Determinação do Capital de Giro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação do Capital de Giro"

Transcrição

1 Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações de recursos financeiros que determinam a Necessidade de Capital de Giro, o Capital de Giro Próprio e Saldo Líquido de Caixa. Determinar a Necessidade de Capital de Giro através do Ciclo Financeiro da empresa. Orientar e demonstrar com exemplos, as principais variáveis que aumentam e/ou diminuem a Necessidade de Capital de Giro, o Capital de Giro Próprio e o Saldo Líquido de Caixa. Objetivos desta Palestra Oferecer aos empresários e empreendedores, conhecimentos sobre a Gestão do Capital de Giro, que propiciem o desenvolvimento das habilidades gerenciais e, através disso, as condições para a obtenção de melhores resultados econômicos e financeiros em seus empreendimentos. Cenário atual O sucesso de qualquer empresa depende também das condições em que são administrados os recursos diretamente relacionados com o capital de giro. No momento atual, a maioria dos pequenos negócios está encontrando dificuldades para sobreviver em virtude da ausência de capital de giro próprio para movimentar as atividades operacionais da empresa, e quando conseguido, apresenta altos custos financeiros que comprometem os resultados das atividades. O Capital de Giro é nada mais que o valor financeiro do ciclo operacional da empresa, compreendendo as operações: Comprar, Produzir, Estocar, Vender, Pagar e Receber, isso tudo específico ao seu segmento, ou seja, Indústria, Comércio e Serviços. Determinar o Capital de Giro significa dimensionar/definir o valor financeiro necessário que a empresa apresenta para manter as atividades operacionais. A cada dia temos uma nova situação a enfrentar para conseguirmos manter bem o empreendimento e/ou empresa, dessas situações destacamos algumas que certamente têm afetado em muito a necessidade constante de estar melhor para sobreviver. O Custo financeiro alto, quando do uso do capital de terceiros, por exemplo, reduz o lucro da empresa, e este, sem dúvida nenhuma, é a melhor fonte de reposição e manutenção do Capital de Giro. Palestras Gerenciais 27

2 Com o aumento da necessidade de mais competitividade em decorrência da concorrência acirrada, tem-se dificultado o giro mais rápido dos estoques, o que representa volumes financeiros que estão "imobilizados", muitas vezes por longos períodos. Por essa razão,torna-se necessário manter os estoques em níveis adequados, negociar reposição no menor tempo possível, evitando assim imobilização de recursos financeiros. Os clientes,de forma geral,estão exigindo prazos maiores para pagar suas compras, em virtude principalmente das condições que o mercado de modo geral vem impondo aos hábitos de consumo e nas condições de compras. Os fornecedores estão diminuindo os prazos concedidos nas compras, também com objetivo de melhorar a performance do capital de giro de suas empresas. Por outro lado concordam em ampliar os prazos,desde que sejam aplicados os encargos financeiros. Alguns questionamentos... A empresa perde a condição de continuar existindo, quando não dispõe de capacidade para pagar suas dividas, isso é conhecido por falência. Normalmente, as empresas quebram por terem problemas relacionados com a sua liquidez, ou seja, com o seu poder de pagamento. As prováveis causas que contribuem para que isso aconteça são diversos fatores de caráter operacional e decisões estratégicas que por alguma razão não deram certo, como por exemplo: Volumes de vendas inadequados; Inadimplência nos recebimentos; Altos valores de custos e margem de ganhos reduzida em relação às expectativas; Aumento excessivo de concorrência; Retiradas excessivas e inadequadas de recursos financeiros por parte dos sócios - misturar gastos pessoais com o caixa da empresa. Infelizmente, nesse contexto, em virtude dos problemas acima relacionados, o capital de giro da empresa é o mais afetado, ficando assim a empresa desprovida de recursos financeiros suficientes para manter a atividade empresarial. Então, Capital de Giro é... Em uma empresa,capital de giro é o conjunto de recursos financeiros formados pela soma dos valores aplicados no caixa e bancos, valores a receber de clientes e os estoques. A identificação desses valores depende das ações de gerenciamento e controles realizados freqüentemente sobre elas. 28 Palestras Gerenciais

3 Determinação do Capital de Giro - Valor aplicado O Capital de Giro representa o montante de recursos que a empresa necessita em razão das estratégias planejadas e das características das atividades operacionais, prazos de produção, tempo de permanência nos estoques, prazos de recebimentos e pagamentos. É comum empresários dizerem que iniciaram suas empresas sem capital de giro, e por isso se vêm em situações apertadas. Talvez estejam se referindo ao capital de giro formado com recursos próprios, e então podemos entender dessa fala que na verdade iniciaram somente contando com capital de terceiros, ou seja, prazo nas compras, empréstimos e ou limites de crédito em contas correntes - cheque especial, e aí de fato as condições ficam mais desfavoráveis, mas, muitas empresas superam e com os movimentos das vendas acabam saldando empréstimos e formando o próprio e necessário capital de giro, ainda que contando com os recursos de terceiros, outras já não têm a mesma "sorte". As aplicações de recursos relacionados com o capital de giro são: aumento do estoques, concessão de maiores prazos nas vendas para os clientes etc.. Toda empresa para movimentar sua atividade operacional necessita aplicar recursos no "giro", ou seja, para estocar mercadorias para revenda ou matérias-primas, vender seus produtos/serviços a prazo. Fontes de Capital de Giro O montante correspondente ao capital de giro pode ser provido de fontes próprias e/ou de terceiros, é entendido por: Fontes de Financiamento do Capital Giro - de onde vem o dinheiro. Aplicações no Capital de Giro - em que os recursos do giro estão aplicados (caixa e bancos, estoques, contas a receber). E por este entendimento, é possível utilizar informações da empresa que possibilitem a compreensão da situação em que esta se encontra em relação ao capital de giro, assim como das fontes que estão bancando (financiando) esse montante, e ainda em que os recursos obtidos destas fontes estão afetando resultados, proporcionando forças à empresa ou ao contrário,exercendo pressão que na verdade tem comprometido a operacionalização das atividades. As origens de recursos relacionados com o capital de giro são: aumento de capital por parte dos sócios, obtenção de novas linhas de crédito, obter junto aos fornecedores maiores prazos nas compras etc.. As fontes que financiam o capital de giro de empresas são: Capital próprio. Palestras Gerenciais 29

4 Recursos financeiros obtidos de bancos através de empréstimos ou descontos de cheques/duplicatas. Lucros acumulados. Recursos financeiros obtidos de terceiros tais como, salários a pagar, encargos sociais a pagar, impostos a recolher etc. Empresa: Giro Lento O exemplo trazido com dados hipotéticos demonstra as informações necessárias bem como a necessidade da organização dessas informações, separando-as em aplicações e origens, para que se possa proceder às correspondentes análises sobre o Capital de Giro. Mais detalhes sobre as separações e outras classificações serão comentadas nos próximos tópicos. Aplicações dos Recursos O grupo das informações correspondentes às aplicações de recursos representa o valor total do Capital de Giro existente na empresa, no momento em que estiver sendo analisada; a separação dessas aplicações nos grupos abaixo permite aprofundar e conhecer mais detalhes da composição do Capital de Giro. Aplicação do Giro - Financeiro = corresponde aos recursos aplicados em disponibilidades, ou seja, Caixa e Bancos e representa valores que bancam o dia-a-dia de pagamentos. Aplicação do Giro - Operacional = trata-se de recursos financeiros aplicados na atividade operacional, ou seja, estoques e valores a receber de clientes em virtude das vendas a prazo, e representam as operações da empresa de Compras, Produção e Vendas. Aplicação no Ativo Fixo - refere-se aos recursos financeiros aplicados no imobilizado da empresa, e que permaneceram na empresa por vários anos dando condições desta realizar as atividades operacionais. Ressaltamos que estas separações das Aplicações dos Recursos em Giro Financeiro, Operacional como também no Ativo Fixo tem como finalidade possibilitar as apurações da Necessidade de Capital de Giro, Capital de Giro Próprio e do Saldo Líquido de Caixa. Origens dos Recursos As origens de recursos são as informações relativas às fontes de financiamento das atividades operacionais, indicam quem está bancando a empresa. Origens Financeiras - correspondem às fontes de recursos onerosos (geram encargos financeiros), tais como Empréstimos Bancários, Descontos de Cheques e Duplicatas. 30 Palestras Gerenciais

5 Origens Operacionais - são fontes de recursos não onerosos (podem ter encargos nas vendas a prazo, mas não tanto como os de empréstimo de dinheiro), ou seja, a empresa não paga encargos financeiros na utilização de tais recursos. Estas fontes referem-se aos Fornecedores, Salários e Encargos Sociais do Pessoal, e Impostos a Recolher, Comissões etc.. Pode parecer estranho considerar impostos como fonte de recursos de Capital para o Giro, mas se lembrarmos que estes estão inclusos nos Preços de Venda, e que ficam no caixa da empresa até o momento de serem repassados aos governos, e que portanto enquanto isso são utilizados para o que precisar ser pago, então podemos admitir que contribuem com o Giro, mesmo sendo por um curto período de tempo, normalmente 30 dias. Origens de Recursos Próprios - representam recursos dos proprietários investidos na empresa, tais como Capital Inicial e os Lucros ou Prejuízos Acumulados - os resultados das vendas. Lembre-se de que Lucro é a principal fonte de geração de recursos para Capital de Giro. Demonstração Gráfica da Empresa - Balanço Em resumo, essas informações da empresa, separadas permitem para melhor compreensão de uma visualização gráfica, onde as partes destacadas dão uma noção mais apurada do quanto cada uma delas representa na empresa como um todo. Capital de Giro: "instrumentos para a administração" A administração do capital de giro consiste em definir inicialmente o montante de recursos financeiros necessários a serem investidos no ciclo operacional da empresa, ou seja, recursos para financiar a atividade empresarial, conforme já comentado. Quanto ter em estoques? Quanto das vendas serão a prazo e quanto tempo será concedido aos clientes e, ainda, qual o montante de caixa ideal para o dia-a-dia? Definido estes valores e identificadas as fontes onde esses recursos serão obtidos, e com as operações da empresa iniciadas e/ou já com algum tempo ocorrendo, administrar o Capital de Giro consiste entre outras ações na análise mais depurada dos elementos que o compõem. Essa análise divide-se em três momentos: Necessidade de Capital de Giro - NCG = que é a relação do que está investido no Giro Operacional com as respectivas fontes operacionais de recursos, ou seja, tudo o que se refere à atividade operacional da empresa então novamente, Estoques, Contas a Receber, Impostos e Despesas Palestras Gerenciais 31

6 Operacionais (salários, aluguéis, impostos etc.). Capital de Giro Próprio - CGP = que é a identificação da existência ou não na empresa de recursos próprios, Capital dos Sócios e Resultados das Vendas acumulados ( lucros/prejuízos), que possam estar financiando o Giro Total. Saldo Líquido de Caixa - SLC = que apresenta se o caixa da empresa dispõe de recursos suficientes para a liquidação dos recursos obtidos por empréstimos, ou desconto de valores a receber (duplicatas/cheques), assim como a dependência da empresa por recursos de terceiros para financiar as atividades. Compreendidas as finalidades de cada etapa da análise, NCG, CGP e SLC, o próximo passo é aplicá-las na empresa com o propósito de proceder então a administração das variáveis do Capital de Giro. NCG - Necessidade de Capital de Giro A apuração do valor relativo a NCG poderá ser feita de duas formas: - Através dos saldos das contas que compõem o ciclo financeiro, ou seja, Valores a Receber, Estoques, Fornecedores e Despesas Operacionais. A base para o levantamento desses saldos são os respectivos controles, acompanhamentos que freqüentemente estão atualizados, e isso demonstra o quanto de domínio tem-se da empresa. - Apurando NCG através dos Prazos Médios - PM. Uma outra forma de calcular a NCG seria através dos prazos médios de estocagem, recebimentos das vendas e pagamentos das compras e despesas. Veja transparências com exemplos nas últimas páginas. Esses prazos são determinados em razão das estratégias definidas pelos empresários para que a empresa desenvolva mais competitividade. Entretanto, o comportamento real dos prazos médios na empresa pode ser apurado, considerando: P.M. Estoques (PME) PME = (Estoque Médio do mês x 30 dias) / Custos das Vendas P.M. Recebimentos (PMR) PMR = (Valores a Receber Médio x 30 dias) / Vendas Totais P.M. Pagamentos (PMP) PMP = (Valores a Pagar Médios x 30 dias) / Total Comprado no mês - considerar tanto para fornecedores e despesas operacionais O prazos têm ainda que ser ajustados aos valores de vendas, levando em consideração o valores totais realizados no período em relação ao valor total das compras, as despesas, e corresponde ao valor de custos das vendas (baixas do estoque a valor de custo), para que seja possível apurar a NCG considerando os prazos. 32 Palestras Gerenciais

7 O método da apuração da NCG em função dos prazos é recomendado para o caso do planejamento de capital de giro e fontes de recursos, quando do inicio da empresa ou quando de alterações de volumes de vendas. NCG - Necessidade de Capital de Giro A Necessidade de Capital de Giro indica quanto do montante do Capital de Giro Operacional está ou não sendo financiado por recursos operacionais de terceiros. Sobre essa indicação ressaltamos: Se os recursos operacionais de terceiros forem maior que o giro operacional, então 100% do Giro Operacional está sendo coberto por esses recursos. Por existir essa "sobra" cabe a análise sobre em que está aplicado essa "sobra", ou a empresa vendeu e não usou esse dinheiro recebido para pagar os compromissos com esses terceiros, por exemplo. Se os recursos operacionais forem iguais ao giro operacional, também 100% do giro operacional é coberto por recursos de terceiros, e parece apresentar uma condição em que, quando o giro operacional for realmente transformado em dinheiro (pois são mercadorias e duplicatas), será suficiente para pagar o que a empresa deve a eles. Se os recursos operacionais forem menores que o giro operacional, indica que parte do giro operacional está sendo mantido com recursos de outras fontes, como recursos próprios e/ou ainda com recursos financeiros de empréstimos. Quando já se tem esse retrato sobre a empresa, adquirem-se condições de avaliar as variáveis que afetam os resultados que a empresa vem obtendo, e então inicia a busca e implementação por melhores alternativas. As variáveis mais freqüentes referem-se a: A NCG aumenta com: Aumento das vendas Aumento do Prazo Médio de Permanência dos Estoques Aumento dos Prazos de Recebimentos das Vendas Redução nos prazos de pagamentos de compras e despesas Aumento do volume de vendas a prazo E diminui com efeitos opostos ocorridos nestas variáveis. Após determinar o montante da Necessidade de Capital de Giro, a empresa deverá decidir qual será a estratégia para financiar este montante, sempre considerando a relação custo/benefício. O sucesso do planejamento financeiro está ligado diretamente com a adequação do ciclo financeiro e com o volume de vendas adequado para a empresa. Portanto, torna-se importante administrar os estoques, contas a receber e as contas a pagar, por meio de controles financeiros atualizados e precisos. Palestras Gerenciais 33

8 CGP - Capital de Giro Próprio Capital de Giro Próprio refere-se ao montante de recursos próprios da empresa contribuindo com o total de Capital de Giro da empresa. O valor é encontrado pela relação do total de recursos próprios com o montante de imobilizados (Ativo Fixo). (Veja transparência com a demonstração desses cálculos). Quando o resultado em CGP for menor que 1 significa que a empresa não possui recursos próprios investidos no Capital de Giro, o que indica também que todo o recurso próprio esta bancando o Ativo Fixo. Quando o resultado em CGP for maior que 1 significa que a empresa dispõe de recursos próprios investidos no Capital de Giro e, portanto, complementando a Necessidade de Capital de Giro. O que pode dificultar em empresas que já tenham sido iniciadas há algum tempo é justamente apurar o valor atual de recursos próprios. Isso pode ser feito considerando-se o Valor Total dos Ativos (estoques, caixa, contas a receber, máquinas, equipamentos, veículos móveis etc.), subtraindo o valor total de contas a pagar (impostos, fornecedores, despesas etc.), o valor encontrado refere-se ao montante aproximado de recursos próprios. CGP - Capital de Giro Próprio O capital de Giro Próprio é bastante vulnerável, e pode deixar de cumprir os propósitos de reposição e manutenção do investimento em Capital de Giro, por variações de vendas, de custos e despesas, de estratégias sem sucesso, e ainda em caso de retiradas indevidas de capitail por parte dos sócios. Outro ponto que normalmente compromete o Capital de Giro Próprio é o investimento realizado para ser pago pela Empresa em curto espaço de tempo, tem-se aí Capital e Giro Próprio sendo direcionados do Giro para as Imobilizações e provocando aperto de caixa. O CGP aumenta através da geração de lucros, aumento de capital por parte dos sócios, obtenção de financiamentos a longo prazo para o caso de imobilizações. O CGP diminui através da geração de prejuízos, distribuição de lucros e aquisição de imobilizados pagos com recursos próprios,sem que estejam totalmente disponíveis para tal feito. SLC - Saldo de Líquido de Caixa O Saldo Líquido de Caixa indica a situação relativa aos recursos financeiros disponíveis em Caixa/Banco quando relacionados com o montante de recursos obtidos por empréstimos, no caso de curto prazo (dentro de 1 ano para ser pago totalmente). Considerar os valores descontados de cheques pré-datados e duplicatas como empréstimos, inclusive limites de contas correntes e/ou ou- 34 Palestras Gerenciais

9 tros limites de cobertura de saldo utilizados pela empresa. (Veja transparência com a demonstração desses cálculos). Quando o valor do montante em Caixa e Bancos é maior que o valor total de empréstimos significa que a empresa não está dependente desses recursos de terceiros, e que já tem em caixa o suficiente para saldar essas dividas, e/ou continuar utilizando-as e direcionando os recursos em caixa para as operações de giro. Quando o valor do montante em Caixa e Bancos é menor que o valor total de empréstimos significa que a empresa está dependendo dos recursos de bancos para financiar o seu capital de giro. E o que tem em caixa não cobre essa divida e que dependerá do sucesso das próximas vendas para acumular caixa e amortizar essa divida,ou prolongar essa utilização até que tenha condições de pagar os empréstimos e formar capital de giro próprio. Nessa mesma condição e ainda quando o Capital de Giro Próprio é menor que 1, além dos recursos de terceiros estarem bancando o Giro, estão também cobrindo as imobilizações. O uso dos recursos de terceiros no caso de Bancos é natural nas operações da empresa, afinal não se consegue sempre ter os prazos de recebimentos ocorrendo muito antes dos prazos de pagamentos, e nem mesmo os estoques são vendidos assim que as mercadorias chegam. Contudo, devem ser utilizados com cautela e somente quando necessário. SLC - Saldo da Líquido de Caixa O Saldo Liquido de Caixa, por ser uma condição derivada da relação dos recursos em Caixa com os empréstimos obtidos, é diretamente influenciado quando ocorrem variações nos componentes que integram estes elementos, ou seja: O SLC aumenta com a redução da Necessidade de Capital de Giro e com aumento do capital de giro próprio ou do valor dos empréstimos, e diminui com efeitos contrários dessas ocorrências. O Saldo de Caixa quando positivo revela que a empresa tem sobra de recursos financeiros, demonstrando uma situação de fluxo de caixa favorável. Quando o Saldo de Caixa é negativo demonstra que a empresa depende de mais recursos financeiros de terceiros em curto prazo, para financiar suas necessidades de capital de giro e isso por si só ocasiona mais encargos financeiros, de tal forma que pode ser preciso mais recursos de terceiros para pagar recursos tomados de terceiros, e mais encargos, e assim tem o famoso termo acontecendo: "Vender o almoço para pagar a Janta", e que, ainda que estejam ocorrendo lucros, estes estão ficando com os terceiros não com a empresa, e quando os lucros cessarem e a empresa não puder mais arcar com os encargos,nem amortizar os empréstimos, tem declarada a Palestras Gerenciais 35

10 situação falimentar. Determinação do Capital de Giro "instrumentos para a administração" Resumindo: Quanto maior for a Necessidade de Capital de Giro apurado, mais delicada a situação para a empresa, pois indica que precisa de mais capital de giro próprio ou recursos de terceiros por empréstimos. Mas sempre é preciso avaliar por exemplo se essa necessidade, em função da forma como é encontrada, se não está por demais influenciada por saldo de estoques elevados e neste esteja contido o valor de mercadorias "encalhadas", quaisquer que sejam os motivos disso. Em função da Necessidade de Capital de Giro e do Capital de Giro Próprio, têm-se os reflexos na Situação Líquida de Caixa, situação esta que sempre que positiva é melhor para a empresa, existe mais liquidez (capacidade de pagar as dividas), e portanto mais condições de operacionalidade da empresa. Quanto maior for o Capital de Giro Próprio, a empresa apresentará melhores condições para as suas atividades operacionais de: comprar, estocar, produzir, prestar serviços e vender,e se o mesmo é suficiente para financiar as atividades operacionais, acumular lucros e reduzir a dependência do capital de terceiros, diminuindo os encargos que são pagos por este recurso. Atenção especial para não "perder" o Capital de Giro Próprio em ações não estudadas exaustivamente, em que ao menos os menores riscos não tenham sido identificados e evitados totalmente. "...Entre os tantos desafios, que o dia-a-dia de uma empresa proporciona, o Capital de Giro é deles, um dos que merece total e especial atenção, afinal se a empresa não "girar" tudo mais ficará imóvel.. " Sugestões para leitura complementar: Análise Financeira das Empresas - José Pereira da Silva - Ed.Atlas Análise Financeira de Balanços - Dante C. Matarazzo - Ed.Atlas Guia Prático de Administração Financeira para Pequenas e Médias Empresas - Roberto Assef - Ed. Campus 36 Palestras Gerenciais

DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 CENÁRIO ATUAL Custo financeiro alto. Concorrência e Competitividade dificultando o giro dos estoques. Consumidor exigindo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Guia. Empreendedor FLUXO DE CAIXA/ CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

Guia. Empreendedor FLUXO DE CAIXA/ CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA Guia Empreendedor do FLUXO DE CAIXA/ CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS Neste fascículo, você vai aprender a planejar e controlar as entradas e saídas do caixa de sua empresa num determinado

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas.

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1. Noções Introdutórias 1.1 Definições de Contabilidade Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.2 Objeto da Contabilidade O Patrimônio

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações

FUNDO DE COMÉRCIO (GOODWILL) Algumas Considerações FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Natureza Jurídica 3. Como Avaliar o Fundo de Comércio 3.1 - Cálculo do Valor Atual de Negociação do Patrimônio

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise dos Demonstrativos Contábeis Professor: Heber Lavor Moreira Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 2 Patrimônio

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 2 Patrimônio ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Patrimônio Tópicos do Estudo Patrimônio. Bens. Direitos. Obrigações. Representação Gráfica do Patrimônio. Patrimônio Líquido Patrimônio É um conjunto de bens, direitos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como elaborar a programação dos investimentos? Existe um método alternativo para o cálculo do Capital de Giro de uma empresa ou projeto? Como elaborar

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro Pablo Ferreira Dias da Silva* Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Administração Financeira e Orçamento Empresarial Matricula:

Leia mais

Atividade de Contabilidade Gerencial

Atividade de Contabilidade Gerencial FAULAE E TENOLOGIA SENA GOIÁS ontabilidade Gerencial IV PERÍOO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno Atividade de ontabilidade Gerencial Professora: Niuza Adriane da Silva Aluno: Thiago hagas astilho

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas O Valor Patrimonial das Empresas Em situações específicas: Utilização Determinar o valor de liquidação de uma empresa em condição de concordata ou falência; Avaliação de ativos não

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Candidato: Plano de Aula FAPAS Prof. OLIVEIRA, A. S., Dr. 1) 2) Justificativa da Aula Passiv o O estudo do patrimônio é a espinha dorsal da Teoria da Contabilidade. (Iudícibus e Marion, 2002, p. 141).

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais