Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15"

Transcrição

1 O que é a Ciência da Fábrica? Uma resposta simples (A resposta curta) Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) Foco: a gestão da produção O escopo: as operações O método: a Ciência da Fábrica A perspectiva: as linhas de fluxo Uma visão geral do livro 11 PARTE I AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13 1 A Indústria Norte-Americana Introdução A experiência norte-americana A primeira revolução industrial A revolução industrial nos Estados Unidos O sistema norte-americano de produção A segunda revolução industrial O papel das ferrovias Varejistas em massa Andrew Carnegie e as escalas de produção Henry Ford e a velocidade A administração científica Frederick W. Taylor Planejamento versus execução Outros pioneiros da gestão científica A ciência na gestão científica 32

2 xviii Sumário 1.6 O nascimento da organização moderna de produção Du Pont, Sloan e as estruturas Hawthorne e o elemento humano A educação gerencial O pico, o declínio e o ressurgimento da produção norte-americana A era dourada Contadores contam, vendedores vendem O gestor profissional A recuperação e a globalização da produção O futuro 43 Pontos para discussão 45 Questões para estudo 45 2 O Controle de Estoques: Do Lote Econômico ao Ponto de Reposição Introdução O modelo do lote econômico A motivação O modelo A ideia central do lote econômico A sensibilidade Desdobramentos do lote econômico O lote dinâmico A prática A formulação do problema O procedimento de Wagner Whitin Interpretando a solução Cuidados Modelos estatísticos de controle de estoques O modelo do vendedor de jornais O modelo do estoque mínimo O modelo (Q, r) Conclusões 87 Apêndice 2A As probabilidades básicas 89 Apêndice 2B Fórmulas de controle de estoque 100 Questões para estudo 102 Problemas A Cruzada do MRP Planejamento das necessidades de materiais MRP A ideia fundamental do MRP Uma visão geral do MRP As entradas e saídas do MRP Os procedimentos do MRP Tópicos especiais do MRP O tamanho dos lotes no MRP O estoque de segurança e os lead times de segurança Acomodando as perdas de rendimento dos processos Os problemas do MRP 129

3 xix 3.2 Planejamento dos recursos de produção MRP II A hierarquia do MRP II O planejamento de longo prazo O planejamento de médio prazo Os controles de curto prazo Sistema integrado de gestão empresarial e gestão da cadeia de suprimentos O ERP e a SCM Sistemas de planejamento avançado Conclusões 141 Questões para estudo 141 Problemas Da Revolução do Just-in-Time à Produção Enxuta As origens do JIT Os objetivos do JIT O ambiente como um controle A implantação do JIT A suavização do fluxo da produção Heijunka A reserva de capacidade A redução dos setups O treinamento multifuncional e o leiaute da fábrica Menos trabalhos em curso A gestão da qualidade total TQM Os fatores que exigiram maiores níveis de qualidade Os princípios da qualidade do JIT O ocidente contra-ataca a ISO Os sistemas de produção puxada e o kanban O kanban clássico Outros sistemas de produção puxada O kanban e o sistema de estoque mínimo Adeus, JIT; olá, produção enxuta A produção enxuta O Seis Sigma e outros As lições de JIT/produção enxuta e TQM/Seis Sigma 164 Pontos para discussão 165 Questões para estudo Afinal, O Que Deu Errado? O problema A solução A administração científica A evolução do computador Outras abordagens científicas A reengenharia de processos de negócios A produção enxuta O Seis Sigma 179

4 xx Sumário 5.6 E agora, aonde vamos? 180 Pontos para discussão 182 Questões para estudo 183 PARTE II A CIÊNCIA DA FÁBRICA Uma Ciência para a Manufatura As sementes da ciência Uma chuva de chavões Por que uma ciência? As raízes formais O que é Ciência? A causa formal dos sistemas de manufatura Os modelos prescritivos e descritivos Os objetivos estratégicos e operacionais O objetivo fundamental Os objetivos hierárquicos O posicionamento estratégico As medidas de desempenho e dos modelos A contabilidade de custos A modelagem tática e estratégica Os riscos Uma metodologia para implantar melhorias Conclusões 210 Apêndice 6A O custeio por atividade 212 Questões para estudo 213 Problemas A Dinâmica Básica das Fábricas Introdução Definições e parâmetros Definições Parâmetros Exemplos Correlações simples O melhor desempenho possível O pior desempenho possível O pior desempenho na prática As taxas de gargalo e o cycle time Benchmarking interno Sistemas com limitações de mão de obra Um caso de capacidade ampla Um caso de flexibilidade total As linhas CONWIP com mão de obra flexível Projeto de um sistema com mão de obra flexível 246

5 xxi 7.5 Conclusões 247 Questões para estudo 248 Problemas 248 Exercícios para desenvolver a intuição Informações Básicas sobre a Variabilidade Introdução Variabilidade e aleatoriedade As raízes da aleatoriedade A intuição probabilística A variabilidade dos tempos de processamento As medidas e as classes de variabilidade A variabilidade baixa e moderada Tempos de processamento com variabilidade alta As causas da variabilidade A variabilidade natural A variabilidade decorrente de paradas não programadas A variabilidade decorrente de paradas programadas A variabilidade do retrabalho Um resumo das fórmulas da variabilidade A variabilidade do fluxo A identificação da variabilidade do fluxo A variabilidade da demanda e do fluxo Chegadas e partidas de lotes Interações da variabilidade A teoria das filas A notação e as medidas da teoria das filas Relações fundamentais Uma fila M/M/ As medidas de desempenho Sistemas com tempos de processamento e tempos entre as chegadas genéricos As máquinas paralelas As máquinas paralelas e os tempos normais Os efeitos dos bloqueios Uma fila M/M/1/b Modelos gerais de bloqueio A combinação de variabilidades O processamento em lotes A agregação dos estoques de segurança Compartilhamento da fila Conclusões 288 Questões para estudo 289 Problemas A Influência Devastadora da Variabilidade Introdução A variabilidade pode ser benéfica? Exemplos de variabilidade boa e ruim 294

6 xxii Sumário 9.2 As leis da variabilidade Exemplos de reservas de segurança Pague agora ou pague depois A flexibilidade O aprendizado organizacional As Leis dos fluxos Os fluxos dos produtos A capacidade A utilização A variabilidade e o fluxo As leis do processamento em lotes Os tipos de lotes Os lotes de processamento Os lotes de transferência O cycle time O cycle time de uma estação de trabalho As operações de montagem O cycle time da linha O cycle time, o lead time e o atendimento O desempenho e a variabilidade As medidas de desempenho da produção Os diagnósticos e as melhorias O aumento da produtividade A redução do cycle time A melhora do atendimento ao cliente Conclusões 332 Questões para estudo 334 Exercícios de formação de intuição 334 Problemas Os Sistemas de Produção Puxada e Empurrada Introdução Percepções sobre a produção puxada A principal diferença entre puxar e empurrar A magia da produção puxada A redução dos custos de produção A redução da variabilidade A melhoria da qualidade Preservando a flexibilidade A coordenação de trabalhos futuros O sistema CONWIP Os mecanismos básicos O modelo de análise do valor médio Comparações entre o CONWIP e o MRP A possibilidade de observação A eficiência A variabilidade A robustez 356

7 xxiii 10.6 Comparações entre o CONWIP e o kanban Questões do controle dos cartões Questões de mix de produtos Questões de pessoal A interface estoque/sob encomenda Conclusões 364 Questões para estudo 365 Problemas O Elemento Humano no Gerenciamento das Operações Introdução As leis humanas básicas A base do interesse pessoal A diversidade é um fato Os efeitos do fanatismo A realidade do esgotamento das pessoas Planejamento versus motivação A responsabilidade e a autoridade Resumo 378 Pontos para discussão 379 Questões para estudo Manufatura com Qualidade Total Introdução A década da qualidade Uma história sobre a qualidade O status da qualidade As perspectivas de qualidade Definições gerais A diferença entre a qualidade interna e a externa O controle estatístico da qualidade (SQC) Abordagens do SQC O controle estatístico de processos Outros benefícios do controle estatístico de processos (CEP) O Seis Sigma Os fundamentos estatísticos DMAIC A estrutura organizacional do Seis Sigma Qualidade e operações A qualidade dá suporte às operações A qualidade depende das operações A qualidade e a cadeia de suprimentos Um exemplo de lead time de segurança Componentes adquiridos de terceiros em um sistema de montagem A seleção e o gerenciamento dos fornecedores Conclusões 408 Questões para estudo 409 Problemas 410

8 xxiv Sumário PARTE III A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS Uma Estrutura de Trabalho para o Planejamento da Produção Puxada Introdução A desagregação A medida dos tempos no planejamento da produção Outras dimensões de desagregação A coordenação As previsões As previsões causais As previsões de séries temporais A arte da previsão O planejamento para a produção puxada O planejamento hierárquico da produção O planejamento da capacidade/fábrica O planejamento da força de trabalho O planejamento agregado A definição de WIP/quotas O gerenciamento da demanda A programação e o sequenciamento Os controles do chão de fábrica As simulações em tempo real O controle da produção Conclusões 450 Apêndice 13A Um modelo para a definição de quotas de produção 452 Questões para estudo 454 Problemas Os Controles do Chão de Fábrica Introdução Considerações gerais O controle da capacidade bruta O planejamento do gargalo A distribuição do controle A configuração de uma linha CONWIP A linha CONWIP básica Os sistemas CONWIP complexos As linhas CONWIP sequenciais Os recursos compartilhados As famílias de produtos múltiplos As linhas de montagem CONWIP Outros mecanismos de produção puxada O kanban Os métodos de puxar a produção a partir do gargalo O controle do chão de fábrica e a programação 481

9 xxv 14.5 O controle da produção O controle estatístico de produtividade O controle da capacidade em longo prazo Conclusões 486 Apêndice 14A O controle estatístico de produtividade 488 Questões para estudo 489 Problemas A Programação da Produção Os objetivos da programação da produção O cumprimento dos prazos A maximização da utilização A redução do WIP e dos cycle times Revisão de pesquisas sobre a programação O MRP, o MRP II e o ERP A programação clássica das máquinas O despacho Por que a programação é difícil As boas e as más notícias A programação na prática A associação do planejamento com a programação A otimização dos lotes A cotação dos prazos de entrega A programação do gargalo As linhas CONWIP sem setups As linhas CONWIP simples com setups Os resultados da programação do gargalo Os diagnósticos da programação Os tipos de inviabilidades na programação A programação da produção em um ambiente de produção puxada O planejamento da programação com execução puxada O uso do CONWIP com o MRP Conclusões 524 Questões para estudo 525 Problemas O Planejamento Agregado e o Planejamento da Força de Trabalho Introdução O planejamento agregado básico Um modelo simples Um exemplo de programação linear O planejamento do mix de produtos Um modelo básico Um exemplo simples Outras aplicações do modelo básico 546

10 xxvi Sumário 16.4 O planejamento da força de trabalho Um modelo de PL Um exemplo de combinação de PA/PFT As ideias da modelagem Conclusões 562 Apêndice 16A A programação linear 563 Questões para estudo 568 Problemas A Gestão da Cadeia de Suprimentos Introdução As razões para a manutenção de estoques As matérias-primas Os trabalhos em curso Os estoques de produtos acabados As peças de reposição O gerenciamento de matérias-primas Uma melhor visibilidade A classificação ABC O just-in-time A definição do estoque de segurança e dos lead times para componentes comprados A definição da frequência das ordens para a compra de componentes O gerenciamento do WIP A redução das filas A redução do WIP na espera por lotes A redução do WIP na espera por componentes O gerenciamento do estoque de produtos acabados O gerenciamento das peças de reposição A estratificação da demanda O estoque de peças de reposição para emergências As cadeias de suprimento multiníveis As configurações do sistema As medidas de desempenho O efeito chicote Uma aproximação para um sistema de dois níveis Conclusões 613 Ponto para discussão 614 Questões para estudo 615 Problemas A Administração da Capacidade O problema da configuração da capacidade A configuração da capacidade de curto e longo prazo O planejamento estratégico da capacidade A visão tradicional e a moderna 622

11 xxvii 18.2 A modelagem e a análise Exemplo: uma linha com custo mínimo e capacidade viável As metas do cycle time A modificação de linhas de produção existentes O projeto de novas linhas de produção A abordagem tradicional Uma abordagem da Ciência da Fábrica Outras considerações sobre o projeto da fábrica A alocação de capacidade e o equilíbrio da linha As linhas de montagem ritmadas O desequilíbrio das linhas de fluxo Conclusões 633 Apêndice 18A O problema da linha de equilíbrio 635 Questões para estudo 638 Problemas Síntese: Juntando Tudo A importância estratégica dos detalhes A questão prática da implantação Uma perspectiva de sistemas O começo da mudança Focando o trabalho em equipe A lei de Pareto As leis da Ciência da Fábrica A Ciência da Fábrica uma parábola Na trilha dos cowboys O desafio A situação da empresa A equipe de resgate Como a fábrica foi mantida Epílogo O futuro 662 Referências 667 Índice 677

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CICLO PROFISSIONAL 9º BIMESTRE PESQUISA OPERACIONAL I 80 horas Modelagem de Problemas; Noções de otimização; Introdução a Programação Linear;

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

Disciplinas Ementa Resultados para o participante. 10.1 Administração da Empresa Moderna 40 h/a. necessidades da. habilidades técnicas

Disciplinas Ementa Resultados para o participante. 10.1 Administração da Empresa Moderna 40 h/a. necessidades da. habilidades técnicas Disciplinas Ementa Resultados para o participante Analisa a empresa moderna Desenvolver um com um sistema aberto ao pensamento crítico meio ambiente globalizado e para a prática de competitivo. Aborda

Leia mais

Necessidade do cliente Análise. Logística. Reposição de materiais. Armazenamento. Recebimento

Necessidade do cliente Análise. Logística. Reposição de materiais. Armazenamento. Recebimento Capítulo 1 Gestão Materiais Apresentação do Tópico: A Importância da Administração A organização da área Análise de necessidades de clientes Reposição de materiais Recebimento de materiais Armazenamento

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Ementa: As Organizações; As pessoas; As pessoas e as organizações; Sistema de Administração de Recursos Humanos.

Ementa: As Organizações; As pessoas; As pessoas e as organizações; Sistema de Administração de Recursos Humanos. ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Gestão da Qualidade Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Administração da Produção I Introdução e conceitos; Métodos de

Leia mais

Gerenciando um Sistema de Operações e Logística

Gerenciando um Sistema de Operações e Logística Imagine usar peças de um jogo de montagem para simular sistemas de gerenciamento. O que parece brincadeira de criança serve para colocar na prática o que os acadêmicos do curso de Administração da Faculdade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 DC 5080 25/03/2010 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 470 do Conselho Estadual de Educação de 24 de novembro

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO.

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. José Carlos A. Cordeiro Valesca A. Corrêa Julio M. Filho cordeiro21jcac@gmail.com valesca.correa@unitau.com.br eng.juliomalva@gmail.com

Leia mais

COMUNICADO CEM/CP 1/2016

COMUNICADO CEM/CP 1/2016 COMUNICADO CEM/CP 1/2016 DIVULGA RELAÇÃO DE DISCIPLINAS RECOMENDADAS COMO OPTATIVAS PARA O 2º SEMESTRE LETIVO DE 2016 DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O aumento da competitividade global, trouxe consigo a grande desenvolvimento da Tecnologia da informação. Os processos enxutos e sem erros, os grandes estoques, as decisões que

Leia mais

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 1 OBJETIVOS Objetivo Geral: Revisar conceitos e abordagens clássicas das Teorias da Administração (Introdução à Administração); Objetivos Específicos: Contextualizar

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

Disciplinas Fundamentais 2009 (2º quadrimestre)

Disciplinas Fundamentais 2009 (2º quadrimestre) Disciplinas Fundamentais 2009 (2º quadrimestre) Aplicações da Estatística na Transmitir conceitos e técnicas de gestão de projetos, relevantes desde a concepção, desenvolvimento e entrega dos resultados

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

GESTÃO DAS OPERAÇÕES 18/01/2016 VAMOS NOS CONHECER AVALIAÇÕES

GESTÃO DAS OPERAÇÕES 18/01/2016 VAMOS NOS CONHECER AVALIAÇÕES GESTÃO DAS OPERAÇÕES VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI Especialista em Gestão de Projetos,

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na construção civil predial - uma proposta de modelo de gestão integrada GIULLIANO POLITO 19/09/2013 Título

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera SISTEMAS DE PRODUÇÃO Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera James Watt foi um matemático e engenheiro escocês. Construtor de instrumentos científicos, destacou-se pelos melhoramentos que introduziu

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Prof a Carla R. Pereira SURGIMENTO DA PRODUÇÃO LEAN Novas ideias vem em resposta a problemas concretos (Dennis, 2008, p.19)

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (Currículo iniciado em 2015) ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I 102 h/a 3107 Aspectos histórico/evolutivos. Planejamento estratégico/tático na indústria. Padronização.

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias do Núcleo Básico Geral Comum do Campus de Limeira

Disciplinas Obrigatórias do Núcleo Básico Geral Comum do Campus de Limeira EMENTAS DAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DA ÁREA DE GESTÃO Disciplinas Obrigatórias do Núcleo Básico Geral Comum do Campus de Limeira Sociedade e Cultura no Mundo Contemporâneo As mudanças nas relações entre

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio Rodrigues Dias DEIXE O MBA QUE É REFERÊNCIA FALAR POR VOCÊ. OBJETIVO: O MBA em

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre DEFINIÇÃO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS Conjunto de atividades que objetivam fornecer produtos

Leia mais

Investigando o Processo Decisório de Implantação de Sistemas de Administração da Produção em Pequenas Empresas: um Estudo de Caso no Segmento Têxtil

Investigando o Processo Decisório de Implantação de Sistemas de Administração da Produção em Pequenas Empresas: um Estudo de Caso no Segmento Têxtil Investigando o Processo Decisório de Implantação de Sistemas de Administração da Produção em Pequenas Empresas: um Estudo de Caso no Segmento Têxtil Giancarlo Nonnemacher giancarlo@aluno.faccat.br FACCAT

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Industrial

Curso de Especialização em Gestão Industrial Curso de Especialização em Gestão Industrial Operacionalização: Pós graduação lato sensu da Universidade de São Paulo (USP) O Curso de Especialização em Gestão Industrial aborda, de maneira conceitual

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS MBA EM LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS 1 - JUSTIFICATIVA A gestão do fluxo de valor agregado pelas organizações exige contemplar toda a cadeia de suprimentos de forma a identificar e

Leia mais

Gerenciamento Estratégico

Gerenciamento Estratégico Gerenciamento Estratégico CREPÚSCULO DE UMA NOVA ERA O desafio mais importante de nossos dias é o encerramento de uma época de continuidade época em que cada passo fazia prever o passo seguinte e o advento

Leia mais

jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01

jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01 jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01 NOVOS MODELOS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUTIVIDADE Professor: José Alves da Cruz 1 Evolução dos Sistemas Produtivos O Mestre Artesão Revolução Industrial

Leia mais

PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS UBC ENSINO A DISTÂNCIA. Administração, Ciências Contábeis e CSTs

PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS UBC ENSINO A DISTÂNCIA. Administração, Ciências Contábeis e CSTs PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS UBC ENSINO A DISTÂNCIA Administração, Ciências Contábeis e CSTs Disciplina: Teoria Geral da Administração Carga Horária: 80 horas Prof.: João Luiz de Souza Lima

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

VISÕES 2004 Engenharia de Produção

VISÕES 2004 Engenharia de Produção Diony José de Almeida Organizador VISÕES 2004 Engenharia de Produção Editora Humanitas Vivens Ltda O conhecimento a serviço da Vida! Maringá-PR 2011 3 Copyright 2011 by Humanitas Vivens Ltda EDITOR: José

Leia mais

A tríade crítica: tomada de decisão, administração e liderança 1

A tríade crítica: tomada de decisão, administração e liderança 1 Sumário UNIDADE I A tríade crítica: tomada de decisão, administração e liderança 1 1 Tomada de decisão, solução de problemas, raciocínio crítico e raciocínio clínico: requisitos para uma liderança e administração

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O D A P R O D U Ç Ã O E Q U A L I D A D E * Programa sujeito a alterações

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O D A P R O D U Ç Ã O E Q U A L I D A D E * Programa sujeito a alterações depto. mkt. IBE FGV * Programa sujeito a alterações RESOLUÇÃO DO MEC Os cursos MBA Pós-Graduação Especialização da Fundação Getulio Vargas atendem aos requisitos da Resolução CNE / CES nº 01, de 08/06/07.

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Questão 1 A figura ao lado apresenta uma proposta de classificação de sistemas de informação, organizada tanto no que se refere ao nível hierárquico, no qual atuam os sistemas

Leia mais

MUDANÇAS NO ARTIGO TÉCNICO

MUDANÇAS NO ARTIGO TÉCNICO MUDANÇAS NO ARTIGO TÉCNICO O último campo Biografias deverá ser substituído pelo campo ANEXOS. Deverão ser anexados os currículos em Plataforma LATTES de todos os membros do grupo. Cadastrar em http://lattes.cnpq.br.

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Projetos Seis Sigma em Processos de Clientes. Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br F. (19) 3707-1535 M. (11) 9939-4079 www.setadg.com.

Projetos Seis Sigma em Processos de Clientes. Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br F. (19) 3707-1535 M. (11) 9939-4079 www.setadg.com. Projetos Seis Sigma em Processos de Clientes Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br F. (19) 3707-1535 M. (11) 9939-4079 www.setadg.com.br 1 Objetivo : Demonstrar como os projetos Six Sigma em clientes pode

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE II: E-business Global e Colaboração Prof. Adolfo Colares Uma empresa é uma organização formal cujo o objetivo é produzir s ou prestar serviços

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS II. 1 PROCESSOS DE SUPRIMENTOS Função: Processos Operacionais de Suprimentos 1. Analisar os diversos tipos de fornecedores quanto às suas características produtivas, técnicas, tecnológicas e econômicas,

Leia mais

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY 1. Qualidade Tipos de treinamento 1.1 Interpretação das normas ISO 9000 - Requisitos Específicos da Norma ISO 9001 24 1.2 Interpretação da especificação técnica ISO/TS

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas

Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas Mensuração e avaliação do desempenho logístico e nível de serviços Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas Medição de desempenho no processo gerencial informações para decisão

Leia mais

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado)

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Simulação e Gerenciamento de Manufatura Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Max-Prod Software importado Simulação e Otimização da Carga de Máquinas e Sequenciamento

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2009.1A Atualizado em 10 de junho BRUSQUE de 2013 pela Assessoria (SC) de Desenvolvimento 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ADMINISTRAÇÃO GERAL...

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Ferramentas da Qualidade

Ferramentas da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Ferramentas da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 17/05 Oqueé (...) uma filosofia de trabalho para alcançar, maximizar e manter

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Lean Six Sigma e seu relacionamento com outras metodologias Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br 1 Seta Desenvolvimento

Leia mais

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

VIVÊNCIA EM GESTÃO DE CUSTOS: UMA INOVAÇÃO PARA O ENSINO DA GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS

VIVÊNCIA EM GESTÃO DE CUSTOS: UMA INOVAÇÃO PARA O ENSINO DA GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS VIVÊNCIA EM GESTÃO DE CUSTOS: UMA INOVAÇÃO PARA O ENSINO DA GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS PROF.ª DR.ª CLEONICE BASTOS POMPERMAYER FAE Centro Universitário, Curitiba, Paraná. BRASIL e-mail: ppmayer@terra.com.br

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE TAQUARITINGA PLANO DE ENSINO 2013 2º SEMESTRE DE 2013 3252 ADMINISTRAÇÃO GERAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE TAQUARITINGA PLANO DE ENSINO 2013 2º SEMESTRE DE 2013 3252 ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE DE TECNOLOGIA DE TAQUARITINGA 1 ANO PLANO DE ENSINO 2013 2º SEMESTRE DE 2013 DEPARTAMENTO 32 AGRONEGÓCIO DISCIPLINA 3252 ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSOR RESPONSÁVEL 0019036 MOACIR JOSÉ BERTACI

Leia mais

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Utilizando como ponto de partida os artigos Idéias de Sucesso: Utilizando o Balanced Scorecard escrito por Luis Augusto German, A difícil tarefa

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

GRADE HORÁRIA 2º SEMESTRE DE 2015

GRADE HORÁRIA 2º SEMESTRE DE 2015 1 º PERÍODO - 2 º SEMESTRE TURNO:Noite SALA: N º DE ALUNOS: Introdução à Química Geral Geometria Analítica e Álgebra Linear Química Geral Geometria Analítica e Álgebra Linear PROFESSOR Introdução à Química

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Gestão Estratégica de Suprimentos

Gestão Estratégica de Suprimentos Gestão Estratégica de Suprimentos Professor: Hilian Giacomelli Chapecó, 14 e 21 de Maio de 2016 Parceria MINI CURRICULUM - HILIAN GIACOMELLI Consultor Empresarial, já tendo atuado em empresas como Grupo

Leia mais