Além do Big Data. Com 2,5 trilhões de dados gerados diariamente, precisamos de smarter data

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Além do Big Data. Com 2,5 trilhões de dados gerados diariamente, precisamos de smarter data"

Transcrição

1 Outubro/2014 Edição nº 147 Ano XIV R$ 13,00 Evento QIBRAS/ABEMD Além do Big Data Com 2,5 trilhões de dados gerados diariamente, precisamos de smarter data ENTREVISTA: Pedro Camiloti, da Laborprint, conta como tornar o mundo digital um aliado das gráficas INTERNACIONAL: Larry Kimmel pergunta: Enviar 8 quilos de catálogos é genialidade ou insanidade? ARTIGO: Edson Barbieri fala sobre um tema ainda novo por aqui: a Jornada do Consumidor CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: Professor Rafael Pallares e a Otimizaçãode Mídias Digitais

2

3

4 carta ao LeitOr V V V O Big Data vai figurar na ordem do dia do marketing para sempre. São, pelo menos, dois cenários que avalizam essa afirmação: 1. Cada vez mais a comunicação deve falar com consumidores de forma individual e, para tanto, a base é ter dados bem analisados e precisos, ou seja, em quantidade e qualidade na medida certa. 2. As ferramentas digitais já permitem capturar 2,5 quintilhões de dados por dia, ou 2,5 bilhões de gigabytes, o que dirá no futuro. No evento sobre qualidade da informação, promovido por QIBRAS/ABEMD, que aconteceu no início do mês passado, pesos pesados do setor de dados mostraram que o futuro nunca foi tão desafiador. O volume de informação é monumental e isso faz com que, mais do que nunca, o marketing deixe de ser um jogo de adivinhação. A principal questão é: o mercado está usando dados da forma correta? Confira na nossa matéria de capa. Na entrevista, você vai conhecer o pensamento do diretor de marketing e vendas da Laborprint, Pedro Henrique Camiloti, e sua visão de como transformar o mundo digital e as oportunidades que ele proporciona, de inimigo a parceiro das gráficas brasileiras. O mais novo professor do Curso de Especialização em Marketing Direto da ABEMD, Rafael Pallares, aborda um tema muito quente que é a Otimização das Mídias Digitais, também conhecida como mídia programática que é caracterizada pela automação do processo de compra e venda de anúncios display. É uma verdadeira aula! Aproveite também o artigo do VP & General Manager, LATAM da Salesforce ExactTarget Marketing Cloud, vice-presidente da ABEMD e Conselheiro da Câmara-e.net, Edson Barbieri, sobre um tema ainda novo: a Jornada do Consumidor. Ele lista os quatro estágios que as marcas devem cumprir para garantir um relacionamento duradouro com seus clientes. Confira ainda Marketing Diálogo pelo Mundo, Mercado, Eventos, Causo... Boa leitura! O Editor expediente Diretoria presidente: Efraim Kapulski diretor de alianças estratégicas: Bernardo Zamijovsky diretor de crm/database: Eduardo W. Ramalho diretor de Marketing: Rodrigo de Almeida diretor de listas: Vicente Argentino diretor de roi: Marcelo Sousa diretor de Sucursais: Jeffrey Hanson Costa diretor Financeiro: Wilson Paschoal Júnior diretor de agências: Marcos Bittencourt conselho de administração presidente do conselho: Fernando Alberto da Costa Vice-presidente do conselho: Edson Carlo Barbieri Alexandre Jau, Antonio Carlos Carletto, Antonio Rosa Neto, Danilo Vasconcelos, David Whittaker, Edson Carlo Barbieri, Eduardo Souza Aranha, Eduardo W. Ramalho, Fabio Adiron, Fernando Alberto da Costa, Fernando B. Cirne, Fernando L. G. Guimarães, Henrique Mello, Jeffrey Hanson Costa, José Antônio Soler, Luci Silva, Luis Henrique Fichman, Marcelo Custódio, Marcelo Sousa, Marcia Asano, Marciliano Antônio Silva Jr., Márcio Ribeiro, Maria Luiza Vasques Piccioli, Milton Angeli, Murillo Boccia, Nelson Grunenberg Alves Reis, Paulo F. B. Vasconcelos, Paulo Geraldo F. Cavalcanti, Pedro Renato Eckersdorff, Pio Borges, Roberto Saddy Chade, Wilson Paschoal Júnior. conselho Fiscal Alexandre Souza Martins Case, Ana Maria Moreira Monteiro, Osvaldo Alvarenga. associação Brasileira de Marketing direto Avenida São Luís, 50 13º andar cj. 132 B Edifício Itália CEP São Paulo/SP Brasil Tel: (11) comunicação, imprensa, comercial: Roberto Perrone eventos: Fernanda Giannetti administração e Finanças: Pedro Xavier Jorge ti: Patrícia Graton Revista Marketing Direto é uma publicação da Associação Brasileira de Marketing Direto (ABEMD) editor: Roberto Perrone assistente editorial: Priscila Silva arte e editoração eletrônica: Adriana Cassiano pré-impressão, impressão e acabamento: Laborprint Grafica e Editora Ltda escreva para a revista Marketing direto. Mande seus comentários e sugestões para o 4 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

5 Índice ENTREVISTA 6Pedro Henrique Camiloti QIBRAS Cobertura especial do evento realizado em parceria com a ABEMD Curso de Especialização: Professor Rafael Pallares e a Otimização de Mídias Digitais artigo Jornada do Consumidor: o caminho para o sucesso das marcas, por Edson Barbieri artigo internacional Larry Kimmel pergunta: Enviar 8 quilos de catálogos é genialidade ou insanidade? 22 marketing diálogo pelo mundo Por Fernando Guimarães 30 artigo O legado de Arthur Hughes segue vivo, por Marcelo Souza 32Mercado Eventos Novos Associados Deu na Imprensa Leitura Frases Gosto muito de uma frase do fundador do equipamento digital Indigo que diz tudo que é possível se tornar digital um dia será, e impressão não é uma exceção Pedro Henrique Camiloti, diretor de marketing e vendas da Laborprint A mídia programática representa o ponto máximo da massificação das interações 1:1, uma vez que parâmetros do internauta são utilizados para definir o preço a ser pago por um anúncio e para determinar a mensagem a ser entregue, tudo isso em tempo real Rafael Pallares, sócio da Aunica Soluções Digitais e professor do Curso de Especialização de Marketing Direto da ABEMD O importante é reconhecer a oportunidade, oferecer o que o cliente procura, e evoluir essa jornada que sem dúvidas será benéfica para o cliente e também para sua marca, representando um aumento nas conversões de vendas Edson Barbieri, VP & General Manager, LATAM da Salesforce ExactTarget Marketing Cloud, vice-presidente da ABEMD (Associação Brasileira de Marketing Direto) e Conselheiro da Câmara-e.net. Causo Outubro/14 - nº Ano XIV - Marketing Direto 5

6 entrevista Pedro Henrique Camiloti Digital é aliado O mundo digital foi e ainda é para muitos profissionais de comunicação uma ameaça ao papel. Mas há quem pense de forma diametralmente oposta, considerando as novas possibilidades desse novo mundo como aliadas. Claro que também por força da necessidade, é assim que o diretor de marketing e vendas da Laborprint, Pedro Henrique Camiloti, se posiciona na questão. Um dos herdeiros da empresa, Pedro já sabia que seu destino era a indústria gráfica, pois seu pai sempre trabalhou no setor e acabou sendo um dos fundadores da Laborprint. Além da preparação acadêmica, antes, porém, Pedro Henrique teve uma passagem pela área de marketing de uma multinacional francesa, o que lhe deu importante experiência para sua formação como empresário. Ajudou-me muito na concepção de administração, organização, gestão de pessoas e principalmente a vida turbulenta do mundo corporativo. Um dos objetivos já foi alcançado: de tornar a Laborprint referência de mercado na produção e todos os processos que envolvam mala direta com dados ou conteúdo variável. Acompanhe! 6 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

7 Como se deu sua entrada na Laborprint e no Marketing Direto? Engraçado como as coisas pareciam já estar traçadas na minha vida profissional. Desde criança tive muito contato com a Indústria gráfica. Meu pai sempre trabalhou neste segmento, na área comercial, e por isso cresci nesta sintonia da comunicação e vendas. Quando adolescente meu pai e mais dois amigos fundaram a Laborprint. A partir deste ponto já era claro para mim que em algum momento eu estaria totalmente engajado neste business. É fato que tive muita influência do meu pai, que, aliás, é a minha referência. Um grande homem de negócio, um empreendedor arrojado e um tino comercial extraordinário. O ponto é que eu tinha claro que precisava de muita bagagem para encarar esse desafio de dirigir uma empresa e por isso corri atrás da minha preparação. Estudei em escolas e faculdades de referência, tive uma boa experiência internacional e fiz uma boa pós-graduação. Nisso tudo, as disciplinas de comunicação e marketing sempre me despertaram curiosidade e muito interesse. O Marketing Direto veio depois como consequência em uma oportunidade de mudança de cargo em uma grande multinacional que trabalhei. O resultado foi que me apaixonei por ele e hoje sou um grande entusiasta deste negócio. Nosso posicionamento veio mudando fortemente nestes últimos seis anos. Todo norte desse reposicionamento tinha uma direção única: agregar e trazer relevância para o papel impresso. Quanto tempo de carreira você tem e quais as principais passagens durante esse período? Tenho 33 anos e 12 de carreira. Comecei como todo e qualquer garoto recém-formado. Consegui uma oportunidade em uma grande empresa francesa e iniciei na área de marketing. Lá, podemos dizer que fiz uma minicarreira e foi realmente muito importante para minha formação como empresário. Essa passagem me ajudou muito na concepção de administração, organização, gestão de pessoas e principalmente a vida turbulenta do mundo corporativo. Em termos profissionais, até hoje ocorreu tudo como você planejou? Por quê? Certamente que sim. Como dito anteriormente, eu já tinha o caminho desenhado, eu só o segui. Meu destino era assumir a direção da Laborprint em algum momento. O interessante é que fiz uma preparação prévia e muito importante que me deu uma boa base de sustentação para o grande desafio de estar à frente de uma importante empresa do segmento gráfico. Quais são na sua opinião as principais transformações e evoluções do Marketing Direto brasileiro até hoje? Transformações e evoluções são características de um mercado tão dinâmico no qual vivemos. A revolução na forma de se comunicar onde a cada dia surge um novo canal de relacionamento nos desafia a todo o momento. As transformações e evoluções estão muito pautadas no uso das novas tecnologias que estão a nossa disposição. Nunca tivemos tantas ferramentas que nos possibilitassem uma aproximação tão efetiva do cliente com uma marca. Desta forma, conseguir organizar e se comunicar com seu cliente absolutamente alinhado com os interesses e necessidades dele naquele momento são tendências irreversíveis. O que ainda está atrasado no Marketing Direto brasileiro? Por quê? Mesmo com a infinidade de ferramentas e alta tecnologia que temos à disposição para captação e cruzamento de informações comportamentais, ainda pecamos em fundamentos básicos. Na maioria das vezes, o simples ato de oferecer a coisa certa para pessoa certa no momento certo não é realizado. Vejo poucas ações com um diálogo que sensibilize e impacte o consumidor com uma experiência de verdade com a marca. E se isso não acontece, não existe relacionamento de verdade e nem uma ação real de comunicação dirigida. No Brasil, por mais difícil que seja de acreditar, ainda temos uma enorme carência de informação cadastral. Capturar e manter dados Outubro/14 - nº Ano XIV - Marketing Direto 7

8 entrevista Pedro Henrique camiloti atualizados no Brasil ainda é um grande problema em algumas empresas. Qual o estágio dos clientes de Marketing Direto? Ainda é um trabalho árduo fazê los entender a importância e as particularidades da disciplina? É fato que muitas empresas trabalham com essa disciplina de forma exemplar. Vejo bons exemplos no mercado automobilístico, financeiro e em específico numa grande rede de varejo. Não tenho dúvida que os clientes sabem muito bem da importância de se relacionar com seus clientes e principalmente dos excelentes resultados que o uso do Marketing Direto pode trazer a seus negócios. Você já participou da DMA. O que ela representa para você? Participo do DMA desde Para gosto muito de uma frase do fundador do equipamento digital indigo que diz tudo que é possível se tornar digital um dia será, e impressão não é uma exceção. mim é um evento muito importante. É a melhor oportunidade de se deparar com interessantes práticas do Marketing Direto no âmbito mundial. Além de ficar alinhado com as grandes tendências é uma excelente oportunidade de relacionamento com importantes empresas e pessoas deste seguimento. Volto de lá sempre entusiasmado e motivado em realizar boas ações com nossos clientes. Certamente este ano estarei lá novamente. Como você definiria o momento atual da Laborprint? A Laborprint, como todo seguimento gráfico, vem passando por importantes e cruciais transformações. A questão está na capacidade das pessoas e da empresa em absorver e reagir a tudo isso. Felizmente, nós da Laborprint estamos acompanhando esse movimento já faz um bom tempo. Nosso posicionamento veio mudando fortemente nestes últimos seis anos. Todo norte desse reposicionamento tinha uma direção única: agregar e trazer relevância para o papel impresso. Apostamos forte nesse direcionamento e estamos agora colhendo bons frutos. A Laborprint virou referência de mercado na produção e todos os processos que envolvam mala direta com dados ou conteúdo variável. Quais são os planos para você e a empresa nos próximos anos? Sem dúvida, aumentar a capacidade produtiva em impressão digital. Trazer equipamentos que otimizem ainda mais alguns processos que utilizamos hoje. Continuar com projetos que possam ajudar nossos clientes do Marketing Direto a incrementar ainda mais suas comunicações dirigidas. Meu desafio é tornar a Laborprint a líder de mercado e a mais inovadora nesse seguimento. O mundo digital apareceu como um inimigo da impressão gráfica, mas você tem uma visão bem diferente. Conte sobre isso? É certo que o mundo digital colocou o uso do papel em cheque bem como contribuiu e acelerou muito essas transformações do mercado gráfico nesses últimos anos. Também é fato que lutar contra essa realidade é um tiro no pé. Vão se destacar as empresas que conseguiram enxergar essa tendência lá atrás e se transformaram ou se reinventaram para encarar o novo mundo. E esse foi o caso da Laborprint. Gosto muito de uma frase do fundador do equipamento digital Indigo que diz tudo que é possível se tornar digital um dia será, e impressão não é uma exceção. Nosso modo de imprimir também vem se transformando e se tornando digital. Nossa indústria também segue as transformações do mundo e isso é inevitável. O bom disso tudo é que se abrem boas oportunidades de diferenciação, inovação, interação e uma infinidade de novas possibilidades que podem ser ofertadas aos nossos clientes. O papel nunca vai deixar de existir se utilizado de forma inteligente que agregue valor e desperte interesse de quem o recebe. 8 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

9 correios.com.br Produtos e serviços de conveniência. É mais fácil ali Saber otimizar o tempo é fundamental para expandir o nos Correios. potencial da sua micro ou pequena empresa. Por isso, conte com um parceiro do tamanho do Brasil, que vai além e oferece serviços como abertura de conta para pagamento de salários e fornecedores, transferência de valores e Certificação Digital. Quando precisar agilizar o dia a dia da sua empresa, nem pense duas vezes: é mais fácil ali nos Correios. Acesse correios.com.br e saiba mais. Fale com os Correios: correios.com.br/falecomoscorreios CAC: ou (informações) e (sugestões e reclamações) Ouvidoria: correios.com.br/ouvidoria SIC: correios.com.br/acessoainformacao Outros produtos e serviços de conveniência oferecidos nos Correios: SAQUES E DEPÓSITOS* PAGAMENTO DE CONTAS EMBALAGENS PRODUTOS PERSONALIZADOS CAIXA POSTAL Consulte disponibilidade nas agências. * Contas de depósito do Banco do Brasil. Veja aqui a agência mais próxima de você:

10 QIBRAS 2014 Efraim Kapulski, presidente da ABEMD, faz abertura do evento ao lado do palestrante, Richard Wang, e do presidente da Assesso, Flávio de Almeida Pires Precisamos de smarter data Por Fernando Guimarães Foi no Centro de Convenções Maksoud Plaza que aconteceu em 9 de setembro a IV Conferência Internacional em Qualidade de Informação, organizada pela QIBRAS em uma realização conjunta com a ABEMD. O evento contou com a presença de 190 participantes e suas principais discussões giraram em torno das profundas mudanças no cenário atual com a questão do Big Data. Afinal, atualmente, são coletados cerca de 2,5 quintilhões de dados por dia 2,5 bilhões de gigabytes! Não há dúvida, portanto, que temos à disposição um volume monumental de informação. Por um lado, isso faz com que, mais do que nunca, o marketing deixe de ser um jogo de adivinhação. Por outro, é necessário questionar se estamos usando esses dados da forma correta. Na abertura do evento, os gestores da QIBRAS, Flavio de Almeida Pires, presidente da Assesso, e Efraim Kapulski, presidente da ABEMD, apresentaram um quadro abrangente das principais novidades e conquistas da associação. Kapulski aproveitou a oportunidade para fazer um relato sobre as iniciativas mais recentes da ABEMD que envolvem qualidade e uso da informação, com ênfase na liderança assumida na luta para garantir uma legislação de privacidade dos dados que respeite o direito dos usuários e, ao mesmo tempo, permita a atuação responsável das empresas, fundamental para a economia do país inclusive através da autorregulamentação. A seguir veja as contribuições de cada palestrante disse sobre qualidade da informação. Palestrantes e promotores do evento: Dorival Dourado (Boa Vista Serviços), Mario Cervi (Assesso), Stephen Yu (Willows), Mark Johnson e Genia Neushloss (Gavroshe), Flávio Pires (Assesso e QIBRAS), Prof. Richard Wang (MIT) e Paulo Vasconcelos (Assesso e QIBRAS). Fotos: divulgação 10 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

11 Genia Neushloss: esclarecendo a função de um Chief Data Officer Parte significativa da IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação girou em torno de uma nova função que está em alta entre as empresas mais avançadas: Chief Data Officer. O Professor Wang, do MIT, em sua palestra, enfatizou a importância de um CDO na alta diretoria de uma empresa para reduzir a possibilidade da criação de silos dentro de suas estruturas e garantir um foco preciso na infraestrutura de dados e na governança. Mas foi a palestra de Genia Neushloss, sócia-fundadora da Gavroshe, que estabeleceu os fundamentos da atuação de um CDO. Começando por suas atividades, entre as quais podemos destacar a responsabilidade pela visão e estratégia para todas as iniciativas de gerenciamento de dados; ser um campeão da gestão global de dados, governança, qualidade e relações com os fornecedores para toda a empresa; trabalhar com os executivos, proprietários de dados e administradores de dados para atingir metas de precisão de dados e requisitos de processo para todos os internos e externos. Resumindo, uma empresa precisa de um CDO por três motivos principais: 1. Garantir que a informação disponível obedeça aos 4 As Acesso, Acuracidade, Acionabilidade e Análises avançadas, 2. Construir relacionamentos com outros líderes e membros da alta diretoria; 3. Compartilhar a Visão. Isso significa criar um Centro de Excelência em Dados e Análises que oriente a governança e a arquitetura dos dados, o desenvolvimento dos Ativos de Dados e um ambiente de análise competitiva. Dessa forma, é possível gerenciar a mudança organizacional cada vez mais necessária para o sucesso das empresas. No final, Neushloss apresentou os sete fluxos para o gerenciamento estratégico de dados, de acordo com a Gavroshe: 1. Governança dos dados estabelecer um Conselho de Governança Dados e o patrocínio executivo; definir as funções e os papéis do CDO e organizar a estrutura do seu escritório; desenvolver e implementar o processo de Data Stewardship 2. Arquitetura de dados confirmar a Arquitetura de Referência dos Dados 3.0 (incluindo Big Data); estabelecer o processo de modelagem de dados e o gerenciamento dos modelos de dados; integrar a Arquitetura de Dados com a Enterprise Architecture 3. Desenvolvimento dos Ativos de Dados Publicar a metodologia; planejar, projetar, desenvolver e entregar os ativos de dados corporativos; monitorar e melhorar o desempenho dos ativos de dados corporativos 4. Qualidade dos Dados perfilar, mapear e limpar os ativos de dados críticos; desenvolver regras de qualidade de dados e ferramentas de relatórios; monitorar continuamente e melhorar a qualidade dos dados 5. Contextualização desenvolver Glossário de Negócios devidamente acordado; implementar e integrar repositório de metadados técnico; fornecer linhagem de dados para todos os tipos de dados (estruturados, Big Data) 6. Análises apoiar a implementação de ferramentas de Business Intelligence / OLAP; auxiliar no desenvolvimento e apoiar a modelagem preditiva e Analítica; alavancar técnicas de visualização de dados para melhorar a experiência do usuário 7. Infraestrutura gerenciar a informação sobre o Ciclo de Vida dos ativos de dados corporativos; gerenciar a implementação da plataforma (Cloud, rede, SO, SGBD, etc); monitorar e melhorar o desempenho de todos os componentes da infraestrutura Outubro/14 - nº Ano XIV - Marketing Direto 11

12 QIBRAS 2014 Mario Cervi: o que aconteceu de mais importante no MIT CDOIQ Symposium 2014 Assuntos como digitalização do capital, o papel dos dados não- -estruturados e até se temos realmente necessidade do Big Data foram discutidos na palestra do diretor de projetos da Assesso, Mario Fernando Cervi. Ele fez um magnífico trabalho de resumir as principais palestras do MIT CDOIQ Symposium 2014, que foi realizado nos dias 23 e 24 de julho, em Cambridge, Massachussetts, EUA, oferecendo assim a quem não pôde ir ao seminal evento uma oportunidade inestimável de ficar por dentro das principais tendências mundiais sobre qualidade da informação. Os números do simpósio foram relevantes: 36 sessões entre palestras e mesas redondas, e 285 participantes. Os temas mais abordados foram Big Data/ Data Modeling/Analytics, com 15 sessões, Data Governance/Management, com nove sessões, Chief Data Officer, com cinco sessões, aplicações (finanças, saúde), com quatro sessões, legislação/ privacidade, com três sessões. Entre as palestras resumidas pelo Mario, uma das mais interessantes versou sobre a digitalização do capital, proferida por Richard Watson, da Universidade da Geórgia. Como vocês sabem, capital é um fator de produção durável e transformável, gerado a partir um investimento prévio. Existem diversas formas de capital: natural, econômico, humano, organizacional, social, simbólico. As organizações transformam o capital para gerar mais capital e isso atualmente está sendo feito através da digitalização. O Professor Watson apresentou um exemplo muito interessante, relacionado com o capital natural. A Goldcorp, mineradora canadense, tornou públicos 400 MB de dados geológicos de uma antiga mina em Ontario e ofereceu US$ 575 mil a quem trouxesse um método de estimar a quantidade de ouro disponível. O processo gerou 110 alvos de prospecção identificados, US$ 3 bilhões em ouro extraído, além de grande inovação para a empresa. O valor de mercado saiu de US$100 milhões para US$9 bilhões. Em outra palestra, Bill Inmon, presidente & CTO da Inmon Consulting, presidente da Forrest Rim Technology, Inc., e conhecido como o Pai do Data Warehouse, apresentou exemplos de como se está lidando com dados não-estruturados. Um problema, por exemplo, é o de reconhecimento de texto, pois os dados estão contidos na narrativa. A solução com exemplos foi o desenvolvimento da solução Textual ETL, que lê o texto e o transforma em registros que podem ser lidos pelos computadores. Provocativa, para dizer o mínimo, foi a palestra de Jeanne Ross, Diretora do MIT Center for Information Systems Research. Segundo ela, Big Data não gera valor sozinho. As empresas investem muito em cientistas de dados, DW e softwares analíticos, mas não obtêm os resultados esperados, porque não fazem um bom trabalho com as informações que já têm e não sabem como interpretá-las e fazer as alterações em resposta aos novos insights. É preciso, portanto, desenvolver novas competências para lidar com o Big Data. Em compensação, empresas que aprendem a tomar decisões baseadas em dados melhoram suas operações e não são facilmente copiadas pelos rivais. Ross deu como exemplo a 7-Eleven do Japão. A empresa percebeu que a chave para a rentabilidade era a rápida reposição dos estoques e tomou as seguintes decisões: 1. Delegou a responsabilidade aos 200 mil atendentes; 2. Passou a enviar diariamente para as lojas relatórios de vendas e informações como previsão do tempo e o que havia sido vendido na véspera, na mesma data do ano anterior no último dia com mesma previsão do tempo e nas outras lojas; 3. Mudou a logística de entrega nas lojas para até três vezes por dia; 4. Conectou os vendedores aos fornecedores para atender às preferências dos clientes locais. Resultado: a 7-Eleven tornou-se a rede varejista mais lucrativa do Japão. Para encerrar, Mario anunciou os próximos eventos: 9ª Edição do MIT CDO&IQ Annual Symposium, MIT Cambridge, MA 22 e 23 de julho de 2015, 20ª Edição da International Conference on Information Quality - The 20th Anniversary Conference, MIT Cambridge, MA 24 de julho de Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

13 Mark Johnson: a explosão dos dados você se dá conta da dimensão disso? Todo mundo sabe que recebemos uma enorme quantidade de informação diariamente. E até tenta imaginar o que isso representa em termos de volume. Mas a realidade vai além dos sonhos mais loucos da maioria de nós. Só em 2011, foram criados 500 quatrilhões de arquivos, representando 1,8 milhão de petabytes. Em bytes, isso dá o número 18 seguido de 20 zeros de bytes. Seja qual for a medida empregada, significa uma quantidade absurda de dados. Que dobra a cada 2 anos. E que, entre 2012 e 2020, crescerá aproximadamente 80 vezes. O quadro ainda é mais dramático, de acordo com Mark Johnson, CEO e presidente da Gavroshe USA, uma das mais importantes empresas de gerenciamento de dados do mundo, pois 90% desse fenomenal volume é formado por dados não estruturados. Mark é um profissional com mais de 30 anos de experiência nessa área, tendo sido anteriormente vice-presidente de serviços estratégicos do Ascent Services Group, uma importante consultoria americana de TI, além de ter sido head de infraestrutura global da Veritas e da Symantec. Nada deveria espantá-lo, portanto, mas deu para perceber em sua palestra uma ponta de perplexidade. Afinal, apenas cinco anos atrás estávamos em um cenário de natureza completamente diversa. As empresas tinham que lidar com dados estruturados e suas escolhas eram basicamente relacionais: Oracle, Teradata, DB2, SQL Server, MySQL, etc. Não que isso fosse fácil: essas escolhas eram fechadas, monolíticas, caras e requeriam um alto nível de conhecimento em uma tecnologia específica. Mesmo então, o volume crescia ano após ano: já estávamos deixando o mundo dos petabytes e entrando no dos exabytes. Mas hoje o cenário é aquele ligeiramente descrito no início deste artigo, o mundo do Big Data, onde o fator de crescimento situa-se entre 10 a 100 vezes e lidamos com dados na melhor das hipóteses semiestruturados e oriundos de fontes diversas. Fontes como Twitter, Facebook e gerados por máquinas, como logs de aplicativos, registros de detalhes de ligações telefônicas, dados de GPS, áudio digital, imagens digitais, etc., etc., etc. Em um mundo no-sql, as escolhas multiplicaram-se: Hadoop/ Hbase, Casandra, Hypertable, Amazon Simpledb, Cloudata; MongoDB, Couchbase, CouchDB, MarkLogic, JasDB; DynamoDB, Riak, Redis, Oracle NoSQL DB, FoundationDB; Neo4J, Infinite Graph, HyperGraph, Bigdata; ArangoDB, OrientDB, Datomic; Oracle Coherence, GigaSpaces, Infinispan, Crate Data. Etc. Em compensação, as possibilidades reais de uso desse Himalaia de dados também multiplicaram-se. E há muitos exemplos práticos disso. O American Express utiliza análises para prever a fidelidade e antecipar a rotatividade de clientes, possibilitando estratégias de retenção proativas. O Walmart usou pesquisas e análise semântica textual para aumentar o atendimento de pedidos online em 15%. Uma rede de fast-food americana usa dados de imagens para determinar o menu que será exibido nos paineis digitais. A American Airlines usa análise em tempo real de mensagens do Twitter para melhorar a satisfação e a retenção de clientes. A PredPol Inc. ajustou para as polícias americanas um algoritmo utilizado para prever terremotos e passou a prever os locais que eram mais susceptíveis de ocorrer crimes, resultando numa redução de 33% em roubos e 20% em crimes violentos. A Macy s ajusta os preços de 73 milhões de itens em tempo quase real com base em demanda e estoque por meio de análise de dados dos POS. A Tesco, rede inglesa de supermercados, utiliza dados de sensores para gerenciar preventivamente suas operações de alimentos refrigerados, resultando em redução dos gastos com energia e fim da deterioração dos alimentos. A Infinity Property & Casualty alavancou anos de relatórios de ajuste e solicitações de créditos para identificar casos de fraude, o que gerou a recuperação de US$ 12 milhões de dólares em ações de transferência de titularidade. Mark apresentou ainda alguns cases em detalhes e finalizou listando os 7 pontos-chave para o sucesso em análise de Big Data: 1. Estratégia 2. Governança 3. Arquitetura rigorosa 4. Metadados, metadados, metadaos 5. Identificar as prioridades para análises do Big Data através de um caso de uso 6. Identificar os principais requisitos de integração das estruturas tradicionais de dados 7. Selecionar cuidadosamente as tecnologias de Big Data construindo uma prova de conceito que tenha o mais amplo impacto. Outubro/14 - nº Ano XIV - Marketing Direto 13

14 QIBRAS 2014 Richard Wang: como ir além dos 4 Vs em Big Data Volume, Velocidade, Variedade e Veracidade! Essas são as quatro dimensões sobre as quais os cientistas de dados tradicionalmente trabalham para definir Big Data. Mas a principal estrela da IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação, Professor Richard Wang, diretor do MIT Information Quality (MITIQ) and Data Science Program e co-diretor do Total Data Quality Management (TDQM) Program, da mesma instituição, foi além e introduziu um quinto V. Segundo o Professor Wang, ter à disposição montes e montes de dados não importa muito a não ser que se consiga extrair valor deles. Por um lado, o Professor Wang concorda com os analistas da McKinsey, quando eles dizem que Big Data é a próxima fronteira da inovação, da competição e da produtividade. Por outro, tem ouvido constantemente executivos das mais diferentes empresas dizerem que têm cada vez mais informações, mas sabem cada vez menos sobre as coisas. Big Data, segundo ele, significa cada vez mais dados de cada vez mais fontes. Mas é preciso que se obtenha valor verdadeiro e efetivo dessa avalanche de dados. E ofereceu alguns exemplos, retirados de uma pesquisa do MIT: previsões de mudanças nos preços de imóveis, descobertas de determinadas doenças em estágios iniciais e prevenção de motins e outros tumultos. Para garantir esse quinto V e enfrentar os desafios da cibersegurança, as empresas estão aderindo à tendência de transformar seus CIOs, Chief Information Officers, cujo foco é a infraestrutura de TI, e CSOs, Chief Security Officers, cujo foco é a infraestrutura física, em CDOs, Chief Data Officers, cujos focos são a infraestrutura de dados e a governança. É uma tendência global e que ocorre nas mais diversas indústrias, garante o Professor Wang. Com destaque para as organizações financeiras, de saúde e governamentais. Entre as empresas com mais de 10 mil funcionários, 53% já têm CDOs. Há muitas razões para essas empresas aderirem a essa tendência, principalmente o fato dos CDOs serem capazes de romperem os silos nos projetos de dados, construindo práticas organizacionais sustentáveis e fundamentadas. Segundo o Professor Wang, a atuação dos CDOs se dá em três dimensões: a direção da colaboração (para dentro, trabalhando sobre os processos internos e os fluxos de dados, e para fora, trabalhando sobre a cadeia de valor e os ambientes), o espaço de dados (o tradicional, tipicamente em DBs relacionais, versus Big Data, fontes novas e mais diversas) e o impacto do valor (as entregas atuais e as oportunidades estratégicas). Baseadas nessas 3 dimensões, os CDOs têm oito papeis funcionais: coordenador, relator, arquiteto, embaixador, analista, marketing, desenvolvedor e experimentador. Na parte final da palestra, o Professor Wang estabeleceu os três passos para tornar acionável a framework de atuação de um CDO. Avalia-se o estado atual da organização (com base nas três dimensões), determina-se se um CDO é necessário para a organização e de que tipo (com base nos oito papeis descritos), e desenha-se o caminho estratégico de transição para o provável CDO com base na projeção das necessidades futuras da organização. Alguns insights: Há novas e excitantes oportunidades possibilitadas pela exploração do Big Data, através de técnicas e perspectivas avançadas e do entendimento das novas oportunidades de negócios É necessário desenvolver uma nova geração de líderes para que o Big Data ajude a transformar os processos de negócios e desenvolva a estratégia de negócios Um CDO pode ser crítico para o sucesso O framework fornece uma maneira sistemática para entender os papeis de CDO e as necessidades de sua organização E uma conclusão: uma nova geração de executivos (CDOs) precisa ser preparada e suas funções precisam ser cuidadosamente definidas para que a exploração eficaz do Big Data beneficie a organização. 14 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

15 Stephen Yu: já estamos vivendo na Matrix? Uma das palestras mais provocantes da IV Conferência Internacional em Qualidade de Informação, foi Big Data, Small Data, Clean Data, Messy Data, proferida por Stephen Yu, atualmente presidente e consultor-chefe da Willow Data Strategy e, antes, co-fundador, visionário e principal arquiteto de tecnologia da I-Behavior, a primeira empresa a incorporar dados transacionais ao processo de ultrassegmentação baseada em modelos. Segundo Yu, estamos vivendo a Era dos Dados Ubíquos, ou seja, os dados estão em toda parte, muito similarmente ao que foi mostrado no filme Matrix, de Tamanho aqui é documento afinal, atualmente, são coletados 2,5 bilhões de gigabytes em dados por dia. Mas está longe de ser tudo. O importante, afirma ele, é garantir que os dados estejam sendo usados de forma apropriada. Big Data, na visão da maioria dos profissionais, pode ser definido pelos 3Vs: Volume, Velocidade e Variedade. Mas na visão de Yu o que importa é oferecer respostas. Humanizem os dados, diz ele. Como? Usando os dados para oferecer insights e reduzindo-os para pequenas respostas do tipo sim/não, probabilidades, scores, etc. Big Data não é uma varinha mágica, alertou Yu. É necessário haver um propósito na forma como usamos os dados, eles têm que nos ajudar a formular questões de negócios e a obter respostas através de análises. Nessa direção, é fundamental que os databases estejam otimizados para suportar essas análises. Em resumo, Big Data precisa ser dirigido pelas áreas de negócio e não por TI. Yu sugere que os executivos que tomam decisões nas empresas levem os dados a sério, em vez de continuar se guiando pelo instinto. É preciso definir as metas primeiro, e só depois controlar o fluxo de dados. E essas metas devem ser específicas. Ele também chama a atenção dos cientistas de dados, aconselhando-os a não serem bombeiros dos dados e sim parceiros das áreas de negócio. Não serem apenas tecnicamente orientados precisam ser orientados a soluções. E a não fazer as coisas simplesmente por fazer. A forma de estruturar a avalanche de dados disponíveis em torno dos objetivos a serem alcançados pelas empresas passa pela criação de modelos, que Yu define como expressões matemáticas das diferenças entre dois grupos dicotômicos alvos x não- -alvos, comprador x não-comprador, etc. Modelos, diz ele, aumentam a acuracidade da segmentação, reduzem custos, garantem relevância e consistência nos resultados, revelam padrões ocultos nos dados, são repetíveis, podem ser expandidos. No final da palestra, Yu fez uma espécie de apanhado das principais conclusões a que ele chegou em sua vida profissional lidando com grandes volumes de dados e pensando sobre eles: 1. Devemos usar o Big Data para fazer os dados menores, capazes de fornecer subsídios para a tomada de decisões. 2. Negócios, primeiro; não é sobre dados ou tecnologia. 3. Invistam em análises modelos podem formatar grandes volumes de dados em respostas simples a questões concretas. 4. Os bancos de dados devem ser otimizados para análises e modelagem manter a consistência é chave. 5. Comece pequeno e faça uma prova de conceito uma sandbox analítica. 6. Permaneça envolvido, confie nos dados e seja lógico. 7. Confira toda fonte de dados, mas não espere por perfeitas coleções. 8. Peça ajuda. Outubro/14 - nº Ano XIV - Marketing Direto 15

16 QIBRAS 2014 Peter Rosenwald: quais métricas devem dirigir as estratégias de marketing? No início, o que contava era inspiração e as principais métricas em marketing eram os prêmios recebidos. Hoje, porém, vivemos em um mundo diferente, no qual as estratégias e as decisões de marketing são movidas pelo que conseguimos medir com os dados, sejam eles Big Data ou Small Data. Como podem ver pela abertura, a palestra de Peter Rosenwald na QIBRAS 2014 não trouxe exatamente surpresas. Apesar de ter nascido e feito carreira nos EUA, o consultor é bastante conhecido em nosso país, onde mora desde 1999, principalmente graças ao seu trabalho junto ao Grupo Abril. O objetivo tácito, portanto, foi reforçar o que Peter tem falado insistentemente em palestras e nos seus livros Accountable Marketing e A Magia das Métricas no Brasil : a nossa missão, enquanto profissionais de database marketing e marketing direto, é ajudar as empresas a entender como usar as métricas para dirigir as estratégias de negócio e torná-las lucrativas. Que métricas são essas? Segundo Peter, a principal é o ACPO, allowable cost per order, ou custo permissível por pedido. Em última instância, é o que define quanto uma empresa pode usar em uma campanha ou uma ação. E se sabemos disso podemos facilmente determinar o que vai acontecer se fizermos melhor ou pior. É isso que vai tornar o planejamento mensurável e indicar perigos e oportunidades. A questão é que essa métrica, assim como as demais pontos de equilíbrio, etapas do funil de vendas, valor vitalício do cliente, taxa de churn, aberturas, leituras, rejeições, etc., só fará sentido se usarmos os dados certos e da maneira certa. Em um exemplo que ele trouxe, uma empresa de cartões trabalhava sobre o custo de distribuição dos cartões o problema é que precisava trabalhar sobre o custo de distribuição dos cartões ativos! Em outro caso, também de cartões de crédito, ele mostrou como os resultados melhoraram dez vezes quando se testou uma oferta de créditos de R$ 30, R$ 40 e até R$ 50, para o novo cliente fazer uma compra em 5 dias após receber o cartão, em vez de esperar 6 meses ou até um ano para ativá-lo, como era o processo anterior. Mas isso só foi possível de atingir com a aplicação de alguns modelos de análise que alteraram as réguas de ativação. Outra mudança de paradigma proposta pelo Peter tem a ver com o ROI. O consultor propõe trocarmos essa métrica pelo ROMI, Return On Marketing Investment, que seria o valor da contribuição líquida acumulada de um consumidor dividido pelo custo permissível por pedido ou por consumidor. E quanto ao Big Data? Bem, para essa questão, a resposta do Peter é a mesma que ele daria a quem perguntasse como se deve fazer sexo com um porco-espinho. Com muito cuidado, aconselha o consultor. No final da palestra, ele listou as métricas para o sucesso do marketing: Diferença (positiva ou negativa) entre os custos promocionais permissíveis e reais ; Valor vitalício de um comprador: quanto um comprador deixa em contribuição financeira ao longo de um período de tempo? Retornos de diferentes mídias em relação ao ponto de equilíbrio e o custo permissível; ROMI, retorno sobre o investimento em marketing: relação entre a geração de receitas e os custos promocionais; Comparação com outras formas de distribuição, que as diretas; Taxa Interna de Retorno sobre o investimento. 16 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

17 mais atualização mais florestas plantadas Você sabia que as empresas brasileiras produtoras de papel obtêm 100% da celulose a partir de florestas plantadas? * A área de florestas plantadas no Brasil equivalem a 2.2 milhões de campos de futebol. Leia sua revista favorita tranquilamente, pois o papel utilizado nela é feito de madeira natural e renovável. Para descobrir fatos ambientais surpreendentes sobre a comunicação impressa e o papel, visite Two Sides é uma iniciativa que promove o uso responsável da comunicação impressa e do papel como uma escolha natural e reciclável para comunicações poderosas e sustentáveis. *Folha Bracelpa Nº01, Maio / Junho ** Two Sides Brasil, 2014

18 minientrevista curso de especialização abemd Professor Rafael Pallares Otimização de Mídias Digitais Formado em Publicidade e Propaganda e com mestrado em Administração com ênfase em Marketing pela UFRGS, Rafael Pallares atuou em agências de publicidade, no startup da Claro e no Portal Terra, em São Paulo e em Nova Iorque. Atualmente, é sócio da Aunica Soluções Digitais, onde é responsável pelos negócios de gestão de inventário de publicidade digital. No Curso de Especialização da ABEMD, Pallares aborda um tema dos mais quentes: Otimização de Mídias Digitais. Nesse rápido bate papo ele expõe seu conhecimento sobre o assunto. Aproveite! Digital é uma realidade e todo mundo sabe, o que poucos percebem é que estão fazendo Marketing Direto usando mídias digitais. A revista Advertising Age mostrou recentemente que quase dois terços dos dólares investidos em digital é para anúncios de resposta direta. A que você atribui essa desinformação no nosso mercado? Em parte isso ocorre porque o Marketing Direto se tornou o novo normal; um estudo recente IAB internet advertising revenue report, Abril 2014 informa que os modelos de performance representam 65% das receitas na web nos EUA, ou seja, pode-se dizer que 65% é Marketing Direto. Quando chega nesse ponto, faz mais sentido identificar o que não é a regra, e não a regra; no caso, a não regra é brand advertising. Quando os carros com motor a combustão se tornaram maioria, deixaram de ser chamados de motor cars nos EUA, e viraram simplesmente cars. Ao mesmo tempo, não vejo dois polos brand e direct -, mas entendo que grande parte da comunicação hoje se situa em algum ponto ao longo desse espectro. O buzzword do momento é mídia programática, você poderia explicar aos nossos leitores como isso funciona e, em que medida isso vai afetar anunciantes e agências? A mídia programática é caracterizada pela automação do processo de compra e venda de anúncios display. Ela pode envolver RTB real time bidding (feita por lances em tempo real), ou não, neste caso sendo chamada de programmatic direct. A mídia programática funciona com uma bolsa de ações processando lances eletronicamente e com muito mais eficiência, e viabiliza a publicidade audience centric, ou focada no perfil da audiência, em grande escala, reduzindo dramaticamente etapas operacionais do processo tradicional, baseado em PIs. Além disso, traz muito mais eficiência para todo o ecossistema, como benefícios para os veículos e para os anunciantes. Para os anunciantes e agências, a mídia programática apresenta uma forma eficiente de comprar, na qual a mensagem é entregue com precisão à audiência. A mídia programática representa o ponto máximo da massificação das interações 1:1, uma vez que parâmetros do internauta são utilizados para definir o preço a ser pago por um anúncio e para determinar a mensagem a ser entregue, tudo isso em tempo real. Há perspectivas dessa automação de programação de mídia atingir também os canais não digitais? Em mercados mais desenvolvidos já se fala em programático na compra de outros meios, como TV. Na medida em que a eficiência que a mídia programática traz para os canais digitais puder ser transferida para outros canais, será naturalmente adotada. A automação da compra de mídia e ferramentas de automação de marketing e do relacionamento com o cliente são uma realidade. Qual é o futuro do profissional de marketing num mundo que cada vez menos demanda ações pessoais? A mídia programática reduz o trabalho operacional como programação e otimização de campanhas mas, por 18 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

19 A mídia programática representa o ponto máximo da massificação das interações 1:1, uma vez que parâmetros do internauta são utilizados para definir o preço a ser pago por um anúncio e para determinar a mensagem a ser entregue, tudo isso em tempo real. outro lado, abre novos espaços para a criatividade e para atividades estratégicas. Grandes grupos de mídia globais, como o New York Times, estão desenvolvendo atividades ultrassofisticadas simultaneamente e na ponta oposta do programático, lançando projetos de mídia nativa, como o Snowfall e desenvolvendo projetos especiais para marcas, atividades que requerem pessoas criativas e preparadas. Você é a mais nova aquisição do Curso de Especialização em Marketing Direto da ABEMD, qual será o foco da sua aula e o que espera que os alunos guardem como mensagem principal do seu tema? Tenho toda a base da minha formação profissional em Marketing Direto, e naturalmente a minha atuação se direcionou para a publicidade digital e a mídia programática. Pretendo compartilhar um pouco da minha experiência, apresentando aos alunos o conceito da otimização, a otimização no ambiente digital e em tempo real, e discutir o programático como este novo método de comprar e vender publicidade digital, que representa US$ 836 milhões na América Latina atualmente, e que em três anos vai representar receitas de US$ 16,9 milhões nos EUA, está transformando a indústria. Espero que os alunos percebam que a área de marketing e publicidade, como outras também, têm uma fundamentação teórica que se mantém, evoluindo gradualmente, mas que é extremamente dinâmica na maneira como incorpora novas tecnologias e como pode ser rapidamente transformada no que se refere à forma de fazer as coisas e, portanto, como é importante para um profissional da área acompanhar o ritmo das mudanças e estar aberto ao futuro, sempre em transformação. O Curso O Curso de Especialização da ABEMD está em sua 26ª turma. Com 80 horas/aula, já formou mais de 860 profissionais. Ao abordar todos os temas do Marketing Direto canais que podem ser utilizados, life time value, cálculo de ROI, fulfillment, redes sociais, métricas digitais, criação, CRM, entre outros o Curso é completo e forma gestores na disciplina. Seus professores são profissionais de destaque no mercado em suas áreas de atuação, que trazem uma visão atualizada tanto teórica quanto prática do assunto. Já estão abertas as inscrições para 27ª turma para março de Informe-se no (11) ou mande para Outubro/14 - nº Ano XIV - Marketing Direto 19

20 artigo Hoje, mais do que nunca, é preciso que as empresas conheçam o melhor momento e canal para alcançar o seu público. Por isso, a Jornada do Consumidor é um passo imperativo para garantir um relacionamento duradouro e de qualidade com os clientes. E a sua empresa, já está pronta para começar? Jornada do Consumidor: o caminho para o sucesso das marcas * Por Edson Barbieri A forma como os consumidores interagem com as marcas tem mudado drasticamente nos últimos anos. O acesso ao mundo digital trouxe grande poder aos consumidores, já que eles podem escolher o seu canal digital de preferência e acessar qualquer conteúdo conforme lhes for conveniente. Por isso, cabe às empresas entender que agora é mais importante do que nunca envolver os esforços de marketing com boas ferramentas de gerenciamento do relacionamento com o cliente, para entregar uma experiência contínua e relevante em cada ponto de contato no ciclo de venda. A Jornada do Consumidor, um conceito ainda não tão disseminado no mercado brasileiro, representa uma série de ações para converter e fidelizar o consumidor. Pensando nisso elencamos quatro estágios que garantem que a marca inicie e mantenha cada vez mais um relacionamento longo e de qualidade com seus clientes. Aquisição Convide o consumidor a se conectar com a sua marca através de diferentes canais digitais, e explique o porquê ele deve compartilhar suas informações com a sua empresa. Quais benefícios ele terá? E que tipo de conteúdo ele irá receber? Boas Vindas Aproveite o momento que o cliente aceita receber suas comunicações para enviar uma mensagem de boas-vindas e causar uma primeira boa impressão. Sugira que ele monte uma lista de desejos sobre possíveis produtos ou serviços de seu interesse, assim você vai conhecendo cada vez mais as preferências e necessidades desse novo prospect. Engajamento A primeira compra foi realizada pelo cliente, e agora? Mantenha o consumidor interessado, ofereça conteúdo relevante e personalizado com base no seu histórico de compras. Incite-o a interagir mais com a sua marca, seja via redes sociais, e- -mail ou sms. Entenda qual é o canal ideal para transmitir a sua mensagem a ele e garanta a continuidade dessa comunicação. Retenção Invista na troca de informações com o consumidor, não apenas pergunte o que mais o interessa, mas observe o que ele está buscando. Identifique possíveis lacunas de contato e retome o diálogo com clientes antigos, localize os prospects que ainda não abriram seu último marketing e incentive-os a continuar o relacionamento com a marca através de ofertas personalizadas. A Jornada do Consumidor é um processo contínuo e abre um amplo leque de possibilidades para otimizar a experiência do consumidor. O importante é reconhecer a oportunidade, oferecer o que o cliente procura, e evoluir essa jornada que sem dúvidas será benéfico para o cliente e também para sua marca, representando um aumento nas conversões de vendas. O consumidor está em busca da marca que irá orientá-lo e oferecer o que ele procura. Então não perca tempo e comece agora a desenvolver a sua jornada! * VP & General Manager, LATAM da Salesforce ExactTarget Marketing Cloud, vice-presidente da ABEMD (Associação Brasileira de Marketing Direto) e Conselheiro da Câmara-e.net. 20 Marketing Direto - Outubro/14 - nº Ano XIV

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação MIT CDOIQ Symposium 2014 Os temas mais abordados Evolução MIT Information Quality Program Pesquisa, Ensino, Publicações, Conferências, Certificação

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Preciso anunciar mais...

Preciso anunciar mais... Na maioria dos projetos que participamos, temos certeza de que quando o empreendedor inicia um trabalho de CRM, ele busca sempre é por uma vantagem competitiva: uma equipe de vendas mais eficiente, processos

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL LINKS PATROCINADOS

PROPOSTA COMERCIAL LINKS PATROCINADOS PROPOSTA COMERCIAL LINKS PATROCINADOS O que você vai encontrar nesta proposta: Problemas comuns em empresas que usam Google Adwords A solução está mais perto do que imagina Por que a Dynamo é a empresa

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR

MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR Introdução 02 A importância de calcular o ROI dos investimentos Capítulo 1 04 Aprendendo a definir os investimentos

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

E-Book! O que é Inbound Marketing?

E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book O que é Inbound Marketing? Estamos em um período de transição de modelos mentais e operacionais entre o Marketing Tradicional e o Inbound Marketing. Este e-book

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Seu inventário está preparado para a crise?

Seu inventário está preparado para a crise? Seu inventário está preparado para a crise? foto: Luciana Aith Publicado Os consumidores mudam de tela várias vezes ao dia, Outubro 2015 engajam-se com diferentes conteúdos e anúncios em questão de segundos.

Leia mais

Como usar seu website para captar recursos

Como usar seu website para captar recursos Como usar seu website para captar recursos Objetivo: Hoje em dia, com mais de 1.5 bilhão de pessoas acessando a Internet regularmente em todo o mundo, nunca foi tão importante tirar o máximo de proveito

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Tec Triade. Brasil. Em um universo sem limites, sua marca precisa de uma comunicação sem limites. Precisa de um porta-voz.

Tec Triade. Brasil. Em um universo sem limites, sua marca precisa de uma comunicação sem limites. Precisa de um porta-voz. Seu porta-voz na sociedade digital. Em um universo sem limites, sua marca precisa de uma comunicação sem limites. Precisa de um porta-voz. A é uma agência de Comunicação Integrada, com uma equipe especialista

Leia mais

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Luciano Ramos Coordenador de Pesquisas de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

Estratégias de Comunicação para Micro e Pequenas Empresas

Estratégias de Comunicação para Micro e Pequenas Empresas Estratégias de Comunicação para Micro e Pequenas Empresas SEGMENTOS DE ATUAÇÃO Encomendas Mensagens Financeiro Digital Logística Integrada Conveniência Marketing Direto Serviços Internacionais SEGMENTOS

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015

SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015 SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015 Tecnologias e soluções para aplicar na sua empresa e aumentar a sua competitividade. NRF 2015 ÍNDICE Objetivo...04 De multicanal para omnichannel...05 O propósito...05 Capital

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Metodologia e dinâmica do workshop O fim das vendas e do marketing da insistência

Metodologia e dinâmica do workshop O fim das vendas e do marketing da insistência Metodologia e dinâmica do workshop O fim das vendas e do marketing da insistência Como andam seus esforços em Prospecção, Follow-up e Networking? A forma como você faz hoje é a mais adequada? Será que

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Os tempos mudaram. Campanha de valorização

Os tempos mudaram. Campanha de valorização Campanha de valorização Os tempos mudaram Terceira fase da Campanha de Valorização do Marketing Direto enfatiza a revolução nas formas de conquistar o público e a proximidade da disciplina com as novas

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

CASO DE SUCESSO MICROWARE

CASO DE SUCESSO MICROWARE CASO DE SUCESSO MICROWARE CLIENTE: Jequiti Cosméticos SEGMENTO: Indústria JEQUITI INVESTE EM ESTRUTURA PRÓPRIA PARA GARANTIR MAIOR PROCESSAMENTO DE DADOS ÁREA DE ATUAÇÃO: Datacenter DEMANDA: Uma estrutura

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

www.boaspraticasnet.com.br

www.boaspraticasnet.com.br Destaque sua empresa no primeiro SISTEMA 360º DE COMUNICAÇÃO do país voltado exclusivamente para o controle de qualidade nos mercados farmacêuticos, veterinários, cosméticos e correlatos: o SISTEMA BOAS

Leia mais

MARKETING DE CONTEÚDO E EMAIL MARKETING

MARKETING DE CONTEÚDO E EMAIL MARKETING WHITE PAPER MARKETING DE CONTEÚDO E EMAIL MARKETING Como construir um relacionamento com seus contatos a partir de um conteúdo pensado para eles, por você. SUMÁRIO Introdução 3 O que é Marketing de Conteúdo?

Leia mais

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013 Crie seu mecanismo de engajamento: ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO Novembro 2013 parte 2 O RESUMO A jornada de decisão do consumidor já foi uma linha reta, mas agora é um caminho circular e em desenvolvimento.

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes?

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Ligue para nós e conheça a melhor estratégia para atender às necessidades de vendas

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

O futuro da área de finanças Simplificação, eficiência e produtividade. Othon de Almeida 1 de julho de 2015

O futuro da área de finanças Simplificação, eficiência e produtividade. Othon de Almeida 1 de julho de 2015 O futuro da área de finanças Simplificação, eficiência e produtividade Othon de Almeida 1 de julho de 2015 Os desafios da área de finanças Os desafios da área de finanças em um ambiente competitivo Acompanhamento

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Uma nova Virtual Target

Uma nova Virtual Target A Virtual Target é uma ferramenta muito imediata. Ao dispararmos as campanhas, já começamos a receber os resultados de interação e identificar a conversão. A marca, para nós, é sinônimo de comprometimento.

Leia mais

Cursos Online. Universidade do Corretor Alta Performance em Vendas de Alto Valor. Guia de Boas Vindas Primeiros passos. www.andrevinicius.

Cursos Online. Universidade do Corretor Alta Performance em Vendas de Alto Valor. Guia de Boas Vindas Primeiros passos. www.andrevinicius. Cursos Online Universidade do Corretor Alta Performance em Vendas de Alto Valor Guia de Boas Vindas Primeiros passos www.andrevinicius.com/ead Universidade do Corretor Olá! Tudo bem? É com imenso prazer

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Etapas de uma campanha de e-mail marketing

Etapas de uma campanha de e-mail marketing Etapas de uma campanha de e-mail marketing Conheça as principais etapas de uma campanha de e-mail marketing, desde o planejamento de ações, até a análise das métricas de resultados. Ao contrário do que

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Enabling the New Style of IT. Marcelo Nunes Sales Director, Enterprise and Public Sector Printing and Personal Systems

Enabling the New Style of IT. Marcelo Nunes Sales Director, Enterprise and Public Sector Printing and Personal Systems Enabling the New Style of IT Marcelo Nunes Sales Director, Enterprise and Public Sector Printing and Personal Systems Video 75 anos HP Eu acredito sinceramente na HP e na nossa habilidade em fazer a diferença

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais