Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas"

Transcrição

1 Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1

2 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/ Iníci da escrita da MDS Rsa Maria Medeirs 28/04/ Revisã ds fluxs ds macrprcesss Cntrlar Demanda e Atender Demanda de Manutençã Curta Helisa Peixt 05/05/ Iníci da carga da base de dads d GPS Sergi Laranja Sá Crrêa 07/05/ Inclusã d resum d macrprcess Atender Demanda de Manutençã Curta 08/05/ Inclusã ds fluxs e atividades de gerenciament de mudanças 09/05/ Finalizaçã da dcumentaçã das atividades d macrprcess Atender Demanda de Prjet Inclusã d resum d macrprcess Atender Demanda de Prjet Rdrig Guedes Rdrig Guedes Rsa Maria Medeirs 09/05/ Revisã Sergi Laranja Sá Crrêa Dcument cnfidencial e prprietári Página 2 de 335

3 LOGO Índice Capítul I Apresentaçã...4 Referências Glssári Papéis Envlvids Fases...17 Critéris para Classificaçã de Demandas Critéris para Classificaçã da Manutençã Cntrle ds Prazs Estads da Demanda Estads da Ordem de Serviç Ntaçã adtada na representaçã gráfica ds fluxs Resum d Macrprcess Cntrlar Demanda Resum d Prcess Atender Demanda de Manutençã Curta Resum d Prcess Atender Demanda de Prjet Resum da Dcumentaçã Envlvida...40 Capítul II Detalhament d Prcess Cntrlar Demanda...42 Capítul III Detalhament d Prcess Atender Demanda de Manutençã Curta...78 Capítul IV Detalhament d Prcess Atender Demanda de Prjet Aprvaçã e Vigência Dcument cnfidencial e prprietári Página 3 de 335

4 Capítul I 1.1 Apresentaçã O atendiment às demandas de desenvlviment e de manutençã de sistemas enviadas à CGTI é feit pela Divisã de Sistemas e Gestã de Banc de Dads, estrutura pertencente à Crdenaçã de Sistemas. As atividades de planejament e gestã sã realizadas pels Gestres Técnics dessa Divisã, alcads para acmpanhar cada prjet, e as atividades de desenvlviment sã realizadas pr equipe de frnecedr extern. O Prcess de Sftware d MAPA é cmpst pr seis prcesss, a saber: Macrprcess Cntrlar Demanda cntém tdas as atividades necessárias a atendiment de demandas encaminhadas à CGTI; Prcess Atender Demanda de Manutençã Curta cntém as atividades necessárias a atendiment de demandas de pequenas manutenções; Prcess Atender Demanda de Prjet cntém as atividades necessárias a atendiment de demandas de grandes manutenções u de nvs sistemas; Prcess Gerenciar Cnfigurações cntém as atividades necessárias a gerenciament das cnfigurações ds elements de sftware prduzids u mantids; Prcess Gerenciar Mudanças cntém as atividades necessárias a gerenciament de mudanças relativas à prduçã de sftware (requisits, artefats, mudanças de ambiente, etc.); Prcess Gerenciar Prjets cntém as atividades necessárias à iniciaçã, planejament, execuçã, mnitrament e cntrle e encerrament ds prjets de sftware, sejam eles de manutençã u de nvs sistemas. Dcument cnfidencial e prprietári Página 4 de 335

5 As atividades ds prcesss Gerenciar Cnfigurações, Gerenciar Mudanças e Gerenciar Prjets estã distribuídas n flux de atividades ds prcesss Atender Demanda de Manutençã Curta e Atender Demanda de Prjet. Cm fim de reunir tdas as infrmações relativas a Prcess de Sftware d MAPA, fi criad GPS Guia d Prcess de Sftware d MAPA, aplicativ para cadastrament, publicaçã e autmaçã d flux de trabalh (wrkflw) ds prcesss. Esse aplicativ também permite acmpanhament d prtifóli ds prjets de sftware em andament na CGTI e encntra-se dispnível n endereç > Tecnlgia Infrmaçã > Prcess de Sftware. O prpósit deste dcument é descrever, em linhas gerais, a Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas em utilizaçã na Crdenaçã Geral de Tecnlgia da Infrmaçã (CGTI) d Ministéri da Agricultura, Pecuária e Abasteciment (MAPA). Esta Metdlgia encntra-se em fase de aplicaçã e, prtant, em evluçã cnstante. Prtant, maires detalhes estarã dispníveis na dcumentaçã de cada prcess, publicada n sistema GPS. Este dcument está dividid em seis capítuls, resumids a seguir: CAPÍTULO I Cntém esta apresentaçã, referências, glssári, papéis envlvids n Prcess de Sftware, fases e prduts d Prcess de Sftware, critéris para classificaçã de demandas, critéris para classificaçã da manutençã, cntrle ds prazs, estads da demanda, estads da Ordem de Serviç, ntaçã adtada na representaçã gráfica ds fluxs, resum ds macrprcesss Cntrlar Demanda, Atender Demanda de Manutençã Curta e Atender Demanda de Prjet e, pr últim, um resum de tda a dcumentaçã envlvida n Prcess de Sftware. CAPÍTULO II Detalha Macrprcess Cntrlar Demanda (flux geral, atividades, events, papéis, entradas e saídas, tarefas, prazs e regras que se aplicam a cada atividade). CAPÍTULO III Detalha Macrprcess Atender Demanda de Manutençã Curta (flux geral, atividades, events, papéis, entradas e saídas, tarefas, prazs e regras que se aplicam a cada atividade). CAPÍTULO IV Detalha Macrprcess Atender Demanda de Prjet (flux geral, atividades, events, papéis, entradas e saídas, tarefas, prazs e regras que se aplicam a cada atividade). 1.2 Referências Nº Nme/caminh cmplet Versã 1. Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã (PDTI) Prdut 3 AA 2. MPS.BR Guia Geral MPS.BR Guia de Implementaçã Parte 1 Nível G 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Página 5 de 335

6 1.3 Glssári Term CVS Demanda de Manutençã Curta Demanda de Prjet GPS GPS Base GPS Guia GPS Rta GPS Vista Mudança Mudança Crítica Descriçã Acrônim de Cncurrent Versin System (Sistema de Versões Cncrrentes). Aplicativ utilizad na CGTI para cntrle de versã de arquivs, sejam eles de códig-fnte, de dcumentaçã, etc. Cnjunt de funcinalidades que, juntas, demandem um praz menr que 15 dias para sua especificaçã, validaçã, implementaçã, testes, hmlgaçã e implantaçã. Cnjunt de funcinalidades que, juntas, demandem um praz superir a 15 dias para sua especificaçã, validaçã, implementaçã, testes, hmlgaçã e implantaçã. Guia d Prcess de Sftware d MAPA. Aplicativ para cadastrament, publicaçã e autmaçã d flux de trabalh (wrkflw) ds prcesss que cmpõem Prcess de Sftware d MAPA. O GPS cntém quatr ferramentas, que se cmplementam: GPS Base, GPS Rta, GPS Guia e GPS Vista. N GPS também se encntram publicads esta Metdlgia de Desenvlviment de Sftware, Manual d Desenvlvedr, cm infrmações gerais para s nvs desenvlvedres, e as plíticas, diretrizes e prcediments vigentes na CGTI. Ferramenta para cadastrament d flux de tds s prcesss que cmpõem GPS. Ferramenta para autmaçã d flux de atividades ds prcesss cadastrads n GPS. Ferramenta web para cnsulta a tds s prcesss cadastrads n GPS. Cnjunt de ferramentas para cnsulta gerencial a prtifóli de demandas atendidas e em atendiment pela CGTI e às infrmações sbre s prjets em geral. Refere-se a serviçs cm inclusã de uma cluna em uma tabela, criaçã de um mdel de dads, execuçã de algum script n banc de dads, dispnibilizaçã de acess, migraçã da aplicaçã de um ambiente para utr, etc. Destina-se à implementaçã de prjets, u seja, mudanças de alta cmplexidade e/u que pdem gerar impacts em utrs prjets. Exempls: migraçã de um nv sistema, migraçã de td u grande parte de um sistema existente, migraçã de bjets que sã utilizads pr mais de um sistema. Dcument cnfidencial e prprietári Página 6 de 335

7 Term Mudança Emergencial Mudança Padrã OS Plan de Retrn Tag Descriçã Mudança que necessita ser implementada em caráter de emergência, haja vista s impacts a negóci da sua nã-implantaçã. Exempls: alterações que, se nã realizadas, pdem fazer cm que a rganizaçã incrra em multas cntratuais, paralisaçã ns serviçs de TI e manutençã de sistemas em razã de alterações na legislaçã pertinente. Refere-se a mudanças rtineiras e cm baix impact, cm, pr exempl, inclusã de cluna em uma tabela, criaçã de mdels de dads, execuçã de scripts n banc de dads, dispnibilizaçã de acesss, migraçã funcinalidades de um ambiente para utr, etc. Ordem de Serviç. Dcument que frmaliza a demanda. Dcument que cntém tds s prcediments necessáris para retrnar para uma versã anterir de tds s cmpnentes mdificads, cas algum prblema crra na implementaçã da mudança. Marca, rótul u etiqueta dada a um arquiv u a um cnjunt de arquivs n CVS. Dcument cnfidencial e prprietári Página 7 de 335

8 1.4 Papéis Envlvids Papel Administradr de Banc de Dads Administradr de Dads Administradr de Servidr de Aplicações Analista de Métrica de Sftware Analista de Prcesss Analista da Qualidade Analista de Requisits Analista de Testes Respnsabilidades Executar scripts de dads; Atribuir as permissões necessárias a cmplet funcinament d aplicativ, n que disser respeit à armazenagem e recuperaçã de dads. Criar nvas estruturas de armazenament de dads (mdels de dads); Aprvar mudanças na estrutura de armazenament já existente; Gerar scripts de dads; Slicitar serviçs de execuçã de scripts u de deply de aplicativs. Publicar aplicativs n servidr de aplicações, deixand-s dispníveis para us pels respnsáveis pels testes e pels usuáris finais. Estimar tamanh de prduts de sftware; u Realizar cntagem final d sftware implementad, usand a técnica de Pnts pr Funçã. Realizar reuniões de mapeament d negóci que envlve s prjets de sftware; Elabrar s Dcuments de Visã de Negóci ds prjets de sftware; Avaliar e validar a estrutura ds dcuments prduzids ns prjets; Auditar a execuçã d flux ds prcesss cmpnentes da Metdlgia de Desenvlviment de Sftware d MAPA; Participar d Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM. Elicitar s requisits e regras de negóci ds prjets de sftware; Prduzir s artefats prevists na Metdlgia de Desenvlviment de Sftware d MAPA, necessáris a cmplet entendiment das necessidades das áreas de negóci; Elabrar s Manuais de Usuári ds prjets de sftware; Participar na elabraçã ds Plans de Retrn para implantaçã de mudanças. Planejar, realizar e dcumentar tds s testes necessáris para atestar perfeit funcinament d aplicativ e liberá-l para as atividades psterires dentr d prcess. Dcument cnfidencial e prprietári Página 8 de 335

9 Papel Arquitet de Sftware Chefe da Divisã de Prjets Chefe da Divisã de Sistemas e Banc de Dads Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica Crdenadr de Sistemas Respnsabilidades Definir a arquitetura ds prjets de sftware; Elabrar s Mdels de Classe ds prjets de sftware; Analisar a necessidade de visã de negóci e, em cas de nã-necessidade, elabrar Term de Cncessã; Alcar Analistas de Prcesss para mapear negóci ds prjets de sftware; Dar ciência ns Dcuments de Visã de Negóci prduzids para s prjets de manutençã u de nv desenvlviment; Hmlgar plans de prjet de sftware. Classificar as manutenções; Alcar Gestres Técnics para gerenciar atendiment às demandas; Elabrar Ntas de Viabilidade Técnica de Prjets de sftware; Dar ciência ns Dcuments de Visã de Negóci prduzids para s prjets de sftware; Aprvar as slicitações de mudança padrões; Pririzar as slicitações de mudança emergenciais; Aprvar a implantaçã de mudanças emergenciais; Hmlgar as iterações ds prjets de sftware; Assinar Dcuments de Aceite de Ordens de Serviç; Frmalizar prcess para pagament de Ordens de Serviç. Pririzar as slicitações de mudança críticas. Preparar a infra-estrutura tecnlógica para implantaçã de mudanças. Classificar as demandas recebidas; Assinar s Terms de Cncessã que frem elabrads na Divisã de Prjets; Dar ciência ns Dcuments de Visã de Negóci prduzids para s prjets de sftware; Participar d Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM; Aprvar as slicitações de mudança críticas; Hmlgar as iterações ds prjets de sftware. Dcument cnfidencial e prprietári Página 9 de 335

10 Papel Crdenadr Geral de Tecnlgia da Infrmaçã Desenvlvedr Gestr da Área de Negóci Gestr de Cnfiguraçã Respnsabilidades Analisar a aderência das demandas encaminhas à CGTI a Plan Estratégic d MAPA; Autrizar u nã atendiment de demandas; Cmunicar as áreas de negóci acerca d atendiment u nã de demandas encaminhadas à CGTI; Dar ciência ns Dcuments de Visã de Negóci prduzids para s prjets de manutençã u de nv desenvlviment; Slicitar a preparaçã de ambiente tecnlógic para suprtar a implantaçã de mudanças slicitadas; Aprvar a implantaçã de mudanças críticas. Traduzir s requisits e mdels de análise e prjet em códig-fnte, cmpilar, testar e crrigir errs; Atualizar as Matrizes de Rastreabilidade de Requisits ds prjets de sftware; Tmar as prvidências necessárias à crreta geraçã da versã que será transferida para s ambientes de hmlgaçã e prduçã; Dcumentar as atividades realizadas nas manutenções curtas, para que seja pssível aplicar a métrica de Pnts pr Funçã a trabalh realizad; Participar na elabraçã ds Plans de Retrn para implantaçã de mudanças. Encaminhar à CGTI demandas de desenvlviment de nvs sistemas u de manutençã em sistemas existentes; Acmpanhar as demandas encaminhadas à CGTI; Slicitar cancelament de demandas; Participar das reuniões de mapeament d negóci d sistema; Aprvar e assinar s Dcuments de Visã de Negóci ds prjets de sftware de sua slicitaçã; Participar de reuniões de elicitaçã de requisits, validar e aprvar s dcuments prduzids; Hmlgar s prduts de sftware entregues e as Ordens de Serviç, a final d atendiment das demandas; Participar d Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM (das demandas de sua slicitaçã). Tmar tdas as prvidências necessárias à geraçã de nvas versões ds aplicativs em desenvlviment/manutençã. Dcument cnfidencial e prprietári Página 10 de 335

11 Papel Gestr de Mudança Gestr Cntratada Gestr Técnic Respnsabilidades Verificar impacts de mudanças em prjets externs; Avaliar impacts e riscs na implantaçã de mudanças; Classificar as slicitações de mudança; Cmunicar a impssibilidade de implantaçã de mudanças slicitadas; Pririzar as slicitações de mudança emergenciais; Participar d Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM; Aprvar Plans de Retrn para implantaçã de mudanças; Slicitar cntrle de cnfiguraçã para mudanças; Agendar mudanças. Aceitar Ordens de Serviç frmalizadas; Alcar desenvlvedres; Planejar prjets de sftware; Planejar as iterações ds prjets de sftware; Registrar slicitações de mudança; Slicitar deply de aplicativs em ambiente de hmlgaçã; Emitir Dcuments de Aceite de Ordens de Serviç; Entregar fatura para pagament. Elabrar dcumentaçã de requisits de demandas de manutençã curta; Frmalizar Ordens de Serviç; Cancelar Ordens de Serviç; Planejar prjets de sftware; Realizar reuniões de kick-ff de prjets de sftware; Planejar as iterações ds prjets de sftware; Participar d Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM (das demandas de sua respnsabilidade); Hmlgar as Ordens de Serviç das demandas atendidas; Registrar pendências encntradas na hmlgaçã de demandas; Slicitar deply de aplicativs em ambiente de prduçã; Acmpanhar us d sistema em ambiente de prduçã; Registrar pendências encntradas durante us d sistema em prduçã; Cnferir e aceitar u nã as cntagens de Pnts pr Funçã das demandas; Fechar demandas de manutençã curta u de prjet. Dcument cnfidencial e prprietári Página 11 de 335

12 Papel Secretária da CGTI Respnsabilidades Preparar e encaminhar s dcuments de cmunicaçã às áreas de negóci Papéis Envlvids n macrprcess Cntrlar Demanda Papel Analista de Prcesss Chefe da Divisã de Prjets Sub-prcess Mapear Negóci d Sistema. Levantar a Visã de Negóci; Mapear Negóci d Sistema. Chefe da Divisã de Sistemas e Banc de Dads Classificar a Manutençã; Mapear Negóci d Sistema; Analisar a Viabilidade Técnica. Crdenadr de Sistemas Analisar Tip da Demanda; Levantar a Visã de Negóci; Mapear Negóci d Sistema. Crdenadr Geral de TI Analisar Alinhament Estratégic da Demanda; Respnder a Gestr da Área de Negóci; Mapear Negóci d Sistema. Gestr da Área de Negóci Slicitar Demanda; Mapear Negóci d Sistema; Cancelar a Demanda. Secretária da CGTI Respnder a Gestr da Área de Negóci Papéis Envlvids n prcess Atender Demanda de Manutençã Curta Papel Administradr de Banc de Dads Administradr de Dads Administradr de Servidr de Aplicações Analista de Métrica de Sftware Analista de Requisits Analista de Testes Sub-prcess Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads. Executar Serviç de Administraçã de Dads. Executar Serviç de Administraçã d Servidr de Aplicações. Medir Serviç. Implantar a Mudança. Testar Serviç. Dcument cnfidencial e prprietári Página 12 de 335

13 Papel Chefe da Divisã de Sistemas e Banc de Dads Cmitê de Cntrle de Mudanças CCM Crdenadr Geral de TI Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica Crdenadr de Sistemas Crdenadr Geral de TI Desenvlvedr Gestr da Área de Negóci Gestr de Cnfiguraçã Gestr de Mudança Respnsabilidades Pririzar a Slicitaçã de Mudança Padrã; Pririzar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Padrã; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Pagar Serviç. Pririzar a Slicitaçã de Mudança Crítica Classificar a Slicitaçã de Mudança; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Implantar a Mudança. Classificar a Slicitaçã de Mudança; Preparar Infra-estrutura Tecnlógica. Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Implantar a Mudança. Classificar a Slicitaçã de Mudança; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Implantar a Mudança. Realizar Serviç; Executar Serviç de Administraçã de Dads; Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads; Executar Serviç de Administraçã d Servidr de Aplicações; Testar Serviç; Cntrlar a Cnfiguraçã; Medir Serviç. Detalhar a Demanda; Hmlgar Serviç; Implantar Serviç. Cntrlar a Cnfiguraçã. Registrar e Avaliar a Slicitaçã de Mudança; Classificar a Slicitaçã de Mudança; Pririzar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Padrã; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Implantar a Mudança. Dcument cnfidencial e prprietári Página 13 de 335

14 Papel Gestr Cntratada Gestr Técnic Respnsabilidades Frmalizar a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Aceitar a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Crrigir a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Registrar e Avaliar a Slicitaçã de Mudança; Pagar Serviç. Detalhar a Demanda; Frmalizar a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Crrigir a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Cancelar a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Hmlgar Serviç; Implantar Serviç; Medir Serviç; Fechar a Demanda de Manutençã Curta Papéis Envlvids n prcess Atender Demanda de Prjet Papel Administradr de Dads Administradr de Banc de Dads Administradr de Servidr de Aplicações Analista de Métrica de Sftware Analista de Qualidade Analista de Requisits Analista de Testes Sub-prcess Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar a Análise e Prjet; Executar Serviç de Administraçã de Dads. Realizar a Análise e Prjet; Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads. Executar Serviç de Administraçã d Servidr de Aplicações. Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Medir. Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Realizar a Análise e Prjet. Realizar Planejament Inicial d Prdut; Realizar a Engenharia de Requisits; Implementar; Implantar a Mudança. Realizar a Engenharia de Requisits; Testar. Dcument cnfidencial e prprietári Página 14 de 335

15 Papel Arquitet de Sftware Chefe da Divisã de Prjets Chefe da Divisã de Sistemas e Banc de Dads Cmitê de Cntrle de Mudanças Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica Crdenadr de Sistemas Crdenadr Geral de TI Desenvlvedr Gestr da Área de Negóci Gestr de Cnfiguraçã Respnsabilidades Realizar a Análise e Prjet. Realizar Planejament Inicial d Prjet. Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Pririzar a Slicitaçã de Mudança Padrã; Pririzar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Padrã; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Pagar. Pririzar a Slicitaçã de Mudança Crítica. Realizar Planejament Inicial d Prjet; Classificar a Slicitaçã de Mudança; Preparar Infra-estrutura Tecnlógica. Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Classificar a Slicitaçã de Mudança; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Implantar a Mudança. Classificar a Slicitaçã de Mudança; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Implantar a Mudança. Implementar; Implantar a Mudança; Executar Serviç de Administraçã de Dads; Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads; Executar Serviç de Administraçã d Servidr de Aplicações; Testar; Cntrlar a Cnfiguraçã. Realizar Planejament Inicial d Prdut; Realizar a Engenharia de Requisits; Hmlgar; Implantar. Realizar Planejament Inicial d Prjet; Cntrlar a Cnfiguraçã. Dcument cnfidencial e prprietári Página 15 de 335

16 Papel Gestr de Mudança Gestr Cntratada Gestr Técnic Respnsabilidades Registrar e Avaliar a Slicitaçã de Mudança; Classificar a Slicitaçã de Mudança; Pririzar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Padrã; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Crítica; Aprvar a Slicitaçã de Mudança Emergencial; Implantar a Mudança. Frmalizar a Ordem de Serviç de Prjet; Aceitar a Ordem de Serviç de Prjet; Crrigir a Ordem de Serviç de Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Registrar e Avaliar Slicitaçã de Mudança; Pagar. Frmalizar a Ordem de Serviç de Prjet; Aceitar a Ordem de Serviç de Prjet; Crrigir a Ordem de Serviç de Prjet; Cancelar a Ordem de Serviç de Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Realizar a Engenharia de Requisits; Realizar a Análise e Prjet; Registrar e Avaliar Slicitaçã de Mudança; Hmlgar; Implantar; Medir; Fechar a Demanda de Prjet. Dcument cnfidencial e prprietári Página 16 de 335

17 1.5 Fases Demandas de Manutençã Curta Fase Atividades Slicitar Demanda; Analisar Alinhament Estratégic da Demanda; Respnder a Gestr da Área de Negóci; Analisar Tip da Demanda; Classificar Tip da Demanda; Classificar a Manutençã. Principais prduts desta fase: Slicitaçã de Demanda frmalizada e analisada sb pnt de vista d alinhament estratégic; Área de Negóci cmunicada da impssibilidade de execuçã de sua Demanda (se fr cas); Demanda analisada e classificada cm manutençã curta. Detalhar a Demanda; Frmalizar a Ordem de Serviç de Manutençã Curta; Aceitar a Ordem de Serviç de Manutençã Curta. Principais prduts desta fase: Requisits detalhads e frmalizads; Ordem de Serviç frmalizada e aceita. Realizar Serviç; Testar Serviç; Executar Serviç de Administraçã de Dads; Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads; Executar Serviç de Administraçã d Servidr de Aplicações; Gerenciar a Cnfiguraçã; Gerenciar a Mudança. Dcument cnfidencial e prprietári Página 17 de 335

18 Principais prduts desta fase: Manutençã realizada e testada; Códig-fnte atualizad n Sistema de Cntrle de Versões; Sistema sem errs e dispnível em ambiente de hmlgaçã. Hmlgar Serviç; Implantar Serviç; Gerenciar a Cnfiguraçã; Gerenciar a Mudança. Principais prduts desta fase: Manutençã hmlgada e aceita; Sistema sem pendências e dispnível em ambiente de prduçã. Medir Serviç; Pagar Serviç; Fechar a Demanda de Manutençã Curta. Principais prduts desta fase: Cntagem de Pnts pr Funçã aceita; Ordem de Serviç paga e encerrada. Dcument cnfidencial e prprietári Página 18 de 335

19 1.5.2 Demandas de Prjet Fase Atividades Slicitar Demanda; Analisar Alinhament Estratégic da Demanda; Respnder a Gestr da Área de Negóci; Analisar Tip da Demanda; Classificar Tip da Demanda; Classificar a Manutençã. Principais prduts desta fase: Slicitaçã de Demanda frmalizada e analisada sb pnt de vista d alinhament estratégic; Área de Negóci cmunicada da impssibilidade de execuçã de sua Demanda (se fr cas); Demanda analisada e classificada cm prjet. Levantament da Visã de Negóci; Mapear Negóci d Sistema. Principais prduts desta fase: Dcument de Visã de Negóci elabrad u atualizad. Analisar a Viabilidade Técnica; Frmalizar a Ordem de Serviç de Prjet; Aceitar a Ordem de Serviç de Prjet. Principais prduts desta fase: Prjet cnsiderad tecnicamente viável; Ordem de Serviç frmalizada e aceita; Term de Abertura d Prjet elabrad e assinad. Dcument cnfidencial e prprietári Página 19 de 335

20 Realizar Planejament Inicial d Prjet; Realizar Planejament Inicial d Prdut; Principais prduts desta fase: Plan d Prjet hmlgad; Cmprmetiment ds participantes btid; Requisits levantads e hmlgads; Matriz de Rastreabilidade criada; Dcument de Visã d sistema hmlgad; Estimativa inicial de Pnts pr Funçã aceita; Planejament das iterações hmlgad. Realizar a Engenharia de Requisits; Realizar a Análise e Prjet. Principais prduts desta fase: Requisits (Cass de Us) da iteraçã refinads e hmlgads; Plan e Cass de Teste elabrads e hmlgads; Mdels de Classes e de Dads elabrads e revisads; Scripts de dads criads; Estrutura de banc de dads criada; Matriz de Rastreabilidade atualizada. Implementar; Testar; Executar Serviç de Administraçã de Dads; Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads; Executar Serviç de Administraçã d Servidr de Aplicações; Gerenciar a Cnfiguraçã; Gerenciar a Mudança. Principais prduts desta fase: Códig-fnte prduzid e dispnível n Sistema de Cntrle de Versões; Manual d Usuári; Matriz de Rastreabilidade atualizada; Relatóri de Testes; Sistema sem errs e dispnível em ambiente de hmlgaçã. Dcument cnfidencial e prprietári Página 20 de 335

21 Hmlgar; Implantar; Gerenciar a Cnfiguraçã; Gerenciar a Mudança. Principais prduts desta fase: Term de Aceite; Sistema dispnível em ambiente de prduçã; Ordem de Serviç assinada pel Gestr da Área de Negóci. Medir; Pagar; Fechar a Demanda de Prjet. Principais prduts desta fase: Cntagem de Pnts pr Funçã aceita; Ordem de Serviç paga e encerrada; Lições Aprendidas registradas; Prjet encerrad. 1.6 Critéris para Classificaçã de Demandas As demandas encaminhadas à CGTI deverã ser classificadas em duas categrias: Nv Sistema u Manutençã. Os critéris a serem levads em cnta durante a classificaçã de demandas serã definids psterirmente pel Crdenadr de Sistemas, e incrprads a esta Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas. 1.7 Critéris para Classificaçã da Manutençã As demandas de manutençã deverã ser classificadas em duas categrias: Manutençã de Curta Duraçã u Prjet de Manutençã. Os critéris a serem levads em cnta durante a classificaçã de demandas de manutençã serã definids psterirmente pel Chefe da Divisã de Sistemas e Gestã de Banc de Dads, e incrpradas a esta Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas. 1.8 Cntrle ds Prazs O praz de realizaçã das atividades previstas ns prcesss desta Metdlgia é dividid e cntrlad pr três abrdagens cmplementares: Nrmal a atividade está em dia. Dcument cnfidencial e prprietári Página 21 de 335

22 Tlerância demanda atrasada. Quand entra neste praz, e antes de atingir praz limite, a atividade é cnsiderada atrasada. demanda nã realizada. Quand este praz é atingid, a atividade é dada cm nã realizada. Para cada abrdagem estã previstas ações específicas, d tip: ntificaçã d respnsável, escalnament de ntificaçã, redistribuiçã da atividade u utra açã aplicável. Exempl: Uma atividade tem praz de 5 dias, ds quais 4 dias sã de praz nrmal, cm 1 dia de tlerância: D dia 1 a dia 4 a atividade está em dia. Ações de ntificaçã d respnsável pela atividade sã aplicáveis, para lembrá-l de quant temp resta para terminar praz nrmal; Dia 5 a atividade está atrasada. Ações de ntificaçã d respnsável pela atividade e d seu superir imediat sã aplicáveis, lembrand-s de que a atividade está atrasada; Dia 6 a atividade nã fi realizada. Ações de ntificaçã d respnsável pela atividade e d seu respnsável imediat, u a redistribuiçã da atividade para utra pessa de mesm perfil que respnsável atual sã aplicáveis. Os prazs (e respectivas ações) de realizaçã de cada uma das atividades d Prcess de Sftware serã definids psterirmente, após discussã cm s Gestres Técnics respnsáveis pels prjets de sftware da CGTI, e incrprads a esta Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas. 1.9 Estads da Demanda Durante seu cicl de vida, uma demanda pde se encntrar em um ds seguintes estads: Nva após a slicitaçã pel Gestr da Área de Negóci; Em análise estratégica durante prcess de análise d alinhament da demanda a Plan Estratégic d MAPA; Em análise de viabilidade técnica durante prcess de análise de viabilidade técnica; Nã autrizada demanda nã é aderente a Plan Estratégic d MAPA u inviável tecnicamente; Cancelada após slicitaçã de cancelament pel Gestr da Área de Negóci; Autrizada demanda é aderente a Plan Estratégic d MAPA e viável tecnicamente; Em andament durante atendiment da demanda, e antes da hmlgaçã; Em hmlgaçã durante prcess de hmlgaçã; Hmlgada após a hmlgaçã cm sucess; Em implantaçã durante prcess de implantaçã; Implantada após a implantaçã cm sucess; Dcument cnfidencial e prprietári Página 22 de 335

23 Atendida após cumpridas cm sucess tdas as etapas previstas n Prcess de Sftware para tip de demanda em slicitada Estads da Ordem de Serviç Durante seu cicl de vida, uma Ordem de Serviç pde se encntrar em um ds seguintes estads: Aberta após a frmalizaçã pel Gestr Técnic; Aceita/Rejeitada após prcess de aceitaçã pel Gestr Cntratada; Cancelada após slicitaçã de cancelament da demanda pel Gestr da Área de Negóci, u após decisã d Gestr Técnic pr substituir a Ordem de Serviç. Em cnferência durante prcess de cnferência da cntagem de Pnts pr Funçã; Cnferida após cnferência e aceite da cntagem de Pnts pr Funçã; Aguardand fatura para aceite após aceite da cntagem de Pnts pr Funçã; Fatura em aceite durante prcess de aceite da fatura apresentada; Fatura aceita após aceite da fatura; Pagament realizad após envi d prcess de pagament á CGOF Ntaçã adtada na representaçã gráfica ds fluxs Os fluxs d prcess fram desenhads n Micrsft Visi, utilizand-se a seguinte ntaçã: Símbl Significad Marcadr de referência. O cnteúd deste símbl é que ditará sua utilidade, u seja: se ele marca iníci u términ d prcess u sub-prcess, u se marca uma atividade já existente n flux (neste cas, basta prcurar utr símbl cm a mesma identificaçã, para encntrar a atividade referenciada). Representa sentid (direçã) d flux de atividades, entradas, saídas e events. Sub-prcess. Um sub-prcess é um sub-cnjunt das atividades d macr-prcess, prcess u sub-prcess que cntém. Se encntrad n iníci de um flux, este símbl deve ser lid cm de nde vei flux de events. Se encntrad n fim de um flux, este símbl deve ser lid cm para nde vai flux de events. Dcument cnfidencial e prprietári Página 23 de 335

24 Símbl Significad Atividade. Uma atividade é um cnjunt de tarefas que devem ser realizadas para transfrmar insums em prduts. Para cada atividade estã mapeads: respnsável(eis), participantes (nde se aplicar), events de entrada, prduts de entrada, tarefas a realizar, prduts de saída e events de saída. Papel envlvid. Um papel é um cnjunt de respnsabilidades desempenhad pr uma u mais pessas, relativ à atividade à qual esse papel está assciad. Fi utilizad um símbl para cada papel envlvid na atividade. E nde huver relaçã de respnsabilidade u clabraçã, essa relaçã está explicitada na linha que liga papel à atividade. Artefat (insum a ser prcessad na atividade u prdut gerad pela atividade). A natureza d artefat é determinada pela direçã da seta que vincula à atividade. Se a seta estiver n sentid artefat atividade, artefat é uma entrada (insum) a ser utilizada n prcessament da atividade. Se a seta estiver n sentid atividade artefat, este é uma saída (prdut) gerada durante prcessament da atividade. Aplicativ utilizad durante prcessament da atividade para perações de cnsulta, inclusã, alteraçã u exclusã de dads u infrmações. Event. Um event é uma cndiçã que deve ser satisfeita, para que uma atividade seja iniciada u cncluída. Os events de entrada sã cndições que devem ser verdadeiras para que a atividade seja iniciada. Os events de saída sã cndições que devem ser verdadeiras para que a atividade seja dada cm finalizada. Operadres Lógics E OU OU Exclusiv Os peradres lógics sã utilizads para vincular events que precisam ser avaliads antes de se iniciar u finalizar uma atividade. Dessa frma, esses peradres pderã ser encntrads antes u depis de cada atividade d flux. Se peradr fr encntrad antes de uma atividade, s events serã s critéris que permitirã iníci dessa atividade. Se fr encntrad após uma atividade, s events serã s critéris que levarã à finalizaçã da atividade. Operadr lógic E (AND). Para que uma atividade seja iniciada, tds s events de entrada ligads pel peradr lógic E devem ser avaliads cm verdadeirs. Para que uma atividade seja dada cm finalizada, tds s events de saída ligads pel peradr lógic E devem ser avaliads cm verdadeirs. Dcument cnfidencial e prprietári Página 24 de 335

25 Símbl Significad Operadr lógic OU (OR). Para que uma atividade seja iniciada, pel mens um ds events de entrada ligads pel peradr lógic OU deve ser avaliad cm verdadeir. Para que uma atividade seja dada cm finalizada, pel mens um ds events de saída ligads pel peradr lógic OU deve ser avaliad cm verdadeir. Operadr lógic OU Exclusiv (XOR). Para que uma atividade seja iniciada, ds váris events de entrada ligads pel peradr OU Exclusiv, smente um deve ser avaliad cm verdadeir. Para que uma atividade seja dada cm finalizada, ds váris events de saída ligads pel peradr OU Exclusiv, smente um deve ser avaliad cm verdadeir. Dcument cnfidencial e prprietári Página 25 de 335

26 1.12 Resum d Macrprcess Cntrlar Demanda Dcument cnfidencial e prprietári Página 26 de 335

27 O macrprcess Cntrlar Demanda cmeça quand Gestr da Área de negóci cliente preenche uma Slicitaçã de Demanda de nv sistema u de manutençã em sistema existente e a encaminha à CGTI. Na CGTI, Crdenadr Geral de Tecnlgia da Infrmaçã analisa a aderência da Slicitaçã de Demanda a Plan Estratégic d MAPA. Se a demanda fr aderente à estratégia d MAPA, Crdenadr Geral de TI encaminha a Slicitaçã de Demanda a Crdenadr de Sistemas, para análise d tip da demanda. Se a demanda nã fr aderente à estratégia d MAPA, Crdenadr Geral de TI emite cmunicad à Área de Negóci Demandante e prcess termina. O Crdenadr de Sistemas analisa a demanda e classifica-a cm Nv Sistema u cm Manutençã. Se a demanda fr classificada cm Manutençã, Crdenadr de Sistemas a encaminha à Divisã de Sistemas e Banc de Dads, para classificaçã. Se a demanda fr classificada cm Nv Sistema, Crdenadr de Sistemas a encaminha à Divisã de Prjets, para levantament da visã de negóci. Em cas de manutençã, Chefe da Divisã de Sistemas classifica a demanda cm de curta duraçã u de lnga duraçã (neste cas, será tratada cm um prjet). Se a demanda fr classificada cm de curta duraçã, flux passa para prcess Atender Demanda de Manutençã Curta. Se a demanda fr classificada cm de lnga duraçã, Chefe da Divisã de Sistemas a encaminha à Divisã de Prjets, para levantament da Visã de Negóci. O Chefe da Divisã de Prjets levanta a necessidade de se elabraçã Visã de Negóci para sistema bjet da Slicitaçã de Demanda. Se nã fr necessári mapear a Visã de Negóci, Chefe da Divisã de Prjets elabra um Term de Cncessã, justificand essa nã necessidade, e assina, juntamente cm Crdenadr de Sistemas. Em seguida, encaminha a demanda a Chefe da Divisã de Sistemas, para análise da viabilidade técnica. Se fr necessári mapear a Visã de Negóci, Chefe da Divisã de Prjets encaminha a demanda a um Analista de Prcesss, para prvidências. O Analista de Prcesss mapeia negóci relativ a sistema junt à área cliente, elabra Dcument de Visã de Negóci e valida junt a Gestr da Área de Negóci demandante. Se huver pendências, Analista de Prcesss crrige dcument e submete a nva validaçã. Nã havend pendências, Dcument de Visã de Negóci é assinad pels envlvids e encaminhad a Chefe da Divisã de Sistemas, para análise da viabilidade técnica. Se, durante mapeament d negóci, fr detectada a necessidade de mapeament cmplet ds prcesss da área de negóci, Crdenadr Geral de Tecnlgia da Infrmaçã emite cmunicad à Área de Negóci demandante e prcess termina. O Chefe da Divisã de Sistemas analisa a viabilidade técnica da demanda de prjet (manutençã lnga u nv sistema). Se a demanda fr viável, flux passa para prcess Atender Demanda de Prjet. Se a demanda fr inviável, Crdenadr Geral de Tecnlgia da Infrmaçã emite cmunicad à Área de Negóci demandante e prcess termina. Para mais detalhes, cnsulte Capítul II desta Metdlgia de Desenvlviment de sistemas. Dcument cnfidencial e prprietári Página 27 de 335

28 1.13 Resum d Prcess Atender Demanda de Manutençã Curta Dcument cnfidencial e prprietári Página 28 de 335

29 Macrflux Atender Demanda de Manutençã Curta 2 Implantar a Mudança Cntrlar a Cnfiguraçã Executar Serviç de Administraçã de Dads Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads Executar Serviç de Administraçã de Servidr de Aplicações Implantar Serviç Testar Serviç Medir Serviç Hmlgar Serviç Pagar Serviç Fechar a Demanda de Manutençã Curta Términ Dcument cnfidencial e prprietári Página 29 de 335

30 O prcess Atender Demanda de Manutençã Curta cmeça quand Gestr Técnic recebe uma demanda de manutençã previamente classificada, pel Chefe da Divisã de Sistemas, cm de curta duraçã. O Gestr Técnic detalha s requisits da manutençã junt a Gestr de Negóci demandante, frmaliza a Ordem de Serviç e a encaminha a Gestr Cntratada, para aceite. O Gestr Cntratada analisa a Ordem de Serviç e decide-se pr aceitá-la u nã. Cas a OS seja aceita, Gestr Cntratada encaminha a demanda a(s) desenvlvedr(es) alcad(s) para atendêla. Cas a OS nã seja aceita (pr haver errs, incrreções u incnsistências), Gestr Cntratada devlve a Ordem de Serviç a Gestr Técnic para crreções. O Gestr Técnic analisa as crreções sugeridas e decide-se pr cntinuar a OS u pr cancelá-la. Cas decida-se pr cntinuar a OS, Gestr Técnic realiza as crreções e encaminha a OS a Gestr Cntratada, para aceite. Cas decida-se pr cancelar a OS, Gestr Técnic cancela a Ordem de Serviç atual, devend frmalizar nva OS e encaminhá-la a Gestr Cntratada, para aceite. O(s) Desenvlvedr(es) realizam serviç. Durante a realizaçã d serviç u após a sua finalizaçã, (s) Desenvlvedr(res) necessitam de serviçs da equipe de dads. Para iss, (s) Gestr Cntratada abre uma Slicitaçã de Mudança. Após registr da mudança, Gestr de Mudança avalia s riscs e impacts na implantaçã da mudança. Em seguida, identifica grau de imprtância e urgência da mudança slicitada. O Gestr de Mudança, Crdenadr Geral de TI, Crdenadr de Sistemas e Crdenadr de Infraestrutura, verificam a capacidade ds recurss tecnlógics para a implantaçã da mudança: 1. Cas a capacidade ds recurss tecnlógics para a implantaçã da mudança nã fr suficiente, Crdenadr-Geral de TI slicita à área de infra-estrutura a preparaçã d ambiente tecnlógic para atender às necessidades para a implantaçã da mudança: a. O Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica identifica s requisits de infraestrutura tecnlógica necessáris para a implantaçã da mudança: i. Se a infra-estrutura existente pde atender às necessidades, Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica prepara ambiente necessári; ii. Se a infra-estrutura existente nã pde atender às necessidades, será necessária a aquisiçã de recurss tecnlógics e/u a cntrataçã de serviçs. Assim que estes recurss frem adquirids e/u s serviçs cntratads, Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica prepara ambiente necessári. 2. Se a capacidade ds recurss tecnlógics fr suficiente para a implantaçã da mudança, Gestr de Mudança classifica a mudança cm Mudança Padrã, Mudança Crítica u Mudança Emergencial: a. Se a mudança fr Padrã, chefe da Divisã de Sistemas pririza a slicitaçã de mudança. b. Se a mudança fr Crítica, Cmitê de Cntrle de Mudança (CCM) pririza a mudança, de acrd cm a necessidade de negócis e de acrd cm s riscs e impacts. c. Se a mudança fr Emergencial, Cmitê de Cntrle de Mudança (CCM) pririza a mudança, de acrd cm a necessidade de negócis e de acrd cm s riscs e impacts. Dcument cnfidencial e prprietári Página 30 de 335

31 Após a pririzaçã da mudança Padrã, quand fr cas, Chefe da Divisã de Sistemas aprva a slicitaçã de mudança. Se a slicitaçã de mudança nã fr aprvada, Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. Após a pririzaçã da mudança Crítica, quand fr cas, Crdenadr de Sistemas aprva a tecnicamente a slicitaçã de mudança: 1. Se esta slicitaçã de mudança fr rejeitada, Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. 2. Se a slicitaçã de mudança fr aprvada tecnicamente, Crdenadr Geral de TI aprva (aprvaçã final) a mudança para implementaçã. O Crdenadr Geral de TI pde também rejeitar a mudança, n qual Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. Após a pririzaçã da mudança Emergencial, quand fr cas, Chefe da Divisã de Sistemas aprva a tecnicamente a slicitaçã de mudança: 1. Se esta slicitaçã de mudança fr rejeitada, Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. 2. Se a slicitaçã de mudança fr aprvada tecnicamente, Chefe da Divisã de Sistemas aprva (aprvaçã final) a mudança para implementaçã. O Crdenadr Geral de TI pde também rejeitar a mudança, n qual Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. A ser realizada a aprvaçã da slicitaçã de mudança, Gestr de Mudança identifica a priridade da mesma. Neste mment, Analista de Requisits, juntamente cm Desenvlvedr, elabram um plan de retrn. O Gestr de Mudança avalia plan de retrn e, cas seja aprvad, slicita cntrle de cnfiguraçã para a mudança a ser realizada. Cas plan de retrn nã seja aprvad, sã realizads nvs ajustes pel Analista de Requisits e pel Desenvlvedr e submetid utra vez para avaliaçã d Gestr de Mudança. O Gestr de Cnfiguraçã verifica as marcações (Tags) ds itens da mudança. Se as Tags estiverem devidamente aplicadas pel Desenvlvedr, Gestr de Cnfiguraçã gera uma versã ds arquivs envlvids na mudança, aplicand uma Tag principal. Se as Tags nã estiverem devidamente aplicadas, sã submetidas a Desenvlvedr para as marcações necessárias. Depis d cntrle de cnfiguraçã, Gestr de Mudança identifica tip de mudança para implementaçã: 1. Se a slicitaçã de mudança fr para execuçã de serviçs de Administraçã de Dads, encaminha para Administradr de Dads executar serviç; 2. Se a slicitaçã de mudança fr para execuçã de serviçs de Administraçã de Banc de Dads, encaminha para Administradr de Banc de Dads executar serviç; 3. Se a slicitaçã de mudança fr para execuçã de serviçs de Administraçã de Servidr de Aplicações, cm pr exempl a migraçã de sistema d ambiente de desenvlviment para hmlgaçã, Gestr de Mudança, juntamente cm Crdenadr Geral de TI e Crdenadr de Sistemas, verificam a capacidade ds recurss tecnlógics para a implantaçã da mudança: a. Cas a capacidade ds recurss tecnlógics para a implantaçã da mudança nã Dcument cnfidencial e prprietári Página 31 de 335

32 fr suficiente, Crdenadr-Geral de TI slicita à área de infra-estrutura a preparaçã d ambiente tecnlógic para atender às necessidades para a implantaçã da mudança. b. Se a capacidade ds recurss tecnlógics fr suficiente para a implantaçã da mudança, Gestr de Mudança agenda a execuçã da mudança. Cm iss, a mudança fica prgramada e é direcinada a Administradr de Servidr de Aplicações para execuçã. A receber a slicitaçã de mudança, Administradr de Dads executa serviç slicitad: 1. Se serviç fi executad cm sucess, Administradr de Dads encaminha a slicitaçã de mudança para Administradr de Banc de Dads u para Administradr de Servidr de Aplicações, de acrd cm a necessidade; 2. Se algum prblema fi identificad na execuçã d serviç, Administradr de Dads slicita a Desenvlvedr a implementaçã de ajustes n sistema para pder executar serviç cm sucess. a. O Desenvlvedr implementa s ajustes necessáris e encaminha a slicitaçã para Gestr de Mudança identificar priridade da slicitaçã de mudança e cnferir utra vez plan de retrn. A receber a slicitaçã de mudança, Administradr de Banc de Dads executa serviç slicitad: 1. Se serviç fi executad cm sucess, Administradr de Banc de Dads encaminha a slicitaçã de mudança para Administradr de Servidr de Aplicações; 2. Se algum prblema fi identificad na execuçã d serviç, Administradr de Banc de Dads slicita a Desenvlvedr a implementaçã de ajustes n sistema para pder executar serviç cm sucess: a. O Desenvlvedr implementa s ajustes necessáris e encaminha a slicitaçã para Gestr de Mudança identificar priridade da slicitaçã de mudança e cnferir utra vez plan de retrn. A receber a slicitaçã de mudança, Administradr de Servidr de Aplicações executa serviç slicitad: 1. Se serviç fi executad cm sucess e a aplicaçã fi dispnibilizada em ambiente de hmlgaçã, Administradr de Servidr de Aplicações cmunica s Analistas de Testes para a realizaçã de uma bateria de testes n sistema: a. O(s) Analista(s) de Testes testam a implementaçã d serviç, à luz ds requisits da manutençã detalhads junt à Área de Negóci demandante: i. Cas nã seja identificad qualquer defeit, preparará a demanda para hmlgaçã. ii. Cas seja identificad defeit, (s) Analista(s) de Testes slicitam a Desenvlvedr a implementaçã de ajustes n sistema para pder executar serviç cm sucess: O Desenvlvedr implementa s ajustes necessáris e encaminha a slicitaçã para Gestr de Mudança identificar priridade da Dcument cnfidencial e prprietári Página 32 de 335

33 slicitaçã de mudança e cnferir utra vez plan de retrn. ii. Se nã fr identificad defeit, Gestr Técnic slicita a migraçã da aplicaçã d ambiente de hmlgaçã para de prduçã. 2. Se serviç fi executad cm sucess e a aplicaçã fi dispnibilizada em ambiente de prduçã, Administradr de Servidr de Aplicações cmunica Gestr Técnic para acmpanhar a utilizaçã d sistema em prduçã, juntamente cm Gestr da Área de Negóci, cm bjetiv de assinar a Ordem de Serviç relacinada a atendiment da demanda: a. O Gestr Técnic acmpanha a utilizaçã d sistema em prduçã, juntamente cm Gestr da Área de Negóci, pr determinad períd de temp: i. Após expirad esse temp, se nã fr identificada qualquer pendência, Gestr da Área de Negóci assina a Ordem de Serviç, Desenvlvedr anexa dcument que servirá de base para a cntagem ds pnts pr funçã d serviç realizad, e encaminha a demanda para cntagem; ii. Se fr identificada qualquer pendência, Gestr Técnic registra as pendências, nas quais serã encaminhadas para Desenvlvedr implementar s ajustes necessáris. 3. Se algum prblema fi identificad na execuçã d serviç, Administradr de Servidr de Aplicações slicita a Desenvlvedr a implementaçã de ajustes n sistema para pder executar serviç cm sucess: a. O Desenvlvedr implementa s ajustes necessáris e encaminha a slicitaçã para Gestr de Mudança identificar priridade da slicitaçã de mudança e cnferir utra vez plan de retrn. O Analista de Métrica de Sftware cnta s pnts pr funçã e encaminha a planilha de cntagem a Gestr Técnic, para cnferência e aceite. O Gestr Técnic cnfere a planilha de pnts pr funçã e decide pr aceitá-la u nã. Cas decida pr nã aceitá-la, Gestr Técnic entra em cnsens cm Analista de Métrica de sftware, que atualiza a cntagem cm as crreções necessárias e a re-encaminha para cnferência. O Gestr Cntratada apresenta, mensalmente, uma lista cm as Ordens de Serviç hmlgadas e cujas planilhas de cntagem fram aceitas. Após ateste d Chefe da Divisã de Sistemas, Gestr Cntratada apresenta a fatura para pagament. O Gestr Técnic fecha tdas as Ordens de Serviç de manutençã curta que fram encaminhadas para pagament e prcess termina. Para mais detalhes, cnsulte Capítul III desta Metdlgia de Desenvlviment de sistemas. Dcument cnfidencial e prprietári Página 33 de 335

34 1.14 Resum d Prcess Atender Demanda de Prjet Dcument cnfidencial e prprietári Página 34 de 335

35 Macrflux Atender Demanda de Prjet Implantar a Mudança Cntrlar a Cnfiguraçã Executar Serviç de Administraçã de Dads Executar Serviç de Administraçã de Banc de Dads Executar Serviç de Administraçã de Servidr de Aplicações Implantar Testar Medir Hmlgar Pagar Fechar a Demanda de Prjet Términ Dcument cnfidencial e prprietári Página 35 de 335

36 O(s) Desenvlvedr(es) traduzem s requisits em códig-fnte. Durante a implementaçã u após a sua finalizaçã, (s) Desenvlvedr(res) necessitam de serviçs da equipe de dads. Para iss, (s) Gestr Cntratada abre uma Slicitaçã de Mudança. Após registr da mudança, Gestr de Mudança avalia s riscs e impacts na implantaçã da mudança. Em seguida, identifica grau de imprtância e urgência da mudança slicitada. O Gestr de Mudança, Crdenadr Geral de TI, Crdenadr de Sistemas e Crdenadr de Infraestrutura, verificam a capacidade ds recurss tecnlógics para a implantaçã da mudança: 1. Cas a capacidade ds recurss tecnlógics para a implantaçã da mudança nã fr suficiente, Crdenadr-Geral de TI slicita à área de infra-estrutura a preparaçã d ambiente tecnlógic para atender às necessidades para a implantaçã da mudança: a. O Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica identifica s requisits de infraestrutura tecnlógica necessáris para a implantaçã da mudança: i. Se a infra-estrutura existente pde atender às necessidades, Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica prepara ambiente necessári; ii. Se a infra-estrutura existente nã pde atender às necessidades, será necessária a aquisiçã de recurss tecnlógics e/u a cntrataçã de serviçs. Assim que estes recurss frem adquirids e/u s serviçs cntratads, Crdenadr de Infra-estrutura Tecnlógica prepara ambiente necessári. 2. Se a capacidade ds recurss tecnlógics fr suficiente para a implantaçã da mudança, Gestr de Mudança classifica a mudança cm Mudança Padrã, Mudança Crítica u Mudança Emergencial: a. Se a mudança fr Padrã, chefe da Divisã de Sistemas pririza a slicitaçã de mudança. b. Se a mudança fr Crítica, Cmitê de Cntrle de Mudança (CCM) pririza a mudança, de acrd cm a necessidade de negócis e de acrd cm s riscs e impacts. c. Se a mudança fr Emergencial, Cmitê de Cntrle de Mudança (CCM) pririza a mudança, de acrd cm a necessidade de negócis e de acrd cm s riscs e impacts. Após a pririzaçã da mudança Padrã, quand fr cas, Chefe da Divisã de Sistemas aprva a slicitaçã de mudança. Se a slicitaçã de mudança nã fr aprvada, Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. Após a pririzaçã da mudança Crítica, quand fr cas, Crdenadr de Sistemas aprva a tecnicamente a slicitaçã de mudança: 1. Se esta slicitaçã de mudança fr rejeitada, Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a impssibilidade de implantaçã da mudança. 2. Se a slicitaçã de mudança fr aprvada tecnicamente, Crdenadr Geral de TI aprva (aprvaçã final) a mudança para implementaçã. O Crdenadr Geral de TI pde também rejeitar a mudança, n qual Gestr de Mudança cmunicará Gestr Cntratada sbre a Dcument cnfidencial e prprietári Página 36 de 335

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI 1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curs de Pós-Graduaçã Gerenciament de Prjets cm Ênfase nas Práticas d PMI Shirlei Sares Medeirs Braghett Gerenciand escp em Prjet utilizand RUP e PMI Sã Paul 2010 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA EDITAL Nº 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL PARA O SEGUNDO PERÍODO LETIVO DE 2014. 1. PREÂMBULO 1.1. O Crdenadr d Prgrama de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - OCORRÊNCIA PC

MANUAL DO USUÁRIO - OCORRÊNCIA PC SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Referencia: Help_Online_crrencia_PC.dc Versã: 01.00 Data: 19-10-2007 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Procedimentos para o uso de TI no DRH

Procedimentos para o uso de TI no DRH Prcediments para us de TI n DRH As clabradres d DRH Cm parte das diretrizes divulgadas através d memrand nº 243/2008-SAM01, e visand melhrias na manutençã de cmputadres, segurança das infrmações e cntrle

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA TR DIRETORIA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA TR RETORIA INSTITUCIONAL CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROJETOS DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DO XINGU PDRSX UHE BELO MONTE S/A ALTAMIRA PARÁ Janeir, 2016

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Versão 4.0. Central IT Governança Corporativa PROJETO 78. Documento de Entrega. Fábrica. Deploy 1.0.0-Beta. Produto: CitSmart GRP

Versão 4.0. Central IT Governança Corporativa PROJETO 78. Documento de Entrega. Fábrica. Deploy 1.0.0-Beta. Produto: CitSmart GRP Central IT Gvernança Crprativa Versã PROJETO 78 Dcument de Entrega de Deply da Fábrica Deply 1.0.0-Beta Prdut: CitSmart GRP 2/7 FO-098 Versã: Dcument de Entrega de Deply da Fábrica Históric de Revisã Data

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico Implantaçã d Escritóri de Prjets na área de RH: Um lhar estratégic Regina Buzetti Meneghelli UO-ES/RH Alexandre de Castr Faria Fidelis UO-ES/RH O gerenciament de prjets é utilizad pr rganizações ds mais

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

(X) Acompanhamento ( ) Revisão ( ) Mudança ( ) Outro. 2. Participantes Nome Unidade e-mail Assinatura Lista Impressa e Assinada

(X) Acompanhamento ( ) Revisão ( ) Mudança ( ) Outro. 2. Participantes Nome Unidade e-mail Assinatura Lista Impressa e Assinada Ata de Reuniã 1. DADOS GERAIS Prjet/demanda Reuniã Mensal de Status Reprt de Prjets Identificadr Data 26/03/14 Unidade Mtiv (X) Acmpanhament ( ) Revisã ( ) Mudança ( ) Outr 2. Participantes Nme Unidade

Leia mais

3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Matéria: O Prcess de Desenvlviment de Sftware Página: 29 3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE É mais fácil escrever um prgrama incrret d que entender um crret. [Alan Perlis] Um prcess define quem

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Terms de Cperaçã PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment e invaçã

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

GUIA do FILIAWEB. Versão 1.0

GUIA do FILIAWEB. Versão 1.0 GUIA d FILIAWEB Versã 1.0 Setembr de 2011 ÍNDICE 1. Intrduçã...4 1.1 Antaçã de filiaçã partidária pel partid plític...5 1.2 Registrs de filiaçã partidária junt à Justiça Eleitral...6 1.3 Desfiliaçã Partidária...8

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis Códig: MAN-VCIV-002 Versã: 00 Data de Aprvaçã: 18/01/2011 Elabrad pr: Magistrads e servidres das 8ª e 14ª varas cíveis Aprvad pr: Presidente d TJPB 1 Objetiv Estabelecer critéris e prcediments para recebiment

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais