ESTRATÉGIA DE MARCAS PRÓPRIAS NO VAREJO DE CALÇADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIA DE MARCAS PRÓPRIAS NO VAREJO DE CALÇADOS"

Transcrição

1 ESTRATÉGIA DE MARCAS PRÓPRIAS NO VAREJO DE CALÇADOS Kátia Buriol ESPM-RS, graduada em Publicidade e Propaganda Marise Mainieri de Ugalde ESPM-RS, professora de Graduação e Pós-graduação. RESUMO Este artigo se propôs a analisar a adoção de estratégias de marcas próprias por duas empresas do varejo de calçados do Rio Grande do Sul: a Eny Calçados e a Lojas Paquetá. Para tanto, realizou-se uma pesquisa exploratória, de vertente qualitativa com coleta de dados através de entrevistas em profundidade, junto a dois especialistas no tema marca própria e a dois gestores de marketing. Para o processamento dos dados, utilizou-se a técnica de análise de conteúdo. Através dos resultados foi possível entender que alguns dos motivos que levam um varejista a introduzir produtos de marca própria estão diretamente ligados a questão da lucratividade e fidelização dos consumidores; além disso, verificou-se como é construída sua estratégia de marca própria; e de que forma essas empresas utilizam a comunicação integrada de marketing para estrategicamente construir sua marca. Palavras-chave: Marca. Estratégia de marca própria. Varejo. Comunicação integrada de marketing. Calçados. ABSTRACT This article aimed to analyze the adoption of strategies for private label brands by two companies of retail shoe of Rio Grande do Sul: Eny Shoes and Sellers Paquetá. For this, an exploratory survey were qualitative data collected through interviews applied from two experts on the subject of private label brands and with the two managers marketing. For the processing of data collected, we used the technique of content analysis. Based on these results we wore able to understand that some of the reasons that makes a retailer introduce products with private label brands wore directly linked to the issue of profitability and consumer loyalty, in addition, we ve been able to understand how they built their own brand strategy; and how these companies use integrated marketing communications to strategically build your brand. Keywords: Brand. Private label strategy. Retail. Integrated Marketing Communication. Shoes. INTRODUÇÃO Inicialmente, os produtos de marca própria estiveram baseados principalmente no apelo de preço, apresentando produtos de baixa qualidade e de baixa atratividade, com embalagens simples que, segundo Kumar e Steenkamp (2008), dominavam apenas uma pequena parcela do mercado, a qual era considerada improvável de se tornar significativa. Porém, na última década, com o crescimento dos varejistas, o que os tornou mais exigentes em relação aos fabricantes, suas marcas próprias tornaram-se mais presentes e bem sucedidas, ganhando força suficiente para receberem investimentos em branding. Hoje elas possuem

2 uma identidade, um posicionamento e estão mais impregnadas de emoção e de uma imagem expressiva; não retratando apenas uma lógica funcional que as dominavam anteriormente. Para poder penetrar em vários segmentos ao mesmo tempo, os varejistas têm buscado construir estratégias de segmentação de portfólio de marcas. Segundo Aaker (2007), o portfólio de marcas inclui todas as marcas gerenciadas por uma organização e a estratégia de portfólio de marcas especifica a estrutura e o escopo do portfólio, os papéis e as interrelações das marcas do portfólio, tendo como objetivos criar sinergia, alavancagem e clareza. Como se pode notar, os varejistas vêm se especializando para gerir seus negócios, e os resultados desses investimentos em branding têm sido cada vez mais reconhecidos por parte dos consumidores e também pelos fabricantes, que passaram a ver as marcas próprias das grandes redes como fortes competidoras. Alvarez (2008) demonstra dados que apontam que o crescimento da participação em vendas desses produtos aumentou significativamente, não apenas em variedade, mas também em quantidade. Nos países europeus, sua participação é extremamente significativa, principalmente no Reino Unido. No Brasil, embora a participação ainda seja pequena, se comparada aos países europeus, a quantidade de itens mostra uma presença crescente, o que gera uma grande expectativa de expansão para os próximos anos. Esse significativo crescimento das marcas de distribuidores também pode ser atribuído aos investimentos dos varejistas no marketing delas. Se comparado aos gastos que os fabricantes possuem em publicidade, os varejistas têm algumas vantagens, como apontam Kumar e Steenkamp (2008). Uma das vantagens para o varejista é que há um ganho em termos de economia de escala, pois sua marca própria vende várias categorias de produtos. Em contraste, as marcas dos fabricantes estão geralmente limitadas a uma ou duas categorias; então o percentual de faturamento dirigido à construção da marca tende a ser maior. Além disso, outro ponto vantajoso para as redes varejistas é o fato delas possuírem melhores informações sobre os hábitos de consumo dos clientes dentro da loja, o que auxilia para desenvolverem seus produtos. E, também, podem favorecer suas marcas escolhendo os melhores lugares nas prateleiras e os locais mais chamativos para anunciarem suas ofertas no ponto-de-venda. Para Nascimento (2005), o mercado de marcas próprias vem crescendo de forma rápida, ganhando destaque no mercado nacional. Os segmentos mais comuns são o de supermercados e farmácias. Porém, há uma ascensão na introdução deste tipo de estratégia em varejos de calçados. Segundo Carmona (2008 apud Exclusivo Online, 2008) o melhor momento para o lojista implementar produtos de marca própria é quando a loja passa a ser reconhecida pelos consumidores da região em que atua. O autor reforça que ela tem de ser lembrada como um ponto no qual podem ser encontrados os melhores produtos acompanhados de um bom atendimento e condições comerciais adequadas e competitivas. Diante do exposto, analisando todo um histórico do varejo atrelado à evolução e ao gerenciamento das marcas até o aparecimento de marcas próprias dos varejistas, a questão que se coloca como elemento motivador deste estudo é como algumas empresas do varejo de calçados vêm introduzindo estratégias de marcas próprias em seus negócios? 1 MARCAS PRÓPRIAS: CARACTERÍSTICAS E TIPOS As marcas próprias, também conhecidas como marcas de loja ou marca de distribuidor, são definidas por Nascimento (2005, p. 7) como sendo os produtos ou marcas que pertencem a varejistas, atacadistas ou qualquer outro distribuidor de bens de consumo e que normalmente não possuem uma unidade produtora, uma vez que esses são vendidos apenas em estabelecimento próprio. Isto é, os produtos de marca própria, logo que surgem,

3 são comercializados nas lojas da própria rede, não sendo encontrados em outro local. Entretanto, quando vão ganhando força e reconhecimento, muitas delas podem passar a ser vendidas em locais diferentes de seu estabelecimento de origem e até mesmo revendidas. Kumar e Steenkamp (2008) propõem quatro tipos distintos de marcas próprias: (a) marcas próprias genéricas; (b) marcas de imitação; (c) marcas de loja premium; (d) marcas inovadoras de valor, sendo que para cada uma delas há estratégias bem estruturadas de implementação. Aliado a isso, a maioria dos varejistas gerencia um portfólio de marcas que incorpora vários tipos de marcas de loja, conseguindo, dessa forma, penetrar em segmentos distintos simultaneamente. As marcas próprias genéricas, inicialmente, eram identificadas como produtos baratos, inferiores. Na maioria das vezes um pacote com letras pretas, em fundo branco, simplesmente identificava o produto, como toalhas de papel ou ração para cachorros. Entretanto, esses produtos eram uma opção de compra para os consumidores de baixa renda, sensíveis a preço, pois o valor desses produtos era o mais baixo possível (KUMAR; STEENKAMP, 2008, p. 25). Para o varejista os genéricos não representavam um grande volume de vendas, não sendo estrategicamente importantes como resultado. Os produtos geralmente ficavam com uma disposição prejudicada e num local desfavorável na prateleira (as menos visíveis, perto do chão). Ao passar do tempo, os genéricos foram perdendo espaço para as marcas próprias de imitação, as marcas de loja premium e as marcas próprias inovadoras de valor. Foram as marcas próprias de imitação que, na maioria dos mercados, vieram substituir as marcas genéricas. Geralmente essas marcas são nomeadas com o próprio nome do varejista, e, são, na verdade, uma imitação das marcas dos fabricantes. Muitas vezes geram confusão nos consumidores, pois há uma grande semelhança na concepção da embalagem dos produtos, tornando os quase idênticos na prateleira (KUMAR; STEENKAMP, 2008). De maneira geral, a promessa básica das marcas de imitação é ter a mesma qualidade da líder de marca, porém com um preço muito mais baixo. Sendo assim, cria-se uma concorrência entre o varejista e o fabricante detentor da marca líder. Isso resulta num maior poder de negociação por parte do varejista, o qual fica com os maiores lucros da categoria, tanto pelas margens mais altas de sua marca própria quanto pelas margens mais altas que os fabricantes são obrigados a adotar para não favorecer a marca de loja (KUMAR;STEENKAMP, 2008, p. 30). As marcas de loja premium vieram para demonstrar a evolução do varejo em relação a percepção do consumidor. O objetivo é diferenciar-se dos produtos de marca própria dos demais varejistas que até então só tinham de diferente a embalagem, sendo, portanto, um setor muito commoditizado. Kumar e Steemkamp (2008, p. 35), sustentam que as marcas de loja premium são superiores em preço e qualidade em relação às marcas tradicionais de imitação. Entretanto, elas aparecem com preço mais baixo, mas são anunciadas como tendo qualidade superior. Tendo enfoques distintos, as marcas de loja premium se dividem em dois tipos: marcas de loja premium-lite e marcas de loja preço-premium. As marcas de loja premium-lite adotam a proposição melhor e mais barato. Para tanto, elas iniciam imitando o padrão das principais marcas de fabricantes e procuram construir um produto superior com um preço mais baixo. Por outro lado, as marcas de loja preço-premium possuem tanto preço alto quanto qualidade superior em relação às principais marcas de fábrica, adotando a proposição o melhor que você pode comprar (KUMAR; STEENKAMP, 2008). Ao contrário das marcas próprias genéricas e de imitação, as marcas de loja premium precisam de certos cuidados de gerenciamento como aprimoramento do produto e investimentos em competência de marketing os quais estão direcionados ao desenvolvimento

4 de produto, à pesquisa de mercado, propaganda, assim como ao design da embalagem. Para poder oferecer produtos de alta qualidade e exclusivos, o varejista precisa criar parcerias com os melhores fabricantes disponíveis, pois nesse relacionamento deve haver confiança e compromisso. O quarto tipo de marca própria proposto por Kumar e Steenkamp (2008) é a marca inovadora de valor. O foco central do modelo de valor inovador é oferecer produtos de boa qualidade com preços imbatíveis. Uma característica predominante desse tipo de marca própria é a transferência de funções de compra para o consumidor, com o intuito de reduzir os custos dos produtos. Além disso, um dos fatores-chave de sucesso desse modelo, também é visto como seu maior desafio: o posicionamento direcionado. Kumar e Steenkamp (2008) ressaltam que há algumas estratégias que podem ser adotadas por varejistas com marcas inovadoras de valor para expandir seus negócios procurando contornar esse desafio de concentra-se em um público específico. Uma delas é visar novos segmentos e a outra alternativa é expandir-se para outros mercados. Porém, para as duas opções é necessário ter um planejamento minucioso, uma vez que os produtos são bem focados em um nicho específico e o desejo de atingir novos segmentos tem por risco perder seu posicionamento-alvo, e, além disso, na maioria dos casos, os produtos possuem características intrínsecas do país de origem do varejista, podendo não ser bem aceito em outras localidades. 2 ESTRATÉGIA DE MARCAS PRÓPRIAS Uma das estratégias de formulação de uma marca própria é a definição do seu tipo (genérica, imitação, premium e inovadora de valor). Porém, a construção de uma estratégia de marca própria vai além disso, existindo outros fatores importantes que devem ser considerados nesse processo, como é apresentado a seguir. 2.1 Definição do nome A definição do nome da marca própria é uma etapa importante na construção da estratégia. Nascimento (2005) postula que é vital identificar os pontos fortes e fracos para cada formação do nome e também verificar a importância de se colocar ou não o nome da empresa no produto de marca própria conforme quadro 01. Marcas com o A maioria das empresas adota essa estratégia com o intuito de mesmo nome aproveitar o conhecimento da marca e a credibilidade reconhecida da empresa pelo consumidor. As vantagens neste tipo de formação do nome da marca própria é que o nome da empresa fornece a imagem da marca, auxiliando no aumento das vendas e na obtenção de lucro. Empresas com diferentes marcas Algumas empresas adotam a estratégia de não vincular seu nome aos produtos de marca própria. Neste caso, o foco é adaptar o nome ao mercado e á cada categoria. As principais vantagens nesse modelo são a flexibilidade para um trabalho individual de construção de marca, sem a influência do nome da empresa; possibilita oferecer maiores opções; atender a públicos distintos; e preservar o nome da empresa. Quadro 01 Tipos de escolha do nome da marca Fonte: Elaborado pelas autoras com base em Nascimento (2005).

5 2.2 Escolha do fornecedor Outro fator importante e estratégico na construção da marca própria é a escolha do fabricante que irá produzir os produtos. A escolha do parceiro certo envolve uma série de atributos que devem ser considerados para avaliar se este está apto a sustentar o crescimento do negócio do varejista. Para Nascimento (2005), os principais critérios a serem analisados são apresentados no quadro 02. Atributos Estabilidade financeira e situação fiscal do fabricante Capacidade produtiva do fabricante Capacidade de instalação/ crescimento das instalações Grau de competitividade do fabricante Histórico do fabricante Análise do tamanho do fabricante Auditorias de produção (certificação de fábrica) Descrição O fornecedor não pode se encontrar em uma situação economicamente ruim, pois existe o risco dele quebrar e isso influenciará no negócio do varejista. Além disso, deve-se checar a vida fiscal da empresa, principalmente o recolhimento dos impostos. O fornecedor deve ter capacidade de produzir a quantidade de produtos que o varejista precisa e não estar operando no seu nível máximo de produção e estar comprometido com outros clientes. O fabricante deve possuir uma estrutura física que possibilite a expansão de seu parque produtivo, pois se ele não dispõe desta capacidade, isto acaba por inviabilizar o crescimento do varejista que tem por meta o crescimento dos seus negócios. Para avaliar o grau de competitividade do fabricante, é necessário considerar não apenas a situação atual, mas também a sua desenvoltura competitiva para lidar com as mais diversas circunstâncias a todo e qualquer momento. Esta análise auxiliará na identificação da credibilidade e do reconhecimento que ele possui no mercado. Quando se trata de fabricantes mais antigos, com experiência reconhecida no mercado, tomar a decisão por ele é mais tranqüila, pois há riscos menores. Porém, quando são empresas mais novas, o nível deste risco aumenta e, por isso, recomenda-se fazer uma análise mais cautelosa. Ao decidir por uma empresa grande, os pontos positivos são o nome reconhecido no mercado, a segurança e a credibilidade que ela oferece. Como pontos negativos, tem-se o fato de que por ela ser grande, há outros interesses além do negócio de um único varejista, pois esta empresa possui outros clientes e sua própria marca, em alguns casos, em seu portfólio. Por outro lado, ao optar-se por um fabricante pequeno, sem nome reconhecido e menor experiência no negócio, pode-se obter mais atenção e agilidade, pois, muitas vezes, este fabricante quer mostrar-se capaz e acaba dando muito mais atenção ao negócio da empresa que a contrata. Etapa em que se confere tudo que foi levantado na coleta de informações, são realizadas visitas às instalações para verificar se realmente estão capacitados para a produção dos produtos. Esta auditoria pode ser feita pela própria empresa, mas o mais recomendado é que seja terceirizado, contratando um profissional ou empresa especializados em checar se outra empresa esta apta a produzir os produtos que se deseja.

6 Capacidade de manutenção da qualidade final do produto Um elemento crucial para a definição de um fabricante é a qualidade final do produto. Deve-se verificar se o fabricante entrega um produto que esteja dentro dos padrões de qualidade que a empresa deseja oferecer para os seus clientes. Quadro 02 Atributos para escolha do fornecedor Fonte: Elaborado pelas autoras com base em Nascimento (2005). 3 GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Conforme foi descrito, há quatro tipos de marcas próprias. Porém, muitos varejistas gerenciam um portfólio de marcas próprias composto por mais de um tipo delas, para assim penetrar em diversos segmentos. Dessa forma, combinam os quatro tipos de marcas próprias com as três estratégias de segmentação de portfólio de marcas próprias existentes: com base no preço, na categoria e no benefício. A segmentação baseada no preço requer duas ou três marcas próprias que auxiliem a atrair segmentos de preço distintos. A segmentação com base na categoria envolve vários produtos diferentes, mas dentro de uma categoria específica, já a segmentação baseada no benefício constrói marcas de loja individuais a partir das necessidades específicas do consumidor. Essa última permite mais flexibilidade para o varejista aderir a mudanças no estilo de vida e nas necessidades dos seus clientes (KUMAR; STEENKAMP, 2008). Os principais objetivos de se trabalhar com um portfólio de marcas é criar sinergia, alavancagem, relevância, clareza e tornar as marcas fortes. A questão básica de um portfólio é a sua composição. Deve-se acrescentar uma ou mais marcas? Certamente há situações nas quais o portfólio pode ser reforçado pela inclusão de marcas. Entretanto, esta marca a ser acrescentada no portfólio deve ter seu papel bem definido (AAKER, 2007, p. 33). De maneira geral, os varejistas podem apresentar complexos portfólios de marcas próprias assim como, podem ter apenas um tipo delas dentro do seu rol de produtos. Além disso, varejistas e fabricantes acreditam que os varejistas obtêm lucros mais altos quando vendem marcas próprias, no lugar das marcas de fabricantes, devido a melhores margens de lucro, maior alavancagem e construção da fidelidade à loja (KUMAR; STEENKAMP, 2008). Compreender essas complexas estruturas de portfólio de marcas próprias, assim como as estratégias utilizadas dentro de cada tipo de marca é de extrema importância para a posterior análise das empresas as quais este artigo se propõe a avaliar. Será possível identificar questões específicas da construção dessas marcas, como estratégia de preço adotada, forma e comunicação, posicionamento e construção de identidade das marcas de lojas dessas duas empresas, permitindo apontar diferentes práticas utilizadas no mercado. 4 A COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Para Shimp (2002), na última década verificou-se uma tendência denominada comunicação integrada de marketing, ou simplesmente CIM. Esta prática é considerada um dos desenvolvimentos mais importantes de marketing dos anos 90, pois, anteriormente as empresas costumavam tratar as ferramentas de comunicação como atividades teoricamente separadas. Hoje, com essa perspectiva, há uma sustentação de que a integração é um fator chave para o sucesso de uma empresa. Neste mesmo sentido, Ogden (2002) coloca que atualmente em meio à grande concorrência existente no mercado, é importante que empresas e profissionais de marketing levem até os consumidores informações sobre produtos e serviços de forma clara, concreta e

7 integrada. Isso quer dizer que deve haver um cuidado para que todos os integrantes da organização transmitam a mesma mensagem para seus clientes. Outro fator destacado por Shimp (2002) é que a CIM serve como papel estratégico para a construção de marcas, isto é, entre suas diversas funções a CIM pode ser projetada para aumentar o valor de marca e definir seu posicionamento. Um aspecto muito importante a ser coordenado no que tange à comunicação integrada no nível da marca, é que se deve ter o cuidado para que a marca fale a mesma linguagem em todos os veículos, eventos, programas, ou seja, a marca precisa passar uma única mensagem em todos os meios em que apareça. No que tange a relação comprador-fornecedor, é essencial a construção de um adequado elo de comunicação. Nesse sentido, há diversas ferramentas que podem auxiliar na construção de um bom relacionamento com o mercado, como a organização de eventos em conjunto; a seleção e a premiação dos melhores fornecedores; e a explicitação e a valorização dos produtos e das marcas dos fornecedores da comunicação publicitária. Tudo isso, pode resultar na atração de um número maior de fornecedores para a empresa, o que se resume em mais opções e possivelmente permite um maior poder de negociação para a organização (YANAZE, 2007, p. 334). Para Ogden (2002), o mix da CIM é formado por diversas variáveis, conforme figura 01, que envolvem relações públicas, publicidade, marketing direto, propaganda, venda pessoal, marketing de internet, promoção de vendas. Todas essas ferramentas devem ser trabalhadas em conjunto no sentido de comunicarem a mesma mensagem para todos os públicos de interesse. Figura 01 O Mix de Comunicação Integrada de Marketing. Fonte: Ogden, 2002, p. 14. Tendo então como pano de fundo as questões referentes à CIM e as ferramentas que a compõe, o presente artigo tem então como propósito fundamental a identificação de que forma as técnicas destas diferentes ferramentas são utilizadas estrategicamente para auxiliar na construção de marca, na divulgação e na venda de produtos de marcas próprias dos varejistas do setor calçadista gaúcho. 5 MÉTODO A investigação empreendida nesse estudo é denominada exploratória e é classificada como sendo uma pesquisa empírica, de vertente qualitativa, a qual é concebida através de estudo de campo, tendo como finalidade obter informações em relação a um determinado problema contextualizado. A escolha pela pesquisa qualitativa se torna adequada ao estudo, uma vez que se tem por objetivo alcançar uma compreensão das razões e motivações pelas quais duas empresas do varejo de calçados têm optado por adotar estratégias de marca própria (MALHOTRA, 2004).

8 Sendo assim, a busca por dados primários se deu através de entrevistas em profundidade, através de um roteiro guia com questões semi-estruturadas, as quais têm origem no problema de pesquisa e buscam tratá-lo como um todo (DUARTE; BARROS, 2006). Para a construção deste roteiro, foram identificados na revisão bibliográfica, os fatores relevantes a serem questionados e, além disso, foram entrevistados dois especialistas do tema marcas próprias que auxiliaram na formulação de algumas questões destinadas a entender como as empresas que atuam no varejo de calçados têm introduzido, construído e comunicado seus produtos de marca própria. No quadro 03, constam informações dos especialistas. APELIDO EMPRESA CARGO Especialista A Agência Escala Diretor de atendimento (Lojas Colombo) Especialista B Wal-Mart Gerente comercial de marcas próprias Quadro 03 Dados dos Especialistas Fonte: elaborado pelas autoras Como unidades de análise para este estudo foram escolhidas duas empresas no segmento de calçados que trabalham com produtos de marca própria inseridas em dois cenários distintos, pois desta forma acreditou-se que seriam trazidas informações singulares de cada uma delas, e também por possibilitar que o assunto fosse abordado com maior riqueza de ângulos. As unidades de análise foram então escolhidas por conveniência e tem por base a viabilidade, isto é, as fontes são selecionadas por proximidade ou disponibilidade (DUARTE; BARROS, 2006). Portanto, as unidades de análise selecionadas para o presente trabalho foram Eny Comércio de Calçados e Lojas Paquetá. A Eny é uma rede de lojas de calçados multimarcas atuante no mercado há 85 anos, com matriz em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Atualmente a empresa conta com 13 lojas: 8 em Santa Maria, 3 em Porto Alegre, 1 em Santa Cruz e 1 em Cachoeirinha. A escolha por essa empresa para realizar uma das entrevistas se deu pelo fato de ter em seu histórico a venda de produtos de marca própria em suas lojas. Hoje, esses produtos não estão mais sendo comercializados, porém, existe um projeto em construção para implementar novos produtos de marca própria, porém, como o nome de 1ª Quadra. Portanto, essa unidade de estudo se torna interessante para entender os motivos pelos quais se deixou de comercializar os antigos produtos de marca própria com o nome da empresa, e o porquê e como está sendo planejada a implementação desta nova marca própria. A Paquetá, inaugurada em 1945, em Sapiranga, no Rio Grande do Sul é pertencente ao Grupo Paquetá que possui unidades produtivas em mais de 13 estados do Brasil e na Argentina e é formada por várias empresas e negócios: indústria de calçados, varejo de calçados, fazendas, empreendimentos imobiliários, administradora de cartões de créditos, além de administrar outras marcas. Em todas as bandeiras do varejo multimarcas, a empresa trabalha com marcas próprias, sendo que em cada uma essas marcas possuem um nome distinto. Neste estudo, a unidade de análise foi a bandeira Lojas Paquetá, a qual comercializa produtos de marca própria há 5 anos. A escolha desta marca da empresa se deu por ela ter maior afinidade no mercado gaúcho e também por já ter sua estratégia de marca própria bem formulada e reconhecida no mercado. As entrevistas foram efetuadas em locais indicados pelos entrevistados, sendo a entrevista com a Eny Calçados, realizada no município de Santa Maria (RS) sede da empresa. O profissional entrevistado é responsável há 6 anos pelo departamento de marketing da empresa. Já a entrevista com a Paquetá, aconteceu na matriz da empresa na cidade de

9 Sapiranga (RS). O profissional entrevistado foi o diretor comercial da empresa que atua no mercado de varejo há 20 anos. Após a coleta de dados, os mesmos foram processados com o emprego da técnica de análise de conteúdo através do sistema categorial. De acordo Flick (2004), uma análise categorial tem a finalidade de organizar e sumariar os dados de forma que possibilitem, ao problema proposto para estudo, o fornecimento de respostas. 6 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS As categorias foram divididas a partir dos objetivos da pesquisa, resultando, desta maneira, nas seguintes categorias: introdução da marca própria, construção da marca própria e comunicação da marca própria. Com o intuito de facilitar o entendimento dos resultados, os respondentes foram identificados pelos apelidos Entrevistado A e Entrevistado B, conforme demonstrado no quadro 04. APELIDO UNIDADES DE ANÁLISE CARGO Entrevistado A Eny Calçados Gerente de marketing Entrevistado B Lojas Paquetá Diretor Comercial Quadro 04 Dados dos Entrevistados nas Unidades de Análise Fonte: elaborado pelas autoras 6.1 Introdução da Marca Própria Esta primeira categoria aborda questões ligadas aos motivos para a implementação dos produtos de marca própria de cada empresa, a qual engloba os benefícios trazidos pela marca própria e a identificação dos pontos fortes e fracos em se ter produtos de marca própria Motivos para implementação da marca própria De acordo com Souza (2007), na medida em que as preocupações do varejo deixaram de ser apenas a escolha da localização da loja, foram iniciados investimentos em branding, passando a fomentar pesquisa, marketing, posicionamento, embalagens, comunicação e ponto-de-venda. E assim, o varejo notou que detinha poder e que o consumidor reconhecia a sua marca o que gerou uma nova oportunidade: a criação de produtos com a sua própria marca. O relato do Entrevistado A ilustra a abordagem desse autor quando comenta que na primeira vez em que a empresa trabalhou com produtos de marca própria, ainda na década de 20, não havia uma questão formal sobre isso. Ele afirma: Era mais uma questão de situação. Por exemplo, compravam de fábricas que de repente não tinham marca e colocavam a marca da Eny. Algumas fábricas davam modelos exclusivos para a Eny. Porém, mesmo tendo essas características iniciais de implementação, os produtos exclusivos da Eny criaram uma identificação da loja, sendo que na época as pessoas iam para Santa Maria especificamente para comprar os sapatos da marca. De acordo com Nascimento (2005), a criação de uma marca própria, além de trazer um diferencial para a loja, diminui a dependência existente pelos produtos dos fabricantes, favorecendo o gerenciamento do negócio do lojista. Conforme o Entrevistado B, um dos principais motivos que levou à criação de produtos de marca própria foi a busca pela diferenciação e pela exclusividade. Isto se explica, segundo ele, pelo fato de notar que as lojas

10 multimarcas de calçados, em sua maioria, comercializam os mesmos produtos, pois todas compram das mesmas marcas, e, portanto, o que acaba influenciando o consumidor em efetuar sua compra em uma ou em outra loja é o atendimento. Dentro do contexto de lucratividade, o Entrevistado B reforçou que produtos de marca própria possibilitam trabalhar com margens operacionais maiores. De acordo com ele, os produtos com a marca da loja são mais rentáveis que os dos fabricantes, pois a margem de lucro dos primeiros é maior. As marcas podem despertar interesse, preferência e fidelidade a uma loja. Keller e Machado (2006) ainda reforçam que as marcas auxiliam na criação de uma imagem e no posicionamento de uma loja. Ao partir desta constatação, outro motivo que levou a Paquetá a introduzir produtos de marca própria foi a busca pelo fortalecimento da imagem da marca por associação via trinômio: bandeira da loja, produto e sacola (homônimas) (ENTREVISTADO B). De maneira geral, observou-se que os motivos que levam o varejo de calçados a introduzir produtos de marca própria são a diferenciação, o fortalecimento da imagem da marca e a lucratividade. Junto à diferenciação é possível acrescentar dois aspectos que estão diretamente interligados: a exclusividade e a fidelização dos clientes. Em relação à imagem, o produto de marca própria passa a ser mais um elemento de associação à marca da empresa. Já, no que tange à lucratividade, esta se dá pela possibilidade de embutir margens maiores Pontos fortes e pontos fracos da marca própria De acordo com os entrevistados os pontos fortes de uma estratégia de marca própria estão muito ligados aos próprios motivos que levaram a implementá-la e aos benefícios que podem ser trazidos por elas. Sendo assim, um fator importante apontado por Aaker (1998) é a marca como forma de identificação da origem do produto, tornando-se um diferencial dos concorrentes, uma vez que muitas vezes os produtos possuem características semelhantes. Neste sentido, o Entrevistado B aponta que a exclusividade e a diferenciação são alguns dos benefícios trazidos pela marca própria. Os motivos que o levam a esta conclusão estão atrelados ao fato desses produtos serem encontrados apenas em suas lojas, portanto, são exclusivos, tornando-se um diferencial à medida que os consumidores precisam ir até essas lojas específicas para adquirir o produto. Atrelado aos aspectos diferencial e exclusividade, o Entrevistado A acrescenta como ponto forte de uma marca própria a fidelização de clientes. Isto porque, na medida em que se oferece um produto exclusivo, o consumidor acaba por comprá-lo nessas lojas onde ele é vendido, e, portanto, acaba criando um relacionamento com a marca do varejista, podendo se tornar fiel uma vez que sejam satisfeitas suas expectativas. Esta concepção é reforçada por Semprini (2006) ao expor que o consumidor pode criar vínculos com uma marca, construindo um relacionamento de troca. No que se refere aos pontos fracos identificados na adoção de produtos de marca própria, Aaker (1998) aponta que nos dias de hoje é mais difícil construir marcas. O primeiro motivo são os custos de distribuição e propaganda que se tornaram mais elevados, e o segundo é o fato que um grande número de marcas vem sendo lançadas a cada ano. Neste contexto, o Entrevistado A aponta os investimentos em comunicação como um dos pontos fracos de uma marca própria. Afinal, este valor deve sair da própria empresa. No caso dos produtos das marcas de fabricantes, existe um aproveitamento da mídia comprada por eles. Outro ponto importante levantado pelo Entrevistado B, está diretamente ligado às ameaças do negócio. Segundo ele, ter produtos de marcas próprias influi em riscos muito

11 grandes aos quais a empresa fica submetida. Estes riscos em grande parte estão ligados à produção dos produtos. [...] caso o produto produzido não seja aceito pelo consumidor, a empresa fica com estoque parado deste produto, e acaba tendo que fazer grandes saldos para se desfazer desse estoque. Como o produto é da marca própria da empresa, esses saldos acabam respaldando diretamente na imagem da empresa (ENTREVISTADO B). Sob um aspecto geral, identificou-se que os pontos fortes de uma marca própria são a exclusividade; a diferenciação; a fidelização; e a lucratividade. Já os pontos fracos são o investimento em mídia; os riscos de produção; e os custos para gestão do negócio e manutenção da estrutura necessária para executá-lo. 6.2 Construção da marca própria Esta segunda categoria da análise dos resultados apresenta questões relativas a critérios para definição do nome dos produtos de marca própria, quais são os tipos identificados de marca própria, quais atributos costumam ser direcionados a esses produtos e como se dá a escolha do fabricante dos produtos Definição do nome No que se refere aos produtos de marca própria, a definição do nome é considerada uma etapa importante na construção da estratégia. Segundo Nascimento (2005), existe duas formulações habituais na criação do nome da marca própria: marca com o mesmo nome da empresa e empresas com diferentes marcas. Cada uma dessas construções possui seus pontos fortes e fracos, cabendo à empresa avaliar qual estratégia é mais adequada ao seu negócio. Para o Entrevistado A, em função da experiência anterior com produtos de marca própria, para a nova marca, optou-se por um nome que não esteja vinculado diretamente ao nome da empresa. Alguns motivos foram apontados para esta definição: (a) ao ter o nome da empresa no produto, qualquer problema que ocorra com este fica diretamente associado à empresa. As pessoas costumam vincular o defeito à marca. Por exemplo, dá um problema no sapato, já associam que é da Eny e julgam que a marca não presta ; (b) ao criar um nome diferente para a marca própria é possível proteger melhor a imagem da empresa. O Entrevistado B destaca que colocar o nome da empresa na marca própria faz com que se tenha a responsabilidade de oferecer algo de qualidade para o consumidor, pois o nome e a imagem da empresa ficam diretamente vinculados aos produtos. Ainda assim, a empresa trabalha com um portfólio de marcas próprias que abrange os dois tipos de construção. Dentre todas as marcas próprias, as de maior destaque são as que possuem o mesmo nome da empresa. Para o Entrevistado B, um ponto de destaque é que todo o reconhecimento da empresa respalda no produto. Torná-lo conhecido é um processo muito mais rápido do que na criação de um novo nome. De maneira geral, a definição do nome da marca própria está muito atrelado às características da empresa que a detém. Há vantagens e desvantagens tanto no modelo que leva o nome da empresa quanto no que é criado um novo nome para a marca própria Identificação do tipo de marca própria e posicionamento Kumar e Steenkamp (2008) propõem quatro tipos de marcas próprias sendo que para cada uma delas há estratégias bem estruturadas de implementação. Um fator importante a ser destacado, é que quando os entrevistados foram abordados em relação a esta questão

12 utilizou-se o termo marca própria por semelhança ao invés de marca própria de imitação, para evitar que algum não admitisse que trabalha com produtos que imitam os dos fabricantes. Para o Entrevistado B, no segmento de calçados é difícil se enquadrar em um tipo específico de marca própria por se tratar de produtos relacionados à moda. Para ele todas as marcas seguem uma tendência que está em pauta. O que ocorre são interpretações distintas dessas tendências. Por esse motivo, muitos produtos acabam sendo semelhantes. Em função de seguirem a moda, todas as marcas acabam tendo uma mesma linha de construção e desenvolvimento de produto. Por outro lado, o Entrevistado A acredita que a marca própria que está sendo construída pode ser classificada como uma marca própria por semelhança, pois o intuito é oferecer produtos semelhantes aos das marcas dos fabricantes, porém, a um preço mais acessível. Portanto, a idéia central é exclusividade e preço; ter produtos que são encontrados apenas na Eny, com preços abaixo das demais marcas. De acordo com Aaker (2007, p. 192), a identidade da marca é um conjunto exclusivo de associações com a marca que o estrategista de marcas ambiciona criar ou manter. Essas associações são a representação do que a marca deseja realizar e implicam uma promessa aos clientes, feitas pelos membros da organização. No caso da Paquetá, o Entrevistado B expõe que a imagem que queremos passar aos nossos clientes com nossa marca própria é o conjunto beleza estética (moda), qualidade e conforto. Sendo assim, existe uma preocupação por parte da empresa em estar sempre atualizada em relação às tendências de moda, a qual é suprida pela equipe própria de pesquisa e desenvolvimento de produto. Para Semprini (2006, p. 124), é a identidade de uma marca que o público conhece, reconhece e, eventualmente, aprecia. [...] é a identidade que define em poucas palavras a missão, a especificidade e a promessa da marca. No que diz respeito à Eny Calçados, o Entrevistado A destaca que os atributos da marca estão baseados no oferecimento de um produto bom, de qualidade e com o preço bom, sendo estas atribuições alinhadas com o posicionamento da empresa: variedade e preço. Um valor salientado pelo Entrevistado A é a identificação que a marca tem na região em que atua. Isto pode ser notado pelo fato de sua história estar diretamente ligada à cidade de Santa Maria e, portanto, isto resulta no reconhecimento e na credibilidade da marca na sociedade. De maneira geral, a identidade e o posicionamento de uma marca são características intrínsecas de cada empresa, dependendo diretamente dos objetivos definidos para àquela marca em específico. Como pode ser notado, mesmo no varejo de calçados podem ser identificados posicionamentos distintos para os produtos de marcas próprias, entretanto, uma variável constante apontada é a qualidade. Tanto o Entrevistados A quanto o B, apontaram como atributo de suas marcas a qualidade, mesmo cada uma tendo enfoques diferentes Escolha do fornecedor Outro fator importante e estratégico na construção da marca própria é a escolha do fabricante que irá produzir os produtos. Nascimento (2005) faz uma analogia desta etapa do processo de construção da marca própria com um casamento. Isto porque, segundo o autor é necessário estabelecer um elo de confiança forte e duradouro, que os objetivos dos dois varejo e fabricante sejam comuns. A escolha do parceiro certo geralmente resulta em uma união satisfatória para as duas partes, ao contrário, ao optar pelo parceiro errado, os prejuízos podem aparecer antes do previsto. No caso do Grupo Paquetá, de acordo com o Entrevistado B tem-se um cenário um pouco diferente, pois a empresa possui diversos negócios, além de ter indústria também possui um grupo de negócio que é o varejo de calçados multimarcas. Os produtos de marca

13 própria destinados às lojas da empresa são produzidos, em sua maioria, com fabricantes terceirizados. Os únicos que são produzidos na empresa são os premium, pois segundo o Entrevistado B assim se consegue ter um controle melhor da qualidade final, já que é um produto de valor mais agregado e precisa atender a um nível de qualidade mais alto. De acordo com Nascimento (2005), um ponto importante a ser avaliado na definição do fabricante é sua capacidade produtiva. Precisa-se verificar se a capacidade produtiva do fornecedor é compatível com a necessidade do varejista, afinal o fornecedor deve ter capacidade de produzir a quantidade de produtos que o varejista precisa e não estar operando no seu nível máximo de produção e estar comprometido com outros clientes. Em relação aos fabricantes terceirizados para produção dos produtos, o Entrevistado B aponta que são fábricas menores, pois é difícil encontrar um fabricante que deseje apenas produzir os produtos de marca própria do varejista. Ele gosta de vender os produtos com a marca dele também. Portanto, a maioria dos fabricantes ocupa uma parcela da sua capacidade produtiva com produtos de marca própria e o restante é para fabricação dos seus próprios produtos. Neste mesmo sentido, o Entrevistado A ressalta que antigamente até os grandes fabricantes aceitavam produzir produtos com a marca própria do varejista, entretanto, hoje, muitas fábricas não querem, eles querem a marca deles. Os grandes fabricantes estão muito mais voltados a trabalhar suas próprias marcas, pois investem um valor relativamente alto para comunicá-las. Um elemento crucial para a definição de um fabricante é a qualidade final do produto. Deve-se verificar se o fabricante entrega um produto que esteja dentro dos padrões de qualidade que a empresa deseja oferecer para os seus clientes. Afinal, ao colocar um produto de qualidade duvidosa no mercado o varejista pode comprometer a imagem da marca perante o consumidor (NASCIMENTO, 2005, P. 90). No que se refere à qualidade, o Entrevistado B aponta que este é um atributo de extrema importância para a empresa. Hoje, o cuidado com este aspecto se dá na fase de escolha do fabricante. Antes de contratá-lo é feita toda essa análise de qualidade e conforto dos produtos produzidos por ele. Segundo ele, este fabricante geralmente já é conhecido pela empresa e se tem uma identificação com o trabalho dele. Neste contexto, Nascimento (2005) ressalta que um fator relevante na definição do fabricante é o seu histórico. Afinal, esta análise auxiliará na identificação da credibilidade e do reconhecimento que ele possui no mercado. Quando se trata de fabricantes mais antigos, com experiência reconhecida no mercado, tomar a decisão por ele é mais tranqüila, pois acarreta em riscos menores. Porém, quando são empresas mais novas ou pouco conhecidas, o nível deste risco se torna mais alto, e por isso, é recomendando fazer uma análise mais cautelosa. Ainda sobre o quesito qualidade, o Entrevistado B comenta que infelizmente ainda não se tem na empresa uma equipe específica que vai até o fabricante para controlar diretamente se o que está sendo produzido atende ao padrão exigido pela empresa. Isso só é visto depois que o produto está pronto para abastecer as lojas. Entretanto, ele afirma que existe um planejamento na empresa para implementação desta equipe focada em certificar-se da qualidade do produto que está sendo entregue pelo fabricante de marca própria. Este fator realmente merece atenção, afinal Aaker (1998) ressalta que a qualidade percebida junto das associações e do nome bem conhecido oferecem razões de compra e afetam a satisfação de uso. Kumar e Steenkamp (2008) complementam que o consumidor convencido de que está comprando um produto de qualidade superior, torna as marcas próprias ainda mais lucrativas para os varejistas.

14 De maneira geral, vários são os aspectos que devem ser considerados na definição por um ou outro fabricante para a produção dos produtos de marca própria. Cabe a cada varejista analisar essas variáveis e identificar qual a melhor opção para atender a sua necessidade. 6.3 Comunicação da marca própria A última categoria do presente estudo demonstra de que forma os produtos de marca própria são divulgados para o consumidor e para os demais públicos envolvidos utilizando-se da comunicação integrada de marketing e suas ferramentas Comunicação para o consumidor final Para Shimp (2002, p. 31), comunicação é o processo pelo qual os pensamentos são transmitidos e o significado é compartilhado entre as pessoas ou entre organizações e pessoas. Segundo o Entrevistado B, o fato da marca própria ter o mesmo nome da empresa contribui para construção estratégica da comunicação dos produtos. Isto porque, praticamente todas as ações comunicacionais realizadas com a marca da empresa acabam respaldando em seus produtos de marca própria, as duas coisas estão diretamente ligadas. A credibilidade da marca da empresa é repassada para os produtos. Neste sentido, outro fator destacado por Shimp (2002) é que a comunicação integrada de marketing serve como papel estratégico para a construção de marcas, isto é, entre suas diversas funções a CIM pode ser projetada para aumentar o valor de marca e definir seu posicionamento. No que se refere aos investimentos em comunicação dos produtos de marca própria, o Entrevistado A destaca que a verba de marketing da empresa é única, portanto, não se tem um grande valor que possa ser destinado para divulgar a marca própria. Por esse motivo, ele afirma que o processo deverá ser feito de uma forma bem planejada, e contando com resultados só no longo prazo. No planejamento de uma estratégia de comunicação, podem ser consideradas diversas ferramentas que juntas possibilitam um melhor resultado para as ações da empresa (SHIMP, 2002). Nesta linha, o Entrevistado B aponta que são utilizadas varias ferramentas para divulgar a marca Paquetá para os seus públicos de contato. Uma estratégia de destaque adotada para comunicar seus produtos de marca própria foi a criação de pólices para as peças de comunicação. Toda a comunicação promocional que é feita da loja deve ter no mínimo a imagem de um produto de marca própria, salvo quando é alguma ação cooperativada com outra marca. Neste contexto, uma das ferramentas destacadas pelo Entrevistado B é a propaganda. Entre os principais meios utilizados pela Paquetá, o Entrevistado B destaca a televisão, os anúncios em jornais e revistas, e a mídia externa. A mesma campanha é trabalhada em todos esses meios, porém, em função de possuírem características diferentes, podem ser notadas algumas distinções e até mesmo estratégias diversificadas. Nos anúncios em jornal, por exemplo, é trabalhado o conceito da marca, mas ao mesmo tempo são divulgadas ofertas, pois não se acredita que este meio seja indicado para construção de imagem de marca, mas sim para explorar aspectos relacionados ao produto. Shimp (2002) sugere que a televisão é um meio adequado para demonstrar as características do produto. Além disso, é um meio forte no que diz respeito a entretenimento e diversão e possui alta capacidade de provocar impacto no telespectador. Para a divulgação de seus produtos de marca própria na televisão, o Entrevistado B ressalta que a estratégia de

15 campanha atualmente é um pouco distinta: utilizamos uma celebridade o ator Rodrigo Lombardi para chamar mais atenção ao produto, creditando maior desejo de compra. Uma das principais ferramentas apontadas pelos entrevistados foi o merchandising na loja. Este pode ser conceituado como qualquer técnica, ação ou material promocional usado no ponto-de-venda que proporcione informação e melhor visibilidade a produtos, marcas ou serviço, tendo por objetivo influenciar os consumidores no momento da compra (BLESSA, 2003, p. 18). O Entrevistado B aborda que dentro da loja não existe uma área específica para exposição dos produtos de marca própria. Eles são colocados juntos com os produtos de outras marcas, divididos por estilos/categorias. Nas vitrines segue-se o mesmo processo, os produtos de marca própria convivem com os das demais marcas. Ressalta ainda uma outra ferramenta que é comumente utilizada para divulgação de produtos: os catálogos e encartes. Estes geralmente são distribuídos no próprio ponto-de-venda, mas também, podem ser encartados em jornais, e/ou fazerem parte de uma ação promocional. De maneira geral, cada varejista procura trabalhar com as ferramentas de comunicação que mais estão ao seu alcance, pois muitas vezes, em função de uma verba menor, não é possível destinar grandes esforços para a divulgação dos produtos de marca própria. Nestes casos, o lojista busca utilizar o melhor do seu potencial e, também, aproveitarse de canais que a empresa já utiliza para comunicação do mix total de produtos da loja Comunicação para equipe interna Conforme exposto por Alvarez (2008), uma das vantagens que o varejista possui é o contato físico direto, ou seja, no momento em que o consumidor vai até o ponto-de-venda, o varejista pode aproveitar para realizar interações. Este contato descrito pelo autor se dá através dos vendedores da empresa, portanto, eles são o principal meio de contanto com esse consumidor. Neste sentido, o Entrevistado A ressalta que é feito um trabalho focado com o vendedor. É de extrema importância para a empresa que a equipe de vendas seja o principal propagador dos produtos de marca própria. Portanto, é incentivado por parte dos gerentes das lojas que os vendedores apresentem o produto Primeira Quadra para os clientes, e também, fiquem atentos as percepções destes clientes em relação aos calçados da marca própria nesta fase de teste. O Entrevistado B aponta que atualmente toda a comunicação tem como foco exclusivo o consumidor final. Porém, acredita que essa é uma deficiência da empresa, pois concorda que a equipe de vendas pode ser um fator chave na construção de uma estratégia de abordagem do consumidor no ponto-de-venda em relação aos produtos de marca própria. Ele afirma que existe um planejamento para que sejam feitas campanhas de incentivo com a equipe de vendas, mas ressalta que este é um processo difícil. O vendedor vende o que o cliente deseja e [...] o produto mais caro. É complicado instituir este pensamento de que será mais rentável para a empresa a venda dos produtos de marca própria. Sob um aspecto geral, a força de vendas pode ser considerada mais uma ferramenta, ou melhor, uma das principais ferramentas que deve ser integrada a estratégia de comunicação dos produtos de marca própria dos varejistas. É notável o importante papel que o vendedor executa junto ao consumidor no momento da venda, por isso, é necessário investir em treinamentos e incentivos para que ele esteja preparado e estimulado a oferecer os produtos da empresa para o cliente. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

16 No Brasil, grande parte da população consome produtos de marca de própria, sendo que o estudo da Nielsen (2009 apud ABMAPRO, 2009) revelou que, em 2009, as marcas próprias conquistaram aproximadamente 18,2 milhões de consumidores brasileiros, representando 49,3% da população. O crescimento do faturamento se comparado a 2008, teve um aumento de 7%, sendo que o número de produtos ofertados teve um acréscimo de 22,7%. Tendo em vista o exposto, mesmo que estes dados estejam muito ligados ao segmento de supermercados o mais tradicional na comercialização de produtos de marca própria, se tornou interessante entender de que forma as marcas próprias se comportam em um segmento com características distintas: o varejo de calçados. Desta forma, buscou-se entender os principais motivos que levam esses varejistas a introduzir produtos de marca própria; de que maneira se dá a construção dessas marcas; e como a comunicação integrada de marketing junto de suas ferramentas auxilia estrategicamente nesta construção e na comunicação da marca própria. No que se refere à introdução de produtos de marca própria, através das entrevistas realizadas, identificou-se que os principais motivos que levam à implementação são a possibilidade de diferenciação dos demais varejistas, o fortalecimento da imagem da marca da empresa e a lucratividade que esta estratégia proporciona. A diferenciação se dá através do oferecimento de produtos exclusivos, permitindo a fidelização dos clientes, já que são encontrados apenas nas lojas do varejista que os detém. O fortalecimento da imagem ocorre à medida que o produto se torna mais um elemento que estará fixando a marca junto a seus públicos. E a lucratividade é proporcionada com a possibilidade de trabalhar com margens operacionais maiores sobre os produtos. Como resposta ao segundo objetivo do estudo, notou-se que construção da marca própria ocorre através da decisão de alguns caminhos estratégicos que a empresa deve tomar. Estes caminhos envolvem a definição do nome da marca, a determinação do tipo de marca própria, a formulação da identidade e do posicionamento que será utilizado e também a escolha do fabricante dos produtos. Identificou-se que estas definições dependem muito dos objetivos de cada empresa, não havendo uma fórmula mais benéfica ou eficaz que a outra. O terceiro e último objetivo traçado para o estudo estava relacionado à forma como a comunicação integrada de marketing e suas ferramentas comunicam estrategicamente a marca própria do varejista. Através da análise das entrevistas identificou-se que são utilizadas variadas ferramentas de comunicação para a divulgação dos produtos de marca própria para o consumidor final, e também, a importância da equipe de vendas da empresa para a demonstração dos produtos para os clientes no ponto-de-venda. Como destaque notou-se o merchandising no ponto-de-venda como uma das técnicas mais utilizadas pelos varejistas. Isto porque, o lojista tem total domínio do espaço, podendo buscar formas de valorizar a exposição dos produtos de marca própria para o consumidor. Um elemento limitante para o trabalho com diversas ferramentas, principalmente com propaganda em meio massivos, é a verba que o varejista tem para divulgação de seus produtos de marca própria. Entretanto, o caminho encontrado para suprir muitas vezes essa limitação foi colocar algumas pólices em suas peças, como por exemplo, todos os encartes devem ter pelo menos um produto de marca própria. Em relação à comunicação para o público interno da empresa, foi possível perceber que o varejista acredita que a equipe de vendas é um elemento que deve ser melhor explorado, a medida que considera o vendedor o principal elo de contato entre a empresa e o consumidor. Por isso, foi exposto que deve ser investido em treinamentos e incentivos para fidelizar cada vez mais seu público interno para que ele seja também, um propagador da marca própria da empresa.

17 Apesar do rigor científico ter sido obedecido em todas as etapas deste trabalho, o mesmo apresentou limitações. Uma delas foi a dificuldade de obtenção dos dados uma vez que este estudo concentrou-se no segmento B2B e como tal, as empresas tem alguns impedimentos na liberação de dados que elas julgam estratégicos. Além disso são poucas as lojas multimarcas de calçados que estão seguindo a tendência de possuir produtos de marca própria, o que restringe de certa forma, a exploração deste tema junto a um maior número de empresas. Pode-se destacar também como aspecto limitador, o fato deste estudo ter sido realizado numa única região do país, o que acarreta alguma prevalência em determinado traço cultural dos respondentes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AAKER, D. A. Criando e administrando marcas de sucesso. São Paulo: Futura, Marcas: brand equity gerenciando o valor da marca. São Paulo: Negócio, Estratégia de portfólio de marcas. Porto Alegre: Bookman, ALVAREZ, F. J. S. M. Trade Marketing. São Paulo: Saraiva, BLESSA, R. Merchandising no ponto-de-venda. 2 ed. São Paulo: Atlas, CARMONA. A vez das marcas próprias. Disponível em: Acesso em 20 nov DUARTE, J. ; BARROS, A. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. 2 ed. São Paulo: Atlas, FLICK, U. Uma introdução à Pesquisa Qualitativa. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, KELLER, K.L.; MACHADO, M. Gestão estratégica de Marcas. São Paulo: Pearson Prentice Hall, KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 12 ed. São Paulo: Pretince Hall, KUMAR, N.; STEENKAMP, J-B. E. M. Estratégia de marcas próprias. São Paulo: M. Books, MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing.. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, NASCIMENTO, R. Marca Própria. Rio de Janeiro: Brasport, SOUZA, M. G. Mercado & Consumo: o presente e o futuro do varejo. São Paulo: Saraiva, OGDEN, J. R. Comunicação integrada de marketing. São Paulo: Prentice Hall, SEMPRINI, A. A marca pós-moderna. São Paulo: Estação das Letras, SHIMP, T. A. Propaganda e promoção. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, YANAZE, M. H. Gestão de marketing: avanços e aplicações. São Paulo: Saraiva, 2007.

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Os brindes promocionais no período de Páscoa

Os brindes promocionais no período de Páscoa Os brindes promocionais no período de Páscoa Pamela Ramos de Mello LOPES 1 Introdução A comunicação no ponto-de-venda tem se desenvolvido e criado meios e caminhos que hoje podem ser estudados e discutidos,

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Informações Financeiras. Sistema de Franquias

Informações Financeiras. Sistema de Franquias Informações Financeiras Sistema de Franquias Sistema de Franquias Somos uma loja que nasceu em Porto Alegre, somos especialista em moda masculina, e, em satisfazer e encantar os clientes. Com nosso sistema

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Termo de Referência para Plano de Comunicação

Termo de Referência para Plano de Comunicação Termo de Referência para Plano de Comunicação Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Conceitos... 2 2. Objetivo do Termo de Referência... 2 3. Definições gerais de comunicação... 2 4. Planejamento de comunicação...

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino

Relatório - Plano de Ensino Página: 1/6 Disciplina: CCA0321 - PROJETO EXPERIMENTAL - PROMO. DE VENDAS E MERCHA. DESCRIÇÃO DO PLANO DE ENSINO PROJETO EXPERIMENTAL - PROMOÇÃO DE VENDAS E MERCHANDISING PERFIL DO DOCENTE Graduado em

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

CONHEÇA A REDE DE MODA JOVEM MASCULINA QUE ESTAVA FALTANDO EM SUA CIDADE!

CONHEÇA A REDE DE MODA JOVEM MASCULINA QUE ESTAVA FALTANDO EM SUA CIDADE! Franquia CONHEÇA A REDE DE MODA JOVEM MASCULINA QUE ESTAVA FALTANDO EM SUA CIDADE! Quer ter um negócio seguro e rentável? Tudo o que você procurava num excelente negócio! NOVIDADE: Marca e formato comercial

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Como criar um clube de vantagens para seus clientes

Como criar um clube de vantagens para seus clientes Como criar um clube de vantagens para seus clientes Introdução Adquirir clientes no mundo competitivo atual é cada vez mais difícil e caro. Por este motivo, torna-se muito importante ações que fidelize

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

1. Introdução. 3. Resultados. 2. Metodologia. Andréia Fernandes Muniz a *, Fernando Avancini Tristão a

1. Introdução. 3. Resultados. 2. Metodologia. Andréia Fernandes Muniz a *, Fernando Avancini Tristão a http://dx.doi.org/10.4322/cerind.2014.017 Estudo sobre a Forma de Comercialização e Especificação do Revestimento de Piso com Porcelanato Baseado nas Percepções dos Vendedores de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350 ARTESANATO BOLETIM COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento Em 2012, o faturamento foi de R$ 22,5 bilhões no Brasil, e de aproximadamente R$ 28 bilhões em 2013.

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

EVENTOS EMPRESARIAIS: O CASO FENAFIC (FEIRA NACIONAL DE COUROS, MÁQUINAS E COMPONENTES PARA CALÇADOS).

EVENTOS EMPRESARIAIS: O CASO FENAFIC (FEIRA NACIONAL DE COUROS, MÁQUINAS E COMPONENTES PARA CALÇADOS). EVENTOS EMPRESARIAIS: O CASO FENAFIC (FEIRA NACIONAL DE COUROS, MÁQUINAS E COMPONENTES PARA CALÇADOS). GRANERO, Arlete Eni; ALVES, Sâmia Cristina Alves; PEREIRA, Tânia Cristina. Resumo O artigo tem como

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

O processo de decisão de compra

O processo de decisão de compra DOSSIÊ O processo de decisão de compra Estudo IBM Business Consulting Services sugere uma ferramenta para entender as escolhas dos consumidores Você sabe tudo que precisa saber sobre as razões que levam

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Comércio Varejista de Alimentos. Profª Caroline P. Spanhol

Comércio Varejista de Alimentos. Profª Caroline P. Spanhol Comércio Varejista de Alimentos Profª Caroline P. Spanhol Panorama geral do varejo Conceito de varejo Varejo consiste em todas as atividades que englobam o processo de venda de bens e serviços para atender

Leia mais

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto:

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto: 1- Do Projeto: O projeto visa dar acesso aos associados de associações comunitárias de Rio Pardo de Minas/MG à compra de produtos em uma rede credenciada local através de um cartão de compras que garanta

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Uma das maiores lições de vendas

Uma das maiores lições de vendas Uma das maiores lições de vendas 1 Era dos clientes insatisfeitos Mais sofisticados e sensíveis a preço Tem menos tempo e querem mais conveniência Menos sensíveis a marcas de a mais abertos a marcas genéricas

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral 1) Estratégias de produtos e serviços. 2) Estratégias de preços. 3) Estratégias de promoção e vendas. 1) Estratégias de produtos

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas.

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas. Caro candidato, Você está participando do processo seletivo da Arcor do Brasil para a posição de Trainee e neste momento gostaríamos de convidá-lo para a etapa do Painel. Nesta etapa, você deverá realizar

Leia mais

Sobre as Franquias Honing Brasil A Honing Brasil é a marca de roupa masculina inspirada no Hóquei no Gelo canadense. A paixão dos canadenses por este esporte e a garra de seus praticantes inspiram a Honing,

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

Marketing e Portfólio de Moda Professora: Fabiana Besen

Marketing e Portfólio de Moda Professora: Fabiana Besen FUNDAMENTOS DO MARKETING Marketing e Portfólio de Moda Professora: Fabiana Besen O que é Marketing? Conceitos relacionados ao Marketing Funções do Marketing Relações de Marketing e Moda Um comercial na

Leia mais

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 POPULAÇÃO... 3 4 COLETA DE DADOS... 3 5 RESULTADOS... 4 Ilustração 1 -

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

O MERCADO E PERSPECTIVAS

O MERCADO E PERSPECTIVAS Sell Book O MERCADO E PERSPECTIVAS MERCADO E PERSPECTIVA BRASIL VAREJO FRANQUIAS PIB: projeção de 3% para 2013; Desemprego em baixa (inferior a 6% em 2013); Crescimento do consumo da classe média; Aumento

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS E DA RENTABILIDADE DA FRANQUIA PARA O FRANQUEADO: UM ESTUDO DE MULTICASOS DE FRANQUEADORES E SUAS FRANQUEADAS EM FLORIANÓPOLIS/SC

ANÁLISE DOS CUSTOS E DA RENTABILIDADE DA FRANQUIA PARA O FRANQUEADO: UM ESTUDO DE MULTICASOS DE FRANQUEADORES E SUAS FRANQUEADAS EM FLORIANÓPOLIS/SC ANÁLISE DOS CUSTOS E DA RENTABILIDADE DA FRANQUIA PARA O FRANQUEADO: UM ESTUDO DE MULTICASOS DE FRANQUEADORES E SUAS FRANQUEADAS EM FLORIANÓPOLIS/SC Katia Cristina Coelho Ilse Maria Beuren Resumo: Com

Leia mais