Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML"

Transcrição

1 Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML -

2 Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar os mapas mentais que encontrei sobre UML nesse post para ficar mais fácil. Quem tiver mais e quiser contribuir com a coleção, fique a vonta para me enviar. Diagramas Estrutura Diagramas Comportamento Fases do UML Detalhes dos Diagramas UML - Diagramas Estruturais

3 UML - Diagramas Comportamento UML - Fases

4 UML - Detalhes dos Diagramas Introdução diagramas a UML e seus A Unified Molling Language (UML) é uma linguagem ou notação diagramas para especificar, visualizar e documentar molos software orientados por objetos. O UML não é um método senvolvimento, o que significa que não lhe diz o que fazer primeiro ou o que fazer pois ou como senhar o seu sistema, mas ajuda-o a visualizar o seu senho e a comunicar com os outros. O UML é controlado pelo Object Management Group (OMG) e é a norma da indústria para screver graficamente o software. O UML está senhado para o senho software orientado por objetos e tem uma utilização limitada para outros paradigmas programação.

5 A UML é composta por muitos elementos molo que representam as diferentes partes um sistema software. Os elementos UML são usados para criar diagramas, que representam um terminada parte, ou um ponto vista do sistema. Objetivos Os objetivos da UML são: especificação, documentação, estruturação para sub-visualização e maior visualização lógica do senvolvimento completo um sistema informação. A UML é um modo padronizar as formas molagem. Para que usar UML? Ajudar a conceber nossas idéias, em relação ao sistema que estivermos projetando Pensar antes codificar; Apresentar nossas idéias ao grupo forma que todos possam interagir e discutir um terminado ponto Aumentar a participação e envolvimento do time; Documentar nossas idéias quando elas já estiverem bem consolidadas para que novos integrantes e novos colaboradores possam acelerar sua compreensão dos sistemas senvolvidos pelo grupo; Tipos Diagramas Diagramas servem para capturar diferentes visões do sistema: Estrutural: estática Diagrama Diagrama Diagrama Diagrama Classes Objetos Componentes Implantação Comportamental: dinâmica Diagrama Casos Uso

6 Diagrama Diagrama Diagrama Diagrama Seqüência Atividas Estados Colaboração Diagramas Estáticos Diagrama Classes Diagramas classe mostram as diferentes classes que fazem um sistema e como elas se relacionam. Os diagramas classe são chamados diagramas estáticos porque mostram as classes, com seus métodos e atributos bem como os relacionamentos estáticos entre elas: quais classes conhecem quais classes ou quais classes são parte outras classes, mas não mostram a troca mensagens entre elas. Na UML, atributos são mostrados com pelo menos seu nome, e pom também mostrar seu tipo, valor inicial e outras propriedas. Atributos pom também ser exibidos com sua visibilida: + indica atributos ou métodos públicos (significa que ele po ser acessado qualquer lugar da classe ou sub-classe); # indica atributos ou métodos protegidos (significa que ele só po ser acessado ntro da própria classe ou em suas classes-filha); indica atributos ou métodos privados (significa que ele só po ser acessado ntro da própria classe.); ~ pacote. As operações também são exibidas com pelo menos seu nome, e pom também mostrar seus parâmetros e valores retorno.

7 Uma observação a ser feita é que quando se tem um atributo ou método estáticos, eles irão aparecer sublinhados no diagrama. Já os métodos abstratos irão aparecer em itálico. Classes pom ter molos, um valor que é usado para uma classe ou tipo não especificado. O tipo molo é especificado quando uma classe é iniciada (isto é um objeto é criado). Molos existem no C ++ morno e foram introduzidos no Java 1.5 on eles são chamados genéricos. Existem alguns tipos relacionamentos no diagrama classes que veremos abaixo: Generalização A herança é um dos conceitos fundamentais da programação orientada por objetos, nos quais uma classe ganha todos os atributos e operações da classe que herda, pondo sobrepor ou modificar algumas las, assim como adicionar mais atributos ou operações próprias. EM UML, uma associação Generalização entre duas classes colocaas numa hierarquia representando o conceito herança uma classe rivada uma classe base. Em UML, Generalizações são representadas por uma linha conectando duas classes, com uma seta no lado da classe base.

8 Generalização Associação Um associação representa um relacionamento entre classes, e fornece a semântica comum e a estrutura para muitos tipos conexões entre objetos. Associações são o mecanismo que permite objetos comunicarem-se entre si. Elas screvem a conexão entre diferentes classes (a conexão entre os objetos atuais é chamada conexão do objeto, ou link. Associações pom ter um regra que especifica o propósito da associação e po ser uni ou bidirecional (indicando se os dois objetos participantes do relacionamento pom mandar mensagens para o outro, ou se apenas um les sabe sobre o outro). Cada ponta da associação também possui uma valor multiplicida, que dita como muitos objetos neste lado da associação po relacionar-se com o outro lado. Em UML, associações são representadas como linhas conectando as

9 classes participantes do relacionamento, e pom também mostrar a regra e a multiplicida cada um dos participantes. A multiplicida é exibida como um intervalo [min máx] valores não negativos, com uma estrela (*) no lado máximo representando infinito. Associação Agregação Agregações são um tipo especial associação no qual as duas classes participantes não possuem em nível igual, mas fazem um relacionamento todo-parte. Uma Agregação screve como a classe que possui a regra do todo, é composta (tem) outras classes, que possuem a regra das partes. Para Agregações, a classe que age como o todo sempre tem uma multiplicida um. Em UML, Agregações são representadas por uma associação que mostra um romboi no lado do todo. Agregação Composição Composições são associações que representam agregações muito fortes. Isto significa que Composições formam relacionamentos todo-parte também, mas o relacionamento é tão forte que as partes não po existir inpenntes. Elas existem somente ntro do todo, e se o todo é struído as partes morrem também.

10 Em UML, Composições são representadas por um romboi sólido no lado do todo. Composição Interfaces Interfaces são classes abstratas que significam instâncias que não pom ser diretamente criadas las. Elas pom conter operações mas não pom conter atributos. Classes pom rivar interfaces (através da realização uma associação) e instâncias pom então ser feitas stes diagramas. Tipos Dados Tipos dados são primitivos uma vez que são tipicamente construídos numa linguagem programação. Exemplos comuns são inteiros e lógicos. Eles não pom ser relacionados à classes mas classes po se relacionar com eles. Enumerações Enumerações são uma lista simples valores. Um exemplo típico é uma enumeração para dias da semana. As opções uma enumeração são chamadas Literais Enumeração. Como tipos dados, elas não pom ter relacionamentos para classes mas classes pom relacionar-se com elas. Pacotes Pacotes representam um espaço nomes numa linguagem programação. Num diagrama eles são usados para representar partes um sistema que contém mais uma classe, talvez centenas classes.

11 Diagrama Objetos O diagrama objetos é uma variação do diagrama classes e utiliza quase a mesma notação. A diferença é que o diagrama objetos mostra os objetos que foram instanciados das classes. O diagrama objetos é como se fosse o perfil do sistema em um certo momento sua execução. A mesma notação do diagrama classes é utilizada com duas exceções: os objetos são escritos com seus nomes sublinhados e todas as instâncias num relacionamento são mostradas. Os diagramas objetos não são tão importantes como os diagramas classes, mas eles são muito úteis para exemplificar diagramas complexos classes ajudando muito em sua compreensão. Diagramas objetos também são usados como parte dos diagramas colaboração(passou a se chamar comunicação na uml 2.0), on a colaboração dinâmica entre os objetos do sistema são mostrados. Diagrama Objetos Diagrama Componentes Diagramas componente mostram os componentes do software (sejam componentes tecnologias como KParts, componentes CORBA ou Java Beans ou apenas seções do sistema que são claramente distintas) e os artefatos que eles são feitos

12 como arquivos código-fonte, bibliotecas programação ou tabelas bancos dados relacionais. Componentes pom possui interfaces (isto é classes abstratas com operações) que permitem associações entre componentes. Diagrama Componentes Diagrama Implantação O Diagrama instalação/implantação é finido pela Linguagem Molagem Unificada (Unified Moling Language UML), screve os componentes hardware e software e sua interação com outros elementos suporte ao processamento. Representa a configuração e a arquitetura um sistema em que estarão ligados seus respectivos componentes, sendo representado pela arquitetura física hardware, processadores etc. Nó: Representa uma peça física equipamento na qual o sistema será implantado.

13 Artefatos: Qualquer pedaço físico informação usada ou produzida por um sistema. Especificação implantação: Especifica um conjunto propriedas que termina os parâmetros execução um artefato que está instalado em um nó. Diagrama Implantação Diagramas Dinâmicos Diagrama Casos Uso Diagramas Caso Uso screvem relacionamentos e pendências entre um grupo Caso Uso e os Atores participantes no processo. É importante observar que Diagramas Caso Uso não são aquados para representar o senho, e não pom screver os mecanismos internos um sistema. Diagramas Caso Uso são feitos para facilitar a comunicação com os futuros usuários do sistema, e com o cliente, e são especialmente úteis para terminar os recursos necessários que o sistema ve ter. Diagramas Caso Uso dizem o quê o sistema ve fazer, mas não fazem e não pom especificar como isto

14 será conseguido. Um Caso Uso screve do ponto vista dos atores um grupo atividas num sistema que produz um resultado concreto e tangível. Casos Uso são scrições interações típicas entre os usuários um sistema e o sistema propriamente dito. Eles representam a interface externa do sistema e especificam um conjunto exigências do que o sistema ve fazer (lembre-se: somente o quê, não como). Quando trabalhar com Casos Uso, é importante lembrar-se algumas regras simples Cada Caso Uso está relacionado com no mínimo um ator; Cada Caso Uso possui um iniciador (isto é um ator); Cada Caso Uso liga-se a um resultado relevante (um resultado com valor negócio ). Casos Uso também pom ter relacionamentos com outros Casos Uso. Os três tipos mais comuns relacionamento entre Casos Uso são: <<inclui-se>> que especifica que um Caso Uso toma lugar ntro outro Caso Uso <<esten>> que especifica que em terminadas situações, ou em algum ponto (chamado um ponto extensão) um Caso Uso será estendido por outro. Generalização especifica que um Caso Uso herda as características do Super Caso Uso, e po sobrepor algumas las ou adicionar novas maneira semelhante a herança entre classes. Ator Um ator é uma entida externa (fora do sistema) que interage com o sistema participando (e frequentemente iniciando) um

15 Caso Uso. Atores pom ser pessoas reais (por exemplo usuários do sistema), outro sistema computador ou eventos externos. Atores não representam as pessoa física ou sistemas, mas sua regra. Isto significa que quando uma pessoa interage com o sistema diferentes maneiras (assumindo diferentes regras) ela será representada por diversos atores. Por exemplo um pessoa que fornece suporte ao cliente por telefone e recebe orns do cliente para o sistema po ser representado por um ator da Equipe Suporte e um ator Representante Vendas Descrição do Caso Uso Descrição do Caso Uso são narrativas texto do Caso Uso. Elas usualmente tomam a forma uma nota ou um documento que é alguma maneira ligado ao Caso Uso, e explana o processo ou atividas que tomarão lugar no Caso Uso. Caso Uso

16 Diagrama Sequência É usado para mostrar uma seqüência atividas. Mostra o fluxo trabalho (workflow) a partir um ponto inicial até um ponto final, talhando as cisões do caminho tomado durante a execução das tarefas. Este diagrama possui várias aplicações, s a finição do fluxo básico um programa até a finição um processo com as suas tomadas cisões e ações. Diagramas Sequência mostram a troca mensagens (isto é chamada método) entre diversos Objetos, numa situação específica e limitada no tempo. Objetos são instâncias classes. Diagramas Sequência colocam ênfase especial na orm e nos momentos nos quais mensagens para os objetos são enviadas. Em Diagramas Sequência objetos são representados através linhas verticais tracejadas, com o nome do Objeto no topo. O eixo do tempo é também vertical, aumentando para baixo, modo que as mensagens são enviadas um Objeto para outro na forma setas com a operação e os nomes dos parâmetros. Diagrama Sequência

17 Diagramas Ativida O Diagrama Ativida screve a sequência atividas num sistema com a ajuda as Atividas. Diagramas Ativida são uma forma especial Diagramas Estado, que somente (ou principalmente) contém Atividas. Os diagramas ativida não são importantes somente para a molagem aspectos dinâmicos um sistema ou um fluxograma, mas também para a construção sistemas executáveis por meio engenharia produção reversa. Alguns conceitos: Atividas: Comportamento a ser realizado. Sub-ativida: Execução uma sequência não atómica atividas. Transição: Fluxo uma ativida para outra. Ação: Transformação. Decisão: Depenndo uma condição, mostra as diferentes transições. Raia: Diferenciação unidas organizacionais. Bifurcação (Fork): Separa uma transição em várias transições executadas ao mesmo tempo. Sincronização (Join): Concatenação transições vindas do Fork. Objecto: O objecto da ativida. Envio sinal: Transição pra um meio externo, por exemplo, um hardware. Recepção sinal: Recepção do envio. Região: Agrupamento uma ou mais atividas. Exceção: Atividas que ocorrerem em corrência uma excepção.

18 Diagrama Atividas Diagramas Estado Mola o comportamento um objeto individual. Especifica as seqüências estados pelos quais um objeto passa durante seu tempo vida em resposta a eventos. Diagramas Estado mostram os diferentes estados um Objeto durante sua vida, e o estímulo que faz com que o Objeto mu seu estado. Diagramas Estado veem Objetos como máquinas estado automatismos finitos que pom ser um um conjunto estados finitos e que pom mudar seu estado através um um conjunto finito estímulos. Por exemplo um tipo ou

19 Objeto ServidorRe po estar em um dos seguintes estados durante sua vida: Pronto Ouvindo Trabalhando Parado e os eventos que pom fazer com que o Objeto mu estado são Objeto é criado Objeto recebe mensagem ouvir Um Cliente solicita uma conexão através da re Um Cliente termina um pedido O pedido é executado e terminado Objeto recebe mensagem parar etc Estado Estados são os blocos construídos dos Diagramas Estado. Um Estado pertence a exatamente uma classe e representa um resumo dos valores dos atributos que uma classe po tomar. Um Estado UML screve o estado interno um objeto para uma classe em particular Observe que nem toda mudança em um dos atributos um objeto po ser representada por um Estado mas somente aquelas mudanças que pom afetar significativamente o trabalho do objeto Existem dois tipos especiais Estados: Inicial e Final. Eles são especiais porque nenhum evento po fazer com que um Objeto retorne para seu estado Inicial, e da mesma maneira nenhum evento po tirar um Objeto seu estado Final uma vez que ele já o tenha alcançado.

20 Diagrama Estados Diagramas Colaboração Diagramas Colaboração mostram as interações que ocorrem entre os objetos participantes numa situação específica. Isto é mais ou menos a mesma informação mostrada pelos Diagramas Sequência, mas neste a ênfase é colocada em como as interações ocorrem no tempo, enquanto os Diagramas Colaboração colocam os relacionamentos entre os objetos e sua topologia em staque. Em Diagramas Colaboração as mensagens enviadas um objeto para outro são representadas por setas, mostrando o nome da mensagem, parâmetros, e a sequência da mensagem. Diagramas Colaboração são especialmente indicados para mostrar um fluxo ou situação específica do programa e são um dos melhores tipos diagrama para rapidamente monstrar ou explanar um processo na lógica do programa.

21 Diagrama Colaboração Fontes: ics.html#about-uml 02_29.pdf Handbook TI

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Arquitetura de Aplicações em 2, 3, 4 ou N camadas

Arquitetura de Aplicações em 2, 3, 4 ou N camadas Arquitetura de Aplicações em 2, 3, 4 ou N camadas Fiz uma compilação de partes de textos e iremos aqui discutir cada um dos conceitos, mostrando as vantagens e desvantagens de aplicações em cada quantidade

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais

Manual do Umbrello UML Modeller

Manual do Umbrello UML Modeller 2 Conteúdo 1 Introdução 7 2 Fundamentos do UML 8 2.1 Sobre o UML......................................... 8 2.2 Elementos UML....................................... 9 2.2.1 Diagrama de Caso de Uso.............................

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 1 Apresentação Profª Kelly Christine C. Silva Sistemas para Internet Módulo I - Construção de sites informativos Módulo II - Construção de sites dinâmicos Módulo III - Aplicações para

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 01 Orientação a Objetos Edirlei Soares de Lima Paradigmas de Programação Um paradigma de programação consiste na filosofia adotada na

Leia mais

Introdução a UML e seus diagramas

Introdução a UML e seus diagramas Introdução a UML e seus diagramas A Unified Modelling Language (UML) é uma linguagem ou notação de diagramas para especificar, visualizar e documentar modelos de software orientados por objetos. O UML

Leia mais

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society

Modelagem com UML. Fabio Perez Marzullo. IEEE Body of Knowledge on Services Computing Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem com UML Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Modelagem Estática (Visão Lógica) Casos

Leia mais

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org www.tiagodemelo.info Roteiro Conceitos de Orientação a Objetos (OO) Visão Geral da UML Diagrama de Classes Diagramas

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Histórico A orientação a objetos (OO) foi concebida na década de 70. Origem na linguagem SIMULA-67 (década

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso UML Unified Modeling Language Diagramas de Casos de Uso José Correia, Março 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Objectivos O objectivo de um diagrama de casos de uso de um sistema é mostrar para

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE

QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE TURMA: / CÓDIGO: CCT0071 PERGUNTAS PARA ESTUDO MODELAGEM DE SISTEMAS DATA: NÃO ENTREGAR CAMPUS: SANTO ANDRÉ PERÍODO: NOTURNO VALOR = 0,0 PROFESSOR: CELSO CANDIDO QUESTÕES PARA ESTUDO DIAGRAMA DE CLASSE

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Unidade III MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade III MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade III MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Diagrama UML Visões do Sistema Diagrama UML Objetivo: fornecer múltiplas visões do sistema a ser modelado, analisando e modelando sobre diversos

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais Objetivos da UML Introdução a UML cbraga@ic.uff.br Uma linguagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar... e analisar. Desenvolvimento dirigido a modelos 2 Construções básicas Organizadas em

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Dr. Ítalo S. Vega ES-II/III: Engenharia de Software: Processos Projeto 1 c 2004, ISVega Ferramenta CASE: LiMAOO-PUC CONTEÚDO

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos O FOCO NO MUNDO REAL Orientação a objetos A orientação a objetos (OO) foi concebida na década de 70. Origem na linguagem SIMULA-67 (década de 60 - Noruega), que já implementava

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books Ricardo Pereira e Silva UML 2 Modelagem Orientada a Objetos Visual Books Sumário Parte I - Modelagem em Desenvolvimento de Software Orientado a Objetos...15 1 Modelagem em Desenvolvimento de Software...17

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO)

Programação Orientada a Objetos. Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO) Programação Orientada a Objetos Introdução à Análise Orientada a Objetos (AOO) Cristiano Lehrer, M.Sc. Processo de Desenvolvimento de Software Um processo de software mostra os vários estágios do desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO OO DIAGRAMA DE CLASSES. Engenheiro Anilton S. Fernandes (asfernandes.com) Janeiro 2012

PROGRAMAÇÃO OO DIAGRAMA DE CLASSES. Engenheiro Anilton S. Fernandes (asfernandes.com) Janeiro 2012 PROGRAMAÇÃO OO DIAGRAMA DE CLASSES Engenheiro Anilton S. Fernandes (asfernandes.com) Janeiro 2012 Pensando Objectos Imagine Quero representar um cão REX O REX é - cor: castanho claro; olhos : pretos; altura:

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta.

QUESTÃO 2: A respeito do diagrama de caso de uso apresentado, assinale a alternativa correta. CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Podemos definir UML

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Análise e Projeto Orientado a Objetos

Análise e Projeto Orientado a Objetos Análise e Projeto Orientado a Objetos Linguagem UML Modelagem Estrutural Modelagem Estrutural Anderson Belgamo Classes Definição: uma classe é uma descrição de um conjunto de objetos que compartilham os

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Banco de Dados 1 Agenda Modelo Entidade-Relacionamento UML

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Abril - 2015 Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Computação Pós Graduação Lato Sensu em Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Prof. Dr. Josiel Maimone de Figueiredo

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DA ESTRUTURA LÓGICA DE UM SISTEMA: CLASSES E DIAGRAMAS DE CLASSE FOZ DO IGUAÇU 2013

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

Conteúdo. 1. Introdução. 2. Levantamento de Requisitos. 3. Análise Orientada a Objetos. 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML. 6.

Conteúdo. 1. Introdução. 2. Levantamento de Requisitos. 3. Análise Orientada a Objetos. 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML. 6. Conteúdo 1. Introdução 2. Levantamento de Requisitos 3. Análise Orientada a Objetos 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML 6. Métodos Ágeis Conteúdo 1. Introdução 2. Levantamento de Requisitos - Requisitos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES lucelia.com@gmail.com Externamente ao sistema, os atores visualizam resultados de cálculos, relatórios produzidos, confirmações de requisições solicitadas,

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Programação por Objectos UML LEEC@IST UML 1/87

Programação por Objectos UML LEEC@IST UML 1/87 Programação por Objectos UML LEEC@IST UML 1/87 Análise por UML (1) Um sistema de análise descreve os modelos da aplicação a desenvolver. Aumenta legibilidade (menos informação que o código, permitindo

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Classes, Atributos, Métodos e Objetos Programação de Computadores II Professor: Edwar Saliba Júnior 1) Java é uma linguagem orientada a objetos. Para que possamos fazer uso

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

Orientação a Objetos I

Orientação a Objetos I Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Orientação a Objetos I UML: Introdução e Casos de Uso

Leia mais

Manual do Fórum do Meio Ambiente. Propõe instruções para primeiro acesso e funcionalidades básicas do sistema.

Manual do Fórum do Meio Ambiente. Propõe instruções para primeiro acesso e funcionalidades básicas do sistema. Manual do Fórum do Meio Ambiente Propõe instruções para primeiro acesso e funcionalidades básicas do sistema. Coordenação de Modernização CMO Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia Versão 1.0 2012

Leia mais

Programação por Objectos UML MEEC@IST UML 1/83

Programação por Objectos UML MEEC@IST UML 1/83 Programação por Objectos UML MEEC@IST UML 1/83 Análise por UML (1) Um sistema de análise descreve os modelos da aplicação a desenvolver. Aumenta legibilidade (menos informação que o código, permitindo

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Manual do Umbrello UML Modeller

Manual do Umbrello UML Modeller 2 Conteúdo 1 Introdução 7 2 Bases de UML 8 2.1 Acerca do UML....................................... 8 2.2 Elementos de UML..................................... 9 2.2.1 Diagrama de Casos de Utilização.........................

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

Privacidade e Segurança

Privacidade e Segurança UM GUIA PARA SOBREVIVENTES DE ABUSO Privacidade e Segurança no Facebook índice Í D I C E S Introdução 1 A primeira linha de defesa: gerencie quem vê seu conteúdo 2 Recupere o controle: analise as suas

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Início Rápido para o Templo

Início Rápido para o Templo Início Rápido para o Templo O FamilySearch.org facilita realizar as ordenanças do templo por seus antepassados. Todo o processo tem apenas alguns passos simples: 1. Descobrir antepassados que precisam

Leia mais

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS Jean Henrique Zenzeluk* Sérgio Ribeiro** Resumo. Este artigo descreve os conceitos de Orientação a Objetos na linguagem de programação

Leia mais

Tema 1: Modelo Estático

Tema 1: Modelo Estático Tema 1: Modelo Estático (fonte: http://www.macoratti.net/net_uml1.htm) A Programação Orientada a Objetos (POO) baseia-se na descoberta dos objetos que compõem um determinado escopo e nas trocas de mensagens

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais