ANTECIPAÇÃO CRIMINAL E AVALIAÇÃO OPERACIONAL EM UMA SUBUNIDADE DA POLICIA MILITAR DE MINAS GERAIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANTECIPAÇÃO CRIMINAL E AVALIAÇÃO OPERACIONAL EM UMA SUBUNIDADE DA POLICIA MILITAR DE MINAS GERAIS."

Transcrição

1 FAQ - Faculdade XV de Agosto ANTECIPAÇÃO CRIMINAL E AVALIAÇÃO OPERACIONAL EM UMA SUBUNIDADE DA POLICIA MILITAR DE MINAS GERAIS. Alan Richard Rocha SOCORRO/2005

2 FAQ Faculdade XV de Agosto ANTECIPAÇÃO CRIMINAL E AVALIAÇÃO OPERACIONAL EM UMA SUBUNIDADE DA POLICIA MILITAR DE MINAS GERAIS. Aluno: Alan Richard Rocha Orientador: Prof. Ms. Laszlo Peter A. Urmenyi Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade XV de Agosto, curso de Administração em Sistema de Informações Gerenciais. SOCORRO/2005

3 " Muitas pessoas devem a grandeza de suas vidas aos problemas e obstáculos que tiveram de vencer."(spurgeon)

4 AGRADECIMENTO O agradecimento é a expressão clara do coração humano, é infinitamente o maior dos sentimentos, é o falar da alma. São muitos os que contribuíram de uma forma ou de outra para chegasse ao fim de um longo caminho, um jornada que não finda apenas da uma pausa, pois a busca pelo saber e as dificuldades da vida apenas findam com o apagar das luzes. Gostaria de destacar alguns nomes que me auxiliarem nesse percurso árduo, primeiramente o responsável por todas as coisas em nosso mundo, Deus, que me escutou quando mais ninguém ouvia, que me deu forças quando precisei, em que mantive minha fé que conseguiria chegar ao fim destes longos 4 anos de caminhada e poder finalizar com um último ato de glória. Aos meus pais que de longe rezavam por mim, oravam por minha vitória, e apesar da distância nos momentos mais difíceis sempre sentia a mão calejada de meu pai a afagar minha cabeça dando-me força para continuar e o colo quente de minha mãe a me abraçar e dizer: Filho, você vai conseguir! Não poderia deixar de citar o nome de um grande mestre, de um homem que por sua simplicidade deixa passar despercebida sua enorme sabedoria e seu grande coração, e talvez não fosse pelo professor Peter não teria conseguido um trabalho a contento, tenho orgulho de um dia ter sido seu aluno. Para não alongar muito vou terminar com mais alguns nomes, Cap Robson que me propiciou o espaço necessário neste trabalho, meus colegas de faculdade sem os quais não teria muitas histórias para contar, funcionários e professores, meus amigos e aos que me ajudaram de uma forma ou de outra.

5 RESUMO Este trabalho apresenta o desenvolvimento de um sistema de informações para antecipação da ocorrência dos delitos, bem como a avaliação operacional, estatística e geográfica das ocorrências. Foi desenvolvido junto a uma companhia da Polícia Militar, localizada em Extrema sul de Minas Gerais, contemplando a criação de um aplicativo específico, tendo como banco de dados uma ferramenta profissional e de grande capacidade. Visa atender não apenas as necessidades da PM mas pode ser também utilizado pelos órgãos que integram o sistema de defesa social como um todo, Polícia Civil, Bombeiros, Guarda Municipal, Defesa Civil, atentando-se logicamente para necessidades e adaptações específicas de cada um. Procura-se dinamizar o processo de consulta da informação, possibilitando acesso instantâneo, correto, prático, e auxiliando diretamente na tomada de decisão, planejamento, controle e organização das atividades relacionadas com a antecipação criminal. Definir onde? Quando? Como? Por que? mas com amparo estatístico para qualquer operação, além da possível avaliação posterior. Para tudo isso criou-se o GEmer (Gestor de Emergências), responsável pelo lançamento eletrônico dos boletins de ocorrências e dos dados que são armazenados em um banco de dados SQL (Standard Query Language) Firebird.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Instituição pública analisada A PM no Sul de Minas ª Região da Polícia Militar Identidade Organizacional Atual... 2 REFERENCIAL TEÓRICO Conceito Sobre Sistema de Informação Tipos de sistemas de informações Identificação das entradas de dados e saídas de informações Escopo do Sistema Banco de Dados... 3 Metodologia Aplicação Banco de Dados O Que é Firebird SQL Structured Query Language... 4 Resultado Dados Técnicos Aspectos do Programa Tela Para Acesso Tela Inicial Atendimento Menu Principal Recursos de Sistema... 31

7 4.2.6 Tabelas Básicas Registro da Solicitação... 5 ANÁLISE DOS RESULTADOS Filtragem Dos Dados Exportação dos Dados Relatórios Auditoria CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 45

8 7 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta o desenvolvimento de um sistema de informações para antecipação da ocorrência dos delitos, bem como as avaliações operacionais, estatísticas e geográficas das ocorrências. Foi desenvolvido junto a uma companhia da Polícia Militar, localizada em Extrema sul de Minas Gerais, contemplando a criação de um aplicativo específico, tendo como banco de dados uma ferramenta profissional e de grande capacidade. Vale ressaltar que os registros são atualmente realizados de forma manual e sem nenhuma possibilidade rápida e precisa de consulta das informações, daí o problema: como precisar as necessidades reais de cada setor de atuação da criminalidade? Como avaliar satisfatoriamente os resultados? Como armazenar os dados de maneira segura, prática, dinâmica? Visa atender não apenas a PM mas pode ser também utilizado pelos Órgãos que integram o sistema de defesa social como um todo, Polícia Civil, Bombeiros, Guarda Municipal, Defesa Civil, atentando-se logicamente para necessidades e adaptações específicas de cada um. O objetivo é dinamizar o processo de consulta da informação, possibilitando acesso instantâneo, correto, prático, e auxiliando diretamente na tomada de decisão, planejamento, controle e organização das atividades relacionadas com a antecipação criminal. Definir onde? Quando? Como? Por que?mas com amparo estatístico para qualquer operação, além da possível avaliação quantitativa do desempenho operacional das equipes. Para que os objetivos fossem atendidos criou-se um sistema de Gerenciamento de Emergências (gemer), que tem como ponto de partida a ligação do solicitante ou vítima e acompanha todo o desenrolar da ocorrência até seu final. O Gestor de Emergências permite o registro de inúmeras informações essenciais associadas a cada solicitação e atendimento realizado. Ficam registrados os dados sobre o pessoal destacado para a missão, os veículos utilizados, os tipos de ocorrências verificadas, detalhes sobre os envolvidos e eventualmente, registro de objetos ou produtos ilegais portados pelas pessoas envolvidas. Além de permitir um registro extremamente facilitado que possibilita a visualização e o gerenciamento de todos estes dados em uma única janela, o gemer é uma ferramenta de análise extremamente poderosa, permitindo filtrar e estudar perfis

9 8 de comportamento, classificar características das ocorrências, totalizar as apreensões por classe de objeto ou produto, tabular horários de atendimento do serviço e das viaturas, tabular a participação das Equipes nas várias missões, verificar quilometragem das diversas viaturas bem como outros detalhes do uso da frota entre muitas outras possibilidades e recursos. Durante este trabalho serão apresentados suas características, seu uso, suas possibilidades potenciais e sua utilidade prática na antecipação criminal, além de um recurso inovador na Segurança Pública, acompanhado da evolução tecnológica. 1.1 Instituição Pública Analisada Conforme é de conhecimento de todos e pelos testemunhos históricos que chegaram até os nossos dias, sabe-se que no alvorecer do Século XVIII, impulsionados pela cobiça do ouro e pedras preciosas encontradas nas Minas Gerais, afluíram para a promissora Província expedições oriundas de outros lugarejos mais desenvolvidos, como São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e até mesmo Portugal. No seio dessa heterogênea "massa" humana, a única lei vigente e que prevalecia era a lei do mais forte, fundamentada na força bruta e na violência. Contudo, somente a questão da fraude fiscal preocupava os dirigentes d'além mar. Nesse contexto, a lei soava como letra fria e morta para a maioria da população que vivia espalhada em longínquos rincões. A segurança das autoridades, das vilas e o transporte dos valores arrancados da terra exigiam, também, mais do que o poder dos simples "almotacés", dos bandos e das ordenanças ou o medo imposto pelos castigos previstos nas "Ordenações Filipinas". Exigia a presença de uma tropa que, superando a cobiça própria, fosse estruturada na disciplina e hierarquia militares e pudesse agir no campo e nas cidades, sem que se deixasse levar pelo brilho do ouro, tornando-se ao mesmo tempo, obediente e tecnicamente apta para cumprir suas missões específicas. Assim, com a finalidade de impedir a sonegação de impostos e a institucionalização da violência, bem como erradicar o clima de agitação ora instalado na Capitania, o Governador Pedro Miguel de Almeida - o Conde de Assumar - recorre ao Rei de Portugal, que envia a Minas Gerais duas Companhias de Dragões, constituídas somente de portugueses, que tão logo aqui chegaram foram contaminados pelo sonho da riqueza fácil, trocando suas armas pelas bateias e almocafre.

10 9 Diante do enfraquecimento das Companhias de Dragões e de seu desempenho insatisfatório, o Governador de Minas Gerais - Dom Antônio de Noronha - extinguiu-a, criando, no dia 09 de junho de 1775, o Regimento Regular de Cavalaria de Minas, em cujas fileiras foram alistados somente mineiros, que receberiam seus vencimentos dos cofres da Capitania. À Força recém-criada, a qual pertenceu Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes: Promártir da Independência e Patrono Cívico da Nação e das Polícias Brasileiras - caberia cumprir missões de natureza militar, através de ações e operações de enfrentamento dos tumultos, insurreições e defesa do território da Capitania e da Pátria, e, de natureza policial, na prevenção e repressão de crimes, mantendo em ordem a população, para que o ouro pudesse ser extraído, transportado e exportado em favor do Reino Português. Com o tempo, estabelecida a República, assiste-se também, à militarização da Força Pública Mineira, notadamente após a contratação do Coronel Robert Drexler, do Exército Suíço, para que treinasse os soldados na arte da guerra. Na Capital do Estado e nas cidades sedes dos Batalhões, a Força Pública apresentava-se com alguma independência e possuía a determinação dos Exércitos que jamais conheceram a derrota; contudo, nas cidades e vilas do interior, seus integrantes viviam a reboque do "mando" e das "vontades" políticas locais das quais dependiam para quase tudo. Mas, com a Força Pública militarizada e aquartelada, surgem, na Capital e em algumas cidades maiores, as chamadas "Guardas Civis", que se encarregariam do policiamento ostensivo. A Polícia Militar, apegada ao purismo castrense, mantinha seus Batalhões de Infantaria estruturados em Companhias de Fuzileiros, quando na realidade, seus efetivos se espalhavam pelas cidades, compondo os Destacamentos Policiais (Dst Pol.). Essas frações subordinavam-se, disciplinar e administrativamente, ao Comandante do Batalhão e funcionalmente, pelo poder da requisição e do planejamento do emprego, aos Delegados de Polícia. Através do Decreto-Lei 667 e suas modificações, garantiu-se às Polícias Militares, a Missão Constitucional de Manutenção da Ordem Pública, dando-lhes exclusividade do planejamento e execução do policiamento ostensivo, com substancial reformulação do

11 10 conceito de "autoridade policial", assistindo-se, também, a extinção de "polícias" fardadas, tais como: Guarda Civil, Corpo de Fiscais do DET, Guardas Rodoviários do DER e Guardas Noturnos. Em 1988, os Constituintes da República, estabeleceram um Sistema de Segurança Pública, constituído por órgãos policiais, de acordo com o Art 144 da Constituição da República, com estruturas próprias e independentes, porém, embora com atribuições distintas, interligados funcionalmente, corporificando o esforço do Poder Público para garantir os direitos do cidadão e da coletividade, prevenindo e combatendo a violência e a criminalidade A PM no Sul de Minas Aos 19 dias do mês de setembro de 1931, o Governador do Estado, Dr. Olegário Dias Maciel, sancionava o Decreto , que transformava o Grupo de Metralhadoras Pesadas da Força Pública em 8º Batalhão de Infantaria. Sua instalação, contudo, não aconteceu de imediato, ficando por ocorrer com a eclosão do Movimento Revolucionário Paulista. Ante a eminência de nosso Estado vir a ser invadido pelas forças paulistas, a 10 de julho de 1932, era nomeado para comandar o 8º Batalhão de Infantaria, o Tenente Coronel Fulgêncio de Souza Santos. No dia seguinte, 11 de Julho, era o 8º Batalhão instalado provisoriamente à Rua Paraíba, 576, em Belo Horizonte, iniciando aí os preparativos para engajar-se no Destacamento que defenderia as divisas de nosso Estado. No dia 30 de Julho detectou-se intensa movimentação das forças inimigas, fazendo crer que elas articulavam um combate decisivo. Restaurada a ordem e voltando o país à normalidade, retornava o 8º B.I., coberto de glória à capital mineira, onde seus soldados foram recebidos como heróis e bastante aclamados, aos desfilarem pelas ruas de Belo Horizonte. A 28 de Fevereiro de 1934, pelo Decreto , do Interventor Federal de Minas, Dr. Benedito Valadares Ribeiro, era dada por sede definitiva do 8º BPM, a cidade de Lavras, à época, considerada importante terminal ferroviário.

12 ª Região da Polícia Militar A Sexta Região da Polícia Militar (6ª RPM) foi criada pelo Decreto-Lei Estadual Nr , de 27 de Janeiro de 1.986, tendo sua instalação ocorrida no dia 29 de Abril do mesmo ano, no Pavilhão Comandante Fulgêncio, situado nas dependências do 8º BPM, à Avenida Comandante Nélio nº 111, Bairro Bicame, Lavras/MG. A Sexta Região da Polícia Militar compreende o Sul do Estado, ocupando um espaço territorial de Km², atendendo uma população superior a dois milhões de habitantes, distribuída pelos 141 municípios e 9 distritos e conta com um efetivo superior a policiais militares. A região limita-se ao Sul com os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, ao Norte com a 2ª RPM (Bom Despacho) e a Leste com a 4ª RPM (Juiz de Fora). A 6ª RPM é dividida em seis Unidades Operacionais (Batalhões ou Companhias Independentes). O 8º Batalhão, Unidade que deu origem as demais, é sediado em Lavras, o 20º Batalhão tem sua sede em Pouso Alegre, enquanto que o 24º e 29º Batalhões estão sediados, respectivamente, em Varginha e Poços de Caldas. Duas Companhias Independentes completam a estrutura organizacional da 6ª RPM, a 5ª Companhia Independente em Itajubá e a 14ª Companhia Independente em São Lourenço. A 116ª Cia foi criada em 2001, sediada na Av. lavapés, 513, centro, Extrema, sul de minas. Tem sob sua área de responsabilidade as cidades de Camanducaia, Itapeva, Monte Verde, Toledo e Munhoz. Conta com um efetivo total de 74 homens, sendo 31 na sede. Foto da sede da 116ª

13 12 O Sul de Minas vem apresentando vertiginoso crescimento industrial, atraindo indústrias que migram do ABC paulista, fazendo da região uma das que apresenta o maior crescimento do Estado. Este crescimento está sendo ainda mais acentuado com a duplicação da Rodovia BR 381 (Fernão Dias). Deve-se ressaltar que a cidade de Extrema situa-se as margens desta rodovia, na divisa do estado, tendo por conseqüência influência predominante da atuação da criminalidade oriunda do estado de São Paulo e com grande intensidade. A região é recortada pela Bacia do Rio Grande, onde se encontram instaladas 03 (três) Hidroelétricas: Usina de Camargos, de Itutinga e Funil, todas na área do 8º BPM. Grande parte dos Municípios da Região estão localizados nas margens da represa de Furnas. A educação é uma atividade de destaque, fartamente servida por escolas superiores, principalmente nas cidades de Alfenas, Varginha, Lavras, Pouso Alegre, Poços de Caldas, Itajubá, Santa Rita do Sapucaí e Três Corações. É também uma região com grande vocação agropecuária, destacando-se na produção de leite, café e cana-de-açúcar, sendo que as cidades de Varginha e Três Pontas, dentre outras, são grandes exportadoras de café. O turismo na região é bastante intenso, estimulado pelas Estâncias Hidrominerais e climáticas, que forma o Circuito das Águas destacando-se as cidades de São Lourenço, Caxambú, Lambari, Cambuquira e Passa Quatro, e também balneários que formam o Circuito do Lagos como Boa Esperança, Alfenas, Guapé e Fama. Jacutinga, Monte Sião, e Monte Verde formam o Circuito das Malhas. Por outro lado, Poços de Caldas, maior cidade do Sul de Minas, uma das mais importantes cidades do pólo turístico do Estado, é a maior estância hidromineral da região. Mesmo diante de tanta grandeza, diversidades e desenvolvimento, o Sul de Minas é a Região do Estado com menor índice de criminalidade violenta Identidade Organizacional Atual O negócio: Promover a Paz Social A missão: Proporcionar um ambiente seguro em Minas Gerais com a participação comunitária: protegendo a vida, reduzindo crime e o medo e garantindo a lei.

14 13 Os valores: 1. Humanizar: cultivar o amor, a compaixão, a solidariedade, a intuição, a fé e a tolerância; 2. Ser ético: basear o trabalho e as relações em princípios humanos; 3. Crescer: desenvolvimento pessoal e profissional; 4. Participar: o exercício de nosso trabalho de equipe e a cidadania; 5. Respeitar: tratar as pessoas com dignidade para uma convivência harmoniosa. Visão: Sermos reconhecidos como referência na produção de serviços públicos e orgulho do povo mineiro

15 14 2 REFERENCIAL TEÓRICO A seguir será apresentado o referencial teórico a ser utilizado nesse trabalho através de pesquisas em livros, artigos, periódicos, dicionários e Internet. 2.1 Conceito Sobre Sistema de Informação Conforme O Brien (2004 p.6) sistemas de informação é um conjunto organizado de pessoas, hardware, software, rede de comunicação e recursos de dados que coleta, transforma e dissemina informações em uma organização. Houve uma mudança significativa nas empresas, com a expansão dos sistemas de informação e, esse aumento, trouxe ao novo gerente as informações, que antes eram simples relatórios de departamentos, tornando-se relatórios pré-definidos das quais ele necessitaria para a tomada de decisões. A importância e a necessidade dos Sistemas de Informações dentro das empresas está redefinindo os fundamentos dos negócios, que servem para garantir o bom desempenho da empresa, bem como avaliar, manter ou alterar suas estratégias de metas e ajudam a receber de volta informações para que se possa fazer avaliações: se o pretendido está sendo colocado em prática. Para que tenha um sistema de informação eficiente é necessário que todas as informações sejam adequadas, só assim, então, poderá ter um controle e tomada de decisões eficientes para o qual se propôs a trabalhar. Para Oliveira (1999, p. 23), Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. De acordo com Oliveira (1999), o sistema procura desenvolver algumas técnicas para viabilizar e lidar com a grandeza das empresas; procura ter uma visão do todo, um conjunto, ou seja, uma depende da outra; e ainda o estudos dos relacionamentos entre os elementos, que mudam de acordo com seus arranjos estruturais e da sua dinâmica. Ainda para Oliveira (1999, p. 36), a informação é um dado trabalhado que permite ao executivo tomar decisões, é a base para melhorar a assertividade dessas decisões, além de possibilitar um trabalho adequado com a informação, pois mais importante que esta é saber trabalhar com ela. Para O Brien (2004) investir em tecnologia da informação é investir na qualidade da empresa, melhorar o desempenho dos processos e trabalhar na reengenharia dos processos de negócios. Cada vez mais as empresas necessitam de controles de suas atividades, com

16 15 informações ágeis, completas e precisas. A velocidade, a capacidade de processamento da informação e a conectividade das redes de computadores podem aumentar significativamente a eficiência dos processos, bem como as comunicações e a colaboração entre as pessoas responsáveis por sua cooperação e administração. Para Laudon e Laudon (2004, p. 4), Hoje, todos admitem que conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores, porque a maioria das organizações precisa deles para sobreviver e prosperar. Com os sistemas, as empresas podem aumentar o seu grau e alcance de participação no mercado, oferecer novos produtos, adequar-se internamente e, muitas vezes, transformar radicalmente o modo como conduzem seus negócios. Um sistema de informação pode ser definido como um conjunto de componentes que se interagem para coletar dados ou recuperá-los, processar, armazenar e distribuir informações; informações essas que serão utilizadas para apoiar em uma tomada de decisão, à coordenação e ao controle de uma organização, além, ainda, de poder auxiliar os gerentes e trabalhadores a analisar e visualizar problemas e assuntos complexos e criar novos produtos. É importante salientar que os sistemas de informações necessitam do feedback, para que sejam analisados os desenvolvimentos das metas e ou objetivos planejados e, se necessário fazer ajustes e correções das entradas. Para Pressman (1995) desenvolvimento de sistemas ou modelagem de sistemas baseiase na arquitetura de sistemas contendo a concepção de Entrada Processamento Saída. Baseada neste modelo simplificado de Processamento de dados na busca de obtenção de informações, Hatley (1987 apud PRESSMAN, 1995, p. 215) acrescentou ao sistema outras duas características: a interface com o usuário e o processamento de manutenção; como pode ser observado na figura 1. Processamento de interface com o usuário Processamento de entrada Funções de Processo e de controle Processamento de saída Manutenção e autoteste Figura 1 Modelo de arquitetura de sistemas Fonte: PRESSMAN, 1995, p. 215)

17 16 O Webster s Dictionary (apud PRESSMAN, 1995, p. 178) define sistema como: 1 um conjunto ou disposição de coisas relacionado à ponto de formar uma unidade ou um todo orgânico; 2 um conjunto de fatos, princípios, regras, etc. classificado e arranjado ordenadamente para mostrar um plano lógico unindo às várias partes; 3 um método ou plano de classificação ou disposição; 4 uma maneira estabelecida de se fazer algo; procedimento [...] O Webster s Dictionary apresenta 5 definições sobre sistemas, mas a mais abrangente e que confirma os métodos de processamentos sistemáticos de Pressman é a seguinte: [...] procedimento ou controle ao processar informações. Para Bertalanffy (1973, p.85, apud FERNANDES, 2004, p. 20), um sistema pode ser definido como um conjunto complexo de elementos que tendem a interagir entre si. Esses elementos podem possuir comportamentos diferenciados em interações distintas e, conforme o autor, são os sistemas que mantém as trocas com o seu meio. Segundo Nazário (2005, p. 3), Sistema de Informações são elos que interligam as atividades em um processo integrado, combinando hardware e software para processar dados na busca de informações Tipos de sistemas de informações Segundo O Brien (2004), os tipos de sistema de informação se classificam em diferentes maneiras e se dividem em varias categorias, dentre elas dois se destacam para nosso estudo: SISTEMAS DE APOIO ÀS OPERAÇÕES - esses sistemas processam dados gerados por operações empresariais. Dentro desse sistema as principais categorias são: os sistemas de processamento de transações processam dados resultantes de transações empresariais, atualizam banco de dados operacionais e produzem documentos empresariais. Os sistemas de controle de processo monitoram e controlam processos industriais. Os sistemas colaborativos apóiam equipes, grupos de trabalho bem como comunicações e colaboração nas e entre empresas. SISTEMAS DE APOIO GERENCIAL - fornecem informações e apoio necessários para a tomada de decisão eficaz pelos gerentes. As principais categorias são: os sistemas de

18 17 informação gerencial, que fornecem informações na forma de relatórios e demonstrativos préestipulados para os gerentes. Os sistemas de apoio à decisão, que fornecem apoio interativo ad hoc para o processo de decisão dos gerentes. Os sistemas de informação executiva, que fornecem informações críticas elaboradas especificamente para as necessidades de informações dos executivos. Para o sucesso da implantação de um sistema de informação temos que ser capazes de reconhecer e identificar todos os componentes fundamentais dos sistemas de informação. (O BRIEN, 2004). Para Laudon e Laudon (2004), existem diferentes tipos de sistemas, isso porque há diferentes interesses, especialidades e níveis dentro de uma organização, para ele nenhum sistema sozinho poderá oferecer e fornecer todas as informações das quais uma empresa precisa. 2.2 Identificação das entradas de dados e saídas de informações O primeiro passo do processo de desenvolvimento de sistemas é a análise e identificação das necessidades. O analista reúne-se com o cliente e com o usuário final buscando responder as seguintes questões preliminares e decisivas para o desenvolvimento, englobando as funções, confiabilidade, metas, requisitos e desempenho desejado para o sistema, bem como efetuar uma análise do mercado e da concorrência, tecnologias disponíveis para utilização, possibilidades de expansão do sistema, informações a serem retiradas do sistema e filtragens possíveis. Enfim, devem ser decididas as metas globais do desenvolvimento do aplicativo, bem como o desempenho e aplicação em determinado setor da empresa (PRESSMAN, 1995, p. 198 e 199). 2.3 Escopo do sistema Segundo Pressman (1995, p. 55), antes que um processo seja planejado, os objetivos e o escopo devem ser estabelecidos, soluções alternativas devem ser consideradas e as restrições administrativas e técnicas, identificadas. Sem essas informações, é impossível definir estimativas de custo razoáveis (e precisas), uma divisão realística das tarefas ou uma programação de projeto administrável que ofereça indícios significativos de progresso. Para o desenvolvimento do escopo, o desenvolvedor de software e o cliente devem reunir-se. Esta reunião deve identificar as funções primárias que o software deve realizar e, o que é mais importante, esta reunião deve delimitar essas funções de uma forma quantitativa (PRESSMAN, 1995, p. 56).

19 18 Pressman (1995, p. 57) ainda destaca que o escopo do projeto deve ser estabelecido antecipadamente, pois com este requisito, a estimativa de tempo de desenvolvimento do software poderá, juntamente com outros requisitos, ser estabelecido mais facilmente. Conforme Machado (2000), escopo envolve os processos necessários para assegurar que o projeto contém todo o trabalho necessário para completar o projeto com sucesso. O seu foco principal é na definição e controle do que está ou não considerado no projeto. 2.4 Banco de Dados Já que este trabalho utiliza um banco de dados profissional não se pode deixar de elencar, seu conceito e características. Segundo O Brien (2004), um banco de dados é um conjunto integrado de elementos de dados relacionados logicamente. Consolida registros previamente armazenados em arquivos separados em uma fonte comum de registros de dados que fornece dados para muitas aplicações. Os dados são independentes dos aplicativos que os utilizam e do tipo de dispositivos de armazenamento secundário nos quais são armazenados. Para O Brien (2004) não basta ter um banco de dados mas também há necessidade de um sistema de gerenciamento de bancos, ou seja, um conjunto de programas de computador que controlam a criação, manutenção e uso destes por uma organização e seus usuários finais. Além disso os programadores utilizam a linguagem de definição de dados em sistemas de gerenciamento para desenvolver e especificar o conteúdo, relações e estruturas dos dados em cada banco e para modificar suas especificações sempre que necessário. Essas informações são catalogadas e armazenadas em um banco de definições e especificações de dados chamado dicionário de dados, que é um catálogo ou diretório computadorizado contendo metadados, ou seja, dados sobre dados. Deve-se ressaltar também que a capacidade de consulta do banco dados é um dos principais benefícios de um sistema de gerenciamento de banco (figura 2). Os usuários finais podem buscar informações por meio de linguagem de consulta ou um gerador de relatórios, recebendo resposta imediata na forma de vídeo ou relatório impresso. Merece destaque a mais utilizada, e a qual utilizou-se neste trabalho, as consultas SQL, ou Structured Query Language (linguagem de consulta estruturada), é uma linguagem de consulta encontrada em muitos pacotes de gerenciamento de bancos de dados. A consulta SQL funciona basicamente assim: depois de selecionar lista-se os campos de dados que se deseja recuperar. Depois lista-se os

20 19 arquivos ou tabelas das quais devem ser recuperados os dados. Posteriormente especifica-se as condições que limitam a busca apenas aos registros de dados nos quais se interessa. (O BRIEN, 2004, p. 138) Gerenciament o de Banco de Dados Sistema Operacional Sistema de Gerenciameto de Bancos de Dados Programas aplicativos Banco de Dados Dicionário De dados. Desenvolvimento de Bancos de Dados. Consulta de Bancos de Dados. Manutenção de Bancos de Dados. Desenvolvimento de Aplicações Figura 2 Gerenciamento de Banco de Dados Fonte: O Brien (2004, p. 138)

21 20 3 METODOLOGIA Foi realizada neste trabalho uma pesquisa exploratória para devido levantamento das necessidades e possibilidades de melhoramentos. Conforme Oliveira (1999, p.134), pesquisa exploratória: É a ênfase dada à descoberta de práticas ou diretrizes que precisam modificarse na elaboração de alternativas que possam ser substituídas. Mudanças essas que objetivavam a introdução de um sistema informatizado para gerenciamento dos dados relativos aos boletins de ocorrências policiais, bem como os atendimentos de uma maneira geral. Foi efetuado um levantamento prévio dos dados necessários, sua rotina de lançamento, sua forma de armazenamento, bem como das dificuldades encontradas no modelo atual de registro no atendimento da ocorrência. Atualmente os dados são lançados manualmente pelo atendente em uma planilha onde se registra: numero do BO, data, natureza da ocorrência, endereço, solicitante, setor, horário de início e término do atendimento,, apreensões, responsável pelo atendimento. O atendimento é iniciado através do telefone 190, linha de emergência policial, e o radioperador atende, efetua o registro e lança a viatura para atendimento da ocorrência. Posteriormente a guarnição acionada fará contato com o solicitante onde verifica as informações e realiza os procedimentos de praxe com o registro, também manual, do Boletim de Ocorrência, que recebe um número único. Neste constam todos os dados pessoais da vítima, autor, solicitante, testemunhas e demais envolvidos, além do histórico detalhado da ocorrência e pessoas ou materiais apreendidos, com todas as providências adotadas e equipe que participou da ocorrência. O BO original é posteriormente entregue na Delegacia de Polícia, ficando uma cópia arquivada na Polícia Militar. Através dos BOs podem ser levantados todos os dados possíveis para se determinar um levantamento estatístico e geográfico das ocorrências, com uma possível antecipação da evolução criminal. Mas apesar de tanta informação poder ser gerada encontra-se barreiras principalmente devido a falta de mecanismos para consulta, uma vez que uma consulta manual demandaria um tempo elevado e uma precisão questionável, sem citar o fato de que

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Plataforma de Business Intelligence

Plataforma de Business Intelligence Plataforma de Business Intelligence ASTEN TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Asten é uma empresa do ramo da tecnologia da informação (TI) que tem seu foco na busca por soluções inovadoras. Nosso slogan criando

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia.

Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia. Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia. Alceu Antonio da Costa alceuacosta@gmail.com FAQ Claudia Cobero claudia.cobero@terra.com.br FAQ Resumo:: O trabalho apresenta

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4 REFLEXÃO 4 Módulos 0776, 0780, 0781, 0786 e 0787 1/10 8-04-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0776 - Sistema de informação da empresa, 0780 - Aplicações

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento.

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Serviço de Comunicação Secullum Acesso.Net Estacionamento Gerencial Integração CFTV Pessoal Recepção Refeitório Automação Sistema Operacional: compatível com Windows XP ou superior

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos A montagem de um orçamento consistente é uma ciência. Diferentemente de uma simples estimativa de custos, quando a avaliação é empírica, o orçamento que segue os

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Tecnologia para resultados Mais ERP

Tecnologia para resultados Mais ERP Tecnologia para resultados Mais ERP Cada vez mais as pequenas empresas, precisam e procuram a melhor tecnologia que traga resultados concretos na gestão de seus negócios. Porém a falta de recursos sempre

Leia mais

vigilância armada e desarmada vigilância orgânica portaria

vigilância armada e desarmada vigilância orgânica portaria GesOper Gestão Operacional para Guardas Municipais e Universidades 1. O que é o GesOper O GesOper é um software integrado, desenvolvido com o objetivo de obter resultados para a tomada de decisões através

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados Artigo apresentado ao UNIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados André Luis dos Reis Revair,

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor?

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Interagir com sistemas que ainda dependem de agendamentos manuais e de coletas presenciais em vários equipamentos

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados. (Aula 1) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo I: Introdução a Sistemas de Banco de Dados (Aula 1) Clodis Boscarioli Agenda: Apresentação do Plano de Ensino; Aspectos Históricos; Estrutura Geral de um SGBD; Profissionais

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho ANEXO II PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho Manutenção Evolutiva Modelo: 4.0 Sistema Indústria, 2008 Página 1 de 18 Histórico da Revisão Data Descrição Autor 06/12/2007 Necessidades para atualização

Leia mais

Proposta. (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) Dados da Proposta

Proposta. (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) Dados da Proposta Proposta (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) (Nome do Cliente) Dados da Proposta Arquivo: D:\Vazzi\FAN\4º Período\Avaliação Final\modelo de proposta fan.odt Criado em: Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2006

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Menu Utilitários. Atualização do Banco de Dados Atualização e organização dos arquivos existentes

Menu Utilitários. Atualização do Banco de Dados Atualização e organização dos arquivos existentes Atualização do Banco de Dados Atualização e organização dos arquivos existentes Rotina responsável pelo rastreamento de possíveis arquivos não indexados, danificados ou inexistentes. Este processo poderá

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Análise estruturada de sistemas

Análise estruturada de sistemas Análise estruturada de sistemas Prof. Marcel O que é Engenharia de software Engenharia de software é uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas SIGMA Sistema de Gerenciamento de Manutenção CMMS - Sistema Computadorizado de Gestão da Manutenção Estrutura Base de Dados Plataforma O SIGMA é um software utilizado na plataforma

Leia mais

Documento de Visão do Projeto

Documento de Visão do Projeto Documento de Visão do Projeto 1. Objetivo O propósito deste documento é coletar, analisar e definir as necessidades de alto-nível e características do projeto de software do Módulo Editor de Estruturas

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sistema Operacional: Compatível com Windows XP ou superior; Banco de Dados: Padrão do sistema em SQL Server, podendo, no entanto, ser utilizado com a maioria dos bancos de dados

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO SInAE Sistema Integrado de Administração Escolar Fevereiro - 2006 Sumário INTRODUÇÃO... 2 APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS... 3 Módulo Acadêmico... 3 Módulo de Cofigurações da Escola...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLE BANCÁRIO

MANUAL DE CONTROLE BANCÁRIO MANUAL DE CONTROLE BANCÁRIO Prezado Cliente, Este é o material de apoio aos usuários e implantadores do SOFTLAND COMERCIAL, o seu sistema integrado de gestão empresarial. O bom uso deste manual o habilitará

Leia mais

ANEXO II VIII PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PRÁTICA

ANEXO II VIII PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PRÁTICA ANEXO II VIII PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PRÁTICA 1. Nome da Prática inovadora: Intranet CIOPS: Conjunto de aplicativos de gestão

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Nome da iniciativa inovadora: FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Painel de BI (Inteligência nos negócios) para publicação dos dados associados ao controle estadual Responsável pela Iniciativa

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Departamento de Tecnologia da Informação Objetivos O DTI é o departamento responsável por toda a arquitetura tecnológica do CRF- SP, ou seja, compreende todo o conjunto de hardware/software necessário

Leia mais

Qual o Papel de um DBA? Saiba mais sobre o que faz um administrador de banco de dados e como se tornar um

Qual o Papel de um DBA? Saiba mais sobre o que faz um administrador de banco de dados e como se tornar um Qual o Papel de um DBA? Saiba mais sobre o que faz um administrador de banco de dados e como se tornar um Carina Friedrich Dorneles, dorneles@upf.br, Universidade de Passo Fundo (UPF) Ronaldo dos Santos

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Sollução Sistemas S/C Ltda (51) 3384.5466 comercial@solucao.com.br - www.gesoper.com.br P. 1

Sollução Sistemas S/C Ltda (51) 3384.5466 comercial@solucao.com.br - www.gesoper.com.br P. 1 Sollução Sistemas S/C Ltda (51) 3384.5466 comercial@solucao.com.br - www.gesoper.com.br P. 1 1. O que é o GesOper O GesOper é um software integrado, desenvolvido para obtenção de resultados financeiros,

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ponto Secullum 4 Sistema Operacional: compatível com Windows 98 ou superior Banco de Dados: Access, SQL Server ou Oracle; Computador Requerido: Processador com 500Mhz, Memória Ram

Leia mais

MANUAL DO SUPERGED MANUAL SUPERGED

MANUAL DO SUPERGED MANUAL SUPERGED MANUAL SUPERGED Esclarecimentos Iniciais O programa Superged foi concebido a partir da necessidade de diminuir os erros cometidos na emissão de notas fiscais, recibos e demais documentos nos recebimentos

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

Ferramentas de Administração. PostgreSQL

Ferramentas de Administração. PostgreSQL Ferramentas de Administração ao SGBD PostgreSQL Diego Rivera Tavares de Araújo diegoriverata@gmail.com Introdução Mas o que é PostgreSQL? Introdução as ferramentas O PostgreSQL pode ser acessado a partir

Leia mais

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Universidade Salgado de Oliveira Especialização em Tecnologia da Informação Qualidade em Engenharia de Software Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Prof. Msc. Edigar Antônio Diniz Júnior

Leia mais

Configuração SERVIDOR.

Configuração SERVIDOR. REQUISITOS MINIMOS SISTEMAS FORTES INFORMÁTICA. Versão 2.0 1. PRE-REQUISITOS FUNCIONAIS HARDWARES E SOFTWARES. 1.1 ANALISE DE HARDWARE Configuração SERVIDOR. Componentes Mínimo Recomendado Padrão Adotado

Leia mais