Mais Além da Voz Inexpugnável : estado da arte em tecnologias hipermídia aplicadas à personalização e à interação social em museus virtuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mais Além da Voz Inexpugnável : estado da arte em tecnologias hipermídia aplicadas à personalização e à interação social em museus virtuais"

Transcrição

1 Mais Além da Voz Inexpugnável : estado da arte em tecnologias hipermídia aplicadas à personalização e à interação social em museus virtuais Marcelo Sabbatini 1 (UFPE) Resumo: Como instituições mediadoras da cultura envolvidas na educação, os museus ao mesmo tempo que exibem uma resistência organizacional previsível às mudanças de qualquer natureza também buscam adaptarse ao novo contexto sócio-tecnológico marcado pelos vários impactos das tecnologias de informação e comunicação e pela pós-modernidade. A partir deste premissas, exploramos como as tecnologias de hipermídia estão sendo utilizadas pelos museus virtuais, entendidos já como forma de complementar as ações de suas matrizes reais, em dois campos: a personalização e a contextualização da visita, seguindo uma lógica de subjetividade, e de interação social, na forma de visitas cooperativas, de comunidades virtuais e de redes sociais,operacionalizando a lógica da sociedade-rede. Em seu conjunto, estas iniciativas responderiam à exortação de um novo papel social dos museu, capaz agora de reconhecer a multiplicidade de vozes presentes na sociedade e assumindo um papel de destaque no fomento da participação democrática. Palavras-chave: museus virtuais, hipermídia, personalização. Abstract: As institutions that mediate the access to culture and education, museums exhibit a foreseeable organizational resistance to change and at the same time, seek do adapt themselves to the socio-technological context imprinted by the impacts of information and communication technologies and by post-modernity. From these premises, we explore how hypermedia technology is being used by virtual museums, already understood as complementary actions of their real matrices, in two application fields: the visit's personalization and context building, as well as, under a subjectivity logics, the social interaction shaped by cooperative visits, virtual communities and social networks access. Jointly, these initiatives respond to the claim for a new social role for museums, now able to recognize the multiplicity of the society's many voices and undertakers of a leading role in the advancement of democratic participation. Keywords: virtual museum, hypermedia, personalization.

2 Introdução Segundo o conceito de Hoptman (1992), na cultura ocidental os museus são os guardiões da melhor informação existente. Tornar disponível estes conteúdos culturais através da Internet pode criar novas audiências para o museu e ao mesmo tempo agregar esta mesma disponibilidade universal da informação como elemento re-estruturador dos processos de ensino e aprendizagem, modificados pela redefinição dos papéis dos aprendizes e dos professores. Morrissey e Worts (1998) enfatizam a necessidade de personalizar e contextualizar a experiência de visita ao museu,no sentido de relacionar o conteúdo dos programas do museu com a identidade (experiências passadas, atitudes, valores, medos, etc.) do visitante. (...) A contextualização ajuda os visitantes a refletirem sobre suas experiências dentro de sistemas de valores, de crenças e de conhecimento compartilhados. A contextualização da experiência pode ser realizada através de uma série de estratégias, dentro das quais se destaca incluir a experiência e a história pessoal do visitante, de maneira que este deixe um pouco de si mesmo, com a possibilidade de auto-expressão e de auto-afirmação, em um processo de enriquecimento mútuo. Esta experiência pessoal, do ponto de vista da mediação tecnológica, encontra na hipermídia e nos recursos de interação sua máxima expressão. Assim, o visitante poderia ser criador e contribuidor do que é em sua essência uma instituição social. Além disso, como guardiões do conhecimento especializado, os museus de forma geral deveriam tentar conectar seus conteúdos com aqueles da vida cotidiana do visitante. Dessa forma, a transformação de conceitos e de princípios abstratos em conhecimento internalizado seria possível. Paralelamente, as exposições deveriam buscar retratar múltiplas perspectivas e pontos de vista de um mesmo assunto, possibilitando diferentes formas de interpretar os eventos e objetos presentes no museu. Estes pontos de vista podem Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 2

3 se dar em relação à disciplinas, a níveis de conhecimento, a relações com o objeto, a teorias ou perspectivas teóricas ou filosóficas, entre outras possibilidades. Em outro nível, os museus deveriam incentivar a participação e a tomada de decisões do público, potenciando a participação intelectual, a interação social e possibilitando a síntese de informações. Um exemplo, proveniente do campo dos museus científicos e centros interativos de ciência e de tecnologia, pode ser visto nas enquetes e fóruns de discussão a respeito de temas controversos, como o impacto da tecnologia e os riscos da ciência. Através destas ferramentas, os visitantes podem comparar sua atitude pessoal com a da população em geral, aumentando sua própria consciência em relação a como se posicionar diante de um contexto mais amplo. Segundo Roberts (1997), estas diferentes perspectivas associadas ao estabelecimento de tensões e de conflitos entre distintas concepções de mundo permitiriam uma reconstrução a nível pessoal. Esta construção de significado aconteceria no momento em que a cultura do visitante e a cultura apresentada pelo museu passam por um processo de negociação. Isto supõe uma mudança do paradigma lógico-científico (próprio de um especialista) a um paradigma narrativo, no qual as múltiplas interpretações dos visitantes substituem uma verdade inquestionável. Assim, na implementação dos museus virtuais O desafio real é entender melhor como a tecnologia pode iluminar e melhorar as complexas relações entre as pessoas e os objetos (...) No melhor dos casos, a tecnologia pode facilitar experiências nas quais os visitantes possam transcender e viver mais plenamente suas vidas cotidianas, seus pensamentos e suas atividades. Pode desafiar os visitantes a reconsiderar ou a criar novos significados. Pode ajudar os visitantes a ver suas experiências em um contexto que os conecta com outras pessoas, outros lugares, outros tempos. Pode ajudar o museu a cumprir seu potencial institucional, enquanto ajuda às pessoas a realizarem seus potenciais individuais. O desafio final, então, não é mais que situar a tecnologia ao serviço da compreensão e da melhora da experiência humana (MORRISSEY & WORTS, 1998). Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 3

4 Qual a voz do museu? Uma das grandes promessas da Internet em relação aos museus é o resgate de um debate que os situa como instituições culturais, mais do que como agentes de preservação do patrimônio coletivo. Em um célebre artigo titulado The museum: a temple or forum Cameron (1971) discute o museu como um templo, como um espaço sagrado onde, de acordo com a tradição grega, acontece o encontro com as musas. O templo, portanto, seria a metáfora para que o museu proporcione experiências simbólicas, criativas e inspiradoras, relacionadas com a compreensão imediata, com o mistério, com o assombro e com as emoções. Um templo é um lugar físico que ajuda os indivíduos a estabelecerem uma conexão entre o consciente e o inconsciente. Os templos geralmente contém objetos considerados especiais devido a algum status simbólico, vinculando o presente com o espiritual (MORRISSEY & WORTS, 1998). Assim, o museu com seus objetos protegidos e com sua arquitetura imponente proporciona uma experiência fora do comum a seus visitantes, com um acentuado caráter de templo. Pelo outro lado, Cameron também introduz o conceito de fórum, um espaço físico e psicológico onde as ideias, as atividades diárias, as memórias, os sonhos, as alegrias, os medos e todos os tipos de questões podem ser compartilhados e debatidos. O fórum é um lugar onde os indivíduos se reúnem para compartilhar a tarefa de compreender o presente e de definir o futuro, seja como indivíduos, como grupos ou como culturas. Neste sentido, o museu deve ser neutro e sua grande sabedoria reside em saber gerir as interações que ali se produzem, respeitando a todos seus participantes. O conceito de fórum sugere que o museu deve expandir suas atividades mais além do papel autoritário tradicional, para servir como um intercâmbio de experiências, consistindo dessa forma uma dimensão evolutiva da cultura. Segundo Cameron, os museus deveriam seguir estes dois papéis, ainda que seja impossível eles ocorrem simultaneamente, pelo menos de forma integral. As ideias deste autor ganham um novo significado com o surgimento da Internet, na Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 4

5 medida em que os museus deveriam compreender, aceitar e equilibrar estes papéis para assumir seu novo lugar na sociedade: Na Era da informação, a fonte de significado dos museus residirá em sua habilidade em posicionar-se no centro da busca por parte dos indivíduos de conexões, em converter-se em um fórum para que a sociedade se coloque as questões significativas, em criar um ambiente onde o conhecimento e as suposições sobre nosso ambiente e nossa cultura sejam explorados e continuamente recriados, não somente pelos profissionais do museu, mas por todos os membros do público interessado (MORRISSEY & WORTS, 1998). Desta forma, a tecnologia pode incorporar múltiplas perspectivas, gerar diálogo entre os profissionais, os visitantes e o público geral, fazendo-os participes da missão cultural do museu. Por outro lado, Walsh (1997) se refere à voz inexpugnável da autoridade institucional, uma voz impessoal e incorpórea, anônima, com o tom vago de um texto criado por um comitê, universalmente presente no mundo dos museus. O efeito colateral desta voz é que a experiência de visita passa a ser entendida como alguma coisa a ser aguentada e não como uma ocasião a ser desfrutada. A imagem intimidatória dos museus é fortalecida, em um discurso que faz com que as pessoas se sintam ignorantes e alienadas. Na Web, os museus da chamada primeira geração foram construídos segundo esta mesma filosofia, com o translado da voz inexpugnável, ou seja, da apresentação autoritária no sentido de cima para baixo. Porém, a própria natureza da Internet vai em contra esta abordagem, pois uma das características da Rede, até o momento, é seu caráter aberto e democrático, ainda que relativamente caótico. O próprio ritmo de mudança característico da Internet é incompatível com uma voz de autoridade atemporal, inabalada pelas mudanças e pelo ritmo dinâmico da vida moderna. Pelo contrário, os museus na Internet deveriam seguir os princípios da provisionalidade e da incerteza pós-modernas para aproveitarem ao máximo este novo meio. Em primeiro lugar, o caráter evolutivo dos museus, presente em novas exposições e em estratégias para atrair seu público, deve ser traspassado à Web. A Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 5

6 vantagem é que no meio eletrônico tais mudanças podem naturalmente ocorrer em tempo real. Mas os museus virtuais também possuem um caráter interativo, no qual a comunicação passa a ser um diálogo, mais do que um discurso unidirecional. Para estabelecer uma comparação, na escola o processo comunicacional é dialógico, com o professor interagindo com os alunos. Tradicionalmente, os museus não levaram em conta este retorno de seus usuários, com a exceção das pesquisas de levantamento e dos estudos de visitantes, desperdiçando informação valiosa e necessária para a a satisfação de seu público e a continuidade de suas atividades. Já a colaboração, a incorporação de pontos de vista divergentes e a participação do público na elaboração das exposições proporciona ao museu uma natureza bi-direcional e repercute em que a construção do conhecimento passa a ser uma empresa coletiva. O resultado, uma voz mais amável desta instituição. Considerações Sobre a Aprendizagem no Museu A educação no museu segue um padrão, aderindo a uma determinada teoria subjacente, ao mesmo tempo que reflete a cultura mais ampla onde este processo se encontra imerso. Entretanto, na realização destas atividades educativas faz-se necessário refletir mais detalhadamente sobre estes princípios basilares, antes de iniciar uma série de políticas que possam ir em contra ao próprio objetivo da instituição. Hein (1998) propõe uma combinação de duas dimensões, o epistemológico e o da aprendizagem, para gerar uma matriz de teorias educativas dotada de quatro domínios ortogonais que explicam a aprendizagem nos museus. A aplicação prática destas teorias revela-se através das premissas que se fazem em relação ao estado ontológico dos objetos no museus, assim como em relação à maneira que as pessoas aprendem, se através da transmissão ou da descoberta. E a partir destes pressupostos, são subsidiados a disposição de materiais, de atividades e, de forma, geral, da relação que o museu irá estabelecer com seu visitante/aprendiz. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 6

7 A teoria didática, ou expositiva, é a mais tradicional : combinação de uma epistemologia realista com um modelo de aquisição do conhecimento objetivista. Nela, o docente ensina uma sequência pré-fixada de conteúdos. Os alunos, por sua vez, assumem um papel passivo, memorizando dados e fatos. No museu, a concepção didaticista se reflete na organização das exposições segundo um modelo pré-existente de conhecimento (nos moldes da sistematização iniciada pela tradição renascentista e levada a cabo pelo ideal enciclopedista), sem levar em conta as características do visitante. Expostos em sequência, os objetos seguem uma clara linha de começo, meio e fim, dispostos de forma hierárquica intencional, desde o mais simples em direção ao mais complexo. Os auxílios didáticos limitam-se a painéis e a textos explicativos que descrevem o que se espera que o visitante aprenda. Nesta concepção, as exposições não fazem referência a possíveis interpretações ou a explicações alternativas. Esta organização é adequada aos programas escolares baseados no currículo tradicional, com a ordenação hierárquica dos conteúdos da aprendizagem. Já a combinação do modelo instrucionista com o idealismo, segundo o qual o significado de um objeto deriva não de uma realidade externa, mas da interpretação que se faça dele, resulta em uma concepção de educação baseada no estímulo-resposta 1. Esta teoria é aplicada, sobretudo, no treinamento e na instrução programada, onde existe uma exposição didática, mas sem que uma verdade objetiva sobre o conhecimento seja declarada. Historicamente, a psicologia behaviorista fez uso desta concepção, preocupada com o resultado de um estímulo, mas não sobre sua natureza (a célebre caixa-preta ) Sua aplicação nos museus ocorre através de exposições em sequência, também dotadas de começo e de fim claros e de uma ordem intencional. Assim como no caso do didaticismo, os recursos didáticos descrevem o que se deve aprender. Também são utilizados elementos de reforço, para potencializar um 1 Seguimos aqui a proposta original do autor; entretanto existem controvérsias a respeito do behaviorismo ser classificado como uma teoria que se baseia no idealismo. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 7

8 estímulo-resposta apropriado. As exposições baseadas nesta teoria não realizam uma declaração formal sobre a natureza da verdade ou da realidade; por outro lado, para seus críticos e para aqueles que possuem uma noção distinta dos fatos apresentados, esse posicionamento se fazem aparentes. A combinação do construtivismo e de uma noção realista da natureza do conhecimento tem como resultado a aprendizagem pelo descobrimento ou aprendizagem investigativa. A adoção de uma perspectiva construtivista se manifesta na mudança terminológica, com a substituição de ensino por aprendizagem, situando o foco da atenção no aprendiz. A aprendizagem se entende aqui como um processo ativo, na medida em que o aprendente interage com o material e com sua realidade, mais do que absorvendo-os e principalmente se uma atividade física for associada ( hands-on ). Por outro lado, o critério realista supõe que apesar da aprendizagem ser individual, existe uma realidade e uma verdade subjacentes lá fora, prontas para serem descobertas através desta experiência pessoal. Para os museus, uma abordagem natural da aprendizagem por descobrimento são as exposições que permitem a exploração aberta e a escolha de como se visitar, possibilitando mais de uma forma de aprendizagem. Também se destacam os módulos que propõe perguntas e reflexões aos visitantes, estimulando-os a encontrarem sua própria resposta (ainda que as respostas individuais sejam medidas frente a uma interpretação correta, segundo o princípio realista). As exposições planejadas nesta concepção do processo educativo são adequadas para os programas escolares que envolvem os estudantes em atividades dirigidas, desde que cheguem a conclusões geralmente aceitas. No quarto quadrante, encontramos o construtivismo. Aplicado ao museu, esta postura implica que o visitante constrói seu conhecimento pessoal a partir de sua experiência passada. Sua premissa é que o processo de aquisição do conhecimento de uma realidade existente somente na interpretação individual é um processo de construção. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 8

9 Assim, o museus deveria facilitar múltiplas rotas através da exposição para proporcionar um maior número de experiências. A disposição dos objetos em ambientes ricos fomenta que o visitante, com suas necessidades pessoais, encontre suas próprias conexões e formulações a partir dos elementos do museu, expandindo sua visão de mundo. Através de conceitos e de objetos a experiência da nova aprendizagem é construída a partir do conhecimento prévio. Para a abordagem construtivista do museu não existem roteiros certos, mas a experiência ativa é estimulada para que os visitantes realizem seus próprios questionamentos, além de estabelecer vínculos com aquilo que já sabem. Por outro lado, em relação às oportunidades de interação social, uma vez que o espaço do museu é um espaço de interação por excelência, o que o museu construtivista deve fazer é não impedir as oportunidades de sua realização. Assim, o projeto e disposição dos materiais deve favorecer a promoção da socialização. A personalização através da hipermídia O conceito de acesso público é um dos principais fatores que motivam os atuais investimentos e pesquisa nas tecnologias digitais de informação e comunicação, devido a elas permitirem que as escolas, a academia e o público geral tenham acesso aos conteúdos culturais do museu, mais além de seus limites físicos. Porém, a dificuldade com o termo é que este não implica qualquer responsabilidade a mais, por parte do museu, em conceder benefícios tangíveis para quem este acesso é concedido. Em outras palavras, além do acesso, seus materiais não contem uma afirmação de valor. Assim, os dados sem valor acrescentado são úteis somente para aquelas pessoas com conhecimento suficiente para interpretá-los e analisá-los (DONOVAN, 1997). Entretanto, para que os museus virtuais em sua missão educativa evitem a simples replicação dos museus tradicionais, ou que pelo menos evitem suas deficiências, a apresentação da informação também deve levar em conta as Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação 9

10 diferentes formas pelas quais as pessoas aprendem. Assim, a variedade nas formas de interação oferecidas permite a criação de um continuum que vá desde o papel do museu como especialista até o papel do usuário/visitante como especialista (DURBIN, 2003). Especificamente em relação ao museu virtual, esta mudança na relação entre visitante e instituição passa pelo ideal de proporcionar uma visita que não possa ser oferecida, ou seja de difícil realização no mundo físico. Uma coleção pode ser visitada virtualmente de diversas maneiras, seguindo diferentes enfoques: um mesmo tema, um mesmo objeto ao longo do tempo, uma mesma funcionalidade. Em relação à aproximação dos objetos ao visitante, poderia-se optar por uma visita mais geral frente à exploração detalhada de um objeto, com a possibilidade de intercambiar entre uma e outra. Além disso, estes cenários se completam com visitas adequadas para públicos especiais, como por exemplo portadores de necessidades especiais, crianças, minorias sociais, etc., de forma a proporcionar espaços específicos para a reflexão e para a interação. Em condições ideais, de tempo e orçamento ilimitados, seria possível criar uma visita infinita, com níveis de especialização que vão do mais básico ao mais especializado (FERNSTRÖM & BANNON, 1997). Interfaces adaptativas e agentes inteligentes Segundo Paterno e Mancini (1999), os diferentes tipos de usuários de um museu virtual acessam a informação com diferentes objetivos; porém também se diferenciam em relação a seu background, particularmente seus conhecimentos prévios. Daí a necessidade de apresentar a informação da maneira mais adequada, com o objetivo de facilitar a aprendizagem diante das diferenças individuais. A tecnologia do museu virtual permite este tipo de personalização através das chamadas interfaces adaptativas. Neste ponto, convém realizar uma distinção conceitual: os chamados sistemas adaptáveis são aqueles onde o usuário pode modificar alguns parâmetros e logo adapta seu comportamento de forma

11 correspondente. Enquanto isso, se o sistema se adapta automaticamente, o sistema seria adaptativo. Em ambos casos, estes sistemas utilizam a informação disponível sobre um usuário específico, representada em um modelo, para apresentar segmentos da informação como um todo contida no museu. Como veremos, a adaptação pode ocorrer não somente no âmbito dos conteúdos, mas também na interface de navegação Em relação aos modelos de usuário, estes podem ser estáticos ou dinâmicos. No primeiro caso, um perfil padrão é atribuído a cada usuário (por exemplo, principiante, intermediário, especialista) aos quais são relacionados assuntos e conteúdos. No modelo dinâmico, por sua vez, o grau de familiaridade do usuário é levado em conta, através da análise de acessos anteriores, significando que o modelo leva em conta a evolução cognitiva do usuário, adaptando-se a ela de acordo. Os dois modelos podem ser utilizados de forma combinada, como no uso de um modelo estático para determinar os valores inciais de um modelo dinâmico. A principal dificuldade de se construir um sistema adaptativo é estruturar a informação de forma que estas adaptações sejam possíveis. A adaptação pode ocorrer em três níveis: o de apresentação, o de distribuição gráfica dos conteúdos e o dos atributos de visualização. Na atualidade, as técnicas de apresentação adaptativas se focam nos elementos textuais, de forma que diferentes usuários podem visualizar diferentes textos no contexto de uma mesma página. Neste sentido, destacamos o conceito de strechtext, um tipo especial de hipertexto. Mais do que levar o usuário a outra página, a ligação hipertextual expande o texto original quando um nó ( hotword ) é ativado. A ideia subjacente ao strechtext adaptativo reside em apresentar una página com todas aquelas extensões de strechtext relevantes para o usuário revelados, e as partes não relevantes, ocultas. A qualquer momento, porém, o usuário pode ultrapassar a limitação da informação adaptada, selecionando por sua própria conta as hotwords que lhe interessem.

12 Em relação à classe de informação que possa ser incluída em um sistema adaptativo, destacam-se as sínteses e resumos, além de textos que despertem a curiosidade, incitem comentários ou provoquem discussões. Da mesma forma, este hipertexto ampliado pode trazer comparações entre diferentes elementos de informação, assim como múltiplas interpretações a seu respeito. Por sua vez, Hitzeman e Oberlander (1997) descrevem uma tecnologia que dá um passo além do hipertexto, o hipertexto dinâmico. Nele, parte do texto apresentado ao usuário é escrito de antemão e parte é gerado automaticamente, segundo as informações proporcionadas pelo perfil do usuário. Além disso, um histórico documenta quais materiais foram acessados e visualizados, de forma que o sistema poderia apresentar informação nova, a cada visita. No que concerne os mecanismos de navegação, os sistemas adaptativos buscam ajudar os usuários a encontrar seu caminho através da informação, adaptando as ligações segundo seu perfil. As técnicas mais utilizadas são o percurso orientado ( direct guidance ), onde o sistema decide quais as ligações são mais adequadas para aquele usuário; a ordenação adaptativa ( adaptative ordering ) onde o sistema organiza as ligações de uma determinada página segundo o modelo de usuário e apresentando as mais relevantes primeiro; a chamada ocultação ( hiding ), na qual o sistema oculta as ligações não relevantes, limitando as opções de navegação e reduzindo a carga cognitiva do usuário e, finalmente, a anotação ( annotation ), onde o sistema aumenta as ligações com comentários que proporcionam mais informação, apresentada de forma textual ou visual. De qualquer forma, um sistema adaptativo sempre deve proporcionar ao usuário a possibilidade de mudar de perfil ou de desativar completamente a interface de personalização. A experiência tem demonstrado que sistemas totalmente adaptativos falham frequentemente em seu objetivo de facilitar a experiência dos usuários. Uma abordagem mais adequada para os museus virtuais, até o momento, seria incluir alguns recursos adaptativos, mantendo a possibilidade de ativar ou não os recursos de personalização a disposição do usuário (PATERNO & MANCINI, 1999).

13 O museu colaborativo Segundo Barbieri e Paolini (2001), o acesso aos museus virtuais pode ser mais interessante e atrativo se um certo grau de cooperação entre seus visitantes for alcançado, transformando o que se supõe uma experiência solitária em uma experiência social. Ainda que ambientes virtuais como fóruns de discussão, chats, jogos colaborativos e redes sociais a interação seja a meta em si mesma, no museu virtual os visitante compartilham o objetivo comum de compreender os conteúdos do museu. Para estes autores, a experiência de imersão em um mundo virtual 3D com avatares representado os outros visitantes seria uma maneira de facilitar as relações de colaboração. Na visita ao museu real, as pessoas interagem basicamente de três formas. Na primeira, a visita livre, uma pessoa visita o museu de forma solitária, concentrando-se nas exposições de maior interesse pessoal. Enquanto isso, vê outros indivíduos, nota quais são seus interesses e escuta suas conversações. Na segunda, o grupo fraco, vários visitantes vão a um museu juntos. Conversam entre si para trocarem opiniões e sugestões. Novamente, compartilham parcialmente a experiência de visitação com as pessoas a seu redor. O grupo é fraco, os membros podem se separar, formar sub-grupos, parar e descansar, para se reunir ao grupo outra vez. Finalmente, em uma visita organizada ou guiada, um líder recorre o museu apontando as exposições de interesse especial, parando quando é necessário e proporcionando explicações. Os outros membros seguem de perto, podendo trocar comentários ou se separar para visitar o museu de forma livre, para voltar ao grupo depois. Neste sentido, dois comportamentos relacionados ao conceito de cooperação podem ser observados. No primeiro, os usuários cooperantes possuem conhecimentos e privilégios similares. No outro extremo, um dos usuários está no controle da situação, possuindo mais conhecimento que os demais, como é o caso

14 de um guia de visitação. De qualquer maneira, a cooperação deve seguir algumas pautas específicas para que os objetivos comuns sejam alcançados. No espaço virtual de colaboração, surgem metáforas de cooperação que caracterizam a visita virtual e que supõe novas formas de desfrutar, de aprender e de se relacionar com o museu online. Por exemplo, um visitante pode assumir o ponto de vista de outra pessoa, vendo através de seus 'olhos. Este é o tipo de experiência única do meio virtual, que não pode ser replicada na visita física. Por outro lado, um ambiente de cooperação online não é capaz de apreender toda a informação contida no museu virtual: o excesso de informação, junto com a atenção dedicada à comunicação e interação com os co-visitantes e a própria interface de mediação acabam por saturar o visitante-usuário. Desta forma, nas visitas cooperativas recomenda-se que a informação se limite ao mínimo para que determinados interesses sejam despertados, reconhecendo de antemão que os ambientes 3D ricos em detalhes são mais indicados para despertar o interesse afetivo e a interação com outros usuários do que a apresentação de conteúdos propriamente ditos. Em último lugar, a visita cooperativa também pode ser realizada de forma assíncrona, quer dizer, com os visitantes interagindo em momentos do tempo diferentes. No museu físico este tipo de visita é encontrado, por exemplo, nos livros de visitantes, ainda que este compartilhamento de impressões não se destine a uma audiência específica. Na maleabilidade e na fluidez do meio digital, entretanto, a criação de grupos de interesse é praticamente ilimitada, ao mesmo tempo que a experiência subjetiva do visitante possa ser compartilhada com outros usuários do museu online (e mesmo com os visitantes presenciais, em interessantes relações entre o real e o virtual). Contudo, apesar destas possibilidades, os levantamentos realizados mostram que os museus tendem a separar os visitantes online dos visitantes locais, considerando-os de forma independente. Projetos experimentais vêm buscando superar esta separação, combinando o digital e o tradicional em uma mesma

15 experiência e, consequentemente, levando a uma dissolução estas fronteiras (GALANI & CHALMERS, 2002). Considerações Na atualidade, o campo da museologia virtual se encontra mais firmemente estabelecido em comparação com as primeiras discussões acadêmicas sobre o assunto. Superado o medo da mudança e da tecnologia, o reconhecimento de que o virtual não representa uma ameça às instituições reais aflora junto ao entendimento de que eles podem ser formas alternativas de expressão e de ação. E da mesma forma, os museus virtuais consistem um campo de inovação, propício a novas experiências museológicas e também à pesquisa científica e acadêmica. Neste terreno de inovação tecnológica e de experimentação, convem prestar atenção aos novos formatos e linguagens adequados ao conceito de complementação. Neste sentido, junto a uma nova voz do museu, mais próxima a seus visitantes, surgem tendências como a personalização e as visitas cooperativas (somente para circunscrever-nos ao foco desta comunicação, já que agentes inteligentes, realidade virtual e realidade aumentada acenam com outras possibilidades mais). Cabe notar que estas iniciativas se situam na razão de ser do museu virtual por excelência, isto é, proporcionar experiências que não sejam de outra forma possíveis no mundo real. Não somente no sentido de quebrar barreiras de espaço, de tempo e de acesso, mas de realmente fornecer experiências únicas, exclusivas, identitárias que pressupõe o digital. A partir deste ponto, é interessante observar que a integração real-virtual se dá em duas direções, quer dizer, os museus físicos há bastante tempo incorporam recursos multimídia, realidade virtual e exposições inteligentes, pelo qual pode-se dizer que a desmaterialização (e portanto, a reconceituação) dos museus é anterior ao fenômeno do museu virtual.

16 Diante destas consideração, diversas estratégias de atuação acenam em direção a um modelo de comunicação-educação mais participativo, mais democrático, mais humanizado. Atender às necessidades e aos interesses específicos dos visitantes convertendo-se em templo pessoal, a través das interfaces personalizadas, e fomentar a interação social e a reconfiguração do museu como um espaço de discussão pública, um fórum digital seriam formas de alcançar este ideal. Como considerações finais, a tecnologia digital encontra-se ainda em seus primórdios, haja vista a rápida evolução que a Internet experimentou desde seu surgimento. Qual o impacto, por exemplo, de uma difusão maciça do acesso à banda larga da Internet sobre os modos de utilização das hipermídias? Em que medida será possível alcançar o ideal de acesso universal à informação? Ou, utopicamente, de tapar o fosso que estabelece um reparto do saber? Logicamente, todas estas questões não podem ser solucionadas pela instituição museu, sua modalidade virtual incluída, somente. Mas estejamos atentos ao valor que suas contribuições, por pequenas que sejam, possam proporcionar ao ideal de uma sociedade mais justa e participativa. Referências Bibliográficas BARBIERI, T.; PAOLINI, P. Cooperative visits for the museum WWW sites a year later: evaluating the effect. Museums and the Web In: Selected papers. Pittsburgh: Archives and Museum Informatics, Disponível em: <http://www.archimuse.com/mw2000/papers/barbieri/barbieri.html>. Acesso em 12 maio DONOVAN, K. The best of the intentions: public access, the Web & the evolution of museum automation. In: Museums and the Web 97. Selected papers. Pittsburgh: Archive and Museum Informatics, DURBIN, P. T. Technical knowledge and public discourse. In: Actas del Congreso La Ciencia Ante el Público. Cultura humanista y desarrollo científico-tecnológico. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, 2003.

17 FERNSTRÖM, M.; BANNON, L. Enabling technology for museum visitors: issues and experiences. In: Museums and the Web 99. Selected papers. Pittsburgh: Archives and Museums Informatics, GALANI, A.; CHALMERS, M. Can you see me? Exploring co-visiting between physical and virtual visitors. In: Museums and the Web Selected papers, Pittsburgh: Archives and Museum Informatics. Disponível em: <http://www.archimuse.com/mw2002/papers/galani/galani.html>. Acesso em 15 jun HEIN, G. E. Learning in the museum. Londres: Routledge, HITZEMAN, J., OBERLANDER, J. Dynamic generation of museum Web pages: the Intelligent Labelling Explorer. In: Museums and the Web 97. Selected papers. Pittsburgh: Archives and Museum Informatics, HOPTMAN, G. H. The virtual museum and related epistemological concerns. In BARRETT, E (ed.), Multimedia, Hypermedia and the social construction of knowledge. Cambridge, Mass.: MIT- Press, MORRISSEY, K.; WORTS, D A place for the muses? Negotiating the place of technology in museums. In: THOMAS, S.; MINTZ, A. (eds.), The real and the virtual: the media and the museum. Washington, D.C.: American Association of Museums, 1998, pp PATERNO, F.; MANCINI, C. Designing web user interfaces adaptable to different types of use. In: Museums and the Web 99. Selected papers. Pittsburgh: Archives and Museum Informatics. Disponível em: <http://www.archimuse.com/mw99/papers/paterno/paterno.html>. Acesso em 14 jun. 2010, ROBERTS, L. From knowledge to narrative: educators and the changing museum. Washington, D.C.: Smithsonian Institution Press, WALSH, P. The Web and the unassailable voice. In: Museums and the Web 99. Selected Papers. Pittsburgh: Archives and Museum Informatics, Marcelo SABBATINI, Doutor Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Departamento de Fundamentos Sócio-Filosóficos da Educação / Universidade Aberta do Brasil

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Do templo a ágora: o papel do museu na geração de conteúdo para a TV Digital Interativa

Do templo a ágora: o papel do museu na geração de conteúdo para a TV Digital Interativa 1 Do templo a ágora: o papel do museu na geração de conteúdo para a TV Digital Interativa Marcelo SABBATINI Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE Renato M. E. SABBATINI Instituto Edumed para Educação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência

Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência Fabio Castro Gouveia Museu da Vida COC Fiocruz Brasil Introdução Podemos considerar que os Museus são tradicionalmente provedores

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014 1 A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL Brasília DF, 05/2014 Camila Aparecida de Carvalho Universidade Católica de

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO 1 Jussara Hoffmann Sobre a avaliação Para se debater o sistema de avaliação das aprendizagens, primeiro é preciso compreender o termo avaliar com a amplitude

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Prof. Dr. Luiz Antonio Titton Versão março, 2015 A avaliação dos alunos em jogos

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Manoel Santos da Silva (IFAL) manoel.silva@ifal.edu.br RESUMO Este trabalho percorre por alguns questionamentos sobre

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs. ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.br * Anamaria Lopes Colla acolla@pucrs.br Marco Aurélio Souza Mangan * mangan@inf.pucrs.br

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO A RESILIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR E O PAPEL DO PROFESSOR ZÍPORA RAQUEL DE PAULA Resende RJ 2014.1

Leia mais

Moderação. Introdução

Moderação. Introdução Este texto foi adotado para fim exclusivo de apoio didático ao Curso de Gestão Estratégica Pública - Turma 2005 - uma parceria entre a Escola de Extensão da Unicamp e a Escola de Governo e Desenvolvimento

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0

Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0 Curso Wikis Corporativos: ambientes estratégicos de colaboração e comunicação para empresas 2.0 Esta cada vez mais comum na web ambientes wikis. É um dos fatores principais no que vem sendo denominado

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar uma metodologia?

Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar uma metodologia? PROJETO? O QUE É? COMO SE FAZ? Fagundes, Léa da Cruz Co-Autoras Luciane Sayuri Sato/ Débora Laurino Maçada A CULTURA DO PROJETO Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho Sumário Conhecimento introdução EGC estudo Mídias conceito teoria Cibercultura processo Inovação mídias Temas seminários

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS Brasília, maio de 2012 Iara Carneiro Tabosa Pena - Universidade de Brasília (iarapena@yahoo.com.br) Wilsa Maria Ramos Universidade

Leia mais

TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA

TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA CAMPOS, Graziela gracampos7@uol.com.br GUIMARÃES, Suely Fernandes fmsuely@hotmail.com PALHARINI, Alessandra Rosa alepalharini@yahoo.com.br SANTOS,

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

COMO PLANEAR E POSICIONAR MUSEUS EM TEMPOS DE MUDANÇA CULTURAL

COMO PLANEAR E POSICIONAR MUSEUS EM TEMPOS DE MUDANÇA CULTURAL COMO PLANEAR E POSICIONAR MUSEUS EM TEMPOS DE MUDANÇA CULTURAL Gail Dexter Lord, Co-Presidente, Lord Cultural Resources ICOM Portugal 2014, XI Jornadas da Primavera, Lisboa 31 de março de 2014 Toronto

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

Outras mediações Mediação Técnica

Outras mediações Mediação Técnica Mediação pedagógica A tutoria online é uma tarefa complexa por abranger múltiplas funções. O tutor de cursos na Web assume funções comuns à educação em geral (seja ela presencial ou a distância), mas é

Leia mais

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET Simone Barros mestre em educação, simonegbarros@gmail.com Departamento de Design - Universidade Federal de Pernambuco André

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais