UML Itens Estruturais - Interface

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UML Itens Estruturais - Interface"

Transcrição

1 Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe ou ao componente que realiza a interface Não especificam qualquer estrutura (não podem incluir atributos) nem qualquer implementação Itens Estruturais - Interface Notações Círculo ou Pirulito: usada quando for necessário apenas especificar a presença de uma costura do sistema. Em geral isto é necessário para os componentes e não para as classes Forma Expandida (classe estereotipada): quando for necessário visualizar detalhes do próprio serviço, expondo suas operações e outras propriedades. As operações pode exibir apenas o nome ou suas assinaturas completas <nome> <<interface>> <nome> <operações> 1

2 Itens Estruturais - Interface Nome Uma sequência de caracteres textual Para diferenciar o nome de uma interface do nome de uma classe é interessante incluir um I antes do nome de cada interface. Ex.: IOrigem Pode ser de dois tipos: Nome simples Nome do caminho: é o nome da interface tendo como prefixo o nome do pacote em que a interface está armazenada. Ex.: Networking::Irouter Itens Estruturais - Interface Exemplo IRunnable IStore Pedido <<interface>> IStore Load() Save() O componente Pedido implementa As interfaces Istore e IRunnable 2

3 Itens Estruturais - Colaborações Permitem nomear um agrupamento conceitual (sociedade de classes, interfaces e outros elementos que trabalham em conjunto para fornecer algum comportamento cooperativo) Abrange aspectos estruturais (os elementos que a compõem) e comportamentais (a dinâmica das interações entre os elementos) Itens Estruturais - Colaborações Não possui nenhum dos seus elementos estruturais, apenas referencia ou usa elementos estruturais que são declarados em outra parte Um elemento pode aparecer em mais de uma colaboração 3

4 Itens Estruturais - Colaborações A parte estrutural da colaboração é representada pelo diagrama de classes A parte comportamental da colaboração é representada pelo diagrama de interação ou, se a ênfase for no aspecto temporal das mensagens, o diagrama de sequência deve ser usado Itens Estruturais - Colaborações Notação: eclipse com linha tracejada <nome> 4

5 Itens Estruturais Caso de Uso Especifica o comportamento de um sistema ou de parte dele Descrição de um conjunto de sequência de ações realizadas pelo sistema para um determinado ator (pessoas ou sistemas automatizados) Itens Estruturais Caso de Uso Especificam o comportamento desejado mas não determinam como esse comportamento será executado Um Caso de Uso é realizado por uma colaboração (uma sociedade de elementos que implementam o comportamento do caso de uso) 5

6 Itens Estruturais Caso de Uso Exemplo: Especificar como um sistema de caixa eletrônico deve funcionar definindo, seus casos de uso: como os usuários deverão interagir com o sistema Itens Estruturais Casos de Uso Notação: eclipse com linha contínua Os nomes de casos de uso são expressões verbais ativas nomeando algum comportamento <nome> Valida Usuário 6

7 Itens Estruturais Classes Ativas São classes cujos objetos têm um ou mais processos ou threads, portanto, podem iniciar atividade de controle Semelhante à uma classe exceto pelos objetos representarem comportamento concorrente Itens Estruturais Classes Ativas Notação: semelhante a de classes mas com linhas mais grossas <nome> <atributos> <operações> 7

8 Itens Estruturais Componentes Partes físicas e substituíveis de um sistema que realizam um conjunto de interfaces Tipicamente componentes representam o pacote físico de elementos lógicos diferentes como classes, interfaces e colaborações Itens Estruturais - Componentes Notações Simples: retângulo com abas incluindo somente o nome <nome> Forma Estendida: inclui compartimentos adicionais para expor detalhes (em geral só é usado quando está modelando um sistema reflexivo capaz de manipular seus próprios componentes <nome> <detalhes> 8

9 Itens Estruturais Componentes Componentes X Classe (semelhanças) Ambos podem realizar um conjunto de interfaces Ambos podem participar de vários relacionamentos (dependência, generalização, associação) Ambos podem ser aninhados Ambos permitem instâncias Ambos podem participar de interações Itens Estruturais Componentes Componentes X Classe (diferenças) Classes representam abstrações lógicas; componentes representam coisas físicas (componentes podem estar em nós mas classes não) Classes podem ter atributos e operações diretamente. Em geral componentes somente têm operações que são alcançadas por meio de suas interfaces 9

10 Itens Estruturais Componentes Quando usar componentes e quando usar classes? Se o que é modelado está em um nó => Componente Caso contrário => Classe Itens Estruturais Nós Elemento físico existente em tempo de execução que representa um recurso computacional Representam o hardware onde os componentes são instalados e executados 10

11 Itens Estruturais Nós Notações Simples: cubo com nome <nome> Forma Estendida: inclui compartimentos adicionais para expor detalhes <nome> <detalhes> Itens Estruturais Nós Exemplo servidor processorspeed = 300MHz Memory = 128 Mb dbadmin.exe componente executável que reside no nó 11

12 Blocos Básicos - Itens Existem quatro tipos de itens: Itens Estruturais Itens Comportamentais Itens de Agrupamento Itens Anotacionais Itens Comportamentais São as partes dinâmicas dos modelos Estão conectados a elementos estruturais São 2 tipos: Interação Máquina de Estado 12

13 Itens Comportamentais Interação Comportamento que abrange um conjunto de mensagens trocadas entre objetos Pode representar o comportamento de uma operação individual ou de um conjunto de objetos Usadas para modelar o aspecto dinâmico das colaborações Itens Comportamentais Interação Notação: a mensagem é representada por uma linha cheia com seta incluindo o nome da operação <nome da operação> 13

14 Itens Comportamentais Interação Pode ser usado de duas maneiras Ênfase na ordem temporal das mensagens (no diagrama de sequência) Ênfase na sequência das mensagem (no diagrama de colaboração) Itens Comportamentais Interação 1:PosiçãoTempo(t) TráfegoAéreo Plano de Vôo 14

15 Itens Comportamentais Máquinas de Estado Especifica a sequência de estados pelas quais objetos ou interações passam durante sua existência em resposta a eventos Abrange elementos: estados, transições, eventos e atividades Itens Comportamentais Máquinas de Estado Interação X Máquina de Estados Usando a interação modela-se o comportamento de um conjunto de objetos Usando uma máquina de estados modelase o comportamento de um objeto individual 15

16 Itens Comportamentais Máquinas de Estado Termos e Conceitos Estado: é uma condição ou situação de um objeto Evento: é a especificação de uma ocorrência significativa Transição: é um relacionamento entre dois estados, indicando que um objeto no primeiro estado realizará certas ações e entrará no segundo estado quando um evento especificado ocorrer Ação: computação atômica executável que resulta na alteração do estado ou no retorno de um valor Itens Comportamentais Máquinas de Estado Notação: retângulo com cantos arredondados com: <nome> Nome Transições Estados Inicial e Final 16

17 Itens Comportamentais Máquinas de Estado Exemplo pressionar tecla desligar Ocioso Executando concluído Blocos Básicos - Itens Existem quatro tipos de itens: Itens Estruturais Itens Comportamentais Itens de Agrupamento Itens Anotacionais 17

18 Itens de Agrupamento São as partes organizacionais dos modelos os blocos em que os modelos podem ser decompostos Um tipo apenas: Pacotes Itens de Agrupamento - Pacotes Mecanismo de propósito geral para organização de elementos em grupos Diferentemente de componentes, que existem em tempo de execução, um pacote é puramente conceitual (existe apenas em tempo de desenvolvimento) Pacotes bem-estruturados agrupam elementos que estão próximos semanticamente e que tendem a se modificar em conjunto 18

19 Itens de Agrupamento - Pacotes Podem conter outros elementos (classes, interfaces, nós, colaborações, etc) e até outros pacotes Itens de Agrupamento - Pacotes Notação: semelhante a de um diretório Simples: inclui apenas o nome <nome> Forma estendida: para descrever elementos que pertencem ao pacote. Neste caso o nome do pacote vem na aba <nome> <elementos> 19

20 Blocos Básicos - Itens Existem quatro tipos de itens: Itens Estruturais Itens Comportamentais Itens de Agrupamento Itens Anotacionais Itens Anotacionais São as partes explicativas dos modelos comentários para descrever, esclarecer e fazer observações sobre qualquer elemento do modelo Um tipo apenas: Nota 20

21 Itens Anotacionais Nota É um símbolo pra representar restrições ou comentários sobre um elemento ou coleção de elementos Notação: um retângulo com uma dobra no canto incluindo um comentário em texto ou gráfico <comentário> Blocos Básicos - Itens Existem quatro tipos de itens: Itens Estruturais (classes, interfaces, colaborações, casos de uso, classes ativas, componentes, nós) Itens Comportamentais (interação e máquina de estado) Itens de Agrupamento (pacotes) Itens Anotacionais (nota) 11 itens 21

22 Relacionamentos Relacionamento é uma conexão entre itens A maioria dos itens relacionam-se entre si. Quatro tipos de relacionamentos: Dependência Generalização Associação Realização Relacionamentos - Dependência Relacionamento de utilização A alteração de um item (o independente) pode afetar a semântica do outro item (o dependente) Notação: Linhas tracejadas com setas podendo incluir um rótulo 22

23 Relacionamentos - Dependência Notação: Linhas tracejadas com setas podendo incluir um rótulo Relacionamentos - Generalização Relacionamento entre itens gerais (superclasses) e tipos mais específicos desses itens (subclasses ou classes-filha) Generalizações são relacionamentos é-umtipo-de (uma classe Estudante é um tipo de uma classe mais geral, a classe Pessoa) As subclasses compartilham a estrutura e comportamento das superclasses 23

24 Relacionamentos - Generalização Notação: Linha sólida com seta em branco apontando a superclasse Relacionamentos - Associação Relacionamento estrutural que especifica objetos de um item conectado a objetos de outro item 24

25 Relacionamentos - Associação Notação: Linha sólida podendo incluir: Nome: pode ser utilizado para descrever a natureza do relacionamento. Pode-se atribuir direção para o nome, fornecendo um triângulo de orientação que aponta a direção como nome deve ser lido Papel: o papel é a face que a classe próxima a uma das extremidades apresenta à classe encontrada na outra extremidade da associação Multiplicidade: a quantidade de objetos que podem ser conectados pela associação. A multiplicidade em uma das extremidades da associação especifica para cada objeto da classe encontrada na extremidade oposta deve haver a determinada quantidade de objetos na extremidade próxima Relacionamentos - Associação Exemplo Pessoa 1..* * funcionário empregador Empresa 25

26 Relacionamentos - Realização Relacionamento no qual um item especifica um contrato cujo cumprimento é realizado por outro item. São encontrados em dois locais Entre interfaces e as classes ou componentes que as realizam Entre casos de uso e as colaborações que os realizam Relacionamentos - Realização Notação: Linha tracejada com seta branca 26

27 Relacionamentos - Realização Exemplo <<interface>> IagentedeRegra adicionarregra() ExplicarAção() RegrasDeContabilidade Relacionamentos - Agregação Relacionamento todo/parte que indica um item maior (o todo ) formado por itens menores (as partes ) É um tipo especial de Associação especificada utilizando-se uma associação simples com um diamante aberto na extremidade do todo O diamante sólido significa composição: as classes ligadas ao diamante é decomposta ou contém as classes da outra extremidade. 27

28 Exemplo Relacionamentos - Agregação Empresa 1 * Departamento todo parte Mecanismos Básicos Adornos Mecanismos de Extensão 28

29 Mec. Básicos - Adornos São itens gráficos ou visuais adicionados à notação básica de um elemento para permitir a especificação de detalhes Por exemplo, a notação básica para uma associação é uma linha mas podem ser incluídos adornos referentes a detalhes como: Papel multiplicidade Mec. Básicos Mec. de Extensibilidade Estereótipos Amplia o vocabulário da permitindo a criação de novos tipos de itens que são derivados dos já existentes mas específicos a determinados problemas Ao aplicar um estereótipo a um elemento está se estendendo a 29

30 Mec. Básicos Mec. de Extensibilidade Estereótipos É representado por um nome entre ângulos (p.ex., <<nome>>) colocado acima do nome de outro elemento Pode-se definir um ícone para o estereótipo e apresentá-lo à direita do nome Mec. Básicos Mec. de Extensibilidade Estereótipos - exemplo <<exceção>> Overflow! 30

31 Diagramas Diagrama é uma representação gráfica de uma coleção de elementos de um modelo São desenhados para permitir a visualização de um sistema sob diferentes perspectivas Um mesmo item pode aparecer em todos os diagramas ou em apenas alguns. Diagramas define 9 (nove) diagramas: Diagrama de Classes Diagrama de Objetos Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Sequência Diagrama de Colaboração Diagrama de Atividades Diagramas de Interações Diagrama de Gráficos de Estados (Statechart) Diagrama de Componentes Diagrama de Desenvolvimento Modelam Aspectos Dinâmicos 31

32 Diagrama Diagrama de Classes Oferece uma visão estática da estrutura do sistema Exibe um conjunto de classes, interfaces e colaborações bem como seus relacionamentos. Podem conter notas e restrições, pacotes ou subsistemas e instâncias Diagrama Diagrama de Classes Dicas para criar um diagrama de classes: Atribua-lhe um nome que comunique seu propósito Distribua seus elementos de modo a minimizar o cruzamento de linhas Use notas e cores como indicações visuais para chamar a atenção de aspectos importantes Não exiba grande quantidade de tipos de relacionamentos 32

33 Diagrama Diagrama de Classes Empresa 1 Departamento nome: Nome localização * * Escritório Endereço: string membro 1..* 1 gerente Pessoa nome: Nome código: Inteiro ObterContrato() ObterDados() EscritórioMatriz InformaçãoContrato Endereço: string Diagrama Diagrama de Objetos Oferece uma visão estática de instâncias de itens encontrados no diagrama de classes Exibe um conjunto de objetos e relacionamentos Podem conter notas e restrições, pacotes ou subsistemas Pode-se dizer que é uma instância do diagrama de classes Não expressa informações sobre as msg passadas entre os objetos 33

34 Diagrama Diagrama de Objetos E:Empresa D1:Departamento Nome= Estoque D2:Departamento Nome= Vendas gerente p:pessoa Nome= Maria Código = 1010 Diagrama Diagrama de Casos de Uso Exibe um conjunto de casos de uso e atores Importantes para organização e modelagem de comportamentos do sistema Especificam e documentam o comportamento de um elemento para se entender como este elemento é utilizado (desenvolvedores precisam de casos de uso para poder implementar o sistema) 34

35 Diagrama Diagrama de Casos de Uso Sistema de Vendas cliente Solicita Produto Verifica Estoque Libera/ Cancela Venda Depto. Vendas Diagrama Diagrama de Sequência Diagrama de interação cuja ênfase está na ordenação temporal das mensagens Graficamente é representando por uma tabela que mostra objetos distribuídos no eixo X e mensagens, em ordem crescente no tempo, no eixo Y Contém objetos, vínculos e mensagens. Podem conter notas e restrições 35

36 Diagrama Diagrama de Sequência O objeto que inicia a interação é colocado mais a esquerda As mensagens são colocadas no eixo Y em ordem crescente de tempo, proporcionando ao leitor uma clara indicação visual do fluxo de controle ao longo do tempo Existe a linha de vida do objeto Diagrama Diagrama de Sequência Diferenças para o diagrama de colaboração: Existe a linha de vida do objeto Existe o foco de controle (um retângulo alto e estreito que mostra o período no qual um objeto está desempenhando uma ação) 36

37 Diagrama Diagrama de Sequência c:cliente BD <<create>> t:transação Compra(produto) OK/Cancela <<destroy>> Diagrama Diagrama de Colaboração Diagrama de interação cuja ênfase está na organização estrutural dos objetos que enviam e recebem mensagens Os objetos da colaboração são vértices de um grafo, os vínculos são os arcos e contém as mensagens que os objetos enviam e recebem. 37

38 Diagrama Diagrama de Colaboração Diferenças para o diagrama de sequência: Existe o caminho Existe o número de sequência (para indicar a ordem temporal de uma mensagem) Diagrama Diagrama de Colaboração c:cliente t:transação 1: <<create>> 2: Compra(produto) 3:<<destroy>> 38

39 Diagrama Diagrama de Gráfico de Estados Exibe uma máquina de estados dando ênfase no fluxo de controle de um estado para outro É formado por: Estados: situação na vida de um objeto onde ele realiza uma atividade ou aguarda um evento Transições: relacionamento entre dois estados Eventos: uma ocorrência significativa; um estímulo capaz de ativar uma transição de estado Atividades: execução em uma máquina de estado Modelam comportamento de uma interface, classe ou colaboração Diagrama Diagrama de Gráfico de Estados pressionar tecla desligar Ocioso Executando concluído 39

40 Diagrama Diagrama de Atividades Tipo especial de diagrama de estado onde: Estados são atividades Transições são ativadas pela conclusão de atividades Diagrama de Atividades X Diagramas de Interação Diagrama de Atividades: exibe o fluxo de uma atividade para outra Diagramas de Interação (Sequência e Colaboração): exibem fluxo de controle de um objeto para outro Diagrama Diagrama de Atividades Diagrama de Atividades X Diagrama de Gráfico de Estados (Statecharts) O diagrama de atividades é uma projeção dos elementos encontrados em um gráfico de atividades 40

41 Diagrama Diagrama de Atividades Ramificações: Especifica caminhos alternativos baseados em expressões booleanas É representado como um diamante Diagrama Diagrama de Atividades Compra Produto Verifica Estoque [Com Estoque] [Sem Estoque] Cancela Compra Libera Compra 41

42 Diagrama Diagrama de Atividades Bifurcação e União Modelam fluxos concorrentes Bifurcação: a divisão de um memo fluxo de controle em dois ou mais fluxos concorrentes poderá ter uma única transição de entra e duas ou mais transições de saída Abaixo da bifurcação as atividades associadas com cada um dos caminhos prosseguem paralelamente União: a sincronização de dois ou mais fluxos de controle concorrentes Poderá ter duas ou mais transições de entrada e uma única transição de saída Uma barra de sincronização é usada para especificar bifurcação e união dos fluxos paralelos de controle Diagrama Diagrama de Atividades Raias de Natação Particiona em grupos os estados de atividades de um diagrama de atividades (cada grupo representa um elemento responsável pela atividade) Cada grupo é chamado de raia de natação pois os grupos ficam separados de seus vizinhos por uma linha cheia vertical Cada raia de natação deve ter um nome único 42

43 Diagrama Diagrama de Atividades Cliente Vendas Estoque Compra Produto Verifica Estoque RespondePedido RecebePedido Cobrança Diagrama Diagrama de Componentes Modela aspectos físicos Exibe as organizações e as dependências de um conjunto de componentes Está relacionado com o diagrama de classes pois tipicamente componentes são mapeados para uma ou mais classes, interfaces, colaborações 43

44 Diagrama Diagrama de Componentes Elementos Componentes Interfaces Relacionamentos de dependências, generalização, associação e realização Podem conter notas e restrições Diagrama Diagrama de Componentes Usos comuns: Modelagem do Código Fonte Representa a modelagem do gerenciamento da configuração dos arquivos com código fonte Modelagem de Executáveis Modelagem de Bancos de Dados Físicos 44

45 Diagrama Diagrama de Componentes Estereótipos padrão que se aplicam a componentes: Executável: especifica um componente que poderá ser executado em um nó Biblioteca: especifica uma biblioteca estática ou dinâmica Tabela: especifica um componente que representa uma tabela de BD Arquivo: um componente que representa um documento contendo código fonte ou dados Documento: um componente que representa um documento Diagrama Diagrama de Componentes Modelagem de Código Fonte Mestre.h {versão = 3.0} Mestre.h {versão = 4.0} <<pai>> Mestre.cpp Estoque.h {versão = 2.0} 45

46 Diagrama Diagrama de Componentes Modelagem de um Banco de Dados cursos professores alunos Diagrama Diagrama de Desenvolvimento Sinônimo de Diagrama de Implantação Exibe a configuração dos nós de processamento em tempo de execução Está relacionado com o diagrama de componentes pois tipicamente um nós inclui um ou mais componentes 46

47 Diagrama Diagrama de Desenvolvimento Elementos: Nós Relacionamentos de Dependência e Associação Diagrama Diagrama de Desenvolvimento Modelagem de um sistema Cliente/Servidor Clientes Servidor console 2..* <<processador>> Servidor Http Desenvolv. http.exe 4..* <<processador>> Servidor X Desenvolv. Dbadmin.exe 47

48 Diagrama de Classes Diagramas RESUMO Vocabulário do domínio Diagramas de Casos de Uso Comportamento do sistema Diagrama de Sequências, de Colaboração, de Gráficos de Estados e de Atividades Forma como os itens do vocabulãrio trabalharão em conjunto para execução do comportamento especificado 48

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes Diagramas Diagrama é uma representação gráfica de uma coleção de elementos de um modelo São desenhados para permitir a visualização de um sistema sob diferentes perspectivas Um mesmo item pode aparecer

Leia mais

Análise e Projeto Orientado a Objetos

Análise e Projeto Orientado a Objetos Análise e Projeto Orientado a Objetos Linguagem UML Modelagem Estrutural Modelagem Estrutural Anderson Belgamo Classes Definição: uma classe é uma descrição de um conjunto de objetos que compartilham os

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

UML Relacionamentos. Relacionamento é uma conexão entre itens A maioria dos itens relacionam-se entre si. Quatro tipos de relacionamentos:

UML Relacionamentos. Relacionamento é uma conexão entre itens A maioria dos itens relacionam-se entre si. Quatro tipos de relacionamentos: Relacionamentos Relacionamento é uma conexão entre itens A maioria dos itens relacionam-se entre si. Quatro tipos de relacionamentos: Dependência Generalização Associação Realização Relacionamentos - Dependência

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Sistemas de Informação e Tecnologia em 3º Semestre Análise Orientada aos Objetos Modelagem de Casos de Uso Objetivo: Apresentar

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem com UML Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem Estática (Visão Lógica) Casos

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada

A Linguagem de Modelagem Unificada A Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Dados 1 A linguagem de Modelagem Unificada (UML Unified Modeling Language) é uma linguagem gráfica para comunicar especificações de projeto para software.

Leia mais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais Objetivos da UML Introdução a UML cbraga@ic.uff.br Uma linguagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar... e analisar. Desenvolvimento dirigido a modelos 2 Construções básicas Organizadas em

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 12 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Exemplo de Diagrama de Caso de Uso Sistema de Locadora de Filmes Sistema de Vídeo Locadora Você foi contratado para desenvolver

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Modelos de Especificação Modelos para Especificação do Sistema Representações gráficas que descrevem o problema a ser resolvido e o sistema a ser desenvolvido. Perspectivas

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org www.tiagodemelo.info Roteiro Conceitos de Orientação a Objetos (OO) Visão Geral da UML Diagrama de Classes Diagramas

Leia mais

UML Diagramas. UML define 9 (nove) diagramas: Diagramas de Interações

UML Diagramas. UML define 9 (nove) diagramas: Diagramas de Interações Diagramas define 9 (nove) diagramas: Diagrama de Classes Diagrama de Objetos Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Sequência Diagrama de Colaboração Diagrama de Atividades Diagramas de Interações Diagrama

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Projeto Orientado a Objetos

Projeto Orientado a Objetos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Projeto Orientado a Objetos Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagramas de Casos de Uso Professor: André Gustavo Bastos Lima DEFINIÇÃO DE CASO DE USO Segundo o RUP: Um Caso de Uso é a relação de uma

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 3 UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva 1 UML & Padrões Aula 3 Diagrama de Casos de Uso Profª Kelly Christine C. Silva O que vamos tratar: Modelos de Caso de Uso Diagrama de

Leia mais

Modelo conceitual Aula 08

Modelo conceitual Aula 08 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Modelo conceitual Aula 08 Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin Machado UFMS/FACOM

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2.1 - ANÁLISE DE PONTO POR FUNÇÃO - APF 1. INTRODUÇÃO Criada em 1979 por Allan J. Albrecht (IBM), a APF - ANÁLISE DE PONTOS POR FUNÇÃO é uma técnica para medição de projetos cujo objeto seja o

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Ano IV - Número 19. Versões 5.0.1 e 5.1

Ano IV - Número 19. Versões 5.0.1 e 5.1 Versões 5.0.1 e 5.1 Quarta-feira, 07 de janeiro de 2009 ÍNDICE 3 EDITORIAL 4 VERSÃO 5.1 4 Dashboard 5 Plano de Comunicação 6 Configurações Pessoais 6 Priorização de Demandas 7 Agendamento de Demandas 8

Leia mais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Lição 1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Visão geral do fluxo de trabalho de desenho de quadro estrutural Você pode criar segmentos de caminho e quadros estruturais usando o aplicativo

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE Fabiana Gomes Marinho Faculdade Lourenço Filho Resumo: Na UML, a modelagem conceitual dos dados é descrita pelo diagrama de classes, que através

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

Programação por Objectos UML LEEC@IST UML 1/87

Programação por Objectos UML LEEC@IST UML 1/87 Programação por Objectos UML LEEC@IST UML 1/87 Análise por UML (1) Um sistema de análise descreve os modelos da aplicação a desenvolver. Aumenta legibilidade (menos informação que o código, permitindo

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de

Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de Comunicação) - Aula 10 Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso UML Unified Modeling Language Diagramas de Casos de Uso José Correia, Março 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Objectivos O objectivo de um diagrama de casos de uso de um sistema é mostrar para

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 10 Modelagem de atividades Qualquer um pode escrever código que um computador pode entender.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS Jean Henrique Zenzeluk* Sérgio Ribeiro** Resumo. Este artigo descreve os conceitos de Orientação a Objetos na linguagem de programação

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Modelagem do Processo de Negócio

Modelagem do Processo de Negócio Análise e Projeto 1 Modelagem do Processo de Negócio Modelos de processos de negócios descrevem as diferentes atividades que, quando combinados, oferecem suporte a um processo de negócio. Processos de

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

[CANCELAR] - Limpa todos os campos e desabilita campos e botões, exceto [NOVO] e [PESQUISAR].

[CANCELAR] - Limpa todos os campos e desabilita campos e botões, exceto [NOVO] e [PESQUISAR]. PROJETO FÁBRICA DE DOCES COM BANCO DE DADOS PARTE 2 TELA REGISTRO DE PRODUÇÃO Seguindo o mesmo padrão da tela de cadastro, para registrar a produção o usuário deve clicar no botão NOVO para ativar o campo

Leia mais

Definir o espaço das informações das organizações; Realizar o detalhamento das análises dos fluxos de dados;

Definir o espaço das informações das organizações; Realizar o detalhamento das análises dos fluxos de dados; MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EAD Módulo 1 Arquitetura dos sistemas de informação A unificação das perspectivas desenvolvidas pelo modelo de negócio e dos sistemas de informação formam a arquitetura

Leia mais

Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução. Carlos Lopes

Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução. Carlos Lopes Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução Carlos Lopes POO e Java Objetivo: proporcionar uma visão dos conceitos de POO e do seu uso na estruturação dos programas em Java. Classes e objetos em

Leia mais

4.4. UML Diagramas de interacção

4.4. UML Diagramas de interacção Engenharia de Software 4.4. UML Diagramas de interacção Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de interacção mostra um padrão de interacção entre vários objectos, com objectos e

Leia mais

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery

Sistemas Operacionais. Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Sistemas Operacionais Curso Técnico Integrado Profa: Michelle Nery Conteúdo Programático CONTAS DE E GRUPOS DE O Microsoft Management Console - MMC Permissões de Segurança de um Console Contas de Usuários

Leia mais

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Casos de Uso Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Uma técnica para capturar requisitos funcionais Descreve o sistema sob a perspectiva

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Introdução. Leitura: Sommerville Pressman. UML 2 - Uma Abordagem Prática

Introdução. Leitura: Sommerville Pressman. UML 2 - Uma Abordagem Prática Introdução Leitura: Sommerville Pressman 1 Modelos de Sistemas 2 Objetivos Explicar por que é importante modelar o contexto de um sistema Compreender os conceitos de modelagem de comportamento, modelagem

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

Programação por Objectos UML MEEC@IST UML 1/83

Programação por Objectos UML MEEC@IST UML 1/83 Programação por Objectos UML MEEC@IST UML 1/83 Análise por UML (1) Um sistema de análise descreve os modelos da aplicação a desenvolver. Aumenta legibilidade (menos informação que o código, permitindo

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão.

Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão. Bem-vindo ao curso delta Gerenciamento de peso para a versão 9.1. Este curso aborda a nova solução de peso introduzida nessa versão. Você deve ter bons conhecimentos de estoque, UM e administração de posições

Leia mais