Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário"

Transcrição

1 Filas Fila é um tipo de lista linear onde as inserções são realizadas num extremo (final da Fila) e as remoções restritas ao outro (começo da Fila). O primeiro a entrar é o primeiro a sair e último a entrar é também o último a sair (FIFO - First-In/First-Out). A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Exemplo Físico: Fila de caixa bancário Patindo da palavra ingles queue que significa fila, são denominadas duas operações básicas suportadas pelas Filas: Enqueue: insere um elemento no final da Fila. Dequeue: remove um elemento do começo da Fila. Exemplo de Instruções Enqueue (F, x) aumenta o tamanho da Fila F, acrescentando o elemento x no seu final. Dequeue (F, x) diminui o tamanho da Fila F, removendo e retornando o elemento posicionado no começo da Fila. Exemplo do uso das instruções da Fila (representação gráfica) Operação Estado da Fila Resultado F:[ ] Enqueue(F, a) F:[ a ] Enqueue(F, b) F:[ a, b ] Enqueue(F, c) F:[ a, b, c ] Enqueue(F, d) F:[ a, b, c, d ] Dequeue(F) F:[ b, c, d ] a Dequeue(F) F:[ c, d ] b Enqueue(F, e) F:[ c, d, e ] Página 1

2 Enqueue(F, f) F:[ c, d, e, f ] Enqueue(F, Dequeue (F)) F:[ d, e, f ] c F:[ d, e, f, c ] Dequeue(F) F:[ e, f, c ] d Dequeue(F) F:[ f, c ] e Dequeue(F) P:[ c ] f Representação gráfica de Filas começo final F: a b c d... Implementação de Filas em Pascal A implementação das Filas é viável quanto temos três recursos básicos: Espaço de memória para armazenar os elementos; Uma referência ao primeiro elemento da coleção; Uma referência à primeira posição livre, após o último elemento da fila. De acordo com as características da Fila, poderemos usar: um vetor para alocar o espaço de memória seqüêncial. duas variáveis inteiras para referenciar o primeiro elemento e a primeira posição disponível no final da fila. Para ser criada uma Fila pode ser usada a estrutura RECORD: const MAX = 50; type Elem = char; Fila = record começo: integer; final : integer; memo : array[1..max] of Elem; var F: Fila; Exemplo de armazenamento de uma fila F:[ a, b, c ] Página 2

3 F.comeco F.final F.memo F: 1 4 a b c max - Inicializar a fila, indicando que está vazia; - À medida que elementos são inseridos, o índice F.final se desloca para direita, acontecendo da mesma forma para o índice F.comeco, que indicará a próxima posição disponível. - O índice F.comeco irá sempre perseguir F.final, até quando a fila não conter mais nenhum elemento, pois teremos F.comeco igual a F.final. A seguir a representação de esvaziamento da fila: Fila no seu estado inicial F: 1 4 a b c max Removendo o elemento a F: 2 4 a b c max Removendo o elemento b F: 3 4 a b c max Removendo o elemento c F: 4 4 a b c max Algoritmo para Manipulação da Fila: a) Inicialização da Fila procedure Qinit(var F: Fila); F.comeco:= 1; F.final:= 1; Considerações: Indicar o valor 1 a F.comeco e F.final deixando-os iguais e também mostrando que a fila está vazia e a primeira posição do vetor F.memo está disponível para inserção. Inicia com valor 1 pois o vetor vai de 1..MAX, não podendo haver valor na posição 0. b) Limites da Fila Página 3

4 function QisEmpty(var F: Fila): boolean; QisEmpty:= (F.comeco = F.final); function QisFull(var F: Fila): boolean; QisFull:= (F.final > max); Considerações: Por que usar função no lugar de procedimento? Quando a Fila está vazia? Quando a Fila está cheia? A passagem por referência é dada, mas não obrigatória, uma vez que não existe a necessidade de se alterar o valor da Fila. Entretanto, não é necessário criar uma nova variável para copiar a pilha na memória (quanto > MAX > Tempo) c) Inserindo elementos na Fila procedure Enqueue(var F:Fila; x: Elem); if not QisFull(F) then F.memo[F.final]:=x; F.final:=F.final +1; end else writeln( Queue Overflow ); Considerações: Há espaço para uma nova inserção? Se não, mensagem Queue Overflow Insere um novo elemento no final da Fila. Incrementa o valor do final. d) Retirando elementos da Fila function Dequeue(var F: Fila): Elem; if not QisEmpty(F) then Dequeue:= F.memo[F.comeco]; F.comeco:= F.comeco + 1; end else writeln( Queue Underflow ); Considerações: Página 4

5 A Fila está vazia? Remover sempre do começo da Fila. Retorna o elemento decrementado do começo da Fila. Se tentar remover um elemento da Fila vazia, mensagem Queue Underflow. Problemas na Inplementação Seqüencial de Filas Exemplo: - uma determinada fila com capacidade de armazenamento de 5 elementos (max = 5). Representação de um fila cheia F: 1 6 a b c d e Sempre que um elemento é removido, o índice que indica o começo desloca-se para a direita. - Se inicialmente ele vale 1, após todos os elementos derem sido removidos da Fila a situação será: Representação de um fila: está cheia ou vazia? F: 1 6 a b c d e Onde: a função QisFull( ) indica que não há espaço livre (F.final > max) se for inserir um elemento e a função QisEmpty dirá que a fila está vazia (F.comeco = F.final) se tentarmos remover um elemento. - Deperdício de memória e Problemas de lógica. Solucionando Problemas de Implementação Seqüencial - Acrescentar uma variável que sirva de contador para saber quanto elementos contém a Fila. - Inicialmente a variável deve ser zerada. - Deve ser atualização sempre que for adicionado ou removido algum elemento. F: a b c d Página 5

6 - O desperdício de espaço pode ser sanado com uma posição prontamente disponível, ou seja, a posição 1 estar localizada imediatamente após a posiçao max, indicando que a fila está cheia e não há espaço livre conforme a representação abaixo: Representação circular de uma fila max 1 a... 2 b começo final 6 5 e d 4 c 3 - Alocando a área de memória conforme a figura acima, um índice i com valor max+1 apontaria primeira posição, com valor max+2 apontaria a segunda posição e assim por diante, porém as células de memória são dispostas de forma linear e não em círculo. - Para isso, é necessário que sempre que for incrementado e seu valor ultrapassar a constante max, seu valor será definido com 1. procedure adc(var i:integer); i:= i+1; if i>max then i:= 1; Implementação Circular para Filas Obs: - Note que a rotina adc, não estará disponível aos usuários em Filas.tpu, pois não está declarada na seção interface sendo assim exclusivamente de uso restrito da unidade. - Serão usadas para incremento e decremento as rotinas predefinidas pela linguagem Pascal, inc() e dec() respectivamente. unit Filas; interface const max = 50; type Elem = char; Fila = record total : integer; comeco: integer; final : integer; memo: array[1..max] of Elem; Página 6

7 procedure Qinit(var F: Fila); function QisEmpty(var F: Fila): boolean; function QisFull(var F: Fila): boolean; procedure Enqueue(var F: Fila) x: Elem; function Dequeue(var F: Fila): Elem; implementation procedure Qinit(var F: Fila); F.total:= 0; F.comeco:= 1; F.final:= 1; function QisEmpty(var F: Fila): boolean; QisEmpty:= (F.total = 0); function QisFull(var F: Fila): boolean; QisFull:= (F.total = max); procedure abc(var i:integer); i:= i+1; if i>max then i:= 1; procedure Enqueue(var F:Fila; x: Elem); if not QisFull(F) then F.memo[F.final]:=x; adc(f.final); inc(f.total); end else writeln( Queue Overflow ); function Dequeue(var F: Fila): Elem; if not QisEmpty(F) then Dequeue:= F.memo[F.comeco]; adc(f.comeco); dec(f.total); end else writeln( Queue Underflow ); end. Página 7

8 Exercícios 1. Mostre a situação de uma fila F, inicialmente vazia. Após a execução de cada uma das seguintes operações: Enqueue(F, a); Enqueue(F, b); Enqueue(F, c); Enqueue(F, d); Dequeue(F); Dequeue(F); Enqueue(F, e); Dequeue(F); Enqueue(F, f); Dequeue(F); Enqueue(F, g); Enqueue(F, Dequeue(F)); 2. O impasse filavazia/cheia, na implementação circular, foi solucionado com o uso de uma variável contadora. Uma outra forma de resolver o problema seria impedir que o índice final alcançasse o índice começo, deixando sempre pelo menos uma posição livre entre o primeiro e o último elemento da fila. Apresente uma nova implementação circular para o tipo Fila que se baseie neste princípio para detectar fila vazia/cheia. 3. Vimos que uma fila dupla é uma lista linear na qual os elementos podem ser inseridos ou removidos de qualquer extremo. Baseando-se na implementação circular apresentada para filas, codifique uma unidade de rotinas para manipulaçao de filas duplas. A unidade deve conter rotinas para inicializar, testar fila vazia/cheia, inserir à esquerda, inserir à direita, remover à esquerda e também à direita. 4. Dependendo do conjunto de operações que decidimos aplicar sobre uma variável do tipo fila dupla, ela poderá se comportar como uma pilha ou então como uma fila. Isto seria vantajoso numa aplicação que precisasse usar tanto pilhas quanto filas, pois bastaria ter uma implementação de fila dupla. Mostre como uma fila dupla pode funcionar como: a) uma pilha b) uma fila 5. É possível que uma única fila dupla seja utilizada para representar duas pilhas distintas. Admitindo que a implementação solicitada no exercício 3 esteja disponível, utilize as operações de fila dupla para desenvolver rotinas para inicializar, inserir e remover objetos destas pilhas. 6. Seria possível utilizar uma fila dupla para representar duas filas simples? 7. Considerando que você tem a disposição duas pilhas. Mostre como elas podem ser utilizadas em conjunto para simular o funcionamento de uma fila. [Dica: utilize uma pilha como espaço de armazenamento e a outra como espaço auxiliar para operações de movimentação de dados]. Página 8

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Fila / Alocação Estática Pag.: 1 - UNIVERSIAE O VALE O RIO OS SINOS IÊNIAS EXATAS E TENOLÓGIAS urso: Informática / iência da omputação Programação II isciplina: Linguagem de

Leia mais

Lista restrita onde as operações de inserção e retirada são feitas nas extremidades. Deque (fila de final duplo).

Lista restrita onde as operações de inserção e retirada são feitas nas extremidades. Deque (fila de final duplo). 1. Uma fila dupla é uma lista linear na qual os elementos podem ser inseridos ou removidos de qualquer etremo. Baseando-se na implementação circular apresentada para filas, codifique uma unidade de rotinas

Leia mais

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS 7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS Até... 7.1 Alocação Estática Alocação de Espaço em Memória Como já foi visto anteriormente, a memória de um computador compõe-se de uma sequência de palavras,

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 9: Filas com Alocação de Memória Estática O objetivo desta aula é apresentar estrutura de dados Fila e suas aplicações. Motivação A estrutura

Leia mais

Estrutura de Dados Pilha (Stack)

Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados que corresponde a uma lista sequencial com a propriedade seguinte: LIFO O primeiro elemento a entrar é o último a sair ( Last in First Out ) Operações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Pilhas Filas Deques Pilhas,,f filas e deques Vimos que as listas lineares admitem inserção e eliminação

Leia mais

3.4 Representação física: alocação encadeada (dinâmica) Ptlista - variável ponteiro externa que indica o início da lista.

3.4 Representação física: alocação encadeada (dinâmica) Ptlista - variável ponteiro externa que indica o início da lista. 3.4 Representação física: alocação encadeada (dinâmica) As posições de memória são alocadas (ou desalocadas) na medida em que são necessárias (ou dispensadas). Os nós de uma lista encontram-se aleatoriamente

Leia mais

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila

EAD Fila. - algumas operações realizam-se na frente/cabeça e outras na cauda da Fila EAD Fila - os seus elementos são processados por ordem de chegada: - o primeiro elemento a entrar na Fila é o primeiro a sair - FIFO ( First In First Out ). - algumas operações realizam-se na frente/cabeça

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Listas Duplamente Encadeadas

Listas Duplamente Encadeadas Listas Duplamente Encadeadas! quando for preciso seguir a seqüência de elementos em ambos os sentidos! cada nó possui dois ponteiros: ant e prox ant prox a b c d Início Fim 1 Listas Duplamente Encadeadas

Leia mais

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO A Pilha Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br 1/5

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

Manipulação de Arquivos em Pascal

Manipulação de Arquivos em Pascal Manipulação de Arquivos em Pascal Estrutura de Dados II Aula 03 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox 1 Para implementar programa infantil para ordenação (alfabética) de

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse Simulação O que é uma simulação? realização da evolução de um sistema estocástico no tempo Como caracterizar

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para

Leia mais

Estruturas de Dados com Jogos. Capítulo 3 Filas - Alocação Sequencial e Estática

Estruturas de Dados com Jogos. Capítulo 3 Filas - Alocação Sequencial e Estática Estruturas de Dados com Jogos Capítulo 3 Filas - Alocação Sequencial e Estática Seus Objetivos neste Capítulo Entender o que é e para que serve uma estrutura do tipo Fila; Desenvolver habilidade para implementar

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 19/12/2005 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 19/12/2005 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Barra de LEDs Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 19/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE STRINGS

MANIPULAÇÃO DE STRINGS MANIPULAÇÃO DE STRINGS O TIPO DE DADO STRING Os strings, como trechos de texto, são os tipos de dados mais familiares aos seres humanos. O Pascal padrão não fornecia tipos de dados de String; tínhamos

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. PILHA DINÂMICA 3. PILHA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma pilha é um tipo especial de Pilha na quais todas as inserções e remoções são feitas na primeira posição, que é chamada de topo. Outro nome

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Códigos de barra EAN13:

Códigos de barra EAN13: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI - Prof. Alberto Cezar de Carvalho Página 1 Códigos de barra EAN13: 1. COMO FUNCIONA: A leitora ótica foi projetada para ler barras ou ausência de barras com 0,33 mm de espessura.

Leia mais

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada Programação Estruturada Programação Estruturada Paradigmas de Linguagens de Programação As linguagens desse paradigma são muitas vezes chamadas de linguagens convencionais, procedurais ou imperativas.

Leia mais

Listas Lineares. Fundamentos

Listas Lineares. Fundamentos Listas Lineares Fundamentos Uma lista linear é uma coleção L:[a 1, a 2,..., a n ], n 0, cuja propriedade estrutural baseia-se apenas na posição relativa dos elementos, que são dispostos linearmente. Se

Leia mais

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil 3. LISTAS LINEARES PARTE - III Disciplina - Estrutura de Dados Segundo Pereira(2002),

Leia mais

Pilhas. Profa Morganna Diniz

Pilhas. Profa Morganna Diniz Pilhas Profa Morganna Diniz Pilhas Geralmente pilhas são úteis em situações em que dados devem ser recuperados em ordem inversa a do armazenamento É uma estrutura de dados linear que permite acesso por

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

Filas COMANDOS EM C++ PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FILA. Biblioteca padrão <queue>

Filas COMANDOS EM C++ PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FILA. Biblioteca padrão <queue> Filas Uma fila é uma lista linear em que as inserções são realizadas num extremo, ficando as remoções restritas a outro. palavra da língua inglesa, significa fila. Por tradição, as duas operações básicas

Leia mais

Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória

Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória Valor: 0,5 pontos (5% da nota total) Documentação em Latex: +0,1 pontos Data

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação Estrutura de Dados AULA 6 Filas Estrutura de Dados A Estrutura de Dados Fila Fila é uma estrutura de dados usada em programação, que tem regras para

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

A estrutura de repetição em um algoritmo consiste na execução de um trecho do mesmo levando em consideração certas condições imposta pelo algoritmo.

A estrutura de repetição em um algoritmo consiste na execução de um trecho do mesmo levando em consideração certas condições imposta pelo algoritmo. Estrutura de repetição 1 A estrutura de repetição em um algoritmo consiste na execução de um trecho do mesmo levando em consideração certas condições imposta pelo algoritmo. Temos duas três formas de estruturas

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

WDM_1256.SYS DRIVER DA CAD12/56 PARA WINDOWS 98

WDM_1256.SYS DRIVER DA CAD12/56 PARA WINDOWS 98 Código do Documento: S142U01 Revisão: 0 WDM_1256.SYS DRIVER DA CAD12/56 PARA WINDOWS 98 1. INTRODUÇÃO WDM_1256.SYS é um kernel mode driver que gerencia o acesso à placa A/D CAD12/56 no sistema operacional

Leia mais

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Fila de prioridade Fila de prioridade é uma estrutura de dado que mantém uma coleção de elementos, cada um com uma prioridade associada. Valem as operações seguintes.

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------------- Prof. Marcelo Nogueira

----------------------------------------------------------------------------------------------------- Prof. Marcelo Nogueira LISTAS Uma lista é uma coleção de elementos do mesmo tipo dispostos linearmente que podem ou não seguir determinada organização, por exemplo: [E, E2, E, E4, E,...En], onde n deve ser >=0. Como exemplos

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito

CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - Gabarito Verifique se este caderno contém : INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir:

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: Introdução à Informática 1 de 6 Data: 29/05/04 1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: program eq2grau; uses WinCrt, Strings;

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 13) Fluxo de Controle Fluxo Seqüencial de Controle e Desvios (1) Fluxo de Controle: É a seqüência na qual instruções são dinamicamente executadas Isto

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Estruturas de Controle: Parte I Fabricio Breve Objetivos Entender as técnicas básicas de solução de problemas Desenvolver algoritmos por meio do processo de refinamento top-down

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Laboratório I Prof. Osório Balanceamento de Árvores Binárias Pag.: - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática LABORATÓRIO II AULA : Balanceamento

Leia mais

PROCEDURES E FUNÇÕES PRÉ DEFINIDAS Linguagem de programação PASCAL prof. Vera Alves FUNÇÕES ARITMÉTICAS

PROCEDURES E FUNÇÕES PRÉ DEFINIDAS Linguagem de programação PASCAL prof. Vera Alves FUNÇÕES ARITMÉTICAS Profa. Vera Alves - Pg.1 PROCEDURES E FUNÇÕES PRÉ DEFINIDAS Linguagem de programação PASCAL prof. Vera Alves FUNÇÕES ARITMÉTICAS Abs Function Retorna o valor absoluto de x. Declaração: function Abs (x);

Leia mais

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada.

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada. Texto retirado e adaptado da apostila A Linguagem Pascal, disponível no site http://www.portaldaprogramacao.com (autor: desconhecido) ARQUIVOS Anteriormente, foi estudado o conceito de tabelas em memória

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

1 Funções básicas de implementação de arquivos

1 Funções básicas de implementação de arquivos 1 Funções básicas de implementação de arquivos 1.1 Definindo registros Depois de um objeto do mundo real ter sido modelado, ou seja, após seus atributos importantes (e relevantes) terem sido identificados,

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Complexidade de Algoritmos

Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Envolvendo Estruturas de Dados Elementares Prof. Osvaldo Luiz de Oliveira Estas anotações devem ser complementadas por apontamentos em aula. Vetor

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Introdução Object Pascal/Delphi 1 INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Objetivo Demonstrar a sintaxe e a semântica do Object Pascal e a forma como esse linguagem de programação será aplicada na disciplina de

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB

Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB REVISTA DO DETUA, VOL. 2, Nº 3, SETEMBRO 1998 1 Demonstrador Animado das Técnicas de Programação de Simuladores de Eventos Discretos, utilizando o MATLAB Elizabeth Fernandez, Rui Valadas Resumo Este artigo

Leia mais

Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas

Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas Tipos de Dado Abstrato: Listas, Filas e Pilhas Estruturas de Dados Prof. Vilson Heck Junior Introdução Tradicionalmente conhecidos como Tipos de Dado Abstrato, são algumas Estruturas de Dados básicas e

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Professor Celso Masotti http://ead.celsomasotti.com.br

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Professor Celso Masotti http://ead.celsomasotti.com.br LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Professor Celso Masotti http://ead.celsomasotti.com.br Ano: 2015 1 HTML & PHP em Ambiente Web PARTE II Sumário I Decisão... 4 Operadores de Comparação... 6 II IF ELSEIF ELSE... 7

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil PARTE - IV 4.3 - ORGANIZAÇÃO DE DADOS NA PILHA Disciplina - Estrutura de Dados

Leia mais

Busca em Memória. Secundária

Busca em Memória. Secundária UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Busca em Memória Secundária e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Busca de um item em uma massa de dados que não cabe na memória principal; Procura-se

Leia mais

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética 2 PARADIGMA IMPERATIVO 2.1 CONCEITO As linguagens que pertencem ao paradigma imperativo tomam por base a perspectiva da máquina. Ou seja, no modo como o computador executa programas em linguagem de máquina.

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

Introdução à Programação. Armazenamento de Grande Quantidade de Informação Usando Vetores

Introdução à Programação. Armazenamento de Grande Quantidade de Informação Usando Vetores Introdução à Programação Armazenamento de Grande Quantidade de Informação Usando Vetores Armazenando Grande Quantidade de Informação Como armazenar tanta informação? Vetores! 2 Tópicos da Aula Hoje, aprenderemos

Leia mais

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa Aula 12: Funções Nesta aula explicaremos o que são e como usar funções nos seus programas em JavaScript. Você aprenderá como elas podem receber e retornar valores à estrutura que as acionou. Entenderá

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 05 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 05 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 05 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA ESTRUTURA DE DADOS GOIANIA 2015/2 ADELTON HENRIQUE ABISHAI LEMES BORGES NETO HENRIQUE FERREIRA

Leia mais

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90.

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90. Capítulo 8. CICLOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceito de ciclo Comandos do FORTRAN: DO END DO, EXIT 8.1 programa8a.f90 Para inicializar as atividades deste capítulo, deve-se executar: 1) Para acessar o programa

Leia mais

Para criar uma nova apresentação: 1.Escolha a opção Apresentação em Branco Clique no botão Ok

Para criar uma nova apresentação: 1.Escolha a opção Apresentação em Branco Clique no botão Ok Microsoft P ow erp oint Apresentação Microsoft PowerPoint é utilizado para desenvolver apresentações. Os trabalhos desenvolvidos com este aplicativo normalmente são apresentados com o auxílio de um data

Leia mais

Avaliação de Expressões

Avaliação de Expressões valiação de Expressões valiação de Expressões - Como efetuar o cálculo de uma expressão em um computador? Exemplo: / B C D + E Regras usuais da matemática. Os parênteses alteram a ordem das expressões:

Leia mais

Display de 7. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Display de 7. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Display de 7 Segmentos Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Para que serve? Serve para gerir vastos conjuntos de informação de

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados II Aula 1. Stored Procedures

Laboratório de Banco de Dados II Aula 1. Stored Procedures Laboratório de Banco de Dados II Aula 1 Stored Procedures Stored procedures Uma seqüência de comandos SQL pode ser agrupada, formando uma stored procedure A sua execução é comandada, invocando-se o nome

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

Pilhas Filas e Listas

Pilhas Filas e Listas Pilhas Filas e Listas Sumário Pilha: interface, aplicações e implementação Fila: interface, aplicações e implementação Lista Ligada: interface, aplicações e implementação Pilha Estrutura LIFO (last in,

Leia mais

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado.

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. Estrutura de Dados Introdução Extraído de : Estruturas de Dados Homero L. Pícollo Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. A eficiência

Leia mais

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II

Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Adicionando Propriedades e Funcionalidades aos Componentes Parte II Quantas vezes eu não lamentei por este componente não ter uma propriedade que guardasse uma lista paralela a lista que é mostrada em

Leia mais

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA.

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA. Representação de Dados Tipos de dados: Caracteres (letras, números n e símbolos). s Lógicos. Inteiros. Ponto flutuante: Notações decimais: BCD. A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Fila de Prioridade A fila de prioridade nada mais é que uma fila comum que permite que elementos sejam adicionados associados com uma prioridade. Cada elemento na fila deve possuir um dado adicional que

Leia mais

Estrutura Condicional em Java

Estrutura Condicional em Java Estrutura Condicional em Java Linguagem de Programação 1 O Java contém três tipos de instruções de seleção. A instrução if realiza uma ação se uma condição for verdadeira ou pula a ação se a condição for

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Algoritmo Iterativo. Dilema do Martelo x Edifício. O Martelo. O Edifício 01/06/2014. Dilema das ações x declarações

Algoritmo Iterativo. Dilema do Martelo x Edifício. O Martelo. O Edifício 01/06/2014. Dilema das ações x declarações Algoritmo Iterativo Fernando Cardeal Parece com o processo de seguir uma estrada: Como chegar à estrada? Como se manter na estrada? Como saber que chegou ao destino para sair da estrada? Como fazer tudo

Leia mais

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL Leitura: Engenharia de Software - Roger S. Pressman Cap 16 - Linguagens de Programação e Codificação (exceto 16.2) Introdução à Programação com Pascal - Sérgio E. R.

Leia mais

Um objeto é uma instância de uma 'classe'. Você define uma classe utilizando o trecho de código abaixo;

Um objeto é uma instância de uma 'classe'. Você define uma classe utilizando o trecho de código abaixo; um objeto; é definido; Um objeto é uma instância de uma 'classe'. Você define uma classe utilizando o trecho de código abaixo; class ClasseBase{ é instanciado; $objetobase = new ClasseBase; Caso queira,

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais