ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO. BIOL. MARIA MÁRCIA ORSI MOREL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA - ABLP- 11, abril, 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO. BIOL. MARIA MÁRCIA ORSI MOREL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA - ABLP- 11, abril, 2016"

Transcrição

1 T BIOL. MARIA MÁRCIA ORSI MOREL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LIMPEZA PÚBLICA - ABLP- 11, abril, 2016

2 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS I.1 RSS EM SÃO PAULO: UMA VISÃO TEMPORAL 1950 LEI ESTADUAL 1561-A DE 29/12/1951, ART. 195: OBRIGATÓRIO, A TODOS OS HOSPITAIS, SISTEMA DE COLETA CUJA OPERAÇÃO DEVERIA SE DAR COM GARANTIAS DE HIGIENE E ASSEPSIA, E LIXO RESULTANTE DOS SERVIÇOS MÉDICOS CIRÚRGICOS DEVE SER INCINERADO 1960 LEI MUNICIPAL 6297 DE 1º/07/1963 DETERMINA A INSTALAÇÃO DE INCINERADORES EM TODOS OS HOSPITAIS, SANATÓRIOS, CASAS DE SAÚDE, MATERNIDADES, AMBULATÓRIOS, CRECHES E OUTROS.

3 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS I.1 RSS EM SÃO PAULO: UMA VISÃO TEMPORAL 1970 DECRETO ESTADUAL DE 21/07/1970: APROVA REGULAMENTO REFERENTE AO ART. 22 DO DECRETO-LEI 211/1970 ART. 128: "É OBRIGATÓRIA A INSTALAÇÃO DE INCINERAÇÃO DO LIXO SÉPTICO OU CIRÚRGICO EM INCINERADOR LOCALIZADO NO PERÍMETRO DO NOSOCÔMIO". LEI MUNICIPAL DE 13/09/1972, PRECONIZA A INCINERAÇÃO IN SITU PARA: A) OS MATERIAIS PROVENIENTES DE UNIDADES MÉDICO-HOSPITALARES DE ISOLAMENTO E DE ÁREAS INFECTADAS OU COM PACIENTES PORTADORES DE MOLÉSTIAS INFECTO-CONTAGIOSAS, INCLUSIVE OS RESTOS DE ALIMENTOS E A VARREDURA; B) QUALQUER MATERIAL DECLARADAMENTE CONTAMINADO OU SUSPEITO A CRITÉRIO DO MÉDICO RESPONSÁVEL;

4 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS I.1 RSS EM SÃO PAULO: UMA VISÃO TEMPORAL 1970 LEI MUNICIPAL DE 13/09/1972 C) MATERIAIS RESULTANTES DE TRATAMENTO OU PROCESSO DIAGNÓSTICO QUE TENHAM ENTRADO EM CONTATO DIRETO COM PACIENTES, COMO CURATIVOS, COMPRESSAS; D) RESTOS INSIGNIFICANTES DE TECIDOS E DE ÓRGÃOS HUMANOS OU ANIMAIS. PARÁGRAFO ÚNICO EXCETO NOS CASOS PREVISTOS NESTE ARTIGO, NÃO SERÁ PERMITIDA A INSTALAÇÃO OU USO DE INCINERADOR, PARA QUEIMA DE LIXO, EM RESIDÊNCIAS, EDIFÍCIOS, ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS OU INDUSTRIAIS E OUTROS".

5 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS I.1 RSS EM SÃO PAULO: UMA VISÃO TEMPORAL 1970 DECRETO MUNICIPAL DE 08/03/1977 ESTABELECE COLETA DIFERENCIADA PARA RSS EM SÂO PAULO LEI ESTADUAL 997de 31/05/1976: CRIA A CETESB DECRETO ESTADUAL 8468 DE 08/09/76: REGULAMENTA A LEI 997/76 ART. 39: ESTABELECE PADRÕES DE OPERAÇÃO E DE CONTROLE DE EMISSÕES PARA INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS SÉPTICOS E CIRÚRGICOS HOSPITALARES

6 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS RSS: UMA VISÃO TEMPORAL- ÂMBITO NACIONAL 1970 PORTARIA MINTER. Nº53 DE 01 DE MARÇO DE 1979 Resolve: VI - Todos os resíduos sólidos portadores de agentes patogênicos, inclusive os de estabelecimentos hospitalares e congêneres, assim como alimentos e outros produtos de consumo humano condenados, deverão ser adequadamente acondicionados e conduzidos em transporte especial, nas condições estabelecidas pelo órgão estadual de controle da poluição ambiental, e, em seguida, obrigatoriamente incinerados. VII - As instalações dos incineradores de que tratam os itens anteriores, além do contido na Portaria n. 231, de 27 de março de 1976, do Ministério do Interior, que estabelece padrões de qualidade do ar, deverão: a) possibilitar a cremação de animais de pequeno porte; b) ser instalados por autoridades municipais para uso público, servindo à área de um ou mais municípios, de acordo com as possibilidades técnicas econômicas locais

7 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1980: MUDANÇA DE PARADIGMA PERCEPÇÃO DE CARCTERÍSTICAS UNIVERSAIS DE RSS; GERAÇÃO: ESTABELECIMENTOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E DE ATIVIDAES DE ENSINO E PESQUISA VOLTADOS ÁS POPULAÇÕES HUMANA E ANIMAL NATUREZA: MATERIAIS BIOLÓGICOS, QUÍMICOS, RADIOATIVOS, PERFURANTES E CORTANTES, DA QUAL DECORRE POTENCIAL DE RISCO OCUPACIONAL, AMBIENTAL E DE SAÚDE PÚBLICA NECESSIDADE DE GERENCIAMENTO INTRA E EXTRA UNIDADE

8 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS RSS: CARCTERÍSTICAS UNIVERSAIS GERAÇÃO: ESTABELECIMENTOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E DE ATIVIDAES DE ENSINO E PESQUISA VOLTADOS ÁS POPULAÇÕES HUMANA E ANIMAL NATUREZA: MATERIAIS BIOLÓGICOS, QUÍMICOS, RADIOATIVOS, PERFURANTES E CORTANTES, DA QUAL DECORRE POTENCIAL DE RISCO NECESSIDADE DE GERENCAMENTO

9 I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1987: ABNT INSTALAÇÃO DE COMITÊ PARA A ELABORAÇÃO DAS NBR 12807; ; E 12810: DEFINIR E UNIFORMIZAR NOMENCLATURA (ABNT NBR 12807) DEFINIR SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO (ABNT NBR 12808) ESTABELECER SISTEMA DE GERENCIAMENTO: PROCEDIMENTOS INTRA UNIDADE, MATERIAIS,INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS (ABNT NBR 12809) ESTABELECER PADRÕES PARA COLETA EXTERNA, DEFINIÇÃO E USO DE EPI (ABNT NBR 12810)

10 SISTEMA DE GERENCIAMENTO: ETAPAS SEGREGAÇÃO CLASSIFICAÇÃO ACONDICIONAMENTO TRANSPORTE INTERNO ARMAZENAGEM INTERNA TRANSPORTE EXTERNO ARMAZENAGEM EXTERNA COLETA EXTERNA TRATAMENTO DISPOSIÇÃO FINAL

11 Para efeito os efeitos deste deste documento, os resíduos aplicam-se de serviços termos de e saúde definições são classificados da ABNT NBR conforme sua natureza e risco em: 4.1 Biológico Resíduos que por suas características de virulência, infectividade ou concentração de patógenos, podem apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente, conforme definido no item da ABNT NBR ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO II. CLASSIFICAÇÃO DE RSS: RAZÕES E FINALIDADES PERMITE SABER: O QUE É GERADO O QUANTO É GERADO ONDE É GERADO COM QUAL FREQUÊNCIA É GERADO QUAL O POTENCIAL E RISCO ASSOCIADO PARA ADEQUAR OS PROCEDIMENTOS DE MANUSEIO INTRA UNIDADE AOS DE GERENCIAMENTO EXTERNO, ASSEGURANDO TANTO A MINIMIZAÇÃO DE QUNTITATIVOS DE GERAÇÃO, QUANTO A DE RISCOS OUCPACIONAIS, AMBIENTAIS E DE SAÚDE.

12 4.1 Biológico 4.1 Biológico Para efeito os efeitos deste deste documento, os resíduos aplicam-se de serviços termos de e saúde definições são classificados da ABNT NBR conforme sua natureza e risco em: Resíduos que por suas características de virulência, infectividade ou concentração de patógenos, podem apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente, conforme definido no item da ABNT NBR Resíduos que por suas características de virulência, infectividade ou concentração de patógenos, podem apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente, conforme definido no item da ABNT NBR ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO II.1 A NORMA ABNT NBR II.1.1 FUNDAMENTAÇÃO A PRESENÇA DE MATERIAIS DE NATUREZA BIOLÓGICA, QUÍMICA, RADIOATIVA, PERFURANTE E CORTANTE, ENQUANTO CARACTERÍSTICA INDISSOCIÁVEL E CONDICIONANTE DO POTENCIAL DE RISCO AMBIENTAL E DE SAÚDE, INERENTES AOS RSS; IDENTIFICAR E AGRUPAR EM CADA ITEM PRODUTOS, SUBSTÂNCIAS E PROCEDIMENTOS CORRESPONDENTES À NATUREZA BIOLÓGICA, QUÍMICA, RADIOATIVA, PERFURANTE E CORTANTE DOS RSS;

13 Sobras de amostras encaminhadas para análises clinicas e seus recipientes. Para Biológico Microbiológico efeito os Filtros Resíduos efeitos deste deste ar resultantes e documento, gases aspirados da resíduos atenção aplicam-se de à de ambientes saúde serviços termos de indivíduos contaminados; de e saúde definições são ou de classificados membrana da animais, ABNT NBR com filtrante conforme suspeita de equipamento sua ou natureza certeza de médico e risco contaminação em: hospitalar por e de agentes pesquisa, biológicos entre outros com risco similares. à saúde pública e ao meio ambiente. Resíduos Culturas que por e estoques suas características de microrganismos; de virulência, resíduos infectividade de produtos ou concentração biológicos; vacinas; de patógenos, meios de podem cultura apresentar e resíduos risco de laboratórios à saúde pública clínicos, e ao de meio pesquisa ambiente, e de conforme genética, definido inclusive no instrumentais item da utilizados ABNT NBR para manuseio. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO II.2 UNIDADES DE CLASSIFICAÇÃO (ITEM 4) 4.1 BIOLÕGICO: Resíduos que por suas características de virulência, infectividade ou concentração de patógenos, podem apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente, conforme definido no item da ABNT NBR MICROBIOLÓGICO Culturas e estoques de microrganismos; resíduos de produtos biológicos; vacinas; meios de cultura e resíduos de laboratórios clínicos, de pesquisa e de genética, inclusive instrumentais utilizados para manuseio.

14 Sobras de amostras encaminhadas para análises clinicas e seus recipientes. Para Biológico Microbiológico efeito os Filtros Resíduos efeitos deste deste ar resultantes e documento, gases aspirados da resíduos atenção aplicam-se de à de ambientes saúde serviços termos de indivíduos contaminados; de e saúde definições são ou de classificados membrana da animais, ABNT NBR com filtrante conforme suspeita de equipamento sua ou natureza certeza de médico e risco contaminação em: hospitalar por e de agentes pesquisa, biológicos entre outros com risco similares. à saúde pública e ao meio ambiente. Resíduos Culturas que por e estoques suas características de microrganismos; de virulência, resíduos infectividade de produtos ou concentração biológicos; vacinas; de patógenos, meios de podem cultura apresentar e resíduos risco de laboratórios à saúde pública clínicos, e ao de meio pesquisa ambiente, e de conforme genética, definido inclusive no instrumentais item da utilizados ABNT NBR para manuseio. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO Resíduos resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou de animais, com suspeita ou certeza de contaminação por agentes biológicos com risco à saúde pública e ao meio ambiente Sobras de amostras encaminhadas para análises clinicas e seus recipientes Filtros de ar e gases aspirados de ambientes contaminados; membrana filtrante de equipamento médico hospitalar e de pesquisa, entre outros similares.

15 4.1.2 Sangue, Hemoderivados e Líquidos Corpóreos Bolsas de sangue pós-transfusão. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO SANGUE, HEMODERIVADOS E LÍQUIDOS CORPÓREOS Bolsas de sangue pós-transfusão Bolsas pré-transfusionais contendo sangue ou hemocomponentes rejeitadas por contaminação; má conservação; prazo de validade vencido; sorologia positiva; e as provenientes de coleta incompleta Amostras e sobras de sangue e de hemocomponentes para análise; materiais contendo sangue ou líquidos corpóreos;

16 4.1.2 Sangue, Hemoderivados e Líquidos Corpóreos Bolsas de sangue pós-transfusão. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO ASSISTÊNCIA AO PACIENTE Recipientes e materiais resultantes de procedimentos de assistência à saúde Kits arteriais, venosos e de diálise.

17 4.1.4 Cirúrgico, obstétrico e anatomopatológico Sangue, Peças anatômicas Hemoderivados (membros, e Líquidos órgãos Corpóreos e tecidos), exsudatos e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou tanatopraxia; estudos anátomo-patológicos, com fins de diagnóstico ou pesquisa Bolsas Produto de de sangue fecundação pós-transfusão. sem sinais vitais, com peso igual ou inferior a 500 gramas ou idade gestacional igual ou inferior a 20 semanas, que não tenha valor científico e que não tenha sido requisitado pelo paciente ou familiares Sangue, tecido adiposo, líquidos corpóreos e materiais contaminados resultantes de procedimentos cirúrgicos e de necropsia. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO CIRÚRGICO, OBSTÉTRICO E ANATOMOPATOLÓGICO Peças anatômicas (membros, órgãos e tecidos), exsudatos e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou tanatopraxia; estudos anátomo-patológicos, com fins de diagnóstico ou pesquisa Produto de fecundação sem sinais vitais, com peso igual ou inferior a 500 gramas ou idade gestacional igual ou inferior a 20 semanas, que não tenha valor científico e que não tenha sido requisitado pelo paciente ou familiares Sangue, tecido adiposo, líquidos corpóreos e materiais contaminados resultantes de procedimentos cirúrgicos e de necropsia.

18 4.1.4 Cirúrgico, obstétrico e anatomopatológico Sangue, Peças anatômicas Hemoderivados (membros, e Líquidos órgãos Corpóreos e tecidos), exsudatos e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou tanatopraxia; estudos anátomo-patológicos, com fins de diagnóstico ou pesquisa Bolsas Produto de de sangue fecundação pós-transfusão. sem sinais vitais, com peso igual ou inferior a 500 gramas ou idade gestacional igual ou inferior a 20 semanas, que não tenha valor científico e que não tenha sido requisitado pelo paciente ou familiares Sangue, tecido adiposo, líquidos corpóreos e materiais contaminados resultantes de procedimentos cirúrgicos e de necropsia. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO RESÍDUOS DE ANIMAIS Cadáveres, carcaças, peças anatômicas, vísceras e resíduos provenientes de animais submetidos a processos de experimentação com inoculação de micro-organismos e os suspeitos de ser portadores de microrganismos de relevância epidemiológica, bem como suas camas e forrações.

19 4.1.4 Cirúrgico, obstétrico e anatomopatológico Sangue, Peças anatômicas Hemoderivados (membros, e Líquidos órgãos Corpóreos e tecidos), exsudatos e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou tanatopraxia; estudos anátomo-patológicos, com fins de diagnóstico ou pesquisa Bolsas Produto de de sangue fecundação pós-transfusão. sem sinais vitais, com peso igual ou inferior a 500 gramas ou idade gestacional igual ou inferior a 20 semanas, que não tenha valor científico e que não tenha sido requisitado pelo paciente ou familiares Sangue, tecido adiposo, líquidos corpóreos e materiais contaminados resultantes de procedimentos cirúrgicos e de necropsia. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO 4.2 QUÍMICO Resíduos contendo substâncias químicas que, podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, devido às características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade, conforme ABNT NBR Produtos e reagentes para diagnose Reagentes para laboratório Resíduos contendo metais pesados Resíduos de saneantes, desinfetantes, desinfestantes Efluentes de equipamentos automatizados utilizados em análises clínicas Efluentes de processadores de imagem Resíduos de medicamentos e cosméticos com base farmacoterapêutica Outros resíduos de substâncias e produtos químicos gerados na assistência à saúde.

20 4.1.4 Cirúrgico, obstétrico e anatomopatológico Comum Sangue, Peças ou anatômicas Hemoderivados sem risco (membros, à saúde e Líquidos pública órgãos Corpóreos e tecidos), exsudatos e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou tanatopraxia; estudos anátomo-patológicos, com fins de diagnóstico ou pesquisa Resíduos Bolsas Produto que não de de sangue apresentem fecundação pós-transfusão. sem risco sinais biológico, vitais, químico, com peso radioativo, igual ou perfurante inferior a 500 ou cortante gramas ou idade gestacional igual ou inferior a 20 semanas, que não tenha valor científico e que não tenha sido requisitado pelo paciente ou familiares Sangue, tecido adiposo, líquidos corpóreos e materiais contaminados resultantes de procedimentos cirúrgicos e de necropsia. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO 4.3 REJEITO RADIOATIVO Materiais contaminados com radionuclídeos gerados em estabelecimentos de serviços de saúde. Nota: Estes materiais submetem-se às determinações da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN.

21 Comum Sangue, ou Hemoderivados sem risco à saúde e Líquidos pública Corpóreos Resíduos Bolsas que não de sangue apresentem pós-transfusão. risco biológico, químico, radioativo, perfurante ou cortante Cirúrgico, obstétrico e anatomopatológico Peças anatômicas (membros, órgãos e tecidos), exsudatos e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou tanatopraxia; estudos anátomo-patológicos, com fins de diagnóstico ou pesquisa Produto de fecundação sem sinais vitais, com peso igual ou inferior a 500 gramas ou idade gestacional igual ou inferior a 20 semanas, que não tenha valor científico e que não tenha sido requisitado pelo paciente ou familiares Sangue, tecido adiposo, líquidos corpóreos e materiais contaminados resultantes de procedimentos cirúrgicos e de necropsia. ABNT NBR 12808: CLASSIFICAÇÃO 4.4 PERFURANTE E CORTANTE Materiais utilizados na assistência á saúde, capazes de causar lesões por corte, escarificação ou punctura. Nota: Estes materiais podem apresentar risco associado: biológico, químico e radioativo. 4.5 COMUM OU SEM RISCO À SAÚDE PÚBLICA Resíduos que não apresentem risco biológico, químico, radioativo, perfurante ou cortante

22 III. CONSIDERAÇÕES FINAIS O ATO DE CLASSIFICAR RSS, ENQUANTO INSTRUMENTO DE GESTÃO, IMPLICA EM : UNIFORMIZAR O CONHECIMENTO DA NATUREZA E DO POTENCIAL DE RISCO INERENTES RESÍDUOS, POSSIBILITANDO AOS PROFISSIONAIS QUE OS MANUSEIAM, DESDE A GERAÇÃO ATÉ A DISPOSIÇÃO FINAL, A CORREÇÃO DE PROCEDIMENTOS COM A CONSEQUENTE MINIMIZAÇÃO DE QUANTITIVOS E RISCOS; UNIVERSALIZAR, NO TEMPO E NO ESPAÇO, O CONHECIMENTO DE SORTE A MANTER CONSTÂNCIA NA CORREÇÃO DESTES PROCEDIMENTOS;

23 III. CONSIDERAÇÕES FINAIS O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO, POR SUA VEZ, DEVE : SER CLARO E ABRANGENTE, TRADUZINDO, COM FIDELIDADE, A PRÓPRIA NATUREZA E O POTENCIAL DE RISCO DOS RESÍDUOS TAIS PROPÓSITOS, A ABNT NBR 12808, TANTO EM SUA VERSÃO ORIGINAL, QUANTO NA PRESENTE ATUALIZAÇÃO, OBSERVA E CUMPRE. OBRIGADA!

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO SMA N. 33, DE 16.11.2005 Dispõe sobre procedimentos para o gerenciamento e licenciamento ambiental de sistemas de tratamento e disposição final de resíduos de serviços

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM Nº XX, de XXXXXX de 2011.

Deliberação Normativa COPAM Nº XX, de XXXXXX de 2011. Deliberação Normativa COPAM Nº XX, de XXXXXX de 2011. 1 Estabelece diretrizes para sistemas de tratamento e disposição final adequada dos resíduos de serviços de saúde no Estado de Minas Gerais, revoga

Leia mais

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I PGRSS Objetivo: redução, reaproveitamento e destinação final ambientalmente correta dos resíduos. Contempla os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

Mesa Redonda: Situação atual e perspectivas de destinação final dos resíduos dos serviços de saúde de Belo Horizonte

Mesa Redonda: Situação atual e perspectivas de destinação final dos resíduos dos serviços de saúde de Belo Horizonte Mesa Redonda: Situação atual e perspectivas de destinação final dos resíduos dos serviços de saúde de Belo Horizonte Alice Libânia Feam - Fundação Estadual do Meio Ambiente Segundo a Política Nacional

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 Ministério da Justiça CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA - CNPCP RESOLUÇÃO Nº- 5, DE 28 DE JUNHO DE 2012 CONSIDERANDO a ausência de preocupação com o tratamento dado aos resíduos gerados

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA CONCEITOS

GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA CONCEITOS RESÍDUOS SÓLIDOS A palavra lixo é proveniente do latim lix, que significa cinza ou lixívia, ou do verbo lixare, que significa polir, desbastar, arrancar o supérfluo. GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 1216/2012 EMENTA: DISPÕE SOBRE O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS HOSPITALARES E DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor: Deputado SAMUEL MALAFAIA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ KÁTIA ISABEL LIMA LEMOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ KÁTIA ISABEL LIMA LEMOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ KÁTIA ISABEL LIMA LEMOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS EM HOSPITAIS PÚBLICOS E FILANTRÓPICOS DE MÉDIO E GRANDE PORTE NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA FORTALEZA CEARÁ 2009 KÁTIA ISABEL

Leia mais

Apostila Eletrônica Curso PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Apostila Eletrônica Curso PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Introdução O Centro Mineiro de Referência em Resíduos CMRR é um programa, pioneiro no Brasil, do Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente.

Presença de agentes biológicos com risco potencial à saúde pública e ao meio ambiente. Classificação Os resíduos de Serviço de Saúde são classificados por grupo e tipo, com base na Resolução CONAMA 5-5/8/93, complementada pela Resolução Federal 283-12/7/2001 Grupo A: INFECTANTES Presença

Leia mais

PORTARIA SES Nº 1.154, de 22/12/1997

PORTARIA SES Nº 1.154, de 22/12/1997 PORTARIA SES Nº 1.154, de 22/12/1997 "Fixa, através da Norma Técnica constante do Anexo I desta portaria, os parâmetros mínimos necessários para o Gerenciamento dos Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde,

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Resíduos de Serviços de Saúde 29/04/2005 CONAMA 358 Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. 07/12/2004 Anvisa RDC 306 Dispõe sobre o

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 REFERÊNCIAS CRUZADAS 3 CAMPO DE APLICAÇÃO 4 DEFINIÇÕES 5 RESPONSABILIDADES 6 PROCEDIMENTOS 7 FREQÜÊNCIA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB. FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS. CURSO: ADMINISTRAÇÃO.

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB. FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS. CURSO: ADMINISTRAÇÃO. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB. FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS. CURSO: ADMINISTRAÇÃO. A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA DOS RESÍDUOS DA SAÚDE DE UM HOSPITAL PARTICULAR

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PLANO MUNIICIIPAL DE SANEAMENTO BÁSIICO PLANO SETORIIAL DE LIIMPEZA URBANA,, MANEJO E GESTÃO IINTEGRADA DE RESÍÍDUOS SÓLIIDOS DO MUNIICÍÍPIIO DE JII--PARANÁ RELATÓRIO FINAL AGOSTO/2012.

Leia mais

CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CHECK LIST PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE a) Requerimento através do Formulário N o 14 - Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS:

PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: PLANO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE PARA MÍNIMOS GERADORES ESCLARECIMENTOS SOBRE O PGRSS: O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS é documento integrante

Leia mais

FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR

FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR NATAL/RN OUT/2013 Centro Cirúrgico Bolsas contendo sangue ou hemocomponentes Luvas, esparadrapo, algodão, gases, compressas, ataduras, equipos de soro, kits de linhas

Leia mais

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Daniel Bortolin/BRA/VERITAS em 02/02/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 02/02/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 02/02/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS

RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS DEFINIÇÃO Lixo ou Resíduo? Resíduo é, basicamente, todo e qualquer material sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas, como folhas, galhos de árvores, terra

Leia mais

III-018 - CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA: UM ESTUDO DE CASO

III-018 - CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA: UM ESTUDO DE CASO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-018 - CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

Leia mais

III-040 - AVALIAÇÃO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM HOSPITAL FILANTRÓPICO DE FEIRA DE SANTANA - BA

III-040 - AVALIAÇÃO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM HOSPITAL FILANTRÓPICO DE FEIRA DE SANTANA - BA III-040 - AVALIAÇÃO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM HOSPITAL FILANTRÓPICO DE FEIRA DE SANTANA - BA Helen Conceição dos Santos Graduanda do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA n 518, de 4 de abril de 2003 Revoga a Portaria 496, de 11 de dezembro de 2002. O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das competências que

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 Aprova as Diretrizes Básicas e Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn.

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. Verificar legislação e seguir orientação da Vigilância Sanitária Selecionar

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

GERENCIAMENTO INTERNO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE DO HOSPITAL MUNICIPAL DE JANUÁRIA - MG.*

GERENCIAMENTO INTERNO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE DO HOSPITAL MUNICIPAL DE JANUÁRIA - MG.* GERENCIAMENTO INTERNO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE DO HOSPITAL MUNICIPAL DE JANUÁRIA - MG.* Resumo Farley Alves da Silva¹ Wallisson da Silva Freitas² Lenir de Abreu³ A globalização promoveu diversas

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 Aprova as Diretrizes Básicas e o Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Município de Belo

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências.

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. LEI Nº 10.099, DE 07 DE FEVEREIRO DE 1994. Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas No Brasil, há alguns anos atrás, os resíduos dos serviços de saúde (RSS) eram manejados da mesma forma que os resíduos domiciliares

Leia mais

Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde - Grupos A e E

Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde - Grupos A e E Universidade Federal do Rio Grande do Sul Superintendência de Infraestrutura Departamento de Meio Ambiente e Licenciamento Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde - Grupos A e E Fernando Henrique Platt

Leia mais

Denise Duque Estrada Carvalho. Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde -PGRSS

Denise Duque Estrada Carvalho. Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde -PGRSS Denise Duque Estrada Carvalho Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde -PGRSS Belo Horizonte MG 2010 Denise Duque Estrada Carvalho Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Leia mais

CADASTRO 10 - Atividades de serviços de saúde

CADASTRO 10 - Atividades de serviços de saúde CADASTRO 10 - Atividades de serviços de saúde 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Descrição da atividade principal:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE 1

A IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE 1 HYGEIA, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde - www.hygeia.ig.ufu.br/ ISSN: 1980-1726 A IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho Abrangência : A todos os geradores de Resíduos de Serviços de Saúde Atendimento à saúde humana ou animal Serviços

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROGRAMAS AMBIENTAIS

CAPÍTULO 10 PROGRAMAS AMBIENTAIS CAPÍTULO 10 PROGRAMAS AMBIENTAIS Os Programas Ambientais apresentados neste capítulo, concluem o processo dos estudos e da análise dos impactos ambientais relativos à implantação e operação do Plano Integrado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

Curso de Gerenciamento de Resíduos

Curso de Gerenciamento de Resíduos Curso de Gerenciamento de Resíduos Programa de cursos de extensão universitária 2016 Semana de Meio Ambiente 23 a 25 de maio de 2016 Instrutores Neuzeti Santos Administradora Hospitalar, Especialista em

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS MODELO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

Leia mais

O Ministério de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, resolve:

O Ministério de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, resolve: PORTARIA Nº 2.661/MS/SVS, de 20 de dezembro de 1995 D.O.U. 22/12/95 O Ministério de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art 1º - Alterar o item 4 da Portaria no 2.043, de 12 de

Leia mais

Orientações sobre Produtos Saneantes Domissanitários

Orientações sobre Produtos Saneantes Domissanitários Orientações sobre Produtos Saneantes Domissanitários Definição SÃO SUBSTÂNCIAS OU PREPARAÇÕES DESTINADAS À HIGIENIZAÇÃO, DESINFECÇÃO, DESINFESTAÇÃO, DESODORIZAÇÃO, ODORIZAÇÃO, DE AMBIENTES DOMICILIARES,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Curitiba, em 03 de dezembro de 2002, 181º da Independência e 114º da República. REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO nº 6674/2002

Curitiba, em 03 de dezembro de 2002, 181º da Independência e 114º da República. REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO nº 6674/2002 DECRETO Nº 6674-03/12/2002 Publicado no Diário Oficial Nº 6371 de 04/12/2002 Aprova o Regulamento da Lei n0 12.493, de 1999, que dispõe sobre princípios, procedimentos, normas e critérios referentes à

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAETÉ ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 2.574/2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAETÉ ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 2.574/2009 LEI Nº 2.574/2009 Dispõe sobre o Plano de Empregos e Salários dos Empregados Públicos do quadro permanente da área da SAÚDE do Município de Caeté. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O ATERRO SANITÁRIO Renato Ferreira de Carvalho Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/IEL - BA JANEIRO/2008 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 CONCEITUAÇÃO...3 1.1 Introdução...3 1.2 Aterro Sanitário...5

Leia mais

PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE. Unidade Ceme/Braskem

PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE. Unidade Ceme/Braskem PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Unidade Ceme/Braskem Camaçari Bahia 2015 2/ 22 APRESENTAÇÃO O PGRSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão dos Resíduos dos

Leia mais

MÓDULO 5 CONTROLE DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MÓDULO 5 CONTROLE DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MÓDULO 5 CONTROLE DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Neste módulo você vai estudar 4 Os princípios básicos de gerenciamento de resíduos nos estabelecimentos de saúde. 4 A trajetória dos resíduos desde a

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE UPA CABUÇU

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE UPA CABUÇU PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE UPA CABUÇU 2014 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 2.1 ASSISTÊNCIA AO PACIENTE 2.2 PROCEDIMENTOS 2.3 APOIO DIAGNÓSTICO 2.4 SERVIÇOS 3. DADOS GERAIS

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m Definição de Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para a prevenção ão, minimização ou eliminação de riscos inerentes as atividades

Leia mais

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde NR 15 NR 24 NR 26 NR 07 PCMSO CENEN PPR NR 09 PPRA ANVISA SERVIÇOS DE SAÚDE NR 32 2 Local de Trabalho para aplicação da NR 32: SERVIÇOS DE SAÚDE Definição: Qualquer edificação destinada à prestação de

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-234 - INTERVENÇÃO EDUCACIONAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE GERADOS NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE, FEIRA DE SANTANA, BAHIA. Evanice Leal Leite Lima Bióloga, Especialista

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1412015 DATA: 21/12/2015

PROJETO DE LEI Nº 1412015 DATA: 21/12/2015 PROJETO DE LEI Nº 1412015 DATA: 21/12/2015 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal a criar empregos públicos e contratar servidores públicos para execução de programas descentralizados na área da saúde

Leia mais

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração:

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração: + Re d Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia Elaboração: Elviscley de Oliveira Silva Email: elviscley@hotmail.com Mariângela Fontes Santiago Email: mariangelafs@gmail.com Bruna Carneiro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

DAES MODELO PARA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

DAES MODELO PARA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Vera Luci de Almeida DAES MODELO PARA DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE Dissertação de Mestrado

Leia mais

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Resíduos O ser humano sempre gerou resíduos, desde a Pré-História até os dias atuais. A diferença

Leia mais

http://e legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=23274&word=

http://e legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=23274&word= Page 1 of 10 Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RDC nº 147, de 04 de

Leia mais

Instruções para o Preenchimento do PGRSS

Instruções para o Preenchimento do PGRSS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Instruções para o Preenchimento do PGRSS I Finalidade

Leia mais

Diagnóstico da Geração de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde para Hospital de Pequeno Porte da Região Noroeste do Rio Grande do Sul

Diagnóstico da Geração de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde para Hospital de Pequeno Porte da Região Noroeste do Rio Grande do Sul Diagnóstico da Geração de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde para Hospital de Pequeno Porte da Região Noroeste do Rio Grande do Sul Tainara Casa Nova Silva tainaracasanova@gmail.com Universidade Federal

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE 1 1 DA OBRIGATORIEDADE

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso A Importância do Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde

Trabalho de Conclusão de Curso A Importância do Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Trabalho de Conclusão de Curso A Importância do Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Cirlene Meireles da Silva Curso de Ciências Biológicas Belo Horizonte MG 2010 Cirlene Meireles da

Leia mais

Aspectos Legais 10/8/2012

Aspectos Legais 10/8/2012 Aspectos Legais Docente: Prof. Ednaldo Anthony Jesus e Silva CRF-1845 MT No Brasil, a Legislação de Biossegurança(lei nº 11.105, de 24 de março e 2005): Regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art.

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções)

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES E O MEIO AMBIENTE: UMA DESTINAÇÃO ECOLÓGICA

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES E O MEIO AMBIENTE: UMA DESTINAÇÃO ECOLÓGICA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES E O MEIO AMBIENTE: UMA DESTINAÇÃO ECOLÓGICA Elizângela Treméa 1 ; Eluiza

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas Resolução SS - 123, de 27-9-2001 (D.O.E nº 184 de 28 de setembro de 2001 ) Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas O Secretário Saúde,

Leia mais

Curso NR 25 Resíduos Industriais

Curso NR 25 Resíduos Industriais Seja bem Vindo! Curso NR 25 Resíduos Industriais CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo programático: O que são resíduos industriais? O que diz a Norma NR 25 Classes de Resíduos Industriais

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE TRATAMENTO DE PLACENTAS EM MATERNIDADE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA - BRASIL

IMPLANTAÇÃO DE TRATAMENTO DE PLACENTAS EM MATERNIDADE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA - BRASIL IMPLANTAÇÃO DE TRATAMENTO DE PLACENTAS EM MATERNIDADE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA - BRASIL Claudia Ruberg (*) Arquiteta. Mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Leia mais

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014.

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Assunto: orientações para ações de vigilância e serviços de saúde de referência para caso suspeito de Doença pelo Vírus Ebola A Secretária Estadual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL ISIS GUIMARÃES MOREIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL ISIS GUIMARÃES MOREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL ISIS GUIMARÃES MOREIRA CARACTERIZAÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS GERADOS EM ENFERMARIA DO HOSPITAL SANTA CASA

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETECPAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação: Sem

Leia mais

4 Os efeitos da contaminação em Goiânia

4 Os efeitos da contaminação em Goiânia Navigator Especial 4 Os efeitos da contaminação em Goiânia OS PRIMEIROS PACIENTES E OS DANOS AO MEIO AMBIENTE O acidente radioativo de Goiânia se reverteu de características especiais. As principais vias

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUNHA PORÃ

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUNHA PORÃ ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÍNIMO SUGERIDO PARA A REALIZAÇÃO DAS PROVAS OBJETIVAS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CARGOS: TODOS OS CARGOS CONHECIMENTOS GERAIS História do Município: colonização, espaço geográfico,

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PUBLICA DO PRODUTO DO GRUPO DE TRABALHO DE REVISÃO DA TERMINOLOGIA DE TIPOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Revisão

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno: 12044 (1,5L) Aplicação: Desinfetante para Roupas Empresa: BOMBRIL S/A - Marginal Direita da Via Anchieta, km14 -

Leia mais

PROJETOS. Principais aplicações:

PROJETOS. Principais aplicações: 1 PROJETOS 2 PROJETOS A Econsulting atua na atividade de desenvolvimento de projetos diversos relativos à área ambiental, sendo esta uma das atividades pioneiras da empresa e atingindo um número superior

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais