Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8"

Transcrição

1 Reprodução Medicamente Assistida Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

2 Introdução A reprodução medicamente assistida é um tipo de reprodução que utiliza técnicas de reprodução em casos de casais com problemas de infertilidade, ocorrendo este problema tanto em homens como mulheres.

3 O que é a Reprodução Medicamente Assistida? Consideramos qualquer técnica de reprodução como sendo medicamente assistida qualquer técnica de reprodução que não ocorre naturalmente sendo por isso necessário acompanhamento médico.

4 Causas que implicam Reprodução Medicamente Assistida A infertilidade, tanto masculina como feminina, levam a que, hoje em dia, bastantes casais recorram à Reprodução Medicamente Assistida.

5 Causas que implicam Reprodução Medicamente Assistida Factores como a idade, peso, o uso de drogas, e a contração de doenças sexualmente transmissíveis podem prejudicar gravemente a fertilidade tanto no homem como na mulher. Mesmo uma gravidez bem sucedida não garante que não se manifestem mais tarde dificuldades na reprodução.

6 Causas de infertilidade masculina Azoospermia Produção insuficiente ou nula de espermatozoides Oligospermia Produção de esperma em quantidades muito pequenas Produção de espermatozoides de fraca qualidade Problemas hormonais ou deficiências nos canais deferentes - impedem a maturação e transporte de esperma Danos a nível dos testículos infeções, inflamações, problemas circulatórios Cancro testicular Gametogénese anormal Stress crónico deficiências hormonais, afeta a produção normal do esperma Anomalias congénitas dos testículos hipogonadismo Deficiência na mobilidade dos gâmetas motilidade debilitada Anomalias da libertação de espermatozoides Exposição a substâncias tóxicas como o álcool, tabaco, drogas

7 Causas de infertilidade feminina Ausência de produção de oócitos Ovulação pouco frequente Bloqueio das Trompas de Falópio Ploblemas ao nível do endométrio Danificação ou ausência das Trompas de Falópio Obstrução do colo do útero Ovariectomia ou ooforectomia extração dos ovários Histerectomia extração do útero Produção de muco cervical demasiado espesso, levando ao bloqueio da entrada de espermatozoides no útero Infeção das vias genitais Exposição a substâncias tóxicas, como o álcool, tabaco, drogas

8 Reprodução Medicamente Assistida Técnicas: Inseminação Artificial Fertilização In vitro Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides Transferência Intratubária de Gâmetas Transferência Intratubária de Zigotos Maternidade por Substituição

9 Inseminação Artificial A inseminação artificial ou IUI (Intra Uterine Insemination) é uma técnica utilizada em casos de infertilidade tanto no homem como na mulher, tais como a incapacidade de ejaculação, distúrbios de ovulação ou alterações no muco cervical que impedem a livre penetração dos espermatozoides no útero.

10 Inseminação Artificial A inseminação artificial consiste na deposição dos espermatozoides no interior do útero, utilizando meios artificiais. Existe também outra forma que consiste na introdução dos espermatozoides diretamente no cérvix (inseminação intracervical).

11 Inseminação Artificial No processo de inseminação artificial, os espermatozoides são separados do líquido seminal, através da centrifugação, sendo que são colocados acima do orifício interno do colo do útero, sendo o líquido seminal desnecessário meio de transporte. Este é então substituído por um meio de cultura adequado. A fertilização é denominada assim In vivo, sendo esta dentro das trompas de falópio.

12 Fertilização In vitro A fertilização In vitro, também por vezes denominada de bebé-proveta, é aconselhada em casos de infertilidade provenientes de lesão nas trompas, gravidez ectópica, laqueação irreversível das trompas, infertilidade masculina ou casos de infertilidade sem causa aparente.

13 Fertilização In vitro Este tipo de técnica divide-se em várias fases: 1. Faz-se uma indução do óvulo, estimulando assim o desenvolvimento e amadurecimento dos oócitos II; 2. Recolhem-se os oócitos II; 3. Em relação ao esperma, este é recolhido por masturbação ( bancos de recolha de esperma), ou, em caso de azoospermia, os espermatozoides são recolhidos diretamente do epidídimo;

14 Fertilização In vitro Este tipo de técnica divide-se em várias fases: 4. Após a recolha dos gâmetas, realiza-se assim a fertilização dos oócitos II num meio que simula as trompas de falópio; 5. Durante o período seguinte (8 a 18h) procuram-se assim sinais de fecundação normal, isto é, presença de dois pronúcleos.

15 Fertilização In vitro Este tipo de técnica divide-se em várias fases: 6. De seguida, os óvulos são incubados no mesmo meio de cultura durante um período de 48h, até que estas atinjam um estado de 6 a 8 células; 7. No final, o melhor embrião é escolhido e transferido para o útero através de um cateter especial de plástico com monitorização ecográfica.

16 Fertilização In vitro

17 Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides A Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides, Microinjeção ou ICSI (Intracytoplasmatic Sperm Injection) é a técnica para tratamentos de infertilidade, atingindo uma percentagem de 50% em casos de mulheres com menos de 35 anos. A ICSI é especialmente indicada para o tratamento de infertilidade masculina, tais como, espermatozoides com baixa mobilidade, baixa percentagem ou nenhuns espermatozoides na ejaculação.

18 Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides Esta técnica é utilizada com o auxílio de micromanipuladores unidos ao microscópio, a qual consiste na injeção de um único espermatozoide diretamente no interior do oócito, fomentando assim a fecundação. Esse trabalho é realizado numa placa de Petri com o auxílio de duas micropipetas, sendo que uma delas segura o oócito e a outra pega o espermatozoide, imobilizando-o e injetando-o dentro do oócito, penetrando assim a zona pelúcida.

19 Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides Imobilização do espermatozoide Colocação do espermatozoide na micropipeta de injeção pela cauda Início da injeção do espermatozoide no interior da micropipeta) no óvulo

20 Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides Micropipeta com espermatozoide totalmente dentro do oócito Injeção do espermatozoide e retirada da micropipeta A verificação da fecundação nesta técnica é feita após 18 horas, utilizando um microscópio. Os embriões resultantes são assim implantados no útero utilizando técnicas de fertilização In vitro.

21 Transferência Intratubária de Gâmetas A Transferência Intratubária de Gâmetas ou GIFT é adequada para casos de infertilidade originada em disfunções do esperma, quando esta é desconhecida ou quando existem anomalias no muco cervical. No processo desta técnica os gâmetas são obtidos pelas mesmas técnicas utilizadas nos processos da Fertilização In Vitro e na Microinjeção.

22 Transferência Intratubária de Gâmetas Após uma seleção minuciosa em laboratório, os oócitos e os espermatozoides são inseridos nas Trompas de Falópio através do processo de laparoscopia, sendo nesta técnica, a Fecundação In Vivo. A taxa de sucesso deste processo é de 25 a 30%.

23 Transferência Intratubária de Zigotos A Transferência Intratubária de Zigotos ou ZIFT é considerada uma variante da GIFT. Neste processo, após a recolha e seleção de oócitos e espermatozoides, os gâmetas são inseridos em contacto in vitro, num meio de cultura específico durante 18 a 24 horas. Posteriormente, realiza-se uma laparoscopia e transfere-se o(s) zigoto(s) para as Trompas de Falópio. No entanto, esta é uma técnica com taxas de sucesso muito reduzidas.

24 Maternidade por Substituição Esta técnica é usada quando o problema de infertilidade tem origem na mulher devido a impossibilidade de gestação, a qual ocorre, quando existe, por exemplo a ausência de útero. Consiste igualmente, na criação de um ser por outra mulher. Nesta técnica, decorre-se a uma Fecundação In Vitro ou ICSI, usando gâmetas do casal com posterior colocação do útero de acolhimento, ou seja, na barriga de aluguer.

25 Técnicas Complementares Histeroscopia e Laparoscopia: Utilizadas para diagnosticar e tratar diversas alterações da cavidade uterina que podem ser a causa da infertilidade, sem cortes, através da vagina. Laparoscopia

26 Técnicas Complementares Indução da ovulação: Provoca a ovulação na mulher através de comprimidos que estimulam a hipófise. Utilizados em mulheres que não têm o período regularizado e por isso não ocorre a ovulação.

27 Técnicas Complementares Criopreservação: Consiste na preservação de gametas ou zigotos que depois podem ser introduzidos no útero. A conservação é feita recorrendo a temperaturas baixas.

28 Principais Riscos Mulher: Erro humano; Gestações múltiplas; Malformações congénitas; Complicações resultantes do tratamento hormonal ou de uma gestação múltipla aumentam os riscos para a saúde da mãe; Desapontamento do casal, no caso de ineficácia dos tratamentos; A laparoscopia exige anestesia geral e isso, em situações muito raras, pode trazer complicações.

29 Principais Riscos Homem: Erro humano; Malformações; Desapontamento do casal, no caso de ineficácia dos tratamentos.

30 Reprodução Medicamente Assistida em Portugal Existem em Portugal 15 centros autorizados pela Direção Geral de Saúde a ministrar técnicas de procriação medicamente assistida, tendo cada um destes um conjunto de critérios mínimos para que os casais possam realiza-las.

31 Reprodução Medicamente Assistida em Portugal Serão admitidos todos os casais, cuja mulher se enquadre nos seguintes critérios: Qualquer mulher, independentemente da sua idade, desde que referenciada pelo Médico de Família, pode aceder a uma consulta de apoio à fertilidade;

32 Reprodução Medicamente Assistida em Portugal Todas as mulheres que não ultrapassem os 42 anos (41 anos e 364 dias) e que tenham indicação clínica para o fazer, serão admitidas ao conjunto de Técnicas de PMA de 1.ª linha (indução de ovulação e inseminação intrauterina); Todas as mulheres que não ultrapassem os 40 anos (39 anos e 364 dias), com indicação clínica para tal, serão admitidas às Técnicas de PMA de 2.ª linha (fertilização in vitro e injeção intracitoplasmática de espermatozoide).

33 Reprodução Medicamente Assistida em Portugal Com base nestes critérios, o Serviço Nacional de Saúde (SNS), em termos de financiamento, garante: Todos os tratamentos de Indução de Ovulação; Até 3 ciclos de Inseminação Intra-Uterina; Durante o ano de 2010, um ciclo de Fertilização in Vitro e injecção-citoplasmática de espermatozóide, sendo que, a partir de 2011, o SNS assumirá o pagamento até 3 ciclos das Técnicas de PMA de 2.ª linha supracitadas.

34 Reprodução Medicamente Assistida em Portugal Site:

35 Reprodução Medicamente Assistida no Mundo A utilização clínica das técnicas de PMA sofreu grande expansão em todo o mundo, estimando-se que já tenham nascido mais de 3 milhões de crianças como resultado do seu uso. De acordo com um relatório Europeu, publicado em Setembro de 2011, há já países europeus em que 3% ou mais das crianças nascidas resultam de PMA. É o caso da Dinamarca (4,1%), da Eslovénia (3,6%), da Bélgica (3,3%), da Finlândia (3,3%) e da Suécia (3,3%).

36 Reprodução Medicamente Assistida no Mundo Este valor torna bem evidente que, para lá do seu mérito na resolução dos problemas de casais, este conjunto de técnicas tem uma enorme relevância social. O mesmo estudo coloca Portugal na cauda da Europa, com 0,9% de nascimentos resultantes de PMA. Entre os 17 Estados Membros para os quais há informação disponível, apenas Malta, onde a PMA nem sequer está regulamentada, apresenta um valor inferior (0,54%).

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Ano Letivo 2011/2012 BIOLOGIA 12º ANO Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE 2. Manipulação da Fertilidade 2.2 Infertilidade Humana

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

Técnicas de Reprodução Assistida

Técnicas de Reprodução Assistida Manipulação da Fertilidade Técnicas de Reprodução Assistida Juliana, nº19 Elisa, nº20 Tânia, nº26 12ºA Técnicas complementares 1. Indução da ovulação Geralmente, antes de realizar qualquer processo de

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

Métodos contraceptivos

Métodos contraceptivos Métodos contraceptivos O que são métodos contraceptivos? São processos que permitem evitar uma gravidez não desejada. Todas as pessoas usam o mesmo método contraceptivo? Existem vários métodos contraceptivos.

Leia mais

Tecnologia para a regulação dos nascimentos? gravidez indesejada.

Tecnologia para a regulação dos nascimentos? gravidez indesejada. Quais os contributos da Ciência e da Tecnologia para a regulação dos nascimentos? São utilizados para prevenir uma São utilizados para prevenir uma gravidez indesejada. Mét. Contracepção A - Não Naturais

Leia mais

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte!

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte! Agrupameo de Escolas de Casquilh Escola Secundária de Casquilh 2º Teste Sumativo (90 minut) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Reprodução Humana e Engenharia Genética Dezembro 2013 Professora

Leia mais

M t é o t d o os o Contraceptivos

M t é o t d o os o Contraceptivos Métodos Contraceptivos São meios utilizados para evitar a gravidez quando esta não é desejada, permitindo a vivência da sexualidade de forma responsável. Permitem o planeamento familiar. 2 Como se classificam

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17 Nome: Mónica Algares Ano: 9º Turma: B Nº 17 Métodos contraceptivos naturais Método do calendário Se a menstruação ocorre de 28 em 28 dias, a ovulação ocorrerá por volta do 14º dia. Assim, o período fértil

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

Métodos contracetivos

Métodos contracetivos Métodos contracetivos Os futuros pais podem e devem planear a sua família Assim, para evitar uma gravidez indesejada, devem recorrer a métodos contracetivos. podem ser Naturais Não Naturais Calculam o

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA

Escola Básica Vasco da Gama de Sines A REPRODUÇÃO HUMANA Página1 A REPRODUÇÃO HUMANA Reprodução sexuada e dimorfismo sexual A reprodução é uma função dos seres vivos que permite dar origem a outros seres da mesma espécie. Reprodução sexuada Na espécie humana

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006 Associação Portuguesa de Urologia Separata Volume 23 Número 4 2006 Acta Urológica Urologia e Medicina Familiar Infertilidade Conjugal Avaliação do factor masculino Director Editor Editores Adjuntos Francisco

Leia mais

1- REPRODUÇÃO HUMANA

1- REPRODUÇÃO HUMANA 1- REPRODUÇÃO HUMANA 1.1 O que é a Sexualidade? Sexualidade: a energia que encontra a sua expressão física, psicológica e social no desejo de contacto, ternura e amor. Caracteres sexuais primários: órgãos

Leia mais

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA

Reprodução humana. Aula 01. Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese. Espermatogênese Ovogênese UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Reprodução humana UNIDADE 3 ESPÉCIE HUMANA Sistema genital masculino Sistema genital feminino Gametogênese CAPÍTULO 11 Espermatogênese Ovogênese Aula 01 1. SISTEMA GENITAL MASCULINO ÓRGÃOS DO SISTEMA GENITAL

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 14 InFERTILIDADE MASCULInA 1. INTRODUçãO Aproximadamente 15% dos casais se tornam incapazes de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas. O fator masculino é responsável exclusivo

Leia mais

O que é a sexualidade?

O que é a sexualidade? O que é a sexualidade? Desde cedo, tendo em conta as características do nosso corpo, é-nos atribuído um sexo: Possuem um pénis. Masculino Feminino Possuem uma vagina. Caracteres sexuais primários Apresentam

Leia mais

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização

PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte à Contratualização 2009 Documento de Suporte à Contratualização do Programa Específico para melhoria do ACSS DGS PROGRAMA ESPECÍFICO PARA MELHORIA DO ACESSO AO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE Documento de Suporte

Leia mais

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010)

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Van Asselt KM, Hinloopen RJ, Silvius AM, Van der Linden PJQ, Van Oppen CCAN, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por

Leia mais

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana

Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana A A Unidade III Vida e ambiente Aula 14.2 Conteúdo: Reprodução humana 2 A A Habilidade: Compreender como ocorre a fecundação, a gravidez e o parto em seres humanos. 3 A A Reprodução humana e sexualidade

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO O início da vida sexual é um momento marcante na adolescência. São tantas dúvidas, medos preconceitos e mitos, que as vezes ficamos confusos! O exercício da sexualidade exige

Leia mais

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA! COLETA DO SÊMEN! ANÁLISE MACROSCÓPICA! ANÁLISE MICROSCÓPICA! ANÁLISE DA VITALIDADE! ANÁLISE MORFOLÓGICA! ANÁLISE DAS CÉLULAS REDONDAS! ANÁLISE BIOQUÍMICA!

Leia mais

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides?

O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? O que é a injeção intracitoplasmática de espermatozóides? A injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) é uma técnica de reprodução assistida que faz parte do tratamento de Fecundação in Vitro

Leia mais

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Embriologia GAMETOGÊNESE É o processo de formação e desenvolvimento de células especializadas chamadas de GAMETAS As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Espermatogônias

Leia mais

Adenda ao Acordo Modificativo 2009

Adenda ao Acordo Modificativo 2009 Adenda ao Acordo Modificativo 2009 Programa Específico para Melhoria do Acesso ao Diagnóstico e Tratamento da Infertilidade CENTRO HOSPITALAR VILA NOVA DE GAIA/ESPINHO, EPE A infertilidade, reconhecida

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR SISTEMA SOLAR 2 Aula de Revisão 1 Planeta terra Somos todos habitantes do planeta Terra. É nosso dever mantê-lo habitável. 3 Planeta Terra habitável 4 Planeta Terra não habitável 5 Dicas para cuidar melhor

Leia mais

Eu e a minha sexualidade. 2 de Fevereiro de 2009

Eu e a minha sexualidade. 2 de Fevereiro de 2009 Eu e a minha sexualidade Enf.ª Nádia Gonçalves 2 de Fevereiro de 2009 O QUE É A ADOLESCÊNCIA? É a transição entre a infância e a idade adulta; Etapa essencial da vida que permite ao ser humano conquistar

Leia mais

I Simpósio Regional de Enfermagem de Jundiaí Assistência de Enfermagem Segura: Experiências e Desafios SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO

I Simpósio Regional de Enfermagem de Jundiaí Assistência de Enfermagem Segura: Experiências e Desafios SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO ID: 97 EFEITOS DO ÁLCÓOL DURANTE A GRAVIDEZ- SÍNDROME ALCÓOLICA FETAL Mércia Regiane Luis (FACCAMP) Prof. Ms. Fabio Amorim (FACCAMP) Prof. Dra. Simone Manzolli (FACCAMP)

Leia mais

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A Fertilidade é o termo empregado para categorizar a capacidade de produzir vida. Ao longo do tempo o Homem tem vindo a demonstrar interesse em controlá-la, arranjando para isso

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozoides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e ocorrer a fecundação. Espermicidas

Leia mais

Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis. Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa

Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis. Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa Aparelho Reprodutor Feminino O aparelho reprodutor feminino é constituído pelos órgãos genitais

Leia mais

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12

Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação. Isabel Dias CEI Biologia 12 Fecundação, desenvolvimento embrionário e gestação Formação de um novo ser encontro do oócito II com espermatozóides Fecundação formação de um ovo desenvolvimento contínuo e dinâmico, com a duração em

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 755/XII/4.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA)

PROJETO DE LEI N.º 755/XII/4.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 755/XII/4.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO À LEI N.º 32/2006, DE 26 DE JULHO, ALTERADA

Leia mais

Ácido Cítrico Líquido Seminal. Análise Seminal Computadorizada

Ácido Cítrico Líquido Seminal. Análise Seminal Computadorizada Ácido Cítrico Líquido Seminal O ácido cítrico é produzido pela próstata. Tem sua produção dependente da atividade hormonal e está ligado ao processo de coagulação e liquefação do esperma. Colorimétrico

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

PARECER N.º 467/CITE/2015

PARECER N.º 467/CITE/2015 PARECER N.º 467/CITE/2015 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II Métodos Contraceptivos ou Anticoncepcionais 1 Coito Interrompido (Onanismo): Consiste

Leia mais

Gravidez Semana a Semana com Bruna Galdeano

Gravidez Semana a Semana com Bruna Galdeano Desde o momento em que o óvulo é fecundado pelo espermatozoide, seu futuro bebê começa uma aventura extraordinária dentro de sua barriga, assim passando de um aglomerado de células a um perfeito ser humano.

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. 2 Habilidade: Compreender o funcionamento dos principais métodos contraceptivos (comportamentais, químicos, de barreira e definitivos).

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS

AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS AS CONSEQUÊNCIAS PSICOLÓGICAS NAS MULHERES INFÉRTEIS E ESTÉREIS Lucilaine Rodrigues Azem; Maria Cláudia Martins dos Santos; José Rogério de Paula. Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium - UNISALESIANO

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17 Nome: Mónica Algares Ano: 9º Turma: B Nº 17 Introdução Pretendo com este trabalho alertar para graves problemas que ao passar do tempo tem vindo a aumentar, as doenças sexualmente transmissíveis. Com a

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Espermicidas (sob a forma de óvulos,

Leia mais

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

Guia de Orientação para tratamento da infertilidade

Guia de Orientação para tratamento da infertilidade Guia de Orientação para tratamento da infertilidade Parabéns! Ao receber este guia vocês terão tomado a importante decisão de ter filhos. Pode ser que estejam tentando descobrir os motivos porque eles

Leia mais

Biologia 1ª Série Resumo - Reprodução Humana

Biologia 1ª Série Resumo - Reprodução Humana Assim como as casas são feitas de tijolos, todos os organismos são formados por pequenas unidades, chamadas células. Extremamente pequenas, cabem centenas de células num pingo de um i Toda a programação

Leia mais

Biologia 12ºAno. Autor: Francisco Cubal. Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários

Biologia 12ºAno. Autor: Francisco Cubal. Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários Biologia 12ºAno Autor: Francisco Cubal Unidade da Reprodução Humana até Anexos Embrionários 1. Aparelho Reprodutor Masculino Aparelho Reprodutor Masculino Órgãos Externos Órgãos Internos Escroto (Envolve

Leia mais

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB >

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice < Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice Índice... 2 Métodos Contraceptivos... 3 O que são?... 3 Métodos Reversíveis... 4 Métodos Contraceptivos Hormonais... 4 Pílula Contraceptiva...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

Sistema Reprodutor. Carlos Plancha 6/12/06

Sistema Reprodutor. Carlos Plancha 6/12/06 Sistema Reprodutor Carlos Plancha 6/12/06 Aparelho Reprodutor Masculino Estrutura do testículo Compartimento tubular: Células da linhagem germinal Células de Sertoli Compartimento inter-tubular: Células

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA Sistema Genital Feminino Ovários: produção de óvulos e hormônios (estrógeno e progesterona) Tuba uterina: durante a ovulação, recolhe o óvulo e conduz até o útero Útero:

Leia mais

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 Tipos de reprodução Reprodução é a capacidade que os seres vivos têm de gerar descendentes da mesma espécie. A união dos gametas é chamada fecundação, ou fertilização,

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Autores: Priscila Mayumi Kashiwabara Ana Beatriz Vitiritti Débora Frigi Rodrigues Dimitson Ferreira de Oliveira Elisama Silva de Oliveira Márcio Moreno REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Contexto: Esta aula

Leia mais

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce Instituto Valenciano de Infertilidade O Instituto Valenciano de Infertilidade nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada

Leia mais