Conceito básicos e cadeia epidemiológica de transmissão de infecção.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceito básicos e cadeia epidemiológica de transmissão de infecção."

Transcrição

1 Conceito básicos e cadeia epidemiológica de transmissão de infecção. Juliana Arruda de Matos Doutora em infectologia pela UFRJ Médica infectologista do HUCFF UFRJ Chefe substituta da Área de Infecção Hospitalar do INTO-MS

2 Uma pessoa inteligente resolve um problema, um sábio o previne. Albert Einstein

3 Infecções relacionadas a assistencia a saúde (IRAS): Impacto Individual e Coletivo Exames clínicos, laboratoriais e de imagem Tratamento Clínico Cirúrgico Custo Óbito Dor, seqüelas, reabilitação... Fonte: MBA em gestão hospitalar e controle de infecção - FAMESP

4 Infecção primária de corrente sanguínea relacionada a cateter venoso profundo (ICS-CVC) 12 milhões de CVC-dias nos CTIs dos EUA/ano ICS-CVC por ano (hospitalar) ICS-CVC por ano (CTIs) Aumento no tempo de permanência e morbidade (independente) Custo (2007): $7.000 to $ por episódio Fonte: CDC consulta em 07/04/2013

5 Controle de IRAS A maior parte das IRAS são preveníveis As medidas devem ser individualizadas e baseadas no resultado da vigilância Foco na transmissão e fatores do hospedeiro Medidas de barreira Higiene Redução de procedimentos invasivos Redução de tempo de hospitalização Pactuação com equipe assistente é essencial para o sucesso

6 Elemento essencial de programa de segurança do paciente

7 Roteiro Tipos de relação entre homem e microorganismos Definição de infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) Diferenças entre infecção comunitária e IRAS Cadeia epidemiológica das infecções

8 Relação homem e microorganismos Contaminação ou colonização transitória: presença de um microrganismo sobre a superfície epitelial sem invasão tecidual, reação fisiológica e dependência metabólica com o hospedeiro Colonização: relação de dependência metabólica com o hospedeiro e formação de colônias, mas sem expressão clínica e reação imunológica. Infecção: parasitismo (interação metabólica) e reação do hospedeiro (inflamação e imunidade) e quando manifestada clinicamente é chamada de doença infecciosa.

9 Infecção comunitária Infecção constatada ou em incubação no ato de admissão do paciente, desde que não relacionada com internação anterior no mesmo hospital. Complicações ou extensão da infecção já presente na admissão Exceção: troca de microrganismo ou nova infecção Infecção em recém-nascido por via transplacentária (ex: Herpes simples, toxoplasmose, rubéola, citomegalovirose, sífilis e AIDS) ou associadas com bolsa rota superior a 24 horas. Portaria MS / 98

10 Infecção relacionada à assistência à saúde (IRAS) Infecção relacionada com a internação ou procedimentos hospitalares. Quando na mesma topografia em que foi diagnosticada infecção comunitária for isolado um germe diferente, seguido do agravamento das condições clínicas do paciente. Quando se desconhecer o período de incubação do microrganismo: 72h após a admissão. Quando associadas a procedimentos invasivos diagnósticos e/ou terapêuticos. Infecções no recém-nascido, com exceção das transmitidas de forma transplacentária e aquelas associadas a bolsa rota superior a 24 horas. Portaria MS / 98

11 Exemplos Criança evolui com quadro de varicela no 10º dia de internação hospitalar Homem evolui com infecção de ferida operatória no 7º dia de pós-op, já em casa Mulher com dengue, evolui com bacteremia no D2 de internação na emergência durante etapa de manutenção pós expansão volêmica com cristalóides IV

12 Exemplos Criança evolui com quadro de varicela no 10º dia de internação hospitalar Comunitária Homem evolui com infecção de ferida operatória no 7º dia de pós-op, já em casa Mulher com dengue, evolui com bacteremia no D2 de internação na emergência durante etapa de manutenção pós expansão volêmica com cristalóides IV IRAS IRAS

13 Cadeia epidemiológica das infecções Agente etiológico Hospedeiro susceptível Reservatório e fonte Penetração Vias de eliminação Vias de transmissão

14 Agente infectante Geralmente os agentes de IRAS originam-se da própria microbiota humana, pela ruptura de seu equilíbrio com o hospedeiro (autógena); Colonização precede infecção Na microbiota normal, uma população controla o crescimento da outra e também dificulta a invasão de MO exógenos (ex: o uso de antimicrobianos favorece colite pseudomembranosa e candidose)

15 Reservatório e fonte Reservatório: local onde o microrganismo habita. Ex: sistema de água quente: Legionella Nas IRAS o paciente é o principal reservatório Fonte: objeto inanimado ou animado que transporta o agente infeccioso. Ex: mãos da equipe de saúde Situação: O umidificador em uma epidemia de pneumonia pode ser a fonte de uma infecção por P. aeruginosa que habita a caixa d'água do hospital (reservatório)

16 Vias de eliminação e transmissão Vias de eliminação porta de saída de microrganismos Secreções, sangue, excretas Vias de transmissão Modo pelo qual um agente pode disseminar-se para um novo hospedeiro. Direta imediata: sem exposição do agente ao meio exterior. Ex: respiração boca-a-boca mediata: exposição sem alteração do material infectante. Ex: gotículas respiratórias Aérea: aerossóis (Ex: tuberculose, Legionella) ou suspensão de material infectante ressecado (Ex: agitar lençois). Indireta: vetores (animais) e veículos (objetos inanimados)

17 Penetração Pele íntegra: boa resistência à penetração de agentes. Punções, queimaduras, incisões e traumas favorecem a penetração de agentes Mucosas colonizadas: apresentam resistência intermediária à penetração de agentes Tecidos estéreis: são os mais susceptíveis ao desenvolvimento de infecções

18 Classificação de artigos Artigos Tecidos Reprocessamento Críticos Estéreis Esterilização Semi-críticos Mucosas colonizadas Desinfecção Não críticos Pele íntegra Limpeza Fonte: MBA em gestão hospitalar e controle de infecção - FAMESP

19 Hospedeiro susceptível patologia de base afetar a integridade epitelial (escara de decúbito) afetar os mecanismos de defesa (desnutrição, AIDS) procedimento invasivo rompe a integridade efeito corpo estranho veicula microrganismos na sua introdução ou permanência (luz ou superfície externa) Biofilme alterações da microbiota pressão seletiva dos antimicrobianos

20 Diferenças entre infecção comunitária e IRAS DOENÇA INFECCÃO COMUNITÁRIA SÍNDROME INFECÇÃO HOSPITALAR ORIGEM EXÓGENA ENDÓGENA SAZONALIDADE PODE NÃO ETIOLOGIA ESPECÍFICA INESPECÍFICA PATOGENIA AGENTE HOSPEDEIRO CLÍNICA ESPECÍFICA INESPECÍFICA IMUNIDADE PODE NÃO Fonte: MBA em gestão hospitalar e controle de infecção - FAMESP

21 Infecção metastática vs. superinfecção Classificação Nova topografia Novo agente Infecção hospitalar Infecção metastática Sim Não Foco primário: acesso vascular Superinfecção Não Sim Piora clínica ou da semiologia Fonte: MBA em gestão hospitalar e controle de infecção - FAMESP

22 Cadeia epidemiológica das IRAS Hospedeiro susceptível: Críticos, neonato, DM, etc. Agente etiológico: Bactérias, fungos, etc. Reservatório e fonte: Pessoas, equipamentos, água Penetração: Pele, mucosa, TGI, TGU, TR Vias de transmissão: Direta, indireta, aérea Vias de eliminação: Excreções,secreções, gotículas, pele.

23 Detecção precoce de agentes de importância clinica Controle de antimicrobianos Tratamento e procedimentos Localização do paciente Manejo seguro de dispositivos invasivos Assepsia Medidas de precaução Medidas de controle Hospedeiro susceptível: Críticos, neonato, DM, etc. Penetração: Pele, mucosa, TGI, TGU, TR Agente etiológico: Bactérias, fungos, etc. Vias de transmissão: Direta, indireta, aérea Reservatório e fonte: Pessoas, equipamentos, água Vias de eliminação: Excreções,secreções, gotículas, pele. Saúde ocupacional Higiene do ambiente Desinfeccao e esterilização Qualidade da agua Manejo seguro de enxoval e resíduos Curativos Medidas de precaução Higiene das mãos Qualidade da comida

24 Detecção precoce de agentes de importância clinica Controle de antimicrobianos Tratamento e procedimentos Localização do paciente Manejo seguro de dispositivos invasivos Assepsia Medidas de precaução Medidas de controle Hospedeiro susceptível: Críticos, neonato, DM, etc. Penetração: Pele, mucosa, TGI, TGU, TR Agente etiológico: Bactérias, fungos, etc. Vias de transmissão: Direta, indireta, aérea Reservatório e fonte: Pessoas, equipamentos, água Vias de eliminação: Excreções,secreções, gotículas, pele. Saúde ocupacional Higiene do ambiente Desinfeccao e esterilização Qualidade da agua Manejo seguro de enxoval e resíduos Curativos Medidas de precaução Higiene das mãos Qualidade da comida

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR Vítor Martins Médico Infectologista ASSUNTOS QUE ABORDAREMOS - Colonização

Leia mais

CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR EM PEDIATRIA E

CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR EM PEDIATRIA E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA Tema: Controle de infecção em Neonatologia e Pediatria Objetivos Identificar conceitos básicos sobre infecção hospitalar Conceituar e classificar

Leia mais

Aula 11: Infecções e antibióticos

Aula 11: Infecções e antibióticos Aula 11: Infecções e antibióticos Infecção Infecção é a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha patogênica. Em uma infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Higienização das mãos

Higienização das mãos UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Higienização das mãos Eva Cláudia Venâncio de Senne Luciana Paiva Patrícia Borges Peixoto Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA 1. Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH, formada por Membros Executores e Consultores, tem como objetivo, elaborar e implementar o programa anual de controle de infecções,

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM MOSSORÓ

CURSO DE ENFERMAGEM MOSSORÓ ANEXO Conteúdo para EXIN 2015.1 - campus MOSSORÓ CURSO DE ENFERMAGEM MOSSORÓ 3ª Série DISCIPLINAS ÉTICA E PROFISSIONALISMO MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA I SISTEMAS CORPORAIS

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA

INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA V Congresso Norte Nordeste de Infectologia Fortaleza-Ceará Dezembro-2014 Gláucia Ferreira INTRODUÇÃO o As Infecções relacionadas à asssistência à saúde em neonatologia afetam

Leia mais

Princípios de Assepsia

Princípios de Assepsia Princípios Científicos da Intervenção de Enfermagem Relacionados à Assepsia Enfa. Esp. Renata Romualdo Princípios de Assepsia 1 Áreas Críticas: Princípios de Assepsia Ambientes que abrigam procedimentos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

MEDIDAS DE PRECAUÇÕES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO CONTATO, POR GOTÍCULAS, PELO AR, POR VEÍCULOS COMUNS E VETORES.

MEDIDAS DE PRECAUÇÕES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO CONTATO, POR GOTÍCULAS, PELO AR, POR VEÍCULOS COMUNS E VETORES. MEDIDAS DE PRECAUÇÕES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO CONTATO, POR GOTÍCULAS, PELO AR, POR VEÍCULOS COMUNS E VETORES. I- Objetivo: Impedir a disseminação de um agente infeccioso do paciente, infectado ou

Leia mais

altura 28,58 Prof. Bruno Pires

altura 28,58 Prof. Bruno Pires Prof. Bruno Pires HERPES BUCAL Herpes simplex tipo I (DNAdf). Vias aéreas (oral e respiratória); contato pessoapessoa; contato com objetos contaminados com o vírus. Formação de bolhas e feridas no tecido

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

ADM_GERENCIAMENTO POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL

ADM_GERENCIAMENTO POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL Processo: Precauções e isolamentos ADM_GERENCIAMENTO POP PROCEDIMENTO OPERACIONAL Identificação P O P 04 CCIH Revisão: 00 DATA DE ELABORAÇÃO: Maio/2015 Folha Nº 1. OBJETIVO: Reduzir ou minimizar os riscos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar. Manual do Monitor

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar. Manual do Monitor AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar Manual do Monitor AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Diretor-Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES INFECTADOS COM HIV 9 a Jornada de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Infecção pelo HIV Alterações de imunidade relacionadas ao HIV: Depleção de células c CD4 (< 250,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL DE ANTISSÉPTICOS PADRONIZADOS DO HC/UFTM A. ANTISSEPSIA 1 - INTRODUÇÃO Antissepsia é o processo de eliminação ou inibição do crescimento dos microrganismos na pele ou em outros tecidos vivos. É realizada através de antissépticos que são formulações

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia

Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG EENF CURSO DE GRADUAÇÃO Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Segurança Biológica (2) - práticas de assepsia Profª Marta Riegert Borba - 2012 8. ASSEPSIA 8.1

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

MA 4 APOIO TÉCNICO. Flávia Miranda Fabíola Raimundo

MA 4 APOIO TÉCNICO. Flávia Miranda Fabíola Raimundo MA 4 APOIO TÉCNICO Flávia Miranda Fabíola Raimundo MA 3 Diagnóstico e Terapêutica MA 4/1 Sistema de informação do paciente/cliente MA 4/2 gestão de Equipamentos e Tecnologia Médico-Hospitalar MA 4/3 Prevenção,

Leia mais

BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE. Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso

BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE. Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso VIAS DE DEGRADAÇÃO DA GLICOSE 1. Via Embdem Meyerhof Parnas (EMP) Glicose usada na ausência de O

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO. BIOL. MARIA MÁRCIA ORSI MOREL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA - ABLP- 11, abril, 2016

ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO. BIOL. MARIA MÁRCIA ORSI MOREL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA - ABLP- 11, abril, 2016 T BIOL. MARIA MÁRCIA ORSI MOREL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA - ABLP- 11, abril, 2016 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS I.1 RSS EM SÃO PAULO: UMA VISÃO TEMPORAL 1950 LEI ESTADUAL 1561-A DE 29/12/1951,

Leia mais

Ana Carolina Étori Aguiar

Ana Carolina Étori Aguiar Ana Carolina Étori Aguiar SUMÁRIO Conceito; Imunidade Inata Componentes; Reconhecimento de microrganismos; Mecanismos efetores; Distúrbios congênitos e alterações na Imunidade Inata; Desafios e Previsões.

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

PRECAUÇÕES NO SERVIÇO

PRECAUÇÕES NO SERVIÇO PRECAUÇÕES NO SERVIÇO CCIH DE SAÚDE Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A disseminação de infecção dentro do hospital depende de três elementos: uma fonte

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA?... Epidemiologia Descritiva. Objetivo EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA DOIS TIPOS DE EPIDEMIOLOGIA

EPIDEMIOLOGIA?... Epidemiologia Descritiva. Objetivo EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA DOIS TIPOS DE EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA DOIS TIPOS DE EPIDEMIOLOGIA Profa. Ms Rejane Gonçalves EPIDEMIOLOGIA?... Epidemiologia Descritiva Pressupostos - a doença não ocorre por acaso, apresenta fatores causais que podem ser prevenidos.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Identificação e Análise de Riscos MÄdulo 1 NoÇÉes de Higiene Ocupacional

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Identificação e Análise de Riscos MÄdulo 1 NoÇÉes de Higiene Ocupacional Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos MÄdulo 1 NoÇÉes de Higiene Ocupacional Noções de Higiene do Ocupacional Higiene Ocupacional é um conjunto de medidas preventivas multidisciplinares

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

INTRODUÇÃO À DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL

INTRODUÇÃO À DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL Disciplina: Patologia Oral INTRODUÇÃO À DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2013 Introdução à Disciplina de Patologia Bucal CONCEITOS Patologia - É o estudo

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Curso: Biomedicina 1º. Semestre: DISCIPLINA: Anatomia Humana I SUPERINTEDÊNCIA B108508 04 1º 80 Estruturas anatômicas. Posição anatômica: planos, eixos e conceitos. Estruturas aplicadas às situações em

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

Conceitos Básicos de Higiene e Saúde Animal

Conceitos Básicos de Higiene e Saúde Animal Instituto Politécnico de Viana do Castelo Escola Superior Agrária de Ponte Lima Concurso Especial de Acesso Maiores de 23 Anos Seminário 23 de Maio de 2008. Conceitos Básicos de Higiene e Saúde Animal

Leia mais

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO EPIDEMIOLOGIA Parte 01 PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA EPIDEMIOLOGIA ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO Epidemiologia é portanto, o estudo de alguma coisa que aflige (afeta)

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado. GRIPE A (H1N1) Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? Até 10 horas. Torna o vírus inativo e o mata (desde que seja feito

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013 HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES Bianca Fonseca Abril 2013 Primeiro Desafio Global para Segurança do Paciente 2005 Portaria de segurança metas internacionais de segurança Por que higienizar as mãos?

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 Dispõe sobre as condições para instalação e funcionamento dos Estabelecimentos de Podologia. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Semestre: 1 Quantidade de Módulos:9 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde

Semestre: 1 Quantidade de Módulos:9 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde 212 Módulo: 9º período e Mês Início do Módulo:216/1 Numero da Página: 1 Impresso em:14/12/215 16:4:29 da Disciplina Variação TEO PRA LAB TEO PRA LAB Quantidade de Disciplinas neste Módulo: Total CH H/A:

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

Sistema Imunitário. Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os

Sistema Imunitário. Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os O que é a Imunidade? Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os e eliminando-os Funções: Eliminação de agentes estranhos no

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM MOTRICIDADE OROFACIAL Stella Maris Cortez Bacha Vanessa Ponsano Gíglio Cybele de Fátima Mandetta Ríspoli Maria Lucia Reginato Brasil

BIOSSEGURANÇA EM MOTRICIDADE OROFACIAL Stella Maris Cortez Bacha Vanessa Ponsano Gíglio Cybele de Fátima Mandetta Ríspoli Maria Lucia Reginato Brasil Capítulo 1 15 BIOSSEGURANÇA EM MOTRICIDADE OROFACIAL Stella Maris Cortez Bacha Vanessa Ponsano Gíglio Cybele de Fátima Mandetta Ríspoli Maria Lucia Reginato Brasil INTRODUÇÃO A prática fonoaudiológica

Leia mais

Epidemiologia de Desastres. Organización n Panamericana de la Salud Organización n Mundial de la Salud

Epidemiologia de Desastres. Organización n Panamericana de la Salud Organización n Mundial de la Salud Epidemiologia de Desastres Organización n Panamericana de la Salud Organización n Mundial de la Salud Nestes momentos milhões de pessoas estão sendo afetados por desastres no mundo. EVENTOS ADVERSOS Fenômenos

Leia mais

RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO

RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO RELAÇÕES AMBIENTE-MICRORGANISMO Bactérias Gram(+) e Gram(-) Profa. Ms Solange A O Neves Curso: Enfermagem 1 Profa. Ms Solange A O Neves 2 1) Estafilococos Staphylococcus aureus BACTÉRIAS GRAM POSITIVAS

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. A Dengue é um problema sério de saúde pública, a sua eliminação depende muito da participação popular. Mas a população precisa ter conhecimento das ações de controle, realizadas

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Bráulio Matias de Carvalho - Médico Infectologista- ISGH Selma Furtado Magalhães - Gerente de Risco - ISGH COLABORADORES Jamile de Sousa Pacheco

Leia mais

FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA. Col. Santa Clara Prof. Marcos

FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA. Col. Santa Clara Prof. Marcos FOME E EPIDEMIA NA ÁFRICA Col. Santa Clara Prof. Marcos EPIDEMIA E PANDEMIA EPIDEMIA [ epi = sobre + demia = doença]: é a ocorrência simultânea de um grande número de casos da mesma doença, em um determinado

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV

O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV Larissa G Thimoteo Cavassin Enfermeira CCIH Junho 2013 Apresentação Introdução Medidas para prevenção de PAV Aplicação prática Conclusão Estado da arte Origem: Wikipédia,

Leia mais

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Uol - SP 28/04/2015-12:43 Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Da Redação Tosse pode ser transmitida de pessoa para pessoa. VERDADE: porém, isso só é possível se a tosse for causada por um agente

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES

Leia mais

Manual de Implantação PROJETO MÃOS LIMPAS, PACIENTE SEGURO

Manual de Implantação PROJETO MÃOS LIMPAS, PACIENTE SEGURO Manual de Implantação PROJETO MÃOS LIMPAS, PACIENTE SEGURO 2013 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ Michelle Caputo Neto SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Sezifredo Paz CENTRO DE VIGILÂNCIA

Leia mais

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção 21. Sobre a participação do setor privado no Sistema Único de, SUS, é incorreto afirmar que: a. As entidades filantrópicas e sem fins lucrativos também recebem remuneração do SUS pelos serviços prestados

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

A Secretaria de Saúde do Estado do Piauí (SESAPI) está investigando casos de tracoma 4

A Secretaria de Saúde do Estado do Piauí (SESAPI) está investigando casos de tracoma 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 16 Ana Patrícia Moreira P. de Carvalho 1 Francisca Nádia Portela Leite 1 Luiziane Dias de Carvalho 1 Selonia Patrícia

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUNHA PORÃ

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUNHA PORÃ ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÍNIMO SUGERIDO PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS OBJETIVAS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CARGOS: TODOS OS CARGOS CONHECIMENTOS GERAIS História do Município: colonização, espaço geográfico,

Leia mais

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL INFORMAÇÃO PARA O PÚBLICO SOBRE O DIA EUROPEU DOS ANTIBIÓTICOS O Dia Europeu dos Antibióticos terá lugar no dia 18 de Novembro de 2009. Este dia tem por objectivo proporcionar uma oportunidade de sensibilização

Leia mais

Cuidados a Ter com o seu Gato

Cuidados a Ter com o seu Gato Cuidados a Ter com o seu Gato ALIMENTAÇÃO O Gato é um animal que tem carências nutricionais diferentes das nossas. Por isso a sua dieta deve ser direccionada a atender estas necessidades. A ração ou a

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

ENFERMAGEM PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

ENFERMAGEM PROGRAMA DE APRENDIZAGEM ENFERMAGEM 1º PERÍODO DISCIPLINA: Bioquímica B108494 03 1º 60 O programa relaciona os seguintes assuntos: Princípios de Química Orgânica, Introdução a Bioquímica, Princípios da Regulação do Metabolismo,

Leia mais

A influência do cuidado préoperatório. para prevenir infecções. Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses)

A influência do cuidado préoperatório. para prevenir infecções. Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses) A influência do cuidado préoperatório e pós operatório para prevenir infecções Antonio Tadeu Fernandes (total ausência de conflito de interesses) Prática Baseada em Evidências Uso consciente, explícito

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA DESIGNAÇÃO E CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL Nº. 04/2012 ANEXO V CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA DESIGNAÇÃO E CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL Nº. 04/2012 ANEXO V CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA DESIGNAÇÃO E CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EDITAL Nº. 04/2012 ANEXO V CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I PARA TODOS OS CARGOS LINGUA PORTUGUESA Uso dos recursos linguísticos em relação

Leia mais

A BACTÉRIA KPC: SUA CONTAMINAÇÃO E ALGUNS FATORES PREVENTIVOS

A BACTÉRIA KPC: SUA CONTAMINAÇÃO E ALGUNS FATORES PREVENTIVOS A BACTÉRIA KPC: SUA CONTAMINAÇÃO E ALGUNS FATORES PREVENTIVOS RESUMO Diego Terada de Oliveira 1 Rodrigo Barretto Vila 2 A respectiva abordagem visa discorrer sobre a importância de conhecermos as características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 28, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 28 - Área de atuação em Infectologia Nome do Candidato Caderno de

Leia mais

CUIDADOS COM A PELE DO

CUIDADOS COM A PELE DO CUIDADOS COM A PELE DO ENFERMAGEM RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A pele do recém-nascido (RN) apresenta algumas peculiaridades que a

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 25 INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 THE HOSPITAL INFECTION IN THE INTENSIVE CARE UNIT: RISK FACTORS AND MORTALITY Larissa Martins SOSSAI 2 Caroline

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais