Controle químico e mecânico de placa bacteriana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle químico e mecânico de placa bacteriana"

Transcrição

1 45 Controle químico e mecânico de placa bacteriana Mauro Pessoa Gebran (Mestre) Curso de Odontologia - Universidade Tuiuti do Paraná Ana Paula Oliveira Gebert (Mestre) Curso de Odontologia - Universidade Tuiuti do Paraná

2 46 Controle químico e mecãnico de placa bacteriana Resumo A placa bacteriana tem sido considerada o principal fator etiológico da cárie dentária e das doenças periodontais. A prevenção ou tratamento destas patologias deve estar baseado no seu controle. O controle da placa bacteriana pode ser realizado por meios mecânicos, químicos ou pela associação de ambos. Atualmente, o Controle Mecânico de Placa Bacteriana representa o método mais valioso utilizado na prevenção e remoção da mesma. Este método é baseado na escovação, no fio dental e nas escovas interproximais. O profissional pode recomendar o uso de substâncias químicas para redução ou eliminação da placa em casos de pacientes com dificuldades operacionais (frente ao controle mecânico), os quais são incorporados em dentifrícios ou soluções para bochechos. O rigoroso controle de placa pode ser realizado por meio de agentes mecânicos associados ou não a agentes químicos de acordo com a necessidade de cada paciente. Deve-se levar em conta também a sua motivação. Palavras-chave: placa bacteriana, controle químico, controle mecânico. Abstract The bacterial plaque has been considered the principal etiologic factor of dental caries and periodontal deseases. The prevencion and treatment of these pathologies must be based on their control. The bacterial plaque control can be get by mechanic ways or even by the association of both. Nowadays, the Bacterial Plaque Mechanic Control represents the most valuable method used in its prevention and remotion. Such method is based on brushing, dental floss and interproximal brushes. The professional may recommend the utilization of chemical substances for the plaque reduction and elimination to patients with operational difficulties (face to mechanic control); that are incorporated in dentifricies or solutions for mouthfuls. The bacterial plaque severe control can be get by mechanic agents associated or not to chemic agents according to each patient necessity. It is also necessary to consider the patient s motivation. Key words: bacterial plaque, chemical control, mechanical control.

3 47 Introdução A gengivite, bem como a periodontite e a cárie são doenças infecciosas causadas por bactérias que colonizam a superfície dos dentes, formando a placa dental. Por este motivo a placa bacteriana é o fator etiológico primordial para o desencadeamento do processo inflamatório e das cáries. A placa bacteriana é uma massa densa, não calcificada, constituída por microrganismos envolvidos numa matriz rica em polissacarídeos extracelulares bacterianos e glicoproteínas salivares, firmemente aderida aos dentes, cálculos e outras superfícies da cavidade bucal. Na maioria das vezes a placa se desenvolve sobre a película adquirida, que é um biofilme derivado da saliva que reveste toda a cavidade bucal (Lascala, 1997). A chave principal para a prevenção das doenças gengivoperiodontais e dentárias é o Controle de Placa Bacteriana, podendo ser mecânico, químico ou a associação de ambos. Este é básico para a prática odontológica, sem ele, a higiene bucal não pode ser alcançada nem preservada, e nem os resultados da terapêutica odontológica assegurados. A prevenção na Odontologia tem como finalidade manter a dentição natural por meio da perpetuação do estado de saúde bucal e de suas estruturas bucais (Tunes & Rapp, 1999). Revisão da Literatura Controle Mecânico de Placa Bacteriana Hoje o método mais valioso para controle de placa bacteriana, atuando na sua prevenção e remoção, é o Controle Mecânico de Placa Bacteriana. O Controle Mecânico de Placa é uma técnica simples constituída por vários dispositivos de limpeza dos dentes, porém suas armas mais poderosas, por serem mais eficientes, são as escovas dentais e os meios de limpeza interproximal, isto é, as escovas interproximais e os fios dentais. Escovas Dentais As escovas dentais são o recurso mais universal e importante utilizadas para higienização dental. São encontradas no mercado vários tipos de escovas dentais, as quais se diferenciam pela dureza, altura das cerdas, número e distribuição de seus tufos, formas das cabeças, angulação dos cabos. A escova ideal é aquela que promove eficiente limpeza e apresenta um fácil acesso e manuseio pelo paciente de todas as superfícies dentais. A escovação tem por finalidade promover: a prevenção de doenças periodontais; manutenção da saúde através da terapêutica periodontal; manutenção do estado de saúde gengival para pacientes que foram tratados periodontalmente e tiveram complementação

4 48 Controle químico e mecãnico de placa bacteriana protética e ortodôntica. Existem várias técnicas de escovação, porém a mais indicada é a de Bass, na qual a escova é aplicada com um ângulo de 45 º em relação ao longo eixo do dente, pressionada contra a gengiva marginal penetrando no sulco gengival e realizando um movimento rotatório e vibratório (Tunes & Rapp,1999). Segundo Daly et al. (1996), o tempo necessário para uma escovação ideal pode variar de 24 a 60 segundos em um adulto. Silva et al. (1997) relatam que a troca da escova deve ser realizada de 4 a 6 meses ou nos primeiros sinais de deformação. A escovação é um método muito eficaz, mas em áreas interdentais ela é insuficiente, então conta-se com o auxílio dos meios de limpeza interproximais. Fios Dentais Os fios dentais podem ser encontrados de diferentes formas no mercado, sendo eles: encerados ou não encerados, finos ou grossos, com ou sem sabor, com ou sem flúor. Eles ocupam um lugar importante na prevenção e terapêutica periodontal, disputando com as escovas a primazia de ser o recurso mais eficiente de higiene interdentária, porém quando se domina a técnica corretamente não esquecendo de realizar por meio deste a limpeza da região subgengival (Silva et al. 1997). Segundo Kriger (1997) o fio dental é recomendado para casos onde as papilas gengivais preenchem todo espaço interproximal. Palitos Interdentais Os palitos interdentais são indicados para casos onde existem espaços entre os elementos dentários. Sua função é a remoção de grandes porções alimentares e depósitos moles retidos nos dentes, além de estimular a gengiva papilar (Kriger, 1997). Escovas Interproximais As escovas interproximais são usadas onde existem espaços interproximais mais amplos, normalmente com recessão gengival associada, isto é, em casos de pacientes submetidos a tratamento periodontal, ortodôntico e protético (Tunes & Rapp, 1999). Segundo Silva et al. (1997), seu uso correto é sua introdução no espaço interdental acompanhando a inclinação papilar por meio de em média cinco movimentos vibratórios para vestibular e cinco para lingual. Escovas Unitufo As escovas unitufo são usadas para higienizar regiões de difícil acesso por outros instrumentos de higiene oral como: áreas de bi ou trifurcações, faces distais de

5 49 molares, ameias muito grandes, resultantes de cirurgias periodontais (Lindhe, 1992). Estimuladores Interproximais de Borracha São indicados em áreas interproximais não acessíveis à escova, principalmente em pacientes tratados por cirurgias, porém atualmente seu uso está em decréscimo devido à evolução das escovas interproximais e pela dificuldade de obtenção deste produto. Escovas Elétricas Atualmente as escovas elétricas vêm se destacando no mercado e seu consumo vem crescendo cada vez mais. Elas surgiram em 1960 e possuíam uma efetividade similar a das escovas manuais, pois trabalhavam à baixa freqüência vibratória (40Hz). Hoje sua técnica é mais simples, pois elas realizam automaticamente os movimentos desejados, sendo que o paciente deve apenas imprimir a pressão adequada e posicionar corretamente as cerdas sobre a margem livre da gengiva. Weijden et al. (1998) realizou um estudo comparativo entre a escova elétrica e a manual em 35 pessoas e concluiu que após 4 semanas a escova elétrica foi mais efetiva havendo 85% de redução de placa e 81% de redução de sangramento. Raspagem Supragengival Por fim auxiliando os demais meios de controle de placa existe também a técnica da raspagem supragengival realizada pelo Cirurgião-dentista com instrumentos manuais ou ultrassônicos, sendo que os últimos trazem melhores resultados. Ela é muito válida e em pacientes com nível de limpeza ideal deve ser realizada de seis em seis meses. Controle Químico de Placa Bacteriana Existem duas razões que justificam a utilização deste método, a primeira diz respeito que tanto a cárie quanto a doença periodontal são de origem bacteriana, e deste modo substâncias antibacterianas poderiam ser utilizadas para combatê-las; e a segunda é pela existência de indivíduos que possuem dificuldades no controle mecânico de placa, e assim as substâncias antibacterianas poderiam tentar compensar a desmotivação para uma boa limpeza dos dentes. Ainda existe a possibilidade de se realizar o controle químico da placa através de agentes que atuam supra ou subgengivalmente Agentes Químicos no Controle da Placa Supragengival Dentifrícios Os dentifrícios segundo Lopes, Duarte (1994);

6 50 Controle químico e mecãnico de placa bacteriana Wambier, Dimbarre (1995) são ineficazes para a remoção da placa, porém segundo Kriger (1997), são muito usados na veiculação de flúor e outras substâncias que eliminam ou reduzem a placa e a cárie. Clorexidina A clorexidina é um detergente catiônico, uma Bisbiguanida não tóxica disponível principalmente na forma de sais de digluconato. Segundo Vinholis et al. (1996), é considerada um antisséptico de amplo espectro sobre as bactérias gram positivas, gram negativas, fungos e leveduras. Ela atua na formação da película adquirida e sobre microrganismos gram positivos e negativos, leva à diminuição significativa da placa, pois há alterações na aderência microbiana, aumento da permeabilidade celular com rompimento da bactéria ou coagulação e precipitação dos constituintes citoplasmáticos (Mendes et al., 1995). Dentre os estudos ela apresentou melhores características como: substantividade de 12 horas, eficiência, estabilidade e segurança. Pode ser utilizada como dentifrícios de 0,12 a 0,2%; géis de 1,0 a 2,0%; dispositivos de ação lenta e vernizes. Deve ser usada somente 30 segundos após a escovação, pois os íons livres, monofosfato de sódio e detergentes dos dentifrícios diminuem sua retenção (Fishman, 1994). Esta droga tem um potencial promissor, porém se desconhece seu correto papel na terapia periodontal. Fluoretos Os fluoretos são amplamente usados na prevenção da cárie dental. Atualmente o flúor dos dentifrícios é considerado a razão principal do declínio da cárie observado em todos os países (Giorgi & Micheli, 1992). Além de atuar como redutor do índice de cárie (Na e MFP Na), destaca-se sua ação antimicrobiana que parece estar relacionada ao acúmulo e metabolismo das bactérias e à presença do íon estanho na composição (fluoreto estanhoso). O fluoreto estanhoso é conhecido como maior possuidor de propriedades antiplaca. São encontrados no mercado sob a forma de gel, solução ou verniz. Segundo Lascala (1997), os vernizes com flúor são utilizados na prevenção de cárie, na redução do acúmulo de placa e na diminuição da hipersensibilidade dentinária. Eles possuem alguns inconvenientes como: fluorose até o óbito, alterações de paladar, manchas nos dentes, curta vida útil.

7 51 Os fluoretos são aceitos pela AD.A como efetivos no controle e redução das principais doenças bucais, mas não como redutor de placa bacteriana. Óleos Essenciais São compostos fenólicos que agem inespecificamente sobre bactérias, não havendo desequilíbrio nem proliferação de microrganismos oportunistas. O único agente nesta categoria é o Listerine. São largamente utilizados como desinfetantes, antifúngicos e antissépticos, pois agem nos microrganismos rompendo a parede bacteriana, inibindo os sistemas enzimáticos e diminuindo os lipopolissacarídeos e o conteúdo protéico da placa bacteriana. Os óleos essenciais são inalteráveis e possuem baixa substantividade. Seus efeitos colaterais são: sensação de queimação, gosto amargo, manchas nos dentes e injúrias no tecido bucal. Sua posologia é de bochechos duas vezes ao dia durante 30 segundos. Mendes et al. (1995) afirma que os óleos essenciais possuem efeitos benéficos para a gengivite por diminuírem a síntese de prostaglandinas e quimiotaxia para neutrófilos, reduzindo os sinais clínicos de inflamação. Em um estudo constatou que o Listerine reduziu de 20 a 34% da placa e de 28 a 34% da gengivite. Pedrini et al. (1998) fez uma pesquisa com 32 voluntários, onde metade usou Listerine e o outro grupo um placebo. Desta forma constatou que o Listerine não foi capaz de diminuir a freqüência de periodontopatógenos apesar de possuir moderada atividade antimicrobiana. Agentes Oxidantes O peróxido de hidrogênio e o peróxido de sódio são agentes oxidantes na forma de solução oral. Estes atuam sobre microrganismos anaeróbicos, afetando a membrana lipídica e DNA, levando à morte. Possuem como principais indicações: GUNA, periodontite por tempo limitado, pois seu uso desordenado pode causar desequilíbrio na microbiota oral (Mandel, 1994). Apresentam como efeitos colaterais: desequilíbrio da microbiota oral, queimaduras e irritação dos tecidos bucais. Segundo Giorgi e Micheli (1992), estudos sobre estes agentes têm trazido resultados contraditórios. Nesta categoria não existem produtos aceitos pela A D.A. Um exemplo de agente oxidante é o Amonsan da Oral-B. Compostos Quaternários de Amônia São agentes catiônicos tensoativos, favorecendo sua atração sobre as superfícies dos dentes e da placa e alterando a tensão superficial. Neste grupo estão in-

8 52 Controle químico e mecãnico de placa bacteriana cluídos o cloreto de cetilpiridino (Cepacol e Scope), o cloreto benzalcônico e o cloreto benzetônico. O cloreto de cetilpiridino é efetivo contra gram positivas, provocando o rompimento da parede celular bacteriana. Lascala (1997) relatou que este produto pode chegar a reduzir 35% a placa e 21% a gengivite. Mendes et al. (1995) afirmou que este produto a 0,5% pode reduzir a formação de placa em 20 a 30%. Este produto está no mercado sob a forma de soluções para bochechos em concentrações de 0,05% ou 0,1%. Seus efeitos colaterais são: manchas nos dentes, queimação e ulceração da mucosa, aumento da formação de cálculo e descoloração da língua. Triclosan e Sais Minerais É um antisséptico não iônico de baixa toxicidade e largo espectro de ação, não provocando desequilíbrios na cavidade bucal. Possui baixa substantividade e rápida liberação de sítios de ligação, devendo ser combinado com produtos que aumentem sua permanência, como é o caso de sua associação ao copolímero Gantrez. Outras associações também têm sido realizadas, isto é, com citrato de zinco que é efetivo contra a placa e com o pirofosfato de sódio que tem efeito antitártaro (Cury et al., 1997). O triclosan pode se apresentar como constituinte de dentifrícios à concentração de 0,2 a 0,5% e como solução para bochecho à 0,03%. Sahtler e Fischer (1996) realizou um estudo e observou que o uso do dentifrício com triclosan gera maior redução de placa que aqueles sem triclosan. Cury et al. (1997) fez uma pesquisa com 25 voluntários e constatou que a associação Triclosan-Gantrez- Zinco-Pirofosfato reduziu em 28,8% o índice de placa e 30,4% o sangramento. Agentes Químicos no Controle da Placa Subgengival O sulco gengival ou bolsa periodontal não são alcançados pelos agentes químicos dos enxaguatórios e dentifrícios, pois estes só agem na placa supragengival. Atualmente têm sido utilizados dispositivos de liberação lenta que têm o objetivo de levar antibióticos e antissépticos para o interior de bolsas mais profundas para tratar sítios ativos da doença periodontal localizada. Pode-se lançar mão dos antibióticos, porém estes possuem problemas com efeitos colaterais e resistência microbiana. O principal grupo indicado é dos betalactâmicos associados ao metronidazol, pois selecionam colônias responsáveis por patologias periodontais. Alguns autores ainda indicam a eritromicina, espiramicina, vancomicina, tetraciclina.

9 53 Realizar controle de placa através do uso de antibióticos é um método muito radical, pois induz a formação de cepas bacterianas resistentes, selecionando ainda mais estes microrganismos. A melhor opção é realizar a raspagem subgengival e a manutenção da saúde gengival. Discussão Métodos de controle de placa bacteriana têm sido empregados para limitar os efeitos e a progressão da cárie e doenças periodontais. Sandrini et al. (1997) relatam que, quando a placa bacteriana não é controlada, promove-se uma reação inflamatória, afetada por fatores extrínsecos como a invasão bacteriana e intrínsecos como resposta imunológica do hospedeiro, numa progressão do periodonto de proteção para o periodonto de sustentação, comprometendo a entidade periodontal e afetando os dentes. Segundo Toledo (1995), o controle de placa tem sido meio mais aceito por ser mais efetivo, acessível e difundido. Esse método é representado pela escovação e pelos agentes auxiliares de limpeza interproximal, dentre eles os mais importantes são o fio dental e as escovas interproximais. Alem disso hoje as escovas elétricas, que antigamente eram indicadas para pacientes deficientes físicos ou mentais, têm se destacado no mercado devido às modificações que lhes conferiram ampla eficácia (Isaacs,1998). Devido ao fato de que muitos pacientes não conseguem desenvolver a habilidade operacional adequada e do uso restrito do fio dental, Sahtler e Fischer (1996), sugerem a utilização de agentes químicos como coadjuvantes dos mecânicos incorporados em dentifrícios ou soluções para bochechos. As substâncias químicas mais usadas são os antissépticos, enzimas, compostos quaternários de amônia, alcalóides, Bis-biguanidas, compostos fenólicos, etc, porém dentre os estudos realizados, a clorexidina parece ser a substância que tem apresentado melhores características por possuir propriedades como substantividade, eficiência, estabilidade e segurança (Vinholis, 1996). Segundo Cury et al. (1997) o controle de placa, quer seja por métodos mecânicos ou químicos, tem se mostrado o principal recurso na prevenção da cárie e gengivite. Conclusão O controle de placa é um dos pontos principais na prática odontológica e o uso de substâncias químicas para redução e eliminação da mesma não deve substituir o controle mecânico pelo paciente e pelo pro-

10 54 Controle químico e mecãnico de placa bacteriana fissional, reconhecidamente o meio mais eficiente para a prevenção do aparecimento das patologias gengivoperiodontais. Segundo esta linha de raciocínio, o profissional deve sempre ter a preocupação com a motivação do paciente, para o uso dos meios mecânicos, tornando-o um cooperador consciente. Quando o paciente não possuir condições de executar este controle mecânico de placa (invalidez temporária ou permanente, falta de coordenação motora, etc) e o profissional julgar conveniente a utilização do recurso químico auxiliar, deve-se sempre levar em conta alguns fatores que podem influenciar na escolha da substância química, tais como: grau de higiene do paciente, seus efeitos colaterais, sua eficácia, alterações ao nível de microbiota bucal, custo e aceitação pelo paciente. Os agentes químicos de maior eficácia no controle de placa, via de regra, são os que possuem maior quantidade de reações adversas e são geralmente encontrados em soluções para bochechos (clorexidina). E as substâncias com menos efetividade no controle de placa e com menor quantidade de reações adversas como o triclosan associado ao citrato de zinco, gantrez ou pirofosfato, preferencialmente são associados a dentifrícios fluoretados. Tendo em vista tais considerações, fica claro que somente através de um rigoroso controle de placa bacteriana por meio da escovação dentária e utilização do fio dental é que conseguiremos uma boa prevenção das doenças gengivoperiodontais e da cárie.

11 55 Referências bibliográficas CLAYTON, N.; ADDY, M. (1996). Comparative single use removal by toothbrushes of Different designs. Journal of Clinical Periodontology, v.23, p CHUJFI, E. S. (1998). A eficácia da formulação contendo o antisséptico triclosan associado ao copolímero gantrez e ao flúor, utilizada através de bochechos para controle da placa bacteriana e dentária. Revista da Associação Brasileira de Odontologia - Nacional, v.6, n.3, p , jun/jul. CURY, J. A et al. (1997). Avaliação do efeito do dentifrício contendo triclosan-gantrez-zinco-pirofosfato na gengivite experimental em humanos. Revista Periodontia, v.6, p.20-24, suplemento. DALY, C. G. et al. (1996). Effect of toothbrush wear on plaque control. Journal of Clinical Periodontology, v.23, p FINE, D. H. et al. (1998). Efficacy of a triclosan/naf dentifrice in the control of plaque and gengivitis and concurrent oral microflora monitoring. American Journal Dentistry, v.11, n.6, p , dec. FISCHMAN, S. L. (1994). A clinican s perspective on antimicrobial mouthrinses. JADA, v. 125, pp (special issue). GENCO, P. et al. (1996). Periodontia contemporânea. 1. ed. São Paulo: Editora Santos. GIORGI, S.M.; MICHELI, G. (1992). Agentes químicos no controle da placa bacteriana. Revista da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas, v. 46, n. 5, p , set/out. ISAACS, R. L. et al. (1998). A crossover clinical oscillating/ rotating eletric toothbrush and a high frequency eletric toothbrush. American Journal Dentistry, v.11, n.1, p.7-11, feb, JARDIM, P. S.; JÚNIOR, E. G. J. (1998) Influência da remoção mecânica de placa bacteriana associada ao uso diário de solução fluoretada. Revista Gaúcha de Odontologia, v.46, n.2, p.79-84, abr/mai/jun.

12 56 Controle químico e mecãnico de placa bacteriana KRIGER, L. (1997). Promoção de saúde bucal. 1. ed. São Paulo: Editora Artes Médicas Ltda., p LASCALA, N. T. (1997). Promoção de saúde bucal. 1. ed. São Paulo: Editora Artes Médicas Ltda., p LINDHE, J. (1992). Tratado de perio-odontologia clínica. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, p , LOPES, J. C. A.; DUARTE, C. A. (1994). Efeito do dentifrício no controle mecânico de placa bacteriana. Revista Gaúcha de Odontologia, v.42, n.5, p MANDEL, I. D. (1994). Antimicrobial moutthrinses: overveio and upgrate. Journal of American Dentistry Association, v.125, p , aug. MENDES, M. M. S. G. et al. (1995). Agentes químicos para controle de placa bacteriana. Revista Periodontia, v.5, n.2, p , jul/dez. OLIVEIRA, S. M. et al. (1997). Escovas interdentais: aspectos morfológicos de interesse clínico. Revista da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas, v.51, n.2, p , mar/abr. PEDRINI, D. et al. (1998). Eficácia do Listerine sobre a placa. Revista Gaúcha de Odontologia, v.46, n.2, p.70-78, abr/mai/jun. POMOEU, J. G. F. et al. (1997). O uso do dentifrício na remoção mecânica da placa bacteriana. Jornal Brasileiro de Odontologia Clínica, v.1, n.6, p.40-44, nov/dez. QUAGLIATO, C. E. (1999). Clorexidina: a mais conhecida substância antimicrobiana. Odonto-Caderno Documento, v.1, n.4, p SAHOTA, H. et al. (1998). A testing system for eletric toothbrushes. American Journal Dentistry, v.11, n.6, p , dec. SANDRINI, J.C. et al. (1997). Efeitos do extrato de Curuma Zedoare sobre a placa dental e gengivite em

13 57 humanos - avaliação clínica. Revista Periodontia, v. 6, suplemento. SATHLER, L. W. L.; FISHER, R. G. (1996). O efeito anti-placa do triclosan contido em dentifrícios. Revista Periodontia, p , jan/jun. SILVA, S. C. et al. (1997). Prevenção periodontal: controle mecânico de placa. Revista Periodontia, v.6, p.43-47, suplemento. SHARMA, N. C. et al. (1998). A comparision of two eletric toothbrushes with respect to plaque removal and subject preference. American Journal of Dentistry, v.11, p.29-33, special issue, sept,. TOLEDO, B. E. et al. (1995). Efeitos das técnicas de Bass e unitufo associadas ou não ao fio dental nos níveis de placa e gengivite. Revista da Associação Brasileira de Odontologia Nacional, v.3, n.1, p.43-49, fev/mar. TUNES, U. R.; RAPP, G. E. (1999). Atualização em Periodontia e Implantodontia. 1.ed. São Paulo: Editora Artes Médicas Ltda., p VINHOLIS, A H. et al. (1996). Mecanismo de ação da clorexidina. Revista Periodontia, p , jan/jun. VILLALPANDO, K. T.; TOLEDO,S. (1997). Uso tópico do gel de clorexidina a 1%. Revista Gaúcha de Odontologia,v.45, n.1, p.17-22, jan/fev. WAMBIER, D. S.; DIMBARRE, D. T. (1995). Estudo sobre a influência mecânica do dentifrício na remoção da placa bacteriana usando a técnica de Fones. Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo, v.9, n.2, p WEIJDEN, F. A V. D. et al. (1998). A comparision of the efficacy of a novel eletric toothbrush and a manual toothbrush in the tratament of gengivitis. American Journal of Dentistry, v.11, p.23-28, special issue, sept.

Agentes Antissépticos e enxaguatórios na Odontologia

Agentes Antissépticos e enxaguatórios na Odontologia Agentes Antissépticos e enxaguatórios na Odontologia Amanda de Freitas Ferreira Naila Aparecida de Godoi Machado Paulinne Junqueira Silva Andresen Strini Alfredo Júlio Fernandes Neto Denildo de Magalhães

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL 1 CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL MECHANICAL CONTROL OF ORAL BIOFILM Adriana de Souza e SILVA 1 Geane Aparecida da SILVA 1 Valdinéia Maria CORREA 1 Renata Machado PIVA 2 Renata Iani WERNECK 3 Resumo:

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1.

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1. OS DENTIFRÍCIOS OS DENTIFRÍCIOS E A HIGIENE ORAL Diferentes tipos de microrganismos se desenvolvem na cavidade oral. Muitos são inofensivos, outros não. Algumas bactérias fermentam os carboidratos (predominantemente

Leia mais

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Preparo de uma região para cirurgia FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Clinica Integrada II 3º Período Diurno Professores: Carmen Lucia Mueller Storrer Eli Luis Namba Fernando

Leia mais

* Testes in vitro. Uma bomba na sua higiene oral.

* Testes in vitro. Uma bomba na sua higiene oral. 8 0 0 2 A S N E R P M I E D R E I S S DO * Testes in vitro Uma bomba na sua higiene oral. Uma Bomba na sua Higiene Oral! LISTERINE: O ELIXIR Nº 1 NO MUNDO A utilização de escova de dentes e fio dentário

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

Dra. Elena Portes Teixeira Will CUIDADOS AO PACIENTE COM GENGIVITE OU PERIODONTITE: DOENÇA PERIODONTAL:

Dra. Elena Portes Teixeira Will CUIDADOS AO PACIENTE COM GENGIVITE OU PERIODONTITE: DOENÇA PERIODONTAL: CUIDADOS AO PACIENTE COM GENGIVITE OU PERIODONTITE: 1Muita atenção na escovação. Siga as dicas abaixo: Escovar sempre depois das refeições. Mesmo quando fizer apenas um lanchinho ; Sempre usar o fio dental

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA

ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA DOENÇA PERIODONTAL Professora Melania Amorim IMIP UFCG IPESQ ISEA melamorim@uol.com.br CONCEITOS BÁSICOS Doença periodontal => doença infecto-inflamatória que acomete

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Doença Periodontal na Infância

Doença Periodontal na Infância Universidade de São Paulo Faculdade de Odontologia Doença Periodontal na Infância Profa. Dra. Ana Estela Haddad Camilla V. Galatti / Dr. Cássio Alencar Doença periodontal é uma afecção da fase adulta?

Leia mais

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais.

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. INTRODUÇÃO A evolução do conhecimento científico trouxe uma mudança radical nos paradigmas

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos. Plaque Removal in Orthodontic Patients

Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos. Plaque Removal in Orthodontic Patients Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos Plaque Removal in Orthodontic Patients Mariana de Pinho Noronha (aluna de doutorado em Ortodontia FO UERJ) Fabrício Batistin Zanatta (Especialista

Leia mais

A placa dental. 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de 10/11/2008. A placa dental como um biofilme. A placa dental como um biofilme

A placa dental. 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de 10/11/2008. A placa dental como um biofilme. A placa dental como um biofilme 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de Odontologia A placa dental como um biofilme Biofilme Comunidade microbiana relativamente indefinida associada à superfície de qualquer material duro não-descamativo

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

da PLACA DENTAL e do CÁLCULO

da PLACA DENTAL e do CÁLCULO CONTROLE QUÍMICO da PLACA DENTAL e do CÁLCULO FOP-UNICAMP PC II 2006 JAIME A CURY JCury@fop.unicamp.br Introdução Objetivos do controle químico do biofilme bacteriano Propriedades dos agentes químicos

Leia mais

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação Disciplina de Periodontia 5 o período RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana

Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana Artigo Inédito Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana Janice de Castro Quiles*, Bianca Luz Salazar*, Márcio Salazar*, Maurício Guimarães Araújo* Palavras-chave Clorexidina.

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Odontohebiatria PROVAB

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Odontohebiatria PROVAB Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica PROVAB Isa Teixeira Gontijo Para compreender bem as medidas que devem ser adotadas na prevenção da doença cárie e da doença gengival, diagnosticadas

Leia mais

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 A estrutura etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos, com aumento da expectativa de vida. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS E SAÚDE FUNORTE/SOERBRÁS A HIGIENE BUCAL EM PACIENTES USUÁRIOS DE APARELHOS ORTODÔNTICOS FIXOS E REMOVÍVEIS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS E SAÚDE FUNORTE/SOERBRÁS A HIGIENE BUCAL EM PACIENTES USUÁRIOS DE APARELHOS ORTODÔNTICOS FIXOS E REMOVÍVEIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS E SAÚDE FUNORTE/SOERBRÁS A HIGIENE BUCAL EM PACIENTES USUÁRIOS DE APARELHOS ORTODÔNTICOS FIXOS E REMOVÍVEIS BRASÍLIA 2012 2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS E SAÚDE FUNORTE/SOERBRÁS A HIGIENE

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: Área Temática : Saúde 1. INTRODUÇÃO DOOLEY, 2000

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: Área Temática : Saúde   1. INTRODUÇÃO DOOLEY, 2000 TÍTULO: ORIENTAÇÃO AOS PROPRIETÁRIOS QUANTO À IMPORTÂNCIA DA HIGIENIZAÇÃO ORAL DE CÃES E GATOS NA PREVENÇÃO DA DOENÇA PERIODONTAL. AUTORES: Mariana Ramos da Silva (1), Edvaldo Lopes de Almeida (2), Fábia

Leia mais

Antibióticos na Doença Periodontal Canina

Antibióticos na Doença Periodontal Canina Atualização em Terapêutica Veterinária Distribuído por Farmácia Veterinária de Manipulação Antibióticos na Doença Periodontal Canina A adequação ao tratamento é muito importante na obtenção da recuperação

Leia mais

ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 vacina Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3

ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 vacina Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3 ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 Brasil pode ter vacina anti-hpv este ano...2 Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3 Por um sorriso perfeito...3 Decifrando os rótulos...3 Zero Hora

Leia mais

GUIA para DENTES e GENGIVAS SAUDÁVEIS

GUIA para DENTES e GENGIVAS SAUDÁVEIS GUIA para DENTES e GENGIVAS SAUDÁVEIS Oral-B a serviço da sua saúde bucal A Oral-B prima pela qualidade, inovação e tecnologia de ponta de seus produtos para que você preserve seus dentes e gengivas saudáveis

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

UMA ESCOVA PARA CADA USO

UMA ESCOVA PARA CADA USO UMA ESCOVA PARA CADA USO Nem só das importantes medidas preventivas(alimentação sadia e Flúor na água/tópico),vive o cuidado adequado com os dentes e cavidade bucal...tem aquele diário, cada vez que você

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO 1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA 1.1. ANAMNESE História

Leia mais

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 2 Luciano Martini INTRODUÇÃO Na Odontologia, com o problema

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Higiene bucodental. Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ

Higiene bucodental. Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ Higiene bucodental Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ A promoção da saúde bucal Odontologia preventiva: é soma total dos esforços para promover, manter e/ou restabelecer a saúde do

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Monitoramento da Saúde Periodontal dos Pacientes Tratados no Projeto Terapia Periodontal de Suporte

Monitoramento da Saúde Periodontal dos Pacientes Tratados no Projeto Terapia Periodontal de Suporte Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Monitoramento da Saúde Periodontal dos Pacientes Tratados no Projeto Terapia Periodontal de Suporte

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA HIGIENE ORAL EM PACIENTE DEPENDENTE: DA LIMITAÇÃO À EXECUÇÃO - RELATO DE CASO

IMPORTÂNCIA DA HIGIENE ORAL EM PACIENTE DEPENDENTE: DA LIMITAÇÃO À EXECUÇÃO - RELATO DE CASO IMPORTÂNCIA DA HIGIENE ORAL EM PACIENTE DEPENDENTE: DA LIMITAÇÃO À EXECUÇÃO - RELATO DE CASO Cariles Silva de Oliveira Não há vínculo institucional - carilessol2008@hotmail.com INTRODUÇÃO O biofilme dental

Leia mais

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS Deve-se pensar em higiene bucal do bebê desde o momento em que se introduz alguma coisa que não esteja esterilizada em sua boca, como por exemplo o bico do peito. A higiene, enquanto

Leia mais

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PERIODONTIA MARIA HELENA BORTOLON MENEGOTTO

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PERIODONTIA MARIA HELENA BORTOLON MENEGOTTO UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PERIODONTIA MARIA HELENA BORTOLON MENEGOTTO CONTROLE MECÂNICO DA PLACA BACTERIANA PASSO FUNDO 2007 1 MARIA HELENA BORTOLON

Leia mais

Nova linha Close Up Diamond Attraction White. Dentes mais brancos * em um instante

Nova linha Close Up Diamond Attraction White. Dentes mais brancos * em um instante Nova linha Close Up Diamond Attraction White Dentes mais brancos * em um instante *O efeito branqueador instantâneo é ótico e temporário, e pode variar de pessoa para pessoa, dependendo da cor inicial

Leia mais

Patologias periodontais pouco frequentes O que fazer?

Patologias periodontais pouco frequentes O que fazer? Patologias periodontais pouco frequentes O que fazer? Pedro Lopes Costa, DDS, MSc Assistente convidado Periodontologia F.M.D.U.L.; Mestre em Peridontologia; Pós-Graduado em Periodontologia e Implantes

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

São causas de mau hálito:

São causas de mau hálito: É possível que eu tenha mau hálito e não saiba? Sim. As pessoas que têm um mau hálito constante, por fadiga olfatória, não percebem o seu próprio hálito. Somente as pessoas que têm períodos de halitose

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DO BIOFILME DENTAL ATRAVÉS DE DENTIFRÍCIOS

CONTROLE QUÍMICO DO BIOFILME DENTAL ATRAVÉS DE DENTIFRÍCIOS upsr 11111.secu oeb rs ti C 05. 0 KA1VIALJEET I(AUR. KALSI CONTROLE QUÍMICO DO BIOFILME DENTAL ATRAVÉS DE DENTIFRÍCIOS FLORIANÓPOLIS, 2002 tat nve C p n r- J KAMALJEET KAUR KALSI CONTROLE QUÍMICO DO BIOFILME

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Dentifricios: como escolher e como indicar

Dentifricios: como escolher e como indicar 16 Dentifricios: como escolher e como indicar JAIME A. CURY INTRODUÇÃO Atualmente dentifrício pode ser conceituado como tudo aquilo que é usado com uma escova nos dentes. Eles foram até pouco tempo considerados

Leia mais

Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública.

Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública. Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública. Dental Floss Use in Public Health Programmes. Luís Antônio de Filippi CHAIM ** Paula Regina BENITES * ** Professor Responsável pelas Disciplinas de Odontologia

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

Etiologia. cárie dentária

Etiologia. cárie dentária Etiologia da cárie dentária Cárie Latim destruição, coisa podre A cárie dental é reconhecida como uma doença, resultante de uma perda mineral localizada, cuja causa são os ácidos orgânicos provenientes

Leia mais

SAÚDE PERIODONTAL NAS FASES DA VIDA DA MULHER

SAÚDE PERIODONTAL NAS FASES DA VIDA DA MULHER Girlene E.P.Villa. Especialista em Periodontia, Mestre e Doutora pela FORP-USP Lorene Pereira de Queiroz Casali CD SAÚDE PERIODONTAL NAS FASES DA VIDA DA MULHER As variações hormonais alem de afetarem

Leia mais

Atividade de um enxaguatório bucal com clorexidina a 0,12% sobre a microbiota sacarolítica da saliva

Atividade de um enxaguatório bucal com clorexidina a 0,12% sobre a microbiota sacarolítica da saliva 266 Atividade de um enxaguatório bucal com clorexidina a 0,12% sobre a microbiota sacarolítica da saliva Ana Cristina Azevedo Moreira 1 Tiago Afonso Maltez dos Santos 2 Milena Couto Carneiro 2 Mariana

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

ANDREA MARIA DE SOUSA

ANDREA MARIA DE SOUSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CLÍNICA INTEGRADA ANDREA MARIA DE SOUSA ESTUDO IN

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE Texto montado a partir dos manuais: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde do adolescente: Belo Horizonte: SAS/MG, 2006. p. 75-79. BARROS, Claudia Márcia

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

NILDICELI LEITE MELO ZANELA

NILDICELI LEITE MELO ZANELA INFLUÊNCIA DE BOCHECHOS COM SOLUÇÕES ANTIMICROBIANAS NA INIBIÇÃO DA PLACA DENTÁRIA E CONTAGEM DE ESTREPTOCOCOS MUTANS EM CRIANÇAS NILDICELI LEITE MELO ZANELA Tese apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de ética profissional, auditoria e perícia odontológica, julgue os itens a seguir. 51 O perito exerce função de serviço com conotação jurídica, devendo manter boas relações

Leia mais

ORAL-B SMART SERIES SORRIA, CHEGOU A SMART SERIES!

ORAL-B SMART SERIES SORRIA, CHEGOU A SMART SERIES! INFORMAÇÃO À IMPRENSA OUTUBRO DE 2014 Imagina uma escova de dentes inteligente que regista e guarda os seus hábitos de higiene oral? E que permite personalizar as suas necessidades e preferências, bem

Leia mais

Viajando com o Sr. Mutans

Viajando com o Sr. Mutans Viajando com o Sr. Mutans - o jogo da cárie - Material de Apoio Autoria: Adriana de Sales C. Correa 1 TERMOS USADOS NO JOGO E CONCEITOS BÁSICOS DE ODONTOLOGIA Processo de formação da cárie Aspectos patológicos

Leia mais

Você sabe o que é cárie?

Você sabe o que é cárie? Clínica Geral Você sabe o que é cárie? Todo mundo acredita que a cárie é uma espécie de bichinho que vai comendo o dente! Mas na verdade, chamamos de cárie a deterioração do dente que é causada pelas bactérias

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

CÁRIE DENTAL ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS

CÁRIE DENTAL ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS CÁRIE DENTAL ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz Cárie => decomposição lenta do dente resultante da perda de cristais de hidroxiapatita. Essa dissolução da matriz mineralizada reduz

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais CASO COMPLEXO 7 Samuel : Ilíria Salomão Feist Dividiremos nosso conteúdo referencial em duas partes: na primeira definiremos, segundo a Academia Americana de Periodontia (AAP), os itens que devem ser seguidos

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Para apoio às acções de promoção e educação para a saúde em Saúde Oral Produzido pela: Divisão de Saúde Escolar

Leia mais

ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÁO E EM ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS

ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÁO E EM ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS Rev. Odont. UNESP, São Paulo, 18:217-223,1989. ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÁO E REFORÇO DE MOTIVAÇÃO EM )i:scovação DENTÁRIA, EM ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS Luiz Fernando de Almeida CANDELÁRIA* Lúcia TERAMOTO** Adriene

Leia mais

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3)

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica IMED PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) 1 - Aluna de graduação da Faculdade Meridional-IMED, Brasil. E-mail: maitepiazza@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA COMPARAÇÃO DO DIGLUCONATO DE CLOREXIDINA 0,12% COM ÁLCOOL E SEM ÁLCOOL NA FORMAÇÃO DO BIOFILME DENTAL: ESTUDO CLÍNICO MARIANA LIMA DE FIGUEIREDO

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

Ação antimicrobiana do triclosan sobre

Ação antimicrobiana do triclosan sobre Ação antimicrobiana do triclosan sobre microbiota cariogênica ANTIMICROBIAL ACTIVITY OF TRICLOSAN IN ORAL MICROBIOTA Davi Romeiro Aquino José Roberto Cortelli Ivan da Silva Faria Departamento de Odontologia

Leia mais

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES Lidiani Terenciani Nazaro¹; Jandira Aparecida Simoneti² UEMS - Caixa postal 351 - CEP: 79804-970 Dourados - MS¹ E-mail: lidi.nazaro@gmail.com, Bolsista de Extensão.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO 2015-2016

MANUAL TÉCNICO 2015-2016 MANUAL TÉCNICO 2015-2016 Power Professional Classic Extra Macia / Macia Power Professional Ortodôntica Molde exclusivo desenvolvido a partir de consultas técnicas junto a renomados Cirurgiões Dentistas

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS INSTITUCIONAL 31 anos no mercado odontológico; Presença com sedes em 10 cidades brasileiras, dentre elas 9 capitais; Solidez e tradição na atenção à Saúde Bucal; Mais de 2 milhões de beneficiários; Mais

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs MINISTÉRIO DA SAÚDE Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Brasília DF 2012 O Sistema Único de Saúde (SUS) possui o Programa Brasil Sorridente, criado para cuidar da saúde

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Maria Angela M. Mimura As alterações e patologias apresentadas no caso de Dona Margarida são diversas e de etiologias diferentes, portanto serão tratadas por itens de modo

Leia mais

Composição, princípios ativos e indicações clínicas dos dentifrícios: uma revisão da literatura entre 1989 e 2011

Composição, princípios ativos e indicações clínicas dos dentifrícios: uma revisão da literatura entre 1989 e 2011 Composição, princípios ativos e indicações clínicas dos dentifrícios: uma revisão da literatura entre 1989 e 2011 Composition, active ingredients and clinical indications of dentifrices: a literature review

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR.

ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR. Grupo PET/Odontologia UFJF. Tutora: Prof.ª. Dr.ª Rosângela Almeida Ribeiro ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR. Aline Barcellos Ana Carla Campos Marcela Nascimento Rachel Itaborahy Introdução Brasil:

Leia mais

SAÚDE BUCAL. Você sabe quantos dentes de leite você tem?

SAÚDE BUCAL. Você sabe quantos dentes de leite você tem? SAÚDE BUCAL Você sabe quantos dentes de leite você tem? Vinte e quatro dentes de leite, que a partir dos 6 até os 12 anos, caem e são substituídos por outros permanentes. Mas não é porque vão cair que

Leia mais

Técnicas em Higiene Dental

Técnicas em Higiene Dental Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Técnicas em Higiene Dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Aulas práticas Lista de materiais Aulas práticas - Lista de materiais Roupa

Leia mais