BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE"

Transcrição

1 Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Ano Letivo 2011/2012 BIOLOGIA 12º ANO Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE 2. Manipulação da Fertilidade 2.2 Infertilidade Humana e Reprodução medicamente assistida

2

3 Infertilidade É a total incapacidade de um homem ou mulher de gerar filhos biológicos, devido a limitações nos seus sistemas reprodutores. Um casal é infértil quando, após um ano de relações sexuais, sem o uso de nenhum método contraceptivo, não consegue procriar ou levar uma gravidez até ao seu termo natural. Cerca de 10% dos casais apresentam problemas de fertilidade cujas causas são múltiplas, podendo ser masculinas, femininas ou mistas.

4 Causas de infertilidade masculina Anomalias congénitas dos testículos Ausência de produção de espermatozóides Produção de espermatozóides em número insuficiente Deficiência na mobilidade dos gâmetas Percentagem elevada de espermatozóides anormais Anomalias na libertação de espermatozóides Exposição a tóxicos, como tabaco, álcool, drogas Vasectomia Disfunção sexual Cerca de 40% dos casos de infertilidade estão associados ao homem.

5 Causas de infertilidade feminina Anomalias congénitas (ausência ou atrofio dos ovários, trompas, útero...) Ausência de produção de oócitos II Anomalias na secreção hormonal, desencadeando problemas na ovulação Obstrução ou alteração das trompas Problemas ao nível do endométrio (Endometriose) Muco cervical desfavorável aos espermatozóides Exposição a tóxicos, como tabaco, álcool, drogas Tumores ováricos, hipotalâmicos e hipofisários Cerca de 45% dos casos de infertilidade estão associados à mulher.

6 Reprodução Medicamente Assistida (R.M.A.) Conjunto de técnicas que visam obter uma gestação, substituindo ou facilitando uma etapa deficiente no processo reprodutivo. Estas técnicas são normalmente utilizadas em casais inférteis, ainda que também o sejam em casais em que haja portadores do vírus da imunodeficiência humana (VIH positivo), ou do vírus da hepatite B ou C. Outras indicações são casais com elevado risco de transmissão de doença genética, como por exemplo a trissomia 21.

7 Entre as técnicas contam-se: - a inseminação artificial intra-uterina - IIU, - a estimulação ovárica, - a fertilização in vitro - FIV, - a microinjecção intracitoplasmática ICSI, - a transferência intratubária de gâmetas GIFT, - a transferência intratubária de zigotos ZIFT, - Barrigas de aluguer.

8 Inseminação intra-uterina ou inseminação artificial -IIU A Inseminação Artificial consiste em depositar os espermatozóides, previamente capacitados em laboratório, no interior do útero, usando meios artificiais em vez de cópula natural, na altura da ovulação.

9

10 Vantagens Pouco invasivo Método rápido e prático Grandes hipóteses de fertilização Desvantagens Não tem eficácia para mulheres com trompas obstruídas A fertilização pode não ocorrer, sendo necessário realizar mais um procedimento Risco de gravidez múltipla

11 Estimulação Ovárica A indução da ovulação é feita para que haja uma maior produção de oócitos II e por isso maiores hipóteses de gravidez. É realizada com o uso de medicamentos que actuam na hipófise ou directamente nos ovários, o que vai estimular o crescimento dos folículos. O objectivo da estimulação do ovário no caso da reprodução assistida é portanto, obter um maior número de oócitos nos dois ovários e evitar a atrofia dos folículos que entram em desenvolvimento. O controlo para que se obtenha somente o número de oócitos desejados é feito através de ecografia transvaginal e dosagem de hormonas. O destino destes oócitos vai depender depois da técnica de reprodução assistida a ser utilizada. No caso da fertilização in vitro, por exemplo, realiza-se uma hiperovulação, com o objectivo de se obter um maior número de óvulos, sendo depois colhidos, seleccionados e transferidos somente os necessários.

12 Fecundação in vitro FIV União (em laboratório) de um espermatozóide com um oócito, em condições de assepsia e a uma temperatura média de 37ºC; também denominada de bebé-proveta. Indicada em: - casos de lesão das trompas, - gravidez ectópica, - laqueação irreversível das trompas de Falópio, - endometriose, - infertilidade masculina ou em casos de infertilidade sem causa aparente. A taxa de sucesso varia entre 20 e 35% em mulheres até 35 anos. A partir dos 40 anos, a taxa de gravidez já é de 15%.

13 Como se Faz a FIV 1. Faz-se uma indução da ovulação, para estimular o desenvolvimento e amadurecimento de vários oócitos II. 2. Recolha dos oócitos II. 3. Realização da fertilização dos oócitos II num meio de cultura que simula o ambiente das trompas. Os espermatozóides são colocados em contacto com os oócitos para que um deles penetre a zona pelúcida. 4. Os ovos fertilizados são incubados no mesmo meio de cultura até que atinjam o estado de embrião com 6 a 8 células. 5. O melhor embrião é transferido para o útero através de um cateter especial de plástico com monitorização ecográfica (a FIV é também designada FIV-ET (Embryo Transfer)). Por vezes, vários embriões são transferidos para o útero para aumentar as hipóteses de implantação e gravidez.

14

15

16 Injecção Intracitoplasmática de Espermatozóides, Microinjecção ou ICSI (Intracytoplasmatic Sperm Injection) Esta técnica hoje em dia é a melhor técnica de tratamento da infertilidade atingindo (cerca de 50%). A ICSI é especialmente indicada para o tratamento da infertilidade masculina. É feita numa caixa de Petri com duas micropipetas, cada uma delas vai recolher o oócito II e o espermatozóide, imobilizando-os e injectando o espermatozóide no oócito II, ultrapassando a zona pelúcida. Os embriões resultantes são implantados no útero através das mesmas técnicas da fertilização in vitro atrás descritas.

17

18 Transferência intratubárica de gâmetas ou GIFT (Gamete Intrafallopian Transfer) Nesta técnica, os gâmetas são obtidos pelas mesmas técnicas utilizadas na fertilização in vitro e na microinjecção. Após serem tratados e seleccionados em laboratório, os oócitos e os espermatozóides são colocados no interior das trompas de Falópio através de laparoscopia para que aí se dê a fecundação. Neste caso, a fecundação é in vivo.

19 Transferência intratubárica de zigotos ou ZIFT (Zygote Intrafallopian Transfer) Na ZIFT, após recolha e selecção de oócitos e espermatozóides, os gâmetas são postos em contacto in vitro, num meio de cultura adequado durante 18 a 24 horas. Após a fecundação, realiza-se uma laparoscopia e transfere-se o(s) zigoto(s) para as trompas de Falópio.

20 Método muito precoce de diagnóstico pré-natal para os casais com um elevado risco de transmissão de uma doença génica (ex: polineuropatia amiloidótica familiar (PAF) ou doença dos pézinhos ) ou cromossómica (ex: trissomia 21), posterior transferência de embriões geneticamente normais. Diagnóstico genético pré-implantação ou PGD (Preimplantation Genetic Diagnostic)

21 Barrigas de Aluguer Este método tem aplicação na esterilidade feminina por impossibilidade de gestação, devido, por exemplo, à ausência de útero. Consiste na geração de um ser por outra mulher que não seja a sua mãe biológica. Para tal, pratica-se uma fecundação in vitro com gâmetas do casal com posterior colocação no útero de acolhimento ou ainda por inseminação artificial com espermatozóides do elemento masculino do casal, sendo o oócito fornecido pela mãe de substituição.

22 Criopreservação de Embriões Esta técnica é realizada quando há produção de mais embriões do que o necessário para a transferência. Apenas aqueles de boa qualidade têm maior oportunidade de sobrevivência. Os embriões excedentários são colocados numa solução especial com uma substância chamada crioprotector, que evita que os embriões sejam danificados com o frio excessivo; são então colocados em botijas de azoto líquido, onde a temperatura chega a 196ºC negativos e podem permanecer aí por tempo indeterminado. Apesar dos embriões apresentarem menor taxa de sobrevivência do que os embriões a fresco, esta técnica oferece a vantagem de uma nova oportunidade com menor custo. Os embriões são descongelados 24 horas antes da transferência, cultivados e são, posteriormente, estudados quanto à sua viabilidade.

23 A Reprodução Medicamente Assistida em Portugal Em Portugal, a primeira lei (n.º 32/2006) sobre a reprodução medicamente assistida foi aprovada em Maio do presente ano e apenas permite a procriação assistida a casais heterossexuais, casados ou a viver em união de facto registada (com pelo menos dois anos). Na sequência da promulgação desta lei, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) abriu, desde Setembro de 2007, um banco público de armazenamento de espermatozóides e oócitos (1000 euros, 750 para a dadora do oócito e 250 para a clínica). A lei da RMA vai apenas permitir o acesso a estes tratamentos a casais heterossexuais casados ou "que vivam em condições análogas às dos cônjuges há pelo menos dois anos." Excluídas ficam as mulheres sós, ou que, mesmo inférteis, não sejam casadas ou vivam com um parceiro no momento em que pretendam obter ajuda médica para engravidar.

24

RELATÓRIO ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS CENTROS DE PMA EM 2012

RELATÓRIO ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS CENTROS DE PMA EM 2012 RELATÓRIO ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS CENTROS DE PMA EM 2012 (n), n.º 2 do artigo 30.º da Lei n.º 32/2006, de 26 de julho) JULHO, 2014 CNPMA Assembleia da República Palácio de São Bento alaranjeira 1249-068

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS CENTROS DE PMA EM 2014

RELATÓRIO ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS CENTROS DE PMA EM 2014 RELATÓRIO ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS CENTROS DE PMA EM 2014 (n), n.º 2 do artigo 30.º da Lei n.º 32/2006, de 26 de julho) OUTUBRO, 2016 CNPMA Assembleia da República Palácio de São Bento 1249-068 LISBOA

Leia mais

4 Documentos de ampliação

4 Documentos de ampliação 12 BioDesafios 12 ọ Ano Guia do Professor 4 Documentos de ampliação Impacte económico das técnicas de reprodução medicamente assistida O nascimento de Louise Brown em 1978, provavelmente o acto médico

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA

PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA ÍNDICE Quando devo procurar um especialista em Reprodução Humana? Porque não engravidamos se fazemos tudo certinho? Será que tentamos adequadamente nos últimos meses?

Leia mais

a) Espermograma de alta magnificação:

a) Espermograma de alta magnificação: Novos exames avaliam a fertilidade masculina Infelizmente, ainda existe uma tendência de as pessoas culparem as mulheres por não conseguirem a concepção naturalmente; por seus óvulos problemáticos, seu

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE COLETA DE EVIDÊNCIA:

DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE COLETA DE EVIDÊNCIA: Reprodução Assistida: Indicações e Técnicas Autoria: Antônio Silvinato Augusto Barbosa Reis Edson Borges Jr Marcelo Vieira Renato Fraieta Wanderley M Bernardo DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE COLETA DE EVIDÊNCIA:

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL Protocolo de articulação de procriação medicamente assistida elaborado

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO

PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO ÍNDICE Qual Médico devo procurar para fazer o diagnóstico da causa? Será que o meu Médico está habilitado para indicar os exames e realizar o diagnóstico para nós dois?

Leia mais

Isotretinoína Aurovitas

Isotretinoína Aurovitas Isotretinoína 10 mg e 20 mg cápsulas moles Plano de Prevenção da Gravidez Guia do doente para a utilização de isotretinoína Guia do doente para a utilização de isotretinoína 10 mg e 20 mg cápsulas moles

Leia mais

Questionário. O tempo previsto para o preenchimento do questionário é de 10 minutos.

Questionário. O tempo previsto para o preenchimento do questionário é de 10 minutos. Questionário Rita Mafalda Rodrigues de Matos, a frequentar o 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a elaborar o Projecto de

Leia mais

Bioética e Reprodução Humana Assistida

Bioética e Reprodução Humana Assistida FAMINAS Faculdade de Minas Curso de Biomedicina Beatriz Rosa Dos Santos Francielle Aparecida Geovane Marques Ferreira Hellen Whaitt de Souza Iane Lobo Pereira Lucas Ribeiro Antunes Prof. Orientador: Dalton

Leia mais

Métolos Anticoncepcionais

Métolos Anticoncepcionais Métolos Anticoncepcionais Métodos de barreira: São métodos onde se cria literalmente uma barreira física para a fertilização. Na sociedade atual, o planejamento familiar é muito importante para a qualidade

Leia mais

DIA MUNDIAL DA SIDA ANOS DE VIH/SIDA NA RAM

DIA MUNDIAL DA SIDA ANOS DE VIH/SIDA NA RAM 1. EVOLUÇÃO DOS CASOS PELO ANO DO DIAGNÓSTICO E ESTADIO INICIAL DA INFEÇÃO, RAM, 1987-2013 PA: 255 (45 %); SIDA: 164 (29 %); CRS: 145 (26 %); IAG: 3 (1%). TOTAL: 567 2. N.º DE CASOS POR GRUPO ETÁRIO E

Leia mais

Estudo AFRODITE Caracterização da Infertilidade em Portugal I Estudo na Comunidade

Estudo AFRODITE Caracterização da Infertilidade em Portugal I Estudo na Comunidade Apoio Institucional e Consultoria Científica: Apoio Financeiro: Objectivos Objectivo Principal Caracterização dos conhecimentos, conceitos, atitudes, comportamentos e práticas relativos à fertilidade/

Leia mais

Maria João Sousa Nº14. Disciplina de Português

Maria João Sousa Nº14. Disciplina de Português Maria João Sousa Nº14 Disciplina de Português Os segredos da juventude Ao falarmos de juventude, de jovens associamos, de imediato, a ideia de mudança, de transformação. É, de facto, um período repleto

Leia mais

Aula 4 Saúde Reprodutiva II: Métodos Comportamentais. Prof. Ricardo Mattos UNIG,

Aula 4 Saúde Reprodutiva II: Métodos Comportamentais. Prof. Ricardo Mattos UNIG, Saúde Integral da Mulher Aula 4 Saúde Reprodutiva II: Planejamento Familiar e os Métodos Comportamentais Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Planejamento Familiar A Constituição Federal, de 1988, prevê em

Leia mais

Métodos. ''Anticoncepcionais''

Métodos. ''Anticoncepcionais'' Métodos ''Anticoncepcionais'' Os contraceptivos são as principais ferramentas de planejamento familiar. Para saber qual método adotar a mulher deve seguir as orientações de um médico, que levará em consideração

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010/ 2011 Ciências Naturais 9º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL POR PERÍODO 1º Período

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010/ 2011 Ciências Naturais 9º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL POR PERÍODO 1º Período ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010/ 2011 Ciências Naturais 9º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL POR PERÍODO 1º Período Objectivos / Competências Compreender que a saúde envolve o bem estar físico,

Leia mais

Jacy Bruns. Declaração de conflito de interesse

Jacy Bruns. Declaração de conflito de interesse Jacy Bruns Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou terapêutico

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

Vamos encarar juntos o carcinoma basocelular avançado? Bem-vindo ao

Vamos encarar juntos o carcinoma basocelular avançado? Bem-vindo ao Vamos encarar juntos o carcinoma basocelular avançado? Bem-vindo ao Programa Reconstruir Existem momentos na vida que precisam ser encarados de frente. O bom é saber que nesses momentos não estamos sozinhos.

Leia mais

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes;

Diapositivo 1. RL1 Raquel Lopes; Biologia Humana 11º ano Escola Secundária Júlio Dinis Ovar BIOLOGIA HUMANA 11º ano TD Reprodução Humana??? raquelopes 09 raquelopes15@gmail.com RL1 Diapositivo 1 RL1 Raquel Lopes; 05-01-2009 Biologia Humana

Leia mais

Vagisan Ácido Láctico

Vagisan Ácido Láctico Folheto de Instruções Leia com atenção as seguintes instruções de utilização, pois contêm informações importantes que devem ser tidas em conta aquando da utilização deste dispositivo médico. Guarde estas

Leia mais

1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.1 Sistema reprodutor masculino 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3.

1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.1 Sistema reprodutor masculino 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3. 1 Corte em seres humanos 2 Diferenças entre os sexos 2.2 Sistema reprodutor feminino 3 Fecundação 3.1 Gêmeos 4 Gestação e nascimento 5 Gravidez na adolescência e sexo responsável 5.1 Métodos contraceptivos

Leia mais

A HERANÇA DOS CROMOSSOMOS SEXUAIS

A HERANÇA DOS CROMOSSOMOS SEXUAIS CAPÍTULO 6 A HERANÇA DOS CROMOSSOMOS SEXUAIS Em muitas espécies, incluindo a humana, a diferença entre os dois sexos é determinada por um par de cromossomos: os cromossomos sexuais, heterocromossomos ou

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO A reprodução sexuada implica a produção de células sexuais, a promoção do seu encontro e, finalmente, a sua fusão - Fecundação Gónadas Locais

Leia mais

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL Texto da responsabilidade do Centro de Diagnóstico Prénatal da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Última revisão: Janeiro 2003 AMNIOCENTESE E CORDOCENTESE

Leia mais

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS

ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS ADOLESCENTES PORTUGUESES: ALIMENTAÇÃO E ESTILOS DE VIDA SAUDAVEIS Margarida Gaspar de Matos* Marlene Silva e Equipa Aventura Social & Saúde *Psicologa, Prof Ass F M H / UTL Coordenadora Nacional do HBSC/OMS

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Mário Neto DISCIPLINA: Ciências da natureza SÉRIE: 8º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L 9º Ano

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L 9º Ano D E P A R T A M E N T O DE C I Ê N C I A S F Í S I C A S E N A T U R A I S EB 1,, 3 / J I D E A N G R A D O H E R O Í S M O P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L 9º Ano A N O L E C T I V O D E 0 1 1 / 0 1

Leia mais

F1. Quando foi a última vez que a sra fez um exame preventivo para câncer de colo do útero?

F1. Quando foi a última vez que a sra fez um exame preventivo para câncer de colo do útero? Módulo F - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. F1. Quando foi

Leia mais

Gráfico 13 Conhecimento da pílula do dia seguinte

Gráfico 13 Conhecimento da pílula do dia seguinte Já precisaste de a usar ou ajudar alguém a adquiri-la? Onde? Gráfico Conhecimento da pílula do dia seguinte Conhecimento da pílula do dia seguinte Conheces a pílula do dia seguinte - Não Conheces a pílula

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo para Utilização do. Levonorgestrel. Brasília DF

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo para Utilização do. Levonorgestrel. Brasília DF MINISTÉRIO DA SAÚDE Protocolo para Utilização do Levonorgestrel Brasília DF 2012 Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A Rede Cegonha, instituída em junho

Leia mais

NºAULAS/PERIODO Planificação Anual GR Disciplina Saúde Infantil 10.ºAno Ano Letivo 2014/2015

NºAULAS/PERIODO Planificação Anual GR Disciplina Saúde Infantil 10.ºAno Ano Letivo 2014/2015 TURMAS 10º F NºAULAS/PERIODO 52 42 32 Planificação Anual GR 520 - Disciplina Saúde Infantil 10.ºAno Ano Letivo 2014/2015 MÓDULOS CONTEÚDOS ESTRUTURANTES 1. Definição de saúde e OBJECTIVOS E COMPETÊNCIAS

Leia mais

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde.

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. p.1/8 VIVER MELHOR NA TERRA 40 1º PERÍODO OBSERVAÇÃO: Apresentação SAÚDE INDIVIDUAL COMUNITÁRIA E - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. - Conhecer

Leia mais

Módulo R - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade)

Módulo R - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Módulo R - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. R1. Quando foi

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA

IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ANTONIO MAURICIO PORTO DOS SANTOS IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA Salvador 2011 ANTONIO MAURÍCIO PORTO DOS SANTOS IMUNOLOGIA DA REPRODUÇÃO HUMANA Monografia apresentada

Leia mais

Como se identifica um nome?

Como se identifica um nome? Língua Portuguesa 7º Ano Como se identifica um nome? Um nome admite quase sempre ser acompanhado de um artigo definido. Mesmo que o artigo não esteja presente, experimentamos colocá-lo antes da palavra.

Leia mais

Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil

Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil Propedêutica básica do casal infértil Conceitos -INFERTILIDADE: Ausência de contracepção após um ano de tentativa, sem a utilização de um método contraceptivo. -FECUNDIBILIDADE: É a probabilidade de se

Leia mais

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae

Hepatite A. Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae Hepatite A Género Hepatovírus, Família dos Picornaviridae 160 casos de Hepatite A foram notificados de 1 de janeiro a 7 de abril 50% dos quais foram internados Do total de doentes, 93% eram adultos jovens

Leia mais

CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DO SISTEMA REPRODUTOR ESTUDO DIRIGIDO 3

CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DO SISTEMA REPRODUTOR ESTUDO DIRIGIDO 3 CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DO SISTEMA REPRODUTOR ESTUDO DIRIGIDO 3 1. (Unir-RO) Sobre a reprodução humana, todos os itens abaixo estão corretos, exceto: a) A fecundação ocorre no útero. b) A espermatogênese

Leia mais

III ª Bienal de Turismo Subaquático na Graciosa. Acidentes de mergulho Principais causas e medidas de prevenção. Óscar Camacho Director DAN Portugal

III ª Bienal de Turismo Subaquático na Graciosa. Acidentes de mergulho Principais causas e medidas de prevenção. Óscar Camacho Director DAN Portugal III ª Bienal de Turismo Subaquático na Graciosa Acidentes de mergulho Principais causas e medidas de prevenção Óscar Camacho Director DAN Portugal Mortes em mergulho Taxa de mortalidade 1- / mergulhadores

Leia mais

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente)

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Projeto de Lei nº 131/XII (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Procede à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, que regula a utilização

Leia mais

USO DE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS POR ACADÊMICAS DA ÁREA DE SAÚDE 1. Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso Glacy Cézar Ângelo 2

USO DE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS POR ACADÊMICAS DA ÁREA DE SAÚDE 1. Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso Glacy Cézar Ângelo 2 589 USO DE MÉTODOS CONTRACEPTIVOS POR ACADÊMICAS DA ÁREA DE SAÚDE 1 Glaucy Cézar Ângelo 2, Marcos Antônio dos Santos 3, Breno Drumond 3, Adriane Jane Franco 4 Resumo: Nos meados da década de 50 e início

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES TRATAMENTO

PERGUNTAS FREQUENTES TRATAMENTO PERGUNTAS FREQUENTES TRATAMENTO ÍNDICE Temos que iniciar o tratamento a seguir ou poderemos continuar tentando com melhora no relacionamento sexual? Page 4 Qual a diferença entre Inseminação Artificial

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE

Leia mais

REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DESEJO PELOS FILHOS. Aryane Barcelos ROSSI Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos Unilago

REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DESEJO PELOS FILHOS. Aryane Barcelos ROSSI Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos Unilago REPRODUÇÃO ASSISTIDA E O DESEJO PELOS FILHOS Aryane Barcelos ROSSI Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos Unilago Natália MARTIN Fabiana NAKASHIMA Carla Silva MACHADO Natália Sperli G. M. dos

Leia mais

Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise.

Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise. Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise. Compreender o mecanismo de regulação do hipotálamo sobre a hipófise. Conhecer a ação das principais hormonas sexuais femininas estrogénios e progesterona.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Métodos Contraceptivos Reversíveis

Métodos Contraceptivos Reversíveis Métodos Contraceptivos Reversíveis Estroprogestativos orais Pílula 21 cp + 7 dias pausa existem vários, podendo ser escolhido o que melhor se adapta a cada mulher são muito eficazes, quando se cumprem

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução É a identificação atempada de uma determinada doença mesmo

Leia mais

ATENÇÃO. Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa

ATENÇÃO. Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Ano Lectivo: 2008/2009 Disciplina: Biologia Ano: 12º Turma: CT Curso: C.H. - C.T. Duração: 90 min. Data: 2 / 12 /2008 Docente: Catarina Reis NOTA: Todas

Leia mais

Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças

Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças Como planejar seu futuro e garantir uma vida sexual saudável. planejamento FaMILIaR É o conjunto de ações que auxilia o casal que deseja ter filho ou prevenir

Leia mais

Genealogias, Heredogramas ou Árvores Genealógicas pg.25

Genealogias, Heredogramas ou Árvores Genealógicas pg.25 Genealogias, Heredogramas ou Árvores Genealógicas pg.25 Genealogias ou Heredogramas São esquemas que apresentam, com uma série de símbolos, os indivíduos de uma família. Os símbolos indicam: o grau de

Leia mais

A silenciosa presença africana em Portugal

A silenciosa presença africana em Portugal A silenciosa presença africana em Portugal João Lavinha Departamento de Genética Humana Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge joao.lavinha@insa.min-saude.pt Rede trans-sariana de comunicação e troca

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A lectivo:2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Inglês,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos cinco as dos dois Ciclos, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo COGESPA 2016 PREVENÇÃO Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo Diminuir a incidência de HIV/Aids entre as mulheres

Leia mais

DECRETO N.º 27/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho

DECRETO N.º 27/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho DECRETO N.º 27/XIII Regula o acesso à gestação de substituição, procedendo à terceira alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho (procriação medicamente assistida) A Assembleia da República decreta, nos

Leia mais

Estudo sobre o Fenómeno dos Abandonos Precoces e Muito Precoces

Estudo sobre o Fenómeno dos Abandonos Precoces e Muito Precoces Estudo sobre o Fenómeno dos Abandonos Precoces e Muito Precoces VAZIOS ou CONFUSOS nos AFECTOS: Sem DESEJOS, Sem MEMÓRIAS, Sem PROJECTOS Dr. MÁRIO DAVID INTRODUÇÃO ABANDONOS PRECOCES (< 28 Semanas) ABANDONOS

Leia mais

Módulo 6: ESPECIAÇÃO. Profa. Ângela Dauch

Módulo 6: ESPECIAÇÃO. Profa. Ângela Dauch Módulo 6: ESPECIAÇÃO Profa. Ângela Dauch Ao longo dos tempos novas espécies têm surgido, enquanto outras se têm extinguido. Como se formam as novas espécies? Dois mecanismos fundamentais conduzem à especiação:

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A transmissão da Vida assegura a continuidade e a variabilidade da espécie humana. É assegurada

Leia mais

Introdução ao Cultivo Celular. Professora Melissa Kayser

Introdução ao Cultivo Celular. Professora Melissa Kayser MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA Introdução ao

Leia mais

fogo montanha recuperadores de calor

fogo montanha recuperadores de calor fogo montanha recuperadores de calor a escolha é sua Novo o requinte do design em vidro fogo montanha recuperadores de calor modelo VITRO - 3 tamanhos: Vitro 700, 800F, 900F - 3 opções de molduras - 1

Leia mais

Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico

Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico Capítulo 16: Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico página: 473 anterior seguinte Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico Urticária página: 474 16.1 Urticária Urticárias

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental a

Leia mais

geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1. Adaptado.

geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1. Adaptado. Atividade extra Questão 1 Um monge britânico dedicou grande parte de sua vida ao estudo da transmissão de características de uma geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje.

Leia mais

-VIA DA UNIMED- DOCUMENTO DE CONSENTIMENTO PÓS-INFORMADO OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE LAQUEADURA TUBÁRIA BILATERAL

-VIA DA UNIMED- DOCUMENTO DE CONSENTIMENTO PÓS-INFORMADO OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE LAQUEADURA TUBÁRIA BILATERAL -VIA DA UNIMED- DOCUMENTO DE CONSENTIMENTO PÓS-INFORMADO OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE LAQUEADURA TUBÁRIA BILATERAL DECLARAÇÃO DO USUÁRIO Fundamentação legal Lei n. 9.263 de 12/01/96 e Resolução

Leia mais

Crescimento e regeneração de tecidos vs diferenciação celular

Crescimento e regeneração de tecidos vs diferenciação celular Crescimento e regeneração de tecidos vs diferenciação celular Os exemplos de desenvolvimento que a natureza oferece por toda a parte aos nossos olhos fazem precisar que os fetos talvez já estivessem contidos

Leia mais

CENÁRIO DO CÂNCER DE MAMA

CENÁRIO DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Leia mais

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I 2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I 1. Complete as frases que se seguem preenchendo os espaços com os termos mais adequados. 1.1. Por reprodução assexuada formam-se

Leia mais

PIBID Biologia 3. Coordenadora: Professora Márcia Mendonça SISTEMA REPRODUTOR E SEXUALIDADE

PIBID Biologia 3. Coordenadora: Professora Márcia Mendonça SISTEMA REPRODUTOR E SEXUALIDADE PIBID Biologia 3 Coordenadora: Professora Márcia Mendonça UNIDADE DIDÁTICA Autor: Amanda Conor Coraiola Luana Kamarowski Tainá Schlosser SISTEMA REPRODUTOR E SEXUALIDADE 1. INTRODUÇÃO O estudo do Sistema

Leia mais

Ficha de trabalho de Ciências Naturais 5º ano

Ficha de trabalho de Ciências Naturais 5º ano Ficha de trabalho de Ciências Naturais 5º ano Questão 1 A reprodução assexuada... implica a formação de gâmetas. ocorre em animais como a planária e a esponja. origina descendentes da mesma espécie. ocorre

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique

REPRODUÇÃO HUMANA. Lásaro Henrique REPRODUÇÃO HUMANA Lásaro Henrique GAMETOGÊNESE Processo de formação de gametas. Pode ser: Espermatogênese Ovulogênese ESPERMATOGÊNESE Ocorre nos tubos seminíferos,das paredes para a luz de cada tubo. ETAPAS

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LINDA AMARA CORDEIRO MAGALDI REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LINDA AMARA CORDEIRO MAGALDI REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LINDA AMARA CORDEIRO MAGALDI REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS CURITIBA 2016 LINDA AMARA CORDEIRO MAGALDI REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA ASPECTOS ÉTICOS

Leia mais

PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO

PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO Tema: Bioética: clonagem Grupo: Sofia de Almeida Correia Rego de Freitas Curso: Química Objectivo geral do trabalho: Com o presente trabalho pretende-se

Leia mais

INJECTORAS DE ALTA PRESSÃO - 1 TANQUE PARA SALMOURA - 2 TAMBORES DE DRENAGEM - 3 AMACIADOR DE CARNE - 4

INJECTORAS DE ALTA PRESSÃO - 1 TANQUE PARA SALMOURA - 2 TAMBORES DE DRENAGEM - 3 AMACIADOR DE CARNE - 4 INJEÇÃO INJECTORAS DE ALTA PRESSÃO - 1 TANQUE PARA SALMOURA - 2 TAMBORES DE DRENAGEM - 3 AMACIADOR DE CARNE - 4 01 INJECTORAS DE ALTA PRESSÃO Vista em Perspectiva Aumentar o sabor / Melhorar a textura

Leia mais

Domínios/Subdomínio de aulas. de aulas. Terra em Transformação

Domínios/Subdomínio de aulas. de aulas. Terra em Transformação Código 4039 750-90 - Sines Ano letivo: 06/07 Departamento:Matemática e Ciências Experimentais Grupo disciplinar: 50 Disciplina: Ciências Naturais Docentes: Abílio Ferreira, Ana Diniz e Irene Serrão Manual

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA HISTEROSSALPINGOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DA HIDROSSALPINGE NUM QUADRO PÓS-DIP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal. Efeito materno e herança extracromossômica

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal. Efeito materno e herança extracromossômica Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Efeito materno e herança extracromossômica Gametas São equivalentes em relação a constituição dos genes

Leia mais

DEFICIÊNCIA DE ALFA1 ANTITRIPSINA

DEFICIÊNCIA DE ALFA1 ANTITRIPSINA DEFICIÊNCIA DE ALFA1 ANTITRIPSINA 1. A situação 2. O que é a Alfa1 3. Como se herda 4. O diagnóstico 5. O tratamento 6. Doentes Alfa 7. A associação A situação A Deficiência de alfa1 antitripsina (Alfa1)

Leia mais

DECRETO N.º 37/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho

DECRETO N.º 37/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho DECRETO N.º 37/XIII Regula o acesso à gestação de substituição, procedendo à terceira alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho (procriação medicamente assistida) A Assembleia da República decreta, nos

Leia mais

Sílvia Marlene Cunha Sorte N.º Questionário. Os malefícios do hábito tabágico no jovem adulto. Universidade Fernando Pessoa

Sílvia Marlene Cunha Sorte N.º Questionário. Os malefícios do hábito tabágico no jovem adulto. Universidade Fernando Pessoa Sílvia Marlene Cunha Sorte N.º14439 Questionário Os malefícios do hábito tabágico no jovem adulto Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências da Saúde Porto, 2008 Nota Introdutória Sílvia Marlene Cunha

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO NP 80 TIJOLOS PARA ALVENARIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO PARA ALVENARIA CARACTERÍSTICAS E ENSAIOS DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 OBJECTIVOS A presente

Leia mais

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento Nº 21 Transplante Uterino O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento de infertilidade causada por fator uterino (IFU), em pacientes com útero que não pode ser recuperado

Leia mais

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU:

PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: PRINCIPAIS AVANÇOS NA PRODUÇÃO DO PIRARUCU: OPORTUNIDADES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS MARTIN HALVERSON DIRETOR TECNOLÓGICO: PROJETO PACU AQUICULTURA TEMAS GERAIS Estado da Tecnologia Oportunidades Problemas

Leia mais

COMPREENDER A INFERTILIDADE

COMPREENDER A INFERTILIDADE Introdução A maioria dos adultos deseja ter filhos. Se pegou neste livro, é provável que você, um membro da sua família ou um amigo próximo esteja a ter dificuldades em atingir este objectivo. Não está

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Ficha de Diagnóstico

Ciências Naturais 6º ano Ficha de Diagnóstico Ciências Naturais 6º ano Ficha de Diagnóstico Grupo I 1. Os seres vivos são constituídos por células. Na fig.1 estão representadas células do organismo humano observadas ao microscópio. 1.1. Faz a legenda

Leia mais

1 Os gráficos A, B e C correspondem à taxa de fotossíntese de três plantas diferentes ocorrendo em três ambientes distintos.

1 Os gráficos A, B e C correspondem à taxa de fotossíntese de três plantas diferentes ocorrendo em três ambientes distintos. 1 BIOLOGIA Os gráficos A, B e C correspondem à taxa de fotossíntese de três plantas diferentes ocorrendo em três ambientes distintos. Gráficos da taxa fotossintética em função da temperatura da folha em

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CRM-MT Nº 14/2013 INTERESSADO: Dr. J. A. K. Casal: D. M. F. e R. P. de F. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes EMENTA: Autorização para utilização de

Leia mais

Programas de Formação Avançada de Recursos Humanos em C&T ( ) PRAXIS XXI

Programas de Formação Avançada de Recursos Humanos em C&T ( ) PRAXIS XXI Programas de Formação Avançada de Recursos Humanos em C&T (1994-1999) PRAXIS XXI 2006 Ficha Técnica Título: Programas de Formação Avançada de Recursos Humanos em C&T (1994-1999) PRAXIS XXI Autores: Isabel

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DE LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DE LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DE LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL - Dados referentes ao período de janeiro a dezembro de 2010 - Edição Revista em março de 2012 DIREÇÃO-GERAL DA

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 6/5/2013 08:50

Leia mais

Contexto e metodologia

Contexto e metodologia QUINTO INQUÉRITO SOBRE A DISPONIBILIDADE DE CONTRACEPTIVOS MODERNOS E MEDICAMENTOS VITAIS/ESSENCIAIS PARA A SAÚDE MATERNA/ SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA EM UNIDADES SANITÁRIAS DE MOÇAMBIQUE 26 de Novembro

Leia mais