Construir uma sociedade para todas as idades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construir uma sociedade para todas as idades"

Transcrição

1 Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi por isso que erigi em minha prioridade pessoal a criação de uma aliança mundial à altura do desafio Kofi Annan, Secretário-Geral das Nações Unidas Vinte anos depois de terem sido reveladas as primeiras provas clínicas da síndrome de imunodeficiência adquirida, a SIDA tornou-se uma das doenças mais devastadoras que a humanidade já enfrentou. Embora a maior parte das suas vítimas seja constituída por jovens adultos, a pandemia também teve consequências importantes para os idosos. E os esforços que são pedidos aos idosos que prestam cuidados são particularmente onerosos. O VIH/SIDA é uma das principais áreas de preocupação para os participantes na Segunda Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento, de Madrid. Factos e Dados Estatísticos No final de 2001, estimava-se que 40 milhões de pessoas, em todo o mundo, vivessem com o VIH/SIDA. Todavia, infelizmente os dados disponíveis não incluem muitas vezes o modo como a pandemia está a afectar as populações mais idosas. Por exemplo, embora 83% do total de mortes por SIDA, em todo o mundo, tenham ocorrido na África a sul do Sara, sabe-se muito pouco sobre a epidemiologia do VIH/SIDA entre as pessoas mais idosas desta região. Existe mais informação relativa aos países desenvolvidos. Nos Estados Unidos, 10% do total de casos de SIDA comunicados ocorrem entre pessoas de mais de 50 anos, sendo que um quarto destas já ultrapassou os 60. Mais de metade dos infectados com mais de 50 anos são de origem afro-americana e hispânica, o que aponta para a existência de riscos mais elevados entre grupos minoritários. Na Europa Ocidental, quase 10% das novas infecções declaradas entre Janeiro de 1997 e meados de Junho de 2000 registaram-se no grupo etário de mais de 50 anos; esta percentagem desce para 4,3% na Europa Central e 0,7% na Europa Oriental. A incidência parece ser maior entre as idosas do que entre os idosos: durante um período recente de cinco anos, o número de casos entre idosas aumentou 40%. Mas esta informação não revela em que idade foi infectado este grupo da população. Muitos deles tiveram o vírus durante anos, antes de fazerem as análises. Quando lhes foi diagnosticada, a infecção poderia estar nos seus estágios mais avançados. Pessoas idosas que vivem com o VIH/SIDA Factores de risco O factor de risco dominante entre o grupo etário de mais de 50 anos é igual ao dos outros grupos etários e trata-se do sexo heterossexual. Os comportamentos de risco específicos, como as relações

2 sexuais não protegidas, os parceiros sexuais múltiplos, as infecções transmitidas sexualmente e o abuso de substâncias também se encontram presentes neste grupo etário. Repercussões da idade Segundo os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) sedeados nos Estados Unidos, a idade acelera a passagem do VIH para a SIDA e embota a resposta das células CD4 à terapia anti-retrovírica. As doenças relacionadas com a idade, como a osteoporose, aumentam o risco de complicações graves. Relações sexuais não protegidas As pessoas idosas têm tendência para considerar que os preservativos são, principalmente, uma medida contraceptiva e as mulheres que já não temem uma gravidez indesejada poderão não insistir na sua utilização. Um estudo realizado nos Estados Unidos mostrou que, em comparação com os jovens, apenas um sexto das pessoas com mais de 50 anos usa preservativo. Com a idade, as mulheres sofrem também alterações físicas que afectam a sua vulnerabilidade ao VIH. Na fase pós-menopausica, as suas paredes vaginais são mais finas e a lubrificação é, frequentemente, reduzida. Muitos médicos pensam que as idosas são mais vulneráveis a traumas vaginais durante o coito e, por isso, correm um risco mais elevado de contraírem o VIH. Atraso no diagnóstico... Devem ensinar-se práticas de sexo seguro [às mulheres idosas]. Não quero que cometam o erro que cometi e depois venham engrossar as fileiras, em constante crescimento, dos seropositivos. Não é divertido ser velha e viver com o vírus. Mulher a quem foi diagnosticado o vírus aos 50 anos Os sintomas precoces da infecção por VIH fadiga, perda de memória, falta de fôlego, sonolência e perda de peso podem ser interpretados erradamente como sinais de envelhecimento, evitando assim que os infectados procurem a ajuda médica precoce que poderia ajudá-los a manterem-se saudáveis e evitar que transmitissem a doença a outros. Prevenção Os profissionais de saúde caem muitas vezes na armadilha dos estereótipos da idade, o que pode constituir um problema no domínio da prevenção e do diagnóstico. É menos provável que os profissionais de saúde façam perguntas aos pacientes mais idosos sobre o seu comportamento sexual e não lhes prestem as informações sobre prevenção que fornecem, normalmente, aos pacientes mais jovens. E os programas de educação para a prevenção também não se dirigem aos idosos. Talvez devido a uma negação crescente das necessidades sexuais, as barreiras sociais às discussões sobre sexualidade vão-se tornando ainda mais fortes com a idade o que leva a que haja poucas estratégias eficazes para este grupo da população. Os idosos têm menos conhecimento básico sobre o VIH/SIDA e a sua prevenção. Num estudo de uma linha de ajuda, realizado por um CDC, apenas 6% dos que ligavam pertenciam à população mais idosa, mas quase metade destes queria mais informação sobre os riscos ligados ao VIH/SIDA. As pessoas idosas têm de lutar contra problemas que os jovens não enfrentam. Dão consigo a adaptar-se às alterações físicas e emocionais do envelhecimento no contexto de uma doença debilitante. Além disso, os mecanismos para enfrentar as situações são mais débeis entre os idosos, que têm uma maior propensão para a depressão e menos vontade de aderir a grupos de apoio. Medidas Diversas estratégias e comportamentos podem ajudar a atenuar o risco do VIH para os idosos e minorar o impacte do VIH/SIDA nos que já estão infectados. Reduzir o estigma que rodeia as necessidades sexuais dos idosos e incentivá-los a discutir essas questões com aqueles que lhes prestam cuidados de saúde e com a sua família;

3 Formar os prestadores de cuidados de saúde no domínio da sexualidade e das práticas sexuais dos idosos de modo a permitir uma melhor comunicação e uma avaliação dos riscos mais rigorosa; Integrar a programação do VIH nos serviços para idosos, incluindo a educação de prevenção secundária (prevenção entre seropositivos), em serviços de cuidados especializados; Formar os prestadores de serviços na área do VIH sobre a necessidade de tais serviços tomarem em consideração a idade e sobre as questões específicas relacionadas com o VIH numa população que está a envelhecer; Identificar áreas de pesquisa que analisem especificamente as interacções entre a idade e o VIH; Envolver as pessoas idosas na investigação no domínio da prevenção e dos cuidados. As pessoas idosas como prestadoras de cuidados Prestar cuidados a uma criança com SIDA não é a sentença de morte que a contracção da doença pode representar, mas constitui um fardo extraordinário para os idosos. A taxa de mortalidade crescente e o aumento do número de órfãos da SIDA em todo o mundo estão a ter enormes impactes em termos de saúde, económicos e psicossociais, em especial em África e, sobretudo, nos africanos idosos. Tenho um grande receio em relação ao que o futuro reserva a estes órfãos. Se eu morresse e os deixasse, quem iria cuidar deles? Uma prestadora de cuidados, de 62 anos, com 3 netos órfãos Dos 36,1 milhões de pessoas com SIDA, em 2000, 70% viviam na África a sul do Sara. E entre o número total de crianças com menos de 15 anos (13,2 milhões) que perderam as mães ou os dois progenitores em virtude da SIDA, esta percentagem sobe para 90%. A maior parte dos infectados pelo VIH são pessoas em fases economicamente activas da vida (15-49); esta perda de capacidade de obter rendimentos só aumenta o fardo que recai sobre os que têm de cuidar dos doentes. Em África e noutras regiões com estruturas sanitárias e protecção social deficientes, o fardo de prestar cuidados a pacientes com doenças crónicas e terminais recai geralmente sobre a família. A informação disponível indicia que este fardo é suportado primordialmente por idosas num ambiente que foi devastado por conflitos armados, fome e deslocações maciças de populações e migrações, em condições de extrema pobreza, estigma e falta de apoio. E, na maior parte dos casos, prestam estes cuidados com pouco ou nenhum apoio, tanto estatal como de outra índole. Na verdade, estão a ser privados do apoio dos filhos adultos com que esperavam contar na velhice, dado que são esses filhos adultos que estão a morrer. Cuidar dos órfãos é como recomeçar a vida, porque tenho de trabalhar na agricultura, limpar a casa, alimentar as crianças, comprar uniformes escolares. Não sei se tenho energia para aguentar Um prestador de cuidados, de 65 anos, com três netos Mas a saúde do próprio idoso que presta cuidados sofreu um rude golpe. Os idosos estão a sofrer sob um grave stress físico e emocional e, em alguns casos, são alvo de violência física, estigma e maus tratos resultantes de acusações de feitiçaria. Até agora, e paradoxalmente, este fardo que recai sobre os idosos mereceu pouca atenção nas discussões sobre a formulação de políticas e criação de programas de apoio aos órfãos da SIDA. O papel crucial desempenhado pelos idosos nos cuidados aos órfãos da SIDA raramente é reconhecido ou apoiado e as suas necessidades em termos de saúde, económicos e psicossociais são muitas vezes negligenciadas. No entanto, continuam a tentar aguentar o duplo fardo de cuidarem dos seus filhos moribundos e dos seus netos órfãos, muitas vezes sem disporem sequer dos recursos básicos para tal. O programa Envelhecimento e Ciclo de Vida da Organização Mundial de Saúde criou um projecto destinado a examinar o impacte do VIH/SIDA nos idosos prestadores de cuidados em quatro países de África: Zimbabué,

4 A situação é muito desesperada. Neste momento, vejo-me forçada a vender drogas ilícitas para arranjar dinheiro para alimentar os órfãos. Já não tenho medo de ir para a cadeia. Uma prestadora de cuidados, de 59 anos, com seis orfãos Gana, África e Tanzânia. O principal objectivo do projecto é identificar as barreiras que impedem os idosos de prestarem cuidados adequados e satisfatórios aos seus filhos que estão a morrer com o VIH/SIDA e, subsequentemente, aos seus netos que ficaram órfãos. Destina-se a conduzir à criação de políticas e programas que apoiem os idosos como um recurso fundamental para a prestação de cuidados a doentes terminais e aos seus filhos órfãos. Áreas onde existem necessidades O projecto identificou alguns problemas importantes que os idosos prestadores de cuidados enfrentam: Perda de apoio económico, sobretudo a perda dos rendimentos dos filhos adultos doentes/falecidos; Não satisfação de necessidades básicas, tais como alimentação e vestuário; Acesso e utilização limitados dos serviços de cuidados de saúde em virtude de dificuldades de transporte e do elevado custo dos serviços; Dificuldades financeiras que conduzem à incapacidade de pagar as despesas médicas ou com a educação; Atitudes negativas dos profissionais de saúde para com os idosos prestadores de cuidados, tanto por serem idosos como por serem pessoas que vivem com o VIH/SIDA; Estigmatização da doença por parte da comunidade e dos prestadores de serviços; Stress físico e emocional resultante do nível crescente de violência e maus tratos (frequentemente em consequência de acusações de feitiçaria) Estratégias para a mudança Conclusões sobre o Zimbabué Numa amostra de 810 chefes de família que foram identificados como prestadores de cuidados relacionados com a SIDA, no Zimbabué, 650 tinham 50 anos ou mais. Destes, 84% eram os principais prestadores de cuidados a pessoas que viviam com a SIDA e a crianças órfãs em virtude de óbitos por SIDA. Setenta e um por cento destes prestadores de cuidados eram do sexo feminino, e 29% do masculino. Nesses mesmos agregados familiares, 40% dos membros dos agregados familiares eram crianças que ficaram órfãs em consequência da SIDA e esses órfãos eram, na sua maioria (80%), netos do idoso prestador de cuidados. Entre as áreas fundamentais de intervenção das políticas e programas contam-se a melhoria do acesso aos serviços e da sua utilização e a prestação de auxílio económico ou disponibilização de rendimentos aos idosos afectados pelo VIH/SIDA. Para apoiar a capacidade geral que os idosos têm de cuidar dos doentes e dos órfãos da SIDA poderão ser adoptadas diversas estratégias e comportamentos. Promover, manter e melhorar a saúde dos idosos, em especial dos que têm responsabilidades na prestação de cuidados; Proporcionar aos idosos educação e informação sobre o VIH/SIDA e os cuidados conexos; Prestar apoio psicológico e aconselhamento a todos os prestadores de cuidados profissionais de saúde e prestadores de cuidados no lar; Reduzir o estigma duplo (associado à SIDA e à idade) e outros preconceitos existentes entre os profissionais de saúde em especial, através da formação e educação;

5 Formular políticas e levar a cabo iniciativas destinadas a reforçar a capacidade dos idosos prestadores de cuidados tais como o apoio económico sob a forma de subsídios e de educação; Fornecer recursos adicionais ao prestador de cuidados, nomeadamente, habitação, cuidados médicos e alimentação. O fardo que recai sobre os idosos de África Em consequência de uma vida cheia de dificuldades, da malnutrição, da pobreza e, na velhice, de um alto risco de doenças crónicas, os idosos constituem, na maioria dos países africanos, um grupo vulnerável. A pandemia da SIDA impõe-lhes agora um fardo adicional, aumentando ainda mais a sua vulnerabilidade. Na velhice, quando podem precisar de apoio e esperar que tomem conta deles, muitos deles podem ter de assumir o papel de prestadores de cuidados a outros, na maior parte dos casos sem disporem sequer dos recursos básicos necessários. Assim, a sua saúde é o bem mais precioso, não só para eles mas também para a sua família e comunidade. A falta de apoio económico, social e psicológico conjugada com a inacessibilidade dos serviços de saúde constitui uma ameaça à sua capacidade de prestarem os cuidados que deles se esperam. Deverão ser envidados todos os esforços para dar apoio e solucionar a vulnerabilidade destes idosos, mais que não seja porque são eles que estão a criar a futura geração adulta o futuro capital humano de África. Melhorar a qualidade de vida A pandemia do VIH/SIDA está a ter um forte impacte nos idosos. Tanto os idosos infectados como os que prestam cuidados lutam com falta de recursos e com o estigma associado à doença. O objectivo último é melhorar a qualidade de vida de ambos os grupos. A melhor forma de atingir esse objectivo é melhorar as actividades de mobilização e o apoio. Também é essencial uma educação melhor para os profissionais de saúde, idosos, membros das famílias e sociedade em geral. Os governos, as ONG, as instituições académicas e outras instituições podem servir de facilitadores através dos seus programas, projectos e políticas. Este artigo baseia-se em contributos do Programa Conjunto das Nações sobre a SIDA (ONUSIDA) e da Organização Mundial de Saúde (OMS). Para mais informações, é favor contactar: Organização Mundial de Saúde, Genebra, Suíça Dr. Alexandre Kalache Tel.: ( ) Ou Robert de Graft Agyarko Tel.: ( ) Webpage do projecto: Departamento de Assuntos Económicos Sociais das Nações Unidas Serviço de Envelhecimento Tel.: ( ) Secção de Desenvolvimento e Direitos Humanos Departamento de Informação Pública das Nações Unidas Tel.: ( )

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Síntese No dia 4 de Outubro de 2005, o Programa das Nações Unidas para a Juventude, do Departamento

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2007/2212(INI) 4.2.2008 ALTERAÇÕES 1-34 Anna Záborská (PE400.281v01-00) Livro Verde sobre o papel da sociedade civil

Leia mais

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Minorias sexuais Historial: O conselho do Fundo Mundial de Luta contra

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

ENCONTRO DE PARCEIROS PARA A PERSPECTIVAÇÃO DE UMA PLATAFORMA DE ACÇÃO INTEGRADA PARA A TERCEIRA IDADE. Mindelo, 6 de Outubro de 2009

ENCONTRO DE PARCEIROS PARA A PERSPECTIVAÇÃO DE UMA PLATAFORMA DE ACÇÃO INTEGRADA PARA A TERCEIRA IDADE. Mindelo, 6 de Outubro de 2009 ENCONTRO DE PARCEIROS PARA A PERSPECTIVAÇÃO DE UMA PLATAFORMA DE ACÇÃO INTEGRADA PARA A TERCEIRA IDADE Mindelo, 6 de Outubro de 2009 Uma sociedade para todas as idades. A nossa comunicação baseia-se no

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades Emprego Digno: Inclusão Social e Protecção Social O aumento da longevidade está a criar uma nova fronteira para a humanidade, a ampliar as nossas perspectivas

Leia mais

2003 - ANO INTERNACIONAL DA ÁGUA DOCE

2003 - ANO INTERNACIONAL DA ÁGUA DOCE 2003 - ANO INTERNACIONAL DA ÁGUA DOCE "Nenhuma medida poderia contribuir mais para reduzir a incidência de doenças e salvar vidas no mundo em desenvolvimento do que fornecer água potável e saneamento adequado

Leia mais

A saúde da população é uma questão crucial para o desenvolvimento em qualquer país

A saúde da população é uma questão crucial para o desenvolvimento em qualquer país Saúde Global e Desenvolvimento Sustentável A saúde da população é uma questão crucial para o desenvolvimento em qualquer país do mundo. É uma evidência para cada um de nós que a saúde é uma condição base

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8 Prevenção BCC (Comunicação para Alteração de Comportamento) cobertura comunitária e escolas Fundamentação lógica para incluir as SDA (Área

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

ÍNDICE GERAL. 2.1. VIH/sida no Mundo... 40 2.2. VIH/sida em Portugal... 42

ÍNDICE GERAL. 2.1. VIH/sida no Mundo... 40 2.2. VIH/sida em Portugal... 42 ÍNDICE GERAL PREFÁCIO... 9 APRESENTAÇÃO... 11 1ª PARTE: ENQUADRAMENTO TEÓRICO INTRODUÇÃO... 15 CAPÍTULO 1 OS ADOLESCENTES E OS JOVENS ADULTOS... 19 1.1. Limites temporais da adolescência... 20 1.2. Puberdade

Leia mais

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE

CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE CRIANÇAS ÓRFÃS E VULNERÁVEIS NO CONTEXTO DO HIV/SIDA EM MOÇAMBIQUE HIV/SIDA em Moçambique O HIV/SIDA é a ameaça mais séria que Moçambique

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Em 2000, 189 chefes de Estado e de Governo assinaram a Declaração do Milénio que levou à formulação de 8 objectivos de desenvolvimento, a alcançar entre 1990 e 2015. Os ODM - Objectivos de Desenvolvimento

Leia mais

ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM CALOUSTE GULBENKIAN ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PBL - CASO 2 MJ1 Braga, Novembro, 2010 Avaliação da família TIPO DE FAMÍLIA: Nuclear

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO?

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? 1. O que é Deficiência Intelectual ou Atraso Cognitivo? Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador:

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Inquérito n.º CESOP Saúde e Sexualidade Versão Masculina (V2) Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Chamo-me e trabalho para o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de S.E o Presidente da Assembleia Nacional na cerimónia de abertura da I Conferência Internacional Uma Criança, Um Cidadão. Senhora Ministra da Educação

Leia mais

Derrotar o cancro do útero

Derrotar o cancro do útero Portuguese translation of Beating cervical cancer The HPV vaccine questions and answers for parents of girls in Year 9 Derrotar o cancro do útero A vacina HPV perguntas e respostas para os pais de jovens

Leia mais

PREVENÇÃO DA SIDA MAIS DE 10 MIL RESPOSTAS!

PREVENÇÃO DA SIDA MAIS DE 10 MIL RESPOSTAS! PREVENÇÃO DA SIDA Não baixar os braços Campanhas de prevenção frequentes, bem dirigidas e sem tabus são armas essenciais na luta contra a propagação da sida. O nosso inquérito a mais de 10 mil pessoas

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP

CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP INTERVENÇÃO DO SENHOR EMBAIXADOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS, CHEFE DA DELEGAÇÃO, SOBRE O TEMA CENTRAL OS DESAFIOS

Leia mais

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM CONTACTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMILIARES E AMIGOS DE DOENTES DE ALZHEIMER SEDE Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 - Quinta do Loureiro 1300-125 Lisboa Tel: 213 610

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES

DISTÚRBIOS ALIMENTARES DISTÚRBIOS ALIMENTARES Adolescência Período da vida entre a infância e a idade adulta. Fase decisiva na vida do ser humano. Fase de experiências, mudanças físicas, psicológicas e emocionais, que são avaliadas

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda.

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda. Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS 1 Reconhecer a importância de planear atempadamente a alta do doente, num contexto de integração de

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS

Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Iolanda Évora Avanços e retrocessos na área da saúde mental dos imigrantes em Portugal: a perspectiva do GIS Apresentado no 9º Encontro de Saúde Mental de Cascais a 14 de Novembro de 2008 O CEsA não confirma

Leia mais

O que é Rotary? Tourigo, 22.10.2011 - R.C. Tondela 1

O que é Rotary? Tourigo, 22.10.2011 - R.C. Tondela 1 O que é Rotary? Rotary é uma organização de Líderes de negócios e profissionais que prestam serviços humanitários, fomentam elevado padrão de Ética em todas as Profissões e ajudam a estabelecer a Paz e

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Saúde Móvel Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Saúde Móvel Morada Avenida de Ceuta (Sul), Lote

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 Índice Capítulo VI 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 6.2 Licenças Parentais na Europa dos 15...6 6.3 As Licenças de Maternidade, Paternidade,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05 Para: Contacto na DGS: Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO 1 O que quer dizer sexo seguro? Sexo seguro quer dizer, práticas sexuais responsáveis sem riscos de engravidar, ou de contrair uma infecção transmitida sexualmente,

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO Com a colaboração de: No âmbito dos estudos de género e das políticas de igualdade têm vindo a ser definidos inúmeros conceitos com vista

Leia mais

Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais

Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais Fundo das Nações Unidas para a Infância O que é a Convenção sobre os Direitos da Criança? É um tratado adoptado pelas Nações Unidas em 1989

Leia mais

Plano Básico Esclarecimento e Educação em Direitos Humanos

Plano Básico Esclarecimento e Educação em Direitos Humanos ~ Cidade de Oizumi ~ Plano Básico Esclarecimento e Educação em Direitos Humanos 大 泉 町 人 権 教 育 啓 発 に 関 する 基 本 計 画 概 要 版 Sumário Todas as pessoas devem respeitar a individualidade de cada um. O direito da

Leia mais

emocional e social do indivíduo por um longo período, inclusive até a idade adulta.

emocional e social do indivíduo por um longo período, inclusive até a idade adulta. Crescimento e Desenvolvimento das Crianças em Contextos Migratórios: Cabo-Verdianos e Descendentes de Cabo- Verdianos no Bairro da Cova da Moura O crescimento e desenvolvimento de um indivíduo são fortemente

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

TEMA: - DESAFIOS PARA O ACESSO INCLUSIVO E UNIVERSAL NOTA DE INFORMAÇÃO SOBRE A RESPOSTA AO ÉBOLA

TEMA: - DESAFIOS PARA O ACESSO INCLUSIVO E UNIVERSAL NOTA DE INFORMAÇÃO SOBRE A RESPOSTA AO ÉBOLA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: +251 11 551 7700 Fax: +251 115 182 072 Website: www.au.intwww.africa-youth.org PRIMEIRA REUNIÃO DO COMITÉ TÉCNICO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Guidelines COMUNICAÇÃO INTERPROFISSIONAL E PARTILHA DE INFORMAÇÃO

Guidelines COMUNICAÇÃO INTERPROFISSIONAL E PARTILHA DE INFORMAÇÃO Prefácio A criação da Ordem dos Psicólogos Portugueses pela lei 57/2008 de 4 de Setembro, bem como a elaboração e aprovação do Código Deontológico dos Psicólogos Portugueses em 25 de Março de 2011, responderam

Leia mais

Padrões Mínimos para o Acolhimento Residencial de Crianças * Secção I Definição e missão de Centro de Acolhimento

Padrões Mínimos para o Acolhimento Residencial de Crianças * Secção I Definição e missão de Centro de Acolhimento Republica da Guine Bissau Padrões Mínimos para o Acolhimento Residencial de Crianças * Secção I Definição e missão de Centro de Acolhimento 1. Centro de Acolhimento é todo tipo de estrutura que alberga

Leia mais

Setembro, 2008. Fátima Barbosa

Setembro, 2008. Fátima Barbosa Uma nova realidade, um novo desafio Setembro, 2008. História de um Cuidador Tenho 65 anos, fui emigrante na França e na Alemanha e cá em Portugal trabalhei em várias zonas. Sempre gostei da vida! Reformei-me

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de análise sociológica na área da Sociologia da Educação, não tem sido uma prática comum, não o tendo sido tão-pouco noutras

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Iolanda Évora Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Apresentado no II Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Viana do Castelo25-26 de Outubro

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

natura Campo de ferias surf adventures acampamento Verao 2010 Programa de Ocupação de Tempos Livres naturasines actividades de ar livre

natura Campo de ferias surf adventures acampamento Verao 2010 Programa de Ocupação de Tempos Livres naturasines actividades de ar livre acampamento Verao 2010 naturasines actividades de ar livre Programa de Ocupação de Tempos Livres Vem apanhar umas ondas connosco! A Naturasines, propõe um Programa de Férias em regime de acampamento, a

Leia mais

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe Instituição Particular de Solidariedade Social Serviços e Equipamentos para Idosos Centro de Convívio Centro de Dia Apoio Domiciliário Centro de Convívio Resposta

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO 100-YEAR VISION 2016

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO 100-YEAR VISION 2016 PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO 100-YEAR VISION 2016 Proporcionando Acesso ao Ensino Superior a Órfãos da África Subsaariana A Ashinaga é uma ONG sem fins lucrativos sedeada no Japão, e que proporciona apoio

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

(Quatro anos depois) 1998-2002. Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 OS ADOLESCENTES PORTUGUESES AVENTURA SOCIAL & SAÚDE 1987-2006

(Quatro anos depois) 1998-2002. Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 OS ADOLESCENTES PORTUGUESES AVENTURA SOCIAL & SAÚDE 1987-2006 (Quatro anos depois) 1998-2002 Margarida Gaspar de Matos, *Faculdade de Motricidade Humana. ** CMDT/ Instituto de Higiéne e Medicina Tropical Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 1987-2006 Parceiros

Leia mais

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE

POLÍTICA DE HIV/SIDA DA HELVETAS MOÇAMBIQUE Helvetas Swiss Association for International Cooperation / Schweizer Gesellschaft für internationale Zusammenarbeit / Association suisse pour la coopération internationale Associação suíça para a cooperação

Leia mais