APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama"

Transcrição

1 APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama Devido à grande extensão do teclado e conseqüentemente um grande número de notas, localizadas em diferentes oitavas, precisamos de dois pentagramas. Pentagrama, que tem o mesmo significado que pauta, é um conjunto de cinco linhas onde representamos as notas. As notas podem ser escritas nas linhas ou nos espaços, que são numerados de baixo para cima. Dessa forma temos cinco linhas e quatro espaços para cada pentagrama. No exemplo abaixo, temos um endecagrama com uma clave de sol na pauta superior e uma clave de fá na pauta inferior. No endecagrama, a pauta superior representa as notas a serem tocadas pela mão direita, enquanto a pauta inferior representa as notas que serão tocadas pela mão esquerda.

2 2. Tom e semitom A menor distância que existe entre duas notas é denominada semitom ou meio tom. Se formos medir a distância entre uma nota do e uma nota ré, iremos constatar que temos um tom devido a presença de uma nota ( preta ) intermediária. Já entre as notas mi e fa temos meio tom, ou seja, são notas vizinhas e sem nenhuma outra nota as separando. Agora que conhecemos tom e semitom já é possível aprender os símbolos sustenido (#) e bemol (b). Quando existe o símbolo # (sustenido) à esquerda da nota, devemos aumentar meio tom à ela. Ou seja, esta nota ficará meio tom mais alto (aguda). Isto significa também que esta nota estará mais à direita no teclado. Quando existe o símbolo b (bemol) à esquerda da nota, devemos diminuir meio tom à ela. Ou seja, esta nota ficará meio tom mais baixo (grave). Isto significa também que esta nota estará mais à esquerda no teclado.

3 3. Figuras musicais Em uma música temos notas com diferentes durações (de tempo) e são as figuras musicais que nos permitem saber a duração de cada nota. São elas:

4 Temos também figuras para as pausas. Por exemplo, a pausa de semibreve é um silêncio que tem a mesma duração que uma nota semibreve teria. Cada figura representa a duração de uma nota, e a relação entre elas é do tipo dobro / metade. Uma semibreve dura o mesmo que duas mínimas, uma mínima o mesmo que duas semínimas, e assim por diante. Após a explicação de compassos ficará mais fácil entender. Veja os exemplos de compassos no próximo capítulo. Você reparou no exemplo acima que cada figura tem um número. Este número será importante no próximo capítulo que fala sobre fórmulas de compasso. 4. Fórmula de compasso Antes de estudarmos a fórmula de compasso é necessário que o aluno saiba alguns fundamentos como pulsação, andamento e compasso. Em uma música sempre deve haver pulsação, ou seja, uma batida com velocidade constante, com exceção em alguns trechos da música onde pode haver um ralentando (diminuição gradativa do andamento) ou uma fermata (liberdade no tempo e ausência da pulsação). A velocidade desta pulsação é denominada andamento. O andamento deve ser muito bem escolhido antes de iniciarmos uma música, pois ele deve ser mantido até o final. A própria escolha do andamento já é uma interpretação do artista em relação à música. Todas as partituras são organizadas através dos compassos. Na pauta, um compasso é definido por um intervalo entre duas barras denominadas barras de compasso. Os primeiros compassos a serem estudados são os compassos simples que podem ser binários (2 tempos em cada compasso), ternário (3 tempos cada) ou quaternário (4 tempos em cada), sendo que o primeiro tempo de cada compasso é um tempo mais forte. Assim, a própria composição já nos dá pistas de qual tipo é o compasso. As fórmulas de compassos são dois números que vêm escritos no início da partitura na forma de uma fração, ou seja, um número em cima do outro. O número de cima nos diz quantos tempos existem em cada compasso. O número de baixo nos informa qual é a figura que valerá um tempo, ou seja, se este número for igual a 4, é a semínima que dura um tempo, se for igual a 8 é a colcheia que vale um tempo. E assim por diante. Confira na página seguinte alguns exemplos de fórmulas de compassos:

5

6 Observações: 1) Em um dos exemplos aparece uma semínima pontuada. Qualquer figura pode conter o ponto de aumento. Isto significa que ela continua valendo o tempo dela mesma acrescida da metade do seu valor. Assim, uma mínima pontuada dura o mesmo que uma mínima e mais uma semínima, uma semínima pontuada o mesmo que uma semínima mais uma colcheia, etc. 2) O compasso (6/8) é um exemplo de compasso composto. Ele pode ser estudado contando até seis considerando que cada colcheia vale um tempo. Ou ele pode ser estudado como um compasso de dois tempos onde a semínima pontuada vale um tempo. Trata-se de um assunto um pouco mais avançado e não será estudado nesta aula. Mas procure se informar a respeito. 5. Escalas e dedilhados Quando tocamos uma música em que temos alguma dificuldade a mais, devemos usar um dedilhado adequado, ou seja, tocar a nota certa com o dedo certo. Para isso existe uma numeração para os nossos dedos. Essa numeração começa no polegar (dedo 1) e termina no dedinho (dedo 5). Isto vale tanto para a mão esquerda quanto para a mão direita. A seguir apresentamos as escalas maiores organizadas pelo ciclo das quartas e pelo ciclo das quintas. Repare que cada escala tem um número característico de sustenidos ou bemol. Ao invés de escrevê-los sempre ao lado esquerdo de cada nota, podemos escrever todos no início, ao lado da clave de sol, construindo assim uma armadura de clave. Dessa forma, cada escala tem uma exclusiva armadura de clave. Existe uma ordem para os sustenidos que é: fa, do, sol, ré, la, mi, si. A ordem dos bemóis é: si, mi, la, ré, sol, do, fa. As escalas abaixo estão representadas pelas cifras : A = La Maior, B = Si Maior, C = Do Maior, D = Ré Maior, E = Mi Maior, F = Fa Maior e G = Sol Maior

7

8

9

10

11 6. Tríades O primeiro tipo de acorde (três ou mais notas tocadas ao mesmo tempo) que aprendemos é a tríade. As tríades são acordes formados por três notas apenas e inicialmente estudaremos as tríades maiores. Para formarmos uma tríade maior basta escolhermos a primeira, terceira e quinta nota da escala correspondente. Por exemplo, uma tríade de Do Maior ( C ) é formada pelas notas do, mi e sol. É necessário aprender também outros tipos de tríades: Tríade menor (Cm): é obtida diminuindo meio tom da terça na tríade maior, Tríade aumentada (C+) :é obtida aumentando meio tom da quinta na tríade maior, Tríade diminuta (Cdim): é obtida diminuindo meio tom da quinta na tríade menor. Confira as tríades abaixo e procure tocá-las com a mão esquerda utilizando os dedos 5, 3 e 1.

12

13 Inversão de tríades : Todas as tríades acima foram apresentadas na posição fundamental, onde a nota mais grave possui o mesmo nome do acorde (Do maior começa com a nota do, etc...). Porém ainda existem mais duas posições para um mesmo acorde, são as inversões. Na primeira inversão a tríade apresenta a terça (terceira nota da escala) na região mais grave. Na segunda inversão a tríade apresenta a quinta na região mais grave. Confira no exemplo:

14

15 Se utilizarmos as inversões para tocarmos uma seqüência de acordes, podemos obter uma facilidade para a sua execução no teclado. O segredo consiste em pesquisar uma posição para tocar um acorde de forma que a nossa mão salte menos, isto porque sempre haverá uma posição próxima da posição do acorde anterior. No exemplo abaixo, a seqüência de tríades está encadeada de forma a facilitar a execução (utilizamos bastante as inversões). Experimente tocar a seqüência somente na posição fundamental e você verá que a harmonia continua correta, porém muito mais difícil de tocá-la.

16

17 7. Aprendendo música Agora é hora de colocarmos em prática os assuntos estudados até agora. Vamos tocar a composição Aprendendo música da seguinte forma: a melodia deverá ser tocada com a mão direita e os acordes com a mão esquerda. No quarto compasso da música você vai notar um arco ao lado da nota si chamado ligadura. Quando duas notas iguais estão ligadas, que é o nosso caso, você não deverá tocar a segunda nota e sim segurá-la, mantendo o seu som. A seguir algumas dicas para você tocar melhor: - Prepare um bom dedilhado para a melodia, - Utilize inversões na mão esquerda sempre que for necessário para sua mão saltar menos, - Utilize o acompanhamento automático do teclado em ritmo de swing (fox, jazz, bigband ou similar). Bons estudos e até o próximo volume do curso onde iremos tocar essa música usando tétrades (acordes com quatro notas) e ritmo de bossa nova. Mais uma vez, BOM ESTUDO!

18

1ª situação: Quando a nota mais alta (aguda) do intervalo pertence à escala de referência:

1ª situação: Quando a nota mais alta (aguda) do intervalo pertence à escala de referência: APRENDA MÚSICA Vol II 1. Intervalos Neste volume do curso de música iremos aprender as tétrades que são acordes formados por quatro notas. Para isso usaremos uma nomenclatura de intervalos que será apresentada

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música?

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música?

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música por meio

Leia mais

TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA

TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Artes e Letras Departamento de Música TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA 2012 Teoria e Percepção Musical Prof. Pablo Gusmão Tópico Página 1 Notas musicais, pauta,

Leia mais

Acordes, sua estrutura e cifragem

Acordes, sua estrutura e cifragem Por Turi Collura Acordes, sua estrutura e cifragem O acorde é composto por um grupo de notas que soam simultaneamente. É uma unidade sonora, formada de, no mínimo 3 sons (certamente, podemos ter harmonias

Leia mais

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes...

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes... AMOSTRA ATENÇÃO: ESTE DOCUMENTO SE TRATA APENAS DE UMA AMOSTRA. AS PÁGINAS AQUI EXPOSTAS SÃO PÁGINAS ALEATÓRIAS DA APOSTILA, MESCLADAS DO APRENDIZADO ADULTO COM O APRENDIZADO INFANTIL, COM EFEITO APENAS

Leia mais

Acordes para Teclado e Piano by Ernandes

Acordes para Teclado e Piano by Ernandes Acordes para Teclado e Piano by Ernandes As notas abaixo formam a escala de C, com sua representação na pauta do piano: Os acordes cifrados são formados por três ou mais notas tocadas ao mesmo tempo ou

Leia mais

CONCURSO VESTIBULAR 2013 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA

CONCURSO VESTIBULAR 2013 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Assinatura: PROVA COLETIVA CONCURSO VESTIBULAR 2013 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA LOCAL-SALA-SEQ INSCRIÇÃO NOME Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões com as seguintes pontuações: Questão

Leia mais

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição.

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Apostila de Iniciação Musical Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Junho 2008 http://www.elsabyantunes.blogspot.com/ elsabyantunes@gmail.com Prefácio

Leia mais

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo Introdução Formação de Escalas e de Acordes Encadeamentos e Harmonia Acordes Maiores e Menores Tons Homônimos Encadeamento V7 i em Fá Menor (Fm) Cadência de Picardia próxima 2 Introdução Nas Unidades de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2013 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apostila de Iniciação ao Violão e Guitarra Miigueell do Prrado Urrttado São Carlos SP, 23 de fevereiro de 2006. Contatos: miguelurtado@yahoo.com.br miguelurtado@polvo.ufscar.br Proibido reprodução do material

Leia mais

Título: Partitura Total

Título: Partitura Total Título: Partitura Total 1. Apresentação: O método dmusichouse é reconhecido como o pioneiro do mundo e atualmente como o melhor da América Latina. Nosso trabalho é facilmente demonstrado através de diversos

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS CAMPO HARMÔNICO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É O CAMPO HARMÔNICO... 02 OUTROS CAMPOS MAIORES... 03 HARMONIZAÇÃO PELO C.H E DICA DE COMPOSIÇÃO... 05 O QUE

Leia mais

Prova Prática: Curso de Música

Prova Prática: Curso de Música Universidade do Estado de Santa Catarina Vestibular 2014.1 Prova Prática: Curso de Música NOME DO(A) CANDIDATO(A) Instruções Para fazer a prova você usará: este caderno de prova; um cartão-resposta que

Leia mais

Início em Arranjos Musicais

Início em Arranjos Musicais Marcelo Morales Torcato Início em Arranjos Musicais 1ª. Edição Pauliceia Marcelo Morales Torcato 2009 PRIMEIRA AULA. As notas musicais são sete: dó; ré; mi; fá; sol; lá; si. Também podem ser representadas

Leia mais

Dó Dó# - Ré Ré# - Mi Fá Fá# - Sol Sol# - Lá Lá# - Si Dó

Dó Dó# - Ré Ré# - Mi Fá Fá# - Sol Sol# - Lá Lá# - Si Dó Introdução às Escalas Musicais Por certo todos já ouviram falar de escalas musicais. A mais conhecida de todas é a escala de Dó maior, onde abrange as notas: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si. Além dessas notas,

Leia mais

As Notas Musicais. O processo moderno utiliza códigos quando se refere a cada uma das notas. Este código é chamado de CIFRA.

As Notas Musicais. O processo moderno utiliza códigos quando se refere a cada uma das notas. Este código é chamado de CIFRA. Para focalizar a mente façamos um ditado.omplete. As Notas Musicais São aqueles 7 nomes que todo mundo já ouviu falar (Dó, Ré Mi, Fá, Sol, Lá e Si) mas, ao contrário do que muitas pessoas pensam, existem

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Clássico Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo Introdução Formação de tríades maiores menores Arpejos maiores e menores Cânone Sobreposição de vozes formando acordes Inversão de acordes Versões do cânone Dona Nobis Tonalidades homônimas Armaduras Influência

Leia mais

A Notação Musical no Ocidente: uma História

A Notação Musical no Ocidente: uma História A Notação Musical no Ocidente: uma História O sistema de notação musical moderno teve suas origens nos NEUMAS (do latim: sinal), pequenos símbolos que representavam as notas musicais em peças vocais do

Leia mais

TIPO A TEORIA MUSICAL. As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli:

TIPO A TEORIA MUSICAL. As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli: 1 TEORIA MUSICAL As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli: 1. Observe o trecho musical acima e responda: 0-0) A tonalidade predominante deste trecho musical é Si bemol Maior.

Leia mais

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO...

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... Índice ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... 4 O TECLADO... 4 TIPOS DE TECLADOS... 4 Sintetizadores... 4 Teclados com acompanhamento automático... 4 Workstations... 4 Pianos digitais...

Leia mais

PROVA ESCRITA. 2. Tendo como referencia as escalas maiores abaixo,

PROVA ESCRITA. 2. Tendo como referencia as escalas maiores abaixo, PROVA ESCRITA 1. De acordo com o trecho musical abaixo assinale a alternativa que corresponde as notas escritas em suas devidas alturas, segundo a escala geral. A) Lá3-Sol3-Fá3-Fá4-Sol4-Lá4-Si2-Dó3-Lá2-Sol2-Lá3-Si3-Dó3.

Leia mais

Noções Básicas de Teoria Musical. por Alessandro Penezzi

Noções Básicas de Teoria Musical. por Alessandro Penezzi Noções Básicas de Teoria Musical por Alessandro Penezzi São Paulo, 1999 1) INTRODUÇÃO...4 a) Som é tudo o que ouvimos....4 b) Música é a arte de combinar sons....4 c) Notas Musicais...4 d) Grau Conjunto...5

Leia mais

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Popular Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS:

FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS: FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS: CROMÁTICA, DIATÔNICA, NATURAL, GREGAS, MELÓDICAS, HARMÔNICAS, DIMINUTAS, PENTATÔNICAS. SINAIS COMUNS E SÍMBOLOS MUSICAIS NOÇÕES DE IMPROVISAÇÃO: RITÍMICA, BASE

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

Teoria Musical. O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli.

Teoria Musical. O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli. Teoria Musical O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli. 01. Com base no trecho musical acima, analise as proposições a seguir. 0-0) As notas Sol sustenido

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 12/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 12/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 12/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Música (Caicó) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. Assine no

Leia mais

Apostila de Teoria Musical Básica

Apostila de Teoria Musical Básica Apostila de Teoria Musical Básica Criação e edição: MIGUEL URTADO Distribuição: CÂNONE MUSICAL CÂNONE MUSICAL *Cursos relacionado a música* www.canone.com.br São Carlos Brasil Maio de 2009 ----**---- Para

Leia mais

CONCURSO VESTIBULAR 2014 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Inscrição. Assinatura: PROVA COLETIVA

CONCURSO VESTIBULAR 2014 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA. Inscrição. Assinatura: PROVA COLETIVA CONCURSO VESTIBULAR 2014 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA CURSO DE MÚSICA Nome do Candidato Inscrição Sala Assinatura: PROVA COLETIVA 1- A prova está dividida em 4 questões com as seguintes pontuações: Questão

Leia mais

NESTA NOVA ETAPA, VAMOS CONHECER AS FIGURAS MUSICAIS E SEUS VALORES.

NESTA NOVA ETAPA, VAMOS CONHECER AS FIGURAS MUSICAIS E SEUS VALORES. Pausas 10 A colcheia 19 Batimentos 21 A pausa da colcheia 24 O ritmo das palavras 25 Qual é a música? 26 Grandes compositores 27 Dicionário musical 29 Hino Cenecista 29 Hino Nacional Brasileiro 30 Hino

Leia mais

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I ALTURAS Philippe Lobo 03 Introdução Um pouco de História 06 Conhecimentos Preliminares Contextualização Teórica Cordas Soltas + Escala Cromática 08 Entendendo a Pauta

Leia mais

GUITARRA 1. da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes. CD com solos e acompanhamento

GUITARRA 1. da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes. CD com solos e acompanhamento GUITARRA 1 da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes CD com solos e acompanhamento Apoios: Saulo van der Ley Guitarrista e violonista Composição

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço IGREJA CRISTÃ MARANATA Apostila De Teclado Comissão de ensino Vale do Aço Introdução O Teclado é um dos instrumentos mais utilizados hoje em dia, por sua grande flexibilidade e diversificação. Com um simples

Leia mais

C 7b. Formação de acordes. Acrescentando novos graus. 5 3 Tônica ou 1 C D E F G A B T II III IV V VI VII. Repetições. 7 menor (B )

C 7b. Formação de acordes. Acrescentando novos graus. 5 3 Tônica ou 1 C D E F G A B T II III IV V VI VII. Repetições. 7 menor (B ) ormação de acordes formação de acordes é um processo muito simples, mas que, requer um pouco de atenção para que a combinação de notas fique correta. Usaremos como exemplo o acorde de dó maior no seu modelo

Leia mais

Escala Pentatônica - Desenho 3

Escala Pentatônica - Desenho 3 Escala Pentatônica - Desenho A escala pentatônica é a escala de melhor custo x benefício que existe. Ela é derivada da escala maior (aqueles 7 nomes...dó, ré, mi, fá, sol, lá e si ) só que ela não tem

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

02 ELABORADO POR PROFESSOR MUSICAL OTANIEL RICARDO

02 ELABORADO POR PROFESSOR MUSICAL OTANIEL RICARDO MÉTOO E VIOLINO NÍVEL INTERMEIÁRIO Vol. 02 ELBORO POR PROFESSOR MUSICL OTNIEL RICRO 1 UTOR Otaniel Ricardo Santos Foi Professor/Maestro da Banda Musical Ecos do Céu da Igreja Evangélica ssembléia de eus

Leia mais

http://www.contrabaixo2.blogger.com.br/

http://www.contrabaixo2.blogger.com.br/ 1 de 7 21/09/2010 23:50 Harmonia funcional 1 Introdução A harmonia funcional é um campo da música que estuda os acordes, a relação entre eles e a função de cada um dentro da música. Aprender harmonia funcional

Leia mais

Apostila - Estruturação e Linguagem Musical I (2011) PARTE II TEORIA MUSICAL

Apostila - Estruturação e Linguagem Musical I (2011) PARTE II TEORIA MUSICAL PARTE II TEORIA MUSICAL 75 HARMONIA: produção e estudo das relações de tensão e relaxamento entre as notas. "Tensão" e "relaxamento" são termos abstratos que sempre acabam surgindo na literatura sobre

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 No início do nível intermediário, falamos brevemente sobre a perspectiva e a aplicação de alguns dos seus elementos, como o ponto de fuga, a linha de horizonte e a relação dos objetos com o olho do observador.

Leia mais

MÉTODO Maurício Barca

MÉTODO Maurício Barca MÉTODO Maurício Barca GUIA DE ESTUDO PREPARATÓRIO M.B Copyright 1999Todos os direitos reservados A maior parte dos músicos guitarristas vivem da música tocando pôr aí com um pouco mais das informações

Leia mais

música. Exemplo de instrumentos de ritmo: Instrumentos de Percussão (bateria, pandeiro, tamborim, etc.)

música. Exemplo de instrumentos de ritmo: Instrumentos de Percussão (bateria, pandeiro, tamborim, etc.) Introdução A Teoria Musical é tida por muitos como uma coisa chata e difícil, mas quando compreendida torna-se fácil e muito interessante, pois nos fará entender, questionar, definir e escrever o que tocamos

Leia mais

Apostila Básica de Violão

Apostila Básica de Violão Apostila Básica de Violão Resumos para aulas MARANATA O Senhor Jesus Vem! Sumário Introdução... 2 Estrutura musical... 3 Cifras... 4 Acordes e Escalas... 4 Conhecendo o violão... 5 Enfim a prática!...

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PROCESSO SELETIVO SERIADO - 2007 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém

Leia mais

CAPOTRASTE ou BRAÇADEIRA VOCÊ SABE COMO USAR?

CAPOTRASTE ou BRAÇADEIRA VOCÊ SABE COMO USAR? CAPOTRASTE ou BRAÇADEIRA VOCÊ SABE COMO USAR? MARCAS - FABRICANTES As Fotos mostram alguns modelos mais usados de Capotraste. Teoricamente o capotraste ou braçadeira, uma vez adaptado ao braço do violão,

Leia mais

FÓRMULA VIOLÃO EXPRESS

FÓRMULA VIOLÃO EXPRESS Direitos Autorais Todos os Direitos reservados a Fábio de Amorim Teodoro. Este e-book só pode ser distribuído juntamente com o Curso Gratuito Fórmula Violão Express. Parartestes Alongamento dodo ViolãoViolão

Leia mais

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS

APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS APOSTILAS DAS ESPECIALIDADES DO CLUBE TERRAS I - INTRODUÇÃO Para começar precisamos entender dois conceitos principais. 1. SOM: Onda que vibra no ar, numa freqüência em que o ouvido capta essa vibração

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova global do ensino secundário da disciplina de Formação

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros. blog: rodfaleiros.wordpress.com

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros.   blog: rodfaleiros.wordpress.com Teoria Musical Prof. Rodrigo Faleiros Prof. Rodrigo Faleiros e-mail: rodfaleiros@gmail.com blog: rodfaleiros.wordpress.com 2 Aula 1 Ritmo Ritmo é a sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com

Leia mais

Como já foi dito anteriormente o Excel possui recursos que permitem alterar a aparência de nossas planilhas.

Como já foi dito anteriormente o Excel possui recursos que permitem alterar a aparência de nossas planilhas. Formatação de Células Como já foi dito anteriormente o Excel possui recursos que permitem alterar a aparência de nossas planilhas. O recurso de formatação de células é um recurso muito utilizado. Ele permite

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

&XUVRGH,QWURGXomRDR (GLWRUGH3ODQLOKDV([FHO

&XUVRGH,QWURGXomRDR (GLWRUGH3ODQLOKDV([FHO Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática &XUVRGH,QWURGXomRDR (GLWRUGH3ODQLOKDV([FHO Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Setembro de

Leia mais

27 Acordes Substitutos Diatônicos - Conteúdo

27 Acordes Substitutos Diatônicos - Conteúdo Introdução Princípio Geral de Substituição de Acordes Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos da Tônica Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos da Subdominante Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos

Leia mais

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo INSTRUTOR Zeh Blackie CURSO DE GUITARRA Nível Básico 7º Passo Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

VIOLÃO 1. escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar.

VIOLÃO 1. escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar. VIOLÃO 1 escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar CD com solos e acompanhamento Saulo van der Ley Guitarrista e violonista Composição & Regência

Leia mais

VESTIBULAR MÚSICA

VESTIBULAR MÚSICA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ - REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES UNIDADE ACADEMICA DE ARTE E MÍDIA VESTIBULAR 2013.2 TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA MÚSICA CONQUISTE

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Exercício 8 Busca de Músicas

Exercício 8 Busca de Músicas Exercício 8 Busca de Músicas Diversos softwares têm sido projetados para realizar a busca de músicas a partir de um trecho de áudio. Por exemplo, atualmente há ferramentas para celulares ou Web em que

Leia mais

A equação do 2º grau

A equação do 2º grau A UA UL LA A equação do 2º grau Introdução Freqüentemente, ao equacionarmos um problema, obtemos uma equação na qual a incógnita aparece elevada ao quadrado. Estas são as chamadas equações do 2º grau.

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos ou Notação Musical A teoria serve para que o músico organize a aplicação de sua técnica. Ela é o intelecto, a compreensão da arte. É através dela que as composições rompem os séculos com uma linguagem

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões de Raciocínio Lógico-Matemático da prova de Técnico de Atividade Judiciária do

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

Computadores XXI: Busca e execução Final

Computadores XXI: Busca e execução Final Computadores XXI: Busca e execução Final A6 Texto 6 http://www.bpiropo.com.br/fpc20060123.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 23/01/2006 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=146019

Leia mais

Tríades. Teoria Musical. Formação acordes I. Tríades. Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4

Tríades. Teoria Musical. Formação acordes I. Tríades. Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4 Teoria Musical Formação acordes I Tríades Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4 1 Fórmula para Tríades Maiores: Fundamental 3ª Maior 5ª Justa C Dó Mi Sol Terça maior Fórmula para Tríades

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B 1 QUESTÃO 1 Marcos tem 10 0,25 = 2,50 reais em moedas de 25 centavos. Logo ele tem 4,30 2,50 = 1,80 reais em moedas de 10 centavos, ou seja, ele tem 1,80 0,10 = 18 moedas de 10 centavos. Outra maneira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA Vestibular 2011 Prova escrita - Teoria e Ditado. Nome do candidato: Curso: 1 - TEORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA Vestibular 2011 Prova escrita - Teoria e Ditado. Nome do candidato: Curso: 1 - TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA Vestibular 2011 Prova escrita - Teoria e Ditado Nome do candidato: Curso: 1 - TEORIA Marque a alternativa correta em cada questão. As questões 1 a 3 referem-se

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

App - Paint Pot (Lata de tinta)

App - Paint Pot (Lata de tinta) App - Paint Pot (Lata de tinta) Vamos construir um aplicativo de pintura. Se você ainda não tem uma Screen (Tela) para o PaintPot, vá em frente e adicione uma. (Caso preferir, para este exemplo, você pode

Leia mais

PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA

PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA Para responder às questões de 01 a 09, consulte a obra Kanonisches Liedchen, de Robert Schumann, do Álbum Para Juventude Op. 68, que se encontra reproduzida

Leia mais

TECLADO PARA INICIANTES

TECLADO PARA INICIANTES TECLADO PARA INICIANTES Esqueça tocar com ritmo, só a sua tia e a sua avó vão achar bonito. Talvez a turma do buteco. Se você quer tocar na sua igreja ou na sua banda aprenda desta maneira: FASE 1 - HARMONIA

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Matemática Música. Duas irmãs inseparáveis. Visita à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Matemática Música. Duas irmãs inseparáveis. Visita à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Matemática Música Duas irmãs inseparáveis Visita à Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 05 de Maio de 2008 Índice Introdução.02 Desenvolvimento: A Matemática.03 A Música.03 A Sua Relação: -Na

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. a) Melodia É uma sucessão de sons musicais combinados b) Ritmo É a duração e acentuação dos sons e pausas c) Harmonia é a combinação

Leia mais

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA Por Turi Collura Elaborado no Século XIX, o antigo livro de técnica pianística chamado Hanon - O Pianista Virtuoso resiste

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Portaria n.º 70/2006 de 24 de Agosto de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Portaria n.º 70/2006 de 24 de Agosto de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Portaria n.º 70/2006 de 24 de Agosto de 2006 Ao abrigo do regime jurídico da educação extra-escolar, criado pelo Decreto Legislativo Regional 13/2002/A, de 12

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 E PISM III PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA - MÚSICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 E PISM III PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA - MÚSICA PARTE I: PERCEPÇÃO Instruções: Cada uma das questões de 1 a 5 é acompanhada de um exemplo musical gravado; cada exemplo musical será repetido 5 vezes com um silêncio de aproximadamente 30 segundos entre

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA 3. SEQÜÊNCIA DA AULA. 3.1 Iniciando o PowerPoint PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 06 1. OBJETIVO Apresentar o PowerPoint, que é o software para montar apresentações na forma de slides da Microsoft. Isso será feito seguindo-se uma seqüência mostrando

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL

NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL NÚCLEO DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO: WINDOWS MOVIE MAKER TUTORIAL O que é o Windows Movie Maker? É um programa que permite criar nossos próprios filmes com som, músicas, transição e efeito de vídeo.

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Marcelo Morales Torcato (Marcelo Torca) Curso de Música. 1ª. Edição. Paulicéia Marcelo Morales Torcato 2008. Curso de Música 1

Marcelo Morales Torcato (Marcelo Torca) Curso de Música. 1ª. Edição. Paulicéia Marcelo Morales Torcato 2008. Curso de Música 1 Marcelo Morales Torcato (Marcelo Torca) Curso de Música 1ª. Edição Paulicéia Marcelo Morales Torcato 2008 Curso de Música 1 ISBN Curso de Música 2 Índice. As Noras Si, Dó e Ré para Baixo pág. 15 As Noras

Leia mais

Teoria Musical. Notação Musical ir para o topo

Teoria Musical. Notação Musical ir para o topo Teoria Musical Índice Geral: Notação Musical Linhas Suplementares, Clave de Sol Figuras de Notas Figuras de Pausas Clave de Fá Duração dos valores das figuras Compasso, Tempo, Barras ou Travessões Compasso

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

Como fazer busca de imagem no Google?

Como fazer busca de imagem no Google? Como fazer busca de imagem no Google? Passo 1: Acesse o endereço do Google e depois clique na opção Imagens, que fica na barra superior da página Passo 2. Digite a palavra que procura. Observe que o Google

Leia mais

Trecho retirando do Manual do esocial Versão 1.1

Trecho retirando do Manual do esocial Versão 1.1 Trecho retirando do Manual do esocial Versão 1.1 A rotina de acesso direto ao XML do S-1000, o usuário pode encontrar na opção de cadastro de Empresas do SIP. Sempre que o usuário localizar a figura ao

Leia mais

Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar dinamicamente dados no Excel

Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar dinamicamente dados no Excel Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar! Para que serve a Tabela e o Gráfico Dinâmico?! Como criar uma Tabela Dinâmica?! Como criar um Gráfico Dinâmico?! Como podemos atualizar dos dados da Tabela

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

TESTES AUDITIVOS: incluídos no exame prático de todos os alunos

TESTES AUDITIVOS: incluídos no exame prático de todos os alunos TESTES AUDITIVOS: incluídos no exame prático de todos os alunos a Podem encontrar-se exemplos dos testes em Modelos de Testes Auditivos, publicados em dois livros, um para os Níveis 1 5 e outro para os

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais