A ORGANIZAÇÃO DA VIAGEM INTERNACIONAL AO BRASIL E SEUS REFLEXOS SOBRE A SATISFAÇÃ O DO TURISTA. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ORGANIZAÇÃO DA VIAGEM INTERNACIONAL AO BRASIL E SEUS REFLEXOS SOBRE A SATISFAÇÃ O DO TURISTA. 1"

Transcrição

1 A ORGANIZAÇÃO DA VIAGEM INTERNACIONAL AO BRASIL E SEUS REFLEXOS SOBRE A SATISFAÇÃ O DO TURISTA. 1 Adriana Fumi Chim Miki 2 Doutoranda em Perspectivas Científicas del Turismo y Gestión de Empresas Turísticas. Universidad de Las Palmas de Gran Canaria España. Diego R. Medina-Muñoz 3 Professor e coordenador do Programa de doutorado em Turismo Universidad de Las Palmas de Gran Canaria España. Resumo Este artigo apresenta uma análise do fluxo turístico internacional no Brasil, baseando-se em uma revisão bibliográfica sobre os modelos de internacionalização de destinos turísticos e em dados do perfil dos turistas estrangeiros. Especificamente analisa o desempenho brasileiro dos últimos cinco anos a partir dos dados do Ministério de Turismo Brasileiro. Adicionalmente, faz uma verificação da forma como o consumidor turístico esta buscando informações que embasam a organização de suas viagens, verificando o grau de dependência dos consumidores para fazer compras de produtos turísticos. Através de uso de análise estatística estabelece correlações entre a intermediação da compra do produto e a satisfação dos turistas com o destino, gerando conclusões que orientam a comunicação das empresas do setor turístico para um consumidor mais independente. Palavras Chaves: Internacionalização; TIC; Gestão estratégica; Satisfação 1 Trabalho apresentado ao GT 04 Turismo e desenvolvimento regional do VI Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL Caxias do Sul, 9 e 10 de julho de Doutoranda em Perspectivas científicas del Turismo y Gestión de empresas Turísticas por la Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, España. Mestre em Geografia, com a linha de investigação Desenvolvimento Urbanoregional, pela Universidade Federal de Rio Grande - Brasil (FURG). Especialista em Gestão Ambiental em Municípios, professora de Gestão Ambiental Empresarial, Administração e Empreendedorismo, Consultora de empresas. Graduada em Administração de empresas (FURG). 3 Ph.D., Doctor en Ciencias Económicas y Empresariales pela Universidad de Las Palmas de Gran Canaria (Ulpgc), España, Máster of Science in Hotel and Food Service Management por la School of Hospitality Management, Florida International University, USA. Profesor de Planificación y Estrategia del Turismo en la Facultad Economía y empresas, Ulpgc. Profesor invitado en Université de la Méditerranée, Aix-Marseille II, France y Universidad de Oviedo, España.

2 Introdução O turismo é uma importante fonte de recursos para os países. Trata-se de uma atividade de caráter internacional, onde a capacidade de um país para manter vantagens competitivas, bem como a correta divulgação de seus atrativos é um determinante do sucesso. A internacionalização dos destinos turísticos têm sido objeto de muitas pesquisas e enfoques, as quais analisam a melhor forma de entrada nos mercados, tendo em vista as empresas e o país. De acordo com Agndal & Elbe (2007), as pequenas e médias empresas representam um alto percentual entre as empresas turísticas e estão tornando-se mais internacionais mediante o uso de intermediários e/ou mediante o uso da internet para chegar a nichos estrangeiros. As características do produto turístico, de intangibilidade, estreita relação entre produção e consumo e conteúdo intensivo em informação dos serviços, fazem com que seu processo de internacionalização seja diferente dos outros setores. É um produto que se vende em um país e consome-se em outro. O objetivo geral deste trabalho, é fazer uma breve revisão da literatura do turismo sobre as formas de internacionalização e gestão estratégica para a competitividade dos destinos turísticos. Especificamente, apresenta um estudo descritivo-exploratório a partir dos dados do perfil do consumidor turístico internacional, do Ministério do Turismo Brasileiro dos últimos cinco anos. Concretizase com a análise da participação dos destinos brasileiros no mercado internacional, análise da forma de procura de informações por parte do consumidor, e análise da forma habitual de compra dos produtos turísticos e seu efeito sobre a satisfação. Sintetizando, esta análise baseia-se na satisfação do cliente comparativamente com uso ou não de agencias de viagens e tours operadores. A forma como o consumidor internacional utiliza os agentes minoristas ou maiorista na compra dos produtos turísticos brasileiros é uma importante indicação de sua interação com a oferta turística. Este dado é base para uma efetiva e eficaz comunicação com o mercado, assim como para o planejamento das políticas públicas e da gestão empresarial. Além disso, este trabalho enfoca o uso das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), como ferramenta de gestão estratégica, frente ao novo consumidor na

3 sociedade da informação. Para isto, apresenta os paradigmas do Consumidor Independente, característica crescente na atualidade, que se confirma nos dados analisados da demanda turística internacional brasileira. 1. Organização do turismo e a organização da viagem Basicamente, as empresas ao ingressarem nos mercados externos utilizam a exportação diretamente ao cliente estrangeiro, através de intermediários, como franquias ou concessão de licenças. Outras optam pela criação de filiais no exterior. Segundo, Andersen & Buvik (2002), os modos de seleção de entrada e os mercados estão relacionados. Ou seja, existem variáveis que devem ser analisadas nos mercados para determinar a melhor estratégia de internacionalização das empresas. Dunning y Kundu (1995), realizaram uma análise dos motivos que influem sobre as empresas hoteleiras ao tomar a decisão de sair ao exterior. Em esta análise, o tamanho da empresa, sua experiência internacional, a imagem da marca, o investimento em formação, o acesso a sistemas de reserva e o conhecimento das preferências dos clientes são os ativos específicos capazes de criar vantagens competitivas. Por outro lado, o tamanho e economia do país receptor, bem como suas características serão as variáveis que complementaram este modelo de eleição. Este padrão pode ser estendido a outros produtos e empresas turísticas, sem perder de foco o ciclo de vida dos produtos, pois esta variável afeta diretamente o fator custo e tempo (Vermon, 1996). Outras pesquisas oferecem marcos complementários, considerando o tempo, custo e frequência das operações (Anderson & Gatignon, 1986). A rede de interconexação da qual a empresa faz parte tem grande importância neste processo. Da mesma forma, os contatos pessoais de seus gerentes e diretores ( network). Observa-se que nas primeiras etapas de internacionalização, freqüentemente as empresas centralizam seus esforços nos mercados mais próximos, em termos de distância psíquica ou distância física. O Modelo de Etapa é explicado por Johanson y Wiedersheim-Paul (1975). Um outro modelo explica a internacionalização a partir das razões por trás do processo, é o Modelo de Conhecimento e Aprendizagem. Segundo Johanson y Vahlne, (1977), as empresas ao adquirirem mais experiências migram para

4 processos de internacionalização com maior grau de controle das atividades. Assim, por exemplo, começam com uso de intermediários e constroem suas capacidades aumentando seus níveis de equidades. Igualmente, a Network cresce, e os processos de planejamento estratégico sofrem transformações com a evolução da rede de contatos e com a aprendizagem. A quantidade de recursos disponíveis para a empresa, também é um fator relevante. Considerando que o setor turístico contém uma grande quantidade de pequenas e médias empresas, devemos destacar os estudos sobre a internacionalização deste tipo de empresas. Jones (2001), indica que as pequenas empresas tendem a internacionalizar-se mais lentamente, e estão envolvidas nos modos de baixo ingresso, tais como compromisso de exportadores. Observa-se também, que normalmente não há uma estratégia de planejamento para seu ingresso nos mercados, ocorrendo de uma forma emergente. Algo como um sucesso incontrolável ou encontros casuais (Brush, 1995, Meyer y Skak, 2002; Hohenthal, Johanson, y Johanson, 2003; Spence, 2003). O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) é uma estratégia de mercado que atualmente possibilita outras formas de penetração nos mercados. Buhalis (2003), salienta que as TIC mudaram radicalmente a eficiência e eficácia das organizações de turismo, a maneira como são conduzidos os negócios no mercado e a maneira como os consumidores interagem com as organizações. Complementando, O'Connor (1999) destaca que está crescendo a confiança dos viajantes nas compras por internet, além da satisfação pela realização de reservas em curto espaço de tempo com menores custos e maior precisão. Segundo Buhalis & Law (2008), o desenvolvimento das TIC, e em especial da Internet, criou um novo turista. Um turista menos interessado em seguir multidões em excursões empacotadas, e mais interessado em seguir suas próprias preferências e horários. Neste contexto, cada vez mais os pacotes turísticos perdem mercado em favor do turismo independente.adicionalmente, os clientes obtêm muitas informações relacionadas com sua viagem, sobre lugares turísticos, clima, reservas de hotéis, compras on-line, aluguel de carros, entre outros. Eles podem ser independentes das agências de viagens (Morrison, Jing, O'Leary, & régua, 2001).

5 Pelo exposto, as TIC, e a ferramenta Internet, podem ser a chave para o sucesso ou a chave para o fracasso. A diferença esta em uma rápida e correta identificação das necessidades dos clientes, bem como uma adequada comunicação através dos meios online. Isto possibilitará atingir mercados potenciais com menores custos. O oferecimento de sites com facilidade de interface para o usuário é imprescindível. Da mesma forma, esta a segurança nas transações e a qualidade das informações. Em um contexto em que a pesquisa sobre o destino é parte importante da compra de um produto turístico. Quanto maior a quantidade de informações que o turista tiver maior será sua capacidade de interagir com o lugar turístico, melhorando sua satisfação com o destino. Importante destacar que algumas investigações demonstraram que os turistas que procuram informações na internet tendem a gastar mais em seus destinos, em comparação aos que consultaram outras fontes de informação (Bona, Furr, & Susskind, 1998; Luo, Feng, & Cai, 2004). As possibilidades do e-tourism abrem um caminho que pode ser usado por pequenas ou grandes empresas, desde que passem a ver a questão de informática como uma atividade gerencial estratégica e não mais como uma atividade de suporte. Concretamente é necessário conhecer como os turistas estão organizando suas viagens, e suas procedências geográficas. Pois, quanto maior a capacidade de atrair turistas internacionais, mais competitivo está um destino. Por tal motivo, é importante conhecer também os intermediários utilizados pelos turistas internacionais que visitam um destino, como elemento básico para estabelecer políticas de marketing turístico adequadas em juízo das preferências dos turistas. 2. O caso Brasil: metodologia e resultados Este trabalho destaca como os consumidores estão buscando informações e comprando o produto turístico brasileiro. Os dados usados neste trabalho são secundários, do Ministério de Turismo Brasileiro, o qual realiza anualmente um estudo da demanda turística internacional. Os dados são recompilados através de questionários aplicados a turistas estrangeiros em sua estadia no Brasil.

6 A metodologia aplicada foi estatística descritiva e exploratória. Partindo dos paradigmas teóricos e dos dados analisados se realiza uma análise de correlação entre o uso de agência de viagem, pacotes turísticos, serviços avulsos, ou não uso de agência de viagem, com o nível de satisfação do consumidor com o destino turístico. A análise de frequência do fluxo turístico esta dividida pelos continentes emissores de turistas, e em cada continente destacam-se os quinze principais países emissores. As outras análises foram feitas a partir da média dos quinze países principais. Utilizou-se o software SSPS 18 (Statistical Package for the Social Sciencies), para as análises estatísticas. O Brasil representa o destino turístico mais importante da América do Sul e o segundo destino da América Latina. Entretanto, a balança turística brasilera é negativa. De acordo com os dados do Ministério de Turismo Brasileiro (MTur, 2009), no ano de 2008, os gastos de brasileiros fora do país em viagens superaram em 1,7 milhões de dólares os gastos dos estrangeiros no Brasil. Esta situação tem sido fato constante, apesar do Brasil ser o quinto país em extensão do mundo, possuir belezas naturais, clima agradável, estabilidade política e social. Considerando a oferta turística variada, os cinco milhões de turistas estrangeiro que o Brasil recebe é um índice muito baixo, apenas 0,7 % do fluxo mundial. A tabela 1 mostra o fluxo turístico internacional brasileiro, por continente, tendo sido destacado os quinze países mais emissores de turistas, em uma série temporal do ano de 2005 a Observa-se que apesar da crise econômica mundial, ao longo destes anos os destinos brasileiros têm mantido sua competitividade, inclusive apresentando um pequeno crescimento. O tipo de turista estrangeiro no Brasil pode ser classificado de muitas formas. Uma delas segrega em dois grandes grupos: os de países próximos, cuja entrada no país é mais comum por vias terrestres, um turismo normalmente de grupos e motivação de sol e praia. Estes visitam mais o sul do país, alugam casas e apartamentos. Neste grupo está a Argentina, maior emissor de turistas para Brasil (Tabela 1). Destaca-se também o Uruguai e o Paraguai. Comparativamente com os outros países, os mercados emissores da América do Sul apresentam um menor gasto médio diário e menos dias de permanência.

7 Tabela 1: Chegadas de turistas ao Brasil, segundo Continentes e países de residência permanente Emissor 2005 % 2006 % 2007 % 2008 % AFRICA , , , ,5 AMÉRICA CENTRAL , , , ,0 AMÉRICA DO NORTE , , , ,2 Canadá , , , ,2 EUA , , , ,4 México , , , ,5 AMÉRICA DO SUL , , , ,0 Argentina , , , ,2 Chile , , , ,8 Paraguai , , , ,3 Uruguai , , , ,9 Outros , , , ,8 ASIA , , , ,3 EUROPA , , , ,2 Alemanha , , , ,0 Espanha , , , ,6 França , , , ,8 Holanda , , , ,5 Inglaterra , , , ,9 Itália , , , ,0 Portugal , , , ,3 Outros , , , ,0 OCEANIA , , , ,9 ORIENTE MÉDIO , , ,2-0,0 Países não especificados , , , ,0 TOTAL GERAL , , , ,0 Fonte: Adaptado pelos autores a partir dos dados dos Anuários Estatísticos de Turismo, do Ministério de Turismo Brasileiro e Departamento de Polícia Federal. No outro grande grupo estão os visitantes de mercados mais distantes, cuja característica é muito variada, ainda que venham por turismo de ócio e como principal motivação o turismo de sol e praia. Frequentemente viajam sozinhos, e utilizam hotéis, seu gasto médio diário é bem mais elevado que o grupo exposto anteriormente, além disso, permanecem no destino por um número maior de dias. Neste grupo o destaque são os turistas dos Estados Unidos, Itália, França, Portugal, Espanha, Alemanha, Holanda e Inglaterra.

8 Tabela 2: Percentual de compra dos produtos turísticos brasileiros por estrangeiros através de agência de viagem (pacotes ou serviços avulsos), e de não utilização de agência de viagem, durante os anos de 2005 a Pais Não Serviços Não Serviços Não Serviços Não Serviços emissor agência pacote avulsos agência pacote avulsos agência pacote avulsos agência pacote avulsos Argentina 70,6 18,0 11,4 67,3 19,9 12,8 71,1 17,2 11,7 61,7 25,3 13,0 EUA 65,8 7,2 27,0 64,3 7,5 28,2 70,3 6,8 22,9 68,5 4,9 26,6 Itália 48,3 11,7 40,0 48,5 10,4 41,1 52,0 16,2 31,8 54,2 9,3 36,5 Alemanha 59,7 7,9 32,9 59,5 10,6 29,9 68,0 6,2 25,8 63,3 7,3 29,4 Chile 47,9 33,7 18,4 66,7 18,2 15,1 60,8 24,8 14,4 57,1 28,2 14,7 Portugal 34,6 30,4 35,0 40,7 21,7 37,6 49,8 22,4 27,8 44,2 16,7 39,1 Paraguai 90,8 3,8 5,4 92,1 3,7 4,2 72,1 21,3 6,6 89,2 4,4 6,4 França 62,5 13,8 23,7 50,3 21,9 27,8 58,9 14,2 26,9 69,9 11,8 18,3 Espanha 51,2 17,7 31,1 49,5 22,3 28,2 53,5 22,2 24,3 56,3 16,7 27,0 Uruguai 84,7 5,0 10,3 88,4 5,1 6,5 83,5 6,0 10,5 84,4 7,5 8,1 Canadá 56,4 9,3 34,3 60,3 12,1 27,6 67,9 10,3 21,8 67,4 5,6 27,0 Holanda 60,2 19,6 20,2 49,9 19,4 30,7 69,4 14,1 16,5 61,8 14,7 23,5 Inglaterra 55,2 9,1 35,7 59,6 12,3 28,1 66,0 12,0 22,0 64,4 11,0 24,6 México 53,7 16,5 29,8 60,1 12,7 27,2 64,7 7,2 28,1 62,4 5,0 32,6 Suíça 53,1 7,6 39,3 58,8 6,2 35,0 61,7 9,7 28,6 62,4 6,2 31,4 MEDIA 47,3 11,6 21,1 49,1 11,1 19,9 51,8 11,4 16,9 52,2 9,0 18,8 Fonte: Estudo da Demanda Turística Internacional 2004 a MTur, Uma característica em comum dos dois grupos é que aproximadamente 60% estão em sua segunda visita ou mais. Também 60% dos turistas consideram que o produto turístico brasileiro atendeu plenamente suas expectativas, e, 20% consideram que superou suas expectativas (em uma escala de 4 pontos, entre: superou/atendeu plenamente/atendeu em parte/decepcionou). Considerando o objetivo deste trabalho, verifica-se na tabela 2 a forma como o turista estrangeiro esta comprando o produto turístico brasileiro. Observa-se que praticamente a metade dos consumidores não utiliza agência de viagens. Fato que vêm crescendo no decorrer dos últimos anos. A compra através de pacotes vinha se mantendo estável, mas no ano de 2008 apresentou um decréscimo. O uso de outros serviços de agência de viagens, também têm diminuído nos últimos anos. Estes dados comprovam a proposição de Buhalis & Law (2008), de que os turistas estão adquirindo um maior grau de independência. Um fator de influência que pode explicar parte deste comportamento do consumidor estrangeiro é a alta incidência de viagens para visitar amigos ou familiares. Isto se verifica na pesquisa de perfil do consumidor do Ministério do Turismo, onde uma média de 30% de visitantes aloja-se em casa de amigos ou familiares. O Brasil por

9 sua colonização tem grande presença de imigrantes, principalmente alemães, espanhóis, italianos e portugueses. Quanto aos países vizinhos são comuns os vínculos de amizade. A presença destes vínculos é uma fonte orgânica de informação pré-viagem, representando um índice de 32%. Outras fontes de informação podem ser visualizadas na tabela 3. Nesta pesquisa também é confirmada a maior independência do turista, pois a segunda maior fonte de informações utilizada é a internet. Como terceira fonte de informações está as viagens corporativas. Esta última fonte é reflexo das viagens ao Brasil para negócios, eventos ou congressos, que representam uma média de 30%, entre as motivações de viagem. Os esforços de marketing através de eventos, participações em feiras, guias turísticos impressos, folders, ou outros meios de publicidade não estão influindo muito além de 20% na organização da viagem. Verifica-se a perda de mercado que as agências de viagens estão sofrendo, ou seja, cada vez menos o consumidor está usando os serviços dos agentes de viagem, e cresce o uso da internet como canal de informação e vendas. Isto sugere que são necessárias mudanças nas estratégias de gestão para manter a competitividade. Tabela 3: Percentual de participação das fontes de informação na organização da viagem ao Brasil, de 2004 a 2008, segundo a utilização pelos turistas estrangeiros Fontes de Informação 2004 % 2005 % 2006 % 2007 % 2008 % Amigos e familiares 37,3 43,1 39,7 38,4 30,7 Internet 26,8 19,9 19,9 24,4 27,6 Viagem corporativa - 16,9 19,5 17,9 17,1 Agência de viagens 11,3-8,5 8,6 13,6 Guías turísticos impressos - 8,4 7,5 5,8 6,5 Feiras, eventos e congressos ,3 1,6 Folders e impressos - 1,1 0,4 0,5 0,4 Outros 24,6 10,6 4,5 3,1 2,5 Fonte: Ministério do Turismo MTUR e Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas- FIPE, Estudos da Demanda Turística Internacional Enquanto ocorre este processo no comportamento do consumidor, os destinos brasileiros vão pouco a pouco se internacionalizando. Entre as estratégias usadas podese deduzir o uso do Modelo de Etapas de Johanson y Wiedersheim-Paul (1975), no qual, se começa pelos países mais próximos. Conjuntamente, a internacionalização esta

10 ocorrendo de forma emergente, típica das pequenas e médias empresas. Todavia, não esta sendo planejada estrategicamente, mas está aproveitando as oportunidades. Muitas delas relacionadas ao turismo de negócios, eventos, congressos acadêmicos e empresariais. Outras motivações de visitas, como a presença de amigos e familiares é mais um ponto de impulso a internacionalização dos destinos brasileiros. Os dados do estudo da demanda turística internacional apresenta a satisfação do turista estrangeiro com o produto turístico brasileiro, em uma escala de 4 pontos (superou/atendeu plenamente/atendeu em parte/decepcionou). Utilizando a média de valores de satisfação dos quinze principais países emissores de turistas para o Brasil, fez-se uma análise estatística de correlação bivariante para determinar a inter-relação entre a variável satisfação e o uso ou não de agência de viagem ou pacote turístico. A tabela 4 mostra os resultados desta análise. Pode-se observar que o não uso de agência de viagem, apresenta boa correlação com o nível de satisfação atendeu plenamente, com nível de significância de 0,002. Por outro lado, o uso de serviços avulsos de agência de viagem tem um bom índice de correlação com a insatisfação (decepção e atendimento parcial), com níveis de significância 0,005 e 0,000, respectivamente. Quanto ao uso de pacotes turísticos, estes demonstraram boas correlações com a superação das expectativas do cliente e o atendimento pleno das suas expectativas, apresentando um nível de significância de 0,05. Tabela 4: Correlação entre as variáveis uso de agência de viagens, pacotes turísticos, ou serviços avulsos e o nível de satisfação com o produto turístico brasileiro, em Nível de satisfação Não uso de agência de viagem Correlação Nivel de Pearson de sig. Uso de pacotes turísticos Correlação de Pearson Nivel de sig. Uso de serviços avulsos de agencia de viagem Correlação de Nivel Pearson de sig. Superou 0,59 0,835 0,555* 0,032-0,482 0,069 Atendeu 0,726** 0,002-0,632* 0,012 0,341 0,214 plenamente Atendeu parcialmente -0,665** 0,007-0,103 0,716 0,823** 0,000 Decepcionou -0,494 0,061-0,178 0,525 0,688** 0,005 ** A correlação é significativa ao nível 0,01 (bilateral). *A correlação é significante ao nível 0,05 (bilateral).

11 Estes resultados indicam que as agências de viagens necessitam mudar suas estratégias de ação, criar produtos inovadores, melhorar a qualidade dos serviços e a captação do cliente, para manterem-se operantes na atualidade. Os turistas ficam satisfeitos quando usam pacotes turísticos, o problema está em que somente uma média de 9% têm usado tour operadores, ou seja, os pacotes (Tabela 2). Associado a isto, esta o fato de que o uso de serviços avulsos de agências tem gerado insatisfação. Quanto à organização da viagem independente da agência apresenta crescimento e gerando satisfação, como demonstra o índice de correlação entre a variável satisfação e a variável não uso de agência de viagem. Em resumo, podem-se internacionalizar destinos com inclusão das pequenas e médias empresas, como as agências de viagens, mantendo a satisfação do consumidor. Um dos caminhos é usar estratégias de comercialização de pacotes turísticos internacionais por internet. As empresas devem manter canais de acesso ao turista independente com aplicativos para que ele mesmo possa gerenciar seu pacote, criando opções abertas, favoráveis ao perfil do turista independente. 3. Conclusões Considerando a extensão do território brasileiro, é impossível estabelecer um cenário nacional geral. As diferenças econômicas, geográficas e culturais são muito distintas. No entanto, a internacionalização é decorrente de ações individuais ou em rede dos atores do setor turístico, conjuntamente com ações governamentais. Portanto, para que os destinos brasileiros garantam sua eleição, as empresas terão que desenvolver um melhor aproveitamento das tecnologias de comunicação. A utilização da internet como canal de vendas é prioritário, e a oferta do produto nos mercados eletrônicos, como os sites de busca, é uma forma chegar aos mercados consumidores. Todavia, considerando a satisfação do consumidor as agências de viagens devem investir em melhorias, criando produtos que estejam de acordo com as expectativas do cliente, e principalmente que sejam comercializados por via on-line. Ainda assim, levar em conta que alguns fatores são essenciais para manter a lealdade do cliente. Um deles é o tempo de resposta (Main, 2001; Pechlaner, Rienzner, Matzler, & Osti, 2002).

12 Quer dizer, a resposta dada as dúvidas e reservas dos clientes, em curto prazo influência na satisfação do cliente, assim como na confiabilidade. No mesmo sentido está a qualidade da informação. O turismo é um dos lideres do e-commerce, portanto, qualquer empresa, país ou destino, que deseje ser um competidor mundial necessita estar on-line de todas as formas possíveis, com boas fontes de informações, além dos canais de vendas. O Brasil tem internacionalizado-se como destino turístico usando uma mescla do Modelo de Etapas e do Modelo de Conhecimento e Aprendizagem. Seus produtos apresentam um bom grau de satisfação em geral, e a taxa de retorno do turista é elevada. Pode-se concluir que a usual frase Brasil, um destino do futuro, tem oportunidades de concretizar-se, porém necessita aliar seus recursos naturais as adequadas estratégias de comercialização e divulgação dos produtos. As formas como sua internacionalização esta ocorrendo é derivada do tamanho diferenciado das empresas, seus recursos e do grau de maturidade dos diversos destinos turísticos brasileiros. Como observado, em um país desta dimensão, cabem todas as estratégias. Por fim ressaltamos que o disposto em este estudo serve para todos os âmbitos do turismo e para todos os destinos do mundo. A busca por internet e seu uso é crescente. A criação das Virtuals Travel Community (VTC), serve para que os viajantes troquem experiências e informações (Stepchenkova, Mills, & Jiang, 2007). Isto pode ser usado para conhecer melhor este novo viajante. Por certo, a chave para uma satisfatória comercialização é conhecer o comportamento, motivação e expectativa do cliente on-line. Este trabalho, baseado em dados disponíveis nos sites governamentais contribui para uma orientação das estratégias brasileiras em termos de políticas públicas e empresariais, buscando um correto direcionamento de esforços de marketing para a captação do cliente. Uma limitação nesta pesquisa foi à falta de dados primários direcionados a uma investigação enfocada no uso de internet para a compra dos produtos turísticos. Igualmente, é limitante a este trabalho não ter acesso ao banco de dados originários do estudo de demanda turística internacional brasileira, somente aos

13 relatórios das médias de cada país emissor. Uma análise a partir de médias dos quinze principais países emissores gera uma margem de erros da análise de correlações mais elevada. Para apoiar a verificação dos resultados, os dados de frequência em caso do uso de internet como fonte de informação são bastante clarificadores. Da mesma forma, a análise da frequência do uso agência de viagem nos indica o grau de independência deste consumidor, comprovando as conclusões. As TIC alteraram a forma de penetração nos mercados, em muitos casos a resposta das empresas esta mais lenta que as mudanças de perfil do consumidor. No âmbito das investigações científicas a área carece de estudos com embasamento empírico, principalmente que contribuam para o desenvolvimento dos novos destinos. Igualmente, o preparo dos profissionais do turismo, para fazer frente à sociedade da informação, necessita de alterações. Os cursos de turismo e de gestão de empresas devem preparar o profissional para o mercado eletrônico. É preciso conhecer melhor o perfil dos consumidores de e-tourist, e das ferramentas passíveis de uso pelas pequenas e médias empresas, que são a grande maioria no setor turístico. 4. Referencias AGNDAL H. & ELBE J. The Internationalization Processes of Small and Mediumsized Swedish Tourism Firms. Scandinavian Journal of Hospitality and Tourism, Escandinava, v. 7, n. 4, p ANDERSEN, O. & BUVIK, A. Firms internationalization and alternative approaches to the international customer/market selection. International Business Review, European International Business Academy (EIBA), v.11, pp ANDERSON, E. & GATIGNON, H. Modes of foreign entry: A transaction cost analysis and propositions. Journal of International Business Studies, The Academy of International Business, US v.17, pp BONN, M. A., FURR, H. L., & SUSSKIND, A. M. Using the Internet as a pleasure travel planning tool: An examination of the sociodemographic and behavioral characteristics among Internet users and nonusers. Journal of Hospitality & Tourism Research, SAGE, v. 22, n.3, p BRUSH, C. International Entrepreneurship. The Effect of Firm Age on Motives for Internationalization. New York and London: Garland Publishing Inc

14 BUHALIS, D. etourism: Information technology for strategic tourism management. Pearson. Financial Times/Prentice-Hall BUHALIS, D. & LAW R. Progress in information technology and tourism management: 20 years on and 10 years after the Internet The state of etourism research. Tourism Management, Elsevier, v.29, p DUNNING, J.H. y KUNDU, S.K. The internationalization of the hotel industry: some new findings from field study. Management International Review. GLABER, v. 35, n.2, p JOHANSON, J. & VAHLNE, J-E. The internationalisation process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, The Academy of International Business, US, v.8, n.1, p JOHANSON, J. & WIEDERSHEIM-P. F. The internationalization of the firm Four Swedish cases. Journal of Management Studies. England, v. 12, p JONES, M. First steps in internationalization. Concepts and evidence from a sample of small hightechnology firms. Journal of International Management. The Fox School of Business and Management, at Temple University, v. 7, p HOHENTHAL, J., JOHANSON, J. & JOHANSON, M. Market discovery and the international expansion of the firm. International Business Review. European International Business Academy (EIBA), v. 12, p LUO, M., FENG, R., & CAI, L. A. Information search behavior and tourist characteristics: The Internet vis-a` -vis other information sources. Journal of Travel & Tourism Marketing. London, v. 17, n.2/3, p Ministério do Turismo-MTur. Estudos da Demanda Turistica Internacional a Brasilia, Disponível em Ministerio do Turismo-MTur. Anuários Estatísticos de Turismo, do Ministerio do Turismo Brasileiro e Departamento de Polícia Federal, 2004 a Disponível em: www. turismo.gov.br MAIN, H. The expansion of technology in small and medium hospitality enterprises with a focus on net technology. Information Technology & Tourism. MODUL University Vienna USA, v. 4, n.3/4, p

15 MEYER, K. & SKAK, A. Networks, serendipity and SME entry into Eastern Europe, European Management Journal. University of Glasgow, v.20, n. 2, p MORRISON, A. M., JING, S., O LEARY, J. T., & LIPPING, A. C. Predicting usage of the Internet for travel bookings: An exploratory study. Information Technology & Tourism. MODUL University Vienna USA, v. 4, n. 1, p PECHLANER, H., RIENZNER, H., MATZLER, K., & OSTI, L. Response attitudes and behavior of hotel industry to electronic info requests. In: K. W. Wo ber, A. J. Frew, & M. Hitz (Org.), Information and communication technologies in tourism, Springer Wien p O CONNOR, P. Electronic information distribution in tourism and hospitality. Wallingford: CAB SPENCE, M. International strategy formation in small Canadian high-technology companies a case study approach. Journal of International Entrepreneurship. Springer US, v.1, p STEPCHENKOVA, S., MILLS, J. E., & JIANG, H. Virtual travel communities: Selfreported experiences and satisfaction. In: M. Sigala, L. Mich, & J. Murphy (Org.), Information and communication technologies in tourism, New York: Springer Wien, p VERNON, R. International investment and international trade in the product cycle. Quarterly Journal of Economics. Massachusetts Institute of Technology, v.80, p

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008 JUNHO 2008 Informações do Evento Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro EVENTO CIDADE PERÍODO Nº DE PARTICIPANTES

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso Anuário Estatístico de Turismo 2015 ano base 2014* *Publicado em 08/07/2015, pelo Ministério do Turismo. A publicação apresenta uma compilação de informações anuais relativas ao comportamento de diversos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INTERNET PARA O CONSUMIDOR DO SETOR DE TURISMO

A INFLUÊNCIA DA INTERNET PARA O CONSUMIDOR DO SETOR DE TURISMO A INFLUÊNCIA DA INTERNET PARA O CONSUMIDOR DO SETOR DE TURISMO Bruna Giovana de Sá Luiz Fernando de Souza Matheus Bernardi dos Santos RESUMO: O presente trabalho traz um estudo da relação entre a internet

Leia mais

Listagem de Periódicos e Sites Turismo

Listagem de Periódicos e Sites Turismo Listagem de Periódicos e Sites Turismo Periódicos Nacionais Instituição Periodicidade Publicação Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social - COPPE/UFRJ http://www.ivt-rj.net/caderno/ Caderno Virtual

Leia mais

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA RESUMO Leandro Carvalho 1 Maximilianus Andrey Pontes Pinent 2 Marcia Colao Merllo 3 Este artigo tem o objetivo de analisar a evolução

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013

Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2007-2013 Brasília, novembro de 2014 Sumário 1 Perfil da

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

Turismo do Rio em números

Turismo do Rio em números 1 2 APRESENTAÇÃO A indústria do turismo tanto no Brasil como no Rio de Janeiro enfrenta um grande carência de indicadores estatísticos e econômicos, que possibilitem mensurar de maneira confiável e precisa

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Implantação do Programa Visa Waiver 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Chegadas internacionais Brasil XAmérica Latina Turistas internacionais (milhões)

Leia mais

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 Brasília - Brasil Julho 2004 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 09 2 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS 11 2.1 Objetivo geral 13 2.2 Objetivo específico 13 2.3 Amostra 14 2.4

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 INTRODUÇÃO O aumento da internacionalização lança o desafio cada vez maior para as empresas atraírem e reterem líderes capazes de viver em ambientes complexos e compreender

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Mestrado em Administração Disciplina: Internacionalização e Globalização Carga horária: 45 horas-aula Créditos: 3 I. OBJETIVOS DA DISCIPLINA A presente

Leia mais

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise do valor nas agências de viagem no Brasil Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise do valor nas agências de viagem no Brasil Resumo Este trabalho é o resumo

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Executive MBA, e auniversidade de Oxford, que. conquista um terceiro lugar em Gestão, um

Executive MBA, e auniversidade de Oxford, que. conquista um terceiro lugar em Gestão, um posição em Economia e MBA e em terceiro nos mestrados de Empreendedorismo e Gestão. A Universidade de Stanford também aparece muito bem cotada, com dois primeiros lugares, em Gestão e em Recursos Humanos,

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Industry Insight EDIÇÃO BRASILEIRA. Propriedade Compartilhada 2012: Uma perspectiva de mercado

Industry Insight EDIÇÃO BRASILEIRA. Propriedade Compartilhada 2012: Uma perspectiva de mercado Industry Insight EDIÇÃO BRASILEIRA Propriedade Compartilhada 2012: Uma perspectiva de mercado Índice Análise do mercado brasileiro... 3 Introdução... 5 interessados em adquirir tempo de férias... 6 Questões

Leia mais

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 1 FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDTUR/MS INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para acompanhar o andamento da atividade e sua contribuição

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69

Telefones Fixos RJ-SP R$ 0,14 Telefones Fixos Brasil R$ 0,19 Telefones Celulares BR R$ 0,69 A é uma operadora VoIP, que tem como objetivo oferecer o melhor serviço de Voip com os menores custos possíveis para o cliente. O VoIP (Voice over Internet Protocol), conhecida também por Voz sobre IP,

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Programa Prof. João Pedro Couto Objectivos Esta disciplina tem como finalidade fornecer aos alunos um conjunto de elementos que permitam aos mesmos, utilizando uma lógica de raciocínio

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Internacionalização de serviços: Um estudo de caso da empresa Ideológica Informática

Internacionalização de serviços: Um estudo de caso da empresa Ideológica Informática Internacionalização de serviços: Um estudo de caso da empresa Ideológica Informática Internationalization of services: A case study of the Ideológica Informática company Alexandre Kazuo Takamura, Alexander

Leia mais

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Evento: World Congress of Epidemiology

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Evento: World Congress of Epidemiology PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008 SETEMBRO 2008 Informações do Evento. Evento: World Congress of Epidemiology Período: 20 a 24 de setembro de 2008

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov.

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. 19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. Stop-over Ilha de Santiago Cidade da Praia 16-17 de Nov. Proj. Conjunto Internacionalização PT2020

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

O Paraná no mercado de turismo

O Paraná no mercado de turismo O TURISMO NO PARANÁ O Paraná no mercado de turismo Os principais pontos positivos são: 1.Cataratas de Foz de Iguaçu patrimônio natural da Humanidade (UNESCO), 3º destino mais visitado por turistas, além

Leia mais

ERASMUS+ PROGRAM 2015/16 Degree Year Sem. Code Subject Subject (English) ECTS Notes

ERASMUS+ PROGRAM 2015/16 Degree Year Sem. Code Subject Subject (English) ECTS Notes ERASMUS+ PROGRAM 2015/16 Degree Year Sem. Code Subject Subject (English) ECTS Notes Busin. Manag. 1º 1 LGE1104 Contabilidade Empresarial I Business Accounting I 6 Not available in English Busin. Manag.

Leia mais

TURISMO NO CONTEXTO INTERNACIONAL

TURISMO NO CONTEXTO INTERNACIONAL TURISMO NO CONTEXTO INTERNACIONAL US$ bilhões O TURISMO NO COMÉRCIO INTERNACIONAL 3,500 Exportações worldwide Mundiais 3,000 2,500 Turismo 6% do total de exportações 30% das exportações de serviços US$

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Boletim PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama

Leia mais

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres.

O século XIX ficou conhecido como o século europeu; o XX, como o americano. O século XXI será lembrado como o Século das Mulheres. Assunto Turismo SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO Setembro de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PENT (Plano Estratégico Nacional do Turismo) 3. TURISMO NÁUTICO NA EUROPA E NO MUNDO 4. O SECTOR EM PORTUGAL

Leia mais

Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo?

Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo? Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo? Palestrante Lúcio Oliveira Consultor de Gestão Estratégica, Vendas e Planejamento Estratégico, Instrutor, Palestrante e Advisor de Empresas do Turismo, é

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE O TURISMO E O DESENVOLVIMENTO HOTELEIRO NO BRASIL Turismo é o estudo do deslocamento humano para fora de seu habitat usual, da indústria que responde por suas necessidades e dos impactos

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS

O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS O PERFIL DOS INTERCAMBISTAS NO ATUAL FLUXO DE INTERCÂMBIOS EDUCACIONAIS Eline Tosta Felipe Jaciel Gustavo Kunz RESUMO: Intercâmbio cultural consiste em uma viagem ao exterior motivado pelo estudo e cultura.

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

Âmbito da rubrica Viagens e Turismo. Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos

Âmbito da rubrica Viagens e Turismo. Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos Questões específicas da rubrica Viagens e Turismo Âmbito da rubrica Viagens e Turismo Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos Âmbito da rubrica Viagens e Turismo

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução

TURISMO DE NEGÓCIO. Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani. Orientador Antonio Carlos Giuliani. 1. Introdução TURISMO DE NEGÓCIO Autores Mauricio Sanita de Azevedo Antonio Carlos Giuliani Orientador Antonio Carlos Giuliani 1. Introdução A indústria do turismo se tornou uma das principais atividades econômicas

Leia mais

Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A.

Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A. Ana Cecilia Martyn Milagres Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

Programa de Bolsas de Estudos no exterior

Programa de Bolsas de Estudos no exterior Programa de Bolsas de Estudos no exterior N E S T E F O L D E R 1 Apresentação 1 Descritivo geral do Programa 2 Um programa sob medida para sua necessidade 2 Conteúdo programático 3 Organização do programa

Leia mais

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro NEWS RELEASE Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro Langley, Reino Unido, 12 de junho de 2014: A Travelport, empresa líder no segmento de comércio de viagens, que oferece

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

II Jornada Netquest de Pesquisas Online. www.netquest.com

II Jornada Netquest de Pesquisas Online. www.netquest.com Bruno Paro Country Manager Netquest América Latina Netquest Campo online avançado na América Latina II Jornada Netquest de Pesquisas Online www.netquest.com Netquest é 1. Painéis Online na América Latina,

Leia mais

MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE

MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE MADEIRA TOURISM INTERNATIONAL CENTRE Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de Janeiro de 2015 A Madeira

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

Pós - Graduação Internacional em Administração

Pós - Graduação Internacional em Administração PÓS - GRADUAÇÃO INTERNACIONAL Pós - Graduação Internacional em Administração 22 a 31 de agosto de 2014 Coordenação Acadêmica: Prof. Pedro Carvalho de Mello Convênio.................... 3 Apresentação...................

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Luciana Brandão Ferreira Solange Eli Santos Antonioletti Fábio Abreu Santos AGENDA Objetivo e justificativa Importância da atividade turística/hoteleira e uso da comunicação de marketing em hotéis A internet

Leia mais

Plano Preliminar de Marketing Turistíco para o Estado do Paraná 2011

Plano Preliminar de Marketing Turistíco para o Estado do Paraná 2011 Plano Preliminar de Marketing Turistíco para o Estado do Paraná 2011 CONTEÚDO Análise Externa Análise Interna Objetivo Metas Estratégias Público Alvo Mercados e Segmentos Matriz BCG - Falta Posicionamento

Leia mais

CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS PARANAGUÁ / ILHA DO MEL

CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS PARANAGUÁ / ILHA DO MEL CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS PARANAGUÁ / ILHA DO MEL Observatório do Turismo de Paranaguá Destino Indutor do Paraná ATENDIMENTOS POR CENTRAIS DE INFORMAÇÕES JANEIRO A DEZEMBRO 2014 RODOVIÁRIA - PRAÇA

Leia mais

O diferencial competitivo das grandes construtoras brasileiras no mercado internacional

O diferencial competitivo das grandes construtoras brasileiras no mercado internacional O diferencial competitivo das grandes construtoras brasileiras no mercado internacional Cristine do Nascimento Mutti (UFSC) ecv1cnm@ecv.ufsc.br Hércules Nunes de Araújo (UNISUL) hercules@unisul. br Roger

Leia mais

GlobalPhone - CallShop

GlobalPhone - CallShop CallShop Convidamos sua empresa a conhecer essa ótima oportunidade de ganho de lucros, onde oferecemos uma plataforma para controle de ligações telefônicas, que utilizam o sistema de telefonia VoIP, tornando

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Programa de Bolsas de Estudos no exterior

Programa de Bolsas de Estudos no exterior Programa de Bolsas de Estudos no exterior Cursos de férias nos Estados Unidos Apresentação N E S T E F O L D E R 1 Apresentação do Programa 1 Descritivo geral 2 Cursos disponíveis 3 Organização 4 Investimento

Leia mais

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL Ponte de Lima, 27 Junho 2015 www.hqnstrategyconsulting.com 1 PLANO REGIONAL DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL O desenvolvimento de um Plano Regional para

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Agenda Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Oportunidades Crescimento da procura

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais