UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto"

Transcrição

1 UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para o Curso de Ciências da Computação Disciplina de Paradigmas de Programação, Professor Willian Zacarotto Por Alberto José Araujo Danilo Rodrigues Pereira Fevereiro 2005

2 - 2 - SUMÁRIO ABSTRAÇÃO...3 VARIÁVEIS ESTÁTICAS X DINÂMICAS...4 FILA EM PASCAL / DELPHI...8 FILA EM OOP...10 PROGRAMAÇÃO MODULAR...11 EMCAPSULAMENTO...12 OCLUSÃO DE INFORMAÇÕES...12 PASSOS DE MONTAGEM DE UM PROGRAMA OOP. EM JAVA...13 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO...14 HERANÇA...16 POLIMORFISMO...19 MÉTODO...21 CLASSES E OBJETOS...22 MODELAGEM DE DADOS...22 REUTILIZACAO...23 BIBLIOGRAFIA...24

3 - 3 - ABSTRAÇÃO DE DADOS 1 Conceito É uma forma de resolver um problema sem preocupar-se com os detalhes, observando apenas os aspectos de interesse. Não levando em conta em qual tipo de computador será usado e nem a linguagem que será usada. Exemplo: Verificar se um determinado número é par ou impar. Para resolver esse problema simples primeiramente devemos pensar quais as condições para que o numero seja par. Todo numero par é divisível por 2. Resolvido o problema depois é só fazer a implementação na linguagem desejada. Implementação em Pascal Function par (N: real): Boolean; Begin if ( N mod 2 = 0 ) then par := true; end;

4 - 4 - Outro exemplo: Calcular a área de um triangulo. Para resolver esse problemas, primeiramente devemos saber qual a formula para calcular a área de um triangulo ( A = (base * altura )/2). Depois disso é só passar essa formula para a linguagem desejada. VARIÁVEIS ESTÁTICAS X DINÂMICAS Até agora lidamos com variáveis que tiveram de ser criadas antes de se executar um programa. São variáveis que existem o tempo todo (em tempo de execução), ou seja, são variáveis estáticas. Portanto a alocação de memória para esse tipo de variável é feita antes da execução do programa (compilação). A desvantagem é que uma vez criada esse espaço de memória não pode ser alterado. As variáveis dinâmicas podem ser criadas e destruídas durante a execução do programas. Essa é a grande vantagem sobre as estáticas. Ponteiro ou apontador (Pointer em pascal) São variáveis que aponta para um determinado endereço de memória (E.G endereço de outras variáveis). Ou seja, ela aponta a um local da memória onde está armazenada uma variável. Ex var P: ^integer; Após esta declaração, teríamos criado uma variável do tipo Ponteiro que ocupa 4 bytes (lembre-se que ela aponta um endereço, e como sabemos, no IBM/PC, um endereço é formado pelo Segment e pelo offset, cada um com 2 bytes) e que irá apontar uma variável do tipo Integer. Utilizamos como exemplo o tipo Integer, mas poderia ser qualquer outro tipo e até mesmo Record.

5 - 5 - Até esse instante, não criamos a tão famosa variável dinâmica, e sim uma variável do tipo Ponteiro, que irá apontar o endereço de uma variável dinâmica do tipo Integer. E dado isto, perguntamos: para onde está apontando a variável recém-criada chamada p? Simplesmente para nenhum lugar. Isto recebe o nome em Pascal de NIL. Quando escrevemos no meio de um programa a declaração abaixo: p := NIL; Estamos querendo dizer que a variável do tipo Ponteiro, chamada p, não está apontando para nenhuma variável no momento. Sempre que criamos uma variável do tipo Ponteiro, ela tem o valor inicial NIL Passo 2: Criação de variáveis dinâmicas O próximo passo é a criação de uma variável dinâmica, para tanto, utilizamos a procedure New. Sua sintaxe é: New(p); Isto faz com que seja alocado um espaço de memória, suficiente para armazenar uma variável do tipo associado a p, no caso Integer. Esse espaço de memória fica num local especial chamado HEAP. No caso do IBM/PC, o HEAP é toda a memória não utilizada pelo sistema. Portanto, a declaração New(p) aloca um espaço de memória no HEAP, suficiente para armazenar uma variável do tipo Integer e retorna o endereço inicial desta região de memória para a variável p. Lembre-se que p é do tipo Ponteiro.

6 - 6 - Exemplo usando variáveis dinâmicas. Program Exemplo; Uses CRT; {Este programa lê registros com a estrutura abaixo, até que se digite 'fim' quando é perguntado o nome da pessoa. Repare que o programa tem a capacidade de ler um número ilimitado de registros sem a preocupação de se definir um array e sua respectiva dimensão.} Nome : String[30]; Sexo : Char; Idade : Integer; Altura: Real; Type Pessoa = Record Nome : String[30]; Sexo : Char; Idade : Integer; Altura: Real; End; ponteiro = ^Pessoas; Pessoas = Record Valor : Pessoa; Prox : Ponteiro; End; Var p,prim : Ponteiro; Procedure Linha; Var i:integer; Begin For i:=1 to 80 do write('-') End; Begin Prim:=nil; ClrScr; Repeat Linha; New(p);

7 - 7 - Write('Nome da pessoa -----> '); Readln(p^.valor.Nome); If (p^.valor.nome<>'fim') Then Begin Write('Sexo > '); Readln(p^.valor.Sexo); Write('Idade > '); Readln(p^.valor.Idade); Write('Altura > '); Readln(p^.valor.altura); p^.prox:=prim; Prim:=p; End; Until p^.valor.nome='fim'; ClrScr; Linha; p:=prim; While p<>nil do Begin With p^.valor do Writeln(nome:30,sexo:5,idade:5,altura:6:2); p:=p^.prox; End; End.

8 - 8 - FILA EM PASCAL / DELPHI Criaremos um programa para cadastrar 1000 funcionários de uma empresa. Usando os 2 tipos de variáveis. Estáticas: Type Funcionário = record Nome : string[30]; Salário : real; Setor : string[30]; Funcao : string[20]; end. Var Representação EMPRESA: ARRAY[ ] OF FUNCIONARIO ; Funcionario Funcionario Funcionario Funcionario Dinâmicas : Type Funcionário = record Nome : string[30]; Salário : real; Setor : string[30]; Funcao : string[20]; Prox : ^Funcionario; end. Var P :^Funcionario; procedure insere(x:funcionario);

9 - 9 - end; var elemento : Funcionario; begin if (p= nil) then p:=x else elemento:=p; while (elemento.prox = nil) do begin elemento:= elemento.prox; end; elemento.prox:= x; Representação:

10 FILA EM OOP A implementação desse objeto esta encapsulado, ou seja, não podendo ser acessado pelo usuário, mas isso não quer dizer que ele não exista. A interface é a integração direita entre o usuário e o objeto. Exemplo: Um Aparelho de DVD. Para abrir o drive apertamos um botão (objeto do DVD), nesse mesmo instante estamos acionando um EVENTO DESSE BOTÃO chamado (ABRIR), que abrirá o drive. Mas aconteceram muitas coisas internamente para que isso acontecesse, que seria os ATRIBUTOS.

11 PROGRAMAÇÃO MODULAR Em Pascal e Delphi podemos criar nossas próprias bibliotecas UNIT contendo procedures e funções. Exemplo: Unit DANILO; Implementation Crt; Interface Procedure alterarsalario(var X : real); Begin {comandos} End; Procedure inserir; Begin {comandos} End; End. Program Fuincionario; Uses crt, DANILO; Begin Clrscr; {crt} Writeln( Digite o seu salario, salário); Novosalario:= alterarsalario; End.

12 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Encapsulamentos de dados e funções Restrições à visualização das variáveis, constantes e módulos; Separação do O QUE É FEITO do COMO É FEITO. ENCAPSULAMENTO É agrupamentos de idéias em uma mesma unidade. Código (funções e procedimentos). Dados (vetores e registros). Código + Dados (Classes e Objetos). OCLUSÃO DE INFORMAÇÕES Restrições à visualização - BIBLIOTECAS Classes com interface, onde somente os atributos são públicos (public), isso garante que as modificações em alguma subclasse não afetaram essa classe e sim somente os atributos públicos.

13 PASSOS DE MONTAGEM DE UM PROGRAMA OOP. EM JAVA

14 PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO INTRODUÇÃO A Metodologia Orientada a Objetos teve sua grande expansão nos anos 90, quando se tornou a principal metodologia de desenvolvimento de software. Permite modelar de forma mais natural o mundo real, pois as estruturas de dados são vistas como objetos, ou seja, têm características e funções. Tem seu maior objetivo por aumentar a produtividade do desenvolvimento de software através de uma maior expansibilidade e reutilização de código, além de controlar a complexidade e o custo da manutenção do mesmo. Quando utilizada, a fase de projeto do desenvolvimento do software está mais intimamente ligada à fase de implementação. Um dos pontos chaves desta metodologia é centralização das atenções nas Estruturas de Dados, ao contrário da metodologia estruturada, onde a atenção era centralizada nos procedimentos. Na orientação a objetos há uma maior aproximação entre dados e procedimentos, pois procedimentos são definidos em termos dos dados. Definição: o termo orientação a objetos significa organizar o mundo real como uma coleção de objetos que incorporam estrutura de dados e um conjunto de operações que manipulam estes dados. Todas as linguagens orientadas a objetos possuem três características básicas: Objetos Polimorfismo Herança

15 As linguagens de POO podem ser divididas em dois grupos: Puras : projetadas especificamente para o paradigma de OO : Smalltalk, Eiffel e Java Híbridas : Extensões de linguagens tradicionais e suportam tanto o estilo tradicional quanto o OO : (C++, Objective-C, CLOS e dialetos OO de Pascal) Classe Objeto Instância Propriedade Método Mensagem Componentes Básicos da Orientação a Objetos São moldes através dos quais criamos objetos Abstração que agrupa características e comportamentos. É o objeto propriamente dito. Possui características próprias. Define as características dos objetos de uma classe. Define o comportamento dos objetos de uma classe. Representa uma ação do objeto ou uma mudança de estado. Define a comunicação entre objetos. Interface Conjunto de mensagens que define o comportamento de um objeto (Protocolo).

16 HERANÇA Permite que uma nova classe seja descrita a partir de outra classe já existente (Reutilização). A subclasse herda as características e o comportamento da superclasse. A subclasse pode adicionar novas características e comportamentos aos herdados da superclasse. A subclasse pode ter um comportamento diferente da superclasse, redefinindo o método herdado. A subclasse é uma especialização da superclasse. Toda instância da subclasse é também uma instância da superclasse. O resultado de uma seqüência de heranças é uma hierarquia de classes. Exemplificando, sob o ponto de vista administrativo (no contexto de um banco, por exemplo) a noção de Pessoa geralmente é subdividida (subclassificada) em: Pessoa Física (um ente individual) e Pessoa Jurídica (uma empresa ou sociedade). Uma possível descrição da estrutura (hierarquia de agregação /decomposição) de cada uma destas classes poderia ser:

17 Note que as três propriedades mais à esquerda (Nome, Endereço e Telefone) são comuns às duas classes. Como ambas as classes são subclasses da classe Pessoa, estas propriedades podem ser mais bem descritas diretamente na classe Pessoa, evitando, desta forma, a repetição observada acima. O efeito final é o mesmo, ou seja, os objetos pertencentes às classes PessoaFísica e PessoaJurídica terão as seis propriedades que lhe são características (as três comuns, mais as três

18 particulares). Isto ocorre em função das classes PessoaFísica e PessoaJurídica serem especializações da classe Pessoa e, portanto, herdarem as suas propriedades. A herança de propriedades também ações. Considere a hierarquia de especialização /generalização que se segue. Nela está expresso que Mamífero e Ave são subclasses (especializações) de Animal, e que Homem, Gato e Cão são subclasses de Mamífero. Uma ação característica de todos os mamíferos é mamar. Portanto, descreve-se esta ação diretamente na classe Mamífero, de forma que, por herança, todas as subclasses passam a apresentar esta propriedade. Evita-se, assim, a necessidade de descrever esta ação em cada uma das subclasses de Mamífero. Similarmente, uma ação característica de todos os animais é olhar. Por herança, as subclasses imediatas de Animal (Ave, Mamífero, etc) passam a apresentar esta propriedade e, por transitividade, as subclasses destas classes também passam a fazê-lo. O resultado deste mecanismo de herança de propriedades é que um objeto da classe Cão, por exemplo, inclue em seu comportamento peculiar as ações olhar e mamar, além de outras ações bem particulares que estarão descritas diretamente na classe Cão.

19 POLIMORFISMO É a capacidade de tratarmos objetos de diferentes tipos de uma mesma maneira desde que eles tenham um ancestral em comum Objetos de classes diferentes podem ter métodos com mesmo nome e cada objeto responderá adequadamente de acordo com seu método. Métodos da mesma classe podem ter o mesmo nome, desde que possuam quantidade ou tipo de parâmetros diferentes. Métodos da classe derivada podem ter nomes iguais aos da classe base, inclusive com parâmetros iguais. Em linguagem estruturada: Abstração da figura em uma definição de tipo: registro variante ou estrutura com um campo que discrimina entre os diferentes tipos de figuras PROCEDURE Display (umafigura: Figura); BEGIN CASE umafigura.figuratipo OF Triangulo: MostrarTriangulo (umafigura.triangulo) Retangulo: MostrarRetangulo (umafigura.retangulo) Quadrado: MostrarQuadrado (umafigura.quadrado) Circulo: MostrarCirculo (umafigura.circulo) END END

20 Em linguagem OO com ligação dinâmica: Implementar um método para cada figura, mas o mesmo nome pode ser usado para cada uma delas. Não é responsabilidade do usuário determinar o método correto a ser invocado. Vantagens: Sobrecarga de nomes Mais adaptável à mudança Uso de código reutilizável genérico

21 MÉTODO Um grupo de instruções em uma classe, que define como os objetos da classe se comportarão. Os métodos são semelhantes a funções em outras linguagens, mas sempre precisam estar localizados dentro de uma classe. Método de classe: Um método que opera em uma classe isoladamente, e não em instancia específicas de uma classe. Método de instância: Um método de um objeto que opera sobre este objeto manipulando os valores de suas variáveis de instancia. Como os métodos de instância são muito mais comuns do que os métodos de classe, eles normalmente são chamados apenas de métodos.

22 CLASSES E OBJETOS Uma classe é uma definição para um tipo de entidade da mesma maneira como uma entrada em um dicionário é uma descrição de um tipo de entidade, como um carro. Um objeto é uma abstração para uma única entidade, como seu carro. Uma classe define regras. Um objeto define fatos. Um objeto é instanciado (criado) de acordo com as regras definidas por sua classe. É um tipo de dado, como os já conhecidos, para declarar variáveis. Uma variável de uma classe é chamada de Objeto. Definir uma classe não cria um objeto, assim como um tipo de variável NÃO é uma variável. Variáveis de Classe: São os dados declarados em uma classe Instância: Temos uma instância de uma classe quando declaramos um objeto a partir de uma classe. É semelhante à declaração de uma variável. MODELAGEM DE DADOS Do desenho de sistemas de informação, a modelagem de dados consiste em desenhar o sistema de informações, concentrando-se nas entidades lógicas e nas dependências lógicas entre essas entidades. Na fase inicial do desenvolvimento de um projeto de software, a ênfase será no desenho de um modelo conceitual. Este pode ser detalhado em um modelo lógico dos dados às vezes chamado de modelo de dados funcional. Em estágios posteriores, o modelo pode ser traduzido no modelo físico.

23 REUTILIZAÇÃO A capacidade de se otimizar a produtividade do programador depende diretamente da maneira como o software disponibiliza a reutilização do código gerado. De fato, a maioria dos programadores profissionais, já reutiliza código anteriormente gerado, porém a perfeita reutilização consiste na utilização COMPLETA de um código gerado para algum sistema SEM qualquer outra adaptação prévia. Quatro requerimentos de software reutilizável Os fatores importantes em reutilização de software são plenamente conhecidos há muito tempo. Esses fatores são: Documentação - deve haver informação adequada sobre o que cada componente de software reutilizável pode fazer. Flexibilidade - um componente verdadeiramente reutilizável deve ser aplicável em mais de um contexto. Visibilidade - para reutilizar software, os desenvolvedores devem poder encontrar os componentes a reutilizar (em um catálogo de componentes reutilizáveis, por exemplo). Eficiência - um componente de reutilizável não será utilizado se não tiver a eficiência requerida pelo programa de aplicação.

24 BIOGRAFIA CHAGAS JUNIOR, WALTER ALVES. O QUE É ORIENTAÇÃO À OBJETOS?, Belo Horizonte, [s.n.], Jun Disponível em: <http://www.geocities.com/siliconvalley/bay/1058/oop.html>. Acesso em: mar Conceitos de Orientação a Objetos, [S.I.], [s.n.]. Disponível em: <http://groups.msn.com/cafedotnet/conceitosdeorientaoaobjetos.msnw>. Acesso em: mar DELPHI Orientação a Objetos + Object Pascal, [S.I.], [s.n.]. Disponível em: <http://www.firstsoft.com.br/curso/delphi_avancado1.htm >. Acesso em: mar HARADA, ELAINE TEIXEIRA DE OLIVEIRA. Orientação a Objetos - Uma Introdução à Programação Orientada a Objetos DCC ICE - UFAM, 2004, [S.I.], [s.n.]. Disponível em: <http://www.dcc.ufam.edu.br/~elaine/>. Acesso em: mar LIMA, BRUNO R. Orientação a Objetos e Java Na Prática Minicurso : Entendendo orientação a objetos e aplicando-a na linguagem Java em um exemplo prático, São Paulo, Conexão Java, Ago Disponível em: <http://www.conexaojava.com.br/conexaojava04/download/minicursos/oo.e.java.na.pra tica-conexao.java.2004.pdf>. Acesso em: mar Modelagem de dados, [S.I.], [s.n.]. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/modelagem_de_dados>. Acesso em: mar Pequeno dicionário básico de orientação a objetos em Java, São Paulo, Linha de código, Ago Disponível em: <http://www.linhadecodigo.com.br/artigos.asp?id_ac=95>. Acesso em: mar Programação Orientada a Objetos - LSC / INF / UFSC, Santa Catarina, [s.n.]. Disponível em <http://www.inf.ufsc.br/poo>. Acesso em: mar SEBESTA, ROBERT W. Conceitos de Linguagens de Programação / Robert W. Sebesta; trad. José Carlos Barbosa dos Santos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas,

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Manipulação de Arquivos em Pascal

Manipulação de Arquivos em Pascal Manipulação de Arquivos em Pascal Estrutura de Dados II Aula 03 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox 1 Para implementar programa infantil para ordenação (alfabética) de

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Métodos de Construção de Software: Orientação a Objetos. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Métodos de Construção de Software: Orientação a Objetos. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Métodos de Construção de Software: Orientação a Objetos Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Problemas com Modelagem Funcional Falta de aproximação de conceitos com o mundo real

Leia mais

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS 7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS Até... 7.1 Alocação Estática Alocação de Espaço em Memória Como já foi visto anteriormente, a memória de um computador compõe-se de uma sequência de palavras,

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos O FOCO NO MUNDO REAL Orientação a objetos A orientação a objetos (OO) foi concebida na década de 70. Origem na linguagem SIMULA-67 (década de 60 - Noruega), que já implementava

Leia mais

1 Funções básicas de implementação de arquivos

1 Funções básicas de implementação de arquivos 1 Funções básicas de implementação de arquivos 1.1 Definindo registros Depois de um objeto do mundo real ter sido modelado, ou seja, após seus atributos importantes (e relevantes) terem sido identificados,

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Histórico A orientação a objetos (OO) foi concebida na década de 70. Origem na linguagem SIMULA-67 (década

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 01 Orientação a Objetos Edirlei Soares de Lima Paradigmas de Programação Um paradigma de programação consiste na filosofia adotada na

Leia mais

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS Jean Henrique Zenzeluk* Sérgio Ribeiro** Resumo. Este artigo descreve os conceitos de Orientação a Objetos na linguagem de programação

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário Filas Fila é um tipo de lista linear onde as inserções são realizadas num extremo (final da Fila) e as remoções restritas ao outro (começo da Fila). O primeiro a entrar é o primeiro a sair e último a entrar

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Aula I Apresentação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Professor EDILBERTO M. SILVA edilms@yahoo.com Bacharel em Ciência

Leia mais

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada.

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada. Texto retirado e adaptado da apostila A Linguagem Pascal, disponível no site http://www.portaldaprogramacao.com (autor: desconhecido) ARQUIVOS Anteriormente, foi estudado o conceito de tabelas em memória

Leia mais

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada Programação Estruturada Programação Estruturada Paradigmas de Linguagens de Programação As linguagens desse paradigma são muitas vezes chamadas de linguagens convencionais, procedurais ou imperativas.

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Influenciam nossa percepção; ajudam-nos a organizar e a coordenar a Classes estimulam projeto centrado em dados:

Influenciam nossa percepção; ajudam-nos a organizar e a coordenar a Classes estimulam projeto centrado em dados: O Paradigma Orientado a Objetos Paradigma e Programação Orientada a Objetos Prof. João Carlos Pinheiro jcpinheiro@ifma.edu.br 1 Não é um paradigma no sentido estrito: é uma subclassificacão do imperativo

Leia mais

Material de Apoio 5. int getres() { return res; O que estas classes possuem em comum? 1) 2) 3)

Material de Apoio 5. int getres() { return res; O que estas classes possuem em comum? 1) 2) 3) pg. 1/6 Material de Apoio 5 Herança Observe o código das classes Fatorial e Fibonacci apresentados abaixo. class Fatorial { class Fibonacci { private int n, res; private int n, res; public Fatorial( int

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

ÍNDICE. Delphi... 3 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 06 CAPÍTULO 2 INSTALANDO O DELPHI... 10

ÍNDICE. Delphi... 3 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 06 CAPÍTULO 2 INSTALANDO O DELPHI... 10 Delphi 7 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 06 CAPÍTULO 2 INSTALANDO O DELPHI... 10 CAPÍTULO 3 INICIANDO O Delphi... 18 FORM DESIGN... 19 CODE EDITOR... 23 OBJECT INSPECTOR... 26 OBJECT TREE VIEW... 29 PALHETA

Leia mais

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063)

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Aula 5 Herança Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Prof. Bruno

Leia mais

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063)

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Aula 6 Polimorfismo Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Prof.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS- REVISÃO

FUNDAMENTOS DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS- REVISÃO FUNDAMENTOS DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS- REVISÃO Dado que a UML é uma ferramenta inserida no paradigma da orientação a objetos, vamos rever alguns conceitos fundamentais, dentre os quais, destacamos: Classificação,

Leia mais

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética 2 PARADIGMA IMPERATIVO 2.1 CONCEITO As linguagens que pertencem ao paradigma imperativo tomam por base a perspectiva da máquina. Ou seja, no modo como o computador executa programas em linguagem de máquina.

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos 1 PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos Arquivos Permitem que gravemos nossas informações em dispositivos físicos Pendrive HD Estão organizados logicamente em registros Cada registro é similar a um campo

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

Programação Orientada a Objetos OOP. IFES Campus Vitória Engenharia Elétrica 2015-2 Professor: Danilo A. Silva

Programação Orientada a Objetos OOP. IFES Campus Vitória Engenharia Elétrica 2015-2 Professor: Danilo A. Silva Programação Orientada a Objetos OOP IFES Campus Vitória Engenharia Elétrica 2015-2 Professor: Danilo A. Silva Sobre a disciplina Carga horária : 60 horas (30 teóricas e 30 práticas) Material do curso estará

Leia mais

2ª Lista de Exercícios Orientação a Objetos

2ª Lista de Exercícios Orientação a Objetos 1 Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Departamento de Ciência da Computação Programação de Computadores II Professores: Leandro A. F. Fernandes, Luiz André P. P. Leme 2ª Lista de Exercícios

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em Java. Herança

Programação Orientada a Objetos em Java. Herança Universidade Federal do Amazonas Departamento de Ciência da Computação IEC481 Projeto de Programas Programação Orientada a Objetos em Java Herança Professor: César Melo Slides baseados em materiais preparados

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL Leitura: Engenharia de Software - Roger S. Pressman Cap 16 - Linguagens de Programação e Codificação (exceto 16.2) Introdução à Programação com Pascal - Sérgio E. R.

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Polimorfismo. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Polimorfismo. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Polimorfismo Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Polimorfismo; Polimorfismo Java; Métodos Abstratos Java Classes Abstratas Java Exercício - Java Polimorfismo C++ Classe Abstrata C++; Funções

Leia mais

Análise e Design OO com UML

Análise e Design OO com UML Análise e Design OO com UML Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 03/01/2015 1.3 Revisão e atualização HEngholmJr 24/12/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr 9/1/2012 1.1 Correção

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos.

Resumo da última aula. Compiladores. Tipos. Regras semânticas. Expressões de tipos. Análise Semântica e checagem de tipos. Resumo da última aula Compiladores Análise semântica Verificação de tipos 1 Implementação: Esquemas S-atribuídos: Mecanismo bottom-up direto Esquemas L-atribuídos: Mecanismo top-down: Necessita gramática

Leia mais

Parte I. Orientação a objetos no PHP. Contato: Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/

Parte I. Orientação a objetos no PHP. Contato: <lara.popov@ifsc.edu.br> Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/ Parte I Programação para WEB II Orientação a objetos no PHP Contato: Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/ Programação para WEB II 1 PHP Estruturado Os programadores

Leia mais

Capítulo 14. Herança a e Polimorfismo. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra

Capítulo 14. Herança a e Polimorfismo. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra Capítulo 14 Herança a e Polimorfismo Objetivos do Capítulo Apresentar os conceitos de herança e de polimorfismo. Explorar os diversos recursos disponíveis no Java para a aplicação da herança e do polimorfismo

Leia mais

INFORMÁTICA (SUBÁREA : DESENVOLVIMENTO E DESENVOLVIMENTO WEB)

INFORMÁTICA (SUBÁREA : DESENVOLVIMENTO E DESENVOLVIMENTO WEB) CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS INFORMÁTICA (SUBÁREA : DESENVOLVIMENTO E DESENVOLVIMENTO WEB) Uso exclusivo do IFMS. GABARITO QUESTÃO 1 (Valor 4 pontos) A Lei nº 11.892, de 29

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE STRINGS

MANIPULAÇÃO DE STRINGS MANIPULAÇÃO DE STRINGS O TIPO DE DADO STRING Os strings, como trechos de texto, são os tipos de dados mais familiares aos seres humanos. O Pascal padrão não fornecia tipos de dados de String; tínhamos

Leia mais

Orientação a Objetos. Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java. Gil Eduardo de Andrade

Orientação a Objetos. Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java. Gil Eduardo de Andrade Orientação a Objetos Conceitos Iniciais Introdução a Linguagem Java Gil Eduardo de Andrade Conceitos: Orientação a Objeto Introdução Abordagem típica no desenvolvimento de sistemas complexos; Consiste

Leia mais

CAPITULO 1 - PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS

CAPITULO 1 - PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS 11 INTRODUÇÃO A programação orientada a objetos foi motivada devido a necessidade de desenvolvimento de software de qualidade, para uma maior reutilização e níveis de manutenção, e assim aumentar a produtividade

Leia mais

Curso Java Starter. www.t2ti.com 1

Curso Java Starter. www.t2ti.com 1 1 Apresentação O Curso Java Starter foi projetado com o objetivo de ajudar àquelas pessoas que têm uma base de lógica de programação e desejam entrar no mercado de trabalho sabendo Java, A estrutura do

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução. Carlos Lopes

Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução. Carlos Lopes Programação Orientada a Objetos e Java - Introdução Carlos Lopes POO e Java Objetivo: proporcionar uma visão dos conceitos de POO e do seu uso na estruturação dos programas em Java. Classes e objetos em

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Linguagens de Programação Material

Leia mais

Análise Orientada a Objetos

Análise Orientada a Objetos Análise Orientada a Objetos Breve Histórico: Fim da década de 80: amadurecimento da Orientação a Objeto Década de 1990: diversas proposições a partir de diversos autores, como Booch, Rumbaugh e Jacobson.

Leia mais

AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO

AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO 1 AULA 1: PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Ementa 2 Programação Imperativa. Programação Paralela e Concorrente. Programação Lógica. Programação Funcional.

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo

Programação Orientada a Objetos em java. Polimorfismo Programação Orientada a Objetos em java Polimorfismo Polimorfismo Uma característica muito importante em sistemas orientados a objetos Termo proveniente do grego, e significa muitas formas Em POO, significa

Leia mais

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Memória Variáveis e constantes Tipos primitivos de dados Operadores Comandos

Leia mais

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa Aula 12: Funções Nesta aula explicaremos o que são e como usar funções nos seus programas em JavaScript. Você aprenderá como elas podem receber e retornar valores à estrutura que as acionou. Entenderá

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir:

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: Introdução à Informática 1 de 6 Data: 29/05/04 1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: program eq2grau; uses WinCrt, Strings;

Leia mais

Paradigmas de Linguagens de Programação

Paradigmas de Linguagens de Programação Paradigmas de Linguagens de Programação Faculdade Nova Roma Cursos de Ciências da Computação (6 Período) Prof. Adriano Avelar - Site: www.adrianoavelar.com Email: edson.avelar@yahoo.com.br Ementa Introdução

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Classes, Atributos, Métodos e Objetos Programação de Computadores II Professor: Edwar Saliba Júnior 1) Java é uma linguagem orientada a objetos. Para que possamos fazer uso

Leia mais

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Introdução à Programação Orientada a Objetos Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 Histórico das linguagens de programação ENIAC (1944) Programação

Leia mais

Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Fundamentos Orientação a Objetos

Programação Estruturada e Orientada a Objetos. Fundamentos Orientação a Objetos Programação Estruturada e Orientada a Objetos Fundamentos Orientação a Objetos 2013 O que veremos hoje? Introdução aos fundamentos de Orientação a Objetos Transparências baseadas no material do Prof. Jailton

Leia mais

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Índice 1. Algoritmos 3 2. Fases de um Algoritmos 4 3. Estrutura de Algoritmos 5 4. Variáveis 6

Leia mais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais Curso de Java Orientação a objetos e a Linguagem JAVA Roteiro A linguagem Java e a máquina virtual Objetos e Classes Encapsulamento, Herança e Polimorfismo Primeiro Exemplo A Linguagem JAVA Principais

Leia mais

Programa Analítico. Introdução. Origens da programação Orientada a Objetos. Paradigma procedural. Paradigma Orientado a Objetos.

Programa Analítico. Introdução. Origens da programação Orientada a Objetos. Paradigma procedural. Paradigma Orientado a Objetos. Programação II Prof. Gustavo Willam Pereira e-mail: gustavowillam@gmail.com ENG10082 Programação II 1 Ementa Programação orientada a objetos: classes e objetos, atributos e métodos, especificadores de

Leia mais

Listas Lineares. Fundamentos

Listas Lineares. Fundamentos Listas Lineares Fundamentos Uma lista linear é uma coleção L:[a 1, a 2,..., a n ], n 0, cuja propriedade estrutural baseia-se apenas na posição relativa dos elementos, que são dispostos linearmente. Se

Leia mais

Aula 1 - Programação III Programação Visual (Visual Basic)

Aula 1 - Programação III Programação Visual (Visual Basic) Aula 1 - Programação III Programação Visual (Visual Basic) 1. Introdução O objetivo da disciplina Programação III é apresentar uma nova visão de programação chamada de programação visual. A programação

Leia mais

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language)

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language) Programação com Objectos Processamento de Dados I 3. UML (Unified Modeling Language) 1 Modelo UML Diagrama de classes Programação com Objectos / Processamento de Dados I 2 Modelo O desenvolvimento de programas

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos 1 Programação Orientada a Objetos No Pascal da Borland a partir da versão 5.5 encontramos o tipo Object (palavra reservada) Encapsulamento Um tipo objeto é uma estrutura de dados que contém um número fixo

Leia mais

Técnicas de Programação Avançada TCC- 00175 Profs.: Anselmo Montenegro www.ic.uff.br/~anselmo. Conteúdo: Introdução à Orientação a Objetos

Técnicas de Programação Avançada TCC- 00175 Profs.: Anselmo Montenegro www.ic.uff.br/~anselmo. Conteúdo: Introdução à Orientação a Objetos Técnicas de Programação Avançada TCC- 00175 Profs.: Anselmo Montenegro www.ic.uff.br/~anselmo Conteúdo: Introdução à Orientação a Objetos Introdução Paradigmas de programação Programação Estruturada Composição

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Técnicas de programação no desenvolvimento de um sistema em Delphi

Técnicas de programação no desenvolvimento de um sistema em Delphi Técnicas de programação no desenvolvimento de um sistema em Delphi Carlos A. P. Araújo Centro Universitário Luterano de Santarém (CEULS) Santarém Pará Brasil carlos@controlautomacao.com.br Resumo. Tempo

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Desde o seu surgimento, o manuseio da computação é baseado em linguagens de programação. Ela permite que sejam construídos aplicativos

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Fila / Alocação Estática Pag.: 1 - UNIVERSIAE O VALE O RIO OS SINOS IÊNIAS EXATAS E TENOLÓGIAS urso: Informática / iência da omputação Programação II isciplina: Linguagem de

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto :

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : O form Index A tabela Fotos A query Q_seleção_de_fotos Vide figura 46. Figura 46 O próximo passo é criar um form que

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Herança. Alberto Costa Neto DComp - UFS

Herança. Alberto Costa Neto DComp - UFS Herança Alberto Costa Neto DComp - UFS 1 Motivação Vimos como se faz encapsulamento e a importância de fazê-lo... Contudo, também é possível fazer encapsulamento em algumas linguagens não OO O que mais

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito

CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito Verifique se este caderno contém : INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Programação Orientada a Objetos C++

Programação Orientada a Objetos C++ Programação Orientada a Objetos em C++ Sumário Histórico Comparação com Java Encapsulamento Tratamento de classes e objetos Herança Polimorfismo Histórico Desenvolvido por Bjarne Stroustrup dos Bell Labs

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

Tutorial de Programação Orientada a Objeto

Tutorial de Programação Orientada a Objeto Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Tutorial de Programação Orientada a Objeto (Versão:

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Introdução Esse não é um curso de Java! O objetivo é aprender os conceitos da programação orientada a objetos,

Leia mais

Orientação a Objetos. Thiago Messias Evangelista UESC Universidade Estadual de Santa Cruz Version 2012-11-08. 1 LibreOffice Productivity Suite

Orientação a Objetos. Thiago Messias Evangelista UESC Universidade Estadual de Santa Cruz Version 2012-11-08. 1 LibreOffice Productivity Suite Orientação a Objetos Thiago Messias Evangelista UESC Universidade Estadual de Santa Cruz Version 2012-11-08 1 Abordagens História; ; Benefícios / Limitações; Referências; 2 História Tudo tem um começo...

Leia mais