IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA - O CASO TRAFO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA - O CASO TRAFO"

Transcrição

1 IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA - O CASO TRAFO Rafael Dicena Filho (TRAFO) Tiago Luiz Do Nascimento (FAC) Gabriel Fassina Balbino (USF) A opção pela manufatura enxuta, tem cada vez mais se apresentada como uma opção estratégica para as organizações otimizarem sua perfomance em termos de rentabilidade, produtividade e lucratividade. Este modelo sistematicamente combate o dessperdício desde a entrada do pedido até o recebimento da fatura, eliminando etapas que não agregam valor. Neste propósito este artigo analisa um caso de implantação da manufatura enxuta em uma indústria de grande porte especializada em soluções tecnólogicas para o mercado de transmissão e distribuição de energia. Primeiramente é feita uma abordagem e contextualização seguida de revisão bibliográfica sobre a manufatura enxuta e como ela pode ser dividida em níveis. Em seguida o estudo de caso é apresentado, com objetivos, propósitos e conclusão. Palavras-chaves: Manufatura enxuta, Trafo, estudo de caso, redução de desperdícios

2 1. Introdução Após um esforço que durou 70 anos, a Toyota, com o seu sistema de produção enxuta superou a General Motors, a idealizadora do sistema de produção em massa, em termos de produtividade, lucratividade e resultados. Após a superação a Toyota seguiu sua trajetória como modelo industrial de empresa bem sucedida, galgando os primeiros postos em termos de participação de mercado e rentabilidade. A idéia fundamental da produção enxuta e seus princípios básicos não são novidades. Eles evoluíram em ciclos, ou eras ao longo de diversas etapas, num processo que iniciou no século passado, justamente com Henry Ford. Em 1914 ele idealizou um processo de produção, a qual chamou de produção em fluxo em suas instalações em Detroit. Numa condição de pouca variabilidade e de um mix reduzido Ford pode ser considerado com justiça o primeiro idealizador de processos sistematizados (WOMACK, 2007). A gênese do just-in-time (JIT) e do control quality total (CQT), no entanto foram levados ao estado de perfeição pelos japoneses. Com seus limites territoriais extremamente reduzidos, densamente habitado e desprovido de muitos recursos, o Japão precisava fazer as coisas a partir de pouco, com pouco e evitando todo tipo de desperdício. O propósito deste sistema era colocar sob controle os estoques ociosos, a armazenagem e os trabalhos de não qualidade, fontes de desperdícios altamente dispendiosas (SCHONBERGER, 1993). O sistema de entrega (fulfillment) analisado através de uma linha temporal, da entrada do pedido analisando os focos de desperdícios da entrada do pedido até o recebimento da fatura foi estabelecido por Taichii Ohno, executivo da Toyota na época, reconhecido como o criador do Sistema Toyota de Produção (STP). O sistema de puxar a produção a partir da demanda por determinados produtos, produzindo somente as quantidades demandadas, no momento exato e com a qualidade esperada ficou conhecido com kanban no ocidente. O JIT, portanto é muito mais que uma técnica, ou um apanhado delas como modelo de administrar a produção, ela é considerada uma filosofia, a qual contempla aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do produto, organização do trabalho e gestão dos recursos humanos (CORRÊA & GIANESI, 1996). 2. Revisão bibliográfica 2.1 Aspectos conceituais Enquanto kanban é uma palavra genuinamente japonesa, que significa cartão, a expressão inglesa just-in-time foi simplesmente adotada pela indústria no Japão e talvez não possua um correspondente apropriado naquele país, não sendo conhecido quando a expressão ou pelo menos a idéia nela contida adquiriram relevância entre as organizações japonesas, embora seja sabido que foi no final dos anos 60, principalmente na indústria da construção naval, que o termo foi disseminado. A capacidade produtiva das indústrias japonesas era tamanha que os estaleiros podiam se dar ao luxo de pegar as encomendas apenas a tempo numa tradução livre. O JIT foi então encampada por outras Original Equipment Manufacturing (OEM s), fábricas montadoras em tradução livre, que levaram o princípio ao estado da arte. De 1970 em diante Taichii Ohno, um dos vices-presidentes da Toyota se propôs a explicar como a 2

3 aplicação dos princípios enxutos tinha levado a Toyota a superar o com seu sistema de produção, o modelo americano de produção de acordo com (SCHONBERGER, 1993). Womack, J. P.; JONES, D. & ROSS, D. (1992), propuseram pela primeira vez o termo produção enxuta (lean production), que consistia numa leitura particular sobre os métodos eficazmente empregados pelas empresas japonesas. Mais tarde numa abordagem mais ampla Womack & Jones (2004) propuseram a mentalidade enxuta, uma maneira sistêmica de produzir cada vez mais com cada vez menos, os seus pilares fundamentais são: a especificação do valor, a identificação da cadeia de valor, a definição do fluxo, o emprego da produção puxada, e a perfeição, alcançada com a eliminação total dos desperdícios. É consenso que há atualmente uma infinidade de nomes para se referir ao modelo de gestão delineado pelo Sistema Toyota de Produção (STP) entre os mais solicitados estão: manufatura enxuta, manufatura de fluxo continuo, manufatura de alto valor agregado, produção sem estoques, guerra ao desperdício, manufatura veloz e manufatura de tempo de ciclo reduzido (SLACK, N.; CHAMBERS, R. & JOHNSTON, R., 2008). Mais do que a singularidade da filosofia, são os resultados alcançados com emprego da técnica de produção enxuta que tem sido o motivo de sua disseminação no universo corporativo. Hoje o conceito de manufatura enxuta é a uma das principais ferramentas para atingir o objetivo principal das organizações. Levada ao estado da arte pela indústria automobilística esta filosofia cada vez mais avança nos demais setores produtivos. Corrêa & Gianesi (1996), estabelecem que para implementar a filosofia japonesa de gestão é preciso um série de mudanças culturais, organizacionais e gerenciais. Para Slack et al (2008) o universo da manufatura enxuta pode ser dividido em três níveis. No primeiro nível tem-se a metodologia como filosofia de produção. No segundo nível tem-se a produção enxuta como um conjunto de técnicas para gestão da produção e no terceiro nível como método de planejamento e controle. Womack (2007), complementa que a contribuição específica da mentalidade enxuta (lean thinking) é redirecionar o foco das organizações conforme elas fornecem bens e serviços para o consumidor. Ohno (1997), estabelece que o passo inicial para aplicação do Sistema Toyota de Produção é identificar e eliminar completamente os desperdícios ocasionados por: superprodução, esperas, estoques, movimentações, desvios de projetos e da realização do produto. Womack (2007), cita que a Toyota primeiramente concentrou os esforços na implementação de seu sistema de gestão, só depois pensou nas técnicas enxutas, segundo ele esta ênfase foi a responsável pela sua redenção face ao modelo americano de gestão da produção. A maioria esmagadora das organizações que estão tentando implantar a manufatura enxuta faz o oposto sem mapas claros da organização, os esforços ficam insustentáveis a médio e longo prazo, demanda daí a necessidade de assegurar que as mudanças implantadas sejam perenes e não passageiras. 2.2 Produção enxuta como filosofia de produção De acordo com Slack et al (2008), são três os motivos fundamentais da JIT como filosofia de produção, são eles: 3

4 a. Eliminar Desperdícios: O desperdício pode ser definido como toda e qualquer operação ou atividade que demanda tempo e não agrega valor ao processo. A Toyota identificou sete tipos de desperdícios, mudas, que são perfeitamente aplicáveis a realidade industrial de outras organizações são eles: Superprodução. A produção maior do que a quantidade demandada pelo próximo nível é a maior das fontes de desperdícios. Tempo de espera. é o montante de tempo consumido pela espera de materiais que ocorre quando os operadores estão produzindo estoque em processo, que não é necessário naquele momento. Mendes et al (2007), citam ainda os custos demandados pela falta de algum componente quando solicitado pela produção e as esperas. Transporte. A movimentação de materiais dentro da fábrica, assim como a movimentação excessiva do estoque em processo, são atividades que não agregam valor. Processo. No próprio processo, pode haver fontes de desperdícios. Algumas operações existem apenas por ocasião de desvios de projetos e de falhas na manutenção por isto são passíveis de serem eliminadas. Estoque. Dentro da filosofia enxuta, todo estoque torna-se alvo de eliminação, todavia somente podem-se reduzir os estoques pela eliminação de suas causas. Deve-se remover todo o estoque amortecedor. Além de engessar uma parcela considerável de capital, os estoques retardam a realimentação sobre a qualidade, o que significa mais refugos e mais retrabalho (SCHONBERGER, 1993). Movimentação. Por vezes o operador pode parecer ocupado, mas apenas está se deslocando em função de falhas no processo. Derivam daí os custos relacionados à movimentação inútil na consecução das atividades, ou seja, decorrente da ineficiência da operação propriamente dita. (SHINGO, 1997). Produtos defeituosos. São de produtos fora das especificações. Mendes et al (2007) frisam que os ruídos na produção discreta, ocasionados por retornos de trabalho não conforme podem perturbar todo o sistema. A criação de dispositivos, que minimizam os impactos das falhas ou das paradas abruptas nas etapas seguintes são denominados poka-yokes (SHINGO & DILLON, 1986). b. Envolvimento de Todos: A filosofia enxuta visa fornecer diretrizes que incluem todos os funcionários e todos os processos na organização. Uma cultura adequada tem sido vista como importante fator para a sustentabilidade do processo. c. Aprimoramento contínuo: Os objetivos do ambiente enxuto são expressos normalmente em ideais, que podem nunca serem alcançados. De modo que a ênfase deve estar na forma com que as organizações se aproximam do estado ideal. A palavra japonesa para aprimoramento contínuo é kaizen (mudança incremental), ela é fundamental no processo enxuto. Por vezes é necessário o emprego de outro princípio, mais radical, kaikaku, mudança revolucionária (WOMACK, 2007). 2.3 Produção enxuta como técnica para gestão da produção De acordo com Slack et al (2008), no segundo nível dentro do universo da manufatura enxuta estão os maiores esforços, dentro dos seguintes aspectos: a. Práticas Básicas de Trabalho: mais do que normas de conduta para as organizações e para os colaboradores, estes parâmetros visam assegurar um ambiente saudável e 4

5 produtivo, para que a preocupação esteja primordialmente nos fatores de produção, Slack et al (2008), abordam o tema delimitando os seguintes aspectos: Disciplina. Os padrões de trabalho que são críticos para a segurança dos membros da empresa e do ambiente, assim como para a qualidade do produto, devem ser seguidos por todos e por todo o tempo. Flexibilidade. Deve ser possível expandir as responsabilidades ao limite de qualificação das pessoas. Igualdade. Políticas de recursos humanos injustas e separatistas devem ser descartadas. Deve-se premiar o mérito, porém ser segregacionismo. Autonomia. É preciso delegar cada vez mais responsabilidade as pessoas envolvidas nas atividades diretas do negócio, o universo da autonomia aqui discutida abrangem os seguintes aspectos: autoridade para parar a linha, aspectos isolados da programação de fábrica e coleta de dados nos postos de trabalho. b. Projeto para Manufatura: Slack et al (2008), citam que o projeto especialmente para empresas automobilísticas e aeronáuticas demanda entre 70% a 80% dos custos totais, segundo o autor aprimoramentos do projeto podem reduzir dramaticamente o custo do produto por meio de redução no número de componentes e submontagens, além de melhorar uso de materiais e métodos. c. Foco na produção: Segundo Womack (2006, 2007) a abordagem que a Toyota fez ao focar primeiramente no seu sistema de gestão, antes de partir para as ferramentas parece ter sido o grande seu grande diferencial. Antes de aplicar as ferramentas é preciso segundo Slack et al (2008) aprender a focalizar cada fábrica num conjunto limitado e gerenciável de produtos, tecnologias, volumes e mercados. d. Máquinas simples: A utilização de máquinas simples foi absorvida no processo de manufatura viabilizando a introdução da produção enxuta. Segundo Slack (2002) também frisam que máquinas simples são movidas mais facilmente, de forma que a flexibilidade do arranjo físico é ampliada. e. Arranjo físico e fluxo: O arranjo físico é de extrema importância na produção enxuta, visto que é o responsável pela velocidade em que o produto atravessa a linha (lead time) e interfere diretamente também no ritmo de trabalho (takt-time). Técnicas de arranjo físico, segundo Slack (2002), podem ser usadas para promover um fluxo suave de insumos, de informação e de pessoas na operação. f. TPM Total Productive Maintenance: A MPT (manutenção produtiva total) visa eliminar a variabilidade em processos de produção, a qual é causada pelo efeito de quebras não planejadas. Os donos de processos são incentivados a assumir a responsabilidade por suas máquinas e a executar atividades rotineiras de manutenção e reparos simples. (SLACK et al, 2008). g. Redução de setup: O tempo de setup deve ser reduzido, assim sendo, este tempo ganho no setup é o quão mais rápido o produto irá atravessar a linha. Vislumbra-se a execução de partes do setup enquanto a máquina ainda está em funcionamento (denominado setup externo), ou seja, transformar a maior parte do setup interno (equipamento parado) para setup externo (equipamento em funcionamento), 5

6 diminuindo o tempo de máquina parada na troca de lote ou produto de acordo com Shingo (2000). O autor definiu e quantificou o termo SMED (Single minute exchange of die) ao longo de dezenove anos. h. Envolvimento total das pessoas: Segundo Danni & Tubino (1996), a manufatura enxuta é uma filosofia apoiada no envolvimento total das pessoas. Os autores ratificam que o sistema tenderá ao fracasso se não estiver totalmente apoiado no envolvimento total das pessoas. [..] "os dois pilares do Sistema Toyota de Produção são o just-in-time e a automação com um toque humano, ou autonomação" (jidoka), (OHNO, 1997). i. Visibilidade: Segundo Slack (2002), problemas relacionados com a produção, projetos de melhoria de qualidade e listas de verificação de operações são compreensíveis por qualquer funcionário quando demonstrados visualmente e corretamente. A visibilidade é a ferramenta mais utilizada nas empresas para a compreensão de análise de sincronização de todo o processo produtivo. Na produção enxuta é utilizado com o nome kanban quando referem-se ao uso de cartões ou andon quando são empregados números sinalizadores. Filho (2008), resalta a importância dos quadros de sincronismo nos ambientes de produção discreta com o propósito de antecipação de problemas. j. Fornecimento enxuto: As empresas que empregam a manufatura enxuta se deparam com o desafio de estender aos seus fornecedores os mesmo princípios de gestão. Analisar toda a cadeia de suprimentos aumenta a eficiência, o que permite a retirada do estoque amortecedor identificando gargalos, balanceando capacidade e coordenando um fluxo suave de materiais (SCHONBERGER, 1993). 2.4 Produção enxuta como método de planejamento e controle No universo mais intrínseco das técnicas enxutas está a realização dos produtos ou a prestação dos serviços. Neste nível, o terceiro, estão concentrados os fatores de produção. Seus marcos principais são: a. Programação puxada: Slack et al (2008) estabelecem a programação puxada como sendo o primeiro marco significativo deste nível dada sua importância, segundo os autores a programação puxada alinha a realidade da produção à necessidade instantânea, ou seja a necessidade de produzir o componente certo, no lugar certo e na hora certa, visão compartilhada também por Womack (2007) e complementada por este, no sentido que isto não deve tomar tempo do cliente. A programação puxada estabelece prioridade e prerrogativas de realização que culminam com a produção puxada, ou seja, o nível anterior produz a exata medida da demanda para aquele momento específico, eliminando por completo os estoques em processo, distribuindo de forma homogênea a demanda da produção. 6

7 b. Controle kanban: Slack et al (2008) definem o kanban, como sendo o método de operacionalizar o sistema de planejamento e controle puxado, um suporte intrínseco a produção puxada. O mais comum são os cartões para retirada, operação ou transporte. Podem também serem números sinalizadores, derivados do modelo japonês andon. c. Programação nivelada: dentro do universo enxuto, como método de planejamento e controle, Heijunka é a palavra japonesa utilizada para o nivelamento. Slack (2008) estabelece que a diferença fundamental entre a programação convencional e a programação puxada está na distribuição das tarefas, enquanto a convencional distribui as tarefas pontualmente ao longo da realização, a programação puxada distribui as mesmas de maneira constante. Shingo, (1997) estabelece três princípios básicos para a programação puxada: reduzir o tamanho dos lotes, aumentar a freqüência de entrega e nivelar o fluxo da entrega. d. Modelos misturados: de acordo com Womack (1992, 2004, 2007); Slack (2002); Slack et al (2008), na composição da programação nivelada, as diferenças nos lead times dos produtos podem ser significativas, mesmo com o balanceamento, a realização de modelos mesclados podem causar seqüências inapropriadas sanar estas inconveniências somente é possível com lotes pequenos. Asseguram que somente com flexibilidade é possível assegurar rapidez com tantas trocas. e. Sincronização: Sincronizar a operação significa ajustar a saída do sistema, em cada um dos seus estágios de realização a fim de garantir as mesmas características de fluxo para os produtos e os componentes, eles podem ser classificados contínuos ou discretos (SLACK et al, 2008). 3. Estudo de Caso 3.1 A organização A TRAFO Equipamentos Elétricos S/A é uma indústria especializada em soluções tecnológicas para o mercado de transmissão e distribuição de enegia. Fundada em 1961 é especializada na fabricação de transformadores, subestações móveis, fixas e unitárias e disjuntores. Possui a certificação ISO9001 desde 1997, em 2004 obteve o up-grade da versão 2000 para a divisão de transformadores e disjuntores. Produz na unidade de Hortolândia SP, transformadores de potência de até 10MVA, na classe de tensão até 38kV à óleo e a seco, disjuntores a gás SF 6 até 420kV, além de transformadores de potencial indutivo e capacitivo. Na unidade de Gravataí RS são produzidos transformadores e autotransformadores de força, com potência de até 200MVA e tensões de até 230kV. A unidade de São Paulo SP, é responsável pela divisão de sistemas e não conta com atividades fabris. A organização ocupa uma área superior a m 2, conta atualmente com cerca de 450 colaboradores. Nos últimos anos a organização tem concentrado seus esforços na eliminação de desperdícios. Desde 2006 prepara o terreno para implantar sua jornada enxuta, principalmente com vista a satisfação dos seus clientes. Atualmente está no final do terceiro estágio de acordo com a definição do Lean Institute Brasil (ILB), vide figura 1. 7

8 Figura 1 Classificação de acordo com ILB, com estágio atual da organização 3.2 Delimitação do Estudo O estudo aborda os aspectos relacionados antes e depois do processo de manufatura enxuta na organização, caracterizando os principais aspectos e objetivos propostos com a nova metodologia. Os principais pontos a serem melhorados são: prazos de entregas dos equipamentos, redução do tempo de atravessamento, melhor controle na relação previsto e realizado, redução dos estoques de segurança. 3.3 O Processo de Implantação A organização iniciou um processo piloto nas suas duas unidades fabris. Em decisões de primeiro nível de acordo com a divisão feita por Slack et al (2008), seus processos foram redefinidos e reestruturados, o modelo adotado foi o de gestão por processos. Foi realizado um mapeamento dos processos produtivos da organização, onde as atividades que não agregavam valor foram claramente identificadas. Pela própria constituição de mix dos produtos realizados, as unidades fabris têm ritmos de produção (takt-time) diferentes, notadamente a unidade de Gravataí por produzir peças com grau de complexidade maior, demanda um valor agregado diferenciado do que em relação à unidade de Hortolândia que produz peças menores comparativamente. Com o mapeamento do processo e a redefinição de seu sistema de gestão foram então definidas as ferramentas que iriam ser empregadas na realização enxuta. No terceiro nível, tendo a manufatura enxuta como um método de planejamento e controle as principais foram: programação e produção puxada e nivelada a fim de evitar os estoques intermediários de bobinas que se formavam até a conclusão do empilhamento do silício. O nivelamento da produção é realizado através de reuniões de sincronismo de insumos e de materiais. Neste fórum é discutida com os líderes do chão de fábrica a evolução dos processos nas unidades, e realizado o nivelamento das informações. O balanceamento exato das células, em alguns casos lançando mão da multifuncionalidade da mão de obra, permite suportar as diferenças de tempos de ciclos dos modelos misturados. Nesta fase inicial no segundo nível destacam-se principalmente as ações de boas práticas de fabricação (BPF S), casos de gemba 8

9 kaizen e quando aplicável kaikaku, principalmente com relação à manutenção dos equipamentos e o ferramental empregado, muitas vezes propondo soluções caseiras para a fabricação de dispositivos e equipamentos, o que contribui para a redução de setup. Nas duas unidades os layouts estão sendo modificados favorecendo o fluxo dos processos. 3.4 Evidências objetivas dos progressos Resultados Implícitos Os estoques durante o processo foram extintos, nos armazéns a quantidade de matéria-prima foi reduzida em números absolutos, com a extinção dos estoques amortecedores. Somente os itens críticos, com lead time de fornecimento demasiadamente grande são mantidos em estoque em quantidades razoáveis para atender necessidades futuras. O giro nos estoques desde o início da implementação sistemática tem caído, no intervalo da amostragem verificase um redução significativa no tempo necessário para se renovar todo o estoque, conforme figura 2. Giro de Estoque Dias Resultados Explícitos Figura 2 Giro de estoque corporativo Da entrada do pedido até a concretizaçao da entrega os tempos tiveram reduções significativas, com a agilização nos processos de pré-produção, externalização de atividades que não agregavam valor, e melhorias no processo produtivo. Na divisão de transformadores um dos componentes principais desta redução com relação a fabricação dos componentes foi a tercerização da montagem dos kits isolantes e barramentos, vide tabelas 1 a 3. Trafo Hortolândia Trafos Modelo 1 Seco Modelo 2 Seco Modelo 1 Óleo Modelo 2 - Óleo Lead time médio (dias) Percentual de redução 43% 40% 35% 40% Fonte: PCP-HO apud os autores Tabela 1 lead time médio e percentual de redução Trafo - HO 9

10 Nos equipamentos de pátio a decisão de trazer os painéis montados de seu parceirofornecedor na Índia significou uma redução no tempo de atravessamento na fábrica, mantidos agora em estoques estratégicos os prazos tiveram reduções significativas. Trafo Hortolândia Equipamentos Disjuntor modelo 1 Disjuntor modelo 2 Disjuntor modelo 3 Disjuntor modelo 4 Lead time médio (semanas) Percentual de redução 40% 40% - 10% Fonte: PCP HO apud os autores Tabela 2 lead time médio e percentual de redução Equipamentos - HO Na unidade de Gravataí arranjos e melhoria no processo produtivo aliadas a otimização nas etapas que antecedem a produção significaram reduções expressivas. As esperas por pontes, estufa e outros tempos técnicos foram amenizadas com o emprego de programação e produção puxada. Trafo Gravataí Modelo 1 Óleo Modelo 2 Óleo Modelo 3 Óleo Modelo 4 - Óleo Lead time médio (dias) Percentual de redução 42% 28% - 69% Fonte: PCP GV apud os autores Tabela 3 lead time médio e percentual de redução Trafos GV Um dos itens mais caros ao cliente é a questão dos prazos acordados, no mercado de energia o atraso ou a postergação de data, significam na maioria dos casos multas elevadas. Este item tem ficado sempre acima dos 90% estipulados como meta, contra uma media aquém a 75% antes da implantação. A diluição dos prazos e a pontualidade nas entregas qualifica a organização em mercados mais exigentes, sendo um dos fatores de desequilíbrio em alguns dos casos. 4. Conclusões Há sem sombra de dúvidas um surto pelo emprego da metodologia enxuta. Implantar com efetividade a mentalidade enxuta tem sido o desafio dos engenheiros de produção e de outros profissionais ligados a gestão da produção. A taxa de letalidade das organizações que fracassam nesta jornada é elevadíssima, beira impressionantes 90% segundo Womack (2007). Uma parcela considerável se deve a priorização das ferramentas em detrimento da remodelação dos sistemas de gestão. Os conceitos fundamentais não são novos, eles são frutos de uma evolução da própria história industrial. Não há, contudo uma receita pronta de sucesso, cada organização têm uma cultura e peculiaridades inerentes ao próprio negócio, o que exige dos especialistas uma abordagem caso a caso da filosofia. 10

11 O sucesso da implantação está na exata compreensão da combinação destas singularidades, em alguns casos complexas, de filosofia, técnicas e métodos da manufatura enxuta, e não na ação isolada de suas aplicações. A expansão da manufatura demanda uma ação nos fornecedores e sub-forncedores ao longo da cadeia, externando o mapeamento do processo. Na implantação do plano piloto o foco foi identificar e alinhar as práticas internas com as definidas pela mentalidade enxuta. Há um longo caminho a ser percorrido, todavia os primeiros sinais das mudanças já são perceptíveis, o que indica que a primeira parte da implantação está sendo conduzida da maneira correta. A opção por primeiro alinhar o seu sistema de gestão com as práticas modernas de manufatura acabaram por evitar incoerências com os antigos processos e procedimentos. No caso da Trafo, pesa favoravelmente o empenho da alta direção com o compromisso de tornar realmente a organização enxuta em todos os seus processos, com agilidade suficiente para continuar a ter vantagem competitiva no mercado acirrado em que atua. A preocupação e o cuidado com que o processo está conduzindo ratificam o compromisso com a sustentabilidade das mudanças propostas. O modelo de implantação embora embasado na literatura e nos inúmeros casos de sucessos é particular, metas foram estipuladas por questões de marcos de evolução e estão sendo ativamente cobradas, o compromisso é com a melhoria sempre, seja ela incremental (kaizen) ou revolucionária (kaikaku). Em recente comunicação aos funcionários a alta direção saudou os primeiros resultados, inclusive com recorde de faturamento. Referências CORRÊA, H. & GIANESI, I. G. N. Just in time, MRPII e OPT: Um enfoque estratégico. 2.ed. São Paulo: Atlas FILHO, R. D. Gestão de Processos de Fabricação com MS-Project como Inovação Estratégica: Programação Enxuta o caso da Trafo. I ENCEPRO, artigo aceito para publicação 2008, aguarda impressão. DANNI, T. S. & TUBINO, D. F. Avaliação Operacional no ambiente Just-in-time. ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Anais MENDES, J.; MARTINS, A.; GOMES, W. & RAFAEL, C. A Produção Enxuta Fabricação de Produtos sob Encomenda: o caso da Trafo. Seminário: FACCAT. Taquara OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. 2.ed. Porto Alegre: Bookman SHINGO, S. & DILLON, A. P. Zero Quality Control: Source Inspection and the Poka-yoke System. Cambridge: Productivy SHINGO, S. O Sistema Toyota de Produção do Ponto de vista da Engenharia de Produção. 2.ed. Porto Alegre: Bookman

12 SHINGO, S. Sistema de Troca Rápida de Ferramentas: uma evolução nos sistemas produtivos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman SLACK, N.; CHAMBERS, R. & JOHNSTON, R. Administração da Produção. 2.ed. São Paulo: Atlas SLACK, N. Vantagem Competitiva em manufatura. 2ed. São Paulo: Atlas SCHONBERGER, R. J. Técnicas Industriais Japonesas: nove lições ocultas sobre a simplicidade. 4.ed. São Paulo: Pioneira WOMACK, J. P.; JONES, D. T. & ROOS, D. A Máquina que Mudou o Mundo. Rio de Janeiro: Campus WOMACK, J. & JONES, D. T. A Mentalidade Enxuta nas Empresas: elimine os desperdícios e crie riqueza. Rio de Janeiro: Campus WOMACK, J. Preparing Your Home Base for Global Sucess AME Canadian Lean Conference. Lean Enterprise Institute. Ontario Disponível :< Acessado em: 16 mar WOMACK, J. Das Ferramentas Enxutas (lean tools) ao Gerenciamento Enxuto (lean management): a situação da mentalidade enxuta em Lean Institute Brasil. Artigo Disponível :< Acessado em: 15 mar

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Osiran Lima* Este artigo mostra a implementação de células de manufatura em uma empresa gráfica, substituindo o layout linear pelo layout celular, onde foi

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Resumo Hugo Machado de Castro hugomcastro@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia de

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS SISTEMAS PRODUTIVOS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS SISTEMAS PRODUTIVOS OS PRIMÓRDIOS Wanderson Paris Evaldo Zagonel A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam à transformação de um bem tangível em um outro

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO Time-based Competition Silvana Tiburi Bettiol Time is money Será? Ondas de Inovação de Processos Processo evolutivo adaptação da organização ao ambiente Ondas de Inovação de

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015! XXVIENANGRAD A LOGÍSTICA DENTRO DA CONSTRUÇÃO ENXUTA: ESTUDO DE CASO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA. LARISSE OLIVEIRA COSTA Andriele Pinto de Amorim ÁreaTemática GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS

UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS UTILIZAÇÃO DO PENSAMENTO ENXUTO PARA O DIAGNÓSTICO E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS NO GERENCIAMENTO DE HOTÉIS Karine Borges de Oliveira (UNISAL/LO) karineborges.eng@gmail.com Eduardo Ferro dos Santos (USP/EEL)

Leia mais

REVISÃO BILBIOGRÁFICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO JUST IN TIME Evandro de Oliveira 1 Jonathan Francisco Pereira Tcacenco 2

REVISÃO BILBIOGRÁFICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO JUST IN TIME Evandro de Oliveira 1 Jonathan Francisco Pereira Tcacenco 2 REVISÃO BILBIOGRÁFICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO JUST IN TIME Evandro de Oliveira 1 Jonathan Francisco Pereira Tcacenco 2 RESUMO O sistema Just in Time tem contribuído para o bom desempenho produtivo de muitas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE METODOLOGIA LEAN EM UMA LINHA DE ENSACADEIRA PARA ARGAMASSA.

IMPLEMENTAÇÃO DE METODOLOGIA LEAN EM UMA LINHA DE ENSACADEIRA PARA ARGAMASSA. IMPLEMENTAÇÃO DE METODOLOGIA LEAN EM UMA LINHA DE ENSACADEIRA PARA ARGAMASSA. Almeida, Mário Cesar marioengproducao@gmail.com Ferreira, Claudimar Evangelista claudimarevangelista@gmail.com Magnani, Eduardo

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO Levi da Silva Guimaraes (UMINHO ) levisguimara@hotmail.com Cintya Bareiro Colares (UMINHO ) cintyac@gmail.com Hyggor da Silva Medeiros (UMINHO

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

Ciclos de Melhoria Contínua no Chão de Fábrica

Ciclos de Melhoria Contínua no Chão de Fábrica Ciclos de Melhoria Contínua no Chão de Fábrica Estrutura, Ferramentas e Lições Aprendidas Palestrante: Fernando Coelho Apresentação: Fernando Coelho Formação: Técnico em Eletrônica pela Escola Téc. Federal

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Meireles, M.Sc. Segundo a Associação

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA Alexandro Gilberto Silva 1 Eduardo Gonçalves Magnani 2 Sabrina G. Cabral 3 RESUMO: Neste trabalho é feito uma análise da diferença

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

APLICAÇÃO DA FILOSOFIA KAIZEN NA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO

APLICAÇÃO DA FILOSOFIA KAIZEN NA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR APLICAÇÃO DA FILOSOFIA KAIZEN NA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO Salvador

Leia mais

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Fonte: Maximiano Autores Principais Idéias e Contribuições Shewhart, Dodge e Romig Cartas de Controle. Controle estatístico da qualidade e controle estatístico

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Marco Antonio Equi marcoequi@hotmail.com FESA Hugo Pissaia Junior hugo.planejamento@sampel.com.br FESA Resumo:No atual cenário vivido

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

Premissas conceituais e abordagem

Premissas conceituais e abordagem Premissas conceituais e abordagem EDUCAÇÃO CORPORATIVA: CONSTRUINDO A PONTE ENTRE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (competências humanas) E ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIO (competências organizacionais) Instituto Sindipeças

Leia mais

Expansão dos Projetos Kaizen para os Fornecedores: Estudo de Caso na Indústria Aeronáutica

Expansão dos Projetos Kaizen para os Fornecedores: Estudo de Caso na Indústria Aeronáutica Expansão dos Projetos Kaizen para os Fornecedores: Estudo de Caso na Indústria Aeronáutica Fernando Reimberg Syrio fernando_reimberg@hotmail.com ITA João Murta Alves murta@ita.br ITA Resumo:Este trabalho

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na construção civil predial - uma proposta de modelo de gestão integrada GIULLIANO POLITO 19/09/2013 Título

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Outubro 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais