SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) Marcelo Ribeiro Silva (UPM) Jaqueline Pires (UNIS) Partilhar conhecimento é uma das atividades mais naturais, exceto nas empresas, onde aparentemente esta atividade precisa ser estimulada. Este é um dos principais campos de atuação da Gestão do Conhecimento. O conhecimento que as pessoas poossuem está se tornando um papel central para a competitividade das empresas. O Sistema Toyota de Produção (STP) tem como objetivo gerar processos eficientes centrando-se em estratégias de operações, processos, qualidade, arranjo físico, capacidade, estoque, cadeia de suprimento, tecnologia e planejamento de recursos. Para tal, a Toyota desenvolveu várias ferramentas visando acompanhar todo o processo produtivo, com foco na redução de custos, perdas e no constante aprimoramento da qualidade. Portanto, este estudo tem como objetivo demonstrar como a Gestão do Conhecimento esteve presente na criação das ferramentas de sucesso do Sistema Toyota de Produção. Foi feito através de um estudo de caso, onde foi proposto um modelo sobre a utilização da Gestão do Conhecimento no STP e uma visita em uma empresa para comprovar esse modelo. Palavras-chaves: Gestão do Conhecimento, Sistema Toyota de Produção, Ferramentas do Sistema Toyota.

2 1. Introdução Cada empresa adota um sistema de produção para realizar suas operações, produzir seus produtos ou serviços da melhor maneira possível para atender seus clientes. Assim surgiu no Japão o Sistema Toyota de Produção devido a necessidade das empresas japonesas em sobreviverem no mercado de automóveis e atender as necessidades dos clientes, pois o método de produção em massa utilizado nas industrias americanas não se aplicava ao mercado japonês devido as demandas pequenas. Foram desenvolvidas diversas ferramentas simples mas extremamante eficientes para proporcionar os resultados esperados, como o Kanban e o Poka-Yoke. No entanto, tanto nos dias de hoje, como no Japão que foi berço do Sistema Toyota de Produção, o conhecimento que os funcionários possuem tem um papel de destaque na estrutura organizacional e consequentemente na competitividade das empresas. Desta forma, estudar esse conhecimento é um dos principais campos de atuação da Gestão do Conhecimento, pois ela procura captar o conhecimento das pessoas que exercem determinadas funções e traduzi-lo em instruções para que qualquer outra pessoa possa realizar aquela tarefa mesmo que não tenha o conhecimento para tal, da mesma forma que a primeira faria, visando diminuir os erros no processo produtivo. Dentro deste contexto, o presente artigo tem como finalidade principal mostar a criação de um modelo que mosta o comportamento das empresas tradicionais em aspectos referentes à Gestão do Conhecimento e comparar com o modelo onde as ferramentas do Sistema Toyota de Produção participam da criação do conhecimento organizacional. Estes modelos resumem o que ocorre dentro do processo de aprendizagem dos funcionários para execução das tarefas e a relação com a Gestão do Conhecimento. O objetivo secundário é demonstrar como a Gestão do Conhecimento esteve presente na criação das ferramentas de sucesso do Sistema Toyota de Produção. A primeira parte do artigo apresenta um breve referencial teórico sobre o Sistema Toyota de Produção e sobre Gestão do Conhecimento. Logo após é mostrado os dois modelos, o tadicional e o do ambiente do Sistema Toyota de Produção. Logo após são discutidos os resultados. 2. Referencial Teórico 2.1 Gestão do Conhecimento A competição e a evolução tecnológica tornaram o conhecimento e o tempo um importante diferencial competitivo para as empresas. Segundo Terra (2001) vivemos um momento de importante transição do ambiente econômico, onde a gestão pró-ativa do conhecimento adquire um papel central para a competitividade tanto das empresas como dos países. Ainda segundo Terra (2001), isto, entretanto, nem sempre foi assim, pois, no passado, vantagens de localização, assim como o acesso à mão-de-obra barata, aos recursos naturais e ao capital financeiro tinham papéis muito mais determinantes. Esta citação demonstra que o conhecimento que os funcionários de uma empresa possuem e a maneira como eles podem usá-lo a favor da organização, é o recurso mais importante na atualidade. Dentro deste contexto de valorização do conhecimento, Silveira (2004) cita que a Gestão do Conhecimento é, antes de tudo, uma nova forma de se trabalhar, uma nova cultura 2

3 organizacional, na qual o ambiente e os valores permitam gerar a motivação necessária à aprendizagem, ao compartilhamento ou mesmo à transferência e à aplicação do conhecimento. Segundo Nonaka e Takeuchi apud Guerra (2002), nas organizações o conhecimento pode ser explícito e tácito. O conhecimento explícito é formal e sistemático, podendo se expresso em palavras, números, fórmulas, princípios. O conhecimento tácito, por sua vez, dificilmente é visível e exprimível, está ligado a ações e experiências, emoções e valores dos indivíduos. A teoria do conhecimento organizacional de Nonaka e Takeuchi apresenta-se em duas dimensões que são: epistemológica e ontológica. A dimensão epistemológica se baseia na diferença entre conhecimento tácito e explícito e na mobilização e conversão do primeiro (NONAKA; TAKEUCHI apud GUERRA, 2002). A conversão dos conhecimentos parte de quatro modos como demonstrado na figura 1. Figura 1 - Modos de Conversão do Conhecimento (NONAKA; TAKEUCHI, 1997) - Socialização: é o processo pelo qual experiências são compartilhadas e o conhecimento tácito ou modelos mentais e habilidades técnicas são criados. Na prática da vida das empresas, ocorreria mediante atividades, como treinamento no local de trabalho, sessões informais e brainstormings, interações com os clientes etc. Na tradição da literatura ocidental, esse seria próximo ao da cultura organizacional. - Externalização: este seria o modo de conversão mais importante, porque permite a criação de novos e explícitos conceitos. Envolve, no caso das empresas japonesas, a articulação do conhecimento tácito em explícito pelo uso freqüente de metáforas, analogias, conceitos, hipóteses e modelos. Essa prática seria importante por facilitar a comunicação dos conhecimentos tácitos que, normalmente, são de difícil verbalização. - Combinação: este seria o processo preferido no Ocidente, uma vez que se baseia na troca de informações explícitas e no paradigma da tecnologia de informação. Envolve, pois, bastante o uso de mídias como documentos, reuniões formais, conversas telefônicas e também, o de redes computadorizadas. É nesse ponto do processo de criação do conhecimento que surgiriam os primeiros protótipos e modelos reais. - Internalização: este último método seria semelhante ao do learning by doing em que os membros da organização passariam a vivenciar o resultado prático do novo conhecimento, ou seja, desenvolveriam um conhecimento operacional. A Gestão do Conhecimento está intrinsecamente ligada à capacidade das empresas em utilizarem e combinarem as várias fontes e tipos de conhecimento organizacional para desenvolverem competências específicas e capacidade inovadora, que se traduzem, permanentemente, em novos produtos, processos, sistemas gerenciais e liderança de mercado (TERRA, 2001, p. 82). 3

4 2.2 Sistema Toyota de Produção A segunda metade do século 20 viu nascer uma grande revolução na indústria mundial. Diante das dificuldades que o Japão atravessava no pós-guerra, a Toyota criava um dos sistemas de produção mais inovadores de todos os tempos, que buscava maximização de ganhos através da total eliminação de perdas. Este sistema ficou conhecido como Sistema Toyota de Produção (STP). O STP foi criado baseado em um estudo realizado por Eiji Toyoda juntamente com seu principal engenheiro Taiichi Ohno sobre o modelo aplicado na fábrica da Ford. Eles perceberam que o pequeno mercado japonês e com demanda fragmentada não iria suportar o modelo de produção em massa utilizado pela Ford, então para sobreviver seria necessário fazer adaptações ao mercado japonês. Assim o STP nasceu da necessidade de descobrir um novo método de produção que eliminasse o desperdício e ajudasse a Toyota a alcançar os Estados Unidos em três anos (OHNO, 1997). Segundo Ohno (1997) os dois pilares necessários a sustentação do Sistema Toyota são o sistema just-in-time que significa, em um processo de fluxo, as partes corretas necessárias a montagem alcançam a linha de chegada no momento em que são necessárias e somente na quantidade necessária e a autonomação ou automação com um toque humano que elimina a superprodução, um desperdício significativo na manufatura, e evita a produção de produtos defeituosos. A produção de modelos mistos e em pequenos lotes foi introduzida na Toyota num esforço para equiparar-se aos fabricantes americanos de automóveis (SHINGO, 1996). Inicialmente, o procedimento da Toyota consistiu em remover as ineficiências no processamento, inspeção e transporte. Feito isso, atacou o problema da estocagem a fim de eliminar a geração de estoques intermediários e produtos acabados ao longo de todo o processo de produção. Segundo Shingo (1996) os processos podem ser melhorados de duas maneiras, a primeira é em melhorar o produto em si através da Engenharia de Valor e a segunda é melhorar os métodos de fabricação. Ao instalar dispositivos de inspeção no processo, a produção com zero defeito pode ser alcançada. Os dispositivos de detecção física são chamados de Poka-Yoke ou dispositivos à prova de erros. Surgiram com a premissa de que falhas humanas são inevitáveis, mas podem ser eliminadas prevenindo que uma falha torne-se um defeito. O Poka-Yoke possibilita a inspeção 100% através do controle físico ou mecânico. Segundo Shingo (1996) há duas maneiras nas quais Poka-Yoke pode ser usado para corrigir erros: método de controle e método de advertência. O Poka-Yoke de controle é o dispositivo corretivo mais poderoso, porque paralisa o processo até que a condição causadora de defeito tenha sido corrigida. E o Poka-Yoke de advertência permite que o processo que está gerando o defeito continue, caso os trabalhadores não atendam ao aviso (SHINGO, 1996). O transporte, ou movimentação dos materiais, é um custo que não agrega valor ao produto, então para eliminar movimentações desnecessárias é preciso primeiro melhorar o layout e depois de todas as possibilidades terem sido esgotadas é que o trabalho de transporte inevitável deve ser melhorado através da mecanização (SHINGO, 1996). A reorganização das máquinas no chão de fábrica para estabelecer um fluxo de produção elimina o desperdício de estocar peças. Ela também auxilia a atingir o sistema um operador, muitos processos e aumentar a eficiência da produção em duas e três vezes (OHNO, 1997). O Sistema Toyota de Produção é administrado através de folhas de trabalho padrão como meio de controle visual, que são afixadas em local bem visível em cada estação de 4

5 trabalho (OHNO, 1997). Na Toyota este controle é feito através dos cartões kanban juntamente com o método de quadros de programação. As funções do kanban são fornecer informação sobre apanhar ou transportar, sobre a produção, impedir a superprodução e o transporte excessivo, servir como uma ordem de fabricação afixada às mercadorias, impedir que produtos defeituosos sejam enviados para o processo seguinte e revelar problemas existentes e mantém o controle de estoques. (OHNO, 1997). Segundo Slack et al (1999) existe três tipos básicos de Kanban que são: Kanban de transporte: é usado para avisar que o material pode ser retirado de um processo anterior e transferido para um destino específico. Este contém informações como: número e descrição do componente, lugar de origem e destino, entre outras. Kanban de produção: é um sinal para o processo produtivo de que ele pode começar a produzir um item para que seja colocado em estoque. A informação contida neste kanban normalmente inclui número e descrição do componente, descrição do processo, materiais necessários para produção do componente, entre outras. Kanban de fornecedor (kanban de sinal): são usados para avisar ao fornecedor que é necessário enviar material, ou, componentes para um estágio da produção. Neste sentido, ele é similar ao kanban de transporte, porém é normalmente utilizado com fornecedores externos. O método de quadros de programação são sistemas de gestão visual, que tem a vantagem de uniformizar a percepção dos funcionários e diretoria sobre a dinâmica dos processos produtivos e problemas do dia-a-dia da empresa. Através, desses quadros, as informações são expostas de forma visual e de fácil acesso a todos, eliminando a necessidade de consultar arquivos e banco de dados. Como a Toyota utiliza justamente o método de quadros de programação juntamente com o sistema de cartões kanbans; em seus cartões não há nenhuma informação escrita, seus kanbans são somente símbolos que, por si só, transmitem aos funcionários a informação do que precisa ser feito. 3. Material e Métodos O método de pesquisa utilizado foi o estudo de caso. Segundo Mintzberg (1997), o método de estudo de caso é altamente recomendável para a construção de modelos de análise de mudanças estratégicas organizacionais. Conforme Yin (2001), os estudos de caso têm por finalidade aprofundar na descrição de determinada realidade. Suas principais características são questionar o como e o por que dos fatos. De acordo com Gil (1996), o estudo de caso mostra-se adequado ao tipo de investigação empírica, justamente porque se caracteriza pela análise profunda e exaustiva de um objeto, permitindo seu amplo e detalhado conhecimento. O estudo de caso é considerado um tipo de análise qualitativa e que, segundo Laville e Dione (1999), é uma investigação que permite fornecer explicações no que tange diretamente ao caso considerado e aos elementos que marcam o contexto. A vantagem dessa estratégia é a possibilidade de aprofundamento que oferece, pois os recursos se vêem concentrados no caso visado. É considerado um método mais adequado para pesquisas exploratórias. A metodologia constou primeiramente de uma revisão bibliográfica dos termos principais, a Gestão do Conhecimento e o Sistema Toyota de Produção. Logo após foi feito uma proposta de um modelo sobre a utilização da Gestão do Conhecimento no Sistema Toyota de Produção tendo como base visitas técnicas em empresas em empresas que conhecem e aplicam os conceitos de Sistema Toyota de Produção para validar o modelo proposto. 5

6 4. Modelos de trabalho Nesta parte do artigo, foram criados dois modelos. Um deles para exemplificar como funciona o aprendizado dentro de um sistema que não utilize os conceitos do STP. Logo após é mostrado o modelo dentro do STP. 4.1 Modelo Tradicional A figura 2 mostra o modelo de trabalho dentro de um sistema tradicional, onde não se utilizam ferramentas do Sistema Toyota de Produção. Pode-se perceber que neste modelo, o funcionário que adquire experiência no processo produtivo, ou seja, que tem conhecimento tácito do processo, quando tem necessidade de ajuda por maiores demandas, contrata ajudantes e os treina. Para cada nova atividade a ser executada, o novo funcionário terá que ser treinado e após algum tempo reciclado. Mas como neste modelo existe a ausência de dispositivos à prova de erros, mesmo o funcionário treinado pode gerar um grande número de erros. Figura 2: Modelo de trabalho dentro de um sistema tradicional 4.2 Modelo Relacionando Gestão do Conhecimento e STP Para a construção do modelo foi focado o processo de externalização, pois através da revisão bibliográfica, pode-se focar que esta forma de conversão do conhecimento envolve no caso das empresas japonesas, a articulação do conhecimento tácito em explícito pelo uso freqüente de metáforas, analogias, conceitos, hipóteses e modelos. Essa prática seria importante por facilitar a comunicação dos conhecimentos tácitos que, normalmente, são de difícil verbalização. Pode-se perceber pelo modelo da figura 3, que os profissionais que conhecem o processo devido à experiência, ou seja, que possuem o Conhecimento Tácito, criam dispositivos poka-yoke e kanbans, ou seja, realizam a etapa de externalização do conhecimento através das ferramentas do Sistema Toyota de Produção. Devido à esta etapa, o 6

7 processo de treinamento dos funcionários novos torna-se mais fácil, pois os próprios dispositivos poka-yoke e kanbans traduzem as necessidades do sistema. Como consequência, o novo funcionário não terá chances de errar e como todo o processo é provido dos mesmos dipositivos à prova de erro, ele se tornará multifuncional e não terá necessidade de reciclagens frequentes para relembrar como aprovar ou reprovar os produtos dos processos nos quais trabalha. Figura 3: Modelo de trabalho dentro de um ambiente STP 5. Resultados e Discussão Os modelos mostrados no item anterior, foram propostos através da teoria. Com a finalidade de validá-los, foram visitadas empresas onde o STP é usado, para comprovar a hipótese que as ferramentas do Sistema Toyota de Produção, como Kanban e Poka-Yoke, realmente foram formas de converter o conhecimento tácito em explícito através da externalização. Para isto foram visitadas três empresas do ramo automobilístico, que utilizam os conceitos do STP. Duas das empresas são fornecedoras de grandes montadoras e produzem auto-peças. Ambas são localizadas em Varginha e desde que iniciaram seus trabalhos, há décadas, utilizam o STP. A terceira empresa é uma montadora de veículos, que também utiliza há décadas o STP. Através da visita a estas empresas, da observação e de conversa com funcionários, foi possível verificar que realmente as ferramentas do STP permitem a transformação do conhecimento tácito em explícito. Estas ferramentas também permitem que funcionários com pouco tempo de treinamento desempenhem funções dentro das empresas, pois caso algum erros aconteça, as próprias ferramentas evitarão que cheguem ao consumidor final. Em resumo, foi verificado que empresas que adotam o STP tem vantagens com relação à Gestão do Conhecimento sobre as empresas que não adotam tais princípios. 7

8 No entanto, também foi verificado, que se a prática não seguir as recomendações da teoria,a empresa pode ter resultados negativos. Por exemplo, nas duas empresas visitadas, funcionários jumpeam dispositivos poka-yoke. Jumpear é um verbo utilizado no chão de fábrica para denominar fraudes aos sistemas, por exemplo: uma prensa é acionada apenas se o funcionário aperta com as duas mãos simultaneamente dois botões localizados em extremidades opostas. Este mecanismo foi projetado para evitar que ocorra acidentes e que a pessoa possa ter uma das mãos machucados. No entanto, se tal funcionário coloca um objeto para ficar acionando um dos botões, ele terá seu esforço diminuído, mas pode vir a se machucar. Este tipo de atitude pode ser realizada nos mais diferentes dispositivos em uma empresa e isto faz com que ambientes que possuam as teorias do STP não tem tenham os resultados esperados com relação à Gestão do Conhecimento. Mais do ferramentas, é necessário a adoção da filosofia do STP para que a transformação do conhecimento tácito em explícito seja concretizada na forma de externalização. Foi possível também concluir que para implantar técnicas e ferramentas do STP é necessária uma mudança da filosofia da empresa partindo da alta direção, pois se ela não acredita na necessidade da mudança fica difícil de implantar no chão de fábrica. Além disto, i possível perceber que apesar das diferenças de cultura entre o Brasil e o Japão, empresas no Brasil conseguiram implantar e utilizam com sucesso as ferramentas do STP. 6. Conclusão Na atualidade,um dos recursos mais valiosos das organizações que pode levar vantagem competitiva a elas é o conhecimento. Dentro deste cenário, fica claro que as empresas que souberem gerir e usar este recurso é que ficarão no mercado por mais tempo. Uma das formas mais eficazes de usar o conhecimento de cada um dos funcionários, ou seja, o conhecimento tácito em um conhecimento organizacional é documentando-o, para que todos possam usufruir da experiência dos funcionários mais antigos. Dentro deste cenário, o presente artigo criou um modelo para a hipótese de que o conhecimento tácito pode ser transformado em explícito com a utilização de algumas técnicas utilizadas dentro de um ambiente que adote os princípios do STP. Através de visita a três empresas foi possível validar tal hipótese e consequentemente o modelo proposto no item 4. A Toyota desenvolveu um sistema prático, que é uma das chaves de seu grande sucesso; visto que, um método visual é mais claro, eficaz e ágil, já que não precisamos ler instruções do que é preciso ser feito: transformar o conhecimento tácito em objetos e imagens facilita a transformação do conhecimento tácito em explícito e consequentemente facilita também o fluxo da informação e a eficácia dos processos produtivos. No entanto, para que o STP traga as vantagens já consolidadas na teoria e a comprovada neste artigo é necessário que a organização tenha uma cultura enxuta e realmente apliquem os conceitos na prática. A Toyota conseguiu fazer essa transformação do conhecimento de uma maneira inovadora. Transformou o conhecimento tácito em explícito de um modo totalmente visual, não existindo nenhuma informação escrita nas suas ferramentas. Isto continua sendo feito por outras empresas, como visto. Referências GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, GUERRA, R.S. Gestão do conhecimento e gestão pela qualidade: uma análise comparativa a partir da experiência de uma grande empresa brasileira. Belo Horizonte: C/Arte, LAVILLE, C.; DIONE, J. A construção do saber. Belo Horizonte: UFMG, MINTZBERG, H. An emerging strategy of direct research. Administrative Science, 1997, p

9 NONAKA, I. ; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, SHINGO, S. O Sistema Toyota de Produção: do ponto de vista da Engenharia de Produção. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, SILVEIRA, A.A. Gestão do conhecimento como ênfase na aprendizagem organizacional: um estudo de multicaso no contexto bancário. Dissertação (Mestrado em Eng. Produção) Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, MG, Agosto de SLACK, N. et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, TERRA, J.C.C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. 4. ed. São Paulo: Negócio Editora, YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman,

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Caso de aplicação do Modelo 5+5 em uma empresa de agronegócios

Gestão do Conhecimento: Caso de aplicação do Modelo 5+5 em uma empresa de agronegócios Gestão do Conhecimento: Caso de aplicação do Modelo 5+5 em uma empresa de agronegócios Carlos Alberto Backes (FAHOR) carlos.backes@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Vilmar Bueno

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Organização da produção social do trabalho Objetivo: Problematizar as diferentes

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CICLO PROFISSIONAL 9º BIMESTRE PESQUISA OPERACIONAL I 80 horas Modelagem de Problemas; Noções de otimização; Introdução a Programação Linear;

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO

TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Resumo Hugo Machado de Castro hugomcastro@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia de

Leia mais

EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES DA GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO

EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES DA GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA PRÁTICA E RESULTADOS RELEVANTES DA GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO Ronaldo Resende Pereira (1) Economista pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - 1978,

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PROCESSO ORGANIZACIONAL: O CONTEXTO DA GESTÃO PÚBLICA PROF. HEITOR JOSÉ PEREIRA ( Doutor em Administração EAESP/ FGV - Presidente da SBGC Gestão 2005-2007 ) Revolução

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015! XXVIENANGRAD A LOGÍSTICA DENTRO DA CONSTRUÇÃO ENXUTA: ESTUDO DE CASO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA. LARISSE OLIVEIRA COSTA Andriele Pinto de Amorim ÁreaTemática GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE FOLLOW-UP DE NÃO CONFORMIDADES DE FORNECEDORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE FOLLOW-UP DE NÃO CONFORMIDADES DE FORNECEDORES 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE FOLLOW-UP DE NÃO CONFORMIDADES DE FORNECEDORES Sara Freire Dias Facesm/Fapemig Edmar Oliveira Duarte Facesm Elvis Magno da Silva

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera SISTEMAS DE PRODUÇÃO Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera James Watt foi um matemático e engenheiro escocês. Construtor de instrumentos científicos, destacou-se pelos melhoramentos que introduziu

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

Para solução de problemas

Para solução de problemas Para solução de problemas Sumário 1. Introdução...4 2. O que é?...6 3. Porque 5?...7 4.Como fazer...8 5.Exemplo...9 6. Dicas...11 7. Conclusão...13 O maior erro cometido por um diretor ou um gerente é

Leia mais

JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS

JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS AULA 16 1 Professora Ms Karen Reis 2011 JOGOS DIGITAIS Educação Corporativa e a abordagem e cooperativa dos Jogos de Empresa FMU Faculdades Metropolitanas Unidas Prof.

Leia mais

REVISÃO BILBIOGRÁFICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO JUST IN TIME Evandro de Oliveira 1 Jonathan Francisco Pereira Tcacenco 2

REVISÃO BILBIOGRÁFICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO JUST IN TIME Evandro de Oliveira 1 Jonathan Francisco Pereira Tcacenco 2 REVISÃO BILBIOGRÁFICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO JUST IN TIME Evandro de Oliveira 1 Jonathan Francisco Pereira Tcacenco 2 RESUMO O sistema Just in Time tem contribuído para o bom desempenho produtivo de muitas

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO DO MODELO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL AO DA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO DO MODELO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL AO DA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO DO MODELO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL AO DA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Transition of garment production systems industrial revolution model to the knowledge society

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS SISTEMAS PRODUTIVOS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS SISTEMAS PRODUTIVOS OS PRIMÓRDIOS Wanderson Paris Evaldo Zagonel A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam à transformação de um bem tangível em um outro

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Prof a Carla R. Pereira SURGIMENTO DA PRODUÇÃO LEAN Novas ideias vem em resposta a problemas concretos (Dennis, 2008, p.19)

Leia mais

Qualidade total em pequenas empresas

Qualidade total em pequenas empresas Qualidade total em pequenas empresas Frederico Cezar Capoletti Curi (UFOP) fredcuri2@yahoo.com.br Zirlene Alves da Silva Santos (UFOP) santoszirlene@em.ufop.br Resumo: As pequenas empresas vivem em um

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento Eficiência no em clínicas e hospitais ÍNDICE 3 - Introdução 4 - O que os clientes esperam de um bom 6-5 dicas para gerar eficiência no -EBOOK- Produzido por CM Tecnologia 11 - Conclusão 12 - Sobre a CM

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas JOSÉ MARTINO

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Beatriz Simone Dockhorn (FAHOR) bd000684@fahor.com.br Eliane

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Contribuição da Gestão do Conhecimento para o avanço do Planejamento Estratégico articulado pela Comunicação

Contribuição da Gestão do Conhecimento para o avanço do Planejamento Estratégico articulado pela Comunicação Contribuição da Gestão do Conhecimento para o avanço do Planejamento Estratégico articulado pela Comunicação Agueda Gonçalves dos SANTOS² Beatriz Costa Alves dos SANTOS³ Francine Ferreira de Nardi GOLIA

Leia mais

Pedagogia Empresarial

Pedagogia Empresarial Pedagogia Prof. Denise D Aurea Tardeli PEDAGOGIA E EMPRESA: fundamentos e práticas Pedagogia Empresarial A Pedagogia empresarial é a área que se ocupa em formar pessoas no âmbito da empresa e promover

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES. Tecnologia da Informação; Pesquisa de mercado; Inovação.

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES. Tecnologia da Informação; Pesquisa de mercado; Inovação. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Bruno Correia Souza Universidade Estácio de Sá/ RJ brunoc.souza@yahoo.com.br Orientador: José Carlos Beker Universidade Estácio de Sá/ RJ beker@wb.com.br Viviane

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: NO NÍVEL OPERADORES UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA DOS NOVOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: NO NÍVEL OPERADORES UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA DOS NOVOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: NO NÍVEL OPERADORES UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA DOS NOVOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Maria Aparecida da Silva santos, mestranda -PGMEC Universidade federal do Paraná/ Setor de Tecnologia

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Robson Gouveia, gerente de projetos do Lean Institute Brasil, detalha como vem evoluindo a gestão em empresas da região O eixo Anhanguera

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi

Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi Cristiane Souto Frota (TBG/PETROBRAS) cristiane@tbg.com.br Engenheira mecânica, Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos(SEGRAC/UFRJ)

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO MBA Gestão de negócios com ênfase em compras Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

Propostas de melhorias da qualidade no processo de prestação de serviços de topografia: um estudo de caso

Propostas de melhorias da qualidade no processo de prestação de serviços de topografia: um estudo de caso Propostas de melhorias da qualidade no processo de prestação de serviços de topografia: um estudo de caso Cristiana Guimarães Cunha (FEAMIG) cristiguimaraes@yahoo.com.br Gislaine Barbosa Nascimento (FEAMIG)

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA Doutor em Administração EAESP/ FGV (1995); Professor da FIA Fundação Instituto de Administração Presidente da Sociedade Brasileira de Gestão

Leia mais

Planejamento dos Trabalhos de Auditoria

Planejamento dos Trabalhos de Auditoria Universidade de Brasília Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais Disciplina: Auditoria 1 Prof: Wolney Resende de Oliveira Turma B. Planejamento dos Trabalhos de Auditoria Ana Carolina Araujo Catarina

Leia mais

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity Desenvolvimento de Marcas Fortes Criação de Brand Equity 1. O que é brand equity? Equity significa valor/patrimônio. Brand equity = valor da marca/patrimônio de marca. A American Marketing Association

Leia mais

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR

http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR GESTÃO POR COMPETÊNCIAS http://www.gestaoporcompetencias.com.br Prof. WAGNER RABELLO JR COMPETÊNCIA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS Competências individuais Competências organizacionais 1 Competências

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: QUALIDADE DE SOFTWARE Aula N : 03 Tema:

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

RUI PAULO PEREIRA JUNIOR

RUI PAULO PEREIRA JUNIOR i RUI PAULO PEREIRA JUNIOR KANBAN: SUA UTILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA, VISANDO REDUÇÃO DE CUSTOS ATRAVÉS DA ORGANIZAÇÃO E CONTROLE DE ESTOQUES. Trabalho de conclusão de curso submetido ao departamento de Ciências

Leia mais

APLICAÇÃO DA FILOSOFIA KAIZEN NA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO

APLICAÇÃO DA FILOSOFIA KAIZEN NA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEP - DEE - DEPA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR APLICAÇÃO DA FILOSOFIA KAIZEN NA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO Salvador

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO Valdir Furlan Junior 1 (valdirfurlanjr@gmail.com) Álvaro Azevedo Cardoso 1 (azevedo@unitau.br)

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Edilaine Cristina Duarte de Souza, Unisalesiano de Lins e-mail: edilaine.duarte@ig.com.br Érika Yuri Kotaki, Unisalesiano

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Nathan José Mota Garcia (1) ; Rosiane Gonçalves dos Santos (1) ; Carlos Roberto de Sousa Costa (2)

Leia mais

Gestão de Documento. 1. Introdução

Gestão de Documento. 1. Introdução Gestão de Documento 1. Introdução Os documentos possuem um incrível poder em ambientes de negócios do governo e estão passando pela maior evolução que agitará os negócios governamentais e que os reformará

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE EM INSTALAÇÕES

Leia mais