UFMS - CCET - DEC - LADE CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras Tópico: Cronograma Físico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFMS - CCET - DEC - LADE CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras - 2010 Tópico: Cronograma Físico"

Transcrição

1 UFMS - CCET - DEC - LADE CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras - 00 Tópico: Cronograma Físico e/ou Financeiro PERT/Tempo e Cronograma de Gantt

2 I.- GENERALIDADES SORE GRÁFICOS.- CONCEITOS GERAIS Não basta possuirmos a informação, devemos assimilá-la e para isso toda informação deve vir acompanhada do necessário para sua compreensão. Nesse sentido, o gráfico é um dos melhores meios existentes a satisfazer tal exigência, pois além de reunir em uma pequena superfície grande quantidade de informações que podem ser mais ou menos complexas, enumera-as literal ou numericamente e/ou ainda pode expressar possíveis relações entre elas. Enfim, o gráfico permite expressar simultaneamente e com a máxima rapidez a análise e a síntese de um acontecimento, tomando-se desta forma um valiosíssimo instrumento de comunicação. Por outro lado, sabemos que uma das formas mais importante que temos para facilitar a assimilação de um estudo é se agrupar seqüencialmente os dados mais importantes, permitindo que a informação apareça resumida em forma de texto ordenado segundo os elementos distintos do mesmo. Entretanto, se essas informações seqüenciais são anotadas em forma de quadro, sua compreensão será mais fácil já que sua leitura tanto no sentido horizontal como vertical proporciona simplicidade às comparações que na forma de texto é de difícil realização, permitindo desta forma maior facilidade de compreensão e conseqüente retenção em nossa memória. Deve-se considerar que se torna imprescindível se evitar a complexidade, pois o quadro deve ser o mais simples possível. Ainda se deve considerar que podemos facilitar ainda mais quando podemos sintetizar o quadro em um gráfico, que utiliza por sua vez como veremos, processos diferentes segundo a técnica de sua formação, reduzindo a leitura do texto somente ao título e a legenda que deve ser clara e curta. Visto a importância dos gráficos, e lembrando as inúmeras variantes à sua elaboração, podemos então classificar genericamente os mais utilizados assim: a) Gráficos que representam a estrutura de um conjunto:.- Organogramas X Construção e Comércio Ltda. Presidente Diretoria Administrativa e Financeira Diretoria de Produções Diretoria de Planejamento Depto. Administrativo Depto. Financeiro Depto. Execução Depto. Manutenção

3 .- Planos de classificação Cerâmicas Esmaltadas Vitrificadas x 0 x 0 x 0 x 0.- Gráficos de Redes Dispersas ou PERT/CPM. 7 8 b) Gráficos que relacionam os conjuntos..- Gráficos lineares de barras ou de colunas o. Trim. o. Trim. o. Trim. Leste Oeste Nort o. Trim.

4 .- Semicircular e circulares % o. Trim. o. Trim. o. Trim. o. Trim. % 7% 7%.- OS GRÁFICOS OU REDES DISPERSAS..- FUNDAMENTOS DE PERT - Tempo... - REVE HISTÓRICO Mais precisamente definido como Program Evaluation and Review Technique, esse sistema de controle de atividades teve sua origem ligada a projetos de grandes dimensões, onde as quantidades de etapas à cumprir eram numerosas e na oportunidade não se conheciam uma maneira de melhor se conduzir esse problema. Da mesma forma surgiu o CPM ou Critical Path Method. Podemos afirmar que os dois programas são praticamente idênticos diferenciandose na determinação da duração das atividades. Enquanto o PERT considera difícil determinar com precisão aceitável a duração de uma atividade, o CPM ao contrário, considera esse grau de incerteza desprezível, não aceitando ainda que fatores externos interferirão na execução de determinado projeto. Devemos considerar que mesmo não sendo objeto de nosso estudo o aprofundamento na teoria da execução do PERT, aconselhamos aos acadêmicos interessados a observação do tratamento probabilísticos existente na teoria, à reduzir a incerteza considerada. Por sua característica simples, o PERT-Tempo não exige conhecimento especializado à sua execução, sendo facilmente aplicado em qualquer tipo de situação onde desejase obter além do controle antecipado das atividades, um provável encurtamento do prazo final. Já o PERT-Custo ao contrário, exige conhecimentos teóricos de relativo nível para sua execução, sendo aconselhável à projetos de grande porte....- CONCEITOS E DIAGRAMAÇÃO ATIVIDADE: para o PERT, tudo que consome tempo e/ou recursos, é uma atividade. No nosso caso, por tratar-se do PERT-Tempo, desconsideraremos os recursos. Esse tempo consumido pode ou não ter a participação do elemento ativo. Nesse sentido, podemos tomar como exemplo a espera do armador em tendo a ferragem pronta, obrigatoriamente aguardar a forma também estar pronta para então terminar sua tarefa. O tempo de espera do armador deve ser considerado na atividade integralmente. Representa-se a ATIVIDADE no diagrama PERT-Tempo com uma seta, sem escala, podendo desta forma

5 ser igual, maior ou menor que outra que tenha a mesma duração de tempo. São normalmente identificados por letras. A EVENTOS: representados sempre por círculos, caracteriza-se pelo momento ou instante no tempo, não consumindo tempo nem recursos, em que se inicia ou termina uma ATIVIDADE. São identificados numerando-se esses círculos. Desta forma teríamos: evento = início evento = fim atividade A ou LISTA DE ATIVIDADES: Pressupondo conhecimento detalhado da execução das tarefas que serão realizadas, nada mais sendo que o objetivo que se pretende, devemos então identificar cada uma dessas atividades, enumerando-as não necessariamente em ordem, de forma que obteremos assim a lista de atividades. Existem processos que necessário se faz o trabalho de vários técnicos especialistas para tal elaboração. Exemplo: a) Objetivo: Pintar a porta da cozinha e consertar a fechadura. Lista de atividades Identificação A C D E F G H Tarefa Retirar a porta do lugar Retirar a fechadura Limpar e lixar ambos os lados da porta Consertar a fechadura Comprar tinta, lixa e pincel Dar a primeira demão Lavar o pincel pela primeira vez Deixar secar a porta

6 I J K L M Dar a segunda demão Lavar o pincel e guardar Deixar secar a porta Colocar a fechadura Colocar a porta no lugar QUADRO DE ATIVIDADES: fruto da análise detalhada de cada atividade, visa determinar as atividades que deverão ser realizadas em primeiro lugar e a dependência entre elas. Esta fase é crítica pois se não representarem a realidade, todo resultado estará comprometido. Desta forma, teremos ainda no exemplo anterior: QUADRO DE PRIORIDADES ANTES ATIVIDADE DEPOIS - A A C-D -E C F D L - E C C F G-H F G I F H I G-H I J-K I J - I K L D-K L M L M - DIAGRAMAÇÃO: sendo a representação gráfica do Quadro de Prioridades, devemos considerar as atividades que não têm antecessoras, pois serão as primeiras do empreendimento. No exemplo dado, as atividades A e E não possuem antecessoras logo poderão ser realizadas ao mesmo tempo, ou seja, enquanto uma pessoa retira a porta a outra irá comprar tinta, lixa e papel. Daí teremos: A

7 A proposta a seguir mostra-nos que a atividade D depende de E, da mesma forma que depende de A e C depende de e E. A E D C Analisando o quadro de prioridades veremos que das afirmativas, a primeira, isto é, a que D depende de E não é verdadeira, apesar das demais estarem corretas. Nesse sentido, deveremos fazer uso da chamada atividades fantasma, fictícia, que não consome tempo nem recursos, onde no caso condicionamos a realização da atividade C à realização da e E, deixando porém D sem ser condicionada por E. Essa atividade é representada por seta pontilhada e não leva identificação. Desta forma teremos então: D L 8 A E C F 7 Segue-se a C, F, G e H, da mesma forma que após D teremos L e M, obtendo-se o gráfico abaixo: A E D L 8 G M 0 C F 7 H 9 Depois de M, nada mais existe, indicando ser o fim do empreendimento, o que não acontece em G e H, onde de ambos vem a atividade I. Não podemos adotar duas atividades I e considerando que G e H dependem de F e são precedentes a I, podemos adotar a proposta: 7

8 D L 8 M G C F 7 H 9 I Disso, devemos nos atentar às atividades G e H onde poderíamos incorrer no erro de à ambas darmos a identificação 7 9, não válida, pois além de gerar confusão, não estaríamos diferenciando-as. Novamente devemos então usar em auxílio a atividade fantasma ou seja: D L 8 M A E K J C G 0 I F 7 H 9 Terminado o esboço do diagrama, podemos aprimora-lo melhorando sua estética e até enumerar seus eventos em ordem crescente o que dará maior facilidade de visualização. Desta forma, o diagrama para a tarefa PINTURA DA COZINHA E CONSERTAR A FECHADURA, ficaria assim finalmente: A E D 0 K 9 L J M I C F 7 G 8 H 8

9 CAMINHO CRÍTICO: Com a conclusão do exposto anteriormente, convém lembrarmos que até agora não nos preocupamos com a duração, com tempo propriamente dito a ser gasto em cada atividade. É necessário que essa determinação seja feita por profissionais que tenham bastante conhecimento das atividades a serem desenvolvidas, tornando-se ainda em alguns casos, imperativo que especialistas com conhecimento técnico específico, participem da aferição mais próxima possível do tempo de duração real. Qualquer unidade de tempo poderá ser usada, ficando porém condicionado que em todas atividades adotaremos uma única, seja ela minuto, hora, dia, mês, etc. Voltando ao projeto PINTURA DA PORTA e representando em horas a duração de cada atividade, teríamos na Lista de Atividades: Identificação Tarefa (tempo em horas) A Retirar a porta do lugar (0,) Retirar a fechadura (0,) C Limpar e lixar ambos os lados da porta () D Consertar a fechadura () E Comprar tinta, lixa e pincel () F Dar a primeira demão (0,7) G Lavar o pincel pela primeira vez (O,) H Deixar secar a porta (0) I Dar a segunda demão (0,7) J Lavar o pincel e guardar (0,) K Deixar secar a porta (0) L Colocar a fechadura (0,0) M Colocar a porta no lugar (0,0) 9

10 De posse dos valores de tempo de cada atividade, estamos em condições de então no diagrama fazermos sua representação, onde tal indicação deve constar abaixo da identificação proposta, ou seja: A C D No exemplo, a atividade A tem duração de unidade, a de, a C de e a D de unidades de tempo. Isto posto, devemos então nos ater a definição de data em PERT como sendo tempo e não calendário. Duas outras datas são utilizadas em PERT. Data mais cedo e data mais tarde. DATA MAIS CEDO: menor tempo no qual é possível a ocorrência do evento, ou seja, é data mais cedo na qual é possível serem concluídas todas as tarefas que compõem o evento. Exemplo : no diagrama final da PINTURA DA PORTA DA COZINHA, se para retirar a porta do lugar, leva-se O, de hora ou min., o evento "porta retirada" terá uma data mais cedo igual a min. e a data mais cedo do evento é zero, assim representados: 0 A 0, 0, Exemplo : Para terminar a retirada da fechadura (evento), dependemos primeiro de remover a porta do lugar para depois retirarmos a fechadura, resultando então o diagrama: A 0, 0, 0 0, 0,0 0

11 A data mais cedo do evento é a soma da data mais cedo do evento mais a duração da atividade, ou seja: 0, +0, = 0, (valor encontrado abaixo do traço em significando que o evento não pode ocorrer antes de O, de hora, ou 0 minutos). Exemplo : Voltando ao caso da porta, analisemos agora, o diagrama até o evento 0, 0, 0, A 0, 0 E Considerando-se que a atividade é uma atividade fantasma, logo não consome tempo nem recursos, devemos calcular a data mais cedo do evento pelos dois caminhos propostos, ou seja:. - data mais cedo do evento pelo caminho, e é a soma da data mais cedo do evento mais a duração da atividade ; logo A + = = 0, + 0, + 0 = 0,..- data mais cedo do evento pelo caminho é igual a atividade E, isto é,. Por conseguinte, a data mais cedo do evento deverá ser a maior, pois não é possível iniciar a limpeza e fixação antes de comprar o material Conclusão: quando mais de uma atividade chegam a um evento, sua data mais cedo será a maior soma de tempo que levam a esse evento, ou seja, é determinada pelo maior caminho ao longo das atividades que condicionam o evento. Deste modo podemos calcular a data mais cedo de todo projeto, que representará o menor tempo no qual ele poderá verificar-se e também o seu caminho mais longo.

12 Diagrama da PINTURA DA PORTA com as datas mais cedo: Eventos Cálculo Data mais cedo , = 0, 0, 0, - 0, = 0, 0,0 0 + = 0, + 0 = 0, - + = + 0,7 =,7,7 7,7 + 0, = 8,7 + 0 =,7,7 + 0 = - 9,7 + 0,7 =,, 0 0, + =, -, + 0 =,,, + 0, =, + 0, =, , =,, Diagrama da PINTURA DA PORTA, com as datas mais cedo. 0, 0,0, 0, 0 L 0, M 0, A 0, K 0 0 E, 9 J 0,, I 0,7 C 7 0, 8,7 G H 0 F 0,7,7

13 DATA MAIS TARDE: último momento em que o evento possa verificar-se, sem atrasar o início das atividades que lhe seguem. O cálculo das datas mais tarde é feito partindo-se do evento fim e trabalhando-se no sentido inverso das setas até atingir o evento início. Quando se calculou as datas mais cedo, foi fácil determinar a data mais cedo do primeiro evento: ele é a data zero ou o momento que se vai começar o empreendimento. A fixação da data mais tarde do evento fim não é tão simples. Podem surgir dois casos: Primeiro caso: Data pré-fixada: dispõe-se de uma data pré-fixada para terminar um projeto: isto pode ser decorrente de uma obrigação contratual ou do desejo de ver terminado o empreendimento em um dado momento. Em geral a pré-fixação da data antecede a programação, podendo acontecer que a data pré-fixada seja maior, igual ou menor do que a data mais cedo que venha a encontrar no final do diagrama. Vejamos um exemplo: Desejo executar uma obra que precisa ficar terminada em dias. Esta obra é representada por sete atividades, com as seguintes durações, em dias: A = = C = 8 D = E = F = G = ; logo poderíamos representar o diagrama assim: 7 A D E 0 C F G 8 9

14 Neste caso, a data mais cedo de coincidiu com a data pré-fixada, que representa a data mais tarde do mesmo evento. Esta data pré-fixada é escrita acima do traço da data mais cedo do evento fim. Para encontrarmos as datas mais tarde dos demais eventos, partimos da data mais tarde do evento fim e vamos subtraindo, uma a uma, as durações das atividades, no sentido contrário das setas. Exemplo: 9 9 G A data mais tarde de é - = 9 A data mais tarde de é 9 - = A data mais tarde de pode ser: 9 - = 7; - E D - = ; - Neste caso escolhe-se a menor data, ao contrário do caso da data mais cedo, quando escolhemos a maior. Esta escolha toma-se evidente se fizemos o seguinte raciocínio: Se escolhêssemos a data mais tarde maior, no caso, poderíamos iniciar E na data, sendo sua duração, chegaríamos a na data e a na data, contrariando a data pré-fixada para o evento fim. Se escolhermos a menor, 7, iniciaremos E em 7, e chegaremos a em 7 + = 9; iniciaremos G em 9 e chegaremos a em 9 + =, que é o que desejamos. Calculando as demais datas dos eventos temos: Cálculo das datas mais tarde Eventos Cálculo Data mais tarde - = = 9 - = = -

15 7 - = - 8 = = 0 0 Se a data pré-fixada tivesse sido 0, teríamos: Cálculo das datas mais tarde Eventos Cálculo Data mais tarde 0 - = = 7 - = - = = - = - - V- 8 = - 7 A D E - 0 C F G O fato de encontrarmos uma data mais tarde menor que zero no evento início, indica que a obra não pode ser executada por falta de tempo. Aliás, sempre que, em qualquer evento a data mais tarde for menor que a data mais cedo, fica patente a impossibilidade. A maneira de se resolver esta impossibilidade será vista mais adiante.

16 Se a data pré-fixada fosse, maior, portanto, do que a data mais cedo, teríamos, no evento início, a data mais tarde igual dois e, em todos os eventos a data mais tarde seria maior do que a data mais cedo, como se pode ver a seguir. 9 7 A D E 0 C F G Segundo caso: Não há data fixada: Não se dispõe de uma data pré-fixada para terminar o projeto. Neste caso, atribuímos ao evento fim uma data mais tarde igual à sua data mais cedo, e calculamos as datas mais tarde dos demais eventos, resultando: Calculo das datas mais tarde Eventos Cálculo Data mais tarde,0-0,0 =,00 0,00-0,0 =,,0 9,0-0,00 =,0,0,0-0, =,0-8,0-0,7 =,7,7 7,7-0,00 =,7,7,7-0,00 =,7,7,7-0, =,0 -,7-0,7 =,00,00,00 -,00 =,00,00,00-0,00 =,0,00,0 -,00 =, -,00-0, =,7,7,00 -,00 = 0,0 0,00,7-0, =,0 -

17 Diagrama da PINTURA DA PORTA, com as datas mais tarde. (datas mais tarde calculada pelo caminho e não ) 0,7,00 0, 0,0 0, D,, 0 L 0, M 0, A 0, K E,, 9 I 0,7 J 0,,, C,7 7 8,7,7 G 0, H 0 F 0,7,7,7 Data, e não, - 0, =, porque o caminho é 0 9 e não 9 Folgas: Visto o problema das datas podemos estudar as folgas. Trataremos das folgas dos eventos e das atividades. Folgas dos eventos: A conceituação de datas mais cedo e mais tarde dos eventos implica na possível existência de uma folga, caso as duas não sejam iguais. Se eu posso terminar uma atividade em um tempo X, data mais cedo do evento fim dessa atividade, mas não posso terminá-la após um tempo Y, data mais tarde do seu evento fim, a diferença entre ambas é a folga do evento. A Y X Folga = Y - X 7

18 Foi visto que, quando a data pré-deteminada do evento fim do projeto for maior que a data mais cedo desse mesmo evento, todos os demais eventos terão data mais tarde que a data mais cedo ou seja; todos os eventos terão folga positiva. Se a data mais tarde do evento fim do projeto for igual a sua data mais cedo, teremos vários eventos com folga nula e outros com folga positiva. Se a data mais tarde do evento fim do projeto for igual a sua data mais cedo, teremos vários eventos com folga nula e outros com folga positiva. Se a data mais tarde do evento fim for menor que sua data mais cedo, teremos vários eventos com folga negativa, podendo outros ter folga nula e outros ainda folga positiva. Desta forma teremos: Folga positiva; Folga nula; e Folga negativa Folga das atividades: uma vez que cada evento tem duas datas e que cada atividade é limitada por dois eventos, um inicio e um fim, temos quatro datas fixando as diversas possibilidades de início e fim de uma atividade. Para facilidade de raciocínio, usaremos as seguintes abreviaturas: Tci = Data mais cedo de início de uma atividade Tcf = Data mais cedo do fim de uma atividade Tti = Data mais tarde de início de uma atividade Ttf = Data mais tarde do fim de uma atividade D = Duração de uma atividade Uma atividade pode assim: - Começar na data mais cedo do início e terminar na data mais cedo do fim; - Começar na data mais cedo do início e terminar na data mais tarde do fim; - Começar na data mais tarde do início e terminar na data mais cedo do fim; - Começar na data mais tarde do início e terminar na data mais tarde do fim. As folgas das atividades serão a diferença entre suas possíveis datas de início e fim, menos sua própria duração. Isso nos dá quatro combinações e a cada uma dessas folgas foi atribuído um nome: Tcf - Tci - D = Folga livre (FL) Tcf - Tti - D = Folga Independente (FI) Ttf - Tci - D = Folga Total (FT) Ttf - Tti - D = Folga Dependente (FD) 8

19 Apresentamos a seguir uma representação gráfica das quatro possibilidades, ficando assim fácil visualizar as diversas combinações. Evento Início Evento Fim Tci Tcf Ttf Ttf Folga livre Folga total Folga independente Folga dependente Escala de tempo Caminho Crítico: Define-se caminho crítico como o encadeamento de atividades que, partindo do evento início do projeto e indo sem interrupção até seu evento fim, tem a maior soma de duração das atividades. Em outras palavras, é o caminho de maior duração. Esta definição está implícita no processo de cálculo das datas mais cedo dos eventos, quando é usada, sempre, a maior data; em conseqüência, a data mais cedo do evento fim, que é a duração mínima do projeto, é o maior caminho. O nome caminho crítico deriva do fato de que, qualquer atraso em uma das suas atividades componentes, provocará atraso na ocorrência do evento fim. Esta última afirmativa implica na não existência de folga nas atividades do caminho crítico, o que também é lógico, visto que a data mais cedo do evento fim é a soma das durações das atividades do caminho crítico. 0 0 A C 0 0 D No diagrama acima, o caminho crítico passa por e D, que foram as atividades que nos permitiram calcular Tc de ; + = 0. Este é o caminho mais longo de a ; pois se fôssemos por A e C teríamos + =. Para terminar o empreendimento dependemos de executar as tarefas e D, e a data mais cedo de não pode ser. Determinação do caminho crítico: No exemplo anterior, analisaremos as folgas dos eventos: 9

20 - Como não se dispunha de uma data pré-fixada para o evento adotamos Tt = Tc e, em conseqüência, a folga é zero: 0-0 = 0 - A folga do evento é - = 0 e a folga do evento também é zero e ambos estão no caminho crítico. - A folga do evento é - =, maior que a dos eventos do caminho crítico. ª. Conclusão: Em um mesmo projeto, as folgas dos eventos do caminho crítico são iguais. ª. Conclusão: A folga dos eventos fora do caminho crítico são sempre maiores que as folgas daqueles nele incluídos. Tomemos diagrama um pouco mais completo e com Tt Tc no evento fim. 7 A D E C F G Folga dos eventos Eventos Cálculo Folgas = - - (*) - = - - (*) - 7 = - - (*) - = 7-9 = - - (*) 0 - = - - (*) 0

21 (*) Caminho Crítico. A folga dos eventos é sempre -. O evento, que não está no caminho crítico tem folga, maior que a folga dos eventos do caminho crítico. O processo para determinar o caminho crítico pode ser agora deduzido: - Calcular as folgas de todos os eventos do diagrama. - O caminho crítico passará pelos eventos de menores folgas e estas serão todas iguais, sendo possível o aparecimento de mais de um Caminho Crítico; poderá haver mais de uma combinação de atividades com soma igual de durações. No diagrama anterior temos dois caminhos críticos, um passando direto de a e outro por ; e. Reparar que todas as folgas dos eventos são iguais a zero. O fato de um evento estar no caminho crítico não implica em que todas a atividades que a eles chegam estão no caminho crítico: estarão somente aquelas que permitiram o cálculo de Tc. Neste caso, somente a atividade C está fora do caminho crítico que é a única que tem folga. Qualquer atraso em uma das outras provocará atraso na ocorrência do evento. Podemos agora voltar à "PINTURA DA PORTA DA COZINHA" e determinar o caminho crítico de nosso empreendimento. Folga dos Eventos Eventos Cálculo Folga = 0 0 (*),7-0, =,, - 0, =,, - = 0 0 (*) - = 0 0 (*),7 -,7 = 0 0 (*),7 - = 9,7 9,7,7 -,7 = 0 0 (*), -, = 0 0 (*), -, = 0 0 (*) - = 0 0 (*), -, = 0 0 (*)

22 (*) O Caminho Crítico passa pelos eventos de folga zero (menor folga e todas i- guais). PINTURA DA PORTA Caminho Crítico,7,00 0, 0,0 0, D,, 0 L 0, M 0, A 0, K E,, 9 I 0,7 J 0,,, C,7 7 8,7,7 G 0, H 0 F 0,7,7,7 Ao se traçar o caminho crítico não é suficiente verificar-se quais os eventos que o compõem, podendo induzir ao erro; é necessário saber qual ou quais as atividades que permitiram calcular a data mais cedo do evento, pois só estas estarão no caminho crítico. No caso da nossa PORTA, vejamos os eventos,, e 9 0

23 ,, L 0 0, K 0 M 0,,, 9 J 0,,, Os quatro eventos tem folga zero, que são os menores do diagrama e, portanto, estão todos no caminhos crítico. Não obstante, a atividade J não está no caminho crítico porque as atividades que permitiram o cálculo mais cedo de forma as atividades K, L e M;, , + 0, =, QUADRO RESUMO Ativid D a t a s F o l g a s Nº. Ident D I n i c i o F i m FL FI FT FD Tci Tti Tcf Ttf A 0, 0 0 0,,7 0 0,0,0 0, 0,,7,00,00 0 0,0,0 C,00,00,00,00, D,00 0,0,00,0,0,00 0,,00 0,0 E,00 0,00 0,00,00, F 0,7,00,00,7, G 0,,7,7,00, ,7 9,7 8 H 0,00,7,7,7, I 0,7,7,7,0, ,7 0 J 0,,0,0,0,0 0,7 0,7 0,7 0,7 K 0,00,0,0,0, L 0,0,0,0,00, M 0,0,00,00,0, Conclusões: Quando foi abordado o cálculo das datas mais tarde, verificou-se ser possível a e- xistência de data mais tarde negativa e, posteriormente, de folgas negativas. Isto só pode ocorrer se a data pré-fixada para o evento fim for menor que a data mais cedo esperada. Se admitirmos que as estimativas de duração das atividades são precisas e que não ocorrerá desvio em relação à previsão, qualquer folga negativa caracteriza uma impossibilidade.

24 Torna-se necessário um re-estudo das atividades, a fim de verificar se podem sofrer redução de tempo de execução. Esta análise deverá ser iniciada pelas atividades que compõem o caminho crítico, pois de outra forma não haverá redução da data mais cedo do evento fim. É indispensável grande atenção nessas reduções; elas poderão consumir as folgas de atividades não críticas incorporando-as ao caminho crítico e terão que ser analisadas também. Esta é, aliás, uma vantagem do PERT; identifica as atividades sobre as quais se deve agir para reduzir o prazo de execução de um projeto, bem como a interferência que esta ação possa ter sobre as demais atividades. Normalmente, a aceleração, nome pelo qual é conhecida a redução de duração das atividades, exige maior consumo de recursos físicos ou mão-de-obra, provocando aumento de custo.

25 GRÁFICO DE GANTT Desenvolvido pelo engenheiro americano H. L. Gantt durante a primeira Guerra Mundial com objetivo de organizar o transporte bélico, o Gráfico de Gantt nos mostra as atividades de um projeto com suas respectivas durações, indicando também datas relativas ao calendário, de maneira que nos permite facilmente comparar o previsto com o realizado. Mesmo nos permitindo assinalar possíveis atividades em série ou em paralelo, impossibilita fazer o mesmo com as interdependências existentes. O campo de aplicação do Gráfico de Gantt é muito abrangente, pois como veremos, pode facilmente ser aplicado a um grande ou pequeno projeto. Devemos porém ter em conta sempre que no Gráfico de Gantt cada divisão do espaço, indica o tempo e a tarefa a que deveremos realizar. Desta forma, para construir um Gráfico de Gantt, traçamos colunas (verticais) que corresponderão uma data ou logicamente um tempo em determinada unidade, e linhas (horizontais) que por sua vez identificarão a tarefa correspondente. Logo podemos concluir que, são tantas colunas e linhas quanto forem o somatório de tempo e tarefa à cumprir. Podemos utilizar diversas convenções para representar o Gráfico de Gantt, como no exemplo abaixo onde o primeiro retângulo apenas define as datas de início e fim da atividade e o segundo além dessas datas mostra de forma clara, com o preenchimento do mesmo, o realizado no período previsto. Mesmo sendo esta forma a que melhor representa a realidade física da atividade, o uso de barras ou do retângulo cheio é mais comum, resultando daí conhecermos o Gráfico de Gantt como Gráfico de arras. Proposta de realização da atividade º. dia 0º. dia 0º. dia 0º. dia 0% 00% Representação do realizado e a realizar º. dia 0º. dia 0º. dia 0º. dia 0%,% 00%

26 Gráfico Gantt de mão de obra e/ou serviços. Se pode utilizar o Gráfico de Gantt para mão de obra, maquinaria, etc, e nele se trata de comparar o que está planejado com o que realmente se faz ao executar a obra. Funcion. D i a s Fulano Pla Exe Ciclano Pla Exe eltrano Pla Exe No caso acima, o Gráfico representa claramente as propostas de empreita para Fulano, Ciclano e eltrano. Nos campos mais claros o planejado e no mais escuro o executado. Desta forma constatamos que Fulano iniciou sua empreita no dia aprazado e concluiu dez dias antes do prazo. Ciclano por sua vez, iniciou corretamente mas atrasou dez dias o término. Já eltrano mesmo iniciando dez dias atrasado sua empreita, concluiu a mesma dez dias antes do prazo determinado. Da mesma forma podemos planejar serviços. Usaremos como exemplo o mesmo gráfico: Serviços. D i a s Preparo Pla do piso Exe Lastro Pla : : 8 Exe Cimenta- Pla do : Exe Na verdade, o que o gráfico de barras propõe é a visualização de que uma atividade será, está sendo ou fora executada consumindo determinada quantidade de meses, dias, horas, etc. Disso podemos concluir que o gráfico de barras ou Cronograma de Gantt, pode ser utilizado para traduzir a execução de uma obra completa. Nesse sentido, utilizamo-o para planificar o trabalho a realizar e para evitar a utilização deficiente da mão de obra, procurando reparti-la da forma mais conveniente. Os trabalhos se põem em ordem preestabelecida pelo planejamento de forma que o Cronograma de Gantt nos indicará a quantidade de serviço que devemos cumprir em determinada etapa, em preestabelecido período de tempo (meses, dias, horas, etc). Com essa duas definições podemos então por exemplo, calcular a quantidade de homens para cumprirmos o planejado. Da mesma forma que podemos executar determinada obra cumprindo rigorosamente o proposto ou planejado no Cronograma de Gantt, podemos também adiantá-la pois ali estão espelhados todos os serviços.

27 PLANO GERAL DE TRAALHO O conhecimento do tipo, porte e prazo de execução de uma obra não basta para se estabelecer previsões exatas de uma rede ou cronograma. É necessário conhecer todos os dados disponíveis para então se conseguir um verdadeiro plano de trabalho, isto é, conhecer todos os serviços (com suas respectivas quantidades) que compõem a obra em questão, sem o que fatalmente chegaremos a uma proposta errada. Nesse sentido, devemos analisar as obras ou trabalhos da seguinte forma: * Decompor a obra ou serviço à executar nas várias atividades que a compõem, precisando não só e corretamente seu início como também seu prazo de execução. Evidentemente que a seqüência de execução deverá ser fielmente observada. * Ter presente em cada interstício de tempo (meses, dias, horas, etc.), a quantidade exata do serviços na unidade mais apropriada. * Determinar a quantidade de trabalho que poderá ser executada durante a jornada diária. * Prever, de acordo com os recursos humanos e meios, com suas possibilidades de utilização no trabalho, o número de obreiros e meios que deverão destinar para sua realização, segundo o trabalho que se quer e o prazo que se dispõe. * Calcular o número de dias trabalhados necessários (tempo aritmético) para realizar a quantidade de obra prevista em cada atividade, concluindo sua totalização no prazo final proposto. Vemos então que o Gráfico de Gantt pode ser utilizado de várias formas, segundo as necessidades de planificação de uma obra. Como vantagem importante, sendo uma das principais causas de sua sobrevivência frente aos demais Gráficos ou mesmo as Redes (a outra é sua simplicidade de visualização) o gráfico de Gantt permite determinar a duração da obra no tempo aritmético e no tempo de calendário. O chamado tempo aritmético é o total de trabalho desde o primeiro ao último dia, numerados correlativamente e sem que se tenham em conta os domingos, feriados, etc. Já o tempo de calendário é o tempo real, para o qual teremos que saber a data exata em que inicia a obra, e depois somar, desconsiderando-se domingos, feriados, etc., durante os quais não se trabalha, obtendo-se assim a data real de finalização da obra. Desta forma, o evento início do planejamento de uma obra deve ser estudado em suas principais etapas do projeto, possibilitando que se possa então determinar as datas de início e fim dos serviços existentes com muita precisão. Para isso necessário se faz a participação do responsável pela execução dos mesmos para que desde o planejamento haja seu comprometimento com os prazos estabelecidos. O levantamento de quantidades de horas/homem por serviço deverá sempre ser detalhada ao excesso para que pouca chance e- xista que fatores aleatórios possam influir no resultado. De preferência deve-se trabalhar com coeficientes que retratem a realidade do canteiro, daí quando de sua não existência, 7

28 adotar-se a TCPO - Tabela de Composição de Preços para Orçamentos da PINI Editora, ou semelhante. Para exemplificar, supondo-se documentada uma produção de, horas/m/pedreiro para execução de m de reboco paulista, e, se a quantidade total proposta fosse 00 m, teríamos que pedreiros trabalhando 8 horas por dia concluiriam o serviço em dias. Esse resultado nos dá o tempo aritmético, sendo para obtermos o tempo de calendário devemos descontar o(s) sábado(s); domingo(s) e feriado(s) existentes. Com o tempo de calendário será dimensionada a equipe realmente necessária para se executar o serviço proposto nos dias. Apesar da consulta ao TCPO ser o meio correntemente usado para dimensionamento de equipes, mais uma vez devemos alertar para a necessidade da participação do profissional experiente em execução. Devemos adotar coeficiente horas/un/homem na obtenção do tempo aritmético que seja razoavelmente próximo da realidade do canteiro. Nesse sentido, o controle da produção diária por serviço deve ser constante preocupação do planejador. -x-x-x- ibliografia básica: ASSED, José Alexandre Construção Civil Viabilidade Planejamento e Controle LTC Ed. ª. Ed. GIAMMUSSO, Salvador E. Orçamento e Custos na Construção Civil Pini Ed. ª. Ed. MARTIN, W. R. Aplicación de las técnicas PERT/CPM a la planificación y control de la construcción Ed. lume (arcelona/espanha). MOTTA, J. E. Magalhães PERT Tempo e Custo Record Cultural ª. Ed. POMARES, Juan Planificación gráfica de obras Ed. Gustavo Gili, S. A. (arcelona/espanha). -x-x-x- 8

Para tanto, em 1958, foi desenvolvido o método do PERT Program Evaluation and Review Technique pela empresa de consultoria Booz, Allen & Hamilton.

Para tanto, em 1958, foi desenvolvido o método do PERT Program Evaluation and Review Technique pela empresa de consultoria Booz, Allen & Hamilton. OS MÉTODOS DO PERT & CPM. Origem dos Métodos. Durante a década de 1950, enquanto transcorria a guerra fria entre os EEUU e a extinta URSS, a marinha dos Estados Unidos realizou o projeto dos submarinos

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.5. Diagramas de redes de precedência O CPM Critical Path Method, consiste em uma rede com setas representativas

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 6 do livro de Taha (2008): Otimização em Redes

Leia mais

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM Program Evaluation and Review Technique PERT: VISÃO GERAL Program Evaluation and Review Technique Técnica para avaliação e revisão de programa.

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS 7º semestre Eng. Produção Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br Gestão do TEMPO em Projetos Redes e Cronogramas Prof. Luciel Henrique de Oliveira Como Gerenciar o

Leia mais

ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: SEQÜENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UMA FÁBRICA DE PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO.

ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: SEQÜENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UMA FÁBRICA DE PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO. ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: SEQÜENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UMA FÁBRICA DE PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO. Wail Raja El Banna (UNESPA ) elbana_eng@hotmail.com Luciana Mathilde de Oliveira Rosa

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins Ferramentas de Desenvolvimento Isnard Martins Referencial Bibliográfico Administração da Produção e Operações - L.Ritzman & Krajewsky I. Martins Notas de Aula PERT CPM Método PERT - CPM ou Método do Caminho

Leia mais

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico U UL L CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.6. Gráfico de Gantt Para facilitar a visualização e entendimento da programação, a rede PERT pode ser

Leia mais

CPM Método do Caminho Crítico

CPM Método do Caminho Crítico CPM Método do Caminho Crítico CPM Método do Caminho Crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma.

Leia mais

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO Início Revisão Crítica A P POLÍTICA AMBIENTAL Melhoria Contínua Verificação e Ação Corretiva C D Planejamento IMPLEMENTAÇÃO Início Revisão Crítica Planejamento A C Melhoria Contínua P D POLÍTICA AMBIENTAL.

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

Gerenciamento do Tempo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Tempo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Tempo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) O gerenciamento do tempo inclui os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto, logo o cronograma é uma das principais restrições

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 9: PROGRAMAÇÃO DE TEMPO E DE RECURSOS 9.1 PROGRAMAÇÃO DE PRAZOS

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

CAPÍTULO 7 TÉCNICAS GRÁFICAS DE PLANEAMENTO

CAPÍTULO 7 TÉCNICAS GRÁFICAS DE PLANEAMENTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/000 Cap. 7. Técnicas Gráficas de Planeamento 1 7.1. Interesse CAPÍTULO 7 TÉCNICAS GRÁFICAS DE PLANEAMENTO Da fase anterior de planificação do projecto resulta uma

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM)

MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM) UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM) DOCENTE: 2006 1 1. INTRODUÇÃO O planeamento e controlo da produção orientado

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

A gestão da implementação

A gestão da implementação A Gestão de Projectos Técnicas de programação em Gestão de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia A gestão da implementação Estrutura de planeamento de projectos avaliação e gestão de risco a gestão de projectos

Leia mais

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina FSP Faculdade Sudoeste Paulista Departamento de Engenharia Civil Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Porto Velho RO 2008. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com FRANCISCO CHAGAS DA SILVA 1

Porto Velho RO 2008. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com FRANCISCO CHAGAS DA SILVA 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇAO II FRANCISCO CHAGAS DA SILVA 1 PERT/CPM UMA FERRAMENTA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Chapecó SC Julho, 2006.

Chapecó SC Julho, 2006. Universidade Comunitária Regional de Chapecó Centro Tecnológico Curso de Engenharia Civil Disciplina: Estágio Supervisionado II Professor Orientador: Marcelo F. Costella APLICAÇÃO DO MÉTODO DA LINHA DE

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características Projetos - definição Pesquisa Operacional II Projeto é uma série de atividades que objetivam gerar um produto (saída, output) Geralmente consiste em um empreendimento temporário Michel J. Anzanello, PhD

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

Planejamento e controle de projetos. Ao final do estudo desta aula, você deverá ser capaz de:

Planejamento e controle de projetos. Ao final do estudo desta aula, você deverá ser capaz de: Planejamento e controle de projetos U L Metas da aula presentar os métodos utilizados em planejamento e controle de projetos; mostrar a aplicação das relações de precedência e das estimativas de duração

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

"Caminho Crítico é um termo criado para designar um conjunto de tarefas vinculadas a uma ou mais tarefas que não têm margem de atraso.

Caminho Crítico é um termo criado para designar um conjunto de tarefas vinculadas a uma ou mais tarefas que não têm margem de atraso. Conceituação básica: Caminho Crítico x Corrente Crítica Publicado originalmente em 08/2008 em http://www.spiderproject.com.br/exemplos/problemabasico01.htm Caminho crítico Origem: Wikipédia, a enciclopédia

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Em nossos trabalhos de identificação

Em nossos trabalhos de identificação Divulgação Como endereçar seu armazém João Alves Neto Em nossos trabalhos de identificação de armazéns e centros de distribuição (CDs), somos, por vezes, chamados a ajudar na criação de um sistema de localização

Leia mais

Pode-se assim obter uma comparação entre o que foi previsto e o que realmente foi executado.

Pode-se assim obter uma comparação entre o que foi previsto e o que realmente foi executado. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - O GRAFICO

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Na hora de reduzir os custos da sua reforma, não adianta só subtrair. É preciso também somar experiência. ampla. Construções & Reformas

Na hora de reduzir os custos da sua reforma, não adianta só subtrair. É preciso também somar experiência. ampla. Construções & Reformas Na hora de reduzir os custos da sua reforma, não adianta só subtrair. É preciso também somar experiência. Quem Somos Ampla é uma empresa focada em execução de obras com estrutura própria e qualidade. Oferecemos

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001) 1. O sr. considera as provas e exames instrumentos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (parte 1)

Gerenciamento de Projetos (parte 1) Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro Colegiado de Engenharia de Produção Gerenciamento de Projetos (parte 1) Disciplina: Gestão de serviços Professor: Marcel de Gois Pinto Considere

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL

IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL IMPLANTAÇÃO DA FERRAMENTA LINHA DE BALANÇO EM UMA OBRA INDUSTRIAL Vanessa Lira Angelim (1); Luiz Fernando Mählmann Heineck (2) (1) Integral Engenharia e-mail: angelim.vanessa@gmail.com (2) Departamento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Conceitos básicos sobre E.S: Ambiência Caracterização do software Fases de desenvolvimento 1 Introdução Aspectos Introdutórios Crise do Software Definição de Engenharia do Software 2 Crise do Software

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Fase 2: Planeamento. Pós Graduação em Gestão de Recursos Humanos e Benefícios Sociais

Fase 2: Planeamento. Pós Graduação em Gestão de Recursos Humanos e Benefícios Sociais Fase 2: Planeamento Neste ponto do ciclo da gestão do projecto estão identificadas as actividades do projecto A tarefa seguinte da equipa de planeamento é determinar a ordem em que essas actividades devem

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Nós o Tempo e a Qualidade de Vida.

Nós o Tempo e a Qualidade de Vida. Nós o Tempo e a Qualidade de Vida. Será que já paramos e pensamos no que é o tempo? Podemos afirmar que o tempo é nossa própria vida. E a vida só é vivida no aqui e agora, no efêmero momento entre o passado

Leia mais

UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras MEMÓRIA DE CÁLCULO TAXAS DE

UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras MEMÓRIA DE CÁLCULO TAXAS DE UFM - CCET - DEC CURO: ENGENHARIA CIVIL Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras MEMÓRIA DE CÁLCULO TAXA DE LEI OCIAI E RICO DO TRABALHO NO CUTO DA CONTRUÇÃO PARA MENALITA*

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO O planejamento possui três etapas: O estabelecimento dos objetivos a alcançar Tomada de decisões a respeito das ações futuras Elaboração de planos Explicando melhor, quanto mais

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 PERGUNTA 01: O ANEXO D.9 Saúde e Segurança (pag. 99) do ANEXO D SERVIÇOS RELATIVOS AO ATENDIMENTO AMBENTAL do ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados

Algoritmo. Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo. Perfil do utilizador. Recolha de dados Algoritmo Iniciação do Sistema e Estimativa do consumo Recolha de dados O algoritmo do sistema de gestão, necessita obrigatoriamente de conhecer todos (ou grande maioria) os aparelhos ligados numa habitação

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1 1. REVISÃO 01 Matemática SSA REVISÃO GERAL 1. Um recipiente com a forma de um cone circular reto de eixo vertical recebe água na razão constante de 1 cm s. A altura do cone mede cm, e o raio de sua base

Leia mais

Planejamento executivo de projetos em estrutura metálica pelo método VPM: um estudo de caso

Planejamento executivo de projetos em estrutura metálica pelo método VPM: um estudo de caso Planejamento executivo de projetos em estrutura metálica pelo método VPM: um estudo de caso José Gustavo Baidek (UFPA) baidek@ufpa.br Jorge de Araújo Ichihara (UFPA) ichihara@amazon.com.br Simone Pípólos

Leia mais

Quando pagar multa compensa

Quando pagar multa compensa Quando pagar multa compensa Aldo Dórea Mattos, MSc, PMP aldo@aldomattos.com Resumo Custo e tempo sao grandezas intrinsecamente relacionadas em qualquer projeto. Alterar prazo implica alterar custo e vice-versa.

Leia mais

Planeamento e Seguimento de Projectos

Planeamento e Seguimento de Projectos Planeamento e Seguimento de Projectos Introdução Uma empresa sem objectivos a atingir é uma empresa desorientada, mas ter objectivos a atingir sem qualquer plano não deixa de ser apenas uma esperança.

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

USO DO PROGRAMA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA (IRPF) COMO FERRAMENTA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

USO DO PROGRAMA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA (IRPF) COMO FERRAMENTA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO USO DO PROGRAMA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA (IRPF) COMO FERRAMENTA DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO Oscar de Almeida Machado - (oscarmachado@ig.com.br) Alex Duarte Manoel - (duarte.mat@ig.com.br) Wagner

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS CONTEÚDO DO CURSO DE PREVISÃO DE DEMANDA PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS - HORIZONTE

Leia mais

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso Engº Caius V. S. Malagoli Engº Adriano A. E. Merguizo Engº Luiz C.

Leia mais

Conseguimos te ajudar?

Conseguimos te ajudar? Controlar suas finanças deve ser um hábito. Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira

Leia mais

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Este tutorial se propõe a mostrar a importância de uma gestão administrativa acoplada a área de telecomunicações para uma gestão de custos eficiente.

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA.

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA. 1 INTRODUÇÃO O aterramento elétrico, com certeza, é um assunto que gera um número enorme de dúvidas quanto às normas e procedimentos no que se refere ao ambiente elétrico industrial. Muitas vezes, o desconhecimento

Leia mais

Método do Caminho Crítico

Método do Caminho Crítico www.gerentedeprojeto.net.br Método do Caminho Crítico Uma abordagem prática Alexandre Paiva de Lacerda Costa, PMP, MCTS, ITIL Cálculo da Rede Método do Caminho Crítico (abordagem teórica) O cálculo das

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online.

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online. FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE Roteiro de orientações ao convenente para prestação de contas do Programa Caminho da Escola no SiGPC Contas Online Roteiro elaborado com o objetivo de

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais