UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO RODRIGO DE SIQUEIRA CAMPOS CHRISTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO RODRIGO DE SIQUEIRA CAMPOS CHRISTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO RODRIGO DE SIQUEIRA CAMPOS CHRISTO COMPORTAMENTO INOVADOR: FATORES GERADORES ANTECEDENTES E CONSEQUENTES NATAL 2011

2 RODRIGO DE SIQUEIRA CAMPOS CHRISTO COMPORTAMENTO INOVADOR: FATORES GERADORES ANTECEDENTES E CONSEQUENTES Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Potiguar, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Área de concentração: Gestão estratégica de negócios. Orientador: Prof. Dr. Alípio Ramos Veiga Neto NATAL 2011

3 RODRIGO DE SIQUEIRA CAMPOS CHRISTO COMPORTAMENTO INOVADOR: FATORES GERADORES ANTECEDENTES E CONSEQUENTES Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Potiguar, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Área de concentração: Gestão estratégica de negócios. Orientador: Prof. Dr. Alípio Ramos Veiga Neto Data da aprovação: / /. BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Alípio Ramos Veiga Neto Orientador Universidade Potiguar - UNP Prof. Dra. Teresa de Souza Membro Examinador Universidade Potiguar - UNP Prof. Dr. Mauro Lemuel de Oliveira Alexandre Membro Examinador Externo Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

4 Dedico este trabalho à minha esposa Marcela Capeleiro pelo companheirismo e compreensão nos momentos mais adversos durante a difícil caminhada de chegar à glória com a obtenção do título de mestre.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus e pela bênção dos benfeitores espirituais por toda força concedida durante o desenvolvimento deste trabalho e pela oportunidade de evoluir como ser humano. Aos meus amigos que acreditaram em mim desde o início, especialmente, Luiz Carlos Tavarez, Gileno Senna Negreiros e Silvano de Araújo Teixeira. Agradeço as minhas avós queridas, que descansem no céu, Branca, Juanita e Velúcia, sei que vocês estão ao meu lado, me guiando e orientando, sempre estarão presentes na minha vida. Agradeço ao meu pai e minha mãe, por tudo que sou hoje, pela criação, dedicação, orientação, proteção e motivação para que eu sempre buscasse meus objetivos na vida. Agradeço a minha tia Maria e meus primos, por todo amparo em minha vida. Aos professores do mestrado, com especial atenção, ao meu orientador, professor Dr. Alípio Veiga, por toda paciência e sabedoria em me conduzir neste processo de aprendizagem tão doloroso, mas ao mesmo tempo tão gratificante. Sua orientação foi fundamental para que eu conseguisse concluir essa dissertação e evoluísse como pesquisador e profissional. A todos que fazem parte do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, desde meus colegas de turma, à assistente da coordenação Nadja Dantas, com especial reconhecimento, à coordenadora professora Dra. Tereza de Souza. Aos familiares e amigos, direta ou indiretamente, por participarem sempre na minha vida.

6 Ao professor Dr.Fernando Lenzi pelo incentivo no trabalho e pelos trabalhos científicos disponibilizados como contribuição para minha pesquisa. Ao professor Dr. Mauro Lemuel de Oliveira Alexandre pela satisfação em participar da minha defesa de dissertação de mestrado. Dedico especial agradecimento a minha esposa e companheira, Marcela, que sempre esteve ao meu lado, sendo paciente e tolerante nas minhas horas de cansaço e angústia para terminar esta dissertação do mestrado.

7 O mais importante da vida não é a situação em que estamos, mas a direção para a qual nos movemos (Oliver Wendell Holmes)

8 RESUMO A inovação e o empreendedorismo são temas muito discutidos pela literatura científica, essencialmente, sua relevância para a competitividade das organizações e qual seu impacto social e econômico. Nesse contexto, a fim de compreender o que leva o indivíduo a inovar e o que poderá diminuir sua propensão para inovação, buscou-se neste trabalho investigar os fatores antecedentes estimuladores e consequentes reforçadores que levam ao comportamento inovador baseado no modelo comportamental da Tríplice Contingência proposta por Skinner (1981) e inspirado no modelo teórico proposto por Foxall conhecido como modelo da perspectiva behaviorista (Behavioral Perspective Model - BPM). Foi adotada uma pesquisa exploratória para identificar quais variáveis relacionadas aos eventos antecedentes e aos eventos consequentes podem ser estimuladores ou reforçadores para um comportamento inovador. A pesquisa utilizou um universo de indivíduos empreendedores donos do próprio negócio ou gestores das organizações de todas as regiões do país, cuja amostragem de 224 sujeitos, serviu como referência para a investigação. Os principais resultados obtidos demonstram que o comportamento inovador possui uma relação com o comportamento empreendedor além de constatar que o processo de aprendizagem do indivíduo, pode ser um forte elemento estimulador para que se implemente a inovação nas organizações, uma vez que a aprendizagem e a interação social foram consideradas pelos sujeitos como o principal fator que estimula o comportamento inovador. Verificou-se que apesar de existirem trâmites necessários, falta de apoio do Governo ou custos envolvidos para inovação, como fatores que podem levar ao comportamento de esquiva, estes não impedem os sujeitos de inovarem nas suas empresas, ou seja, a inovação é um fator que ocorre nas organizações em decorrência dos empreendedores inovarem independente das dificuldades ou barreiras que possam minimizar a ocorrência de práticas inovadoras. Conclui-se que o comportamento inovador ocorre quando existem estímulos antecedentes discriminativos e que o indivíduo voltará a inovar caso existam conseqüência reforçadoras. Palavras-chave: Comportamento Inovador. Behavioral Perspective Model. Tríplice Contingência. Inovação. Empreendedorismo.

9 ABSTRACT Innovation and entrepreneurship are highly topical issues in the scientific literature, essentially, their relevance to the competitiveness of organizations and what is their social and economic impact. Bearing that in mind, to understand what leads an individual to innovate and which factors can reduce its propensity for innovation, this study sought to investigate the factors stimulating antecedents and the reinforcing consequences leading to innovative behavior based on behavioral model based in the Triple Contingency proposed by Skinner (1981) and inspired by the theoretical model proposed by Foxall model, known as Behavioral Perspective Model (BPM). We adopted an exploratory research to identify which variables related to antecedent events and to subsequent events can be enhancers or boosters of innovative behavior. The research used a universe of entrepreneurs, business owners or managers, from all regions of the country in which the sample of 224 subjects served as a reference for research. The main results show that the innovative behavior has a relationship with entrepreneurial behavior, besides assessing that the learning process of the individual can be a strong stimulating element to implement innovation in organizations, since the learning and social interaction were considered by the subjects as the main factor which propels innovative behavior. It was found that despite the existence of necessary procedures, lack of governmental support for innovation or the costs involved, as factors that can lead to avoidance behavior, these factors do not prevent the subjects in their companies innovate, that is, innovation is a factor that occurs in organizations as a result of entrepreneurs to innovate regardless of the difficulties or barriers that may minimize the occurrence of innovative practices. It is concluded that the innovative behavior occurs when there is background discriminative stimuli and the individual will innovate again in case any reinforcing consequences occur. Keywords: Innovative Behavior. Behavioral Perspective Model. Triple Contingency. Innovation.Entrepreneurship.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Tríplice contingência do modelo Comportamental Figura 2 Modelo da Perspectiva Behaviorista Figura 3 Modelo da Perspectiva Behaviorista Figura 4 Modelo BPM adaptado por Melo Figura 5 Como prover a inovação Figura 6 Fatores que contribuem para uma organização criativa Figura 7 Fatores do mercado e ambiente que influenciam a natureza da resposta empreendedora Figura 8 CCI Contingencias do Comportamento Inovador Figura 9 Modelo de correlação entre estratégia e inovação Figura 10 CCI - Contingencias do Comportamento Inovador após Análise de Pearson

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Principais abordagens sobre empreendedorismo Quadro 2 Checklist de variáveis ambientais Quadro 3 Constructo Estímulo Ambiental com dimensões e variáveis dos fatores antecedentes do comportamento inovador Quadro 4 Constructo Histórico de Aprendizagem com dimensões e variáveis dos fatores antecedentes do comportamento inovador Quadro 5 Constructo Reforço Utilitário com dimensões e variáveis dos fatores conseqüentes do comportamento inovador Quadro 6 Constructo Reforço Informativo com dimensões e variáveis dos fatores conseqüentes do comportamento inovador Quadro 7 Constructo Esquiva com dimensões e variáveis dos fatores conseqüentes do comportamento inovador Quadro 8 Variáveis do comportamento inovador Quadro 9 Inclusão de novas variáveis e dimensões dos fatores do comportamento inovador após análise de conteúdo Quadro 10 Constructos após confirmação das variáveis do modelo CCI Quadro 11 Variáveis, dimensões e constructos do Modelo CCI

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Caracterização dos entrevistados quanto ao sexo Tabela 2 Caracterização dos entrevistados quanto à faixa etária Tabela 3 Caracterização dos entrevistados quanto à escolaridade Tabela 4 Caracterização dos entrevistados quanto à formação Tabela 5 Caracterização dos entrevistados quanto ao cargo que ocupa na empresa Tabela 6 Caracterização dos entrevistados quanto ao setor de atuação da empresa Tabela 7 Caracterização dos entrevistados quanto à região onde a empresa está situada Tabela 8 Médias obtidas por variável de acordo com o nível da importância dos fatores que levam ao comportamento inovador Tabela 9 Freqüência obtida por variável de acordo com o nível de importância dos sujeitos Tabela 10 Resultado KMO e Teste de Esferecidade de Bartlet do constructo Estímulo Ambiental Tabela 11 Médias de comunalidade entre as variáveis do constructo Estímulo Ambiental Tabela 12 Total da variância explicada do constructo Estímulo Ambiental Tabela 13 Resultado KMO e Teste de Esferecidade de Bartlet do constructo Histórico de Aprendizagem Tabela 14 Médias de comunalidade entre as variáveis do constructo Histórico de Aprendizagem Tabela 15 Total da variância explicada do constructo Histórico de Aprendizagem Tabela 16 Resultado KMO e Teste de Esferecidade de Bartlet do

13 constructo Reforço Utilitário Tabela 17 Médias de comunalidade entre as variáveis do constructo Reforço Utilitário Tabela 18 Total da variância explicada do constructo Reforço Utilitário 92 Tabela 19 Resultado KMO e Teste de Esferecidade de Bartlet do constructo Reforço Informativo Tabela 20 Médias de comunalidade entre as variáveis do constructo Reforço Informativo Tabela 21 Total da variância explicada do constructo Reforço Informativo Tabela 22 Matriz dos principais componentes do constructo Reforço Informativo Tabela 23 Total da variância explicada do constructo Reforço Informativo sem a variável Status Tabela 24 Resultado KMO e Teste de Esferecidade de Bartlet do constructo Esquiva Tabela 25 Médias de comunalidade entre as variáveis do constructo Esquiva Tabela 26 Total da variância explicada do constructo Esquiva Tabela 27 Matriz dos principais componentes do constructo Esquiva Tabela 28 Total da variância explicada do constructo Esquiva sem as variáveis Custos envolvidos para que se obtenha a inovação, Falta de apoio do Governo e instituições públicas Tabela 29 Matriz da correlação dos constructos dos fatores que levam ao comportamento inovador Tabela 30 Análise de Pearson da correlação dos constructos Tabela 31 Resultado KMO e Teste de Esferecidade de Bartlet do reagrupamento das variáveis

14 Tabela 32 Total da variância explicada do reagrupamento das variáveis Tabela 33 Médias de comunalidade entre as variáveis Tabela 34 Rotação da matriz dos componentes

15 LISTA DE SIGLAS BPM Modelo na Perspectiva Comportamental CCI Contingências do Comportamento Inovador OCDE Organização Para A Cooperação e Desenvolvimento Econômico

16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO PERSPECTIVA BEHAVIORISTA DO COMPORTAMENTO COMPREENDENDO INOVAÇÃO COMPREENDENDO EMPREENDEDORISMO Relação da Inovação com Empreendedorismo Modelo das Contingências do Comportamento Inovador Constructos do Comportamento Inovador Constructo Estímulos Ambientais Constructo Histórico de Aprendizagem Constructo Reforço Utilitário Constructo Reforço Informativo Constructo Esquiva METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA UNIVERSO E AMOSTRA VARIÁVEIS DE ESTUDO PESQUISA QUALITATIVA INSTRUMENTO E COLETA DE DADOS DA PESQUISA QUALITATIVA TRATAMENTO DOS DADOS DA PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUANTITATIVA Instrumento e Coleta de Dados da Pesquisa Quantitativa Tratamento dos Dados da Pesquisa Quantitativa... 65

17 4 RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DOS ENTREVISTADOS DA ANÁLISE DE CONTEÚDO ANÁLISE DOS RESULTADOS QUALITATIVOS ANÁLISE DOS RESULTADOS QUANTITATIVOS Caracterização dos Sujeitos Análise Descritiva das Variáveis do Comportamento Inovador ANÁLISE FATORIAL Análise Confirmatória dos Resultados Análise Exploratória dos Resultados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES

18 17 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em um mercado no qual as relações socioeconômicas estão mais próximas e interagem entre si, percebe-se uma constante mudança no comportamento humano. Esse processo de integração social, econômica, cultural e política faz com que a sociedade se torne mutável, em um processo de mudanças comportamentais diante das modificações do meio onde vivem. Diariamente, o consumidor é bombardeado por mensagens persuasivas, influenciando no seu comportamento e modo de pensar, sempre com o intuito de deixálo pré-disposto a ficar favorável à empresa anunciante. Tendo em vista que a indecisão no processo de compra e a dificuldade de escolher um serviço ou produto de uma empresa no lugar do produto da concorrente, o consumidor se transforma em um mutante, fato que resulta numa dificuldade das empresas de atingir a mente do consumidor. (SOLOMON, 2011; KOTLER; KELLER, 2006; HONORATO, 2004). Diante da diversidade de bens e serviços disponíveis ao mercado para o consumo, é importante conhecer meios de divulgar mensagens e oferecer benefícios ao público alvo de forma diferenciada tendo em vista as múltiplas escolhas que o consumidor possui. Com o mercado mais competitivo, surgem cada vez mais novos concorrentes. As mudanças constantes do comportamento do consumidor aliada à exigência total de qualidade dos serviços prestados pelas empresas, e ainda a necessidade de agregar maior escala de valores e benefícios possíveis aos clientes geram uma pressão nas organizações para que inovem. Não basta apenas permanecer no mercado. As empresas para se tornarem competitivas podem investir em inovação. Há no mercado uma tendência crescente de organizações oferecendo produtos e serviços semelhantes e a necessidade de

19 18 diferenciação para sobrevivência e aumento da competitividade acaba exigindo o desenvolvimento da capacidade inovadora do empreendedor (SANTOS, 2009). A partir deste cenário, é necessário conhecer de maneira mais estreita as reais necessidades do consumidor. Tendo em vista as diversidades comportamentais dos indivíduos, existirão similaridades comportamentais e apesar das diferenças, todos são de certa forma consumidores (SHETH; MITTAL; NEWMAN, 2001). Quando se trata de organizações, Cichocki (2008) reforça que oferecer produtos e serviços com eficácia não é o suficiente para que a empresa possa garantir sua competitividade e sobrevivência. É cada vez mais importante que as empresas foquem seus esforços em identificar as necessidades dos seus consumidores e possam ajustar suas ofertas às necessidades do público-alvo de tal forma que seus produtos ou serviços tenham melhores benefícios que dos concorrentes. Dada a forte concorrência do mercado, as organizações para sobreviverem precisam constantemente desenvolver novas ideias e conceitos que consolidem sua liderança competitiva e por meio da inovação se diferenciar da concorrência. É importante buscar entender o mercado como um todo, identificando os concorrentes, fornecedores e principalmente os clientes, levando as empresas a buscar sempre novas formas de interagir com seu mercado alvo e potencializarem suas forças competitivas (CICHOCKI, 2008). Para Ubeda (2009), com a similaridade de produtos e serviços sendo oferecida aos consumidores, a inovação pode ser percebida como a mola propulsora do aumento da diferenciação e competitividade das empresas. Conforme o autor reforça, para que se perceba a inovação é necessário que seja de alguma forma uma novidade para a empresa, para o mercado ou para o mundo. Com isso, verifica-se que as empresas pioneiras no processo da inovação podem ser identificadas como condutoras desse processo. Segundo Sarkar (2008) o comportamento inovador pode estar fortemente relacionado ao comportamento empreendedor, tendo em vista que os desenvolvimentos do espírito empreendedor e da inovação já não podem ser vistos como uma escolha e sim, como uma necessidade.

20 19 O autor reforça que para que se tenha inovação é necessário um conjunto de elementos que contribuirão para a cultura inovadora na organização, tais como: possuir uma ideia, perceber oportunidades e definir a melhor alternativa, aplicar a ideia e fazer com que tenha sucesso no mercado. Algumas dessas características para o processo da criação e da inovação podem se elencadas nas características intrínsecas do comportamento empreendedor, como por exemplo: busca de oportunidades, monitoramento das ações e correr riscos calculados. Há um modelo proposto por Skinner (1981) conhecido como tríplice contingência que serviu como base para que Foxall (1998) criasse um modelo teórico conhecido como Behavioral Perspective Model (BPM), esses modelos serão utilizados como base de referência nesta pesquisa para entender o comportamento inovador, tendo em vista que o modelo proposto por Skinner reconhece que existem estímulos que são antecedentes a um comportamento e há estímulos que são reforçadores, ou seja, propiciam um reforço para que uma ação seja repetida. Já na proposta de Foxall (2010), a qual procura estudar o comportamento de consumo, identificando variáveis antecedentes e as variáveis consequentes da respectiva ação de consumir, será utilizado neste modelo o reconhecimento que esses estímulos antecedentes podem ser definidos pelos estímulos ambientais e pelo histórico de aprendizagem do indivíduo, e, por fim, os estímulos reforçadores passam a ser reconhecidos por Foxall (2010) como fatores consequentes reforçadores; que podem ser caracterizados como: reforço utilitário, reforço informativo ou reforço utilitário punitivo e reforço informativo punitivo. O presente trabalho irá analisar quais são as variáveis antecedentes e as variáveis consequentes reforçadoras para que se gere um comportamento inovador. O modelo da tríplice contingência de Skinner (1981), bem como o modelo da perspectiva behaviorista do comportamento do consumidor (BPM) serviram de estrutura, e adaptados, foram aplicados no modelo proposto e usado nesta dissertação para investigar o comportamento inovador, ao qual denominou-se CCI (Contingências do Comportamento Inovador).

21 20 Buscando compreender o que gera o comportamento inovador do empreendedor, é importante entender quais as variáveis situacionais, ambientais e os reforçadores que podem gerar uma predisposição para um comportamento inovador, gerando uma predisposição para a inovação nas empresas. Com isso, este trabalho pretende responder a seguinte questão: Quais fatores antecedentes estimuladores e consequentes reforçadores levam ao comportamento inovador? 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Investigar fatores antecedentes estimuladores e consequentes reforçadores que levam ao comportamento inovador Objetivos Específicos Investigar variáveis que podem influenciar para a prática da inovação; Identificar variáveis que podem inibir o comportamento inovador; Analisar o grau de importância dos fatores que levam ao comportamento inovador; Analisar os agrupamentos de variáveis do comportamento inovador.

22 JUSTIFICATIVA A competitividade é fator de desenvolvimento socioeconômico de um país e também elemento transformador de uma sociedade. A inovação é o elemento intrínseco da competitividade, pois permite que as empresas - foco da transformação econômica e social de um país - busquem através dos conhecimentos e a utilização de recursos, e enfrentem de forma sustentável e contínua o mundo cada vez mais globalizado e dinâmico (KOTLER; KELLER, 2006; SANTOS, 2009, SARKAR, 2008; BESSANT; TIDD, 2009). A primeira concepção da importância desta pesquisa se dá pela compreensão do processo da inovação nas organizações e como o ambiente interno e externo, relacionado ao comportamento do indivíduo, podem favorecer ou não o comportamento inovador. Através do modelo de estudo proposto pode ser possível contribuir para o desenvolvimento de práticas que fomentem a inovação nas organizações a partir do reconhecimento dos fatores que favorecem o comportamento inovador, bem como, seja possível reconhecer os fatores que podem desfavorecer a inovação. O resultado desta pesquisa pode ainda contribuir para ampliar o conhecimento sobre o tema da inovação.

23 22 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 PERSPECTIVA BEHAVIORISTA DO COMPORTAMENTO Em Moreira e Medeiros (2007) encontra-se que todas as espécies apresentam comportamentos que são reflexos da sua interação com o ambiente, entendendo-se que reflexo, portanto, é uma relação entre estímulo e resposta, é um tipo de interação entre um organismo e seu ambiente (2007, p.19). Os autores reforçam que o estímulo é uma alteração do ambiente e a resposta é a mudança no organismo ocasionada pelo ambiente. Deste modo, verifica-se que constantemente os organismos estão de alguma forma, interagindo com o ambiente, sabendo-se que esta interação produzirá consequências que poderão ser reforçadoras, aumentarão a probabilidade da repetição da resposta ou serão aversivas e produzirão uma punição no organismo, que em resposta exercerá um comportamento aversivo para interferir na probabilidade da ocorrência futura. Sendo assim, esta resposta emitida pelo organismo irá produzir uma alteração no ambiente, e esta interação entre organismo e ambiente, produzirá constantemente mudanças para ambos. Baseado na teoria da tríplice contingência behaviorista proposta por Skinner (1981), o comportamento do indivíduo é resultado de contingências, ou seja, é consequência da interação entre o indivíduo e o ambiente, resultando em um comportamento operante. Verifica-se então, que estas contingências influenciam no padrão de comportamento do indivíduo. Partindo deste princípio que a contingência é o resultado da interação entre ambiente e indivíduo, Skinner (1981) propôs no modelo da tríplice contingência (Figura 1) os estímulos discriminativos (SD), resposta (R) e estímulos reforçadores (SR) como discriminantes do comportamento operante. Os estímulos discriminativos estão relacionados aos fatores que antecedem uma resposta, ocorrendo antes de uma ação. Estes estímulos resultarão em uma resposta que produzirá uma consequência, que baseado na experiência e informação

24 23 armazenada pela vivência anterior influenciará no comportamento futuro do indivíduo, sendo assim identificado como estímulos reforçadores. Nesta teoria da tríplice contingência existirão estímulos que serão antecedentes ao comportamento, ou seja, produzirão e desencadearão uma ação, e existirão estímulos que serão consequentes, sendo assim, reforçadores para que ocorra ou não novamente uma resposta, ou seja, repetição do comportamento. Fazendo um ainda um paralelo com Mintzberg (2000) seguindo a linha de pensamento da Escola Ambiental, as organizações são reflexo do meio ambiente, ou seja, reagem constantemente aos estímulos das inter-relações com os agentes do meio, fazendo com que as condições externas estimulem as empresas adotarem alguns comportamentos. Na visão dos autores que defendem este pensamento estratégico, o ambiente assume papel preponderante na construção e na forma que uma organização se estabelece no mercado, tendo em vista que a escola ambiental procede da Teoria Contingencial a qual descreve as relações entre determinadas dimensões do ambiente e atributos específicos da organização - por exemplo, quanto mais estável o ambiente externo, mais formalizada a estrutura interna (MINTZBERG, 2000, p.211). Para os teóricos contingenciais o desenvolvimento da estratégia de uma organização e por consequência sua forma de se comportar no mercado depende de vários fatores: do porte da empresa, da sua tecnologia, da hostilidade do ambiente externo e da estabilidade do seu contexto e entre outros. Para os pensadores da escola ambiental o ambiente apresenta-se à organização como um conjunto de forças gerais que conduzirão o processo de geração da estratégia e do comportamento da organização, ou seja, a empresa deve responder e se adaptar a essas forças ou ficará fadada ao fracasso e será eliminada (MINTZBERG, 2000). Figura 1 Tríplice contingência do modelo comportamental. Sd R Sr Fonte: Foxall (2010).

25 24 Na linha behaviorista, Foxall (1998) desenvolveu um modelo teórico (Figura 2) conhecido como Behavioral Perspective Model (BPM) que se baseia no comportamento de consumo inspirado na tríplice contingência proposto por Skinner (1981) levando em consideração as variáveis situacionais e ambientais e as consequências pós-consumo. Neste modelo busca-se desenvolver uma interseção entre o ambiente situacional e o histórico de aprendizado do indivíduo o qual gera um comportamento de consumo que resultará em três consequências: reforço utilitário, reforço informativo e consequências aversivas. De acordo com Foxall (1998), o reforço utilitário se refere à utilidade prática da compra e do consumo que o objeto representa para o indivíduo. Por exemplo: a compra de calçados protege os pés, benefício que o produto procede. O reforço informativo está relacionado ao feedback das reações e ações de outras pessoas, derivando desta forma do apelo social, status e aceitação social que o produto proporcionará. Por exemplo: o status social que o calçado pode representar diante da sociedade. Já consequência aversiva está relacionada à percepção negativa provocada por algum reforço negativo ou punitivo, que resultará em uma probabilidade menor de ocorrência do comportamento. Figura 2 Modelo da Perspectiva Behaviorista Estímulo ambiental Reforço utilitário Comportamento do consumidor Reforço informativo História de aprendizado Conseqüências aversivas Fonte: Adaptado de Foxall (1998). O mesmo modelo Behavioral Perspective Model proposto por Foxall (1998) foi modificado pelo autor (Figura 3) em uma das suas obras (Interpreting Consumer Choice

26 25 The Behavioral Perspective Model, 2010), na qual a consequência aversiva passou a ser inserida dentro dos fatores consequentes reforço utilitário e reforço Informativo. Desta forma, quando um desempenho do produto não atende ao seu propósito esperado, a utilidade do produto não atendeu as expectativas e satisfações esperadas pelo consumo, portanto, ocorre um estímulo aversivo, caracterizando-se como um utilitário aversivo, diminuindo a probabilidade da ocorrência do mesmo comportamento de consumo em relação ao produto. Já quando o feedback das reações de outras pessoas - como um estímulo público relacionado à aceitação social que o produto se propõe a fazer ocorre de maneira punitiva, gerando uma imagem negativa em relação ao produto - caracteriza-se então como um estímulo informativo aversivo, diminuindo a chance da ocorrência do mesmo comportamento de consumo (FOXALL, 2010). Figura 3 Modelo da Perspectiva Behaviorista. Estímulo Ambiental Reforço Utilitário Punição Utilitária Histórico de aprendizagem Comportamento de consumo Reforço Informativo Punição Informativa Fonte: Foxall (2010). Contudo, Melo (2010) adaptou o Modelo da Perspectiva Behaviorista de Foxall (2010), e acrescentou que a experiência punitiva para o indivíduo, a partir dos consequentes punitivos, ou seja, fatores que após o indivíduo inovar geram uma punição para o sujeito, poderão acarretar um comportamento de esquiva para que se

27 26 possa evitar uma consequência punitiva para o mesmo. O comportamento de esquiva influencia negativamente e diretamente no comportamento de consumo (Figura 4). Figura 4 Modelo BPM adaptado por Melo Estímulos ambientais Reforço Utilitário Estímulos antecedentes Comportamento de compra Estímulos reforçadores consequentes Histórico de aprendizagem Reforço Informativo Comportamento de Esquiva Punição Fonte: Melo (2010, p.38). 2.2 COMPREENDENDO INOVAÇÃO Como consequência da globalização, surge a concorrência global observando-se que empresas mesmo separadas geograficamente podem disputar um mesmo mercado ou região. Sabendo-se que a concorrência está em todo lugar, país ou região, e as empresas precisam se preparar para o mercado tão competitivo através da inovação. A inovação surge nesse cenário como uma poderosa ferramenta propulsora do desenvolvimento socioeconômico, sobrevivência e aumento da competitividade das empresas no mercado. Conforme Bessant e Tidd (2009, p.20) reforçam, se não mudarmos o que oferecemos ao mundo (bens e serviços) e como os criamos e ofertamos, corremos o risco de sermos superados por outros que o façam. Em última

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas.

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas. Empreendedorismo Colégio São José projetando Empreendedores Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos Empreendedorismo é uma livre tradução da palavra entrepreneurship. Designa uma área

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32 Empreendedorismo por José Dornelas Página 1 de 32 Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora O Mundo mudou. E o que eu tenho a ver com isso? Como as organizações desenvolvem-se nesse ambiente? A capacidade de mudança de uma organização é um dos fatores

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo PLANO DE ENSINO Novo Contexto Educacional ENSINO X APRENDIZAGEM SEGUNDO LESSARD Novo Contexto Educacional

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza EMPREENDEDORISMO Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza ORGANIZAÇÃO CONCEITO: A sociedade humana é feita de organizações que fornecem os meios para o atendimento de necessidades

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il.

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. EMPREENDEDORISMO Moreira, Alessandro Messias. M835e Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

Empreendedorismo. Corporativo Start up

Empreendedorismo. Corporativo Start up Empreendedorismo Corporativo Start up Definindo e entendendo o conceito: empreendedorismo Significa fazer algo novo, diferente, mudar a situação atual, de forma incessante, novas oportunidades de negócio,

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Em análise de qualquer empreendimento encontram-se dois tipos de empreendedor: o que empreende em relação à oportunidade

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Helen Peters e Rob Kabacoff A Hewlett Packard tem uma mulher por presidente; a ex-primeira dama norte-americana [Hillary Clinton] é, hoje,

Leia mais

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios Empreendedorismo Transformando idéias em negócios A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Educação Empreendedora

Educação Empreendedora Educação Empreendedora José Dornelas.br Agenda Conceitos Metodologias e referências mundiais Estado da arte O que ainda precisa ser feito Exemplos Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade Empreendedorismo

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Capítulo 1 O Imperativo da Inovação

Capítulo 1 O Imperativo da Inovação Capítulo 1 O Imperativo da Inovação Inovação e Empreendedorismo - John Bessant e Joe Tidd Daniel Madeira¹, Felipe Costa¹, Gabriela Jansen¹, Pedro Brandão¹ ¹ Integrantes PETMEC - UFF Mapa Conceitual 2 Inovação

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Adm. Alvaro Mello alvaro@teletrabalho.info Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos,

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir,

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, EMPREENDEDORISMO WESCLEY RANGEL ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, caracterizar e por meio de citações

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CEPE/UNICENTRO, DE 3 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Estratégica e da Inovação, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais