Criação de valor econômico como um fator crítico de sucesso para a competitividade do negócio.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criação de valor econômico como um fator crítico de sucesso para a competitividade do negócio."

Transcrição

1 Criação de valor econômico como um fator crítico de sucesso para a competitividade do negócio. Resumo Esequias Rodrigues de Lima- Gestão de Negócios, Controladoria e Finanças Corporativas IPOG Instituto de Pós-graduação Este documento trata da criação do valor econômico como um fator crítico de sucesso para a competitividade e perenidade do negócio, medido através de um processo estruturado e integrado ao sistema de gestão da organização e, simultaneamente, como uma condição necessária para efetuar a remuneração dos acionistas de acordo com o custo de oportunidade pre-definido por eles. Está em foco a captura de valor no setor de mineração, cujo processo fora estruturado e implantado numa unidade de negócios pertencente a um grupo de mineração de grande porte. Frente a necessidade de remunerar adequadamente os acionistas e de garantir a competitividade do negócio, então o desafio é: como estabelecer uma metodologia que leve em consideração uma ampla visão da gestão do negócio e a ênfase nas finanças corporativas, como uma direcionadora do esforço coletivo para a criação de valor a fim de assegurar a perenidade do negócio? O que está exposto a seguir é o registro parcial do trabalho coordenado e executado com o objetivo de implantar a metodologia de captura de valor, o que foi feito de forma eficaz na organização em questão, o que tem assegurado a obtenção de resultados expressivos. A pesquisa fora desenvolvida dentro do próprio ambiente organizacional onde se implantou e se disseminou a prática de gestão estruturada cujo objetivo era a captura de valor para o negócio, o que consistiu no acesso às informações relevantes geradas dentro da própria empresa, a qual permitiu a divulgação de tais informações, desde que o nome da organização não fosse citado neste documento, e na descrição resumida da metodologia aqui abordada. Logo, pode-se destacar que o objetivo da pesquisa fora alcançado, já que se encontrou uma resposta estruturada para o problema da pesquisa. Como resultado obtido, pode-se destacar a captura de valor traduzido no montante igual a US$ 54,5 milhões ao longo de cinco anos. Palavras-chave: Mineração; Valor; Melhoria Contínua; Projetos. 1. Introdução O setor de mineração produz commodities, cujos preços são estabelecidos pelo mercado, através de bolsas de comercialização dos metais. Assim, as unidades operacionais não podem transferir para o preço de venda dos metais a ineficiência dos seus processos, o que gera a necessidade premente de focalizar uma excelente gestão dos custos, a identificação de oportunidades de melhoria contínua dos processos de produção, dos serviços e dos produtos, cujos custos de implantação sejam menores do que os fluxos de caixa retornos gerados após a implantação de tais melhorias e o alcance da maturidade em gerenciamento de projetos, uma vez que, na prática, a estratégia de uma empresa se traduz em projetos. A implantação de projetos de investimento assegura à organização o alcance de um patamar de desempenho que não pode ser alcançado somente através da melhoria contínua de seus processos. Portanto, o tema da pesquisa é: aumento do valor econômico agregado como um fator crítico de sucesso

2 para a competitividade do negócio. Uma abordagem aplicada ao setor de mineração. Esta demanda organizacional leva ao problema da pesquisa, que consiste em como estabelecer uma metodologia que leve em consideração uma ampla visão da gestão do negócio e a ênfase na administração financeira, como uma direcionadora do esforço coletivo para a criação de valor a fim de assegurar a competitividade do negócio. Objetiva-se descrever o método pelo qual é possível a captura de valor para o negócio. Não é percebido, em geral, com base em visitações a diversas empresas, que a criação de valor seja um elemento integrante da cultura organizacional, embora se tenha consciência de que uma empresa deva gerar lucros. Percebe-se que a visão das finanças corporativas do negócio está limitada à necessidade de obtenção de lucros, o que não necessariamente garante a sobrevivência da empresa no longo prazo. A empresa em questão fora considerada para propósito da pesquisa porque é referenciada como benchmarking em termos de sistemas de gestão voltados para a criação de valor. 2. Métodos de avaliação do valor a ser criado De acordo com Lapponi (2007), o objetivo da decisão de investimento ou do orçamento de capital é maximizar o valor da empresa. A decisão de alocação do capital em projetos de investimento é fundamental para o sucesso, pois os recursos da empresa são comprometidos por longo tempo na direção de seu futuro desejado e isso envolve um grande esforço ao longo do tempo e de gerenciamento. Cada projeto aprovado é um desembolso realizado pela empresa com a expectativa de obter benefícios futuros quantificados pela geração de um fluxo de retornos adequados, em geral, por um prazo maior do que um ano. A simples geração de lucro é uma condição necessária, mas não é suficiente, pois o lucro aceitável do projeto é o que agrega valor à empresa. O objetivo deste parágrafo é expor a avaliação do projeto com o valor presente líquido VPL e explicar como se toma a decisão de aceitação do projeto utilizando-se tal método, que entre as suas vantagens está a de ser aplicado a qualquer tipo de projeto. Embora seja um dos métodos de valor equivalente, a avaliação e a decisão de aceitação do projeto com o VPL é de suma importância, devido à relevância de seus resultados à sua difundida utilização. O VPL é calculado através da seguinte expressão matemática: VPL = Valor Presente Líquido; I = investimento inicial do projeto; FCt = fluxo de caixa retorno no tempo t; k = custo de oportunidade; n = prazo de análise do projeto;

3 Se VPL > 0, o custo inicial será recuperado e remunerado com a taxa requerida k e o projeto criará valor para a empresa medido na data inicial pelo VPL. Logo, se o VPL for maior que zero, o projeto deve ser aceito. Entretanto, se VPL < 0, o custo inicial não será recuperado nem remunerado de forma completa com a taxa requerida k. Por conseguinte, o projeto deve ser rejeitado porque sua aceitação destruirá valor da empresa medido na data inicial pelo VPL negativo. De acordo com G. Bennett Stewart, o que realmente determina o preço das ações e, por conseguinte, o valor agregado ao negócio, conforme provam as evidências, é o caixa, ajustado pelo tempo e risco, que os investidores esperam obter de volta ao longo da vida de um negócio. O que o mercado quer não é lucro agora, mas valor agora. Eis a questão: como o valor presente dos fluxos de caixa, que verdadeiramente está no coração da avaliação de empresas pelo mercado, pode tornar-se a força motriz e integradora do sistema de gerenciamento financeiro. A resposta, em grande parte, é na verdade bem direta: a administração deveria focar a maximização de uma medida denominada Valor Econômico Agregado (EVA ), que vem a ser o lucro operacional menos o custo de todo o capital empregado para gerar esse lucro. O EVA aumentará se o lucro operacional puder crescer sem necessidade de mais capital ou, então, se novo capital for investido em projetos que rendam mais do que o custo desse dinheiro, ou ainda, se capital puder ser remanejado ou liquidado das atividades que não gerarem retornos adequados. Por outro lado, o EVA será reduzido se a administração desperdiçar recursos em projetos que rendam menos do que o custo do capital ou, inversamente, se não se decidir por projetos que gerem mais do que esse custo. Ocorre que o EVA é a única medida de desempenho em conformidade com a regra-padrão de orçamento de capital: aceitar todos os projetos com valor presente líquido (VPL) positivo e rejeitar todos com VPL negativo. O lucro por ação, em contrapartida, crescerá até que novos investimentos de capital superem o custo de financiamento pós-imposto de renda, que quase sempre não é um retorno aceitável. Entretanto, a razão mais importante para a adoção do EVA como o principal objetivo financeiro da corporação é que essa é a única medida de desempenho que se vincula diretamente ao valor intrínseco de mercado. A propósito, ao se descontar o EVA a ser gerado por um projeto em particular, obtém automaticamente o valor presente líquido desse projeto. O custo do novo capital utilizado para financiá-lo é explicitamente subtraído no cálculo do EVA. O modelo de decisão utilizado em orçamento de capital, de aceitar todos os projetos com VPL positivo, pode ser reanunciado da seguinte forma: devem ser aceitas todas as oportunidades de investimento que produzam um EVA descontado positivo. Trata-se exatamente da mesma coisa. Aprofundando-se mais nesse conceito, ao se projetar e descontar o EVA a ser gerado por toda a companhia, obtém-se o valor presente líquido de todos os projetos de investimento de capital, passados e projetados para ser implementados no futuro. O resultado sinaliza o prêmio sobre o valor de mercado em relação ao capital empregado (que é simplesmente o total de todos os investimentos da companhia feitos até a data presente). Por exemplo, uma empresa cujo EVA projetado e descontado seja de, digamos US$ 100 milhões, e que empregue um capital de US$ 500 milhões, possui um valor intrínseco de US$ 600 milhões. Essa relação nos

4 diz que, se for esperado um EVA positivo para a companhia, ela terá agregado valor ao custo dos recursos utilizados em suas operações; se, ao contrário, o EVA projetado por negativo, haverá destruição de valor. O EVA, em suma, é o combustível que provoca um prêmio no valor de mercado da ação de qualquer empresa ou projeto. É esse o aspecto mais significativo do EVA uma propriedade que o coloca acima de qualquer outra medida financeira de desempenho, a incluindo a dos fluxos de caixa. 3. Criação de Valor De acordo com Lapponi (2007), no processo de detecção, avaliação, preparação e apresentação de propostas de investimento, as unidades de negócio, divisões ou gerências consomem bastante tempo e esforço à procura de boas oportunidades para a empresa. A persistência na detecção, na busca, na pesquisa e no exame de cada oportunidade está fortemente relacionada com a dedicação dos diretores, gerentes, supervisores, etc., que acreditam que sempre há melhores oportunidades além das que foram detectadas. É um processo de criação, pois a oportunidade não está visível, ela tem que ser descoberta. A geração do lucro econômico procurando oportunidades é um conceito mais fácil de compreender do que de ser posto em prática, pois não mostra pistas para encontrá-lo. Um dos benefícios intangíveis obtidos após a implantação da metodologia abordada neste documento é o despertar de consciência dos gestores de que o seu compromisso junto aos acionistas é maior do que cumprir as metas de produção e de custo, de modo que passaram a focar a real criação de valor para o negócio. Ainda de acordo com Lapponi (2007), para garantir que o projeto cria valor para a empresa, a condição de que a TIR seja maior do que a taxa requerida, é necessária. Porém, não é suficiente, uma vez que para assegurar que a taxa de rentabilidade periódica do investimento seja a própria TIR, durante o prazo de análise do projeto, será necessário reinvestir todos os retornos gerados pelo projeto em outros projetos com a mesma TIR. Para demonstrar as conseqüências do não-reinvestimento dos retornos gerados pelo projeto, será usado o modelo anexo (Modelo de Avaliação). Os números apresentados no modelo são apenas ilustrativos. A figura abaixo mostra a criação de valor após a implantação de um determinado projeto de investimento, medida pelo VPL. Considera-se que os fluxos de caixa retorno gerados pelo projeto, são 100% reinvestidos ao mesmo custo de oportunidade (14% ao ano) e durante o mesmo prazo de análise do projeto. Portanto, o VPLI Valor Presente Líquido Integrado ($ ) é igual ao VPL Valor Presente Líquido ($ ). Lucro, lucro por ação e crescimento dos lucros são medidas enganosas do desempenho corporativo. Os lucros são reduzidos pelos registros contábeis que nada têm a ver com o fluxo de caixa recorrente e debitados por alguns desembolsos de capital geradores de valor, como P & D tudo numa tentativa de aplacar o desejo dos emprestadores de avaliar os valores de liquidação. O lucro por ação mede, quando muito, somente a quantidade de lucro, mas a qualidade deste refletida nos múltiplos de P/L também importa. O rápido crescimento do lucro pode ser obtido ao se colocar capital em projetos abaixo do padrão; obter uma taxa de retorno adequada é muito mais importante do que crescer rapidamente.

5 Muitos investidores são enganados pelas artimanhas contábeis, mas muitos outros não o são. Os preços das ações não são determinados em função de uma técnica de pooling pela qual todos os investidores têm um voto igualitário. Os preços são definidos muito mais por um seleto grupo de investidores-líderes que enxergam através dos resultados contábeis enganadores, a fim de encontrar os verdadeiros valores. O resto do grupo, ainda que com uma feliz ignorância acerca do porquê de o preço estar correto, fica bem protegido pelo julgamento disponível desses investidores-líderes. A melhor pesquisa sobre o assunto mostra que o pagamento de dividendos não amplia o retorno total recebido pelos investidores num período de tempo. Não obstante, pagá-los pode reduzir os projetos de capital compensadores ou forçar a empresa e os investidores a incorrer em custos de transação desnecessários. Além disso, em razão de as diretorias colegiadas usualmente detestarem cortar dividendos, exceto nas circunstâncias mais extremas, estes se tornam um custo fixo adicional e desnecessário para a conduta de um empreendimento. O dinheiro em excesso que retorna por meio de recompras periódicas de ações, ou um grande dividendo único, especial (com dividendos futuros retidos para financiar o repagamento de capital de terceiros), pode ser mais recompensador do que pagar um fluxo de dividendos durante um período de tempo. Ainda que esteja na moda pensar assim, o mercado não sofre de miopia. Os investidores que determinam o preço das ações levam em consideração o retorno provável de um projeto de capital, não importa quão distante ele o esteja, mas descontam esse retorno para qualquer investimento adicional, risco e tempo envolvido em concretizá-lo. No momento em que o preço das ações de uma empresa responde desfavoravelmente a um novo projeto de capital, isso provavelmente não se dá porque o mercado é incapaz de visualizar o eventual retorno; a razão real está em que ele prevê que esse retorno em longo prazo será inadequado, e seu julgamento se mostrará correto na maioria das vezes. Os registros mostram conclusivamente que apostar contra o mercado simplesmente não é recompensador. Estimular a demanda dos investidores por ações elevará o volume, mas não o preço delas, bem como beneficiar os operadores, mas não os acionistas. Os investidores-líderes deixam um bando de investidores apavorados, ao vender lotes a descoberto ou ao comprar opções de venda e assim gerar uma oferta adicional de ações para transferir qualquer alteração temporária na demanda. Para elevar o preço das ações por meio de uma comunicação financeira mais efetiva, a administração precisa convencer os investidores certos de que a empresa vale mais, e não somente persuadir mais investidores a comprar ações. Apesar da forte evidência construída na comunidade acadêmica, em apoio a um modelo econômico de valor, muitas empresas ainda ignoram decisões verdadeiramente racionais, em respeito aos mitos do lucro. Quantos administradores seniores de empresas negociadas publicamente, por exemplo, saboreiam o pensamento de adotar o método UEPS para economizar impostos? Quanto deles ignoram com satisfação a amortização de goodwill, ao ser feita uma aquisição, e não se importam nem um pouco com o impacto sofrido nos lucros, quando aumentam os gastos com capital? É de se imaginar que não sejam muitos. Eles foram hiptonizados pela hipocrisia da imprensa popular, dos analistas do lado das vendas de títulos e de muitos banqueiros investidores e contadores, para acreditar no mito de que o mercado busca lucros e o que já. Para tornar a questão ainda pior, sua remuneração variável normalmente está atrelada aos lucros de curto prazo e às medidas relacionadas a lucros, de

6 modo que eles não podem permitir dispor de seu senso comum como guia. Qual é a resposta? Bem, os administradores seniores e as diretorias colegiadas devem aprender o modo como o mercado de ações realmente funciona, e seus esquemas de compensação devem ser ajustados nesse sentido (G. BENNETT III).

7 Figura 1 Medição da criação de valor integral de um projeto de investimento Fonte: simulação feita pelo autor deste TCC a partir de dados fictícios e do uso de um modelo desenvolvido no aplicativo Excel da Microsoft Corporation. O propósito desta simulação é mostrar a importância de se reinvestir integralmente os fluxos de caixa retorno de forma a assegurar a real criação de valor para o negócio. Pode-se ver acima que se reinveste 100% dos retornos. Todavia, isso é mais fácil falar do que de fazer. Portanto, suponhamos que tenha sido possível reinvestir apenas 85% dos fluxos de caixa gerados pelo projeto a um custo de oportunidade de 13% ao ano, diferente do valor esperado, que era 14% ano. Diante deste cenário, é possível alcançar uma criação de valor parcial para o negócio, medida pelo VPLI Valor Presente

8 Líquido Integrado. A figura 2 a seguir mostra que a perda de valor para o negócio é de $ , valor obtido pela diferença entre o VPL e o VPLI. Figura 2 Medição da criação de valor parcial de um projeto de investimento Fonte: simulação feita pelo autor deste TCC a partir de dados fictícios e do uso de um modelo desenvolvido no aplicativo Excel da Microsoft Corporation. O propósito desta simulação é mostrar a importância de se reinvestir integralmente os fluxos de caixa retorno de forma a assegurar a real criação de valor para o negócio. Pode-se ver acima que se reinveste 85% dos retornos.

9 Logo, fica comprovado que criar valor para o negócio constitui-se no maior desafio dos gestores. 4. Melhoria Contínua Para superar o desafio de criação de valor para o negócio, os gestores devem recorrer aos pilares de competitividade, sendo a melhoria contínua um destes pilares. De acordo com o Dicionário de Termos da Qualidade, a melhoria contínua é um esforço contínuo de melhoria do desempenho organizacional, de forma sustentada no decorrer do tempo, que alcança os processos, produtos e serviços, em termos humanos e tecnológicos, com o objetivo de garantir uma contínua agregação de valor à empresa. É um engano pensar que a melhoria contínua se restringe a um objetivo único que é garantir que o nível de qualidade de produtos e serviços seja sempre mais alto do que o custo competitivo. A melhoria contínua é de responsabilidade de todos numa organização, de modo que resultados significativos somente são alcançados através do comprometimento e ação dos executivos da empresa. A melhoria contínua constitui-se de um processo e nasce da necessidade que as organizações têm de sobreviverem ao longo do tempo. Não há outra saída: para uma empresa sobreviver é necessário que ela seja competitiva, de modo que possa ter retorno sobre os investimentos, compensar a perda de valor em função do efeito inflacionário, os dissídios coletivos, os constantes aumentos de preço dos insumos e dos contratos de prestação de serviços, não perder participação no mercado para os concorrentes etc. Se a melhoria contínua se caracteriza como necessidade, então a sua adoção dentro das empresas deve ser feita de forma sistemática, com todo o zelo, e somente de depois de responder às seguintes perguntas, com base num processo de raciocínio (Tendo presente o foco na competitividade): A) O que precisa ser mudado dentro da empresa? B) Para o que mudar? C) Por que mudar? Como causar a mudança? Ao se buscar respostas para as perguntas acima, busca-se as habilidades mais fundamentais que um gerente deve ter. Se um gerente de fábrica não souber responder a essas perguntas, seguramente ele se encontra no lugar errado! Portanto, o papel dos líderes, desempenhado de forma correta é um fator crítico de sucesso para a competitividade da empresa para a qual trabalham. Um importante meio usado atualmente em grandes empresas em todo o mundo, para responder à pergunta: Como causar a mudança é o Lean Seis Sigma, que é um sistema abrangente e flexível para alcançar, sustentar e maximizar o sucesso empresarial. O Seis Sigma é singularmente impulsionado por uma estreita compreensão das necessidades dos clientes, pelo uso disciplinado de fatos, dados e análise estatística e a atenção diligente à gestão, melhoria e reinvenção dos processos da empresa. Essa metodologia é poderosíssima e requereria um amplo espaço para o seu detalhamento. Depois que os pré-requisitos para a implantação de um processo de melhoria contínua dentro da empresa são atendidos, é necessário adotar outro processo não menos importante: a sua quantificação. A quantificação da melhoria se dá através do seguinte processo (conforme metodologia implantada na empresa): A) Mapeamento do fluxo de valor; B) Identificação dos gaps de desempenho; C) Os gaps ou

10 oportunidades são classificados segundo o seu nível de impacto no EBTIDA da empresa; D) As oportunidades priorizadas passam a fazer parte do painel de metas dos gestores, para propósito de remuneração variável. Isso garante o comprometimento das partes envolvidas com a melhoria contínua; E) Os deltas KPI s são transformados em delta EBTIDA através de uma formulação matemática, a qual é definida e validada através do trabalho em equipe, pois tal trabalho requer uma multidisciplinaridade de competências; F) monitoramento dos resultados por parte da diretoria em foros específicos; G) Realização de reuniões Seis Sigma, técnicas e executivas, visto que a maior parte das oportunidades identificadas são caracterizadas como oportunidades Seis Sigma (causa e solução desconhecidas); O impacto de um longo trabalho como esse é a criação de valor para o negócio, medida conforme o gráfico mostrado a seguir: R E S U L T A D O Receita Custos EBTIDA IR FCO WACC + d CVA Figura 3 Conceito de criação de valor medida pelo CVA Cash Value Added. Fonte: modelo desenvolvido pelo autor deste TCC para ilustrar de forma gráfica o conceito de EVA (Também conhecido como CVA). O gráfico acima deve ser entendido da seguinte maneira: Receita é o faturamento da empresa; Custo é o que a empresa gastou para produzir os seus produtos; EBTIDA é o lucro operacional; ou seja, é o lucro antes do imposto de renda, depreciação e amortização. IR é o imposto de renda pago. FCO é o fluxo de caixa operacional. WACC + d é o custo médio ponderado do capital. É a remuneração que o dono do capital recebe. CVA é o valor agregado ao caixa. Essa é a medida mais importante de uma empresa. É essa

11 medida que mostra se, de fato, a empresa tem chance de sobreviver ao longo do tempo. Finalmente, pode-se afirmar que melhoria contínua não é necessariamente uma redução dos custos, mas um aumento do ganho, medido através da métrica CVA. Kaizen termo japonês que significa melhoramento contínuo é uma metodologia para o alcance de melhorias rápidas, que consiste no emprego organizado do senso comum e da criatividade para aprimorar um processo individual ou um fluxo de valor completo. O Kaizen é geralmente usado para resolver problemas de escopo restrito identificados após o Mapeamento do Fluxo de Valor e é conduzido por uma equipe formada por pessoas com diferentes funções na empresa. As principais diretrizes para a condução do Kaizen, segundo Michael L. George, David Rowlands, Mark Price e John Maxey, são apresentadas a seguir: a) A equipe deve trabalhar em regime de dedicação total (tempo integral) durante o evento Kaizen também denominado workshpo Kaizen -, cuja duração é de 3 a 5 dias. Para que isso seja viável, é necessário que o Sponsor do projeto, o líder do Kaizen e os participantes da equipe tomem providências prévias para que o trabalho de rotina seja realizado de outra forma durante esse período (situação similar à época de férias de cada participante). b) O escopo do projeto deve ser definido anteriormente e de forma precisa, pois a equipe não dispõe de tempo para readequação dos objetivos e limites para o trabalho. c) Os dados básicos relacionados ao projeto devem ser previamente coletados (por um Black Belt, Green Belt ou outro especialista). d) A implementação deve ser imediata, isto é, a maior parte das ações definidas deve ser colocada em prática durante a semana do evento Kaizen e aquilo que não for possível executar durante o evento, deve ser finalizado num prazo máximo de 20 dias. Para que essa diretriz possa ser cumprida é aceitável um nível de confiança de 70% na tomada de decisões, bem como soluções que são mais ou menos ok, isto é, não foram refinadas. e) Durante o evento Kaizen, os gestores devem disponibilizar o acesso às áreas de suporte da empresa manutenção, tecnologia da informação, recursos humanos, marketing, etc., caso seja necessário. De acordo com Juran, o processo de melhoria contínua tem como base certos conceitos fundamentais. Para a maior parte das empresas e gerentes, a melhoria contínua anual não é apenas uma nova responsabilidade, é também uma mudança radical no estilo de gerenciamento uma mudança na cultura da companhia. Portanto, é importante compreender os conceitos básicos antes de iniciar o processo de melhoria por si mesmo. De acordo com Elyahu Goldratt, a melhoria contínua é um processo que se desdobra em cinco etapas: a) Identificação da restrição ou restrições do sistema; b) Decisão sobre como explorar a restrição ou restrições do sistema; c) Subordinação de tudo o mais à decisão anterior; d) Elevação da restrição ou restrições do sistema;

12 e) Atenção: se num passo anterior uma restrição tiver sido quebrada, volte ao passo a, mas não deixe que a inércia cause uma restrição no sistema. 5. Lean Six Sigma Conforme é citado no parágrafo anterior, uma etapa da metodologia de criação de valor é a identificação dos gaps de desempenho. Depois que tal gap é identificado, é necessário considerar um método para eliminar ou diminuir o gap de acordo com a meta estabelecida. O método implantado na organização objeto desta pesquisa é o Lean Six Sigma, que de acordo com Pande, Neuman e Cavanah (2001) é um sistema abrangente e flexível para alcançar, sustentar e maximizar o sucesso empresarial. O Lean Seis Sigma é singularmente impulsionado por uma estreita compreensão das necessidades dos clientes, pelo uso disciplinado de fatos, dados e análise estatística e a atenção diligente à gestão, melhoria e reinvenção dos processos do negócio. Esta é a definição considerada para fornecer a base do esforço coletivo para descerrar o potencial do Lean Six Sigma para a organização. Os tipos de sucesso empresarial que se pode alcançar são amplos porque os benefícios comprovados do sistema Lean Six Sigma são diversos, incluindo: Redução de custos; Melhoria de produtividade; Crescimento de fatia de mercado; Retenção de clientes; Redução de tempo de ciclo; Redução de defeitos; Mudança cultural; Desenvolvimento de produto/serviço. E muito mais. De acordo com Cristina Werkema (2007), o Lean Manufacturing é uma iniciativa que busca eliminar os desperdícios, isto é, excluir o que não tem valor para o cliente e imprimir velocidade à empresa. Como o Lean pode ser aplicado em todo tipo de trabalho, uma denominação mais apropriada é Lean Operations ou Lean Enterprise. A integração entre o Lean Manufacturing e o Seis Sigma é natural: a empresa pode e deve usufruir os pontos fortes de ambas as estratégias. Por exemplo, o Lean Manufacturing não conta com um método estruturado e profundo de solução de problemas e com ferramentas estatísticas para lidar com a variabilidade, aspecto que pode ser complementado pelo Seis Sigma. Já o Seis Sigma não enfatiza a melhoria da velocidade dos processos e a redução do lead time, aspectos que constituem o núcleo do Lean Manufacturing. O Lean Six Sigma é método estruturado de solução de problemas constituído por cinco etapas: define (Definir), que consiste em definir com precisão o escopo do projeto, Measure (Medir), em que se determina a localização ou o foco do problema, Analyze (Analisar), onde se determina as causas de cada problema prioritário, Improve (Melhorar), que consiste em propor avaliar e implementar soluções para cada problema prioritário e control (Controlar), que visa garantir que o alcance da meta seja mantido a longo prazo. As cinco etapas desta metodologia são conhecidas como método DMAIC, uma reunião da primeira letra do nome de cada etapa.

13 6. Estudo de Caso A metodologia estruturada e implantada na unidade de negócio do grupo de mineração de grande porte com o propósito de aumentar o seu valor de mercado, é constituída de três macro etapas: Definição dos subprocessos e das árvores de valor com os respectivos KPI s, abrangendo as seguintes áreas e subáreas; a) Operações industriais: produção, manutenção, produtividade, custos fixo e variáveis, e despesas operacionais; b) Receita: produtos, subprodutos, prêmios, preços e clientes; c) Administrativa/financeira: logística, suprimentos, contratos, produtividade. Identificação de gaps e definição de metas, abrangendo as seguintes atividades: a) KPI s medidos e analisados; b) Benchmarks relevantes levantados; c) Gaps de desempenho quantificados, operacional e monetariamente; d) Metas discutidas e validadas; e) Recursos disponibilizados e quantificação do valor associado. Processo de monitoramento, com a seguinte abrangência: a) Modelo de governança para monitoramento; b) Manual com a método de cálculo de KPIs e gaps; c) Membros da equipe devidamente treinados para atualização e monitoramento dos gaps; d) Comparações de desempenhos; e) Gestão do Conhecimento. Definição das equipes, papéis e responsabilidades: a) Líder do projeto na planta Gerente Geral da planta: responsável pelo desenvolvimento, validação, implantação e obtenção de resultados do Projeto de Benchmarking Competitivo, fundamentado nos desafios e aspirações da organização na busca de Operações de Classe Mundial. b) Coordenador do projeto na planta Coordenador do Sistema de Gestão local: coordenar todas as atividades, interfaces, agenda, recursos e cronograma do projeto da unidade, apoiando o Líder do Projeto, e promover a reflexão e análise dos desempenhos, através do questionamento do status quo. c) Facilitador Coordenador do Sistema de Gestão Corporativo: garantir o alinhamento e a coordenação dos trabalhos entre unidades fabris de cada negócio, promovendo a boa interface com a consultoria, apoiando o coordenador local, assegurando a boa utilização da metodologia. d) Equipe de trabalho Gestores dos processos, representantes das operações e das áreas administrativa e financeira, jovens profissionais, consultores dos negócios, gerentes especialistas das unidades gerenciais, profissionais da área de tecnologia do negócio e consultores terceirizados. Das inúmeras oportunidades de melhoria identificadas como resultado da aplicação da metodologia citada anteriormente, uma será usada para exemplificar a sua aplicação prática. Foi identificada a oportunidade de se aumentar o rendimento global das caldeiras, que

14 utilizam o óleo combustível A2. O aumento do rendimento global das caldeiras a óleo A2 tem impacto direto na redução do custo variável, a qual fora devidamente quantificada. Como benefício desta iniciativa, conseguiu-se também a redução da emissão de material particulado em função da otimização do processo de queima do óleo combustível, no interior das câmaras de combustão. a) Contexto do problema: devido aos sucessivos aumentos que vem tendo o preço da tonelada de óleo combustível A2 nos últimos meses, tem ocorrido uma elevação significativa do custo de produção da tonelada de vapor. Este crescimento só não é maior devido as ações de melhoria no rendimento das caldeiras e dos baixos preços da energia elétrica no MAE, propiciando a utilização das caldeiras elétricas. Uma das formas de se reduzir o custo da tonelada de vapor é através do aumento do rendimento das caldeiras a óleo, que é o objeto desse estudo de caso. A seguir estão algumas fotos de uma das caldeiras a óleo, sistema no qual foi promovida a melhoria contínua. As ações de melhoria foram implantadas em três caldeiras a óleo.

15 Figura 4: Vista de uma das caldeiras a óleo A2 Fonte: a empresa não autorizou a divulgação do seu nome. Trata-se do local onde ocorreu a melhoria dos processos que resultou na criação de valor para o negócio. Figura 5: Vaso de pressão Fonte: a empresa não autorizou a divulgação do seu nome. Trata-se do local onde ocorreu a melhoria dos processos que resultou na criação de valor para o negócio. Figura 6: Instrumentação Fonte: a empresa não autorizou a divulgação do seu nome. Trata-se do local onde ocorreu a melhoria dos processos que resultou na criação de valor para o negócio. b) O potencial de criação de valor da oportunidade em questão é demonstrado na tabela a seguir:

16 Tabela 1 Quantificação da agregação de valor ao negócio medida pelo delta CVA. Fonte: a empresa não autorizou a divulgação de seu nome. Os dados aqui apresentados são verdadeiros. Ao se estabelecer a meta de aumento do rendimento global das caldeiras a óleo de 13,334 para 13,480 t vapor / t óleo, é possível criar valor para o negócio no valor de R$ ,46, por ano, medido pelo delta CVA. O delta EBTIDA foi calculado de acordo com a seguinte expressão matemática: Delta EBITDA (R$/ano) = [(Produção de Vapor Orçada / Rendimento Base) (Produção de Vapor Orçada/ Rendimento Meta)] * (Preço óleo). O delta CVA foi calculado depois de efetuada a tributação sobre o ganho e descontada a a taxa remuneração sobre o investimento previsto, no valor de R$ ,00. Para garantir o alcance da meta, foi aplicada a metodologia Lean Six Sigma. A seguir está apresentado o resumo do trabalho de acordo com tal metodologia. a) Define (definir): Esta é a primeira etapa do método DMAIC. Nesta etapa, o objetivo é definir com precisão o escopo do projeto, ou seja, descrever o problema, definir a meta, avaliar o histórico do problema, retorno econômico, impacto sobre clientes/consumidores, avaliar se o projeto é prioritário para empresa, definir a equipe de trabalho assim como suas responsabilidades e cronogramas de reuniões, identificar as necessidades dos principais clientes e definir o

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Kaizen: Uma importante ferramenta do Lean Seis Sigma

Kaizen: Uma importante ferramenta do Lean Seis Sigma Kaizen: Uma importante ferramenta do Lean Seis Sigma O que é Kaizen? Cristina Werkema O Kaizen termo japonês que significa melhoramento contínuo é uma metodologia para o alcance de melhorias rápidas, que

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 SISTEMAS DA QUALIDADE SEIS SIGMA 1. INTRODUÇÃO 2. SEIS SIGMA 2 O QUE É O SEIS

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Especial - Lean Seis Sigma. A lamentável banalização do. Lean Seis Sigma

Especial - Lean Seis Sigma. A lamentável banalização do. Lean Seis Sigma A lamentável banalização do Lean Seis Sigma Cuidado para não comprar gato por lebre no que diz respeito à utilização do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema Nos últimos anos o Lean Seis Sigma vem passando

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma

Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma Celerant Consulting A metodologia do Seis Sigma a abordagem Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar (DMAIC) para resolução de problemas e as ferramentas a serem usadas

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. A Empresa i. Nossas Crenças O Grupo Voitto i Método de Trabalho iv. Nossos Diferenciais v. Nossos Clientes vi. Equipe Societária 2. Mercado de Consultoria no Brasil

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos Márcio Roldão INDG ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - INDG; NOVAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA DOS RESULTADOS:

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Six Sigma. Apresentação Executiva. Treinamento Lean Six Sigma - Green Belt

Proposta. Treinamento Lean Six Sigma. Apresentação Executiva. Treinamento Lean Six Sigma - Green Belt Treinamento Lean Six Sigma Green Belt Apresentação Executiva 1 O treinamento de Green Belt Six Sigma tem como premissa proporcionar o entendimento dos princípios Six Sigma e suas ferramentas. Green Belts

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA COMO FALHAR COM SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ Quem somos de atuação. Foco em métodos quantitativos para qualidade, produtividade

Leia mais

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL Terceiro Módulo: Parte 4 Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Viabilidade

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais