbica simples, com cada íon positivo rodeado por seis íons negativos e vice-versa. Porém, como os íons são diferentes, a estrutura não pode ser descrita a partir de uma rede de ravais cúbica simples, e sim de uma rede fcc com dois a átomos por base: um ânion (ou cátion) na origem e um cátion (ou ânion) em xˆ. Tabela.6 mostra os parâmetros de rede de alguns sólidos com a estrutura do Nal. Figura.6 Estrutura do Nal. s esferas brancas e pretas representam, respectivamente, os íons positivos e negativos (ou vice-versa). Fonte: shcroft, p. 80. Tabela.6 Parâmetro de rede de alguns sólidos com a estrutura do Nal. Fonte: shcroft, p. 80. ristal a (Å) ristal a (Å) ristal a (Å) ristal a (Å) LiF 4,0 Kl 6,9 gl 5,55 SrO 5,6 Lil 5, Kr 6,60 gr 5,77 SrS 6,0 Lir 5,50 KI 7,07 MgO 4, SrSe 6, LiI 6,00 RbF 5,64 MgS 5,0 SrTe 6,47 NaF 4,6 Rbl 6,58 MgSe 5,45 ao 5,5 Nal 5,64 Rbr 6,85 ao 4,8 as 6,9 Nar 5,97 RbI 7,4 as 5,69 ase 6,60 NaI 6,47 sf 6,0 ase 5,9 ate 6,99 KF 5,5 gf 4,9 ate 6,4 8

15 (e) Estrutura do sl. lguns poucos halogenetos alcalinos e halogenetos de tálio se cristalizam na chamada estrutura do sl, mostrada na Fig..7. Nesta estrutura, os íons ocupam os pontos de uma rede bcc, mas, por serem dois tipos diferentes de íons, a rede de ravais subjacente é cúbica simples, com uma base de dois átomos, um cátion (ou ânion) na origem e um ânion (ou cátion) em a (ˆ ˆ ˆ x y. Desta forma, cada íon fica rodeado por 8 íons de sinal oposto. Veja os parâmetros de rede dos compostos com estrutura do sl na Tabela.7. Figura.7 Estrutura do sl. Fonte: shcroft, p. 8. Tabela.7 Parâmetro de rede de alguns sólidos com estrutura do sl. Fonte: shcroft, p. 8. ristal a (Å) ristal a (Å) sl 4, Tll,8 sr 4,9 Tlr,97 si 4,57 TlI 4,0.4 Sólidos Desordenados: Ligas, morfos e Quase-cristais Nem todos os sólidos apresentam a periodicidade característica das redes de ravais. Uma consequência desta periodicidade é a propriedade de ordem de longo alcance: conhecendo-se a posição de um átomo da rede, podemos determinar exatamente a posição de um outro átomo qualquer, mesmo que esteja a uma longa distância do primeiro. lguns sólidos não possuem esta propriedade, e portanto são genericamente chamados de desordenados. Dentre estes, discutiremos em detalhe as ligas e os amorfos. Há ainda materiais que exibem um certo tipo de ordem de longo alcance mas não são periódicos, podendo então ser entendidos como materiais intermediários entre os cristais e os desordenados: os quase-cristais. s ligas são o tipo mais simples de sólido desordenado. Forma-se uma liga quando se misturam duas ou mais espécies atômicas de forma aleatória (ou parcialmente aleatória) em uma estrutura cristalina, como está esquematizado na Fig..8. Neste caso, o principal componente da desordem é químico, e não estrutural: os átomos ocupam aproximadamente as mesmas posições de um material cristalino, mas a ocupação é aleatória e portanto perde-se a ordem de longo alcance. Muitas ligas são materiais 9

16 fabricados artificialmente com objetivo de se desenvolver novos compostos com propriedades intermediárias com relação àqueles que os compõem, sendo de grande interesse tecnológico. Figura. 8 Formação esquemática de uma liga a partir dos componentes puros e. Um outro tipo importante de sólido desordenado é o chamado sólido amorfo. Em um amorfo, a desordem está nas posições dos átomos e não necessariamente em sua composição química. Um exemplo esquemático de um sólido amorfo em duas dimensões está mostrado na Fig..9. Note que não há ordem de longo alcance. Porém, um sólido amorfo está longe de ser uma estrutura totalmente aleatória. Existe uma correlação entre as posições de átomos próximos, que se manifesta de diferentes formas. Por exemplo note que, na figura abaixo, todas as ligações químicas são praticamente do mesmo tamanho e cada átomo branco tem dois vizinhos pretos, e cada preto tem três vizinhos brancos. Este tipo de ordem que permanece nos amorfos é conhecida como ordem de curto alcance. Figura. 9 Um sólido cristalino (à esquerda) e um amorfo (à direita). Note a falta de ordem de longo alcance no amorfo no amorfo, mas a existência de ordem de curto alcance que se manifesta no tamanho aproximadamente igual de todas as ligações químicas e no arranjo ordenado dos vizinhos de cada tipo. Fonte: Kittel, p. 56. distribuição dos átomos em um sólido amorfo não é muito diferente de um líquido. No líquido, porém, há uma mobilidade muito maior e as ligações químicas não 40

17 são rígidas, estando continuamente se formando e se rompendo. liás, forma-se um sólido amorfo resfriando-se o material rapidamente a partir do estado líquido, de modo que os átomos não tenham tempo suficiente de se arranjarem nas posições cristalinas (de mais baixa energia) e ficam congelados no estado amorfo 8. Talvez o material amorfo mais conhecido seja o vidro de silica (SiO ), que se usa na fabricação de janelas. Outros exemplos de importância prática são o silício amorfo, bastante usado na fabricação de células solares, e o carbono amorfo, que apresenta propriedades de dureza semelhantes ao diamante (sendo, no entanto, muito mais fácil de ser produzido) e que portanto é utilizado em muitas aplicações como revestimento protetor (inclusive lâminas de barbear!). Um exemplo da distribuição aparentemente aleatória dos átomos de Si no seu estado amorfo está mostrado na Fig..0. Figura. 0 rranjo atômico em uma região de silício amorfo contendo 78 átomos. Note o arranjo aparentemente aleatório. Porém, uma análise mais cuidadosa revela que os tamanhos de ligação química e os ângulos entre elas estão distribuídos em torno de valores médios bem definidos. Uma maneira de se caracterizar a estrutura de um sistema amorfo ou líquido é através da função de correlação de pares (também chamada de função de distribuição radial) g(r). Define-se esta função de modo que g ( r) dr é o número de átomos contidos em uma casca esférica entre r e r + dr, dado que há um átomo na origem. Desta forma, podemos relacionar g( r) 4r ( r), onde (r) seria uma densidade radial de partículas, a partir de uma partícula na origem. função g(r) descreve então as nãohomogeneidades na distribuição de partículas. Por exemplo, para um gás ideal de densidade 0 teríamos g( r) 4r 0, ou seja, uma função quadrática. Já para um cristal ordenado, a função de distribuição seria formada por uma série de picos muito estreitos, cada qual a uma distância muito bem definida a partir do átomo central, indicando as distâncias entre os primeiros vizinhos, segundos vizinhos, etc. Já para um sistema amorfo 8 Há uma noção bastante popular, porém errônea, de que o vidro é um líquido com uma viscosidade extremamente alta. Isto não é verdade, o vidro possui todas as características mecânicas de um material sólido. Provavelmente as janelas de catedrais antigas têm a base mais larga que o topo porque seus construtores sabiam que assim elas seriam mais estáveis. 4

18 ou líquido, a função de distribuição apresenta um comportamento intermediário entre o sólido e o gás ideal. ordem de curto alcance fica clara pela presença de picos alargados nas vizinhanças mais próximas do átomo central. podemos ver este comportamento na Figura., que mostra resultados experimentais para a função g(r) para o sódio líquido. Na mesma figura, compara-se o resultado obtido com as funções g(r) para o sódio cristalino e um gás ideal com a mesma densidade. Figura. - Função de distribuição de pares para o (a) sódio líquido, (b) um gás ideal com a mesma densidade do sódio líquido e (c) cristal de sódio na estrutura bcc. Fonte: "X-Ray Diffraction Study of Liquid Sodium", L. P. Tarasov e. E. Warren, J. hem. Phys. 4, 6 (96). Quase-cristais formam uma outra classe de material desordenado (ou, mais corretamente, quase-ordenado). omo vimos neste capítulo, as redes de ravais e as estruturas cristalinas podem ser classificadas de acordo com suas simetrias. Vimos que algumas destas simetrias são operações pontuais como rotações, inversões e reflexões. Em cristalografia, há muito se sabe que as possíveis simetrias de rotação são por ângulos de n, onde n =,,, 4 ou 6. Operações de simetria por rotações de 5 são incompatíveis com a periodicidade cristalina, um fato que se expressa em duas dimensões pela impossibilidade de preenchermos o plano com células unitárias pentagonais, como mostra a Fig... nalogamente, em três dimensões é impossível preencher o espaço com dodecaedros ou icosaedros, sólidos platônicos que também apresentam simetria de rotação de 5 (Fig..). Foi então surpreendente quando, em 984, Shechtman, lech, Gratias, e ahn 9 demonstraram, por difração de elétrons, que certas ligas de l-mn rapidamente resfriadas a partir do estado líquido formavam sólidos que combinavam simetria de rotação de 5 no espectro de difração e ordem orientacional de longo alcance, significando que as diversas unidades que compõem o sólido estavam todas orientadas da mesma forma. 9 D. Schechtman, I. lech, D. Gratias, J. ahn, Metallic phase with long range orientational order and no translational symmetry, Phys. Rev. Lett. 5, 95 (984). 4

19 Este tipo de ordem orientacional até então era associada à periodicidade cristalina que, como dissemos, é incompatível com a simetria de rotação de 5. estes materiais, que pareciam apresentar algumas propriedades de um sistema cristalino (ordem orientacional de longo alcance), mas não outras (periodicidade), deu-se o nome de quasecristais. Por sua descoberta, Shechtman ganhou o Prêmio Nobel de Química em 0. Figura. É impossível recobrir um plano apenas com pentágonos. Figura. Os sólidos platônicos: tetraedro, cubo, octaedro, dodecaedro e icosaedro. Destes, os os dois últimos são os únicos com os quais não se pode preencher o espaço, devido às suas simetrias de rotação de /5. Há versões unidimensionais dos quase-cristais que, mesmo sem apresentar simetrias de rotação, ilustram a possibilidade de um sistema ter um certo tipo de ordem sem ser periódico. O protótipo -D de quase-cristal é a cadeia de Fibonacci, uma sequência unidimensional infinita formada por dois tipos de elementos, e (que podem representar dois átomos distintos ou duas ligações de comprimentos diferentes). sequência infinita S é gerada recursivamente a partir de duas sequências iniciais e através do algoritmo S n SnSn :... (.4) 4

20 Note que esta sequência não é periódica: não há nenhuma unidade básica que se repita. o mesmo tempo, existe uma certa ordem visto que a distribuição de s e s não é aleatória, mas gerada a partir de regras bem definidas. Esta cadeia tem este nome por analogia com a sequência de números de Fibonacci, 0,,,,, 5, 8,,,, na qual um elemento é dado pela soma dos dois antecessores 0. razão entre um número de Fibonacci e seu antecessor tende ao número 5 irracional, conhecido desde a antiguidade por estar associado a proporções esteticamente harmoniosas, e por isso chamado proporção áurea. Pode-se mostrar que, na cadeia de Fibonacci infinita, a razão entre elementos e é igual a. proporção áurea também está presente de diversas maneiras em quase-cristais em e dimensões. Em duas dimensões, o quase-cristal mais conhecido é o chamado ladrilho de Penrose. Interessantemente, foi inventado antes da descoberta experimental dos quasecristais pelo físico-matemático Roger Penrose, em 974. O ladrilho, mostrado na Fig..4, representa um arranjo não-periódico de dois tipos de paralelogramos de lados iguais através de regras bem definidas. Note que os diversos decágonos regulares da figura estão todos orientados da mesma forma, indicando a ordem orientacional de longo alcance. proporção áurea também se faz presente: é igual à razão entre os números de paralelogramos de cada tipo. Nos quase-cristais reais, em três dimensões, os átomos de Mn e l se organizam de forma que l formam uma gaiola icosaédrica com Mn no centro, e os diversos icosaedros se agrupam pelas bordas de maneira paralela. Figura.4 O ladrilho de Penrose. 0 Os números de Fibonacci aparecem de forma intrigante em diversos fenômenos da natureza, especialmente em biologia. 44

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 26/3/2006 CM I 2 Arranjo Periódico de Átomos Sólido: constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:»

Leia mais

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA Introdução Sólidos são compostos que apresentam uma alta regularidade estrutural. Com exceção dos sólidos amorfos, nos quais essa regularidade só existe em um curto espaço,

Leia mais

Os reticulados de Bravais 60 CAPÍTULO 4

Os reticulados de Bravais 60 CAPÍTULO 4 4 Estrutura Cristalina A palavra estrutura vem do latim structura, derivada do verbo struere, construir. No sentido mais geral, ela significa organização das partes ou dos elementos que formam um todo.

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini

PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS Estrutura dos Sólidos Tipo Exemplo Unidades Natureza Estruturais da ligação Iônico NaCl, CaCl 2 Íons positivos Iônica - Atração e negativos Eletrostática forte Metálico

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURAS CRISTALINAS E GEOMETRIA DOS CRISTAIS

CAPÍTULO 3 ESTRUTURAS CRISTALINAS E GEOMETRIA DOS CRISTAIS 58 CAPÍTULO ESTRUTURAS CRISTALINAS E GEOMETRIA DOS CRISTAIS Sumário Objetivos deste capítulo...59.1 Introdução...59.2 Rede espacial e células unitárias...59. Sistemas cristalográficos e redes de bravais...60.4

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Sólidos Sólidos 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:

Leia mais

Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos volume que no estado líquido (fundido).

Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos volume que no estado líquido (fundido). Campus Experimental de Sorocaba Materiais e Reciclagem 3 Arranjo Atômico e Cristalografia Professor Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Fevereiro de 2015. Os materiais no estado sólido ocupam geralmente menos

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

Espectroscopia de Raios X

Espectroscopia de Raios X Espectroscopia de Raios X 1. Introdução Raios X O conhecimento da estrutura dos materiais, a maioria dos quais são cristalinos no estado sólido, s é fundamental para a caracterização das propriedades físicas

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Estrutura cristalina dos metais 1 DEFINIÇÃO DE CRISTAL - Sólidos cristalinos: Uma substância pode ser considerada cristalina quando os átomos (ou moléculas) que a constitui

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco 2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS Os sólidos são caracterizados por uma associação muito próxima de átomos, em geral representados por esferas rígidas, em contato uns com os outros e mantidos juntos por

Leia mais

CRISTALOGRAFIA NOTAÇÃO CRISTALOGRÁFICA

CRISTALOGRAFIA NOTAÇÃO CRISTALOGRÁFICA RISTLGRFI PÍTUL III NTÇÃ RISTLGRÁFI 3.1. EIS RISTLGRÁFIS Denominamos eixos cristalográficos a um conjunto de linhas imaginárias paralelas às arestas limitantes das principais faces de um cristal, e que

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ESTRUTURA CRISTALINA

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ESTRUTURA CRISTALINA ESTRUTURA E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ESTRUTURA CRISTALINA Prof. Rubens Caram 1 POR QUE CRISTAL? Antigos gregos: pedaços de quartzo encontrados em regiões frias era um tipo especial de gelo - Krystallos

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES Estrutura Cristalina - arranjo (organização espacial) - simetria -

Leia mais

ESTRUTURAS IÔNICAS. Be 2+ Al 3+ Na + Cl- S 2- Mg 2+ Fe 2+ Fe 3+ Sc 3+ Ti 4+ V 5+ Cr 3+ Co 2+ Ni 2+ Cu + Zn 2+ Ga 3+ Ca 2+ K + Mn 2+ Se2- Br -

ESTRUTURAS IÔNICAS. Be 2+ Al 3+ Na + Cl- S 2- Mg 2+ Fe 2+ Fe 3+ Sc 3+ Ti 4+ V 5+ Cr 3+ Co 2+ Ni 2+ Cu + Zn 2+ Ga 3+ Ca 2+ K + Mn 2+ Se2- Br - ESTRUTURAS IÔNICAS Estamos em condição, agora, de estudar os tipos de estruturas cristalinas iônicas mais comuns. Muitos haletos dos Grupos 1 e 2 são usados como modelos estruturais básicos para compostos

Leia mais

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr.

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Biologia Estrutural Simetria Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. Resumo Características dos Cristais Características dos Cristais de Proteínas Elementos de Simetria Rede, Retículo e Empacotamento

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA 1

ESTRUTURA CRISTALINA 1 ESTRUTURA CRISTALINA ARRANJO ATÔMICO Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão diretamente associadas à sua estrutura cristalina (ex: magnésio e berílio que têm a mesma estrutura se deformam

Leia mais

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira 2 Cristais são arranjos atômicos ou moleculares cuja estrutura

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

Tecnologia Dos Materiais

Tecnologia Dos Materiais Tecnologia Dos Materiais Aula 2: Estrutura Cristalina Conceitos Fundamentais Célula Unitária Estrutura Cristalina Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão diretamente associadas à sua

Leia mais

CAPÍTULO 4 NOÇÕES DE CRISTALOGRAFIA

CAPÍTULO 4 NOÇÕES DE CRISTALOGRAFIA 73 CAPÍTULO 4 NOÇÕES DE CRISTALOGRAFIA Sumário Objetivos deste capítulo...74 4.1 Introdução...74 4. Posições atômicas em células unitárias cúbicas...74 4.3 Direções em células unitárias cúbicas...75 4.4

Leia mais

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC Ana Sofia C. M. d Oliveira, Ph.D. Profa Titular/DEMEC Principais estruturas cristalinas dos metais Estruturas cristalinas Sistema cristalino Triclinico Monoclinico

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

O CRISTAL IDEAL Estrutura Cristalina. Livro Texto - Capítulo 3

O CRISTAL IDEAL Estrutura Cristalina. Livro Texto - Capítulo 3 46 O CRISTAL IDEAL Estrutura Cristalina Livro Texto - Capítulo 47 O Cristal Perfeito - Estrutura Cristalina Muitos materiais - metais, algumas cerâmicas, alguns polímeros - ao se solidificarem, se organizam

Leia mais

Simetria Externa. Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos. Departamento de Química e Física Molecular. SQM 409 - Cristalografia

Simetria Externa. Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos. Departamento de Química e Física Molecular. SQM 409 - Cristalografia Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Departamento de Química e Física Molecular Simetria Externa SQM 09 - Cristalografia Prof. Dr. Maria Teresa do Prado Gambardella . Simetria Externa

Leia mais

Tecnologia Mecânica I. Prof. Vinicius Karlinski de Barcellos ESTRUTURA CRISTALINA

Tecnologia Mecânica I. Prof. Vinicius Karlinski de Barcellos ESTRUTURA CRISTALINA Tecnologia Mecânica I Prof. Vinicius Karlinski de Barcellos 2011 ESTRUTURA CRISTALINA 3. Materiais cristalinos ASSUNTO -Estrutura cristalina: conceitos fundamentais célula unitária - Sistemas cristalinos

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na 13 2 Hidroxiapatita 2.1. Aplicações biomédicas da hidroxiapatita A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância

Leia mais

Relação de Euler nos prismas V= número de vértices A= número de arestas F= número de faces

Relação de Euler nos prismas V= número de vértices A= número de arestas F= número de faces Prismas A reunião dos infinitos segmentos, paralelos a s, que têm um de seus extremos no polígono ABCDEF contido em e outro extremo pertencente ao plano, constitui um sólido geométrico chamado prisma.

Leia mais

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com Difração Espectrometria por Raios X Fenômeno encontrado enquanto ondas (sísmicas, acústicas, ondas de água, ondas eletromagnéticos, luz visível, ondas de rádio, raios X) encontram um obstáculo teia de

Leia mais

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Periodicidade O átomo é visto como uma esfera, onde só as

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

O azulejo articulado de Eduardo Nery

O azulejo articulado de Eduardo Nery O azulejo articulado de Eduardo Nery Jorge Rezende (Grupo de Física-Matemática (GFMUL) e Departamento de Matemática (DMFCUL) da Universidade de Lisboa.) Neste artigo consideramos apenas azulejos quadrados

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano

Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano A Geometria espacial (euclidiana) funciona como uma ampliação da Geometria plana (euclidiana) e trata dos métodos apropriados para o estudo

Leia mais

Estudando Poliedros com Auxílio do Software Poly

Estudando Poliedros com Auxílio do Software Poly DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO/GERÊNCIA DE PESQUISA PROJETO: TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Estudando Poliedros com Auxílio do Software

Leia mais

ESTEREOQUIMICA ELEMENTOS DE SIMETRIA

ESTEREOQUIMICA ELEMENTOS DE SIMETRIA ESTEREOQUIMIA 1 Prof. ugo Braibante ELEMENTOS DE SIMETRIA Simetria, uma ferramenta matemática e ao mesmo tempo um índice estético, é um meio privilegiado de descobrir algumas belezas da ciência, pois nos

Leia mais

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 )

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 ) - LIGAÇÕES IÔNICAS: A ligação iônica é a ligação química formada pela atração eletrostática entre íons positivos e íons negativos. A ligação se dá entre dois átomos quando um elétron, ou mais um, se transfere

Leia mais

Geometria Elementar gênese e desenvolvimento. Roberto Ribeiro Paterlini

Geometria Elementar gênese e desenvolvimento. Roberto Ribeiro Paterlini Geometria Elementar gênese e desenvolvimento Roberto Ribeiro Paterlini Copyright março de 2010 by Roberto Ribeiro Paterlini Departamento de Matemática, UFSCar A presente versão está disponível na página

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aula 2 1º sem.

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nova Friburgo, de de 2014. Aluno (a): Gabarito Professor(a): ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nº: Turma:100 Assuntos: Estrutura atômica; Tabela Periódica; Propriedades periódicas;

Leia mais

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade.

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Rosane Saraiva Melo, Jéssica Silva de Aquino, Israel Bezerra Pereira, Adilson Luis Pereira Silva *. Universidade Federal do

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D

MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D Resumo: Amarildo Aparecido dos Santos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo amarosja@terra.com.br

Leia mais

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS UNIDADE 2 - LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 2.1. FORÇAS DE LIGAÇÃO FORTES Importante conhecer-se as atrações que mantêm os átomos unidos formando os materiais sólidos. Por exemplo, uma peça de cobre contém 8,4x10

Leia mais

Computação Gráfica Interativa

Computação Gráfica Interativa Computação Gráfica Interativa conceitos, fundamentos geométricos e algoritmos 1. Introdução Computação Gráfica é a criação, armazenamento e a manipulação de modelos de objetos e suas imagens pelo computador.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 1. Prismas Geometria Métrica

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

CAPÍTULO IV ESTRUTURAS ATÔMICAS

CAPÍTULO IV ESTRUTURAS ATÔMICAS CAPÍTULO IV ESTRUTURAS ATÔMICAS ESTRUTURAS ATÔMICAS 4.1. Introdução Através de ligações atômicas, os átomos podem formar compostos com propriedades bem distintas das propriedades de seus constituintes

Leia mais

Determinação por Difração de Raios X da Estrutura Molecular do 1L-1,2,3,4,5-Ciclohexanopentol

Determinação por Difração de Raios X da Estrutura Molecular do 1L-1,2,3,4,5-Ciclohexanopentol Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Programa de Pós-Graduação em Ciências Moleculares Determinação por Difração de Raios X da Estrutura Molecular do 1L-1,2,3,4,5-Ciclohexanopentol

Leia mais

Unidade 9 - Prisma. Introdução Definição de um prisma. Denominação de um prisma. Prisma regular Área de um prisma. Volume de um prisma

Unidade 9 - Prisma. Introdução Definição de um prisma. Denominação de um prisma. Prisma regular Área de um prisma. Volume de um prisma Unidade 9 - Prisma Introdução Definição de um prisma Denominação de um prisma Prisma regular Área de um prisma Volume de um prisma Introdução Após a abordagem genérica de poliedros, destacaremos alguns

Leia mais

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. geometria e medidas

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. geometria e medidas geometria e medidas Guia do professor Objetivos da unidade 1. Estudar linhas de simetria com espelhos; 2. Relacionar o ângulo formado por dois espelhos e o número de imagens formadas; 3. Estudar polígonos

Leia mais

Profa Fernanda Galante Fundamentos de Química e Biologia Molecular/ Nutrição Material 3 1 LIGAÇÕES QUIMICAS

Profa Fernanda Galante Fundamentos de Química e Biologia Molecular/ Nutrição Material 3 1 LIGAÇÕES QUIMICAS Profa Fernanda Galante Fundamentos de Química e Biologia Molecular/ Nutrição Material 3 1 LIGAÇÕES QUIMICAS REGRA DO OCTETO Cada átomo tem um número de elétrons diferente e estes e - (elétrons) estão distribuídos

Leia mais

Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros

Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros José Luiz Magalhães de Freitas INMA/UFMS e-mail: joseluizufms2@gmail.com Marilena Bittar INMA/UFMS e-mail: marilenabittar@gmail.com O objetivo

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

GEOMETRIA BÁSICA 2011-2 GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 08/11/2011

GEOMETRIA BÁSICA 2011-2 GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 08/11/2011 GEOMETRIA BÁSICA 2011-2 GGM00161-TURMA M2 Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 08/11/2011 Definição : Considere dois planos paralelos α e β e um segmento de reta PQ, cuja reta suporte r intercepta o plano

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

GEOMETRIA NO PLANO. Linha Conjunto infinito de pontos que pode ser desenhado por um único movimento contínuo (objecto geométrico a uma dimensão).

GEOMETRIA NO PLANO. Linha Conjunto infinito de pontos que pode ser desenhado por um único movimento contínuo (objecto geométrico a uma dimensão). GEOMETRIA NO PLANO 1 Noções Elementares Ponto O objecto geométrico mais elementar (sem dimensão). Linha Conjunto infinito de pontos que pode ser desenhado por um único movimento contínuo (objecto geométrico

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

CIÊNCIA DE MATERIAIS I

CIÊNCIA DE MATERIAIS I CIÊNCIA DE MATERIAIS I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS PARA AS LICENCIATURAS EM ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL ENGENHARIA QUÍMICA Compilação efectuada por Alexandre Velhinho, Lucelinda Cunha,

Leia mais

Começando pelo começo

Começando pelo começo Começando pelo começo Introdução Esta é a primeira aula do seu curso sobre materiais para a indústria mecânica. E sabe por onde vamos começar? Pelo começo, naturalmente! E onde está esse começo? Está no

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750 Lista de exercícios de Geometria Espacial PRISMAS 1) Calcular a medida da diagonal de um paralelepípedo retângulo de dimensões 10 cm, 8 cm e 6 cm 10 2 cm 2) Determine a capacidade em dm 3 de um paralelepípedo

Leia mais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais Simetria de Figuras Planas e Espaciais Introdução A maioria das pessoas acreditam que a simetria está ligada mais a pensamentos sobre Arte e Natureza do que sobre Matemática. De fato, nossas ideias de

Leia mais

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA A força de repulsão entre os elétrons de dois átomos, quando estão suficientemente próximos, é responsável, em conjunto com as forças de atração, pela posição de equilíbrio dos átomos na ligação química

Leia mais

>> PAVIMENTAÇÕES: Domínio de Dirichlet de uma grelha plana

>> PAVIMENTAÇÕES: Domínio de Dirichlet de uma grelha plana GD AULA TEÓRICA 2 Pavimentações: - Domínio de Dirichlet de uma grelha plana e geração de um padrão de pavimentação. - Critérios de classificação das pavimentações (monoédricas / não monoédricas; regulares

Leia mais

Os Sólidos de Platão. Colégio Santa Maria Matemática III Geometria Espacial Sólidos Geométricos Prof.º Wladimir

Os Sólidos de Platão. Colégio Santa Maria Matemática III Geometria Espacial Sólidos Geométricos Prof.º Wladimir Sólidos Geométricos As figuras geométricas espaciais também recebem o nome de sólidos geométricos, que são divididos em: poliedros e corpos redondos. Vamos abordar as definições e propriedades dos poliedros.

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é:

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: 01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: a) Halogênios b) Calcogênios c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 02) (UFF-RJ)

Leia mais

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier , líquidos e sólidos 1 Uma comparação entre líquidos e sólidos As propriedades físicas das substâncias entendidas em termos de teoria cinética molecular : Os gases são altamente compressíveis, assumem

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

Ciência de Materiais. LEGI. ESTRUTURA CRISTALINA. 1. I) Desenhe em cubos unitários os planos com os seguintes índices de Miller:

Ciência de Materiais. LEGI. ESTRUTURA CRISTALINA. 1. I) Desenhe em cubos unitários os planos com os seguintes índices de Miller: 1. I) Desenhe em cubos unitários os planos com os seguintes índices de Miller: a) ( 1 0 1) b) ( 0 3 1) c) ( 1 2 3) II) Desenhe em cubos unitários as direcções com os seguintes índices: a) [ 1 0 1] b) [

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Aluno(a): Instituição de Ensino: Município: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

Aluno(a): Instituição de Ensino: Município: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo I 1 a série do ensino médio Fase 01 Aluno(a): Instituição de Ensino: Município: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II

MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II 1 MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II Fonte: http://www.migmeg.com.br/ MÓDULO II Estudaremos neste módulo geometria espacial e volume dos principais sólidos geométricos. Mas antes de começar a aula, segue uma

Leia mais

REFLEXÃO. Leis da reflexão Os fenômenos em que acontecem as reflexões, tanto regular quanto difusa, obedecem a duas leis fundamentais que são:

REFLEXÃO. Leis da reflexão Os fenômenos em que acontecem as reflexões, tanto regular quanto difusa, obedecem a duas leis fundamentais que são: REFLEXÃO Como já foi dito anteriormente, reflexão é o fenômeno pelo qual, a luz incide sobre uma superfície e retorna ao meio de incidência. Iremos agora, estudar a reflexão da luz em espelhos planos e

Leia mais

Trabalho 4: Os Sólidos Geométricos

Trabalho 4: Os Sólidos Geométricos Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Matemática no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Trabalho 4: Os Sólidos Geométricos Meios Computacionais no Ensino Professor: Jaime Carvalho

Leia mais

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Teoria do Orbital Molecular A Teoria do Orbital Molecular usa os métodos da teoria de grupos para descrever a ligação química em moléculas. A simetria e

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

Nível 1 2 3 4 5 6 7 Camada K L M N O P Q Número máximo de elétrons 2 8 18 32 32 18 2

Nível 1 2 3 4 5 6 7 Camada K L M N O P Q Número máximo de elétrons 2 8 18 32 32 18 2 DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E TABELA PERIÓDICA dos ELEMENTOS INTRODUÇÃO O conhecimento químico é necessário para uma melhor compreensão sobre as propriedades físicas, químicas e mecânicas dos materiais utilizados,

Leia mais

O Átomo. a + thomos = sem divisão

O Átomo. a + thomos = sem divisão O Átomo 1. O nome átomo tem origem na Grécia Antiga no sec. V a.c. Os pensadores antigos falavam da existência de partículas invisíveis e indivisíveis que formariam toda matéria. a + thomos = sem divisão

Leia mais

1. Ligações Moleculares

1. Ligações Moleculares Unidade 2 Estado Sólido Enfoque: Propriedades Elétricas (cap. 42 Fundamentos de Física Halliday, Resnick, Walker, vol. 4 6ª. Ed.) Condutividade Metais Semicondutores Johannes Diderik van der Waals (1837

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas.

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. 1 Parte I - Considere as informações abaixo: Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. Núcleo: Prótons e nêutrons. Eletrosfera: elétrons Os átomos

Leia mais

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR Teoria do Orbital Molecular - Prof. J. D. Ayala - 1 - TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR ORBITAIS NAS MOLÉCULAS A teoria dos orbitais moleculares (MO) constitui uma alternativa para se ter uma visão da ligação.

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais