P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos"

Transcrição

1 P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos

2 Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores de produtividade c. Lead time 2. Perdas e Ganhos 3. Metodologias e Ferramentas a. MFV Mapeamento de Fluxos de Valor b. GPT Gestão do Posto de Trabalho 4. Caso Medabil

3 A produtividade econômica de uma organização depende das suas capacitações para executar processos com qualidade, agilidade, confiabilidade, flexibilidade, com custos e tecnologia adequados. Conceito de Pacote de valor Capacitações: Vantagem em: Fazer Certo Qualidade Fazer Rápido Rapidez Fazer em Tempo Mudar o que Faz Fazer mais Barato Inovar Confiabilidade Flexibilidade Custo Tecnologia

4 Ex.: Operações Bancárias Mercados Distintos Propostas de valor distintas Varejo Corporativo Qualidade Custo Rapidez Flexibilidade Confiabilidade

5 Ex. Metal Mecânica Como seria o pacote de valor ideal para um cliente do mercado OEM (montadora)? Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia Como seria o pacote de valor ideal para um cliente do mercado de AFM (reposição)? Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia

6 A Excelência Operacional demanda conhecimentos, metodologia e estratégia para a Melhoria Contínua dos processos Gestão da Competitividade. Gestão da Competitividade Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia Circuito Quantidades Circuito Atendimento Circuito Lead Time Circuito Flexibilidade Circuito Qualidade Inovação Industrial Gestão da Inovação (Radical, Semi-radical e Incremental Melhoria Contínua)

7 Produtividade de mão-de-obra Produtividade horária = Produção Tempo Eficiência Mão-de-obra = peças horas homem

8 IROG - Índice de Rengimento Operacional Global OEE - Overall Equipament Effectiveness Produtividade de Máquinas e Equipamentos IROG (ou OEE) = Tempo de valor agregado Tempo disponibilizado 2 x120 pçs 480 Exemplo: global 50% Valores típicos encontrado em gargalos sem gestão da produtividade: 30 a 55%!!!

9 Lead time (tempo de atravessamento) Work In Process - WIP (estoque em processo) P1 1 pç/h P2 1 pç/h P3 1 pç/h Lead time = 3 horas P1 P2 P3 1 pç/h 1 pç/h 1 pç/h Lead time = 13 horas

10 Perdas são todas as atividades que geram custo e não adicionam valor ao produto ou serviço... Shigeo Shingo Perdas (STP) STP Sistema Toyota de Produção

11 As 7 Perdas (Shigeo Shingo e Taiichi Ohno) 1. Perdas por superprodução 2. Perdas por transporte 3. Perdas por processamento em si 4. Perdas devido defeitos 5. Perdas por espera 6. Perdas nos estoques 7. Perdas no movimento

12 As perdas por superprodução são os nossos piores inimigos, porque elas ajudam a esconder as outras perdas Taiichi Ohno São dois tipos de superprodução: a) Superprodução quantitativa b) Superprodução por antecipação Previsão de venda Falha de fornecedor Cultura Quebras Superprodução Indicadores Refugos e Retrabalho Set up elevado PCP

13 Exemplo de Layout Q=500 Kg D=1000 m S 0 Transporte manual S 1 Transporte mecânico/automatizado Ao trocar o transporte de S 0 para S 1 ocorre uma melhoria no processo, na operação de transporte, ou em ambos?

14 Diga-me como me medes e dirte-ei o que farei! Goldratt Ganhos (TOC) TOC Teoria das Restrições (Theory of Constraints)

15 ANALOGIA DA EMPRESA COM UMA CORRENTE Desenvolvimento Distribuição Vendas e MKT Compras Produção Pós-venda A Soma dos Ótimos Locais não é Igual ao Ótimo Global

16 Os 5 Passos de Focalização da TOC Sim Identificar a Restrição Eliminou A Restrição? Não Explorar a Restrição Elevar a Restrição Subordinar Tudo a Restrição

17 Algumas das regras da TOC O nível de utilização de um não-gargalo não é determinado pelo seu potencial, mas sim por outra restrição do sistema; Uma hora perdida no gargalo é uma hora perdida em todo o sistema; Uma hora salva em um não gargalo é apenas uma miragem; P1 8 pç/h P2 5pç/h P3 10pç/h Ao investir em aumento de capacidade de P1, aumenta a produtividade do processo?

18 Algumas das regras da TOC O lote de transferência não deve e muitas vezes não pode ser igual ao lote de produção; P1 P2 P3 Produzir 8 peças Lote de Transferência = 8 1 pç/h 1 pç/h 1 pç/h Lead time total 24 horas P1 P2 P3 Produzir 8 peças Lote de Transferência = 1 1 pç/h 1 pç/h 1 pç/h Lead time total 10 horas

19 Relação Lead time x Estoque em processo x Capacidade Exemplo atendimento hospitalar no sistema publico de saúde de Florianópolis: Fila de velhinhas se formava a partir das 06:00hs Atendimento a partir das 8:00hs; 1 a cada 15 minutos Total de 16 atendimentos por turno com tempo de espera médio de 4 horas

20 Relação Lead time x Estoque em processo x Capacidade Conceito: Lead time depende das filas (estoque em processo) e não da capacidade Janela de chegada 30 minutos antes da consulta marcada Atendimento a partir das 8:00hs; 1 a cada 15 minutos Foram mantidas16 consultas por período, com melhor atendimento, pois o tempo de espera médio reduziu para apenas 30 minutos

21 Para aumentar a riqueza e o bem estar da sociedade, o conhecimento sobre Gestão da Produtividade deve ser disponibilizado para que as pessoas aprimorem e executem os processos de forma eficiente. Técnicas para análise e melhoria de produtividade dos Processos e Operações MFV - Mapeamento de Fluxo de Valor (VSM Value Stream Mapping) GPT Gestão do Posto de Trabalho

22 Mapeamento de Fluxo de Valor (Value Stream Mapping) Síntese do Método 1. Defina o fluxo de valor (processo) alvo do trabalho 2. Desenhe o Mapa do Estado Atual do fluxo de valor (processo) 3. Desenhe o Mapa do Estado Futuro e identifique as lacunas 4. Estabeleça as metas de melhoria 5. Elabore os Planos de Ação para Melhoria 6. Execute as melhorias 7. Monitore a execução 8. Padronize e treine

23 A busca pela FÁBRICA DE BOLINHAS Passo 1 FLUXO DE VALOR ATUAL COMO? Passo 3 Passo 2 FLUXO DE VALOR IDEAL

24 PROCESSO IDEAL Mapeamento de Fluxo de Valor PROCESSO ATUAL

25 Mapeamento de Fluxo de Valor Via de regra... Mais de 95% das operações não agregam valor Mais de 95% do tempo de atravessamento é de esperas (perdas) Este é o tamanho do potencial de melhorias!

26 Exemplo de resultados Virginia Mason Medical Center Fonte: Transformação da Saúde Ganhos em 2 anos do programa Lean na Saúde: Redução de Inventários de 53% Ganhos de produtividade: 36% (recolocações em outras funções) Redução de área ocupada de 41% Redução de tempos de atravessamento (lead times) de 65% Redução de deslocamentos de 44% Redução de tempos de preparação de 82%

27 Exemplo de resultados Construção Civil Fonte: Produttare Ganhos a partir de Kainzes de mapeamento de fluxo de valor: Redução de Estoques em Processo de 88% Redução de Lead Time de 80% Ganhos de produtividade nos gargalos de 83% Aumento de eficiência de mão-de-obra de 160%

28 Gestão do Posto de Trabalho Síntese do Método 1. Identifique os recursos críticos (Gargalos, Qualidade, Exclusivos) e o objetivo de melhoria 2. Meça a produtividade (IROG ou OEE; diário de bordo) 3. Identifique as principais paradas e ou perdas por qualidade 4. Estabeleça as metas de melhoria 5. Planeje as Ações de Melhoria 6. Execute as melhorias 7. Monitore a execução 8. Padronize e treine

29 GPT Exemplo na Indústria de Alimentos + 56,40% de produtividade no gargalo IROG (OEE) do recurso gargalo no mês 1 70% 50% 30% 10% Anomalia

30 GPT Exemplo na Indústria de Alimentos ,40% de produtividade no gargalo Principais causas de Parada

31 GPT Exemplo na Indústria de Alimentos + 56,40% de produtividade no gargalo 1. Falta de Produto Diferenciar horários dos turnos do inicio e fim da linha 2. Regulagem Padronização e treinamento 3. Quebra manutenção planejadada 4. Refeição Diferenciar horários 5. Limpeza Diferenciar horários

32 GPT Exemplo na Indústria de Alimentos + 56,40% de produtividade no gargalo Evolução do IROG do recurso gargalo 70% 60% 50% 40% 30% 20%

33 Gestão do Posto de Trabalho É comum encontrar processos na indústria e em serviços com: IROGs abaixo de 45% em operações gargalo Mais de 95% das soluções para elevar significativamente o IROG são sugestões das pessoas que trabalham no processo Este é o tamanho do potencial de melhorias!

34 Mapeamento de Fluxo de Valor e Gestão do Posto de Trabalho Importante: Trabalho em equipe, envolvimento das pessoas da operação Treinamento Trabalho visual...

35 Mensagem Final Excelência Operacional só é possível com pessoas capacitadas e motivadas Melhoria Contínua Excelência Operacional Capacitação Contínua

36 Muito obrigado! Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade Clientes da Produttare Colegas da Produttare Transformação na Saúde Lean na Saúde Agradecimento especial: Medabil Ivan De Pellegrin

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2012 - ano VI - Número 18

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2012 - ano VI - Número 18 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados fevereiro de 2012 - ano VI - Número 18 Nesta edição 20 anos e muitas novidades Tipos de mapeamento de processos Correlação e associação Dirigir causa

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIOGO VIEIRA ROCHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIOGO VIEIRA ROCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIOGO VIEIRA ROCHA UTILIZANDO OS PRINCÍPIOS DA MANUFATURA ENXUTA PARA AUMENTAR A PERFORMANCE OPERACIONAL DE UMA EMPRESA

Leia mais

A MICROECONOMIA DA FIRMA E A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUCRATIVA

A MICROECONOMIA DA FIRMA E A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUCRATIVA A MICROECONOMIA DA FIRMA E A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUCRATIVA 1 LUIZ HENRIQUE PANTALEÃO. Consultor Associado da Produttare; Doutor em Administração pela UNISINOS; Graduação em Administração pela ULBRA;

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

www.gestaoleanmanufacturing.com.br

www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br Master em Lean Manufacturing Processo de Solução de Problemas Competitividade nas Empresas Gestão de Processos & Produção x Eficiência

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Tiago Tenório 1 *, Jediel Grangeiro 1, Evanaldo Brandão 2 1 lanejamento e recursos de material rodante EFC Vale S.A. 2 Manutenção

Leia mais

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Resumo Hugo Machado de Castro hugomcastro@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia de

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO Levi da Silva Guimaraes (UMINHO ) levisguimara@hotmail.com Cintya Bareiro Colares (UMINHO ) cintyac@gmail.com Hyggor da Silva Medeiros (UMINHO

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA: O LEAN MANUFACTURING NA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Marco Antonio Equi marcoequi@hotmail.com FESA Hugo Pissaia Junior hugo.planejamento@sampel.com.br FESA Resumo:No atual cenário vivido

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO Time-based Competition Silvana Tiburi Bettiol Time is money Será? Ondas de Inovação de Processos Processo evolutivo adaptação da organização ao ambiente Ondas de Inovação de

Leia mais

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Paulino G. Francischini pgfranci@usp.br Conteúdo 1. Conceito de Lean Production 2. Desperdícios no processos produtivo

Leia mais

Para solução de problemas

Para solução de problemas Para solução de problemas Sumário 1. Introdução...4 2. O que é?...6 3. Porque 5?...7 4.Como fazer...8 5.Exemplo...9 6. Dicas...11 7. Conclusão...13 O maior erro cometido por um diretor ou um gerente é

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Lean Office O fluxo de informação enxuto

Lean Office O fluxo de informação enxuto Lean Office O fluxo de informação enxuto Antonio Rentes Visão Ampla do Lean Thinking Identificação e eliminação sistemática e sustentável de desperdícios na cadeia produtiva Desperdício: Qualquer atividade

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Davide Brandi davidebnr99@gmail.com UNITAL. Giorgio Eugenio O. Giacaglia giacaglia@gmail.com UNITAL

Davide Brandi davidebnr99@gmail.com UNITAL. Giorgio Eugenio O. Giacaglia giacaglia@gmail.com UNITAL Aumento da Produtividade em uma Empresa Gráfica de Embalagens Flexíveis: Diminuição dos Desperdícios de Produção pela Utilização das Ferramentas da Manufatura Enxuta Davide Brandi davidebnr99@gmail.com

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

Aplicação dos Conceitos de Lean Office no Setor Administrativo Público

Aplicação dos Conceitos de Lean Office no Setor Administrativo Público Aplicação dos Conceitos de Lean Office no Setor Administrativo Público Ricardo de Carvalho Turati (EESC/USP) rcturati@yahoo.com.br Marcel Andreotti Musetti (EESC/USP) musetti@prod.eesc.usp.br Resumo Os

Leia mais

Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda

Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda Perfil de Risco da Cadeia Continuidade dos Negócios Grande preocupação das empresas. Atualmente, foca-se muito a TI e a gestão de processos internos,

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console...

Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console... Manual Referência Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console... 14 1.4.1 Marca... 14 1.4.2 Modelo... 16

Leia mais

Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP

Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP Adalberto da Cruz Lima (UFPA) aclima@fem.unicamp.br Paulo Corrêa Lima (UNICAMP) plima@fem.unicamp.br Resumo:

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean 7º Encontro de Pesquisa Clínica Metodologia Lean 2 1 Áreas de Atuação Estratégico Planejamento Estratégico Diagnóstico Lean Sustentabilidade Processos Produtividade Qualidade Custo Sistemas de Gestão Pessoas

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Lean Six Sigma e seu relacionamento com outras metodologias Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br 1 Seta Desenvolvimento

Leia mais

Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO

Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO A FRANQUIA O nome fantasia é China Brasil, tendo a empresa mais de 35 anos de atuação. A mesma propõe seu diferencial no sabor e modo de

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services 2016] Página 0

MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services 2016] Página 0 MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services 2016] Página 0 MANUAL DOS 5S João Paulo Pinto. CLT VALUEBASED SYSTEMS Lda. www.cltservices.net Cidade do Porto, Maio de 2016. Aos meus meninos lindos, Tiago e Beatriz

Leia mais

www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br

www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br Cursos GLM Palestras, Treinamentos & Consultoria Nossa História... Fundação Janeiro de 2007. Segmentos Modalidades Gestão de Manufatura e Qualidade; Gestão

Leia mais

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE.

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE. A FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA GESTÃO DE PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) felipe george gomes pereira (EBEI ) felipegeorge10@hotmail.com

Leia mais

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro Somos uma empresa especializada em consultoria de FÁBRICA e CUSTOS. QUEM

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Módulo 3 Estrutura da norma ISO/TS 16949:2009 Requisito 5, Exercícios

Módulo 3 Estrutura da norma ISO/TS 16949:2009 Requisito 5, Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO/TS 16949:2009 Requisito 5, Exercícios 5 - Responsabilidade da direção 5.1 - Comprometimento da direção Quem: Alta Direção = Pessoa ou grupo de pessoas que dirige e controla

Leia mais

Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA EMPRESA DO RAMO METAL MECÂNICO. Horizontina

Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA EMPRESA DO RAMO METAL MECÂNICO. Horizontina Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA EMPRESA DO RAMO METAL MECÂNICO Horizontina 2013 Diogo Ariel Franken PROPOSTA DE BALANCEAMENTO EM UMA LINHA DE SOLDAGEM DE UMA

Leia mais

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Kishida, Marino (Lean Institute Brasil) Silva, Adriano Henrique (ThyssenKrupp) Guerra, Ezequiel (ThyssenKrupp) Este artigo mostra os

Leia mais

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS GESTÃO DE COMPRAS DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS Obtenção no mercado o abastecimento de produtos e serviços necessários a operação da empresa. Fornecedor extensão da empresa COMPRAS DENTRO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

Produtividade. Sem tempo a

Produtividade. Sem tempo a Produtividade Sem tempo a A NDREA MARQUES/ FOTONAUTA perder Contax investe em tecnologias Microsoft para facilitar o trabalho de seus operadores e garantir que eles atendam os clientes com mais agilidade

Leia mais

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços)

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Lean nos serviços - um caso prático (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Palavras-chave Lean nos serviços, Ferramentas Lean, 5S, VSM Resumo Num mercado cada vez mais competitivo, é imperativo

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

SOLUÇÕES EM PRODUTIVIDADE, ATENDIMENTO E VENDAS

SOLUÇÕES EM PRODUTIVIDADE, ATENDIMENTO E VENDAS SOLUÇÕES EM PRODUTIVIDADE, A Expertise: ² ² ² ² ² Percebendo as necessidades do mercado, nasceu a Expertise Treinamentos no início de 2016. A união de três profissionais, consultores e palestrantes, com

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

Utilização de um jogo de produção como ferramenta de aprendizagem de conceitos de Engenharia de Produção: o jogo do barco

Utilização de um jogo de produção como ferramenta de aprendizagem de conceitos de Engenharia de Produção: o jogo do barco Utilização de um jogo de produção como ferramenta de aprendizagem de conceitos de Engenharia de Produção: o jogo do barco Luiz Henrique Pantaleão (UNISINOS) lhpanta@uol.com.br Rafael Mello Oliveira (UNISINOS)

Leia mais

DIAGNOSTICO DOS GARGALOS DE UM SISTEMA PRODUTIVO DA EMPRESA B NO SEGMENTO DE ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO

DIAGNOSTICO DOS GARGALOS DE UM SISTEMA PRODUTIVO DA EMPRESA B NO SEGMENTO DE ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO DIAGNOSTICO DOS GARGALOS DE UM SISTEMA PRODUTIVO DA EMPRESA B NO SEGMENTO DE ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO Cintia da Paixão Ferreira cintiapferreira@hotmail.com FATEC Resumo:Este artigo teve como objetivo principal

Leia mais

ESTUDO DO SETOR DE SUPRIMENTOS DE UMA CONSTRUTORA COM ABORDAGEM NO LEAN OFFICE

ESTUDO DO SETOR DE SUPRIMENTOS DE UMA CONSTRUTORA COM ABORDAGEM NO LEAN OFFICE ESTUDO DO SETOR DE SUPRIMENTOS DE UMA CONSTRUTORA COM ABORDAGEM NO LEAN OFFICE ROSSITI, Ivan Sanchez Malo (1); SERRA, Sheyla Mara Baptista (2) (1) Universidade Federal de São Carlos, telefone: (15) 991032605,

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Encontro Empresas de Energia. Projetos da CEMAR Gestão de Ativos

Encontro Empresas de Energia. Projetos da CEMAR Gestão de Ativos Encontro Empresas de Energia Projetos da CEMAR Gestão de Ativos Operação e Manutenção Estruturação Projetos Cemar SMART GRID TPM GESTÃO PRODUTIVA TOTAL SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO MAN CONFIABILIDADE

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

Procuramos empreendedores com as seguintes características:

Procuramos empreendedores com as seguintes características: SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO LEAN OFFICE: UMA APLICAÇÃO DE CASO NO SENAI- SANTA CATARINA.

IMPLANTAÇÃO DO LEAN OFFICE: UMA APLICAÇÃO DE CASO NO SENAI- SANTA CATARINA. ISSN 1984-9354 IMPLANTAÇÃO DO LEAN OFFICE: UMA APLICAÇÃO DE CASO NO SENAI- SANTA CATARINA. Carlos Fernando Martins (SENAI-FLORIANÓPOLIS) Vivian Doemer (SENAI-DR) Debora Xavier Kalfeltz Petri (SENAI-DR)

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - PEC CATHO PORTAL CMC

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - PEC CATHO PORTAL CMC PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - PEC CATHO PORTAL CMC 1. CONTEXTO A Catho Educação Executiva é focada no desenvolvimento de talentos, na melhora do desempenho das organizações e na criação de processos

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Unimed Apucarana Gestão por Competências Unimed Apucarana Unimed Apucarana em números 158 médicos cooperados 16 aspirantes a cooperado 17.676 clientes 63 colaboradores 79 recursos

Leia mais

O planejamento, programação e o controle nos ambientes da produção puxada

O planejamento, programação e o controle nos ambientes da produção puxada O planejamento, programação e o controle nos ambientes da produção puxada A INDÚSTRIA DAS INDÚSTRIAS Da produção artesanal para a produção em massa: Alfred Sloan da GM e Henry Ford Da produção em massa

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica

Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica Fabio Rogerio Sepulveda Sérgio Fujimura Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica Monografia de Conclusão do CEAI - Curso de Especialização

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING PARA MELHORIA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE ELETRODOMÉSTICOS: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING PARA MELHORIA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE ELETRODOMÉSTICOS: UM ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING PARA MELHORIA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE ELETRODOMÉSTICOS: UM ESTUDO DE CASO Tayana Ortix Lopes (UFAM) tayanaortix@hotmail.com CLAUDIO DANTAS

Leia mais

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação.

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação. Fascículo 8 Planejamento e controle da capacidade Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de administração da produção. Um

Leia mais