Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I"

Transcrição

1 Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT

2 Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment (P&D&I) nrmatiza s prcediments que disciplinam a aplicaçã de recurss da PETROBRAS em Instituições de Ciência e Tecnlgia (ICTs) através de Cnvênis e Terms de Cperaçã. Agrega s aspects mais relevantes de tdas as fases de peracinalizaçã, cm a finalidade de subsidiar s Crdenadres destas instituições e utrs prfissinais envlvids cm a apresentaçã e gestã de prjets em tdas as etapas, abrangend apresentaçã das prpstas, análise, cntrataçã, aditivs e prestaçã de cntas. Em cumpriment à brigaçã criada a partir da Lei nº 9.478, prmulgada em 06/08/1997, a PETROBRAS, n papel de mair cncessinária na explraçã, n desenvlviment e na prduçã da indústria de Petróle e Gás Natural, vem fmentand prjets de P&D&I junt a Universidades, instituts de pesquisas nacinais e empresas de base tecnlógica relacinads às diversas disciplinas de interesse da Indústria. Além diss, prmve a implantaçã de infraestruturas labratriais mdernas, utilizand tecnlgias de pnta que capacitam as ICTs na execuçã ds prjets de P&D&I. A Lei nº instituiu Cnselh Nacinal de Plítica Energética e a Agência Nacinal d Petróle, Gás Natural e Bicmbustíveis, cm a atribuiçã de regular e fiscalizar as atividades ecnômicas relacinadas a mnpóli estatal d petróle e, ainda, estabelecer cntrats de cncessã para atividades de explraçã e prduçã de petróle e gás natural. Essa Lei, cnhecida cm Lei d Petróle, também estabeleceu as brigações a serem previstas ns cntrats de cncessã, cujs critéris de cálcul e frma de cbrança fram definids n Decret nº 2.705, de 3 de agst de Sã elas: Bônus de assinatura valr ferecid pel aspirante à cncessã, a ser pag na assinatura d cntrat. Ryalties crrespndem à alíquta de 10% d valr ttal da prduçã de petróle e gás natural. A distribuiçã dessa brigaçã também está definida n crp da Lei. Ocupaçã u retençã de área pagament de participaçã (variável entre 0,5% e 1%) da prduçã de petróle u gás natural a prprietári d terren nde está lcalizada a área de prduçã. pág.: 02

3 Participaçã Especial crrespnde a uma prcentagem aplicada sbre a receita bruta da prduçã, deduzids s ryalties, s investiments na explraçã, s custs peracinais, a depreciaçã e s tributs prevists na legislaçã em vigr, de camps cm grande vlume de prduçã u de grande rentabilidade (artig 50, parágraf 1º). Em relaçã às atividades de P&D&I, a brigaçã de investiment está atrelada à receita bruta ds camps cuja prduçã acarrete pagament de participaçã especial, prevista n art. 45, III, da Lei 9.478/97; trata-se de uma cmpensaçã financeira extrardinária devida pels cncessináris de explraçã e prduçã de petróle u gás natural, ns cass de grande vlume de prduçã u de grande rentabilidade, cnfrme s critéris definids n Decret 2705/98. De acrd cm a legislaçã vigente, n mínim 0,5% da receita bruta prveniente da explraçã desses camps deve ser investida em prjets e atividades de P&D&I desenvlvids junt às instituições de pesquisas nacinais credenciadas pela ANP. A rientaçã para a crreta aplicaçã desse recurs está cntida n Regulament Técnic nº 5, publicad pela ANP n Diári Oficial da Uniã de 25/11/2005. Adicinalmente, através d Regulament Técnic n 7, publicad em 12/12/2012 n Diári Oficial da Uniã, a ANP reviu regulament de credenciament das ICTs para que pssam candidatar-se a receber s recurss prvenientes da Participaçã Especial. Essa etapa d prcess é recnheciment frmal de que a instituiçã atua em atividades de P&D&I e/u atividades de ensin, em áreas de relevante interesse para setr, e que pssui Infraestrutura e cndições técnicas e peracinais adequadas para a execuçã ds prjets, cujs desemblss serã cmputads para abatiment da brigaçã ds cncessináris junt à ANP. Desde 2006, a Petrbras vem investind recurss na Cmunidade de Ciência e Tecnlgia, em sintnia cm s prcediments para cumpriment da brigaçã cntratual de investiments em P&D&I, prevista ns Cntrats de Cncessã. Adicinalmente, pr se tratar de empresa autrizada cm Prdutr Independente de Energia (PIE) pela Agência Nacinal de Energia Elétrica - ANEEL, a PETROBRAS deve atender as determinações da Lei n.º de 24/7/2000, alterada pela Lei n.º de 15/3/2004. Para atendiment a essa brigaçã, CENPES também destina uma parcela ds investiments a desenvlviment de prjets de pesquisa em geraçã de energia elétrica pr fntes renváveis e termelétricas. pág.: 03

4 O presente manual busca aprimrar relacinament cm seus parceirs de Instituições de Ciência e Tecnlgia, frnecend rientações bjetivas para a simplificaçã, agilidade e transparência na apresentaçã e gestã de prjets de pesquisa e desenvlviment e garantind seu alinhament cm s prcediments nrmativs das Agências Reguladras. Para rientar Crdenadres e Fundações sbre nrmas, prcediments e regras da PETROBRAS, ANP e ANEEL, CENPES/GTEC/GPPT pssui um serviç de api acessível através d endereç eletrônic e pel atendiment telefônic, de segunda a sexta, das 7:30h às 16:30h. N Anex 1 sã apresentads s pnts fcais e respectivs telefnes específics para cada Fundaçã/Universidade. pág.: 04

5 Sumári 1 : 1. DEFINIÇÕES E SIGLAS 9 2. AGÊNCIAS REGULADORAS ANP Despesas admitidas cm P&D&I Regras de enquadrament das despesas Resum das regras de enquadrament da ANP ANEEL Despesas admitidas cm P&D&I SISTEMA DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS EM TECNOLOGIA- SIGITEC ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DE PROPOSTAS Elabraçã de prpsta Descriçã d Prjet Identificaçã da prpsta Prjet Orçament Dcuments Aprvar / nã aprvar submissã de prpsta Aprvar / nã aprvar submissã de prpsta pel crdenadr Aprvar / nã aprvar submissã de prpsta 69 1 Os númers das páginas d Sumári pssuem hiperlink. Para acessá-ls pressinar CTRL e clicar sbre item desejad. pág.: 05

6 4.4 Dcuments necessáris para análise de prjets de implantaçã de Infraestrutura Habilitaçã de prpstas para implantaçã de infraestrutura COMISSÃO DE NEGOCIAÇÃO Atribuições da Cmissã de Negciaçã CONTRATAÇÃO Principais instruments cntratuais Dcuments necessáris para a celebraçã de Cnvênis e Terms de Cperaçã ACOMPANHAMENTO DE CONVÊNIOS E TERMOS DE COOPERAÇÃO Acmpanhament de Cnvênis de Infraestrutura PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestaçã de cntas de prcesss que nã estã n SIGITEC ( legad u sistema antig ) Dads Gerais da Prestaçã de Cntas Demnstrativ de Receitas e Despesas Relatóri de Execuçã Financeira Demnstrativs de Execuçã de Despesas Cnciliaçã Bancária Demnstrativ de Rendiment da Aplicaçã Financeira Demnstrativ de Utilizaçã de Rendiments da Aplicaçã Financeira Relatóri de Execuçã Financeira - Cmentáris Adicinais Dcuments cmprbatóris de despesas Prestaçã de Cntas n SIGITEC Inclusã de Despesa Cnciliaçã Bancária Respsta às Pendências de Prestaçã de Cntas 121 pág.: 06

7 9. ENCERRAMENTO DOS CONVÊNIOS E/OU TERMOS DE COOPERAÇÃO Encerrament de Cnvênis de Infraestrutura Devluçã d sald d aprte financeir n SIGITEC ADITIVOS Aditivs de praz Slicitaçã de aditiv de praz ds Instruments Cntratuais d legad ( sistema antig ) Aditiv de praz n SIGITEC Aditivs de escp e valr Dcuments necessáris para análise de aditivs Prjets de P&D&I sem Infraestrutura que nã necessitam de avaliaçã preliminar da ANP Prjets de P&D&I sem Infraestrutura que necessitam de avaliaçã preliminar da ANP Prjets de P&D&I cm Infraestrutura e prjets de implantaçã de Infraestrutura Aditiv de Escp e de Valr para instruments cntratuais d legad ( sistema antig ) Aditiv de Escp e/u de Valr n SIGITEC Slicitaçã de Aditiv de Escp Slicitaçã de Aditiv de Valr Submissã de slicitações de aditiv de escp/valr REFORMULAÇÃO FINANCEIRA Regras para refrmulaçã financeira Refrmulaçã Financeira de Prcesss d legad ( sistema antig ) Prcediments para Us de Rendiments de Aplicaçã Financeira Anexar dcuments Refrmulaçã Financeira n SIGITEC 189 pág.: 07

8 11.4 Submissã de Slicitações de Refrmulaçã Financeira CONSULTA DE PROCESSOS NO SIGITEC Outras Cnsultas Dispníveis CONDUTAS VEDADAS GLOSAS, MULTAS E DEVOLUÇÕES IRREGULARIDADES MAIS FREQUENTES Nas prpstas Na execuçã técnica e financeira Na cntrataçã de terceirs ANEXOS 205 Anex 1: Pnts fcais 205 Anex 2: Tabela de cargs 209 Anex 3: Blsas de desenvlviment tecnlógic 211 Anex 4: Manifestaçã d terren e Infraestrutura básica 213 Anex 5: Frmulári de Cntrle de Prjet Executiv 214 Anex 6: Detalhament da Infraestrutura 220 Anex 7: Mdel de Relatóri Técnic de Prjet de P&D - ANP 226 Anex 8: Mdel de Relatóri Técnic de Prjet de P&D - ANEEL 229 Anex 9: Mdel de Detalhament da Infra - ANP (Encerrament) 233 Anex 10: Relatóri de Acmpanhament Gerencial (RAG) 238 pág.: 08

9 1. Definições e Siglas Cntrat: instrument jurídic bilateral, pel qual se frmaliza negóci jurídic, riginand direits e brigações as seus signatáris. Os cntrats de serviçs sã acrds de vntades cujs interesses sã divergentes, prém nã cnflitantes. Nessa mdalidade de instrument, as partes sã devedras e credras mútuas e simultâneas (cnsultar item 6.1 desse manual)2. Cnvenente: órgã u entidade pública u privada, cm qual a PETROBRAS pactua a execuçã de prgrama, prjet, atividade u event mediante a celebraçã de Cnvêni. Cnvêni: instrument celebrad quand crrem interesses mútus e precípus entre as partes, visand à execuçã de bjet de cunh scial, educacinal u cultural, mediante açã cnjunta (cnsultar item 6.1 deste manual). Cnvêni cm Acmpanhament de Infraestrutura: instruments cntratuais que incluem investiment em Infraestrutura. Crdenadr: pesquisadr/prfessr das instituições de ciência e tecnlgia respnsável pel prjet. Crngrama: planejament das atividades a serem executadas, cm prazs e recurss definids. Crqui: desenh nã brigatriamente em escala, cnfeccinad geralmente a mã livre, cntend tdas as infrmações necessárias à sua finalidade. Descritiv: descriçã detalhada ds serviçs a serem executads. Escp: prduts, serviçs e resultads a serem entregues na frma de prjets. Executr: órgã u entidade respnsável pela execuçã d bjet d instrument pactuad; respnsável pela execuçã das ações previstas n Plan de Trabalh. 2 Os itens em vermelh pssuem hiperlink. Para acessá-ls pressinar CTRL e clicar sbre item desejad. pág.: 09

10 Fundaçã de Api: entidade de direit privad instituída pr pessas físicas (entre as quais prfessres universitáris) u pessas jurídicas (entre as quais as próprias Universidades u as próprias instituições de ensin superir), visand auxiliar e fmentar s prjets de pesquisa, ensin e extensã e de desenvlviment institucinal, científic e tecnlógic das instituições de ensin superir, públicas u privadas. Além de serem regidas pel Códig Civil Brasileir, sujeitam-se a prévi registr e credenciament ns Ministéris da Educaçã e Cultura (MEC) e Ciência e Tecnlgia (MCT). Gestr d Cnvêni: gerente d prjet pela PETROBRAS cadastrad n Sistema de Gestã Integrada (SAP). Instituiçã Credenciada Executra: departament, labratóri u unidade rganizacinal que realize atividades de pesquisa e desenvlviment tecnlógic e que tenha se submetid a prcess de credenciament da ANP, de acrd cm Regulament ANP nº 7/2012, cuj credenciament esteja em vigr e discrimine s respectivs serviçs tecnlógics. Instituiçã Científica e Tecnlógica: órgã u entidade da administraçã pública u entidade privada que tenha cm missã institucinal, dentre utras, executar atividades de pesquisa de caráter científic u tecnlógic. Interlcutr Técnic: Crdenadr técnic respnsável pel acmpanhament d prjet junt a gestr d CENPES. Interveniente: órgã u entidade que participa ds Cnvênis e Terms de Cperaçã para manifestar cnsentiment u assumir brigações em nme própri. Legad: instrument cntratual cm instituições de ciência e tecnlgia mais antig, que tramita fra d sistema SIGITEC. pág.: 010

11 Objet: resultads que se espera bter a final d períd de execuçã d prjet - prdut, prcess, metdlgia, Infraestrutura, sftware, estuds e caracterizaçõesmediante a crreta aplicaçã ds recurss transferids e bservad plan de trabalh. Partícipe: órgã u entidade pública u privada, cm qual a PETROBRAS pactua a execuçã de prgrama, prjet, atividade u event mediante a celebraçã de Cnvêni u Term de Cperaçã. É respnsável pela administraçã financeira ds recurss financeirs liberads pela PETROBRAS tend pr brigaçã prestar cntas das parcelas liberadas, seguind as determinações d instrument cntratual. Plan de Trabalh: dcument que descreve cnteúd da prpsta aprvada e que será bjet d api financeir, trnand-se dcument base para a execuçã, gestã ds recurss e acmpanhament d prjet. Devem cnstar d Plan de Trabalh a identificaçã d bjet; as metas a serem atingidas; as etapas e fases de execuçã; plan de aplicaçã d aprte financeir; crngrama de repasses financeirs; e, ainda, a previsã d iníci e términ da execuçã d bjet e ds prazs de cnclusã das etapas u fases prgramadas. Prjet Básic: de acrd cm a Resluçã CONFEA nº 361/91 prjet básic deve desenvlver a alternativa esclhida, viável, técnica, ecnômica e ambientalmente, identificar s elements cnstituintes e desempenh esperad da bra, adtar sluções técnicas de md a minimizar refrmulações u ajustes acentuads durante a execuçã, especificar tds s serviçs a executar, materiais e equipaments e definir as quantidades e custs de serviçs e frneciments, de tal frma a ensejar a determinaçã d cust da bra cm precisã de mais u mens 15%. Prjet Executiv: representaçã final das infrmações técnicas da edificaçã e de seus elements, instalações e cmpnentes, cmpletas, definitivas, necessárias e suficientes à licitaçã (cntrataçã) e à execuçã ds serviçs de bra crrespndentes (nrma NBR 13531/95 da ABNT - Elabraçã de prjets de edificações). pág.: 011

12 Prpnente: órgã u entidade pública u privada, que realiza atividades relacinadas cm ensin, pesquisa e desenvlviment tecnlógic e que manifeste, pr mei de prpsta, interesse em celebrar Cnvêni u Term de Cperaçã. Requisits de prjet: cnjunt de dcuments necessáris à gestã de prjet, cm plan de prjet, crngrama (etapas e marcs), rgangrama e plan de cmunicaçã, incluind s relatóris de acmpanhament cm a análise de desvis e as prpstas de ações crretivas. Term de Cperaçã: Instrument jurídic que visa pactuar direits e brigações, quand crrem interesses mútus e precípus entre a PETROBRAS e utras entidades, visand à execuçã de bjet de cunh tecnlógic, tal cm desenvlviment de prtótips, testes de equipaments e realizaçã de estuds técnics (cnsultar item 6.1 deste manual). pág.: 012

13 Siglas AT: Área Técnica CO: Gerência de Cntrataçã COINV: Crdenaçã de Suprte as Investiments Externs GPPT: Gerência de Gestã de Prtfóli de Prjets Tecnlógics GTEC: Gerência Geral de Gestã Tecnlógica RCT: Gerência de Relacinament cm a Cmunidade de Ciência e Tecnlgia SAP: Sistema de Gestã Integrada SIGITEC: Sistema de Gestã de Investiments em Tecnlgia SRF: Slicitaçã de Refrmulaçã Financeira pág.: 013

14 2. Agências Reguladras 2.1 ANP A Agência Nacinal d Petróle, Gás Natural e Bicmbustíveis ANP, implantada pel Decret nº 2.455, de 14 de janeir de 1998, é órgã reguladr das atividades que integram a indústria d petróle, gás natural e bicmbustíveis n Brasil. Autarquia federal, vinculada a Ministéri de Minas e Energia, a ANP é respnsável pela execuçã da plítica nacinal para setr energétic d petróle, gás natural e bicmbustíveis, de acrd cm a Lei d Petróle (Lei nº 9.478/1997). A ANP tem cm finalidades: a) Regular - Estabelecer regras pr mei de prtarias, instruções nrmativas e resluções para funcinament das indústrias e d cmérci de óle, gás e bicmbustíveis; b) Cntratar - Prmver licitações e assinar cntrats, em nme da Uniã, cm s cncessináris que atuam em atividades de explraçã, desenvlviment e prduçã de petróle e gás natural, e autrizar as atividades das indústrias reguladas; c) Fiscalizar - Fazer cumprir as nrmas nas atividades das indústrias reguladas, diretamente u mediante Cnvênis cm utrs órgãs públics Despesas admitidas cm P&D&I A Cláusula 24ª da Lei nº Cláusula de Investiment em Pesquisa e Desenvlviment, cnstante ds cntrats de cncessã para explraçã, desenvlviment e prduçã de petróle e/u gás natural estabelece que... cas a Participaçã Especial (PE) seja devida para um camp em qualquer trimestre d an calendári, cncessinári está brigad a realizar despesas qualificadas cm Pesquisa e Desenvlviment em valr equivalente a 1% da receita bruta da prduçã para tal camp. Outr dispsitiv da mesma cláusula define que até 50% das despesas qualificadas cm Pesquisa e Desenvlviment pderã ser realizadas através de atividades desenvlvidas em instalações d própri Cncessinári u suas Afiliadas, lcalizadas n Brasil, u cntratadas junt a empresas nacinais. O restante deverá ser destinad à cntrataçã dessas atividades pág.: 014

15 junt a Universidades u instituts nacinais de pesquisa e desenvlviment tecnlógic previamente credenciad para este fim pela ANP. A regulamentaçã da aplicaçã deste recurs está cntida n Regulament Técnic ANP nº 5/2005, que estabelece as nrmas e diretrizes sbre as aplicações ds recurss, identifica s tips de despesas admitidas e disciplina a apresentaçã ds relatóris demnstrativs das despesas realizadas. Já a regulamentaçã d credenciament das instituições de pesquisa e desenvlviment encntra-se n Regulament Técnic ANP nº 7/2012. Tais regulaments encntram-se dispníveis n site da ANP ( Através d Regulament Técnic n 7, publicad em 12/12/2012, a ANP reviu regulament das Instituições de Ciência e Tecnlgia para que pssam candidatar-se a receber s recurss prvenientes da Participaçã Especial. O credenciament cnferid pela ANP habilita a instituiçã a realizar prjets de pesquisa e desenvlviment e a executar prgramas de frmaçã de recurss humans cm recurss decrrentes das cláusulas de investiment brigatóri em P&D&I, n setr de petróle, gás natural e bicmbustíveis. Smente as instituições credenciadas estã habilitadas a receber recurss das cláusulas de investiment em P&D&I. Entretant, cas sfram suspensã u descredenciament, as ICT se trnam autmaticamente inabilitadas, ainda que pssuam prjets em andament Regras de enquadrament das despesas Sem submissã à ANP O item 8 (it) d Regulament Técnic nº 05/2005 enumera as despesas admitidas e qualificadas cm despesas em P&D&I. Tais dispêndis pdem ser realizads apenas n Brasil e cntratads junt às empresas nacinais lcalizadas n País u junt às instituições de P&D&I credenciadas na ANP. Pdem ser realizads nas instalações d própri cncessinári u de suas afiliadas (prjets interns). As despesas qualificadas cm P&D&I e especificadas n item 8.1 deste Regulament nã precisam passar pela autrizaçã prévia da ANP, desde que estejam enquadradas à pág.: 015

16 regulamentaçã vigente. Dentre as principais despesas (vinculadas diretamente às atividades de P&D&I) encntram-se: serviçs tecnlógics; prjets e/u prgramas de pesquisa básica e aplicada; desenvlviment experimental e cnstruçã e instalaçã de prtótips e unidades pilt. Adicinalmente, Ofíci n 1/2012/SPP-ANP cmunicu que, atendids s demais requisits estabelecids n Ofíci ANP n 008/SPP/2009 (item 18 deste manual) nã é necessári encaminhar à ANP s prjets de P&D&I cm aquisiçã de equipaments, bem cm a execuçã de pequenas bras, quand estas despesas frem inferires a 20% d valr ttal d prjet u R$ 140 mil, menr dentre esses valres. Apesar destas despesas nã demandarem autrizaçã prévia da ANP, estã sujeitas as mesms mecanisms de fiscalizaçã das demais despesas realizadas cm pesquisa e desenvlviment apresentadas a seguir, necessitand ser cmprvadas através ds Relatóris Demnstrativs de Despesas Anuais para psterir análise e aceitaçã pela ANP Autrizaçã Prévia O Regulament Técnic ANP n 05/2005 cndicina, n item 8.2, à necessidade de autrizaçã prévia alguns tips de prjets n cumpriment da brigaçã externa. As mdalidades de prjets enviads para bter autrizações estã listadas abaix: Despesas cm serviçs de gestã tecnlógica de prgramas tecnlógics e prjets, cntratads junt às instituições credenciadas para esta finalidade, desde que esses sejam de autria d cncessinári e que estejam claramente especificadas Despesas cm prgramas tecnlógics específics de frmaçã de recurss humans para setr de petróle e seus derivads, gás natural e energia realizadas junt às instituições credenciadas, desde que sejam de interesse cmum da ANP e d cncessinári, frmalizad pr escrit Despesas cm prjets de implantaçã de Infraestrutura realizadas junt às instituições credenciadas, para realizaçã de atividades de pesquisa pág.: 016

17 e desenvlviment tecnlógic de interesse d setr de petróle e seus derivads e gás natural Despesas cm a cntrataçã de pessal administrativ e técnicperacinal vinculada às unidades labratriais implantadas, cnfrme item 8.2.3, pr um períd de dis ans. Os prjets pdem ser enquadrads em mais de um item dependend de suas características Despesas cm prgramas tecnlógics, cnfrme definid n item 4.8 d própri Regulament, para desenvlviment e capacitaçã técnica de frnecedres, relacinad cm as micrs, pequenas e médias empresas industriais e de serviçs, nacinais, classificadas segund a Resluçã Mercsul GMC n 59/98, de 8 de dezembr de Os prgramas tecnlógics, a que se refere item 8.2.5, deverã ter cm bjetiv a viabilizaçã ds prjets de invaçã tecnlógica de prdut u prcess e de fabricaçã-pilt, cnfrme definids ns itens 4.6 e 4.14 respectivamente, preferencialmente abrangend s frnecedres de bens e serviçs lcalizads nas cidades u regiões em que s prduts serã utilizads, pdend cmpreender Infraestrutura e de máquinas e equipaments necessáris à implementaçã de nv prcess prdutiv resultante das mdificações tecnlógicas intrduzidas Despesas realizadas junt às instituições credenciadas para a realizaçã de prjets/prgramas específics de pesquisa e desenvlviment em Tecnlgia Industrial Básica, cnfrme definid n item 4.19, para setr de petróle e seus derivads e gás natural, desde que sejam de interesse cmum da ANP e d cncessinári, frmalizad pr escrit Despesas realizadas junt às instituições credenciadas para a realizaçã de prjets/prgramas específics de Pesquisa e Desenvlviment em Energia, preferencialmente em Bicmbustíveis, cnfrme definids ns itens 4.16 e 4.17, desde que sejam de interesse cmum da ANP e d cncessinári, frmalizad pr escrit. pág.: 017

18 8.2.8 Despesas para a realizaçã de atividades de pesquisa e desenvlviment relacinadas a levantament e guarda de dads gelógics, gequímics e gefísics para desenvlviment de estuds que visem à melhria d cnheciment das bacias sedimentares d país que abrangem a perfuraçã d Pç Estratigráfic. O praz determinad pel Regulament ANP n 05/2005 para a análise da ANP é de 45 dias. Entretant, prjet smente pderá ser cnsiderad aprvad após a publicaçã n Diári Oficial da Uniã. Em 2009, a ANP emitiu Ofíci SPP/ANP 008/2009 que instauru um nv prcess. Atendids s requisits d Regulament Técnic ANP n 05/2005, ficu estabelecida a necessidade de autrizaçã prévia quand as despesas de um prjet de P&D&I cm bras, instalações e equipaments frem superires a 30% d valr ttal d prjet u a R$400 mil, menr dentre s dis valres. Em 2014, a ANP emitiu Ofíci n. 155/2014/SPD-ANP que instauru a necessidade de submissã à Agência para autrizaçã prévia tdas as prpstas que tenham pr bjet a elabraçã de Prjet Executiv Ciência à ANP O Ofíci SPP/ANP 008/2009 infrma que pderá ser admitida, sem autrizaçã prévia, a aquisiçã de equipaments em prjets de P&D&I, bem cm a execuçã de pequenas bras, seja para instalaçã ds mesms u para adaptações que se fizerem necessárias a desenvlviment da pesquisa, quand atendidas, simultaneamente, as cndições descritas abaix: Seja justificada a necessidade ds equipaments e de adaptações de instalações para desenvlviment das atividades previstas n âmbit d prjet, bem cm para utrs prjets de P&D&I relevantes para setr de petróle, seus derivads e gás natural. pág.: 018

19 Seja bservada a cmpatibilidade entre as etapas previstas para desenvlviment d prjet e praz necessári para a aquisiçã ds equipaments, de frma que nã seja afetad crngrama prpst n prjet. Os equipaments tenham caráter cmplementar à capacidade técnica existente. O valr ds equipaments seja limitad a 30% d valr ttal d prjet u a R$400 mil, menr entre s dis valres. Adicinalmente, respeitand s limites estabelecids n Ofíci SPP/ANP 01/2012, s prjets cujas despesas cm bras e equipaments frem superires a 20% d valr ttal u R$140 mil e inferires a 30% d ttal u R$400 mil, devem ser encaminhads à Agência para ciência. Nesses cass, a PETROBRAS encaminha à ANP a cópia d plan de trabalh cntend previsã de Infraestrutura ns terms mencinads, ficand estabelecid praz de quinze dias para a sua eventual manifestaçã n sentid de slicitar qualquer esclareciment necessári. A ausência de manifestaçã nesse praz significa a admissã das despesas relacinadas à aquisiçã ds equipaments prevists n prjet. pág.: 019

20 2.1.3 Resum das regras de enquadrament da ANP As prpstas encaminhadas à GTEC/GPPT/COINV serã analisadas cnsiderand as regras de enquadrament da ANP sintetizadas na Figura 1. Figura 1 - Regras de enquadrament da ANP Deve ser cnsiderad menr valr apurad para as despesas (cm base na prcentagem u n valr abslut). Além das próprias despesas cm equipaments e instalações também devem ser incluíds utrs valres, tais cm: despesas acessórias de imprtaçã ds equipaments; aquisiçã e/u licenciament de sftwares, pis de acrd cm item 4.13 d Regulament ANP 05/2005 devem ser cnsiderads cm parte da Infraestrutura (mesm que estejam indicads na planilha Pessa Jurídica da Planilha de Desembls); e despesas peracinais e administrativas crrespndentes a smatóri ds recurss prevists para equipaments e/u instalações e despesas descritas ns itens acima. A sma ds valres ds equipaments e/u instalações e ds itens acima será utilizada para determinar em qual das três faixas prjet seguirá. pág.: 020

21 2.2 ANEEL A Agência Nacinal de Energia Elétrica-ANEEL, implantada pela Lei nº 9.427, de dezembr de 1996, regulamentada pel Decret nº 2.335, de 1997, fi criada para regular setr elétric brasileir. Suas principais atribuições sã: a) Regular a prduçã, transmissã, distribuiçã e cmercializaçã de energia elétrica; b) Fiscalizar, diretamente u mediante cnvênis cm órgãs estaduais, as cncessões, as permissões e s serviçs de energia elétrica; c) Implementar as plíticas e diretrizes d gvern federal relativas à explraçã da energia elétrica e a aprveitament ds ptenciais hidráulics; d) Estabelecer tarifas; e) Mediar, na esfera administrativa, s cnflits entre s agentes e entre esses agentes e s cnsumidres; f) Pr delegaçã d gvern federal, prmver as atividades relativas às utrgas de cncessã, permissã e autrizaçã de empreendiments e serviçs de energia elétrica Despesas admitidas cm P&D&I De acrd cm a Lei 9.991/2000 e suas alterações e Manual ANEEL 2012, as empresas de energia elétrica devem aplicar anualmente, n mínim 1% (um pr cent) da Receita Operacinal Líquida (ROL) em pesquisa e desenvlviment, send 0,4 desses recurss destinads à execuçã de prjets de P&D&I regulads pela ANEEL. Os prjets de P&D&I pdem ser desenvlvids pelas próprias empresas de energia elétrica, cperativamente entre duas u mais empresas de energia elétrica, cm instituições públicas u privadas de ensin e/u de pesquisa, cm empresas de cnsultria e cm fabricantes de materiais e equipaments. Devem ser riginais e invadres e ter metas e resultads bem definids. O escp de atividades envlvidas n univers d setr de energia elétrica é ampl, genéric e dinâmic. A ANEEL frnece cm direcinadres s seguintes temas e subtemas de interesse para investiments em prjets de P&D&I: pág.: 021

22 Fntes alternativas de geraçã de energia elétrica Alternativas energéticas sustentáveis de atendiment a pequens sistemas islads. Geraçã de energia a partir de resídus sólids urbans. Nvs materiais e equipaments para geraçã de energia pr fntes alternativas. Tecnlgias para aprveitament de nvs cmbustíveis em plantas geradras. Outrs. Geraçã Termelétrica Avaliaçã de riscs e incertezas d frneciment cntínu de gás natural para geraçã termelétrica. Nvas técnicas para eficientizaçã e diminuiçã da emissã de pluentes de usinas termelétricas a cmbustível derivad de petróle. Otimizaçã da geraçã de energia elétrica em plantas industriais: aument de eficiência na cgeraçã. Micrssistemas de cgeraçã residenciais. Técnicas para captura e sequestr de carbn de termelétricas. Outrs. Gestã de Bacias e Reservatóris Emissões de gases de efeit estufa (GEE) em reservatóris de usinas hidrelétricas. Efeits de mudanças climáticas glbais n regime hidrlógic de bacias hidrgráficas. Integraçã e timizaçã d us múltipl de reservatóris hidrelétrics. Gestã sóci patrimnial de reservatóris de usinas hidrelétricas. Gestã da segurança de barragens de usinas hidrelétricas. Assreament de reservatóris frmads pr barragens de usinas hidrelétricas. Outrs. Mei Ambiente Impacts e restrições sciambientais de sistemas de energia elétrica. Metdlgias para mensuraçã ecnômic-financeira de externalidades em sistemas de energia elétrica. pág.: 022

23 Estuds de txicidade relacinads à deteriraçã da qualidade da água em reservatóris. Outrs. Segurança Identificaçã e mitigaçã ds impacts de camps eletrmagnétics em rganisms vivs. Análise e mitigaçã de riscs de acidentes elétrics. Nvas tecnlgias para equipaments de prteçã individual. Nvas tecnlgias para inspeçã e manutençã de sistemas elétrics. Outrs. Eficiência Energética Nvas tecnlgias para melhria da eficiência energética. Gerenciament de carga pel lad da demanda. Definiçã de indicadres de eficiência energética. Metdlgias para avaliaçã de resultads de prjets de eficiência energética. Outrs. Planejament de Sistemas de Energia Elétrica Planejament integrad da expansã de sistemas elétrics. Integraçã de centrais eólicas a SIN. Integraçã de geraçã distribuída a redes elétricas. Metdlgia de previsã de mercad para diferentes níveis temprais e estratégias de cntrataçã. Mdels hidrdinâmics aplicads em reservatóris de usinas hidrelétricas. Materiais supercndutres para transmissã de energia elétrica. Tecnlgias e sistemas de transmissã de energia em lngas distâncias. Outrs. Operaçã de Sistemas de Energia Elétrica Ferramentas de api à peraçã de sistemas elétrics de ptência em temp real. pág.: 023

24 Critéris de gerenciament de carga para diferentes níveis de hierarquia. Estruturas, funções e regras de peraçã ds mercads de serviçs ancilares. Otimizaçã estrutural e paramétrica da capacidade ds sistemas de distribuiçã. Alcaçã de fntes de ptência reativa em sistemas de distribuiçã. Estud, simulaçã e análise d desempenh de sistemas elétrics de ptência. Análise das grandes perturbações e impacts n planejament, peraçã e cntrle. Desenvlviment de mdels para a timizaçã de despach hidrtérmic. Desenvlviment e/u aprimrament ds mdels de previsã de chuva versus vazã. Sistemas de mnitrament da peraçã de usinas nã-despachadas pel ONS. Outrs. Supervisã, Cntrle e Prteçã de Sistemas de Energia Elétrica Implementaçã de sistemas de cntrle (rbust, adaptativ e inteligente). Análise dinâmica de sistemas em temp real. Técnicas eficientes de restauraçã rápida de grandes centrs de carga. Desenvlviment de técnicas para recmpsiçã de sistemas elétrics. Técnicas de inteligência artificial aplicadas a cntrle, peraçã e prteçã de sistemas elétrics. Nvas tecnlgias para supervisã d frneciment de energia elétrica. Desenvlviment e aplicaçã de sistemas de mediçã fasrial. Análise de falhas em sistemas elétrics. Cmpatibilidade eletrmagnética em sistemas elétrics. Sistemas de aterrament. Outrs. Qualidade e Cnfiabilidade ds Serviçs de Energia Elétrica Sistemas e técnicas de mnitraçã e gerenciament da qualidade da energia elétrica. Mdelagem e análise ds distúrbis assciads à qualidade da energia elétrica. Requisits para cnexã de cargas ptencialmente perturbadras n sistema elétric. Curvas de sensibilidade e de suprtabilidade de equipaments. pág.: 024

25 Impacts ecnômics e aspects cntratuais da qualidade da energia elétrica. Cmpensaçã financeira pr vilaçã de indicadres de qualidade. Outrs. Mediçã, faturament e cmbate a perdas cmerciais Avaliaçã ecnômica para definiçã da perda mínima atingível. Estimaçã, análise e reduçã de perdas técnicas em sistemas elétrics. Desenvlviment de tecnlgias para cmbate à fraude e a furt de energia elétrica. Diagnóstic, prspecçã e reduçã da vulnerabilidade de sistemas elétrics a furt e à fraude. Energia ecnmizada e agregada a mercad após regularizaçã de fraudes. Us de indicadres sciecnômics, dads fiscais e gasts cm utrs insums. Gerenciament ds equipaments de mediçã (qualidade e reduçã de falhas). Impact ds prjets de eficiência energética na reduçã de perdas cmerciais. Sistemas centralizads de mediçã, cntrle e gerenciament de energia em cnsumidres finais. Sistemas de tarifaçã e nvas estruturas tarifárias. Outrs. Td prjet de P&D&I deve ser enquadrad em um determinad tema e subtema, cntud s temas nã sã excludentes. É pssível a existência de prjets que envlvam dis u mais temas. Nestes cass, n enquadrament da prpsta deve ser definid tema predminante. A lista de temas nã é exaustiva, de md que um prjet pde ser enquadrad em utrs temas que nã aqueles listads acima, na categria Outrs. Cabe destacar que a Petrbras nã é brigada a investir em Eficiência Energética, de frma que s prjets que envlvam esse tema, deverã necessariamente ter pesquisa e desenvlviment n escp das atividades. pág.: 025

26 3. Sistema de Gestã de Investiments em Tecnlgia- SIGITEC Em fevereir de 2012, a GTEC/GPPT implantu Sistema de Gestã de Investiments em Tecnlgia SIGITEC, platafrma n-line para a gestã de prjets de P&D&I que pssibilita a realizaçã das etapas de análise, refrmulaçã financeira, aditivs e prestaçã de cntas diretamente n sistema. A partir d SIGITEC, tdas as prpstas de Cnvênis e Terms de Cperaçã passaram a ser submetidas à GTEC/GPPT unicamente através d sistema. As prestações de cntas, as slicitações de aditivs de praz, valr u escp e as refrmulações financeiras ds prjets submetids via SIGITEC, também passaram a ser encaminhadas apenas pr mei eletrônic. Entretant, para s prjets anterires à implantaçã d sistema ( legad ), s prcesss de encaminhament de aditivs, refrmulaçã financeira e prestaçã de cntas nã sã realizads através d SIGITEC. Esses prcesss também serã detalhads neste manual. Para a utilizaçã d SIGITEC, usuári necessita realizar cadastrament através d preenchiment de um frmulári eletrônic n endereç e aguardar a geraçã de uma cntrassenha necessária para primeir acess. Serã dispnibilizadas as pções de suspender u reativar cadastr n SIGITEC, se fr cas. Observaçã: Eventuais dúvidas quant à navegaçã e utilizaçã das funcinalidades d SIGITEC pdem ser esclarecidas através da central de atendiment d sistema: (de segunda-feira à sexta-feira das 8h às 18h). Além diss, manual cmplet encntra-se n link Manual. pág.: 026

27 4. Elabraçã e submissã de prpstas Desde a implantaçã d SIGITEC, encaminhament de Terms de Cperaçã e Cnvênis à GTEC/GPPT deve ser realizad unicamente pr mei eletrônic. Para a elabraçã n-line e a submissã de prpstas, Crdenadr (da Universidade) deve acessar módul denminad Frmulári de Prpsta. Esse módul abrange a identificaçã da prpsta, detalhament d prjet, rçament, a apresentaçã ds dcuments exigids na fase de apresentaçã das prpstas e eventuais bservações relacinadas à etapa de apresentaçã da prpsta. 3 Para iniciar a elabraçã da prpsta n SIGITEC é necessária a aprvaçã prévia da GTEC/Cntrataçã à slicitaçã da gerência técnica. A prpsta pde ser preenchida gradativamente e deve apresentar infrmações suficientes sbre a pesquisa de P&D&I e/u despesas cm Infraestrutura, seguir um padrã de elabraçã que atenda às especificações e regras pré-estabelecidas e pssibilite a análise da GPPT e ds técnics da ANP, quand fr cas. As prpstas de prjets cntend Infraestrutura e prjets executivs devem ser habilitadas pela GTEC/GPPT. A etapa seguinte cnsiste na análise técnica preliminar pel interlcutr técnic. N cas de aprvaçã da prpsta, a GTEC/GPPT elabrará um parecer analític e dará prsseguiment encaminhand a prpsta diretamente para a cntrataçã (GTEC/GPPT/CO) u para autrizaçã prévia u ciência da ANP, cnfrme cas. 3 Para suprte à análise das prpstas, a GTEC/GPPT trabalha cm uma empresa externa especializada, que avalia aspects técnic-financeirs relacinads a instrument cntratual (prazs, equipe executra, dispêndis em infraestrutura labratrial, rçaments, crngramas de desembls e utrs), bem cm sua adequaçã as interesses da PETROBRAS e às regras da ANEEL, ANP e a utras legislações vigentes. A GPPT acmpanha e avalia s prcesss através de relatóris técnics e/u reuniões cm a cntratada e da análise/verificaçã de dcuments elabrads pela empresa. pág.: 027

28 Para a utilizaçã de recurss destinads a cumpriment da brigaçã cntratual da PETROBRAS junt à ANP, serã cnsideradas válidas para análise as prpstas riundas de unidades executras credenciadas na ANP de acrd cm Regulament Técnic nº 07/2012. A seguir sã apresentads três fluxgramas cm as principais etapas e partes envlvidas desde a submissã até a cntrataçã de uma prpsta. Figura 2.1- Submissã da Prpsta 4 4 A prpsta deverá ser encaminhada pela Fundaçã de api u utra instituiçã encarregada da administraçã financeira d Cnvêni u Term de Cperaçã, cnfrme definid n item 1 deste Manual. pág.: 028

29 Figura 2.2 Análise da Prpsta * A habilitaçã da prpsta é necessária smente para prjets de Infraestrutura e executivs. Prjets de P&D&I nã demandam esse prcediment. ** Para prpstas superires a R$ é necessária a avaliaçã da Cmissã de Negciaçã antes d envi à Cntrataçã u à ANP, se cuber pág.: 029

30 Figura Cntrataçã da Prpsta * SAC Dcument intern da PETROBRAS para autrizaçã da cntrataçã da nva prpsta. 4.1 Elabraçã de prpsta Antes de iniciar a elabraçã n-line de uma prpsta é necessária a liberaçã d sistema. Para tal, a Área Técnica (AT) da PETROBRAS vinculada a tema da pesquisa tem de emitir uma SIC (slicitaçã para iníci da cntrataçã) e encaminhar para a GTEC/CO. Após a aprvaçã, Crdenadr é ntificad pr e deve seguir s seguintes passs: Verificar se a Instituiçã Prpnente (Universidade, Institut de Pesquisa u Empresa) está cadastrada n SIGITEC, assim cm a Instituiçã Partícipe (Fundaçã de Api, Cnvenente u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual). Em cas negativ, slicitar, através SIGITEC, cadastr da(s) Instituiçã(ões) utilizand link: Slicitações >> Cadastr de Instituiçã de Pesquisa/Empresa >> Cadastr de Instituiçã de Pesquisa u de Api à Pesquisa/Empresa Brasileira. pág.: 030

31 Slicitar cadastr d departament u unidade (Instituiçã Executra) cas a executra nã esteja cadastrada, utilizand a mesma funcinalidade descrita n tópic anterir. Atentar para requisit de que Crdenadr deve estar vinculad à Instituiçã Prpnente d prjet. N sistema, esse víncul deve ser infrmad na aba "Vinc.Empreg./Credenciament" da funcinalidade Meus Dads >> Alteraçã de Cadastr. Slicitar que tds s membrs já definids da equipe executra se cadastrem n SIGITEC (através d link Cadastre-se d endereç Após preencher s requisits acima, Crdenadr pderá iniciar a elabraçã da prpsta n SIGITEC acessand Frmulári de Prpsta n link Nva Prpsta Inicial d Acess Rápid (figura 3). Será gerad um frmulári cm a cnfiguraçã de parâmetrs adequada a atendiment das regras crrespndentes as diferentes tips de investiments prvids pela PETROBRAS. O Crdenadr pderá delegar a elabraçã da prpsta a utras pessas cadastradas n SIGITEC utilizand a funcinalidade "Operações" >> "Prpstas" >> "Manter Pessas Autrizadas". Após a elabraçã pr uma "pessa autrizada", crdenadr deverá aprvar a versã final d prjet. A prpsta pde ser preenchida e salva parcialmente até ser dispnibilizada à PETROBRAS. pág.: 031

32 Figura 3 Iníci de nva prpsta Na tela seguinte, prjet que fi autrizad deverá ser selecinad e cnfirmad, clicand n btã Cnfirmar. Figura 4 - Seleçã de autrizaçã Após cnfirmar prjet, Crdenadr deverá selecinar tip de investiment e iniciar a elabraçã da prpsta. pág.: 032

33 Em relaçã a tip de investiment s prjets pdem ser enquadrads nas categrias a seguir: Infraestrutura Prjet Executiv Infraestrutura Pesquisa, Desenvlviment e Invaçã (P&D&I)- englba prjets u prgramas tecnlógics, relacinads cm pesquisa básica, pesquisa aplicada, desenvlviment experimental, prtótips, unidades pilts e invações em prduts u prcesss. Pesquisa, Desenvlviment e Invaçã (P&D&I) em Energia (Bicmbustíveis) - cmpreende pesquisa e desenvlviment de nvas tecnlgias, prduts, prcesss u métds referentes às fntes de energia renváveis, especialmente bicmbustíveis u aqueles que venham a substituir u incrementar us ds cmbustíveis fósseis. Pesquisa, Desenvlviment e Invaçã (P&D&I) em TIB (Tecnlgia Industrial Básica) - englba pesquisa e desenvlviment tecnlógic dirigid para metrlgia científica e industrial, nrmalizaçã técnica, avaliaçã da cnfrmidade para cntrle de qualidade, hmlgaçã e certificaçã de nvas metdlgias, nvs prduts, prcesss e unidade-pilt. Prjet de Pesquisa, Desenvlviment e Invaçã (P&D&I) para Estud e Guarda de Dads Gelógics, Gequímics e Gefísics (Pçs Estratigráfics). Cntrataçã de pessal administrativ e técnic-peracinal. Gestã Tecnlógica. Prjets de Pesquisa, Desenvlviment e Invaçã (P&D&I) - ANEEL. 4.2 Descriçã d Prjet A acessar mdel d prjet, sistema apresenta a tela principal e as abas crrespndentes, além das seguintes pções: Validar, Visualizar, Submeter e Pré-avaliaçã (pcinal). pág.: 033

34 4.2.1 Identificaçã da prpsta A aba Identificaçã da prpsta apresenta s camps de identificaçã básica da prpsta prpriamente dita adequads a cada tip de investiment. Figura 5 - Identificaçã da prpsta pág.: 034

35 O ícne da figura 5 pssibilita pesquisar tip de investiment, Crdenadr e a instituiçã de víncul principal. Cas Crdenadr d prjet pte pr slicitar a interlcutr técnic assciad à sua prpsta uma pré-avaliaçã, deve esclher a funcinalidade Pré-avaliaçã. Esta slicitaçã é pcinal. A ser esclhida, sistema encaminhará autmaticamente uma mensagem a interlcutr técnic crrespndente. Figura 6 Slicitaçã de pré-avaliaçã Prjet Apresenta s camps cm dads gerais d prjet cntend as abas internas: Identificaçã, Etapas/Atividades, Instituições/Empresas, Pessas Envlvidas e Descriçã Identificaçã Cmpreende as infrmações básicas que identificam prjet, cnfrme a figura 7. pág.: 035

36 O títul deve ser clar e expressar resumidamente bjetiv principal d prjet. Exempl 1: Implantaçã da Infraestrutura d Labratóri de Cmputaçã Científica e Visualizaçã da Universidade Federal d Ri de Janeir Exempl 2: Desenvlviment de Nvas Metdlgias Analíticas para Mnitrament da Qualidade de Bicmbustíveis, cm Ênfase em Espectrscpia na Regiã d Infravermelh Figura 7 Identificaçã Para s prjets relativs à ANEEL sistema apresenta um mdel de frmulári específic. pág.: 036

37 Figura 8 Identificaçã grup ANEEL Etapas/Atividades O crngrama cnstitui desdbrament d bjetiv em etapas, atividades e tarefas relacinadas à execuçã d prjet devend identificar as etapas de iniciaçã, planejament, execuçã, cntrle e encerrament. A aba interna Etapas/Atividades (Figura 9) cntém um mdel de crngrama e as pções de incluir, excluir u alterar etapas u atividades d crngrama. pág.: 037

38 Figura 9 - Etapas/Atividades pág.: 038

39 Instituições/Empresas Esta aba interna apresenta as pções de Incluir u Excluir Instituições de Pesquisa/Empresas participantes e pesquisar u apagar as instituições partícipe 5 e executra principal e indicar representante da instituiçã partícipe, dentre s usuáris cadastrads previamente, assciads a essa instituiçã. Nã é pssível incluir duas instituições partícipes em um mesm term de cperaçã. A gestã administrativa e financeira deve ser realizada pr uma única instituiçã, que receberá as parcelas desemblsadas pela Petrbras e fará a gestã da cnta crrente específica d term de cperaçã, além da elabraçã das prestações de cntas e slicitações de aditiv/refrmulaçã financeira. 1º Cas: Cas a instituiçã partícipe seja diferente da Prpnente principal infrmada, será aberta a tela apresentada na figura a seguir. 5 Instituiçã partícipe em cnfrmidade cm item 1 deste Manual, partícipe crrespnde a órgã u entidade pública u privada, cm qual a PETROBRAS pactua a execuçã de prgrama, prjet, atividade u event mediante a celebraçã de Cnvêni u Term de Cperaçã. É respnsável pela administraçã financeira ds recurss financeirs liberads pela PETROBRAS tend pr brigaçã prestar cntas das parcelas liberadas, seguind as determinações d instrument cntratual. pág.: 039

40 Figura 10 - Tela em cass de Prpnente diferente da Partícipe 6 6 Ver definiçã de Partícipe n item 1 deste manual. pág.: 040

41 2º Cas: Cas a Partícipe seja igual à Prpnente principal infrmada, será apresentad quadr Instituiçã de Api à Gestã Administrativa e Financeira, nde usuári terá que infrmar a necessidade de cntratar uma instituiçã de api para realizar a gestã administrativa e financeira d prjet. Cas seja necessári, deverá infrmar a instituiçã de api respnsável pel prjet. Figura 11 - Tela para s Cnvênis nde a Prpnente é igual à Partícipe pág.: 041

42 Figura 12 - Outras Instituições de Pesquisa/Empresa Participantes Pessas Envlvidas Nessa aba interna devem ser relacinads tds s integrantes da equipe executra, vinculads e nã vinculads à(s) instituiçã(ões) participantes (executras e c-executras). Pessal Vinculad prfissinais cm víncul empregatíci cm a Instituiçã Prpnente (prfessres que sejam funcináris da Universidade u de demais entidades de ciência e tecnlgia) e que dediquem parte u a ttalidade de suas hras atuand n Cnvêni, send identificads através de: nme; funçã; nível de classificaçã prfissinal; hras semanais de dedicaçã e víncul principal de trabalh. Só é permitida a remuneraçã de pessal vinculad ns prjets de P&D&I. Pessal Nã-Vinculad prfissinais sem víncul empregatíci cm a instituiçã Prpnente, cntratads pel regime CLT para atuar nas atividades técnicas, peracinais e/u administrativas relacinadas a prjet. As infrmações sã idênticas àquelas requeridas para s vinculads. Mensalidade de Blsas prfissinais enquadrads em uma das mdalidades de blsa de desenvlviment tecnlógic. Devem ser identificads cnfrme: mdalidade da blsa e perfil prfissinal; área de especializaçã/frmaçã; númer de meses e carga hrária de dedicaçã a prjet. Serviçs de Terceirs Pessa Física prfissinais cntratads cm autônms para executar serviçs específics e tempráris que cmplementam escp d prjet. pág.: 042

43 Observaçã: nessa etapa de elabraçã da prpsta, é brigatóri infrmar apenas nme d Crdenadr e, cas exista mais de uma Instituiçã Prpnente, nme d crrespnsável. Entretant, para s demais prfissinais nã há brigatriedade de indicar nme. Antes de iniciar a prestaçã de cntas d prjet, tds s membrs que receberam remuneraçã, diárias e/u passagens n períd cnsiderad deverã ser cadastrads n sistema para que a Fundaçã s indique nminalmente nas planilhas de prestaçã de cntas. Na tela de preenchiment da equipe executra, há um camp para indicar as atividades a que cada membr está assciad. O períd de dedicaçã d membr a prjet deve estar cerente cm a duraçã das atividades assciadas a ele. O padrã a ser seguid para infrmar a titulaçã (nível) crrespndente a perfil de cada prfissinal, assim cm as mdalidades de blsas, encntram-se dispníveis n site e ns anexs 2 e 3 deste manual. pág.: 043

44 Figura 13 - Inserçã de Equipe Executra pág.: 044

45 Figura 14 - Inserçã de Membr da Equipe Observaçã: quand huver mais de uma instituiçã Prpnente (diferente da instituiçã Prpnente principal) será exibida n bx Funçã a pçã Crrespnsável. A selecinar esta funçã, sistema apresentará um camp para indicar instituiçã de víncul d mesm. Quand mdel de frmulári fr d grup de investiment ANEEL, a única diferença é que na tela Incluir Membr da Equipe, será apresentad camp Titulaçã ANEEL Descriçã d Prjet Representa s camps descrits a seguir, que detalham prjet. Objetiv síntese da finalidade geral d prjet. Deve expressar claramente resultad tecnlógic esperad. Cas haja bjetivs secundáris, estes devem ser igualmente declarads. Os bjetivs nã pdem ser alterads após a cntrataçã d prjet. Justificativas relevância d prblema a ser abrdad pel prjet, evidenciand cm s resultads prevists justificam sua execuçã. A justificativa deve respnder as principais questinaments a respeit d prjet, cm pr exempl: qual prblema técnic a ser reslvid para setr de petróle, gás natural e bicmbustíveis; âmbit d prblema (reginal, nacinal, etc.); ns cass pág.: 045

46 específics de Infraestrutura, quais utras aplicações pdem ser encaminhadas à Infraestrutura prpsta (utrs setres/áreas demandantes de prjets); a necessidade de mntagem de Infraestrutura, justificand a área definida, a necessidade de instalações especiais. Devem ser indicadas, principalmente, as linhas de pesquisa e s prjets relacinads à Infraestrutura prpsta, assim cm a capacitaçã dispnível. Resultads Esperads resultads tecnlógics parciais e finais esperads assciads a cada etapa da execuçã d prjet. Benefícis d Prjet/aplicaçã na indústria benefícis técnics, ecnômics e sciais assciads a prjet e a aplicaçã ds resultads n setr de petróle e gás. Mecanisms de Acmpanhament de Execuçã instruments prevists para execuçã/acmpanhament/avaliaçã d prjet. Se huver, descrever s instruments de gestã a utilizar nas parcerias institucinais u redes cperativas de pesquisa. Observaçã: Os camps para a descriçã d prjet dependem da cnfiguraçã d tip de investiment. Alguns tips apresentam utrs camps, cm metdlgia e slicitam infrmar se prdut d prjet é patenteável. pág.: 046

47 pág.: 047

48 Figura 15 Descriçã d Prjet A próxima figura apresenta s itens crrespndentes as prjets d grup de investiment da ANEEL. pág.: 048

49 pág.: 049

50 pág.: 050

51 Figura 16 - Descriçã para prjets d grup ANEEL pág.: 051

52 Relatóris Essa aba interna pssibilita a inclusã ds Relatóris Técnics e de Acmpanhament Gerencial, necessáris a acmpanhament ds Cnvênis/Terms de Cperaçã descrits n item 7 deste manual. Figura 17 - Inclusã de Relatóris pág.: 052

53 4.2.3 Orçament Apresenta s camps d rçament cntempland: Parcela Planejada, Orçament Slicitad e Outras Fntes Parcela Planejada Essa aba apresenta as pções de Incluir Parcela Planejada e Alterar Parcela Planejada. Tdas as parcelas deverã ser digitadas antes ds respectivs aprtes de recurss. Os valres crrespndentes a cada parcela prpsta e seus períds de desembls devem ser rçads em cerência cm as etapas e atividades estabelecidas para cada períd. Figura 18 - Parcela Planejada pág.: 053

54 O númer de aprtes financeirs previst n rçament d Cnvêni/Term de Cperaçã deve ser cmpatível cm tip de investiment, dispnibilidade rçamentária d prgrama, crngrama físic-financeir d prjet e área tecnlógica vinculada n CENPES, send definid na fase de cntrataçã/negciaçã. 7 Os valres ds aprtes pdem ser diferenciads, mediante justificativa da instituiçã e aprvaçã da PETROBRAS. Para Cnvênis e Terms de Cperaçã, repasse da última parcela deve crrer, n mínim, quatr meses antes d términ d instrument cntratual. Para Cnvênis e Terms de Cperaçã cm investiments em Infraestrutura, a liberaçã de parcelas deve seguir, salv em cass excepcinais devidamente justificads, a estrutura abaix: Fase 1 (Prjet Executiv): - Parcela única quand s investiments frem inferires à R$ ,00; - Duas parcelas quand s investiments frem superires a R$ ,00, send a segunda parcela cndicinada à apresentaçã d prjet básic. Fase 2 (implantaçã de Infraestrutura): - O númer de parcelas varia cnfrme valr, praz d Cnvêni/Term de Cperaçã e cm s marcs físics definids n Cnvêni/Term de Cperaçã. Entretant, interval entre repasses nã pde ser inferir a seis meses e a liberaçã da última parcela tem de estar prevista para uma data anterir a quatr meses d términ d Cnvêni/Term de Cperaçã. 7 Ns Cntrats utilizads para cumpriment da brigaçã de investiment em P&D pagament da primeira parcela está limitad a 20% d valr ttal d instrument cntratual. pág.: 054

55 Orçament Slicitad Exibe as despesas previstas para a realizaçã d prjet agrupadas nas seguintes rubricas: Equipament 8 e Material Permanente - equipaments e materiais permanentes destinads às atividades-fim ds labratóris. Cmpreende equipaments de análise e us geral em labratóris (crmatógrafs, micrscópis, cmputadres, aparelhs de ultrassm e de ressnância magnética, destiladres, móveis, bancadas, armáris etc), bibligrafia, veículs para transprte de amstras u trabalh de camp, unidades pilt etc. A imprtância de cada equipament para desenvlviment de pesquisas deve estar cntemplada n camp justificativa. Para s equipaments e materiais permanentes cm valr superir a R$50 mil (cinquenta mil reais), a apresentaçã de ctaçã/prfrma é requisit para justificar investiment. A data de expiraçã da ctaçã/prfrma deve ser verificada, assim cm a ctaçã da meda estrangeira ns cass de aquisiçã de equipaments e material permanente imprtad. Obras e Instalações despesas relacinadas a bras, benfeitrias e adequaçã de instalações d prjet e despesas cm instalaçã de equipaments, tais cm: mvimentaçã de sl, implantaçã d canteir de bras, Fundações, alvenaria, escavações. 9 Despesas de Transprte despesas relacinadas a transprte de pessas e as trabalhs de camp, tais cm: aluguel, segur e revisã de veículs, pedági, táxi etc. As despesas cm translad em viagens nã devem ser apresentadas nessa rubrica, pis estã incluídas n valr das diárias. Diárias Diárias relativas às viagens nacinais e/u internacinais justificadas e alinhadas cm bjetiv d prjet. Os valres prevists para diárias cbrem 8 As despesas cm serviçs de instalaçã cmprvadamente vinculadas à cmpra de um equipament pderã ser alcadas na rubrica de Equipament, desde que essa assciaçã esteja descrita n crp da nta fiscal. 9 Ns Cntrats utilizads para cumpriment da brigaçã de investiment em P&D nã é permitida a previsã de despesas cm bras e equipaments. pág.: 055

56 despesas cm alimentaçã, hspedagem e lcmçã urbana (translad da residência u lcal de trabalh para aerprt u rdviária, e na chegada a destin, translad d aerprt para htel, incluind retrn). Observaçã: As diárias deverã ser pagas exclusivamente as membrs da equipe executra. A memória de cálcul d ttal de diárias slicitadas deve indicar s events (viagens para visitas técnicas u reuniões, participaçã em events científics etc.), a duraçã (em dias) de cada um deles e a quantidade de pessas participantes pr event (de frma a justificar valr desse item). - Events técnic-científics nacinais: 2 membrs da equipe executra x 5 diárias x 2 events = 20 diárias - Reuniões para discussã ds resultads cm parceirs: 1 membr da equipe executra x 3 diárias x 2 reuniões = 06 diárias - Viagens de camp: 2 membrs da equipe executra x 5 diárias x 2 viagens = 20 diárias Material de Cnsum itens relacinads as materiais, nacinais e/u imprtads, utilizads na execuçã d prjet. Os materiais de cnsum sã basicamente insums utilizads ns prcesss e tarefas d prjet. Sã exempls de materiais de cnsum: material de limpeza, gases especiais, material para manutençã de veículs, material labratrial. Mensalidade de Blsas - prfissinais sem víncul empregatíci cm a instituiçã Prpnente, enquadrads em uma das mdalidades de blsa de desenvlviment tecnlógic (anex 2). Devem ser apresentads individualmente, especificand-se perfil. Passagens - despesas cm passagens destinadas exclusivamente as membrs da equipe executra relacinadas a viagens alinhadas cm bjetiv d prjet. O pág.: 056

57 rçament d prjet deve apresentar apenas valr ttal das despesas cm passagens nacinais e internacinais, separadamente. A memória de cálcul, especificand trechs (destins), finalidade (cngress, reuniã e utrs), quantidade e valr unitári estimad, deve ser anexada na aba Dcuments (Figura 26 - Aba Dcuments). Pessal Nã-Vinculad prfissinais sem víncul empregatíci cm a instituiçã Prpnente/executra, cntratads pel regime da CLT para atuar nas atividades técnicas e peracinais relacinadas a prjet. Para cada prfissinal deve ser apresentad númer de hras de dedicaçã a prjet, limitad a 40 hras semanais, salv em situações devidamente justificadas e aprvadas pela PETROBRAS, e valr de hmem-hra (HH), cnsiderand tds s encargs envlvids na sua remuneraçã. Pessal Vinculad prfissinais que pssuem víncul empregatíci cm a instituiçã Prpnente/executra. Devem ser apresentads individualmente. Assim cm n cas d pessal nã vinculad, para cada prfissinal deve ser apresentad númer de meses de dedicaçã a prjet, a quantidade de hras pr mês e valr de hmem-hra (HH), englband s encargs da flha de pagaments. A PETROBRAS adta cm referencial uma tabela interna que apresenta s valres limites de HH aceits para cada carg, que nã pdem ser extraplads. A carga hrária deve estar de acrd cm estabelecid nas nrmas de cada instituiçã, respeitad andament das atividades acadêmicas, se fr cas. Cnsiderand a dedicaçã ds prfessres às Universidades, a quantidade de hras de dedicaçã destes membrs da equipe executra as Cnvênis deve estar limitada a 20 hras semanais, salv em situações devidamente justificadas e aprvadas pela PETROBRAS. Observaçã: em prjets de implantaçã de Infraestrutura, nã pdem ser cntratads pesquisadres e/u blsistas. Serviçs de Terceirs Pessa Física prfissinais cntratads cm autônms. Englba as despesas cm serviçs acessóris u secundáris, necessáris para a btençã ds resultads d prjet, pags às pessas físicas. Esses prestadres de serviç nã fazem parte da equipe executra e nã sã respnsáveis pelas atividades pág.: 057

58 centrais d prjet. Exempls: tradutr, desenhista, webdesigner, advgad, jardineir, pintr etc. Serviçs de Terceirs Pessa Jurídica esse item abrange tds s serviçs cntratads junt às entidades jurídicas, cm empresas, cmpanhias e assciações. Englba s seguintes segments: Despesas Acessórias de Imprtaçã de Equipaments e Materiais Permanentes: devem ser indicadas as despesas relativas a prcess de imprtaçã de equipaments e materiais prevists n prjet. Englbam as taxas e demais valres envlvids ns trâmites administrativs e peracinais, tais cm serviç de despachante aduaneir. Despesas Acessórias de Imprtaçã de Material de Cnsum: despesas relativas a prcess de imprtaçã de materiais de cnsum para prjet. Também estã limitadas pela ANP a 20% d material a ser imprtad. Observaçã: As despesas acessórias de imprtaçã têm cm limite padrã 20% d equipament u material a ser adquirid n exterir. Cas valr reservad para estas despesas ultrapasse este limite, a ANP exige justificativa utilizand e/u citand, preferencialmente, a legislaçã específica (tributária u aduaneira). Despesas Operacinais e Administrativas: essas despesas devem crrespnder a, n máxim, 5% d valr ttal d prjet (liberads a lng d prjet), send cmpatíveis cm permitid pela Lei de Invaçã (Art. 11 d Decret n.º 5.563/2005 que regulamenta a Lei n.º /2004). Custs Indirets: despesas cm energia, água e esgts, telefne, manutençã predial, segurança e utrs. O valr limite destes custs varia de acrd cm as despesas d prjet e SIGITEC calcula e pág.: 058

59 apresenta valr máxim aceit pela PETROBRAS n mment da submissã da prpsta. Entretant, custs indirets nã sã aceits pela ANP para cumpriment da brigaçã de investiment em P&D&I, a nã ser que, se smads às despesas peracinais e administrativas, respeitem limite de 5% d valr d prjet. Sftware Outras Despesas cm Serviçs de Terceirs: despesas crrespndentes as serviçs a serem cntratads. Devem ser identificads s tips de serviçs e a justificativa para a sua cntrataçã. Taxas de Inscriçã: englba as taxas de inscriçã em curss, cngresss, palestras e semináris. Observaçã: Para s Cntrats cm dispensa de licitaçã utilizads para cumpriment da brigaçã de investiment em P&D&I nã é permitida a previsã de despesas cm capacitaçã da equipe executra (cngresss, semináris, curss etc.). Outrs (item apresentad apenas ns prjets da ANEEL). Englba serviçs de registr de prpriedade intelectual, cmunicaçã, impressã, encadernaçã, fretes, lcaçã de equipaments, taxas de inscriçã para participaçã de membrs da equipe técnica d prjet em events (cngresss, simpósis, cnferências, etc.), custei de curss de pós-graduaçã relacinads a tema d prjet, taxas para administraçã d prjet e mbilizaçã da Infraestrutura existente da executra. pág.: 059

60 Figura 19 - Orçament slicitad Para as prpstas d grup da ANEEL, SIGITEC apresenta apenas as despesas pertinentes, cnfrme indicad na figura 20. pág.: 060

61 Figura 20 - Orçament slicitad para prjets ANEEL A selecinar e clicar um item d camp Despesas é apresentada a relaçã ds itens já cadastrads para benefíci. Sã dispnibilizadas as pções de alteraçã, inclusã, cópia e exclusã ds itens. pág.: 061

62 Figura 21 - Relaçã de itens pág.: 062

63 Figura 22 - Inclusã de itens pág.: 063

64 Distribuiçã das Parcelas - a clicar n, sistema irá apresentar element de despesa cm seu valr ttal para ser distribuíd entre as parcelas infrmadas na aba de parcela planejada. Figura 23 - Parcelas planejadas Observaçã: Para prpstas d grup de investiment ANEEL, só será permitid incluir um recurs de mensalidade de blsa, n camp "Membr da Equipe, para as funções: pesquisadr, estagiári blsista u auxiliar técnic. Também é apresentada a pçã Crngrama de Desembls desembls para impressã., que gera crngrama de pág.: 064

65 Figura 24 - Geraçã de crngrama de desembls A clicar n btã crngrama de desembls d prjet., sistema apresenta arquiv em frmat de PDF cm Figura 25 - Crngrama de desembls em PDF Observaçã: O mesm crngrama pderá ser visualizad na pçã Mais infrmações >> Crngrama de Desembls dispnível na cnsulta de um prcess. A selecinar link, será apresentada a mesma tela estruturada pela aba de rçament. pág.: 065

66 Outras Fntes Essa aba interna é utilizada quand a beneficiária receber recurss de utras entidades além da PETROBRAS. Apresenta a pçã de Incluir u Excluir utras fntes Dcuments Essa aba pssibilita visualizar e anexar s dcuments exigids na fase de apresentaçã de prpstas. Sã apresentadas a Crdenadr as seguintes pções: Anexar Arquiv O Crdenadr selecina dcument a ser anexad à lista, selecina a pçã e indica caminh de acess. Dwnlad d Mdel - O usuári marca um item da lista e realiza dwnlad d mdel d dcument, cas exista. Excluir Arquiv - O usuári marca dcument, selecina link e respnde à mensagem de cnfirmaçã da exclusã. Incluir u Excluir utrs dcuments. Observaçã: Para prjets de Infraestrutura s dcuments slicitads encntram-se relacinads n item 71 deste manual. pág.: 066

67 Figura 26 - Aba Dcuments pág.: 067

68 4.3 Aprvar / nã aprvar submissã de prpsta Aprvar / nã aprvar submissã de prpsta pel crdenadr Funcinalidade necessária quand Crdenadr delega a um prfissinal de sua cnfiança a elabraçã da prpsta n SIGITEC. Essa pçã permite a Crdenadr aprvar u nã a submissã da prpsta cuja elabraçã já fi cncluída pr utr membr da equipe e se encntra na situaçã Pendência para sua submissã à rganizaçã. ( Pendente de Aprvaçã p/ Submissã ). A peraçã é iniciada a partir d menu Prpstas >> Minhas Prpstas e também pel menu Acess Rápid da página inicial. O sistema exibe a lista das prpstas que usuári é criadr u Crdenadr. O usuári identifica, pela situaçã, a prpsta Pendente de Aprvaçã para Submissã e selecina link Tip de Investiment, de frma que sistema exibe a prpsta em md de cnsulta, junt cm as pções Aprvar / Nã Aprvar Submissã Prpsta. pág.: 068

69 Figura 27 Figura Aprvaçã de prpsta pel Crdenadr Aprvar / nã aprvar submissã de prpsta Essa funcinalidade permite aprvar u nã aprvar a submissã de uma prpsta cuja elabraçã já fi cncluída e se encntra na situaçã Pendente de Aprv. p/submissã para sua submissã final à PETROBRAS. A peraçã é iniciada a partir das funções internet pel menu Prpstas >> Prpstas da Cnvenente Pendentes. O sistema exibe a lista das prpstas que estã pendentes de aprvaçã pel representante da Partícipe (Fundaçã de Api, Cnvenente u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual). pág.: 069

70 Figura 28 - Prpstas pendentes de submissã O usuári da Fundaçã de Api (u utr órgã partícipe) selecina link Tip de Investiment e sistema exibe a prpsta em md de visualizaçã. Figura 29 - Visualizaçã de prpsta pendente de submissã pág.: 070

71 Observaçã: Selecinand uma prpsta cm a situaçã Nã aprvada para Submissã, respnsável pel prjet pderá retrnar à sua elabraçã e realizar as devidas alterações. Para iss, deverá clicar link Tip de Investiment e sistema apresentará uma tela de visualizaçã da prpsta cm link Retrnar para Elabraçã. A clicar neste link, a prpsta vlta para a situaçã "Em Elabraçã" e s dads d frmulári da prpsta sã dispnibilizads para alteraçã. Para prpsta cm a situaçã Nã Habilitad, Crdenadr pderá realizar mesm prcediment. 4.4 Dcuments necessáris para análise de prjets de implantaçã de Infraestrutura Além ds dcuments exigids pela PETROBRAS para qualquer tip de Cnvêni (item 6.2), sã necessáris dcuments adicinais para frmalizar as prpstas de Cnvênis que incluem despesas de Infraestrutura. Esta dcumentaçã depende d tip e valr da despesa, send exigids pel mens s dcuments apresentads n Quadr 1: Quadr 1 - Dcumentaçã mínima necessária para Cnvênis cm bras e instalações Até Descritiv Acima de até (inclusive) Crquis e descritiv Acima de até (nã incluíd) Crquis, descritiv e relatóri ftgráfic preliminar Acima Quadr 2 pág.: 071

72 Os Terms de Cperaçã cm previsã de dispêndi em bras e instalações sã desdbrads em dis tips. O primeir, caracterizad cm Fase 1, é classificad cm Infraestrutura Prjet Executiv e visa a detalhar prjet e preparar a dcumentaçã necessária para a Fase 2 (Quadr 2). Na Fase 1 devem ser apresentads: prjets básics, prjets executivs, rçaments e crngrama. As dcumentações requeridas para s prjets básics e executivs sã fundamentalmente as mesmas, diferenciand-se pel nível de detalhament exigid. As prpstas de Cnvênis de Infraestrutura (Fase 1 Prjet Executiv) de qualquer valr devem ser acmpanhadas d Term de Referência e de dcument que cmprve a existência de infraestrutura básica e a liberaçã d terren para a cnstruçã. Os crquis, descritivs e relatóris ftgráfics preliminares devem cnter tds s elements para a descriçã, entendiment e registr das intervenções prpstas. A dcumentaçã necessária para as prpstas ds Cnvênis de Infraestrutura, cm bras cm valr acima de R$ ,00 (Fase 2 Prjet de Infraestrutura), está expressa n Quadr 2. Cas haja uma prpsta para a Fase 2 de Prjet de Infraestrutura em que a Fase 1 tenha sid realizada cm utrs recurss (e nã através de Cnvêni específic cm a PETROBRAS pr mei de recurss aprvads pela ANP), é necessária a apresentaçã de um dcument de justificativa à ANP indicand a prcedência ds recurss para a realizaçã da Fase 1, além ds dcuments já citads acima. pág.: 072

73 Quadr 2 - Fase 2 Prjet de Infraestrutura LICENÇAS (Licenças de bra, ambientais e demais aplicáveis) PROJETO BÁSICO PROJETO ARQUITETÔNICO Planta geral de implantaçã Planta ds paviments Planta das cberturas Crtes (lngitudinais e transversais) Elevações (frntais, psterires e laterais) Plantas, crtes e elevações de ambientes especiais (banheirs, refeitóris, lavatóris, ficinas etc) Detalhes (plantas, crtes, elevações e perspectivas) de elements da edificaçã e de seus cmpnentes cnstrutivs (prtas, janelas, bancadas, grades, frrs, beirais, parapeits, revestiments e seus encntrs, impermeabilizações e prteções) Memrial descritiv da edificaçã Memrial quantitativ ds cmpnentes cnstrutivs e ds materiais de cnstruçã PROJETO DE FUNDAÇÃO Planta de lcaçã Crte e detalhes PROJETO ESTRUTURAL Cncret armad - Planta e detalhes da frma e armadura (lajes, pilares, vigas, caixa d'água e cisterna) Estruturas metálicas - Planta, crtes e detalhes INSTALAÇÃO ELÉTRICA Planta baixa Detalhes gerais Memrial descritiv INSTALAÇÂO HIDROSSANITÁRIA (Água Pluvial, Esgt, Drenagem) Planta baixa Crtes e detalhes Memrial descritiv INSTALAÇÃO ELETROMECÂNICA (ar cndicinad, elevadres, mnta-cargas, ar cmprimid, vácu, xigêni, refrigeraçã, escadas, tapetes e pntes rlantes) Planta baixa, crtes Detalhes pág.: 073

74 TELECOMUNICAÇÃO / CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO/SONORIZAÇÃO Planta baixa Memrial descritiv SPDA (Sistema de Prteçã Cntra Descargas Atmsféricas) Planta baixa Detalhes PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO Planta baixa Crte e detalhes Memrial descritiv INSTALAÇÃO ESPECIAL Planta baixa Memrial descritiv ORÇAMENTO CRONOGRAMA FÍSICO FINANCEIRO (atividades de execuçã da bra, atividades de licitaçã e aquisiçã de equipaments, entre utras) PROJETO EXECUTIVO PROJETO ARQUITETÔNICO Planta geral de implantaçã Planta ds paviments Planta das cberturas Crtes (lngitudinais e transversais) Elevações (frntais, psterires e laterais) Plantas, crtes e elevações de ambientes especiais (banheirs, refeitóris, lavatóris, ficinas) Detalhes (plantas, crtes, elevações e perspectivas) de elements da edificaçã e de seus cmpnentes cnstrutivs (prtas, janelas, bancadas, grades, frrs, beirais, parapeits, revestiments e seus encntrs, impermeabilizações e prteções) Memrial descritiv da edificaçã Memrial quantitativ ds cmpnentes cnstrutivs e ds materiais de cnstruçã PROJETO DE FUNDAÇÃO Planta de lcaçã Crte e detalhes PROJETO ESTRUTURAL Cncret armad - Planta e detalhes da frma e armadura (lajes, pilares, vigas, caixa d'água e cisterna) Estruturas metálicas - Planta, crtes e detalhes pág.: 074

75 INSTALAÇÃO ELÉTRICA Planta baixa Diagrama unifilar Detalhes gerais Memrial descritiv Especificaçã técnica INSTALAÇÂO HIDROSSANITÁRIA (Água Pluvial, Esgt, Drenagem) Planta baixa Crtes e detalhes Ismétric/esquema vertical Memrial descritiv INSTALAÇÃO ELETROMECÂNICA (ar cndicinad, elevadres, mnta-cargas, ar cmprimid, vácu, xigêni, refrigeraçã, escadas, tapetes e pntes rlantes) Planta baixa, crtes Detalhes TELECOMUNICAÇÃO/CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO/SONORIZAÇÃO Planta baixa Memrial descritiv PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO Planta baixa Crte e detalhes Memrial descritiv INSTALAÇÃO ESPECIAL Planta baixa Memrial descritiv ORÇAMENTO CRONOGRAMA FÍSICO FINANCEIRO (atividades de execuçã da bra, atividades de licitaçã e aquisiçã de equipaments, entre utras) Quaisquer utrs dcuments nã listads neste item pderã ser slicitads, cas sejam necessáris para a análise da prpsta. pág.: 075

76 4.5 Habilitaçã de prpstas para implantaçã de infraestrutura Após a aprvaçã e submissã da prpsta pela Fundaçã à PETROBRAS, é realizada a etapa de Habilitaçã pela GTEC/GPPT, que cnsiste na verificaçã ds dcuments anexads n SIGITEC. Cas a prpsta nã seja habilitada, ela retrnará para Crdenadr para a realizaçã ds ajustes necessáris e inclusã ds dcuments exigids. 5. Cmissã de negciaçã A partir de 1/5/2013 fi instituída a brigatriedade de designar Cmissã de Negciaçã para s prcesss de Cnvênis e Terms de Cperaçã enquadrads ns itens abaix: Terms de Cperaçã e/u Cnvênis cm valr acima de R$1,1 milhã; aditivs que acarretem acréscim de valr, cuj smatóri d valr pretendid cm tds s aditivs já celebrads seja superir a R$1,1 milhã; licenciament de tecnlgias; Terms de Cperaçã e/u Cnvênis, cm praz igual u superir a 5 (cinc) ans e aditivs cujs prazs acrescids as prazs ds instruments riginais levem também a essa situaçã; aditivs de alteraçã de escp, independentemente de acréscim de valr. Através das Cmissões de Negciaçã, CENPES prcura aperfeiçar s prcesss de cntrataçã, celebraçã de aditivs e acmpanhament ds Cnvênis, atendend as determinações d Manual da PETROBRAS para Cntrataçã (MPC) e as recmendações de auditrias recentes (TCU, CGU, MP, Auditria Interna e Externa) e, ainda, minimizand s riscs de glsa pr parte da ANP. 5.1 Atribuições da Cmissã de Negciaçã estabelecer cndições de interesse para a PETROBRAS; verificar a cnsistência ds valres apresentads e sua adequaçã a mercad e à estimativa de cust da PETROBRAS; pág.: 076

77 avaliar as justificativas da esclha da instituiçã, bem cm enquadrament da cntrataçã direta; elabrar um Relatóri Final discriminand s ats praticads durante a negciaçã, qual deverá ser encaminhad à Autridade Cmpetente cm parecer cnclusiv da Cmissã. 6. Cntrataçã 6.1 Principais instruments cntratuais Os instruments cntratuais estã subrdinads à legislaçã vigente e às nrmas internas da empresa, send definids cnfrme as características de cada prpsiçã. A figura 30 resume as principais características de cntrats, Terms de Cperaçã e Cnvênis firmads pela PETROBRAS. 6.2 Dcuments necessáris para a celebraçã de Cnvênis e Terms de Cperaçã Regiment Intern u Estatut d Prpnente u At Cnstitutiv d Prpnente e demais partícipes cm eventuais alterações, cas nã cnste d cadastr da PETROBRAS; At de designaçã ds representantes legais d Prpnente e demais partícipes, cas nã cnste d cadastr da PETROBRAS; Certificad de Regularidade cm as brigações d FGTS; Certidã negativa de débits relativs às cntribuições previdenciárias e às de terceirs; Certidã cnjunta negativa de débits relativs a tributs federais e à dívida ativa da uniã; Certidã negativa de débits trabalhistas. Dcuments cmplementares pdem ser slicitads a Prpnente, a critéri da PETROBRAS. pág.: 077

78 Interesses diverss. Deve ser precedid de uma prpsta de trabalh elabrada unilateralmente pel prestadr d serviç. Nã é pssível a celebraçã de cntrats cm escp indeterminad (cntrat guarda-chuva). Descumpriment de cláusula gera dever de indenizar. Cláusula de rescisã. As partes nã pdem se retirar d negóci unilateralmente. Pagament mediante entregas d que está previst n cntrat. Nã há brigaçã de prestar cntas. Pagament mediante nta fiscal de serviçs. Incidência de tributs sbre a nta fiscal. Os pagaments sã efetuads em cnta infrmada pela cntratada. Encerrament frmalizad através da assinatura d Term de Recebiment Definitiv (TRD) pelas partes. Pribida a previsã de despesas para cmplementar a qualificaçã técnica requerida cm, pr exempl, curss e semináris. Prpriedade ds resultads 100% PETROBRAS. A regra é licitaçã. Exigência de Cmissã de Negciaçã para qualquer valr. Interesses mútus e precípus. Deve ser precedid de um plan de trabalh elabrad em cnjunt pels partícipes d prjet. Terms de Cperaçã pdem ser instrumentalizads pr Cnvênis específics. Descumpriment de cláusula gera tmada de cntas especial. Cláusula de encerrament u denúncia. Qualquer uma das partes pde se retirar d negóci mediante cmunicad prévi. Repasse liberad na medida d avanç físic das atividades previstas Cnvêni/Term de Cperaçã, mediante prestaçã de cntas. Há brigaçã de prestar cntas (cmprvar us ds repasses). Repasses mediante recib. Nã há incidência de tributs. Necessária abertura de cnta específica para depósit ds repasses. Prestaçã de cntas final. Restituiçã d sald d aprte financeir nã utilizad, inclusive das receitas auferidas cm aplicaçã financeira e ds recurss indevidamente utilizads. Admitida a previsã de despesas para a cmplementaçã da qualificaçã técnica. Sã admitidas despesas cm Infraestrutura (bras, melhrias nas instalações e equipaments/material permanente) e cmplementaçã da qualificaçã técnica. Prpriedade intelectual de acrd cm a legislaçã vigente. Nã se aplica regra licitatória. Exigência de Cmissã de Negciaçã para prjets enquadrads n item 5 deste manual. Figura 30: Tips de Instruments Cntratuais pág.: 078

79 7. Acmpanhament de Cnvênis e Terms de Cperaçã O acmpanhament ds instruments cntratuais tem cm bjetivs: verificar/avaliar a execuçã d bjet e d Plan de Trabalh, garantir a liberaçã ds desemblss de acrd cm crngrama estipulad (vinculad à prestaçã de cntas) e levantar as infrmações necessárias à elabraçã d Relatóri Demnstrativ das Despesas Realizadas (Investiments em P&D&I) que a PETROBRAS deve apresentar anualmente à ANP. A instituiçã executra deve elabrar e encaminhar à PETROBRAS s relatóris técnics e de acmpanhament gerencial d prjet descrits abaix. Relatóri Técnic Os mdels ds Relatóris de Prjets de P&D relativs à ANP e ANEEL encntram-se, respectivamente, ns Anexs 7 e 8 deste Manual. Estes relatóris devem cnter s resultads u prgresss btids n períd de execuçã d prjet, incluind a revisã bibligráfica, a metdlgia (resultads e discussã ds resultads) e as cnclusões e/u recmendações. Os relatóris de instruments cntratuais (ICs) submetids pel SIGITEC devem ser encaminhads à PETROBRAS apenas via Sistema 10 (utilizar a aba Relatóri Técnic ) 11, nas datas estabelecidas n instrument cntratual. Os relatóris d legad devem ser direcinads à área técnica (AT). 10 Nã sã aceits relatóris gerads fra d SIGITEC para s prjets que tramitam dentr desse Sistema, excet relatóris de acmpanhament de infraestrutura e/u equipaments. 11 Os relatóris técnics ds prjets de P&D encaminhads através d SIGITEC sã analisads pela GTEC/RCT à luz ds requisits mínims exigids pela ANP e ANEEL, cm bjetiv de evitar glsas ds investiments realizads. Quand necessári, a GTEC/RCT slicita ajustes a crdenadr da ICT. Após a habilitaçã pela GTEC/RCT, s relatóris retrnam a interlcutr técnic da área tecnlógica interessada para sua avaliaçã técnica, ficand a seu critéri slicitar à ICT nva revisã da dcumentaçã. Em cas de ajustes, Crdenadr d prjet submete nvamente relatóri para análise técnica preliminar, cabend a interlcutr técnic aprvaçã final ds ajustes realizads. pág.: 079

80 A AT deverá dispnibilizar s relatóris para a GTEC/RCT quand huver fiscalizaçã da ANP u da ANEEL. Após a aprvaçã pel interlcutr, este deve enviar para arquivament na Memória Técnica da PETROBRAS. Relatóri de Acmpanhament Gerencial (RAG) É um dcument de acmpanhament ds Cnvênis, send referência para liberaçã de nvs repasses. Para prjets de P&D, RAG tem de ser apresentad cm a peridicidade definida n instrument cntratual, quand slicitad pela PETROBRAS u juntamente cm a prestaçã de cntas ( praz que fr menr). A partir de 02 de març de 2015, a frequência prevista a ser adtada para envi d RAG ds instruments cntratuais que cntemplam infraestrutura e/u equipaments encntra-se n quadr a seguir: Dispêndis em Obras e Instalações e/u Equipaments e Material Permanente Detalhament de Infraestrutura (cm lista de equipaments, Relatóri de Mediçã e Crngrama) Abaix de R$1,1 De R$1,1 a R$5 Valres em R$ milhões Acima de R$5 Acima de R$50 semestral quadrimestral trimestral bimestral Dcuments de Prjet Executiv bimestral bimestral bimestral bimestral Peridicidade prevista para envi ds dcuments de instruments cntratuais de bras e/u equipaments Para s prcesss submetids via SIGITEC, RAG é preenchid a partir da atualizaçã d crngrama de atividades (preenchiment das atividades executadas, cm as respectivas datas de iníci e términ e percentual de execuçã) e d preenchiment d camp da descriçã resumida ds resultads parciais alcançads n períd. N SIGITEC, RAG de instruments cntratuais (ICs) de elabraçã de prjet executiv e de encerrament de Cnvênis cm Infraestrutura deve cnter, cm dcument anex, um detalhament da realizaçã, seguind mdel d Anex 5 u 9 deste Manual, cnfrme cas. pág.: 080

81 RAGs ds prcesss d legad têm de ser encaminhads apenas pr mei eletrônic. Relatóris de prjets de P&D devem ser enviads para e relatóris de elabraçã de prjets executivs, P&D cm infra e encerrament de ICs cm infra, para 12. RAGs de tds s cnvênis de Infraestrutura ( legad e SIGITEC), seguind mdel d Anex 6 deste Manual, devem ser encaminhads à Equipe de Acmpanhament de Infraestrutura da GTEC/GPPT/COINV 13. Após recebiment pela GTEC/GPPT/COINV, s RAGs de P&D sã encaminhads às gerências respnsáveis para a sua avaliaçã e guarda. Os RAGs de cnvênis de bras, de frneciment de equipaments e de prjet executiv sã analisads pela Equipe de Acmpanhament de Infraestrutura, encaminhads às gerências respnsáveis para acmpanhament/avaliaçã e arquivads pela GTEC/GPPT/COINV. Observaçã: As datas previstas para a entrega ds relatóris (via SIGITEC u pr mei eletrônic) pdem ser alteradas pel interlcutr técnic u pel gerente d cntrat durante a execuçã d prjet. Para s Cnvênis de Infraestrutura (Prjet Executiv u Obra) pderã ser adicinadas nvs relatóris e exigências 12 Para acmpanhar s Cnvênis que apresentam bras civis e/u cmpra de equipaments, a GTEC/GPPT firmu um cntrat cm empresa para api técnic especializad. Cabe a esta empresa analisar relatóris e demais dcuments necessáris à cmprvaçã da execuçã d Plan de Trabalh, bem cm acmpanhar in lc bras de Cnvênis selecinads em reuniões cm a GTEC/GPPT. A GTEC/GPPT acmpanha e avalia a adequaçã ds prcediments e prcesss a partir de relatóris técnics e/u reuniões cm a empresa cntratada e também através da análise da perfrmance de Cnvênis selecinads. 13 A partir de març/2015, relatóri de acmpanhament gerencial d SIGITEC cntemplará tdas as infrmações necessárias a acmpanhament da infra descritas n Anex 6 e s RAGs de Infra ds instruments cntratuais (ICs) submetids pel SIGITEC serã encaminhads apenas via Sistema. Até març, tds s RAGs (de ICs d legad u SIGITEC) de Infraestrutura têm de ser encaminhads para pág.: 081

82 pela Equipe de Acmpanhament da GTEC/GPPT, sem a necessidade de alteraçã cntratual. 7.1 Acmpanhament de Cnvênis de Infraestrutura Os Cnvênis cm dispêndi em infraestrutura pderã demandar, além d RAG cntend detalhament da infra, Acmpanhament in lc da Implantaçã de Infraestruturas para avaliar andament, verificar se Plan de Trabalh e crngrama estã send cumprids e identificar riscs que levem à necessidade de aditivs. Quand fr agendad um Acmpanhament da Implantaçã de Infraestruturas, é necessária a presença de respnsáveis pr cada labratóri visitad, para que seja pssível identificar cada etapa da bra civil e/u aquisiçã de equipaments, garantind acessibilidade e dispnibilidade para que as bras e s equipaments sejam identificads e registrads ftgraficamente. Se necessári, pderá ser slicitada também a presença de representante d setr de prestaçã de cntas. Os dcuments de acmpanhament de Terms de Cperaçã/Cnvênis de Implantaçã de infraestrutura pssibilitam a identificaçã de pendências que impactem na execuçã d empreendiment e na crreta realizaçã d prjet. Dependend d impact, as pendências sã classificadas cm de baixa u alta relevância. As pendências de alta relevância de Infraestrutura - assim cm as de prestaçã de cntas - apresentadas n item 7 deste Manual impedem a realizaçã de nvs aprtes financeirs, até que sejam slucinadas. Segue abaix a classificaçã das pendências, a ser adtada a partir de 02/03/2015, em prjets de Infraestrutura, de acrd cm exempls de nã cnfrmidades que pdem crrer durante acmpanhament: Pendências de baixa relevância - nã envi n praz estabelecid d RAG e seus anexs. Pendências de alta relevância atras na entrega d RAG e seus anexs pr um períd mair que duas vezes a peridicidade estipulada; nã envi parcial u cmplet ds prjets necessáris à execuçã d empreendiment; incerências pág.: 082

83 entre Plan de Trabalh e que está send executad; e atrass na execuçã nã justificads. 8. Prestaçã de cntas A prestaçã de cntas de Cnvênis e Terms de Cperaçã demnstrand a crreta aplicaçã ds recurss repassads pela PETROBRAS é essencial para a liberaçã das parcelas previstas n crngrama de desembls definid n instrument cntratual. Antes d final de cada períd de execuçã d prjet, a Instituiçã Partícipe 14 tem a brigaçã de encaminhar relatóri de prestaçã de cntas, anexand s dcuments necessáris à cmprvaçã de tdas as despesas executadas n períd. A partir da segunda parcela, a liberaçã de recurss pressupõe a aprvaçã financeira da prestaçã de cntas, bem cm a aprvaçã ds resultads técnics d prjet e autrizaçã d repasse pel gestr da PETROBRAS. 15 A Instituiçã deve apresentar a dcumentaçã em temp hábil para que a análise da prestaçã de cntas seja realizada, as pssíveis pendências sanadas e s recurss liberads. Para a liberaçã d pagament, é slicitada à Instituiçã Partícipe a emissã de recib relativ a valr da parcela a ser repassada Fundaçã de api u utra instituiçã encarregada da administraçã financeira d Cnvêni u Term de Cperaçã, cnfrme definid n item 1 deste Manual. 15 Para suprte à análise financeira das prestações de cntas, a GPPT cntratu uma empresa para prestaçã de serviçs de suprte técnic. A GTEC/GPPT acmpanha e avalia as prestações de cntas através de relatóris e/u reuniões cm a cntratada e da análise de prestações de cntas selecinadas pr amstragem. 16 A dcumentaçã para faturament deve ser encaminhada à CENPES/GTEC/GPPT/COINV as cuidads de: Prestaçã de Cntas. Avenida Hráci de Maced, 950 Cidade Universitária Ilha d Fundã Ri de Janeir/RJ CEP Os dcuments sã prtclads n Prtcl Geral d CENPES (Prtaria 2). pág.: 083

84 Smente sã cnsideradas para liberaçã de parcelas as prestações de cntas de Cnvênis e Terms de Cperaçã cm realizaçã superir a 50% d valr acumulad das parcelas pagas e 50% d mntante da parcela anterir 17. Existem duas mdalidades de prestaçã de cntas: Parcial cmprvaçã da utilizaçã ds recurss liberads para a primeira parcela e demais parcelas intermediárias, quand fr cas de Cnvêni u Term de Cperaçã cm previsã de repasse em duas u mais parcelas. Deverá ser apresentada n máxim até sessenta dias antes da data prevista para aprte de uma nva parcela. Final cmprvaçã da utilizaçã ds recurss relativs à última parcela d prjet. Deverá ser apresentada n máxim até sessenta dias psterires a encerrament d Cnvêni u Term de Cperaçã. Cas crra a denúncia, praz máxim para apresentaçã da prestaçã de cntas final será de trinta dias após recebiment da ntificaçã pr escrit. Independentemente da apresentaçã da prestaçã de cntas, sald d aprte financeir nã utilizad, incluind resultad das aplicações financeiras, deve ser devlvid em até trinta dias após a data de encerrament d Cnvêni u Term de Cperaçã. Durante prcess de análise, s técnics da GTEC/GPPT/COINV cnferem as receitas (parcela liberada e rendiments de aplicaçã financeira) e verificam a execuçã das despesas de acrd cm a relaçã de itens d crngrama de desembls aprvad. A final d prcess, parecer da análise é repassad à área tecnlógica (AT) interessada, através d Gestr Técnic d prjet n CENPES, e à Instituiçã Partícipe. As pendências pr ventura identificadas sã apntadas e infrmadas pela GTEC/GPPT/COINV para que as devidas prvidências sejam tmadas pela Fundaçã (u utra instituiçã definida n item 1 deste manual). 17 Para s prcesss encaminhads através d SIGITEC, a prestaçã de cntas nã é habilitada n sistema quand a realizaçã de despesas fr inferir a esse patamar. pág.: 084

85 As pendências sã segmentadas internamente quant à sua relevância, em dis níveis de classificaçã: Baixa Relevância - preenchiment incrret de frmuláris de prcesss d legad, pendências nã financeiras na prestaçã de cntas e falta de dcumentaçã de valres imateriais; Alta Relevância - falta de dcumentaçã de suprte (extrats bancáris, recibs, ntas fiscais e utrs dcuments cmprbatóris) relacinada a despesas que, individualmente u smadas, sejam superires a 5% d valr ttal da parcela u nã aplicaçã d recurs recebid e nã utilizad em caderneta de pupança u fund de investiment de baix risc. N mment da análise, também é apurad se existem pendências nas bras de infraestrutura e seu impact na execuçã d empreendiment (cnsultar item 7.1 desse manual). A prestaçã de cntas é reprvada cas existam pendências de alta relevância. Havend pendências de baixa relevância, prcess pde ser aprvad pel Gestr Técnic. Entretant, n SIGITEC estas têm de ser sanadas para pssibilitar a elabraçã da prestaçã de cntas seguinte n sistema. Nã é pssível apresentar uma PC quand a anterir permanece em abert (cm pendências de baixa relevância e nã cnfrmidades). Em prcesss d legad, pendências de baixa relevância também nã sã impeditivas a pagament da parcela, mas têm de ser sanadas até a apresentaçã da prestaçã de cntas seguinte para haver liberaçã de nv repasse. A aprvaçã da prestaçã de cntas final d Cnvêni pressupõe que tdas as pendências, independentemente da relevância, estejam sanadas. Regras para liberaçã de parcelas: Após a assinatura d instrument cntratual, a Fundaçã u Universidade deve prvidenciar uma cnta crrente específica e exclusiva para recebiment de repasses financeirs, a qual só pderá ser mvimentada pr mei de cheque nminativ, rdem bancária, transferência pág.: 085

86 eletrônica dispnível u utra mdalidade de saque na qual seja pssível a identificaçã d beneficiári. Os salds da cnta, enquant nã utilizads, devem ser aplicads pel partícipe beneficiári em caderneta de pupança u fund de aplicações financeiras, acrdad cm a PETROBRAS, quand a previsã de sua utilizaçã fr igual u superir a um mês. As receitas auferidas devem ser cmputadas a crédit d Cnvêni e/u Term de Cperaçã e aplicadas, exclusivamente, n bjet de sua finalidade, mediante aprvaçã prévia da PETROBRAS. A liberaçã da primeira parcela é autmática em até 30 dias depis da emissã d recib pela Partícipe, excet n cas de haver cndicinantes estabelecidas n instrument cntratual. Quand plan de trabalh envlver bras e benfeitrias, cndições específicas de liberaçã também pderã ser estabelecidas n instrument cntratual. A dcumentaçã para faturament - encaminhada à GTEC/GPPT/COINV (Prestaçã de Cntas) - deve ser entregue n Prtcl Geral d CENPES (Prtaria 2) até dia 20 d mês da emissã d recib 18. Cas nã seja pssível, dcument deverá ter a data de emissã d 1º dia útil d mês subsequente. O recib deve estar acmpanhad da Declaraçã de Isençã, pis a falta desta Declaraçã pderá incidir na retençã ds tributs cabíveis. Para a liberaçã das parcelas seguintes, devem ser atendidas as cndições: inexistência de pendências de alta relevância na prestaçã de cntas, para parcelas intermediárias; inexistência de pendências, independentemente da relevância, para as última parcela; crreçã das pendências de baixa relevância da prestaçã de cntas anterir 19 ; 18 Avenida Hráci de Maced, 950 Cidade Universitária Ilha d Fundã Ri de Janeir/RJ CEP As respstas às pendências identificadas na análise de prestaçã de cntas devem ser efetuadas de frma cnslidada. pág.: 086

87 realizaçã superir a 50% d valr acumulad das parcelas pagas e 50% d mntante da parcela anterir; para cnvênis que apresentem bras civis e/u cmpra de equipaments, inexistência de pendências de alta relevância de infraestrutura; autrizaçã da liberaçã d pagament pel Gestr Técnic, baseada em sua avaliaçã sbre s resultads técnics alcançads pel prjet n períd e sbre a natureza das pendências de baixa relevância da prestaçã de cntas mais recente (e de infraestrutura, se fr cas). Além d nã atendiment às cndições acima, desvis de finalidade na aplicaçã ds repasses anterires u atrass injustificads n cumpriment das fases u etapas prgramadas implicam na suspensã ds nvs repasses. Na primeira prestaçã de cntas deve ser encaminhada uma declaraçã cm a qualificaçã prfissinal e temp de experiência de cada membr da equipe executra u a inscriçã d currícul de cada membr da equipe executra na Platafrma Lattes d CNPq 20. Esta declaraçã pde ser feita individualmente pr clabradr u em um únic dcument apresentand, em camps específics, a qualificaçã e temp de experiência de cada pesquisadr. O dcument deve ser assinad pel chefe d departament a quem Crdenadr d prjet estiver vinculad e pel prfissinal respnsável pela seleçã, alcaçã e cntrle da equipe executra. A prestaçã de cntas deve cnter extrat da cnta crrente específica e da aplicaçã financeira ds salds. Nã sã aceitas despesas anterires u psterires a praz de vigência d cnvêni. Os aprtes nã pderã ser utilizads para pagament de multas, jurs u atualizaçã mnetária, inclusive referente a pagaments u reclhiments efetuads fra ds prazs, salv se imputáveis exclusivamente à PETROBRAS. 20 Para s prcesss encaminhads através d SIGITEC, deve ser utilizada a aba Dcuments (Figura 26 - Aba Dcuments). pág.: 087

88 As cntratações de serviçs e aquisiçã de bens devem ser cmprvadas cm as respectivas Ntas Fiscais emitidas em nme d partícipe beneficiári, devend ser atestad pel prepst que s serviçs fram prestads e s bens recebids. Tdas as despesas devem ter dcument riginal fiscal u equivalente, send apenas as cópias encaminhadas à PETROBRAS. Os cmprvantes riginais e a cópia d relatóri de prestaçã de cntas devem ficar sb a guarda d partícipe após a aprvaçã da prestaçã de cntas. Pderã ser slicitads dcuments cmplementares as estabelecids n instrument cntratual cm a finalidade de verificar cumpriment d bjet e a crreta aplicaçã ds recurss. Os partícipes devem manter a dcumentaçã inerente às ctações em pastas exclusivas, devidamente rganizadas e dispníveis para a Fiscalizaçã da PETROBRAS. Pderã ser slicitads dcuments cmplementares as estabelecids n instrument cntratual cm a finalidade de verificar cumpriment d bjet e a crreta aplicaçã ds recurss. A falta de prestaçã de cntas legitima partícipe repassadr a exigi-la judicialmente. Figura 31 - Flux de Prestaçã de Cntas pág.: 088

89 8.1 Prestaçã de cntas de prcesss que nã estã n SIGITEC ( legad u sistema antig ) A Instituiçã Partícipe deve enviar a dcumentaçã em mei impress, juntamente cm um CD/DVD cntend tds s frmuláris padrã PETROBRAS em arquiv Excel para: CENPES/GTEC/GPPT/COINV, as cuidads de: Prestaçã de Cntas, Avenida Hráci de Maced, 950 Cidade Universitária Ilha d Fundã Ri de Janeir/RJ CEP A dcumentaçã, prtclada n Prtcl Geral d CENPES (Prtaria 2), é encaminhada para análise da GTEC/GPPT/COINV. O relatóri de prestaçã de cntas é cmpst pelas planilhas padrã devidamente preenchidas e assinadas pel cntadr e pel rdenadr de despesas da instituiçã Partícipe, além ds dcuments cmprbatóris das despesas, incluind CD cm as planilhas em frmat Excel. Os frmuláris/planilhas necessáris para a prestaçã de cntas apresentads ns itens a seguir encntram-se dispníveis n site Cmunidade Ciência e Tecnlgia: ( Dads Gerais da Prestaçã de Cntas Esse frmulári pssibilita identificar s partícipes ds Cnvênis/Term de Cperaçã, s cntats cm a instituiçã Partícipe, s códigs atribuíds a instrument jurídic e a sistema de gestã integrada (SAP), além das datas relativas a períd de execuçã financeira d prjet, d períd de abrangência d relatóri e data de emissã d relatóri. Além diss, a planilha permite infrmar se a prestaçã de cntas é final u parcial e, se parcial, númer da parcela. Os dads d cntadr respnsável pela prestaçã de cntas e d rdenadr das despesas da instituiçã partícipe devem ser inserids n camp devid e ambs devem assinar a planilha. pág.: 089

90 Figura 32 - Dads gerais da prestaçã de cntas (A) Partícipes Partícipe (Cnvenente): Esta funçã é exercida pela instituiçã encarregada da administraçã financeira ds recurss financeirs liberads pela PETROBRAS tend pr brigaçã prestar cntas das parcelas liberadas. Prpnente: Entidade pública u privada, lcalizada n País, que realiza atividades relacinadas cm ensin, pesquisa e desenvlviment tecnlógic. Executr: Determinad departament, Labratóri u Unidade Organizacinal que realize atividades de pesquisas e desenvlviment tecnlógic. (B) Cntats cm a Partícipe (Cnvenente) Preencher nme e cntat (telefne e ) d gestr administrativ e financeir ds recurss d prjet. (C) Identificaçã numérica d Cnvêni pág.: 090

91 Instrument Cntratual Jurídic: Preencher númer d Term de Cperaçã registrad n instrument cntratual. Ex xxxxx.xx.x Númer SAP (Cnvêni Específic): Preencher númer específic d SAP vinculad a Cnvêni. Ex: 4600xxxxxx (D) Prestaçã de Cntas Infrmar númer da prestaçã de cntas referente à parcela. Ex: Prestaçã 1 da parcela 2, preencher: 1 Parcial Nº 2 (E) Datas Períd de Execuçã Financeira d Prjet: Data de iníci preencher cm a data da assinatura d Cnvêni. Data de términ preencher cm a data términ definida n Cnvêni u n aditiv cntratual de praz devidamente aprvad. Períd Abrangid pr este Relatóri: Data de iníci preencher cm a data d depósit d recurs na cnta crrente d Cnvêni, n cas de análise da primeira prestaçã de cntas. As demais prestações de cntas deverã ser preenchidas de md sequencial em relaçã à prestaçã de cntas anterir. Data de términ preencher cm a data da última mvimentaçã financeira enviada (u seja, será a data d últim extrat). Emissã deste Relatóri: A data de emissã deve ser superir à data final de abrangência d relatóri. (F) Dads d cntadr Preencher cm nme e registr d órgã cmpetente da prfissã. (G) Ordenadr de despesas pág.: 091

92 Preencher cm nme d rdenadr de despesas respnsável pel Cnvêni Demnstrativ de Receitas e Despesas Englba s valres relativs às receitas sald d períd anterir, recurss recebids n períd e receita das aplicações financeiras n períd as rubricas relacinadas às despesas realizadas e sald dispnível para próxim períd. (A) Receitas Figura 33 - Demnstrativ de receitas e despesas Sald d Períd Anterir: Preencher de acrd cm sald dispnível da prestaçã de cntas anterir, discriminad na cluna sald dispnível para próxim períd/sald a ser devlvid desse frmulári. Nã preencher quand nã huver prestaçã de cntas anterir. pág.: 092

93 Recurss Recebids da PETROBRAS n Períd: Preencher cm valr creditad em cnta crrente, referente a recurs recebid da PETROBRAS n períd da prestaçã de cntas. Receita de aplicações financeiras n períd: Valr apresentad n extrat de aplicaçã financeira, resultante d smatóri ds rendiments líquids referente a períd apresentad. Esse valr será gerad autmaticamente, n mment que fr preenchid mensalmente demnstrativ denminad Rendiment de Aplicaçã Financeira. (B) Despesas Valres referentes as gasts realizads nas rubricas (Diárias, Material de Cnsum, Passagens e Despesas de Lcmçã, Outrs Serviçs/Pessa Física, Outrs Serviçs/ Pessa Jurídica, Obras e Instalações e Equipament 21 e Material Permanente), n períd crrespndente à prestaçã de cntas. Os valres serã gerads autmaticamente, n mment que fr preenchid demnstrativ d Detalhament de Despesas de cada rubrica. (C) Sald Dispnível para Próxim Períd / Sald a ser Devlvid Este camp é gerad autmaticamente e crrespnde à diferença entre ttal de receitas e ttal de despesas Relatóri de Execuçã Financeira Nessa planilha deve ser preenchida a cluna Previst, n camp Executad n Períd. N camp Acumulad até Períd, devem ser preenchidas as clunas Previst e Realizad. As demais clunas serã geradas autmaticamente. 21 As despesas cm serviçs de instalaçã cmprvadamente vinculadas à cmpra de um equipament pderã ser alcadas na rubrica de Equipament, desde que essa assciaçã esteja descrita n crp da nta fiscal. pág.: 093

94 Figura 34 - Relatóri de execuçã financeira (A) Executad n Períd Previst: Preencher de acrd cm s valres prevists para a parcela d últim crngrama de desembls Aprvad. Realizad: Calculad autmaticamente. Crrespnde as gasts realizads n períd da prestaçã de cntas. Diferença: Resultad da diferença entre previst e realizad. % Realizad: Percentual referente às despesas realizadas em relaçã a previst para a parcela. (B) Acumulad até Períd pág.: 094

95 Previst: Preencher s valres das parcelas recebidas previstas pr rubrica, cnfrme crngrama de desembls Aprvad. Realizad: Preencher s valres das realizações acumuladas durante td períd. Diferença: Resultad da diferença entre previst acumulad e realizad acumulad. % Realizad: Percentual referente a ttal das despesas realizadas em relaçã a previst recebid. (C) Cmentáris Espaç preenchid autmaticamente, quand a realizaçã da parcela é insuficiente Demnstrativs de Execuçã de Despesas Sã frmads pr um cnjunt de nve planilhas relativas a cada rubrica. Nas planilhas devem ser apntads s elements de despesa, identificand-se item relacinad a plan de trabalh, a data d dispêndi, númer d dcument de pagament (cheque u rdem bancária), tip e númer d dcument fiscal, nme d favrecid e a valr. A Instituiçã deve anexar cópias de cada dcument fiscal relacinad, na rdem em que frem descrits na planilha. pág.: 095

96 Figura 35 - Demnstrativ de execuçã de despesas (A) Despesas Realizadas Númer Sequencial: Preencher cnfrme rdem crnlógica das despesas apresentadas. Númer d Item n Plan de Trabalh: Preencher, brigatriamente, cm númer discriminad na relaçã de itens d crngrama de desembls Aprvad, relativ à despesa. Observaçã: Cas crra remanejament que casine mudança na relaçã de itens d Cnvêni, item smente será aceit quand este estiver Aprvad. Utilizaçã de Rendiment: Preencher esse camp cm X quand a despesa apresentada fi realizada cm recurss prvenientes de rendiments de aplicaçã financeira. pág.: 096

97 Data de Pagament: Preencher cm a data d débit bancári referente a pagament da despesa. Númer d Cheque/Ordem Bancária: Preencher cm númer d dcument emitid para pagament da despesa. Recib / Nta Fiscal / Fatura / Outrs: Preencher cm númer d dcument cmprbatóri da despesa u tip de dcument apresentad (DARF, GPS, etc.). Favrecid: Preencher nme da pessa física u jurídica favrecida u discriminar a despesa realizada. Valr: Preencher valr da despesa, em meda nacinal Cnciliaçã Bancária Nessa planilha devem ser infrmads s dads relacinads à cnta bancária d Cnvêni: salds da cnta crrente e das aplicações financeiras; restituições nã creditadas pel banc e cheques emitids e nã descntads, até a data final d períd. Devem ser anexads à planilha s extrats bancáris da cnta crrente relativs a períd abrangid pela prestaçã de cntas. pág.: 097

98 Figura 36 - Cnciliaçã bancária (A) Sald cnfrme extrat bancári Sald de Cnta Crrente: Preencher de acrd cm sald apresentad em extrat bancári, crrespndente à data final d períd abrangid. Sald de Aplicações Financeiras: Preencher de acrd cm sald apresentad em extrat de investiment, crrespndente à data final d períd abrangid. (B) Restituições nã creditadas pel banc até a data final d períd O referid camp pde ser utilizad em duas hipóteses: pág.: 098

99 a) Preenchiment de restituições nã creditadas pel banc. b) Preenchiment de valres a serem restituíds a Cnvêni, que deverã ser alcads n referid camp até a data d crédit bancári. Observaçã: cas exista algum depósit na cnta crrente que nã seja pertencente a Cnvêni, deverá ser alcad nesse camp cm sinal negativ (-) e ser infrmada sua rigem n Demnstrativ de Cmentáris Adicinais. (C) Cheques emitids e nã descntads até a data final d períd Esse camp é destinad a preenchiment de valres referentes às despesas realizadas, prém nã apresentadas em cnta crrente até a data d períd abrangid. Observaçã: O camp Sald dispnível p/ períd seguinte deverá estar de acrd cm sald apresentad n Demnstrativ de Receita e Despesas n camp Sald dispnível para próxim períd Demnstrativ de Rendiment da Aplicaçã Financeira Esse demnstrativ deve cnter s dads de rendiment da aplicaçã, cnfrme s extrats bancáris d períd abrangid pela prestaçã de cntas. pág.: 099

100 Figura 37 - Demnstrativ de Rendiment da Aplicaçã Financeira (A) Rendiment de Aplicaçã Financeira cnfrme extrats bancáris n períd Períd: Preencher mês e an da mvimentaçã infrmada. Sald Anterir: Preencher valr d sald d mês anterir. Valr Aplicad n Períd: Preencher valr ttal aplicad n mês, quand huver aplicaçã de recurss. Valr Resgatad n Períd: Preencher valr ttal ds resgates realizads n mês. Rendiment Brut/IR e IOF/Sald/Rendiment Liquid: Preencher cnfrme apresentad n extrat mensal da cnta de investiment. pág.: 0100

101 Observaçã: O camp Ttal (smatóri d rendiment de aplicaçã financeira) deve crrespnder a sald apresentad n Demnstrativ de Receita e Despesa n camp Receita de Aplicaçã Financeira n períd Demnstrativ de Utilizaçã de Rendiments da Aplicaçã Financeira Esse demnstrativ infrma s itens em que fram desemblsads recurss prvenientes d rendiment da aplicaçã financeira. A esse demnstrativ devem ser anexadas as autrizações d Gestr Técnic da PETROBRAS para a utilizaçã d rendiment. Figura 38 - Demnstrativ de Utilizaçã de Rendiments da Aplicaçã Financeira pág.: 0101

102 (A) Sald d Rendiment de Aplicaçã Financeira Sald d Rendiment de Aplicaçã Financeira d períd anterir: Preencher cm valr d rendiment de aplicaçã financeira referente à prestaçã de cntas anterir, quand huver. Rendiment de Aplicaçã Financeira n períd: Calculad autmaticamente. Crrespnde a valr d rendiment d períd referente à prestaçã de cntas. Utilizaçã d Rendiment de Aplicaçã Financeira n períd: Calculad autmaticamente. É valr ttal utilizad ds rendiments de aplicaçã financeira. (B) Utilizaçã d Rendiment de Aplicaçã Financeira Códig de Natureza: Códig da rubrica (I.1, I.2, l.3, l.4, l.5, l.6, ll.1, ll.2 e ll.3) nde crreram despesas realizadas cm recurss de rendiment de aplicaçã financeira. Esse camp é preenchid autmaticamente a partir das infrmações d frmulári Demnstrativ de Execuçã de Despesas - Detalhament de Despesas. N demnstrativ de execuçã de despesas deve ser marcad cm um X na cluna Utilizaçã d Rendiment, na rubrica nde crreram despesas utilizand rendiments. Númer sequencial d lançament: Preencher de acrd cm númer sequencial, mencinad n frmulári Demnstrativ de Execuçã de Despesas Detalhament de Despesas, das rubricas nde crreram as utilizações de rendiments de aplicaçã financeira (preenchiment autmátic). Autrizaçã: Infrmar a data de aprvaçã d remanejament que autriza a utilizaçã de rendiment de aplicaçã financeira. Observaçã: Para utilizaçã deste recurs, a Fundaçã deve slicitar autrizaçã através d sistema de refrmulaçã financeira. Data de Pagament: Data d débit bancári, referente a pagament da despesa (preenchiment autmátic). pág.: 0102

103 Númer d Cheque / Ordem Bancária: Númer d dcument emitid para pagament da despesa (preenchiment autmátic). Recib / Nta Fiscal / Fatura /Outrs: Númer d dcument cmprbatóri da despesa (preenchiment autmátic). Favrecid: Nme da pessa física u jurídica favrecida (preenchiment autmátic). Valr: Valr da despesa, em meda nacinal (preenchiment autmátic) Relatóri de Execuçã Financeira - Cmentáris Adicinais Esta planilha é destinada a cmentáris adicinais que pssam clabrar para a análise ds dcuments. Figura 39 - Relatóri de Execuçã Financeira - Cmentáris Adicinais (A) Cmentáris Cmentáris diverss pertinentes à execuçã d Cnvêni. pág.: 0103

104 Observaçã: Cm tds s frmuláris anterires, esse também é brigatóri. Quand nã huver cmentáris, preencher n frmulári nenhum cmentári adicinal Dcuments cmprbatóris de despesas As Fundações deverã enviar cmprvantes cmprbatóris, referentes às despesas apresentadas nas prestações de cntas. Esses cmprvantes devem estar na rdem sequencial mencinada n frmulári Demnstrativ de Execuçã de Despesas Detalhament de Despesas de cada rubrica. Abaix estã discriminads s dcuments cmprbatóris das despesas pr rubricas: Diárias Enviar recibs e ntas fiscais em cnfrmidade cm s valres acrdads entre s Participes anexand frmulári de Recebiment de Diárias infrmand: valr das diárias, bjet da viagem, períd de realizaçã, lcalidade visitada, númer d Cnvêni, títul d prjet, nme e CPF d beneficiári. Observações: Só serã aceits recibs de diárias de integrantes da equipe executra e clabradres eventuais cm cnsultres, instrutres, palestrantes, técnics, entre utrs participantes de atividades previstas n cntext das metas físicas d Plan de Trabalh aprvad. Quand esta equipe sfrer mudanças, deverá ser encaminhada para a Prestaçã de Cntas a relaçã atualizada da referida equipe A inclusã u alteraçã de membr nã remunerad em instruments cntratuais d legad também deve ser cmunicada à PETROBRAS da através de fíci encaminhad junt cm a prestaçã de cntas. pág.: 0104

105 Material de Cnsum Enviar nta fiscal u cupm fiscal referente à cmpra efetuada, discriminand prdut adquirid, cas nã esteja descrit. Será necessária a identificaçã d prdut pela Partícipe Despesas cm Passagem e Lcmçã Enviar cmprvante de embarque (e-ticket) acmpanhad da nta fiscal da agência de viagem u cnfirmaçã de cmpra da empresa aérea, juntamente cm Relatóri de Viagem cm valr das passagens e demais infrmações incluídas n item Observações: a. A despesa deve estar de acrd cm previst na relaçã de itens d Cnvêni. b. É pssível pagar diárias, passagens e taxas de inscriçã a prfissinais nã remunerads pel Cnvêni/Term de Cperaçã, desde que eles integrem a equipe executra d prjet cm membrs nã remunerads Outrs Serviçs de Terceirs / Pessa Física Cntratads pel regime CLT: pagament é efetuad em retirada única, em cnfrmidade cm Plan de Trabalh e a relaçã de itens d Cnvêni. Os dcuments de suprte à retirada sã: recib fechad da Fundaçã (mdel da figura 41 deste manual) e Relatóri de Pagament de Pessal (figura 40), dispnível n site Cmunidade Ciência e Tecnlgia (aba dwnlads, pçã Frmuláris-padrã : A fnte pagadra deve prvisinar mensalmente s encargs incidentes sbre a flha de pagament ds clabradres nã vinculads à instituiçã executra de frma que Relatóri de Pagament de Pessal esteja em cnfrmidade cm a Relaçã de Itens d Cnvêni, cujs valres englbam s encargs (prcediments prevists na Prestaçã de Cntas n SIGITEC). pág.: 0105

106 O Relatóri de Pagament de Pessal englba as despesas cm autônms, celetistas, blsistas e pessal vinculad. Para autônms e blsistas, além d Relatóri, devem ser apresentads s dcuments cmprbatóris descrits abaix: Autônms: recib de serviç infrmand: CPF, períd, númer de hras trabalhadas, valr pag e impsts retids. Blsistas: depósit bancári e recib d favrecid infrmand: CPF, períd, númer de hras trabalhadas, valr pag e impsts retids (se huver). Observaçã: Tds s clabradres incluíds n pagament - cntratads pr regime CLT, autônms, blsistas e pessal vinculad-, devem fazer parte da equipe executra d Cnvêni. Quand esta equipe sfrer mudanças, deverá ser encaminhad um fíci para setr de Prestaçã de Cntas cm a relaçã atualizada da referida equipe. Relatóri de pagament de pessal INSTRUMENTO CONTRATUAL JURÍDICO: NÚMERO SAP(CONVÊNIO ESPECÍFICO): PERÍODO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA DO PROJETO: PERÍODO ABRANGIDO POR ESTE RELATÓRIO: PRESTAÇÃO DE CONTAS: X PARCIAL N / 02 / 2009 A 03 / 10 / 2009 CONVENENTE: 03 / 03 / 2009 A 04 / 06 / 2009 PROPONENTE: x FINAL EXECUTOR: NOME Ja da Silva Paul Henrique Silva Leandr Silva Amaral IDENTIFICAÇÃO QUANT. DE DO ITEM REALIZADO ATÉ CPF CARGO CLASSIFICAÇÃO PERÍODO HORAS (Observar O PERÍODO TRABALHADAS Relaçã de I.6-5 Pesquisadr nível II vinculad 04/05/2009 a 04/06/ , I.4-2 Blsa ITI-A celetista (ñ.v) 03/03/2009 a 04/06/ , I.4-6 Pesquisadr nível I autônm (ñ.v) 04/05/2009 a 04/06/ ,00 Segue acima alguns exempls de preenchiment da planilha em questã TOTAL ,00 RESPONSÁVEL NA FUNDAÇÃO : Nme: OBS.: O valr ttal demnstrad n relatóri deve cincidir cm valr d recib Assinatura: Figura 40 - Relatóri Demnstrativ d Pagament da Equipe Executra pág.: 0106

107 R E C I B O Recebems para s fins específics d Term de Cperaçã u Cnvêni SIGITEC nº xxxxxxxx u SAP nº 4600XXXXXX, d Instrument Jurídic 0050.XXXXX.XX.X, valr de R$...(nnnnnnnnnnnnnnnnn) destinad a pagament da equipe executra, relaçã anexa, cntida n Plan de Trabalh d prjet (títul d prjet). Ri de Janeir, de de. Assinad: Titular da Fundaçã XXXXXX (Diretr, Superintendente, Gerente u prcuradr legal) Figura 41- Mdel d Recib Outrs Serviçs de Terceirs / Pessa Jurídica Despesas Acessórias de Imprtaçã Para cmprvaçã de pagament sã aceits: Nta Fiscal, Recib u Fatura. Observaçã: É imprescindível anexar tdas as despesas realizadas (Siscmex, Infraer, frete, segur e utras) à Nta de Débit d Despachante Aduaneir. Outras Despesas Para cmprvaçã de pagament a pessal vinculad é necessári recib fechad emitid pela Entidade Executra d Cnvêni pel recebiment de recurss para efetivar pagament da equipe executra e Relatóri de Pagament de Pessal (figuras 40 e 41 deste manual). pág.: 0107

108 Para cmprvar as demais despesas alcadas nesta rubrica (cm exceçã de pessal vinculad) sã aceits s seguintes dcuments: nta fiscal, recib, guia de reclhiment de impsts u fatura. Os pagaments de despesas peracinais e administrativas devem ser cmprvads através de recib cm esta descriçã, devidamente assinad. Os pagaments de custs indirets devem ser cmprvads através de recib da Executra cm valr ttal, cntend s subttais ds itens rateads. Observaçã: As tarifas bancárias nã devem ser alcadas nessa rubrica; devem ser cbertas cm recurs das despesas peracinais e administrativas. As despesas cm tarifas bancárias devem ser alcadas na tabela "restituições nã creditadas pel banc até a data final d períd", n frmulári de "cnciliaçã bancária", até a data da partícipe efetuar respectiv crédit na cnta crrente específica d Cnvêni u Term de Cperaçã Obras e Instalações Para a cmprvaçã de pagaments sã necessárias nta fiscal e guia de reclhiment de impsts Equipament e Material Permanente Nacinal Para cmprvar as despesas, encaminhar Nta Fiscal cm a identificaçã d equipament adquirid. Cas nã esteja descrit, é necessária a identificaçã d equipament pela Fundaçã. Imprtad Para cmprvar despesas nessa rubrica, enviar cntrat de câmbi e invice u Nta Fiscal cm a identificaçã d equipament adquirid. Se a aquisiçã nã estiver descrita, é necessária a identificaçã pr parte da Fundaçã. pág.: 0108

109 8.2 Prestaçã de Cntas n SIGITEC Para s prjets submetids à PETROBRAS via SIGITEC, as prestações de cntas devem ser submetidas unicamente pr essa via eletrônica. Nã é necessári encaminhar s dcuments cmprbatóris das prestações de cntas em papel. O respnsável pela elabraçã das prestações de cntas deverá acessar sistema através d endereç eletrônic: Essa funcinalidade crrespnde à inclusã de dcuments, das despesas (relacinadas as itens slicitads) e da cnciliaçã bancária, n períd, pel representante da Partícipe. Antes de elabrar a prestaçã de cntas, devem ser verificadas as seguintes funcinalidades d Sistema: - Indicar/Substituir Membrs de Equipe: s dads de tds s clabradres que receberam remuneraçã u diárias, passagens e taxas de inscriçã devem estar cadastrads. Nã é pssível prestar cntas de membrs a definir. Observaçã: A substituiçã de prfissinais assciads a mesm membr de equipe (prfissinais que tenham a mesma titulaçã, a mesma remuneraçã mensal e a mesma carga hrária e períd de dedicaçã) é feita através dessa funcinalidade, nã send necessári slicitar refrmulaçã financeira para realizar tais substituições Atualizar Demnstrativ de Rendiment Aplic. Financeira: A Partícipe (Fundaçã de Api u utra instituiçã definida n item 1 deste manual) deve preencher s dads da aplicaçã financeira e anexar s extrats, mês a mês (tela a seguir). 23 A inclusã de membr nã remunerad na equipe executra d prjet deve ser efetuada na aba Prjet >> Pessas Envlvidas. Para incluir esse visitante na equipe, ele deve se cadastre em: (link "Cadastre-se" da aba amarela). pág.: 0109

110 8.2.1 Inclusã de Despesa Figura 42- Demnstrativ de Aplicaçã Financeira Tend sid atendidas as funcinalidades descritas anterirmente, a peraçã pderá ser iniciada a partir d menu Prcesss >> Prcesss da Cnvenente >> Mais Ações >> Elabrar Prestaçã de Cntas. pág.: 0110

111 Figura 43 - Elabraçã de prestaçã de cntas n SIGITEC O sistema dispnibilizará a tela cm s prcesss da Partícipe. Figura 44 - Prcesss da Partícipe Para elabrar a Prestaçã de Cntas, usuári deve esclher um prcess, clicand link Nº d Prcess. O sistema dispnibilizará a tela de cnsulta d prcess. O usuári deve selecinar n menu Mais Ações a pçã: Elabrar Prestaçã de Cntas. O sistema abrirá uma tela para a elabraçã de PCs. Observaçã: Se a Prestaçã de Cntas fr cnsiderada nã habilitada pela PETROBRAS na etapa de habilitaçã, a Partícipe (Fundaçã de Api u utra entidade cnfrme definiçã n item 1 deste manual) deve selecinar: Prcesss da Cnvenente >> Nº d prcess >> Mais ações >> Elabrar Prestaçã de Cntas, para ajustar/substituir s dcuments anexads à PC. pág.: 0111

112 Figura 45 - Elabraçã de Prestaçã de Cntas Na tela aberta, clicar n link Data d Cmprmiss. pág.: 0112

113 Figura 46 - Seleçã da Prestaçã de Cntas pág.: 0113

114 Figura 47 - Elabraçã de Prestaçã de Cntas Na figura anterir, s camps marcads cm asterisc sã de preenchiment brigatóri. pág.: 0114

115 Observações: quand a Prestaçã de Cntas fr final, é apresentad um camp referente a sald a devlver, cuj valr é calculad autmaticamente, pela diferença entre receitas e despesas. Nã é pssível elabrar n sistema uma Prestaçã de Cntas se huver uma PC anterir cm pendências nã sanadas, ainda que sejam de baixa relevância. Link (Despesas) sistema dispnibilizará cada despesa listada na Prestaçã de Cntas a ser incluída u alterada, cnfrme a figura seguinte. Para tdas as rubricas, prcess se repetirá para inclusã, alteraçã u exclusã de despesas. Figura 48 - Lista de Despesas pág.: 0115

116 Para a inclusã de qualquer despesa, alguns camps sã brigatóris u têm alguma particularidade: A data d dcument deve estar dentr da vigência d prcess. A data de desembls incluída na despesa nã pde ser inferir à data da assinatura d instrument cntratual. A quantidade d item da despesa deve ser limitada à quantidade infrmada n rçament, levand em cnsideraçã as prestações de cntas anterires. O valr unitári e valr da aplicaçã financeira sã limitads as valres infrmads n rçament. Tda despesa precisa ter um dcument assciad. Quand uma mesma Nta Fiscal englbar diferentes itens de despesa, deve ser indicad para cada item que há ratei. A pçã de cntrat de câmbi u fatura de cartã de crédit apenas é exibida se a rigem da despesa fr Imprtad. pág.: 0116

117 Figura 49 - Inserçã de Despesa pág.: 0117

118 O link Despesas ainda dispnibilizará a pçã: - O Sistema dispnibiliza valr d aprte que fi liberad para s itens de despesas de capital e despesas crrentes, na parcela crrespndente; Figura 50 - Parcela liberada pág.: 0118

119 8.2.2 Cnciliaçã Bancária Na tela a seguir usuári registra sald cnfrme s extrats. O sald dispnível é a sma d sald da cnta crrente, d sald de aplicações financeiras e das restituições nã creditadas pel banc mens valr ds cheques emitids e nã descntads. Figura 51 - Cnciliaçã bancária pág.: 0119

120 A seguir, devem ser incluídas as restituições nã creditadas pel banc e cheques emitids e nã descntads. Figura 52 - Inclusã de restituições nã creditadas pel banc e cheques emitids e nã descntads O sistema pssibilita, ainda, a inclusã de cheques emitids e nã descntads, cnfrme a figura 53. Figura 53 - Inclusã de cheques emitids e nã descntads pág.: 0120

121 Após preenchiment de tdas as infrmações da Prestaçã de Cntas, usuári encerra a peraçã clicand n btã CONCLUIR. Cm ele é respnsável pela Partícipe (Fundaçã de Api u utra instituiçã definida n item 1 deste manual), a prestaçã é Submetida imediatamente. Observaçã: Após a submissã pela Participe, a Prestaçã de Cntas passará pela etapa de habilitaçã (cnferência ds dcuments anexads). Cas seja cnsiderada nã habilitada pela PETROBRAS, a Fundaçã deve utilizar mesm link ( Prcesss da Partícipe >> Nº d prcess >> Mais ações >> Elabrar Prestaçã de Cntas ) para ajustar/substituir s dcuments nã cnfrmes. 8.3 Respsta às Pendências de Prestaçã de Cntas Depis que a Prestaçã de Cntas é cnsiderada habilitada, ela é analisada pela GTEC/GPPT/COINV. Cas exista alguma Nã Cnfrmidade u Pendência, após a cnclusã da análise é enviad um autmátic para a Partícipe. A funcinalidade Respnder Pendências de PC pssibilita a alteraçã ds elements nã cnfrmes da PC, permitind incluir nvs dcuments u despesas. Após a cnclusã desse preenchiment, a respsta da PC segue diretamente para setr de análise, nã passand pela habilitaçã. A peraçã é iniciada a partir das funções d menu Prcesss >> Prcesss da Partícipe >> Mais Ações >> Respnder Pendências de PC. pág.: 0121

122 Figura 54 - Respsta de Pendências da Prestaçã de Cntas O usuári deve clicar n link Açã para abrir a tela e slucinar a Pendência da Prestaçã de Cntas. pág.: 0122

123 Figura 55 - Respsta de pendências da Prestaçã de Cntas pág.: 0123

124 Observaçã: n quadr ds cmprmisss de respstas, link "Açã" pderá ser apresentad nas pções Visualizar u Elabrar. Nesta tela, usuári tem a pçã Históric, que abre uma tela para a visualizaçã da PC pendente (que riginu a respsta). As irregularidades apntadas estã dispníveis n link Pendências. pág.: 0124

125 Figura 56 - Prestaçã de Cntas pág.: 0125

126 Após a cnclusã da análise da PC, sistema gera autmaticamente s cuj cnteúd e destinatáris variam cnfrme a natureza das pendências. a) PC quitada (sem pendência) a Partícipe será infrmada através de autmátic da aprvaçã financeira da prestaçã de cntas. b) PC cm pendências é gerad autmaticamente um à Partícipe slicitand a regularizaçã das pendências; c) Se nã huver pendência de alta relevância, é enviad um autmátic para interlcutr técnic slicitand aprvaçã para pagament da próxima parcela (ele deve preencher um parecer técnic sbre andament d prjet). Após aprvaçã d interlcutr, gerente d cntrat recebe um slicitand autrizaçã para pagament da parcela. Depis dessas duas aprvações técnicas, a Fundaçã recebe um autmátic slicitand envi d recib para pagament 24. Observaçã: Após pagament da parcela, a Fundaçã só cnseguirá iniciar a elabraçã da próxima PC n SIGITEC se tiver sanad tdas as pendências da PC anterir. 24 A dcumentaçã deve ser encaminhada à CENPES/GTEC/GPPT/COINV as cuidads de: Prestaçã de Cntas, Avenida Hráci de Maced, 950 Cidade Universitária Ilha d Fundã Ri de Janeir/RJ CEP A dcumentaçã é prtclada n Prtcl Geral d CENPES (Prtaria 2). pág.: 0126

127 9. Encerrament ds Cnvênis e/u Terms de Cperaçã Os Cnvênis e Terms de Cperaçã se encerram naturalmente pr praz u cnclusã d bjet, cnfrme previst n respectiv instrument. Pdem também ser encerrads antecipadamente, pr mei de denúncia de qualquer partícipe, na frma prevista em cláusula específica d instrument cnvenial, nã cabend a hipótese de encerrament pr rescisã, tal cm prevista em cntrat. Nenhum Cnvêni pde ser firmad pr praz indeterminad u cm previsã de prrrgações autmáticas e sucessivas que indetermine seu praz de vigência. O encerrament ds Cnvênis e Terms de Cperaçã se materializa após a aprvaçã da Prestaçã de Cntas Final e aceite da Área Técnica em relaçã a cumpriment d bjetiv prpst. A PC Final deve brigatriamente ser apresentada n praz máxim de sessenta dias após encerrament previst n instrument cntratual. Ocrrend a denúncia, praz máxim será trinta dias após recebiment da ntificaçã escrita. O Cnvêni só é encerrad quand tdas as pendências financeiras e técnicas, independentemente da relevância, estiverem sanadas. Frmalizand términ, a PETROBRAS encaminha à Partícipe Term de Encerrament. Independentemente da Prestaçã de Cntas Final ser aceita, em até 30 dias após encerrament d instrument cntratual (pr decurs de praz u pr denúncia) sald d aprte financeir nã utilizad, incluind resultad das aplicações financeiras, terá de ser devlvid à PETROBRAS, devidamente identificad cm CNPJ da Fundaçã. O cmprvante d depósit deve ser encaminhad imediatamente, pr , à GTEC/GPPT/COINV identificad pel númer d instrument cntratual (ex: 4600xxxxxx). Dads bancáris: Petrbras Admin. Central CNPJ / Banc d Brasil Agência C/C pág.: 0127

128 Os prcediments para encaminhament d cmprvante de depósit junt cm a PC Final ds prcesss cadastrads n SIGITEC encntram-se n item 9.2. Para s demais (d Legad u Sistema Antig ), a Partícipe (Fundaçã de Api u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual) deverá anexar uma cópia d cmprvante as demais dcuments da Prestaçã de Cntas Final. Após análise e aprvaçã da PC Final, se sald apurad fr divergente d valr devlvid pela Instituiçã, será slicitada devluçã cmplementar, a ser efetuada na cnta crrente da PETROBRAS. Cas seja feita a pçã de apresentaçã de Prestaçã de Cntas Final sem que praz final de vigência d Cnvêni tenha expirad, nã serã admitids quaisquer tips de dispêndis cm data psterir à de fechament da PC Final. Ocrrend atras na entrega da Prestaçã de Cntas Final u na crreçã das pendências apntadas, a GTEC/GPPT/COINV enviará uma carta à Fundaçã slicitand prvidências. Diante d eventual nã atendiment, será enviada uma cmunicaçã frmal a Reitr da Universidade. A partir dessa cmunicaçã, se a PC Final nã fr apresentada u permanecer cm pendências, a PETROBRAS enviará uma ntificaçã extrajudicial à Fundaçã e pderá exigir a apresentaçã da prestaçã de cntas judicialmente. Pr sua especificidade, encerrament ds Cnvênis de Infraestrutura e de frneciment de equipaments está sujeit à análise de dcuments e Acmpanhament da Implantaçã de Infraestruturas, cnfrme descrit ns subitens a seguir. 9.1 Encerrament de Cnvênis de Infraestrutura a. Cnvênis Fase 1 u que incluam Prjet Executiv Para que haja encerrament de um Cnvêni de Prjet Executiv, além da aprvaçã da Prestaçã de Cntas, a executra deve apresentar: Prjet Executiv cmplet em frmat digital; Licenças necessárias para cnstruçã n lcal designad. pág.: 0128

129 Cas a ICT nã apresente as licenças u cas as licenças nã sejam aplicáveis, a ICT deverá apresentar, através de seu departament cmpetente, uma carta se respnsabilizand pela btençã das mesmas u esclarecend mtiv pel qual elas sã dispensáveis u ainda nã fram btidas. Será verificada a cerência d Prjet Executiv cm Plan de Trabalh e se nele cnstam tds s prjets necessáris para a realizaçã d Objet. Depis d aceite final d prdut, é feita a indicaçã de que nã há pendências em Infraestrutura que impeçam a aprvaçã da Prestaçã de Cntas Final. b. Cnvênis Fase 2 u que incluam bras Para encerrament de Cnvênis cm realizaçã de bras, é necessári que a Executra apresente: Detalhament da infra, cnfrme Anex 9 deste Manual; Aceite prvisóri da bra; Licenças de peraçã e Habite-se; e As Built, quand a PETROBRAS julgar necessári. Cas a ICT nã apresente as licenças u cas as licenças nã sejam aplicáveis, a ICT deve apresentar, através de seu departament cmpetente, uma carta se respnsabilizand pela btençã destas u esclarecend mtiv pel qual elas sã dispensáveis u ainda nã fram btidas. O Acmpanhament da Implantaçã de Infraestruturas para verificaçã d seguiment d Plan de Trabalh prpst na execuçã da bra pderá ser realizad para encerrament de Cnvênis de Infraestrutura. Cas a GTEC/GPPT/COINV, juntamente cm as áreas técnicas, cnsiderem que este acmpanhament nã é necessári, será slicitad à Executra um relatóri encerrament que cmprve a aderência a Plan de Trabalh e as cndições de peraçã da cnstruçã. Pdem ser slicitads, também, dcuments e infrmações adicinais para envi à ANP. Depis d Aceite final d prdut, é feita pel setr cmpetente a indicaçã de que nã há pendências em Infraestrutura que impeçam a aprvaçã da Prestaçã de Cntas Final. pág.: 0129

130 c. Cnvênis cm frneciment de equipaments Para encerrament de um Cnvêni de frneciment de equipaments, é necessári que a Executra apresente inventári final de equipaments. Pderá haver u nã Acmpanhament da Implantaçã de Infraestruturas. Cas a GTEC/GPPT/COINV, juntamente cm as áreas técnicas, cnsiderem que este acmpanhament nã é necessári, será slicitad à Executra um relatóri ftgráfic de encerrament cmprvand a aderência a Plan de Trabalh, bem cm a instalaçã e utilizaçã ds equipaments adquirids. Pdem ser slicitads, também, dcuments e infrmações adicinais para envi à ANP. Depis d Aceite final d prdut, é feita a indicaçã de que nã há pendências em Infraestrutura que impeçam a aprvaçã da Prestaçã de Cntas Final. 9.2 Devluçã d sald d aprte financeir n SIGITEC Em até 30 dias após encerrament d instrument cntratual sald d aprte financeir nã utilizad deve ser devlvid à PETROBRAS (em cnfrmidade cm item 9 deste manual). Após a aprvaçã da PC final, se sald apurad fr divergente d valr devlvid pela Instituiçã, deverá crrer uma devluçã cmplementar. Para registrar a devluçã d sald n sistema, nã devem existir relatóris pendentes e a PC final deve estar aprvada. Nã havend relatóris pendentes e quand a PC final estiver aprvada, sald ttal devlvid (nas duas devluções, se fr cas) deve ser registrad n sistema, cm s cmprvantes e extrats. O status n SIGITEC deve estar n estad Em Execuçã (sem cmprmisss de relatóris pendentes, sem bjets de análise em tramitaçã e cm a PC final aprvada), u Em Encerrament (cm bjet análise d encerrament na situaçã Analisad e resultad Nã Aprvad ), cnfrme a figura abaix. A peraçã deverá ser iniciada a partir d menu Prcesss >> Prcesss da Cnvenente >>Mais Ações >> Registrar Devluçã de Sald de Cnvêni. pág.: 0130

131 Figura 57 Registr de Devluçã d Sald pág.: 0131

132 Deve ser infrmad valr da devluçã d sald de Cnvêni, que deve ser mair u igual à zer. A apresentaçã ds extrats da cnta crrente, extrats de aplicaçã financeira e guias de depósit cm autenticaçã de banc é brigatória. Observaçã: cas prcess nã esteja nas cndições citadas acima, sistema exibirá uma mensagem de err alertand que nã é permitid iniciar encerrament d prcess. A cncluir registr, sistema atualiza a situaçã d prcess para Em Encerrament e bjet Análise d Encerrament fica na situaçã Em Análise. 10. Aditivs Os aditivs sã classificads pela GTEC em três tips: Valr, Praz e Escp. Devem ser slicitads/encaminhads através da Instituiçã Partícipe, em geral a Fundaçã de Api, e seus prcediments variam de acrd cm tip de aditiv prpst Aditivs de praz Ocrrem quand crngrama previst nã é cumprid e há necessidade de extensã d temp de vigência d instrument cntratual. Entre as causas mais cmuns para aditament de praz estã a falta de planejament u planejament deficiente das etapas, fases e atividades previstas, atrass em prcesss de cntrataçã, mudanças n escp d prjet durante sua execuçã e gestã administrativa deficiente. 25 Para suprte à análise de aditivs e refrmulações financeiras, a GTEC/GPPT cntratu uma empresa para dar suprte técnic especializad. A GTEC/GPPT acmpanha e avalia s prcesss através de reuniões cm a cntratada e da análise de prcesss submetids pelas ICTs. pág.: 0132

133 Slicitaçã de aditiv de praz ds Instruments Cntratuais d legad ( sistema antig ) Os gerentes respnsáveis pr Cnvênis na PETROBRAS sã ntificads pela GTEC/GPPT/COINV d términ d praz de vigência ds instruments cntratuais sb sua respnsabilidade cm antecedência de 120 dias. Estand de acrd cm a necessidade de celebraçã de aditiv, gerente da Área Técnica verifica praz. Para Terms de Cperaçã e/u Cnvênis cuj praz acrescid a praz d instrument riginal é igual u superir a cinc ans, deve ser cnstituída uma Cmissã de Negciaçã para avaliar a aprvaçã d aditiv de praz. Nã send este cas, gerente d prjet autriza a prrrgaçã d aditiv através de mensagem eletrônica para a GTEC/GPPT/COINV cntend a justificativa da Área Técnica. A GTEC/GPPT/COINV ntifica a Instituiçã Partícipe e slicita encaminhament da minuta assinada para a frmalizaçã d aditiv. 26 Havend necessidade de apreciaçã da Cmissã, a GTEC/GPPT/COINV aguarda seu parecer. Aprvad aditiv, a Instituiçã Partícipe é cmunicada devend encaminhar a minuta assinada para a frmalizaçã. As minutas de aditiv de praz devidamente assinadas devem ser encaminhadas à GTEC/GPPT/COINV até 30 dias antes d venciment d instrument cntratual. Após recebiment, a GTEC/CO frmaliza aditiv. É imprtante bservar que, em geral, a necessidade de aditiv de escp e/u valr acarreta a necessidade de aditiv de praz, send recmendad que esses cass sejam prevists cm antecedência de frma a cnstituirse uma única Cmissã de Negciaçã. Endereç: CENPES/GTEC/GPPT/COINV Avenida Hráci Maced, 950 Cidade Universitária Ilha d Fundã. Ri de Janeir RJ CEP Havend necessidade de Cmissã de Negciaçã, a área técnica encaminha à Cntrataçã Dcument de Slicitaçã Interna da PETROBRAS cm a indicaçã d participante na Cmissã e as justificativas técnicas que dã sentid a praz slicitad, até 90 dias antes d términ de vigência d instrument cntratual. pág.: 0133

134 Se a Instituiçã Partícipe desejar slicitar aditiv de praz antes de ser ntificada, deverá slicitar a gerente respnsável pel cnvêni a autrizaçã de aditiv através de mensagem eletrônica cntend a justificativa técnica, n máxim 90 dias antes d términ d Instrument cntratual. Figura 58 - Flux simplificad para slicitaçã de aditivs de praz de prcesss nã cadastrads n SIGITEC ( legad ) Aditiv de praz n SIGITEC Para s prcesss cadastrads n SIGITEC, Crdenadr d prjet slicita aditiv de praz, a Partícipe submete, interlcutr técnic analisa e gerente d Instrument cntratual aprva, se julgar cnveniente/necessári. pág.: 0134

135 Após a aprvaçã d gerente, a Fundaçã é ntificada para envi da minuta assinada para CENPES/GTEC/CO em até 30 dias antes d praz de términ d instrument cntratual. A minuta pderá ser impressa diretamente n SIGITEC, acessand menu Mais Infrmações d prcess >> Arquivs para Cntrataçã. Observaçã: A submissã da slicitaçã d aditiv de praz pela Instituiçã Partícipe deve crrer 90 dias antes d términ d Instrument cntratual, tend em vista que para s Cnvênis/Terms de Cperaçã enquadrads n item 5 deste Manual há necessidade de instaurar Cmissã de Negciaçã. Figura 59 - Aditivs de praz de Cnvênis/Terms de Cperaçã (prcesss cadastrads n SIGITEC) Para slicitar aditiv, Crdenadr d prjet deve acessar menu Acessar Prcess >> Meus Prcesss>> Mais Ações >> Elabraçã de Aditiv/Refrmulaçã >> Incluir >> Selecinar Tip de Slicitaçã. pág.: 0135

136 Figura 60 - Slicitaçã de aditiv de praz de prcesss cadastrads n SIGITEC pág.: 0136

137 10.2 Aditivs de escp e valr Os aditaments de valr crrem, nrmalmente, devid à necessidade de crreçã de preçs decrrentes de variaçã cambial, inflaçã, mudanças n métd de execuçã, recurss envlvids e/u n praz d prjet. Quand a refrmulaçã financeira alterar escp cntratual, mesm quand se enquadrar nas regras definidas n subitem 11.1 deste manual, u quand nã se enquadrar nas citadas regras, haverá a necessidade de celebraçã de aditiv de escp. Alteraçã d escp d prjet significa mdificaçã de prduts, serviçs e resultads frnecids na frma de prjets u, ainda, mudança de prcesss e prcediments envlvids na execuçã d prjet. Através de aditivs de escp é pssível alterar qualquer camp d Plan de Trabalh, cm exceçã d Títul e d Objet da cntrataçã. O valr ttal d instrument cntratual pde ser alterad u mantid, n cas de a slicitaçã envlver apenas ajustes entre as rubricas 27. O aditament de Escp também pde crrer devid à mudança de estratégias, direcinaments e priridades das áreas tecnlógicas envlvidas e, eventualmente, pde acarretar também a alteraçã n praz e ns valres riginalmente prevists. A slicitaçã de aditivs de Escp e Valr deve ser encaminhada à PETROBRAS cm, n mínim, 90 dias de antecedência da data de encerrament d instrument cntratual. Os aditivs nã pdem alterar valr das parcelas de desembls já pagas nem apresentar quantidade u valr ds itens n rçament menr que as apresentadas em prestações de cnta anterires. As Fundações só pdem realizar as despesas previstas ns aditivs de valr após receberem s dcuments aprvads pela PETROBRAS. 27 Aditivs de escp pdem cntemplar us de aplicaçã financeira, desde que aprvad pela Cmissã de Negciaçã. pág.: 0137

138 10.3 Dcuments necessáris para análise de aditivs A dcumentaçã necessária para frmalizar a slicitaçã de aditiv deve ser apresentada cnfrme a natureza d Prjet Prjets de P&D&I sem Infraestrutura que nã necessitam de avaliaçã preliminar da ANP Carta de encaminhament da Partícipe (Fundaçã de api) - fíci slicitand aditiv cm base na dcumentaçã apresentada. Justificativa Técnica assinada pel Crdenadr d prjet para aditiv. Quadr demnstrativ cntend tds s itens prevists n Plan de Trabalh riginal e tds s itens prpsts n Plan de Trabalh mdificad, indicand e justificand de frma clara tdas as alterações prpstas. Planilha de Desembls revisada, que substituirá aquela anexada a instrument cntratual vigente. As parcelas que já fram liberadas nã pderã ser alteradas. Plan de Trabalh Plan de Trabalh deve ser refeit na íntegra, cnfrme instrument cntratual inicial, atualizand-se apenas s camps a serem alterads. Relatóri de atividades desenvlvidas e despesas realizadas RAG. pág.: 0138

139 Figura 61 - Quadr demnstrativ pág.: 0139

140 CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO Sigla Cnvenente: Sigla Prpnente: Sigla Executr: Títul d prjet: Prgrama: CONTRAPARTIDA FINANCEIRA PARCELAS Grups/Elements de Despesa 1ª 2ª 3ª 4ª TOTAL DESPESAS CORRENTES Outras Despesas Crrentes Passagens e Despesas cm Lcmçã Diárias (Pessal Civil / Militar) Material de Cnsum Pessal Nã Vinculad Outrs Serviçs de Terceirs / Pessa Jurídica DESPESAS DE CAPITAL Investiments Obras e Instalações Equipament e Material Permanente TOTAL GERAL Event Assinatura d instrument cntratual 1ª X meses após assinatura d instrument cntratual 2ª X meses após assinatura d instrument cntratual 3ª X meses após assinatura d instrument cntratual 4ª Figura 62 - Planilha de Desembls pág.: 0140

141 Figura 63 Ilustraçã d Plan de Trabalh pág.: 0141

142 Figura 64 - Relatóri de atividades desenvlvidas e despesas realizadas pág.: 0142

143 Prjets de P&D&I sem Infraestrutura que necessitam de avaliaçã preliminar da ANP abaix: Além ds dcuments supracitads será necessári substituir "RAG" pel frmulári Figura 65 - Frmulári de fiscalizaçã para prjets de P&D&I que serã enviads à ANP pág.: 0143

144 Prjets de P&D&I cm Infraestrutura e prjets de implantaçã de Infraestrutura Carta (Ofíci) de encaminhament da Partícipe (Fundaçã de Api u utra entidade pública u privada definida n item 1 deste manual), slicitand aditiv cm base na dcumentaçã apresentada. Justificativa Técnica assinada pel Crdenadr d prjet para aditiv. Quadr demnstrativ cntend tds s itens prevists n plan de trabalh riginal e tds s itens prpsts n plan de trabalh mdificad, indicand e justificand de frma clara tdas as alterações prpstas. Planilha de Desembls revisada, que substituirá aquela anexada a instrument cntratual vigente. As parcelas que já fram liberadas nã pderã ser alteradas. Minuta d Aditiv a Plan de Trabalh. Cas aditiv seja decrrente de alteraçã n prjet da bra, pdem ser slicitadas as indicações das alterações realizadas n prjet riginal, para melhr entendiment e cmprvaçã da slicitaçã. Frmulári de fiscalizaçã para prjets de Infra que serã enviads para autrizaçã cmplementar da ANP. Para análise das slicitações ds aditivs pdem ser slicitads, ainda, s dcuments indicads abaix, nã imprtand se s mesms fram u nã submetids e/u slicitads anterirmente: Quaisquer dcuments indicads Item 4.4 deste manual, bem cm utrs que se julgarem necessáris; pág.: 0144

145 Orçament atualizad em planilhas de bras, que indique tdas as alterações ns itens prpsts na slicitaçã de aditiv; Crngrama elabrad e atualizad cm base n Prjet Executiv, cntend as mdificações de prjet que pssam cnstar d aditiv; Cas aditiv seja decrrente u implique em alteraçã d Prjet Executiv da bra, será slicitada a atualizaçã desse Prjet, indicand tdas as alterações realizadas e incluídas na slicitaçã d aditiv. Os prjets pdem ser bjet de visita de Acmpanhament da Implantaçã de Infraestruturas para subsidiar a análise da pertinência d aditiv slicitad. Durante a análise de aditivs de prazs e de escp ds Cnvênis e Terms de Cperaçã vltads à implantaçã de Infraestrutura, a ICT pde ser questinada quant a pssíveis impacts ns valres prevists para estes instruments cntratuais, decrrentes da aprvaçã ds aditivs pretendids. pág.: 0145

146 Figura 66 - Relatóri de atividades ds prjets de P&D&I em prcess de fiscalizaçã pág.: 0146

147 10.4 Aditiv de Escp e de Valr para instruments cntratuais d legad ( sistema antig ) A Instituiçã Partícipe (Fundaçã de Api u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual), slicita aditament através de mensagem eletrônica para a Área Técnica (AT), cntend as justificativas técnicas e, em anex, as planilhas de desembls e frmulári de aditiv d plan de trabalh. A AT slicita iníci d prcess de cntrataçã e a GTEC/GPPT/COINV analisa preliminarmente a prpsta, habilitand-a u nã. Cas nã seja habilitada, a prpsta retrna a Crdenadr para ajustes, devend ser reencaminhada à Fundaçã e, psterirmente, submetida à PETROBRAS. Send habilitada, é encaminhada a interlcutr técnic e, em seguida, a gerente d Cnvêni para aprvaçã. A prpsta retrna à GTEC/GPPT/COINV para cnclusã da análise rçamentária e de enquadrament as regulaments da ANP. Quand a análise é finalizada, a GTEC/GPPT/COINV infrma a Área Técnica e a GTEC/CO através de mensagem eletrônica. Os aditivs que alteram a faixa de enquadrament ds prjets de P&D&I, apresentadas n item deste manual, sã encaminhads à ANP. Cas prjet necessite de autrizaçã prévia, prcess só é encaminhad à Cntrataçã para elabraçã da minuta após a publicaçã da autrizaçã da ANP n Diári Oficial da Uniã. Para aditivs de Escp e para aditivs de Valr enquadrads n item 5 deste manual, deverá ser cnstituída Cmissã de Negciaçã. Após a cnclusã da Cmissã de Negciaçã e d parecer da ANP, se cuberem, a Área Técnica slicita aditiv à GTEC/CO, respnsável pela sua frmulaçã e emissã, além d encaminhament à Instituiçã Partícipe para reclhiment das assinaturas. pág.: 0147

148 Figura 67 - Slicitaçã de aditivs de Escp e Valr d legad Aditiv de Escp e/u de Valr n SIGITEC Para s prcesss submetids à PETROBRAS através d SIGITEC, as slicitações de aditiv devem ser submetidas unicamente pel Sistema. O flux simplificad ds aditivs desses prcesss é semelhante as demais. Após a submissã pela Instituiçã Partícipe, a prpsta segue as etapas: habilitaçã pela GTEC/GPPT/COINV; análise preliminar pel interlcutr; aprvaçã pel gerente d Instrument Cntratual; cnclusã da análise e divulgaçã d resultad pela GTEC/GPPT/COINV. pág.: 0148

149 Cas aditiv altere a faixa de enquadrament d prjet apresentada n item deste manual, será encaminhad à ANP para autrizaçã prévia e a /GTEC/GPPT/COINV aguardará a publicaçã da autrizaçã da ANP n Diári Oficial da Uniã para encaminhar a prpsta à Cntrataçã. Para aditivs de escp, independentemente de acréscim de valr, e para s aditivs de valr relacinads n item 5 desse Manual será instaurada uma Cmissã de Negciaçã. Após a cnclusã ds trabalhs dessa Cmissã e da manifestaçã da ANP se cuberem, a Área Técnica slicita a cntrataçã e a GTEC/CO elabra a minuta d aditiv para a assinatura e devluçã. Figura Elabraçã e análise de aditivs de valr e/u escp n SIGITEC pág.: 0149

150 Figura Cntrataçã de aditivs de valr e/u escp n SIGITEC Para iniciar a slicitaçã, Crdenadr deve acessar menu Prcesss >> Meus Prcesss. Figura 70 - Slicitaçã de aditiv de escp/valr e refrmulaçã pág.: 0150

151 O prjet desejad deverá ser selecinad em uma lista que cntempla s prjets sb a respnsabilidade d Crdenadr. Figura 71 - Seleçã d prcess Abrir bx de Mais Ações >> Elabrar Slicitações de Aditiv/Refrmulaçã pág.: 0151

152 Figura 72 - Slicitações de Aditiv/Refrmulaçã Após selecinar a pçã Elabrar Slicitações de Aditiv/Refrmulaçã, será necessári acessar ícne INCLUIR. pág.: 0152

153 Figura 73 - Inclusã de slicitações de Aditiv/Refrmulaçã Opções apresentadas: Incluir Nã será pssível incluir quand: Outra slicitaçã d mesm tip já estiver em trâmite. As slicitações de aditiv de Escp e Valr u Refrmulaçã Financeira nã pdem ser elabradas, submetidas u estar em trâmite simultaneamente. Nã pderá ser incluída uma slicitaçã de aditiv/ refrmulaçã se já existir uma Prestaçã de Cntas Final. pág.: 0153

154 O Sistema nã aceita uma slicitaçã de aditiv/refrmulaçã (Escp, Valr e Refrmulaçã Financeira) cas haja uma Prestaçã de Cntas submetida e ainda nã finalizada. Cpiar cópia uma slicitaçã já existente. Para ser cpiada, a slicitaçã de aditiv/ refrmulaçã deverá estar cm status de Nã Aprvada u Nã Habilitada. Excluir usuári selecina uma slicitaçã e cnfirma a mensagem de Exclusã. Para excluir uma slicitaçã, ela deverá estar cm status Em Elabraçã u Aguardand Submissã. pág.: 0154

155 Slicitaçã de Aditiv de Escp Figura 74 - Inclusã de Aditiv pág.: 0155

156 Aba Nv Prjet Aba interna: Identificaçã s camps cm asterisc sã de preenchiment brigatóri. Figura 75 - Preenchiment da identificaçã pág.: 0156

157 Aba interna: Etapas e Atividades incluir u excluir etapas e atividades Figura 76 - Inclusã de Etapas e Atividades pág.: 0157

158 Aba interna: Instituições / Empresas usuári pde incluir u excluir utras Instituições de Pesquisa / Empresas Participantes Figura 77 - Inclusã e exclusã de utras Instituições de Pesquisa Figura 78 - Inclusã e exclusã de utras Instituições de Pesquisa Observaçã: a incluir uma C-executra igual à Prpnente, sistema apresentará um alerta avisand que deve ser incluíd Departament, Institut u Labratóri respnsável pela realizaçã d prjet. pág.: 0158

159 Aba interna: Descriçã Mstra s camps d frmulári de prpsta. Tds s camps pdem ser alterads. A descriçã deve ser clara, cntend tdas as siglas descritas, e expressar resultad tecnlógic esperad. Figura 79 - Descriçã d Aditiv pág.: 0159

160 Aba interna: Pessas Envlvidas (Equipe Executra) Figura 80 - Equipe Executra pág.: 0160

161 Aba interna: Dcuments Figura 81 - Inclusã de dcuments Aba Orçament Esta aba é apresentada nas slicitações de aditiv de Escp e de Valr e também para Refrmulaçã Financeira. Apresenta as abas internas Nvas Parcelas Planejadas, Parcelas Planejadas Vigentes e Orçament Slicitad. Através das abas internas pdem ser alterads: quantidade de itens, carga hrária semanal, valr unitári das despesas e mdalidades de blsa. As parcelas planejadas pderã ser incluídas, excluídas u alteradas, mas nã é pssível alterar valr ttal das parcelas já pagas. pág.: 0161

162 Após a alteraçã cntratual, a quantidade/valr de cada item n nv rçament aprvad nã pde ficar menr d que já fi apresentad em prestações de cntas anterires Slicitaçã de Aditiv de Valr O Crdenadr deverá selecinar as seguintes funções d menu: Acessar Prcesss >> Meus Prcesss>> Mais Ações >> Elabraçã de Aditiv/Refrmulaçã >> Incluir >> Selecinar Tip de Slicitaçã. O valr ttal d rçament deverá ser alterad. A utilizaçã de rendiments de aplicaçã financeira nã deverá ser cnsiderada cm um aument n Valr d Cnvêni/Term de Cperaçã. pág.: 0162

163 Figura 82 Slicitaçã de aditiv de valr (alteraçã na equipe executra) pág.: 0163

164 Aba Orçament Aba interna: Nvas Parcelas Planejadas Figura 83 - Parcelas planejadas pág.: 0164

165 Figura 84 Dcuments pág.: 0165

166 Figura 85 - Justificativa Técnica e Situaçã Atual Aba interna: Orçament Slicitad Para realizar alterações nas Despesas de Capital u Crrentes, clicar na rubrica desejada. Será aberta uma nva tela cm s itens já prevists na referida rubrica, além das pções Cpiar, Incluir u Excluir. pág.: 0166

167 Figura 86 - Orçament slicitad Sald ds Elements de Despesa é a diferença entre ttal d element de Despesa mens valr apresentad na Prestaçã de Cntas. pág.: 0167

168 Exempl: Alteraçã da rubrica material de cnsum. Figura 87 - Exempl de alteraçã da rubrica material de cnsum Cas deseje imprimir u salvar as alterações slicitadas, será gerad um arquiv PDF n link Diferenças. Diferenças - sistema exibe, em frmat de PDF, as diferenças entre rçament atual e rçament que está send slicitad. pág.: 0168

169 Figura 88 - Diferenças entre atual e slicitad em PDF 10.6 Submissã de slicitações de aditiv de escp/valr A submissã de slicitaçã de aditiv de escp/vapr deverá ser realizada pela Partícipe, send iniciada a partir das funções internet d menu Prcesss >> Prcesss da Partícipe >> Mais Ações >> Submeter Slicitações de Aditiv/Refrmulaçã. pág.: 0169

170 Figura 89 - Submissã de slicitações de aditiv de escp Para acessar a funcinalidade, é necessári clicar link d tip de slicitaçã para editar s camps da slicitaçã, além de pder infrmar eventuais bservações. pág.: 0170

171 Figura 90 - Submissã de slicitações de aditiv de escp pág.: 0171

172 Para cncluir a submissã basta clicar n ícne Cntinuar, cnfrme a Figura 90. Após a submissã pela Partícipe, a prpsta deve ser habilitada pela GTEC/GPPT/COINV e seguir flux descrit na figura 68 d item 10.2 deste manual. pág.: 0172

173 Figura 91 - Cnclusã da submissã de aditiv de escp pág.: 0173

174 11. Refrmulaçã financeira Pdem crrer situações durante a execuçã ds prjets que alterem alguma previsã realizada n Plan de Trabalh sem mdificar escp. A refrmulaçã segue prcediments mais simples que s aditivs de escp, nã send exigidas Cmissões de Negciaçã. Nestes cass, prcess segue as seguintes etapas: 1. Elabraçã da slicitaçã Para s prcesss d Legad, Crdenadr envia para a Partícipe (Fundaçã de Api u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual) a justificativa técnica d pedid de refrmulaçã em papel timbrad cm a sua assinatura. A Partícipe anexa esse dcument n Sistema SRF (Slicitaçã de Refrmulaçã Financeira) e submete à análise da GTEC/GPPT/COINV. Para s instruments cntratuais cadastrads n SIGITEC, Crdenadr insere n sistema a justificativa técnica. Após essa etapa, a slicitaçã de refrmulaçã deverá ser cmpletada n sistema e submetida à GTEC/GPPT/COINV. As alterações d rçament e da equipe executra pdem ser realizadas pel Crdenadr u pela Partícipe. 2. Análise e habilitaçã da slicitaçã A receber a slicitaçã, a GTEC/GPPT/COINV analisa. Cas haja alguma incnsistência e/u pendência, a Instituiçã Partícipe é cmunicada para efetuar a devida crreçã. Sanadas as incnsistências, a prpsta é habilitada. Depis de habilitada, a slicitaçã de refrmulaçã é encaminhada para análise técnica preliminar d interlcutr técnic. Observações: Cas a refrmulaçã financeira seja submetida via SIGITEC e na habilitaçã a GTEC/GPPT/COINV a enquadre cm aditiv de escp (u vice-versa), Crdenadr pde acessar a slicitaçã de refrmulaçã e utilizar a funcinalidade Alterar Tip da Slicitaçã, submetend nvamente a slicitaçã e aprveitand s dads inserids anterirmente (nã é precis refazer as alterações n prcess). pág.: 0174

175 Para utilizar essa funcinalidade, Crdenadr deve acessar link Mais Ações d prcess >> Elabrar Slicitações de Aditiv/Refrmulaçã, selecinar a Slicitaçã cm situaçã Nã Habilitad, Retrnar para Elabraçã e, em seguida, esclher Alterar Tip da Slicitaçã. A prpsta de refrmulaçã financeira que, após análise pela GTEC/GPPT/COINV, cnfigure alteraçã da faixa de enquadrament d prjet de P&D&I, deverá ser tratada cm alteraçã de escp e irá requerer a criaçã de Cmissã de Negciaçã. Cas essa Cmissã aprve pleit, a prpsta de alteraçã de escp deverá ser encaminhada à ANP, send efetivada smente após a aprvaçã da Agência. Para a visualizaçã das regras, cnsultar item deste manual. 3. Análise da Slicitaçã pel interlcutr técnic (Fiscal) e aprvaçã pel Gestr (Gerente d Cntrat) Habilitada a slicitaçã de remanejament, interlcutr técnic realiza análise técnica preliminar cabend a gestr aprvá-la u nã. 4. Cnclusã da Análise e Divulgaçã pela GTEC/GPPT Após a aprvaçã da slicitaçã pel Gerente d Cntrat, a Instituiçã é cmunicada. Esta imprime instrument jurídic relativ à alteraçã slicitada, cleta as assinaturas (excet ns cass listads n item 11.1 deste manual) e envia à PETROBRAS para frmalizaçã de acrd cm endereç abaix. Prcesss d "Legad" Prcesss gerads pel SIGITEC Endereç: CENPES/GTEC/GPPT/COINV Endereç: CENPES/GTEC/GPPT/CO Avenida Hráci Maced, 950 Cidade Universitária Avenida Hráci Maced, 950 Cidade Universitária Ilha d Fundã. Ri de Janeir RJ CEP Ilha d Fundã. Ri de Janeir RJ CEP Qualquer refrmulaçã financeira durante a execuçã d prjet deve ser aprvada previamente pela Petrbras (área técnica e GTEC). pág.: 0175

176 Aprvações infrmais, cm s d fiscal u d gerente d cntrat, nã sã suficientes para autrizar a Instituiçã a realizar tais alterações. É necessári que as slicitações sejam analisadas pela GTEC/GPPT/COINV. Figura 92 Flux simplificad de refrmulaçã financeira 11.1 Regras para refrmulaçã financeira Desde que nã haja alteraçã d escp cntratual, serã tratadas cm Refrmulaçã Financeira as seguintes situações: pág.: 0176

177 us de rendiment de aplicaçã financeira para cmplementar item já previst u incluir nvs itens (em despesas de capital e/u em despesas crrentes); remanejament entre itens e/u entre rubricas das despesas crrentes, inclusive para inclusã u exclusã de itens, desde que valr ttal das despesas crrentes nã seja alterad; remanejament entre itens de uma mesma rubrica das despesas de capital (sem alterar valr ttal de cada rubrica), inclusive para inclusã u exclusã de itens. As refrmulações financeiras devem ser frmalizadas através da assinatura d "aditiv de alteraçã de plan de trabalh" (minuta padrã simplificada). Entretant, para determinadas refrmulações nã é requerid aditiv assinad. Nestes cass, a slicitaçã estará vigente após a cnclusã da análise da PETROBRAS e aprvaçã n SIGITEC u n SRF (Sistema de Refrmulaçã Financeira). Sã elas: us d rendiment de aplicaçã financeira para cmplementar itens já prevists; rearranj de valres entre itens de uma mesma rubrica de despesas crrentes (cm inclusã e/u exclusã de itens), desde que valr ttal da rubrica permaneça inalterad (alteraçã n valr ttal de qualquer rubrica implica na assinatura da minuta); inclusã de membrs nã remunerads na equipe executra ds prcesss SIGITEC (que serã favrecids de passagens u diárias já previstas n prjet) N SIGITEC, membr nã remunerad deve ser incluíd na equipe executra d prjet na aba Prjet >> Pessas Envlvidas. Para incluir esse visitante na equipe, a fundaçã vai precisar que ele se cadastre em: (link "Cadastre-se" da aba amarela). A cmunicaçã à PETROBRAS da inclusã de membr nã remunerad em instruments cntratuais d legad deve ser realizada através de fíci encaminhad junt cm a prestaçã de cntas. pág.: 0177

178 Para refrmulaçã financeira frmalizada através d "aditiv de alteraçã de plan de trabalh" só é permitid executar as alterações slicitadas após recebiment d aditiv devidamente aprvad pela PETROBRAS. Observações: a) A substituiçã de uma pessa (remunerada u nã) pr utra de mesma titulaçã, funçã, vinculaçã, carga hrária, períd e valr d HH (u blsa) nã deve ser feita através de refrmulaçã. Ns prcesss d Legad é necessári apenas enviar fíci de atualizaçã da equipe executra. N SIGITEC, essa alteraçã deve ser realizada através da funcinalidade Indicar/Substituir Membrs de Equipe d Mais Ações d prcess em questã (pela Fundaçã u pel Crdenadr). Para realizar a substituiçã, deve ser infrmad períd trabalhad (quantidade de meses que a pessa atuu n prjet). b) Os aditivs de alteraçã de Plan de Trabalh emitids a partir da Refrmulaçã Financeira smente pdem ser aprvads e assinads dentr d praz de vigência d Cnvêni u Term de Cperaçã. Assim, a slicitaçã de alteraçã em funçã da refrmulaçã financeira deve ser feita cm, n mínim, 30 (trinta) dias de antecedência da data de términ d instrument cntratual. c) A quantidade/valr de um item d rçament nã pderá ficar menr d que a quantidade/valr que já teve Prestaçã de Cntas (garantind, assim, que nã há alteraçã n que já fi declarad). d) Devem ser celebrads aditivs de escp para: alterações que mdifiquem escp d prjet; remanejaments que alterem valr ttal da(s) rubrica(s) "Equipament e Material Permanente" e/u "Obras e Instalações" (rubricas de despesas de capital). pág.: 0178

179 e) Para prjets de P&D cm Infraestrutura u para implantaçã de infraestrutura, a GTEC/GPPT/COINV pderá requisitar s dcuments abaix, ainda que já tenham sid submetids anterirmente: rçament atualizad em planilhas de bras indicand tdas as alterações ns itens prpsts na slicitaçã de refrmulaçã; crngrama atualizad, elabrad cm base n prjet executiv, cntend as mdificações de prjet que pssam cnstar da refrmulaçã; atualizaçã d prjet executiv, indicand tdas as alterações realizadas e incluídas na slicitaçã da refrmulaçã, cas a refrmulaçã seja decrrente de alteraçã n prjet executiv da bra. f) Os prjets de infraestrutura pdem ainda ser submetids a Acmpanhament da Implantaçã de Infraestruturas para subsidiar a análise da refrmulaçã slicitada. g) Durante a análise de refrmulações financeiras ds Cnvênis cm implantaçã de infraestrutura, a ICT pde ser questinada quant a pssíveis impacts ns prazs prevists decrrentes da aprvaçã da refrmulaçã pretendida. pág.: 0179

180 11.2 Refrmulaçã Financeira de Prcesss d legad ( sistema antig ) As slicitações de Remanejament Financeir de prcesss d Legad devem ser encaminhadas pel sistema SRF (Slicitaçã de Refrmulaçã Financeira) e cnter anexa a justificativa técnica d Crdenadr. Após acessar Sistema, a Instituiçã Partícipe (Fundaçã de Api u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual) deve clicar em Refrmulaçã Financeira e em Nva Refrmulaçã Financeira. Figura 93 - Criaçã de nva slicitaçã de refrmulaçã financeira pág.: 0180

181 A tela abrirá filtr de pesquisa, devend ser digitad númer d SAP relativ a instrument cntratual n camp SAP/R3 4600XXXXXX. Figura 94 - Criaçã de nva slicitaçã de refrmulaçã financeira pág.: 0181

182 Em seguida, deve ser selecinad númer d prcess pesquisad. Figura 95 - Criaçã de nva slicitaçã de refrmulaçã financeira pág.: 0182

183 A tela de Slicitaçã de Refrmulaçã Financeira será aberta. Em seguida, deve ser selecinada Nva Slicitaçã. Figura 96 - Criaçã de nva slicitaçã de refrmulaçã financeira A entrar na página de Refrmulaçã Financeira aparecerá um camp cntend tdas as rubricas. O remanejament deverá ser feit através d camp de alterações prpstas. O usuári deverá clicar n lcal nde há valr de R$ 0,00 crrespndente à rubrica selecinada e, em seguida, subitens aparecerã de acrd cm a classificaçã da mesma. pág.: 0183

184 Figura 97 - Criaçã de nva slicitaçã de refrmulaçã financeira Observaçã: A inclusã e exclusã de valres n remanejament devem ser justificadas. A final d remanejament, sald ttal n camp de alterações prpstas deverá ser igual a R$ 0,00, prque valr ttal nã pde sfrer alterações. pág.: 0184

185 Prcediments para Us de Rendiments de Aplicaçã Financeira A slicitaçã para us de rendiment deverá ser feita através d camp Rendiment a ser slicitad. O usuári deve clicar n lcal nde há valr de R$ 0,00 crrespndente à rubrica selecinada, e em seguida, subitens aparecerã de acrd cm a classificaçã da mesma. pág.: 0185

186 Figura 98 - Prcediments para us de rendiments de aplicaçã financeira Observaçã: Para slicitar us de rendiment, sistema slicitará ttal ds rendiments. Feit iss, será necessári anexar um dcument cmprbatóri referente a valr citad (cnsultar item ). O usuári deverá repetir s passs explicads anterirmente e retrnar à rubrica para a qual deseja slicitar us de rendiments. Após lançar tds s itens a alterar, deve ser clicad ícne Preencher Crngrama apresentad na figura a seguir. Figura 99 - Prcediments para us de rendiments de aplicaçã financeira pág.: 0186

187 Será aberta uma nva tela cm s dads cmplets d crngrama riginal. Será necessári preencher as parcelas de acrd cm valres descrits n crngrama. Após preencher tds s camps, deverá ser selecinada a alternativa Finalizar Crngrama. Figura Prcediments para us de rendiments de aplicaçã financeira pág.: 0187

188 Anexar dcuments Após a finalizaçã d Crngrama Prpst, será exibid um quadr de Refrmulaçã Financeira cm link Dcuments +. Nesse ícne devem ser incluíds dcuments cmprbatóris e a justificativa técnica para remanejament slicitad. Quand huver slicitaçã de utilizaçã de rendiments, será necessári anexar frmulári Demnstrativ de Rendiments de Aplicaçã Financeira (vide mdel na Prestaçã de Cntas) referente a valr slicitad e s extrats bancáris de rendiments citads. Figura 101- Prcediment para anexar dcuments Após a inserçã ds dcuments, clicar n ícne Enviar para transmitir a slicitaçã para a PETROBRAS. pág.: 0188

189 O pedid de remanejament será analisad pela GTEC/GPPT/COINV. Cas necessári, serã slicitads ajustes à Partícipe. Sanadas as pendências, a slicitaçã é encaminhada para aprvaçã da área técnica. Após a aprvaçã, é gerad aditiv de alteraçã de plan de trabalh a ser assinad em três vias pelas partes, quand necessári, cnfrme descrit n item 11 (subitem 4) d desse manual. Para finalizar a frmalizaçã d aditiv, dcument deve ser assinad pela PETROBRAS Refrmulaçã Financeira n SIGITEC O prcess de slicitaçã de refrmulaçã segue mesm pass a pass inicial das slicitações de aditiv. pág.: 0189

190 Para iniciar a slicitaçã, Crdenadr deve acessar menu : Prcesss >> Meus Prcesss>> Mais Ações >> Elabraçã de Aditiv/Refrmulaçã Figura Slicitaçã de Refrmulaçã Financeira n SIGITEC Apenas Crdenadr pde inserir a justificativa técnica da refrmulaçã financeira n sistema. Entretant, as alterações n rçament e na equipe executra pdem ser realizadas pel Crdenadr u pela Partícipe. Após realizar as alterações desejadas ns itens d rçament, devem ser ajustads s valres das parcelas cnfrme instrument cntratual assinad. Para iss, deve ser utilizad link na cluna Distribuiçã nas Parcelas Planejadas. O valr ttal de cada parcela deve ser distribuíd entre as rubricas através d link. pág.: 0190

191 Figura Slicitaçã de Refrmulaçã Financeira n SIGITEC Após términ das alterações em cada rubrica desejada, pdem ser incluíds u excluíds dcuments, cm extrats, justificativa técnica e utrs. pág.: 0191

192 11.4 Submissã de Slicitações de Refrmulaçã Financeira A peraçã é iniciada a partir das funções internet d menu Prcesss >> Prcesss da Partícipe >> Mais Ações >> Submeter Slicitações de Aditiv/Refrmulaçã. Figura Submissã de slicitações de refrmulaçã financeira Para acessar a funcinalidade, usuári deve clicar link d tip de slicitaçã. O usuári pderá editar s camps da slicitaçã, além de infrmar bservações. pág.: 0192

193 Figura Submissã de Slicitações de Refrmulaçã Financeira pág.: 0193

194 Se a Fundaçã desejar devlver a slicitaçã a Crdenadr (para alterar a justificativa técnica, pr exempl), deve utilizar link Retrnar para Elabraçã (válid para refrmulações e aditivs). Para cncluir a submissã basta clicar n ícne Cntinuar, cnfrme tela a seguir. pág.: 0194

195 Figura Submissã de Slicitações de Refrmulaçã Financeira pág.: 0195

196 Após a submissã da slicitaçã, a prpsta de refrmulaçã estará dispnível n SIGITEC para s analistas. Tal cm ns prjets nã encaminhads via SIGITEC ( Legad ), pedid de remanejament pde ser aprvad u rejeitad. Se rejeitad, serã enviadas as exigências a Crdenadr para que realize s ajustes necessáris. Aprvada a slicitaçã, a Partícipe é cmunicada e deve baixar aditiv a ser assinad pelas partes n sistema (através d link "Mais Infrmações" >> "Arquivs para Cntrataçã"), cnfrme descrit n tópic 11 (subitem 4 d) deste manual. 12. Cnsulta de prcesss n SIGITEC Através d link Mais Infrmações >> Objets de Análise e Julgament Crdenadr e a Partícipe (Fundaçã de Api, Cnvenente u utra entidade pública u privada, definida n item 1 deste manual) pdem cnsultar tdas as versões de uma prpsta (na etapa de negciaçã d prjet, antes da cntrataçã) e tds s aditivs/refrmulações e relatóris submetids à PETROBRAS. O quadr Relatóri de Alterações mstra s camps d plan de trabalh que fram alterads pr cada slicitaçã (u pelas versões ajustadas da prpsta u das slicitações de aditivs/refrmulações). pág.: 0196

197 Figura 107 Relatóri de Alterações pág.: 0197

198 O link Mais Infrmações >> Execuçã Orçamentária mstra valr previst e valr realizad (u seja, valr apresentad nas prestações de cntas aprvadas) de cada item de rçament (incluind s valres de aplicaçã financeira aprvads pela PETROBRAS). Figura 108 Execuçã Orçamentária Ttal 12.1 Outras Cnsultas Dispníveis Para facilitar acmpanhament ds Cnvênis, SIGITEC dispnibiliza as seguintes infrmações: etapas de habilitaçã, prestações de cntas, itens sem prestações de cntas, pág.: 0198

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Terms de Cperaçã PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment e invaçã

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Data: 30/6/2014 Apresentaçã O Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment (P&D&I) nrmatiza s prcediments que disciplinam

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO FGV LAW PROGRAM EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 1º semestre / 2015 O FGV Law Prgram da Escla

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade.

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade. Sistema de Gestã de Prcesss Sistema de Gestã da Qualidade Utilizaçã ds Serviçs de Bibliteca 1- Objetiv Orientar e apiar a utilizaçã ds serviçs de Bibliteca pr parte d crp dcente, discente e cmunidade.

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA

WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA Organizaçã: Parceria: I WORKSHOP ANCORD AUTORREGULAÇÃO ABERTURA EXAMES DE CERTIFICAÇÃO DE AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO A ANCORD já certificu mais de 14.000 Agentes Autônms de Investiment. Obs.: A

Leia mais

O fomento e a seleção de Planos de Negócio no âmbito do Inova Energia se destinará a cadeias produtivas ligadas às três linhas temáticas a seguir:

O fomento e a seleção de Planos de Negócio no âmbito do Inova Energia se destinará a cadeias produtivas ligadas às três linhas temáticas a seguir: Objetivs O Plan de Açã Cnjunta Inva Energia é uma iniciativa destinada à crdenaçã das ações de fment à invaçã e a aprimrament da integraçã ds instruments de api dispnibilizads pel BNDES, pela Agência Nacinal

Leia mais