Uma visão mais clara da UML Sumário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma visão mais clara da UML Sumário"

Transcrição

1 Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método Análise de requisitos Diagramas de Casos de Uso Ator Casos de Uso (Use Case) Cenário Relacionamentos Associações Associações Normais Associação Recursiva Associação Ternária Agregação Generalizações Generalização Normal Generalização Restrita Exemplo Prático: Sistema de Vendas Exercício: Referências Bibliográficas

2 1 Método A UML não é um método é uma linguagem de modelagem designada para especificar, visualizar, construir e documentar um sistema. A linguagem de modelagem é a notação que o método utiliza para expressar projetos enquanto que o processo indica quais passos seguir para desenvolver um projeto. A especificação da UML consiste de duas partes: Semântica: especifica a sintaxe abstrata e a semântica dos conceitos de modelagem estática e dinâmica de objetos; Notação: especifica a notação gráfica para a representação visual da semântica. A UML suporta o desenvolvimento iterativo e incremental. Desenvolvimento iterativo e incremental é o processo de desenvolvimento de sistemas em pequenos passos. Uma iteração é um laço de desenvolvimento que resulta na liberação de um subconjunto de produtos que evolui até o produto final percorrendo as seguintes atividades: Análise de requisitos Análise Projeto Implementação Teste O detalhamento de cada etapa destas atividades define o método de desenvolvimento de sistemas. 2 Análise de requisitos Esta etapa se caracteriza pela definição do comportamento do sistema, ou seja, como o sistema age ou reage, descrevendo o relacionamento entre o ambiente e o sistema. Deve ser uma definição de necessidades do usuário e não uma proposta de solução. O usuário deve indicar os requisitos prioritários para o sistema. O grupo de análise deve identificar as necessidades do usuário. Decisões do projeto impostas não são características essenciais do domínio do problema. A análise de requisitos compõe-se dos seguintes diagramas: Diagrama de caso de uso; Diagrama de sequência; Diagrama de colaboração. Para realizar a análise de requisitos, primeiramente deve-se: Identificar objetivo e características do sistema; Identificar os requisitos essenciais; Descrever as necessidades do usuário; 2

3 Elaborar diagrama de caso de uso; Elaborar diagrama de sequência; Elaborar diagrama de colaboração. UML é uma linguagem visual para especificação (modelagem) de sistemas orientados a objeto. A UML privilegia a descrição de um sistema seguindo três perspectivas: Os diagramas de classes - (Dados estruturais); Os diagramas de casos de uso (Operações funcionais); Os diagramas de seqüência, atividades e transição de Estados (Eventos temporais). 2.1 Diagramas de Casos de Uso Os casos de uso de um projeto de software são descritos na linguagem UML através de Diagramas de Casos de Uso (Use Case). Diagrama de "Use Case": É um diagrama usado para se identificar como o sistema se comporta em várias situações que podem ocorrer durante sua operação. Descrevem o sistema, seu ambiente e a relação entre os dois. Os componentes deste diagrama são os atores, os "Use Case" e os relacionamentos. Casos de uso e Relacionamentos. Ainda pode-se usar as primitivas Pacotes e Notas Ator Representa qualquer entidade que interage com o sistema durante sua execução essa interação se dá através de comunicações (troca de mensagens). Um ator pode ser uma pessoa (usuário, secretaria, aluno...), um dispositivo (impressora, máquina...), hardware (placa de modem, scaner...), softwares (sistema de bd, aplicativos...), etc. Algumas de suas características são descritas abaixo: Ator não é parte do sistema. Representa os papéis que o usuário do sistema pode desempenhar. Ator pode interagir ativamente com o sistema. Ator pode ser um receptor passivo de informação. Ator pode representar um ser humano, uma máquina ou outro sistema. Representação: Figura 1: Use Case OBS: Atores representam, na verdade, papeis desempenhados por pessoas, dispositivos ou outros quando interagem com o sistema. Um ator cujo identificador seja ALUNO não representa um aluno, mais sim um aluno qualquer, uma pessoa que esteja interagindo com o sistema na qualidade de aluno. 3

4 2.1.2 Casos de Uso (Use Case) Como foi exemplificado acima, é uma sequência de ações que o sistema executa e produz um resultado de valor para o ator. Modela o dialogo entre os atores e o sistema; é um fluxo de eventos completos. Algumas de suas características são descritas abaixo: Um "Use Case" modela o diálogo entre atores e o sistema. Um "Use Case" é iniciado por um ator para invocar uma certa funcionalidade do sistema. Um "Use Case" é fluxo de eventos completo e consistente. O conjunto de todos os "Use Case" representa todas as situações possíveis de utilização do sistema Cenário Nome = Verbo + Substantivo (indicação de ação) O cenário é um fluxo de evento descrito textualmente. Exemplo: Sacar dinheiro: 1. O use case inicia quando o Cliente insere um cartão no CA. Sistema lê e valida informação do cartão 2. Sistema pede a senha. Cliente entra com a senha. Sistema valida a senha. 3. Sistema pede seleção do serviço. Cliente escolhe Sacar dinheiro. 4. Sistema pede a quantia a sacar. Cliente informa. 5. Sistema pede seleção da conta (corrente, etc). Cliente informa. 6. Sistema comunica com a rede para validar a conta, senha e o valor a sacar. 7. Sistema pede remoção do cartão. Cliente remove. 8. Sistema entrega quantia solicitada. Na descrição do que o sistema faz através de fluxos de eventos completos, surgem caminhos alternativos, casos diferentes a considerar, efeitos/valores diferentes a produzir. Para isso exitem os Sub-fluxos de Eventos, sua abordagem visa o reuso de fluxo de eventos (sub-fluxos). Por exemplo: Seja o use case Validar usuário Figura 2: Exemplos de Use cases Fluxo principal: O use case inicia quando o sistema pede ao Cliente a senha. Cliente entra 4

5 com senha. Sistema verifica se a senha é válida. Se a senha é válida, sistema confirma e termina o use case. Fluxo excepcional: Cliente pode cancelar a transação a qualquer momento pressionando a tecla ESC, reiniciando o use case. Nenhuma modificação é feita na conta do Cliente. Fluxo excepcional: Se Cliente entra com senha inválida, o use case reinicia. Design by contract: um tipo alternativo de cenário. Design by contract (DBC) baseia-se na noção de um contrato entre um cliente e um fornecedor para a realização de um serviço. O conceito central do DBC é a asserção (uma asserção é uma expressão booleana que nunca deverá ser falsa). Tipicamente as asserções são automaticamente testadas durante a fase de debug. O DBC identifica três tipos de asserções: pré-condições condições que se devem verificar para a invocação de um dado serviço ser válida; pós-condições condições que se devem verificar após a execução de um serviço; invariantes asserções que se devem verificar durante o tempo de vida da entidade a que se aplicam. A partir da versão 1.4 o Java passou a ter asserts que podem ser utilizados para definir prée pós-condições no entanto não suporta invariantes). Exemplo: O use case para fazer um telefonema: Use Case: Fazer Telefonema Pré-condição: Telefone ligado e em descanso Comportamento normal: 1. Utilizador marca número e pressiona OK 2. Telefone transmite sinal de chamada 3. Utilizador aguarda 4. Telefone estabelece ligação 5. Utilizador fala 6. Utilizador pressiona tecla C 7. Telefone desliga chamada Comportamento Alternativo: 3. Telefone Transmite sinal de ocupado 4. Utilizador pressiona tecla C 5. Telefone cancela chamada Comportamento Alternativo: 3.Telefone cancela chamada 5

6 Pós-condição: Telefone ligado e em descanso Relacionamentos Os relacionamentos ligam as classes/objetos entre si criando relações lógicas entre estas entidades. Os relacionamentos podem ser dos seguintes tipos: Os relacionamentos possíveis são: 1- Inclusão: Se um caso de uso inicia ou inclui o comportamento de outro, dizemos que ele usa o outro. Ex: No caso de uso Comprar Item se o pagamento for feito com dinheiro podemos ter a inclusão PagarComDinheiro O relacionamento de inclusão em UML é ilustrado com uma linha de generalização com o rótulo <<include>>. Então para o exemplo do cliente com o use case Solicitar Pedidos de peças teríamos: As propriedades básicas da inclusão são : realizar uma decomposição funcional reduzir a complexidade de um caso de uso O caso de uso básico não pode executar sem a inclusão. Comportamento comum. 2- Extensão - Define pontos de extensão que adicionam comportamento a um caso de uso base descrevendo uma variação do comportamento normal. O caso de uso base pode ser executado mesmo sem a extensão. Ex: O caso de uso Comprar Produto pode apresentar a extensão Compra por um Cliente Regular. Abaixo temos o diagrama UML Figura 4: Caso de uso com Extensão 6

7 Os pontos de extensão são indicados na linha entre os casos de uso do sistema. 3- Generalização - Indica um caso de base que possui diferentes especializações e inclui comportamento ou sobrescreve o caso de uso base. O caso de uso Pagar fatura apresenta as generalizações: Pagamento com cartão e Pagamento com Cheque, conforme o diagrama Abaixo: Figura 5: Exemplo de Generalização Além disto temos também os relacionamentos entre atores onde um ator especializado pode acessar os casos de uso de um Ator base. Abaixo temos um exemplo onde o Ator gerente acessa os casos de uso do ator funcionário Figura 6: Exemplo de relacionamentos entre atores Os relacionamentos em um diagrama de casos de uso podem envolver dois atores e dois casos de uso ou um ator e um caso de uso e assim sucessivamente. O relacionamento é representado através de uma seta: Exemplo: Diagrama de Caso de Uso (Use Cases) para um sistema de Rede Social Escolar 7

8 Figura 1: Tipo de Relacionamento: Associações Uma associação representa que duas classes possuem uma ligação (link) entre elas, significando, por exemplo, que elas "conhecem uma a outra", "estão conectadas com", "para cada X existe um Y" e assim por diante. Classes e associações são muito poderosas quando modeladas em sistemas complexos Associações Associações Normais O tipo mais comum de associação é apenas uma conexão entre classes. É representada por uma linha sólida entre duas classes. A associação possui um nome (junto à linha que representa a associação), normalmente um verbo, mas substantivos também são permitidos. Pode-se também colocar uma seta no final da associação indicando que esta só pode ser usada para o lado onde a seta aponta. Mas associações também podem possuir dois nomes, significando um nome para cada sentido da associação. Para expressar a multiplicidade entre os relacionamentos, um intervalo indica quantos objetos estão relacionados no link. O intervalo pode ser de zero para um (0..1), zero para vários (0..* ou apenas *), um para vários (1..*), dois (2), cinco para 11 (5..11) e assim por diante. É também possível expressar uma série de números como (1, 4, 6..12). Se não for descrita nenhuma multiplicidade, então é considerado o padrão de um para um (1..1 ou apenas 1). No exemplo acima vemos um relacionamento entre as classes Cliente e Conta Corrente que se relacionam por associação Associação Recursiva É possível conectar uma classe a ela mesma através de uma associação e que ainda representa semanticamente a conexão entre dois objetos, mas os objetos conectados são da mesma classe. Uma associação deste tipo é chamada de associação recursiva. 8

9 Associação Ternária Mais de duas classes podem ser associadas entre si, a associação ternária associa três classes. Ela é mostrada como uma grade losango (diamante) e ainda suporta uma associação de classe ligada a ela, traçaria-se, então, uma linha tracejada a partir do losango para a classe onde seria feita a associação ternária. No exemplo acima a associação ternária especifica que um cliente poderá possuir 1 ou mais contratos e cada contrato será composto de 1 ou várias regras contratuais Agregação A agregação é um caso particular da associação. A agregação indica que uma das classes do relacionamento é uma parte, ou está contida em outra classe. As palavras chaves usadas para identificar uma agregação são: "consiste em", "contém", "é parte de". É uma forma especializada de associação na qual um todo é relacionado com suas partes. Também conhecida como relação de conteúdo. É representada como uma linha de associação com um diamante junto à Classe agregadora. A multiplicidade é representada da mesma maneira que nas associações. 9

10 2.1.6 Generalizações A generalização é um relacionamento entre um elemento geral e um outro mais específico. O elemento mais específico possui todas as características do elemento geral e contém ainda mais particularidades. Um objeto mais específico pode ser usado como uma instância do elemento mais geral. A generalização, também chamada de herança, permite a criação de elementos especializados em outros. Existem alguns tipos de generalizações que variam em sua utilização a partir da situação. São elas: generalização normal e restrita. As generalizações restritas se dividem em generalização de sobreposição, disjuntiva, completa e incompleta Generalização Normal Na generalização normal a classe mais específica, chamada de subclasse, herda tudo da classe mais geral, chamada de superclasse. Os atributos, operações e todas as associações são herdados. Uma classe pode ser tanto uma subclasse quanto uma superclasse, se ela estiver numa hierarquia de classes que é um gráfico onde as classes estão ligadas através de generalizações. A generalização normal é representada por uma linha entre as duas classes que fazem o relacionamento, sendo que se coloca uma seta no lado da linha onde se encontra a superclasse indicando a generalização Generalização Restrita Uma restrição aplicada a uma generalização especifica informações mais precisas sobre como a generalização deve ser usada e estendida no futuro. As restrições a seguir definem as generalizações restritas com mais de uma subclasse: Generalizações de Sobreposição e Disjuntiva: Generalização de sobreposição significa que quando subclasses herdam de uma superclasse por sobreposição, novas subclasses destas podem herdar de mais de uma subclasse. A generalização disjuntiva é exatamente o contrário da sobreposição e a generalização é utilizada como padrão. 10

11 Generalizações Completa e Incompleta: Uma restrição simbolizando que uma generalização é completa significa que todas as subclasses já foram especificadas, e não existe mais possibilidade de outra generalização a partir daquele ponto. A generalização incompleta é exatamente o contrário da completa e é assumida como padrão da linguagem. 11

12 3 Exemplo Prático: Sistema de Vendas Fazer Pedido - versão 1 Cenário informal O caso de uso começa quando o cliente seleciona "fazer pedido". O cliente fornece seu nome e endereço. Se o cliente fornece apenas o CEP, o sistema coloca automaticamente o a cidade e o estado. O cliente fornece os códigos do produto. O sistema devolve as descrições e o preço de cada produto. O sistema calculará os valores totais para cada produto fornecido. O cliente fornece as informações sobre cartão de crédito. Em seguida, ele submete os dados ao sistema. O sistema verifica as informações fornecidas, marca o pedido como "pendente" e envia as informações de pagamento para o sistema de contabilidade e pagamento. Quando o pagamento é confirmado, o pedido é marcado como "confirmado" e o número de pedido (NP) é dado ao cliente. Fazer Pedido - versão 2 Caso de uso primário Atores : Cliente Pré-condição: O usuário deve ter feito "log-in" e obtido autorização do sistema Fluxo de Eventos (caminho básico): 1.O caso de uso começa quando o cliente seleciona "fazer pedido". 2.O cliente fornece seu nome e endereço. 3.Se o cliente fornece apenas o CEP, o sistema coloca automaticamente o a cidade e o estado. 4.O cliente fornece os códigos do produto. (veja versão 3 alternativa) 12

13 5.O sistema devolve as descrições e o preço de cada produto. (Ponto de extensão - Produto em Oferta) 6.O sistema calculará os valores totais para cada produto fornecido. (Ponto de extensão - Cliente Especial) 7.O cliente fornece as informações sobre cartão de crédito. 8.O cliente submete os dados ao sistema. 9.O sistema verifica as informações fornecidas, marca o pedido como "pendente" e envia as informações de pagamento para o sistema de contabilidade e pagamento. 10.Quando o pagamento é confirmado, o pedido é marcado como "confirmado" e o número de pedido (NP) é dado ao cliente. Pós-condição: O pedido deve ter sido gravado no sistema e marcado como confirmado. Fazer Pedido versão 3 (alternativa) Atores : Cliente Pré-condição: O usuário deve ter feito "log-in" e obtido autorização do sistema Fluxo de Eventos (caminho básico): 1. O caso de uso começa quando po cliente seleciona "fazer pedido". 2. O cliente fornece seu nome e endereço. 3. Se o cliente fornece apenas o CEP, o sistema coloca automaticamente o a cidade e o estado. 4. Enquanto o cliente quiser pedir itens faça 1. O cliente fornece código do produto 2. O sistema fornece a descrição e preço do produto 3. O sistema atualiza o valor total 5. O cliente fornece as informações sobre cartão de crédito. 6. O cliente submete os dados ao sistema. 7. O sistema verifica as informações fornecidas, marca o pedido como "pendente" e envia as informações de pagamento para o sistema de contabilidade e pagamento. 8. Quando o pagamento é confirmado, o pedido é marcado como "confirmado" e o número de pedido (NP) é dado ao cliente. Produto em Oferta - versão 2 Estende 1. Fazer Pedido, antes do passo 5 Fluxo de Eventos Primário (caminho básico): 1 O sistema procura o valor do desconto para o produto 2 O sistema mostra o desconto do produto ao usuário 3 O sistema calcula o valor do desconto Cliente Especial - versão 2 Estende 1. Fazer Pedido, antes do passo 6 Fluxo de Eventos Primário (caminho básico): 1 O sistema procura o valor do desconto para o cliente 2 O sistema mostra o desconto ao cliente 3 O sistema atualiza o total, subtraindo o valor do desconto 13

14 4 O sistema atualiza o total, subtraindo o valor do desconto Pré-condição: Produto estar em oferta Pós-condição: Valor do desconto calculado Pré-condição: Cliente ser Cliente Especial Pós-condição: Valor do desconto total calculado e subtraído do total de compras Fazer Pedido - versão 5 (caso de uso estendido) Atores: Cliente Pré-condição: O usuário deve ter feito "log-in" e obtido autorização do sistema Fluxo de eventos primário: 1. O caso de uso começa quando po cliente seleciona "fazer pedido". 2. O cliente fornece seu nome e endereço. 3. Se o cliente fornece apenas o CEP, o sistema coloca automaticamente o a cidade e o estado. 4. Enquanto o cliente quiser pedir itens faça 1. O cliente fornece código do produto 2. O sistema fornece as descrição e preço do produto 3. O sistema atualiza o valor total 5. O cliente fornece as informações sobre cartão de crédito. 6. O cliente submete os dados ao sistema. 7. O sistema verifica as informações fornecidas, marca o pedido como "pendente" e envia as informações de pagamento para o sistema de contabilidade e pagamento. 8. Quando o pagamento é confirmado, o pedido é marcado como "confirmado" e o número de pedido (NP) é dado ao cliente. Fluxo de eventos secundário: A qualquer momento antes de submeter, o cliente pode selecionar cancelar. O pedido não é gravado e o caso de uso termina. No passo 7, se alguma informação estiver correta, o sistema pede ao cliente para corrigir a informação. Pós-condição: O pedido deve ter sido gravado no sistema e marcado como confirmado. Extensões: Cliente Especial e Produto em Oferta USA (casos de uso "usados") Dar informação de produto Atualizar conta Requisitos Especiais: O sistema deve responder a qualquer comando do usuário em 1 segundo. 14

15 4 Exercícios 1. Qual é a notação da UML para um caso de uso? Qual é a notação da UML para um ator? Qual a notação utilizada na UML para o relacionamento de generalização? 2. Descreva a(s) diferença(s) entre os relacionamentos de inclusão, de extensão e de herança? 3. Construa um modelo de casos de uso para a seguinte situação fictícia: "Estamos criando um serviço de entregas. Nossos clientes podem nos requisitar a entrega de volumes. Alguns volumes são considerados de maior valor por nossos clientes, e, portanto, eles querem ter tais volumes segurados durante o transporte. Contratamos uma companhia de seguro para segurar volumes de valor". 4. Considere a seguinte narrativa do caso de uso Realizar Saque. Identifique os erros existentes nesta narrativa. Construa uma nova versão deste caso de uso que não contenha os erros encontrados. A operação de um caixa eletrônico tem início a partir de uma sessão em que o cliente seleciona a opção de realizar saque. O cliente então escolhe uma quantia a ser retirada, a partir de um conjunto de opções de quantia disponíveis. O sistema verifica se a conta correspondente tem saldo suficiente para satisfazer a requisição. Senão, uma mensagem adequada é reportada, o que acarreta na execução da extensão. Se há dinheiro suficiente, os números da conta e da agência do cliente são enviados ao banco, que aprova ou desaprova a transação. Se a transação é aprovada, a máquina libera a quantia correspondente e emite um recibo. Se a transação é desaprovada, a extensão Informar Falha é executada. O banco é notificado, independentemente de uma transação aprovada ter sido completada ou não pela máquina. Se a transação é completada, o banco realiza o débito na conta do cliente (Bjork, 1998). 15

16 5 Referências Bibliográficas 1. Macoratti.net. UML Conceitos Básicos. Disponível em: Acesso em: 10/04/ CAMPOS, José C., RIBEIRO, Antonio N. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Disponível em: Acesso em: 10/04/

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões Aula 3. UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 3 UML e Padrões - Profª Kelly Christine C. Silva 1 UML & Padrões Aula 3 Diagrama de Casos de Uso Profª Kelly Christine C. Silva O que vamos tratar: Modelos de Caso de Uso Diagrama de

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS

04/07/2015 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DEFINIÇÃO DE REQUSIITOS 1 REQUISITOS São os serviços fornecidos para um sistema. São classificados em requisitos

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima

UML Unified Modeling Language. Professor: André Gustavo Bastos Lima UML Unified Modeling Language Professor: André Gustavo Bastos Lima Diagramas de Casos de Uso Professor: André Gustavo Bastos Lima DEFINIÇÃO DE CASO DE USO Segundo o RUP: Um Caso de Uso é a relação de uma

Leia mais

Casos de Uso - definições

Casos de Uso - definições Casos de Uso - definições Um caso de uso é uma descrição narrativa de uma seqüência de eventos que ocorre quando um ator (agente externo) usa um sistema para realizar uma tarefa [Jacobson 92] Um caso de

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos

Exercícios Diagrama de Casos de Uso. Disciplina: Engenharia de Requisitos Exercícios Diagrama de Casos de Uso Disciplina: Engenharia de Requisitos Gilmar Luiz de Borba 2010-1 Página: 1 1. CASO DE USO CONTROLE DE PROVAS OBJETIVO: Construir um diagrama de caso de uso simples.

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso UML Unified Modeling Language Diagramas de Casos de Uso José Correia, Março 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Objectivos O objectivo de um diagrama de casos de uso de um sistema é mostrar para

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE Fabiana Gomes Marinho Faculdade Lourenço Filho Resumo: Na UML, a modelagem conceitual dos dados é descrita pelo diagrama de classes, que através

Leia mais

Carlos Rafael Guerber. Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia

Carlos Rafael Guerber. Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia Carlos Rafael Guerber Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia MAFRA 2009 Modelagem UML de um Sistema para Estimativa Elétrica de uma Lavanderia RESUMO Criar uma modelagem

Leia mais

Conteúdo. 1. Introdução. 2. Levantamento de Requisitos. 3. Análise Orientada a Objetos. 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML. 6.

Conteúdo. 1. Introdução. 2. Levantamento de Requisitos. 3. Análise Orientada a Objetos. 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML. 6. Conteúdo 1. Introdução 2. Levantamento de Requisitos 3. Análise Orientada a Objetos 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML 6. Métodos Ágeis Conteúdo 1. Introdução 2. Levantamento de Requisitos - Requisitos

Leia mais

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 1 Apresentação Profª Kelly Christine C. Silva Sistemas para Internet Módulo I - Construção de sites informativos Módulo II - Construção de sites dinâmicos Módulo III - Aplicações para

Leia mais

Casos de Uso. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com wylliams.wordpress.com Laboratório de Programação

Casos de Uso. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com wylliams.wordpress.com Laboratório de Programação Casos de Uso Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com wylliams.wordpress.com Laboratório de Programação Agenda Caso de Uso Conceitos Iniciais Cenário Principal Cenários Alternativos Atores

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES lucelia.com@gmail.com Externamente ao sistema, os atores visualizam resultados de cálculos, relatórios produzidos, confirmações de requisições solicitadas,

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES

DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE ATIVIDADES Profª Lucélia Oliveira Email: lucelia.com@gmail.com DIAGRAMA DE ATIVIDADES É o diagrama com maior ênfase ao nível de algoritmo da UML e provavelmente um dos mais detalhistas. Era

Leia mais

Atualizações de Software Guia do Usuário

Atualizações de Software Guia do Usuário Atualizações de Software Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. Aviso sobre o produto

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2 Acessando o SVN Para acessar o SVN é necessário um código de usuário e senha, o código de usuário do SVN é o código de cadastro da sua representação na Ninfa, a senha no primeiro acesso é o mesmo código,

Leia mais

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Diagrama de Casos de Uso Demonstra o comportamento externo do sistema, através de uma linguagem simples. Apresentando o sistema sobre a perspectiva do

Leia mais

Modelagem Dinâmica com UML

Modelagem Dinâmica com UML Modelagem Dinâmica com UML Prof. Márcio Barros marcio@cos.ufrj.br Diagramas de Sequência Protocolos de Interação Cenários Definição Um cenário é um caminho entre os fluxos de um use case Um use case é

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

Aula 5 UML: Casos de Uso

Aula 5 UML: Casos de Uso Aula 5 UML: Casos de Uso UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia 2 Introdução Casos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Componentes do Diagrama

Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Diagrama de Casos de Uso. Componentes do Diagrama DCC / ICEx / UFMG Diagrama de Diagrama de Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Adota uma linguagem simples Acessível ao cliente Objetivo é a compreensão do comportamento externo do sistema

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 9 Modelagem de estados Todos os adultos um dia foram crianças, mas poucos se lembram disso.

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO

BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO BAURU 2015 2 BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO Manual do usuário apresentado para auxiliar no uso do sistema SisPon. BAURU 2015 3 SUMÁRIO 1 Instalação... 5 1.1 Sispon...

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

AR PDV SOLUÇÕES AR CONSULTORIA EM INFORMÁTICA

AR PDV SOLUÇÕES AR CONSULTORIA EM INFORMÁTICA 1 Sumário: 1. AR PDV...02 2. Registro / Login...03 3. Configuração...03 4. Abertura de Caixa...03 5. Registro de Vendas...04 a. Passos para Emissão do Cupom Fiscal...05 b. Inserindo Produtos...06 c. Formas

Leia mais

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem com UML Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem Estática (Visão Lógica) Casos

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

Disciplina Técnicas de Modelagem

Disciplina Técnicas de Modelagem T É C N I C A 3 MODELAGEM CONCEITUAL GENERALIZAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO, AGREGAÇÃO E COMPOSIÇÃO Generalização/Especialização Herança é o termo em orientação a objetos que se refere à criação de novas classes

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

Manual Espelho de NF para Materiais

Manual Espelho de NF para Materiais Manual Espelho de NF para Materiais Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 Acessando o Pedido... 5 5.1 Lista

Leia mais

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas.

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas. Balancete Orçamentário Produto : TOTVS Gestão Patrimonial - 12.1.6 Processo : Relatórios Subprocesso : Balancete Orçamentário Data publicação da : 17/06/2015 O Balancete é um relatório contábil oficial

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DA ESTRUTURA LÓGICA DE UM SISTEMA: CLASSES E DIAGRAMAS DE CLASSE FOZ DO IGUAÇU 2013

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 20 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Dezembro de 2013. Revisão aula anterior Modelo de classes Modelo de estado Modelo de iteração Modelo

Leia mais

Vamos ver duas telas: Mesa e Itens de uma Mesa, como exemplo.

Vamos ver duas telas: Mesa e Itens de uma Mesa, como exemplo. 41 9 Restaurantes, Pizzarias, Hotéis, Casas Noturnas e similares Aos estabelecimentos como Restaurantes, há os controles de Atendentes, Quartos, Mesas, VIP (Cartões Pessoais de Consumação) e as comissões

Leia mais

Manual das planilhas de Obras v2.5

Manual das planilhas de Obras v2.5 Manual das planilhas de Obras v2.5 Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Gerando previsão de custos da obra (Módulo

Leia mais

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento O modelo Entidade-Relacionamento Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento 1 Antes de começarmos: A modelagem conceitual é uma fase muito importante no plamejamento de um

Leia mais

Sistema Integrado de Atendimento

Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento. Um sistema moderno, completo e abrangente que modifica a realidade do atendimento de sua empresa, proporcionando maior segurança na tomada

Leia mais

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software UML: Casos de Uso Projeto de Sistemas de Software UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia

Leia mais

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 O QUE MUDOU... 3 5 COMO COMEÇAR... 4 6 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 5 7 CADASTRO DE

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 16 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 12 de Novembro de 2013. Revisão aula anterior Modelagem orientada a objetos com UML Software: Astah Community

Leia mais

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE DHL IMPORT EXPRESS ONLINE GuIa DE usuário RaPIDaMENTE VOCÊ PODE PREPaR E CONTROLaR SuaS REMESSaS COM TODOS OS DETaLHES E VISIBILIDaDE DO ENVIO COM a FERRaMENTa DHL IMPORT EXPRESS. DHL IMPORT EXPRESS é

Leia mais

Especificação do 3º Trabalho

Especificação do 3º Trabalho Especificação do 3º Trabalho I. Introdução O objetivo deste trabalho é abordar a prática da programação orientada a objetos usando a linguagem Java envolvendo os conceitos de classe, objeto, associação,

Leia mais

Manual de Usuário - Flight of Icarus

Manual de Usuário - Flight of Icarus Manual de Usuário - Flight of Icarus Desenvolvido por: Elvis Venâncio S. Nogueira Data: 21/02/2013 Versão: 1.7 Sumário Conteúdo Manual sobre Flight of Icarus... 4 Formas de Conexão... 4 Tela de Login...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 3.10 Sumário 1 Funções do Emissor... 3 1.1 Aba Inicial... 4 1.2 Aba Sistema... 5 1.2.1 Mensagem Sistema... 5 1.2.2 Extras... 6 1.2.3 Contingência... 6 1.2.4 Execução... 7 1.3

Leia mais

Manual sistema Laundry 4.0

Manual sistema Laundry 4.0 Manual sistema Laundry 4.0 Sistema para serviços de Lavanderia Comércios Empresa responsável Novacorp informática Fone (41) 3013-1006 E-mail marcio@novacorp.com.br WWW.novacorp.com.br Sumario 1 Este manual

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

Cartão Usuário ISSEM

Cartão Usuário ISSEM Cartão Usuário ISSEM Objetivo: O sistema é on-line e oferece ao segurado do Instituto, facilidade e rapidez nos atendimentos junto aos nossos credenciados. Com o uso de um cartão, o segurado pode dirigir-se

Leia mais

Internet Banking. Outubro - 2012

Internet Banking. Outubro - 2012 Internet Banking Outubro - 2012 1 Índice 1. Início... Pg. 4 2. Menu Home... Pg. 5 3. Menu Conta Corrente... Pg. 7 3.1 Extratos Conta Corrente... Pg. 8 3.2 Extratos de Tarifas...Pg. 9 3.3 Informações Complementares...

Leia mais

Modelode Casosde Usoe. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Modelode Casosde Usoe. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Modelode Casosde Usoe Diagramade Casosde Uso Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Modelo de Casos de Uso Mecanismo muito importante para a identificação e registro dos requisitos; São utilizados como

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema para Administração de Condomínios MANUAL USUÁRIO. Bancos do Condomínio. ENG Sistemas - 1 -

Manual do Usuário. Sistema para Administração de Condomínios MANUAL USUÁRIO. Bancos do Condomínio. ENG Sistemas - 1 - Sistema para Administração de Condomínios MANUAL DO USUÁRIO Bancos do Condomínio ENG Sistemas - 1 - FUNCIONAMENTO DO MÓDULO... 3 TELA DE EXIBIÇÃO DE BANCOS:... 4 INCLUIR UM NOVO BANCO:... 4 Banco...5 Agência

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Manual de Utilização do PDV Klavix

Manual de Utilização do PDV Klavix Manual de Utilização do PDV Klavix Página 1/20 Instalando a partir do CD Se você recebeu um CD de instalação, rode o programa Instalador que se encontra no raiz do seu CD. Ele vai criar a pasta c:\loureiro

Leia mais

Modelagem de Sistemas

Modelagem de Sistemas Capítulo 5 Modelagem de Sistemas slide 1 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1 Tópicos Apresentados Modelos de contexto Modelos de interação Modelos estruturais Modelos comportamentais

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO Acesse o site www.teubilhete.com.br, selecione a opção Teu Online, e clique no botão, preencha o formulário com os dados de sua empresa. Reúna duas vias impressas do Contrato

Leia mais

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

ProcessoUnificado: Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ProcessoUnificado: Elaboração Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA ResultadodaConcepção Um seminário curto de requisitos; A maioria dos atores, objetivos e casos de uso nomeados; A maioria dos casos de

Leia mais