Um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação no ambiente de trabalho de um grupo universitário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação no ambiente de trabalho de um grupo universitário"

Transcrição

1 Um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação no ambiente de trabalho de um grupo universitário Christina Perpétuo Magalhães (UFV) Raphaela Real Isaac Piuzana (UFV) Marcos Fernandes de Castro Rodrigues (UFV) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar um modelo de implantação do Programa 5S, a apresentação de itens propostos para o cumprimento de cada etapa e a sua aplicação em um grupo universitário. Após a contextualização do presente trabalho, é feita uma explicação da metodologia em geral, e também de cada um dos sensos. Posteriormente, é apresentado o modelo, a aplicação e os resultados do 5S. O artigo é concluído com vista no programa, no modelo proposto e nos resultados obtidos. Palavras-chave: Equipe; Pesquisa; Programa 5S. 1. Introdução Empresas, órgão públicos, grupos de trabalho e diversos tipos de organizações buscam por formas de aumentar o seu potencial competitivo, com o propósito de obterem destaque dentro de sua área de atuação. No entanto, essas organizações enfrentam dificuldades para propor, implementar e mensurar soluções para os problemas que interferem no bom desempenho dos processos de trabalho. Diante disso, as ferramentas da qualidade foram desenvolvidas para se obter maior controle e adequação dos processos, no intuito de aumentar o desempenho das atividades e operações, robustecer o gerenciamento dos resultados, fomentar o processo decisório e realizar melhorias dentro de um ambiente organizacional. Juran (1991) se refere à Qualidade como o conjunto das atividades através das quais atingimos a adequação ao uso. A melhoria dos processos, bem como o cumprimento de metas e a obtenção de resultados almejados, decorrentes da aplicação sistemática de ferramentas da qualidade, exigem das organizações um elevado nível de monitoramento, controle, organização e comprometimento da equipe de trabalho. Portanto, o sucesso das práticas de qualidade está intimamente relacionado às mudanças comportamentais das pessoas que compõem a organização, no sentido de estimulá-las a adotarem práticas e rotinas que contribuam para a melhoria contínua dos processos e do ambiente de trabalho. O Programa 5S tem sido implementado em diversos tipos de organizações com o intuito de proporcionar um ambiente de trabalho mais adequado ao desenvolvimento da cultura da qualidade, pautada na conscientização e transformação comportamental das pessoas. Nesse sentido, esse artigo apresenta as ações desenvolvidas para o planejamento e 1

2 implementação do Programa 5S na Equipe Skywards de Aerodesign da Universidade Federal de Viçosa (UFV). A Equipe Skywards é um grupo de 28 estudantes coordenados por um professor, que tem por objetivo desenvolver e confeccionar uma aeronave de pequeno porte para participar de uma competição nacional. Para atingir o seu objetivo, a equipe desenvolve atividades de planejamento, montagem, teste, compras, dentre outras, e conta com um espaço reduzido para a realização de todas as atividades. Diante deste contexto, a gerência da Qualidade da equipe implantou práticas do Programa 5S, com o intuito de melhorar a organização do ambiente de trabalho, estimular a cultura da qualidade nos membros da equipe e melhorar o desempenho do grupo na competição nacional. O trabalho foi desenvolvido durante um período de três meses de intervenção, e contou com o apoio do Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica da UFV (DEP). Este trabalho apresenta o modelo do Programa 5S que foi desenvolvido e implementado pela Equipe Skywards de Aerodesign da UFV, incluindo as etapas que foram executadas, as dificuldades verificadas e os resultados obtidos. Concluiu-se que o Programa 5S contribuiu de forma positiva para melhoria do ambiente de trabalho, o aumento da motivação e empenho da equipe na realização das tarefas e a conscientização de todos quanto ao papel fundamental que cada um possui na melhoria contínua. 2. O Programa 5S A Qualidade, dentro de uma organização, impacta no aperfeiçoamento de resultados por meio de melhores formas e práticas em que os trabalhos são realizados e também por intermédio da medição, análise e melhorias baseada em indicadores desses trabalhos. É ainda essencial, tratar o conceito de melhoria contínua em paralelo aos princípios do Programa 5S, que visa o progresso gradual, na vida em geral (pessoal, familiar, social e no trabalho). Pode ser visto como um processo diário, cujo propósito vai além do aumento da produtividade, fomentando a motivação e bem estar das pessoas, redução do retrabalho e ações corretivas. O Programa 5S, ferramenta da qualidade, foi implantado pela primeira vez em uma empresa brasileira no começo da década de 90. Apesar de ser uma filosofia japonesa, ela tem sido adotada por vários tipos de organizações de diversos lugares, e pode ser útil até mesmo no dia a dia das pessoas. Sua aplicação visa à mudança de hábitos de todos os membros de uma organização, independente do setor em que atuam, com relação à organização, limpeza e ordem no local de trabalho, melhorando, assim, a eficiência e eficácia no trabalho. O programa consiste em 5 sensos: Utilização, Ordenação, Limpeza, Padronização e Autodisciplina. O Programa 5S influencia de maneira positiva uma organização, as pessoas e o ambiente, potencializando a melhoria da Qualidade. Tal programa muda o comportamento e as atitudes das pessoas pelo envolvimento e comprometimento que surgem com a implantação e manutenção dessas ações, segundo pesquisa conduzida por Godoy et al (2001). De acordo com Paladini (2000), ele pode ser considerado como um sistema organizador, mobilizador e transformador de pessoas e organizações. Campos (1992) nos coloca que o Programa 5S, visa mudar a maneira de pensar das pessoas, na direção de um melhor comportamento, para toda a vida. 2

3 Os 5 sensos são descritos a seguir: 1º Senso - SEIRI (Utilização, Arrumação, Organização, Seleção) O primeiro senso, o de Utilização, consiste em identificar e separar tudo aquilo que é necessário e desnecessário, descartando ou dando a devida destinação ao que não for útil para o ambiente e exercício das atividades. Devem ser eliminados não apenas materiais considerados desnecessários, mas também tarefas que dificultam o bom funcionamento das atividades. É necessário combater o hábito natural do ser humano de "guardar" as coisas, ou seja, é preciso identificar o porquê dos excessos de materiais, adotando medidas preventivas de forma a evitar o acúmulo de materiais desnecessários, de acordo com Lapa (1998). 2º Senso - SEITON (Ordenação, Classificação, Sistematização) O senso de Ordenação tem como principal objetivo identificar todos os itens necessários, organizando-os em locais definidos e de fácil localização. Segundo Osada (1992), para facilitar a ordenação, é preciso seguir três regras simples: determinar um lugar específico para cada objeto, definir como guardá-lo e obedecer às regras de arrumação. Com relação a este senso, deve-se levar em consideração a função do material, o seu tipo, a frequência em que o mesmo é utilizado, a facilidade que se espera para encontrá-lo e outros parâmetros considerados relevantes para a ordenação do ambiente de trabalho. 3º Senso - SEISOU (Limpeza, Zelo) Ter senso de Limpeza é eliminar a sujeira ou objetos estranhos para manter limpo o ambiente e também manter dados e informações atualizados. O mais importante desse senso não é o ato de limpar em si, mas sim o ato de evitar que o ambiente tenha que ser limpo, bloqueando as causas. É importante que cada pessoa participe e entenda a importância de não sujar. 4º Senso - SEIKETSU (Padronização, Integridade, Saúde, Asseio, Higiene) O senso de Padronização consiste basicamente em padronizar procedimentos, hábitos e normas de modo que sejam mantidos os três primeiros S anteriores, mantendo a higiene e a limpeza. De acordo com Hirano (1996), esta etapa pode ser alcançada seguindo as recomendações: Não permitir itens desnecessários (separação, Seiri); Não permitir bagunça (ordenação, Seiton); Não deixar sujeira (limpeza, Seisou). Consiste em criar condições favoráveis à saúde física e mental, fazendo com que todos se sintam bem no ambiente de trabalho para, assim, ter um grupo formado por pessoas bem dispostas. É preciso garantir um ambiente não agressivo e livre de agentes poluentes, manter boas condições sanitárias nas áreas comuns, zelar pela higiene pessoal e cuidar para que as informações e comunicados sejam de fácil leitura e compreensão. 5º Senso - SHITSUKE (Autodisciplina, Integridade) No senso de Autodisciplina, busca-se ter membros da equipe habituados a seguir os procedimentos operacionais, éticos e padrões estabelecidos pela organização, no entanto conscientes da necessidade de um constante aperfeiçoamento de todos no ambiente de trabalho. É importante que seu desenvolvimento seja resultante do exercício da disciplina inteligente, que é a demonstração de respeito a si próprio e aos outros. 3

4 A partir de uma visão sistêmica, tem-se que junto à realização do primeiro senso, deve-se contar com uma limpeza geral do local, para que a etapa do segundo senso possa ser realizada. Na etapa do segundo senso, é necessário direcionar os esforços a ordenar tudo o que foi considerado útil no primeiro senso. Na terceira etapa do método, deve-se executar a limpeza, garantindo que a ordenação da etapa precedente não tenha sido modificada. Já o quarto senso deve ser alcançado a partir das boas práticas dos três primeiros sensos, garantindo que os procedimentos, hábitos e normas estejam sendo cumpridos. Por fim, o quinto senso deve ser capaz de garantir que todas as etapas anteriores sejam mantidas. 3. Metodologia A abordagem metodológica adotada neste trabalho diz respeito a uma pesquisa-ação proposta por membros do setor da Qualidade do grupo facilitadores do método, na realidade da Equipe Skywards. Thiollent (1985), afirma que esta é um tipo de pesquisa social que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes representativos da situação da realidade a ser investigada estão envolvidos de modo cooperativo e participativo. No que tange a implantação da metodologia do 5S na equipe, a fase primordial consistiu na análise e diagnóstico da situação atual do grupo, na qual foram identificados problemas com relação à organização do ambiente de trabalho como um todo, e identificou-se a necessidade de serem vivenciadas melhorias neste quesito. Desta forma, o Programa 5S foi apontado, como um projeto viável a ser desenvolvido, capaz de proporcionar, em curto prazo, resultados consideráveis. A pesquisa se deu a partir de conversas formais e informais com alguns membros, principalmente pertencentes à área técnica do projeto, sendo que os principais relatos estavam na demora em encontrar materiais, equipamentos e ferramentas no local de trabalho, além de que a dificuldade em manter o espaço físico organizado e limpo, conferia aos integrantes condições de trabalho insatisfatórias. Contou-se também com a observação direta e participativa com relação à atual situação do grupo, durante as reuniões e as atividades de planejamento e desenvolvimento da aeronave. Como ponto crítico para o desenvolvimento das atividades da metodologia proposta, foi avaliado como essencial a dedicação por parte dos facilitadores na busca por conhecimento e adequação da teoria à prática. Assim, são apresentadas as etapas para um modelo de implantação do Programa 5S, e sua aplicação no ambiente de trabalho do grupo universitário. 4. Resultados e Discussões 4.1 A Equipe Skywards A Equipe Skywards de Aerodesign é composta por um professor orientador e estudantes de Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica e Física da UFV. Anualmente, o grupo realiza um projeto de construção de uma aeronave a fim de viabilizar a participação da Equipe na Competição SAE Aerodesign Brasil. O objetivo central do grupo é de promover o desenvolvimento da equipe, inserindo nela procedimentos, tanto técnicos quanto de gestão, a fim de atingir padrões de qualidade para projetar, produzir e realizar o voo de uma aeronave radiocontrolada, dentro dos requisitos de segurança, eficiência 4

5 Atividades estrutural, estabilidade de voo e desempenho, visando segurança operacional e melhores pontuações, seguindo os requisitos existentes no regulamento da competição. O objetivo do setor da Qualidade da Equipe Skywards, cujos membros agiram como facilitadores da metodologia 5S no grupo, é manter e melhorar continuamente as condições de planejamento e de desenvolvimento da aeronave em todos os setores do grupo, por meio de métodos de organização e padronização, e a partir de melhorias na gestão do conhecimento. Deste modo, a implantação do Programa 5S está alinhada a este objetivo e ao objetivo central da equipe, tendo em vista que a cultura do 5S visa à mudança para melhoria de hábitos, transformando para melhor as atitudes e comportamentos das pessoas com relação ao ambiente de trabalho, o que pode contribuir diretamente para melhorar as condições de planejamento e de desenvolvimento do projeto, tanto nos aspectos físicos como organizacionais. A metodologia 5S pode também ser considerada como a base para as demais atividades a serem desenvolvidas pelo setor da Qualidade dentro do grupo. A equipe conta com um espaço limitado no 1º piso para o desenvolvimento das atividades (montagem, transporte de materiais, confecção de componentes, corte, colagem), que é composto por duas mesas e duas estantes, além de caixas e um pequeno armário para armazenar ferramentas necessárias para a construção. O 2º piso, cujo acesso é a partir de uma pequena escada a partir do 1º piso, é uma área mais reduzida, utilizada para armazenar materiais de maior porte. A organização do local de trabalho é imprescindível para o bom andamento das atividades, principalmente devido à falta de espaço, o que faz com que o Programa 5S, portanto, seja necessário para a melhoria do desempenho da equipe. 4.2 Modelo para implantação do Programa 5S A FIGURA 1 expõe as fases propostas para a implantação e consolidação da metodologia 5S, e também os aspectos para efetivação de cada fase. A seguir, são comentadas as atividades propostas para cada etapa e como as mesmas foram inseridas na realidade da Equipe Skywards. As etapas de Planejamento, Conscientização e Implantação foram desempenhadas durante um período de 3 meses de intervenção, e propõe-se para as etapas de Melhorias e Consolidação, um período de 3 meses. Fases Planejamento Conscientização Implantação Melhorias Consolidação Definição objetivo; Estudo do tema; do Interação do grupo ao projeto; Criação do Plano de Ação. Análise inicial do ambiente; Divulgação informal; Divulgação formal; Formação de um grupo de apoio. Avaliação do local de trabalho; Preparação para o Dia da Grande Limpeza; Dia da Grande Limpeza; Definição padrões. de Lista de medidas e métodos; Melhoria contínua. FIGURA 1 Modelo proposto para implantação do Programa 5S. Formulação Manual Programa; Determinação auditorias; Definição Calendário 5S. do do das do 5

6 Planejamento O planejamento é a fase de preparação dos facilitadores e do grupo para os próximos estágios, e da programação do trabalho a ser desenvolvido. Definição do objetivo Após o diagnóstico inicial supracitado, deve-se inicialmente definir o objetivo da implantação para nortear todos os esforços relacionados ao desenvolvimento da metodologia. No caso da Equipe Skywards, foi definido que o objetivo central a se alcançar com o Programa 5S seria a conscientização dos membros, com a finalidade de melhorar a cada vez mais a organização do ambiente de trabalho. Estudo do tema O estudo detalhado do tema também se mostra essencial para que as abordagens teóricas possam ser bem entendidas e adaptadas à cultura, ao tipo de gestão e aos processos, que serão afetados pela aplicação do programa. Assim, os facilitadores devem realizar um estudo do assunto, que pode ser feito por meio de pesquisas na internet, em literaturas e periódicos, e também contando com a orientação de professores e alunos com experiência no conteúdo. Interação do grupo ao projeto Nesta etapa, é importante que as lideranças diretas e indiretas da organização sejam integradas ao projeto, para conhecerem seus benefícios e se comprometerem em auxiliar nas ações necessárias no decorrer das atividades. Todos os membros do grupo também devem ser informados e sensibilizados do trabalho planejado e dos benefícios previstos. Esta atividade pode acontecer até mesmo nas reuniões do grupo, assim como se deu no presente caso. Criação do Plano de Ação Por fim, o Plano de Ação pode ser elaborado, contendo todas as atividades subsequentes consideradas necessárias para a conscientização, implantação, melhorias e consolidação da metodologia, as ações para cada atividade, o modo com que cada uma será realizada, o prazo, quem serão os responsáveis e a situação de cada uma (Pendente, Em Execução ou Concluída). No grupo em estudo, foi necessário adaptar as atividades e datas levando em consideração a disponibilidade de horários dos integrantes, o tempo com que as atividades precisavam ser finalizadas, os recursos financeiros e o local. Conscientização A conscientização consiste na sensibilização de todos os envolvidos de que o trabalho está sendo desenvolvido para melhorar a performance do grupo e que os donos do 5S e responsáveis pelo sucesso do programa, são os próprios integrantes. Análise inicial do ambiente Para direcionar a conscientização dos envolvidos, é importante constatar observações pertinentes. O diagnóstico pode ser feito por meio de avaliações da forma de realização do trabalho, do próprio local de trabalho e de como os membros se sentem com relação ao ambiente. Além de conversas informais e observações, pode ser elaborado um questionário virtual ou impresso, com perguntas simples e objetivas, associadas à metodologia 5S, a como os membros avaliam sua disciplina com relação ao ambiente de trabalho e também com relação ao interesse de cada um sobre o programa. Um modelo de Questionário Inicial do Programa 5S é apresentado na TABELA A1, ANEXO A. Nesta etapa foi possível notar que a maioria dos membros tinha um conhecimento prévio no assunto, e se consideravam dispostos a colaborar com a implantação do programa. 6

7 Divulgação informal Nesta fase, a divulgação informal ou nomear o programa de uma forma diferente, também possuem uma importante colocação, tendo em vista que pela simplicidade, pode ser uma ferramenta eficaz para desmistificar o programa e buscar a conscientização de forma natural. Devem ser ratificadas as vantagens da metodologia e a necessidade de todos aderirem à ideia. Constatou-se que esta é uma atividade que pode acontecer durante todas as etapas do modelo, tendo em vista sua simplicidade e que as atividades de conscientização devem ser recorrentes. Divulgação formal A apresentação e sensibilização do tema de maneira mais evidente, também são importantes para garantir que todos serão integrados ao projeto. Podem ser utilizados recursos como slides, cartilhas explicativas e dinâmicas específicas. Devido à necessidade imediata da organização do local, esta etapa aconteceu após o Dia da Grande Limpeza, etapa da fase de implantação, o que pode ter dificultado a integração e conhecimento de todos, do trabalho. Formação de um grupo de apoio Dentro do contexto de conscientização, é também essencial a definição de uma equipe para fomentar as atividades do programa por toda a organização e zelar pelo cumprimento das mesmas, visto que os colaboradores que trabalham com a implantação, devem ter a função apenas de facilitar e orientar a todos. Como ponto falho nesta etapa de aplicação, foi definido apenas um membro do grupo que se mostrou engajado com o tema, para acompanhar as atividades, o que pode não ter sido muito eficaz se comparado à interferência que uma equipe maior poderia proporcionar. Implantação A implantação sugere um marco para que a metodologia possa se tornar, com o tempo, uma realidade no meio em que é inserida. Avaliação do local de trabalho Devem-se definir os limites físicos a se desenvolver melhorias, que no caso do presente estudo, consistia somente na sala de construção, área de trabalho rotineira do grupo. A avaliação do espaço físico que será envolvido pela metodologia, pode ser feito com base nas premissas dos 4 primeiros sensos. Neste contexto, foi realizada uma avaliação do local de trabalho, identificando os pontos críticos, o que possibilitou um melhor direcionamento para as etapas subsequentes. O resultado da avaliação é apresentado na TABELA A2, ANEXO A. Preparação para o Dia da Grande Limpeza Deve haver uma preparação para a organização do ambiente de trabalho, para que o mesmo possa acontecer de forma organizada. Foram providenciados sacolas de lixo grandes para facilitar o descarte, etiquetas para melhorar a ordenação e materiais para facilitar a limpeza do ambiente, assim como suprimentos e objetos de proteção, como luvas e máscaras, para os participantes da atividade. Nesta fase, devido às limitações do espaço físico e de data, foi preciso restringir o número de pessoas para participar deste momento. No entanto, o ideal é envolver a todos nesta atividade do programa, para haver uma maior valorização do trabalho realizado. Dia da Grande Limpeza A organização propriamente dita pode ser intitulada como o Dia da Grande Limpeza. Esta etapa sugere um marco na implantação do Programa 5S, e deve envolver se possível, todos os integrantes. Durante este dia, aconteceu a organização do local 7

8 com relação aos 4 primeiros sensos, e o envolvimento dos membros participantes foi imprescindível para que as diretrizes de melhorias fossem ser traçadas. Conforme mencionado anteriormente, a divulgação formal da metodologia, etapa da conscientização, aconteceu após o Dia D, e além de dar ênfase para a conscientização quanto ao programa, foi apresentado o que já havia sido feito até então por meio de uma comparação do ambiente físico de trabalho, antes e após o Dia D e, ao final, foi reservado um espaço para sugestões, onde os integrantes puderam expor ideias de melhorias para o ambiente de trabalho, sentindo a importância que cada um exerce com relação ao trabalho do grupo. Definição de padrões Durante esta fase, devem ser definidos meios para garantir que a cultura continuará sendo vivenciada pelos integrantes. Como maneiras de padronizar o trabalho que já havia sido desenvolvido, foi reforçada a importância da autodisciplina com relação aos sensos; propôs-se também a ideia dos 15 minutos do 5S, que consiste em um tempo, ao final de cada dia de construção, para se dedicar às tarefas do programa e manter a organização, sendo afixada na sala de trabalho a importância desta atitude para o desenvolvimento do avião; e, propôs-se ainda, uma escala semanal de limpeza, organizada pelo setor de Gestão de Pessoas, para garantir a manutenção da limpeza com mais rigor. Melhorias A fase de melhorias consiste no aprimoramento das fases predecessoras, com a finalidade de corrigir falhas e facilitar a consolidação do programa. Lista de medidas e métodos Com base nas sugestões do grupo e em observações durante as fases de planejamento, conscientização e implantação, pode ser criada uma lista de materiais e medidas possíveis de serem providenciados, para melhorar o que foi organizado durante as três primeiras fases, em relação aos 5 sensos: utilização, ordenação, limpeza, padronização e autodisciplina. No caso da Equipe Skywards, foi elaborada uma lista de materiais e medidas auxiliares. Alguns itens presentes nesta lista são: identificação dos materiais armazenados em caixas; a estruturação do layout da sala de trabalho; a elaboração de manuais para as máquinas. Para a efetivação desta atividade, estão sendo levados em consideração os recursos financeiros e as prioridades de trabalho atuais do grupo. Melhoria contínua É de grande importância definir um meio para que a melhoria contínua seja prezada pelas próximas gestões da organização. Para motivar os incentivos, a inovação, motivação e a melhoria contínua no programa, foi desenvolvido, por um dos membros do setor da Qualidade, um trabalho capaz de orientar as futuras gestões na aplicação da ferramenta PDCA em itens avaliados como deficiências ou com possibilidade de melhoria no Programa 5S, após a consolidação. Neste caso, os problemas devem ser identificados, e deve-se partir para a elaboração de um plano com o propósito de sanar o mesmo. Após a execução do Plano de Ação, deve então ser checada a eficiência da correção do item levantado, ou seja, se os objetivos propostos estão sendo alcançados. No caso da correção ser considerada eficaz, o item corrigido pode ser padronizado. Caso contrário, se faz necessário agir corretivamente e elaborar um novo plano para correção do item identificado como falho. 8

9 Consolidação A consolidação consiste na definição de meios para a continuidade das atividades ligadas ao Programa 5S. Formulação do Manual do Programa A fim de garantir que o programa seja aplicado de forma clara, eficiente e eficaz, pode-se criar um Manual do Programa, em forma de um documento que sirva como registro e gestão do conhecimento com relação às diretrizes de cada senso, considerando as peculiaridades do meio em que for aplicado. Determinação das auditorias Assim, pode ser criado um Sistema de Auditoria 5S, definindo as formas pelas quais o programa será auditado sejam elas qualitativas por meio de observações e/ou quantitativas por meio de questionários com base no Manual e, também, determinando a frequência dessas auditorias. A partir de então, poderá ser utilizado o trabalho guia da aplicação da ferramenta PDCA, criado na etapa de melhorias, em itens específicos avaliados como deficiências e com possibilidade de mudança no Programa 5S. Além disso, este será um meio para medir a eficiência e evolução do programa na equipe. Definição do Calendário 5S Pode ser criado um calendário para prevenir que a alta rotatividade de integrantes não interfira no desenvolvimento da organização com relação à metodologia dos 5 sensos, orientando os responsáveis por acompanhar o programa nas atividades e datas de realização. Assim, espera-se que tais ações de intervenção, contemplem a consolidação do Programa 5S na Equipe Skywards de Aerodesign. 4.3 Resultados obtidos Com base nos conceitos estudados no referencial teórico, após a leitura de artigos sobre a implantação do Programa 5S, foi possível concluir que tal programa é primordial para a mudança comportamental e a otimização do trabalho da equipe. Com base na aplicação do modelo proposto, foram obtidos resultados positivos. No entanto, durante as fases do programa, ocorrem certas dificuldades que devem ser superadas, visando à melhoria contínua. Antes da implantação, além de vários materiais vencidos, existiam muitos objetos que não tinham utilidade para a equipe e ocupavam muito do já limitado espaço da sala. Os objetos/materiais sem utilidade foram, então, separados por alguns membros da equipe e descartados, liberando espaço para aqueles necessários. Os materiais se encontravam com baixo nível de ordenação, sem um local certo para cada um. Após o Dia D, foi possível observar uma melhora significativa na organização da sala, com a identificação através de etiquetas dos locais aonde os materiais devem ser guardados, o que permitiu que os membros da equipe encontrassem os objetos mais rapidamente durante a construção. Alguns comentários, dos próprios membros no ambiente de trabalho, relacionavam esta nova facilidade à metodologia 5S. Não era um hábito do grupo realizar a limpeza do local de trabalho, havia muita poeira nas estantes, nos materiais e na mesa e também lixo espalhado pelo chão. No Dia D, alguns membros se reuniram para realizar a limpeza. A escala da limpeza semanal apenas não foi cumprida na semana final da primeira etapa de construção. Neste quesito, foi notado que as 9

10 atitudes com relação aos 5 sensos decrescem em período de intenso trabalho, mas ainda assim foi possível identificar, por meio de observação direta, a atenção de vários participantes com relação à organização e ao programa. É preciso ainda trabalhar mais na conscientização dos membros, durante a etapa de melhorias, no que diz respeito à filosofia de não sujar. Havia poucas evidências de meios de padronização. Durante o Dia D, foram definidos locais para afixar partes de aeronaves de anos anteriores e também um quadro encontrado no dia da organização. O descarte foi facilitado por sacolas adequadas e uma lixeira mais espaçosa. Também foram disponibilizados e alocados materiais de limpeza. A FIGURA 2 mostra a organização da sala de trabalho do grupo, antes e após o Dia da Grande Limpeza. FIGURA 2 Ambiente de trabalho, antes e após o Dia D. Uma dificuldade encontrada durante a implantação do programa está relacionada à conscientização dos membros da equipe quanto à importância do 5S como um programa que vai além da limpeza, visando a autodisciplina. Para enfrentar essa dificuldade, é preciso apresentar aos integrantes os bons resultados que foram obtidos em pouco tempo, mostrando que é possível melhorar ainda mais, além de criar outras maneiras de motivá-los com o tema, como, por exemplo, um programa de recompensa ao membro que mais se destacar nas tarefas. Foram distribuídos indicadores de qualidade na fase de planejamento e após a fase de implantação, para um mesmo grupo de 8 representantes, cujo participaram das atividades de construção do projeto no ano anterior, e da construção do protótipo no projeto do ano vigente. As respostas foram enumeradas entre 0 e 4 para medir o quanto os membros concordam com cada uma das 20 alternativas que constam na TABELA 1 e as médias obtidas foram representadas na TABELA 2. TABELA 1 Questionário de indicadores de Qualidade. 1) O espaço da salinha é bem utilizado 11) O ambiente de trabalho é limpo 2) Não são encontrados materiais desnecessários no 12) Há uma boa manutenção da arrumação, ordenação local e limpeza 3) Os objetos no ambiente têm boas condições de uso 13) O ambiente é saudável e seguro 4) O local está sem excesso ou falta de materiais 14) Tenho o hábito de descartar os materiais que não tem mais utilização, no local adequado 5) É fácil identificar e localizar os materiais para 15) Tenho o hábito de colocar o material que utilizei construção no lugar onde encontrei 6) As máquinas têm manual para uso 16) Tenho o hábito de limpar o que sujei 7) Os objetos de uso pessoal ficam em local adequado 17) Tenho o hábito de cumprir escalas de trabalho com assiduidade 8) Os materiais de limpeza estão disponíveis 18) Estou me sentindo bem com relação ao ambiente (vassoura, panos, produtos de limpeza, outros) de trabalho 9) As lixeiras estão bem organizadas e identificadas 19) Sinto que minha opinião é ouvida pelo grupo 10

11 10) Os materiais de trabalho são limpos (máquinas, materiais de construção, prateleiras, outros) TABELA 2 Resultados dos indicadores. 20) O trabalho em equipe é muito bem realizado Comparando as respostas, é possível perceber, como resultado da implantação, uma melhora. E hoje a organização do ambiente de trabalho é considerada como o principal resultado do 5S na equipe. 5. Conclusões No que diz respeito ao Programa 5S, foi possível observar, também, melhorias no cotidiano das pessoas, afirmando-se como uma ferramenta simples e de amplas aplicações. Existem diversos fatores capazes de dificultar o sucesso do programa, tais como a dificuldade em se romper paradigmas, a falta de motivação que pode haver no grupo, a ausência de acompanhamento das atividades e as limitações de recursos em geral. Portanto, o tema deve ser introduzido de forma simples e motivadora, e para que o mesmo seja mantido, o monitoramento dos resultados e o planejamento de melhorias com base na realidade, devem ser frequentes dentro da organização. O modelo apresentado tem estrutura simples e de fácil aplicação para grupos universitários, podendo também ser adaptado a organizações de diferentes tipos e portes. Todavia, deve-se perceber que a metodologia em pauta não decorre da limpeza por si só neste caso, a mesma seria apenas um episódio temporário. O Programa 5S deve ocorrer principalmente no âmbito da conscientização das pessoas ligadas ao trabalho, para que a cultura de bons hábitos seja disseminada entre os colaboradores, preservada ao longo dos anos e melhorada continuamente. Assim, em uma equipe de trabalho, faz-se necessário o envolvimento de todos nas atividades relacionadas à metodologia em questão, para que seja compreendida a verdadeira essência do programa, e para que a melhoria do local de trabalho aconteça através da conscientização dos envolvidos. Durante a aplicação do modelo, notou-se que o principal limitador de determinadas atividades foi o tempo e a incompatibilidade de horários, o que pode ter afetado alguns resultados. Entretanto, foi possível compreender a contribuição da metodologia para mudanças positivas no comportamento dos integrantes do grupo e para uma maior organização no local de trabalho, que ainda que não sejam tão expressivas, foram de grande importância para o desenvolvimento das atividades recentes da equipe. Foram desenvolvidos hábitos e rotinas capazes de fomentar a manutenção e melhoria dos resultados do Programa 5S, e consequentemente, o bem estar e a produtividade da Equipe Skywards de Aerodesign. 11

12 4 SENSOS Referências BALDISSERA, A. Pesquisa-Ação: Uma metodologia do conhecer e do agir coletivo. Sociedade em Debate, Pelotas, 7(2):5-25, Agosto/2001. BORBA, M. de; MATSUMOTO, E. H.; MICHELUTTI, F.; CASTRO, R. B. de; LANGHAMMER, T. T. Elaboração de um modelo de implantação do Programa 5S e sua aplicação em uma montadora de bicicleta. XVII Simpósio de Engenharia de Produção SIMPEP, Bauru (SP), GRYNA, Frank M. Treinamento para Qualidade. In: JURAN, J. M.; GRYNA, Frank, M. Juran Controle da Qualidade Handbook, Vol. II. São Paulo, NUNES, C. E. de C. B.; ALVES, I. B. S. Implantação do Programa 5S no departamento pessoal de uma empresa de segurança privada (Estudo de Caso). XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção ENEGEP, Rio de Janeiro (RJ), SILVA, C. E. da. Implantação de um PROGRAMA 5S. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção ENEGEP, Ouro Preto (MG), SILVA, M. Z. e; MELO, L. F. de. Uma solução para organização: Programa 5S. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção ENEGEP, São Carlos (SP), ANEXO A Tabelas Instrutivas TABELA A1 Questionário Inicial do Programa 5S. 1 - Você conhece ou já ouviu falar sobre a Metodologia 5S? a) SIM b) NÃO 2 - Caso você conheça, acredita adotar hábitos compatíveis com o Programa 5S no ambiente de trabalho? a) SIM b) NÃO 3 - Com relação àquilo que você encontrou ou utilizou e acredita não ter mais utilidade, você: a) Continua na dúvida e deixa no lugar em que encontrou ou usou b) Descarta sem pensar duas vezes c) Analisa se o material ainda terá utilidade para definir se deve descartá-lo 4 - Com relação àquilo que você não está utilizando mais, você: a) Deixa no mesmo lugar e espera que alguém o retire b) Afasta de sua área, deixando em qualquer outro lugar, para não perder tempo c) Devolve ao local de origem, mesmo que isto tome certo tempo 5 - Com relação à sujeira gerada por alguma atividade, você: a) Deixa para que em algum momento seja limpado por alguém b) Passa a sujeira para outro lugar c) Faz a limpeza e deixa o ambiente limpo, para a realização das próximas atividades 6 - Você estaria disposto a contribuir para a implantação da Metodologia na Sala de Construção? a) Sim, e estaria disposto (a) a ajudar no que precisar para a implantação b) Contribuiria apenas com relação aos deveres de todos com relação à metodologia c) Não estou disposto a contribuir Utilização Ordenação Limpeza Padronização TABELA A2 Pontos críticos identificados. Espaço geral e dentro dos compartimentos mal utilizado; Materiais desnecessários; Existência de materiais vencidos; Entulho de lixo. Materiais e ferramentas desorganizados, em locais de difícil acesso durante a construção; Escassez de identificação dos materiais; Mesa desorganizada. Lixo espalhado pelo chão; Muita sujeira no ambiente em geral; Mesa, prateleiras, máquinas e materiais empoeirados. Falta de material para limpeza e de segurança; Lixeira cheia; Máquinas sem manuais; Caixas de papel úmidas; Fios mal alocados. 12

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Processos da Qualidade (JURAN) Planejamento Execução Monitoramento e Controle Planejar a qualidade Realizar a garantia da qualidade Realizar o controle da qualidade Inclui os

Leia mais

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL Programa 5S Base da implantação da qualidade total nas organizações. Introdução: É possível eliminar o desperdício (tudo que gera custo extra), em cinco fases, com base no programa 5S, surgido no Japão

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Resumo: O Programa 5S se baseia em cinco sensos com a finalidade de garantir

Leia mais

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Resumo Manter um ambiente de trabalho adequado à realização

Leia mais

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa DIA DA BERMUDA - 2011 Arrumando a nossa casa 2 Entenda o que são os 5S Para praticar o Dia da Bermuda, primeiro você precisa entender o que são os 5S... Princípios dos 5S 3 O conceito de 5S tem como base

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN APRESENTAÇÃO O Programa 8 S, Mudança e Qualidade de Vida, está sendo implantado na Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí, pela UNAFIN (Unidade Administrativa Financeira) para aumentar a qualidade e

Leia mais

Pontuação 0 5 10 15-03 ou mais itens no local de trabalho sem providências de descarte. - 02 itens no local de trabalho sem providências de descarte.

Pontuação 0 5 10 15-03 ou mais itens no local de trabalho sem providências de descarte. - 02 itens no local de trabalho sem providências de descarte. Ficha Auditoria do Programa 5S SENSO DE UTILIZAÇÃO/DESCARTE SEIRI - Separar o útil do inútil, eliminando o snecessário. Consiste em ixar no ambiente trabalho apenas o material útil, scartando ou stinando

Leia mais

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 1 CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! _Seiri _Seiton _Seiso _Seiketsu _Shitsuke _Shido _Sitsuyaki

Leia mais

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos.

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. O QUE É O 5S? Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. TAMBÉM É CONHECIDO COMO HOUSE KEEPING 2 QUAIS SÃO OS SIGNIFICADOS

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt 5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt Usado para solucionar os problemas comportamentais nas empresas, principalmente para formar uma cultura de combate ao desperdício, à desordem,

Leia mais

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA ARENA, Karina de Oliveira 1 ; BUGLIA, Patrícia Rodrigues 1 ; PEREIRA, Mariane Francine Pereira 1 ; TAMAE, Rodrigo Yoshio 2 1-Acadêmicos do curso de Administração de

Leia mais

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas (Produto 2) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO

Leia mais

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS RESUMO Williana de Souza Costa 1 Bruno de Araújo Santos 2 Carlos Alberto dos Santos Júnior 3 Jean Karlos Gouveia Januário 4 Natália dos Santos Pessoa 5 Osmar

Leia mais

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS - CCSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira São Luis 2013 GESTÃO DA QUALIDADE: Plano

Leia mais

A Base para a Qualidade Total

A Base para a Qualidade Total A Base para a Qualidade Total 1 HISTÓRIA Foi concebido por Kaoru Ishikawa em 1950, no Japão pós-guerra; Surgiu com a necessidade de por ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria São Paulo Assunto Assunto Página Página Introdução Introdução...... 01 01 Os Os Cinco Cinco s s...... 02 02 Seiri Seiri Utilização Utilização......

Leia mais

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos O Sistema Municipal de Bibliotecas de Guarulhos possui 11 bibliotecas, sendo 11 da Secretaria de Cultura e 1 espaço troca livros. Atendemos

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate

5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate 5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate Raquel Sassaro Veiga (FAHOR) rv000312@fahor.com.br Edio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br Vilmar Bueno da Silva (FAHOR) silvavilmarb@fahor.com.br

Leia mais

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE QUALIDADE COMEÇA COM 5S 5S = Filosofia de mudança comportamental baseada em cinco princípios básicos, cujas palavras sinônimas (em Japonês) se pronunciam com o som de

Leia mais

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Suelem Correia Garcia 1, Lohanne Oliveira Rodrigues 1, Rutiele Tamara Januário Rodrigues 1, Camilla

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60 O Programa 5S ESCOLA POLITÉCNICA André Gilmar Hélio Surgiu no Japão no fim dos anos 60 Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país ORIGEM 5S para lembrar as 5 palavras

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade.

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade. GESTÃO DA QUALIDADE Luiz Antonio Bertoli de Oliveira Prof. Pablo Rodrigo Bes Oliveira Centro Universitário Leonardo Da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Administração (ADG 0257)- Módulo I 08/11/2012 RESUMO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA Adriana de Fatima Meira Vital (UFCG) vital.adriana@hotmail.com Gislaine Handrinelly de Azevedo (UFCG)

Leia mais

Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S APAE. Programa de Qualidade Total. "O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos"

Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S APAE. Programa de Qualidade Total. O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos Projeto interdisciplinar para a eficiência - 5S 5 S APAE Programa de Qualidade Total "O 5S é uma atividade para ser praticada eternamente por todos" APRESENTAÇÃO O mundo do trabalho se apresenta cada vez

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Cargo / Função: Assessor de Planejamento e Gestão da Qualidade

Cargo / Função: Assessor de Planejamento e Gestão da Qualidade Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: COMPANHIA AGUAS DE JOINVILLE Responsável pela prática: Thiago Zschornack Cargo / Função: Assessor de Planejamento e Gestão da Qualidade Telefone fixo: (47)2105-1727

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO PROGRAMA 5S

GUIA PRÁTICO DO PROGRAMA 5S Avalie o Nível da Gestão 5S em sua Área de Trabalho Itens Avaliados 01. Existem objetos e recursos sem serventia na sua área de trabalho? 02. Existe desperdício observável, de qualquer espécie, em sua

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS

A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros. Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS A Sustentabilidade e a Inovação na formação dos Engenheiros Brasileiros Prof.Dr. Marco Antônio Dias CEETEPS O PAPEL DA FORMAÇÃO ACADÊMICA Segundo diversos autores que dominam e escrevem a respeito do tema,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Apresentação do programa 5S

Apresentação do programa 5S Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID 2011 Ciências da Natureza Apresentação do programa 5S Dia 04 de janeiro de 2012 Local: Escola Elisa Ferrari Valls Horário: 09h O "Programa

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS COSTA FILHO, UFPB, Professor Orientador, Aluisio, Aluisio@ct.ufpb.br. NEVES, UFPB, Discente bolsista, Ana Marília Andrade, contato@anamarilia.com.br.

Leia mais

Projeto ANTT Sustentável

Projeto ANTT Sustentável PROGRAMA DE MELHORIA DE GESTÃO DA ANTT - PROMEG/ANTT Projeto ANTT Sustentável SENSIBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE & DESENVOLVIMENTO DOS 5 S Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA A saúde e a segurança dos nossos funcionários fazem

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com Programa 8S Promovendo a Qualidade de Vida O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S melhorar a qualidade de vida dos funcionários, transformando o ambiente da empresa,

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Exercício de cidadania

Exercício de cidadania 1 2 Exercício de cidadania Na década de 1980, tivemos no Brasil as primeiras experiências de Conselhos Comunitários de Segurança, sendo o Paraná precursor na constituição de CONSEGs e Mobilização Social.

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

ETRO ento S2i LABM PROGRAMA 5S a de Treinam Program

ETRO ento S2i LABM PROGRAMA 5S a de Treinam Program PROGRAMA 5S Agenda Objetivos do Programa 5S Origem do 5S Senso de Descarte Senso de Ordenação Senso de Limpeza Senso de Saúde Senso de Disciplina 2 Agenda Objetivos do Programa 5S Origem do 5S Senso de

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS Maiêutica - Curso de Ciências Contábeis PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS RESUMO Anair Vanderlinde 1 Nádia Nara de Godoy 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB0116)

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar Kleber Souza Bastos EngMEX A busca pelo aumento de produtividade e pela melhoria continua de qualidade levou ao largo uso de ferramentas de apoio. Com isso surgiram inúmeras ferramentas para aplicações

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO TEÓRICA DO PROGRAMA 5S NO CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATERIAIS DA UTFPR - CÂMPUS PONTA GROSSA

IMPLANTAÇÃO TEÓRICA DO PROGRAMA 5S NO CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATERIAIS DA UTFPR - CÂMPUS PONTA GROSSA IMPLANTAÇÃO TEÓRICA DO PROGRAMA 5S NO CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATERIAIS DA UTFPR - CÂMPUS PONTA GROSSA Fernanda Brekailo (UTFPR ) nandabrekailo@hotmail.com Michele Mugnaine (UTFPR ) michelemug@hotmail.com

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Certificação ANBT NBR 16001:2004 Sistema de Gestão da Responsabilidade Social O que é? É uma norma brasileira de responsabilidade social que tem caráter de sistema de gestão e propósito de certificação.

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

5S - 5 sensos da qualidade

5S - 5 sensos da qualidade 5S - 5 sensos da qualidade É um processo com cinco grandes passos que ajudam a organizar melhor trabalho. É um programa que busca tornar o dia a dia na empresa mais tranqüilo, através de : cuidados com

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA FACULDADE DE JAGUARIÚNA Campus I: (19) 3837-8800 Rua Amazonas, 504 Jardim Dom Bosco Campus II: (19) 3837-8500 Rod. Adhemar de Barros Km 127 Pista Sul Jaguariúna SP 13.820-000 http://www.faj.br e-mail:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO 5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II MARCIA TATHIANE DA SILVA RIBEIRO MANTOVANI

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II MARCIA TATHIANE DA SILVA RIBEIRO MANTOVANI CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II MARCIA TATHIANE DA SILVA RIBEIRO MANTOVANI PROGRAMA 5 S MARINGÁ 2011 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ MARCIA

Leia mais