FACULDADE CEARENSE FAC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO RÔMULO PIMENTEL DE PAULA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE CEARENSE FAC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO RÔMULO PIMENTEL DE PAULA"

Transcrição

1 FACULDADE CEARENSE FAC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO RÔMULO PIMENTEL DE PAULA ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUE NO SUPERMERCADO WANDERBOX, SITUADO NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE FORTALEZA 2013

2 FRANCISCO RÔMULO PIMENTEL DE PAULA ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUE NO SUPERMERCADO WANDERBOX, SITUADO NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE Monografia como pré-requisito para obtenção do título de Bacharelado em Administração, outorgado pela Faculdade Cearense FAC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Orientadora: Professora Rosangela Soares de Oliveira FORTALEZA 2013

3 FRANCISCO RÔMULO PIMENTEL DE PAULA ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUE NO SUPERMERCADO WANDERBOX, SITUADO NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA/CE Monografia como pré-requisito para obtenção do título de Bacharelado em Administração, outorgado pela Faculdade Cearense FAC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Data de aprovação: 10/12/2013 Conceito:Satisfatório ROSANGELA SOARES DE OLIVEIRA, Ms. Orientadora FERNANDO LOPES DE SOUZA DA CUNHA, Ms Membro KELLY COELHO BRASIL, Ms Membro PHRYNÉ AZULAY BENAYON, Ms Membro

4 Aos meus Pais e meus irmãos, que me incentivaram muito para que eu atingisse esse objetivo.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por ter iluminado meus caminhos nessa jornada. Aos meus pais, que me apoiaram em todos os momentos dessa caminhada. A minha orientadora, Rosangela Soares de Oliveira, que foi fundamental nessa etapa da minha vida e que se prontificou em me orientar com toda atenção. A todos os meus professores, que colaboraram na minha aprendizagem ao longo desses anos. Aos colegas que estiveram presentes durante todo esse período. Ao Supermercado Wanderbox que permitiu que esse trabalho de pesquisa fosse realizado no mesmo.

6 Gerenciamento é substituir músculos por pensamentos, folclore e superstição por conhecimento, e força por cooperação. (Peter Drucker)

7 RESUMO A gestão de estoque é muito importante na administração dos recursos materiais de uma empresa, principalmente nas atividades varejistas, em especial os supermercados. Este trabalho de pesquisa teve como objetivo geral, a análise da gestão de estoque de um supermercado situado no município de Fortaleza CE, onde foi avaliado desde a sua administração até o planejamento e controle dos recursos materiais, visto que no setor varejista, em especial os supermercados é de suma importância o gerenciamento dos estoques. Chegou-se a conclusão, que a gestão de estoque no Supermercado Wanderbox não é eficiente, porque existem produtos que não estão cadastrados no sistema do supermercado, dificultando a tarefa do setor de compras, acarretando na administração, planejamento e controle de estoques inadequados no supermercado. Sendo assim, os custos de planejamento e controle de estoque tornam-se altos. Ficou constatado que a gestão de estoque é muito importante na empresa, mas há discrepâncias no gerenciamento do estoque, foi relatado que alguns produtos do estoque físico não estão no sistema informatizado do supermercado. O sistema de informação utilizado na empresa é o RMS, mas esse sistema não está abrangendo todos os setores do supermercado. O sistema de informação utilizado nessa empresa é o mais adequado, pois é utilizado pela maior parte da rede varejista, o que deve ser feito é tornar todos os setores do supermercado informatizados dentro do mesmo sistema utilizado na organização, fazendo com que haja uma uniformidade no gerenciamento dos estoques. Tomando essa decisão será possível fazer um planejamento e controle de estoque ideal, para diminuir os custos gerados no supermercado. É necessário também, que se busque utilizar um tipo de estoque, pois irá facilitar no planejamento e no controle de estoque. Palavras-chaves: Gestão de estoque. Logística. Varejista.

8 ABSTRACT The inventory management is very important in the management of material resources of a company, especially in retail activities, in particular supermarkets. This research had as general objective, analysis of inventory management of a supermarket located in Fortaleza - CE, which has been reported since its administration to the planning and control of material resources, as in the retail sector, in particular supermarkets is of paramount importance to inventory management. The conclusion was reached that the inventory management in Supermarket Wanderbox is not efficient, because there are products that are not registered in the supermarket system, complicating the task of the purchasing department, resulting in administration, planning and control of inadequate inventories at the supermarket. Thus, the costs of planning and inventory control become very high. It was verified that the management of inventory is very important in business, but there are discrepancies in inventory management, it was reported that some products are not physical inventory in the computerized system of the supermarket. The information system used in the company is the RMS, but this system is not covering all sectors of the supermarket. The information system used in this company is the most suitable as it is used by most of the retailer, which must be done is to make all sectors of computerized supermarket within the same system used in the organization, so that there is uniformity in inventory management. Keywords: Inventory management. Logistics, Retailer.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Triângulo do planejamento em relação às principais atividades de logística Figura 2 Estágios em cadeia de suprimentos Figura 3 Modelo de integração de logística Figura 4 Sistema típico de gestão ampliada do relacionamento com os clientes... 26

10 LISTA DE TABELAS Variação mensal do volume de vendas no varejo Ceará ( )... 14

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 A gestão de estoque é importante para o supermercado? Gráfico 2 Qual a forma de planejamento de estoque é realizado na empresa? Gráfico 3 Que forma de controle de estoque é realizado na empresa? Gráfico 4 A empresa utiliza algum sistema de informação? Gráfico 5 O supermercado utiliza algum sistema de informação no gerenciamento das compras? Qual o objetivo do uso de sistema de informação para o supermercado? Gráfico 6 Acontecem discrepâncias no gerenciamento do estoque da empresa?. 46 Gráfico 7 O supermercado busca reduzir seus custos de estocagem de material através do gerenciamento do estoque? Gráfico 8 Qual o tipo de estoque que o supermercado adota? Gráfico 9 Qual a posição de custos com o estoque do supermercado? Gráfico 10 Qual a posição de custos no setor de compra do supermercado?... 48

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMA IBGE IPECE EDI ERP GIS SEBRAE American Marketing Association Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará Intercâmbio Eletrônico de Dados Planejamento de Recursos Materiais Sistemas de Informação Geográfica Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO Conceituando e contextualizando: Logística Gestão da cadeia de suprimentos Logística integrada Gestão de estoques Atividades primárias Compra/suprimentos Manutenção dos estoques Processamento dos pedidos Distribuição e transporte Atividades de suporte Planejamento do estoque Armazenagem e manuseio de materiais Gerenciamento de informação Embalagem Unitização Paletização Conteineirização Mariner Sling Big Bag METODOLOGIA Tipos de pesquisa Técnica de coleta de dados e análise de dados ESTUDO DE CASO História da empresa: como tudo começou RESULTADOS DA PESQUISA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 54

14 13 1 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como tema, a Análise da Gestão de Estoque no Supermercado Wanderbox, situado no município de Fortaleza CE. Esta pesquisa teve como intuito entender como os processos de gestão de estoques na logística de uma empresa, torna-se importante conhecer os fatores que influenciam nesses processos. A gestão de estoques está em constante desenvolvimento, cabendo às empresas investirem nessa área que é de total importância. O fluxo de informações no setor varejista no Ceará é muito grande. Com isso, a evolução dos sistemas de informação, vem beneficiando o aumento da produtividade e a gestão de estoques neste setor. De acordo com Tadeu (2010), ainda que o estoque sempre representasse um ponto significativo dentro da administração de toda empresa ou organização, somente no início da segunda metade do século XX que o foco foi devidamente dado a essa área. As organizações do século XXI evoluíram muito em relação às do século XX, as empresas estão investindo cada vez mais em tecnologia e na qualidade de seus produtos e serviços devido a uma maior exigência dos clientes. Segundo Ballou (2012, p.18), A concepção logística de agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva é uma evolução natural do pensamento administrativo. [...]. A gestão estratégica da logística é muito importante na gestão estratégica dos estoques. Conforme Oliveira (2013, p.102): A gestão estratégica da logística, principalmente com foco na gestão estratégica de estoques, seja no controle de seus níveis como na inteligência de sua reposição em face de sua demanda incrementa os lucros de qualquer organização. De acordo com o Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE), as atividades comerciais cearenses no período de 2006 a 2011 cresceram 41,5%. Isso mostra o quanto cresceu o comércio no estado do Ceará, isso se deve devido a maior preocupação em tornar eficiente a gestão estratégica.

15 14 Na tabela a seguir é demonstrada a variação mensal do volume de vendas no varejo no Ceará no período de 2006 a 2012 segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): Tabela 1. Variação mensal do volume de vendas no varejo Ceará ( ) Fonte: IBGE 2012 Conforme Bezerra, Barbosa e Santos (2010, p.77), a economia cearense desde sua origem é predominantemente voltada para o setor de serviços, com destaque para o comércio, sobretudo o Varejista. [...]. O setor varejista no estado do Ceará vem se modernizando para poder atender a crescente demanda de consumidores. Torna-se necessário o correto gerenciamento dos estoques no setor varejista, principalmente nos supermercados, para que não gerem prejuízos aos seus administradores. Segundo a Agência Brasil (2013), o movimento dos consumidores nas lojas em outubro de 2013 avançou 1,7% se comparado a setembro do mesmo ano. Ainda de acordo com a Agência Brasil em comparação com outubro do ano passado houve uma expansão de 2,8% da atividade varejista.

16 15 Partindo da necessidade em haver um controle mais eficiente de estoque dentro de uma empresa, o questionamento que se faz é será que a gestão de estoque aplicada no Supermercado Wanderbox é eficiente? Conforme Mattar (2011, p.1), o varejo consiste nas atividades de negócios envolvidas na venda de qualquer produto ou prestação de qualquer serviço a consumidores finais, para utilização ou consumo pessoal, familiar ou residencial. O varejo é uma atividade muito antiga no comércio, segundo Mattar (2011), com a ocorrência da produção de excedentes e a comunicação entre diversos grupos, iniciou-se o processo de escambo, onde os excedentes de produção de um grupo eram trocados pelos excedentes de outro grupo, caracterizando-se como o primórdio do comércio. A modernização do comércio, o surgimento da moeda e o advento da Internet que facilitaram o processo da atividade varejista. O comércio varejista exibe uma ampla concorrência para os que ingressam nela. Sobretudo nos supermercados o acirramento é grande, pois os grandes supermercados levam vantagem em relação aos de médio e pequeno porte. Para concorrer com os grandes supermercados, os pequenos e médios, se unem em redes para comprarem mercadorias juntos, a melhores preços não deixando que haja o risco de faltar produtos para o cliente final. Fleury, Wanke e Figueiredo (2012, p.316), diz que: No entanto, planejar um sistema baseado no consumidor está tornando-se cada vez mais difícil, principalmente para as empresas que atuam no setor varejista. Com o acirramento da concorrência e o aparecimento de uma nova forma de comércio pela Internet (e-commerce), os consumidores tornaram-se mais numerosos e de difícil compreensão. Tendo em vista o acirramento no comércio varejista e o comércio pela Internet. Para Camarotto (2009), os varejistas mais competitivos se adiantam às mudanças e oferecem meios para que o consumidor consiga o que deseja e precisa conforme seus anseios, por exemplo, clientes que buscam rapidez e praticidade estão adquirindo muitos produtos e serviços pela Internet, sem necessidade de visita a estabelecimentos comerciais.

17 16 Para Peter Drucker apud Harrison (2005, p.169): O surgimento explosivo da Internet como um dos principais, ou talvez o principal, canais de distribuição mundial para bens, serviços e, surpreendentemente trabalhos gerenciais e profissionais está alterando profundamente as economias, os mercados e as estruturas dos segmentos: produtos e serviços e seu fluxo; segmentação de clientes, valores dos consumidores e comportamento do consumidor; mercado de trabalho e mãode-obra. A Internet facilitou os trabalhos gerenciais e profissionais influenciando na economia facilitando para os pequenos e médios supermercados. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE 2013, p.1), a vantagem da formação de uma rede envolvendo os pequenos e médios supermercados são o aumento do poder de negociação, preços mais baixos, eliminação de intermediários, condições de pagamento, menor custo de estoque e de frete e acesso a grandes fornecedores. Segundo Almeida e Pinheiro (2013, p.82): No Ceará, já existem formadas 28 centrais de negócios, ou seja, as associações entre os supermercados locais para a formação de uma rede que faça frente às grandes lojas nacionais e internacionais de supermercados, onde se destacam a Super Rede e a Uniforça. De acordo com Daud e Rabelo (2007, p.23), o varejista encontra a sua maneira de competir ao calibrar com precisão qual o feixe de serviços que irá apoiar a venda dos produtos e quais produtos apoiarão a venda dos serviços. Esse trabalho de pesquisa visa verificar o modo que o Supermercado Wanderbox controla seus estoques, se o mesmo está de acordo com as metas estabelecidas pelo setor varejista e se está utilizando o método adequado de gestão de estoque.

18 17 Esse estudo tem como objetivo geral: Analisar a gestão de estoque no Supermercado Wanderbox situado no município de Fortaleza-CE desde a sua administração, planejamento e controle dos recursos materiais, visto que no setor varejista em especial os supermercados é de suma importância o gerenciamento dos estoques. Para apoiar o objetivo geral, foram identificados três objetivos específicos: Conceituar e contextualizar a logística, verificar a gestão de estoque no Supermercado Wanderbox situado no município de Fortaleza CE; Averiguar o tipo de estoque no Supermercado Wanderbox; Analisar o planejamento e o controle de estoque do Supermercado Wanderbox. Este trabalho de pesquisa está divido em 5 (cinco) capítulos. O capítulo 1 aborda a introdução que apresenta o assunto do estudo, contendo a problemática com a respectiva justificativa. Mostra o objetivo geral e os objetivos específicos desse estudo. O capítulo 2 descreve o referencial teórico, conceitua e contextualiza a logística e como ela se aplica ao setor varejista no segmento de supermercados, discorre sobre a logística integrada mostrando a sua importância, cadeia de suprimentos e a gestão de estoques. O capítulo 3 aborda a metodologia utilizada nesse trabalho de pesquisa. O capítulo 4 refere-se ao estudo de caso, mostrando a história da empresa estudada e o capítulo 5 refere-se aos resultados da pesquisa. E por fim são apresentadas as considerações finais, a bibliografia e o anexo.

19 18 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo foi abordada a conceituação e a contextualização da logística e como ela se aplica nas empresas, tendo um enfoque no setor varejista no segmento de supermercados, discorre sobre a logística integrada mostrando a sua importância e a cadeia de suprimentos. Também explicitará a definição de gestão de estoques e sua importância como parte de um planejamento nas empresas e como se aplica numa rotina de um supermercado. 2.1 Conceituando e contextualizando: Logística De acordo com Bowersox e Closs (2009), logística é o processo de planejamento, implementação e controle eficiente e eficaz do fluxo e armazenagem de mercadorias, serviços e informações relacionadas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o intuito de atender as necessidades dos clientes. Para Ballou (2012, p.24): A logística empresarial trata de todas atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. Para Almeida e Schlüter (2012), a logística não se refere somente aos aspectos físicos do sistema (veículos, armazéns, redes de transporte etc.). Os aspectos intangíveis tais como os informacionais e gerenciais, envolvendo processamento de dados, teleinformática, processos de controle gerenciais e serviços diversos, constituem-se em parte integrante de importância para o cumprimento da função logística. Segundo Alt e Martins (2006, p.326), A logística é responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadorias e informação, desde a fonte fornecedora até o consumidor. A logística tem tido um papel muito importante no planejamento da maioria das empresas, sendo necessária que as empresas estejam acompanhando o desenvolvimento da mesma no que tange uma modernização mais rápida.

20 19 Para Ching (2007, p.18): A logística moderna passa a ser maior preocupação dentro das empresas. Ela deve abranger toda a movimentação de materiais, interna e externa à empresa, incluindo chegada de matéria-prima, estoques, produção e distribuição até o momento em que o produto é colocado nas prateleiras à disposição do consumidor final. Tendo em vista essa importância da logística no planejamento da empresa, se faz necessário que haja uma gestão da logística para que chegue aos objetivos traçados pela empresa Supermercado Wanderbox. De acordo com Christopher (2007, p.3): Logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informações relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e a futura sejam maximizadas mediante a entrega de encomendas com o menor custo associado. O gerenciamento estratégico da compra é importante devido a globalização da logística. Segundo Barat (2007, p.9), O grande desafio na logística globalizada é conseguir operar progressivamente nas funções empresariais que agregam valor adicional significativo aos produtos. Para Bowersox, Cooper e Closs (2006), a decisão de se engajar em operações globalizadas para alcançar crescimento de mercado e desfrutar de eficiência operacional segue um caminho natural de ampliação de negócios. A globalização é um processo que influencia muito a logística atualmente, seja nas transações comerciais, como também no fluxo de capitais. Para Fleury (2012), as implicações desse elemento para a logística são várias e importantes, aumentam o número de clientes e os pontos de vendas, crescem o número de fornecedores e os locais de fornecimento, aumentam as distâncias a serem percorridas e a complexidade operacional, abrangendo legislação, cultura e modais de transporte. Conforme Alt e Martins (2006, p.350), algumas características do modelo atual afetaram de modo permanente a forma de operar as empresas, quer de bens de consumo, bens de produção, quer de serviços. Os clientes estão cada vez mais exigentes com relação aos produtos e serviços. Dessa forma, é preciso que haja investimentos nos sistemas de informação, com o intuito de ter uma comunicação eficiente com o fornecedor para

21 20 agilizar na reposição de estoques, negociando os preços de transportes das mercadorias, para não influenciar muito no preço final para o cliente final. A figura a seguir mostra o triângulo do planejamento em relação às principais atividades de logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: Figura 1. Triângulo do planejamento em relação às principais atividades de logística Fonte: Ballou (2004, p.45) De acordo com Ballou (2004), a função do gerenciamento pode ser vista como o desempenho das tarefas de planejar, organizar e controlar para concretizar os objetivos da empresa, já o planejamento lida com decisões sobre os objetivos da empresa. A estratégia de estoque é importante para a previsão e decisões a serem tomadas sobre o estoque, programação das compras e suprimentos que acarreta no planejamento a ser realizado. O planejamento das principais atividades logísticas é muito importante para o gerenciamento da cadeia de suprimentos tanto na estratégia de estoque como na estratégia de transporte, na estratégia de localização e nos objetivos do serviço ao cliente.

22 Gestão da cadeia de suprimentos De acordo com Bowersox e Cooper e Closs (2006), a gestão da cadeia de suprimentos (às vezes conhecida por cadeia de valor ou cadeia de demanda) envolve empresas que cooperam para alavancar posicionamento estratégico e para melhorar a eficiência das operações. Francischini e Gurgel (2004) definem cadeia de suprimento como integração dos processos que formam um determinado negócio, desde os fornecedores originais até o usuário final, proporcionando produtos, serviços e informações que acrescentam valor para o cliente. Ballou (2004), explica que a cadeia de suprimentos compreende todas as atividades relacionadas com o fluxo e transformação de mercadorias desde o estágio de matéria-prima até o usuário final, bem como os respectivos fluxos de informação. De acordo com Slack et.al. (2008), a gestão da cadeia de suprimentos é a gestão dos relacionamentos e fluxos entre os processos e as operações. Para Chopra e Meindl (2011, p.4), o termo cadeia de suprimentos traz à lembrança imagens de produto ou estoque movendo-se de fornecedores para fabricantes, distribuidores, comerciantes e para clientes ao longo de uma cadeia. A figura a seguir mostra os estágios em cadeia de suprimentos: Figura 2. Estágios em cadeia de suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Varejista Cliente Fonte: Chopra e Meindl (2011) adaptado pelo autor De acordo com Klose e Ikemori (2013), o segmento de varejo precisa lidar com a logística e a sua gestão pode dependendo da eficiência, contribuir para elevar o grau de competitividade ou arranhar e comprometer a imagem de uma empresa. Seja para receber produtos, distribuí-los entre as filiais ou então entregar um produto ao consumidor, ter uma cadeia de suprimentos que funcione com perfeição é essencial para qualquer empresa. Na administração do varejo para gestão da cadeia de suprimentos funcione é necessário que se tenha uma logística integrada.

23 Logística integrada De acordo com Bowersox e Closs (2009), Logística Integrada são as informações recebidas de clientes que passam pela empresa na forma de atividades de vendas, previsões e pedidos. Conforme Ayres (2009, p.221), o emprego da Logística de uma forma integrada, como uma nova estratégia capaz de criar, dentro das empresas, uma sincronização entre todos os seus departamentos é ainda recente no Brasil. Na figura seguir é demonstrado à integração logística, segundo Bowersox e Closs: Figura 3. Modelo integração de logística Fonte: Bowersox e Closs (2009, p.44) A figura mostra todo o percurso pela qual passa o pedido do cliente, cabendo a empresa filtrar as informações importantes para distribuir a outros setores, que faz o planejamento das compras de materiais junto aos fornecedores. Esse processo é facilitado pela Internet que gera mais rapidez ao fluxo de informações tanto do cliente em relação à empresa, como do fluxo de materiais da organização em relação aos fornecedores. Segundo Fleury (2003, p.1): O conceito de logística integrada parte do princípio de que o sistema logístico deve ser entendido como um instrumento operacional de marketing. Um dos modelos mais utilizados para o estabelecimento de uma estratégia de marketing, é do marketing mix, popularmente denominado de modelo dos 4 Ps. Segundo este modelo a estratégia de marketing deve ser estabelecida a partir de políticas de produto, preço, promoção e praça, ou seja, canais de distribuição.

24 23 Ainda de acordo com Fleury, Wanke e Figueiredo (2012), baseado no moderno conceito de logística integrada está o entendimento de que a logística deve ser vista como uma ferramenta de marketing, uma ferramenta gerencial, capaz de agregar valor através dos serviços prestados. É necessário que a logística integrada seja vista como uma ferramenta de marketing com o objetivo de agregar o valor através dos serviços prestados para que haja uma correta gestão de estoques. 2.4 Gestão de estoques Primeiramente é necessário entender a definição de estoque nas empresas. Segundo Alt e Martins (2006, p.168), os estoques têm a função de funcionar como reguladores do fluxo de negócios. De acordo com Bowersox e Closs (2009, p.41), as necessidades de estoque de uma empresa dependem da estrutura da rede e do nível desejado de serviço ao cliente. Para Pozo (2004), a razão para manter estoques tem relação com a dificuldade de se conhecer a demanda futura, tornando necessário manter um nível de estoque para assegurar o atendimento às demandas, bem como minimizar os custos de produção, movimentação e estoques. É muito importante saber sobre custos para se determinar um volume de estoque que seja suficiente para atender a demanda. Saber como investir para que se possa ter rápida rotatividade dos produtos para que não fiquem parados. Para que se evite que esses produtos passem da validade, ocasionando prejuízos. De acordo com Alt e Martins (2006), a gestão de estoques compõe uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. Para Paoleschi (2012, p.40 41): Uma empresa deve cuidar da gestão de estoques como o principal fundamento de todo o seu planejamento tanto estratégico como operacional, porque um controle correto dos estoques elimina desperdícios de tempo, de custo, de espaço e vai atender o cliente no momento em que ele deseja.

25 24 Para se gerenciar os estoques é preciso saber como se planejar para não haver excesso de estoque ou então não ficar com estoque insuficiente para poder atender a demanda. Segundo Slack et al. (2008, p.296), o gerenciamento de estoques é a atividade de planejar e controlar acúmulos de recursos transformados, conforme eles se movem pelas cadeias de suprimentos, operações e processos. Siqueira (2009), diz que para tomar decisões sobre a gestão dos estoques, os gestores utilizam modelos que servem para representar seu funcionamento real, isto é, como se dá o seu uso e como ocorre seu abastecimento. De acordo com Bowersox e Closs (2009, p.226), para os varejistas, o gerenciamento de estoque é fundamentalmente uma questão de compra e venda. Segundo Tadeu (2010, p.10), gerenciar os estoques, portanto, é uma tarefa muito maior e mais complexa do que o controle de materiais dentro de uma organização. Por ser uma tarefa muito complexa de controle de materiais, o gerenciamento de estoques divide-se em dois tipos de atividades: as atividades primárias e as atividades de suporte Atividades Primárias Para Tadeu (2010), as atividades primárias são aquelas diretamente responsáveis pela efetiva execução dos interesses do gerenciamento de estoques. Ballou (2012), complementa ainda que as atividades primárias contribuem com a maior parcela do custo total da logística e são essenciais para a coordenação e o cumprimento da tarefa logística. As atividades primárias são: compras, manutenção dos estoques, processamento de pedidos, distribuição e transportes Compras/Suprimentos Tadeu (2010), afirma que as atividades de compra são importantes no sentido de garantir a disponibilidade dos materiais essenciais no momento, quantidade, local e condições corretos para seu uso com planejamento de

26 25 desembolso de caixa sustentável e ponderado pela estratégia de estoque desenvolvida pela organização. De acordo com Paoleschi (2012, p.93), A importância de compras / suprimentos nas organizações diz respeito ao volume de recursos gastos nas aquisições anuais e sob responsabilidade desse setor. O setor de compras e suprimentos é um setor bastante estratégico para uma boa logística da empresa. Esse setor tem que estar em sintonia com os outros setores para que possa funcionar bem. Conforme Bowersox, Cooper e Closs (2006), uma estratégia efetiva de compras para apoiar conceitos de gestão da cadeia de suprimentos exige uma relação muito mais próxima entre compradores e vendedores do que é o praticado tradicionalmente. Os responsáveis pelo setor de compras precisam estar atentos para que ocorra a manutenção dos estoques Manutenção dos Estoques Para não haver risco de faltar produtos nas prateleiras é necessário que se mantenha um melhor planejamento voltado para o estoque de segurança e o estoque mínimo. Ballou (2012, p.24), afirma que o uso extensivo de estoques resulta no fato de que, em média, eles são responsáveis por aproximadamente um a dois terços dos custos logísticos, o que torna a manutenção de estoques uma atividade-chave da logística. Enquanto que Paoleschi (2012), fala que o estoque mínimo é garantia de equilíbrio do processo produtivo, mas como seu custo é permanente, deve haver um cálculo muito criterioso para não gerar prejuízo financeiro. Para um equilíbrio do processo produtivo é importante que ocorra um correto processamento de pedidos Processamento de Pedidos Ballou (2012, p.25), explica que a sua importância deriva do fato de ser um elemento crítico em termos do tempo necessário para levar bens e serviços aos clientes.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

TÉCNICAS DE PESQUISA. Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira

TÉCNICAS DE PESQUISA. Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira TÉCNICAS DE PESQUISA Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira TÉCNICAS DE PESQUISA Existem algumas técnicas de pesquisa que podem ser utilizadas pelo pesquisador no desenvolvimento do trabalho científico. Estas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais