MÉTODO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO EM PLANILHA EXCEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÉTODO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO EM PLANILHA EXCEL"

Transcrição

1 Revista de Ciências Gerenciais Vol. 16, Nº. 23, Ano 2012 MÉTODO DE SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO EM PLANILHA EXCEL Desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos Nilton Roberto dos Santos Machado Anhanguera Educacional Alessandre Oliveira Ferreira Faculdade Anhanguera de Valinhos RESUMO Este trabalho tem como objetivo demonstrar o desenvolvimento de uma planilha Excel para simulação de Monte Carlo e comprovar seu funcionamento, comparando o resultado obtido com simulação paralela com o aplicativo Corisco, assim como disponibilizar a planilha como ferramenta de trabalho e aprendizagem. A explicação do desenvolvimento da planilha visa facilitar o entendimento do método de Simulação de Monte Carlo. Encontra-se literatura farta a respeito do tema e também planilhas desenvolvidas para essa finalidade, que são fornecidas em CDs ou mesmo podem ser baixadas da internet, mas há escassez de material que demonstre como desenvolver uma planilha para simulação de Monte Carlo, com explicação detalhada do desenvolvimento, além do fato das planilhas ou ferramentas disponíveis para download gratuito não serem versáteis o suficiente para aplicações genéricas. A versatilidade da planilha proposta nesse trabalho e a facilidade de uso incentivarão os usuários a utilizá-la como ferramenta de aprendizagem, particularmente aqueles envolvidos em análise de riscos em projetos. Palavras-Chave: análise de riscos; Monte Carlo; gestão de projetos. ABSTRACT Anhanguera Educacional Ltda. Correspondência/Contato Alameda Maria Tereza, 4266 Valinhos, São Paulo CEP This paper aims to demonstrate the development of an Excel spreadsheet for Monte Carlo simulation and demonstrate its operation by comparing the results obtained with the parallel simulation application Corisco, as well as provide the spreadsheet as a tool for work and learning. The explanation of the development on the worksheet is designed to facilitate the understanding of the method of Monte Carlo simulation. It is literature plentiful on the subject and also spreadsheets development of for this purpose, which are provided on CD or can be downloaded from the internet, but no shortage of material that demonstrates how to develop a spreadsheet to Monte Carlo simulation, with detailed explanation of the development, beyond the fact of the worksheets or tools available for free download are not versatile enough for general purpose applications. The versatility of spreadsheet proposed in this work and ease of use will encourage users to use it as a learning tool. Keywords: Risk analysis; Monte Carlo Simulation; Project Management. Coordenação Instituto de Pesquisas Aplicadas e Desenvolvimento Educacional - IPADE Informe Técnico Recebido em: 27/06/2012 Avaliado em: 11/07/2012 Publicação: 22 de novembro de

2 224 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos 1. INTRODUÇÃO O método de Monte Carlo é uma poderosa ferramenta para solução de problemas não convencionais. Sua utilização, no entanto, requer conhecimento detalhado do método, assim como cuidados especiais na introdução de dados e interpretação dos resultados. O detalhamento do desenvolvimento da planilha facilitará o entendimento do método, enquanto a aplicação e comparação dos resultados com ferramentas já existentes gerarão credibilidade ao leitor. Como pré-requisitos para o desenvolvimento da planilha são abordados tópicos pertinentes ao tema: métodos determinísticos e estocásticos, variáveis aleatórias, geração de cenários, modelagem das variáveis de entrada e função de distribuição de probabilidade, assim como a diferença entre processos e projetos. Atenção especial foi dada à questão da estimativa das variáveis de entrada e o método Delphi é citado como uma alternativa para se minimizar a margem de erros nessa etapa. A base para o desenvolvimento da planilha é a geração da função de distribuição de densidade triangular aleatória, explicada em detalhes. A planilha possui doze variáveis de entrada, quatro variáveis auxiliares e duas variáveis de saída, estas últimas atreladas a histogramas e curvas de densidade probabilidade, que serão analisadas para interpretação dos resultados e tomada de decisão. O uso de duas variáveis de saída permite análise de custos e prazos simultaneamente. 2. O MÉTODO DE MONTE CARLO O método de Monte Carlo, doravante referenciado como MMC e também conhecido como simulação de Monte Carlo consiste basicamente na geração de números aleatórios associados a técnicas probabilísticas e é utilizado para solução de problemas não convencionais, cuja solução por métodos determinísticos seria muito trabalhosa, quando não inviável. Por método determinístico entenda-se aquele baseado em discretizações numéricas das variáveis das funções que descrevem o processo em análise. A simulação estocástica utiliza variáveis aleatórias como entrada e através de algoritmos computacionais baseados nas leis da probabilidade e estatística, geram saídas que devem

3 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 225 ser interpretadas como estimativas estatísticas das características reais do processo em análise. O MMC é, portanto, um método estocástico que utiliza variáveis aleatórias para realizar a simulação, sendo que o resultado não será o mesmo para cada recálculo, embora tenda a convergir para valores aproximados. Outra característica da aplicação do MMC é a geração de cenários e também a modelagem das variáveis de entrada através do uso de funções de distribuição de probabilidade apropriadas ao problema em análise. Uma vez definidas as funções de distribuição de probabilidade, a simulação de Monte Carlo é realizada através da amostragem aleatória dessas funções. Por fim o resultado final obtido traduz-se num histograma associado a uma curva de densidade probabilidade acumulada, esta última em formato típico de um S. Essa curva de densidade probabilidade acumulada será o objeto de estudo para solução do problema em análise e quantificará em percentual a probabilidade de determinado valor encontrar-se acima, abaixo ou entre um intervalo de confiança escolhido. Uma das aplicações do MMC se dá na análise quantitativa de riscos em gestão de projetos. É importante, portanto, diferenciar projeto de processo. Alencar (2005, p. 5) define projeto como sendo todo conjunto de atividades interdependentes que, tendo sido encomendado por um cliente, será executado pela primeira vez, uma única vez, com vistas a propiciar, para este cliente, algum tipo de benefício ou vantagem competitiva. Segundo o PMBOK (2004, p5), um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Processos, por sua vez, são contínuos e repetitivos. Eventuais impactos decorrentes de incertezas presentes na fase inicial de um processo são normalmente minimizados e até mesmo eliminados, quando então o processo torna-se estável. Com relação aos riscos envolvidos em um projeto, cabe aqui uma breve explanação: segundo Alencar (2005, p. 17) falar sobre riscos é falar sobre a identificação de fatores que podem afetar o sucesso de um projeto, da probabilidade desses fatores assumirem valores que possam prejudicar o projeto e das conseqüências destes fatores assumirem aqueles valores em particular. Alencar (2005, p. 18) afirma que fator de risco é qualquer evento que possa prejudicar, total ou parcialmente, as chances de sucesso do projeto, isto é, as chances do

4 226 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos projeto realizar o que foi proposto dentro do prazo e fluxo de caixa que foram estabelecidos. Risco por sua vez é a probabilidade de que um fator de risco venha a assumir um valor que possa prejudicar, total ou parcialmente, as chances de sucesso de um projeto. O risco, portanto, possui três componentes (DINIZ, 2004): Um evento. A probabilidade de ocorrência do evento. O impacto decorrente do evento. Segundo o PMBOK (2004, p.240) o risco se origina da incerteza que está presente em todos os projetos. Keeling (2002, p.53) enfatiza que em todo projeto existe um elemento de risco, sendo alguns elementos de risco mínimo e outros de forte propensão a altos riscos. O Autor frisa que o risco é um processo contínuo e que, portanto, deve ser administrado durante todo o ciclo de vida do projeto. Ainda com relação à gestão de riscos em projetos, cabe aqui enfatizar a importância desse quesito, ainda que de forma sucinta: Muitas organizações desenvolvem, ao longo do tempo, uma cultura na qual aqueles que ousam apontar as incertezas a que todo projeto está naturalmente exposto são taxados de pessimistas ou derrotistas. Esse tipo de organização tende a valorizar os esforços dos heróis de última hora, que trabalham ininterruptamente para finalizar aquilo que deveria ter sido feito dentro do calendário de atividades acordado com o cliente. (ALENCAR, 2005, p.48) Alencar (2005, p. 7) sugere que executivos em posição de decisão devem certificar-se de que seus gerentes de projetos estejam qualificados para lidar com as incertezas associadas aos projetos que gerenciam. No modelo de avaliação quantitativa dos riscos de custos e prazos de um projeto, utilizar-se-á do MMC, cuja técnica consiste em gerar uma grande quantidade de cenários dos possíveis custos ou prazos individuais do projeto e cujo resultado final se dará através da análise da curva de distribuição de probabilidade acumulada do custo ou prazo total do projeto. As variáveis de entrada, ou seja, os custos ou prazos individuais ou parciais devem ser estimados por especialistas e também podem ser aplicadas técnicas específicas para minimizar a margem de erro das estimativas, como por exemplo, a técnica Delphi. O método Delphi de pesquisa tem como característica básica a consulta a especialistas, preservando o anonimato dos entrevistados, porém ao mesmo tempo permitindo a interação entre esses especialistas.

5 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 227 A comunicação entre os membros da equipe de especialistas é feita de forma indireta, justamente para evitar a influência de uns sobre os outros. Isso é particularmente interessante quando os membros da equipe consultada têm diferentes níveis hierárquicos: com essa técnica a opinião do almoxarife e a do gerente passam a ter o mesmo peso. A consulta aos especialistas é feita através de formulários, que após serem respondidos pelos especialistas são analisados e em seguida é verificado se o grupo chegou a um consenso; enquanto o grupo não chegar a um consenso, o mediador fornece ao grupo as estatísticas dos resultados obtidos e um novo questionário é elaborado, visando não desviar dos objetivos do projeto. O processo se repete até que o consenso tenha sido atingido, conforme Figura 1. Figura 1 - Fluxograma Método Delphi. O MMC é iterativo e requer um número de cenários elevado para situar-se dentro de uma margem de erro aceitável. O número de cenários gerados deve ser compatível com a margem de erro esperada e a interpretação da curva de densidade probabilidade acumulada gerada em função desses cenários guiará o gestor de projetos a assumir riscos calculados, ao invés de colocar margens de segurança tanto para prazos quanto para custos que poderiam inviabilizar determinado projeto.

6 228 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos As variáveis aleatórias (randômicas) geradas por métodos computacionais são na realidade variáveis pseudo-aleatórias e serão consideradas válidas para o fim a que se aplica esse trabalho. Uma função que se encaixa muito bem ao modelo de prazos e custos em gestão de projetos é a função de distribuição de densidade triangular e será adotada como padrão para a finalidade a que se destina esse trabalho. Nesse caso (distribuição triangular) os especialistas definem três pontos distintos da distribuição para cada variável de entrada, ou seja, para estimativa dos custos ou prazos individuais ou parciais do projeto: a estimativa do valor mínimo possível (min), o valor mais provável (Mp) e o valor máximo possível estimado (máx). Esses três valores representam a opinião dos especialistas e os cenários possíveis serão gerados aleatoriamente baseados nessas estimativas. É possível também contingenciar determinados custos ou prazos individuais. A contingência de determinado item no custo ou prazo total do projeto está vinculada à probabilidade de ocorrência desse item durante o ciclo de vida de um projeto. O modelo de risco de custo de um projeto parte da premissa que o custo total do projeto será o resultado da soma dos custos individuais. Portanto, seja C o custo total de um projeto e C1, C2,... Cn os custos parciais, o custo total será: C = C1 + C Cn. Numa eventual contingencia, o custo parcial contingenciado terá peso diferenciado em função do grau de contingencia (probabilidade de ocorrência) do mesmo. No modelo de risco de prazo, o prazo final de um projeto não será necessariamente a soma dos prazos individuais ou parciais, mas deverá levar em consideração os prazos envolvidos nas atividades pertencentes ao caminho crítico, também conhecido como CPM (Critical Path Method), que corresponde ao percurso com maior duração da rede de atividades do projeto, Figura 2- Modelo de Risco de Prazo Como podem ser observadas na Figura 2, as variáveis A, B, C, D e E são as tarefas envolvidas num projeto, enquanto TA, TB, TC, TD e TE são os prazos estimados de cada tarefa. Nesse caso o prazo total, T, será dato por:

7 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 229 T = TA + MÁXIMO (TD; TB+TC) + TE, onde a fórmula MÁXIMO retornará o maior valor entre TD e TB+TC. Uma vez definidos os critérios para os possíveis caminhos críticos, o próximo passo é atribuir os valores individuais de cada prazo do projeto (TA... TE), através dos valores min, Mp e max estimados pelos especialistas. O MMC gerará uma grande quantidade de cenários aleatórios baseados nessas estimativas e nos critérios adotados para os possíveis caminhos críticos e o resultado final será uma curva da distribuição de probabilidade acumulada da probabilidade de risco do prazo final do projeto, curva essa em formato de S que deverá ser analisada pelo gestor do projeto que decidirá que risco quer assumir. 3. HISTÓRICO O MMC tem suas origens quando o matemático Stanislaw Ulam, em 1946, ao jogar paciência, resolve questionar quais seriam as chances de sucesso em um jogo com 52 cartas. Ao tentar utilizar de análise combinatória percebeu haver uma alternativa mais prática que seria simular o resultado fazendo inúmeras jogadas e contar os resultados obtidos, porém ainda assim envolvia cálculos demorados, por serem iterativos. Coincidentemente nessa época surge o primeiro computador eletrônico, desenvolvido durante a segunda guerra mundial, o ENIAC (Eletronic Numerical Integrator And Computer). Ulam trabalhou no projeto Manhattan junto com John Von Neumann e Nicholas Metropolis no desenvolvimento da bomba atômica durante a II guerra e incentivou Von Neumann a utilizar métodos de amostragem estatística para solucionar o problema da difusão de nêutrons em material sujeito a fissão nuclear, utilizando o computador. A característica aleatória desse método fez com que Nicholas Metropolis sugerisse o nome de Método de Monte Carlo, em analogia ao famoso cassino. 4. SIMULAÇÃO UTILIZANDO DISTRIBUIÇÃO TRIANGULAR ALEATÓRIA Numa distribuição triangular, a probabilidade de determinado valor x ocorrer corresponde à área do triângulo representado na figura 3:

8 230 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos Figura 3 Função Distribuição Triangular min valor mínimo assumido pela função mp valor mais provável da ocorrência max valor máximo assumido pela função Para o lado esquerdo da distribuição, representada na figura 4, tem-se que: Figura 4 Distribuição triangular acumulada, lado esquerdo min 2 ( x min) x mp ( mp min) (max min) Sendo RN uma variável aleatória, no intervalo min x mp, correspondente ao lado esquerdo da distribuição triangular em relação ao pico (mp), tem-se: RN 2 ( x min) ( mp min) (max min) x min 2 RN mp min max min ( x min) ( RN ) ( mp min) (max min) Portanto: x min ( RN ) ( mp min) (max min) Equação 1 - F.D.P. triangular acumulada aleatória: lado esquerdo Para o lado direito da distribuição, representada na figura 4, tem-se que:

9 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 231 mp x max 1 2 (max x) (max mp) (max min) Figura 5 Distribuição triangular acumulada, lado direito. Sendo RN uma variável aleatória, no intervalo mp x max, correspondente ao lado direito da distribuição triangular em relação ao pico (mp), tem-se: RN 2 (max x) 1 (max mp) (max min) Então, 1 RN 2 (max x) (max mp) (max min) (max x) (1 RN ) (max mp) (max min) Portanto, x max (1 RN ) (max mp) (max min) Equação 2 - F.D.P. triangular acumulada aleatória: lado direito As equações 1 e 2 estão traduzidas em fórmulas padrão Excel e alocadas nas células de C10 a C1010 conforme mostrado na Figura 6.

10 232 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos Figura 6- FormulasFigura 6 - Excel para a FDP triangular acumulada aleatória A célula B7 define o ponto de inflexão da curva triangular, dado por: mp min max min Figura 7: A estrutura das fórmulas utilizadas de B10 a B1010 é mostrada em detalhes na Figura 7 - Estrutura da função SE do Excel para a FDP triangular acumulada aleatória A planilha gera então 1000 números aleatórios através da função ALEATORIO ()1 do Excel e uma distribuição triangular aleatória de 1000 pontos será gerada quando a planilha for alimentada com os parâmetros min, mp e max, conforme mostra a Figura 8:

11 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 233 Figura 8 - Geração de FDP triangular aleatória com mil pontos Uma vez obtida a distribuição triangular aleatória de 1000 pontos, para efeito de visualização gráfica agrupa-se as variáveis aleatórias em 40 intervalos distintos, calculando-se a freqüência acumulada dos intervalos e também a relativa, conforme mostrado na Figura 9: Figura 9 - Cálculo da frequência acumulada e relativa Para se obter os 40 intervalos é necessário definir os pontos mínimo e máximo da distribuição, assim como o tamanho do intervalo. As células F2 e F3 calculam os valores máximo e mínimo da distribuição aleatória, enquanto a célula F4 define o tamanho de cada um dos 40 intervalos. De posse dessas informações, na coluna J têm-se os 40 intervalos da distribuição, na coluna K a freqüência acumulada, através da fórmula FREQÜENCIA (matriz_dados; matriz_bin) do Excel e também a freqüência relativa na coluna L. O gráfico da distribuição aleatória é traçado selecionando-se as colunas J e L, ou seja, com os intervalos na abscissa e freqüência relativa no eixo das ordenadas, conforme mostrado na Figura 10:

12 234 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos Figura 10 - Geração do histograma da FDP aleatória A curva da distribuição aleatória é traçado selecionando-se as colunas J e M, ou seja, com os intervalos na abscissa e P(x<X) no eixo das ordenadas, conforme mostrado na Figura 11: Figura 11 geração da curva da FDP aleatória acumulada

13 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 235 Visto que o gráfico da distribuição triangular aleatória assim como a curva de distribuição de probabilidade acumulada tem um número reduzido de pontos e que nesse caso tem função ilustrativa, recorre-se à função ORDEM.PERCENTUAL2 do Excel para determinar com maior exatidão as probabilidades P(x<X) e P(x>X), onde P(x>X) = 1- P(x<X), conforme mostrado nas células H7 e H8 da Figura 12. Na célula H8 P(x<X) é subtraída de 1-(Px<X) e com isso obtém-se a probabilidade da variável x encontrar-se no intervalo especificado em H7 e H8 Figura 12 Função Ordempercentual2 do Excel Como exemplo, calcula-se a probabilidade de ocorrência entre os valores 13 e 19 na distribuição Triang (10, 15, 25), conforme mostrado na Figura 13: Figura 13 Simulação Triang (10,15,25) aleatória acumulada

14 236 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos A probabilidade de ocorrência de valores entre 13 e 19 pode ser expressa por: P( x 19) P( x 13) 0,760 0,120 0,64 64% 5. DESENVOLVIMENTO DA PLANILHA PARA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO A planilha desenvolvida para aplicação do MMC será doravante denominada planilha SMC. Essa planilha foi dimensionada para permitir até doze variáveis de entrada aleatórias independentes, quatro variáveis auxiliares e duas variáveis de saída. A geração de mil cenários para cada variável independente é feita utilizando-se a planilha de geração de distribuição triangular aleatória desenvolvida anteriormente como apoio. Macros desenvolvidas com o recurso gravar macro copiam os parâmetros mínimo, mais provável e máximo de cada variável de entrada, transportam esses parâmetros para a planilha geradora de distribuição triangular aleatória através da função colar e os mil cenários obtidos são por sua vez copiados dessa planilha de apoio e coladas na planilha SMC, na coluna da entrada correspondente. A macro que desempenha essa função repete esse processo doze vezes consecutivamente, uma vez para cada entrada. Quatro variáveis auxiliares são utilizadas como apoio para fórmulas envolvendo as doze variáveis de entrada. A função das variáveis auxiliares é manipular as variáveis de entrada através de fórmulas e agrupar as informações em blocos, organizando dessa forma o equacionamento do problema: isso é particularmente útil quando se utiliza modelo de riscos de prazo. Nesse caso uma área da planilha é reservada para representação do método do caminho crítico, de forma gráfica. Figura 14 Planilha SMC

15 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 237 Duas variáveis de saída estão disponíveis e são atreladas a dois histogramas e curvas de distribuição de probabilidade acumulada distintos, denominados S1 e S2. As variáveis de saída devem estar vinculadas às variáveis auxiliares, através de fórmulas. Observa-se na Figura 14 uma área reservada às doze entradas (E1... E12); cada variável de entrada é parametrizada com os valores mínimo (min), mais provável (Mp) e máximo (max). A linha intermediária entre as variáveis de entrada (E1.. E12) e os parâmetros de cada entrada corresponde à contingenciação de cada entrada. As quatro variáveis auxiliares encontram-se agrupadas em área separada (A1.. A4), com uma área específica para fórmulas vinculadas às variáveis de entrada. As duas variáveis de saída estão agrupadas em área reservada ao lado das auxiliares e também possuem uma linha para o título de cada saída. Uma variável de saída pode agrupar uma ou mais variáveis auxiliares através de fórmulas. Figura 15 Entradas contingenciadas: distribuição de Bernoulli As entradas de dados podem ser contingenciadas e para isso é utilizada a distribuição de Bernoulli, alocada nas células adjacentes à direita das células que compõem os mil cenários gerados, como mostrado na Figura 15. Uma macro copia os valores contingenciados na distribuição de Bernoulli e retroalimenta as células de entrada.

16 238 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos 6. ESTUDO DE CASO Projeto de Construção Alencar (2005, p.161) Baseado nas estimativas parciais de duração de cada etapa de um projeto de construção, o diretor de uma empreiteira deve estimar o prazo total do projeto, assumindo um risco de 15%. A Tabela 1 mostra as durações, em dias, de cada etapa desse projeto: Tabela 1 - Projeto de Construção. Duração (em dias) Tarefa Descrição Predecessora Min MP Max A Obter Materiais B Obter Mão-de-Obra C Escavar D Colocar Fundação C E Construir Estrutura B,D F Instalação Hidráulica E G Instalação Elétrica E H Acabamento Interior F,G I Acabamento Exterior F J Limpeza Local H,I Fonte: Alencar (2005, p.161). Um primeiro estudo será feito utilizando-se as ferramentas de análise PERT (Program Evaluation and Review Technique) do aplicativo MS Project da Microsoft Corporation, vide Figura 16: Figura 16 Ferramentas PERT do MS Project 2007 Os pesos dos cenários otimista, esperado e pessimista são, por default, 1, 4 e 1 respectivamente, conforme mostrado na figura 17:

17 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 239 Figura 17 Níveis de importância para os cálculos PERT do MS Project 2007 Alimentando-se o MS Project com os dados estimados para as durações individuais de cada etapa do projeto e considerando-se os pesos para cada cenário obtémse a duração total do projeto, demonstrada na figura 18: Figura 18 Planilha de entrada PERT do MS Project 2007 O MS Project calcula a duração de cada etapa multiplicando as durações otimista, esperada e pessimista por seus respectivos pesos, somando-as e em seguida dividindo o resultado dessa soma pelo valor da soma dos pesos. Por exemplo, na etapa B Contratar mão-de-obra, a duração é calculada como demonstrado na equação 3: dias Equação 3 cálculo de duração x níveis de importância PERT A duração total do projeto é a soma das durações das etapas. O caminho crítico, ou CPM, é mostrado no Gantt de controle do MS Project, conforme figura 19:

18 240 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos Figura 19 Gantt de controle do MS Project 2007 A ferramenta PERT Chart Expert da Critical Tools Inc. propicia melhor visualização gráfica, conforme mostrado na figura 20: Figura 20 Pert view 1 do PERT Chart Expert 2.5 Nessa etapa tanto o Gantt de controle do MS Project quanto o PERT Chart Expert oferecem ao gestor do projeto não apenas uma estimativa do prazo, mas também uma visão detalhada de cada etapa com o caminho crítico em destaque, de extrema importância para acompanhamento da obra e tomada de decisões. Ocorre que não foi observada a questão do risco a ser assumido, tido como premissa para que diretor da empreiteira corresse um risco calculado. Nesse caso utilizarse-á da planilha SMC, mostrada na figura 21:

19 Nilton Roberto dos Santos Machado, Alessandre Oliveira Ferreira 241 Figura 21 projeto de construção estudo de caso As células de entrada E1.. E10 são alimentadas com as informações das durações de cada etapa, enquanto nas células denominadas Auxiliares são inseridas as fórmulas Excel que irão delinear o caminho crítico através da função MÁXIMO do Excel. Uma das duas saídas da planilha é utilizada, no caso a saída S1. A planilha também comporta uma área logo acima das células auxiliares para que uma figura seja inserida, permitindo verificar quais etapas são precedentes ou sucessoras, facilitando assim a inserção das fórmulas e posterior entendimento das mesmas. A simulação gerará mil cenários, com as dez entradas variando aleatoriamente, gerando dessa forma mil caminhos críticos aleatórios. Essas informações são agrupadas em intervalos e um histograma é gerado, originando uma curva de densidade de probabilidade acumulada, que representa a probabilidade de determinado valor encontrar-se acima ou abaixo de um intervalo de confiança escolhido. No caso do projeto de construção em análise, observa-se que para o risco de 15% a ser assumido pelo diretor da empreiteira, o prazo estimado para o projeto é de 236 dias, divergindo substancialmente dos 186 dias previstos pelo MS Project. De fato, se os 186 dias previstos com o uso do MS Project forem analisados utilizando-se a curva de densidade probabilidade gerada pela planilha, constata-se que

20 242 Método de simulação de Monte Carlo em planilha Excel: desenvolvimento de uma ferramenta versátil para análise quantitativa de riscos em gestão de projetos esses 186 dias representam praticamente 15% de chances de sucesso e 85% de fracasso, ou seja, exatamente o oposto do desejado. Para aproximar as estimativas de ambas as ferramentas, uma alternativa seria alterar os pesos previstos para os níveis de importância otimista, esperado e pessimista do MS Project, de para 1-3-2, tornando o cenário um pouco mais pessimista. Dessa forma o prazo total estimado pelo MS Project será de 217 dias, o que representaria, pela análise da curva gerada pela planilha apenas 61% de probabilidade de ocorrer nesse prazo. A próxima alternativa seria então alterar os níveis de importância para 1-2-3, reforçando ainda mais o cenário pessimista e obtendo-se assim um prazo total estimado de 247 dias, que analisado pela curva gerada pela planilha representaria uma probabilidade de 93% de sucesso, ou seja, 93% de probabilidade de que o projeto seja concluído dentro do prazo estimado. Essa divergência entre ambos os métodos é confirmada a seguir: É muito importante ressaltar que o fato do prazo de conclusão do projeto obtido na simulação ser maior que o previsto pelo método CPM não é uma mera coincidência. Na maioria dos casos, as datas de conclusão geradas por métodos determinísticos como o CPM são otimistas (SCHUYLER, 2001). Mesmo quando as estimativas de durações são elaboradas cuidadosamente (GALVÃO, 2005). Uma vez que o MMC alterna aleatoriamente o caminho crítico centenas de vezes, a análise indutiva da simulação estocástica pelo método probabilístico torna a tomada de decisão mais consciente que a análise dos dados gerados pelo método determinístico do CPM, devido às próprias incertezas inerentes aos projetos. O método nos ajuda a construir um mundo hipotético em cada simulação, que representa um cenário para um mundo possível com determinada probabilidade de ocorrência (GALVÃO, 2005). Finalizando, a divergência de estimativas de término do projeto entre os dois métodos tem origem na variância aleatória : Quando as durações das atividades são substituídas por distribuições de probabilidades, a data esperada para o término da conclusão do projeto tende a ser maior que a data calculada no enfoque determinístico. Em outras palavras, quando o risco do projeto não é considerado, as estimativas de prazo e custo tendem a ser otimistas e isso contribui para o fato de que um grande número de projetos demora mais e custa mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS: SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA A FERRAMENTA SIMULAR

GERENCIAMENTO DE PROJETOS: SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO VIA A FERRAMENTA SIMULAR XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

1. ROTEIRO DE USO DO CORISCO Para usar o CoRisco, e gerar os seus próprios modelos de risco, você deve seguir o roteiro:

1. ROTEIRO DE USO DO CORISCO Para usar o CoRisco, e gerar os seus próprios modelos de risco, você deve seguir o roteiro: Como usar o CoRisco CoRisco é um programa, escrito na linguagem Visual Basic, que executa automaticamente os passos requeridos para a simulação de Monte Carlo, simplificando muito o trabalho de geração

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

ANAIS APLICAÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NO GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS COM O CRYSTAL BALL

ANAIS APLICAÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NO GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS COM O CRYSTAL BALL APLICAÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NO GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS COM O CRYSTAL BALL PAULO ALVES DE OLIVEIRA JÚNIOR ( paulo@pejota.net, paulo-junior@outlook.com ) PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Pesquisa Operacional - PERT/CPM

Pesquisa Operacional - PERT/CPM PERT/CPM 1. Introdução As técnicas denominadas PERT e CPM foram independentemente desenvolvidas para o Planejamento e Controle de Projetos em torno de 1950, porém a grande semelhança entre estas fez com

Leia mais

GPE GESTÃO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS PERT / CPM. Prof. Luciel Henrique de Oliveira

GPE GESTÃO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS PERT / CPM. Prof. Luciel Henrique de Oliveira GPE Prof. Luciel Henrique de Oliveira GESTÃO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS PERT / CPM luciel@uol.com.br Controle de Projetos Programação do Caminho Crítico Técnicas Orientadas ao Tempo Modelos de Compromisso

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Pedro Beck Di Bernardi (1); Norberto Hochheim (2) (1) Departamento de Engenharia Civil Centro Tecnológico

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

USO DE REDES GENÉRICAS PARA PROGRAMAÇÃO DE PROJETOS

USO DE REDES GENÉRICAS PARA PROGRAMAÇÃO DE PROJETOS Disponível eletronicamente em www.revista-ped.unifei.edu.br Revista P&D em Engenharia de Produção No. 7 (2008) p. 24-35 ISSN 1679-5830 Recebido em 29/04/2007. Aceito em 30/11/2007 USO DE REDES GENÉRICAS

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

ESTIMATIVA DE VENDAS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZANDO SIMULAÇÃO

ESTIMATIVA DE VENDAS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZANDO SIMULAÇÃO ESTIMATIVA DE VENDAS EM EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZANDO SIMULAÇÃO Pedro Beck Di Bernardi Mestre do Programa de Pós Graduação PPGEC/UFSC. Campus Universitário.Cx Postal 479 Florianópolis - SC CEP

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO (REDES P.E.R.T.) E O SOFTWARE MS-PROJECT EM ENGENHARIA

SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO (REDES P.E.R.T.) E O SOFTWARE MS-PROJECT EM ENGENHARIA SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO (REDES P.E.R.T.) E O SOFTWARE MS-PROJECT EM ENGENHARIA Giancarlo de França Aguiar giancarl@unicenp.edu.br Centro Universitário

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR ESCOPO Teoria EAP etapas de desenvolvimento TEMPO Introdução Ferramentas Exercício: Documentação de Projetos Declaração

Leia mais

Cronograma - Um Instrumento do Planejamento, Execução e Controle em Construção e Montagem

Cronograma - Um Instrumento do Planejamento, Execução e Controle em Construção e Montagem 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA IETEC PÓS-GRADUAÇÃO-ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS EM CONSTRUÇÃO E MONTAGEM Cronograma - Um Instrumento do Planejamento, Execução e Controle em Construção e Montagem

Leia mais

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características Projetos - definição Pesquisa Operacional II Projeto é uma série de atividades que objetivam gerar um produto (saída, output) Geralmente consiste em um empreendimento temporário Michel J. Anzanello, PhD

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Melhores Decisões Utilizando Dados. Simulação de Monte Carlo para Análise Quantitativa do Risco em Grandes Projetos. Marcos Huber Mendes

Melhores Decisões Utilizando Dados. Simulação de Monte Carlo para Análise Quantitativa do Risco em Grandes Projetos. Marcos Huber Mendes Melhores Decisões Utilizando Dados Simulação de Monte Carlo para Análise Quantitativa do Risco em Grandes Projetos Marcos Huber Mendes hubermendes@decisionsupport.com.br Cel.: + 55 21 9608-5537 1 Marcos

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo Política de Troca de Brocas de Perfuração Autor Crystal Ball Sumário Quando perfurando certos tipos de terrenos, a performance de uma broca de perfuração diminui com o tempo devido ao desgaste. Eventualmente,

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos

Planejamento e Controle de Projetos Planejamento e Controle de Projetos Transformação de uma idéia em um conceito Forma A forma global do produto Idéia Propósito A necessidade que o produto deve satisfazer Função A maneira como o produto

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL MÉTODOS DE PLANEAMENTO. Capítulo II Método PERT

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL MÉTODOS DE PLANEAMENTO. Capítulo II Método PERT INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL MÉTODOS DE PLANEAMENTO Capítulo II Método PERT António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i II. Método PERT...II-. Introdução...II- 2. Duração da Actividade...II- 3. Estimativas

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Seminário de Dinâmica Orbital I

Seminário de Dinâmica Orbital I Seminário de Dinâmica Orbital I Métodos de Monte Carlo Alunos Carlos H. G. Hassmann Álvaro de A Arraes Prof. - Mário C. Ricci Sumário -Introdução -Breve Histórico -Definição -Utilização -O método -Componentes

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 4

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 4 Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 4 Out/2013 EMENTA DO CURSO - Riscos definição e histórico. - Planejamento do gerenciamento de riscos. - Fontes, Identificação e Categorização de riscos. - Qualificação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF 2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Osvaldo Pedra, PMP, SpP, P1-MPS.BR osvaldopedra@yahoo.com Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Objetivo da palestra

Leia mais

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado.

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado. EMENDA _Introdução ao gerenciamento de projetos. _Planejamento de escopo, custo e prazo. _Qualidade, RH, aquisições, comunicação. _Noções de governança de TI. _Noções de ITIL. _Noções de COBIT. INTRODUÇÃO

Leia mais

O Método de Simulação de Monte Carlo aplicado ao Plano-sequência para análise do risco em custos

O Método de Simulação de Monte Carlo aplicado ao Plano-sequência para análise do risco em custos X Congresso Internacional de Custos - Florianópolis, SC, Brasil, 28 a 30 de novembro de 2005 O Método de Simulação de Monte Carlo aplicado ao Plano-sequência para análise do risco em custos Mariano Yoshitake

Leia mais

Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais

Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais CSE-208-4 Introdução à Gestão de Projetos L.F. Perondi 18.07.2010 PARTE 2 SUMÁRIO 1. Processos de Gerenciamento de

Leia mais

Modelamento e simulação de processos

Modelamento e simulação de processos Modelamento e simulação de processos 4. Método de Monte Carlo Prof. Dr. André Carlos Silva 1. INTRODUÇÃO O Método de Monte Carlo (MMC) é um método estatístico utilizado em simulações estocásticas com diversas

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Estimativa de recursos da atividade Tempo Este processo envolve a determinação de recursos (pessoas, equipamentos ou materiais) e a quantidade de todos os recursos que serão

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Planeamento e Controlo de Projectos

Planeamento e Controlo de Projectos Planeamento e Controlo de Projectos Transparências de apoio à leccionação de aulas teóricas Versão 2.1 c 2010, 2006, 1998 Maria Antónia Carravilla José Fernando Oliveira FEUP Planeamento e Controlo de

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASIEIRO DE PESQUISA E DESENVOVIMENTO EM PETRÓEO E GÁS TÍTUO DO TRABAHO: Análise estocástica de viabilidade econômica de projetos de intervenção em poços de petróleo considerando as incertezas

Leia mais

O Método de Monte Carlo com o MS Excel

O Método de Monte Carlo com o MS Excel O Método de Monte Carlo com o MS Excel Renato de Oliveira Moraes (UNICID) renato.moraes@perceptron.com.br Fernando José Barbin Laurindo (PRO/POLI/ USP) fjblau@usp.br Resumo Este artigo apresenta a aplicação

Leia mais

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento.

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento. Gerenciamento de tempo do projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Tempo O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

Método Monte-Carlo. Alexandre Rosas. 23 de Março de 2009. Departamento de Física Universidade Federal da Paraíba

Método Monte-Carlo. Alexandre Rosas. 23 de Março de 2009. Departamento de Física Universidade Federal da Paraíba Departamento de Física Universidade Federal da Paraíba 23 de Março de 2009 O que são os métodos de Monte-Carlo? Métodos numéricos que utilizam amostragem estatística (em contraposição a métodos determinísticos)

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO E SIMULAÇÃO COM O MS-PROJECT

PLANEJAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO E SIMULAÇÃO COM O MS-PROJECT PLANEJAMENTO DE PROJETOS UTILIZANDO TÉCNICAS DE CAMINHO CRÍTICO E SIMULAÇÃO COM O MS-PROJECT Giancarlo de França Aguiar Universidade Positivo Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300, Curitiba, Paraná,

Leia mais

Renata Miranda Pires Boente

Renata Miranda Pires Boente Uso do Modelo Qualitativo de Análise de Risco (Karolak) na Gestão de Projetos de TI: Um estudo de caso na Justiça Federal de Primeiro Grau Seção Judiciária do Rio de Janeiro Renata Miranda Pires Boente

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um Projetos, Programas e Portfólios Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um programa, quando se relacionam

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12

Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12 Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12 Dr. Manoel Veras Eng. de Telecomunicações, UFRN Mestre em Eng. de Telecomunicações, UNICAMP Doutor em Administração, USP EX-Cientista

Leia mais

Minimizando riscos com a análise quantitativa Uma experiência no Rodoanel de São Paulo

Minimizando riscos com a análise quantitativa Uma experiência no Rodoanel de São Paulo 92 Minimizando riscos com a análise quantitativa Uma experiência no Rodoanel de São Paulo PAULO WARSCHAUER* Rodoanel Mário Covas, trecho sul FOTOS: ANDRÉ SIQUEIRA Este artigo objetiva apresentar a metodologia

Leia mais

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM Program Evaluation and Review Technique PERT: VISÃO GERAL Program Evaluation and Review Technique Técnica para avaliação e revisão de programa.

Leia mais

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO

CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM CLÁSSICO E DE MONTE CARLO ENQUALAB-28 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a 2 de junho de 28, São Paulo, Brasil CÁLCULO DE INCERTEZA EM ENSAIO DE TRAÇÃO COM OS MÉTODOS DE GUM

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.5. Diagramas de redes de precedência O CPM Critical Path Method, consiste em uma rede com setas representativas

Leia mais

Geração de Números Aleatórios e Simulação

Geração de Números Aleatórios e Simulação Departamento de Informática Geração de Números Aleatórios e imulação Métodos Quantitativos LEI 26/27 usana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) usana

Leia mais

Conceitos Iniciais Parte 1

Conceitos Iniciais Parte 1 Módulo SIMULAÇÃO Conceitos Iniciais Parte O que pode ser simulado? Sistema de manufatura com máquinas, pessoas, rede de transporte, correias transportadoras e espaço para armazenamento; Agências bancárias

Leia mais

Um Método de Solução para o VPM -Vertical Production Method

Um Método de Solução para o VPM -Vertical Production Method Um Método de Solução para o VPM -Vertical Production Method Jorge de Araújo Ichihara (UFPA) ichihara@amazon.com.br Rony Helder Nogueira Cordeiro (UFPA) held@bol.com.br José Alberto Silva de Sá (IESAM/UFPA)

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais

APLICAÇAO DA CURVA S NO CONTROLE DE DOCUMENTOS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

APLICAÇAO DA CURVA S NO CONTROLE DE DOCUMENTOS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos de Engenharia Pós-Graduação lato sensu em Gestão de Projetos de Engenharia APLICAÇAO DA CURVA S NO CONTROLE

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 [Módulo 1] Microsoft Project 2003 Apresentação do software 1 Características do Software. Principal ferramenta para o Gerenciamento de Projetos; Versátil, fácil utilização e interface prática; Uso da Internet

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Gerência de Projetos. Aula 07. Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com

Gerência de Projetos. Aula 07. Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com Gerência de Projetos Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Gerenciamento do Tempo o Tempo gasto é tempo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Definição Gerenciamento de Projetos SWEBOK Aplicação de atividades de gerenciamento (planejamento, coordenação, medição, controle e relatório) para assegurar que o desenvolvimento de software é sistemático,

Leia mais

Métodos Quantitativos. aula 3

Métodos Quantitativos. aula 3 Métodos Quantitativos aula 3 Prof. Dr. Marco Antonio Insper Ibmec São Paulo Simulação Empresarial Auxílio na tomada de decisão. Criação de cenários otimistas e pessimistas. Poder de previsão baseada em

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 1

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 1 Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 1 Set/2013 A Gerência de Riscos Gerenciar riscos riscos é uma uma abordagem explícita e sistemática usada usada para para identificar, analisar e controlar riscos.

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Pesquisa Operacional na tomada de decisão Referencia LACHTERMACHER, Gerson. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões: modelagem em Excel. 2ªed. Elsevier. 2004 Problemas

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO

4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO 4 ESTUDO DA DINÂMICA DE UM PROJETO Neste capítulo, apresentaremos o estudo da dinâmica da gestão de projetos, demonstrando como os principais autores de Dinâmica de Sistemas apresentam sua aplicações em

Leia mais