Plano de Aula SOU PAR OU ÍMPAR? TÍTULO: Iniciais. 3º ano. Matemática. Número e Operações/Álgebra e Funções 1 aula (45 min) Educação Presencial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Aula SOU PAR OU ÍMPAR? TÍTULO: Iniciais. 3º ano. Matemática. Número e Operações/Álgebra e Funções 1 aula (45 min) Educação Presencial"

Transcrição

1 Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: SOU PAR OU ÍMPAR? Nível de Ensino: Ensino Fundamental/ Anos Iniciais Ano/Semestre de Estudo: 3º ano Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Matemática Número e Operações/Álgebra e Funções 1 aula (45 min) Educação Presencial OBJETIVOS Ao final da aula, o aluno será capaz de: Reconhecer os números pares e ímpares; utilizar recursos computacionais, programas de edição de texto (Kword, Word, Writer etc). PRÉ-REQUISITOS DOS ALUNOS Noção utilizadora do mouse; noção básica de navegação na Internet; saber utilizar o editor de texto; conhecimento básico da operação de divisão simples. RECURSOS/MATERIAIS DE APOIO Laptop educacional com acesso à Internet e editor de texto; materiais que possam formar pares (tampinhas de garrafa, sapatos, clipes, bolas de tênis etc.). GLOSSÁRIO Catalogação: é o ato de organizar um catálogo, ou seja, uma lista de pessoas ou coisas, organizadas em ordem alfabética. Pode ser um catálogo de preços, um catálogo de livros, por exemplo. Divisão: é uma operação matemática básica em que um número (numerador) é fatiado em um determinado número (denominador) de fatias. Lidar: quando dizemos que uma pessoa lida com algo ou com alguém, queremos dizer que ela tem competência para fazer determinada coisa com esse alguém ou com essa coisa. Resto: na matemática, é o número que sobra depois que uma divisão é realizada. Quando o resto é o número zero, dizemos que o número dividido é par.

2 Org.: Claudio André - 2 QUESTÕES PROBLEMATIZADORAS Como sabemos se um número é par ou ímpar? Qual a importância de sabermos isso? Vamos brincar de par ou ímpar? Figura 1 Qual é o número total de bolas? Esse número é par ou ímpar? Figura 2 Par ou ímpar também é o nome de um filme Figura 1. Disponível em: <http://www.sembarreiras.pt/shop/images/p/18333.jpg>. Acesso em: 21 mar Figura 2. Disponível em: <http://3.bp.blogspot.com/_5ee1wk9f0qs/tcxa0vvaj6i/aaaaaaaacju/xnoh_zup 50g/s1600/ Par.ou.Impar.DVDRIP.Xvid.Dublado.jpg>. Acesso em: 3 fev LEIS, PRINCÍPIOS, TEORIAS, TEOREMAS, AXIOMAS, CONCEITOS, FUNDAMENTOS, REGRAS... RECONHECENDO OS NÚMEROS PARES E ÍMPARES Um número só é considerado par se o resultado da divisão dele por 2 resultar em um número inteiro (não fracionado). Caso contrário, ele será um número ímpar. Por exemplo, para saber se o número 3 é par, divide-se ele por 2. Como o resultado é um número não inteiro (1,5), conclui-se que 3 não é par. Por outro lado, se dividirmos o número 10 por 2, o resultado dessa divisão será um número inteiro (5). Logo, 10 é um número par.

3 Org.: Claudio André - 3 Analogamente, os números múltiplos de 2 (4, 6, 8, 10, 12, 14,...) são todos números pares. Outra forma de identificar se o número é par ou não é observar se o resto da divisão dele por outro é igual a 0 (zero). Por exemplo, a divisão de 10 por 2, abaixo: Nesta operação, o número 10 é um número par, pois o resto da sua divisão por 2 é igual a 0 (zero). Caso o resto da divisão dê outro valor diferente de zero, o número dividendo será então um número ímpar, conforme mostrado abaixo: No caso ao lado, o 9 é um número ímpar, pois o resto da sua divisão por 2 resultou no número 1, ou seja, diferente de 0 (zero). Como sempre, o 0 (zero) é um número à parte. Ele: [...] é um número par. Esta afirmação é feita devido às seguintes razões: O zero é divisível por 2; O zero é cercado por números ímpares; O zero é o resultado da soma de algum número inteiro com ele mesmo; Zero elementos podem ser divididos em dois grupos com um número igual de elementos; O zero, interpretado como número par, é compatível com todas as regras das somas/subtrações e produtos de números pares e ímpares. BRINCANDO DE PAR OU ÍMPAR Uma forma bastante interativa e pragmática de estimular o alunado a reconhecer os números pares e ímpares é o jogo do par ou ímpar, que consiste basicamente em: 1. Dois jogadores escolhem previamente quem será par e quem será ímpar; 2. Ambos os jogadores colocam os braços para trás (nas costas), escondendo um número; 3. Eles iniciam uma contagem em voz alta; quando chegam ao três, ambos mostram o número

4 Org.: Claudio André - 4 escolhido, projetado nos dedos da mão; 4. O resultado da soma dos dedos dos dois jogadores será um número par ou ímpar; 5. Se tal resultado for um número par, vence aquele que havia escolhido par; se for ímpar, vence o que havia escolhido o ímpar. Figura Brincando de Par ou ímpar. Disponível em: <http://blog.educacional.com.br/rosangelasenger/files/2010/08/dsc03669.jpg>. Acesso em: 3 fev WIKIPEDIA. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/n%c3%bameros_pares_e_%c3%admpares>. Acesso em: 4 fev PARA REFLETIR COM OS ALUNOS ORGANIZAÇÃO É TUDO! Você já ouviu falar num profissional chamado de bibliotecário? Pois bem, esse profissional lida com a organização de livros e revistas. Ele pode trabalhar tanto numa simples biblioteca, com poucos livros e revistas, como nas maiores bibliotecas físicas e digitais (online) do mundo. Você sabia que o bibliotecário precisa conhecer tanto os livros quanto a biblioteca em que trabalha? Por exemplo, se o número de livros que cabem numa prateleira tem de ser par ou ímpar, ou se o número de prateleiras numa estante é par ou ímpar. E você, já reparou se o número de prateleiras nas estantes da biblioteca da sua escola é par ou ímpar? Quantos livros cabem em cada prateleira? Vamos visitar a biblioteca? Não se esqueça de pedir ajuda à bibliotecária ou ao bibliotecário. Imagem disponível em: <http://linafuko.files.wordpress.com/2010/03/biblioteconomia.jpg>. Acesso em:

5 Org.: Claudio André - 5 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO PROFESSOR O (a) professor (a) pode iniciar a aula, fazendo com que os alunos percebam que os números pares e ímpares estão à nossa volta, e compreendam a importância de poder reconhecê-los. Para tal, ele (a) pode utilizar as imagens de alguns objetos que podem ser encontrados aos pares, como fones de ouvido, luvas, sapatos etc. O (a) professor (a) pode, ainda, realizar uma explanação sobre a profissão do bibliotecário (sugerese que ele(a) utilize o exposto em Para refletir com os alunos e outras fontes, como o demonstrando que muitos profissionais devem ter a noção de números pares e ímpares para desempenhar bem suas funções (por exemplo, o piloto aeronáutico precisa conhecer bem o par de asas do avião, o juiz de futebol deve verificar os dois pares de bandeirinhas que delimitam a área de escanteio etc.). Em complementação à aula, se quiser, ele (a) apresenta o exposto em Para saber mais, e, em seguida, ditar números pares e ímpares para os alunos registrarem. Não obstante, o (a) professor (a) pode incentivar os alunos a realizar o Exercício de Fixação. TAREFAS DOS ALUNOS 1ª - Os (as) alunos (as) analisam a idéia por trás do reconhecimento dos números pares e ímpares, introduzida pelo (a) professor (a), através de questões problematizadoras, bem como por meio da projeção das imagens de objetos que podem formar quantidades pares e ímpares (bolas de gude, calçados, lápis coloridos etc.). 2ª - Em seguida, eles (as) passam a conhecer a figura do bibliotecário, lançando, aqui, uma idéia acerca da importância de se reconhecer tais números em nossa vida diária. 3ª - Registrar os números pares e ímpares ditados pelo professor (a) no editor de texto. 4ª - Para complementação da aula, as crianças podem acessar e realizar os exercício propostos em Exercícios de fixação. PARA SABER MAIS A HISTÓRIA NA MATEMÁTICA E A MATEMÁTICA NA HISTÓRIA Como sabemos, as coisas nem sempre mantêm a mesma estrutura durante a história da humanidade. Elas vão sendo modificadas e aperfeiçoadas. Um exemplo disso é a forma com que as outras civilizações representavam seus números.

6 Org.: Claudio André - 6 Por exemplo, há mais ou menos três mil anos, os chineses faziam uma representação um pouco diferente: eles representavam os números com círculos brancos (ímpares) e negros (pares). Assim, eles chamavam os números pares de fêmeas, e os ímpares de machos (com exceção do 1). O número 1 não era um número, mas o elemento formador de todos os outros números (COLÉGIO MARCOPOLO), conforme representação abaixo: Figura 3 COLÉGIO MARCOPOLO. Disponível em: <http://www.colegiomarcopolo.com.br/mat/comosurgiram.pdf>. Acesso em: 4 fev Figura 3. Disponível em: <http://www.colegiomarcopolo.com.br/mat/comosurgiram.pdf>. Acesso em: 4 fev AVALIAÇÃO Critérios Entendimento e reconhecimento do conteúdo números pares e ímpares Desempenho avançado Desempenho médio Desempenho iniciante Participou das pesquisas atividades, jogos e exercícios de fixação Utilizou ferramentas digitais e tecnológicas Interagiu com os colegas sobre suas construções.

7 Org.: Claudio André - 7 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1º RELACIONE: Número Par ou Ímpar?

TÍTULO: Plano de Aula UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Ensino Fundamental/ Anos Iniciais. 5º ano. Matemática

TÍTULO: Plano de Aula UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Ensino Fundamental/ Anos Iniciais. 5º ano. Matemática Plano de Aula Org.: Claudio André - 1 Autora: Regina França TÍTULO: UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Nível de Ensino: Ano/Semestre estudo de Ensino Fundamental/ Anos Iniciais 5º ano Componente

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula LINHAS E RETAS. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 4º ano. Matemática. Espaço e Forma. 1 aulas (50 min cada)

TÍTULO: Plano de Aula LINHAS E RETAS. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 4º ano. Matemática. Espaço e Forma. 1 aulas (50 min cada) Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: LINHAS E RETAS Nível de Ensino: Ensino Fundamental / Anos Iniciais Ano/Semestre de Estudo 4º ano Componente Curricular: Matemática Tema: Espaço e Forma Duração da Aula:

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Olá professor, Essa apostila apresenta jogos matemáticos que foram doados a uma escola de Blumenau como parte de uma ação do Movimento Nós Podemos Blumenau.

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula O NOSSO AMBIENTE: CONSERVANDO O AMBIENTE ESCOLAR. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 3º ano.

TÍTULO: Plano de Aula O NOSSO AMBIENTE: CONSERVANDO O AMBIENTE ESCOLAR. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 3º ano. Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: O NOSSO AMBIENTE: CONSERVANDO O AMBIENTE ESCOLAR Nível de Ensino: Ensino Fundamental / Anos Iniciais Ano/Semestre de Estudo 3º ano Componente Curricular: Ciências Naturais

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

Plano de Aula MATEMÁTICA. Água, consumo e consciência

Plano de Aula MATEMÁTICA. Água, consumo e consciência Plano de Aula MATEMÁTICA Água, consumo e consciência Água, consumo e consciência. 08 p.; il. (Série Plano de Aula; Matemá ca) ISBN: 1. Ensino Fundamental Matemá ca 2. Gráficos - Interpretação 3. Educação

Leia mais

Calendário de Provas Parciais (Nacionais) - P2

Calendário de Provas Parciais (Nacionais) - P2 Disciplinas 1º, 2, 3, 4º, 5º, 6º, 7º e 8º Realização Entrada ADM02001 COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1º ADM02011 MICROECONOMIA 3º ADM02024 ADMINISTRAÇÃO MERCAOLOGICA II 5º 18:00 às 20:00 04/JUN/2013 3ª Feira

Leia mais

Balanço da 5ª Unidade de Ensino

Balanço da 5ª Unidade de Ensino Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico de Educação Física e Desporto 2012/2013 Balanço da 5ª Unidade de Ensino Orientador de Estágio: Profª Ana Severo

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula VIDA DE BICHO. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 4º ano. Ciências. Vida e Ambiente 2 aulas (50 min cada) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula VIDA DE BICHO. Ensino Fundamental / Anos Iniciais. 4º ano. Ciências. Vida e Ambiente 2 aulas (50 min cada) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: VIDA DE BICHO Nível de Ensino: Ano/Semestre de estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Ensino Fundamental / Anos Iniciais 4º ano Ciências

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA Antonio Henrique Pinto ahenriq@unicamp.br Introdução O ensino de matemática passou por

Leia mais

F.A.Q. Perguntas e Respostas sobre teoria e prática do 13 Salário. SUMÁRIO

F.A.Q. Perguntas e Respostas sobre teoria e prática do 13 Salário. SUMÁRIO F.A.Q. Perguntas e Respostas sobre teoria e prática do 13 Salário. SUMÁRIO 1. O que é o 13 Salário?... 2 2. Quem faz jus ao direito do 13 Salário?... 2 3. Como o 13 pode ser divido em prestações?... 2

Leia mais

GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA

GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA Missão do Senai Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99/CEE/SC Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação

Leia mais

Netiqueta Regras de convivência na Internet

Netiqueta Regras de convivência na Internet São alguns modelos de conduta que irão facilitar o relacionamento com os colegas e professor e contribuir para uma aprendizagem colaborativa e efetiva. O termo inglês NET (significa REDE ) e o termo ETIQUETA

Leia mais

Prof. Dr. Carmem Elisa Henn Brandl Prof. Dr. Inácio Brandl Neto

Prof. Dr. Carmem Elisa Henn Brandl Prof. Dr. Inácio Brandl Neto O PIBID COMO POSSIBILIDADE COLABORATIVA ENTRE O ENSINO SUPERIOR E A EDUCAÇÃO BÁSICA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Carmem Elisa Henn Brandl Prof. Dr. Inácio

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar

Plano de Aula CIÊNCIAS. O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar Plano de Aula CIÊNCIAS O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar O nosso ambiente: conservando o ambiente escolar. 9 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências Naturais) ISBN: 1. Ensino Fundamental

Leia mais

COMO ELABORAR UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

COMO ELABORAR UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Série: 3º ANO ENSINO MÉDIO MATERIAL COMPLEMENTAR COMO ELABORAR UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO São Paulo 2012 1 1. APRESENTAÇÃO GRÁFICA: Todo trabalho escolar deve conter impressão de boa qualidade,

Leia mais

MÓDULO IX ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO

MÓDULO IX ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO Setembro/2015 MÓDULO IX ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO Prof. Dr. Marcos Vinicius Cardoso ESTRUTURA DA PÓS GRADUAÇÃO Definida pelo parecer n. 977/65; Já estava prevista na Lei de Diretrizes

Leia mais

MANUAL PEDAGÓGICO DE ORIENTAÇÕES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC e ESTÁGIO SUPERVISIONADO VII

MANUAL PEDAGÓGICO DE ORIENTAÇÕES DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC e ESTÁGIO SUPERVISIONADO VII Fundação Universidade do Tocantins - UNITINS Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Educação a Distância e Tecnologia Educacional Curso de Pedagogia 8º Período Turma 2007 MANUAL PEDAGÓGICO DE ORIENTAÇÕES

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS Faculdade de Mantena

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS Faculdade de Mantena PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS Faculdade de Mantena MANTENA - MG OBJETIVO GERAL O Programa de Acompanhamento de Egressos da FAMA tem o objetivo geral de criar mecanismos que permitam a contínua

Leia mais

Disciplina: Educação Física abril de 2015

Disciplina: Educação Física abril de 2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Educação Física abril de 2015 Prova 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ 20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA CONHECENDO AS VOGAIS- JOGOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PCC) CAPÍTULO I Da natureza e finalidade. Capítulo II

REGULAMENTO DO PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PCC) CAPÍTULO I Da natureza e finalidade. Capítulo II FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ISEPI INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA ISEDI INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE ITUIUTABA UNIDADE ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

FÓRUM DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FÓRUM DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FÓRUM DE DISCUSSÃO COMO FERRAMENTA PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Rose Madalena Pereira da Silva (Pedagoga e Tutora em EaD) Sara Ingrid Borba (Pedagoga, Mestre em educação e Tutora em EaD) RESUMO Este

Leia mais

III Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro

III Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro III Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro EDITAL OLIMPÍADAS DO CONHECIMENTO JURÍDICO A Academia Brasileira de Direito Civil (ABDC), nos termos do presente edital, torna público que estão

Leia mais

Internet e leitura crítica das mídias para surdos

Internet e leitura crítica das mídias para surdos 1 Internet e leitura crítica das mídias para surdos FARIA, Juliana Guimarães i FARIA, Nubia Guimarães ii OLIVEIRA, Fernanda Bonfim de iii ARAUJO, Jéssie Rezende iv MARTINS, Lira Matos v OLIVEIRA, Thainã

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

MANUAL DO ALUNO DO CURSO DE EJA ENSINO MÉDIO MANUAL DO ALUNO EJA - ENSINO MÉDIO. Praça Marechal Deodoro, 356 Santa Cecília São Paulo SP CEP: 01150-010

MANUAL DO ALUNO DO CURSO DE EJA ENSINO MÉDIO MANUAL DO ALUNO EJA - ENSINO MÉDIO. Praça Marechal Deodoro, 356 Santa Cecília São Paulo SP CEP: 01150-010 MANUAL DO ALUNO EJA - ENSINO MÉDIO Caro Aluno, Este manual tem o objetivo de tirar suas dúvidas e tornar seu curso no INED o mais completo possível. Leia tudo com muita atenção e, se ao final ainda tiver

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente que integra a estrutura curricular do Curso de Tecnologia em Gestão da Tecnologia

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI/ES N 003/2013 06/01/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI/ES N 003/2013 06/01/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI/ES N 003/2013 06/01/2013 O SESI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas observados os requisitos

Leia mais

Plano de Aula MATEMÁTICA. Dividindo

Plano de Aula MATEMÁTICA. Dividindo Plano de Aula MATEMÁTICA Dividindo Dividindo. 08 p.; il. (Série Plano de Aula; Matemá ca) ISBN: 1. Ensino Fundamental - Matemá ca 2. Matemá ca - Operações 3. Educação presencial I. Título II. Série CDU:

Leia mais

Mestrado Online respostas

Mestrado Online respostas Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação,

Leia mais

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015

1ºTorneio Bancário Society de Clubes Paulista REGULAMENTO 2015 REGULAMENTO 2015 1º Torneio Bancário Society de Clubes Paulista 2015, é uma promoção da Secretaria de Esporte do Sindicato dos Bancários, e tem por finalidade efetuar o congraçamento entre os bancários

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB

O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB ISSN: 1981-3031 O PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS AULAS DE JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS EM ESCOLAS DO CEAGB Wagner Tenorio Cavalcante Brito Medeiros¹ Eriberto José Lessa de Moura² RESUMO Existe um vasto

Leia mais

1º Congresso Internacional e 2º Congresso Brasileiro da Raça Girolando.

1º Congresso Internacional e 2º Congresso Brasileiro da Raça Girolando. 1º Congresso Internacional e 2º Congresso Brasileiro da Raça Girolando. Normas para elaboração do Resumo Expandido INFORMAÇÕES GERAIS 1) Os resumos expandidos e a ficha de inscrição devidamente preenchida

Leia mais

Plano de Aula MATEMÁTICA. Linhas e retas

Plano de Aula MATEMÁTICA. Linhas e retas Plano de Aula MATEMÁTICA Linhas e retas Linhas e retas. 14 p.; il. (Série Plano de Aula; Matemá ca) 1. Ensino Fundamental Matemá ca 2. Espaço e Forma 3. Educação Presencial I. Título II. Série CDU: 373.3:51

Leia mais

CONTATOS: Av. Central Bloco 990/1120 Lote 1020 Loja 02 Núcleo Bandeirantes Brasília DF Tel. 3386-2422 3386-6781 ATENDIMENTO:

CONTATOS: Av. Central Bloco 990/1120 Lote 1020 Loja 02 Núcleo Bandeirantes Brasília DF Tel. 3386-2422 3386-6781 ATENDIMENTO: Manual do Aluno 0 CONTATOS: Av. Central Bloco 990/1120 Lote 1020 Loja 02 Núcleo Bandeirantes Brasília DF Tel. 3386-2422 3386-6781 ATENDIMENTO: Horário de atendimento - Segunda a Sexta: 08h as 20h. - Sábado:

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

Programa de Formação em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura do Brasil

Programa de Formação em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura do Brasil Programa de Formação em Gestão Cultural para os Pontos de Cultura do Brasil Disciplina: AMBIENTAÇÃO EM EAD Professor: Bruno Oliveira A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CONTEXTOS NACIONAL E INTERNACIONAL Esta primeira

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE TUTORES PARA O CURSO DE FORMAÇÃO CO TI UADA, EM SERVIÇO, DOS GESTORES DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Edital n.

EDITAL PARA SELEÇÃO DE TUTORES PARA O CURSO DE FORMAÇÃO CO TI UADA, EM SERVIÇO, DOS GESTORES DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Edital n. EDITAL PARA SELEÇÃO DE TUTORES PARA O CURSO DE FORMAÇÃO CO TI UADA, EM SERVIÇO, DOS GESTORES DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Edital n.º 0006/2010 A Secretaria de Estado da Educação, por intermédio da Superintendência

Leia mais

Plano de Aula MATEMÁTICA. Geoplano, o mundo das figuras planas

Plano de Aula MATEMÁTICA. Geoplano, o mundo das figuras planas Plano de Aula MATEMÁTICA Geoplano, o mundo das figuras planas Geoplano. 09 p.; il. (Série Plano de Aula; Matemá ca) ISBN: 1. Ensino Fundamental - Matemá ca 2. Espaço e forma 3. Educação presencial I. Título

Leia mais

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos

DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos DECLARACAO UNIVERSAL dos Direitos Humanos 2 3 Artigo 1º, Direito à Igualdade Você nasce livre e igual em direitos como qualquer outro ser humano. Você tem capacidade de pensar e distinguir o certo do errado.você

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 24/2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia, na

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO FOMENTO PARA TICs NA EDUCAÇÃO

CURSO DE CAPACITAÇÃO FOMENTO PARA TICs NA EDUCAÇÃO CURSO DE CAPACITAÇÃO FOMENTO PARA TICs NA EDUCAÇÃO CHAMADA INTERNA Nº 01/2011-NEAD O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO comunica aos interessados a abertura de inscrições para o Curso de Capacitação Fomento

Leia mais

A Matemática entra em Campo

A Matemática entra em Campo A Matemática entra em Campo José AyslanCarlos Monteiro (1) ; RoselaniMaas (2) ; Sandra Aparecida Silva (3) ;Margaret Aparecida Carvalho (4) (1) Professor orientador de Educação Física da EEB Dr. Hermann

Leia mais

www.ucamprominas.com.br 0800 283 8380 Email: faleconosco@ucamprominas.com.br O conhecimento pode mudar a sua vida... No seu tempo, do seu jeito

www.ucamprominas.com.br 0800 283 8380 Email: faleconosco@ucamprominas.com.br O conhecimento pode mudar a sua vida... No seu tempo, do seu jeito O conhecimento pode mudar a sua vida... No seu tempo, do seu jeito Email: faleconosco@ucamprominas.com.br Whats App: (31) 9 7527-3311 / 9 9442-1114 / 9 7527-3231 www.ucamprominas.com.br 0800 283 8380 Portaria

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNESP FRANCA Dispõe sobre o cumprimento da carga horária das Atividades de Estágio Supervisionado

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 3 cm As medidas em cm são referentes à BORDA SUPERIOR da Folha. A configuração das margens da página deve ser a seguinte: superior e esquerda 3 cm; inferior e direita 2 cm. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Capítulo I - Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Capítulo I - Das Disposições Gerais REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Dispõe sobre o Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Psicologia da Faculdade AUM. Capítulo I - Das Disposições Gerais Art. 1º. Este Regulamento dispõe

Leia mais

BLOGS MATEMÁTICOS: POSSIBILIDADES DOS MODOS DE SER ALUNO E SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA NA CONTEMPORANEIDADE

BLOGS MATEMÁTICOS: POSSIBILIDADES DOS MODOS DE SER ALUNO E SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA NA CONTEMPORANEIDADE BLOGS MATEMÁTICOS: POSSIBILIDADES DOS MODOS DE SER ALUNO E SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA NA CONTEMPORANEIDADE GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Grace Da Ré Aurich,

Leia mais

Plano de Aula. Matemática. O abaco: os números também têm regras AVALIAR, REVISAR COMPARTILHAR, SOCIALIZAR CRIAR, PRODUZIR PLANEJAR, ORGANIZAR

Plano de Aula. Matemática. O abaco: os números também têm regras AVALIAR, REVISAR COMPARTILHAR, SOCIALIZAR CRIAR, PRODUZIR PLANEJAR, ORGANIZAR Plano de Aula Matemática O abaco: os números também têm regras AVALIAR, REVISAR COMPARTILHAR, SOCIALIZAR CRIAR, PRODUZIR CODINTERAÇÃO PROBLEMATIZAR, REFLETIR, CONTEXTUALIZAR IDENTIFICAR OBJETIVOS PLANEJAR,

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: O DESAFIO DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES

EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: O DESAFIO DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES 1 EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: O DESAFIO DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES Ecivaldo de Souza Matos UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro ecivaldo@gmail.com RESUMO Este

Leia mais

A/C Diretores e Mantenedores:

A/C Diretores e Mantenedores: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAPIVARI Rua Regente Feijó, 773 Centro - CEP 13360-000 Capivari- SP Fones: (0XX19) 3491-9200 Fax

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE UMIRIM Rua Roldão Paraíba, 18 Centro Umirim Ceará CEP. 62.660-000 CNPJ.: 04.345.137/0001-39 CGF.: 06.920.501-9

CÂMARA MUNICIPAL DE UMIRIM Rua Roldão Paraíba, 18 Centro Umirim Ceará CEP. 62.660-000 CNPJ.: 04.345.137/0001-39 CGF.: 06.920.501-9 ATA DA 3ª SESSÃO ORDINÁRIA EXERCÍCIO 2014 DO BIÊNIO 2013/2014 -PRIMEIRO PERÍODO UMIRIM-CE. Aos Dezoito (18) dias do mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Quatorze (2014), na Câmara Municipal de Umirim-Ce,

Leia mais

Plano de Aula MATEMÁTICA. Juntando minha família

Plano de Aula MATEMÁTICA. Juntando minha família Plano de Aula MATEMÁTICA Juntando minha família Juntando minha família. 09 p.; il. (Série Plano de Aula; Matemá ca) ISBN: 1. Ensino Fundamental - Matemá ca 2. Número e Operações 3. Álgebra - Funcões I.

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DO RIO. Fluxus - Controle de Documentos e Processos Administrativos, Físicos e Virtuais

JUSTIÇA FEDERAL DO RIO. Fluxus - Controle de Documentos e Processos Administrativos, Físicos e Virtuais JUSTIÇA FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Fluxus - Controle de Documentos e Processos Administrativos, Físicos e Virtuais Existe duas possibilidades de cadastramento de um documento virtual: A partir de um

Leia mais

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP José Luiz Müller 1 RESUMO Marion Machado Cunha 2 Exte texto tem como objetivo central

Leia mais

Junho / 2011 Ano 10 nº 142

Junho / 2011 Ano 10 nº 142 REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO, DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO E DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO NÚCLEO DAS LICENCIATURAS CONVÊNIO PARFOR Junho / 2011 Ano 10 nº 142...1 FICHA

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 011 / 2014 DSEI Kayapó Mato Grosso A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa

Leia mais

Curso de Tecnologia em Marketing. Manual. Projeto Integrador

Curso de Tecnologia em Marketing. Manual. Projeto Integrador Curso de Tecnologia em Marketing Manual Projeto Integrador Ano: 2015 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Integrador I... 5 2.2 Projeto Integrador II e III...

Leia mais

O TRIBUNAL INFORMA A IMPLEMENTAÇÃO DE NOVAS FUNCIONALIDADES NO SISTEMA DE PETICIONAMENTO ELETRÔNICO DO TRT DA 18ª REGIÃO E-PETIÇÃO.

O TRIBUNAL INFORMA A IMPLEMENTAÇÃO DE NOVAS FUNCIONALIDADES NO SISTEMA DE PETICIONAMENTO ELETRÔNICO DO TRT DA 18ª REGIÃO E-PETIÇÃO. O TRIBUNAL INFORMA A IMPLEMENTAÇÃO DE NOVAS FUNCIONALIDADES NO SISTEMA DE PETICIONAMENTO ELETRÔNICO DO TRT DA 18ª REGIÃO E-PETIÇÃO. DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA NO E-PETIÇÃO A PARTIR DE 5/11/12 clique aqui

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Programa de extensão. Socioeducação.

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Programa de extensão. Socioeducação. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS A Utilização das TIC por Professores de Educação Física de Escolas Públicas da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul 1 Resumo Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu à distância da FAZU - Faculdades Associadas de

Leia mais

A Câmara Superior de Pós-Graduação CSPG da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Pós-Graduação CSPG da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVICO PUBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITARIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2015 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização,

Leia mais

ANEXO l. - Alimento e emoção (feito e enviado por email hotmail de última hora)

ANEXO l. - Alimento e emoção (feito e enviado por email hotmail de última hora) ANEXO l Trabalho realizado na EEEFM Coronel Gomes de Oliveira feitos no Google Docs envolveu 11 turmas de primeiro ano (oito turmas do matutino e três turmas do vespertino). O grupo (turma do 1 M01) do

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria. 1ª Versão Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE GESTÃO DE CONTRATOS 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2 - VISÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

Ano/Semestre de Estudo. Componente Curricular: Duração da Aula: Modalidade de Ensino:

Ano/Semestre de Estudo. Componente Curricular: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: OBSERVANDO O CÉU Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Ensino Fundamental / Séries Iniciais 3º Ano

Leia mais

Esporte Escolar: aspectos pedagógicos e de formação humana

Esporte Escolar: aspectos pedagógicos e de formação humana Motrivivência Ano XX, Nº 31, P. 132-142 Dez./2008 Esporte Escolar: aspectos pedagógicos e de formação humana Rosalvo Luis Sawitzki 1 Resumo O objetivo do estudo foi de investigar sobre a presença dos aspectos

Leia mais

EDITAL. Processo Seletivo de Candidatos aos Cursos de Graduação do Centro Universitário de Lavras-Unilavras Ingresso - 1º semestre de 2016

EDITAL. Processo Seletivo de Candidatos aos Cursos de Graduação do Centro Universitário de Lavras-Unilavras Ingresso - 1º semestre de 2016 EDITAL Processo Seletivo de Candidatos aos Cursos de Graduação do -Unilavras Ingresso - 1º semestre de 2016 A Reitora do -Unilavras Profa. Dra. Christiane Amaral Lunkes Argenta e o Pró-Reitor de Ensino,

Leia mais

Produto da dissertação "A História da Matemática e o Blog na formação inicial do professor"

Produto da dissertação A História da Matemática e o Blog na formação inicial do professor UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL Produto da dissertação "A História da Matemática e o Blog na formação inicial do professor"

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Elaboração: Bruno Márcio Agostini, M. Sc. São João del Rei - MG Julho de 2010 TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PRELIMINARES O presente

Leia mais

LIGA PAULISTANA DE FUTEBOL AMADOR

LIGA PAULISTANA DE FUTEBOL AMADOR COPA LIGA PAULISTANA REGULAMENTO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - Este Regulamento é o conjunto das disposições que regem a Copa Liga Paulistana. Artigo 2º - A Copa tem por finalidade promover

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do senhor urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Em busca das cores. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) Episódio explora de maneira

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

COPA FEEVALE - 11ª EDIÇÃO - 2015

COPA FEEVALE - 11ª EDIÇÃO - 2015 COPA FEEVALE - 11ª EDIÇÃO - 2015 OBJETIVOS - PROMOVER UMA COMPETIÇÃO COM CUSTOS BAIXOS; - PROPORCIONAR JOGOS EM AMBIENTES FAVORÁVEIS AO CRESCIMENTO TÉCNICO, TÁTICO E EMOCIONAL, UTILIZANDO O ESPORTE COMO

Leia mais

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS Plataforma dos Centros Urbanos SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS PARTICIPATIVAS DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO Este relatório sintetiza os dados consolidados do processo de consulta participativa, realizado

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE

Faculdade de São Paulo. Regimento do ISE Faculdade de São Paulo Regimento do ISE 2 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO (ISE) Art. 1. O Instituto Superior de Educação ISE é o órgão responsável pela supervisão dos cursos de licenciatura, zelando pela

Leia mais

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC 7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC Processo de Trabalho e Qualificação Profissional do médico APS PROVAB / Lei 12.871

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS DIRETORIA GERAL DO CAMPUS MANAUS CENTRO DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 50/2013 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado

Leia mais

FRAÇÕES TÓPICOS TEÓRICOS E DIDÁTICOS 19-21 de maio de 2015

FRAÇÕES TÓPICOS TEÓRICOS E DIDÁTICOS 19-21 de maio de 2015 1 FRAÇÕES TÓPICOS TEÓRICOS E DIDÁTICOS 19-21 de maio de 2015 1 O QUE SÃO FRAÇÕES? Informalmente, frações são representações de quantidades obtidas pela adição de partes de uma quantidade inteira. No nível

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula OS DIAS, AS NOITES E AS ESTAÇÕES DO ANO. Ensino Fundamental/Anos Iniciais. 2º Ano. Ciências. Vida e meio ambiente

TÍTULO: Plano de Aula OS DIAS, AS NOITES E AS ESTAÇÕES DO ANO. Ensino Fundamental/Anos Iniciais. 2º Ano. Ciências. Vida e meio ambiente Org.: Claudio André - 1 Autora: Maria Silva TÍTULO: OS DIAS, AS NOITES E AS ESTAÇÕES DO ANO Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Ensino Fundamental/Anos Iniciais 2º Ano Componente Curricular: Ciências

Leia mais

30 DE NOVEMBRO DIA DA CONECTIVIDADE GUIA PRÁTICO PARA ORGANIZAR O DIA DA CONECTIVIDADE NA SUA ESCOLA. Vamos nessa?

30 DE NOVEMBRO DIA DA CONECTIVIDADE GUIA PRÁTICO PARA ORGANIZAR O DIA DA CONECTIVIDADE NA SUA ESCOLA. Vamos nessa? 30 DE NOVEMBRO DIA DA CONECTIVIDADE GUIA PRÁTICO PARA ORGANIZAR O DIA DA CONECTIVIDADE NA SUA ESCOLA Vamos nessa? 1. Missão da Campanha A mobilização Internet na Escola tem um pedido simples: investimento

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: SÍLABAS Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano Língua Portuguesa Gramática 2 aulas

Leia mais

I - RELATÓRIO: 7137/2013, de 04/11/2013 PARECER CEE/PE Nº 113/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 21/10/2013

I - RELATÓRIO: 7137/2013, de 04/11/2013 PARECER CEE/PE Nº 113/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 21/10/2013 INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA SER MAIS - RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICO EM MECÂNICA E TÉCNICO

Leia mais

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO LUGARES DE APRENDER: A ESCOLA SAI DA ESCOLA DO PROGRAMA CULTURA É CURRÍCULO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Resultado de esterilização com o uso do fotocatalisador. 盛 和 工 業 株 式 会 社 Seiwa Industry Co. 環 境 機 器 部 Departamento de Ecologia

Resultado de esterilização com o uso do fotocatalisador. 盛 和 工 業 株 式 会 社 Seiwa Industry Co. 環 境 機 器 部 Departamento de Ecologia 光 触 媒 環 境 浄 化 装 置 による 除 菌 効 果 Resultado de esterilização com o uso do fotocatalisador 盛 和 工 業 株 式 会 社 Seiwa Industry Co. 環 境 機 器 部 Departamento de Ecologia Avaliação do resultado de esterilização através

Leia mais