SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO MODELO TEÓRICO ADOTADO PLANO ESTRATÉGICO a - Diretrizes Estratégicas...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1 - INTRODUÇÃO... 7 2 - MODELO TEÓRICO ADOTADO... 9 3 - PLANO ESTRATÉGICO...11. 3.a - Diretrizes Estratégicas..."

Transcrição

1

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO MODELO TEÓRICO ADOTADO PLANO ESTRATÉGICO a - Diretrizes Estratégicas b - O Mapa Estratégico c - Objetivos Estratégicos (Descrição do Objetivo / Indicadores / Metas) d - Painel de Indicadores e - Painel de Metas f - Projetos Estratégicos MATRIZ DE IMPACTO: Projetos Estratégicos x Objetivos Estratégicos GLOSSÁRIO...44

3 APRESENTAÇÃO Que papel exerce a informação e, por extensão, a tecnologia da informação e comunicação (TIC) na Câmara dos Deputados? Difícil responder em tão curto espaço, mas podemos começar dizendo que, nesta Casa, a informação é matéria-prima que está no centro do desempenho de suas atribuições institucionais. O processo legislativo e o papel de fiscalização sobre as ações do Governo são atividades com vigoroso apoio no acesso, no tratamento e na divulgação de informações. É também inegável o papel essencial da informação na interação da Câmara dos Deputados com a sociedade brasileira. As constantes e profundas transformações tecnológicas do mundo contemporâneo intensificam, em proporções sem precedentes, a demanda por informação e pelo uso das soluções de TIC. Esse cenário provoca o Centro de Informática (CENIN) a dar resposta a outra questão importante: quais são as ações de TIC que podem habilitar a Câmara dos Deputados a lidar adequadamente, no presente e no futuro, com esse crescimento acelerado da demanda por sistemas de informação? A implantação da Gestão Estratégica na Casa, em 2009, motivou a revisão do planejamento das ações de TIC à luz do Mapa Estratégico Corporativo, das novas prioridades estabelecidas e da nova metodologia de planejamento adotada pela Casa. Nesse novo modelo de gestão, os projetos estratégicos priorizados demandam, em sua quase totalidade, novas e melhores soluções de TIC para sua consecução. Dessa constatação decorreu a necessidade de revisão do planejamento plurianual dos projetos de TIC, almejando a sintonia das ações de TIC com os projetos estratégicos e com as necessidades dos usuários dos serviços de TIC da Câmara dos Deputados. Foi com esse espírito que o CENIN realizou seu Plano Estratégico , onde estão definidas ações de curto, médio e longo prazo em diferentes perspectivas de atuação. O Plano propõe a mensuração objetiva do desempenho do Centro na execução das iniciativas nele propostas, propiciando o aprimoramento da gestão das ações de TIC. Constitui também um instrumento efetivo para a comunicação da estratégia, tanto para as equipes internas ao CENIN, como para todas as áreas da Casa. O Plano permite ainda a visão crítica das ações realizadas, a retroalimentação e a eventual revisão da estratégia, promovendo a melhoria contínua da gestão. Tudo isso focado, essencial e prioritariamente, na melhoria do atendimento às necessidades, às demandas e às expectativas dos usuários dos serviços de TIC na Câmara dos Deputados. O sucesso do Plano Estratégico do CENIN , que apresento aqui, dependerá do esforço coletivo e individual de todos nós que formamos o time do Centro. O engajamento, apoio e empenho dos nossos talentos, juntamente com os valores que partilhamos nas discussões do planejamento, nos tornarão capazes de construir respostas e soluções à altura dos desafios que a Câmara dos Deputados e a sociedade brasileira têm à sua frente. 5 Fernando Lima Torres

4 1 - INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do CENIN é resultado do projeto estratégico Revisão do Planejamento Plurianual de TIC, que compõe o Plano Estratégico da Diretoria Administrativa da Câmara dos Deputados. Construído no período de novembro de 2009 a maio de 2010, ele se alinha com os objetivos estratégicos contidos no plano corporativo e nos planos setoriais elaborados pelas diretorias e secretarias da Câmara dos Deputados. Manifesta, também, o comprometimento do Centro com as missões e visões explicitadas no Plano Estratégico Corporativo e no Plano Estratégico da DIRAD. Apoiado nesses planos estratégicos que o precederam, o Plano Estratégico do CENIN fundamentouse nas visões, expectativas, críticas, impressões e demandas colhidas nas entrevistas realizadas com 18 diretores das áreas-cliente do CENIN, além de entrevistas com todos os diretores das áreas internas ao próprio Centro. A equipe de desenvolvimento do Plano foi formada por servidores oriundos de todas as coordenações que compõem o Centro. O processo de discussão e validação da estratégia envolveu a totalidade dos 42 chefes de seção, chefes de serviço e diretores de coordenação do Centro. A equipe de desenvolvimento contou com a colaboração do CEFOR, que atuou na contratação e acompanhamento do trabalho dos instrutores/facilitadores do uso da metodologia BSC. A Assessoria de Projetos e Gestão (APROGE) também esteve sempre presente nos debates e nas validações para construção da estratégia, orientando e apoiando essa iniciativa. A estratégia para o atingimento da visão de futuro do Centro está representada no Mapa Estratégico do CENIN, que envolve 15 objetivos estratégicos, encaixados em quatro diferentes perspectivas. O acompanhamento do alcance desses objetivos se dá por meio de 18 indicadores, para os quais foram estabelecidas metas anuais. As ações na direção do alcance dos objetivos são constituídas por 16 projetos estratégicos, que visam levar a prestação de serviços de TIC pelo CENIN a um novo patamar ao final deste período de quatro anos. Este Plano, ao mesmo tempo em que provê os instrumentos e mecanismos para o acompanhamento da execução da estratégia, também cumpre o papel de instrumento de comunicação da estratégia a toda a equipe do CENIN. O Plano também promove e explicita o alinhamento entre as ações do Centro de Informática e os objetivos estratégicos corporativos. 7

5 2 MODELO TEÓRICO ADOTADO A metodologia de planejamento utilizada para a construção do Plano Estratégico CENIN foi o Balanced Scorecard (BSC), a mesma adotada nos demais planos estratégicos elaborados na Casa. O BSC se propõe a traduzir a estratégia da organização para realizar sua missão e alcançar sua visão de futuro por meio de um conjunto de objetivos estratégicos que mantêm relações de causa e efeito entre si e que são definidos em diferentes linhas de atuação, ou perspectivas. Os objetivos são alcançados pela realização de projetos estratégicos e o desempenho da organização na busca de seus objetivos é medido por indicadores, para os quais são definidas metas a serem alcançadas ao longo do tempo. A gestão do plano se dá pela realização de Reuniões de Avaliação Estratégica (RAEs), nas quais se avaliam a priorização e a execução dos projetos estratégicos, os valores contabilizados para os indicadores, o atingimento das metas estabelecidas, a eficácia da estratégia e a eventual necessidade de alterações, seja nos indicadores, nas metas ou na própria estratégia. O Mapa Estratégico é também um instrumento de comunicação da estratégia aos servidores, na medida em que sintetiza graficamente as inter-relações entre os objetivos estratégicos nas quatro perspectivas: Pessoas e Tecnologia, Processos Internos, Público-Alvo e Papel Institucional. As relações de causa e efeito estão representadas no Mapa, de maneira que o alcance dos objetivos de uma perspectiva é tido como requisito para a consecução dos que estão acima e assim por diante. Os Indicadores Estratégicos permitem a mensuração da performance da organização quanto à realização da estratégia planejada. São, em sua maioria, índices percentuais que medem o alcance dos objetivos estratégicos. Associadas a esses indicadores estão as Metas Periódicas. São fixadas como alvo para cada período anual dentro do quadriênio abrangido pela estratégia adotada pelo CENIN. Os Projetos Estratégicos, por sua vez, são a força motriz que alavanca a estratégia. Graças a eles, é possível sair do estágio presente e avançar rumo ao cenário desejado, almejando assim a realização da missão e o alcance da visão de futuro. A estratégia do CENIN não deve ser encarada como algo que não possa ser modificado. Esse dinamismo é típico da Gestão Estratégica, caracterizando-se como o diferencial do BSC, método que se baseia na aprendizagem permanente. 9

6 3 - PLANO ESTRATÉGICO 3.a) Diretrizes Estratégicas MISSÃO: Prover soluções de Tecnologia de Informação e Comunicação à Câmara dos Deputados, alinhadas com a estratégia da instituição. VALORES: 1. ALINHAMENTO AO NEGÓCIO 2. COMPROMETIMENTO 3. COOPERAÇÃO 4. ÉTICA 5. EXCELÊNCIA TÉCNICA 6. TRANSPARÊNCIA 7. VERSATILIDADE VISÃO DE FUTURO: Ser reconhecido pela qualidade e tempestividade das soluções de Tecnologia de Informação e Comunicação. 11

7 Plano Estratégico do CENIN b) O Mapa Estratégico Missão Prover soluções de Tecnologia de Informação e Comunicação à Câmara dos Deputados, alinhadas com a estratégia da instituição. Visão de futuro Ser reconhecido pela qualidade e tempestividade das soluções de Tecnologia de Informação e Comunicação. Entregar e manter soluções de TIC alinhadas à estratégia da Câmara dos Deputados. Contribuir para modernizar e integrar processos da Câmara dos Deputados Papel Institucional Aprimorar o atendimento aos parlamentares e órgãos da Câmara dos Deputados. Público-Alvo Desenvolver e manter soluções corporativas com agilidade e qualidade. Governança de TIC Desenvolver a gestão de projetos. Aprimorar os processos de gestão de recursos e serviços de TIC. Desenvolver arquitetura de TIC. Aprimorar a gestão das demandas. Ampliar a capacidade produtiva. Aperfeiçoar a comunicação interna e o relacionamento com o público-alvo. Processos Internos Atrair e motivar pessoas. Pessoas e Tecnologia Promover a aprendizagem e o desenvolvimento profissional. Desenvolver competências gerenciais. Prospectar e internalizar tecnologias que agreguem valor. Adequar infraestrutura para desenvolvimento das ações do CENIN.

8 Plano Estratégico do CENIN c) Objetivos Estratégicos Entregar e manter soluções de TIC alinhadas à estratégia da Câmara dos Deputados. Desenvolver, implantar e manter soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) que atendam aos programas e projetos estratégicos corporativos e setoriais da Câmara dos Deputados e a outras demandas que tenham sido priorizadas pela Casa. 1.Taxa de projetos estratégicos de TIC atendidos Papel Institucional DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Verifica a realização das entregas planejadas dos projetos estratégicos atribuídos ao CENIN em um determinado período, considerados os prazos acordados ao longo do projeto. Relação entre o somatório de entregas concluídas de todos os projetos estratégicos para o período e o somatório de entregas planejadas dos projetos estratégicos para o mesmo período. Escritório de Projetos/COGES Trimestral Positiva Alfredo Luiz Campos Júnior - COGES 48,8% 50% 60% 70% 80% 14

9 Objetivos Estratégicos Contribuir para modernizar e integrar processos da Câmara dos Deputados. Prover soluções e serviços de TIC alinhados com as iniciativas de melhoria e integração de processos na Câmara dos Deputados. 2.Taxa de Processos de Negócio modelados que contam com solução de TIC priorizada e entregue DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Verifica o percentual de processos de negócio modelados contemplados com a entrega de solução de TIC que os apoiem. Relação entre o número de processos de negócio modelados que tiveram uma solução de TIC priorizada e entregue e o número total de processos de negócio modelados. CESAN Semestral Positiva Janaina Djenane Souza Catete - COGES % 50% 60% Papel Institucional 15

10 Plano Estratégico do CENIN Aprimorar o atendimento aos parlamentares e órgãos da Câmara dos Deputados. Promover melhorias no atendimento às demandas e às necessidades de TIC dos parlamentares, dos órgãos políticos da Casa e das áreas legislativa e administrativa, por meio de soluções de TIC que satisfaçam o cliente. 3. Índice de satisfação do usuário Público-Alvo DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Verifica a percepção do usuário com relação ao atendimento de suas expectativas quanto aos serviços prestados pelo CENIN. Pesquisa de satisfação com metodologia específica, que meça o grau de satisfação dos usuários de serviços do CENIN, em percentual. Pesquisa junto ao usuário. Semestral Positiva Raquel Flores Garcia - COGES - 60% 70% 75% 80% 16

11 Objetivos Estratégicos Desenvolver e manter soluções corporativas com agilidade e qualidade. Responder às necessidades de soluções de TIC da Câmara dos Deputados por meio do desenvolvimento, da aquisição, do suporte e da manutenção de produtos e serviços, primando pelo atendimento oportuno aos requisitos definidos em conjunto com o cliente. 4. Índice de disponibilidade das soluções DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Expressa o percentual do tempo de disponibilidade dos principais serviços em produção, considerado o período de disponibilidade acordado para os serviços. Por definir. Levantamento de disponibilidade dos sistemas críticos (selecionados). Mensal Positiva Jairo Coutinho de Oliveira - CAINF - 70% 80% 90% 100% Processos Internos 17

12 Plano Estratégico do CENIN Desenvolver a gestão de projetos. Promover a adoção das boas práticas em gerenciamento de projetos, em sintonia com a orientação da Casa, visando assegurar o bom resultado dos projetos. 5. Índice de adesão às práticas de gerenciamento de projetos Processos Internos Governança de TIC DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Verifica o grau de adoção das práticas de gerenciamento de projetos conforme recomendação da direção do CENIN, pela mensuração da criação e atualização dos documentos de gerenciamento do projeto. Número de projetos do CENIN cujos documentos de gerenciamento do projeto estejam acessíveis (Project Server), atualizados e em conformidade com a recomendação do Centro para gerenciamento do projeto, dividido pelo número total de projetos do CENIN. Escritório de Projetos Anual Positiva Janaina Djenane Souza Catete - COGES - 25% 60% 80% 100% 18

13 Objetivos Estratégicos Aprimorar os processos de gestão de recursos e serviços de TIC. Implantar as melhores práticas de gestão de recursos e serviços de TIC, visando eficácia, eficiência, redução de custos, segurança, disponibilidade e gerenciamento de riscos. 6. Taxa de implantação do ITIL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Mede a evolução da implantação do ITIL no CENIN, em relação ao total de processos ITIL que o CENIN pretende implantar. Relação entre o número de processos ITIL implantados e o número total de processos ITIL que o CENIN pretende implantar. Gerente de Implantação do ITIL Semestral Positiva Eduardo Jorge Jardim Martins - COGES 0% 30% 60% 80% 100% Processos Internos Governança de TIC 19

14 Plano Estratégico do CENIN Desenvolver arquitetura de TIC. Estabelecer padrões de compatibilidade e interoperabilidade, ferramentas e tecnologias, propiciando a integração das soluções, o reaproveitamento, a redução de custos e a consolidação da infraestrutura para otimizar o uso dos recursos humanos e tecnológicos. 7. Taxa de tecnologias em uso de acordo com o padrão do CENIN Processos Internos Governança de TIC DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Relação entre as tecnologias padronizadas e o total de tecnologias em uso. Somatório de tecnologias padronizadas em uso dividido pelo total de tecnologias em uso. CAINF/CESAN/ CODIS/COSEV/ COREL Semestral Positiva Sérgio Dagnino Falcão - COGES % 70% 80% Aprimorar a gestão das demandas. Refinar o processo de levantamento e priorização das demandas, considerando o alinhamento com as estratégias corporativa e setoriais e com a capacidade produtiva do CENIN. 8. Taxa de demandas atendidas sem autorização formal do processo de gestão de demandas 20 DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Mede o desalinhamento entre as demandas efetivamente atendidas e as demandas avaliadas e priorizadas pela gestão de demandas do CENIN. Somatório dos projetos iniciados sem ter passado pelo processo de gestão de demandas dividido pelo total de projetos iniciados no período. CAINF/CESAN/CODIS/COREL/COSEV Semestral Negativa Rodolfo Cezar Ranulfo Vaz - COREL % 10% 5%

15 Objetivos Estratégicos Ampliar a capacidade produtiva. Elevar a capacidade produtiva do CENIN ao nível do atendimento tempestivo das demandas. DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL 9. Índice de atendimento a novas demandas Mede a capacidade do CENIN para atender a novas demandas de solução de TIC no período. Expresso por: [(3 P1 + 2 P2 + P3) (3 P1 + 2 P2 + P3 )]/ (3 P1 + 2 P2 + P3), onde: P1 número de projetos de alta complexidade (peso 3) que foram demandados, avaliados e priorizados no período; P2 número de projetos de complexidade moderada (peso 2) que foram demandados, avaliados e priorizados no período; P3 número de projetos de baixa complexidade (peso 1) que foram demandados, avaliados e priorizados no período; P1 número de projetos de alta complexidade (peso 3) que foram demandados, avaliados e priorizados no período que não foram colocados em produção por falta de capacidade produtiva; P2 número de projetos de complexidade moderada (peso 2) que foram demandados, avaliados e priorizados no período que não foram colocados em produção por falta de capacidade produtiva; P3 número de projetos de baixa complexidade (peso 1) que foram demandados, avaliados e priorizados no período que não foram colocados em produção por falta de capacidade produtiva. Escritório de Projetos Anual Positiva Alfredo Luiz Campos Júnior - COGES Processos Internos LINHA DE BASE * 50,2% 55% 60% 65% 70% 21

16 Plano Estratégico do CENIN Aperfeiçoar a comunicação interna e o relacionamento com o público-alvo. Adotar práticas e ferramentas que propiciem maior interação e comunicação entre as áreas internas do CENIN. Aprimorar a interação com o cliente, por meio de: conhecimento profundo do negócio, dos processos e das necessidades do cliente; provimento de informação clara, completa e de fácil acesso sobre os serviços de TIC e o atendimento às demandas; atuação do CENIN como uma unidade integrada, coesa, harmônica e sólida na interação com o cliente. Processos Internos DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL 10. Índice de satisfação dos servidores do CENIN quanto à integração entre as Coordenações Mede o grau de satisfação dos servidores do CENIN quanto à integração entre as Coordenações. Será realizada pesquisa de satisfação junto aos servidores do CENIN, com a mesma metodologia das pesquisas realizadas em 2007 e 2008, conforme o seguinte procedimento: Solicita-se ao entrevistado que indique qual a pontuação, entre 0 e 10, que representa seu grau de concordância com a seguinte afirmação: - A integração entre as Coordenações do CENIN é deficiente. O grau 0 indica discordância total, enquanto o grau 10 indica concordância total. Será calculada a pontuação média para essa frase. O índice é calculado pela subtração dessa média do valor máximo 10. Servidores do CENIN Anual Positiva Fábio Sérgio Cruz - COGES LINHA DE BASE * 22 1,12 3,0 4,0 6,0 7,0

17 Objetivos Estratégicos DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL 11. Índice de divulgação dos serviços do CENIN Quantifica o número de ações de divulgação, junto ao público-alvo, dos serviços de TIC criados e mantidos pelo CENIN. Número de ações de divulgação dos produtos e serviços providos pelo CENIN dividido pelo número de produtos e serviços constantes do catálogo de serviços do CENIN. COGES Anual Positiva Raquel Flores Garcia - COGES LINHA DE BASE * - 5% 10% 15% 20% Processos Internos 23

18 Plano Estratégico do CENIN Atrair e motivar pessoas. Promover ações que resultem na satisfação dos servidores do CENIN com seu ambiente de trabalho, com as atividades que desempenham e em sua motivação para o alcance dos objetivos institucionais. Pessoas e Tecnologias DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * 12. Índice de satisfação dos servidores do CENIN Mede o grau de satisfação dos servidores com seu ambiente de trabalho, com as atividades que desempenham e sua motivação para o alcance dos objetivos institucionais. Será realizada pesquisa de satisfação junto aos servidores do CENIN, com a mesma metodologia das pesquisas realizadas em 2007 e 2008, conforme o seguinte procedimento: Solicita-se ao entrevistado que indique qual a pontuação, entre 0 e 10, que representa seu grau de concordância com as seguintes afirmações: - Sinto-me satisfeito(a) com meu trabalho no CENIN. - Eu me sinto orgulhoso(a) por trabalhar no CENIN. - Eu me sinto profissionalmente realizado(a). - Estou motivado(a) para realizar as minhas atividades profissionais. O grau 0 indica discordância total, enquanto o grau 10 indica concordância total. Será calculada a pontuação média para cada frase. O índice é calculado pela média dos valores médios obtidos para cada frase. Servidores do CENIN Anual Positiva Fábio Sérgio Cruz - COGES 5,23 6,0 6,25 6,5 7,0 24

19 Objetivos Estratégicos Promover a aprendizagem e o desenvolvimento profissional. Assegurar a formação continuada dos servidores, que resulte na permanente evolução de seus conhecimentos e habilidades, ampliando as competências necessárias ao desempenho profissional e enfrentamento dos desafios representados pela constante transformação da área de TIC, pela rápida obsolescência dos conhecimentos nessa área e o crescente volume de demandas por soluções de TIC. 13. Índice de participação em eventos de curta duração DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Mede o percentual de servidores do CENIN com participação em eventos ligados à atividade profissional (cursos de curta duração, seminários, palestras, congressos etc.), no período. Razão entre o número de servidores do CENIN com participação em eventos ligados à atividade profissional, no período (cursos de curta duração, seminários, palestras, congressos.) e o número total de servidores do CENIN. CEFOR e SERAD/CENIN Anual Positiva Simone Carvalho Junqueira Osório/CENIN 34,72% 50% 60% 70% 80% Pessoas e Tecnologias 25

20 Plano Estratégico do CENIN Índice de participação em eventos de pós-graduação Pessoas e Tecnologias DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Mede o percentual de servidores do CENIN com participação em eventos de especialização profissional (cursos em nível de pós-graduação, de longa duração), nos últimos 5 anos. Razão entre o número de servidores do CENIN com participação em eventos de especialização profissional (cursos em nível de pós-graduação, de longa duração) e o número total de servidores do CENIN. DEPES e CEFOR Anual Positiva Simone Carvalho Junqueira Osório/CENIN 20,14% 40% 50% 60% 70% 26

21 Objetivos Estratégicos Desenvolver competências gerenciais. Promover o desenvolvimento de competências gerenciais por meio de treinamentos específicos. 15. Índice de capacitação gerencial DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Verifica a evolução das iniciativas de capacitação em competências gerenciais dos servidores do CENIN, pela participação em cursos ou eventos de teor gerencial com, pelo menos, 8 (oito) h/a. Percentual de servidores com capacitações voltadas à Gestão de TI concluídas em relação ao número total de servidores. DEPES e CEFOR Anual Positiva Simone Carvalho Junqueira Osório/CENIN 34,72% 50% 60% 70% 80% Pessoas e Tecnologias 27

22 Plano Estratégico do CENIN Prospectar e internalizar tecnologias que agreguem valor. Pesquisar e conhecer as tecnologias estabelecidas ou emergentes com o objetivo de avaliar os benefícios de sua adoção na Câmara dos Deputados. 16. Índice de adoção de tecnologias por iniciativa de prospecção do CENIN Pessoas e Tecnologias DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Mede a relação entre o número de tecnologias novas adotadas por iniciativa de prospecção do CENIN em comparação com o número total de tecnologias novas adotadas. Distinguem-se aqui as tecnologias novas adotadas por iniciativa do CENIN daquelas adotadas em decorrência de escolha, de indicação ou de iniciativa de prospecção pelos próprios clientes demandantes da solução. Número de tecnologias novas adotadas por iniciativa de prospecção do CENIN dividido pelo número total de tecnologias novas adotadas, no período. CAINF/CESAN/CODIS/COREL/COSEV Semestral Positiva Guilherme Feijó Rocha Lima - CAINF - 90% 95% 97% 100% 28

23 Objetivos Estratégicos Adequar infraestrutura para desenvolvimento das ações do CENIN. ** Promover mudanças na infraestrutura utilizada pelo CENIN que resultem em condições adequadas para a realização de suas atividades, envolvendo melhorias das ferramentas de trabalho e no espaço para pessoas e equipamentos. DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * Número de processos de negócio críticos sustentados por infraestrutura obsoleta Quantifica os processos de negócio críticos cujas soluções de TIC se baseiam em ferramentas, tecnologias, plataformas ou equipamentos obsoletos ou próximos da obsolescência. Medido pelo somatório do número de processos de negócio críticos sustentados por infraestrutura obsoleta ou próxima da obsolescência. Deverá ser realizada uma classificação dos processos de negócios que são suportados soluções de TIC quanto a criticidade desses processos. Deverá ser mantido o rol de tecnologias em uso consideradas obsoletas ou em obsolescência. CAINF/CESAN/CODIS/COREL/COSEV Anual Negativa Eduardo Jorge Jardim Martins - COGES Pessoas e Tecnologias 29

24 Plano Estratégico do CENIN Número de ocorrências de interrupções totais ou parciais dos serviços mantidos pelo CENIN em decorrência de infraestrutura inadequada Pessoas e Tecnologias DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE CÁLCULO FONTE FREQÜÊNCIA POLARIDADE RESPONSÁVEL LINHA DE BASE * - Verifica o impacto de deficiências de infraestrutura na prestação de serviços de TIC. Número de ocorrências de interrupções totais ou parciais dos serviços mantidos pelo CENIN em decorrência de infraestrutura inadequada. Deverá ser definida a relação de serviços a serem monitorados. Deverá ser definida a relação de componentes da infraestrutura cuja inadequação às necessidades dos serviços em produção podem ser causadores de interrupções nesses serviços. CAINF/COSEV Anual Negativa Eduardo Jorge Jardim Martins - COGES * A linha de base só foi calculada para os indicadores para os quais, no presente momento, foi possível levantar dados e definir o processo de cálculo. ** Os indicadores 17 e 18, relativos ao objetivo Adequar infraestrutura para desenvolvimento das ações do CENIN, ainda carecem de definição quanto ao seu processo de cálculo. Por esse motivo, ainda não trazem suas linhas de base e suas metas. 30

25 3.d) Painel de Indicadores PAINEL DE ES DO CENIN OBJETIVO ESTRATÉGICO DESCRIÇÃO DO RESPONSÁVEL Entregar e manter soluções de TIC alinhadas à estratégia da Câmara dos Deputados Contribuir para modernizar e integrar processos da Câmara dos Deputados. Aprimorar o atendimento aos parlamentares e órgãos da Câmara dos Deputados. Desenvolver e manter soluções corporativas com agilidade e qualidade. Desenvolver a gestão de projetos. Aprimorar os processos de gestão de recursos e serviços de TIC. 1. Taxa de projetos estratégicos de TIC atendidos. 2. Taxa de processos de negócio modelados que contam com solução de TIC priorizada e entregue. 3. Índice de satisfação do usuário. 4. Índice de disponibilidade das soluções. 5. Índice de adesão às práticas de gerenciamento de projetos. 6. Taxa de implantação do ITIL. Verifica a realização das entregas planejadas dos projetos estratégicos atribuídos ao CENIN em um determinado período, considerados os prazos acordados ao longo do projeto. Verifica o percentual de processos de negócio modelados contemplados com a entrega de solução de TIC que os apoiem. Verifica a percepção do usuário com relação ao atendimento de suas expectativas quanto aos serviços prestados pelo CENIN. Expressa o percentual do tempo de disponibilidade dos principais serviços em produção, considerado o período de disponibilidade acordado para os serviços. Verifica o grau de adoção das práticas de gerenciamento de projetos conforme recomendação da direção do CENIN, pela mensuração da criação e atualização dos documentos de gerenciamento do projeto. Mede a evolução da implantação do ITIL no CENIN, em relação ao total de processos ITIL que o CENIN pretende implantar. Alfredo Luiz Campos Júnior - COGES Janaina Djenane Souza Catete - COGES Raquel Flores Garcia - COGES Jairo Coutinho de Oliveira - CAINF Janaina Djenane Souza Catete - COGES Eduardo Jorge Jardim Martins - COGES 31

26 Plano Estratégico do CENIN OBJETIVO ESTRATÉGICO DESCRIÇÃO DO RESPONSÁVEL Desenvolver arquitetura de TIC. 7. Taxa de tecnologias em uso em acordo com o padrão do CENIN. 8. Taxa de demandas atendidas sem autorização formal do processo de gestão de demandas. 9. Índice de atendimento a novas demandas. 10. Índice de satisfação dos servidores do CENIN quanto à integração entre as Coordenações. Relação entre as tecnologias padronizadas e o total de tecnologias em uso. Sérgio Dagnino Falcão - COGES Aprimorar a gestão das demandas. Mede o desalinhamento entre as demandas efetivamente atendidas e as demandas avaliadas e priorizadas pela gestão de demandas do CENIN. Rodolfo Cezar Ranulfo Vaz - COREL Ampliar a capacidade produtiva. Mede a capacidade do CENIN para atender a novas demandas de solução de TIC no período. Alfredo Luiz Campos Júnior - COGES Aperfeiçoar a comunicação interna e o relacionamento com o público-alvo. 11. Índice de divulgação dos serviços do CENIN. Mede o grau de satisfação dos servidores do CENIN quanto à integração entre as Coordenações. Quantifica o número de ações de divulgação, junto ao público-alvo, dos serviços de TIC criados e mantidos pelo CENIN. Mede o grau de satisfação dos servidores com seu ambiente de trabalho, com as atividades que desempenham e sua motivação para o alcance dos objetivos institucionais. Mede o percentual de servidores do CENIN com participação em eventos ligados à atividade profissional, no período (cursos de curta duração, seminários, palestras, congressos). Mede o percentual de servidores do CENIN com participação em eventos de especialização profissional (cursos em nível de pós-graduação, de longa duração), nos últimos 5 anos. Fábio Sérgio Cruz - COGES Raquel Flores Garcia - COGES Atrair e motivar pessoas. 12. Índice de satisfação dos servidores do CENIN. Fábio Sérgio Cruz - COGES 32 Promover a aprendizagem e o desenvolvimento profissional. 13. Índice de participação em eventos de curta duração. 14. Índice de participação em eventos de especialização. Simone Carvalho Junqueira Osório/ CENIN Simone Carvalho Junqueira Osório/ CENIN

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ES- TRATÉGICA Escritório Setorial de Gestão Estratégica da Diretoria Administrativa

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 2011-2015 ANEXO II À RESOLUÇÃO N O 02/2011

PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 2011-2015 ANEXO II À RESOLUÇÃO N O 02/2011 PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 2011-2015 ANEXO II À RESOLUÇÃO N O 02/2011 A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo." Peter Drucker (1909-2005)

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança ANEXO I CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS DO CAU Política de Governança e de Gestão da Tecnologia da Informação do Centro de Serviço Compartilhado do Conselho de Arquitetura e Urbanismo Colegiado Gestor

Leia mais

Ministério Público Federal. Secretaria de Tecnologia da Informação

Ministério Público Federal. Secretaria de Tecnologia da Informação Ministério Público Federal Outubro de 2012 Secretaria de Tecnologia da Informação Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2012-2020 Sumário Executivo Ao Sr. Márcio Medeiros, Ministério Público

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior RELATÓRIO DE RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR Outubro de 2011 Elaborado pelo Grupo de Trabalho Intersetorial para elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação PDTI, nos termos da Portaria nº 4551,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Noções Básicas Versão II Maio / 2011

Noções Básicas Versão II Maio / 2011 Noções Básicas Versão II Maio / 2011 ÍNDICE PARAÍBA 13ª REGIÃO Tribunal Regional do Trabalho 13ª Região Paraíba Paulo Maia Filho Desembargador Presidente Carlos Coelho de Miranda Freire Desembargador Vice-Presidente

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO Outubro 2015 AGENDA PMIMF Frente de Inovação Frente de Projetos - Plano de Comunicação - Painel Patrocinador - Case da SPE (Implantação do Escritório de Projetos) -Nova Versão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 022/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 09 DE OUTUBRO DE 2015 Dispõe sobre o

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

A TI E O PPA 2012-2015

A TI E O PPA 2012-2015 Governo do Estado de Mato Grosso Conselho Superior do Sistema Estadual de Informação e Tecnologia da Informação Sistema Estadual de Informação e Tecnologia da Informação WORKSHOP A TI E O PPA 2012-2015

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS: UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA

ESCRITÓRIO DE PROJETOS: UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 ESCRITÓRIO DE : UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA Amanda Monteiro Sizo

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI Dados de Identificação Dirigente máximo da instituição Nome/Sigla da instituição pública Nome do dirigente máximo Nome/Cargo do dirigente de TI Endereço do setor de TI 1 Apresentação O Tribunal de Contas

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2020 Ministério Público Federal Rodrigo Janot Monteiro de Barros Procurador-Geral da República Ela Wiecko Volkmer de

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Processo de Desenvolvimento de Software Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Processo de Desenvolvimento de Software... 04

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Semana de Estruturação do Escritório de Processos Objetivo do Curso

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS Setembro de 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 ESPECIFICAÇÃO METODOLÓGICA... 5 2.1 - DIAGNOSTICAR... 5 2.1.1 - Realizar

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

Diagnóstico da Governança da JF. Manual de Aplicação da Pesquisa

Diagnóstico da Governança da JF. Manual de Aplicação da Pesquisa Diagnóstico da Governança da JF Manual de Aplicação da Pesquisa 1. Modelo de Governança da Justiça Federal Ao que se pôde demonstrar, há três funções básicas que se extraem dos momentos pelos quais passou

Leia mais

Tribunal de Contas de Santa Catarina

Tribunal de Contas de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina Planejamento Estratégico 2013-2016 Tribunal de Contas de Santa Catarina Planejamento Estratégico 2013-2016 CONSELHEIROS Salomão Ribas Junior Presidente Luiz Roberto

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0 PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Versão 0 1.0 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Presidente Luiz Otávio Pimentel Vice-Presidente Mauro Sodré

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Modelo de Governança

Modelo de Governança Nome do Projeto Subproduto Responsável do Projeto / Área E-mail Desenvolvimento do Centro Nacional de Terminologia Moacyr Esteves Perche - DATASUS moacyr.perche@saude.gov.br Telefone (61) 3315-2915 Responsável

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação da CAPES

PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação da CAPES PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação da CAPES Elaboração: 2011 Execução: 2012/2013 1/33 Ministro da Educação Aluízio Mercadante Oliva Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Leia mais