DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (www.ea.ufrgs.br) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: Giácomo Balbinotto Neto (Prof. Doutor USP) Fone: PROGRAMA OBJETIVO DA DISCIPLINA O objetivo da disciplina é a de oferecer aos alunos uma introdução à moderna economia da regulação destacando os principais conceitos e modelos sobre tal tópico. A regulação tem sido definida como uma limitação imposta pelo Estado sobre a discrição que pode ser exercida pelos indivíduos ou organizações, as quais são sustentadas pela ameaça de sansão. A regulação é o uso do poder coercitivo que tem como objetivo restringir as decisões dos agentes econômicos. A regulamentação econômica refere-se às restrições impostas pelo governo sobre as decisões das firmas com relação ao preço, quantidades, entrada e saída do setor. A regulação econômica envolve vários aspectos: controle de preços; controle da quantidade; controle da qualidade; controle da entrada e saída do setor; regulação da qualidade mínima; regulação do nível de investimento; regulação do nível de reinvesti mento dos lucros; regulação do nível de pagamento de dividendos e em lidar com algum tipo de falha de mercado e de governo. A regulação ocorre em um ambiente de informação assimétrica entre agentes econômicos que buscam seu próprio interesse, regulação é na sua essência uma manifestação do problema principal-agente. Não fosse a existência de informação assimétrica e a regulação de determinado setor seria um problema trivial - poderia ser trabalhoso, porém trivial - e não justificaria uma disciplina inteira dedicada a ela. O que torna o estudo da regulação interessante é que a existência de informação assimétrica leva os agentes econômicos a contratarem e se organizarem de formas específicas a contornar, mitigar e/ou criar salvaguardas contra os problemas inerentes às relações em tal ambiente. Portanto, se quisermos entender por que as relações entre reguladores, firmas, consumidores e políticos toma as formas específicas que observamos na prática, e se quisermos sugerir formas mais eficientes de estruturar estas relações, é preciso um serie de instrumentos específicos para analisar relações sob informação assimétrica. O aprendizado do uso deste kit instrumental é um dos objetivos desta disciplina.

2 2. AVALIAÇÃO E PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS O curso baseia-se em aulas expositivas onde são utilizados modelos para as análises dos fatos econômicos. No final do curso será distribuída uma lista de exercícios com base nas aulas ministradas que irá cobrir as leituras recomendadas e de um trabalho final sobre um dos tópicos vistos em aula. O trabalho poderá ser feito em grupo (no máximo 4 alunos). A avaliação será baseada no desempenho de um trabalho escrito e questões referentes aos conteúdos ministrados em aula. O conceito final será obtido da seguinte tabela de conversão: CONCEITO GRAU A 9,1 A 10,0 B 7,6 a 9,0 C 6,0 a 7,5 D < 6,0 E Mais de 25% de faltas As aulas irão utilizar intensivamente lâminas de power point baseadas nos seguintes livros: VISCUSI, W.K. et al, (2005). Economics of Regulation and Antitrust, Cambridge, Mass, The MIT Press. LAFFONT, J.J. e TIROLE, J. (1993). A Theory of Incentives in Procurement and Regulation, Cambridge, Mass., MIT Press. KUPFER, David e HASENCLEVER, Liam. (2002). Economia Industrial: Fundamentos Teóricos e Práticas no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Campus. [cap.22] PINHEIRO, A.C. e SADDI, J. (2005). Direito Economia e Mercados. Rio de Janeiro, Campus. WILSON, R. (1993). Nonlinear Pricing, Oxford University Press. As lâminas irão ser disponibilizadas, na página de apoio da disciplina. A bibliografia básica e complementar será indicada ao longo do curso. O conteúdo do curso será explicitamente teórico, apresentando dos principais instrumentos econômicos utilizados na moderna teoria da regulação. Os aspectos empíricos serão vistos através de textos e trabalhos práticos que ficaram a cargo dos alunos.

3 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução à Economia da Regulação As definições de regulação na economia, no direito e na ciência política. O que é economia da regulação? Os instrumentos da regulação: (i) controle de preços; (ii) controle da qualidade; (iii) controle de entrada e saída; (iv) controle de outras variáveis. A racionalidade da regulação: A importância da regulação no processo econômico. O processo regulatório no Brasil. As agências reguladoras. 2. As Teorias econômicas da regulação A teoria do interesse público: falha de mercado; Monopólio natural, grandes investimentos específicos. A teoria da captura de Stigler (1971). A teoria do agente principal. A teoria da public choice (escolha pública). Os grupos de interesse e a contribuição de Mancur Olson (1966). 3. A Teoria do Monopólio Natural e sua Regulação O conceito de monopólio natural. Monopólio natural multiproduto. Indústrias de rede. Formas de Regulação dos preços: regulação por taxa de retorno. Preço-teto (price cap). Regulação de monopólio multiproduto: A regra de Ramsey. Tarifa em duas partes (multipart tarifs). Preço de Pico (Peak-load pricing). Regulação por Gabarito (yardstick ou benchmanrk). Leilão de Demsetz. O mecanismo de Vogelsang-Finsinger.. 4. A estruturação de incentivos regulatórios a regulação num contexto de informação assimétrica. O conceito de informação assimétrica: seleção adversa, moral hazard e sinalização. O problema do agente-principal. A regulação por incentivos. Regulação num contexto de informação assimétrica. Objetivos regulatórios múltiplos. O modelo simples de reestruturação da política regulatória e o problema de agente-principal e incentivos. As principais características das medidas de desempenho. O estabelecimento de padrões de desempenho. A provisão de opções na regulação por incentivos. O comprometimento regulatório. Diretrizes para a estruturação dos planos de incentivo regulatório de Sappington (1994). As instituições e o desempenho regulatório: A contribuição de Levy e Spiller (1994). Aplicação ao caso do Brasil.

4 5. BIBLIOGRAFIA ADICIONAL ACEMOGLU, Daron; JOHNSON, S. e ROBINSON, J. (2004). Institutions as the Fundamental Cause of Long-Run Growth. Handbook of Economic Growth. AKERLOF. (1970). The Market For Lemons. Quarterly Journal of Economics, 84: (2002). Behavioral Macroeconomics and Macroeconomics Behavior. American Economic Review, 92 (3) Nobel Lecture. (2004). Writing the The Market for Lemons : A Personal and Interpretative Essay. [www. Nobel. se/economics/articles/akerlof/index. html [acesso em 23/03/2004]. ALBES, A. A. e MOREIRA, J, M. (2004). O Que é a Escolha Pública: Para uma Análise Econômica da Política. São João do Estoril, Principia. ARMSTRONG, M., COWAN, S., VICKERS, J. (1994). Regulatory Reform: Economic Analysis and British Experience. Cambridge, Mass.: MIT Press. ARON, J. (2001). Growth and institutions: a review of the evidence. World Bank Research Observer, 15 (1): AVERCH, H., e JOHNSON, L.L. (1962). Behaviour of the Firm Under Regulatory Constraint. American Economic Review, 52: ARROW, K. (1985). The Economics of Agency. In: PRATT, J.W. e ZECKHAUSER.R. (Ed.). (1985). Principals and Agents: The Structure of Business. Cambridge, Harvard University Press. ASHOFF, Guido. (1989). Rent-Seeking: A New Concept in the Theory of Politics. Economics, 40: BALBINOTTO, Giácomo. (2000). Rent-Seeking e Crescimento Econômico: Teoria e Evidências f. Dissertação (Doutorado em Economia) Programa de Pós- Graduação em Economia, Instituto de Pesquisas Econômicas, Universidade de São Paulo. BALDWIN, R. e CAVE, M. (1999). Understanding Regulation : Theory, Strategy, and Practice. Oxford; Oxford University Press. BAILEY, E. (1987). Public Regulation: New Perspectives on Institutions and Policies. Cambridge (Mass.), MIT Press. BARON, D. (1989). Design of Regulatory Mechanism and Institutions. In: Schmalensee, R. e WILLIG,R. (1989). Handbook of ndustrial Organization, v.2, Amsterdam, North-Holland.

5 BARON, D. P. e MYERSON, R. B. (1982). Regulating a Monopolist with Unknown Costs. Econometrica 50(4): BAUMOL, e Bradford. (1970). Optimal Departures from Marginal Cost Pricing. American Economic Review,. 60 (3): BAUMOL, W.J. (1977). On the Proper Cost tests for natural Monopoly in a Multiproduct Industry. American Economic review, 67: , December.. (1982). Contestable Markets: An Uprising in the Theory of Industry Structure. The American Economic Review, 72. BAUMOL, W.J. & WILLIG, R.D. (1986). Contestability: Developments Since the Book, in Strategic Behaviour and Industrial Competition, Morris, Sinclair, Slaters e Vickers (Eds), Clarendon Press, Oxford BAUMOL, W.J. & WILLIG, R.D. (1982), Contestable Markets and The Theory of Industry Structure, Harcourt Brace Jovanovich Inc. BEATO, Paulina. (1997). Road Concessions: Lessons Learned from the Experience of Four Countries. Inter-American Development Bank.. BECKER, G. S. (1983). A Theory of Competition Among Pressure Groups for Political Influence. Quarterly Journal of Economics 98(3): BERG, S. (2000). Sustainable Regulatory Systems: Laws, Resources and Values. Utilities Policy, 9: (2001). Infrastructure Regulation; Risk, Return and Performance. Global Utilities, 1:3-10, may. BERGARA, Mario, WITOLD, J. HENISZ, J, e SPILLER, P. (1997). Political Institutions and Electric Utility Investment: A Cross-national analysis. California Management Review, 40(2), BETANCOR, O. e RENDEIRO, R. (2000). Airport. In: ESTACHE, A. e RUS, G. (Eds) (2000). Privatization and Regulation of Transport Infrastructure: Guidelines for Policymakers and Regulators. Washington, World Bank. BOITEUX, M. (1960). Peak Load Pricing. Journal of Business, 33: BOLTON, Patric e DEWATRIPONT, Mathias. (2005). Contract Theory. Cambridge, MIT Press. BOTERO, J. et al. (2003). The Regulation of Labor. NBER Working Paper, n BRENNAN, T. Brennan. (1989). Regulating by Capping Prices," Journal of Regulatory Economics: BROUSSEAU, Eric e GLACHANT, Jean-Michael (ed.). (2002a). The Economics of Contracts: Theory and Applications. Cambridge, Cambridge University Press.

6 BROUSSEAU, Eric e GLACHANT, Jean-Michael (ed.). (2002b). The Economics of Contracts and the Renewal of Economics. In: BROUSSEAU, Eric e GLACHANT, Jean-Michael (ed.). (2002a). The Economics of Contracts: Theory and Applications. Cambridge, Cambridge University Press. BROWN, S. e SIBLEY, D. (1986). The Theory of Public Utility Pricing, Cambridge University Press. BRUNETTI, Aymo e WEDER, Beatrice. (1995). Political Sources of Growth: A Critical Note on Measurement. Public Choice, 82: BUCHANAN, J.M. (1952). The Pricing of Highway Services. National Tax Journal, 2: BUTTON, K. J e KEELER, T. E. (1993). The Regulation of Transport Markets. Economic Journal, 103: BUSCAGLIA, E. e RATLIFF, W. (2000). Law and Economics in Developing Countries. Stanford, Hoover Institution Press. CAMPBELL, Donald E. (1995). Incentives: Motivation and the Economics of Information. Cambridge, Cambridge University Press. CAMPOS, J. e CANTOS, P. (2000). Railways. In: ESTACHE, A. e RUS, G. (Eds) (2000). Privatization and Regulation of Transport Infrastructure: Guidelines for Policymakers and Regulators. Washington, World Bank. CHURCH, J. e WARE, R. (2000). Industrial Organization: A Strategic Approach. McGraw-Hill. CLEMMENZ, G. (1991). Optimal Price Cap Regulation. Journal of Industrial Economics, 39 (4): COWLING, K., e MUELLER, D. C. (1978). The Social Costs of Monopoly Power. Economic Journal, 88: CRAPES, C. e ESTACHE, A. (1998). Regulatory trade offs in the Design of Concessions Contracts. Utilities Policy, 7 (1): DAS, S. (1980). On the Effect of Rate of Return Regulation Under Uncertainty. American Economic Review: DEMSETZ, H. (1968). "Why Regulate Utilities," Journal of Law and Economics: (1971). On the Regulation of Industry: A Reply. Journal of Political Economy. Chicago, 79: DIAS, D. e RODRIGUES, A. (1996). A Tarifação da Energia Elétrica em Ambiente Econômico Desregulado e Competitivo: Alguns Princípios e Reflexões. Pesquisa e Planejamento Econômico, abril.

7 DOUGLAS, E.J. (1989). The Simple Analytics of the Principal-Agent Incentive Contract. Journal of Economic Education, 20 (1): EATWELL, J.; MILGATE, M. e NEWMAN, P. (ed) (1989). Allocation, Information and Markets. Macmillan Reference Books. EGGERSTSSON, T.(1992).Economic Behaviour and Institutions. Cambridge, Cambridge University Press. EICHER, T.S e GARCIA-PEÑALOSA, C. (2006). Institutions, Development and Economic Growth. MIT Press. ENGEL, R.F. e GALETOVIC, A. (1996). Licitación de Carreteras en Chile. Estudios Público, 61: ESPINO, José Ayala. (1999). Instituciones y Economia: Una Introducción al Neoinstitucionalismo Económico. Fondo de Cultura Económica. ESTACHE, A. e RUS, G. (Eds) (2000). Privatization and Regulation of Transport Infrastructure: Guidelines for Policymakers and Regulators. Washington, World Bank. (2000). The Regulation of Transport Infrastructure and Services: A Conceptual Overview. In: ESTACHE, A. e RUS, G. (Eds) Privatization and Regulation of Transport Infrastructure: Guidelines for Policymakers and Regulators. Washington, World Bank. ESTACHE, A; ROMERO, M. e STRONG, J. (2000) Toll Roads. In: ESTACHE, A. e RUS, G. (Eds) Privatization and Regulation of Transport Infrastructure: Guidelines for Policymakers and Regulators. Washington, World Bank. FIELDING, G.J. e KLEIN, D.B. How to Franchise Highways. Journal of Transport Economics and Policy, , FIGUEIREDO, M.J. (2003). A Concessão de Rodovias Paranaenses: Uma Análise à Luz das Teorias da Regulação. In: ECOPAR, 2, Anais Maringá: UEM-UEL- UEPG-UNIOESTE-IPARDES. GRAHAM, D.A. e VERNON, J.M (1991). A Note on Decentralized natural Monopoly Regulation. Southern Economic Journal, 58: GREEN, R. (1997). Electricity Transmission Pricing: An International Comparison. Utilities Policy, 6: GROSSMAN, S. e HART, O. (1983). An Analysis of The Principal-Agent Problem. Econometrica, 51 (1): GUASCH, J.L. (2004). Concesiones em Infraestrutura: Como Hacelo Bien. Barcelona. Antoni Bosh Editor.

8 GUTIERREZ, L.H. (2003). Regulatory Governance in the Latin America Telecommunications. Utilities Police, 11 (4); GWILLIAN, K. The New Economics of Sustainable Transport in Developing Countries: Incentive and Institutions. In: POLAK, J.B e HEERTJE, A. (Eds). Analytical Transport Economics: An International Perspective. Cheltenham, Edward Elgar, HAHN, R.W e HIRD, J.A. (1991). The Cost and Benefits of Regulations: Review and Synthesis. Yale Journal on Regulation, 8: HARITOS, Z. (1974). Theory of Road Pricing, Transportation Journal: HENISZ, W. (2001). The Institutional Environment for Infrastructure Investment. Industrial and Corporate Change, 11(2): HILLIER, Brian. (1997). The Economics of Asymmetric Information. London, Macmillan Press. HOLDER, S. e STERN, J. (1999). Regulatory Governance: Criteria for Assessing the Performance of Regulatory Systems. Utility Policy, 8 (1): HOLMSTROM, B. (1979). Moral Hazard and Observability. Bell Journal of Economics, 10: (1981). Contractual Models of Labor Markets. American Economic Review, 71 (2): HOLMSTROM, B. e MILGROM, P. (1991). Multitask Principal-Agent Analyses: Incentive Contracts, Asset Ownership, and Job Design. Journal of Law, Economics and Organization, 7: JENSEN, M. C. e MECKLING, W. H. (1976). The Theory of Firm: Managerial Behavior, Agency Costs, and Ownership Structure. In: JENSEN, M. C. (2001). Foundations of Organizational Strategy. Cambridge, Harvard University Press. (cap.3)..(1994). The Nature of Men. in: JENSEN, M. C. (2001). Foundations of Organizational Strategy. Cambridge, Harvard University Press. (cap.1). JOSKOW, P. (1997). Restructuring, Competition and Regulatory Reform in the U.S. Electricity Sector. Journal of Economic Perspectives 11 (3): JOSKOW, P. e SCHMALENSEE, R. (1986). Incentive Regulation for Electric Utilities. Yale Journal on Regulation, 4: KAHN, A. (1988). The Economics of Regulation: Principles and Institutions. Cambridge, MIT Press.. (1990). Deregulation: Looking Backward and Looking Forward. Yale Journal on Regulation 7:

9 KAZAM, R. A. Concessão de Rodovias Paranaenses sob a Ótica da Regulação. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. KLEIN, Michael. (1998). Bidding for Concessions. Working Papers - Private Participation in Infrastructure Division, Private Sector Development Department. World Bank. August. KNACK, Stephen e KEEFER, Philip. (1995). Institutions and Economic Performance: Cross-Country Tests Using Alternative Institutional Measures. Economic and Politics, 7 (3): (1997). Why Don t Poor Countries Catch Up? A Cross-National Test of an Institutional Explanation. Economic Inquiry, 35: , July. KOTOWITZ, Y. (1988). Moral Hazard. In: New Palgrave Dictionary of Economics. McMillan. KUPFER, David e HASENCLEVER, Liam. (2002). Economia Industrial: Fundamentos Teóricos e Práticas no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Campus. LAFFONT, J.J. e TIROLE, J. (1987). Auctioning Incentive Contracts. Journal of Political Economy, 95 (5): (1986). Using Cost Observation to Regulate Firms. Journal of Political Economy, 94 (3): (1993). A Theory of Incentives in Procurement and Regulation, Cambridge, Mass., MIT Press.. (2000) Competition in Telecommunications. Cambridge, Massachusetts, The MIT Press. LAFFONT, Jean-Jacques e MARTIMORT, David. (2002). The Theory of Incentives: The Principal-Agent Model. Princeton, Princeton University Press. LA PORTA, R.; LOPES-DE-SILANES, F. e SHLEIFER, A. (1998). Law and Finance. Journal of Political Economy 106 (6): (1999).Corporate Owerneship Around the World. Journal of Finance 54 (2): , April. LA PORTA, R.; LOPES-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. e VISHNY, R. (2000). Investitor Protection and Corporate Governance. Journal of Financial Economics, 58: LEVY, B. e SPILLER, P.T (1994). The institutional foundations of regulatory commitment: a comparative analysis of telecommunications regulation. Journal of Law, Economics, and Organization, 10 (2):

10 LISTON, C. (1993). Price-Cap versus Rate-of-Return Regulation. Regulatory Economics: Journal of LITTLECHILD, Stephen C. (1981). Misleading Calculations of the Social Costs of Monopoly Power. Economic Journal. p , June.. (2002). Competitive Bidding for a Long Term Electricity Distribution Contract. The Review of Network Economics, 1: LOEB e MAGAT. (1979). A Decentralized Method for Utility Regulation. Journal of Law and Economics, 22: MACHO-STADLER, I. E PÉREZ-CASTRILLO, D. (1997). An Introduction to the Economics of Information: Incentives and Contracts. Oxford, Oxford University Press. MARSHAL, J. (1976). Moral Hazard. American Economic Review, 66 (5): MAS-COLELL, A.; WHISTON, M; e GREEN, J.R. (1995). Microeconomic Theory. Oxford, Oxford University Pres. MAURO, Paolo. (1995). Corruption and Growth. Quarterly Journal of Economics: (1997 a). The Effects of Corruption on Growth, Investment, and Government Expenditure: A Cross-Country Analysis. In: ELLIOTT, K.A. (ed.) (1997). Corruption and The Global Economy, Washington, D.C., Institute for International Economics. McDONALD, J.F. Road Pricing in Practice and Theory. Review of Network Economics, 3, p , MEGGINSON, W.L. (2005). The Financial Economics of privatization. Oxford, oxford University Press. MEGGINSON, W.L., e NETTER J. M. (2001). Netter. From State to Market: A Survey of Empirical Studies on Privatisation. Journal of Economic Literature 39 (2): MESSICK,R. (1999). Judicial Reform and Economic Development: A Survey Issues. The World Bank Research Observer, 14 (1): MILGRON, Paul e ROBERTS, John. (1992). Economics, Organization and Management. London, Prentice Hall International (International Edition). MIRRLEES, J. A (1999). The Theory of Moral Hazard and Unobservable Behavior: part I. Review of Economics Studies, 66: MITINICK, B. (1989). La Economia Politica de la Regulacion. Fondo de Cultura Económica.

11 MOLHO, Ian. (1997). Economics of Information. Oxford, Blackwell Publishers. MONTEIRO, J.V. (1990). Macroeconomia do Crescimento do Governo, Rio de Janeiro, IPEA.. (1994). Estratégia Macroeconômica. Rio de Janeiro, IPEA.. (2004). Lições de Economia Constitucional Brasileira. Rio de Janeiro, FGV. MULLER, D. C. (1997). Constitutional Public Choice. In: MULLER, D. C. (1997). Perspectives on Public Choice: A Handbook. Cambridge, Cambridge University Press MYERSON, R. B (1988). Mechanism Design. In: New Palgrave Dictionary of Economics. Mc Millan. NEWBERY, D. (1999) Privatization, Restructuring, and Regulation of Network Utilities. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press. NOLL, R. (1989). "Economic Perspectives on the Politics of Regulation." In Handbook of Industrial Organization, Vol.II, Eds. Richard Schmalense e Robert Willig. Amsterdam: North-Holland. NORTH, Douglas C. e THOMAS, Robert Paul. (1973). The Rise of Western World: A New Economic History. Cambridge, Cambridge University Press NORTH, D.C Institutions, Institutional Change and Economic Performance, New York: Cambridge University Press. OI, W. (1971). A Disney Land Dilemma: Two Part-Tariffs for a Mickey Mouse Monopoly. Quarterly Journal of Economics : OLSON, Mancur. (1965). The Logic of Collective Action. Cambridge, Harvard University Press. [Há edição em português, publicada pela Editora da USP].(1982). The Rise and Decline of Nations: Economic Growth, Stagflation and Social Rigities. New Haven, Yale University Press..(1989). Collective Action. The New Palgrave Dictionary: A Dictionary of Economics. London, MacMillan Press Limited. PAGER. (1990). Firm Behavior in Franchise Monopoly Markets. Rand Journal of Economics, 21 (2): PECI, A. (2002). Modelos Regulatórios na Área de Transportes: A experiência Americana. Anais do VII Congresso Internacional Del CLAD Sobre la Reforma Del Estado e de la Administración Publica, 8-11, oct.

12 PELTZMAN S. (1971). Pricing in Public and Private Enterprises and Electric Utilities in the United States.. Journal of Law and Economics 14 (1971): (1976). Towards a More General Theory of Regulation. Journal of Law and Economics 19: PEREYRA, A. (2001). Teoria de Subastas y Concesiones de Carreteras. Universidad de La Republica, Falcutad de Ciencias Sociales, Departamento de Economia, Documento n. 17/01. PEREIRA, Etiel. (2003). A Equação Econômico-Financeira da Concessão de Serviço Público e o Momento de sua Formação. Revista do Centro de Estudos Jurídicos. n. 23, p , out./dez.. PINTO, H.Q. e FIANI, R. (2002). In: KUPFER, David e HASENCLEVER, Liam. (2002). Economia Industrial: Fundamentos Teóricos e Práticas no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Campus. (Cap. 22) PINTO, H.Q. e PIRES, M.C.P. (2000). Assimetria de Informações e Problemas Regulatórios. Brasília, Agencia Nacional do Petróleo. PINTO, J.L.C. e GIAMBIAGI, F. Retorno de Novos Investimentos Privados em Contexto de Incerteza: Uma Proposta de Mudança do Mecanismo de Concessão Rodoviária no Brasil. Texto de Discussão n. 81, BNDES, PINHEIRO, A.C. (1996). Impactos Microeconômicos da Privatização. Pesquisa e Planejamento Econômico, 26 (3): , dezembro. PINHEIRO, A.C. e SADDI, J. (2005). Direito Economia e Mercados. Rio de Janeiro, Campus. PINHEIRO, A.C. e GIAMBIAGI, F. (2006). Rompendo o Marasmo: A Retomada do Desenvolvimento no Brasil. Rio de janeiro, Campus. PIRES, J.C.L e PICCININI, M.S. (1998). Modelos de Regulação Tarifária do Setor Elétrico. Revista do BNDES, 5 (9): , jun. PINDYCJ, R.S e Pearson/Prentice Hall. RUBINFELD, D.L. (2006). Microeconomia. São Paulo, PINHEIRO, A.C. e FUKASAKU, K. (2000). A Privatização no Brasil. Rio de Janeiro, BNDES, Departamento de Relações Institucionais. POSNER, E.A. (2000). Agency Models in Law and Economics. In: POSNER, E.A. (2000) (ed.). Chicago Lectures in Law and Economics. New York, Foundation Press. POSNER. R. (1971). Taxation by Regulation. Bell Journal of Economics and Management Science: 22-50, spring.

13 .(1972). The Appropriate Scope of Regulation in the Cable Television Industry. Bell Journal of Economics and Management Science. 3 (1): (1974a). Theories of Economic Regulation. Bell Journal of Economics and Management Science: POSTLEWAITE, A.(1988). Asymmetric Information. In: New Palgrave Dictionary of Economics. Mc Millan. PRAEGER, R.A. (1989). Franchising Bidding for Natural Monopoly: The case of cable Television in Massachusetts. Journal of Regulatory Economics, 1: PRESCOTT, E. (1999). A Primer on Moral-Hazard Models. Federal Reserve Bank of Richmond Economic Quarterly, 85 (1): RAMSEY (1927). A Contribution to the Theory of Taxation. Economic Journal, 37 (1): RANDALL, R.R. e THURMAN, W.N. (1990). The Economic Effects of Supply Controls: The Simple Analytics of the U.S peanut program. Journal of Law and Economics, 33: REES, Ray. (1985a). The Theory of Principal and Agent part 1. Bulletin of Economic Research, 37 (1): (1985n). The Theory of Principal and Agent part 2. Bulletin of Economic Research, 37 (2): RESENDE, M. (1997). Regimes Regulatórios: Possibilidades e Limites. Pesquisa e Planejamento Econômico, 27(3): RICKETTS, M. (1986). The Geometry of Principal and Agent: Yet Another Use For The Edgeworth Box. Scottish Journal of Political Economy, 33 (3): RIODAN e SAPPINGTON (1987). Awarding Monopoly Franchises. American Economic Review, 77(3): ROB, R. (1986). The Design of Procurement Contracts. American Economic Review, 76 (3): ROTH, G. Road in Market Economy. Aldershot. Averbury Technical, ROSS, S. (1973). The Economics of Agency: The Principal s Problem. American Economic Review, 63: SALANIÉ, Bernard. (2003). Testing Contract Theory. CESifo Economic Studies, 49 (3): (2005). The Economics of Contracts. Cambridge, MIT Press.

14 SALGADO, Lucia Helena. (2003). Agências Regulatórias na Experiência Brasileira: um Panorama do Atual Desenho Institucional (Texto para discussão nº 941). Rio de Janeiro: BNDES. SAMUELSON, P.A. The Pure Theory of Public Expenditure. Review of Economics and Statistics, 36, November, SANDLER, T. e TSCHIRHART, J. The Theory of Clubs: A Survey. Journal of Law and Economics, 18, SAPPINGTON, David. M. (1994). Designing Incentive Regulation. Review of Industrial Organization, 9: (2005). Regulating Service Quality: A Survey. Journal of Regulatory Economics, 27 (2): SAPPINGTON, David. M. e WRISMAN,D. L. (1996). Designing Incentive Regulation for the Telecommunications Industry. London: MIT Press. SCULLY, Gerald W. (1988). The Institutional Framework and Economic Development. Journal of Political Economy, 96 (3): SHLEIFER, A. (1985). A Theory of Yardstick Competition. Rand Journal of Economics, 16 (3): SHY, Oz. (1995). Industrial Organization. Cambridge, MIT Press. (caps.12 e 15). SOUZA JÚNIOR, Roberto Tadeu. (2004). O Leilão de Demsetz como Mecanismo Regulador: o Caso Prático das Concessões Rodoviárias Gaúchas f. Monografia (MBA em Regulação de Serviços Públicos) Programa de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. SPILLER, P. T.; VOGELSANG, I. (1994). Regulations, Institutions, and Commitment in the British Telecommunications Sector. Washington: World Bank, (Policy Research Working Paper 1241). SPULBER, D. (1989). Regulation and Markets, Cambridge: MIT Press. STIGLER, G. (1971). The Theory of Economic Regulation. Bell Journal of Economics 2(Spring): STIGLER, G.J. e FRIEDLAND, C. (1962). What Can Regulators Regulate? Journal of Law and Economics, 5 (October 1962), STIGLITZ, J.E (1988)). Principal and Agent. In: The New Palgrave Dictionary of Economics. Macmillan.

15 . (1989b). Markets, Market Failures and Development. American Economic Review, 79 (2): (1990). Information and Economic Analysis. Economic Journal: (2000). The Contributions of the Economics of Information to Twentieth Century Economics. Quarterly Journal of Economics: , November.. (2002). Information and the Change in the Paradigm in Economics. American Economic Review, 92 (3) Nobel Lecture. TELSER, Lester G. (1971). On The Regulation of Industry: A Note. Journal of Political Economy, 77: TREBING, H. M. (1976). The Chicago School versus Public Utility Regulation. Journal of Economic Issues, 10 (1): TIROLE, J. (1988). The Theory of Industrial Organization. Cambridge, MIT Press. TRAIN, K.E.(1997). Optimal Regulation: Economic Theory of Natural Monopoly. Cambridge, MIT Press. TRUJILLO, L. e NOBLELA, G. (2000). Seaports. In: ESTACHE, A. e RUS, G. (Eds) (2000). Privatization and Regulation of Transport Infrastructure: Guidelines for Policymakers and Regulators. Washington, World Bank. TULLOCK, Gordon. (1967). Welfare Costs of Tariffs, Monopolies and Theft. Western Economic Journal, 5 (3): , June. VICKREY, W.S. Pricing in Urban and Suburban Transport. American Economic Review, 52 (2): , VILLELA, A. V. E MACIEL. C.S. (1999). Regulação do Setor de Infraestrutura Econômica: Uma Comparação Internacional. Texto para Discussão n Brasília, IPEA. VISCUSI, W.K. et al, (2005). Economics of Regulation and Antitrust, Cambridge, Mass., The MIT Press. VOGELSANG, Ingo. (1999). Optimal Price Regulation for Natural and Legal Monopolies. Economia Mexicana, 8 (1): WILLIAMSON, O. E. (1976). Franchise Bidding for Natural Monopolies- In General and with respect to CATV. Bell Journal of Economics, 7(1): (1985). The Economic Institutions of Capitalism. New York, The Free Press.

16 . (1989). Transaction Cost Economics. In: Handbook of Industrial Organization, Volume I, R. Schmalensee and R.D. Willing (ed), Elsevier Science Publishers.. (ed.) (1990). Industrial Organization., Edgar Elgar.. (1996). Mechanisms of Governance. New York and Oxford: Oxford University Press. WILSON, R. (1993). Nonlinear Pricing. Oxford University Press. WINSTON, C. (1993). Economic Deregulation: days of reckoning for Microeconomics. Journal of Economic Literature, 31: , September. ZHOU, X. (2002). A Graphical Approach to the Standard Principal-Agent Model. Journal of Economics Education, summer: ZUPAN, M. (1989). The Efficacy of Franchise Bidding Schemes in the case of cable Television: some Systematic Evidence. Journal of Law and Economics, 22: ZYLBERSTAJN, D. e SZTAJN, R. (2005). Direito e Economia. Rio de Janeiro, Campus.

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Sábado - 8h às 12h e 13h30 às 17h30

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Sábado - 8h às 12h e 13h30 às 17h30 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO Divisão Especial de Registro e Controle Acadêmico PROGRAMA DE DISCIPLINA Identificação da disciplina Código Nome FINANÇAS PÚBLICAS Sala 411B/ P4 Carga

Leia mais

Economia dos Recursos Humanos

Economia dos Recursos Humanos Disciplina oferecida ao Curso de MBE Executivo (5ª edição) do Programa de Pós Graduação em Economia da UFRGS. Economia dos Recursos Humanos Professor Responsável: Giácomo Balbinotto Neto. Objetivo: A economia

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF:

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (www.ea.ufrgs.br) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: Giácomo Balbinotto Neto (Prof.

Leia mais

Organização Industrial - 2ª PARTE

Organização Industrial - 2ª PARTE Departamento de Economia PUC-RIO Introdução Organização Industrial - 2ª PARTE Professores: João Manoel Pinho de Mello/Leonardo Rezende jmpm@econ.puc-rio.br jmpm@stanford.edu Nessa segunda parte do curso

Leia mais

Ementa. Prof. José Guilherme de Lara Resende Departamento de Economia, Universidade de Brasília

Ementa. Prof. José Guilherme de Lara Resende Departamento de Economia, Universidade de Brasília Microeconomia 2 Pós-Graduação 2/2013 Prof. José Guilherme de Lara Resende Departamento de Economia, Universidade de Brasília 1 Objetivo Este segundo curso na sequência de microeconomia da pós-graduação

Leia mais

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008

Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografia referente ao artigo Gestão baseada no valor, Isabel Ribeiro de Carvalho, Revista TOC, Fevereiro 2008 Bibliografía BREALEY, Richard A.; MYERS, Stewart C. - Princípios de Finanças Empresariais.

Leia mais

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv. 3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.br Preços em Setores Regulados Tendências Regulatórias e o Controle de Preços

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ALVES, M. Carro Flex Fuel: Uma Avaliação por Opções Reais. Dissertação (Mestrado em Administração). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

Leia mais

6. Monopólios e indústrias em rede 6.1. Monopólio natural 6.2. Monopólio multiproduto 6.3. Indústrias em rede 6.4. Regulação em setores monopolistas

6. Monopólios e indústrias em rede 6.1. Monopólio natural 6.2. Monopólio multiproduto 6.3. Indústrias em rede 6.4. Regulação em setores monopolistas FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2009 Disciplina: Economia Industrial Código: 629 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A Professor: Roland

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA Disciplina: ESPE 119 - Capitalismo Concorrencial, Estado e Regulação Professor: Ricardo Dathein

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO Disciplina: ECN/899 - Microeconomia II Carga Horária:/Créditos: 60/04 Período: 2º semestre de 2009 Profas.: Mônica Viegas (Primeira e Segunda

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: Economia Ano: 2006 Disciplina: Economia Industrial Código: 629 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A Professor: Roland

Leia mais

Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br]

Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br] Programa de Mestrado Profissional em Economia Área de Especialização: Finanças [mestradoprofissional@fgv.br] Disciplina: ESTRATÉGIA FINANCEIRA Professores: RAFAEL SCHIOZER; 1 Semestre de 2008 EMENTA Esse

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ARIDA, P.; BACHA E. L.; LARA-RESENDE, A. Credit, Interest, and Jurisdictional Uncertainty: Conjectures on the Case of Brasil. Instituto de Estudos de Política Econômica, Casa

Leia mais

PROGRAMA E PLANO DE APRENDIZAGEM

PROGRAMA E PLANO DE APRENDIZAGEM Disciplina: Economia nas Empresas Ano Letivo: 2015 - Semestre: 1º - Carga Horária: 45 horas - Créditos: 3 Dia/Horários: Quarta-feira 08h às 12h Natureza: Disciplina Optativa de Contabilidade Financeira

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS DE TRANSAÇÃO E O FLUXO DE CAIXA DAS ORGANIZAÇÕES

A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS DE TRANSAÇÃO E O FLUXO DE CAIXA DAS ORGANIZAÇÕES A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS DE TRANSAÇÃO E O FLUXO DE CAIXA DAS ORGANIZAÇÕES Oldair Luiz Goncalves (IFES) ogoncalves@ifes.edu.br Simone de Souza (IFES) simones@ifes.edu.br A economia dos custos de transação

Leia mais

OS CUSTOS DA EDUCAÇÃO: QUESTÕES RELEVANTES PARA GOVERNOS E SOCIEDADE CIVIL. Ursula Dias PERES 1

OS CUSTOS DA EDUCAÇÃO: QUESTÕES RELEVANTES PARA GOVERNOS E SOCIEDADE CIVIL. Ursula Dias PERES 1 OS CUSTOS DA EDUCAÇÃO: QUESTÕES RELEVANTES PARA GOVERNOS E SOCIEDADE CIVIL Ursula Dias PERES 1 Resumo: Este artigo analisa os custos envolvidos para a obtenção de eficiência nas políticas públicas de educação.

Leia mais

Relatório Final. Discente: Dâmaris Regina Dias Guimarães da Rocha 12/0050251

Relatório Final. Discente: Dâmaris Regina Dias Guimarães da Rocha 12/0050251 Relatório Final Análise do arcabouço institucional jurídico de Costa Rica, Panamá e Honduras por meio do LICS model para fins de comparação de suas conformações institucionais Discente: Dâmaris Regina

Leia mais

Desempenho das Fusões e Aquisições na Indústria Brasileira na Década de 90: a Ótica das Empresas Adquiridas *

Desempenho das Fusões e Aquisições na Indústria Brasileira na Década de 90: a Ótica das Empresas Adquiridas * Desempenho das Fusões e Aquisições na Indústria Brasileira na Década de 90: a Ótica das Empresas Adquiridas * Frederico Rocha ** Mariana Iootty *** João Carlos Ferraz ** Resumo O objetivo deste trabalho

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL Marco Crocco Ricardo Machado Ruiz Anderson Cavalcante Março de 2008 Ficha catalográfica 333.73981

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Nome da Disciplina: ANÁLISE ECONÔMICA DO DIREITO. Código da Disciplina: DIRP162 Professor Responsável:

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. June 2007 Present: Assistant Professor, Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

CURRICULUM VITÆ. June 2007 Present: Assistant Professor, Faculdade de Economia da Universidade do Porto. CURRICULUM VITÆ PERSONAL DATA Full name: Birth: Nationality: Address: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 December 1971, Porto (Portugal) Portuguese Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (MRE) INSTITUTO RIO BRANCO (IRBr) PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Economia Aplicada à Tomada de Decisão e à Estratégia de Negociação PROFESSOR: Flávio

Leia mais

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões

Proposta de disciplina G3. Ano Lectivo 2003/2004. Economia das Pensões Proposta de disciplina G3 Ano Lectivo 2003/2004 Economia das Pensões Maria Teresa Medeiros Garcia Lisboa, 31 de Março, 2003 1. Justificação Numa fase de grande incerteza quanto à sustentabilidade financeira

Leia mais

Um comentário a Evolução de instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura, de Geoffrey Hodgson

Um comentário a Evolução de instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura, de Geoffrey Hodgson Jaques Kerstenetzky Um comentário a Evolução de instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura, de Geoffrey Hodgson Jaques Kerstenetzky 1 A publicação do artigo de Hodgson em revista de circulação

Leia mais

PARTE A O QUE É A ANÁLISE ECONÔMICA DO DIREITO?

PARTE A O QUE É A ANÁLISE ECONÔMICA DO DIREITO? Estudos Avançados em Análise Econômica no Direito Doutorado Prof. Dr. Gustavo Ribeiro Doutor em Direito, Maurer School of Law, Bloomington-IN, EUA. Revalidação UFSC. Ex-bolsista Doutorado Pleno CAPES/FULBRIGHT

Leia mais

TEORIA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO CMEA 45 horas

TEORIA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO CMEA 45 horas Código: ECO009 Disciplina: Curso de Destino: Carga Horária: Período Letivo: TEORIA DO CRESCIMENTO ECONÔMICO CMEA 45 horas Ementa Introdução. Acumulação de fatores: capital físico, população e capital humano

Leia mais

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados

Escola de Economia e Gestão. Empresas e Mercados Empresas e Mercados Pré-Requisitos: Nenhuns Prerequisites: None Compreender o funcionamento dos mercados e a forma como o mecanismo preço permite a afetação de recursos Compreender e explicar o processo

Leia mais

Periódicos eletrônicos especializados em Propriedade Intelectual e Inovação 113 títulos, com acesso aos textos integrais

Periódicos eletrônicos especializados em Propriedade Intelectual e Inovação 113 títulos, com acesso aos textos integrais Periódicos eletrônicos especializados em Propriedade Intelectual e Inovação 113 títulos, com acesso aos textos integrais Diretoria de Cooperação para o Desenvolvimento DICOD Centro de Disseminação da Informação

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015. Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC5132 Finanças Corporativas SEMESTRE: 02/2015 Segunda-feira: 14:00-18:00 HORAS Marcelo Augusto Ambrozini marceloambrozini@usp.br Mestrado em Controladoria e contabilidade JUSTIFICATIVA

Leia mais

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Mestrado em Administração Disciplina: Internacionalização e Globalização Carga horária: 45 horas-aula Créditos: 3 I. OBJETIVOS DA DISCIPLINA A presente

Leia mais

8 Referências Bibliográficas

8 Referências Bibliográficas 8 Referências ibliográficas ALMEIDA, E. L. F.; JUNIOR, H. Q. P. Reform in razilian electricity industry: the search for a new model. International Journal of Global Energy Issues, Rio de Janeiro, v. 23,

Leia mais

EMENTA: consumo/investimento, ciclos reais de negócios, crescimento econômico. I INTRODUÇÃO: A ECONOMIA NO CURTO PRAZO e NO MÉDIO PRAZO (6 horas/aula)

EMENTA: consumo/investimento, ciclos reais de negócios, crescimento econômico. I INTRODUÇÃO: A ECONOMIA NO CURTO PRAZO e NO MÉDIO PRAZO (6 horas/aula) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO: CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: MACROECONOMIA III PROFESSORA: LÍZIA DE FIGUEIRÊDO SEMESTRE:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EAD5933 - Empresas e a Conjuntura Econômica Mundial Área: Economia das Organizações Créditos: 08 Professor: Paulo Roberto Feldmann 1. Resumo da disciplina: Nas últimas décadas a acentuada expansão do fenômeno

Leia mais

Análise Econômica para a Gestão Ambiental

Análise Econômica para a Gestão Ambiental Departamento de Economia UnB Curso de Mestrado em Gestão Econômica do Meio-Ambiente CEEMA Análise Econômica para a Gestão Ambiental Professores: Charles C. Mueller e Bernardo P. M. Mueller I. Objetivos

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996.

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996. CURRICULUM VITÆ DADOS PESSOAIS Nome: Nascimento: Nacionalidade: Morada: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 de Dezembro de 1971, Porto (Portugal) Portuguesa Faculdade de Economia do

Leia mais

1 ABORDAGEM SOBRE A FIRMA

1 ABORDAGEM SOBRE A FIRMA 1 EMENTA: Professor: Walter Tadahiro Shimajv A disciplina é focada no tema da organização industrial, fundamentalmente na discussão mercado/competição. Inicia-se com uma discussão sobre as bases da concorrência

Leia mais

A presença da agência reguladora estadual e a qualidade dos serviços de distribuição de energia elétrica

A presença da agência reguladora estadual e a qualidade dos serviços de distribuição de energia elétrica André Ghirardi A presença da agência reguladora estadual e a qualidade dos serviços de distribuição de energia elétrica André G. Ghirardi * Este trabalho ressalta a importância da agência regulatória local

Leia mais

UNIVERSIDADE PORTUCALENSE MESTRADO EM FINANÇAS DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS. Doutor José Neves Cruz

UNIVERSIDADE PORTUCALENSE MESTRADO EM FINANÇAS DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS. Doutor José Neves Cruz UNIVERSIDADE PORTUCALENSE MESTRADO EM FINANÇAS DISCIPLINA DE FINANÇAS PÚBLICAS Doutor José Neves Cruz A disciplina de Finanças Públicas tem como objectivo o estudo da intervenção do Estado na Economia,

Leia mais

Novo programa curricular para 2012-13

Novo programa curricular para 2012-13 Licenciaturas Novo programa curricular para 2012-13 Regras de transição 04.05.2012 Curriculum: Year 1 F S Int. Empresa* Int. Micro** Int. Micro* Int. Empresa** Cálculo I Cálculo II* Estatística** Algebra

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

IEP815 Política Ambiental, Descentralização e Qualidade de Vida Profa. Estela Neves

IEP815 Política Ambiental, Descentralização e Qualidade de Vida Profa. Estela Neves Objetivo: O objetivo do curso é familiarizar os alunos com a base teórica, marcos conceituais e questões operacionais da política ambiental no âmbito municipal, para capacitá-los para analisar propostas

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ALMEIDA, F. C.; SIQUEIRA, J. O.; ONUSIC, L. M. Data Mining no contexto de Customer Relationship Management. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 12, n. 2, p.

Leia mais

Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI.

Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI. 20.º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI. Márcio de Oliveira Júnior CADE Há várias formas de abordar a relação entre

Leia mais

REGULAÇÃO, CONCORRÊNCIA E INTERNET

REGULAÇÃO, CONCORRÊNCIA E INTERNET REGULAÇÃO, CONCORRÊNCIA E INTERNET Perspectivas acerca da neutralidade de redes a partir dos aportes da Teoria das Múltiplas Funcionalidades do Direito. VICTOR OLIVEIRA FERNANDES Jonathan Bruce Postel

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Comércio Internacional Professor: Carlos Pio Semestre: 1/2010 Turma: A Horário de atendimento: terças e quintas-feiras, das 12h às 13h, desde

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Gabriel Godofredo Fiuza de Bragança * Fernando Tavares Camacho **

1 INTRODUÇÃO. Gabriel Godofredo Fiuza de Bragança * Fernando Tavares Camacho ** Uma Nota sobre o Repasse de Ganhos de Produtividade em Setores de Infraestrutura no Brasil (fator x) Gabriel Godofredo Fiuza de Bragança * Fernando Tavares Camacho ** 1 INTRODUÇÃO Setores de infraestrutura

Leia mais

ACCOUNTABILITY COMO INSTRUMENTO ATENUANTE DO CONFLITO DE AGÊNCIA EM INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS RESUMO

ACCOUNTABILITY COMO INSTRUMENTO ATENUANTE DO CONFLITO DE AGÊNCIA EM INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS RESUMO ACCOUNTABILITY COMO INSTRUMENTO ATENUANTE DO CONFLITO DE AGÊNCIA EM INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Moacir Carneiro Junior. 1 Valdir Miranda Pinto. 2 RESUMO As Organizações Sem Fins Lucrativos têm demonstrado

Leia mais

Regulação econômica de infraestruturas: como escolher o modelo mais adequado?

Regulação econômica de infraestruturas: como escolher o modelo mais adequado? Regulação econômica de infraestruturas: como escolher o modelo mais adequado? Fernando Tavares Camacho Bruno da Costa Lucas Rodrigues* Resumo Nas últimas décadas, reguladores têm utilizado duas abordagens

Leia mais

Departamento de Sociologia, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Gualtar, 4710-057 Braga Portugal, Telef. 253604212, Fax 253678850

Departamento de Sociologia, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Gualtar, 4710-057 Braga Portugal, Telef. 253604212, Fax 253678850 Instituto de Ciências Sociais Departamento de Sociologia Licenciatura: Sociologia Unidade Curricular: Desenvolvimento, Sociedade e Estado Regime: 2º semestre Ano lectivo: 2007/2008 Docente: Maria Eugénia

Leia mais

ii. Inovação e Instituições [ ] Hodgson (2006, cap. 8); [ ] Nelson (2002, 2008); [ ] Nelson e Sampat (2001) [ ] North (1993 [1990])

ii. Inovação e Instituições [ ] Hodgson (2006, cap. 8); [ ] Nelson (2002, 2008); [ ] Nelson e Sampat (2001) [ ] North (1993 [1990]) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Economia Disciplina: ECO 35 Economia da Tecnologia Prof. Achyles Barcelos da Costa OBJETIVO A disciplina tem como objetivo estudar

Leia mais

Desigualdade de renda no mundo Programa

Desigualdade de renda no mundo Programa Desigualdade de renda no mundo Programa Necessidades especiais Importante: se você tem alguma necessidade especial, por favor, contate-me. Terei prazer em fazer todos os ajustes que estiverem a meu alcance.

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA: OS DIFERENTES MECANISMOS DE CONTROLE PARA ORGANIZAÇÕES COM E SEM FINS LUCRATIVOS 1

GOVERNANÇA CORPORATIVA: OS DIFERENTES MECANISMOS DE CONTROLE PARA ORGANIZAÇÕES COM E SEM FINS LUCRATIVOS 1 GOVERNANÇA CORPORATIVA: OS DIFERENTES MECANISMOS DE CONTROLE PARA ORGANIZAÇÕES COM E SEM FINS LUCRATIVOS 1 Raiziane Cassia Freire Da Silva 2, Rosane Maria Seibert 3. 1 Projeto de Iniciação Cientifica realizado

Leia mais

Análise comparativa de rentabilidade e lucratividade dos negócios geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Análise comparativa de rentabilidade e lucratividade dos negócios geração, transmissão e distribuição de energia elétrica Análise comparativa de rentabilidade e lucratividade dos negócios geração, transmissão e distribuição de energia elétrica Comparative analysis of profitability of business generation, transmission and

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MACROECONOMIA PÓS-KEYNESIANA PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MACROECONOMIA PÓS-KEYNESIANA PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MACROECONOMIA PÓS-KEYNESIANA PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO EMENTA: Keynes e a macroeconomia pós-keynesiana. O conceito de economia monetária de produção. Princípio da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: Administração Estratégica PROFESSOR: Dr. André

Leia mais

GOVERNANÇA E INOVAÇÃO PARA UM SISTEMA ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL:

GOVERNANÇA E INOVAÇÃO PARA UM SISTEMA ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL: GOVERNANÇA E INOVAÇÃO PARA UM SISTEMA ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL: COMO PODEMOS MELHORAR? Maria Bernadete Sarmiento Gutierrez 1 1 INTRODUÇÃO A transição para um sistema de baixo carbono se constitui em um enorme

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regente: Pedro Infante Mota Ano Letivo 2014/2015 3.º Ano, Turma da Noite DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO 1. APRESENTAÇÃO Apesar de a propensão para trocar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 FACUL DADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMATICA NEGÓGIOS GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ( 68) Teóricas Etapa: 7ª ( ) Práticas Interpretação de Governança e estratégia organizacional:

Leia mais

8 Referências bibliográficas

8 Referências bibliográficas 8 Referências bibliográficas ACIONISTA.COM.BR. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2011. ANP (AGÊNCIA NACIONAL DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS). Disponível em: .

Leia mais

A REGULAÇÃO ECONÔMICA NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: TEORIA E EVIDÊNCIAS

A REGULAÇÃO ECONÔMICA NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: TEORIA E EVIDÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MARCOS RODOLFO KESSLER A REGULAÇÃO ECONÔMICA NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO: TEORIA E EVIDÊNCIAS

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular/Course Unit Form

Ficha da Unidade Curricular/Course Unit Form Ficha da Unidade Curricular/Course Unit Form CURSO/COURSE: Mestrado em Economia, Mercados e Políticas Públicas Master in Economics, Markets and Public Policies Ano Lectivo/Academic Year: 2010/2011 Escola

Leia mais

1. Benjamin, B. S., Structures for Architects, Van Nostrand Reinhold, 2nd edition, New York, 1984.

1. Benjamin, B. S., Structures for Architects, Van Nostrand Reinhold, 2nd edition, New York, 1984. Bibliografia 1. Benjamin, B. S., Structures for Architects, Van Nostrand Reinhold, 2nd edition, New York, 1984. 2. Berger, H., Light Structures, Structures of Light: The Art and Engineering of Tensile

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Estratégia de para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Miguel Rivera PERES JÚNIOR 1 ; Jordan Assis REIS 2 1 Professor do IFMG Campus Formiga. Rua Padre Alberico, s/n. Formiga,MG

Leia mais

Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship

Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship 67 Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship (A comparative analysis between the Agency Theory and Stewardship) Angelo Antonio Davis de Oliveira Nunes e Rodrigues 1 1 Centro Universitário

Leia mais

Paulo Soares de Pinho. CV abreviado. Curriculum Académico: 1994 Doutoramento em Banking and Finance City University (Cass) Business School, Londres

Paulo Soares de Pinho. CV abreviado. Curriculum Académico: 1994 Doutoramento em Banking and Finance City University (Cass) Business School, Londres Paulo Soares de Pinho CV abreviado Data e local de nascimento: Lisboa, Portugal, a 30/08/1962 Casado. Um filho. Nacionalidade: Portuguesa Endereço Profissional: Faculdade de Economia Universidade Nova

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

CS3303 Dinâmica dos Investimentos Produtivos Internacionais (4-0-4) - DIPI

CS3303 Dinâmica dos Investimentos Produtivos Internacionais (4-0-4) - DIPI CS3303 Dinâmica dos Investimentos Produtivos Internacionais (4-0-4) - DIPI Área de Conhecimento Globalização produtiva, Ciência, Tecnologia e Inovação Professoras: Cristina Fróes de Borja Reis (Diurno):

Leia mais

JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il.

JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il. BSP Especializados BSP - Especializados JOHNSON, Gerry; SCHOLES, Kevan; WHITTINGTON, Richard.Exploring corporate strategy: text & cases. 8.ed. England: Prentice-Hall, 2008.881 p : il. UNIDADE: Morumbi

Leia mais

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature

Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature PSICOLOGIA ARGUMENTO doi: 10.7213/psicol.argum.5895 ARTIGOS [T] Desempenho no trabalho: Revisão da literatura [I] Job performance: An overview of literature [R] [A] Pedro Fernando Bendassolli Resumo Received

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas AAKER, D. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2001. ABBAS, K. Gestão de Custos em Organizações Hospitalares. 2001. In COUTO, Renato e PEDROSA, Tânia. Hospital: Acreditação

Leia mais

FORMULÁRIO DE CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO DE CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1 FORMULÁRIO DE CRIAÇÃO DE DISCIPLINA CD-01 1 NOME DO PROGRAMA: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS 2 Proposta de Criação de disciplina Exclusão de disciplina da grade curricular Mudança de denominação

Leia mais

TEORIA DE OPÇÕES APLICADA A PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEORIA DE OPÇÕES APLICADA A PROJETOS DE INVESTIMENTO Administração Contábil e Financeira TEORIA DE OPÇÕES APLICADA A PROJETOS DE INVESTIMENTO Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi Professora do IBMEC Business School e Doutoranda em Administração de Empresas

Leia mais

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Empreendedorismo e Internacionalização Disciplina: ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO Carga Horária semanal: 3 horas

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Unidade Curricular: Econometria Avançada I 1. Método dos Mínimos Quadrados Ordinários. 2. Interpretação e Selecção da Forma Funcional do Modelo de Mínimos Quadrados Ordinários. 3. Heteroscedasticidade

Leia mais

ABI/INFORM GLOBAL & COMPLETE

ABI/INFORM GLOBAL & COMPLETE ABI/INFORM Complete A mais completa das variantes da ABI/INFORM, combina informação académica, industrial, comercial e notícias regionais. Consiste em: ABI/INFORM Global Um núcleo de mais de 3,000 periódicos

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Unidade Curricular: Econometria Avançada I 1. Método dos Mínimos Quadrados Ordinários. 2. Interpretação e Selecção da Forma Funcional do Modelo de Mínimos Quadrados Ordinários. 3. Heteroscedasticidade

Leia mais

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 126 feam engebio 127 feam engebio 128 feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 130 feam engebio 131 feam engebio 132 feam engebio 133 REFERÊNCIAS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Defesa administrativa contra a ação de cartéis Claudio Weber Abramo Diretor executivo

Defesa administrativa contra a ação de cartéis Claudio Weber Abramo Diretor executivo Defesa administrativa contra a ação de cartéis Claudio Weber Abramo Diretor executivo Quando pessoas do mesmo ramo de negócios se encontram, mesmo que para se divertirem, a conversa quase sempre termina

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 8 DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E O APREÇAMENTO DE ATIVOS. São Paulo, setembro de 2007

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 8 DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E O APREÇAMENTO DE ATIVOS. São Paulo, setembro de 2007 TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 8 DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E O APREÇAMENTO DE ATIVOS Joe Akira Yoshino São Paulo, setembro de 2007 Universidade de São Paulo, FEA - Departamento de Economia Avenida Professor Luciano

Leia mais

DISCIPLINA OPTATIVA: FUNDAMENTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA. 45h/3 créditos

DISCIPLINA OPTATIVA: FUNDAMENTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA. 45h/3 créditos DISCIPLINA OPTATIVA: FUNDAMENTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA 45h/3 créditos Ementa: A disciplina envolve as seguintes aproximações: a tecnologia e as inovações tecnológicas como instrumentos de defesa

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Vander Mendes Lucas

CURRICULUM VITAE. Vander Mendes Lucas CURRICULUM VITAE Vander Mendes Lucas Department of Economics, Universidade de Brasília Campus Darcy Ribeiro ICC Ala Norte, 70.919-970, Brasília-DF, Brazil. Fax: ++55 61 3402311 Tel: ++55 61 3072498 ext.

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA. Disciplina

MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA. Disciplina CURSO Ano / Semestre 2015/2 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA Disciplina CAD310026 - Internacionalização da Educação Superior e Gestão da Cooperação Internacional

Leia mais

Reforma Educativa: o que é comum nos sistemas educativos de elevado desempenho

Reforma Educativa: o que é comum nos sistemas educativos de elevado desempenho Reforma Educativa: o que é comum nos sistemas educativos de elevado desempenho Stephen P. Heyneman Professor International Education Policy Vanderbilt University s.heyneman@vanderbilt.edu http://www.vanderbilt.edu/peabody/heyneman

Leia mais

Econometria Financeira

Econometria Financeira Econometria Financeira Área Científica: Economia/Gestão Horas de Contacto: TP: 45 Docentes Respnsáveis: Cristina Alexandra Oliveira Amado/ Benilde Maria Nascimento Oliveira Língua de Funcionamento: Português/

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO PLANO REAL NAS DECISÕES DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS

A INFLUÊNCIA DO PLANO REAL NAS DECISÕES DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS A INFLUÊNCIA DO PLANO REAL NAS DECISÕES DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS Marco Aurélio Antunes AGERGS - Av. Borges de Medeiros 521, 1 andar. POA/RS Jairo Laser Procianoy PPGA/EA/UFRGS - Rua Washington Luiz,

Leia mais

Aspectos Políticos da Adoção das IFRS no Brasil

Aspectos Políticos da Adoção das IFRS no Brasil Aspectos Políticos da Adoção das IFRS no Brasil Pesquisa em andamento para qualificação de doutorado Paulo Frederico Homero Junior paulo.junior@usp.br Doutorando do PPGCC/FEA/USP Orientador: Prof. Dr.

Leia mais

Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras

Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras Efeitos de Alavancagem e Oportunidades de Crescimento sobre o Investimento das Empresas Brasileiras Autoria: Estefania Falqueto Milanez Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a relação da alavancagem

Leia mais

DIREITO, CONTRATOS & COMPORTAMENTO ESTRATÉGICO

DIREITO, CONTRATOS & COMPORTAMENTO ESTRATÉGICO Doutorado em Direito Área: Direito e Políticas Públicas DIREITO, CONTRATOS & COMPORTAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Dr. Ivo Teixeira Gico Jr., Ph.D. Descrição Breve: O objetivo deste curso é treinar os participantes

Leia mais

Conclusões empíricas sobre o vínculo entre crescimento e pobreza O crescimento reduz a pobreza, mas seu impacto pode variar muito.

Conclusões empíricas sobre o vínculo entre crescimento e pobreza O crescimento reduz a pobreza, mas seu impacto pode variar muito. Conclusões empíricas sobre o vínculo entre crescimento e pobreza O crescimento reduz a pobreza, mas seu impacto pode variar muito. Recentemente, foi muito discutido o impacto do crescimento sobre a pobreza.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. SEMESTRE 2012 DISCIPLINA: PGA944 - COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR PROFESSOR: SALOMÃO

Leia mais

FINANÇAS DE EMPRESA Doutoramento em gestão ISEG, 2003-2004

FINANÇAS DE EMPRESA Doutoramento em gestão ISEG, 2003-2004 FINANÇAS DE EMPRESA Doutoramento em gestão ISEG, 2003-2004 1. DOCENTES João Carvalho das Neves Professor Catedrático e director da Pósgraduação em Gestão e Avaliação Imobiliária Professor Convidado em

Leia mais

Curriculum Vitae. Elementos de Identificação. Habilitações Literárias

Curriculum Vitae. Elementos de Identificação. Habilitações Literárias Curriculum Vitae Elementos de Identificação Nome: Manuel Ricardo Fontes da CUNHA Filho de: Joaquim Manuel Martins da Cunha e de Maria Conceição Costa Castro e Fontes da Cunha Natural da Freguesia de: Nevogilde,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA ECONOMIA MONETÁRIA PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO EMENTA: Keynes

Leia mais

A formação distorcida de preços administrados na experiência brasileira recente

A formação distorcida de preços administrados na experiência brasileira recente Revista de Economia Política, vol. 35, nº 3 (140), pp. 475-491, julho-setembro/2015 A formação distorcida de preços administrados na experiência brasileira recente Arthur Barrionuevo* resumo: Este artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Microeconomia III 0760.223 1.2 Unidade:

Leia mais