PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros"

Transcrição

1 PARLAMENTO EUROPEU Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2007/2212(INI) ALTERAÇÕES 1-34 Anna Záborská (PE v01-00) Livro Verde sobre o papel da sociedade civil na luta contra a droga na União Europeia (2007/2212(INI)) AM\ doc PE v01-00

2 AM_Com_NonLegOpinion PE v /20 AM\ doc

3 1 Gabriela Creţu Considerando A-A (novo) A-A. Considerando que o uso de drogas está associado à transmissão sexual do HIV e aos riscos acrescidos que as mulheres enfrentam, 2 Gabriela Creţu Considerando A-B (novo) A-B. Considerando que as ONG desempenham um papel essencial na promoção da participação de todos os cidadãos, sendo normalmente porta-vozes das pessoas e comunidades que enfrentam a marginalização, discriminação, pobreza e exclusão social, 3 Marusya Ivanova Lyubcheva Considerando A-A (novo) A-A. Considerando que o uso de drogas pode levar a riscos de saúde específicos para as jovens e as mulheres, em especial AM\ doc 3/20 PE v01-00

4 a problemas durante a gravidez e à deterioração da saúde reprodutiva, 4 Marusya Ivanova Lyubcheva Considerando A-B (novo) A-B. Considerando que se tem registado um aumento significativo do crime, das actividades ilícitas e da prostituição na sociedade, e em especial entre as jovens e as mulheres que sofrem de toxicodependência, 5 Feleknas Uca Considerando A-A (novo) A-A. Considerando que, nos programas de tratamento, os homem tendem a ser mais numerosos do que as mulheres, e que as mulheres constituem cerca de 20% das pessoas que hoje na Europa iniciam programas de tratamento, PE v /20 AM\ doc

5 6 Feleknas Uca Considerando A-B (novo) A-B. Considerando que muitas mulheres que desenvolvem actividade como trabalhadoras do sexo o fazem para apoiar hábitos de consumo de droga, e que se sabe que as trabalhadoras sexuais são um grupo vulnerável no que respeita ao desenvolvimento de problemas relacionados com a droga, 7 Marusya Ivanova Lyubcheva N.º 1 1. Congratula os governos dos Estados-Membros e as associações de pais e de profissionais que levam a cabo, sem se limitarem a denunciar unicamente os perigos do álcool, campanhas de informação exaustivas sobre: os malefícios decorrentes das drogas, designadamente no caso de jovens, das grávidas ou puérperas e das crianças; a saúde materna e a transmissão materno-fetal das drogas; o tratamento dos menores e dos delinquentes drogados; 1. Solicita aos governos dos Estados-Membros, organizações nãogovernamentais, estruturas da sociedade civil e as associações de pais que conduzam sem se limitarem a denunciar unicamente os perigos do álcool, campanhas de informação exaustivas sobre: os riscos e danos para a saúde física e mental causados pelas drogas, designadamente no caso de jovens, das grávidas ou puérperas e das crianças; a saúde materna e a transmissão materno-fetal das drogas; o tratamento dos menores e dos delinquentes drogados; o apoio aos pais com um filho alcoólico o apoio aos pais com um filho alcoólico AM\ doc 5/20 PE v01-00

6 ou drogado; ou drogado; 8 Roselyne Lefrançois N.º 1 1. Congratula os governos dos Estados-Membros e as associações de pais e de profissionais que levam a cabo, sem se limitarem a denunciar unicamente os perigos do álcool, campanhas de informação exaustivas sobre: os malefícios decorrentes das drogas, designadamente no caso de jovens, das grávidas ou puérperas e das crianças; a saúde materna e a transmissão materno-fetal das drogas; o tratamento dos menores e dos delinquentes drogados; o apoio aos pais com um filho alcoólico ou drogado; 1. Congratula os governos dos Estados-Membros e as associações de pais e de profissionais que levam a cabo campanhas de informação sobre: os malefícios decorrentes das drogas, designadamente no caso de jovens, das grávidas ou puérperas e das crianças; a saúde materna e a transmissão materno-fetal das drogas; o tratamento dos menores e dos delinquentes drogados; o apoio aos pais com um filho drogado; 9 Anni Podimata N.º 1 1. Congratula os governos dos Estados-Membros e as associações de pais e de profissionais que levam a cabo, sem se limitarem a denunciar unicamente os perigos do álcool, campanhas de 1. Congratula os governos dos Estados-Membros e as associações de pais e de profissionais que levam a cabo, sem se limitarem a denunciar unicamente os perigos do álcool, campanhas de PE v /20 AM\ doc

7 informação exaustivas sobre: os malefícios decorrentes das drogas, designadamente no caso de jovens, das grávidas ou puérperas e das crianças; a saúde materna e a transmissão materno-fetal das drogas; o tratamento dos menores e dos delinquentes drogados; o apoio aos pais com um filho alcoólico ou drogado; informação exaustivas sobre: os malefícios decorrentes das drogas, designadamente no caso de jovens, das grávidas ou puérperas e das crianças; a saúde materna e a transmissão materno-fetal das drogas; o tratamento dos menores e dos delinquentes drogados; o apoio aos pais com um filho alcoólico ou drogado; Sublinha que é importante não apenas prosseguir com estas campanhas de informação mas também tomar medidas de prevenção tendo em vista lutar eficazmente contra este flagelo que afecta cada vez mais jovens, tanto do sexo feminino como masculino, e infelizmente numa idade muito precoce; 10 Hiltrud Breyer, Raül Romeva i Rueda N.º 1-A (novo) 1-A. Sublinha que se identificaram importantes diferenças nos níveis e padrões de utilização das drogas entre homens e mulheres; realça que os estudos de investigação mostram importantes diferenças de género em toda uma gama de factores fisiológicos e psicossociais associados com o desenvolvimento da dependência, a assumpção de riscos e a procura de auxílio; AM\ doc 7/20 PE v01-00

8 11 Hiltrud Breyer, Raül Romeva i Rueda N.º 1-B (novo) 1-B. Regista as crescentes preocupações no sentido de as mulheres não estarem a ter acesso a cuidados devido a uma falta de apoio social e económico, e especialmente a obrigações de guarda de crianças, que foram identificadas como factores susceptíveis de inibirem mulheres de utilizarem serviços para o tratamento de drogados; sublinha que, em comparação com os serviços que não prestam facilidades de guarda de crianças, aqueles que o fazem têm frequentemente proporções mais elevadas de mulheres entre os seus clientes; 12 Marusya Ivanova Lyubcheva N.º 1-A (novo) 1-A. Lamenta a falta de participação de redes não-governamentais nacionais e transnacionais, com especial participação de mulheres, mães e organizações de jovens, no primeiro Fórum da Sociedade Civil sobre as Drogas, organizado em Dezembro de 2007;solicita à Comissão que encoraje activamente a participação dessas organizações; PE v /20 AM\ doc

9 13 Marusya Ivanova Lyubcheva N.º 1-B (novo) 1-B. Solicita aos Estados-Membros que contribuam para a criação de estruturas de jovens voluntários que impliquem raparigas e mulheres jovens a fim de difundir informação, trabalhar com e ajudar toxicodependentes da mesma idade bem como as respectivas famílias; 14 Gabriela Creţu N.º 1-A (novo) 1-A. Sublinha que a Comissão deve trabalhar com as organizações relevantes num pacote integrado de medidas relativas à educação sexual, à informação e ao aconselhamento sobre a saúde sexual e reprodutiva, e direitos conexos, que deverão ser fornecidas aos utilizadores de droga e seus parceiros; 15 Anni Podimata N.º 2 AM\ doc 9/20 PE v01-00

10 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero"; 2. Convida os Estados-Membros a procederem a uma boa aplicação da estratégia anti-droga da UE, bem como a promoverem acções transnacionais, associando-lhes a sociedade civil, que desempenha um papel muito importante; 16 Roselyne Lefrançois N.º 2 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero"; 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor em matéria de prevenção e de informação tendo como alvo crianças e adolescentes, e a encorajar o seu desenvolvimento, em colaboração com os actores da sociedade civil; 17 Marie Panayotopoulos-Cassiotou N.º 2 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero"; 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero", e a lutar de maneira mais firme, em colaboração com a sociedade civil, contra a criminalidade PE v /20 AM\ doc

11 organizada e, nomeadamente, o tráfico de seres humanos que está estreitamente associado ao tráfico de drogas; 18 Feleknas Uca N.º 2 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero"; 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero" no que respeita ao fornecimento de drogas; relembra que esta abordagem também tem consequências negativas caso os esforços para reduzir o crime não procurem alterar o contexto legal, penal ou socioeconómico em que os crimes ocorrem; 19 Marusya Ivanova Lyubcheva N.º 2 2. Convida os Estados-Membros a inspirarem-se nas melhores práticas em vigor, de que são exemplo as políticas de "tolerância zero"; 2. Convida os Estados-Membros a procederem ao intercâmbio de melhores práticas em vigor na luta contra as drogas e a aplicarem as políticas de "tolerância zero"; AM\ doc 11/20 PE v01-00

12 20 Eva-Britt Svensson N.º 2-A (novo) 2-A. Salienta o quão importante é que a sociedade atribua recursos para o apoio a organizações de voluntários e associações de pais que se empenhem na luta contra o alcoolismo e a toxicodependência, sobretudo, entre jovens. Or. sv 21 Marie Panayotopoulos-Cassiotou N.º 2-A (novo) 2-A. Convida a Comissão a assegurar que a nova estratégia para a saúde tenha em conta o diferente impacto das drogas sobre as mulheres, em especial a nível do financiamento dos programas de informação anti-droga das organizações da sociedade civil; 22 Eva-Britt Svensson N.º 3 PE v /20 AM\ doc

13 3. Congratula os meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde mental, em especial no caso das jovens que têm perspectivas de maternidade; 3. Congratula os meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde mental, em especial no caso das jovens; Or. sv 23 Roselyne Lefrançois N.º 3 3. Congratula os meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde mental, em especial no caso das jovens que têm perspectivas de maternidade; 3. Insiste no papel fundamental dos meios de comunicação social na difusão de informações científicas relativas ao impacto do consumo de drogas sobre a saúde e nomeadamente sobre o equilíbrio psicológico, em especial no caso das jovens e das grávidas; 24 Marusya Ivanova Lyubcheva N.º 3 3. Congratula os meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde mental, em especial no 3. A colhe favoravelmente a participação dos meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde AM\ doc 13/20 PE v01-00

14 caso das jovens que têm perspectivas de maternidade; mental, em especial no caso das jovens que têm perspectivas de maternidade e apela particularmente aos meios de comunicação electrónicos para que divulguem adequadamente as melhores práticas na luta contra as drogas; 25 Marie Panayotopoulos-Cassiotou N.º 3 3. Congratula os meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde mental, em especial no caso das jovens que têm perspectivas de maternidade; 3. Congratula os meios de comunicação social europeus que relataram as investigações médicas sobre as ligações entre o consumo de cannabis ou outras drogas e a saúde mental, em especial no caso das jovens que têm perspectivas de maternidade e incentiva-os a tornarem-se parceiros privilegiados na luta anti-droga devido à sua influência junto das jovens gerações; 26 Marie Panayotopoulos-Cassiotou N.º 3-A (novo) 3-A. Convida o Observatório Europeu da Droga a recolher estatísticas sobre o consumo feminino de drogas no interior da UE, a analisar a evolução desse consumo e a ter em conta o impacto diferenciado, segundo o género, no PE v /20 AM\ doc

15 âmbito do seu relatório anual, com a finalidade de assegurar uma melhor informação e sensibilização da sociedade civil europeia; 27 Anni Podimata N.º 4 4. Considera necessário: 4. Considera necessário proceder à avaliação da eficácia das políticas conduzidas até agora na luta contra a droga, melhorando-as se necessário, tendo em conta o facto de se tratar de uma questão de saúde pública que atinge toda a sociedade; insiste no facto de ser primordial, no âmbito de uma política de prevenção, chamar a atenção para as consequências nefastas do consumo de drogas; relembra que as grávidas e os jovens devem ser considerados como pessoas frágeis que exigem uma ajuda através de terapias, de seguimento médico e de programas de reinserção socioprofissional em cooperação com as organizações da sociedade civil; calcular os custos da toxicomania, directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; AM\ doc 15/20 PE v01-00

16 desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego). 28 Roselyne Lefrançois N.º 4 4. Considera necessário: 4. Considera necessário, a fim de suscitar uma tomada de consciência proporcional à gravidade e urgência da situação, e de encorajar a adopção de soluções adaptadas e inovadoras: calcular os custos da toxicomania, directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego). calcular os custos da toxicomania, directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego). PE v /20 AM\ doc

17 29 Christa Prets N.º 4 4. Considera necessário: 4. Considera necessário: calcular os custos da toxicomania, directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego). calcular os custos da toxicomania, directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego). desenvolver outros indicadores que permitam comparar novas estratégias de prevenção à escala internacional, em especial para mulheres e raparigas, e reforçar o intercâmbio de modelos de "melhores práticas". Or. de 30 Eva-Britt Svensson N.º 4 4. Considera necessário: 4. Considera necessário: calcular os custos da toxicomania, calcular os custos da toxicomania, AM\ doc 17/20 PE v01-00

18 directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego). directos (tratamento da toxicodependência, das perturbações psicóticas, das depressões, dos comportamentos violentos, das condutas de risco, dos acidentes, do HIV/SIDA, da hepatite C, das consequências sobre a fertilidade, a gravidez e a transmissão materno-fetal de certas drogas), indirectos (perda de motivação escolar ou profissional, desemprego, criminalidade causada pela toxicodependência) e humanos, no que respeita muito em especial às mães e respectivos filhos; desenvolver indicadores que permitam medir a eficácia das políticas aplicadas (absentismo e insucesso escolar, não-inserção profissional, desemprego, criminalidade causada pela toxicodependência). Or. sv 31 Gabriela Creţu N.º 4-A (novo) 4-A. Acolhe favoravelmente a ideia de um Fórum da sociedade civil sobre as drogas como ferramenta eficaz para apoiar a formulação e implementação de políticas; contudo, discorda do critério segundo o qual "as actividades da organização devem incidir principalmente no domínio da droga", considerando que o fórum poderá beneficiar da perícia oferecida por organizações que dispõem de valiosa experiência com drogas e com o abuso de drogas, tal como grupos representativos das mulheres, do HIV/SIDA, da saúde e dos direitos sexuais reprodutivos; PE v /20 AM\ doc

19 32 Feleknas Uca N.º 4-A (novo) 4-A. Discorda do critério de participação segundo o qual "as actividades da organização devem incidir principalmente no domínio da droga"; recomenda a inclusão de organizações que disponham de valiosa experiência no domínio das drogas e do abuso de drogas tal como grupos representativos do HIV/SIDA, na saúde e direitos sexuais e reprodutivos, dos sem-abrigo, doentes mentais, alcoólicos ou farmacêuticos da comunidade; 33 Feleknas Uca N.º 4-B (novo) 4-B. Sublinha o papel das associações da sociedade civil no sentido de influenciarem a política nacional de saúde dos Estados-Membros por forma a ter em conta o facto de as mulheres com problemas de droga necessitarem de intervenções especiais, e de prestarem serviços especializados acessíveis e amplamente disponíveis; AM\ doc 19/20 PE v01-00

20 34 Feleknas Uca N.º 4-C (novo) 4-C. Sublinha a necessidade de se reconhecer a ligação entre o tráfico de mulheres e a política da droga; relembra que os bandos de malfeitores que se dedicam ao tráfico de droga e ao tráfico de seres humanos estão muitas vezes associados, e que as próprias mulheres podem correr o risco de desenvolverem problemas relacionados com a droga e com o álcool como resposta á situação em que se encontram. PE v /20 AM\ doc

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma

Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma 22.2.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 51 E/9 Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma P7_TA(2011)0360 Resolução do Parlamento Europeu, de 13 de Setembro de 2011, sobre a situação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Sociais e do Meio Ambiente

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Sociais e do Meio Ambiente PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Assuntos Sociais e do Meio Ambiente 18 de Dezembro de 2003 APP/3640/1-70 ALTERAÇÕES 1-70 Projecto de relatório (APP/3640) Karin Scheele e Aime François Betkou

Leia mais

Não discriminação com base no sexo e solidariedade entre gerações

Não discriminação com base no sexo e solidariedade entre gerações 18.3.2010 PT Jornal Oficial da União Europeia C 67 E/31 Não discriminação com base no sexo e solidariedade entre gerações P6_TA(2009)0039 Resolução do Parlamento Europeu, de 3 de Fevereiro de 2009, sobre

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

Educação, formação e Europa 2020

Educação, formação e Europa 2020 C 353 E/56 Jornal Oficial da União Europeia 3.12.2013 49. Salienta a necessidade de promover percursos coerentes e racionalizados de formação inicial e contínua para as mulheres, com o objetivo de desenvolver

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social

Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Declaração tripartida de Yaoundé sobre a instituição de um Pacote de Base de Protecção Social Nós, os delegados tripartidos de 47 Estados Africanos membros da Organização Internacional do Trabalho ao Segundo

Leia mais

Comissão sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Observações finais sobre o relatório inicial de Portugal

Comissão sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Observações finais sobre o relatório inicial de Portugal Comissão sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Observações finais sobre o relatório inicial de Portugal I. Introdução 1. A Comissão examinou o relatório inicial de Portugal (CRPD/C/PRT/1), nas

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2011/2307(INI) 9.3.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a dádiva voluntária e não remunerada de tecidos e células

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

AUTISM IN PINK. Reconhecer as necessidades de mulheres com Autismo 1 Necessidades e recomendações Lifelong Learning Programme

AUTISM IN PINK. Reconhecer as necessidades de mulheres com Autismo 1 Necessidades e recomendações Lifelong Learning Programme AUTISM IN PINK Reconhecer as necessidades de mulheres com Autismo 1 Necessidades e recomendações Lifelong Learning Programme 1 O termo autismo está a ser usado neste documento para incluir todas as perturbações

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão da Cultura e da Educação 14.4.2015 2015/2006(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a promoção do empreendedorismo jovem através da educação e da formação (2015/2006(INI))

Leia mais

Pedro R ibeiro Ribeiro e S ilva Silva MAPFRE Seguros

Pedro R ibeiro Ribeiro e S ilva Silva MAPFRE Seguros Pedro Ribeiro e Silva MAPFRE Seguros A avaliação de riscos psicossociais no trabalho na ótica das seguradoras A avaliação dos riscos psicossociais pelas seguradoras pode ser efectuada em duas perspectivas:

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Em 2000, 189 chefes de Estado e de Governo assinaram a Declaração do Milénio que levou à formulação de 8 objectivos de desenvolvimento, a alcançar entre 1990 e 2015. Os ODM - Objectivos de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 25.9.2013 2013/2174(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre os seguros contra catástrofes naturais ou de origem humana (2013/2174(INI))

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de S.E o Presidente da Assembleia Nacional na cerimónia de abertura da I Conferência Internacional Uma Criança, Um Cidadão. Senhora Ministra da Educação

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.2.2009 COM(2009) 77 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA BASE JURÍDICA OBJETIVOS REALIZAÇÕES

SAÚDE PÚBLICA BASE JURÍDICA OBJETIVOS REALIZAÇÕES SAÚDE PÚBLICA O Tratado de Lisboa reforçou a importância da política de saúde. Nele se estipula que «na definição e execução de todas as políticas e ações da União será assegurado um elevado nível de proteção

Leia mais

Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros. da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros

Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros. da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 4.10.2013 2013/2061(INI) PARECER da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros dirigido à Comissão

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi

Leia mais

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens ESTUDAR FORMAR-SE TRABALHAR PARTICIPAR OS TEUS DIREITOS APRENDER VIAJAR VOLUNTÁRIO CRIAR na EUROPA Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que atue

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E ABUSO SEXUAL

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E ABUSO SEXUAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E ABUSO A S S O C I A Ç Ã O P R O J E C T O C R I A R Abuso sexual de crianças e violência doméstica Fenómenos epidémicos na sociedade Aumento de queixas Back-lash: movimento de reacção

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.11.2007 COM(2007) 686 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU que transmite o acordo-quadro europeu sobre assédio e violência no

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO Com a colaboração de: No âmbito dos estudos de género e das políticas de igualdade têm vindo a ser definidos inúmeros conceitos com vista

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 18 de dezembro de 2015 (OR. en) EUCO 28/15 CO EUR 13 CONCL 5 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (17 e 18 de

Leia mais

Senhor Deputado António Almeida Santos; Exma. Senhora Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP);

Senhor Deputado António Almeida Santos; Exma. Senhora Embaixadora de Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP); Apresentação Pública do Relatório sobre a Situação da População Mundial 2013 este ano sobre o tema "Maternidade na Infância - Respondendo aos Desafios da Gravidez na Adolescência". Mesa-Redonda "A Maternidade

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Síntese No dia 4 de Outubro de 2005, o Programa das Nações Unidas para a Juventude, do Departamento

Leia mais

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 30 de janeiro de 205 (OR. en) 5306/5 ADD FIN 28 PE-L 5 NOTA PONTO "I/A" de: para: Assunto: Comité Orçamental Comité de Representantes Permanentes/Conselho Quitação

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

Projecto de Lei n.º 181/XIII. Proíbe a utilização de menores de idade em espetáculos tauromáquicos. Exposição de motivos

Projecto de Lei n.º 181/XIII. Proíbe a utilização de menores de idade em espetáculos tauromáquicos. Exposição de motivos Projecto de Lei n.º 181/XIII Proíbe a utilização de menores de idade em espetáculos tauromáquicos Exposição de motivos A Lei n.º 31/2015, de 23 de Abril, regula o exercício de actividades de artista tauromáquico

Leia mais

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma

PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção a violência intrafamiliar e de gênero do Instituto Noos. Carlos Eduardo Zuma Congreso Iberoamericano de Masculinidades y Equidad: Investigación y Activismo Panel 2: Violencia y masculinidad/segunda sesión Barcelona, 8 de outubro de 2011 PAZ EM CASA, PAZ NO MUNDO o programa de prevenção

Leia mais

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação

O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA. Acordo de Cooperação O INSTITUTO EUROPEU PARA A IGUALDADE DE GÉNERO E A AGÊNCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA UNIÃO EUROPEIA Acordo de Cooperação Preâmbulo A Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA) e o Instituto

Leia mais

AFR/RC50/9 Página 1 INTRODUÇÃO

AFR/RC50/9 Página 1 INTRODUÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO 1. A Organização Mundial de Saúde calcula que 80% da população rural dos países em desenvolvimento depende da medicina tradicional para as suas necessidades no campo dos cuidados de

Leia mais

Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais

Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais Fundo das Nações Unidas para a Infância O que é a Convenção sobre os Direitos da Criança? É um tratado adoptado pelas Nações Unidas em 1989

Leia mais

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8 Prevenção BCC (Comunicação para Alteração de Comportamento) cobertura comunitária e escolas Fundamentação lógica para incluir as SDA (Área

Leia mais

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de julho de 2013, na 1176.ª reunião dos Delegados dos Ministros)

Leia mais

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia - CPLEESMO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia - CPLEESMO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia - CPLEESMO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS BRAGA, MARÇO DE 2007 ÍNDICE

Leia mais

Criar uma cultura de segurança e saúde no trabalho na União Europeia

Criar uma cultura de segurança e saúde no trabalho na União Europeia Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho Criar uma cultura de segurança e saúde no trabalho na União Europeia Síntese do Relatório Anual 2005 ISSN 1725-7816 1. 2. 3. Síntese do Relatório

Leia mais

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Minorias sexuais Historial: O conselho do Fundo Mundial de Luta contra

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

FICHA DE PROJETO. Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG)

FICHA DE PROJETO. Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG) Aviso para candidaturas a financiamento comunitário para prevenção e combate ao racismo, xenofobia, homofobia e outras formas de intolerância Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG)

Leia mais

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50 Quarta-Feira, 7 de Julho de 2010 Série I, N. 25 $ 0.50 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUMÁRIO PARLAMENTO NACIONAL : LEI N. 7/2010 de 7 de Julho Lei Contra a Violência Doméstica...

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-9. Comissão dos Assuntos Jurídicos 2008/2247(INI) 26.11.2008. Projecto de relatório Bert Doorn. PE416.

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-9. Comissão dos Assuntos Jurídicos 2008/2247(INI) 26.11.2008. Projecto de relatório Bert Doorn. PE416. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Comissão dos Assuntos Jurídicos 2009 2008/2247(INI) 26.11.2008 ALTERAÇÕES 1-9 Projecto de relatório Bert Doorn (PE414.935v01-00) sobre a aplicação da Directiva 2006/43/CE, relativa

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

PROJETO. Saúde, um direito Cívico

PROJETO. Saúde, um direito Cívico PROJETO Saúde, um direito Cívico Projeto Mexa-se - Ano de 2014-2015 Página 1 " A manutenção da saúde assenta no contrariar a tendência para a redução de exercício. Não existe nenhuma forma de substituir

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

(1) Qual a importância da saúde mental da população para os objectivos estratégicos da EU, tal como indicado em secção 1?

(1) Qual a importância da saúde mental da população para os objectivos estratégicos da EU, tal como indicado em secção 1? Respostas às questões da secção 8 do LIVRO VERDE Melhorar a saúde mental da população Rumo a uma estratégia de saúde mental para a União Europeia Bruxelas 14.10.2005 (1) Qual a importância da saúde mental

Leia mais

BANCADA FEMININA. UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE

BANCADA FEMININA. UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE BANCADA FEMININA UM ESPAçO DE EMPODERAMENTO DA RAPARIGA EM SSR EM MOÇAMBIQUE NILZA DOS SANTOS, Brasília, 15 Outúbro 2013 Conteúdo Contexto Conceito de Bancada Feminina Principais Resultados Factores de

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Pescas. 30 de Abril de 2003 PE 325.169/1-13 ALTERAÇÕES 1-13

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Pescas. 30 de Abril de 2003 PE 325.169/1-13 ALTERAÇÕES 1-13 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão das Pescas 2004 30 de Abril de 2003 PE 325.169/1-13 ALTERAÇÕES 1-13 Projecto de relatório (PE 325.169) Giorgio Lisi sobre um plano de acção comunitário para a conservação

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2008/2115(INI)

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2008/2115(INI) PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2008/2115(INI) 27.6.2008 ALTERAÇÕES 1-35 Siiri Oviir (PE407.727v01-00) sobre o Livro branco Juntos para a saúde:

Leia mais

Relator: Ákos TOPOLÁNSZKY

Relator: Ákos TOPOLÁNSZKY C 67/110 Jornal Oficial da União Europeia 6.3.2014 Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a proposta de recomendação do Conselho relativa a medidas eficazes para a integração dos ciganos nos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 29.7.2009 COM(2009) 409 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Relatório relativo à aplicação da Directiva 2002/73/CE do Parlamento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais