Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir:"

Transcrição

1 Chaves 1 Chaves CONCEITO DE CHAVE: determina o conceito de item de busca, ou seja, um dado que será empregado nas consultas à base de dados. É um conceito lógico da aplicação (chave primária e chave estrangeira). Podemos dizer que um campo é chave se ele for passível de ser utilizado para recuperar linhas de uma tabela. Geralmente todos os campos de uma tabela são chaves, mas o modelo relacional solicita que sejam definidas quais são as principais chaves de uma tabela. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir: 2 1

2 Chaves CHAVE PRIMÁRIA (Primary Key): É o atributo de uma tabela que identifica univocamente uma tupla. O conceito de chave primária está ligada à própria concepção do modelo relacional. Os dados estão organizados sob a forma de tabelas bidimensionais, com linhas e colunas, e o princípio nos conduz a termos uma forma de identificar uma única linha da tabela através de um identificador único em valor. Observação: Recomenda-se que toda tabela relacional deve possuir este identificador denominado chave primária. 3 Chaves CHAVE ESTRANGEIRA (Foreign Key): As chaves estrangeiras constituem-se em um dos conceitos de importância vital no contexto do modelo relacional, pois são os elos de ligação entre as tabelas. Quando dizemos que duas tabelas possuem colunas comuns, devemos observar que provavelmente esta coluna em uma das tabelas constituem-se de uma chave primária. Na outra tabela, esta coluna comum irá caracterizar-se então com o que denominamos de Chave Estrangeira. É na realidade uma referência lógica de uma tabela à outra. Observação: Não existe limitação quanto ao número de chaves estrangeiras que pode existir em uma tabela. 4 2

3 Chaves A ilustração a seguir mostra um exemplo de referência lógica por chave estrangeira: FUNCIONÁRIO Matricula Nome Departamento 1234 José 10 Chave Estrangeira 5678 Maria 15 DEPARTAMENTO Chave Primária Número Nome 10 Pessoal 15 Compras 5 Chaves REGRAS DE INTEGRIDADE DO MODELO RELACIONAL Em função dos conceitos de chave primária e chave estrangeira, Codd elaborou duas regras de integridade de dados do modelo relacional, que foram chamadas de: Regra de Integridade de Identidade (ou entidade) Regra de Integridade de Referencial As regras de integridade do modelo relacional representam a garantia de que as tabelas guardam informações compatíveis. São, portanto, de extrema importância para a confiabilidade das informações do banco de dados. 6 3

4 Chaves Regra de Integridade de Identidade: Esta restrição refere-se aos valores das chaves primárias. Se a chave primária, por definição, identifica uma e somente uma ocorrência de uma tabela, ela não poderá ter valor NULO (NULL) porque nulo é um valor que não identifica nada e sim representa a informação desconhecida. Regra de Integridade de Referencial: Se uma determinada tabela A possui uma chave estrangeira que é chave primária de uma tabela B, então ela deve: Ser igual a um valor de chave primária existente na tabela B; ou Ser totalmente nula (NULL). Isto significa dizer que uma ligação lógica está desativada. Conclui-se então que não pode existir na chave estrangeira, um valor que não exista na tabela na qual ela é chave primária. 7 Índices 8 4

5 Índices Índices: Constituem estruturas de dados (arquivos) adicionais àquela contendo os registros de dados. Provêm caminhos de acesso alternativo aos registros. Provêm caminhos de acesso alternativo aos registros sem afetar a disposição física dos registros no arquivo. Um índice acelera a recuperação de registro baseada no campo de indexação. 9 Índices Vantagens dos Índices: a) Acesso mais rápido ao registro quando a procura é sobre campo indexado. b) O arquivo de índice é menor do que o arquivo de dados, gerando também menos I/O (Input/Output: Entrada e Saída) durante o processamento. Desvantagens: a) Inclusão, alteração e exclusão de dados ficam mais lentas. b) É necessário mais espaço para armazenamento. Como vimos, um índice é, portanto, um recurso físico que visa otimizar a recuperação de uma informação através do método de acesso. Seu objetivo principal está relacionado com a performance de um sistema. 10 5

6 Índices Como um índice é implementado no BD: Um índice é um ponteiro para os dados em uma tabela. Um índice em um banco de dados é muito semelhante a um índice no final de um livro. Exemplo: se desejarmos referenciar todas as páginas em um livro que discute um determinado assunto, primeiro consultamos um índice que lista todos os tópicos alfabeticamente e depois consultamos um ou mais números de páginas específicos. Um índice em um banco de dados funciona da mesma maneira no sentido de que uma consulta é apontada para localização física exata dos dados em uma tabela. 11 Índices Armazenamento e propósito do índice Um índice é armazenado separadamente da tabela para qual o índice foi criado. Os índices podem ser criados ou deletados sem influenciar os dados. Contudo, uma vez deletados, o desempenho da recuperação de dados pode tornar-se lento. Comportamento de um banco de dados que não utiliza índices: Quando um banco de dados não utiliza um índice, ele está realizando o que geralmente é chamado de varredura completa da tabela, ou pesquisa seqüencial. Seria o mesmo que folhear um livro página por página. 12 6

7 Índices Tipos de índices: Índice Primário: Um índice primário é construído sobre o campo chave de classificação de um arquivo ordenado de registros. Lembrando que: campo chave é o campo usado para ordenar fisicamente os registros do arquivo no disco, e cada registro deve possuir um único valor para o campo. Índice de Cluster: É construído sobre um campo de ordenação que não é um campo chave e, por isso, diversos registros no arquivo podem ter o mesmo valor para este campo. Índice Primário: Diz respeito a uma tabela com dois campos: a) Um dos campos que corresponde à chave primária do arquivo de dados; b) Outro campo representando o ponteiro para um determinado endereço do disco. 13 Índices Exemplo de como um índice primário funciona Quando um índice é criado, ele registra a localização de valores em uma tabela que está associada com a coluna indexada. As entradas são adicionadas ao arquivo de índice sempre que novos dados forem adicionados à tabela. Quando uma consulta é executada contra o banco de dados e uma condição para essa consulta é especificada em uma coluna que está indexada, o índice é inicialmente pesquisado para que possa retornar a localização exata dos dados na tabela. I N D I C E Dados Localização Souza 6 Oliveira 2 Oliveira 8 Pereira 5 Silva 1 Silva 3 Silva 7 Carvalho 4 Localização Dados 1 Silva 2 Oliveira 3 Silva 4 Carvalho 5 Pereira 6 Souza 7 Silva 8 Oliveira T A B E L A 14 7

8 Índices Índice de Cluster: Temos que lembrar que um campo de indexação não é necessariamente um campo chave. Podemos indexar campos que contenham valores repetidos. Quando fazemos isso, chamamos estes campos de campos de agrupamento. O objetivo é agruparmos blocos de informações com o objetivo de obter um resultado que contemple vários registros associados à uma única informação. 15 Índices Bons e maus candidatos para índices: Para escolher um bom índice, devemos examinar as consultas e operações que desejamos fazer: Bons andidatos para índice: -Atributos da Primary Key; -Atributos usados em junções (chaves estrangeiras); -Atributos usados na cláusula WHERE (escolher aqueles usados em mais consultas ou nas consultas consideradas críticas); -Atributos usados na ordenação do resultado da consulta. Maus candidatos para índice: -Atributos com alta taxa de atualização; -Atributos com poucos valores distintos. 16 8

9 Índices Observações Gerais sobre os Índices Como vimos, é possível existir diferentes estruturas de armazenamento, cada qual adequada para requisitos específicos. É comum termos diversos índices definidos sobre um mesmo arquivo, cada qual com diferentes propósitos. No entanto, se o arquivo acabar tendo muitos índices, a manutenção dos índices torna-se cara. Portanto, precisamos usar o bom senso. 17 2ª e 3ª Formas Normais 18 9

10 Normalização Primeira forma normal: A 1FN diz que: cada ocorrência da chave primária deve corresponder a uma e somente uma informação de cada atributo, ou seja, a entidade não deve conter grupos repetitivos (multivalorados). 19 Normalização 2ª Forma Normal (2FN): Para atender a segunda forma normal, as entidades devem estar na primeira forma normal e não conter dependências funcionais. Considera-se que existem dependências funcionais quando o valor de um atributo determina o valor de outros. Estão lembrados do conceito de dependência funcional? Existem três tipos: Dependência total Dependência parcial Dependência transitiva 20 10

11 Normalização 1) Dependência Total Quando um atributo ou conjunto de atributos dependem totalmente de uma chave primária concatenada e não parte dela. Exemplo: o atributo avaliação depende totalmente da chave composto por matricula_aluno + código_curso. 2) Dependência Parcial Ocorre quando o atributo só depende de parte da chave primária concatenada, e não dela como um todo. Exemplo: atributo descrição_do_curso depende parcialmente da chave matricula_aluno + código_curso, pois depende somente do atributo código_curso. 21 Normalização 3) Dependência Transitiva Quando um atributo ou conjunto de atributos de A depende de outro atributo que não pertence a chave primária, mas é dependente funcional desta. Exemplo: Entidade Pedido possui os atributos Endereço, Cidade, UF, CGC e IE que são dependentes transitivos do atributo Cliente. N Pedido Prazo Ent. Cliente Endereço Cidade UF CGC IE Dependência transitiva Portanto, a 2ª forma normal se aplica a entidades com chave composta (chave primária composta de um ou mais atributos) e consiste em retirar delas os atributos que são funcionalmente dependentes da parte da chave

12 Normalização Reconhece-se uma entidade na 2ª forma normal quando todos os atributos comuns são completamente dependentes do atributo chave. Como aplicar a 2ª Forma Normal: Devemos observar se alguma entidade possui chave primária concatenada, e para aquelas que satisfizeram essa condição, analisar se existe algum atributo ou conjunto de atributos com dependência parcial em relação a algum elemento da chave primária concatenada. 23 Normalização A aplicação da 2FN sobre as entidades observadas irão gerar novas entidades que herdarão a chave parcial e todos os atributos que dependem desta chave parcial, ou seja, uma entidade para estar na 2FN não pode ter atributos com dependência parcial em relação à chave primária

13 Normalização Exemplo: ITEM-DE-PEDIDO N Pedido Código do Produto Quantidade Unidade Descrição Valor Unitário Chave Primária Concatenada Dependem de forma parcial do Código do Produto, que faz parte da chave primária Após aplicar a 2FN, será criada a seguinte entidade, tendo o código do produto como chave primária: PRODUTO Código do Produto Unidade Descrição Valor Unitário Representação no ER: Pedido 1 N Item de Pedido N 1 Produto 25 Normalização 3ª Forma Normal (3FN): A terceira forma normal refere-se a atributos com dependência funcional transitiva, ou seja, quando existem atributos comuns que são funcionalmente dependentes de outros atributos comuns. N Pedido Prazo Ent. Cliente Endereço Cidade UF CGC IE Dependem de um atributo que não é chave primária Dependência transitiva 26 13

14 Normalização Aplicação da 3ª Forma Normal: Uma entidade está na 3FN se nenhum de seus atributos possui dependência transitiva em relação a outro atributo da entidade que não participe da chave primária, ou seja, não exista nenhum atributo intermediário entre a chave primária e o próprio atributo observado. Ao retirarmos a dependência transitiva devemos criar uma nova entidade que contenha os atributos que dependem transitivamente de outro e a sua chave primária é o atributo que causou essa dependência. 27 Normalização Exemplo: PEDIDO N Pedido Prazo de Entrega Cod.Cliente Codigo Vendedor Nome do Vendedor Chave Primária Depende transitivamente do Código do Vendedor, que NÃO pertence à chave primária Aplicando a 3FN, devemos criar a entidade VENDEDOR, da seguinte forma: PRODUTO Código do Vendedor Nome do Vendedor 28 14

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Material usado na montagem

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 6. Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com

BANCO DE DADOS I AULA 6. Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com BANCO DE DADOS I AULA 6 Wlllamys Araújo willamysaraujo7@gmail.com Normalização Conjunto de regras que ajudam na definição de bancos de dados que não contenham redundância desnecessária e que permitam o

Leia mais

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico)

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico) Modelo Relacional 2. Modelo Relacional (Lógico) Derivado do modelo conceitual; Depende do SGBD escolhido; Independe dos dispositivos de armazenamento; Primitivas: tabelas, linhas e colunas; Transformação

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Abordagem relacional Capítulo 4

Abordagem relacional Capítulo 4 Abordagem relacional Capítulo 4 Carlos A. Heuser - Transparências para uso com o livro Projeto de Banco de Dados, Ed. Sagra&Luzzatto, Porto Alegre, 1999 1 Abordagem Relacional Abordagem de modelagem de

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

MEMOREX BANCO DE DADOS por Paulo Marcelo

MEMOREX BANCO DE DADOS por Paulo Marcelo MEMOREX BANCO DE DADOS por Paulo Marcelo paulo1410@hotmail.com 10/10/2009 Esse é o terceiro memorex destinado aos concurseiros de TI. Neste material, foram compilados os principais conceitos sobre banco

Leia mais

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 Projeto Conceitual de BD Transformação ER/Relacional Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Este material tem como propósito lhes dar as explicações mais importantes sobre base de dados, relevantes para o uso do GeneXus.

Este material tem como propósito lhes dar as explicações mais importantes sobre base de dados, relevantes para o uso do GeneXus. Este material tem como propósito lhes dar as explicações mais importantes sobre base de dados, relevantes para o uso do GeneXus. 1 Uma base de dados ou banco de dados (BD), é um conjunto de dados pertencentes

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Introdução Conceitos do Modelo Relacional Restrições de Integridade Básicas Esquema do BD Relacional Restrições

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD. define um conjunto de conceitos para

Leia mais

O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional

O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional O modelo de dados relacional e as restrições de um banco de dados relacional Vitor Valerio de Souza Campos Modelo de dados relacional OBJETIVOS Apresentar os conceitos do Modelo Relacional Apresentar as

Leia mais

Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Modelagem de Dados UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação, reveja

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. MODELAGEM DE DADOS - NORMALIZAÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. MOTIVAÇÃO Tipos de chave Chave candidata: Todas as opções de identificação única de um registro; Chave primária: Chave escolhida como

Leia mais

Modelo Relacional. Aécio Costa

Modelo Relacional. Aécio Costa Aécio Costa O Modelo de Dados Relacional foi introduzido por Codd (1970). Entre os modelos de dados de implementação, o modelo relacional é o mais simples, com estrutura de dados uniforme, e também o mais

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Capítulo 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS 1.1 - BANCO DE DADOS - INTRODUÇÃO...2 1.1.1- Dados...2 1.1.2- Hardware...3 1.1.3- Software...3 1.1.4- Usuários...4 1.2 - SISTEMAS DE ARQUIVOS CONVENCIONAIS...5 1.3

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados

Modelo Entidade-Relacionamento DCC011. Modelo Entidade-Relacionamento. Processo de Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introdução a Banco de Dados -06 Modelo Entidade-Relacionamento Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br Processo de Projeto

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Modelagem de Dados Modelo de Entidade- Relacionamento Conceitos Principais Entidade: Uma entidade é algo do mundo real que possui

Leia mais

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS X SGBD Banco de Dados: Um "banco de dados" pode ser definido como um conjunto de "dados" devidamente

Leia mais

MODELO DE DADOS. 1. Modelo de Dados. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento.

MODELO DE DADOS. 1. Modelo de Dados. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. MODELO DE DADOS 1. Modelo de Dados É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. 2. Modelo de Entidade Relacionamento É a principal ferramenta gráfica

Leia mais

CICLO DE VIDA DE UM BD

CICLO DE VIDA DE UM BD BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br CICLO DE VIDA DE UM

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS 4- PROJETO DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS DE ENSINO: 4 - Empregar a técnica da modelagem de dados no projeto de banco de dados. OBJETIVOS OPERACIONAIS Ao final desta unidade o aluno será capaz de: 4.1 - Definir

Leia mais

OBJETIVOS. Orientações para Projetos de BD; Dependências Funcionais (DFs): Definição de DF; Regras de inferência para DFs.

OBJETIVOS. Orientações para Projetos de BD; Dependências Funcionais (DFs): Definição de DF; Regras de inferência para DFs. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br OBJETIVOS Orientações

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 7 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprender sobre a modelagem lógica dos dados. Conhecer os

Leia mais

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados

Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados Simulado Banco de Dados I Bimestre 1 Capítulo 1 Projeto Lógico de Banco de Dados 01) Defina com suas próprias palavras: a) Banco de Dados b) Sistema Gerenciador de Banco de Dados c) Sistema de Banco de

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Banco de Dados Prof. Gilberto B. Oliveira Tópicos Projeto de Banco de Dados (Button-Up) Modelagem conceitual Modelagem lógica Exemplo: Implementação do modelo Escola

Leia mais

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução

INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução INF70 Gerenciamento de Banco de Dados 2 Plano de Curso e Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/gbd2 UFU/FACOM/BCC Plano de Curso Ementa Arquitetura de um Sistema

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Agenda: Estruturas de Índices; Conceitos; Tipos de Índices: Primários; Secundários; Clustering; Multiníveis;

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 4) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 4) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 4) Clodis Boscarioli Agenda: Indexação em SQL; Vantagens e Custo dos Índices; Indexação no PostgreSQL; Dicas Práticas. Índice em SQL Sintaxe:

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015

Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1. Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Aula 3 SBD Modelo Entidade Relacionamento Parte 1 Profa. Elaine Faria UFU - 2015 Processo do Projeto de um Banco de Dados A criação de uma aplicação de banco de dados envolve várias tarefas Projeto do

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

Microsoft Access INTRODUÇÃO. Sumário INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. O que é Banco de Dados?

Microsoft Access INTRODUÇÃO. Sumário INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. O que é Banco de Dados? Microsoft Access Sumário 1. 2. ABRINDO UM BANCO DE DADOS PRONTO 3. ASSISTENTE DE BANCO DE DADOS 4. NAVEGANDO PELO BANCO DE DADOS 5. CRIANDO UM BANCO DE DADOS DESDE O INÍCIO 6. CRIANDO COSULTAS 7. CRIANDO

Leia mais

Introdução a Banco de Dados e Access

Introdução a Banco de Dados e Access Roteiro Introdução a Banco de Dados e Access Isabel Harb Manssour. Conceitos Básicos B de Banco de Dados. 3. 4. Porto Alegre, maio de 007 Baseado no material das professoras Miriam Sayão, Adriana Beiler

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro SQL, SQL3 e OQL são linguagens declarativas O SGBD deve processar e otimizar estas consultas antes delas serem efetivamente executadas Uma consulta possui muitas estratégias

Leia mais

Introdução a Banco de Dados e Access

Introdução a Banco de Dados e Access Introdução a Banco de Dados e Access Edson Ifarraguirre Moreno Porto Alegre, maio de 2011 Baseado no material da professora Isabel Harb Manssour Roteiro 1. Conceitos Básicos de BD 2. Microsoft Access 3.

Leia mais

Banco de Dados Lista de Exercícios 01

Banco de Dados Lista de Exercícios 01 Banco de Dados Lista de Exercícios 01 Prof. Anderson Rocha & Prof. André Santanché Campinas, 24 de Setembro de 2012 Nome: RA: 1 Observações Este lista contem 20 exercícios e contempla os seguintes assuntos

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento 1 Quanto à obrigatoriedade dos elementos de uma entidade participarem, ou não, no relacionamento com outra entidade, tem-se: Participação obrigatória de

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

AULA 16 - Sistema de Arquivos

AULA 16 - Sistema de Arquivos AULA 16 - Sistema de Arquivos Arquivos podem ser vistos como recipientes que contêm dados ou como um grupo de registros correlatos. Os arquivos armazenam informações que serão utilizadas, em geral, por

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Para que serve? Serve para gerir vastos conjuntos de informação de

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Arquitetura de SGBD Relacionais Previsão de Seletividade

Arquitetura de SGBD Relacionais Previsão de Seletividade Arquitetura de SGBD Relacionais Previsão de Seletividade Caetano Traina Jr. Grupo de Bases de Dados e Imagens Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo - São Carlos caetano@icmc.usp.br

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL

INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL Departamento de Informática INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL Prof. Carlos Pampulim Caldeira Évora, 2004 ÍNDICE 1. Introdução às Bases de Dados Relacionais 1 1.1 Historial 1 1.2 Definição de Base

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL PROF. MS C. RICARDO ANTONELLO WWW.ANTONELLO.COM.B R PORQUE SER RELACIONAL? Hoje, há um claro predomínio dos SGBD relacionais, principalmente

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Modelo Relacional (R) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Modelo Relacional (R) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Modelo Relacional (R) Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM UFU/FACOM Página 2 Modelo Relacional R : Definição Def. O MODELO

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto Bases de Dados 2006/2007 Enunciado do Projecto Parte 1 O projecto de implementação da disciplina de Bases de Dados para ano ano lectivo 2006/2007 divide-se em duas partes. Este documento contém o enunciado

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização dos arquivos Estrutura de diretório Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços em disco Proteção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág.

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág. Conteúdos Dos ficheiros de dados aos sistemas de gestão de base de dados Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de

Leia mais

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento

Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Aula II Introdução ao Modelo de Entidade-Relacionamento Referência bibliográfica ANGELOTTI, E S. Banco de Dados. Ed. Livro Técnico Introdução É um modelo conceitual e deve estar o mais próximo possível

Leia mais

1. Introdução ao Modelo Entidade-Relacionamento (MER)

1. Introdução ao Modelo Entidade-Relacionamento (MER) MODELAGEM CONCEITUAL 1. Introdução ao Modelo Entidade-Relacionamento (MER) Conforme comentado no capítulo anterior, o sistema de banco de dados deve prover uma visão abstrata de dados aos usuários, isolando-os

Leia mais

1. Arquivos Seqüenciais

1. Arquivos Seqüenciais 1. Arquivos Seqüenciais 1.1. Introdução Historicamente, os arquivos seqüências são associados as fitas magnéticas devido a natureza seqüencial deste meio de gravação. Mas os arquivos seqüências são também

Leia mais

descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados;

descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; Diagrama Entidade-Relacionamento (DER) descreve relacionamentos entre objetos de dados; conduz à modelagem de dados; atributos de cada objeto => Descrição de Objetos de Dados; 1 entendo 1 2 Reino Real

Leia mais

MODELO DE DADOS. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento.

MODELO DE DADOS. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. MODELO DE DADOS. Modelo de Dados É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. 2. Modelo de Entidade Relacionamento É a principal ferramenta gráfica

Leia mais

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I Efetivação Lógica de Normalização Prof. Gilberto Braga de Oliveira Expressão do Relacionamento Necessidade de incluir campos nas tabelas para que os relacionamentos

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

ACCESS BÁSICO. Exercício 1 NCE/UFRJ. 1. O que são bancos de dados?...

ACCESS BÁSICO. Exercício 1 NCE/UFRJ. 1. O que são bancos de dados?... Introdução ao Microsoft Access 97 Bancos de dados: o que são e como funcionam Criar e trabalhar com bancos de dados Bancos de dados: o que são e como funcionam 1. O que são bancos de dados? 2. Cite outros

Leia mais

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento. MODELAGEM DE DADOS USANDO O MODELO ENTIDADE-RELACIONAMENTO Carga horária Quatro horas EAD 3ª semana. Objetivos UNIDADE 2 Desenvolver o projeto conceitual de Banco de dados com a utilização do Modelo Entidade-Relacionamento.

Leia mais

Comparação entre Tipos de Diagramas. DEA para um Banco. Modelo Relacional. Modelos Relacional

Comparação entre Tipos de Diagramas. DEA para um Banco. Modelo Relacional. Modelos Relacional DEA para um Banco Comparação entre Tipos de Diagramas gerente TrabPara id empregado primeiro ultimo s dependentes inicio funcoes Banq tipo Poupanca taxas emprestimo empregado Dep data acesso Ordem limite

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras Engenharia Informática 3º ano - 2003/2004 Ana Maria Madureira 1. MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Descreve o S.I. da Organização

Leia mais

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum

SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum SOP - TADS Sistemas de Arquivos Cap 4 Tanenmbaum Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Cronograma Introdução

Leia mais

Banco de Dados. Modelo Relacional. Prof. Enzo Seraphim

Banco de Dados. Modelo Relacional. Prof. Enzo Seraphim Banco de Dados Modelo Relacional Prof. Enzo Seraphim Tópicos Definição do Modelo Estrutura sintática Terminologia Domínios Esquemas de Relações Ordem Base Relacional Chave Restrições de Integridades 2

Leia mais

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila EAD Fila - os seus elementos são processados por ordem de chegada: - o primeiro elemento a entrar na Fila é o primeiro a sair - FIFO ( First In First Out ). - algumas operações realizam-se na frente/cabeça

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL SQL Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada; Originou-se da linguagem SEQUEL (1974); Revisada e chamada de SQL em 1976/77; Em 1986, padronizada pelo ANSI/ISO - chamada SQL-86; Em 1987

Leia mais

Banco de Dados II. Triggers e Functions. Prof. Moser Fagundes. Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas

Banco de Dados II. Triggers e Functions. Prof. Moser Fagundes. Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Banco de Dados II Triggers e Functions Prof. Moser Fagundes Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Sumário da aula Functions (funções) Triggers (gatilhos) Atividades Functions

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Arquivos de registros Abstração do SGBD Pode ser criado, destruido e ter registros incluidos e excluidos nele Tb suporta a varredura Uma relacao geralmente é armazenada como um arquivo de registros Camada

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

Exemplo Seja a relação Inventário (peça, departamento, cor) com. Está na FNBC (não existem dependências funcionais). Mas, existem anomalias:

Exemplo Seja a relação Inventário (peça, departamento, cor) com. Está na FNBC (não existem dependências funcionais). Mas, existem anomalias: 5. Normalização avançada 5.1. Dependências Multivalor (DM) 5.2. Dependências de Junção (DJ) 5.3. Quarta Forma Normal [Fagin1977] Exemplo Seja a relação Inventário (peça, departamento, cor) com peça departamento

Leia mais

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão;

Dados. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme Platão; Dados Os Dados são os fatos em sua forma primária, como observamos no mundo. Qualquer elemento (aspecto, fato, medida etc.) representativo, disponível e coletável na realidade. fatos no estado bruto, conforme

Leia mais

Busca em Memória. Secundária

Busca em Memória. Secundária UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Busca em Memória Secundária e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Busca de um item em uma massa de dados que não cabe na memória principal; Procura-se

Leia mais

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende:

ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD. Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário. A performance do sistema depende: ESTRUTURA INTERNA DO SISTEMA ESTRUTURA GERAL DO SGBD Desempenho do BD ÙSatisfação do usuário USUÁRIO A performance do sistema depende: da eficiência das estruturas de dados utilizadas; como o sistema opera

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE Fabiana Gomes Marinho Faculdade Lourenço Filho Resumo: Na UML, a modelagem conceitual dos dados é descrita pelo diagrama de classes, que através

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais FATEC-PB Professor: Gustavo Wagner gugawag@gmail.com 1 Capítulo 6 Sistemas de Arquivos 6.1 Arquivos 6.2 Diretórios 6.3 Implementação do sistema de arquivos 6.4 Exemplos de sistemas

Leia mais

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados.

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Modelagem de Dados Normalização Objetivo: BANCO DE DADOS Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Sub-Fases: Identificação das redundâncias e outros

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Banco de Dados I. Modelagem Conceitual Parte 2. Cardinalidades, atributos em relacionamentos, identificadores, generalização. Prof.

Banco de Dados I. Modelagem Conceitual Parte 2. Cardinalidades, atributos em relacionamentos, identificadores, generalização. Prof. Banco de Dados I Modelagem Conceitual Parte 2 Cardinalidades, atributos em relacionamentos, identificadores, generalização. Prof. Moser Fagundes Curso TSI Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus

Leia mais

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com

Modelos de Armazenamento de dados. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Modelos de Armazenamento de dados Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Legendas! Nesta apresentação serão utilizadas algumas legendas: Indica uma referência, para quem ficou curioso

Leia mais