RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR, DESENVOLVIDO NO HOTEL AREIAS BRANCAS- ROSÁRIO DO SUL (2011) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR, DESENVOLVIDO NO HOTEL AREIAS BRANCAS- ROSÁRIO DO SUL (2011) 1"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR, DESENVOLVIDO NO HOTEL AREIAS BRANCAS- ROSÁRIO DO SUL (2011) 1 LIMA, Simone REIS, Tatiane Relatório de Estágio Curricular Supervisionado Hotel Areias Branccas- Rosário do Sul 2 Acadêmica do Curso de Turismo do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Professor Orientador RESUMO O presente artigo tem como objetivo o relato da vivencia no meio hoteleiro, proporcionada pela disciplina de Estagio Curricular I, do Centro Universitário Franciscano-UNIFRA, no sétimo semestre do curso de Turismo. O estágio curricular I é a possibilidade de se adquirir experiências, fora do âmbito da sala de aula, o qual eleva o aluno a se preparar para enfrentar o mercado de trabalho. O estágio não remunerado foi realizado na cidade de Rosário do Sul, no Hotel Areias Brancas, onde se trabalhou 68 horas nos setores que o hotel possui, bem como recepção, lavanderia, cozinha e governança. Em todos estes setores foram executadas as atividades na integra. Foi mais do que uma experiência de observação, a acadêmica realizou o mesmo trabalho dos colaboradores com a supervisão da gerente do hotel. Palavras -chave: Estágio Supervisionado, Turismo, Hotelaria, Qualidade dos serviços. 1. INTRODUÇÃO O Turismo é influenciado por inúmeras variáveis as quais possibilitaram o seu desenvolvimento qualificado, tais como os serviços e equipamentos de hospedagem os quais são elementos essenciais para o excelente desempenho desta atividade. Para se compreender as dinâmicas dos meios de hospedagem é preciso analisá-los sob um contexto mais amplo, transcendendo o operacional, as estatísticas e os termos técnicos. É fundamental incorporá-los no âmbito de uma economia globalizada, exigente e competitiva, sendo estes entendidos não apenas como acomodação e abrigo, mas também como o próprio atrativo. A excelência da hospedagem é o alicerce para o sistema turístico, uma vez que os prestadores de serviços desta área precisam estar preocupados com o bem receber, permanecendo atentos às necessidades e reivindicações para melhorar o serviço. Para tanto é fundamental investir na formação acadêmica ou ainda técnica dos 1

2 colaboradores, de forma a qualificar os serviços, visto que a sobrevivência da empresa está vinculada a maneira com que os colaboradores tratam os hóspedes, pois eles precisam ser prestativos, uma vez que o cliente encontra-se fora da sua zona de conforto e precisa de atenção para se sentir acolhido. 2. TURISMO E OS MEIOS DE HOSPEDAGEM O turismo é uma atividade realizada pelos homens em sociedade não podendo ser pensado a partir de um indivíduo e de um processo isolado, em especial no momento da elaboração de um conceito da atividade. Como presteza da pelos homens em sociedade, tem um formidável grau de imprecisão. A relação entre as pessoas é que possibilita o desenvolvimento do turismo. Neste sentido, esta relação não se da apenas no contato dos indivíduos em determinado espaço turístico, ou seja, na própria configuração do produto há o envolvimento de diferentes indivíduos. Para La Torre, que compreende este processo como um fenômeno, este o define: É o fenômeno social que consiste no deslocamento volun e temporário de indivíduos ou grupo de pessoas que, fundamentalmente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem de seu local de residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa, nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural (DE LA TORRE, 1992, p.19). Para que este conceito se efetive nas práticas da atividade, compreende-se a necessidade da disponibilidade de equipamentos e serviços, os quais fazem a parte do sistema turístico. Neste sentido, segundo Beni (2002), a atividade turística e compreendida pela analise de um sistema, onde o mesmo se divide em e desenvolvimento turístico, lazer e entretenimento, t categorias: políticas públicas no meio rural, hospedagem e alimentação, planejamento e organização de eventos, agenciamento de viagens e transportes e marketing turístico. Entretanto, para que este seja entendido em sua totalidade, estas categorias devem estar relacionadas dinamizadas ao mesmo tempo. Percebe-se, desta forma, que Beni e De La Torre se aproximam a um entendimento no quesito de que o turismo não ocorre a partir de um homem isolado e sim em um processo de totalidades. Para que as relações se desenvolvam em sua plenitude é fundamental que o tripé proposto por Beni (2002), o qual contempla transporte, hospedagem e agenciamento, caminhe inter relacionado para que o turismo possa ser considerado na sua dinâmica. 2

3 O sistema de turismo está relacionado por diversos outros sistemas, maiores em um espaço que está em verdadeira mutação e se faz presente por intervenção de fatores sociais, políticos, culturais, tecnológicos, ambientais e econômicos. De acordo com a Organização Mundial de Turismo OMT (2001), o turismo está subdividido, e a partir dos conhecimentos do Beni essas divisões também chamadas de categorias se separam para formar os diferentes segmentos do complexo turístico. Ainda nessa mesma concepção a OMT faz uma releitura, onde o turismo está dividido em subsetores: hotelaria, transporte, alimentação dentre outros; é ntada por um numeroso dinamismo e linha essencial da economia nacional; cria lucros admiráveis na economia, assim como impactos positivos sobre os demais setores da economia. É contemporâneo o reconhecimento quanto ao Turismo se desenvolver em localidades que possuem atrativos e recursos próprios, os quais são suficientes para o desenvolvimento da atividade dinamizando a economia local. Segundo o pressuposto da dinamização do turismo que contempla a geração de renda e emprego, estes acabam por motivar e modificar as atitudes e estilos de vida da comunidade, o que resulta em novos padrões comportamentais. Na perspectiva de garantir êxito no mundo global ou pós-moderno, estes padrões necessitam ser alinhados a um planejamento que possibilite uma conscientização ambiental, social e cultural por parte da sociedade. Os serviços e equipamentos, assim como o turismo, buscam uma melhoria dos recursos para destacar e garantir o espaço de empreendimentos no mercado, visto que a simples oferta de cama e banho para o descanso dos hóspedes já não é mais suficiente. Este novo perfil de cliente esta cada vez mais exigente, pois conhece seus direitos e sabe o quanto está pagando pelo serviço prestado pela empresa. Nesse sentido, a malha hoteleira trabalha diariamente o contentamento do cliente, buscando prestar um atendimento personalizado, para a satisfação das motivações e necessidades. A hospedagem é um somatório de bens e serviços que atendem às necessidades e preferências dos hóspedes. Este setor b satisfazer as expectativas de acomodação das pessoas que por algum motivo estão fora de seus domicílios e por necessitam de um local para se abrigar, algo que proporcione conforto e bem estar, independente do tipo de turismo que as pessoas pratiquem (CASTELLI, 2006). A rede hoteleira nacional vem tendo crescente expansão, com estabelecimentos de diferentes portes e com a entrada de grandes redes internacionais, secundada por investimentos internos, inclusive dos fundos de pensão. São hotéis de turismo de alto 3

4 padrão e, também agora, mais econômicos, para o turismo interno e para o de negócios em cidades pequenas e médias, com fluxo de funcionários de empresas 1. Conforme a resolução normativa da Embratur, do seu artigo 5 considera-se empresa hoteleira a pessoa jurídica que explore ou administre meio de hospedagem e que tenha em seus objetivos sociais o exercício da ativida hoteleira, observando o artigo 4 do decreto n , de 15 de julho de 1980 (LIMA, 2003). É importante atentar que a oferta hoteleira, não diz respeito somente às estruturas físicas, que compõem o hotel, é fundamental analisar o tipo de atendimento prestado, se está de acordo com as características do hotel e do que ele se propõe frente ao cliente, bem como o perfil dos hóspedes que o hotel busca alcançar. Sendo assim, a hotelaria é fruto de serviços, aos quais está implícito a parte econômica para que ela se efetive. Empresa hoteleira pode ser compreendida como indústria que oferece serviços que mediante ao pagamento de diárias, vende alojamento e a mentação a pessoas sem discriminação alguma. (CASTELLI, 2000), sendo composta por alguns produtos tangíveis, tais como: bebidas, cama, móveis, lençóis e travesseiros. Entretanto, quando um serviço é ofertado com certo grau de qualidade, este provavelmente se deve a intangibilidade daquilo que está sendo ofertado, nesse caso destacam-se os serviços de atendimento ao cliente e os diferencias do bem receber. Castelli (1991) define os meios de hospedagem como centros de produção, que irão produzir vários produtos característicos de hotelaria. O produto hoteleiro é a denominação dada aos serviços que um hotel está em condições de oferecer e colocar a disposição de seus clientes. Assim, tem o compromisso de acolher o visitante, oferecendo acomodações de qualidade, o que implica na necessite de se obter um conjunto de setores que quando bem relacionados, dinamizados e comprometidos com a qualidade dos serviços prestados, esteja de acordo com as expectativas de seus hóspedes. Estender os serviços básicos de hospedagem a uma receptividade acolhedora, instituindo uma preocupação com os desejos e anseios dos hóspedes, pode ser o medidor da balança neste processo de mudança. Esta transformação não passa apenas por investimentos financeiros, vai, além disso, submerge a qualificação de mão-de-obra e, acima de tudo, a retomada de cultura com rompimento de preconceitos e costumes. 1 Revista Época, ano I, nº 5, de

5 3. METODOLOGIA O presente artigo é resultado do Estágio Supervisionado I realizado no Hotel Areias Brancas na cidade de Rosário do Sul, nos setores de recepção, governança, lavanderia e cozinha. A atividade ocorreu de 21 de Janeiro de 2011 a 7 de Fevereiro de 2011, totalizando 68 horas, carga horário diária de 6 horas, das 07 horas as 13 horas, com intervalo de 15 minutos para o café da manhã, disponibilizado pelo hotel. O estágio foi realizado na alta temporada, onde o hotel recebe um grande número de turistas argentinos e uruguaios. No período de observação constatou-se a ocupação máxima e reservas do dia seguinte em preenchimento acelerado. O estágio contou com a orientação da professora Tatiane Reis, e com a supervisão da Sra. Sara Pessano, uma das sócias do Hotel Areais Brancas, a qual não tem uma função fixa colaborando com os funcionários nas atividades diárias do estabelecimento. A metodologia utilizada no Estágio Curricular I, do ponto de vista dos procedimentos técnicos, foi à pesquisa participante (Gil, 1991) quando se desenvolve a partir da interação entre o pesquisador e os membros das situações investigadas. 4. DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO 4.1 DIAGNOSTICO A recepção nos meios de hospedagem é responsável pelo atendimento no balcão, de reservas, hospedagem direta, atendimento ao telefone, de fax, respostas aos s, conferencia do frigobar e estoque de mercadorias, fechamento de conta e de caixa e limpeza da recepção. Neste setor foi efetuado o atendimento de clientes, por meio da identificação pessoal da seguinte forma: Hotel Areias Brancas, bom dia. As atividades iniciavam-se às 7h, com o auxilio nos procedimentos de che ck out, seguidos da conferencia de e folhas de controle de reservas. A disponibilidade para os dias tarifário requerido pelo cliente eram checados de acordo com a data solicitada. Realizavam-se ligações para os hóspedes transferindo-as para os apartamentos por meio de um código de números internos. A limpeza do setor também e de competência do recepcionista, onde se realizou a limpeza do balcão e do chão. A limpeza do hall de entrada e da recepção é feita com panos úmidos com produtos desinfetantes. Após limpeza o pano fica na recepção e no final do dia é entregue a camareira para que ela leve a lavanderia. 5

6 O fechamento das contas era realizado a partir do tarifário incluindo as despesas extras do cliente, anexadas na ficha pelo recepcionista do turno da noite, facilitando assim os procedimentos de check out 2. A conferencia dos frigobares é feita pela camareira momento da higienização dos apartamentos, a qual repassa o consumo por meio do rádio informando ao recepcionista que referenda no caderno de controle para posterior reposição das bebidas. As reservas são realizadas a lápis e quando o cliente é passada a caneta, quando o hóspede é argentino tem no máximo até as 20h30min para o check in 3, caso contrário a diária inicia às 12h e termina às 12h do outro dia. Ao final do dia a ficha, juntamente com o caixa e as notas do dia, vai para a a ministração, a qual faz a contabilidade do dia. O hotel dispõe de 41 apartamentos divididos nas categorias standart, semi-luxo e luxo. Para a limpeza dos apartamentos temos duas camareiras sendo que cada uma limpa 21, e 20 apartamentos respectivamente. As camareiras chegam ao hotel por volta das 08h30min, às chaves dos apartamentos que já tiverem desocupados já são levadas por elas, as quais colocam seus uniformes e começam a tirar o enxoval de todos os apartamentos. O hotel tem em média duas peças extras de roupa de cama para cada apartamento. Os hóspedes que precisam que suas roupas sejam lavadas deixam avisado na recepção, o recepcionista faz um lembrete e o anexa na chave do apartamento para que a camareira não esqueça de lavar. Quando o hóspede retorna a roupa esta lavada e passada, tendo cada peça de roupa um custo fixo. A dinâmica de limpeza dos apartamentos é realizada da nte forma: os lençóis são colocados na cama de maneira envelope onde o lençol de cima é colocado rente a cabeceira da cama e o travesseiro fica sem fronha posta a qual fica encima da cama para a colocação do próprio hospede. Enquanto o apartamento é limpo os travesseiros ficam dependurados na janela para pegar sol. Retira-se o pó dos móveis com um pano seco. O carpete não é aspirado todos os dias, pois segundo as as não dispõem de tempo. A limpeza dos banheiros é feita com produtos químicos, as toalhas são postas na alça do Box dobradas em três partes e a de rosto colocada no suporte ao lado do pia. Cada apartamento recebe dois sabonetes cortesia com a embalagem persona da do hotel Areias Brancas. O hotel não tem distinção de apartamentos de fumantes e fumantes, o odor dos apartamentos é eliminado com produto aromatizante doméstico, deixando o apartamento arejado até sua locação. 2 É utilizado na rede hoteleira, para designar a saída do hóspede. 3 É o primeiro passo que o hóspede faz ao chegar o hotel. Procedimento de apresentação no balcão do hotel. 6

7 No setor de lavanderia realizou-se a lavagem, secagem e passagem das roupas. As camareiras trazem dos apartamentos os enxovais sujos e jogam no chão na frente da lavanderia. Os lençóis são lavados todos juntos em uma máq industrial. Após as toalhas de banho. Os tapetes de banheiro são lavados primeiramente em um tanque e depois colocados na máquina. As roupas dos clientes muitas vezes são colocas na máquina após os tapetes do banheiro. Os lençóis são estendidos sem prendedores para que não aja marca, de preferência já pendurados na sombra para que não se desgastem tanto. O hotel dispõe de calandra a gás para passar os enxovais. A rouparia mais nova e com broderi vai para os apartamentos de luxo, os lençóis em estado intermediários de conservação ficam para os semi-luxo e os apartamentos s tandart podem receber lençóis comprometidos. O hotel oferece café da manhã incluso na diária, destacando-se pela variedade de bolos e pães, frutas, frios, iogurte, café, leite e sucos. procedimentos referentes ao café da manha foram apenas acompanhados, sem participação efetiva da estagiaria. Após as 10h30min a cozinheira disponibiliza sanduíches naturais que ficam na cozinha auxiliar a disposição dos hóspedes, uma vez que o hotel não possui serviço de almoço. O hotel não tem sinalização para o café da manhã e nem de indicação dos apartamentos. 4.2 PROGNOSTICO Com referencia a empresa e as dinâmicas desenvolvidas meio do Estágio Supervisionado I, percebeu-se que o perfil dos hóspedes do Hotel Areias Brancas é de argentinos que viajam em direção as praias de Santa Catarina, utilizando o hotel como paradouro de descanso. Hospedam-se ainda, representantes comerciais que fazem uso do empreendimento pelo menos uma vez por semana para fins profissionais. Estes hóspedes possuem uma tarifa diferenciada por sua freqüente utilização. Com relação às reflexões feitas por meio das práticas supervisionadas nos diferentes setores do hotel, algumas considerações fazem-se necessárias. O número de funcionários deve ser compatível ao tamanho do hotel e sua taxa ocu. Entretanto, o hotel Areias Brancas possui três recepcionistas e um auxiliar de recepção, que desempenham mais funções do que as especificas do setor de recepção, comprometendo a efetiva realização das atividades bem como o suporte aos demais departame do hotel. Cada colaborador trabalha 8 horas por dia e tem uma folga por semana. O hotel não dispõe de mapas e materiais informativos, os quais seriam de grande importância, em especial, aos inúmeros hóspedes estrangeiros. A falta de conhecimento de líng estrangeiras, particularmente do inglês e espanhol é um fator relevante. 7

8 Os colaboradores não possuem formação nas áreas de Turismo e Hotelaria, tendo conhecimento das competências de cada setor na pratica das atividades, o que vem a dificultar o desempenho profissional necessário para o bem receber do hóspede. Destaca-se neste aspecto a gentileza na abordagem aos hóspedes. O perfil ideal de recepcionista seria uma pessoa bem articulada, discreta, bilíngüe, pontual, que se preocupe com a aparência, vocação para servir, seja respeitoso, dedicado e que saiba ouvir, afinal é na recepção que as reclamações ou elogios são feitos. No hotel em questão o recepcionista tem inúmeras outras funções além dessas, o permite a inferência de que há a necessidade de mais colaboradores neste setor, embora o hotel seja de pequeno porte. Sugere-se um investimento com um sistema de reservas informatizado, o que vai dar mais liberdade ao recepcionista e mesmo poderá ser utilizado em outras funções. O mesmo sistema pode auxiliar no controle de materiais e bebidas, o qual poderá ter mais precisão evitando erros. Aos cuidados de higienização, relações interpessoais e padronização dos uniformes, soma-se a qualidade no atendimento. As dinâmicas deste setor tornam-se de grande importância por este local e os colaboradores que nele atuam, serem a primeira imagem do empreendimento. O setor de governança é um departamento que se ocupa basicamente da arrumação dos apartamentos, com a lavanderia, rouparia e com a limpeza em geral. A governanta deve conhecer minuciosamente as normas estabelecidas pela d do hotel e conhecer até onde vai sua autoridade e responsabilidade, bem como saber delegar funções a seus subordinados. O hotel Areias Brancas não tem uma governanta apenas dispõe de duas camareiras e uma auxiliar que faz parte da cozinha, sendo solicitada para auxiliar no processo de limpeza dos apartamentos quando necessário. Como cada camareira organiza um grande número de apartamentos. Acredita-se ser interessante incluir em cada apartamento um saco plástico com formulário de informação destinado as roupas sujas que os hóspedes pretendem encaminhar há lavanderia. Outra sugestão seria os lembretes colocados nas portas de Arrum ar, por favor, pois é uma alternativa para que não haja intromissão das camareiras nos apartamentos, constrangendo os hóspedes. Os apartamentos devem seguir uma ordem de arrumação, uma vez retirado todo o enxoval sujo é hora de começar a higienização para que ele possa ser disponibilizado a locação o mais rápido possível para que o hotel não perca dinheiro e nem hóspede. Seguindo um cronograma de arrumação dos apartamentos pensa-se que poderia ser executado da seguinte maneira: entra-se no apartamento, recolhem-se as toalhas e lençóis sujos, limpam-se as paredes e pisos, se limpa o vaso sanitário, pia, ralos e outros 8

9 acessórios, coloca-se desinfetante no vaso sanitário, repõem-se as toalhas e demais objetos como sabonetes. Posteriormente estendem-se as camas, limpam-se os moveis e equipamentos: janelas, cortinas, telefones, abajour, aspira-se o carpete, utilizando produtos para a remoção de manchas quando aparecerem, fecha-se janelas e cortinas e finalmente verifica-se a organização final do apartamento, desliga-se a luz e fecha-se a porta entregando a chave na recepção e colocando o apartamen na locação novamente. Os colchões poderiam ser revestidos com uma capa plástica, bem como os travesseiros, pois é uma alternativa de conseguir fazer uma melhor higienização, não colocando o hóspede em uma situação desagradável. A lavanderia é um setor muito importante. O hotel Areias Brancas possui sua própria lavanderia com máquinas industriais, secadora e calandra. As roupas de cama quando chegam à lavanderia são jogadas no chão, o qual está molhado pela rotatividade de lavagens. É preciso destinar um lugar para colocar essas roupas sujam que não seja o chão que está mais sujo ainda, bem como as toalhas. Os tapetes de banheiro são enrolados as roupas de cama e toalhas, o que não é um procedimento vel visto que tapetes de chão possuem vermes e bactérias que são transmitidas na hora que são recolhidos os enxovais. As roupas dos hóspedes devem ser lavadas há mão, com produtos domésticos para a conversação das peças, mantendo-as da mesma maneira que foram entregues. As roupas que são levadas para lavar dos hóspedes têm que serem o doméstico. Os produtos da lavanderia são armazenados juntamente com colchões extra, televisões velhas e produtos de estoque do hotel, assim sendo é preciso ter uma divisão destes materiais. Por fim, sugere-se a elaboração de placas de sinalização para dentro do hotel, possibilitando uma maior autonomia dos hóspedes, os quais poderão se locomover seguindo as placas. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estagio realizado no meio hoteleiro Areias Brancas, na cidade de Rosário do Sul, possibilitou a constatação de que o empreendimento necessita atentar para alguns aspectos, visando a melhoria do hotel. Neste sentido, destaca-se o entendimento de uma especial atenção a estrutura física, enxovais dos apartamentos, coordenação dos colaboradores e higienização do hotel como um todo. Verificou-se que o hotel não dispõe de nenhuma UHs adaptada para deficientes físicos, sugerindo-se que na reforma do mesmo este inclua tal acessibilidade. 9

10 O hóspede está cada vez mais exigente e para melhor atender estes clientes os empresários devem preparar seus colaboradores (funcionários) para o bom desempenho de suas funções mantendo-os sempre em condições de melhor executá-las, para tanto se torna fundamental investir em treinamentos. Para que Rosário do Sul consiga captar turistas é preciso ser competitivo, definir uma estratégia de diferenciação e implementação de ações que vão gerar a vantagem competitiva que a cidade precisa para fortalecer sua imagem no mercado turístico e desta forma atender ou mesmo superar as expectativas da dema da. Para finalizar, conclui-se que se fazem necessárias ações periódicas, visando orientar os gestores de estabelecimentos do setor quanto à realização de manutenções na estrutura física e da real necessidade de capacitar e atualizar de forma contínua os envolvidos na prestação de serviços, em especial no que se refere ao desempenho das funções atribuídas aos colaboradores. REFERÊNCIAS B IBLIOGRÁFICAS BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 6. ed. atual. São Pau SENAC, p. CASTELLI, G. Excelência em hotelaria. Rio de Janeiro: Qualitymark, Administração hoteleira. 7. ed. Caxias do Sul: Educs, Administração hoteleira. 9. ed. Caxias do Sul: Educs, Gestão hoteleira. São Paulo: Saraiva, DE LA TORRE, F. Administração hoteleira, parte I: departamentos. São Paulo: Roca, p. EMBRATUR, LIMA Josael Jairo S. Turismo Sustentável, alternativa de desenvolviemnto Local e conservação ambiental. Uma análise interdisciplinar do Prodetur- CE. Fortaleza 2003 OLIVEIRA, M. A. R. G. Ampliando a visão sobre a governança: características, atribuições e importância do setor. In: TRIGO, L. G. G. (editor); Disponível em: acessado em 10 de Maio de 2011 OMT, Introdução ao Turismo, São Paulo, Ed. Roca,

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos.

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos. saída; Meios de Hospedagem Os meios de hospedagem oferecerão ao hóspede, no mínimo: I- Alojamento, para uso temporário do hóspede, em unidades habitacionais(uh) específicas a essa finalidade; II - serviços

Leia mais

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada -

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - PROGRAMA INTERINSTITUCIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM HOSPITALIDADE E LAZER Proponentes: Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I e II Orientações aos Alunos Julho de 2010 NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Supervisionado I e II são disciplinas integrantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA. Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede.

Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA. Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede. Regulamento BEM VINDOS A POUSADA LA VILLA Para sua maior tranquilidade e conforto apresentamos o manual do hospede. Recepção: HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO da recepção dás 8:00 às 12:00 e 13:00 às 18:00. DO

Leia mais

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo.

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo. 1 Regulamento Interno Este regulamento define regras e procedimentos para o pleno entendimento entre Hóspedes e a Administração do Hotel, lembrando que o bom senso e o respeito mútuo constituem as melhores

Leia mais

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO Esta Carta de Compromisso expressa o propósito de seus signatários anfitriões cariocas e os agentes profissionais que os representam de oferecer hospedagem

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO HOTEL ESCOLA VILA DOM BOSCO CAMPOS DO JORDÃO SP

PROGRAMA DE ESTÁGIO HOTEL ESCOLA VILA DOM BOSCO CAMPOS DO JORDÃO SP PROGRAMA DE ESTÁGIO HOTEL ESCOLA VILA DOM BOSCO CAMPOS DO JORDÃO SP Prática Profissional - Possibilitar a vivência prática operacional dos alunos no hotelescola preparando-os tecnicamente para o exercício

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES. PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL EMPREGADO/A DE ANDARES PERFIL PROFISSIONAL Empregado/a de Andares Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) - HOTELARIA,

Leia mais

Utilizando o Guia de Avaliação de Hotel e Pousada

Utilizando o Guia de Avaliação de Hotel e Pousada Utilizando o Guia de Avaliação de Hotel e Pousada Para auxiliá-lo no correto preenchimento do Guia de Avaliação, seguem alguns esclarecimentos: O guia é composto por campos de preenchimento por extenso,

Leia mais

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE

www.redeadm.com.br Fortaleza-CE www.redeadm.com.br Fortaleza-CE 03 Conhecendo a RAH. Seu hotel, flat ou condomínio em ótimas mãos. Com a RAH Rede Administradora Hoteleira, você tem à sua disposição uma empresa que garante a melhor administração

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1

POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1 POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1 DENARDIN, Vanessa Cibele Cauzzo 2 REIS, Tatiane 3 1 Relatório de Estágio Curricular Supervisionado Pousada Japeju, Capão da Canoa, RS, Brasil.

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

CENTRO INVIOLÁVEL DE TREINAMENTO. Manual de Orientação

CENTRO INVIOLÁVEL DE TREINAMENTO. Manual de Orientação CENTRO INVIOLÁVEL DE TREINAMENTO Manual de Orientação FINALIDADE Esse documento tem o propósito de orientá-lo a respeito dos treinamentos ministrados no CIT em Francisco Beltrão Pr. INVIOLAVEL Fundada

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ Área: TURISMO SOUZA Janaína Terezinha de MASCARENHAS, Rubia Gisele Tramontin Resumo A atividade turística está ligada

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

Para melhorar cada vez mais o empreendimento, estamos em processo contínuo de progresso para

Para melhorar cada vez mais o empreendimento, estamos em processo contínuo de progresso para Março/2011 - nº 07 Golden Tulip Brasília Alvorada Balanço de 2010 do Pool e dos Condomínios Para melhorar cada vez mais o empreendimento, estamos em processo contínuo de progresso para oferecer um local

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA Adevair Aparecido Dutra Junior 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Resumo: O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N 0084/2014 OBJETO: Contratação de empresa(s) especializada(s) para prestação de serviços de lavanderia para o Sesc Paracatu, por um período de 12(doze) meses.

Leia mais

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer A hospedagem no Arraial do Conto Hotel e Lazer é regida pelas seguintes condições: 1. Preenchimento da Ficha de Identificação: É obrigatório

Leia mais

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B GERENTE GERAL Sexo: Masculino ou Feminino Idade: entre 25 e 40 anos Escolaridade: ensino superior completo (Administração, contabilidade ou hotelaria)

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES?

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? INTRODUÇÃO Como uma consultoria em gestão hoteleira, a Mapie acredita no conhecimento como a principal ferramenta de desenvolvimento para empresas e profissionais do setor.

Leia mais

Hospede sua marca no único hotel funcional dentro da Equipotel

Hospede sua marca no único hotel funcional dentro da Equipotel Inspirado no sucesso do Espaço Gestão Cozinha Profissional, que há dois anos consolidou-se como sucesso de público e de visitação na FISPAL Food Service, a revista Hotelaria Profissional seguirá os mesmos

Leia mais

Hampton by Hilton um novo tipo de hotel econômico

Hampton by Hilton um novo tipo de hotel econômico Hampton by Hilton um novo tipo de hotel econômico Hampton by Hilton é um tipo de hotel totalmente diferente e inovador. Ele oferece todos os benefícios de pertencer a uma das mais famosas marcas de hotel

Leia mais

Turismo e hotelaria: práticas de estágio no hotel continental Santa Maria/RS

Turismo e hotelaria: práticas de estágio no hotel continental Santa Maria/RS Turismo e hotelaria: práticas de estágio no hotel continental Santa Maria/RS Yasmin Santos da Costa 1 Tatiane Brum de Oliveira Reis 2 Centro Universitário Franciscano Resumo: O presente artigo tem por

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

COSTAS MARIS POUSADA

COSTAS MARIS POUSADA COSTAS MARIS POUSADA Regras para efetivação de Reservas. 1 - Nossas diárias iniciam às 14:00hs e encerram às 12:00hs do dia seguinte com tolerância de 30 minutos após este período, será cobrada mais uma

Leia mais

AVALIACÃO DO SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA DO SUL RS 1

AVALIACÃO DO SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA DO SUL RS 1 AVALIACÃO DO SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA DO SUL RS 1 DELEVATI, M. 3 ; ROSA, I. 2 ; ORSOLIN, G. 2 ; PAVÃO, T.² 1 Trabalho desenvolvido

Leia mais

Hotelaria e Restauração

Hotelaria e Restauração Hotelaria e Restauração Código Carga UFCD UFCD Horária H 1755 Preparação de cremes de pastelaria e recheios 25 1760 Preparação de massas lêvedas especiais de pastelaria e padaria 50 1761 Preparação de

Leia mais

Tarifários especiais Vestibular Medicina - Petrópolis

Tarifários especiais Vestibular Medicina - Petrópolis Tarifários especiais Vestibular Medicina - Petrópolis Hostel 148 End.: Rua Alberto Torres nº 148 - Centro (24) 2246-5848 contato@hostel148.com.br www.hostel148.com.br Tarifas em dormitório coletivo: 02

Leia mais

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR A GUIMA CONSECO, fundada em 1988, tem no Controle de Qualidade a ferramenta que antecipa tendências e orienta seus procedimentos, na direção das expectativas e anseios de seus clientes, tornando-se assim

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO MÓDULO FRONT OFFICE

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO MÓDULO FRONT OFFICE GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO MÓDULO FRONT OFFICE FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA Todos os Direitos reservados (e-mail: felipe@novastecnologias.net msn: fdenis_natal@hotmail.com) O Gerhotel é um sistema de gerenciamento

Leia mais

Isabella relacionados à função. 02 27/08/09 Alterado o Título do cargo. Isabella 03 30/01/10 Alterado item 12. Isabella

Isabella relacionados à função. 02 27/08/09 Alterado o Título do cargo. Isabella 03 30/01/10 Alterado item 12. Isabella FUNÇÃO: Auxiliar Administrativo de Ponto de Venda PÁGINA: 1 de 5 ATRIBUIÇÃO OPERACIONAL AUXILIAR ADMINISTRATIVO I APLICAÇÃO: PONTOS DE VENDA Nº da Revisão Data da revisão Descrição da alteração Responsável

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

R$ 159,08 R$ 80,12 (4 a 12 anos) Plano Família. R$ 1.545,30 R$ 778,26 Standard Plano Família Com Vista para o Mar

R$ 159,08 R$ 80,12 (4 a 12 anos) Plano Família. R$ 1.545,30 R$ 778,26 Standard Plano Família Com Vista para o Mar Vila Galé Eco Resort do Cabo ENDEREÇO: Avenida Beira Mar, 750 Suape Recife/PE CONTATO: Sra. Debora Nascimento FONE: (0XX81)3527-7000 fax: (0xx81)3527-7050 VALIDADE DAS TARIFAS: 09 DE MARÇO A 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. PROGRAMAÇÃO DE CURSOS JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI VAGAS LIMITADAS www.ba.senac.br /senacbahia INFORMAÇÕES IMPORTANTES Os cursos

Leia mais

P R O P O S T A D E FRANQUIA

P R O P O S T A D E FRANQUIA P R O P O S T A D E FRANQUIA Conheça a Depil Out Com base na franca expansão do setor de prestação de serviços e acreditando nas perspectivas cada vez mais promissoras; após estudo minucioso de como seria

Leia mais

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 PACOTE ENTRADA SAÍDA DIÁRIAS DEZEMBRO 30/11/2011 QUA 05/12/2011 SEG 5 07/12/2011 QUA 12/12/2011 SEG 5 14/12/2011 QUA 19/12/2011 SEG 5 NATAL 21, 22,

Leia mais

Despesas de Viagem. Estudo

Despesas de Viagem. Estudo Despesas de Viagem 2014 Estudo SOBRE O ESTUDO A Carreira Muller, empresa especializada em consultoria de gestão de pessoas, desenvolveu o estudo Despesas de Viagens com o objetivo de publicar valores e

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens.

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. 6. Gestão Empresarial 6.1 Inovando para crescer: turismo nos novos tempos INSTRUTOR(A): Carlos Silvério Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. Proporcionar uma reflexão sobre o panorama

Leia mais

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Custeio em organizações de serviços: abordagem para pequenos meios de hospedagem.

Custeio em organizações de serviços: abordagem para pequenos meios de hospedagem. Custeio em organizações de serviços: abordagem para pequenos meios de hospedagem. Ana Carolina Manfrinato Pimentel Resumo: Gestão de custos é um aspecto relevante para todas as organizações, independente

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Guia do paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você.

Guia do paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você. Guia do paciente Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você. Apresentação O Hospital São Francisco se tornou referência em

Leia mais

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CURITIBA 2011 CURSO DE TURISMO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer o

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DIÁRIAS: RESERVAS:

REGULAMENTO DIÁRIAS: RESERVAS: REGULAMENTO DIÁRIAS: As diárias iniciam às 13:00 e terminam às 12:00 do dia seguinte, independente do horário em que foi realizado o check-in. Após às 12:00 será cobrada nova diária. Cada diária inclui

Leia mais

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas Pesquisa Setorial Meios de Hospedagem Sebrae em em Goiás Goiás Conselho Deliberativo Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Presidente Diretoria Executiva

Leia mais

Grupo Security Forçan

Grupo Security Forçan 1 - APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O Grupo Forçan é uma das empresas com maior aceitação no mercado de terceirização de serviços atuando de forma eficaz e oferecendo serviços de alta qualidade através de mão

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio

Case de Treinamento de Empregada em Domicílio 1 Case de Treinamento de Empregada em Domicílio Treinamento de mensalista 2 Cenário: O empregador tem uma mensalista de muita confiança e amorosa, a empregada toma conta do bebê de 9 meses até início da

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N 0081/2014 OBJETO: Contratação de empresa(s) especializada(s) para prestação de serviços de lavanderia para o Sesc Pousada Juiz de Fora e Sesc Muriaé por

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 ENXOVAL HOSPITALAR É o conjunto de roupas utilizadas pelos hospitais com a finalidade de atender os diversos serviços e procedimentos

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Coordenador... 5. Docentes... 5. Valores... 6

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Coordenador... 5. Docentes... 5. Valores... 6 MBA Executivo Internacional MBA EXECUTIVO MÓDULO INTERNACIONAL 06 a 13 de Outubro de 2012 Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Marcus Vinícius Rodrigues Convênio..................... 3 Apresentação....................

Leia mais

Treinamento agências. Sua casa de férias em Orlando!

Treinamento agências. Sua casa de férias em Orlando! Treinamento agências Sua casa de férias em Orlando! Sobre a CND HOLIDAY HOMES Empresa do Grupo CND; 9 anos em Orlando, trabalhando com administração e aluguel de casas para férias; Referência de excelência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL O presente regulamento rege as relações jurídicas entre o prestador de serviços PIAZITO PARK HOTEL e o(s) hóspede. As condições descritas neste regulamento também

Leia mais

LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR

LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR HOTEL PROVÍNCIA Diárias: 1 pessoa R$ 100,00 diária 2 pessoas R$ 160,00 diária Valores sem taxas e incluindo café da manhã. Duvidas, estamos a disposição para mais informações.

Leia mais

A organização do serviço de governança de um hotel na perspectiva da Análise Ergonômica do Trabalho (AET)

A organização do serviço de governança de um hotel na perspectiva da Análise Ergonômica do Trabalho (AET) A organização do serviço de governança de um hotel na perspectiva da Análise Ergonômica do Trabalho (AET) Aline Constantino Rodrigues (UFV) aline.constantino@ufv.br Maria Rita de Oliveira Souza (UFV) soumariarita@yahoo.com.br

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ APÓS SER FEITA A HIGIENIZAÇÃO DO ESTOFADO ELA SERÁ VÁLIDA POR QUANTO TEMPO? Depende. O recomendado é ser efetuada a cada 6 meses, mas se animais e crianças utilizam muito os estofados esse prazo precisa

Leia mais

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação Guideline Copa do Mundo da FIFA 2014 TM Índice O projeto Público-Alvo do Projeto Critérios de Participação Sistema de Convidados Processo de Participação Jogos com Hospitality Pedidos e Alocação As Responsabilidades

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio REGIMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACLASSE VIAGENS TÉCNICAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - As viagens técnicas realizadas sob responsabilidade do Curso

Leia mais

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR Unidade Dias e Horários

Leia mais

Regulamento Interno para Utilização Associação Veper

Regulamento Interno para Utilização Associação Veper Regulamento Interno para Utilização Associação Veper A Associação Veper Os dirigentes do Grupo Veper tinham o sonho de oferecer um benefício a mais aos seus colaboradores, um espaço que oferecesse lazer,

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS POLÍTICA INSTITUCIONAL DE VIAGENS 1 INTRODUÇÃO A ANEC Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, através de sua estrutura organizacional e de seus colaboradores, tem avançado muito no cumprimento

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

BOLETIM OFICIAL LDU DE TÊNIS - 2015 02

BOLETIM OFICIAL LDU DE TÊNIS - 2015 02 BOLETIM OFICIAL LDU DE TÊNIS - 2015 02 DIRETORIA DA CBDU Sr. LUCIANO ATAIDE CABRAL PRESIDENTE DA CBDU Sr. ALIM RACHID MALUF NETO VICE-PRESIDENTE DA CBDU Sr. MARCELO FALCÃO DIRETOR FINANCEIRO DA CBDU COMITÊ

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1

CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS COM MANIPULADORES DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 Botega, A. de O.²; Gabbardo, F.G.²; Saccol, A.L. de F.³ 1 Projeto

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL SOBRE NÓS Fundada em 2003, a Navega Viagens e Turismo atua no mercado de turismo comprometida com a qualidade de atendimento aos clientes e sua consequente satisfação. Nosso

Leia mais