GUITARRA 1. da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes. CD com solos e acompanhamento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUITARRA 1. da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes. CD com solos e acompanhamento"

Transcrição

1 GUITARRA 1 da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes CD com solos e acompanhamento Apoios: Saulo van der Ley Guitarrista e violonista Composição & Regência UNICAMP Consultor Computer Music

2 Faixa 01 Toque Igual ao Disco Guitarra I GUITARRA CD é um método dirigido para aqueles que desejam começar a tocar a guitarra. Sua estrutura é muito prática, aplicando a teoria exposta de forma simples, e associando ao impresso cada faixa da gravação do CD. O impresso se caracteriza pela visualização das fotos, gráficos e outras ilustrações que deixam bem claras as idéias escritas. Os trechos gravados estão indicados no impresso e nas gravações você vai encontrar sempre a localização nos textos do que está sendo ouvido. O curso está dividido em 3 partes básicas: escalas, acordes e sua aplicação prática. As partes, por sua vez, são constituidas de teoria, prática e gravação no CD, tratando principalmente da interelação entre melodia (solo) e harmonia (acompanhamento). Um guitarrista moderno é capaz de executar solos entremeados de acompanhamentos ou viceversa, e o domínio da relação entre as notas musicais dos acordes e do solo é fundamental no aprendizado. Para isso, o trabalho da mão direita, com ou sem palheta é tão importante quanto a digitação das escalas e formação dos acordes. O método traz ainda a possibilidade de você estudar com o auxílio de seu equipamento de áudio, isolando em dois canais as partes práticas de solo e acompanhamento. Desta forma, você tem à mão, onde e quando quiser, uma excelente aula de guitarra, com áudio e didática de primeira qualidade. Saulo Wanderley 4 6 Tipos e partes de guitarras Escalas maiores e menores Acordes Básicos Acordes Especiais 8 Escalas Pentatônicas 16 Prática I 10 Rock & Blues 18 Prática 2 Produtora fonográfica CNPJ / ECAD ASSIM Rua Campevas 702 cj. 95 CEP São Paulo - SP Fone/Fax: (11) Editor: Saulo E.F. Wanderley NÓS TEMOS ISRC, E VOCÊ? ISRC é o International Standard Recording Code (Código Internacional de Normatização de Gravação - Norma ISO 3901) e obrigatório a partir do Decreto Lei 4533, de 22 de abril de 2002, para identificar as gravações. Todos os fonogramas de GUITARRA CD - I estão registrados para a Pauta Arte & Comunicação Ltda. (ISRC BRP19) Denuncie a pirataria. Faixa 01 - ISRC BRP Faixa 02 - ISRC BRP Faixa 03 - ISRC BRP Faixa 04 - ISRC BRP Faixa 05 - ISRC BRP Faixa 06 - ISRC BRP Faixa 07 - ISRC BRP Faixa 08 - ISRC BRP Faixa 09 - ISRC BRP Faixa 10 - ISRC BRP Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

3 Convenções As CIFRAS são o resumo dos ACORDES, grupos de notas que se combinam para um acompanhamento. São grafadas com LETRAS, NÚMEROS, SINAIS e BARRAS: Faixa 02 Letras maiúsculas: Tomando as 7 primeiras letras do alfabeto, o A corresponde à nota LÁ, B a SI, C a DÓ, D a RÉ, E a MI, F a FÁ e G a SOL. Letras minúsculas: Os acordes MAIORES são indicados pelas letras maiúsculas, e os MENORES pela respectiva maiúscula seguida de um m minúsculo. Números: Os acordes são formados pela primeira, terceira e quinta notas a partir da nota musical que lhe dá nome. Outras notas acrescentadas devem ter seu número, em relação à primeira nota, cifrado. Sinais: O sinal - indica uma diminuição de meio-tom (uma casa) em uma nota e o sinal + um aumento de também meiotom. Isso vale também para a quinta nota, que, se diminuída (- 5) indica uma quinta diminuta e se aumentada uma quinta aumentada (5+) Barras: Uma letra depois de uma barra indica que a nota mais grave do acorde não é a que lhe dá nome, e números separados por barras indicam mais de uma nota acrescentada ao acorde. Afinação 1) Afine a corda mais grave (sexta corda) nem muito apertada nem muito frouxa. 2) Aperte a sexta corda na QUINTA CASA. O som obtido será o som (NOT NOTA LÁ) que deve ter a quinta corda solta (NOT NOTA LÁ). Os desenhos criados para mostrar o braço do instrumento, com acordes e solos mostram o braço da guitarra visto de frente, de pé, ou deitado na horizontal, com a corda mais grave para baixo. Bracinhos de acordes: De pé, têm a cifra acima, os números dos dedos da mão ESQUERDA onde estes devem apertar as cordas (1 = indicador, 2 = médio, 3 = anular e 4 = mínimo). Uma barra grande sobre todas as cordas simboliza uma PESTANA, feita pelo dedo indicador da mão esquerda, e o número ao lado da pestana, fora do desenho indica a CASA onde ela deve ser feita. As bolinhas abaixo deste desenho indicam os quatro dedos da mão DIREITA que devem tocar nas cordas marcadas, da esquerda para a direita: polegar, indicador, médio e anular. Bracinhos de escalas e solos: Deitados na horizontal, podem ter em retângulos ou círculos o nome das NOTAS ou números que indicam os dedos da mão esquerda. As digitações podem ser feitas da corda mais grave para a mais aguda (sentido ASCENDENTE) ou vice-versa (sentido DESCENDENTE). 3) Aperte a quinta corda da na QUINTA CASA. O som obtido será o som (NOT NOTA A RÉ) que deve ter a quarta corda da solta (NOT NOTA RÉ). 4) Aperte a quarta corda na QUINTA CASA. O som obtido será o som (NOT NOTA SOL) que deve ter a terceira corda da solta (NOT NOTA A SOL). 5) Aperte a ter erceira corda na QUARTA CASA. O som obtido será o som (NOT NOTA SI) que deve ter a segunda corda solta (NOT NOTA SI). 6) Aperte a segunda corda na QUINTA CASA. O som obtido será o som (NOT NOTA MI) que deve ter a primeira corda solta (NOT NOTA MI). Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 3

4 Afinação da Guitarra Faixa 03 Observe o braço da guitarra entre as casas 1 e 5. As notas das cordas SOLTAS, exceto da corda mais grave, podem ser tocadas na corda imediatamente mais grave apertada na casa cinco, com uma exceção: corda três apertada na casa QUATRO. Apertando as cordas imediatamente mais graves na casa 5 (ou 4, na exceção), você afina a corda mais aguda seguinte: CORDA 5 = CORDA 6 (Apertada na casa 5), CORDA 4 = CORDA 5 (Apertada na casa 5), CORDA 3 = CORDA 4 (Apertada na casa 5), CORDA 2 = CORDA 3 (Apertada na casa 4), CORDA 1 = CORDA 2 (Apertada na casa 5). A guitarra tem, na maioria dos modelos, de 19 a 22 casas, algumas chegando a 24 casas. Se considerarmos que o violão tem apenas 12 casas onde se pode tocar com facilidade com a mão esquerda, a guitarra apresenta o dobro de notas para serem tocadas. Estas notas estão dispostas na ordem CROMÁTICA, ou seja, com as notas NATURAIS entremeadas pelas notas INTERMEDIÁRIAS. Entre a maioria das notas naturais temos uma nota intermediária, que pode receber dois nomes: SUSTENIDO (símbolo #) se estivermos tocando na ordem do grave para o agudo (no desenho, da esquerda para a direita) ou BEMOL (símbolo b) se estivermos tocando no sentido do agudo para o grave (no desenho, da direita para a esquerda). No braço da guitarra, esta ordem de notas é reproduzida na direção da cabeça do instrumento (paleta) até onde se prendem as cordas (ponte). O conhecimento da localização das notas é muito importante para o estudo da guitarra, pois qualquer solo ou acompanhamento terá como estrutura este material. 4 - Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

5 Ao lado a continuação da localização das notas no braço da guitarra, até a vigésima segunda casa. Cada casa corresponde a um dos quadrinhos do desenho da ordem cromática das notas musicais. Observe que a partir dacasa 12, a mesma ordem se repete em cada uma das cordas. É muito comum o guitarrista tocar determinado trecho do solo ou acompanhamento na região mais grave do braço, e depois repetir a execução na região mais aguda. Por isso e por outros motivos, a afinação deve ser precisa. A evolução natural do instrumento passaria pela sofisticação dos efeitos conseguidos com a alavanca, pontes mais elaboradas e mecanismos sofisticados como as travas de afinação e a microafinação (veja fotos). Temos muitos outros modos de prender as cordas na guitarra. Nos modelos mais modernos, temos a chamada MICROAFINAÇÃO, montada na ponte, onde parafusos laterais afinam com maior precisão o que as tarraxas já afinaram de modo mais grosseiro. Para usar só a microafinação, existem as TRAVAS DE AFINAÇÃO junto à paleta, no traste 0. São seis parafusos que, apertados, imobilizam a afinação pelas tarraxas, deixando só a microafinação. Estude e memorize a localização das notas no braço da guitarra por regiões. Primeiro as cordas soltas e apertadas até a terceira casa. Depois, memorize as notas até a casa 5, para que possa afinar com o conhecimento das notas que pertencem às cordas soltas e às suas cordas vizinhas apertadas na quinta (ou quarta, na exceção) casa. Numa segunda etapa, estude as notas da casa 6 até a casa 9, e finalmente as casas de 10 a 12. A partir da casa 13 a ordem se repete, e tudo se torna mais fácil. Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 5

6 Faixa 04 Escalas Maiores e Menores Unindo um exercício prático a um ensinamento teórico, podemos agora trabalhar com a palheta e com as ESCALAS musicais, um tema muito importante para o guitarrista. As escalas são o material usado para a construção dos acordes, de melodias e de improvisos. A escala mais simples, pela qual poderíamos começar nosso estudo é a chamada escala MAIOR. Um desenho de escala é composto pelo desenho dos trastes, casas e cordas do braço do instrumento com números localizando onde estão as notas desta mesma escala. Estes números indicam os dedos da mão esquerda que deverão tocar as notas. Comece pela escala maior fechada, tocando com o dedo 2 na casa 3, seguido do dedo 4 na casa 5. Em seguida toque as notas da corda cinco: dedo 1 na casa 2 seguido do dedo 2 na casa 3 e do dedo 4 na casa 5. Vá tocando as notas das outras cordas até chegar à corda mais aguda. Dessa forma você estará digitando a escala no sentido ASCENDENTE, isto é, do grave para o agudo. As escalas podem ser digitadas ascendente e descendentemente para um treino inicial. Com este hábito, você estará se familiarizando com a digitação da escala, a ponto de poder em breve usá-la para um improviso ou execução de trechos, sem se preocupar com a técnica da digitação em si. Assim como os acordes, as escalas podem ser maiores ou menores. Tudo depende da relação de distância entre a primeira nota da escala (chamada de TÔNICA) e a terceira nota depois dela, a TERÇA da escala. No caso da escala começada pela nota DÓ, temos CINCO meios tons até a nota MI e apenas QUATRO meios tons até a nota MI bemol. É uma convenção chamarmos o acorde entre as notas DÓ e MI de TERÇA MAIOR, e entre DÓ e MIb de TERÇA MENOR. E isto pelo simples fato de que a distância entre DÓ e MI é maior do que a distância entre DÓ e MIb. Toque uma e outra escala e compare os sons. Perceba as diferenças, por menores que estas sejam. Experimente digitar também a partir de outras tônicas em outras casas, usando o mesmo formato de digitação. A estrutura de intervalos é que determina o MODO de uma escala, que nada mais é do que o modo pelo qual estão distribuídos estes intervalos. Quando começamos a escala pela nota DÓ, os MEIOS TONS ficam entre a terceira e quarta e entre a sétima e oitava notas. Bem como os TONS ficam entre os demais intervalos. Estas são as duas condições para que uma escala seja considerada do modo MAIOR: 1) Ter MEIO TOM entre e a terceira e quarta e entre e a sétima e oitava notas. 2) Ter UM TOM entre e as demais notas. 6 - Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

7 A escala que começa pela nota DÓ tem este formato naturalmente, por isso dá origem a todas as outras escalas maiores. As duas condições para que uma escala seja considerada do modo MENOR são: 1) Ter MEIO TOM entre e a segunda e a terceira e entre e a quinta e a sexta notas. 2) Ter UM TOM entre e as demais notas. A escala que começa pela nota LÁ tem este formato naturalmente, por isso dá origem a todas as outras escalas menores. As escalas menores sofreram influência das maiores, e por isso assumem três formas diferentes: a Escala Menor NATURAL, a Escala Menor HARMÔNICA e a Escala Menor MELÓDICA. Resumimos: NATURAL A escala menor natural é digitada igual tanto no sentido ASCENDENTE (do grave para o agudo) quanto no sentido DESCENDENTE (do agudo para o grave). HARMÔNICA A escala menor harmônica é tocada igual à natural quando digitada no sentido DESCENDENTE, mas quando digitada no sentido ASCENDENTE, tem a sua SEXTA nota tocada uma casa a mais no sentido do grave para o agudo. MELÓDICA E a escala menor melódica é também tocada igual à natural quando digitada no sentido DESCENDENTE, e tem duas alterações quando digitada no sentido ASCENDENTE: a SEXTA e a SÉTIMA notas são tocadas uma casa a mais no sentido do grave para o agudo. Na nossa prática, vamos digitar as escalas menores: 1) Na sua forma NATURAL, tendo como acompanhamento uma harmonia na tonalidade de LÁ MENOR 2) Na sua forma HARMÔNICA, tendo como acompanhamento uma harmonia mais elaborada, na tonalidade de LÁ MENOR. 3) Na sua forma MELÓDICA, tendo como acompanhamento outras escalas menores, dos três tipos. Escalas Menores Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 7

8 Faixa 05 Escalas Pentatônicas Uma escala cuja aplicação é muito comum, e cuja DIGITAÇÃO é muito simples é uma escala de apenas cinco notas e por isso chamada de PENTATÔNICA (Penta = Cinco). Abaixo o seu desenho no braço do instrumento. Esta é uma escala pentatônicaque começa com a nota FÁ, e será chamada de ESCALA PENTATÔNICA DE FÁ. Digitando-a a partir de qualquer outra nota da sexta corda, você estará tocando a escala pentatônica formada a partir daquela nota. Observe que você tocará DUAS notas em cada CORDA do instrumento. Logo, a palheta deverá atingir a mesma corda por duas vezes, com movimentos em sentidos ALTERNADOS. Vamos incrementar nosso desenho com uma orientação para as palhetadas: Depois de palhetar para baixo (no sentido das cordas graves para as agudas) a primeira nota (corda 6, casa 1), você palheta para cima a segunda nota (corda 6, casa 4). Ao passar da corda seis para a corda cinco ao lado, o movimento também será alternado. Mas podemos digitar a mesma escala usada outra técnica. Ela foi desenvolvida e melhorada pelo guitarrista Frank Gambale, que a chamou de vassourada (sweaping). O nome vem da maneira com que se usa a palheta, varrendo de uma corda para sua corda vizinha com o movimento no mesmo sentido. Ao passar de uma corda a outra, usaremos então o mesmo sentido do movimento, para economizar o próprio movimento, e dessa forma alcançar uma maior velocidade de execução da escala, que será assim palhetada: 8 - Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

9 Escalas pentatônicas Uma escala pode ser ainda digitada em forma de espelho. Para entender isto, vamos imaginar a escala pentatônica a partir da nota DÓ: Ela terá as notas DÓ, MI bemol, FÁ, SOL e SI bemol. Pense na casa 8, onde estão NA MESMA CASA E EM LINHA RETA várias notas da escala: DÓ, FÁ, SIb, MIb, SOL e DÓ. Nas outras casas, as outras notas da escala não estão alinhadas em uma única casa, sendo tocadas às vezes com o dedo 3, e às vezes com o dedo 4. As notas em linha reta na oitava casa estão no mesmo lugar, é óbvio, mas há uma outra digitação na parte mais grave do braço (à esquerda no desenho), que pode ser melhor representada como no segundo desenho ao lado.a casa oito fica sendo o espelho a partir do qual a digitação pode se dar para a parte mais aguda (primeiro caso) ou para a parte mais grave (espelho), com AS MESMAS notas em OITAVAS diferentes. Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 9

10 Rock and Blues Faixa 06 O rock veio do blues. As escalas de blues têm notas alteradas e notas omitidas. Não existe nem a SEGUNDA nem a SEXTA nota, e existe uma QUINTA DIMINUTA entre a QUARTA JUSTA e a QUINTA JUSTA. A SÉTIMA é sempre menor. A primeira escala digitada, abaixo, da esquerda para a direita é a que deu origem a muitos clássicos do rock. Digite-a DESCENDENTEMENTE, da corda 2 apertada na quinta casa para o grave, e sinta o espírito do blues. As duas outras escalas são digitações em todas as cordas, e a tônica, isto é, a nota que dá nome à escala (blues em MI, blues em FÁ, blues em DÓ, etc.) está sempre na corda mais grave, como as digitações das escalas que já estudamos até agora. A diferença entre a escala de blues maior e menor é a segunda nota da escala, que corresponde à terça da escala maior, e determina o modo. Como ritmo para os improvisos gravados, use as palhetadas como abaixo, em quatro tempos onde a primeira palhetada dura DOIS TERÇOS de tempo e a segunda palhetada dura apenas UM TERÇO de tempo: O blues é sempre tocado em TERCINAS, a divisão do tempo em 3 partes iguais, sendo que a primeira palhetada tem sempre o dobro da duração da segunda, feita em sentido contrário Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

11 As seqüências de acordes abaixo são para um improviso em MI MAIOR. Deverão ser usados com o ritmo descrito na página ao lado, e a escala de blues MAIOR. Repare que as dissonâncias de SEXTA e de SÉTIMA MENOR são tocadas com o dedo 4 da mão esquerda, que se movimentará nas mudanças entre os acordes maior, maior com sexta e maior com sétima menor. As 3 seqüências correspondem à harmonia de um acom- panhamento tradicional, e também têm uma ordem descrita, pela cifragem dos acordes maiores abaixo. A cada cifra de acorde maior, deve ser tocada toda a seqüência. Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 11

12 Acordes Básicos Faixa 07 A música popular tem como estrutura o chamado SISTEMA TONAL. Partindo para a prática, em cada música composta com as escalas maiores temos um CAMPO HARMÔNICO composto por 7 acordes, sendo 3 MAIORES, 3 MENORES e um MEIO DIMINUTO. Eles são formados por conjuntos de notas que soam bem juntas. Toque cada um dos acordes abaixo e veja como os sons de cada um deles se combinam, e como a sucessão dos próprios acordes é agradável ao ouvido. Use sempre as quatro cordas indicadas abaixo dos bracinhos desenhados: Para as músicas compostas com as escalas menores o CAMPO HARMÔNICO tem mais acordes, porque as três formas diferentes da escala menor dão origem a mais acordes do que uma única forma que tem a escala maior. A cada TONALIDADE maior corresponde uma tonalidade menor, assim como para cada escala maior corresponde uma escala menor. Basta tomar a SEXTA nota de uma escala maior e a partir dela formar uma escala menor. No caso da tonalidade de DÓ MAIOR, a tonalidade correspondente será LÁ MENOR, portanto. Como vimos, os acordes são formados por três notas principais: a primeira, a terça e a quinta. Essas três notas recebem o nome de TRÍADE. Mas na harmonia mais moderna quase sempre uma outra nota é acrescentada à tríade, que passa a ser uma TÉTRADE (com quatro notas). Isso gera o aparecimento de mais acordes básicos e seus respectivos derivados com a SÉTIMA nota acrescentada: 12 - Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

13 Estes acordes são conhecidos como ACORDES DE SÉTIMA, porque têm a sétima nota a partir da fundamental acrescentada às notas principais que os formam. Podemos acrescentar qualquer nota a um acorde para modificar suas características. Estes acréscimos de notas têm uma função parecida com a do ADJETIVO para com o SUBSTANTIVO. As notas acrescentadas são os adjetivos para as notas principais de um acorde, logo estes adjetivos podem ser muitos. Os mais usados são as sétimas, que podem ser MAIORES ou MENORES, de acordo com sua distância em relação à nota fundamental que dá nome ao acorde. Um exemplo: a nota SI é a sétima nota em relação ao DÓ, mas a nota SI BEMOL vem ANTES do SI natural, logo está a uma distância MENOR de DÓ. A nota Si Bemol é a SÉTIMA MENOR e a nota Si Natural é a SÉTIMA MAIOR em relação a nota DÓ. As notas acrescentadas aos acordes são chamadas também de DISSONÂNCIAS. São como adjetivos que tornam o acorde mais definido, sem pedir complemento, como as sétimas maiores e as sextas. O assunto DISSONÂNCIAS é enorme. O próprio nome que se dá às notas acrescentadas em um acorde (dissonância) é inadequado, pois dá a impressão de que estas notas não soam bem. O que importa é que se perceba a modificação que elas produzem nos acordes. Estes podem ser modificados para ficarem mais definidos com o uso das SÉTIMAS MAIORES ou SEXTAS, e para ficarem indefinidos, como que pedindo um complemento, nos caso das SÉTIMAS MENORES - que já vimos - e das QUARTAS. As QUINTAS e NONAS podem ser alteradas em meio-tom, e as DÉCIMAS- PRIMEIRAS e DÉCIMAS-TERCEIRAS são a repetição das quartas e sextas na oitava mais aguda. Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 13

14 Acordes Especiais Faixa 08 A guitarra e os instrumentos de corda em geral têm como característica o fato de uma mesma nota, de uma mesma oitava, poderem estar em mais de um lugar. Isso possibilita a montagem de acordes iguais em lugares diferentes. Os acordes que acabamos de conhecer foram feitos com algumas das cordas da guitarra SOLTAS, isto é, sem serem apertadas em alguma casa. Isso não é bom, já que com a amplificação podem surgir problemas. Por isso, em se tratando de guitarra, devemos procurar sempre usar acordes com pestana. Abaixo temos os acordes do campo harmônico de DÓ MAIOR, montados em 3 diferentes lugares: 1) Com fundo CINZA estão os acordes ideais para violão, ou para usar com a guitarra sem muito volume na amplificação. 2) Com fundo PRETO estão as formações de acordes ideais para os iniciantes na guitarra em geral, com pestanas fáceis. 3) Com fundo BRANCO estão os acordes formados em pestanas na região mais aguda, que requerem um pouco mais de força e agilidade na mão esquerda. Acompanhamentos com Bicordes Os bicordes são acordes formados por apenas 2 notas, com a omissão da TERÇA da tríade. Assim sendo, poderão ser usados tanto para acordes maiores como os menores, pois é a terça que determina se um acorde é maior ou menor. A seguir temos uma relação de bicordes feitos em 3 duplas de cordas vizinhas a sexta e quinta, quinta e quarta, quarta e terceira corda Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

15 Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 15

16 Prática I Faixa 09 Os acordes são conjuntos de notas que têm sua origem na escala. Para construir um acorde, você deve escolher 3 notas de uma escala, que são chamadas de TRÍADE. Nas páginas 12 e 14 você tem as ilustrações dos acordes com o nome das notas, mostrando como cada um deles é formado pela sua respectiva tríade. Na nossa prática, vamos usar os acordes maiores e menores, associados com as escalas que os formam, a escala maior e a escala menor, que foram estudadas nas páginas 6 e 7. Vamos começar digitando as escalas MAIORES de MI MAIOR e de RÉ MAIOR, que serão acompanhadas na gravação pelos acordes das suas respectivas tonalidades: ACORDES DA TONALIDADE DE MI MAIOR ACORDES DA TONALIDADE DE RÉ MAIOR 16 - Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

17 Veja nas fotos os acordes das tonalidades de MI MAIOR e de RÉ MAIOR: MI MAIOR RÉ MAIOR Estas duas tonalidades são muito usadas pela guitarra nos gêneros, pop rock e rock. Isto se deve à afinação do instrumento e à facilidade com que os vocais masculinos, maioria nas bandas destes estilos, têm para cantar nestas tessituras. Algumas seqências básicas foram usadas na gravação, e você pode acompanhá-las tocando junto. Observe com atenção as cordas que você deve tocar em cada acorde. Só na primeira seqência podem ser tocadas todas as seis cordas, por isso o controle da palheta, quando usada, deve ser cuidadoso. Na gravação não são usados todos os acordes das duas tonalidades, MI MAIOR e RÉ MAIOR, mas, se você diminuir o volume do canal do acompanhamento, poderá improvisar um acompanhamento com quaisquer dos 7 acordes das tonalidades, desde que seja usada a tonalidade certa, isto é, acompanhamentos de Mi Maior, acordes de Mi Maior, e acompanhamentos em Ré Maior, acordes de Ré Maior. Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 17

18 Prática II Faixa 10 Vamos usar em nossa segunda prática duas escalas MENORES, a de LÁ MENOR e a de MI MENOR. A escolha se dá pelo fato da escala de Lá Menor ser a mais simples de ser entendida, pois seguindo a escala a partir da nota LÁ temos os intervalos necessários para a escala ser do modo menor naturalmente. Já a escala de Mi Menor corresponde à afinação da guitarra com as cordas soltas e todos os acordes serão fáceis de serem executados. As localizações das duas digitações também foram escolhidas por estarem em regiões típicas de solos na guitarra, no meio do braço e no começo da região em que começa a segunda oitava. Vamos a elas: A cada tonalidade MENOR corresponde uma tonalidade MAIOR, logo, os mesmos acordes usados em uma tonalidade maior serão usados em uma tonalidade menor. Na prática, você vai usar os seguintes acordes para os improvisos e outras construções harmônicas: 18 - Toque Igual ao Disco - GUITARRA I

19 Veja nas fotos os acordes das tonalidades de LÁ MENOR e MI MENOR: LÁ MENOR MI MENOR As estruturas musicais nas tonalidades menores têm um caráter mais triste, com sonoridades mais suaves. O uso das dissonâncias realça ainda mais essas características, criando seqências de acordes criativas e melodias marcantes. Algumas seqências básicas foram usadas na gravação, e você pode acompanhá-las tocando junto.observe com atenção as cordas que você deve tocar em cada acorde. Só na primeira seqência podem ser tocadas todas as seis cordas, por isso o controle da palheta, quando usada, deve ser cuidadoso. Na gravação não são usados todos os acordes das duas tonalidades, LÁ MENOR e MI MENOR, mas, se você diminuir o volume do canal do acompanhamento, poderá improvisar um acompanhamento com quaisquer dos 7 acordes das tonalidades, desde que seja usada a tonalidade certa, isto é, acompanhamentos de Lá menor, acordes de Lá menor, e acompanhamentos em Mi menor, acordes de Mi menor. Toque Igual ao Disco - GUITARRA - 19

VIOLÃO 1. escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar.

VIOLÃO 1. escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar. VIOLÃO 1 escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar CD com solos e acompanhamento Saulo van der Ley Guitarrista e violonista Composição & Regência

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama

APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama Devido à grande extensão do teclado e conseqüentemente um grande número de notas, localizadas em diferentes oitavas, precisamos de dois pentagramas.

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apostila de Iniciação ao Violão e Guitarra Miigueell do Prrado Urrttado São Carlos SP, 23 de fevereiro de 2006. Contatos: miguelurtado@yahoo.com.br miguelurtado@polvo.ufscar.br Proibido reprodução do material

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS CAMPO HARMÔNICO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É O CAMPO HARMÔNICO... 02 OUTROS CAMPOS MAIORES... 03 HARMONIZAÇÃO PELO C.H E DICA DE COMPOSIÇÃO... 05 O QUE

Leia mais

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Clássico Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música?

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música

Leia mais

Escala Pentatônica - Desenho 3

Escala Pentatônica - Desenho 3 Escala Pentatônica - Desenho A escala pentatônica é a escala de melhor custo x benefício que existe. Ela é derivada da escala maior (aqueles 7 nomes...dó, ré, mi, fá, sol, lá e si ) só que ela não tem

Leia mais

Apostila Básica de Violão

Apostila Básica de Violão Apostila Básica de Violão Resumos para aulas MARANATA O Senhor Jesus Vem! Sumário Introdução... 2 Estrutura musical... 3 Cifras... 4 Acordes e Escalas... 4 Conhecendo o violão... 5 Enfim a prática!...

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música?

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música por meio

Leia mais

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Popular Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

Título: Partitura Total

Título: Partitura Total Título: Partitura Total 1. Apresentação: O método dmusichouse é reconhecido como o pioneiro do mundo e atualmente como o melhor da América Latina. Nosso trabalho é facilmente demonstrado através de diversos

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO...

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... Índice ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... 4 O TECLADO... 4 TIPOS DE TECLADOS... 4 Sintetizadores... 4 Teclados com acompanhamento automático... 4 Workstations... 4 Pianos digitais...

Leia mais

Acordes, sua estrutura e cifragem

Acordes, sua estrutura e cifragem Por Turi Collura Acordes, sua estrutura e cifragem O acorde é composto por um grupo de notas que soam simultaneamente. É uma unidade sonora, formada de, no mínimo 3 sons (certamente, podemos ter harmonias

Leia mais

FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS:

FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS: FORMAÇÃO E ESTRUTURAS DOS ACORDES; ESCALAS: CROMÁTICA, DIATÔNICA, NATURAL, GREGAS, MELÓDICAS, HARMÔNICAS, DIMINUTAS, PENTATÔNICAS. SINAIS COMUNS E SÍMBOLOS MUSICAIS NOÇÕES DE IMPROVISAÇÃO: RITÍMICA, BASE

Leia mais

Apostila de Ensino Violão (Módulo I)

Apostila de Ensino Violão (Módulo I) Apostila de Ensino Violão (Módulo I) APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios práticos criados;

Leia mais

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo

24 Acorde Maior X Acorde Menor - Conteúdo Introdução Formação de Escalas e de Acordes Encadeamentos e Harmonia Acordes Maiores e Menores Tons Homônimos Encadeamento V7 i em Fá Menor (Fm) Cadência de Picardia próxima 2 Introdução Nas Unidades de

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço IGREJA CRISTÃ MARANATA Apostila De Teclado Comissão de ensino Vale do Aço Introdução O Teclado é um dos instrumentos mais utilizados hoje em dia, por sua grande flexibilidade e diversificação. Com um simples

Leia mais

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I

COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I COMO LER E ESCREVER PARTITURAS - I ALTURAS Philippe Lobo 03 Introdução Um pouco de História 06 Conhecimentos Preliminares Contextualização Teórica Cordas Soltas + Escala Cromática 08 Entendendo a Pauta

Leia mais

Índice. Curso Prático de Guitarra

Índice. Curso Prático de Guitarra Índice Introdução... 01 Notas no seu Instrumento... 02 Escala Cromática Diatônica... 04 Relatividade entre Acordes... 05 Harmonia... 06 Formação de Dissonâncias... 07 Conhecendo melhor os Intervalos...

Leia mais

CAPOTRASTE ou BRAÇADEIRA VOCÊ SABE COMO USAR?

CAPOTRASTE ou BRAÇADEIRA VOCÊ SABE COMO USAR? CAPOTRASTE ou BRAÇADEIRA VOCÊ SABE COMO USAR? MARCAS - FABRICANTES As Fotos mostram alguns modelos mais usados de Capotraste. Teoricamente o capotraste ou braçadeira, uma vez adaptado ao braço do violão,

Leia mais

1ª situação: Quando a nota mais alta (aguda) do intervalo pertence à escala de referência:

1ª situação: Quando a nota mais alta (aguda) do intervalo pertence à escala de referência: APRENDA MÚSICA Vol II 1. Intervalos Neste volume do curso de música iremos aprender as tétrades que são acordes formados por quatro notas. Para isso usaremos uma nomenclatura de intervalos que será apresentada

Leia mais

As Notas Musicais. O processo moderno utiliza códigos quando se refere a cada uma das notas. Este código é chamado de CIFRA.

As Notas Musicais. O processo moderno utiliza códigos quando se refere a cada uma das notas. Este código é chamado de CIFRA. Para focalizar a mente façamos um ditado.omplete. As Notas Musicais São aqueles 7 nomes que todo mundo já ouviu falar (Dó, Ré Mi, Fá, Sol, Lá e Si) mas, ao contrário do que muitas pessoas pensam, existem

Leia mais

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo Introdução Formação de tríades maiores menores Arpejos maiores e menores Cânone Sobreposição de vozes formando acordes Inversão de acordes Versões do cânone Dona Nobis Tonalidades homônimas Armaduras Influência

Leia mais

Dó Dó# - Ré Ré# - Mi Fá Fá# - Sol Sol# - Lá Lá# - Si Dó

Dó Dó# - Ré Ré# - Mi Fá Fá# - Sol Sol# - Lá Lá# - Si Dó Introdução às Escalas Musicais Por certo todos já ouviram falar de escalas musicais. A mais conhecida de todas é a escala de Dó maior, onde abrange as notas: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si. Além dessas notas,

Leia mais

PROVA ESCRITA. 2. Tendo como referencia as escalas maiores abaixo,

PROVA ESCRITA. 2. Tendo como referencia as escalas maiores abaixo, PROVA ESCRITA 1. De acordo com o trecho musical abaixo assinale a alternativa que corresponde as notas escritas em suas devidas alturas, segundo a escala geral. A) Lá3-Sol3-Fá3-Fá4-Sol4-Lá4-Si2-Dó3-Lá2-Sol2-Lá3-Si3-Dó3.

Leia mais

C 7b. Formação de acordes. Acrescentando novos graus. 5 3 Tônica ou 1 C D E F G A B T II III IV V VI VII. Repetições. 7 menor (B )

C 7b. Formação de acordes. Acrescentando novos graus. 5 3 Tônica ou 1 C D E F G A B T II III IV V VI VII. Repetições. 7 menor (B ) ormação de acordes formação de acordes é um processo muito simples, mas que, requer um pouco de atenção para que a combinação de notas fique correta. Usaremos como exemplo o acorde de dó maior no seu modelo

Leia mais

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello Caderno de Postura Prof. Luiz Mello CADERNO DE POSTURA Este caderno de postura tem como objetivo demonstrar os principais pontos relacionados a maneira de como tocar violão e guitarra de uma maneira saudável,

Leia mais

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo INSTRUTOR Zeh Blackie CURSO DE GUITARRA Nível Básico 7º Passo Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos

Leia mais

Como Tocar Cavaquinho

Como Tocar Cavaquinho Como Tocar Cavaquinho Conteúdo Introdução... 4 O Objetivo... 4 Música... 5 O Cavaquinho... 5 Início... 6 Conhecendo As Cifras... 6 (Tríade)... 7 Escalas... 7 Mão Esquerda... 11 Mão Direita... 12 Conhecendo

Leia mais

Início em Arranjos Musicais

Início em Arranjos Musicais Marcelo Morales Torcato Início em Arranjos Musicais 1ª. Edição Pauliceia Marcelo Morales Torcato 2009 PRIMEIRA AULA. As notas musicais são sete: dó; ré; mi; fá; sol; lá; si. Também podem ser representadas

Leia mais

Escalas III Escalas - III Escala Menor Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v1393

Escalas III Escalas - III Escala Menor Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v1393 Escalas - III Escala Menor Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v9 Philippe Lobo Sumário Introdução Escalas Menores... 0 Entendendo a escala Contextualização teórica... 0 Transpondo

Leia mais

TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA

TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Artes e Letras Departamento de Música TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA 2012 Teoria e Percepção Musical Prof. Pablo Gusmão Tópico Página 1 Notas musicais, pauta,

Leia mais

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes...

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes... AMOSTRA ATENÇÃO: ESTE DOCUMENTO SE TRATA APENAS DE UMA AMOSTRA. AS PÁGINAS AQUI EXPOSTAS SÃO PÁGINAS ALEATÓRIAS DA APOSTILA, MESCLADAS DO APRENDIZADO ADULTO COM O APRENDIZADO INFANTIL, COM EFEITO APENAS

Leia mais

Apostila - Estruturação e Linguagem Musical I (2011) PARTE II TEORIA MUSICAL

Apostila - Estruturação e Linguagem Musical I (2011) PARTE II TEORIA MUSICAL PARTE II TEORIA MUSICAL 75 HARMONIA: produção e estudo das relações de tensão e relaxamento entre as notas. "Tensão" e "relaxamento" são termos abstratos que sempre acabam surgindo na literatura sobre

Leia mais

Noções Básicas de Teoria Musical. por Alessandro Penezzi

Noções Básicas de Teoria Musical. por Alessandro Penezzi Noções Básicas de Teoria Musical por Alessandro Penezzi São Paulo, 1999 1) INTRODUÇÃO...4 a) Som é tudo o que ouvimos....4 b) Música é a arte de combinar sons....4 c) Notas Musicais...4 d) Grau Conjunto...5

Leia mais

O desenho 3 ordem PROVA Prova Adaptabilidade Conectando... Desenho 5 e 1 Desenho 4 Desenho 2 Desenho 3 No mé m t

O desenho 3 ordem PROVA Prova Adaptabilidade  Conectando... Desenho 5 e 1 Desenho 4 Desenho 2 Desenho 3 No mé m t Repertório Palm Muting. Intro de Que País é esse? You shook Beat it 14 Ainda é Cedo harmônicos. 14 Ode à Alegria Arranjo quarteto de cordas. 9 30 25 24 22 21 20 16 13 12 11 10 8 4 7 5 2 mulado 29 28 26

Leia mais

02 ELABORADO POR PROFESSOR MUSICAL OTANIEL RICARDO

02 ELABORADO POR PROFESSOR MUSICAL OTANIEL RICARDO MÉTOO E VIOLINO NÍVEL INTERMEIÁRIO Vol. 02 ELBORO POR PROFESSOR MUSICL OTNIEL RICRO 1 UTOR Otaniel Ricardo Santos Foi Professor/Maestro da Banda Musical Ecos do Céu da Igreja Evangélica ssembléia de eus

Leia mais

MÉTODO Maurício Barca

MÉTODO Maurício Barca MÉTODO Maurício Barca GUIA DE ESTUDO PREPARATÓRIO M.B Copyright 1999Todos os direitos reservados A maior parte dos músicos guitarristas vivem da música tocando pôr aí com um pouco mais das informações

Leia mais

Escalas II Escalas - II Escala Maior Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v977

Escalas II Escalas - II Escala Maior Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v977 Escalas - II Escala Maior Natural Assista a aula completa em: http://cifraclub.tv/v977 Sumário Introdução Escalas Naturais... 0 Conceitos preliminares Tônica, Tom e Tonalidade... 0 Melodia e Harmonia...

Leia mais

04 Armadura de Clave Como identificar o Tom a partir dos acidentes da Armadura de Clave. 06 Relação Tom x Acidentes. 12 Círculo das Quintas

04 Armadura de Clave Como identificar o Tom a partir dos acidentes da Armadura de Clave. 06 Relação Tom x Acidentes. 12 Círculo das Quintas 03 Introdução onalidade 04 Armadura de Clave Como identificar o om a partir dos acidentes da Armadura de Clave 06 Relação om x Acidentes ons com sustenidos ons com bemóis 12 Círculo das Quintas ons Vizinhos

Leia mais

FÓRMULA VIOLÃO EXPRESS

FÓRMULA VIOLÃO EXPRESS Direitos Autorais Todos os Direitos reservados a Fábio de Amorim Teodoro. Este e-book só pode ser distribuído juntamente com o Curso Gratuito Fórmula Violão Express. Parartestes Alongamento dodo ViolãoViolão

Leia mais

27 Acordes Substitutos Diatônicos - Conteúdo

27 Acordes Substitutos Diatônicos - Conteúdo Introdução Princípio Geral de Substituição de Acordes Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos da Tônica Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos da Subdominante Tonalidades Maiores: Acordes Substitutos

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Prova Prática: Curso de Música

Prova Prática: Curso de Música Universidade do Estado de Santa Catarina Vestibular 2014.1 Prova Prática: Curso de Música NOME DO(A) CANDIDATO(A) Instruções Para fazer a prova você usará: este caderno de prova; um cartão-resposta que

Leia mais

Intervalo é a distância sonora existente entre duas notas musicais. É impossível obtermos um intervalo tendo somente uma nota como referência.

Intervalo é a distância sonora existente entre duas notas musicais. É impossível obtermos um intervalo tendo somente uma nota como referência. Neste tutorial iremos tratar de assunto de extrema importância para nossa teoria musical, os intervalos. É partir deles que montamos os acordes e as diversas escalas encontradas no mundo da guitarra. Boa

Leia mais

APOSTILA DO CURSO DE GUITARRA DE ALEX MEISTER.

APOSTILA DO CURSO DE GUITARRA DE ALEX MEISTER. Índice Intro... 0 Notas & ifras... 0 Intervalos... 05 cordes Maiores... 06 cordes Menores... 07 Sistema 5 para inversão de acordes... 08 cordes sus... 09 cordes sus9... 0 cordes Maiores add9... cordes

Leia mais

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA Por Turi Collura Elaborado no Século XIX, o antigo livro de técnica pianística chamado Hanon - O Pianista Virtuoso resiste

Leia mais

Considerações finais...45

Considerações finais...45 1 INDICE Comentário Importante...03 Sua Participação...03 O Contra Baixo...04 A origem do nome contrabaixo...04 Partes do contra baixo...05 Afinação do Contra Baixo...06 Escalas e arpejos Arpejo Maior

Leia mais

PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA

PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA Para responder às questões de 01 a 09, consulte a obra Kanonisches Liedchen, de Robert Schumann, do Álbum Para Juventude Op. 68, que se encontra reproduzida

Leia mais

VIOLÃO POPULAR EXPLICANDO TUDO PELAS CIFRAS. Autor: MR. DIRSOM

VIOLÃO POPULAR EXPLICANDO TUDO PELAS CIFRAS. Autor: MR. DIRSOM VIOLÃO POPULAR EXPLICANDO TUDO PELAS CIFRAS Autor: MR. DIRSOM 1. O QUE SÃO CIFRAS 1.1. CIFRA DE ACORDES CONCEITO A Cifra é um símbolo usado para representar um acorde de uma forma prática. A Cifra é composta

Leia mais

TECLADO. (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento

TECLADO. (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento TECLADO (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento O Piano e o Órgão são os instrumentos musicais mais tradicionais

Leia mais

Página 1 de 18. CANTO PRA VIVER WWW.CANTOPRAVIVER.COM 2568-6544 cantopraviver@cantopraviver.com

Página 1 de 18. CANTO PRA VIVER WWW.CANTOPRAVIVER.COM 2568-6544 cantopraviver@cantopraviver.com Página 1 de 18 Página 2 de 18 APOSTILA PERCEPÇÃO HARMÔNICA BÁSICO A OFICINA DE PERCEPÇÃO HARMÔNICA SERÁ TRABALHADA EM DOIS NÍVEIS (MÓDULOS): MÓDULO A ==> Serão passadas noções de teoria musical, intervalos,

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 E PISM III PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA - MÚSICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 E PISM III PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA - MÚSICA PARTE I: PERCEPÇÃO Instruções: Cada uma das questões de 1 a 5 é acompanhada de um exemplo musical gravado; cada exemplo musical será repetido 5 vezes com um silêncio de aproximadamente 30 segundos entre

Leia mais

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental.

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental. Sons Harmônicos Esse assunto é extenso e bastante complexo, sendo objeto de estudo de diversos cursos especializados e de uma vasta literatura no campo da física e da matemática. Como esse não é nosso

Leia mais

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição.

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Apostila de Iniciação Musical Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Junho 2008 http://www.elsabyantunes.blogspot.com/ elsabyantunes@gmail.com Prefácio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA Vestibular 2011 Prova escrita - Teoria e Ditado. Nome do candidato: Curso: 1 - TEORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA Vestibular 2011 Prova escrita - Teoria e Ditado. Nome do candidato: Curso: 1 - TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA Vestibular 2011 Prova escrita - Teoria e Ditado Nome do candidato: Curso: 1 - TEORIA Marque a alternativa correta em cada questão. As questões 1 a 3 referem-se

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova global do ensino secundário da disciplina de Formação

Leia mais

TIPO A TEORIA MUSICAL. As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli:

TIPO A TEORIA MUSICAL. As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli: 1 TEORIA MUSICAL As questões 01 a 03 referem-se ao trecho musical a seguir, de Lulli: 1. Observe o trecho musical acima e responda: 0-0) A tonalidade predominante deste trecho musical é Si bemol Maior.

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. a) Melodia É uma sucessão de sons musicais combinados b) Ritmo É a duração e acentuação dos sons e pausas c) Harmonia é a combinação

Leia mais

LIÇÃO I O BRAÇO DA GUITARRA E NOTAS MUSICAIS. Obviamente você conhece a escala musical convencional, certo? Bom, por via das dúvidas aí

LIÇÃO I O BRAÇO DA GUITARRA E NOTAS MUSICAIS. Obviamente você conhece a escala musical convencional, certo? Bom, por via das dúvidas aí LIÇÃO I O BRAÇO DA GUITARRA E NOTAS MUSICAIS vai: Obviamente você conhece a escala musical convencional, certo? Bom, por via das dúvidas aí Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si É usual que se repita a primeira nota da

Leia mais

http://www.contrabaixo2.blogger.com.br/

http://www.contrabaixo2.blogger.com.br/ 1 de 7 21/09/2010 23:50 Harmonia funcional 1 Introdução A harmonia funcional é um campo da música que estuda os acordes, a relação entre eles e a função de cada um dentro da música. Aprender harmonia funcional

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

TECLADO PARA INICIANTES

TECLADO PARA INICIANTES TECLADO PARA INICIANTES Esqueça tocar com ritmo, só a sua tia e a sua avó vão achar bonito. Talvez a turma do buteco. Se você quer tocar na sua igreja ou na sua banda aprenda desta maneira: FASE 1 - HARMONIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR VESTIBULAR 2013 MÚSICA INSTRUÇÕES - Ao receber este caderno de prova verifique se contém 30 questões. Caso contrário,

Leia mais

TAM I - aula 5 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões luiz.casteloes@ufjf.edu.br

TAM I - aula 5 UFJF - IAD. Prof. Luiz E. Castelões luiz.casteloes@ufjf.edu.br TAM I - aula 5 UFJF - IAD Prof. Luiz E. Castelões luiz.casteloes@ufjf.edu.br Plano Geral da Aula: (1) Princípios básicos de Teoria Musical (continuação); (2) Análise: correção e desenvolvimento da redução

Leia mais

Leonardo Belga Improvisação LIVRO 3 Iniciando na Improvisação No Violão, Guitarra, Baixo Elétrico E Outros Instrumentos

Leonardo Belga Improvisação LIVRO 3 Iniciando na Improvisação No Violão, Guitarra, Baixo Elétrico E Outros Instrumentos Leonardo Belga mprovisação LVR niciando na mprovisação No Violão, Guitarra, Baixo Elétrico E utros nstrumentos Arpejo (Tríades e Tétrades), Escala Pentatônica Menor, Pentatônica Menor com Blue note Para

Leia mais

Curso Contrabaixo Básico

Curso Contrabaixo Básico Seja Bem Vindo! Curso Contrabaixo Básico Carga horária: 25hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um termina, só os

Leia mais

Teoria Musical. O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli.

Teoria Musical. O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli. Teoria Musical O trecho musical abaixo foi extraído do Adagio da TRIO SONATA Op. 3 nº 2, de Arcangelo Corelli. 01. Com base no trecho musical acima, analise as proposições a seguir. 0-0) As notas Sol sustenido

Leia mais

Exercícios de aquecimento. 1. Introdução

Exercícios de aquecimento. 1. Introdução Exercícios de aquecimento 1. Introdução Os exercícios de aquecimento são práticas de rotina necessárias para que o músico se prepare para performances em público, gravações, estudos, etc. Esses exercícios

Leia mais

EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2011-12 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE TEORIA MUSICAL

EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2011-12 SOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE TEORIA MUSICAL dessa Escoladessa Escola MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DFA ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS ESCOLA SARGENTO MAX WOLFF FILHO EXAME INTELECTUAL AOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS 2011-12 SOLUÇÃO

Leia mais

Guitarra ACORDE MAIOR COM QUINTA AUMENTADA. Dó com quinta aumentada. Ré com quinta aumentada. Profª Tiago Silveira

Guitarra ACORDE MAIOR COM QUINTA AUMENTADA. Dó com quinta aumentada. Ré com quinta aumentada. Profª Tiago Silveira Guitarra Profª Tiago Silveira ACORDE MAIOR COM QUINTA AUMENTADA Dó com quinta aumentada Ré com quinta aumentada Mi com quinta aumentada Fá com quinta aumentada Sol com quinta aumentada Lá com quinta aumentada

Leia mais

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Percepção Ditado Melódico 1: Reconhecimento de notas erradas na partitura (duração da questão 01min 30s). 1. Ouviremos a seguir um

Leia mais

música. Exemplo de instrumentos de ritmo: Instrumentos de Percussão (bateria, pandeiro, tamborim, etc.)

música. Exemplo de instrumentos de ritmo: Instrumentos de Percussão (bateria, pandeiro, tamborim, etc.) Introdução A Teoria Musical é tida por muitos como uma coisa chata e difícil, mas quando compreendida torna-se fácil e muito interessante, pois nos fará entender, questionar, definir e escrever o que tocamos

Leia mais

1 Introdução. Curso prático de violão básico

1 Introdução. Curso prático de violão básico 1 1 Introdução Curso prático de violão básico Desde muito, os instrumentos musicais fascinam as pessoas com um poder incrível. O violão não foge a esta regra, e talvez seja o mais cativante de todos por

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL 2011/2012 5º ANO Timbre: a qualidade do som que permite identificar a sua fonte. Figuras rítmicas: sinais musicais que indicam a duração

Leia mais

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO CURE SEU IMPROVISO - MODOS GREGOS. Primeiramente, muito obrigado por apoiar meu trabalho e depois do grande sucesso

Leia mais

TECLADO. Curso Intensivo Nível Básico. Método: Victor Sousa

TECLADO. Curso Intensivo Nível Básico. Método: Victor Sousa 1 TELADO urso Intensivo Nível Básico Método: Victor Sousa 2 Aula 1 BREVE ONEITO DE MÚSIA: Música é a arte e ciência da combinação dos sons; qualquer conjunto de sons. A música contém três elementos essenciais:

Leia mais

No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por

No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por 60 &$3Ë78/2 0$7(5,$,6'((16,12$35(1',=$*(0&5,$'2612&/$0 2VSULPHLURVOLYURVGHVHQYROYLGRV No início do CLAM todos os alunos que começavam a estudar, passavam por uma entrevista com o diretor responsável pelo

Leia mais

Cálculo de Acordes com Cifras Personalizáveis

Cálculo de Acordes com Cifras Personalizáveis Cálculo de Acordes com Cifras Personalizáveis Leandro L. Costalonga, Evandro M. Miletto, Rosa Maria Vicari Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Laboratório de Computação & Música - Instituto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 6º ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu lado concreto

Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu lado concreto Universidade Severino Sombra Fundamentos Teóricos e Metodologia de Matemática 1 1 Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL Aula 01 04/08/2008 Universidade do Contestado UnC Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores 2ª Fase Prof. Carlos Guerber ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL O QUE É O COMPUTADOR? Um computador

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

Juarez Barcellos OS ACORDES MAIS USADOS NO VIOLÃO

Juarez Barcellos OS ACORDES MAIS USADOS NO VIOLÃO Juarez Barcellos OS ACORDES MAIS USADOS NO VIOLÃO EDIÇÃO 2015 ACORDES MAIORES EM TRÍADES TRÊS NOTAS Estes são os desenhos de acordes maiores mais usados de maneira geral. São tríades (acordes com três

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS

COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS CURITIBA 2014 2 Conteúdo Definição:... 2 Detalhando a tela:... 4 BARRA DE FERRAMENTAS DESENHO... 4 PREENCHIMENTOS... 5 RÉGUAS E GUIAS...

Leia mais

Apostila de Violão. Apostila de Violão

Apostila de Violão. Apostila de Violão Apostila de Violão Apostila de Violão Apostila de Violão 1 Índice ÍNDICE...2 c)o que a cifra estabelece ou não...83 f)quadro dos intervalos e símbolos...83 Escala Natural de Do...89 Escala Natural de Mi...89

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS TREINOS COM TRÊS DEDOS E OS PRIMEIROS ACORDES PARA TOCAR AS PRIMEIRAS MÚSICAS São Paulo 2013 SUMARIO OBJETIVO DA AULA... 02 TREINOS A SEREM EXECUTADOS...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

HARMONIA. A à Z. Por: Fábio Leão

HARMONIA. A à Z. Por: Fábio Leão HARMONIA DE A à Z Por: Fábio Leão 1 Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição -Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil. Para ver uma cópia desta licença, visite:

Leia mais

APOSTILA DO CURSO. Parabéns por ter se cadastrado no curso online da D Music House!

APOSTILA DO CURSO. Parabéns por ter se cadastrado no curso online da D Music House! APOSTILA DO CURSO Parabéns por ter se cadastrado no curso online da D Music House! A partir de agora você entrará em contato com o primeiro e melhor curso de violão e guitarra via internet do Mundo! Atenção:

Leia mais

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário).

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário). CURSOS DE MÚSICA DO SESC (2º Semestre) MODALIDADE INICIANTE 1) VIOLÃO POPULAR Este curso está direcionado ao estudo da música popular com acompanhamento harmônico. Serão praticadas canções do repertório

Leia mais

O Estudo de Escalas em Piano

O Estudo de Escalas em Piano escalas3:apresentação 1 31/08/09 12:29 Page 1 Nota biográfica Klara Dolynay Pankovych nasceu na Ucrânia, tendo feito os seus estudos na Escola Superior de Música (piano), na cidade de Uzhgorod, e no Ins"tuto

Leia mais

MuseCode: uma abordagem aritmética à música tonal

MuseCode: uma abordagem aritmética à música tonal MuseCode: uma abordagem aritmética à música tonal José Carlos Ramalho University of Minho Braga, Portugal jcr@di.uminho.pt Resumo Hoje em dia, a utilização de software musical para apoio à composição,

Leia mais

Ondas II F-228 UNICAMP

Ondas II F-228 UNICAMP Ondas II F-228 UNICAMP http://thenonist.com/index.php/thenonist/permalink/stick_charts/ Superposição de ondas Resumo de ondas mecânicas Superposição de ondas Exemplos Representação matemática Interferência

Leia mais